PARÁGRAFO QUARTO Aos ocupantes dos cargos de Supervisores, Promotores de Vendas, Repositores e Demonstradores é assegurado 1 (Um) piso da categoria;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARÁGRAFO QUARTO Aos ocupantes dos cargos de Supervisores, Promotores de Vendas, Repositores e Demonstradores é assegurado 1 (Um) piso da categoria;"

Transcrição

1 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO firmada entre o Sindicato dos Empregados no Comércio Atacadista do Distrito Federal, SINDECAT/DF, sob o CNPJ nº / e o Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal, SINDIATACADISTA/DF, sob o CNPJ nº / , representando as empresas atacadistas e distribuidoras das categorias econômicas citadas abaixo: CNAE Denominação /01 Comércio atacadista de cosméticos e produtos de perfumaria Comércio atacadista de instrumentos e materiais para uso médico, cirúrgico, /01 hospitalar e de laboratórios Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos para uso odontomédico-hospitalar; partes e peças / /01 Comércio atacadista de medicamentos e drogas de uso humano /02 Comércio atacadista de medicamentos e drogas de uso veterinário /03 Comércio atacadista de produtos odontológicos /02 Comércio atacadista de próteses e artigos de ortopedia CLÁUSULA PRIMEIRA REAJUSTE SALARIAL As empresas representadas pelo Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal, SINDIATACADISTA/DF, concedem à categoria profissional representada pelo Sindicato dos Empregados no Comércio Atacadista do Distrito Federal, SINDECAT/DF, a partir de 1º de novembro de 2007, um Reajuste Salarial de 5% (Cinco inteiros por cento) incidente sobre o salário em 31 de outubro de CLÁUSULA SEGUNDA PISOS SALARIAIS Aos empregados admitidos no comércio atacadista é assegurado, nos 3 (Três) primeiros meses do contrato de trabalho, o Salário de Ingresso de R$499,72 (Quatrocentos e noventa e nove reais e setenta e dois centavos) e, após esse período, será pago o Piso Salarial de R$604,18 (Seiscentos e quatro reais e dezoito centavos). PARÁGRAFO PRIMEIRO Aos ocupantes dos cargos de Motoristas e Motoboys é assegurado piso salarial de R$604,18 (Seiscentos e quatro reais e dezoito centavos); PARÁGRAFO SEGUNDO Aos ocupantes do cargo de Gerente é assegurado Piso Salarial de R$604,18 (Seiscentos e quatro reais e dezoito centavos) acrescido de 35% (Trinta e cinco inteiros por cento); PARÁGRAFO TERCEIRO Aos ocupantes dos cargos de Copeira, Faxineiro e demais trabalhadores em serviço de limpeza é assegurado 1 (Um) piso da categoria; PARÁGRAFO QUARTO Aos ocupantes dos cargos de Supervisores, Promotores de Vendas, Repositores e Demonstradores é assegurado 1 (Um) piso da categoria; PARÁGRAFO QUINTO Ao empregado contratado em substituição a empregado demitido, sem justa causa, será assegurado o mesmo salário do substituído; PARÁGRAFO SEXTO Admitido empregado para a função de outro dispensado, será garantido aquele salário igual ao do empregado de menor salário na função, sem considerar vantagens pessoais; PARÁGRAFO SÉTIMO Enquanto perdurar a substituição que não tenha caráter meramente eventual, o empregado substituto fará jus ao salário contratual do substituído; PARÁGRAFO OITAVO Fica expressamente proibida a contratação de estagiário para

2 substituição de empregado. CLÁUSULA TERCEIRA GARANTIA MÍNIMA DO COMISSIONISTA Aos comissionistas puros e mistos será assegurada uma garantia mínima mensal de R$604,18 (Seiscentos e quatro reais e dezoito centavos) acrescida de 25% (Vinte e cinco inteiros por cento), quando o valor das comissões e o repouso semanal remunerado não atingir a referida quantia. CLÁUSULA QUARTA ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO (QÜINQÜÊNIO) A cada período de 5 (Cinco) anos de efetiva prestação de serviço na mesma empresa, fica garantido ao empregado um adicional de 5% (Cinco inteiros por cento) sobre sua remuneração, a título de Qüinqüênio, a ser pago pelo empregador durante a vigência da presente norma coletiva. CLÁUSULA QUINTA GRATIFICAÇÃO POR QUEBRA DE CAIXA As empresas que descontarem dos salários de seus empregados ocupantes do cargo de Operadores de Caixa, eventuais diferenças verificadas, pagarão a estes, exceto nos casos de dolo, a título de Quebra de Caixa, um valor mensal equivalente a 15% (Quinze inteiros por cento) de seu salário. CLÁUSULA SEXTA CONFERÊNCIA DOS VALORES DE CAIXA A conferência dos valores de caixa será realizada dentro da jornada de trabalho do operador responsável e na presença deste. Impedido pela empresa de acompanhar a conferência dos valores por ele operados ficará, o empregado, isento de responsabilidade por eventuais erros verificados, salvo se conferido no dia seguinte. CLÁUSULA SÉTIMA HORAS EXTRAS Estipulação da jornada semanal em 44 (Quarenta e quatro) horas para os comerciários que não sejam Operadores de Caixa ou Vigias, assegurando-se a remuneração das horas extraordinárias com adicional de 50% (Cinqüenta inteiros por cento), para as duas primeiras e, de 100% (Cem inteiros por cento) para as subseqüentes. CLÁUSULA OITAVA REPOUSO SEMANAL REMUNERADO Os empregados que recebam salário fixo e verbas variáveis habituais receberão o Repouso Semanal Remunerado, calculado da seguinte forma: total das verbas variáveis x (número domingos + feriados) número de dias úteis CLÁUSULA NONA ADICIONAL NOTURNO As empresas concederão aos empregados que exercerem atividades no período de 22h de um dia às 5h do outro um adicional noturno de 20% (Vinte inteiros por cento), devendo ser individualizado na folha de pagamento. CLÁUSULA DÉCIMA VALE ALIMENTAÇÃO As empresas fornecerão Vale Alimentação aos seus empregados no valor individual de R$6,60 (Seis reais e sessenta centavos) por dia de trabalho. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA VALE TRANSPORTE DOS EMPREGADOS Quando da concessão dos Vale Transportes, as empresas poderão efetuar o seu pagamento em espécie, no valor equivalente à passagem do dia, podendo o pagamento se dar de forma

3 semanal, quinzenal ou mensal. PARÁGRAFO PRIMEIRO No caso de haver reajuste de passagens, e optando a empresa pelo pagamento em espécie, deverá essa, quando for o caso, proceder ao respectivo complemento; PARÁGRAFO SEGUNDO Mesmo quando o pagamento se der em espécie, será descontado o percentual legal, sendo que os valores pagos não integrarão os salários, para quaisquer efeitos legais, pois, indispensáveis à prestação dos serviços; PARÁGRAFO TERCEIRO Entende-se que a base de cálculo para desconto do vale transporte compreenderá a remuneração fixa mais a variável (Comissão). CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA CESTA BÁSICA No sentido de garantir a qualidade alimentar, durante a vigência da CCT 2007/2008, a EMPRESA estará obrigada a conceder a seus FUNCIONÁRIOS SINDICALIZADOS, independente da remuneração que percebam, a partir do mês de Novembro de 2007, e nos meses subseqüentes durante a vigência da CCT 2007/2008, uma cesta básica de alimentos in natura garantida pelo Titulo de Relacionamento na Categoria CESTA DE ALIMENTOS E SIMILARES do Ministério da Agricultura e do Abastecimento e pelo registro no Ministério do Trabalho no PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador). A Cesta de Alimentos deverá conter 14 itens, conforme relação contida no PARÁGRAFO SEGUNDO e, poderá ainda, a critério exclusivo das empresas, ser concedida através de cartão magnético, fixando-se nessa hipótese o valor mínimo de R$40,00 (Quarenta reais). PARÁGRAFO PRIMEIRO O beneficio tratado nesta Cláusula deverá ser entregue mensalmente, até o dia do pagamento dos salários, não integrando, em hipótese alguma, os salários; PARÁGRAFO SEGUNDO As cestas básicas deverão conter, no mínimo, os produtos abaixo relacionados, não podendo fugir dos tipos determinados para garantia da qualidade do beneficio: ALIMENTOS QTD. TIPO Açúcar Cristal 5 kg Tipo 01 Arroz Agulhinha Longo Fino 5 kg Tipo 01 Biscoito Água e Sal 400 gr ***** Café Torrado e Moído 500 gr 1ª linha Doce Goiabada 500 gr 1ª linha Extrato de Tomate 350 gr 1ª linha Farinha de Mandioca 1 kg Tipo 01 Feijão Cores / Carioca 2 kg Tipo 01 Fubá de Milho 500 gr 1ª linha Macarrão Espaguete 2kg ***** Tempero Completo 300 gr 1ª linha Óleo de Soja 2,0 lt ***** Sardinha em Conserva 260 gr 1ª linha Sal Refinado 1 kg ***** PARÁGRAFO TERCEIRO Fica assegurada a concessão de cesta básica durante a licença maternidade e no caso de licença doença por até 30 (Trinta) dias; PARÁGRAFO QUARTO A cesta básica referente ao mês de Dezembro de 2007 poderá ser composta por produtos natalinos, desde que a maioria dos funcionários assim o deseje e deverá ser entregue ao empregado até o dia 21 de dezembro de

4 2007; PARÁGRAFO QUINTO Na vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho, o empregado demitido sem justa causa terá direito a 1 (Uma) cesta básica referente ao período de aviso prévio trabalhado; PARÁGRAFO SEXTO Perderá o direito ao recebimento da cesta básica o empregado que faltar injustificadamente ao trabalho no mês da concessão da mesma. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA TRANSPORTE DE FUNCIONÁRIOS Os estabelecimentos comerciais que funcionem após as 22h fornecerão transporte aos seus empregados que deixarem o trabalho em horário em que não exista transporte público regular. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA JORNADA DE TRABALHO DO VIGIA As empresas que possuírem em seus quadros, Vigias, poderão diversificar a escala de trabalho deste, com a adoção de horário de revezamento, plantão ou intermitente, além do sistema de 12x36 (Doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso). PARÁGRAFO PRIMEIRO Os empregados que cumprem a jornada de trabalho de 12x36 (Doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso), não farão jus a hora extraordinária em razão desta jornada, tendo em vista a natural compensação pela inexistência de trabalho nas 36 horas seguintes, não havendo diferenciação entre horário diurno e horário noturno, salvo, quanto ao adicional noturno; PARÁGRAFO SEGUNDO O SINDECAT/DF assume o compromisso de não patrocinar ou dar qualquer assistência, em qualquer demanda judicial ou administrativa objetivando o pagamento de horas extras, quando observada a jornada de trabalho de 12x36 (Doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso), uma vez que expressamente reconhece e afirma a conveniência da cláusula e a considera de interesse, conforme decidido em Assembléia Geral da Categoria. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA JORNADA DE TRABALHO DO OPERADOR DE CAIXA Fica assegurada a jornada de trabalho de 6 (Seis) horas corridas para Operadores de Caixa nas empresas que operam no sistema check out, que é improrrogável, perfazendo, assim, uma carga semanal de 36 (Trinta e seis) horas. CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA FREQÜÊNCIA OBRIGATÓRIA ÀS REUNIÕES As reuniões de trabalho de comparecimento obrigatório, que forem convocados os empregados, serão realizadas durante o expediente normal e, se ultrapassarem estas o horário normal de trabalho, serão remuneradas as horas excedentes como serviço extraordinário, por representarem tempo à disposição da empresa. CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA CARGA E DESCARGA DE CAMINHÕES As empresas ficam proibidas de utilizar seus empregados Vendedores nos serviços de carga e descarga de caminhões. CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA CHEQUES DEVOLVIDOS Fica proibido descontar da remuneração dos empregados os valores de cheques devolvidos por insuficiência de fundos ou irregularidades, exceto nos casos em que não tenham sido obedecidas as normas da empresa. PARÁGRAFO PRIMEIRO O empregador informará ao empregado por escrito e

5 contra-recibo as normas para recebimento de cheques; PARÁGRAFO SEGUNDO Em caso de não atendimento dessa exigência por parte do empregador, o empregado não poderá ser responsabilizado pela devolução de cheque. CLÁUSULA DÉCIMA NONA UNIFORMES Os empregados receberão uniformes gratuitos, quando do uso obrigatório, ressalvado o direito das empresas à indenização por extravio ou inutilização dolosa pelo empregado, bem como a devolução do mesmo ao final do contrato de trabalho, quando fornecido a menos de 6 (Seis) meses. CLÁUSULA VIGÉSIMA VESTIÁRIOS Os estabelecimentos em que a atividade exija troca de roupas no local de trabalho, ou em que seja exigido o uso de uniformes ou guarda-pó, terão local apropriado para vestiário, dotado de armários individuais, com chave privativa, e que somente poderão ser abertos pela empresa na presença do respectivo usuário. PARÁGRAFO PRIMEIRO Nas atividades em que não haja exigência de troca de roupas no local de trabalho, não será o vestiário exigido, bastando que o empregador proporcione gavetas, escaninhos ou cabides em que possa os empregados guardar ou pendurar roupas ou pertences de seu uso, respeitado a individualidade de utilização; PARÁGRAFO SEGUNDO Os empregados não poderão recusar, quando solicitado pela empresa, a abrir os armários individuais, gavetas ou escaninhos proporcionados ao seu uso, conforme CLÁUSULA VIGÉSIMA, facultada a inspeção em sua presença, desses locais, quanto ao seu uso correto e adequado, condições de higiene e limpeza; PARÁGRAFO TERCEIRO Fica proibida a revista dos empregados por pessoas de sexo oposto; CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA ASSENTOS As empresas colocarão assentos para os empregados que habitualmente trabalham em pé no atendimento ao público. CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO As empresas se obrigam a contratar, às suas expensas, Seguro de Vida em Grupo em favor de todos seus atuais funcionários, a ser pago ao(s) dependente(s) legal(ais) do empregado beneficiário do seguro, contemplando o seguinte: As empresas ficam obrigadas a contratar, às suas expensas, Seguro de Vida em Grupo em favor de todos seus atuais funcionários, a ser pago ao(s) dependente(s) legal(ais) do empregado beneficiário do seguro, contemplando o seguinte: - Falecimento (Morte qualquer causa) R$10.500,00 (Dez mil e quinhentos reais); - Invalidez Permanente (Por acidente) R$10.500,00 (Dez mil e quinhentos reais); - Auxílio Funeral R$2.100,00 (Dois mil e cem reais); PARÁGRAFO PRIMEIRO Será fornecida nos 6 (Seis) meses subseqüentes, contados do falecimento do empregado beneficiário, uma Cesta Básica de Alimentos, nos moldes do PARÁGRAFO SEGUNDO da CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA; PARÁGRAFO SEGUNDO A cobertura do seguro, para efeitos legais, perdurará

6 somente no período que o empregado estiver laborando na empresa, não prevalecendo, portanto, depois da rescisão contratual e bem assim, após a vigência da presente CCT; PARÁGRAFO TERCEIRO Em caso de não contratação do Seguro em Grupo, a empresa ficará obrigada a indenizar o(s) dependente(s) legal(ais) do empregado nas condições previstas no caput e Parágrafos dessa Cláusula. CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA FÉRIAS PARA CASAMENTO Fica facultado ao empregado gozar suas férias em período coincidente com a época de seu casamento, desde que comunique a empresa com antecedência mínima de 60 (Sessenta) dias e que o evento não se dê em período de picos de venda da empresa. PARÁGRAFO ÚNICO Fica garantida a licença remunerada de 5 (Cinco) dias consecutivos após o casamento. CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA VIAGENS As empresas que, em função dos serviços em localidades fora do Distrito Federal, tiverem que deslocar seus empregados ficarão obrigadas a cobrir despesas de viagem e estadia, necessárias ao cumprimento dos seus respectivos serviços. CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA ABONO DE FALTAS EM DIAS DE PROVAS Fica assegurado ao comerciário estudante, nos dias de provas escolares, ENEM e vestibulares, que coincidam com o seu horário de trabalho, o abono do tempo necessário à realização das provas e locomoção, desde que pré-avisado o empregador, com antecedência mínima de 24 (Vinte e quatro horas) e, no prazo de 5 (Cinco) dias, comprovado o comparecimento às provas, por documento fornecido pelo estabelecimento de ensino. CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA GARANTIA DE EMPREGO À GESTANTE À empregada gestante será garantido o emprego até 60 (Sessenta) dias após o término da licença-maternidade. CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA GARANTIA DE EMPREGO AO EMPREGADO AFASTADO TEMPORARIAMENTE Aos empregados afastados do trabalho por motivo de doença, percebendo o benefício previdenciário respectivo por no mínimo 30 (Trinta) dias corridos, serão garantidos emprego e salários a partir da comunicação de sua alta ou cessação do benefício até 45 (Quarenta e cinco) dias após. PARÁGRAFO PRIMEIRO Excetua-se da garantia expressa no caput desta cláusula, as hipóteses de justa causa ou acordo entre as parte, sendo esta última devidamente assistida pelo sindicato profissional. PARÁGRAFO SEGUNDO no caso de acidente de trabalho fica a empresa obrigada a preencher o Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT). CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA GARANTIA DE EMPREGO AO EMPREGADO AFASTADO PARA A PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Fica assegurada a estabilidade ao empregado que prestar serviço militar, a partir da data da incorporação e até 45 (Quarenta e cinco) dias após o retorno ao emprego, que deverá se dar, no máximo, em 30 (Trinta) dias após a baixa. CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA ATESTADOS MÉDICOS, ODONTOLÓGICOS E DE

7 COMPARECIMENTO Reconhecimento, por parte das empresas, de atestados médicos e odontológicos, passados por facultativos do SINDECAT/DF e SESC, desde que credenciados pelo INSS exceto quando as empresas oferecerem assistência médica aos seus empregados, ainda que através de convênio, quando somente serão aceitos os atestados passados por médicos a elas conveniados, sendo que as empresas com mais de 150 (Cento e cinqüenta) empregados ficam obrigadas à contratação de médico do trabalho/coordenador, de acordo com a Portaria de nº 8/96, de 8/5/1996 da Secretaria de Saúde do Ministério do Trabalho SSMT, combinando com a Portaria de nº 865/95 do Ministério do Trabalho. PARÁGRAFO ÚNICO Os atestados admissional, demissional, periódico e de mudança de função serão custeados pela empresa conforme prevê a NR 7 PCMSO. CLÁUSULA TRIGÉSIMA CÁLCULO DE SALÁRIO MATERNIDADE E LICENÇA MÉDICA DO COMISSIONISTA O salário maternidade da empregada comissionista e o benefício relativo à licença médica da empregada e do empregado comissionista serão calculado tomando-se por base as 3 (Três) maiores remunerações auferidas nos últimos 12 (Doze) meses que antecederem o respectivo pagamento. CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA AVISO PRÉVIO Se no curso do aviso prévio, qualquer que seja o comunicante, o empregado conseguir novo emprego, a empresa o dispensará do cumprimento do mesmo, desonerando as partes do respectivo pagamento, ficando estipulado o prazo de 5 (Cinco) dias para a apresentação do comprovante da nova contratação. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA CÁLCULO DE FÉRIAS, 13º SALÁRIO, AVISO PRÉVIO, HORAS EXTRAS E VERBAS RESCISÓRIAS DO COMISSIONISTA O valor das férias, 13º salário, aviso prévio, horas extras e verbas rescisórias do comissionista será calculado tomando-se por base as 8 (Oito) maiores remunerações auferidas nos últimos 12 (Doze) meses que antecederem o respectivo pagamento. PARÁGRAFO ÚNICO Para o salário maternidade será considerada as 3 (Três) maiores comissões mais o repouso semanal remunerado dos últimos 12 (Doze) meses. CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA PRAZO PARA HOMOLOGAÇÕES DAS RESCISÕES DE CONTRATO Quando da demissão do empregado as empresas homologarão no Sindicato dos Empregados no Comércio Atacadista do DF, a rescisão do contrato de trabalho, até o 10º (Décimo) dia, contado da data da comunicação do despedimento, sob pena da multa do parágrafo 8º do art. 477 da CLT, ressalvados as seguintes hipóteses: a) recusar-se o empregado a assinar a comunicação prévia da data, hora e local da homologação; b) assinada, deixar de comparecer ao ato; c) comparecendo o empregado, não se realizar a homologação por motivos alheios a sua vontade. Nessa hipótese deverá, necessariamente, o Sindicato Profissional atestar o comparecimento do mesmo no Termo de Rescisão. d) Quando o 10 o (Décimo) dia coincidir com Feriado, Sábado ou o Domingo, a homologação terá que ser feita no 1 º (Primeiro) dia útil subseqüente.

8 e) Obrigatoriedade das empresas aceitarem ressalvas no Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho, quando solicitado pelos empregados, conforme precedente 330 do TST. f) Todas as rescisões de empregados que tenham na empresa mais de 7 (Sete) meses serão, obrigatoriamente, homologadas no SINDECAT/DF. CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO ATO DA HOMOLOGAÇÃO DA RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Além dos documentos legalmente exigidos para a homologação das rescisões contratuais, deverão as empresas apresentar, no ato da homologação as guias das contribuições devidas às entidades patronal e laboral. PARÁGRAFO PRIMEIRO A não apresentação da documentação aqui estabelecida, implicará em multa diária a ser paga pela empresa, correspondente a 1/30 do valor do salário de ingresso, fixado na CLÁUSULA SEGUNDA, sendo que esta reverterá em favor das entidades patronal e laboral; PARÁGRAFO SEGUNDO Não poderá, entretanto, o Sindicato Laboral recusar-se a efetuar a competente homologação. Caso o empregador não apresente os comprovantes das guias devidamente quitadas no ato da homologação, lhe será concedido prazo de 5 (cinco) dias, após o qual incidirá a multa estabelecida no parágrafo anterior, até a data da apresentação ou pagamento se for o caso; PARÁGRAFO TERCEIRO Os valores correspondentes às multas devidas às entidades patronal e laboral deverão ser recolhidas nas tesourarias das mesmas. CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA FORNECIMENTO DE DOCUMENTOS As empresas, no ato da homologação, fornecerão ao empregado, por ocasião da demissão, a RSC - Relação de Salários e Contribuições, Guia do depósito da Multa dos 50% do FGTS (GRFP) e carta de referência. PARÁGRAFO ÚNICO Ao empregado demitido sem justa causa ou a pedido, será fornecida uma Carta de Referência. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL DOS EMPREGADOS As empresas descontarão de todos os seus empregados que sejam beneficiados por esta Convenção Coletiva de Trabalho, sindicalizados ou não, o percentual de 2% (Dois inteiros por cento) no mês de Novembro/2007; 2% (Dois inteiros por cento) no mês de Dezembro/2007 e 2% (Dois inteiros por cento) no mês de Julho de 2008, percentuais esses, incidentes sobre as Remunerações do mês de desconto, em favor da Entidade Profissional, para ampliação da assistência prestada e desenvolvimento patrimonial, recolhendo ao Sindicato Obreiro até o 5º (Quinto) dia do mês subseqüente. PARÁGRAFO PRIMEIRO Subordina-se o presente Desconto Assistencial, à não oposição do comerciário manifestada pessoal e individualmente perante o Sindicato Laboral, no prazo de até 10 (Dez) dias após a assinatura da presente Convenção Coletiva de Trabalho. PARÁGRAFO SEGUNDO Fica assegurado ao SINDECAT/DF, que havendo oposição por parte dos empregados, as empresas pagarão os valores relativos ao desconto não efetuado de 50% (Cinqüenta inteiros por cento) dos opositores; PARÁGRAFO TERCEIRO O pagamento pelas empresas mencionadas no parágrafo anterior, ocorrerá no prazo de 10 (Dez) dias, após o envio pelo SINDECAT/DF, das

9 relações dos nomes dos empregados oponentes; PARÁGRAFO QUARTO O valor acima será depositado em conta corrente do Sindicato Laboral mediante Guia à disposição do empregador na sede do Sindicato Profissional. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA RELAÇÃO NOMINAL DOS EMPREGADOS Após efetuar os descontos referidos na cláusula anterior e recolher os valores descontados, no prazo estabelecido, as empresas enviarão ao Sindicato dos Empregados, no prazo máximo de 30 (Trinta) dias, contados a partir do desconto, a cópia da guia da contribuição assistencial correspondente, acompanhada de relação nominal dos empregados com os respectivos valores. CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA MENSALIDADE As empresas descontarão em folha de pagamento a contribuição referente à mensalidade sindical devida ao Sindicato, no valor de R$17,70 (Dezessete reais e setenta centavos) nos termos do art. 545 da CLT, repassando os respectivos valores, no prazo de 10 (Dez) dias do efetivo desconto, diretamente na tesouraria da Entidade. CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA Conforme deliberação das respectivas Assembléias dos Sindicatos Patronais e do Conselho de Representantes da Fecomércio/DF e, de acordo com o dispositivo do art. 8º inciso IV da CF, as empresas integrantes das categorias referidas no preâmbulo, associadas ou não ao SINDIATACADISTA/DF, recolherão, em uma única parcela no mês de Março de 2008, na Caixa Econômica Federal, em favor do Sindicato Patronal, mediante guia própria de recolhimento a ser fornecida pela CEF, a CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA, conforme estabelecido na seguinte tabela: TABELA DA CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA DO SINDIATACADISTA/DF Nenhum empregado De 1 a 3 empregados De 4 a 7 empregados De 8 a 11 empregados De 12 a 30 empregados De 31 a 60 empregados De 61 a 100 empregados De 101 a 250 empregados Acima de 250 empregados R$111,13 (Cento e onze reais e treze centavos) R$152,52 (Cento e cinqüenta e dois reais e cinqüenta e dois centavos) R$228,77 (Duzentos e vinte e oito reais e setenta e sete centavos) R$274,52 (Duzentos e setenta e quatro reais e cinqüenta e dois centavos) R$381,28 (Trezentos e oitenta e um reais e vinte e oito centavos) R$549,05 (Quinhentos e quarenta e nove reais e cinco centavos) R$838,82 (Oitocentos e trinta e oito reais e oitenta e dois centavos) R$1.220,10 (Um mil duzentos e vinte reais e dez centavos) R$1.830,15 (Um mil oitocentos e trinta reais e quinze centavos) PARÁGRAFO PRIMEIRO O pagamento deverá ser efetuado na seguinte data: Parcela única em 31/3/2008; PARÁGRAFO SEGUNDO Fica estipulado que o mínimo a ser recolhido por empresa será o equivalente a contribuição mínima de R$111,13 (Cento e onze reais e treze centavos);

10 PARÁGRAFO TERCEIRO O atraso no pagamento das contribuições mencionadas acarretará multa de 2% (Dois inteiros por cento) do valor da contribuição mais 1% (Um inteiro por cento) ao mês, por mês de atraso. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA FREQUÊNCIA DO DIRIGENTE SINDICAL As empresas concederão a freqüência livre dos dirigentes sindicais para atenderem a realização de assembléias, reuniões e trabalhos sindicais devidamente convocados pelo Sindicato Laboral sem prejuízo da remuneração, que será paga pela empresa, desde que avisado com antecedência de 48 (Quarenta e oito) horas. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA PRIMEIRA ACESSO PARA DIVULGAÇÃO E SINDICALIZAÇÃO As empresas permitirão o livre acesso de membros credenciados do Sindicato Laboral, junto a todos os estabelecimentos atacadistas do DF, para sindicalização e divulgação aos comerciários, dos benefícios e serviços disponíveis a categoria. PARÁGRAFO ÚNICO As empresas no ato da contratação de novos funcionários, disponibilizarão fichas de sindicalização do SINDECAT/DF, a serem fornecidas pelo mesmo. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA QUADRO DE AVISOS As empresas com mais de 50 (Cinqüenta) empregados se comprometem a afixar em seus estabelecimentos quadros de avisos, informações de interesse dos empregados e procedentes do Sindicato Profissional, desde que não contenham a divulgação de matérias política partidária, conceitos ou expressões injuriosas que disponham os empregados contra a empresa ou autoridades. PARÁGRAFO ÚNICO As empresas disponibilizarão local apropriado dentro de suas dependências para que seja realizada sindicalização. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA TERCEIRA (CCPI) COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA INTERSINDICAL Fica mantida a Comissão de Conciliação Prévia Intersindical instituída através de Termo Aditivo a CCT vigente em 1º/2/2002, correndo as despesas financeiras com sua manutenção exclusivamente por conta do Sindicato Patronal. PARÁGRAGO PRIMEIRO Fica fixado em R$120,00 (Cento e vinte reais) o valor da Taxa de Custeio, a ser paga pelas empresas, por audiência realizada; PARÁGRAFO SEGUNDO As empresas associadas e adimplentes ao SINDIATACADISTA/DF ficam isentas do pagamento da taxa citada no parágrafo anterior. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUARTA DIA DO COMERCIÁRIO Na segunda feira de carnaval, dia 4/2/2008, em substituição ao feriado do dia 30 de outubro de 2008, será comemorado o Dia do Comerciário, sendo considerado feriado, ficando assegurada a remuneração normal. PARÁGRAFO ÚNICO No período de festa carnavalesca de 2008, as empresas dispensarão do trabalho seus empregados nos dia 3 de fevereiro (Domingo), 4 de fevereiro (Segunda Feira), 5 de fevereiro (Terça Feira) em todo o expediente e, na quarta-feira, dia 6 de fevereiro, até às 13h.

11 CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUINTA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO NOS DIAS DE DOMINGO E FERIADO Considerando que o art. 611 da CLT prevê, expressamente, que a Convenção Coletiva de Trabalho é o acordo de caráter normativo, onde são estipuladas as condições aplicáveis às relações individuais de trabalho; Considerando, a necessidade de regulamentar o trabalho dos Comerciários nos Domingos e feriados, uma vez que autorizado pela Lei nº /2000, os Sindicatos convenentes fixam as condições para esse trabalho nos seguintes termos: O trabalho aos domingos e feriados se necessário, só será realizado mediante acordo com o Sindicato Laboral e Patronal. I O salário ou comissão do dia será remunerado com 50% (Cinqüenta inteiros por cento) de acréscimo. II O trabalho realizado pelo comerciário nos dias de Domingo e feriado não poderá ultrapassar a 6 (Seis) horas corridas; III Cada 1 (Uma) hora trabalhada nos dias de Domingo e feriado corresponderá à 1 (Uma) hora e vinte minutos, de modo que a jornada de 6 (Seis) horas corresponda a 8 (Oito) horas; IV O Comerciário que laborar em um Domingo, necessariamente, terá folga no Domingo subseqüente, sendo vedado o trabalho em 2 (Dois) Domingos consecutivos; V Ocorrendo infringência ao item anterior, o trabalho realizado no Domingo subseqüente será considerado como jornada extra, sendo remunerado na forma o item VI; VI A hora extra no trabalho no Domingo e feriado será remunerada com 150% (Cento e cinqüenta inteiros por cento) do valor da hora normal; VII O Comerciário que for trabalhar no Domingo e feriado terá direito ao Repouso Semanal Remunerado no curso da semana que anteceder o trabalho neste dia; VIII Vale transporte gratuito ou passagem de ônibus sendo vedado o desconto; IX A empresa fornecerá almoço ou o valor de R$6,60 (Seis reais e sessenta centavos) para o empregado que venha a trabalhar nesses dias. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEXTA DA COMPENSAÇÃO DA JORNADA (BANCO DE HORAS LEI Nº 9.601/98 E MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.709/98) As horas trabalhadas em um dia poderão ser compensadas com folgas em outro, desde que a compensação ocorra dentro dos 12 (doze) meses subseqüentes à sua prestação, e a jornada semanal não exceda às 10 horas diárias nem a jornada semanal prevista para a categoria. Os dias das folgas compensatórias serão negociados entre empregador e empregado. PARÁGRAFO PRIMEIRO As empresas que trabalharem com o sistema de Banco de Horas, deverão firmar ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, com assistência, nas condições previstas nesta Convenção Coletiva; PARÁGRAFO SEGUNDO Quando da rescisão do contrato de trabalho, se houver saldo de horas não compensadas, o empregador pagará as horas extras no ato da homologação da rescisão; PARÁGRAFO TERCEIRO No final do prazo de concessão do Banco de Horas, o saldo de horas extras não compensado será pago com o respectivo adicional previsto na

12 presente Convenção Coletiva de Trabalho; Iniciando-se nova contagem; PARÁGRAFO QUARTO Nenhuma empresa poderá utilizar-se do Banco de horas sem acordo entre o Sindicato Laboral e Patronal, devendo a mesma estar em dias com seus recolhimentos assistenciais e sindicais; PARÁGRAFO QUINTO O Banco de Horas terá duração até 31/10/2008, independentemente da data de início de sua vigência; PARÁGRAFO SEXTO A jornada de trabalho do vigia poderá ser na escala 12x36 (Doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso), e, devido à compensação natural, essa jornada não dá ensejo ao percebimento de horas extras; PARÁGRAFO SÉTIMA O empregado comissionista não tem direito à percepção de horas extras decorrentes da eventual falta de intervalo intrajornada para refeição, sendo sua permanência no local de trabalho facultativa, por ocasião do referido intervalo; CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SÉTIMA PREVALÊNCIA DE CONDIÇÕES As cláusulas estabelecidas no presente instrumento normativo não prevalecerão nos casos de condições mais favoráveis, concedidas espontaneamente pelas empresas ou em lei a seus empregados, mantidas, pois, as vantagens desta sobre aquelas. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA OITAVA MULTA Fica estipulada multa equivalente a uma vez o salário normativo de ingresso pelo descumprimento de qualquer uma das cláusulas aqui celebradas na forma seguinte por empregado prejudicado. PARÁGRAFO ÚNICO Quando se tratar descumprimento da cláusula referente ao desconto assistencial dos empregados, o total descontado e não recolhido no prazo será corrigido pelo INPC do mês anterior, acrescido de multa de 2% (Dois inteiros por cento) sobre o total a ser recolhido. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA NONA DA ASSISTÊNCIA MÉDICO-ODONTOLÓGICA Visando viabilizar a implantação de assistência médico-odontológica destinada aos empregados do setor atacadista distribuidor, o SINDECAT/DF apresentará ao SINDIATACADISTA/DF, no prazo de 90 (Noventa) dias, para exame e avaliação projeto fundamentado para a implantação de tal serviço. PARÁGRAFO PRIMEIRO Caso o projeto venha a ser aprovado, os sindicatos signatários estabelecerão parceria visando a sua implantação; PARÁGRAFO SEGUNDO Na hipótese de concretização do disposto no Parágrafo anterior, a presente Convenção poderá ser revista no que se refere exclusivamente a esse item; CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA DA ABRANGÊNCIA A presente Convenção Coletiva abrange todos os empregados integrantes das empresas representadas pelo SINDIATACADISTA/DF. As categorias Econômicas de Atacadistas e Distribuidores de drogas, medicamentos, perfumarias, materiais médico-cirúrgico,-hospitalar, prótese, artigos de ortopedia, odontológico e cosméticos. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA VIGÊNCIA

13 A presente Norma Coletiva terá vigência de 1 (Um) ano, com início em 1º de novembro de 2007 e término em 31 de outubro de Brasília/DF, 28 de novembro de Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal Fábio de Carvalho Presidente Sindicato dos Empregados no Comércio Atacadista do Distrito Federal Paulo Hernesto dos Santos Presidente

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000311/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.007783/2013-70

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 16 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000005/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/01/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060503/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.015886/2009-27

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SIND DOS EMP VEN E VIAJ DO C P P V E VEN DE P FAR DO DF, CNPJ n. 00.449.181/0001-38, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). MARIA APARECIDA ALVES

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000211/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019665/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010232/2012-11 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 ABRANGENCIA EMPRESAS E EMPREGADOS NO COMERCIO EM GERAL DOS MUNICIPIOS DE BRASNORTE, JUINA, CASTANHEIRA, JURUENA, COTRIGUAÇU E ARIPUANÃ. Por este instrumento, de

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL.

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN, AREAL E SAPUCAIA.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE CUIABÁ e VARZEA GRANDE, e do outro lado, representando os empregadores

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001940/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022033/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46238.000478/2015-41 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001597/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024152/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.007124/2015-16 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001249/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030888/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.001732/2014-15 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CONGONHAS E A FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CONFORME AS SEGUINTES CLÁUSULAS E CONDIÇÕES:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS SINDICATO AUX ADM ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 31.249.428/0001-04, neste ato representado (a) por seu Presidente, Sr(a). ELLES CARNEIRO PEREIRA; E ASSOCIACAO NOBREGA DE EDUCACAO E ASSISTENCIA

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000220/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027997/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.006330/2010-83 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PELO PRESENTE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067405/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 13/10/2015 ÀS 16:29 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.016733/2015 14 DATA DO PROTOCOLO: 16/10/2015 SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000334/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039626/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001278/2014-33 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001762/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023628/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008636/2011-76 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002142/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067522/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46666.003592/2015-83 DATA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000572/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021807/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.005707/2015-00

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: BA000348/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028635/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46204.003385/2015-66 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013-2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013-2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013-2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

PARÁGRAFO TERCEIRO Para o pagamento de rescisão complementar em razão do reajuste salarial, as empresas terão o prazo até 31 de janeiro de 2014.

PARÁGRAFO TERCEIRO Para o pagamento de rescisão complementar em razão do reajuste salarial, as empresas terão o prazo até 31 de janeiro de 2014. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DO DISTRITO FEDERAL (SINDICOM/DF) E O SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS E DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS DO DISTRITO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000224/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016542/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000650/2013-11 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualii.. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001782/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000638/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055845/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.016132/2015-32 DATA

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026037/2013 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE SAO JOSE E REGIAO, CNPJ n. 03.392.229/0001-07, neste ato representado(a) por seu Membro

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA E O SINDICATO DO COMERCIO VAREJISTA DE MAQUINISMOS, FERRAGENS, TINTAS E MATERIAL

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA PERANTE O EXMO. DR. DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM O SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, LOCALIZADO À

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012087/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 06/03/2015 ÀS 08:38 FEDERACAO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO E CONGENERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO-TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). GILBERTO ALMEIDA DOS SANTOS; E

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000693/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067928/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.022304/2012-64 DATA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012990/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066055/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.005198/2014-51

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001498/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039452/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012508/2013-39 DATA DO PROTOCOLO: 01/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003231/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046809/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009204/2014-25 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000792/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR050907/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.011100/2015-21 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 1 Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO COMÉRCIO E EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Fundado em 01 de março de 1996 Entidade reconhecida no Arquivo de Entidades Sindicais do MTE sob o nº 46000-006947/96

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE001295/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/11/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR073196/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.022180/2013-17 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010 CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010 ATENÇÃO: ESTA CIRCULAR É APENAS UM INFORMATIVO DO SINDICATO PARA AS EMPRESAS E TRABALHADORES, E NÃO TERÁ VALIDADE PARA PROCESSOS TRABALHISTAS OU DE QUALQUER OUTRA NATUREZA.

Leia mais