Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos"

Transcrição

1 Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Seminário Aproveitamento de Águas Pluviais e Cinzentas Aveiro, 18/02/2011 M. Couto, C. Ferreira, A. Silva Afonso, V. M. Ferreira (CIRA; UA)

2 Fases do Projecto: Fase 1 Desenvolvimento do Modelo de Certificação Hídrica Fase 2 Avaliação das Tecnologias de Informação e Comunicação de suporte Fase 3 Diagnóstico/auditorias e propostas de beneficiação Fase 4 Projecto-piloto Fase 5 Acções de Sensibilização e Divulgação 2

3 Modelo de Certificação Hídrica (Fase 1) Certificação Hídrica tem o objectivo de definir um sistema que permita classificar os edifícios segundo os consumos praticados Avaliar a Eficiência Hídrica Garantir que as necessidades sanitárias e de conforto são asseguradas Objectivo: poupança de água! 3

4 Modelo de Certificação Hídrica algumas questões de partida... Os consumos serão semelhantes em todos os Edifícios? Será que uma piscina gasta o mesmo que um escritório? Os valores unitários terão que ser os mesmos em todos os Edifícios Públicos? 4

5 Modelo de Certificação Hídrica Valores unitários considerados por Tipo de Edifício : 5

6 Modelo de Certificação Hídrica Valores dos Consumos Médios praticados nos Edifícios: 6

7 Modelo de Certificação Hídrica OBRIGATÓRIO ou VOLUNTÁRIO 7

8 Modelo de Certificação Hídrica CERTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA : Facilita as transformações do mercado em comparação com programas voluntários; São garantidas condições de concorrência equitativas entre todos os sectores abrangidos; Maior rapidez na obtenção de resultados; 8

9 Modelo de Certificação Hídrica CERTIFICAÇÃO VOLUNTÁRIA: Totalmente dependente da consciencialização, tanto de consumidores, de construtores e fabricantes; Depois de apreendidas revelam grande eficácia; Maior aceitação pelo público. 9

10 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos: Passo base para o modelo deve-se garantir bons desempenhos nos consumos de água para os dispositivos de cada edifício. Em Portugal foi desenvolvido 10

11 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos 11

12 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 1. Estabelecer Requisitos de Consumo para os Dispositivos 12

13 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: Têm em conta não só os consumos base dos principais dispositivos, mas também a utilização de sistemas de reutilização de águas pluviais e de recolha de águas cinzentas. Frequentemente envolvem critérios de avaliação de desempenho relativo. 13

14 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: LEED (USA) LiderA (PT) 14

15 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 2. Sistemas de avaliação de sustentabilidade que apresentam indicador relativo ao consumo de água: Permite flexibilidade nas soluções técnicas; Maior facilidade de comparação da sustentabilidade dos edifícios (LEED Certificado, Prata, Ouro, Platina; ou à certificação energética); Envolve os utentes/proprietários na poupança de água; Providencia vantagens, especialmente pela valorização do edifício nas opções sustentáveis tomadas durante a sua concepção. 15

16 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 16

17 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 17

18 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios - sistemas 18

19 Modelo de Certificação Hídrica 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios: Procurou-se estabelecer um consumo máximo de água em diferentes tipos de edifícios. Esta opção implica também o desenvolvimento de uma metodologia para o cálculo do consumo de água de modo a avaliar a sua utilização. Estes valores devem ser adaptados de acordo com os diferentes tipos de edifício ou a cada uma das utilizações dada à água (soma de utilizações). 19

20 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios PRÓS: Aplicável tanto para utilizadores como para os construtores; Permite flexibilidade nas soluções técnicas; Permite avaliar as utilizações não eficientes de água. 20

21 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 3. Estudo do Consumo da Água nos Edifícios LIMITAÇÕES: Validade da metodologia de cálculo; Necessidade de adaptação da exigência a cada tipo de edifício; Os custos de implementação; Possibilidade de falsificação dos dados relativos ao consumo; Não há incentivo para ir além do nível fixado. 21

22 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: Uma abordagem possível: Instalar auditorias de Eficiência Hídrica e a aplicação de um plano de gestão da Água em todos os edifícios. Sensibilizar a população nas estratégias para a poupança de água, sem definir especificamente quais os valores a atingir. Cada edifício seria apenas comparado com ele próprio (Antes e Depois). 22

23 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: PRÓS: Baseado nos consumos de água (monitorização); Sem necessidade de metodologias de cálculo para especificar o consumo mínimo de água; Baixo custo de implementação; Mostra quais os organismos públicos que estão a desenvolver um bom exemplo e a servir de exemplo; Pode-se construir uma extensa base de dados; Pode ser aplicada a edifícios novos ou aos existentes. 23

24 Modelo de Certificação Hídrica - O Estado da Arte 4. Auditorias de Eficiência Hídrica e Planos para a Gestão de Água nos Edifícios: LIMITAÇÕES: Necessidade de adopção de um sistema de verificação de modo a assegurar que os objectivos são cumpridos; Possibilidade de falsificação dos dados relativos ao consumo caso não exista fiscalização; Parece só ser aplicável a edifícios públicos e de serviços, mas não a habitações. 24

25 Modelo de Certificação Hídrica Outros modelos: 25

26 Modelo de Certificação Hídrica Variáveis Vitais a considerar no modelo: Os Dispositivos (Eficiência de equipamentos) Sistemas de Aproveitamento e/ou Reutilização de água O Homem (o n.º utilizadores ou o seu comportamento) Condições Meteorologicas (estação do ano principalmente nos Espaços Verdes...) Tipos de Edifício (diferentes edifícios implicam diferentes utilizações (p.ex., Piscinas vs Edifício de Serviços) 26

27 Modelo de Certificação Hídrica Dificuldades e Incertezas Obtenção de dados credíveis (n.º utilizadores, por exemplo); Inexistência de contadores nos espaços verdes; Na criação de uma base de dados extensa de consumo de água por Tipo de Edifício na nossa Região; Número de amostras por Tipo de Edifício ; Valores bastante diferentes no consumo de água num mesmo Tipo de Edifício. 27

28 Modelo de Certificação Hídrica Auditorias efectuadas 28

29 Modelo de Certificação Hídrica Resumo de medidas propostas Substituição de dispositivos (torneiras de lavatório, autoclismos, fluxómetros, chuveiros e sistemas de duche); Colocação de contadores com telecontagem; Colocação de Sistemas de Aproveitamento das Águas da Lavagem de Filtros nas Piscinas para uso em autoclismos e fluxómetros; Colocação de painéis de sensibilização aos utentes; 29

30 Modelo de Certificação Hídrica Estado de desenvolvimento actual: Teste dos dados obtidos nas auditorias; Necessidade de validação por análise das modificações sugeridas (antes e depois das auditorias); Tendência de escolha entre modelo Tudo/Nada (valor eficiente) ou graduação em Escala [A+ A B F G ] - pode ser um modelo de compromisso mais realista e versátil. 30

31 Modelo de Certificação Hídrica Proposta em reflexão e teste: Apurar o valor de consumo normal para cada tipologia de edifício (por auditoria ou estimativa); Considerar 2 níveis de desempenho (ou de eficiência) que mostrem a % de poupança conseguida pela implementação de medidas específicas de eficiência hídrica; Vantagem de poder ser actualizado no tempo com a evolução das medidas de eficiência hídrica ou evoluções de projecto; Vantagem do utente/proprietário decidir o nº de medidas de eficiência a aplicar e logo o investimento a realizar. 31

32 Acções em Curso Obrigado! Poupe Água seja Eficiente! Aveiro, 18/02/2011 Blog: eficienciahidrica.wordpress.com 32

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminários de Divulgação nos Municípios da CIRA Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-15-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M.

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M. Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M. Ferreira POVT-09-142-FEDER-000022 O Desafio Em Portugal, a necessidade

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS

EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS SEMINÁRIO PROJETO EFICIÊNCIA HÍDRICA EFICIÊNCIA HÍDRICA PRINCÍPIOS E CASOS PRÁTICOS Armando Silva Afonso Professor da Universidade de Aveiro A IMPORTÂNCIA DO USO EFICIENTE DA ÁGUA Devido não só ao crescimento

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

CINZENTAS SITUAÇÃO EM PORTUGAL

CINZENTAS SITUAÇÃO EM PORTUGAL APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS E CINZENTAS SEMINÁRIO Aveiro, 18 de Fevereiro de 2011 APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS E CINZENTAS SITUAÇÃO EM PORTUGAL Armando Silva Afonso Professor da Universidade de

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL

USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL ORDEM DOS ARQUITECTOS REGIÃO NORTE Ciclo 3R PAINEL 1 USO RACIONAL, REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DA ÁGUA USO RACIONAL DA ÁGUA: EFICIÊNCIA NO CICLO PREDIAL Armando Silva Afonso Professor da Universidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL

CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL A A SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO ÃO SEMINÁRIO CCDR Algarve 10 de Julho de 2009 CERTIFICAÇÃO DE EFICIÊNCIA HÍDRICA EM PORTUGAL Armando Silva Afonso Professor da Universidade de Aveiro Presidente da ANQIP

Leia mais

Simulador de Consumo de Água

Simulador de Consumo de Água Sumário Simulação: O que é? Objetivo Estrutura Vantagens Aplicação Prática do Simulador 2 Simulação: O que é? É o ato de imitar, num modelo computacional, o comportamento de um processo de um sistema real.

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Ub Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

PROJECTO ECOCASA-ÁGUA PROGRAMA ECOFAMÍLIAS

PROJECTO ECOCASA-ÁGUA PROGRAMA ECOFAMÍLIAS PROJECTO ECOCASA-ÁGUA PROGRAMA ECOFAMÍLIAS Ana Rita Antunes e Sara Ramos Faro, 12 de Outubro de 2009 Projecto EcoCasa Início em 2004 40.000 visitas /ano Acções de sensibilização em escolas Participação

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

- Os resultados são validados a nível internacional por uma organização independente (iisbe);

- Os resultados são validados a nível internacional por uma organização independente (iisbe); 1- Explique pormenorizadamente que ferramenta é esta do SBTool PT? O SBTool PT é uma ferramenta que permite a avaliação e a certificação da sustentabilidade de edifícios. A metodologia implementada na

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE Água Quente Solar para PORTUGAL Helder Gonçalves Presidente da ADENE O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério da Economia inclui explicitamente uma iniciativa de promoção da energia solar

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador:

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador: A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012 Orador: Vantagens e Mercado Introdução Implementação Vantagens Mercado Outros referenciais legislativos e normativos INTRODUÇÃO

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Seminário Nacional Ecoescolas, Coimbra, Janeiro de 2010 A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Helena Barracosa Escola Secundária João de

Leia mais

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social No caminho da Sustentabilidade Óbidos Carbono Social Objectivos Implementação de medidas que visam a redução das emissões de CO 2 Execução de soluções de sequestração de CO 2 no Concelho Projectos de Mitigação

Leia mais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais 7. Gestão Ambiental Para além da liderança do Governo, a protecção ambiental é, também, da responsabilidade de toda a população, sendo necessária a participação de toda a sociedade, quer das empresas quer

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AVISO Nº3/ENERGIA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AVISO Nº3/ENERGIA ORIENTAÇÃO TÉCNICA AVISO Nº3/ENERGIA ENERGIA - UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS (IPSS E ADUP) 1. ÂMBITO E OBJECTIVO DA ORIENTAÇÃO Ao abrigo do

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível?

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? Aurora A.C. Teixeira CEF.UP, Faculdade de Economia, Universidade do Porto; OBEGEF; INESC TEC Dimensão do 3º setor e tipos de organizações

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Eficiência e Sustentabilidade

Eficiência e Sustentabilidade Eficiência e Sustentabilidade P r i n c i p a i s r e s u l t a d o s d a p e s q u i s a J u n h o / 2 0 1 6 w w w. o i 3 e. o r g. b r E f i c i ê n c i a e S u s t e n t a b i l i d a d e Objetivos

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

O Sistema GS1 Eficiência para. Silvério Paixão Lisboa, 23 de Maio de 2015

O Sistema GS1 Eficiência para. Silvério Paixão Lisboa, 23 de Maio de 2015 O Sistema GS1 Eficiência para Silvério Paixão Lisboa, 23 de Maio de 2015 Índice A GS1 no Mundo A GS1 em Portugal O Sistema de Normas GS1 Sector Saúde 3 A GS1 no Mundo Propósitos e Crenças Somos uma Organização

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance.

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. Robert S. Kaplan and David P. Norton Harvard Business School Case Study Análise da metodologia

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Eco Bairros. Isabel Santos

Eco Bairros. Isabel Santos Eco Bairros Isabel Santos Janeiro 2012 SERVIÇOS 3 UNIDADES DE NEGÓCIO 3 PÚBLICOS-ALVO ENERGIA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL Todos os sectores de actividade Promotores, Construtores,

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO AVISO-CONCURSO

APRESENTAÇÃO DO AVISO-CONCURSO APRESENTAÇÃO DO AVISO-CONCURSO HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO Projeto U-Bike Portugal Promoção de Bicicletas Elétricas e Convencionais nas Comunidades Académicas 23 NOVEMBRO 2015 AUDITÓRIO DA ANTIGA CAPITANIA

Leia mais

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Proprietário da Instalação: LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz Revisores Oficiais de Contas Sustentabilidade Manutenção da profissão, do seu prestígio e do seu contributo para o interesse público, a longo prazo.

Leia mais

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável Certificações Ambientais LEED e BREEAM Por uma vida mais sustentável 2 1 Introdução Certificações ambientais Um projeto sustentável deve considerar os efeitos a longo prazo das ações realizadas no presente,

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

1 de Outubro Dia Nacional da Água

1 de Outubro Dia Nacional da Água 1 de Outubro Dia Nacional da Água Qual a Distribuição da Águana Terra? Planeta Terra A Água ocupa cerca de ¾ da superfície terrestre. 30% Terra Água 70% 2,80% 0,01% 0,005% Água salgada Água doce 0,63%

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água

Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água Pedro Mendes INAG, I.P. Enquadramento Legal A aplicação do Programa 7 do Plano Nacional da Água ao Uso Eficiente da Água Decreto-Lei nº 122/2002 Criação do

Leia mais

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Certificação Energética em Portugal Revisão da Directiva Europeia e futuras implicações na regulamentação energética Keep Cool in Zero Energy Buildings LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Sistema de Certificação

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO ECO CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL LISBOA, 2012 ÍNDICE 1. CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL... 4 2. OBJECTIVO DA CERTIFICAÇÃO... 4 3. SISTEMA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO SISTEMA ECO...

Leia mais

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020)

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) 0 Metas da União Europeia para 2020 20% 20% 20% Peso das Renováveis no consumo de energia final Redução do consumo de energia final Redução de gases de efeito de estufa

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT 0 O futuro do mercado dos serviços energéticos Cláudio Monteiro, SMARTWATT 1 De que depende o futuro de Serviços Energéticos? 2 Depende da valorização da eficiência por parte dos consumidores Depende da

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12 A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Agenda A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Esquemas de Certificação: PEFC e FSC Estatísticas Mundiais e Nacionais Requisitos da CdR aplicáveis ao Sector

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE 3 3. IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 5 4. CONTROLO E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

IEE/12/758/SI D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria

IEE/12/758/SI D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria IEE/12/758/SI2.644752 D 3.1: Guia do auditor (Audit Guide_Portuguese) Anexo I: Modelo de Relatório de Auditoria Versão actualizada: Outubro 2013 Autores: Cooperativas agro-alimentarias de España Sobre

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Sector Bancário Processo Dinamização

Sector Bancário Processo Dinamização Sector Bancário Processo Dinamização Enquadramento Processo Casos Práticos Vantagens Sector Bancário PRECAVER SITUAÇÕES DE RISCO Evitar imediatismos, Apostar na Sustentabilidade, Não viver acima das nossas

Leia mais

Contribuição das janelas para a iluminação natural

Contribuição das janelas para a iluminação natural Urban Rehabilitation Week Lisbon, LNEC, 5-7 April 2016 Workshop 4 Seleção da Caixilharia em Função da Exposição. A Nova Norma NP 4517 (Workshop 4 - Selection of Fenestration in Function of Exposure. The

Leia mais

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009 Seminário Faro Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável Faro, 17 de Novembro 2009 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO POR LISBOA 2020 TIPOLOGIA DE AÇÕES DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA

PROPOSTA DE METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO POR LISBOA 2020 TIPOLOGIA DE AÇÕES DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PROPOSTA DE METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO POR LISBOA 2020 TIPOLOGIA DE AÇÕES DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Proposta de metodologia e critérios de seleção do POR Lisboa 2020 Tipologia de ações de Assistência

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

Orientação Técnica Específica

Orientação Técnica Específica Orientação Técnica Específica, DE 19 DE JULHO DE 2010 ENERGIA UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO-AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS (IPSS E ADUP) 1. ÂMBITO E OBJECTIVO DA ORIENTAÇÃO

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

CTCV. centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal

CTCV. centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Ação de sensibilização para a adoção de ferramentas de melhoria dos Sistemas de Controlo da Produção e promoção da sua implementação como fator crítico de competitividade Marta Ferreira CTCV 09-02-2017

Leia mais

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Da construção sustentável e da ideia de projecto responsável

Leia mais

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Congresso LiderA 2011 IST Lisboa, 25 e 26 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista sce@adene.pt ÍNDICE Sistema de Certificação Evolução

Leia mais

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho 1. Introdução A geotermia é a energia armazenada na forma de calor sob a superfície terrestre

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003

PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS. Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 PROGRAMA NACIONAL DE COMPRAS ELECTRÓNICAS Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros 111/2003 de 12 de Agosto de 2003 OBJECTIVOS DO PROGRAMA NACIONAL E COMPRAS ELECTRÓNICAS O Programa Nacional de

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Exmo. Sr. Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Exmo. Sr. Director Geral da Agência para a Energia, Caros membros da Comunidade

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

Comendador Rui Nabeiro

Comendador Rui Nabeiro A Delta tem assumido como preocupação permanente construir um modelo de negócio sustentado na justiça social, ambiental e económica da cadeia de valor, assente na gestão de rosto humano. Comendador Rui

Leia mais

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia Lisboa, 09 de Junho 2010 0 Cogeração de Elevada Eficiência (EE)

Leia mais

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas de electro-produção João Joanaz de Melo FCT-UNL / GEOTA Ciclo Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Seminário: o sector energético

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

EcoFamílias Água Escola de Óbidos Ano lectivo de 2008/2009 e 2009/2010

EcoFamílias Água Escola de Óbidos Ano lectivo de 2008/2009 e 2009/2010 EcoFamílias Água Escola de Óbidos Ano lectivo de 2008/2009 e 2009/2010 Agosto 2010 1. Resumo O projecto EcoFamílias Água, desenvolvido pela Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza em parceria

Leia mais

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética A democratização da Eficiência Energética enquanto objetivo de todos, face à escassez cada vez mais premente de recursos, veio criar diversas

Leia mais

Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais e de Reciclagem de Águas Cinzentas

Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais e de Reciclagem de Águas Cinzentas Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais e de Reciclagem de Águas Cinzentas Introdução Aproveitar água da chuva Áreas Urbanas Centralidade Sistémica Source Control e Local Management Alterações Climáticas

Leia mais

Eficiência Energética no Setor dos Transportes

Eficiência Energética no Setor dos Transportes Eficiência Energética no Setor dos Transportes Sistema de Etiquetagem Energética de Frotas SEEF João Paulo Calau 13 de julho, Infraestruturas de Portugal, Almada O que é a ADENE? A ADENE - Agência para

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31

O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31 O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31 maio 2012 O projeto Desenvolvido no âmbito do Pólo de Competitividade

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

CFFP/PEFC PORTUGAL. Norma PEFC Portugal: Actualizar para o futuro. 10 de Outubro de 2008

CFFP/PEFC PORTUGAL. Norma PEFC Portugal: Actualizar para o futuro. 10 de Outubro de 2008 CFFP/PEFC PORTUGAL Norma PEFC Portugal: Actualizar para o futuro 10 de Outubro de 2008 PEFC Programa para o Reconhecimento de Sistemas de Certificação Florestal 39 países membros / 29 esquemas de certificação

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção

Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção sustentável, a Jular concebeu esta nova colecção de casas modulares

Leia mais