RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC"

Transcrição

1 CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS PCJ RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC Secretaria Executiva

2 DIFERENÇAS ENTRE: COMITÊ DE BACIA, AGÊNCIA DE ÁGUA E CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL

3 CONCEITO DE COMITÊ DE BACIA Órgão colegiado composto por representantes do poder executivo (federal, estadual e municipal), de usuários de água e da sociedade civil. É deliberativo e funciona como Parlamento das Águas. Sua criação está prevista em leis federal e estaduais. Seu objetivo é fazer a gestão dos recursos hídricos numa determinada bacia hidrográfica, de forma descentralizada e participativa. Não possui personalidade jurídica, podendo contar com apoio técnico e financeiro de outros órgãos.

4 COMITÊS DAS BACIAS PCJ COMITÊ PCJ (Paulista) (51 membros) - PODER PÚBLICO = 34 a) União = nenhum membro b) Estado = 17 membros c) Municípios = 17 membros COMITÊ PCJ (Federal) (50 membros) - PODER PÚBLICO = 20 a) União = 3 membros b) Estadual = 7 membros (SP = 4 + MG = 3) c) Municipal = 10 membros (SP = 8 + MG = 2) COMITÊ PJ (Mineiro) (12 membros) - PODER PÚBLICO = 6 a) União = nenhum membro b) Estado = 3 membros c) Municípios = 3 membros - USUÁRIOS = 8 (Abast. Urb.= 2; Ind. e Min. = 2; Agric. = 3; Hidr./Pesca/Tur. = 1) - USUÁRIOS = 20 (SP = 17 + MG = 3) (Abast. Urb. = 7 + 0; Ind. e Miner. = 6 + 1; Agric. = 3 + 1; Hidrov./Pesca/Turismo = 1 + 1) -USUÁRIOS = 3 (Ind. e Min. = 1; Agric. = 1; Hidrov./Pesca/Turismo = 1) - SOCIEDADE CIVIL = 9 (Univers. = 2; Consórcios = 1; Sind. e Assoc. Técnicas = 2; Entidades Ambientalistas = 4 - SOCIEDADE CIVIL = 10 (SP = 9 + MG = 1) (Univers. = 2; Consórcios = 1; Sind. e Assoc. Técnicas = 2; Entidades Ambientalistas = 4 + 1) - SOCIEDADE CIVIL = 3 (Univers. = 1; Sind. e Assoc. Técnicas = 1; Ent. Amb. = 1)

5 CONCEITO DE AGÊNCIA DE ÁGUA Entidade criada no âmbito do Comitê de Bacia para atuar como sua Secretaria Executiva. Responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros oriundos da cobrança pelo uso dos recursos hídricos. Sua natureza jurídica não está definida no âmbito federal. Em São Paulo a legislação prevê a figura de Fundação de Direito Privado. Os Comitês PCJ estão estudando duas opções para a Agência de Água definitiva, uma na forma de Fundação de Direito Privado e outra na forma de Consórcio Público Não havendo uma Agência de Água definitiva, suas funções podem ser delegadas à organizações civis de recursos hídricos, a critério do Comitê de Bacia, desde que aprovado pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

6 CONCEITO DE CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL Associação entre prefeituras e empresas com objetivo de organizar e desenvolver projetos, serviços e ações de interesse comum. Possui personalidade jurídica, geralmente na forma de associação civil de direito privado, sem fins lucrativos. Os Consórcios de Bacia Hidrográfica podem receber delegação para exercer funções de Agência de Água, por período determinado, a critério do Comitê de Bacia.

7 CONSÓRCIO PCJ O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) foi fundado em outubro de 1989, na figura jurídica de associação civil de direito privado, sem fins lucrativos. A partir de 1996 recebeu adesão de empresas, passando a atuar como associação de usuários públicos e privados das águas. Seus principais objetivos são: a integração e o planejamento regional, conscientização ambiental e o fomento de ações em gestão dos recursos hídricos visando a recuperação e preservação dos mananciais. Atualmente são 41 municípios e 30 empresas consorciadas.

8 PROGRAMAS DO CONSÓRCIO PCJ 01) Programa de Gestão de Bacias Hidrográficas 02) Programa de Educação Ambiental 03) Programa de Proteção aos Mananciais 04) Programa de Racionalização, Combate às Perdas de Água e Saneamento 05) Programa de Resíduos Sólidos 06) Programa de Sistema de Monitoramento das Águas 07) Programa de Apoio aos Consorciados 08) Programa de Cooperação Institucional 09) Programa de Investimentos (R$ 0,01/m³) 10) Programa Especial Grupo das Empresas 11) Divulgação Institucional 12) Colaboradores Ambientais 13) Agência de Água PCJ

9 AS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (BACIAS PCJ)

10 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ

11 A RMC NAS BACIAS PCJ

12 CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ Área = km² (SP: km² = 92,6% + MG: km² = 7,4%) Municípios com sede na região = 61 (SP: 57 + MG: 4) População = 5,2 milhões de habitantes (SP: 5,1 milhões + MG: 60 mil) Economia = 7% do PIB Nacional Disponibilidade Hídrica Superficial (Q 7,10 ) = 39,7 m³/s Demanda de Água = 35 m 3 /s (Abast. Urb.: 19,6 + Indl.: 8,5 + Rural: 6,4 + Outros: 0,5) Índice de Perdas na Distribuição (Média PCJ) = 37% Esgotos Domésticos = Coleta: 85% / Tratamento: 40% Efluentes Industriais = Tratamento: 90% Carga Remanescente Doméstica = 182 tdbo/dia Carga Remanescente Industrial = 27tDBO/dia Fonte: Relatório de Situação das Bacias PCJ

13 OS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA TURISMO PESQUEIROS INDÚSTRIAS AGRICULTURA DILUIÇÃO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS HIDROVIA - TRANSPORTE DILUIÇÃO DOS EFLUENTES INDUSTRIAIS RECREAÇÃO - CLUBES PESCA FÁBRICA DE BEBIDAS ABASTECIMENTO PÚBLICO POSTOS DE GASOLINA GERAÇÃO DE ENERGIA

14 GESTÃO DA ÁGUAS = ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

15 SISTEMA CANTAREIRA Sistema Cantareira

16 O CONFLITO PELO USO DA ÁGUA Cheia: Rio Piracicaba = 450 m³/s Estiagem: Rio Piracicaba = 25 m³/s

17 INDICAÇÕES - ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS Bacia Auto Sustentável = m³/hab./ano Bacia Pobre = m³/hab./ano Bacia Crítica = m³/hab./ano ESCASSEZ HÍDRICA DISPONIBILIDADE HÍDRICA Brasil = m³/hab./ano São Paulo = m³/hab./ano Bacias PCJ = 408 m³/hab./ano Bacia Alto Tietê = 201 m³/hab./ano

18 QUALIDADE DAS ÁGUAS NAS BACIAS PCJ Classe 1 Classe 2 CLASSE 3 CLASSE 4

19 ENQUADRAMENTO DOS CORPOS D ÁGUA

20 GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Comitês das Bacias PCJ + Consórcio PCJ + Agência de Água PCJ + Poderes Públicos + Usuários Públicos e Privados + Sociedade Civil PROCESSO DE CONSERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

21 COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA A cobrança pelo uso da água é um dos instrumentos previstos na Lei nº 9.433/97, que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e na Lei n.º 7.663/91 que institui a Política Estadual de Recursos Hídricos. Objetivos: - estimular o uso racional da água; - gerar recursos financeiros para investimentos na recuperação e preservação dos mananciais da região. A cobrança não é um imposto, mas um preço público condominial, fixado a partir de um pacto entre os usuários e o respectivo Comitê de Bacias.

22 COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA (FEDERAL) COBRANÇA PROGRESSIVIDADE FASES DA COBRANÇA VALORES APROVADOS 2006 (60%) 2007 (75%) 2008 (100%) CAPTAÇÃO R$ 0,01/m³ R$ 0,006 R$ 0,0075 R$ 0,01 CONSUMO R$ 0,02/m³ R$ 0,012 R$ 0,015 R$ 0,02 LANÇAMENTO R$ 0,10/KgDBO R$ 0,060 R$ 0,075 R$ 0,10 TRANSPOSIÇÃO R$ 0,015/m³ R$ 0,009 R$ 0,01125 R$ 0,015

23 COBRANÇA = ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO ANO (*) Cobr. Federal , , , ,00 Cobr. Paulista , , ,00 Cobr. Mineira ,00 Projetos (*) Estimativa

24 CONSÓRCIO PCJ MUITO OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO!!! CONSÓRCIO PCJ (19)

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SMA CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - 18 DE MAIO DE 2006 Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil Aparecido Hojaij Presidente da Assemae XV Assembleia da Assemae Regional de Santa Catarina 25 de agosto de 2015 Sobre a Assemae

Leia mais

1 093 225 Receitas Próprias

1 093 225 Receitas Próprias - Programação Plurianual do 213 Investimento por Programas e Medidas Página 1 Anos anteriores 213 214 215 Anos Seguintes TOTAL VICE PRESIDÊNCIA DO GOVERNO 41 - INOVAÇAO E QUALIDADE 1 - PROMOÇAO DA INOVAÇAO

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 Piracicaba 12 de outubro de 2009 1 CONTRATO AGÊNCIA PCJ Nº 03/09 CONTRATANTE:

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

AssuntO: Indica ao Poder Executivo Municipal

AssuntO: Indica ao Poder Executivo Municipal Estado de Sao Paulo / 2015 & Protocolo: (JfK.io: Aprovado 166O//S 7i> & Hora: na C I - "so. rea lizada^ em // 2 (

Leia mais

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total Estado do Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GOVERNO MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 31.191,67 31.191,67 04.122.0000.0.000.000

Leia mais

Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais

Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Experiência das bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Cláudia Hornhardt Siqueira Fonseca Caroline

Leia mais

Demonstrativo de Funcoes, Subfuncoes e Programas por Projetos, Atividades e O.E. Exercicio de 2010 - Anexo 7, da Lei 4.320/64

Demonstrativo de Funcoes, Subfuncoes e Programas por Projetos, Atividades e O.E. Exercicio de 2010 - Anexo 7, da Lei 4.320/64 01.000.0000 Legislativa 5.300.000,00 28.019.660,00 33.319.660,00 01.031.0000 Acao Legislativa 5.300.000,00 28.019.660,00 33.319.660,00 01.031.0010 Processo Legislativo 5.300.000,00 1.173.900,00 6.473.900,00

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155)

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO EXERCICIO: 2016 SIOR - SISTEMA ORCAMENTARIO R$ 1,00

ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO EXERCICIO: 2016 SIOR - SISTEMA ORCAMENTARIO R$ 1,00 COD ORGAO LEGISLATIVA JUDICIARIA ESSENCIAL A ADMINISTRACAO JUSTICA 01 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA 219.950.000 03 TRIBUNAL DE CONTAS 114.101.360 30.000 04 TRIBUNAL DE CONTAS - ENT. VINCULADAS 180.139 05 TRIBUNAL

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000 PROJETO DE LEI DO PLANO PLURIANUAL Projeto de Lei: Dispoe sobre o Plano Plurianual para o periodo 2015/2018 A CAMARA MUNICIPAL decreta: Art. 1o. Esta lei institui o Plano Plurianual para o quadrienio 2015/2018

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total 01.000.0000 Legislativa 916.264,00 916.264,00 01.031.0000 Acao Legislativa 916.264,00 916.264,00 01.031.0001 Dar cumprimento as funcoes basicas do 916.264,00 916.264,00 Poder Legislativo de legislar e

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS

Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos COMITESINOS Oportunidade histórica de termos dois planos em elaboração: Plano de Bacia & Plano de Saneamento Com sintonia das suas entidades

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Ordinario Vinculado Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Ordinario Vinculado Total 01.000.0000 Legislativa 55.548.990,00 55.548.990,00 01.031.0000 Acao Legislativa 55.544.400,00 55.544.400,00 01.031.0010 Prover a Camara Municipal de 16.350.000,00 16.350.000,00 infra-estrutura fisica

Leia mais

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013 Prefeitura Municipal de Alvorada Página: 000001 Orgão: 01 CAMARA MUNICIPAL DE VEREADORES 01 LEGISLATIVA 41.087,91 6.600.377,60 0,00 6.641.465,51 01.031 ACAO LEGISLATIVA 41.087,91 5.758.613,76 0,00 5.799.701,67

Leia mais

Minicurrículos dos palestrantes

Minicurrículos dos palestrantes Minicurrículos dos palestrantes Carla Veiga Agência Nacional de Águas Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Mestre em Química pela Universidade Fluminense UFF Atua como Especialista

Leia mais

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Audiência Pública na Câmara dos Deputados Comissão Especial sobre a Crise Hídrica Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Anexo 07. Demonstrativo da Despesa do Estado Discriminada a Nível de Programa

Anexo 07. Demonstrativo da Despesa do Estado Discriminada a Nível de Programa Anexo 07 Demonstrativo da Despesa do Estado Discriminada a Nível de Programa DEMONSTRATIVO DA DESPESA DO ESTADO DISCRIMINADA A NIVEL DE PROGRAMA ANEXO 07 DA LEI 4.320/64 FOLHA: 1 01 LEGISLATIVA 1.052.751,74

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013.

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. 1 - PODER LEGISLATIVO 1.1 - CÂMARA MUNICIPAL 1.1.1 - Manutenção e funcionamento

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ PROJETO DE MAPEAMENTO E TRANSPOSIÇÃO INTERNA DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ VIA: TUBULAÇÕES DE ALUMÍNIO; ADUTORAS CONVENCIONAIS; CANAIS;

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

Hidrovias: Uma visão do futuro

Hidrovias: Uma visão do futuro Hidrovias: Uma visão do futuro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 18 de agosto de 2010 I Seminário Portuário Público Privado Latino-Americano Hidrovias: Uma visão do futuro Slide

Leia mais

Setor social associação

Setor social associação Setor social associação Administração Pública Iniciativa Privada Autarquia Fundação Dir. Público Consórcio Dir. Público Consórcio Dir.Privado Empresa Dependente Empresa Pública Soc. Economia Mista Organização

Leia mais

01 Legislativa. 031 Acao Legislativa. 0135 Gestao Administrativa do Poder Legi 0136 Gestao Legislativa 0289 Recuperacao de Localidades Atingida

01 Legislativa. 031 Acao Legislativa. 0135 Gestao Administrativa do Poder Legi 0136 Gestao Legislativa 0289 Recuperacao de Localidades Atingida CLASSIFICACAO FUNCIONAL-PROGRAMATICA: CODIGO E ESTRUTURA ANEXO 05 DA LEI 4.320/64 10/03/2015 FOLHA: 1 01 Legislativa 02 Judiciaria 03 Essencial a Justica 04 Administracao 031 Acao Legislativa 032 Controle

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior Area Profissional: 0007 - CONSTRUCAO CIVIL Area de Atuacao: 0152 - ATEND.CLIENTE/CONSTR.CIVIL

Leia mais

Carta de Brasília II

Carta de Brasília II 2 Carta de Brasília II O II Fórum Nacional de TVs Públicas, ancorado pela Carta de Brasília, afirma seu compromisso com o processo de democratização da comunicação social brasileira. Visando a conquista

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA

RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA maurogm@fepam.rs.gov.br PROBLEMAS AMBIENTAIS PROBLEMAS ÉTICOS Quem contamina

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Coordenadoria de Relações Institucionais CESAN Terezinha de Jesus S. R. Vanzo LEI 11.445 de 05/01/07 Lei De Regulamentação do Setor de Saneamento Básico Introdução

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA Programa Produtor de Água Guaratinguetá/ SP Programa Produtor de Água Programa amparado pela Lei nº 4.252 de 11 de novembro de 2010,

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total 01.000.0000 Legislativa 300.000,00 3.280.900,00 3.580.900,00 01.031.0000 Acao Legislativa 300.000,00 3.280.900,00 3.580.900,00 01.031.0001 Dotar a Camara Municipal com moveis e 300.000,00 275.000,00 575.000,00

Leia mais

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 BNDES - Estados: Objetivos do Apoio Complementar o apoio financeiro dos estados a empreendimentos solidários de baixa renda Contribuir para a redução de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre o reuso interno de água residual para fins industriais e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta Art. 1º. Esta lei dispõe sobre

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO SIGRH COLEGIADOS INSTÂNCIAS DELIBERATIVAS -CRH - COFEHIDRO - CBHs INSTÂNCIAS TÉCNICAS CORHI Câmaras Técnicas FEHIDRO INSTÂNCIA

Leia mais

Da Condução do Processo de Eleição dos Membros

Da Condução do Processo de Eleição dos Membros 10.179 de 17 de março de 2014, Resolução CERH Nº 001/2000 e Decreto Estadual Nº 1.934- DELIBERAÇÃO Nº 003, de 30 de março de 2016. Estabelece as normas, procedimentos e critérios para o processo de eleição

Leia mais

ESTADO DO PIAUI PREFEITURA MUNICIPAL DE COCAL DOS ALVES PI CNPJ(MF) 01.612.572/0001-94 ADM.: A FORÇA DO POVO

ESTADO DO PIAUI PREFEITURA MUNICIPAL DE COCAL DOS ALVES PI CNPJ(MF) 01.612.572/0001-94 ADM.: A FORÇA DO POVO LEI N o 123/2011. Estabelece diretrizes gerais para a elaboração do orçamento do Município de Cocal dos Alves para o exercício de 2012 dá outras providências. A Câmara Municipal de Cocal dos Alves, por

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Paulo Salles Universidade de Brasília psalles@unb.br 5 a Reuniao da Camara Tecnica Rio Quente, 7-8 de maio de 2009 Esta apresentação Objetivos

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA CUIABÁ-SANTAR SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Decreto de 15 de março de 2004

Leia mais

LEIS LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015

LEIS LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 Salvador, Quarta-feira 23 de dezembro de 2015 Ano C N o 21.843 LEIS LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015LEI Nº 13.466 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a organização e funcionamento das Universidades

Leia mais

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Nota Informativa nº 03/2011/SAG Documento nº 030178/2011-46 Em 23 de novembro de 2011 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Resumo dos resultados da pesquisa de impacto

Leia mais

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DE ENERGIA AQUISIÇÃO DA ENERGIA Autoprodução e Mercado de Energia Abastecimento de Água Esgotamento Sanitário Resíduos Sólidos USO DA ENERGIA Eficiência Energética 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2 PROGRAMA

Leia mais

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS O que são Os Comitês foram criados para gerenciar o uso dos recursos hídricos de forma integrada e descentralizada com a participação da sociedade.

Leia mais

Cobrança pelo Uso da Água

Cobrança pelo Uso da Água Oficina de Capacitação dos Convênio Membros SEMA do Comitê / METROPLAN Pardo Convênio SEMA / METROPLAN Oficina de Capacitação dos Membros do Comitê Pardo Cobrança pelo Uso da Água Santa Cruz do Sul, 29/maio/2012

Leia mais

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Apresentação: Na sua caminhada para o desenvolvimento, o Brasil tem ainda um déficit muito grande com relação

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

"Programa de Capacitação em Educação Ambiental Rural"

Programa de Capacitação em Educação Ambiental Rural ilto Cl... ÍRub -.J.i. OS l M A H AGEVAP/CEIVAP 2005 "Programa de Capacitação em Educação Ambiental Rural" Princípios Básicos da Legislação de Águas Política Nacional de Recursos Hídricos - Lei N 9.433/97

Leia mais

Projeto de Lei n.º 025/2015

Projeto de Lei n.º 025/2015 [ Página n.º 1 ] ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016. MABEL DE FÁTIMA MILANEZI ALMICI, Prefeita Municipal de Castanheira, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR. Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas

DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR. Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas 2 8/10/2010 Profa. Rosinete Cavalcante 1. Pessoas [...] ser ao qual se atribuem direitos e obrigações.. (VENOSA, 2005,

Leia mais

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Contexto 1.1. Situação atual da Mobilidade Urbana; 1.2. Manifestações:

Leia mais

Lei de Incentivo à Cultura Lei 8.313 de 1991

Lei de Incentivo à Cultura Lei 8.313 de 1991 LEI Nº. 8.313, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991. Restabelece princípios da Lei n 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências O PRESIDENTE DA

Leia mais

Programa de Trabalho

Programa de Trabalho Código Especificação Corrente Capital T O T A L 01 01.031 01.031.0012 01.122 01.122.0002 01.128 01.128.0010 01.846 01.846.0002 03 03.122 03.122.0002 03.241 03.241.0003 03.422 03.422.0003 04 04.121 04.121.0016

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social METODOLOGIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A IMPLANTAÇÃO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS PJ INTEGRANDO O SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Francisco Carlos Castro Lahóz 1 ; Elaine

Leia mais

WLADIMIR AUGUSTO CORREIA BRITO PROFESSOR DA ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINHO

WLADIMIR AUGUSTO CORREIA BRITO PROFESSOR DA ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINHO EM BUSCA DE UM MODELO ADEQUADO DE ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA EM PAÍS ARQUIPELÁGICO I Introdução 1.1.º - Na conferência por mim proferida na Praia defendi que a questão da organização administrativa de

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-Doutorado em Administração Diretrizes Gerais

Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-Doutorado em Administração Diretrizes Gerais Pós-Doutorado em Administração Diretrizes Gerais Outubro de 2003 1 1. Apresentação O Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD), criado em 1992

Leia mais

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Brasília, 09 de dezembro de 2009 Objetivos do estudo: Ilustrar com o

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ CONSÓRCIO PCJ COMITÊS PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007 Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO Tomador: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

Saneamento Basico Canalizacao e despoluicao do Correqo da Divineia Saneamento basico no Jardim Por do Sol e

Saneamento Basico Canalizacao e despoluicao do Correqo da Divineia Saneamento basico no Jardim Por do Sol e Propostas 2013-2016 Coligacao Uma Cidade Forte se Constr6i corn Uniao Candidato: Prefeito Claudia Viveani de Moraes - Vice Prefeito Antonio Jose de Lima Geracao de Emprego e Renda Continuacao com a Politica

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 21 - Aprimoramento do Ministério Público Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social 82.71 268.863 Despesas Correntes 81.19 261.885 Despesas de Capital 1.511 6.977 Orçamento de Investimentos das

Leia mais

Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Fevereiro de 2014 - Anexo 6, da Lei 4.320/64

Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Fevereiro de 2014 - Anexo 6, da Lei 4.320/64 Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GABINETE DO PREFEITO Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 7.539,55 7.539,55 04.122.0000.0.000.000 Administracao

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES Art. 1º - A FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES, FDDHMMA, instituída pela Arquidiocese da Paraíba,

Leia mais

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS - FESO Centro de Ciência e Tecnologia - CCT Curso de Engenharia de Produção NAI - Núcleo de Atividades Complementares Relatório elaborado pela ONG Sustentabilidade

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS.

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS. A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS. Francisco Martinez Jr. 1 & Francisco Carlos Castro Lahoz 2 RESUMO --- Este trabalho discute

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas VI Semana da Geografia Unesp Ourinhos, Maio 2010 Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas Henrique Marinho Leite Chaves Faculdade de Tecnologia-EFL Universidade de Brasília-UnB

Leia mais

Situação Atual da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil: avanços, dificuldades e desafios. Agência Nacional de Águas

Situação Atual da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil: avanços, dificuldades e desafios. Agência Nacional de Águas Ministério do Meio Ambiente Situação Atual da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil: avanços, dificuldades e desafios Agência Nacional de Águas Rio Tapajós foto: Kiki Mori Victor Alexandre Bittencourt

Leia mais

RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO

RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO Com o intuito de melhorar a arrecadação própria do município e receber valor inscrito na divida ativa, o município tomou algumas

Leia mais

Seminário Regional Semana da Água Alta bacia Consórcio PCJ Bragança Paulista, 27 de março de 2014.

Seminário Regional Semana da Água Alta bacia Consórcio PCJ Bragança Paulista, 27 de março de 2014. Seminário Regional Semana da Água Alta bacia Consórcio PCJ Bragança Paulista, 27 de março de 2014. Ed. Ambiental: 20 anos construindo saberes Bragança Paulista participa do Semana da Água desde sua primeira

Leia mais

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS.

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS. Orientação sobre a constituição dos Conselhos Municipais de Saneamento Básico para os municípios integrantes do Consórcio PRÓ-SINOS. O Controle Social no Saneamento Básico: constituição dos conselhos municipais,

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Resultado da Avaliação dos membros Titulares e Suplentes dos Comitês PCJ realizada no dia 23 de Setembro de 2011, durante a 6º Reunião Plenária dos Comitês PCJ em Camanducaia

Leia mais

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro AGENDA 21 DE PIRACICABA E SUA RELAÇÃO COM O PLANO DIRETOR Revisão dos Planos Diretores - 09/10/2013 Pauta: Apresentação da Oscip Pira 21 O que é a OSCIP Pira 21?

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 Lei 12.114/2009 Lei 12.114/2009 Art. 5º Os recursos do FNMC serão aplicados: I - em apoio financeiro reembolsável mediante concessão de empréstimo,

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR:

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: 1 Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o Sistema Financeiro de Conta Única do Poder Executivo no Município de Goiânia e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

A CRISE HÍDRICA E SEUS REFLEXOS

A CRISE HÍDRICA E SEUS REFLEXOS SOLUÇÕES PARA A CRISE HÍDRICA DO ESTADO DE SÃO PAULO A CRISE HÍDRICA E SEUS REFLEXOS NO SETOR DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FIESP 22 DE JULHO 2015 BALANÇO DA CRISE HÍDRICA ADAPTAÇÃO PARA ENFRENTAR A CRISE ABASTECIMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. 1 AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA OUTUBRO DE 2013 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais