UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO JOURNALING FILESYSTEMS Seminário com o tema Journaling FileSystems apresentado como requisito parcial para aprovação na disciplina INE Sistemas Operacionais I ministrada pelo Prof. Dr. Antônio Augusto Fröhlich Alunos: Diego Perez Alvarez Fernando de Lucca Siqueira Karina Fasolin FLORIANÓPOLIS JUNHO/2008

2 SUMÁRIO 2.MOTIVAÇÃO CONTEXTO VERIFICAÇÃO DE INTEGRIDADE JOURNALING JOURNALING FILESYSTEMS PARA LINUX EXT3 - THIRD EXTENDED FILESYSTEM RAISERFS XFS JFS COMPARAÇÕES...11 REFERÊNCIAS...15

3 3 1. INTRODUÇÃO FileSystems são métodos para armazenar e organizar arquivos e seu conteúdo, de modo a facilitar a procura e acesso a eles. Em uma analogia, pode-se comparar um FileSystem a um banco de dados para o armazenamento, organização, manipulação, acesso e busca de dados. Uma vez que se formata uma partição, se define o FileSystem que esta irá implementar, sendo que pode ser jornalado ou não. Journaled FileSystems então é um tipo de FileSystem onde as mudanças ocorridas nos dados são armazenadas em um journal como um log antes de efetivarem a mudança real no sistema.em um FileSystem, é importante manter a integridade dos dados mesmo após a ocorrência de falhas do sistema. Quando se tem um Journaling FileSystem a recuperação de erros são mais rápidas e eficientes, uma vez que se tem em mãos o log de todas mudanças realizadas no disco. Com log, como em banco de dados, pode-se fazer a verificação da consistência entre o que está escrito no journal e o que de fato está armazenado em disco. Isso torna a recuperação do sistema após uma falha muito mais simples do que em um FileSystem não jornalado, onde necessitaria percorrer toda a estrutura de dados para a verificação. Sistemas jornalados são realmente rápidos em alguns aspectos, por exemplo, no boot do sistema em um filesystem sem suporte a journal, é feita a verificação de todo o sistema enquanto num sistema com suporte a journal é verificada apenas a parte apontada pelo journal.

4 4 2.MOTIVAÇÃO Com a evolução tecnológica que está cada vez mais rápida são inúmeros os serviços requeridos dos filesystems, como grandes partições de discos, recuperação rápida após um crash, alta performance de I/O, e é necessário armazenar milhares de arquivos que podem representar terabytes de dados. Além disso, journaling é uma característica exigida pelas empresas, mas que beneficia todos os usuários finais. Um journaling filesystem pode simplificar reinicio, reduzir fragmentação e acelerar I/O, melhor ainda journaling file systems fazem a checagem de consistência de disco de uma maneira muito mais rápida. Se você precisa manter um sistema de complexidade consideravelmente alta ou que requira alta disponibilidade, você deve seriamente considerar um journaling filesystem. São vários os filesystems que implementam journaling, no linux os quatro em desenvolvimento são: Ext3, ReiserFS, XFS, e JFS, no windows: NTFS e no MAC OS X o HFS.

5 5 3.CONTEXTO Quando é necessário atualizar de um arquivo com n blocos para n+2 blocos, vários são as alterações feitas pelo filesystem em poucos passos o que deve acontecer é: 1. Primeiro, dois novos blocos são alocados para guardar os novos dados 2. Depois, os i-nodes dos arquivos são atualizados para gravar os ponteiros dos dois blocos novos e o novo tamanho do arquivo. 3. Finalmente, os dados atuais são escritos nos blocos. Porém esses passos não são atômicos, como exemplificado na figura abaixo: Figura 1: Esquema de i-node e como os blocos são alocados. Fonte:http://www.linux-mag.com/images/ /img2/jfs_01.jpg Como pode ser visto o processo de escrever dados no arquivo o processo uma série de passos (mais passos podem ser mostrados se considerar todas as operações requeridas para

6 6 remover blocos livres de sua lista, entre outras mudanças de metadados possíveis) dessa forma está longe de ser uma operação atômica, onde poucos problemas podem ocorrer. Se todos os passos para escrever o arquivo são completados (e isso acontece na maioria das vezes) o arquivo é salvo com sucesso. Entretanto, se o processo é interrompido a qualquer tempo (talvez por problema de energia ou outra falha de sistema), um filesystem sem journaling pode terminar num estado inconsistente. Arquivos são corrompidos porque as operações lógicas de escrita (ou atualização) que na verdade são uma seqüência de I/O, não conseguem ser totalmente gravadas na mídia em determinado tempo. Se os meta-dados ou os dados do arquivo são deixados em um estado inconsistente, o filesystem não funcionará corretamente por muito tempo. 3.1 VERIFICAÇÃO DE INTEGRIDADE Filesystem sem journaling executam testes de integridade de filesystems (fsck ou scandisk) mais frequentemente, examinando toda a área de metadados do filesystem para detectar e reparar problemas com integridade estrutural antes de reiniciar. Se o Linux é desligado corretamente, fsck geralmente atesta sua integridade, Entretanto, depois de uma queda de energia ou crash, fsck é usado para encontrar algum tipo de erro nos meta-dados. Em filesystem que tem muitos meta-dados, a verificação de integridade pode ser muito lenta. Além disso, a verificação tem que escanear por completo o repositório de metadados do filesystem para assegurar consistência e operações sem erros. Como você já deve ter experimentado, a velocidade da verificação em uma partição do disco é proporcional ao tamanho dela, o número de diretórios e o número de arquivos em cada diretório. Para grandes filesystems, journaling tem se tornado crucial. Um journaling filesystem provê aumento na consistência estrutural, melhor recuperação e, reinicio mais rápido do que filesystems sem journaling. Na maioria dos casos, journaling filesystems podem reiniciar em menos de um segundo. O aumento de performance em um journaling filesystem vem do fato de que a verificação de integridade apenas vai varrer o journal do filesystem, verificando assim as operações que não tinham sido completadas e ficaram pendentes. A forma que esse journal é

7 7 construído permite que isso ocorra, uma vez que antes de cada alteração nos arquivos essa alteração é declarada no journal, sendo retirada do mesmo apenas quando ja está gravada em uma mídia. 3.2 JOURNALING A mágica do Journaling FileSystem está nas transações. Assim como uma transação de banco de dado, uma transação de um Journaling FileSystem trata uma sequência de mudanças como uma única operação, mas ao invés de atualizar tabelas, se faz atualizações nos metadados do filesystem ou nos arquivos do usuário. A transação garante que ou todas ou nenhuma atualização no sistema é feita. Por exemplo, o processo de criar um novo arquivo modifica várias estruturas de metadados (i-nodes, lista de blocos livres, entradas dos diretórios, etc). Antes do filesystem fazer essas mudanças, cria a transação que descreve o que está prestes a fazer. Uma vez que a transação foi gravada no disco, o filesystem continua e modifica o metadado. O journal de um Journaling filesystem é simplesmente a lista das transações. Em caso de uma falha no sistema, o filesystem é restaurado para um estado consistente refazendo as transações contida no journal. Ao invés de analisar todos metadados (com o fsck ou scandisk), o filesystem apenas verifica as partes dos metadados que foram recentemente modificados. A recuperação é bem mais rápida, normalmente dura segundos. E o melhor de tudo é que o tempo de recuperação deixa de ser dependente do tamanho da partição. Além de recomeçar muito mais rápido, a maioria dos Journaling filesystem também resolve outro problema significante: escalabilidade. Se você combinar alguns discos de grande capacidade, você pode juntar os filesystems. Dessa forma os journaling filesystems incluem propriedades como localização mais rápida de blocos livres, grande números de arquivos em um diretório, arquivos grandes e menor fragmentação interna.

8 8 3.3 JOURNALING FILESYSTEMS PARA LINUX EXT3 - THIRD EXTENDED FILESYSTEM O ext3 (que significa "third extended file system") faz parte da nova geração de sistemas de gestão de arquivos do Linux, foi desenvolvido por Stephen Tweedie e colaboradores na Red Hat, ele seria um ext2 com recurso de journaling. Talvez, essa seja a razão de seu uso amplo: ele é totalmente compatível com ext2 (que foi um sistema de arquivos muito usado), o que nenhum outro sistema de arquivos baseado em Journaling é. O ext3 passou a ser efetivamente suportado pelo kernel do Linux a partir da versão 2.4. Conseqüentemente, todas as distribuições Linux lançadas com esse kernel ou superior, tem suporte padrão para ext3. No ext3 o journal usa uma camada chamada JDB (Journaling Block Device). A JBD foi criada com o propósito de implementar Journal em qualquer tipo de dispositivo com base em blocos de dados. Por exemplo, o código ext3 informa e "pede autorização" à JDB para efetuar as mudanças, antes de modificar/adicionar qualquer dado no disco. Sendo assim, é o JDB que verdadeiramente "gerencia" o Journal. O fato mais interessante disso é que, a JDB funciona como uma entidade independente, permitindo que não só o ext3 a use, mas também outros sistemas de arquivos. A JBD utiliza um método diferente na recuperação de dados, ao invés de armazenar bytes que devem ser gravados, ele armazena blocos modificados do sistema de arquivos na memória para poder rastrear as operações que ficaram pendentes, a vantagem é que ele não precisa lidar com a complexidade de gravar bytes no journal e a desvantagem é que o journal acaba ficando maior. A adição do journaling é feita em um arquivo chamado.journal que fica oculto pelo código ext3 na partição (desta forma ele não poderá ser apagado, o que comprometeria o funcionamento do sistema). Em relação ao ext2 o ext3 se diferencia em: - Conter um Journal. - Árvore de diretórios para diretórios quebrados em mais de um bloco. O ext3 suporta três tipos de implementação do Journaling: Journal: grava todas as mudanças no sistema de arquivos, ou seja, todos os

9 9 metadados e conteúdo dos arquivos são escritos antes de serem escritos no sistema de arquivos principal. É o mais lento dos três modos pois tem que gravar duas vezes, mas é o que possui maior capacidade de evitar perda de dados; Ordered: grava somente mudanças em arquivos metadata (arquivos que guardam informações sobre outros arquivos), mas guarda as atualizações no arquivo de dados antes de fazer as mudanças associadas ao sistema de arquivos. Este Journaling é o padrão nos sistemas de arquivos ext3; Writeback: também só grava mudanças para o sistema de arquivo em metadata, mas utiliza o processo de escrita do sistema de arquivos em uso para gravação. É o mais rápido Journaling ext3, mas o menos confiável. O modo Ordered é o padrão no ext3, mas é possível especificar qual o modo que você deseja usar, através da atualização do arquivo fstab. Por exemplo, pode ser que a linha /dev/hda1/opt tenha sua opção data com o valor ordered. Você pode mudar este valor para writeback ou journal RAISERFS O RaiserFS, criado por Hans Reiser especialmente para o Linux e é o filesystem padrão das distribuições GNU/Linux da SuSe, o ReiserFS não utiliza blocos de tamanho fixo, mas ajusta o tamanho de acordo com o arquivo, sendo assim muito rápido em ler arquivos menores e não desperdiçando espaço do disco. Ele é baseado em Árvore B+ para organizar os objetos do filesystem (informações dos arquivos como permissão, i-node, etc), o que dá um acesso mais rápido aos arquivos e diretórios. RaiferFS trata toda a partição como se fosse uma única tabela de banco de dados contendo diretórios, arquivos e arquivos de meta-data, aumentando o desempenho de aplicativos que trabalham com arquivos pequenos (são lidos em apenas um I/O do HD) XFS

10 10 O XFS foi desenvolvido originalmente pela Silicon Graphics para atender ao seu sistema operacional IRIX e posteriormente disponibilizado o código fonte para se adaptar as versões Linux, é um sistema de arquivos muito rápido na gravação, possui um desfragmentador para arquivos, reconhecido pelo seu alto I/O throughput (testado até 7GB/sec). Tinha como objetivo ser um sistema de arquivos para gravação e reprodução de vídeos em tempo real. Usa muito a Árvore B+, principalmente para aumentar a escabilidade. Assim como o RaiserFS, o XFS utiliza tamanho variável de bloco, podendo assumir um tamanho de 512 bytes a 64 kilobytes. O log do XFS é gravado de forma assíncrona, isso é, os dados modificados não podem ser escritos em disco enquanto não for escrito no log. Com isso, múltiplas atualizações podem ser feitas e serem representadas por uma única escrita no log, aumentando sua eficiência JFS O JFS Journaling FileSystem, foi desenvolvido pela IBM para AIX. No JFS, o tamanho do bloco pode variar entre 512, 1024, 2048, e 4096 bytes, com o padrão de JFS aloca dinamicamente espaço para o i-node do disco quando necessário, liberando espaço quando não precisar mais. Para diretórios menores, armazena diretamente o conteúdo do diretório e seu i-node. Já para diretórios maiores, é usado uma Árvore B+, provendo operações mais rápidas para a manipulação dos arquivos.

11 11 4. COMPARAÇÕES Os gráficos comparativos aqui relacionados foram extraídos da palestra apresentada na FISL 9.0 pelo professor João Eriberto Mota Filho que é Oficial de Cavalaria do Exército Brasileiro e atua como Gerente de Rede e de Segurança em Rede do Gabinete do Comandante do Exército. Também é Coordenador e professor da Pós-graduação em Software Livre na Faculdade Fortium, em Brasília. Na palestra intitulada "Filesystems: Você realmente sabe instalar o GNU/Linux?" foram apresentados quadros comparativos entre os journaling filesystems:xfs, NTFS, JFS, ReiserFS e Ext3 e os antigos: Fat32 e Ext2. Teste de criação de arquivos de 5 bytes Tempo: Fonte:<http://www.eriberto.pro.br/palestras/fisl_2008/filesystems.pdf>

12 12 Reiser tem tempo pequeno por ter tamanho variável de blocos. Apesar do XFS também ter tamanho variável de blocos, a criação de entradas nos diretórios é lenta, por isso seu tempo foi superior aos demais. O fat32 tem baixa performance para muitos arquivos. Espaço Ocupado: Fonte:<http://www.eriberto.pro.br/palestras/fisl_2008/filesystems.pdf> Ext3 ocupa mais espaço do que os demais Journaling FileSystems por ter seu journal maior que os outros.

13 13 Teste de criação de arquivos de bytes Tempo: Fonte:<http://www.eriberto.pro.br/palestras/fisl_2008/filesystems.pdf> Para arquivos ocupando mais que 2 blocos, o NTFS perde muito da sua eficiência, demorando muito mais que os outros, enquanto o fat32 se mostra ser melhor para menos arquivos e maiores do que para mais arquivos e menores, devido a atualização da tabela realizada a cada mudança no sistema.

14 14 Espaço Ocupado: Fonte:<http://www.eriberto.pro.br/palestras/fisl_2008/filesystems.pdf> Novamente se percebe que em espaço ocupado, o Ext3 ocupa mais por ter seu journal maior que os outros, independente da quantidade de arquivos comparados.

15 15 REFERÊNCIAS BEST, Steve. Journaling File Systems. Linux Magazine Tuesday, October 15th, Disponível em: <http://www.linux-mag.com/de>. Acesso em 15/06/2008. TWEEDIE, Stephen C. Journaling the Linux ext2fs Filesystem. Disponível em: <http://donner.cs.uni-magdeburg.de/bs/lehre/wise0001/bs2/journaling/journal-design.pdf>. Acesso em 14/06/2008. MOTA FILHO,João Eriberto. Palestra intitulada "Filesystems: Você realmente sabe instalar o GNU/Linux?", apresentada no Fórum Internacional do Software Livre 9.0. Disponível em: <http://www.eriberto.pro.br/palestras/fisl_2008/>. Acesso em: 15/06/2008.

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO 1 INTRODUÇÃO Este trabalho visa apresentar um estudo detalhado sobre o Sistema de Arquivos (File System) ReiserFS que foi desenvolvido inicialmente por Hans Reiser e que atualmente está sendo patrocinado

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Os sistemas de arquivos é a parte do SO responsável pelo gerenciamento dos arquivos (estrutura, identificação, acesso, utilização, proteção e implementação).

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco Formatação do disco Para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco rígido, é preciso que antes sejam criadas estruturas que permitam gravar os dados de maneira organizada, para

Leia mais

VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL AFONSO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICOS HIREN S CD

VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL AFONSO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICOS HIREN S CD Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de Arquivos André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de arquivos Sistema de arquivos é o nome que se dá a implementação da organização de dados em discos. Vai desde o acesso a baixo nível até a interface

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais FATEC-PB Professor: Gustavo Wagner gugawag@gmail.com 1 Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa lista

Leia mais

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br Sistemas de Arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Sistemas de Arquivos... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 5 2.1. Objetivos... 5... 5 2.2. Troubleshooting... 6 2.2.1. Cfdisk...7

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Sistemas de arquivos no Linux. Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat

Sistemas de arquivos no Linux. Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat Sistemas de arquivos no Linux Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat Agenda Parte I Introdução a sistemas de arquivos Parte II Estrutura e funcionamento básico Parte III Sistemas de arquivos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO

Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO THÉO RODRIGUES DE ALMEIDA Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2009 Curso de Engenharia da Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas SISTEMAS DE ARQUIVOS FAT E FAT32 José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução Muitos usuários

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger SISTEMA DE ARQUIVOS Instrutor: Mawro Klinger Estrutura dos Discos As informações digitais, quer sejam programas ou dados do usuário, são gravadas em unidades de armazenamento. O HD é uma unidade de armazenamento

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux Apresentação Marcos Azevedo Idade: 23 anos Administrador da Rede Senac Goiás Usuário Linux desde 1993 Desenvolvedor: Java, C/C++/C#, Assembly,.NET e Perl. Hobby

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos e Diretórios Características e Implementação Tadeu Ferreira Oliveira - tadeu.ferreira@ifrn.edu.br

Sistemas de Arquivos. Arquivos e Diretórios Características e Implementação Tadeu Ferreira Oliveira - tadeu.ferreira@ifrn.edu.br Sistemas de Arquivos Arquivos e Diretórios Características e Implementação Tadeu Ferreira Oliveira - tadeu.ferreira@ifrn.edu.br Tadeu Ferreira IFRN 2016 Sistemas de Arquivos Objetivos Armazenar uma quantidade

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II Introdução Muitos itens de hardware possuem ferramentas de manutenção que podem ser acionadas via software Ações comuns que um software pode executar para melhorar o desempenho

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistema de Arquivos FAT

Sistema de Arquivos FAT Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos FAT Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br FAT A FAT é o sistema de arquivos usado pelo MS-DOS e outros sistemas operacionais baseados em Windows para organizar

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Curso de extensão da Faculdade Ruy Barbosa Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Dedicasse especial a Rogério Bastos e ao GRACO (Gestores da Rede Acadêmica de Computação) do DCC UFBA Paul Regnier

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Sistema de Arquivos Sistema de arquivos otimizado

Sistema de Arquivos Sistema de arquivos otimizado CAPA Sistema de Arquivos Sistema de arquivos otimizado A escolha de um sistema de arquivos depende das necessidades de cada um. Conheça as diferenças entre os sistemas de arquivos Linux mais populares

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador?

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador? Backup O backup tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais é a base do típico pedido de recuperação de arquivo: Um usuário apaga acidentalmente um arquivo e pede que

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização dos arquivos Estrutura de diretório Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços em disco Proteção

Leia mais

Seminário: Google File System (GFS)

Seminário: Google File System (GFS) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Disciplina: Sistemas Operacionais I INE5355 Alunos: Armando Fracalossi 06132008 Maurílio Tiago Brüning Schmitt 06132033 Ricardo Vieira Fritsche 06132044 Seminário:

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB Exercícios de revisão V2 1 Uma empresa que possui partições FAT em seus servidores, estava impressionada com um processo em específico na memória, onde o mesmo ocupava um espaço grande. Este servidor dedicado

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Sistemas de arquivos FAT e FAT32

Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Introdução Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Muitos usuários de Windows já ouviram falar em partições FAT ou FAT32 sem saber ao certo o que isso significa. Essas são siglas de sistemas de arquivos para

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS

Sistemas de Arquivos NTFS Sistemas de Arquivos NTFS Apresentação Desenvolvido pela Microsoft na década de 80 para o Windows NT Baseado no HPFS da IBM Versões NTFS 1.1(ou 4) NTFS NTFS 5 Sistema de Arquivos NTFS Unidade fundamental

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Estudo de Sistemas de Arquivos

Estudo de Sistemas de Arquivos Estudo de Sistemas de Arquivos Cronograma: EXT e EXT2. Melhorias do EXT3. Visão Geral do EXT4. Testes Práticos com o EXT2. Novos Paradigmas: LISFS - Logical Information System as a File System 1 Conceitos

Leia mais

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries Sistemas de Arquivos (Aula 23) Funções Profa. Gerência Sistema de um processos SO Patrícia D. CostaLPRM/DI/UFES de de de Proteção memória I/O Arquivos Necessidade 2 Sistemas Operacionais 2008/1 Grandes

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática DRIELE ALVARO,LUCAS ROBLEDO,NATACHA

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 6 O HARD DISK - HD 3 7 SISTEMAS DE ARQUIVOS 8 9 DELEÇÃO 10

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 6 O HARD DISK - HD 3 7 SISTEMAS DE ARQUIVOS 8 9 DELEÇÃO 10 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2006 Índice 6 O HARD DISK - HD 3 6.1 COMO FUNCIONA UM DISCO RÍGIDO 3 6.2 COMO OS DADOS SÃO GRAVADOS E LIDOS 3 6.3 TECNOLOGIA DE GRAVAÇÃO PERPENDICULAR 5 6.4 PARTICIONAMENTO 6 6.5

Leia mais

Gerenciamento de Transações

Gerenciamento de Transações Gerenciamento de Transações Outros tipos de recuperação: Além das falhas causadas por transações incorretas, conforme vimos anteriormente, podem ocorrer outros tipos de falhas, que ocorrem por fatores

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS Valença 2010 JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMAS DE ARQUIVOS Trabalho apresentado como requisito parcial para AVII da disciplina Sistemas

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Computador. Principais Características

Computador. Principais Características Computador Principais Características DISCO RÍGIDO HD SISTEMAS DE ARQUIVOS - WINDOWS IBM 305 RAMAC Ano 1956 Primeiro HD Um disco rígido ou HD, é um dispositivo composto por uma ou várias lâminas rígidas

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Sistema de Arquivos Ciclo 5 AT1 Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Referência: Deitel Cap. 13 Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais,

Leia mais

Sistema de Ficheiros

Sistema de Ficheiros Sistema de Ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longa Duração 1. Deve guardar grandes quantidades de dados 2. Informação guardada deve sobreviver à terminação dos processos 3. Múltiplos processos

Leia mais

Questões comentadas informática

Questões comentadas informática Questões comentadas informática INFORMÁTICA (TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA FCC 2012) O sistema operacional de um computador consiste em um A) conjunto de procedimentos programados, armazenados

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Descrever os métodos de alocação de recursos ublizados pelos sistemas operacionais. Descrever

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais RAID Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ O que é RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Recuperar informação

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Manual AGENDA DE BACKUP

Manual AGENDA DE BACKUP Gemelo Backup Online DESKTOP Manual AGENDA DE BACKUP Realiza seus backups de maneira automática. Você só programa os dias e horas em que serão efetuados. A única coisa que você deve fazer é manter seu

Leia mais

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Pilhas de Dispositivos Drivers no Windows Vista podem fazer todo trabalho sozinho; Uma requisição pode passar por uma seqüência

Leia mais

DUTRA, JULIE ANNE SOARES, RAQUEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTA DE DIAGNÓSTICO

DUTRA, JULIE ANNE SOARES, RAQUEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTA DE DIAGNÓSTICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática DONAVAN DUTRA, JULIE ANNE SOARES, RAQUEL

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais