Os principais pontos de cada projeto, a serem observados são:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os principais pontos de cada projeto, a serem observados são:"

Transcrição

1 Comunidade da Construção Campinas Programa de Melhorias : Alvenaria de vedação GT Projetos e GT Interação Alvenaria-Estrutura Manual de Projetos de Alvenaria de Vedação Este relatório é a conclusão dos trabalhos dos grupos acima, que fazem parte do programa elaborado pela Comunidade da Construção de Campinas, com base nas respostas da pesquisa realizada com 25 construtoras da cidade. Nas respostas, foi detectada uma grande preocupação com as patologias de fissuras na alvenaria e sua interface com a estrutura de concreto. Assim, foram estudadas as melhores práticas construtivas utilizadas atualmente e detalhado como representá-las em um Projeto de Alvenaria de Vedação (PAV). 1. Condições Iniciais Devemos inicialmente reunir todo o material existente, verificando se cada um dos elementos contém todas as informações necessárias para a correta execução do projeto de alvenaria. Em seguida, devemos analisar a compatibilidade entre as informações e provocar, se necessário, uma reunião entre as partes, incluindo a construtora. Devemos incentivar que o projeto de alvenaria seja feito concomitantemente aos demais para chegarmos aos projetos executivos já compatibilizados. Os principais pontos de cada projeto, a serem observados são: a) Projeto Arquitetônico Composto do conjunto dos projetos : pré-executivo, legal, material de vendas. Deve conter todos os elementos já compatibilizados e apresentar os eixos de locação da obra.! Paredes em planta Locação das alvenarias brutas (sem revestimento), com suas espessuras e posicionamento em relação aos pilares. Normalmente as alvenarias externas faceiam os pilares (pode ser para dentro ou para fora) e as internas estão nos eixos dos pilares. Se as alvenarias não forem centradas nas vigas, fazer a observação em detalhe.

2 A tendência é a utilização de blocos de 14 cm com vigas de 14 cm (largura ideal pela nova Norma). As paredes de 9 cm normalmente são empregadas sob lajes e não sob vigas. Quando existirem espessuras diferentes, elas devem ser bem definidas. A locação deve ser feita também em relação aos eixos de locação da obra.

3 ! Aberturas A localização das aberturas deve ser bem detalhada. A posição deve ser definida em relação às duas extremidades da parede e tendo a sua medida bem determinada. No caso de portas devemos ter a altura total e espessuras de batentes, de preferência com um desenho de detalhe. No caso de janelas, definir as dimensões e material e espessura do parapeito. Não esquecer de detalhar outras aberturas como ar condicionado, exaustor, ventilações fixas, etc.! Revestimento O revestimento interno e externo deve ser especificado nos detalhes de acabamento e se necessário em algum detalhe padrão. Nesta etapa é necessário uma grande integração com o construtor, para a definição das espessuras do revestimento de paredes, piso e teto. Detalhes de forros de gesso devem ser bem definidos quanto ao tipo e altura.

4 b) Projeto Estrutural Todo este trabalho partiu da premissa que o projeto estrutural obedeceu às prescrições da NBR 6118:2003, com todo detalhamento que se fizer necessário.! Planta de formas completa A planta de formas deve conter todos os elementos estruturais, com seus tamanhos e locação também em relação aos eixos de obra. Não esquecer de colocar as aberturas de shafts ou outros detalhes de laje.

5 ! Deformações previstas para a estrutura Para podermos adotar as folgas necessárias entre a alvenaria e a estrutura, precisamos saber em quanto as peças vão deformar, no início da colocação da alvenaria e depois da execução da mesma. Assim devemos ter no projeto a indicação de dois valores de deformação para os centros de vãos de vigas e lajes, e qual a deformação lateral dos pilares. Normalmente as deformações são indicadas como positivas no sentido da gravidade (para baixo). Havendo necessidade de contraflechas, as mesmas devem ser indicadas como deformações negativas.

6 c) Projeto de instalações Precisamos ter informações sobre todos os elementos que existirem nas paredes, com a indicação da locação em planta e altura de posicionamento :! Elétrica, telefone, interfone,...! Posicionamento das caixinhas elétricas com tamanho e altura (verificar que em cada elevação de parede, poderemos ter caixinhas dos dois lados da parede)! Indicação de caminhamento de eletrodutos! Posição de demais elementos como caixas de distribuição Estes elementos deverão sofrer pequenas alterações de posição, para adequá-los à modulação.

7 ! Hidráulica/sanitária/gás

8 Da mesma maneira que na elétrica, precisamos conhecer todos os elementos em planta e altura. Deverá ser dada especial atenção aos elementos que estão dentro ou fora das paredes. Muitas vezes os shafts se encontram entre dois banheiros e algumas tubulações precisarão atravessar a parede, fato este que deverá estar indicado na elevação.

9 d) Projeto de caixilhos Este projeto poderá estar integrado com o executivo da arquitetura. Deverá ser dada atenção especial à fixação dos elementos, principalmente das esquadrias nas paredes externas (detalhes para garantir a estanqueidade dos elementos)

10 e) Projeto de formas e escoramento O projeto de formas e escoramento está intimamente ligado à velocidade do cronograma de obras. Afeta diretamente as deformações da estrutura, principalmente a deformação lenta, que é um dos dados mais importantes para o bom funcionamento da alvenaria e sua interação com a estrutura. A fixação do número de jogos de forma e do esquema de re-escoramento vai ser um dos elementos que definirão o cronograma de execução das alvenarias. f) Diretrizes para a obra Antes do início da obra deve ser verificado se todos os projetos (arquitetura, estrutura, instalações, ar condicionado, etc) foram compatibilizados; A execução da estrutura deve obedecer a NBR (Norma para execução de estruturas de concreto); Deve haver um competente controle tecnológico da obra, ensaios de aço, de concreto (resistência e módulo) e demais materiais (argamassa, cimento, areia, aditivos, blocos, etc); É fundamental haver um plano de desforma da estrutura; A mão de obra a ser utilizada deve saber interpretar desenhos do PAV e o corpo técnico de obra (engenheiro, mestre, encarregado) devem efetuar a competente verificação; O assentamento das alvenarias deve ocorrer somente em estruturas já desformadas e sem escoramento. 2. Condições Técnicas Tendo em vista que o CDC (Código de Defesa do Consumidor) impede a utilização de produtos e serviços fora das especificações técnicas da ABNT, faz-se necessário atentarmos para que os tópicos abaixo sejam atendidos: a) Especificação técnica do Bloco O bloco de concreto é um elemento normalizado (NBR 7173), com dimensões padronizadas e resistência mínima e média definidas. Os blocos de concreto precisam ter resistência média de 2,5 MPa e resistência mínima de 2 MPa. A deformação da parede

11 depois de encunhada não poderá induzir nos blocos tensão maior que a especificada. Se tivermos tensões maiores, necessitamos especificar um bloco estrutural. Outras características importantes de um bom bloco são a sua uniformidade geométrica, baixa retração higroscópica e boa condição de aderência. A linha de blocos deve ter elementos com diferentes comprimentos para poder fazer a amarração. b) Definição de juntas! Espessura Para obtermos uma alvenaria perfeitamente modulada, utilizamos as juntas horizontal e vertical de 1 cm : bloco de 19 cm, módulo de 20 cm (ou suas variações fracionadas até 5 cm, mas sempre com número inteiro). Para algum ajuste necessário, podemos variar a junta horizontal menos 3 mm ou mais 5 mm, dando um valor final de 7 a 15 mm. Já a junta vertical permite maior flexibilidade, podendo trabalhar desde a junta seca (na verdade com um mínimo teórico de 3 mm em virtude da variabilidade do comprimento do bloco), até aproximadamente 20 mm. No caso de juntas muito largas devemos estudar o método de preenchimento posterior de maneira a permitir um bom assentamento do revestimento.! Argamassa A argamassa de assentamento deve ter uma boa trabalhabilidade pois executaremos cordões bem definidos. É necessário termos um baixo módulo de deformação e uma alta resistência de aderência (maior que 0,3 MPa ). A argamassa é o elemento de ligação e acomodação do sistema e portanto não deve ser muito forte.! Juntas argamassadas obrigatórias Existe uma controvérsia bastante grande entre diferentes especialistas a respeito da colocação ou não de cordões de argamassa na junta vertical (encabeçamento do bloco). Com a não utilização de junta vertical, o painel de alvenaria fica mais flexível e absorve melhor a movimentação da estrutura. Mas a ausência desta junta (junta seca) pode causar um potencial risco de fissura na argamassa de revestimento, tanto em função das deformações impostas como em decorrência da retração da argamassa de revestimento. Recomenda-se a utilização de juntas secas de no máximo 3 mm ou, se utilizado o padrão modular de 10 mm, que elas sejam preenchidas posteriormente (no mínimo 15 dias) com argamassa de cal para dar apoio ao revestimento. Se estivermos utilizando juntas verticais sem argamassa (junta seca), devemos tomar cuidado com algumas juntas obrigatoriamente preenchidas : as da primeira fiada (de marcação), a última fiada, e as 2 primeiras juntas dos blocos ao lado dos pilares. Observe-

12 se que os blocos sob as telas de amarração devem ser meio-blocos colocados na horizontal, de maneira a dar maior área de contato. c) Vergas e Contravergas Deve-se prever vergas (parte superior) e contravergas (parte inferior) das aberturas na alvenaria. Elas devem ser contínuas e passar 40 cm para cada lado da abertura. No caso de aberturas próximas (até 1,2 m) deve-se utilizar peças únicas para as duas aberturas. No caso de portas e janelas de grandes dimensões (acima de 2,0 m) as vergas devem ser dimensionadas como vigas. Nestes casos deve-se verificar também a necessidade de reforçar a alvenaria na lateral das aberturas de maneira a absorver o aumento da carga no local.

13 d) Fixação Lateral A ligação alvenaria-pilar está intimamente ligada à deformabilidade dos elementos de suporte ( viga e pilares ), e portanto as deformações máximas destes elementos devem ser respeitadas. A maioria das publicações técnicas, mostra que o tradicional ferro-cabelo, sem dobra, é solução ineficiente para evitar trincas na interface parede-pilar. A melhor opção é o uso de tela galvanizada de fios de 1,65 mm, malha de 15x15 mm e em largura compatível com a alvenaria em questão. Estas telas podem ser compradas em caixas, já nos tamanhos indicados no projeto, em conjunto com as cantoneiras e pinos de fixação, procurando reduzir as operações no canteiro e racionalizando o serviço.

14 Os tamanhos dependem da largura da parede, estimando-se uma largura 20 mm inferior ao da largura do bloco, podendo-se utilizar nas paredes com blocos de 19 cm, duas telas de 60 mm de largura. O comprimento padrão total é de 50 cm, ficando 10 cm dobrada para cima junto ao pilar e 40 cm colocada na junta entre os blocos. No caso de se necessitar tamanhos especiais, cortar telas maiores com tesourão ou guilhotina, observando-se os tamanhos indicados no PAV. Largura do bloco Dimensão da tela 19 2 x 60 x x x 500 Como regra geral, as telas são colocadas a cada 2 fiadas, lembrando-se novamente que, se possível, o bloco abaixo da tela deve ser assentado com o furo na horizontal ( utilizar meio-bloco, que tem comprimento e altura igual, 19 cm ) e) Fixação em vigas e lajes Esta fixação é o tradicional encunhamento. Ele deve ser diferenciado, dependendo da rigidez e do funcionamento da alvenaria. Hoje, muito raramente se utiliza a alvenaria como contraventamento da estrutura, pelo menos como escopo de projeto. Para este caso, muito raro, são 3 os procedimentos clássicos ( em todos eles precisaremos de uma boa superfície de apoio, pelo que se recomenda a execução da última fiada com uma canaleta virada para baixo ): Cunhas de concreto pré-fabricadas: permitem maior aperto na alvenaria fazendo com que trabalhe rigidamente ligada à estrutura. Neste e no próximo caso a distância a ser deixada entre a última fiada e a estrutura é de 10 a 15 cm

15 Encunhamento por meio de tijolos maciços inclinados; possuem resultado similar aos do item anterior, mas causam muito problema na execução de um revestimento racionalizado ( 2 materiais diferentes, de espessuras diferentes ) Preenchimento com argamassa expansiva: deixado uma distância entre a última fiada e a estrutura de 2 a 3 cm, preenchido posteriormente com argamassa aditivada com expansor. A quantidade de aditivo deve ser cuidadosamente dosada. Este processo pode causar pontos com execuções diferenciadas, trazendo concentração de tensões à alvenaria.

16 Para as alvenarias de vedação, sem função de contraventamento, principalmente as que estão envoltas por uma estrutura deformável, a fixação deve-se dar com material de elevada capacidade de absorver deformações. Duas alternativas são recomendadas : aplicar espuma de poliuretano ou argamassa fraca, rica em cal e com baixo teor de cimento. Pode ainda ser usada argamassa industrializada, pronta para assentamento, comumente aditivada com polímeros, mas com baixo módulo de deformação. Se a estrutura for pouco deformável, é possível utilizar a mesma argamassa do assentamento. Tendo em vista que a maioria das patologias é causada pela temperatura, recomenda-se o não encunhamento do último pavimento, até que seja providenciado um isolamento térmico permanente. Este isolamento deve ser executado em até 48 horas após a concretagem da laje, para não permitir o início das fissurações. Deve ser perene, seja com telhado ou com laje impermeabilizada protegida termicamente. Só encunhar após 30 dias do término da elevação e da proteção térmica. f) Elementos especiais estruturas: Os detalhes abaixo devem ser definidos em conjunto com o projetista de! Cintas e pilaretes devem ser utilizados em painéis muito grandes em altura ou comprimento. Por exemplo, painéis com altura superior a 3,5 m devem ter cinta intermediária ( em canaleta ou barras, telas, treliças planas na fiada ). Comprimentos acima de 7 m, devem ter pilarete intermediário ( um ferro de 10 mm grauteado )

17 ! Balanços todas as alvenarias apoiadas em balanços ( vigas ou lajes ) devem ser previstas com um pilarete nos cantos ( extremo do balanço ) para uniformizar as deformações e evitar fissurações em 45º. Este detalhe deve ser definido e detalhado no projeto estrutural.

18 ! Juntas de controle alvenarias muito longas e expostas a variações térmicas significativas devem prever juntas de dilatação na alvenaria, comumente chamadas de juntas de controle. g) Recomendações para laje da cobertura A incidência de fissuras no último pavimento é muito grande. Isto se deve a movimentação térmica da laje de cobertura. Para diminuir esta patologias, devemos adotar providências em vários sentidos : Diminuir o calor na laje o Utilizar telhado, de preferência, com telhas de barro o Ventilar embaixo do telhado o Utilizar telhas claras ou pintar com cor clar o Utilizar submantas reflexivas o Utilizar proteção térmica da laje ( argila expandida solta ou plaxas de isopor ) Juntas de dilatação o Juntas verticais de dilatação da laje ( diminuir os panos de laje ) o Juntas horizontais entre vigas e laje ( concretagem separada ) o Juntas de controle na alvenaria Enrijecimento o Aumentar a rigidez da estrutura ( platibandas de concreto armado ) o Utilizar canaletas armadas nas últimas fiadas da alvenaria

19 h) Recomendações para revestimento O revestimento deve ser o mais flexível possível

20 o Utilizar argamassas e pinturas flexíveis o Utilizar telas metálicas ou plásticas na região das interfaces horizontais e verticais ) 3. Produção dos desenhos em planta a) Escolha da família de Bloco! Dimensão básica Temos, basicamente, duas famílias de comprimentos para os blocos de concreto. Uma família modular com módulo de 15 cm ( peças de 11, 29 e 44 cm ) e a linha não modular com dimensão básica de 20 cm ( peças de 19, 39 e 34 ). Junta-se a estes tipos de blocos uma pastilha de 4 cm ( bolacha,... ).

21 ! Diversidade de tamanhos Quanto maior a diversidade de peças, podendo-se inclusive misturar as famílias, mais fácil é acertar a modulação, mas para a obra, uma quantidade grande de peças é difícil de administrar! Diversidade de peças (canaleta, bloco elétrico, bloco hidráulico, bloco 45º... ) Para complementar o detalhamento precisamos de alguns tipos de blocos especiais, sendo fundamental os blocos canaleta, para execução de vergas e contra-vergas de uma maneira econômica. Alguns produtores fabricam outros blocos especiais que apesar de não essenciais ajudam bastante a racionalização da obra

22 b) Ajuste em relação à estrutura! Dimensão ( pilares, vigas ) para ajuste da modulação Como temos uma quantidade fixa de elementos de alvenaria, uma outra maneira de ajustar a modulação é trabalhar na estrutura com peças de dimensões não padronizadas, por exemplo um pilar de 18 x 57 ou uma viga com 53 cm de altura. Isto vai levar a um ganho de produtividade na alvenaria, mas perdendo produtividade e modulação na estrutura.! Localização da parede em relação às faces dos pilares e vigas Um elemento que deve ser bem trabalhado é a coordenação das faces da alvenaria com as vigas e os pilares, principalmente fazendo-se um bom estudo das espessuras de revestimento. c) Definição da amarração entre paredes Além do detalhamento dos encontros da alvenaria com as peças de concreto armado, deve ser bem estudado e detalhado o encontro entre as paredes. Deve-se, sempre que possível, utilizar uma amarração bloco a bloco, ou seja, intercalando-se os blocos fiada a fiada. Quando não for possível, utilizamos o mesmo detalhe de amarração com telas metálicas que já usamos no encontro com pilares

23 d) Lançamento da primeira fiada Iniciamos o lançamento analisando o comprimento total entre pilares ou entre paredes. Descontamos o espaço necessário nas laterais, conforme especificação ( ver item 2d ) e comparamos com nosso módulo básico ( por exemplo 20 cm ). Assim, verificamos a necessidade de peças ( pastilha ) ou blocos especiais ( 14 cm, 34 cm,... ). Fazemos a distribuição procurando usar o mínimo possível de tipos de blocos. Neste ponto, necessitamos realizar uma certa compatibilização entre o projeto de arquitetura com o de estrutura. Às vezes, uma pequena mudança de dimensão na arquitetura ou em uma peça estrutural, resulta em um grande aumento na racionalização da modulação. Temos também que verificar a necessidade de detalhar juntas verticais de tamanho diferente do padrão ( 1 cm ). Fazemos, em seguida, o ajuste necessário para o espaço de portas ou outra interferência. Na seqüência, completamos cada uma das paredes, compatibilizando a modulação entre elas.

24

25 Na planta de primeira fiada geral ( do pavimento ), as paredes devem ser numeradas e também deve ser indicado o sentido de vizualização ( com um triangulo ) e) Definição de blocos estratégicos Blocos estratégicos são os blocos que definem totalmente a posição da parede em planta. Eles são cotados em relação a estrutura e aos eixos principais. São os primeiros blocos a serem assentados. Só depois é que completamos os restantes. Desta maneira, com esta planta, evitamos que erros se acumulem durante o assentamento de blocos sucessivos. Os principais blocos estratégicos são :

26 ! Ao lado dos pilares! Cruzamento de paredes! Laterais das portas f) Definição dos eixos de locação global Todos os desenhos em planta devem ser produzidos com eixos de locação global que sejam os mesmos em todos os projetos : arquitetura, estrutura, instalações e alvenaria. Estes eixos devem passar por pontos que permitam depois a sua livre marcação na obra. Deve-se evitar eixos de paredes ( depois de construída a parede, não há mais como marcar o eixo ) e trechos vazios ( poços de elevador ou caixa de escada ). g) Cotas entre peças e em relação aos eixos globais Todos os elementos que servirem de base para a locação têm de ser cotados também em relação aos eixos globais, sendo os mais importantes uma face de cada uma das paredes e os blocos estratégicos.

27 4. Produção dos desenhos de elevação a) Localização de blocos e juntas! Amarração A primeira fase de um projeto de elevação de paredes é definir a amarração, ou seja, a maneira de colocar os blocos na segunda fiada de maneira que nenhuma junta fique a menos de 15 cm de outra existente na fiada inferior. O valor 15 cm representa o módulo de 20 cm com uma folga de 5 cm. Em situações excepcionais, onde não tivermos um fabricante no local com uma variedade significativa de blocos, podemos admitir alguns casos com junta defasada de 10 cm. Caso necessitarmos um valor ainda menor será necessário a colocação de telas metálicas nas fiadas ( a cada 2 fiadas ) para evitar o aparecimento de fissuras.! Juntas secas e juntas argamassadas Conforme especificação técnica

28 b) Interface vertical! Espaço da primeira junta É a primeira junta, junto ao pilar. Ela deve ter um valor mínimo ( 1,5 a 2,5 cm ) e pode ser utilizada para pequenos ajustes da modulação! Posicionamento de telas determinado As telas se posicionam nas juntas com um espaçamento e comprimento c) Interface horizontal! Espaço da ultima fiada É o espaço deixado entre a última fiada e a estrutura de concreto ( viga ou laje ). Ele depende do material e modo de encunhamento que por sua vez depende do modo de interação entre a alvenaria e a estrutura.! Material e modo de encunhamento Ver item 2.e

29 d) Posicionamento e detalhe das aberturas (vergas, contravergas, peças pré-moldadas) Depois de executadas as elevações cheias ( totalmente preenchidas ), vamos detalhar as aberturas ( portas, janelas,... ). Retiramos os blocos da região e refazemos a modulação nos espaços laterais às aberturas. Devemos marcar cuidadosamente o tamanho e o modo de execução das vergas e contravergas. Se elas forem executadas no local, devem ser marcados os blocos canaleta. Se forem utilizadas peças pré-moldadas, elas devem ser cuidadosamente posicionadas e novamente ajustada a modulação. Toda e qualquer peça pré-moldada ou outro detalhe construtivo deve ser desenhada dentro da modulação, fazendo-se os necessários ajustes. e) Posicionamento de juntas de controle, reforços internos Havendo a necessidade de detalhes especiais em função de tensões internas, eles devem ser posicionados e também detalhada a ferragem. Os detalhes devem ser fornecidos pelo projetista de estruturas f) Posicionamento das instalações elétricas As instalações elétricas devem ser detalhadas dentro da modulação. São mostradas as caixas de passagem ( em linha cheia se estiverem do lado visualizado e em linha tracejada se estiverem na face oposta ), e a posição dos conduites dentro dos blocos. g) Posicionamento das instalações hidráulicas O posicionamento das instalações hidráulicas já é um pouco mais complicado em virtude dos diâmetros das canalizações. As de menor diâmetro podem passar pelo furo dos blocos, mas as maiores devem passar em vazios. Para tanto deixamos um espaço sem bloco como se fosse uma abertura. Normalmente o conjunto de prumadas passa por um shaft externo à parte, mas isto não é regra geral e portanto devemos compatibilizar atentamente o projeto hidráulico, o projeto de alvenaria e as especificações da construtora. h) Quantificacao dos materiais Uma vez terminado o projeto de todas as paredes, devemos quantificar todos os materiais, com especial atenção para os diferentes tipos de blocos e peças pré-moldadas.

30 5. Especificações para a obra 5.1. Preparação do local As faces de pilares, fundos de vigas e lajes devem ser bem limpas nos pontos de contato com a alvenaria. Esta limpeza visa remover sujeiras e resto de desmoldantes ( remoção por lixamento, apicoamento, escovação, etc. ). Limpo o conjunto, umedecer o concreto e aplicar o chapisco, o qual pode ser convencional ( de colher ), industrializado ( desempenadeira ) ou rolado ( rolo de textura alta ). Quando o chapisco for do tipo convencional ou industrializado ( não usam aditivos com polímeros ), o mesmo deve ser aplicado pelo menos 3 dias antes do início da alvenaria. Quando for do tipo rolado ( aditivado com resina vinílica ou acrílica ), recomenda-se que a aplicação seja feita imediatamente antes da elevação da alvenaria Início do assentamento A situação ideal ( executar as alvenarias de cima para baixo ) é conflitante com a necessidade das obras ( cronograma físico-financeiro ), precisando-se de uma acomodação intermediária a qual é assim recomendada: Ter executado a estrutura de pelo menos 4 pavimentos acima do ponto a iniciar a alvenaria, iniciando a elevação das mesmas do pavimento mais alto para o mais baixo A concretagem do pavimento ter sido executada a pelo menos 45 dias A retirada do escoramento ter sido executada a pelo menos 15 dias Carregamento da laje com todos os blocos a serem utilizados, imediatamente após a retirada do escoramento do local Ter sido retirado completamente o escoramento da laje dos 4 pavimentos superiores Realização do chapisco com os prazos de aplicação corretos ( conforme item anterior ) Os prazos mínimos aqui apresentados têm como meta que a estrutura tenha a maior deformação possível antes do assentamento, reduzindo o efeito sobre a alvenaria 5.3. Assentamento das alvenarias É recomendado que a locação da alvenaria deva ser feita com o próprio bloco que será empregado na elevação. Não devem ser utilizados tijolos comuns ( maciços ) para locação de blocos de concreto devido ao fato de seu material e suas dimensões não serem compatíveis entre si, com características de textura e deformação muito diferentes.

31 A argamassa de assentamento da primeira fiada deve ser a mesma da elevação da alvenaria, podendo a sua espessura variar de 1 a 3 cm para que eventuais irregularidades na concretagem da laje sejam absorvidas. Os blocos situados junto ao encontro entre pilar e alvenaria deverão ser assentados com a argamassa na junta vertical já colocada neles, de modo a ser comprimida fortemente conta o pilar já chapiscado. Não se deve permitir o preenchimento posterior da junta pilar/alvenaria, pois isto cria uma ligação fraca e sujeita a fissuração. A elevação deve ser feita até meia altura e neste ponto, se necessário e determinado no PAV, ser colocado o reforço previsto (canaleta, ferro na fiada, tela ou treliça). Se a alvenaria funcionar como elemento de travamento da estrutura, o que deve ser informado pelo projetista estrutural, é necessário que exista uma ligação efetiva e rígida entre elas. As alvenarias devem apresentar características de resistência mecânica compatíveis com as solicitações. A execução deve parar na altura prevista em projeto, com a folga necessária para o posterior encunhamento. Para que não ocorra transmissão de carregamento entre sucessivos pavimentos, recomenda-se o retardamento do encunhamento com a colocação da maior parte possível das cargas no andar superior ( contrapiso, materiais de revestimento, etc. ) Transcorrido pelo menos 15 a 20 dias da elevação, pode-se adotar o encunhamento em pavimentos alternados ( ou fazendo dois e pulando um ) de maneira a não acumular tensões, sempre de cima para baixo. Recomenda-se que estejam executados pelo menos 3 pavimentos de alvenaria sobre o que se vai encunhar e o pavimento superior tenha sido encunhado a pelo menos 24 horas Colocação das telas nos pilares Inicialmente verificamos cuidadosamente a posição das telas indicadas no PAV ( normalmente nas fiadas pares ), marcando sua posição nos pilares através de nível em todos os pontos ou galga de um para outro. A posição exata da marcação é fundamental para centralizar a tela na junta horizontal. Fixamos a tela já cortada no tamanho correto à estrutura através de cantoneira com dimensões mínimas de: largura 20 mm, espessura 2 mm, comprimento conforme tabela abaixo: Bloco Tela Cantoneira 19 2 x 60 2 x 50

32 A cantoneira de 100 mm deve ser colocada com dois pinos de aço zincado com diâmetro de 6 a 8 mm, penetração mínima de 20 mm e afastamento entre pinos de 50 mm. Deve-se garantir uma força de arrancamento de 300N para um concreto de 20 MPa. As outras cantoneiras são fixadas com um pino centralizado. Cuidados de segurança : Para a cravação dos pinos, usar finca-pinos de baixa velocidade ( a pistão ) acionado com cartucho de pólvora É obrigatório uso de óculos pelo operário, que deve ser bem treinado nesta operação Deixar a tela sem dobrar, encostada no pilar, até o momento de sua dobra sobre a argamassa, para evitar acidentes com as pontas dos arames. Se necessário pendurar pequenas tiras de pano vermelho na ponta da tela 5.5. Colocação da tela na parede A colocação da tela no interior da junta horizontal deve obedecer cuidados essenciais para obtenção do maior desempenho possível da ligação. O que tentamos obter é uma ligação que não permita o deslocamento da alvenaria em relação ao pilar, portanto a tela tem que ficar perfeitamente dobrada ( sem arredondamentos ) e aderida na argamassa.

33 O posicionamento da tela já deve estar estabelecido quando da colocação das mesmas com as cantoneiras no pilar. Devemos agora checar se a posição corresponde ao centro da junta horizontal. Primeiramente, vamos colocar o primeiro ( ou último ) bloco contra o pilar, com uma junta de 15 a 25 mm, sendo que a argamassa deve ter sido colocado no bloco em toda a sua face e este pressionado fortemente contra o pilar. A largura final da junta é a estabelecida no PAV. Este detalhe tem importância fundamental para o bom funcionamento da ancoragem. As juntas verticais entre os primeiros blocos também devem estar preenchidas, conforme indicação no PAV. Elas vão permitir a transferência dos esforços da região entre mais blocos adjacentes, reduzindo as tensões no local. Após a colocação dos cordões de argamassa no bloco inferior, abaixamos a tela contra a cantoneira, fazendo um ângulo de 90º penetrando bem nos cordões de argamassa. Se necessário podemos bater com um martelo sobre pedaço de madeira par garantir que não fique uma curvatura no local. Isto é essencial para não permitir que a posterior retificação da tela no local cause a possibilidade de fissura entre a alvenaria e o pilar Colocação de tela de amarração entre duas paredes No caso de amarração entre paredes que não for feita com os próprios blocos ( junta a prumo entre as paredes ), necessitamos colocar telas a cada duas fiadas, com a posição e os tamanhos indicados pelo PAV. A tela deve ficar a 2 cm da face externa da parede contínua e pelo menos 30 cm na parede transversal.

34 A argamassa deve ser aplicada sobre os blocos inferiores e a tela colocada da forma mais reta e plana possível, comprimindo-a contra a argamassa até a tela ficar bem centralizada na junta. Se necessário, complementar com mais argamassa e pressionar o bloco superior contra o conjunto. 6. Conclusão As patologias das alvenarias de vedação geram altos custos de recuperação não previstos, desgaste da imagem da empresa, desconforto e insatisfação do usuário. Uma recuperação eficiente, de qualquer modo, quase sempre demanda técnicas complexas e onerosas. Os limites de flechas de vigas e lajes tradicionalmente estabelecidos pela normalização brasileira ( L / 300 e L / 500 ) não são suficientes para evitar problemas em parte considerável das alvenarias hoje empregadas para a construção das vedações de nossos edifícios, principalmente quando se estabelecem prazos e seqüências inadequadas de execução. Por outro lado, se considerarmos o estabelecimento de critérios para evitar as fissuras dessas alvenarias de baixa capacidade suportante, chegaremos a valores que tornarão nossas estruturas economicamente inviáveis. Assim, a saída mais racional parece ser, como defende Sabbatini ( 1998 ), a recomposição do equilíbrio entre deformabilidade da alvenaria e da estrutura. Para isso, temos que ter uma boa coordenação entre o projetista da estrutura e o projetista da alvenaria, procurando adotar soluções racionais que minimizem os riscos de ocorrência de problemas.

35 Devemos alertar também que o conjunto dos projetos executivos de obra se complementa com o projeto de revestimento, principalmente quando não conseguirmos acompanhar todas as orientações dadas pelas melhores práticas construtivas. Neste caso, o revestimento deverá resistir a uma parcela de esforços e portanto deve ser planejado para isso. Gostaríamos de destacar os seguintes aspectos entre os mais importantes a serem considerados para minimizar a ocorrência de fissuras nas paredes de vedação: Realizar e compatibilizar todos os projetos executivos, inclusive com a participação da construtora Minimizar as deformações na estrutura Detalhar, para cada caso, a melhor técnica de ligação da alvenaria com a estrutura Executar a obra de acordo com as premissas aqui colocadas Realizar a elevação da alvenaria dos pavimentos superiores para os inferiores, ou pelo menos, em grupos de pavimentos seguindo esta direção Postergar ao máximo o encunhamento das alvenarias Executar um bom controle de qualidade de material e execução Controlar a resistência de aderência entre blocos e argamassa Controlar o preenchimento pleno das juntas verticais entre parede e pilar e da junta de fixação entre a fiada de respaldo e o fundo da viga ou laje Controlar a manutenção da espessura das juntas horizontais Finalmente, devemos salientar que a solução definitiva destes problemas exige investimento para desenvolvimento e disseminação de tecnologia construtiva adequada à nossa realidade. O meio produtivo e as instituições de pesquisa devem unir esforços no sentido de ampliar o conhecimento disponível para melhorar o desempenho das alvenarias e estruturas em serviço. Investir em tecnologia é condição necessária para melhorar a qualidade de nossas construções.

36 7. Ações Futuras Implementação: Curso : Como fazer um bom Projeto de Alvenaria de Vedação, destinado a arquitetos e engenheiros projetistas Curso : Como ler um Projeto de Alvenaria de Vedação, destinado a engenheiros de obras, mestres e encarregados Estudos futuros : Comportamento térmico e higroscópico das paredes de alvenaria Comportamento mecânico das interfaces ao longo do tempo Estudo da adequação da argamassa de assentamento 8. Bibliografia ABCI Manual técnico da Alvenaria, 1990 Alberto Casado Lordsleem Junior Execução e Inspeção de Alvenaria Racionalizada, 2001 Ercio Thomaz/Paulo Helene Qualidade no projeto e na execução de alvenaria estrutural e de alvenarias de vedação em edifícios Monserrat Dueñas Pena Dissertação de mestrado Método para a elaboração de projetos para produção de vedações verticais em alvenaria Thomaz,E Trincas em edifícios Causas, prevenção e recuperação, 1989 Medeiros, Jonas Silvestre / Franco, Luiz Sérgio Prevenção de trincas em alvenarias através do emprego de telas soldadas como armadura e ancoragem, 1999 Pimenta da Cunha, Albino Joaquim Acidentes Estruturais na Construção Civil, 1996

37 9. Grupos de trabalho GT Projetos Coordenador : Afonso Castro Participantes : João Manuel Verde João Jannini Ana Paula Socca Fabio Muzetti Ivy Smits Rebouças Rita Paschoal Homem de Melo Arnoldo Wendler Rodolfo A. Marquezi Osmar Simionatto Absolon Soares Mário Paradella Denis Perez Edson Somera Fidelis Asta GT Interação Alvenaria Estrutura Coordenador: Wagner de Carvalho Participantes: Wilson Martins Sergio Lattaro Arnoldo Wendler Gil Chinelatto Relator : Arnoldo Augusto Wendler Filho

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 2 SEGURANÇA COLETIVA 3 SEGURANÇA COLETIVA ANDAIME COM GUARDA

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade.

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade. Coordenação Modular na Construção Civil O QUE É? Toda construção é feita de partes, que podem ser unidas no canteiro de obras ou numa fábrica, com argamassa, cola, parafuso, encaixe ou qualquer outro processo.

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Execução de Alvenaria - Elevação

Execução de Alvenaria - Elevação PRÁTICA RECOMENDADA PR - 5 Execução de Alvenaria - Elevação A metodologia proposta para a execução da alvenaria alterou significativamente a seqüência do serviço na etapa de marcação das paredes. Nenhum

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Concreto Recomendações Gerais Av. Verbo Divino Nº 331 Bairro: Chácara Da Cotia Contagem - MG Tel.: 3394-6104 Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural? Alvenaria estrutural é

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA

REPARO EM LAJE CELADA EVITANDO O USO DA MARRETA REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA Prof. Marco Pádua Vamos analisar aqui um problema não muito raro que pode causar surpresa desagradável e, alem de atrasar a obra, pode trazer perda de

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES: ALVENARIAS

PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES: ALVENARIAS PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES: ALVENARIAS IV SEASC: Semana da Engenharia,Arquitetura e Agronomia de São Carlos. Arq. Carlos Alberto Tauil Métrica Consultoria Outubro /2010 FUNÇÃO DAS ALVENARIAS NOS EDIFÍCIOS:

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Compatibilização de Projetos Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Porque Compatibilizar Projetos? 2 Porque Compatibilizar Projetos? 3 Porque Compatibilizar Projetos? 4 Porque

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br HABILIDADE? SORTE? ou... BIZARRO? IMPENSÁVEL? Importância Econômica DÁ PARA ACREDITAR QUE UMA

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO HISTÓRICO O uso da alvenaria é a mais antiga forma de construção empregada pelo homem. 2 HISTÓRICO Pirâmides do Egito

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE

ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE 1 ÍNDICE 1 ESTRUTURA DE SUPORTE... 3 2 INSTALAÇÃO DOS PAINÉIS (CHAPAS)... 4 3 VENTILAÇÃO DO TELHADO... 5 4 INSTALAÇÃO DA SUBCOBERTURA... 7 5 INSTALAÇÃO DOS

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais