SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA?"

Transcrição

1 SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SOROCABA, 10 DE SETEMBRO DE 2010

2 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS LEI 7.663/91 INSTRUMENTOS DE GESTÃO Outorga de direito de uso dos Recursos Hídricos Infrações e Penalidades Rateio de Custo de obras COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

3 BASE LEGAL Lei /05 Dispõe sobre a cobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo Decreto /06 regulamenta dispositivos da Lei Decreto /08 aprova e fixa os valores a serem aplicados nas Bacias Hidrográficas dos Rios Sorocaba e Médio Tietê Cobrança pela utilização de recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo

4 Conta de água JÁ NÃO PAGAMOS PELO USO DA ÁGUA? Remuneração do serviço prestado pelas empresas de abastecimento público por captação, tratamento e distribuição da água. Com a implantação da Cobrança Estabelecimento de um valor para a água, sendo possível que cada um avalie melhor o uso que faz dela.

5 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO ABASTECIMENTO PÚBLICO CORPO D ÁGUA - MANANCIAL ATIVIDADE INDUSTRIAL CORPO RECEPTOR POÇO ÁGUA SUBTERRÂNEA SOLUÇÃO ISOLADA DISPOSIÇÃO NO SOLO

6 OBJETIVOS DA COBRANÇA Aperfeiçoamento do processo de gestão Implementação de Instrumento de Planejamento, Gestão Integrada e Descentralizada do Uso da Água e seus Conflitos

7 OBJETIVOS DA COBRANÇA Reconhecer a água como bem público de valor econômico; Dar ao usuário uma indicação de seu real valor; Promover a racionalização do uso da água, bem como sua conservação, recuperação e manejo sustentável; Financiamento de programas e ações previstos nos planos de bacias - recurso financeiro; Distribuir o custo socioambiental pelo uso degradador e indiscriminado da água.

8 QUEM PAGA? Estão sujeitos à cobrança: os usos da água sujeitos a outorga

9 Bacias Hidrográficas dos rios Sorocaba e Médio Tietê São consideradas significantes: derivações, captações e lançamentos que dependam de outorga de direito de uso acumulações de volumes de água

10 ISENÇÕES Usos não outorgáveis Uso doméstico de propriedades ou pequenos núcleos populacionais distribuídos no meio rural; Extração de água subterrânea < 5 m 3 /dia Geração de energia elétrica: Legislação Federal.

11 ISENÇÕES Não repasse pelos serviços públicos de distribuição de água aos usuários finais residenciais de baixa renda: Tarifa social Programas sociais

12 Passos percorridos para a implantação da Cobrança DIVULGAÇÃO DA COBRANÇA PROCESSOS DELIBERATIVOS CRIAÇÃO DA CÂMARA TÉCNICA OU GT ESPECÍFICO ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE COBRANÇA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS INFORMAÇÕES PARA CADASTRO CADASTRO ESPECÍFICO PARA COBRANÇA APROVAÇÃO DA PROPOSTA DE COBRANÇA ATO CONVOCATÓRIO BOLETOS DE COBRANÇA Pré-requisito: Plano de Bacia aprovado pelo CBH-SMT Deliberação 191/07 Metas prioritárias para a UGRHI

13 O QUE É COBRADO? Captação, extração, derivação Vazão (m 3 ) Consumo; Vazão (m 3 ) Lançamento de efluentes. Carga poluidora (Kg DBO 5,20 )

14 VALOR COBRADO (ANUAL) VALOR COBRANÇA (R$) = VALOR CAPTAÇÃO = PREÇO (R$/m 3 ) x VOLUME CAPTADO (m 3 ) + VALOR CONSUMO = PREÇO (R$/m 3 ) x VOLUME CONSUMIDO (m 3 ) + VALOR LANÇAMENTO = PREÇO (R$/ KgDBO 5,20 ) x CARGA (KgDBO 5,20 ) PREÇO UNITÁRIO FINAL (PUF)

15 PREÇOS UNITÁRIOS BÁSICOS PUBs TIPO DE USO PUB CAPTAÇÃO R$ 0,011 CONSUMO R$ 0,029 LANÇAMENTO R$ 0,130 USUÁRIOS CADASTRADOS NO ATO CONVOCATÓRIO TERÃO BENEFÍCIO NO PAGAMENTO: 60% dos PUBs, nos primeiros 12 meses 80% dos PUBs, do 13º ao 24º mes 100% dos PUBs, a partir do 25º mes

16 COBRANÇA PELA CAPTAÇÃO, EXTRAÇÃO E DERIVAÇÃO DE ÁGUA PUF cap = PUB cap. X 1.X 2.X 3.X 5.X 6.X 7.X 13 R$ 0,011 NATUREZA DO CORPO D ÁGUA CLASSE DO USO PREPONDERANTE EM QUE ESTIVER ENQUADRADO O CORPO D ÁGUA NO LOCAL DO USO OU DA DERIVAÇÃO DISPONIBILIDADE HÍDRICA LOCAL VOLUME CAPTADO, EXTRAÍDO OU DERIVADO E SEU REGIME DE VARIAÇÃO FINALIDADE DE USO TRANSPOSIÇÃO DE BACIA X1 X2 X3 X5 X7 X13 Superficial 0,9 Subterrâneo 1,0 Classe 1 1,1 Classe 2 1,0 Classe 3 0,95 Classe 4 0,9 Crítica 1,0 Média 0,95 Sem medição 1,0 Com medição 0,9 Sistema Público 1,0 Solução Alternativa 1,0 Industrial 1,0 Existente 1,5 Não Existente 1,0

17 USUÁRIOS DE MINERAÇÃO CAPTAÇÃO = VOLUME OUTORGADO CONSUMO = 5% DO VOLUME CAPTADO COMO CONSUMO EFETIVO DE ÁGUA

18 COBRANÇA PELO CONSUMO DE ÁGUA PUF cons = PUB cons. X 6 R$ 0,029 X6 - CONSUMO EFETIVO OU VOLUME CONSUMIDO 1,0

19 COBRANÇA PELO LANÇAMENTO DE CARGA ORGÂNICA EM CORPOS D ÁGUA PUF DBO = PUB DBO. Y 1.Y 3.Y 4 R$ 0,130 CLASSE DE USO PREPONDERANTE CARGA LANÇADA E SEU REGIME DE VARIAÇÃO SENDO PR = PERCENTUAL DE REMOÇÃO NATUREZA DA ATIVIDADE Y1 Y3 Y4 Classe 2 1,0 Classe 3 0,95 Classe 4 0,9 PR = 80% 1,0 80%< PR<95% (31-0,2*PR)/15 PR>=95% 16-0,16*PR Sistema Público 1,0 Solução Alternativa 1,0 Indústria 1,0

20 LIMITES PUFcaptação = 0, UFESP/m 3 PUFconsumo = 2 x PUFcaptação PUF lançamento = 3 x (valor captação + valor consumo)

21 SIMULAÇÃO E S T AÇ ÃO DE T R AT AME NT O DE E S G O E S T AÇ ÃO DE T R AT AME NT O DE ÁG UA C E TA L E TE C 1 ATIVIDADE INDUS TR IAL L 1 C O R P O D'ÁG UA S UP E R F IC IAL 1 C 2 L 2 C O R P O R E C E P T O R 1 C O R P O D'ÁG UA S UP E R F IC IAL 2 C 3 C ons umo 1 C ons umo 2 C ons umo 3 L S OL O C O R P O R E C E P T O R 2 P O Ç O = ÁG UA S UB T E R R ÂNE A AP L IC AÇ ÃO NO S O L O

22 SIMULAÇÃO PUFcapt 0, UFESP/m 3 C 3(A+B) PUFcons 2 x 0, UFESP/m 3

23 QUEM COBRA? Agência de Bacias ou DAEE

24 PAGAMENTO VALORES A SEREM COBRADOS SÃO DEVIDOS A PARTIR DA EFETIVA EMISSÃO DO BOLETO PAGAMENTO APÓS O VENCIMENTO: MULTA DE 2% SOBRE O VALOR DEVIDO JUROS DE 1% AO MÊS

25 VALOR TOTAL POR USUÁRIO CALCULADO COM BASE NA ESTIMATIVA DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ANO DO PAGAMENTO 1º ANO: A PARTIR DO MÊS EM QUE SE INICIA A COBRANÇA AJUSTES: ANO SEGUINTE PAGAMENTO EM 12 PARCELAS

26 parcela > mínimo VALOR TOTAL POR USUÁRIO VALOR MÍNIMO PARA PARCELAMENTO DA COBRANÇA: R$ 50,00 VALOR TOTAL < R$ 50,00: acumulado para pagamento nos anos subseqüentes VALOR TOTAL < R$ 100,00: cobrado em boleto bancário único VALOR TOTAL < 12 VEZES O MÍNIMO: cobrança em menos de 12 parcelas, de tal modo que valor de cada

27 APLICAÇÃO DOS RECURSOS ARRECADADOS Crédito do pagamento dos boletos diretamente na subconta FEHIDRO do CBH Na própria UGRHI Metas estabelecidas nos Planos de Bacia Plano Anual de Aplicação Conforme critérios do FEHIDRO

28 APLICAÇÃO DOS RECURSOS ARRECADADOS DE ACORDO COM OS PROGRAMAS DE INVESTIMENTOS CONSTANTES DO PLANO DAS BACIAS SMT E REGRAS DE HIERARQUIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS APROVADAS PELO COMITÊ SMT

29 APLICAÇÃO DOS RECURSOS ARRECADADOS PROGRAMAS DE DURAÇÃO CONTINUADA CONSTANTES DO PLANO DAS BACIAS SOROCABA E MÉDIO TIETÊ : PDC 1 - BASE DE DADOS, CADASTROS, ESTUDOS E LEVANTAMENTOS - aplicação de até 20% do montante arrecadado anualmente - 2,2% do investimento previsto no Plano para este PDC PDC 3 - RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DOS CORPOS D ÁGUA - aplicação de até 44% do montante arrecadado anualmente - 4,4% do investimento previsto no Plano para este PDC PDC 4 - CONSERVAÇÃO E PROTEÇÃO DOS CORPOS D ÁGUA - aplicação de até 33% do montante arrecadado anualmente - 3,3% do investimento previsto no Plano para este PDC

30 BENEFICIÁRIOS DOS RECURSOS TODOS AQUELES QUE SE ENQUADRAREM NO ARTIGO 31 DO DECRETO Nº /06 PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PÚBLICO, DO ESTADO E DOS MUNICÍPIOS CONCESSIONÁRIAS E PERMISSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS, COM ATUAÇÃO EM SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE OU APROVEITAMENTO MÚLTIPLO DE RECURSOS HÍDRICOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS ENTIDADES PRIVADAS SEM FINALIDADES LUCRATIVAS,COM CONSTITUIÇÃO DEFINITIVA HÁ PELO MENOS QUATRO ANOS, QUE DETENHAM ENTRE SUAS FINALIDADES PRINCIPAIS A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE OU ATUAÇÃO NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS E COM ATUAÇÃO COMPROVADA NO ÂMBITO DO ESTADO OU DA BACIA HIDROGRÁFICA OBJETO DA SOLICITAÇÃO DE RECURSOS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO, USUÁRIAS DE RECURSOS HÍDRICOS AGÊNCIAS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

31 OBRIGADA! Coordenadoria de Recursos Hídricos- CRHi (11)

Deliberação CRH nº 63, de 04 de Setembro de O Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CRH no exercício de suas atribuições e

Deliberação CRH nº 63, de 04 de Setembro de O Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CRH no exercício de suas atribuições e Deliberação CRH nº 63, de 04 de Setembro de 2006 Aprova procedimentos, limites e condicionantes para a cobrança pela utilização dos recursos hídricos do Estado de São Paulo O Conselho Estadual de Recursos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-PS - 05/2006

DELIBERAÇÃO CBH-PS - 05/2006 DECRETO Nº 51.450, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Aprova e fixa os valores a serem cobrados pela utilização dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo nas Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do

Leia mais

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009 GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA São Paulo, 23 de março de 2009 1200 DISPONIBILIDADE E DEMANDA DE ÁGUA - 2007 Vazão (m 3 /s) 1000 SUBTERRÂNEA 800 600 400 SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE OUTORGA E COBRANÇA - CTOC REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO Divinópolis, 22 de novembro de 2011 Política Nacional de Recursos Hídricos Lei

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO NORMATIVA CBH-Velhas nº 03/2009 de 20 de março 2009 (Texto com alterações promovidas pela DN CBH-Velhas nº 04, de 06 de julho de 2009) (Aprovadas pela DN CERH nº 185 de 26 de agosto de 2009)

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO

A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO A REPRESENTAÇÃO DA INDÚSTRIA NOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA LANÇAMENTO DE EFLUENTES/ ENQUADRAMENTO DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SOROCABA Outubro de 2009 GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

de 2009, referendadas pela Deliberação CRH nº 109, de 10

de 2009, referendadas pela Deliberação CRH nº 109, de 10 12 São Paulo, 120 (233 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 10 de dezembro de 2010 por meio de amostragem representativa dos efluentes bruto e tratado (final, em cada ponto de lançamento,

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS

COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS Renata Maria de Araújo Belo Horizonte, agosto de 2014. Caracterização Hidrográfica do Estado de Minas Gerais Gestão dos Recursos Hídricos em Minas Gerais Comitês

Leia mais

A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas

A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas IV Seminário Regional sobre os Usos Múltiplos da Água e Gestão Integrada de Recursos Hídricos A cobrança pelo uso da água na experiência francesa e o papel das agências de bacias hidrográficas Patrick

Leia mais

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental Piracicaba, 16 de agosto de 2010 OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA (BACIAS

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU. Seropédica 05 de maio de 2016

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU. Seropédica 05 de maio de 2016 DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU Seropédica 05 de maio de 2016 Cobrança no Estado de São Paulo HISTÓRICO 1991 1993 1990 Criação da Lei paulista nº 7.663, de 1991, que instituiu

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ IV Região São Paulo, 2016 Cenário dos anos 1970 (Brasil) Rio Piracicaba (Estiagem,)

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS 206 Cachoeira de Diegues (Toledo/MG) - Foto: Bolly Vieira :AUGÁ ALEP SODOT!ezimonocE e ediuc TODOS PELA ÁGUA: Cuide e Economize! COBRANÇA MAPA DAS BACIAS PCJ Desde

Leia mais

Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ

Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ Capacitação para Captação de Recursos Financeiros do FEHIDRO e Cobranças Estaduais PCJ A gestão da água nas Bacias PCJ Acervo A PROVINCIA enchente de 1929 Sistema Cantareira COBRANÇAS PCJ Desde 2006, partindo

Leia mais

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê.

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. DECISÃO CETESB Nº 53, de 24/03/2009 Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. A Diretoria Plena

Leia mais

19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente

19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente 19 Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente RECURSOS FINANCEIROS PARA PROJETOS CONDIMMA Conselho de Dirigentes Municipais do Meio Ambiente Julio Cesar Salecker Engenheiro Agrícola/Eletrotécnico

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos Novembro de 2016 ESTRUTURA DO SINGREH FORMULAÇÃO DA

Leia mais

A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas

A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Coordenadoria de Recursos Hídricos A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas UNIMEP/CBHs

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Avenida Professor Frederico Hermann Jr. 345 - São Paulo/SP - CEP 05459-900 - Tel (11) 3133-4157 Deliberação CRH n ọ 88, de 10 de dezembro

Leia mais

Portaria DAEE nº 2292, de Ref.: Autos DAEE , prov. 1. ( Reti-ratificada no D.O.E. em )

Portaria DAEE nº 2292, de Ref.: Autos DAEE , prov. 1. ( Reti-ratificada no D.O.E. em ) Portaria DAEE nº 2292, de 14.12.2006 Ref.: Autos DAEE 49.559, prov. 1 ( Reti-ratificada no D.O.E. em 19.04.2016 ) Disciplina os usos que independem de outorga de direito de uso de recursos hídricos superficiais

Leia mais

MODULO III CIESP DE INDAIATUBA

MODULO III CIESP DE INDAIATUBA MODULO III CIESP DE INDAIATUBA OUTUBRO/2010 Sebastião Vainer Bosquilia Div. Téc. De Recursos Hídricos Módulo III 08 de outubro - CIESP de Indaiatuba e 15 de outubro - CIESP de Piracicaba Ementa: Abordagem

Leia mais

MÓDULO I TEMA / HORAS AULA EMENTA OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA

MÓDULO I TEMA / HORAS AULA EMENTA OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA MÓDULO I 1. Contextualização histórica da Gestão de Recursos Hídricos e suas relações com o Saneamento / 4h Conteúdo histórico da Gestão de Entender o processo Recursos Hídricos na Bacia histórico da gestão

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria Ambiental do SICEPOT-MG elaborou uma compilação de Informações sobre a Outorga de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SEM ARH SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS JOSÉ DE PAULA MORAES FILHO SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS RECURSOS

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DA POLÍTICA DE GESTÃO DAS ÁGUAS

RECURSOS HÍDRICOS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DA POLÍTICA DE GESTÃO DAS ÁGUAS RECURSOS HÍDRICOS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DA POLÍTICA DE GESTÃO DAS ÁGUAS cartilha recursos hidricos.indd 1 11/29/12 5:15 PM 2 cartilha recursos hidricos.indd 2 11/29/12 5:15 PM Índice Introdução 4 Plano

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SMA CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - 18 DE MAIO DE 2006 Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. Altera a Lei Estadual nº 6.908, de 1º de julho de 1996, que Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos, institui o Sistema

Leia mais

I - a água é um bem de domínio público;

I - a água é um bem de domínio público; POLÍTICA NACIONAL DOS RECURSOS HÍDRICOS CF/88 São bens da União:; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA

ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA ANÁLISE DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DOS CORPOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA 35ª Reunião da CTPI do CBH Paranaíba Célio Bartole Pereira Coordenador de Qualidade de Água

Leia mais

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento ENCOB 2015 Caldas Novas - GO 08.10.2015 BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRACICABA Fonte: Agência PCJ BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIVARI Fonte:

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014 Publicado no Diário Oficial Estado de São Paulo - Caderno Executivo I (Poder Executivo, Seção I), edição n 124 (243) do dia 24/12/2014 Página: 64. DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS MATO GROSSO DO SUL

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DO PLANEJAMENTO, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - SEMAC INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DE MATO GROSSO DO SUL-IMASUL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS MATO GROSSO DO SUL ANGÉLICA HARALAMPIDOU

Leia mais

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA E AS PECULIARIDADES DO USUÁRIO MINERADOR -CASO DA MINERAÇÃO DE FERRO NA BACIA DO RIO DAS VELHAS/MINAS GERAIS- PAP005638

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA E AS PECULIARIDADES DO USUÁRIO MINERADOR -CASO DA MINERAÇÃO DE FERRO NA BACIA DO RIO DAS VELHAS/MINAS GERAIS- PAP005638 A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA E AS PECULIARIDADES DO USUÁRIO MINERADOR -CASO DA MINERAÇÃO DE FERRO NA BACIA DO RIO DAS VELHAS/MINAS GERAIS- PAP005638 Autores: Maria de Lourdes Pereira dos Santos (Engenheira

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental - Lilian Ferreira dos Santos - Superintendente de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços Junho de 2010 O Estado de Mato Grosso Aproximadamente 20000 Empreendimentos cadastrados

Leia mais

CADASTRO E OUTORGA DE USUÁRIOS DE ÁGUA E ESTUDO DE CASO: Cadastro e Outorga de Piscicultores da Fazenda Visconde Casimiro de Abreu/RJ.

CADASTRO E OUTORGA DE USUÁRIOS DE ÁGUA E ESTUDO DE CASO: Cadastro e Outorga de Piscicultores da Fazenda Visconde Casimiro de Abreu/RJ. CADASTRO E OUTORGA DE USUÁRIOS DE ÁGUA E ESTUDO DE CASO: Cadastro e Outorga de Piscicultores da Fazenda Visconde Casimiro de Abreu/RJ. Cadastro Nacional de Usuários de Recursos Hídricos A partir das Leis

Leia mais

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96 LEGISLAÇÃO Legislação Federal: Lei Nº 9.433 08/01/1997 Legislação Estadual: Constituição do Estado de São Paulo Lei nº 6.134 02/06/1988 Decreto nº 32.955 07/02/1991 Lei nº 7.663 30/12/1991 Decreto nº 36.787

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação LEI Nº 16.653, DE 23 DE JULHO DE 2009 Altera a Lei nº 13.569,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência

Leia mais

Carlos Eduardo Nascimento Alencastre

Carlos Eduardo Nascimento Alencastre Carlos Eduardo Nascimento Alencastre 1º ENCONTRO DE ORGANISMOS DE BACIAS DA AMÉRICA LATINA E CARIBE FOZ DO IGUAÇU (BRASIL). DE 18 A 21 DE NOVEMBRO DE 2009 Evolução Histórica A evolução histórica pode ser

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada do DOU em 08/02/06) Estabelece diretrizes para elaboração do Plano de Utilização

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. OUTORGA e INTEGRAÇÃO INTERINSTITUCIONAL. Base Legal

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. OUTORGA e INTEGRAÇÃO INTERINSTITUCIONAL. Base Legal SECRETARIA SANEAMENTO E HÍDRICOS Secretaria de DE Saneamento e RECURSOS Recursos Hídricos DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Departamento de e Energia Elétrica DIRETORIA DA BACIA DOÁguas ALTO TIETÊ

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

Recursos Hídricos Minas Gerais

Recursos Hídricos Minas Gerais Recursos Hídricos Minas Gerais Principais normas Minas Gerais Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999 - Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. Lei nº 13.771, de

Leia mais

Enquadramento das Águas do DF O que temos, o que queremos e o que podemos. Eng. Marcos Helano F. Montenegro Presidente da Seção DF da ABES

Enquadramento das Águas do DF O que temos, o que queremos e o que podemos. Eng. Marcos Helano F. Montenegro Presidente da Seção DF da ABES Enquadramento das Águas do DF O que temos, o que queremos e o que podemos. Eng. Marcos Helano F. Montenegro Presidente da Seção DF da ABES A QUESTÃO DA DOMINIALIDADE DAS ÁGUA SUPERFICIAIS RESOLUÇÃO

Leia mais

Maria do Socorro Mendes Rosa Técnica Recursos Hídricos AESA

Maria do Socorro Mendes Rosa Técnica Recursos Hídricos AESA Maria do Socorro Mendes Rosa Técnica Recursos Hídricos AESA SERHMACT Formula política CERH Deliberativo e consultivo SINGREH AESA Órgão gestor CBHs Gestão participativa Descentralizada Ø O Conselho Estadual

Leia mais

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4.1. AS METAS DE CURTO PRAZO PQA X PLANO DE BACIAS 2000-2003 Esse capítulo faz uma comparação e explicita ações e metas já definidas nos dois principais

Leia mais

LEI Nº 9.433, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.433, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.433, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição

Leia mais

Comitê de Bacia Hidrográfica

Comitê de Bacia Hidrográfica Comitê de Bacia Hidrográfica ENCONTROS REGIONAIS PARA RENOVAÇÃO DO CSBH BAIXO JAGUARIBE 2016-2020 O QUE É UM COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA: É o instrumento de participação da sociedade na gestão dos recursos

Leia mais

U SC/ C PR P O R DE D MA

U SC/ C PR P O R DE D MA Guilhardes de Jesus Júnior MS. Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente UESC/PRODEMA 1 Geleiras: 2% Oceanos e mares: 97% Rios, lagos e lençóis subterrâneos: 1% 2 Distribuição da água no Brasil 3 UTILIZAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS E FERRAMENTA DE GESTÃ (SSD RB)

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS E FERRAMENTA DE GESTÃ (SSD RB) INSTRUMENTOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS E FERRAMENTA DE GESTÃ (SSD RB) RESUMO Os instrumentos da Política Nacional de Recursos Hídricos, Lei 9.433, de 8 de janeiro de 1997, visão assegurar

Leia mais

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOIS RIOS

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOIS RIOS Edital de Convocação do Processo Eleitoral para Composição do Plenário do Comitê de Bacia da Região Hidrográfica Rio Dois Rios Biênio 2017/2018 CBH RIO DOIS RIOS O Plenário do Comitê de Bacia da Região

Leia mais

Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020

Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020 Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020 Eduardo Cuoco Léo Coordenador de Sistema de Informação Fundação Agência das Bacias PCJ agosto de 2011 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 6 PASSOS 1º Passo: Introdução; 2º Passo:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 126, DE 29 DE JUNHO DE 2011. Estabelecer diretrizes para o cadastro de usuários de recursos hídricos e para a integração

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

LEI Nº DE 25 DE SETEMBRODE 1997

LEI Nº DE 25 DE SETEMBRODE 1997 LEI Nº 3.870 DE 25 DE SETEMBRODE 1997 Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e o Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos e da outras providencias. O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

Leia mais

Fundo de Recuperação, Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais.

Fundo de Recuperação, Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais. Fundo de Recuperação, Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais. OBJETIVO DO FHIDRO (art. 2º, Lei 15.910/2005) Dar suporte financeiro a programas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

Marco Antônio Mota Amorim Uberlândia/MG, 20 e 21 de março de 2014

Marco Antônio Mota Amorim Uberlândia/MG, 20 e 21 de março de 2014 Conceito, base legal e panorama da cobrança pelo uso de recursos hídricos no País 3ª Oficina do Grupo de Trabalho Agência e Cobrança (GTAC/CTPI/CBH-Paranaíba) Marco Antônio Mota Amorim Uberlândia/MG, 20

Leia mais

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ:

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ: Tema: Retrospectiva de atuação como Entidade Equiparada AGB / PJ Autores: Francisco Carlos Castro Lahóz Coordenador de Projetos do Consórcio PCJ e Coordenador do Contrato de Gestão do Comitê PJ Jussara

Leia mais

OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO

OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO ENGº MAURO JOSÉ MURARA INSTITUTO DAS ÁGUAS DO PARANÁ OUTUBRO/2012 O que é outorga? Segundo o dicionário Aurélio Buarque de

Leia mais

TÍTULO I DA POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO DISTRITO FEDERAL

TÍTULO I DA POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO DISTRITO FEDERAL 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 2.725, DE 13 DE JUNHO DE 2001 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Institui a Política de Recursos Hídricos e cria o Sistema de Gerenciamento de Recursos

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H NAS BACIAS PCJ FEDERAÇÃO INDUSTRIAS S C 30/09/2010 EDUARDO L. PASCHOALOTT I C.R.M.A - FIESP 1 Características Físicas das Bacias PCJ Bacias dos Rios Piracicaba,

Leia mais

obrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Mineração 2º Congresso Brasileiro de Mineração elo Horizonte, 27/09/2007

obrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Mineração 2º Congresso Brasileiro de Mineração elo Horizonte, 27/09/2007 obrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Mineração 2º Congresso Brasileiro de Mineração elo Horizonte, 27/09/2007 atrick Thomas gência Nacional de Águas Caracterização do Uso cessos de Extração a) Extração

Leia mais

1 de 11 5/11/ :57

1 de 11 5/11/ :57 1 de 11 5/11/2013 14:57 DECRETO 44046, DE 13/06/2005 - TEXTO ORIGINAL Regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição

Leia mais

4ª Oficina do Grupo de Trabalho Agência e Cobrança GTAC do CBH-Paranaíba AGÊNCIA DE BACIA E COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NO DISTRITO FEDERAL

4ª Oficina do Grupo de Trabalho Agência e Cobrança GTAC do CBH-Paranaíba AGÊNCIA DE BACIA E COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NO DISTRITO FEDERAL 4ª Oficina do Grupo de Trabalho Agência e Cobrança GTAC do CBH-Paranaíba AGÊNCIA DE BACIA E COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NO DISTRITO FEDERAL Goiânia, abril de 2014 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional SISTEMA DE GESTÃO SGIB SISTEMA DE GESTÃO Decreto n o 5.995/2006 Decreto n o 6.365/2008 Conselho Gestor do SGIB 2º, art.

Leia mais

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias Parcerias entre Setor Público e Iniciativa Privada - Ferramenta

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo A palavra HIDROLOGIA é originada das palavras gregas HYDOR (que significa

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016.

DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016. DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016. Aprova a ampliação do Grupo de Trabalho para acompanhamento da Elaboração do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH)-Grande e dá outras providências.

Leia mais

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro ~ 16 milhões de habitantes - 92 municípios ~ 16 mil toneladas diárias SITUAÇÃO DO PROGRAMA LIXÃO ZERO MUNICÍPIOS

Leia mais

Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA. Goiânia, 06 de agosto de 2008

Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA. Goiânia, 06 de agosto de 2008 Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA Goiânia, 06 de agosto de 2008 Convênio de Integração Plano de Bacia Cadastro Outorga Regularização Comitê de Bacia Agência

Leia mais

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas IX Simpósio Nacional Cerrado II Simpósio Internacional Savanas Tropicas Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 019 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA SOCIAL...

Leia mais

ESTADO DA ARTE DOS RECURSOS HÍDRICOS EM MATO GROSSO DO SUL 1

ESTADO DA ARTE DOS RECURSOS HÍDRICOS EM MATO GROSSO DO SUL 1 ESTADO DA ARTE DOS RECURSOS HÍDRICOS EM MATO GROSSO DO SUL 1 Leonardo Sampaio Costa (Gestor da Unidade de Recursos Hídricos) Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) lcosta@imasul.ms.gov.br

Leia mais

Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural

Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Recursos Hídricos Evolução dos Paradigmas e Desafios de Gestão Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Bragança Paulista Maio/2009 Wilson A. Bonança Advogado Consultor em Recursos Hídricos Federação

Leia mais

I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL

I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL U F B A I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL Salvador, 3 e 4 de novembro de 2005 Mesa Redonda Políticas Institucionais para a Bacia do Rio São Francisco Profº Heraldo Peixoto da

Leia mais

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ CONTEXTUALIZAÇÃO Fonte: PLANO DE BACIAS, 2010-2020 3 Área: 15.304km 2 (92,6% SP e 7,4%

Leia mais

VALOR PREVISTO NO PAP (mil R$) PROGRAMAS / PROJETOS DO PAP AÇÕES STATUS INFORMAÇÕES OBJETO ETAPAS ITEM

VALOR PREVISTO NO PAP (mil R$) PROGRAMAS / PROJETOS DO PAP AÇÕES STATUS INFORMAÇÕES OBJETO ETAPAS ITEM INDICADOR 2A PLANEJAMENTO E GESTÃO INDICADOR 2A 2 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com recursos da Cobrança Federal PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2013

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais

Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais Aspectos Legais e Institucionais do Enquadramento Maria Luiza Machado Granziera Brasília-DF, 09 de Setembro

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EIXO 4 ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VERSÃO PRELIMINAR Contexto O mundo vive atualmente o desafio de seguir com seu processo de desenvolvimento socioeconômico com recursos cada vez mais escassos.

Leia mais

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Introdução Antônio Henrique Araújo Freitas (1) A água é um insumo essencial para a maioria das atividades humanas, incluindo agricultura

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO RH II -GUANDU. Seropédica 03de março de 2016

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO RH II -GUANDU. Seropédica 03de março de 2016 DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU Seropédica 03de março de 2016 As Bacias Hidrográficas no Estado de Minas Gerais Agências de Bacias Hidrográficas no Estado de Minas Gerais

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS: AGENDA RECURSOS HÍDRICOS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS: AGENDA RECURSOS HÍDRICOS OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS: AGENDA RECURSOS HÍDRICOS Deivid Oliveira - Gerência de Meio Ambiente Março de 2017 Sistema FIEMG Meio Ambiente Campo e Atuação Gerência de Meio Ambiente Biodiversidade e Florestas

Leia mais

III Simpósio Internacional em Manejo de Microbacias Hidrográficas

III Simpósio Internacional em Manejo de Microbacias Hidrográficas Universidade Estadual Paulista Campus de Botucatu Faculdade de Ciências Agronômicas III Simpósio Internacional em Manejo de Microbacias Hidrográficas Botucatu, 17 de Junho de 2010. A necessária Gestão

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT USOS DA ÁGUA DISPONIBILIDADE HÍDRICA NO PLANETA ESTADOS Sólido.

Leia mais

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água EPUSP, 07 de novembro de 2016 CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE

ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE Eng Agr João Carlos de Freitas Silva Engº Civil Marden Strini Machado (Setembro / 2008) DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água

2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água 2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água Diagnóstico técnico e ambiental da área ou Plano diretor da bacia hidrográfica CONCEPÇÃO PROJETO Objetivos: Estabelecer todas as diretrizes, parâmetros

Leia mais

LEI ESTADUAL N DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991

LEI ESTADUAL N DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991 LEI ESTADUAL N 7.633 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991 Estabelece normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos bem como ao Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos. O GOVERNADOR

Leia mais

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS ESTUDOS HIDROLÓGICOS ÁGUA SUPERFICIAL Wilson dos Santos Fernandes TÓPICOS ESTUDO HIDROLÓGICO DEMANDA

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais