Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)"

Transcrição

1 Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Capítulo III. Equipamento Salva-Vidas e seu Arranjo 1

2 Regra III/7 Equipamento Salva-Vidas Pessoal Bóias Pelo menos uma bóia a cada bordo será equipada com cabo flutuante Pelo menos metade das bóias serão equipadas com luzes com ignição automática Coletes Salva-Vidas Um para cada pessoa a bordo + 10% para crianças Em navios com viagens com duração inferior a 24 horas, coletes para 2.5% do número total de passageiros Fatos Térmicos Um para cada tripulante a embarcação de socorro M.Ventura SOLAS 3 Regra III/14 Estiva das Embarcações de Salva-Vidas As embarcações salva-vidas serão estivadas: De modo a não interferir com nenhuma das outras embarcações salva-vidas ou com a embarcação de socorro Tão próximo da superfície da água quanto possível e seguro Prontas de modo a que dois tripulantes possam fazer os preparativos para o embarque e lançamento em menos de 5 minutos Completamente equipada Tanto quanto possível numa posição abrigada de danos por fogo e explosão M.Ventura SOLAS 4 2

3 Regra III/14 Estiva da Embarcação de Socorro A embarcação de socorro será estivada: De modo a estar pronta a ser lançada em menos de 5 minutos Em posição apropriada para lançamento à água e recolha De modo a que não interfira com a operação das embarcações salva-vidas M.Ventura SOLAS 5 Caso A. 300% da Capacidade a) 100% baleeiras EB+BB b) 100% jangadas capazes de serem lançadas a qualquer bordo c) Se as jangadas não forem passíveis de serem lançadas a qualquer bordo, 100 % a cada bordo d) Embarcação de socorro e) Jangada adicional se embarcações de salvamento estiverem a mais de 100 m da proa ou popa M.Ventura SOLAS 6 3

4 Caso B. 300% da Capacidade a) 100% baleeira queda livre a ré b) 100% jangadas EB+BB c) Embarcação de socorro d) Jangada adicional se embarcações de salvamento estiverem a mais de 100 m da proa ou popa M.Ventura SOLAS 7 Caso C. Navios não-tanques c/ L < 85m a) 100% jangadas capazes de serem lançadas a qualquer bordo b) Se as jangadas não forem passíveis de serem lançadas a qualquer bordo, 150 % a cada bordo c) Embarcação de socorro d) Com uma embarcação de salvamento fora de serviço, 100% de capacidade a cada bordo M.Ventura SOLAS 8 4

5 Bóias de Salvação (Buoys) Características das Bóias (Regra III/ 31) Devem ter Dext < 800 mm e Dint > 400 mm Ser construída de material intrinsecamente flutuante e não depender de material granular ou de compartimentos de ar que dependam de insuflação Ser capaz de suportar não menos de 14.5 kg em água doce durante 24h Ter peso não inferior a 2.5 kg Estar equipada com um cabo para agarrar, com diâmetro não inferior a 9.5 mm, fixo em quatro pontos ao longo do perímetro Número de Bóias de Salvação (Regra III/37) Min. 8 bóias a bordo M.Ventura SOLAS 9 Coletes Salva-vidas (Life-Jackets) Deverá ser capaz de manter a boca de uma pessoa exausta ou inconsciente não menos do que 120 mm acima da água, c/ corpo inclinado para trás não menos do que 20º e não mais do que 50º da vertical Deve ser capaz de voltar o corpo de uma pessoa inconsciente de qualquer posição para uma em que a boca fique fora de água em menos de 5 seg. Deverá ser equipado com um apito M.Ventura SOLAS 10 5

6 Regra III/31 Baleeiras de Queda Livre São obrigatórias em navios graneleiros a partir de Julho de 2006 (Emendas de Dez. 2004) M.Ventura SOLAS 11 Regra III/33 Fatos de Imersão Requeridos para todos os membros da tripulação a partir de Julho de Fabricado com material impermeável Pode ser vestido em menos do que 2 min. Deve cobrir todo o corpo com excepção da face Pode ser usado em conjunto com colete salvavidas Quando feito de material isolante tem que garantir que a temperatura do corpo não baixa mais do que 2ºC depois de um período de 6 horas de imersão em água com 0ºC < t < 2ºC M.Ventura SOLAS 12 6

7 Regra III/34 Protecção Térmica Feito de material impermeável Ter condutividade inferior a 0.25 W/(m.K) Deverá reduzir a perda de calor convectiva e evaporativa de quem o use Deverá cobrir todo o corpo de uma pessoa que use um colete salva-vidas, com excepção da cara Permitir a quem o use removê-lo na água em menos de 2 min. Deverá funcionar bem em temperaturas do ar -30ºC < t < +20ºC M.Ventura SOLAS 13 Requisitos Gerais para as Jangadas Salva- Vidas (Liferafts) Devem ser construídas de modo a suportar 30 dias a flutuar em quaisquer estados do mar Quando lançada à água de uma altura de 18 m, a jangada e o equipamento devem ficar em condições de operação Devem suportar saltos repetido de uma altura de pelo menos 4.5 m acima do fundo, com ou sem a cobertura levantada. M.Ventura SOLAS 14 7

8 Requisitos Gerais para as Jangadas Salva- Vidas Devem ter uma cobertura, para proteger os ocupantes contra o calor e o frio, constituída por duas camadas de material separadas por uma almofada de ar. Nenhuma jangada poderá ter capacidade inferior a 6 pessoas A não ser que disponha de um sistema de lançamento aprovado, o peso total da jangada incluindo o seu contentor e equipamento não deve ser superior a 185 kg. M.Ventura SOLAS 15 Requisitos Gerais para as Jangadas Salva- Vidas Jangadas Lançadas por Turcos Usadas em navios de passageiros e offshore Deve permitir o embarque na totalidade da sua capacidade em menos de 3 minutos M.Ventura SOLAS 16 8

9 Jangadas Insufláveis A câmara principal de flutuação deve ter pelo menos dois compartimentos separados, cada um provido de uma válvula de não-retorno. A jangada será insuflada com um gás não-tóxico, num intervalo de tempo inferior a 1 minuto. M.Ventura SOLAS 17 Jangadas Rígidas A capacidade de flutuação será obtida a partir de material flutuante aprovado, localizado tão perto quanto possível da periferia da jangada. M.Ventura SOLAS 18 9

10 Requisitos Gerais p/ Embarcações Salva- Vidas (1) Toda a embarcação salva-vidas deverá ter resistência suficiente para: Poder ser lançada à água com a carga completa de pessoas e equipamento Ser capaz de ser lançada à água e rebocada, em águas tranquilas, quando o navio se desloca para vante à velocidade de 5 nós. Deverão ter resistência suficiente para suportar, com a carga completa de pessoas e equipamento, impactos laterais contra o costado do navio com uma velocidade mínima de 3.5 m/s e quedas na água de uma altura de pelo menos 3 m. A capacidade não deverá nunca exceder as 150 pessoas. O arranjo deverá permitir o embarque pela totalidade da sua capacidade de pessoas, num intervalo de tempo não superior a 3 minutos. NOTA: O lançamento das baleeiras já tripuladas (Regras 19/20) deixou de ser requisito obrigatório, com entrada em vigor a M.Ventura partir de Julho SOLAS 19 Requisitos Gerais p/ Embarcações Salva- Vidas (2) Deverão ter uma escada de embarque que possa ser utilizada a ambos os bordos, para permitir o embarque de pessoas na água. O degrau inferior deverá ficar pelo menos 0.40 m abaixo da linha de água leve. Quando carregado a 50% da sua capacidade de pessoas, sentadas nas suas posições normais a um bordo, deverá ter um bordo livre superior ao máximo de 1.5% do comprimento ou 100 mm. O bordo livre é a distância medida da superfície da água até à abertura mais baixa que possa originar alagamento. Deverão ter propulsão de modo a garantir, em águas tranquilas, uma velocidade a vante de pelo menos 6 nós, ou 2 nós, quando levar a reboque uma jangada de 25 pessoas totalmente carregada de pessoas e equipamento. M.Ventura SOLAS 20 10

11 Baleeiras Parcialmente Cobertas Devem ser equipadas com coberturas rígidas em pelo menos 20% do comprimento AV e AR Devem ser equipadas com uma cobertura amovível que juntamente com as fixas cubra completamente a embarcação Devem ter entradas em ambas as extremidades e em ambos os bordos M.Ventura SOLAS 21 Baleeiras Totalmente Cobertas (1) Deverão satisfazer todos os requisitos gerais p/ baleeiras A cobertura será estanque e o seu arranjo será tal que: Proteja os ocupantes contra o calor e o frio O acesso seja por meio de escotilhas que poderão ser fechadas de modo estanque As escotilhas serão posicionadas de modo a permitir as operações de lançamento à água e recolha, sem que nenhum dos ocupantes tenha que sair do habitáculo As escotilhas de acesso serão passíveis de serem abertas e fechadas quer do interior quer do exterior, com meios para as manter permanentemente na posição aberta. Seja possível remar Inclua janelas ou painéis translúcidos a ambos os bordos, que deixem entrar, com as escotilhas fechadas, luz natural suficiente que torne a iluminação artificial desnecessária. M.Ventura SOLAS 22 11

12 Baleeiras Totalmente Cobertas (2) Existam passa-mãos que permitam circular no exterior da baleeira e ajudem a embarcar e desembarcar pessoas As pessoas devem poder aceder da entrada aos seus lugares sem terem que subir por cima de obstáculos M.Ventura SOLAS 23 Baleeiras Totalmente Cobertas de Queda Livre (1) Devem ser construídas de modo a permitir protecção contra as acelerações prejudiciais resultantes do lançamento da posição de altura máxima de estiva da baleeira até à linha de água correspondente à condição de carga mais leve do navio, com caimentos até 10 e adornamentos superiores a 20 a qualquer dos bordos. M.Ventura SOLAS 24 12

13 Baleeiras Totalmente Cobertas de Queda Livre (2) M.Ventura SOLAS 25 Embarcações de Socorro (1) Podem ser de construção rígida, insuflável, ou mista e deverão: Ter comprimento não inferior a 3.8 m e não superior a 8.5 m Ter capacidade para pelo menos 5 pessoas sentadas e uma deitada. A não ser que tenham o tosado adequado, deverão ter cobertura a vante numa extensão não inferior a 15% do comprimento. M.Ventura SOLAS 26 13

14 Embarcações de Socorro (2) Deverão ter capacidade de manobrar a velocidades até 6 nós, mantendo a velocidade por um período de pelo menos 4 horas. Deverão ter mobilidade e manobrabilidade suficientes no mar para: Permitir a recolha de pessoas na água Rebocar jangadas salva-vidas e a maior baleeira a bordo do navio, quando totalmente carregada de pessoas e equipamento M.Ventura SOLAS 27 Embarcações de Socorro (3) Deverão transportar o seguinte equipamento: Bússola iluminada Um ferro de amarração e um cabo de comprimento não inferior a 10 m. Um cabo flutuante de comprimento não inferior a 50 m, com resistência suficiente para rebocar uma jangada Uma lanterna eléctrica estanque Um apito Caixa de primeiros socorros, estanque Um farol de busca, capaz de iluminar um objecto colorido à noite, com 18 m de largura, a uma distância de 180 m, por um período total de 6 horas, das quais 3 horas em regime contínuo. Um reflector de radar O tempo de recolha de uma embarcação de socorro não deve ser superior a 5 minutos M.Ventura SOLAS 28 14

15 Turcos (Davits) Projectados para lançar à água uma baleeira completamente equipada e tripulada, da posição de estivada até ao nível da água, por gravidade Devem ser capaz de fazer o lançamento com caimentos do navio até 15 e adornamentos até 20 Equipados com guinchos eléctricos M.Ventura SOLAS 29 Turcos p/ Embarcações de Socorro Ver Directiva do Conselho Europeu 96/98 EC A-FrameTypeDavits Turco de braço único M.Ventura SOLAS 30 15

16 Cap.III / Sec.II Requisitos Adicionais p/ Navios de Passageiros Algumas Definições Navios de Passageiros navios com capacidade para transportar mais de 12 passageiros Viagem Internacional Curta viagem em que: O navio nunca está a mais de 200 milhas de um porto ou de uma zona de abrigo. Nem a distância entre o último porto no país em que a viagem teve início e o porto de destino, nem a viagem de regresso deverá exceder as 600 milhas. M.Ventura SOLAS 32 16

17 Sec.II / Regra 21 Embarcações Salva- Vidas Navios envolvidos em viagens internacionais têm que ter Baleeiras parcial ou totalmente fechadas, para 50% da capacidade total de pessoas a bordo, a cada bordo (capacidade total para 100%) Jangadas rígidas ou insufláveis para pelo menos 25% do número total de pessoas a bordo Navios envolvidos em viagens internacionais curtas têm que ter Baleeiras parcial ou totalmente fechadas, para 30% da capacidade total de pessoas a bordo, a cada bordo, mais uma quantidade de jangadas necessárias para obter um total de 100% Jangadas rígidas ou insufláveis para pelo menos 25% do número total de pessoas a bordo M.Ventura SOLAS 33 Navios Ro/Ro de Passageiros As jangadas devem ser servidas por rampas de embarque Pelo menos uma das embarcações de socorro deve ser uma embarcação de socorro rápida (Fast Rescue Boat) Para cada embarcação de socorro existente a bordo, têm que existir pelo menos duas tripulações devidamente treinadas e sujeitas a exercícios regulares M.Ventura SOLAS 34 17

18 Embarcações de Socorro Rápidas Fast Rescue Boats (FRB) IMO Resolution A.656(16) Decidido na sequência do naufrágio do ESTONIA Deve poder atingir a velocidade de 20 e poder mantê-la durante 4 horas Deve ser passível de ser lançado à água e recuperado em condições climatéricas adversas (Beaufort 6, ondas de 6 m) Exige turcos especiais Importante para segurança de pessoas em actividades offshore M.Ventura SOLAS 35 18

Convenção Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (COLREG), Prof. Manuel Ventura

Convenção Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (COLREG), Prof. Manuel Ventura Convenção Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (COLREG), 1972 Prof. Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval COLREG International Convention

Leia mais

Convenção Internacional das Linhas de Carga, 1966

Convenção Internacional das Linhas de Carga, 1966 Convenção Internacional das Linhas de Carga, 1966 Prof. Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Antecedentes Históricos Regra da Lloyds As primeiras

Leia mais

Formas do Casco. Manuel Ventura. Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval

Formas do Casco. Manuel Ventura. Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Formas do Casco Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Conceitos e Definições de Arquitectura Naval Conceitos Elementares Casco / Superstruturas

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE ESTABILIDADE 104 1 Estabilidade É a capacidade de recuperação ou de endireitamento que uma embarcação possui para voltar à sua posição de equilíbrio depois de um caturro ou balanço motivado

Leia mais

Marinharia

Marinharia Marinharia www.douroazul.pt Embarcação Navio www.douroazul.pt Embarcação É uma construção flutuante com capacidade para transportar pessoas ou coisas ou efetuar operações específicas no meio aquático.

Leia mais

SR-500 STD GII. Características Gerais

SR-500 STD GII. Características Gerais SR-500 STD GII Características Gerais SR-500 Standard GII, equipado com motor de popa Mercury Sea Pro de 40 HP. Esta embarcação atinge velocidade máxima de 33 milhas por hora, em água doce. Número de pessoas:

Leia mais

Grupo VI Transporte, Embarque e Desembarque de Pesos

Grupo VI Transporte, Embarque e Desembarque de Pesos Grupo VI Transporte, Embarque e Desembarque de Pesos VI-1 Problema 1: Um navio com um deslocamento de 6000 [t], um KG de 6.70 [m] e um KM de 7.30 [m], flutua direito. Movimenta-se transversalmente um peso

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 32 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM EQUIPAMENTOS FLUTUANTES

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 32 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM EQUIPAMENTOS FLUTUANTES LISTA DE CHECAGEM DE SERVIÇOS EM EQUIPAMENTOS FLUTUANTES 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de

Leia mais

Hidrostática de Navios Capítulo 5 Critérios de Estabilidade para o Navio Intacto Hidrostática de Navios Critérios de Estabilidade - Geral

Hidrostática de Navios Capítulo 5 Critérios de Estabilidade para o Navio Intacto Hidrostática de Navios Critérios de Estabilidade - Geral Capítulo 5 Critérios de Estabilidade para o Navio Intacto Critérios de Estabilidade - Geral Critérios de estabilidade são conjuntos de requisitos que permitem proporcionar níveis mínimos de estabilidade

Leia mais

REQUISITOS DE HABITABILIDADE

REQUISITOS DE HABITABILIDADE REQUISITOS DE HABITABILIDADE 1 - DEFINIÇÕES a) Espaço para Redes é o espaço destinado ao transporte de passageiros com redes armadas, sendo considerada a rede o único elemento de permanência do passageiro.

Leia mais

SR 12 LXE. Características Gerais

SR 12 LXE. Características Gerais SR 12 LXE Características Gerais Semi Rígido de 12 pés. Seu casco duplo em "V" fabricado em fibra de vidro, funciona como uma câmara de ar adicional, tornando-o praticamente inafundável mesmo que seus

Leia mais

CAPÍTULOS. ABORDAGEM - Ver Título 11. DOCUMENTOS, REGULAMENTAÇÃO E NORMAS - Ver Título 11. MATERIAIS E MÃO DE OBRA - Ver Título 11

CAPÍTULOS. ABORDAGEM - Ver Título 11. DOCUMENTOS, REGULAMENTAÇÃO E NORMAS - Ver Título 11. MATERIAIS E MÃO DE OBRA - Ver Título 11 PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICA- DOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 35 NAVIOS AUXILIARES PARA PRE- VENÇÃO E CONTROLE DA POLUIÇÃO - OIL RECOVERY SEÇÃO 3 EQUIPAMENTO DE CASCO

Leia mais

Desenho de Construção Naval

Desenho de Construção Naval Desenho de Construção Naval Manuel Ventura Secção Autónoma de Engenharia Naval 2006 Arranjo Geral do Navio Desenho de Construção Naval Instituto Superior Técnico Secção Autónoma de Engenharia Naval Sumário

Leia mais

SR 12 LX. Características Gerais

SR 12 LX. Características Gerais SR 12 LX Características Gerais Semi Rígido de 12 pés. Seu casco duplo em "V" fabricado em fibra de vidro funciona como uma câmara de ar adicional, tornando-o praticamente inafundável mesmo que seus flutuadores

Leia mais

I COEFICIENTES DE FINURA

I COEFICIENTES DE FINURA I COEFICIENTES DE FINURA 1- Um navio tem 100 [m] de comprimento entre perpendiculares, 12 [m] de boca e 2.40 [m] de imersão média; a esta flutuação os coeficientes de finura total, prismático horizontal

Leia mais

ANEXO V 9.3 SISTEMA DE FUNDEIO. O sistema de fundeio é composto por:

ANEXO V 9.3 SISTEMA DE FUNDEIO. O sistema de fundeio é composto por: ANEXO V 9.3 SISTEMA DE FUNDEIO O sistema de fundeio é composto por: - Aparelho de fundear e suspender Compreende a máquina de suspender (cabrestante ou molinete utilizado para içar a âncora) e os acessórios

Leia mais

Geometria e Nomenclatura do Navio

Geometria e Nomenclatura do Navio Geometria e Nomenclatura do Navio O que são a Embarcação, o Navio e o Barco? Barco (termo não técnico) - construção flutuante e estável, alongada e simétrica, estanque e robusta, habitável e móvel, destinada

Leia mais

CAPÍTULO 01 PARTES DA EMBARCAÇÃO

CAPÍTULO 01 PARTES DA EMBARCAÇÃO CAPÍTULO 01 PARTES DA EMBARCAÇÃO Proa É a extremidade anterior do navio no sentido de sua marcha normal. A proa é a origem de contagem das marcações relativas. Corresponde aos 000 relativos. Popa Extremidade

Leia mais

Antepara Típica. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007

Antepara Típica. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Antepara Típica Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Tipos de Anteparas Antepara Plana Antepara Corrugada M.Ventura DCN - Estruturas 2

Leia mais

SR 12 SLX. Características Gerais

SR 12 SLX. Características Gerais SR 12 SLX Características Gerais Semi Rígido de 12 pés. Seu casco duplo em "V" fabricado em fibra de vidro, funciona como uma câmara de ar adicional, tornando-o praticamente inafundável mesmo que seus

Leia mais

PROCESSO SELETIVO TURMA DE 2016 FASE 1 PROVA DE FÍSICA E SEU ENSINO

PROCESSO SELETIVO TURMA DE 2016 FASE 1 PROVA DE FÍSICA E SEU ENSINO PROCESSO SELETIVO TURMA DE 2016 FASE 1 PROVA DE FÍSICA E SEU ENSINO Caro professor, cara professora, esta prova tem 2 partes; a primeira parte é objetiva, constituída por 14 questões de múltipla escolha,

Leia mais

Um barco com a cara do verão

Um barco com a cara do verão www.phoenixboats.com.br j O mais recente lançamento da Phoenix Boats Um barco com a cara do verão A nova Phoenix 255 junta-se à família Platinum para completar a linha de lanchas de maior sucesso do Brasil.

Leia mais

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES CAPÍTULOS ABORDAGEM

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES CAPÍTULOS ABORDAGEM PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 41 NAVIOS PESQUEIROS SEÇÃO 1 ARQUITETURA NAVAL CAPÍTULOS A B C D E F ABORDAGEM DOCUMENTOS, REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Escrito por CCC Qui, 30 de Abril de :05 - Última atualização Sáb, 01 de Maio de :36

Escrito por CCC Qui, 30 de Abril de :05 - Última atualização Sáb, 01 de Maio de :36 Manejo do remo Devido à torção do plano das pás, é preciso fazer um giro da haste do remo para alternar as remadas. Uma das mãos segura e faz um movimento de extensão como na aceleração de uma moto; a

Leia mais

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior.

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior. Física 01. Uma haste de comprimento L e massa m uniformemente distribuída repousa sobre dois apoios localizados em suas extremidades. Um bloco de massa m uniformemente distribuída encontra-se sobre a barra

Leia mais

Smart Own FZE POBOX 38035, Dubai, UAE Tel: Fax:

Smart Own FZE POBOX 38035, Dubai, UAE Tel: Fax: Coast Guard 31 Velocidade e Agilidade para servir e proteger Dimensões básicas Comprimento : 31 (09.40 m) Vau : 09 7 (2.90 m) Draft : 01 07 (0.050 m) Capacidade de combustível : Tanque de combustível de

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20 1 a QUESTÃO: Dois blocos estão em contato sobre uma mesa horizontal. Não há atrito entre os blocos e a mesa. Uma força horizontal é aplicada a um dos blocos, como mostra a figura. a) Qual é a aceleração

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PARA MARINHEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO PARA MARINHEIRO CURSO DE FORMAÇÃO PARA MARINHEIRO 1. ENQUADRAMENTO LEGAL O curso de Formação para Marinheiro, é criado ao abrigo da alínea a) do nº1 do artº 7º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro

Leia mais

Estrutura do Casco dos Navios Metálicos. Sistemas de Construção

Estrutura do Casco dos Navios Metálicos. Sistemas de Construção Estrutura do Casco dos Navios Metálicos Sistemas de Construção Sistemas de construção Sistemas de construção A estrutura do casco dos navios é constituída por: Forro exterior Invólucro resistente e impermeável

Leia mais

MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS

MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS OBJETIVO Estabelecer condições para o correto manuseio, transporte e armazenamento de bobinas de cabos elétricos, com o objetivo

Leia mais

Navios Químicos. Frota Mundial (1996)

Navios Químicos. Frota Mundial (1996) Navios Químicos Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Frota Mundial (1996) M.Ventura Navios Químicos 2 1 Evolução da Frota (2006) Crescimento anual

Leia mais

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA 1 Um garoto lança horizontalmente uma bola, da altura de 80,0 cm, com a intenção de atingir um buraco situado a 0,0080 km do ponto de lançamento, conforme figura abaixo. Com qual velocidade inicial, em

Leia mais

Trabalho de uma força

Trabalho de uma força Questão 01 Um bloco de massa m desce escorregando por uma rampa inclinada, inicialmente com velocidade v, até atingir a base inferior da rampa com velocidade 2v, como mostra a figura. Sabendo que não há

Leia mais

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw DD25B COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw Visibilidade de 360 Com um assento deslizante posicionado de forma ideal, suportes angulados do cilindro e um projeto de capô inclinado, o DD25B

Leia mais

Resolução do exame de Hidrostática de Navios 2º Época 2016/2017

Resolução do exame de Hidrostática de Navios 2º Época 2016/2017 Resolução do exame de Hidrostática de Navios 2º Época 2016/2017 1. Dados do problema: ρsw = 1.025 t/m3 Densidade da água salgada g = 9.810 m/s2 Aceleração gravítica L = 275.000 m Comprimento da doca Bmax

Leia mais

Projecto de Navios I. Projecto de Navios I

Projecto de Navios I. Projecto de Navios I Projecto de Navios I Prof. Manuel Ventura mventura@mar.ist.utl.pt www.mar.ist.utl.pt/mventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Projecto de Navios I Objectivos Gerais Metodologia do projecto.

Leia mais

A scooter à prova de trânsito urbano

A scooter à prova de trânsito urbano A scooter à prova de trânsito urbano Escolha uma scooter concebida para o seu estilo de vida, quer seja para viagens diárias ou para fins de lazer. Escolha a. O motor de 125 cc a 4 tempos com injecção

Leia mais

FLAPS MINNKOTA. Melhora a economia de combustível navega em planeio a velocidades mais baixas e reduz o deslocamento.

FLAPS MINNKOTA. Melhora a economia de combustível navega em planeio a velocidades mais baixas e reduz o deslocamento. FLAPS MINNKOTA FLAPS - Sistema idêntico e que trabalha da mesma maneira que os flaps das asas dos aviões. Um dos benefícios obtidos é o facto do piloto ganhar controlo no comportamento e na estabilização

Leia mais

17. Equipamentos de convés

17. Equipamentos de convés 17. Equipamentos de convés Foi utilizada a regra da classificadora ABS, referência [1] para a realização dos cálculos para o numeral de equipamentos e assim obter os equipamentos de fundeio e os equipamentos

Leia mais

Mecânica 2007/ ª Série. 1. Discuta o trabalho realizado por um lançador de baseball quando atira uma bola.

Mecânica 2007/ ª Série. 1. Discuta o trabalho realizado por um lançador de baseball quando atira uma bola. Mecânica 2007/2008 4ª Série Questões 1. Discuta o trabalho realizado por um lançador de baseball quando atira uma bola. 2. Estime o tempo que lhe demora a subir um lance de escadas. Calcule então a potência

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

REGRAS E REGULAMENTOS

REGRAS E REGULAMENTOS PROJECTO DE NAVIOS VOL. II REGRAS E REGULAMENTOS Manuel Filipe Ventura Instituto Superior Técnico Secção Autónoma de Engenharia Naval Lisboa - 2004 1 Índice 1. Regras e Regulamentos... 1 1.1 Regras...

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS 5ª LISTA DE EXERCÍCIOS DISCIPLINA: Física Geral e Experimental I CURSO: Engenharia de Produção Noturno. 2º termo Prof. Dr. Elton Aparecido Prado dos Reis 01 - Um grupo de pessoas, por intermédio de uma

Leia mais

Kitesurf em segurança nas praias

Kitesurf em segurança nas praias Kitesurf em segurança nas praias a ideia principal é pomover um dialogo entre o ISN e os praticantes de kite para encontrar a melhor solução para : 1 - garantir a segurança dos banhistas e dos praticantes

Leia mais

tipo PAR Conforme o pedido, as unidades podem ser usadas como raspadores de banda ou longitudinais:

tipo PAR Conforme o pedido, as unidades podem ser usadas como raspadores de banda ou longitudinais: PONTE VAI-VEM PARA DECANTADOR COM RASPADOR MECÂNICO tipo PAR Aplicações As pontes mecânicas da ECOPLANTS podem ser usadas em todos os tanques rectangulares que devam funcionar como sedimentadores primários

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Fixação 1) Duas pequenas esferas, uma de ferro, outra de chum-bo, são abandonadas, a partir do mesmo ponto, num mesmo local, onde

Leia mais

HIDROSTÁTICA DE NAVIOS

HIDROSTÁTICA DE NAVIOS GUIA DE TRABALHO LABORATORIAL DE HIDROSTÁTICA DE NAVIOS Tiago A. R. Santos José Miguel Varela Licenciatura em Engenharia e Arquitetura Naval Instituto Superior Técnico 2016/2017 Página intencionalmente

Leia mais

Reação ao fogo de materiais e revestimentos

Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo é a forma como determinado material reage quando arde, ou seja a quantidade de calor e fumo que produz, se ao arder deita gotas incandescentes,

Leia mais

manual de instruções de instalação do Ventilador Fotovoltaico VT1

manual de instruções de instalação do Ventilador Fotovoltaico VT1 miivf manual de instruções de instalação Fotovoltaico VT1 1 miivf manual de instruções de instalação Fotovoltaico VT1 Fábrica: Travessa da Zona Industrial 1, nº 95 Rossio, 3730-601 Vila Cova do Perrinho,

Leia mais

Thermozone AR 200 A/E/W

Thermozone AR 200 A/E/W R Thermozone AR 00 A/E/W Ambiente, sem aquecimento 8 kw Aquecimento eléctrico Aquecimento a Larguras:,,5 e metros Thermozone AR 00 A/E/W Cortinas de ar para instalação embutida em portas até,5 metros de

Leia mais

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS SEÇÃO 5 MOTORES E MECÂNICA CAPÍTULOS A B C D E F G H I T ABORDAGEM DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA MATERIAIS

Leia mais

Canis

Canis - Módulos pré-fabricados, alojamento expansível, fabricado numa estrutura de metal galvanizado. Telhado inclinado com crista móvel para facilitar a ventilação no interior do alojamento. Concebido para

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016 CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 Um copo está sobre uma mesa com a boca voltada para cima. Um explosivo no estado sólido

Leia mais

Curso de Arrais Amador... CAPÍTULO 4 - RIPEAM APRESENTAÇÃO

Curso de Arrais Amador...  CAPÍTULO 4 - RIPEAM APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 4 - RIPEAM APRESENTAÇÃO A Convenção Sobre o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar (COLREG), conhecida no Brasil como RIPEAM, foi adotada na IMO em 20/10/1972, e entrou em vigor,

Leia mais

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210 PROVA DE FÍSCA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos das leis que regem a natureza. nterprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais como fatores

Leia mais

Dado: g = 10 m/s 2. (A) 5,6 x 10 2 J (D) 1,4 x 10 2 J (B) 1,4 x 10 3 J (C) 3,5 x 10 3 J

Dado: g = 10 m/s 2. (A) 5,6 x 10 2 J (D) 1,4 x 10 2 J (B) 1,4 x 10 3 J (C) 3,5 x 10 3 J 41 A quantidade de calor Q transferida para o ar durante o tempo t através da superfície aquecida de um ferro de passar roupa de área A é dada por Q = h t A (q - q 0 ), onde q é a temperatura da superfície

Leia mais

CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO + CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO ESPECIAL PARA CONDUÇÃO DE EMBARCAÇÕES DE ESTADO NO SERVIÇO PÚBLICO (ECSP) 1 O CUSO TEM O PROPOSÍTO DE HABILITAR

Leia mais

O Estaleiro Brazilian Boat é uma empresa genuinamente brasileira, formada por profissionais comprometidos e preocupados com a excelência dos produtos

O Estaleiro Brazilian Boat é uma empresa genuinamente brasileira, formada por profissionais comprometidos e preocupados com a excelência dos produtos O Estaleiro Brazilian Boat é uma empresa genuinamente brasileira, formada por profissionais comprometidos e preocupados com a excelência dos produtos que oferece ao mercado. Comprometida sim com resultados,

Leia mais

A scooter à prova de trânsito urbano

A scooter à prova de trânsito urbano A scooter à prova de trânsito urbano Escolha uma scooter concebida para o seu estilo de vida, quer seja para viagens diárias ou para fins de lazer. Escolha a BW's 125. O motor de 125 cc a 4 tempos com

Leia mais

Lista6: Dinâmica- Movimento Unidimensional

Lista6: Dinâmica- Movimento Unidimensional Lista 6: Dinâmica Movimento Unidimensional NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.responder

Leia mais

ASTILLEROS TANGO S.A.

ASTILLEROS TANGO S.A. ASTILLEROS TANGO S.A. T E N D Ê N C I A E U R O P E I A E E L E V A D O S P A D R Õ E S D E Q U A L I D A D E Projetado e destinado, a partir de seus planos, para ser um barco para a fabricação padronizada,

Leia mais

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA FÍSICA Questão 1 Considere o veículo de massa M percorrendo uma curva inclinada, de ângulo, com raio R constante, a uma velocidade V. Supondo que o coeficiente de atrito dos pneus com o solo seja, calcule

Leia mais

SR 12 STD. Características Gerais

SR 12 STD. Características Gerais SR 12 STD Características Gerais Semi Rígido de 12 pés. Seu casco duplo em "V" fabricado em fibra de vidro, funciona como uma câmara de ar adicional, tornando-o praticamente inafundável mesmo que seus

Leia mais

Modificação dos componentes certificados Scania

Modificação dos componentes certificados Scania Modificação dos componentes certificados Scania Geral Geral A certificação é feita para satisfazer requisitos legais sobre segurança de trânsito, influência ambiental, etc. Se os componentes certificados

Leia mais

PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA DETERMINAÇÃO DA BORDA-LIVRE DAS DRAGAS E BALSAS DOTADAS DE DISPOSITIVOS DE DESCARGA PELO FUNDO

PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA DETERMINAÇÃO DA BORDA-LIVRE DAS DRAGAS E BALSAS DOTADAS DE DISPOSITIVOS DE DESCARGA PELO FUNDO PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA DETERMINAÇÃO DA BORDA-LIVRE DAS DRAGAS E BALSAS DOTADAS DE DISPOSITIVOS DE DESCARGA PELO FUNDO 1 - APLICAÇÃO Os procedimentos estabelecidos no presente anexo poderão ser aplicados

Leia mais

Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre.

Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre. Dimensões Em vista do largo campo de aplicação, os perfis de aço são fornecidos em três dimensões diferentes, cada uma com diferentes seções de cobre. a) Barra condutora de aço com cabeça de cobre F 20

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Lançamento vertical no vácuo

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Lançamento vertical no vácuo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Lançamento vertical no vácuo 1- Um corpo é abandonado a 80m do solo. Sendo

Leia mais

ANEXO 6 LANTERNAS DE POSIÇÃO DIANTEIRA E TRASEIRA (LATERAL), LANTERNAS DE FREIO E LANTERNAS DELIMITADORAS

ANEXO 6 LANTERNAS DE POSIÇÃO DIANTEIRA E TRASEIRA (LATERAL), LANTERNAS DE FREIO E LANTERNAS DELIMITADORAS ANEXO 6 LANTERNAS DE POSIÇÃO DIANTEIRA E TRASEIRA (LATERAL), LANTERNAS DE FREIO E LANTERNAS DELIMITADORAS 1. DEFINIÇÕES Para o objetivo deste Anexo: 1.1. Lanterna de posição dianteira (lateral)" é a lanterna

Leia mais

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES CAPÍTULOS ABORDAGEM

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES CAPÍTULOS ABORDAGEM DE NAVIOS E AERONAVES Identificados por suas Missões Parte II ARQUITETURA NAVAL - Seção 1 RGIM16P T CAPÍTULOS - A,D,E,G,H,I e T PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR

Leia mais

Ships. Instituto Superior TécnicoT

Ships. Instituto Superior TécnicoT Energy in Transports Ships Instituto Superior TécnicoT Objectivo do Navio Cada navio tem uma missão, ou função, e é concebido, construído, equipado e de modo específico e bem caracterizado. Exemplos de

Leia mais

Exemplo. T 1 2g = -2a T 2 g = a. τ = I.α. T 1 T 2 g = - 3a a g = - 3a 4a = g a = g/4. τ = (T 1 T 2 )R. T 1 T 2 = Ma/2 T 1 T 2 = a.

Exemplo. T 1 2g = -2a T 2 g = a. τ = I.α. T 1 T 2 g = - 3a a g = - 3a 4a = g a = g/4. τ = (T 1 T 2 )R. T 1 T 2 = Ma/2 T 1 T 2 = a. Exercícios Petrobras 2008 eng. de petróleo Dois corpos de massa m 1 = 2 kg e m 2 = 1 kg estão fixados às pontas de uma corda com massa e elasticidade desprezíveis, a qual passa por uma polia presa ao

Leia mais

Caminhões roll on/roll off

Caminhões roll on/roll off Informações gerais Informações gerais Os caminhões roll on/roll off são usados principalmente para transportadores de carga solta. O manuseio de cargas é feito elevando, removendo e puxando o transportador

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS TET (BT) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos na presença de tensão (TET) de conservação ou reparação, realizados em instalações BT. Nota: Um trabalho

Leia mais

FOGÃO DE PLACA SÓLIDA A GÁS MONOBLOCO

FOGÃO DE PLACA SÓLIDA A GÁS MONOBLOCO COMPOSIÇÃO GAMA : Engloba mais de 100 modelos concebidos para garantir o nível mais alto de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e ergonomia nas operações. Estes conceitos

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

Desenho de Construção Naval. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007

Desenho de Construção Naval. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Desenho de Construção Naval Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Desenho de Estruturas Desenho de Construção Naval Instituto Superior

Leia mais

Máquinas Extruder Produtos

Máquinas Extruder Produtos NORDIMPIANTI P R O D U C T S APPLICATIONS T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Máquinas Extruder Produtos Technology for the Precast and Prestressed Concrete Industry P R O D U C T S MÁQUINAS ETRUDER

Leia mais

Náutica de Recreio Legislação da Náutica de Recreio Actualmente a Legislação da Náutica de Recreio exige aos possuidores de embarcações de recreio um cuidado redobrado, especialmente no que respeita à

Leia mais

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão 2016 ThermoSub - Apresentação O sistema ThermoSub apresenta um conceito totalmente inovador para o mercado de aquecimento de piscinas. O aquecimento é feito diretamente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CONSTRUÇÃO FLUTUANTE DE 15 METROS PRAÇA PRINCESA ISABEL

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CONSTRUÇÃO FLUTUANTE DE 15 METROS PRAÇA PRINCESA ISABEL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CONSTRUÇÃO FLUTUANTE DE 15 METROS PRAÇA PRINCESA ISABEL ÍNDICE 1. GENERALIDADES 3 1.1 Dimensões e Características Principais 3 1.2 - Regulamentos 3 2 - CONSTRUÇÃO DA EMBARCAÇÃO:

Leia mais

PEÇAS PRINCIPAIS DA ESTRUTURA DOS CASCOS METÁLICOS

PEÇAS PRINCIPAIS DA ESTRUTURA DOS CASCOS METÁLICOS PEÇAS PRINCIPAIS DA ESTRUTURA DOS CASCOS METÁLICOS 1.Ossada e Chapeamento A estrutura do casco do navio consta da ossada, ou esqueleto, e do forro exterior (chapeamento, nos navios metálicos) A ossada

Leia mais

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo

Tratores. Informações gerais sobre tratores. Recomendações. Distância do eixo Informações gerais sobre tratores Informações gerais sobre tratores Os tratores foram projetados para puxar semirreboques e são, portanto, equipados com uma quinta roda para possibilitar a fácil troca

Leia mais

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor Março 2006 José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor #963408 EFR Instructor No cumprimento das suas competências, os mergulhadores dos Corpos de Bombeiros poderão

Leia mais

UFF - Universidade Federal Fluminense

UFF - Universidade Federal Fluminense UFF - Universidade Federal Fluminense Pólo Universitário de Volta Redonda - Física I Lista de exercícios n o 5: leis de Newton 1 - Uma pessoa de 80 kg está saltando de pára-quedas e sentindo uma aceleração

Leia mais

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio FORMAÇÃO MARÍTIMA Miguel Cândido NAVIO E EMBARCAÇÃO Navios e Embarcações São os termos utilizados para designar veículos flutuantes destinados a navegar. Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha

Leia mais

Caminhões para transporte de madeira. Informações gerais sobre caminhões para transporte de madeira

Caminhões para transporte de madeira. Informações gerais sobre caminhões para transporte de madeira Informações gerais sobre caminhões para transporte de madeira Caminhões para transporte de madeira são usados para o transporte de madeira redonda. Informações gerais sobre caminhões para transporte de

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos Sistemas Hidráulicos podem ser descritos por leis que regem o comportamento de fluidos confinados em: regime permanente (repouso) invariante no tempo; regime

Leia mais

1-1. Embarcação e navio Barco Navio, nau, nave Nau e nave Vaso de guerra e belonave

1-1. Embarcação e navio Barco Navio, nau, nave Nau e nave Vaso de guerra e belonave NOMENCLATURA DO NAVIO 1-1. Embarcação e navio Embarcação é uma construção feita de madeira, concreto, ferro, aço ou da combinação desses e outros materiais, que flutua e é destinada a transportar pela

Leia mais

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção.

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. Lista 12: Rotação de corpos rígidos NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder

Leia mais

Requisitos de Compatibilidade Eletromagnética para Indústria Naval e Off-shore

Requisitos de Compatibilidade Eletromagnética para Indústria Naval e Off-shore Requisitos de Compatibilidade Eletromagnética para Indústria Naval e Off-shore Conteúdo Contextualização Conteúdo Local Classificação de Equipamentos Compatibilidade Eletromagnética Conclusões Contextualização

Leia mais

P R O V A DE FÍSICA II

P R O V A DE FÍSICA II 6 P R O V A DE FÍSICA II QUESTÃO 16 Um aquecedor de imersão (ebulidor) tem uma potência de 000W. Esse ebulidor é mergulhado em um recipiente que contém 1 litro de água a 0ºC. Supondo-se que 70% da potência

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

Resolução Comentada UFPR - 1ª fase-2014

Resolução Comentada UFPR - 1ª fase-2014 Resolução Comentada UFPR - 1ª fase-2014 01 - No circuito esquematizado abaixo, deseja-se que o capacitor armazene uma energia elétrica de 125 μj. As fontes de força eletromotriz são consideradas ideais

Leia mais

SERIE VIB V-QUIPMENT BARCOS INSUFLÁVEIS V-QUIPMENT. Aquele pequeno extra. Design bem pensado com muitas características amigas do utilizador

SERIE VIB V-QUIPMENT BARCOS INSUFLÁVEIS V-QUIPMENT. Aquele pequeno extra. Design bem pensado com muitas características amigas do utilizador V-QUIPMENT SERIE VIB V-QUIPMENT BARCOS INSUFLÁVEIS Aquele pequeno extra A série VIB de barcos insufláveis foi projetada para uma grande durabilidade, fácil utilização e boas prestações. O alto nível de

Leia mais

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER SÉRIE C SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER SÉRIE Cs 4 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER Caracterização Modelo Tipologia C16 1 folha de correr C26 2 folhas de correr Certificações Grau pára-chamas

Leia mais

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Sergio Granati Rib Offshore Serviços Técnicos de Petróleo Ltda. Garibaldi - RS Novembro/2007 Rib Offshore Fabricante de embarcações e produtos voltados

Leia mais

ª Fase. 5 pontos

ª Fase. 5 pontos 45 20 pontos 46 10 pontos 47 10 pontos 48 20 pontos AECVEXFQ10/11-04 49 10 pontos 50 10 pontos 20 pontos 51 10 pontos 52 20 pontos TOTAL Prova Escrita de Física e Química A, 2008 200 pontos 11.º/12.º Anos

Leia mais