CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M2 D2 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M2 D2 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES II"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M2 D2 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES II GUIA DE ESTUDO PARTE III NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI PROFESSOR TELEPRESENCIAL: ENG. RICARDO POTASCHEFF COORDENADOR DE CONTEÚDO: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI DIRETORA PEDAGÓGICA: MARIA UMBELINA CAIAFA SALGADO OUTUBRO

2 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA: PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES II Prezado aluno, prezada aluna, Na disciplina Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações II, já abordamos a Parte I: Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade (NR10) e a Parte II: Condições de Segurança e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT). Nesta Parte III focalizaremos os Líquidos Combustíveis e Inflamáveis (NR 20), cujo aprendizado compreende a aula telepresencial, a leitura do Guia de Estudo e do texto complementar obrigatório, para responder às questões do Estudo Individual Orientado (EIO). O calendário atualizado da disciplina encontra-se no quadro a seguir. Data aula Guia de Estudo Textos Complementares de Leitura Obrigatória N o Lista Exercícios Data Postagem Data final Resposta 20 set Parte I 27 set Parte II 04 out Parte III Pereira, Joaquim Gomes; Sousa, João José Barrico de. Manual de Auxílio na Interpretação e aplicação da NR-10 - NR-10 Comentada. MTE, Disponível em: BRASIL/MTE Normas Regula-mentadoras: NR-18. Disponível em: Brasil/MTE/ Secretaria de Inspeção do Trabalho. Portaria N 38, de 9 de Dezembro de 2002 (Divulgar para consulta pública a proposta de texto de alteração da Norma Regulamentadora N.º 20 - Segurança no Trabalho com Líquidos Combustíveis, Líquidos Infamáveis e Gases Inflamáveis) Texto básico da nova NR 20. Disponível em: 002_consulta_publ_altera_nr20.html set out out 08 out 23h59 15 out 23h59 18 out 23h59 11 out Parte IV A ser definido out 25 out 23h59 Prova do Modulo II: 13 de dezembro de

3 PARTE III: CONDIÇÕES DE SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (PCMAT) CONTEÚDO NR-20 Líquidos Combustíveis e Inflamáveis. Objetivo. Definição de líquido combustível. Definição de líquidos inflamáveis. Características de projeto dos tanques para armazenamento de líquidos inflamáveis. Distância dos tanques à propriedade. Distância do tanque às vias públicas. Gases liquefeitos de petróleo e outros gases inflamáveis. Características de projeto para recipientes que armazenam gases liquefeitos. ABNT NBR Emprego de cores para identificação das tubulações. A futura NR-20. Nesta parte, focalizamos a NR-20 que trata dos líquidos combustíveis e inflamáveis. É importante que você acesse o site do Ministério do Trabalho e Emprego (www.mte.gov.br), para obter sempre a NR 20 atualizada. Os artigos da NR 20 e os assuntos que a eles associados estão transcritos e comentados, no presente texto, de maneira a complementar os assuntos interrelacionados. Leia todo o texto com atenção, tome notas e organize esquemas que ajudem você a compreender os temas abordados e pesquisar o assunto com a devida profundidade. ALERTA IMPORTANTE Procure assistir a todas as aulas telepresenciais e resolver as Listas de Exercícios nos prazos assinalados. Não deixe para a última hora! Lembre-se de comentar os tópicos do Fórum. Você precisa postar pelo menos um comentário para cada um dos quatro tópicos que serão postados ao longo do Módulo 2, e mais quatro comentários distribuídos pelos tópicos nos quais desejar aprofundar-se. Ou seja, esperamos que você poste oito comentários ao todo para obter a pontuação máxima. 3

4 OBJETIVOS DA PARTE III Após o estudo da Parte III desta disciplina, esperamos que você seja capaz: 1. Descrever os líquidos combustíveis e os líquidos inflamáveis. 2. Entender os conceitos básicos dos líquidos e gases inflamáveis 3. Identificar os limites de segurança de projeto para construção de tanques 4. Descrever como armazenar líquidos inflamáveis e combustíveis. 5. Conhecer as exigências legais de segurança para construção de tanques 6. Conhecer o projeto de segurança na construção de reservatórios de gases 7. Identificar os tipos de cores como medidas de prevenção de acidentes 8. Descrever os conceitos técnicos relacionados com produtos inflamáveis 9. Descrever a proteção de segurança dos tanques 10. Descrever as mudanças previstas para a nova NR 20 4

5 1. INTRODUÇÃO A NR-20 trata das definições e dos aspectos de segurança, envolvendo as atividades com líquidos inflamáveis, líquidos combustíveis, Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) e outros gases inflamáveis, devendo ser aplicada em todo e qualquer tipo de Estabelecimento, empresa ou indústria que utiliza os produtos supracitados. 2. Conceitos e definições Quando se utilizam líquidos combustíveis, líquidos inflamáveis, gases liquefeitos de petróleo (GLP) ou outros tipos de gases inflamáveis é importante conhecer os seguintes conceitos técnicos: combustível todo material ou substância que possui a propriedade de queimar ou inflamar-se; comburente todo elemento químico que se combina com o combustível, possibilitando a inflamação de vapores; combustão resultado de uma reação química de oxidação completa ou parcial. A combustão pode ser controlada (soldador que controla a mistura entre do oxigênio com o acetileno, no bico do maçarico) ou incontrolada (incêndio). Explosão é uma reação química em que a energia é liberada de forma rápida, incontrolada e fora de controle. A explosão ocorre quando o combustível (gás ou vapor) se encontra dentro da faixa de inflamabilidade e na presença de uma fonte de ignição. fonte de ignição qualquer dispositivo capaz de provocar a reação na mistura inflamável; mistura inflamável mistura proporcionada do comburente com o combustível para iniciar a inflamabilidade dos vapores; faixa de inflamabilidade - faixa delimitada pelo limite inferior de inflamabilidade (LII) e o limite superior de inflamabilidade (LSI). A faixa de inflamabilidade é específica para uma determinada substância. 5

6 Mistura pobre: mistura de gás ou vapor inflamável com o teor de oxigênio abaixo do LII. Mistura rica: mistura de gás ou vapor inflamável com o teor de oxigênio acima do LSI. 6

7 outros gases inflamáveis aplicam-se a outros gases inflamáveis, os itens relativos a gases liquefeitos de petróleo (GLP); ponto de combustão é a temperatura, poucos graus acima do ponto de fulgor, na qual os vapores desprendidos, na presença de uma fonte externa de calor, se inflamam, mantendo a chama; Ponto de fulgor - É a temperatura na qual um líquido, quando aquecido em um aparelho com condições padronizadas, emite vapores suficientes para formar com o ar uma mistura inflamável quando em presença de chama. reação em cadeia: envolve a troca de energia e a realimentação da chama; parte da energia é dissipada no ambiente, provocando os efeitos térmicos derivados do incêndio, enquanto o restante continua a aquecer o combustível, fornecendo a energia para o processo seguir. Gás estado físico normal na temperatura e pressão ambiente Vapor fase gasosa de uma substância ou composto que seja líquida ou sólida na temperatura e pressão ambiente Densidade - A densidade dos gases e vapores está referenciada a densidade do ar, considerada igual a 1, a 20ºC. Os gases e vapores mais leves que o ar têm movimento ascendente e rápida dispersão em local com ventilação natural. Os mais pesados, têm movimento descendente e dispersão mais lenta. 7

8 3. Líquidos inflamáveis A NR-20 define líquido inflamável como aquelesque possui ponto de fulgor inferior a 70ºC e pressão de vapor que não exceda 2,8 kg/cm2 absoluta a 37,7ºC. 8

9 A NR 20 traz duas definições curiosas: 1 - quando o líquido inflamável tem ponto de fulgor abaixo de 37,7 ºC, ele se classifica como líquido combustível de classe I (subitem ); 1 - quando o líquido inflamável tem ponto de fulgor a 37,7 ºC e inferior a 70ºC, ele se classifica como líquido combustível da classe II (subitem ). Ponto de fulgor é a temperatura na qual os vapores se inflamam na presença de uma fonte de ignição, mas sem manter a chama. Ocorre um "flash". Pressão de vapor é a pressão relacionada a uma temperatura, na qual um líquido que ocupa parcialmente um recipiente fechado, tem interrompida a passagem de suas moléculas para a fase de vapor. O ponto de fulgor de uma substância é uma característica indicativa de sua volatilidade e está associada à pressão de vapor da substância. Conhecer o ponto de fulgor das substâncias é importante para se tomar as medidas de prevençao contra riscos de fogo, incêndio e explosão, nas atividades operacionais, manuseio, armazenamento, transporte e movimentação dos produtos. O ponto de fulgor é a referência principal para determinar se classificar se um líquido é inflamável ou combustível. Em outras palavras, a pressão de vapor é aquela exercida pelas moléculas na fase de vapor sobre seu líquido, de modo a não haver mais evaporação, como mostra a figura 1 abaixo.. Figura 1 Esquema da pressão de vapor É oportuno destacar que existem outras definições de líquido inflamável, além da NR 20 do Ministério do Trabalho e Emprego que apresenta requisitos de segurança aplicados às empresas, com relação aos projetos de armazenamento de 9

10 produtos combustíveis e inflamáveis em suas instalações industriais, visando a prevenção contra incêndio e explosões. A norma NBR da ABNT Associação Brasileira de Norma Técnica - trata do Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis e define líquido inflamável como uma substância com ponto de fulgor < 37,8 ºC à pressão de vapor absoluta igual ou menor que 2,8 kgf/cm² (a 37,7ºC). É oportuno esclarecer que a ABNT é uma Instituição privada que gera normas técnicas, que não legalmente obrigatórias, exceto se citadas em dispositivos legais, convenções coletivas, contratos ou documentos de cunho jurídico similar. Também existe uma definição de líquidos inflamáveis, no item da Resolução 420/2004 do ANTT Agência Nacional dos Transportes Terrestres que estabelece instruções complementares à Regulamentação do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos criado pelo Decreto /88 do Ministério do Transporte, segundo a qual: líquidos inflamáveis são líquidos, misturas de líquidos ou líquidos que contenham sólidos em solução ou suspensão (p.e: tintas, vernizes, lacas,etc, excluídas as substâncias que tenham sido classificadas de forma diferente em função de suas características perigosas) que produzam vapor inflamável a temperaturas de até 60,5ºC, em ensaio de vaso fechado, ou até 65,6ºC, em ensaio de vaso aberto, normalmente referido como ponto de fulgor Em resumo, a Resolução ANTT 420/2004 classifica os líquidos inflamáveis em 3 grupos: a) Líquido inflamável: ponto de fulgor maior que 60,5ºC (Classe 3, Nº Risco 30) b) Muito inflamável: Ponto de fulgor < 23 ºC (Classe 3, Nº Risco 33) c) Pirofórico: (classe 3 Número de Risco 333) Nota: substância pirófica é aquela entra em ignição, em contato com o oxigênio do meio ambiente, sem a presença de fonte de ignição direta (Ex: fosgênio). É importante conhecer as regulamentações do Ministério do Trabalho, do Ministério do Transporte e da ABNT, para aplica-las no momento e nas situações certas. A título de exemplo, para fins de caracterização do adicional de periculosidade, por atividade ou área que armazena líquido inflamável, deve-se aplicar somente o conceito da NR Características de projeto dos tanques para armazenamento de líquidos inflamáveis 10

11 O subitem da NR 20 estabelece que os tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis serão constituídos de aço ou concreto, a menos que a característica do líquido requeira material especial, segundo normas técnicas oficiais vigentes no País. Comentário: Os tanques devem ser construídos conforme normas técnicas nacionais ou internacionais (ABNT, ISSO, ASME, entre outras), devendo-se destacar a norma ABNT NBR (Construção de tanques em aço carbono) como uma referência importante construção de tanques de aço carbono, com volume até litros, destinados ao armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis, à pressão atomosférica. Os tanques de armazenamento de produtos derivados do petróleo são dispositivos destinados a estocar fluidos à pressão atmosférica ou levemente superiores à pressão atmosférica e são construídos, na maior parte das vezes, de acordo com os requisitos da norma americana API 650 (American Petroleum Institute). Esses tanques variam de diâmetros, desde 3 metros a mais de 45 metros, e são instalados dentro de bacias (diques) de segurança, cuja finalidade é reter o produto, em caso de vazamento do produto, em situação anormal. O dique deve ser projetado para conter 1,5 o volume do produto contido no tanque, não pode haver aberturas laterais e o revestimento do piso do dique deve resistir á ação química do produto. O teto dos tanques pode ser de teto fixo ou teto flutuante, dependendo do tipo de produto a estocar. 5. Distância dos tanques à propriedade e vias públicas Todos os tanques de superfície (subitem ) usados para armazenamento de líquidos inflamáveis ou equipados com respiradouros de emergência deverão ser localizados de acordo com a Tabela A e a Tabela B a seguir descrita: Tabela A -- Localização dos tanques de armazenamento de líquidos combustíveis de superfície ou equipados com respiradouros de emergência CAPACIDADE DO TANQUE (LITROS) DISTÂNCIA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até ,5 m 1,5 m Acima de até m 1,5 m Acima de até ,5 m 1,5 m 11

12 Acima de até m 1,5 m Acima de até m 3 m Acima de até m 4,5 m Acima de até m 7,5 m Acima de até m 10,5 m Acima de até m 13,5 m Acima de até m 16,5 m Acima de ou mais 52,5 m 18 m TABELA B TIPO DE TANQUE PROTEÇÃO DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Qualquer tipo Contra exposição Nenhuma Uma e meia vezes as distâncias da Tabela "A", mas nunca inferior a 7,5m Uma e meia vezes as distâncias da Tabela "A", mas nunca inferior a 7,5m Uma e meia vezes as distâncias da Tabela "A", mas nunca inferior a 7,5m Três vezes as distâncias da Tabela "A", mas nunca inferior a 15m Comentário: os tanques devem possuir respiradores ou válvulas de alivio/vácuo, de acordo com norma internacional ou brasileira, devidamente calculadas para funcionamento adequado, em casos de liberação de vapor, em caso de enchimento do tanque ou de entrada de ar, em caso de retirada de produto do tanque. Os respiradores de tanques subterrâneos, que armazenam líquidos inflamáveis da classe I (ponto de fulgor menor que 37,7ºC) devem ser direcionados acima da edificação, por meio de tubulação e de tal forma que os vapores não entrem pelas aberturas dos edifícios, nem fiquem concentrados em depressões do terreno. O ponto mais alto da tubulação para escape dos vapores deve ser tal que disperse os gases a uma distância segura, a ser calculada, estando longe de fonte de ignição e de zona urbana ou de postos de trabalho. 12

13 De acordo com o item da NR 20, os tanques que armazenam líquidos inflamáveis, instalados enterrados no solo, deverão obedecer aos seguintes distanciamentos mínimos: (a) 1,00 m de divisas de outras propriedades; (b) 0,30 m de alicerces de paredes, poços ou porão. Os tanques para armazenamento de líquidos inflamáveis somente poderão ser instalados no interior de edifícios sob a forma de tanques enterrados. Comentário: As normas ABNT da série NBR tratam das distâncias mínimas de segurança e que são: - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 1 Disposições gerais. - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 2 Armazenamento em tanques e em vasos. - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 3 Sistema de tubulações - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 4 Armazenamento em recipientes em tanques portáteis. - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 5 Operações - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 6 Instalações e equipamentos elétricos - ABNT NBR Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Parte 7 Proteção contra incêndio para parques de armazenamento com tanques estacionários. (Fonte: Segundo a NBR , as instalações projetadas e construídas devem obedecer as normas e códigos construtivos de engenharia, procedimentos internos e controle de qualidade dos materiais de construção, devendo a documentação ser composta por: a) projeto completo, englobando todas as disciplinas requeridas; b) Anotação de Responsabilidade Técnica dos projetos pertinentes; c) laudos dos ensaios hidrostáticos dos tanques (tetos e costados) e das tubulações); d) laudos das soldas do fundo e do costado, além da malha de aterramento. Os tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis deverão ser equipados com respiradouros de pressão e vácuo ou corta-chamas. Os respiradouros dos tanques enterrados deverão ser localizados de forma que fiquem fora de edificações e no mínimo a 3,50 m de altura do nível do solo. 13

14 Todos os tanques de superfície deverão ter dispositivos que liberem pressões internas excessivas, causadas pela exposição à fonte de calor. De acordo com o subitem , todos os tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis deverão ser aterrados segundo recomendações da Norma Regulamentadora NR 10, Já o subitem , complementando o item , exige que ao efetuarse o transvasamento de líquidos inflamáveis de um tanque para outro, ou entre um tanque e um carro-tanque, os dois deverão, obrigatoriamente, estar aterrados ou ligados ao mesmo potencial elétrico. Comentário: É importante o aterramento devido à eletricidade estática que surge quando os líquidos fluem dentro de uma tubulação ou mangueira. A eletricidade estática é o acúmulo de cargas elétricas em um material condutor, semicondutor ou isolante, constituindo-se em uma fonte de riscos que pode resultar em incêndio e explosão, durante a transferência de fluído ou de carregamento/descarregamento de produtos inflamáveis. É que os vapores inflamáveis entram facilmente em ignição, mesmo submetidos a pequenas quantidades de energia, como é o caso da eletricidade estática. Uma forma de evitar a eletricidade estática é conectar à terra o recipiente que contém o líquido inflamável em movimentação, de acordo com os procedimentos específicos. De acordo com o subitem , o armazenamento de líquidos inflamáveis dentro do edifício só poderá ser feito com recipientes cuja capacidade máxima seja de 250 litros por recipiente. O armazenamento de líquidos inflamáveis da Classe I (ponto de fulgor abaixo de 37,7 ºC), em tambores com capacidade até 250 litros, deverá ser feito em lotes de no máximo 100 (cem) tambores. Os lotes que possuam no mínimo 30 (trinta) e no máximo 100 (cem) tambores, deverão estar distanciados, no mínimo, 20 m de edifícios ou limites de propriedade. Quando houver mais de um lote, os lotes existentes deverão estar distanciados entre si, de no mínimo 15 m. De acordo com o subitem , nos locais de descarga de líquidos inflamáveis, deverá existir fio terra apropriado, conforme recomendações da Norma Regulamentadora NR 10, para descarregar a energia estática dos carros transportadores, antes de efetuar a descarga do líquido inflamável. A descarga deve efetuar-se com o carro transportador ligado à terra Todo equipamento elétrico para manusear líquidos inflamáveis deverá ser especial, à prova de explosão, conforme recomendações da Norma Regulamentadora NR

15 Comentário: o aterramento elétrico é a ligação intencional com o solo, considerado um condutor através do qual a corrente elétrica pode fluir. Todo dispositivo ou peça condutora que não faça parte dos circuitos elétricos, mas eventualmente possa ficar sobre tensão elétrica, deve ser aterrada, desde que esteja em local sujeito a contato. Os caminhões-tanques e reboques utilizados para transportar líquidos inflamáveis ou combustíveis devem ser construídos e operados de acordo com as normas técnicas nacionais e/ou internacionais e mantidos em estado de segurança, com inspeções periódicas. É importante também o treinamento para os motoristas de caminhões transportadores de produtos inflamáveis, combustíveis e perigosos, que é realizado pelas Entidades de treinamento, destacando-se o Curso do MOPP Movimentação de Produtos Perigosos, em que os motoristas são treinados pelas empresas para agir com segurança no dia-a-dia e em situações de emergência. 6. Líquidos combustíveis Para efeito da Norma Regulamentadora NR-20 líquido combustível é definido como todo aquele que possui ponto de fulgor igual ou superior a 70ºC e inferior a 93,3ºC (item ). A NR 20 (subitem ) define também que o líquido combustível definido no item é considerado líquido combustível da classe III. A Norma ABNT NBR que trata do Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis define líquido combustível como uma substância com ponto de fulgor maior ou igual a 37,8 ºC. Os líquidos combustíveis se dividem em classe II e classe III: Classe II: 37,8 ºC menor ou igual a PF < 60 ºC Classe III A: 60ºC menor ou igual a PF < 93 ºC Classe III B: PF > 93 ºC Na prática, os líquidos combustíveis, quando aquecidos, liberam vapores igualmente perigosos e devem ter o mesmo nível de atenção destinado aos vapores dos líquidos inflamáveis. Os tanques de armazenagem de líquidos combustíveis serão construídos de aço ou de concreto, a menos que a característica do líquido requeira material especial, segundo normas técnicas oficiais vigentes no País. A distância entre 2 (dois) tanques de armazenamento de líquidos combustíveis não deverá ser inferior a 1,00m (um metro). O espaçamento mínimo entre 2 (dois) tanques de armazenamento de líquidos combustíveis diferentes, ou de armazenamento de qualquer outro combustível, deverá ser de 6,00 m.. 15

16 Todos os tanques de superfície deverão ter dispositivos que liberem pressões internas excessivas, causadas pela exposição à fonte de calor. 7. Gases liquefeitos de petróleo e outros gases inflamáveis. 7.1 Gas inflamável segundo a NR 20 O Gás Liquefeito de Petróleo GLP é o produto constituído, predominantemente, pelo hidrocarboneto propano, propeno, butano e buteno. Os recipientes estacionários, com mais de 250 (duzentos e cinqüenta) litros de capacidade, para armazenamento de GLP serão construídos segundo normas técnicas oficiais vigentes no País. A capacidade máxima permitida, para cada recipiente de armazenagem de GLP, será de litros, salvo instalações de refinaria, terminais de distribuição ou terminais portuários. Cada recipiente de armazenagem de GLP deverá ter uma placa metálica, que deverá ficar visível depois de instalada, com os seguintes dados escritos de modo indelével, conforme item da NR-20: todas as válvulas diretamente conectadas ao recipiente de armazenagem deverão ter uma pressão de trabalho mínima de 18 kg/cm2. todas as válvulas e acessórios usados nas instalações de GLP serão de material e construção apropriados para tal finalidade e não poderão ser construídos de ferro fundido. todas as ligações ao recipiente, com exceção das destinadas às válvulas de segurança e medidores de nível de líquido, ou as aberturas tamponadas, deverão ter válvula de fechamento rápido próximo ao recipiente. todos os recipientes de armazenagem de GLP serão equipados com válvulas de segurança. As descargas das válvulas de segurança serão afastadas no mínimo 3,00 m da abertura de edificações situadas em nível inferior à descarga. A descarga será através de tubulação vertical, com o mínimo de 2,50m de altura acima do recipiente, ou do solo, quando o recipiente for enterrado. Os recipientes de armazenagem de GLP deverão obedecer aos seguintes distanciamentos: 16

17 a. recipientes de 500 (quinhentos) a (oito mil) litros deverão estar distanciados entre si de no mínimo 1,00m (um metro). b. recipientes acima de (oito mil) litros deverão estar distanciados entre si de no mínimo 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros). Os recipientes com mais de 500 litros deverão estar separados de edificações e divisas de outras propriedades segundo a Tabela D. TABELA D CAPACIDADE DE RECIPIENTE (LITROS) AFASTAMENTO MÍNIMO (METROS) 500 a a acima de ,0 7,5 15, Gas inflamável segundo a Resolução 420/2004 da ANTT De acordo com o capítulo 2.2 da Resolução 420/2004, gás é uma substância que: a) a 50ºC tem uma pressão de vapor superior a 300kPa; ou b) é completamente gasoso à temperatura de 20ºC, à pressão de 101,3kPa. Os gases são apresentados para transporte sob diferentes aspectos físicos: a) gás comprimido: é um gás que, exceto se em solução, quando acondicionado para transporte, à temperatura de 20ºC é completamente gasoso; b) gás liquefeito: gás parcialmente líquido, quando embalado para transporte, à temperatura de 20ºC; c) gás liquefeito refrigerado: gás que, quando embalado para transporte, é parcialmente líquido devido a sua baixa temperatura; d) gás em solução: gás comprimido, apresentado para transporte dissolvido num solvente. As substâncias da Classe 2 estão divididas em três subclasses, com base no risco principal que os gases apresentam durante o transporte: a) suclasse 2.1 gases inflamáveis - gases que a 20ºC e à pressão de 101,3kPa: 17

18 1 - são inflamáveis quando em mistura de 13% ou menos, em volume, com o ar; ou 2) apresentam faixa de inflamabilidade com ar de, no mínimo, doze pontos percentuais, independentemente do limite inferior de inflamabilidade. A inflamabilidade deve ser determinada por ensaios ou através de cálculos, conforme métodos adotados pela ISO (ver Norma ISO ). Quando os dados disponíveis forem insuficientes para a utilização desses métodos, podem ser adotados métodos comparáveis, reconhecidos por autoridade nacional competente. Entretanto, essa classificação de gás inflamável é válida para transporte de carga perigosa, na legislação do Ministério dos Transportes. 7.3 Gas Natural Veicular O gás natural veicular é um combustível limpo à base de metano, não apresenta impurezas e resíduos significativos em sua combustão, não é corrosivo, não produz depósito de carbono nas câmaras de combustão e não aditivos. A mistura de arcombustível é dosada em qualquer temperatura e sua combustão é mais eficiente do que os demais combustíveis, contribuindo para maior vida útil do motor. O armazenamento do GNV é feito em cilindros de aço especial, no qual o gás é comprimido sob uma pressão de 250 bar. O GNV é mais leve do que o ar, o que possibilita uma dispersão mais rápida do gás no meio ambiente, mas sua temperatura de auto-ignição atinge 620ºC, bem acima das temperaturas do álcool (300 ºC) e da gasolina (200 ºC).. As conversões devem ser realizadas em oficinas registradas no INMETRO ou por Organismos Certificadores credenciados por ela e os cilindros devem ser apropriados para acondicionar e resistir à pressão do GNV. Recomenda-se que o cilindro seja adquirido em empresas certificadas pelo INMETRO que vem com um selo verde de garantia, uma numeração sequencial, com número de licença, dados do fabricante e data de fabricação. O cilindro de GNV deve ser inspecionado após cinco anos de uso, por empresa certificado por um OCP Organismo de Certificação de Produto e receber o Selo de Conformidade. 8 - Emprego de cores para identificação das tubulações. 18

19 8.1 Cor e Sinalização pela NR 26 As cores utilizadas nos locais de trabalho para identificar os equipamentos de segurança, delimitar áreas, identificar tubulações empregadas para a condução de líquidos e gases e advertir contra riscos, devem atender ao disposto nas normas técnicas oficiais. A utilização de cores não dispensa o emprego de outras formas de prevenção de acidentes. O uso de cores deve ser o mais reduzido possível, a fim de não ocasionar distração, confusão e fadiga ao trabalhador. A NR 26 dispõe sobre Sinalização de Segurança e estabelece a padronização de cores que devem ser usadas como sinalização de segurança nos ambientes de trabalho e visando a prevenção de acidentes, a identificação dos equipamentos, identificação de tubulações de líquidos e gases advertindo contra riscos e visualização de riscos. Comentário No ambiente de trabalho, a comunicação acontece de diversas formas e diversos tipos de linguagem são utilizadas para estabelecer as maneiras da comunicação. Em se tratando de segurança, essa comunicação deve ser mais planejada, pois requer toda uma sistemática que deve ser entendida por todos, para ações rápidas e com uma forma única de proceder, já que as emergências não dão tempo de pensar. A NR 26 estabeleceu as cores como uma forma de linguagem na comunicação e que vem sendo utilizada há mais de 30 anos pelo Ministério do Trabalho. A Portaria SIT n.º 229, de 24 de maio de 2011alterou a NR 26. Confira abaixo a sinalização de cores da NR 26 original Cor Marrom: - O marrom pode ser adotado, a critério da empresa, para identificar qualquer fluído não identificável pelas demais cores. Cor Alumínio: - O alumínio será utilizado em canalizações contendo gases liquefeitos, inflamáveis e combustíveis de baixa viscosidade (ex. óleo diesel, gasolina, querosene, óleo lubrificante, etc) Cor Cinza: - Cinza claro - deverá ser usado para identificar canalizações em vácuo. - Cinza escuro - deverá ser usado para identificar eletrodutos. Cor Lilás: O lilás deverá ser usado para indicar canalizações que contenham álcalis. As refinarias de petróleo poderão utilizar o lilás para a identificação de lubrificantes. 19

20 Cor Vermelha: - tubulações, válvulas e hastes do sistema de aspersão de água; - transporte com equipamentos de combate a incêndio; - portas de saídas de emergência; - rede de água para incêndio (sprinklers); - mangueira de acetileno (solda oxiacetilênica). Cor Laranja: O laranja deverá ser empregado para identificar: - canalizações contendo ácidos; - partes móveis de máquinas e equipamentos; Cor Preta: - O preto será empregado para indicar as canalizações de inflamáveis e combustíveis de alta viscosidade (ex: óleo lubrificante, asfalto, óleo combustível, alcatrão, piche, etc.). A Portaria SIT n.º 229, de 24 de maio de 2011alterou a NR 26. Confira abaixo a revisão da NR Cor na segurança do trabalho Devem ser adotadas cores para segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes As cores utilizadas nos locais de trabalho para identificar os equipamentos de segurança, delimitar áreas, identificar tubulações empregadas para a condução de líquidos e gases e advertir contra riscos, devem atender ao disposto nas normas técnicas oficiais A utilização de cores não dispensa o emprego de outras formas de prevenção de acidentes O uso de cores deve ser o mais reduzido possível, a fim de não ocasionar distração, confusão e fadiga ao trabalhador Classificação, Rotulagem Preventiva e Ficha com Dados de Segurança de Produto Químico O produto químico utilizado no local de trabalho deve ser classificado quanto aos perigos para a segurança e a saúde dos trabalhadores de acordo com os critérios estabelecidos pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), da Organização das Nações Unidas. 20

21 A classificação de substâncias perigosas deve ser baseada em lista de classificação harmonizada ou com a realização de ensaios exigidos pelo processo de classificação Na ausência de lista nacional de classificação harmonizada de substâncias perigosas pode ser utilizada lista internacional Os aspectos relativos à classificação devem atender ao disposto em norma técnica oficial vigente A rotulagem preventiva do produto químico classificado como perigoso a segurança e saúde dos trabalhadores deve utilizar procedimentos definidos pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), da Organização das Nações Unidas A rotulagem preventiva é um conjunto de elementos com informações escritas, impressas ou gráficas, relativas a um produto químico, que deve ser afixada, impressa ou anexada à embalagem que contém o produto A rotulagem preventiva deve conter os seguintes elementos: a)identificação e composição do produto químico; b)pictograma(s) de perigo; c)palavra de advertência; d)frase(s) de perigo; e)frase(s) de precaução; f)informações suplementares Os aspectos relativos à rotulagem preventiva devem atender ao disposto em norma técnica oficial vigente O produto químico não classificado como perigoso a segurança e saúde dos trabalhadores conforme o GHS deve dispor de rotulagem preventiva simplificada que contenha, no mínimo, a indicação do nome, a informação de que se trata de produto não classificado como perigoso e recomendações de precaução O fabricante ou, no caso de importação, o fornecedor no mercado nacional deve elaborar e tornar disponível ficha com dados de segurança do produto químico para todo produto químico classificado como perigoso O formato e conteúdo da ficha com dados de segurança do produto químico devem seguir o estabelecido pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), da Organização das Nações Unidas. 21

22 No caso de mistura deve ser explicitado na ficha com dados de segurança o nome e a concentração, ou faixa de concentração, das substâncias que: a)representam perigo para a saúde dos trabalhadores, se estiverem presentes em concentração igual ou superior aos valores de corte/limites de concentração estabelecidos pelo GHS para cada classe/ categoria de perigo; e b)possuam limite de exposição ocupacional estabelecidos Os aspectos relativos à ficha com dados de segurança devem atender ao disposto em norma técnica oficial vigente O disposto no item se aplica também a produto químico não classificado como perigoso, mas cujos usos previstos ou recomendados derem origem a riscos a segurança e saúde dos trabalhadores O empregador deve assegurar o acesso dos trabalhadores às fichas com dados de segurança dos produtos químicos que utilizam no local de trabalho Os trabalhadores devem receber treinamento: a)para compreender a rotulagem preventiva e a ficha com dados de segurança do produto químico; b)sobre os perigos, riscos, medidas preventivas para o uso seguro e procedimentos para atuação em situações de emergência com o produto químico. 8.2 Cor e sinalização na ABNT A ABNT, pela NBR 6793/1994, possui também uma norma sobre emprego de cores na identificação das tubulações e as empresas possuem seus procedimentos com baseados nessas normas ou até mesmo mesclando-as, quando não criam normas específicas e mais adequadas para seus ambientes de trabalho. A verdade é que ambas as normas a NR 26 do Ministério do Trabalho e a da ABNT a NBR 6793/1994 estão ultrapassadas e já não atingem seus objetivos para os quais foram criadas em suas épocas. Está em curso uma proposta de revisão de tais normas, com tendência de fundirem-se em uma só, passando-se a se adotar apenas a do Ministério do Trabalho, revisada, com a contribuição das grandes empresas que já estão adiantadas no desenvolvimento desse assunto. Confira abaixo a tabela de cores da Norma ABNT NBR 6493 NBR / Emprego de cores para identificação de tubulações 22

23 As substâncias perigosas devem ter seus recipientes identificadas, contendo o nome técnico do produto, o grau de risco do produto, medidas preventivas, em caso de acidente com o produto, informações especiais para os médicos, em caso de acidente e instruções especiais em caso de fogo, derramamento ou vazamento ABNT NBR A ABNT NBR 6.493, versão outubro/1994, trata da aplicação do emprego de cores para identificação de tubulações e fixa as condições exigíveis para o emprego de cores na identificação de tubulações para a canalização de fluidos e material fragmentado ou condutores elétricos, com a finalidade de facilitar a identificação e evitar acidentes. A norma ABNT aplica-se à identificação de tubulações de maneira geral, podendo ser complementada por normas específicas, indicadas pela necessidade de determinadas atividades. As indicações relativas à pressão devem ser dadas na unidade Pascal (Pa), do Sistema Internacional de Unidades (SI). A disposição das faixas de identificação deve ser tal, que torne possível a identificação da tubulação, sem, para isso, ser necessário ao observador percorrê-la em toda as extensão. Quando a identificação se fizer através de faixas, é obrigatória sua existência nos pontos em que haja possibilidade de desconexão, nos pontos de inspeção, junto a válvulas e em qualquer ponto onde seja importante assegurar a 23

24 identificação, como nas proximidades de parede ou outro obstáculo atravessado pela tubulação. Nos casos de tubulações destinadas a água ou espuma para combate a incêndio, a pintura de identificação deve ser feita, obrigatoriamente, em toda a extensão da tubulação. 9- A futura NR-20. O Ministério do Trabalho colocou em Consulta Pública a proposta de mudança do texto da NR 20, através da Portaria MTE 77, de 27/11/2008, introduzindo mudanças de conceito, rotinas, definições, ferramentas e metodologias, com vistas à melhoria continua. Dentre tais mudanças, constam: introdução da gestão, controle operacional, preparação para emergência, conscientização do risco, treinamento, qualificação prevista na OHSAS /2007, gestão de SSO pela OIT/2011, Convenção OIT 170 (Prevenção de Acidentes Maiores) e adequações técnicas. Além disso, estão previstas também a introdução da ferramenta Permissão para Trabalho, Análise Preliminar de Riscos/Perigos, Classificação de áreas, interfaceamento com a NR 10, NR 22, NR 30, NR 29, NR 16, NR 19, entre outras. O campo de aplicação da nova NR 20 abrangerá: a) extração, produção, armazenamento, transferência e manuseio de inflamáveis, nas etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção, inspeção e desativação da instalação; b) extração, produção, armazenamento, transferência e manuseio de líquidos combustíveis, quando aquecidos; c) extração, produção, armazenamento, transferência e manuseio de sólidos inflamáveis, no que couber. A princípio, a nova NR 20 não se aplicará: a) instalações e atividades marítimas b) edificações residenciais unifamiliares c) instalações com produção, armazenamento e manuseio inferior a 135 quilogramas de gases inflamáveis e a 200 litros de líquidos inflamáveis, não excluindo o cumprimento das outras normas e regulamentações. A grande novidade esperada e tida como certa será a mudança da definição de líquido inflamável que hoje é aquele que possui ponto de fulgor menor que 70ºC e deverá baixar para 37,7 ºC, seguindo a tradição internacional. A nova NR 20 tende a estabelecer que as instalações para extração, produção, armazenamento, transferência e manuseio de inflamáveis deverão ser precedidas de projeto que contemple os aspectos de segurança, saúde e meio ambiente previstos 24

25 nas normas regulamentadoras, normas técnicas, convenções e acordos coletivos, bem como nas regulamentações federal, estadual e municipal. O item Garantia da Segurança Total é outro que parece que será incluído na nova NR 20, para discutir duas vertentes: a vertente de Operação e a vertente do Processo que são a chave das Organizações. A garantia da segurança da operação envolve a avaliação das atividade e tarefas na relação direta homem x máquina, quando serão aplicadas as metodologias de identificação de perigos, avaliação de riscos e a aplicação de medidas de controle, como forma de assegurar a continuidade operacional, com segurança. O programa de inspeção e manutenção é outro item que está na reta das mudanças, como uma ferramenta de gestão para garantir a segurança e a operação, devendo fazer parte do programa de gerenciamento de risco e incluir as etapas de Levantamento de Aspectos e Impactos, aplicadas á - Situação Normal (realização normal das atividades e operações) - Situação anormal (partidas, paradas planejadas, manutenção preventiva) - Emergência (paradas não planejadas, manutenção corretiva) - Futuras (atividades planejadas a longo prazo). Outra grande novidade será a classificação das Instalações quanto à: a) Classe 1 1) Quanto à atividade postos de serviço com inflamáveis 2) Quanto à capacidade de armazenamento de forma permanente ou transitória (gases inflamáveis de 135 kg até 30 t e líquidos inflamáveis de 200 litros até 60 m³) b) Classe 2 1) Quanto à atividade engarrafadoras de gases inflamáveis 2) Quanto à capacidade de armazenamento de forma permanente ou transitória (gases inflamáveis: acima de 30 ton até 300 t e líquidos inflamáveis de 60 m³ até m³) c) Classe 3 1) Quanto à atividade Refinarias, Unidade de processamento de gás natural, plantas petroquímicas. 2) Quanto à capacidade de armazenamento de forma permanente ou transitória: gases inflamáveis: acima de 300 t e líquidos inflamáveis acima de m³) O objetivo dessa classificação seria estabelecer requisitos mínimos de atendimento, bem como de prazos de adequação, para execução dos seguintes programas: - elaboração das análises de risco do projeto e adequação das instalações. - adequação do efetivo dos trabalhadores às tarefas em processo contínuo de produção. 25

26 - adequação do plano de inspeção e manutenção - capacitação dos trabalhadores - adequação do plano de emergência - adequação do plano de prevenção e controle das emissões fugitivas, vazamentos, derramamentos, incêndios e explosões. LEMBRETE A nova NR 20 está em Consulta Pública e não é ainda uma NR aprovada. REFERÊNCIAS Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho Normas Regulamentadoras Comentadas Vol. I, II e III ARAÚJO, Giovanni Moraes, Ed do Autor 8ª edição Brasil-RJ Regulamentação do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos Comentada. ARAÚJO, Giovanni Moraes. Ed do Autor 2ª edição Brasil-RJ Norma Regulamentadora NR 20 site: 26

27 27

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 )

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 ) 26.1 Cor na segurança do trabalho. NR 26 - Sinalização de Segurança (126-000-6) 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho ANEXO AO COMUNICADO: ROTULAGEM PREVENTIVA DE PRODUTOS SANEANTES É DISPENSADA Abrangência: indústria e comércio de produtos saneantes. Conteúdo: dispensa de aplicação de rotulagem preventiva. Vigência:

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS SUMÁRIO 20.1 Introdução 20.2 Abrangência 20.3 Definições 20.4 Classificação das Instalações 20.5 Projeto da Instalação

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Entrou em vigor na data de sua publicação exceto para os itens com prazos diferenciados.

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1;

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; Item nº TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 13.2.1 a) todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1 e 13.4.1.2;

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015)

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Foi criada pela: Portaria nº 3214, de 08 de Junho de 1978. NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Modificada pela: Portaria da Secretaria de Inspeção do Trabalho nº 229, de 24 de Maio de 2011. A NR

Leia mais

Eng. Rosiane Albuquerque

Eng. Rosiane Albuquerque Eng. Rosiane Albuquerque NR - 20 Definição e Classes: - Líquidos e Combustíveis Inflamáveis Tanques de Armazenagem e suas Características Salas de armazenamento de Líquidos Inflamáveis NR - 23 Classes

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 CUSTOS VISÍVEIS MÃO DE OBRA MATERIAIS SERVIÇOS DE TERCEIROS C U S T O S I N V I S I V E I S CUSTO DE MANUTENÇÃO / CUSTOS TOTAIS CUSTO DE MANUTENÇÃO / FATURAMENTO CUSTOS

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO O QUE E NR26? É a NORMA REGULAMENTADORA 26 que tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para

Leia mais

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Altera a Norma Regulamentadora nº 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis, aprovada pela Portaria MTb nº 3.214, de 8 de junho de 1978. A Secretária

Leia mais

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. APARELHAGEM...4 6. EXECUÇÃO DO ENSAIO...9 7.

Leia mais

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Paula Scardino Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001 Membro do GT Tripartite da NR-33,

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

NR -13 NR-13 16/03/2015

NR -13 NR-13 16/03/2015 NR -13 NR-13 Um marco histórico da mencionada regulamentação foi a criação do primeiro código estadual norte-americano de projeto e fabricação de caldeiras em 1908. Esta iniciativa pioneira foi tomada

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC)

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

PARECER COREN-SP 016/2013 CT. PRCI n. 103.098

PARECER COREN-SP 016/2013 CT. PRCI n. 103.098 PARECER COREN-SP 016/2013 CT PRCI n. 103.098 Assunto: Competência para o transporte de cilindros de gases medicinais e para troca de válvula reguladora dos mesmos. 1. Do fato Profissional de Enfermagem

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico José Possebon 20/10/2010 Características do GLP O GLP normalmente é uma mistura de propano e butano e sua composição é

Leia mais

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno.

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Oscar D. F. Abreu Gerente de Fábrica 11 45479952 oscar@bbquimica.com.br Agosto 2012 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos Química e Energia - Prof. Barbieri ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Quando um corpo combustível é aquecido, atinge diferentes estágios da temperatura, os quais são conhecidos por: Ponto de

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1)

NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) * NR aprovada pela Portaria MTb 3.214/1978. 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

NR 20 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NR 20 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS NR 20 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Portaria SIT n.º 308, de 29 de fevereiro de 2012 06/03/12 Portaria

Leia mais

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR.

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas s e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de trabalho

Leia mais

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1)

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 032/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES ESPECIAIS: CALDEIRA ESTACIONÁRIA A VAPOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 032/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES ESPECIAIS: CALDEIRA ESTACIONÁRIA A VAPOR ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 032/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES ESPECIAIS:

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora - NR. 16.2. O

Leia mais

NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1)

NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ANEXO XIX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Inflamáveis Características e propriedades Muitos acidentes são evitados ou atenuados quando as características

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014.

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

PRIMER MASTER UNIVERSAL

PRIMER MASTER UNIVERSAL FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PRIMER MASTER UNIVERSAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Técnico e Comercial Nome Técnico e Comercial: Primer Anticorrosivo Master

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a),

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), CIRCULAR SINDICOMBUSTÍVEIS-DF Nº 043/2014 Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), Enviamos, abaixo, cópia da Resolução ANP 20, de 03 de abril de 2014, publicada no DOU de 04.04.2014,

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Normas Regulamentadoras

Normas Regulamentadoras 1 de 10 6/5/2013 08:39 CLT DINÂMICA Normas Regulamentadoras NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Sinalização de Segurança NR-26 Estabelece a padronização das cores a serem utilizadas como sinalização de segurança

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais