Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos"

Transcrição

1 Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Seminário Aproveitamento de Águas Pluviais e Cinzentas Aveiro, 18/02/2011 M. Couto, C. Ferreira, A. Silva Afonso, V. M. Ferreira (CIRA; UA)

2 Fases do Projecto: Fase 1 Desenvolvimento do Modelo de Certificação Hídrica Fase 2 Avaliação das Tecnologias de Informação e Comunicação de suporte Fase 3 Diagnóstico/auditorias e propostas de beneficiação Fase 4 Projecto-piloto Fase 5 Acções de Sensibilização e Divulgação 2

3 Modelo de Certificação Hídrica (Fase 1) Certificação Hídrica tem o objectivo de definir um sistema que permita classificar os edifícios segundo os consumos praticados Avaliar a Eficiência Hídrica Garantir que as necessidades sanitárias e de conforto são asseguradas Objectivo: poupança de água! 3

4 Modelo de Certificação Hídrica algumas questões de partida... Os consumos serão semelhantes em todos os Edifícios? Será que uma piscina gasta o mesmo que um escritório? Os valores unitários terão que ser os mesmos em todos os Edifícios Públicos? 4

5 Modelo de Certificação Hídrica Valores unitários considerados por Tipo de Edifício : 5

6 Modelo de Certificação Hídrica Valores dos Consumos Médios praticados nos Edifícios: 6

7 Modelo de Certificação Hídrica OBRIGATÓRIO ou VOLUNTÁRIO 7

8 Modelo de Certificação Hídrica CERTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA : Facilita as transformações do mercado em comparação com programas voluntários; São garantidas condições de concorrência equitativas entre todos os sectores abrangidos; Maior rapidez na obtenção de resultados; 8

9 Modelo de Certificação Hídrica CERTIFICAÇÃO VOLUNTÁRIA: Totalmente dependente da consciencialização, tanto de consumidores, de construtores e fabricantes; Depois de apreendidas revelam grande eficácia; Maior aceitação pelo público. 9

10 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos: Passo base para o modelo deve-se garantir bons desempenhos nos consumos de água para os dispositivos de cada edifício. Em Portugal foi desenvolvido 10

11 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos 11

12 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos 12

13 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: Têm em conta não só os consumos base dos principais dispositivos, mas também a utilização de sistemas de reutilização de águas pluviais e de recolha de águas cinzentas. Frequentemente envolvem critérios de avaliação de desempenho relativo. 13

14 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: LEED (USA) LiderA (PT) 14

15 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: Permite flexibilidade nas soluções técnicas; Maior facilidade de comparação da sustentabilidade dos edifícios (LEED Certificado, Prata, Ouro, Platina; ou à certificação energética); Envolve os utentes/proprietários na poupança de água; Providencia vantagens, especialmente pela valorização do edifício nas opções sustentáveis tomadas durante a sua concepção. 15

16 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 16

17 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 17

18 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 18

19 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios: Procurou-se estabelecer um consumo máximo de água em diferentes tipos de edifícios. Esta opção implica também o desenvolvimento de uma metodologia para o cálculo do consumo de água de modo a avaliar a sua utilização. Estes valores devem ser adaptados de acordo com os diferentes tipos de edifício ou a cada uma das utilizações dada à água (soma de utilizações). 19

20 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios PRÓS: Aplicável tanto para utilizadores como para os construtores; Permite flexibilidade nas soluções técnicas; Permite avaliar as utilizações não eficientes de água. 20

21 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios LIMITAÇÕES: Validade da metodologia de cálculo; Necessidade de adaptação da exigência a cada tipo de edifício; Os custos de implementação; Possibilidade de falsificação dos dados relativos ao consumo; Não há incentivo para ir além do nível fixado. 21

22 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: Uma abordagem possível: Instalar auditorias de Eficiência Hídrica e a aplicação de um plano de gestão da Água em todos os edifícios. Sensibilizar a população nas estratégias para a poupança de água, sem definir especificamente quais os valores a atingir. Cada edifício seria apenas comparado com ele próprio (Antes e Depois). 22

23 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: PRÓS: Baseado nos consumos de água (monitorização); Sem necessidade de metodologias de cálculo para especificar o consumo mínimo de água; Baixo custo de implementação; Mostra quais os organismos públicos que estão a desenvolver um bom exemplo e a servir de exemplo; Pode-se construir uma extensa base de dados; Pode ser aplicada a edifícios novos ou aos existentes. 23

24 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: LIMITAÇÕES: Necessidade de adopção de um sistema de verificação de modo a assegurar que os objectivos são cumpridos; Possibilidade de falsificação dos dados relativos ao consumo caso não exista fiscalização; Parece só ser aplicável a edifícios públicos e de serviços, mas não a habitações. 24

25 Modelo de Certificação Hídrica Outros modelos: 25

26 Modelo de Certificação Hídrica Variáveis Vitais a considerar no modelo: Os Dispositivos (Eficiência de equipamentos) Sistemas de Aproveitamento e/ou Reutilização de água O Homem (o n.º utilizadores ou o seu comportamento) Condições Meteorologicas (estação do ano principalmente nos Espaços Verdes...) Tipos de Edifício (diferentes edifícios implicam diferentes utilizações (p.ex., Piscinas vs Edifício de Serviços) 26

27 Modelo de Certificação Hídrica Dificuldades e Incertezas Obtenção de dados credíveis (n.º utilizadores, por exemplo); Inexistência de contadores nos espaços verdes; Na criação de uma base de dados extensa de consumo de água por Tipo de Edifício na nossa Região; Número de amostras por Tipo de Edifício ; Valores bastante diferentes no consumo de água num mesmo Tipo de Edifício. 27

28 Modelo de Certificação Hídrica Auditorias efectuadas 28

29 Modelo de Certificação Hídrica Resumo de medidas propostas Substituição de dispositivos (torneiras de lavatório, autoclismos, fluxómetros, chuveiros e sistemas de duche); Colocação de contadores com telecontagem; Colocação de Sistemas de Aproveitamento das Águas da Lavagem de Filtros nas Piscinas para uso em autoclismos e fluxómetros; Colocação de painéis de sensibilização aos utentes; 29

30 Modelo de Certificação Hídrica Estado de desenvolvimento actual: Teste dos dados obtidos nas auditorias; Necessidade de validação por análise das modificações sugeridas (antes e depois das auditorias); Tendência de escolha entre modelo Tudo/Nada (valor eficiente) ou graduação em Escala [A+ A B F G ] - pode ser um modelo de compromisso mais realista e versátil. 30

31 Modelo de Certificação Hídrica Proposta em reflexão e teste: Apurar o valor de consumo normal para cada tipologia de edifício (por auditoria ou estimativa); Considerar 2 níveis de desempenho (ou de eficiência) que mostrem a % de poupança conseguida pela implementação de medidas específicas de eficiência hídrica; Vantagem de poder ser actualizado no tempo com a evolução das medidas de eficiência hídrica ou evoluções de projecto; Vantagem do utente/proprietário decidir o nº de medidas de eficiência a aplicar e logo o investimento a realizar. 31

32 Acções em Curso Obrigado! Poupe Água seja Eficiente! Aveiro, 18/02/2011 Blog: eficienciahidrica.wordpress.com 32

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminários de Divulgação nos Municípios da CIRA Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-15-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

Simulador de Consumo de Água

Simulador de Consumo de Água Sumário Simulação: O que é? Objetivo Estrutura Vantagens Aplicação Prática do Simulador 2 Simulação: O que é? É o ato de imitar, num modelo computacional, o comportamento de um processo de um sistema real.

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS

EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS SEMINÁRIO PROJETO EFICIÊNCIA HÍDRICA EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS Armando Silva Afonso Professor da Universidade de Aveiro A IMPORTÂNCIA DO USO EFICIENTE DA ÁGUA Devido não só ao crescimento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL

CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL A A SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO ÃO SEMINÁRIO CCDR Algarve 10 de Julho de 2009 CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL Armando Silva Afonso Professor da Universidade de Aveiro Presidente da ANQIP

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL

USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL ORDEM DOS ARQUITECTOS REGIÃO NORTE Ciclo 3R PAINEL 1 USO RACIONAL, REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DA ÁGUA USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL Armando Silva Afonso Professor da Universidade

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Ub Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações

Leia mais

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Seminário Nacional Ecoescolas, Coimbra, Janeiro de 2010 A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Helena Barracosa Escola Secundária João de

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

- Os resultados são validados a nível internacional por uma organização independente (iisbe);

- Os resultados são validados a nível internacional por uma organização independente (iisbe); 1- Explique pormenorizadamente que ferramenta é esta do SBTool PT? O SBTool PT é uma ferramenta que permite a avaliação e a certificação da sustentabilidade de edifícios. A metodologia implementada na

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

Eficiência e Sustentabilidade

Eficiência e Sustentabilidade Eficiência e Sustentabilidade P r i n c i p a i s r e s u l t a d o s d a p e s q u i s a J u n h o / 2 0 1 6 w w w. o i 3 e. o r g. b r E f i c i ê n c i a e S u s t e n t a b i l i d a d e Objetivos

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE Água Quente Solar para PORTUGAL Helder Gonçalves Presidente da ADENE O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério da Economia inclui explicitamente uma iniciativa de promoção da energia solar

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Congresso LiderA 2011 IST Lisboa, 25 e 26 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista sce@adene.pt ÍNDICE Sistema de Certificação Evolução

Leia mais

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível?

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? Aurora A.C. Teixeira CEF.UP, Faculdade de Economia, Universidade do Porto; OBEGEF; INESC TEC Dimensão do 3º setor e tipos de organizações

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Anexo Gráficos de resultados Perfil entrevistado Perfil por Região do Brasil Qual setor representa 30,0% 28,5% 26,6% 25,9% 25,0% 20,0%

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais 7. Gestão Ambiental Para além da liderança do Governo, a protecção ambiental é, também, da responsabilidade de toda a população, sendo necessária a participação de toda a sociedade, quer das empresas quer

Leia mais

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios -

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios - 12ª Conferência de Ambiente do Técnico 31 de Maio, 2007 Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) - novos desafios - Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento de política ambiental de apoio à

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF Maria João Moura nº3511n Ricardo Gonçalves nº3486n Telma Morais nº3466n O que é a certificação? É a garantia escrita, dada por um organismo certificador independente e imparcial que comprova que o produto

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável Certificações Ambientais LEED e BREEAM Por uma vida mais sustentável 2 1 Introdução Certificações ambientais Um projeto sustentável deve considerar os efeitos a longo prazo das ações realizadas no presente,

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Da construção sustentável e da ideia de projecto responsável

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 OBJECTIVOS DO PROGRAMA NACIONAL E COMPRAS ELECTRÓNICAS O Programa Nacional de

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética A democratização da Eficiência Energética enquanto objetivo de todos, face à escassez cada vez mais premente de recursos, veio criar diversas

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

Comendador Rui Nabeiro

Comendador Rui Nabeiro A Delta tem assumido como preocupação permanente construir um modelo de negócio sustentado na justiça social, ambiental e económica da cadeia de valor, assente na gestão de rosto humano. Comendador Rui

Leia mais

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Cenário atual do setor da construção civil Com a criação de programas de incentivo governamentais para

Leia mais

PROJECTO COLMEIA SINTRA

PROJECTO COLMEIA SINTRA PROJECTO COLMEIA SINTRA COLMEIA SINTRA - EMPREENDIMENTO BIOCLIMATICO EM SINTRA COLMEIA, COOPERATIVA DE HABITAÇÃO E CONSTRUÇÃO, CRL; Realiza empreendimentos a custos controlados e para o mercado imobiliário,

Leia mais

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007 Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar 15 de Março de 2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004 Higiene dos géneros alimentícios (aplicável a partir de 1 de

Leia mais

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho 1. Introdução A geotermia é a energia armazenada na forma de calor sob a superfície terrestre

Leia mais

Otimizar a água nos centros comerciais

Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais A Sonae Sierra necessita de energia, de água e de matéria-prima não renovável para que seja possível construir e operar os

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO ECO CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL LISBOA, 2012 ÍNDICE 1. CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL... 4 2. OBJECTIVO DA CERTIFICAÇÃO... 4 3. SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO SISTEMA ECO...

Leia mais

Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência

Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência CÂMARA MUNICIPAL DE ÁGUEDA Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência 1 Objectivo da contabilidade O objectivo da contabilidade, e consequentemente do seu produto final, que são as demonstrações

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Paço de Arcos, 11 de Março de 2014 Matosinhos, 18 de julho de 2013 Uma empresa ao serviço do setor 6 Delegações 22

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

O processo de. definição e implementação da Estratégia. Chapter Title. 15/e PPT

O processo de. definição e implementação da Estratégia. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 2 O processo de Chapter Title definição e implementação da Estratégia 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki,

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro Os Modelos ESE Sofia Tavares EDP Comercial Agenda 1 2 ESE Empresas de Serviços Energéticos O conceito Eco.AP

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI Acompanhar a revolução tecnológica

Leia mais

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Promovemos a sustentabilidade do seu negócio Júlio Faceira Guedes XZ Consultores, SA O MODELO DE GESTÃO efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Porto, 08 de Maio de 2012 O modelo de gestão efr 1. O que

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

Cursos de Formação COTHN / SGS

Cursos de Formação COTHN / SGS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 18 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) REFERENCIAL EMPRESAS DE SERVIÇOS DE ENERGIA (ESCO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO 1.

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015

CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1. Lisboa, 6 de novembro de 2015 CUSTOS SIMPLIFICADOS Modalidade Montantes Fixos Workshop 1 Lisboa, 6 de novembro de 2015 2 Custos Simplificados - Montantes Fixos Modalidade de Montantes Fixos Os custos elegíveis de uma operação são calculados

Leia mais

IEE/12/758/SI D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria

IEE/12/758/SI D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria IEE/12/758/SI2.644752 D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria Versão actualizada: Outubro 2013 Autores: Cooperativas agro-alimentarias de España Sobre

Leia mais

MARLISCO. Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility. Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa

MARLISCO. Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility.  Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa MARLISCO Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility http://www.marlisco.eu/ Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa OBJECTIVO PRINCIPAL Promover a sensibilização para as consequências

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique )

Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique ) Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique ) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. O MOPHRH 2. PLANO DIRECTOR DE ESTATÍSTICA (PDE) - Equipa - Definição,

Leia mais

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE WORKSHOP CONSULTA PÚBLICA SOBRE EIA DO PROJECTO SUMBE SUMBE, 22 DE MARÇO DE 2013 P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA 1 1. OBJECTIVOS DO

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais