O PAPEL SOCIAL DOS RITOS FÚNEBRES NAS IRMANDADES NEGRAS DO RIO GRANDE DO NORTE NO SÉCULO XIX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL SOCIAL DOS RITOS FÚNEBRES NAS IRMANDADES NEGRAS DO RIO GRANDE DO NORTE NO SÉCULO XIX"

Transcrição

1 O PAPEL SOCIAL DOS RITOS FÚNEBRES NAS IRMANDADES NEGRAS DO RIO GRANDE DO NORTE NO SÉCULO XIX Diana da Silva Araujo Departamento de História-UFRN RESUMO: O presente trabalho visa mostrar os resultados de uma pesquisa iniciada a partir de Termos de Compromisso de cinco irmandades negras do Rio Grande do Norte dos séculos XVIII e XIX. A partir da análise dos termos e com base em estudos de irmandades negras do mesmo período no Rio de Janeiro pode-se fazer uma leitura mais aprofundada da questão dos ritos fúnebres, que estão muito além das questões religiosas. Os ritos fúnebres não tinham somente papel religioso, mas, sobretudo, caráter social. Sendo um dos temas mais citados nos termos de compromisso, pode-se perceber a importância que este acontecimento tinha dentro e fora das Irmandades, ou seja, no cotidiano dos homens comuns. Compreender a questão dos ritos fúnebres é compreender a própria estrutura das Irmandades e sua posição perante a religião e a sociedade local. Palavras-chave: Morte, irmandades e sociedade Para o presente trabalho foram analisados os termos de compromisso de cinco irmandades negras da província do Rio Grande do Norte: Compromisso da Irmandade do Glorioso São Benedito, 1887 (para pessoas livres ou escravas), Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Serra Negra, 1871 (para negros), Compromisso ou estatutos particulares de Nossa Senhora do Rosário de Campo Grande, 1857, Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da Cidade do Jardim, 1885 (Para negros e pessoas de todas as cores) e o Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da Vila do Príncipe, 1772 (para negros ). População escrava por município no ano de 1883 Município População Serra Negra 321 Capital 374 Jardim 452 Príncipe Dentre os municípios da província, em 1883, o do Príncipe, onde se localizava a irmandade do Rosário de 1772 aqui analisada, era o município com maior número de escravos da província que neste ano tinha o total contabilizado de escravos i. Pode-se analisar que quatro das cinco irmandades analisadas, tiveram seus termos de compromisso redigidos muito próximos ao final do Império e da abolição, neste período também havia uma queda no número de escravos. No mesmo ano de 1883 havia contabilizados na província, crianças livres cujas mães eram escravas. As irmandades são uma ilustração de como entre os escravos ainda era forte o sentimento de pertencimento a algo que os unia, no caso, a cor negra que os tornava irmãos e o fazia unirem-se. Quanto aos padroeiros, das cinco irmandades, quatro tem como padroeira Nossa Senhora do Rosário, reconhecida particularmente por Advogada e Protectora da gente preta e presente como padroeira na maioria das irmandades de negros. Na mais recente

2 das cinco irmandades, o orago era São Benedito. Benedito foi um homem negro, descendente de escravos, mas não era somente a cor que fazia com que determinado santo fosse escolhido por uma irmandade. Entender aspectos da vida desses santos também importante é para se compreender o motivo dessas escolhas. No caso da Irmandade dedicada a São Benedito, Cascudo afirmou que não teria sido necessário sincretismo de São Benedito com algum orixá, por se tratar de um santo naturalmente negro. Embora a visão de Cascudo não possa ser comprovada, principalmente no período inicial de formação dessa irmandade, é inegável o fato da preocupação extremante católica de suas práticas. Benedito podia ser visto como um verdadeiro exemplo para os negros. Negro, descendente de escravos, humilde, analfabeto, Benedito tinha características presentes entre os negros do Brasil Colônia e Império. Descrever as características do santo parecia descrever as características dos próprios negros. Os negros africanos trazidos para a colônia portuguesa tinham uma forte preocupação com os assuntos relativos à morte. Segundo a tradição, Deus profetizou a Benedito sua morte, essa tradição é tão forte que até em dias atuais, devotos afirmam que o santo realmente soubera com antecedência sua morte. Oras, se um negro foi avisado pelo próprio Deus (ainda que esse tenha sido assimilado como um deus nãocristão) de sua morte, era sinal de que Deus se preocupava com os negros e que Benedito era diferente dos demais homens de seu tempo. Irmandades de negros também podiam aceitar brancos e pardos. Vale salientar que para cargos como o de tesoureiro e juiz era necessário o básico de alfabetização. Isso pode explicar a presença de pessoas não-negras em irmandades de negros, a representação do branco perante a sociedade e Igreja também podem ser responsáveis pela presença de não-negros. As irmandades de brancos não faziam referência quanto à entrada de negros, o que leva a crer que estes não fariam parte dessas irmandades, pois apesar de também não haver referência à proibição de negros, era necessário o anual pago à irmandade e também ser bem aceito e respeitado igualmente como os demais brancos, portanto seria bem mais difícil um negro em uma irmandade não-negra que um branco um uma irmandade negra. Assim como nas demais províncias, as irmandades negras do Rio Grande do Norte também tinham preocupação com os ritos fúnebres de seus membros. A pesquisadora Mariza de Soares Carvalho cita a função da Casa de Misericórdia nos enterros de pessoas desprovidas. Na província do Rio Grande do Norte não havia uma casa de Misericórdia. O Hospital da Caridade parece ter sido a única instituição a cuidar dos doentes pobres e mesmo assim funcionava precariamente por longos anos de funcionamento. Os presidentes da província faziam questão de ressaltar a finalidade filantrópica do hospital, porém não faziam referência ao cuidado com escravos por parte do hospital. O Hospital da Caridade era responsável por cuidar dos pobres e doentes, uma tentativa de se criar uma casa de misericórdia. Talvez não tenha sido possível a criação de uma Casa de Misericórdia, pois até mesmo o hospital da caridade, funcionou em maior parte do Império em condições precárias. (Relatório de Presdidentes da Província) Para se afastar as moléstias foi criado um galpão (do Refoles) para onde iam os enfermos, pois nos tempos onde as doenças atacavam fortemente a população, o hospital não tinha o mínimo de condições para atendê-la. Em 1879 o hospital tinha capacidade para cerca de 80 enfermos, porém recebia cerca de 130 ou mais. Muitos desses enfermos, deitados no chão impediam o asseio do

3 próprio chão. Foi então criado um novo lugar para abrigar e cuidar dos doentes na Ribeira Portanto, a própria população da província era responsável por organizar os enterros. Essa sociedade não contava com nenhuma instituição filatrópica ii, portanto, as irmandades eram dentre os leigos, as principais responsáveis pelos enterros católicos. As irmandades negras objetivavam ostentar materiais luxuosos assim como as irmandades de brancos. Porém nem sempre isso era possível como se pode perceber na termo de compromisso da irmandade do Rosário de Campo Grande na qual O Juiz assistirá sempre ás Festividades, e actos solennes com a sua insignia, que será huma vara ornada, como permittirem as posses da Irmandade: fará parte da Mêsa; e nos enterros dos Irmãos irá com a Cruz si houver. O Termo de Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos é um exemplo de como esses negros, pertencentes a irmandades se preocupavam em se manter legais perante à Igreja e como ela poderia interferir sobre essas irmandades e conseqüentemente sobre a atuação da própria irmandade. Por se encontrar o primeiro termo de compromisso em mal estado de preservação, esta irmandade resolve fazer outro a fim de continuar com a aprovação eclesiástica e evitar futuros problemas. Envia, então, um novo termo para a aprovação, o qual retorna com vários ajustes a serem feitos. Há nos termos de compromisso das irmandades analisadas, a presença da preocupação em ter sob posse das irmandades, objetos que possam ser usadas em atos solenes, como procissão, festa do orago e nos enterros. As irmandades em questão tinham uma hierarquia, muito bem definida, pelo menos é o que mostram os termos. Essa hierarquização também estava presente na hora da realização dos ritos fúnebres. Caso se tome como referência o bem morrer na Bahia oitocentista iii, os cargos mais altos das irmandades teriam mais privilégio, tendo em vista o maior número de missas pós-morte e de intercessores. Na irmandade de São Benedito, o irmão que ao morrer tivesse alguma dívida pra com a confraria não teria direito às missas as quais o compromisso trata no seu artigo 20º O Irmão que tiver ocupado o cargo de Juiz, terá quinze Missas, o Escrivão dez, o Thesoureiro sete, e os demais Irmãos cinco cada um, se porem qualquer dos Irmãos tiver ocupado os caros aqui mencionados por mais de uma vez, se lhe mandarão dizer tantas Missas quantas forem as vezes que serviu de Juiz, Escrivão e Thesoureiro sendo todas pagas pelo cofre da Confraria. A preocupação dada para o momento após a morte é uma constante no período, o que ressalta a incorporação dos negros (das irmandades) da província ao catolicismo, pois recorriam explicitamente à religião. Em todos os ritos católicos pode-se notar a necessidade do acompanhamento de intercessores. Era necessário sempre a presença de alguém que intercedesse pelos irmãos, esses intercessores seriam indispensáveis para que se alcançasse os objetivos (alcançar as bem aventuranças na vida eterna) esperados pelos irmãos. Esses intercessores eram o orago, os sacerdotes e os irmãos. O padroeiro, especialmente escolhido na formação da confraria, em especial, Nossa Senhora do Rosário, reconhecida pelos negros como protetora e intercessora de sua gente e entre as irmandades do Rio Grande do Norte, mas também a presença de São Benedito entre os padroeiros era evidente. Na irmandade do Rosário de Serra Negra deveria haver uma tumba com coberta preta de pano da qualidade possível às posses da Irmandade, para nella serem levados á sepultura os Irmãos, que fallecerem, podendo a mesma servir no enterro de outra qualquer pessoa, mediante o aluguel de quatro mil reis., ou seja, o indíviduo que

4 pudesse e quisesse pagar a quantia estipulada pela irmandade, poderia ter o defunto de seu parente ou conhecido, levado pela tumba da irmandade. A preocupação com os ritos fúnebres não era somente religiosa, uma vez durante o cortejo a sociedade percebia o quanto a devida irmandade é organizada. Era um momento em que os negros da Irmandade se diferenciavam dos demais, daqueles que não tinham condições de propiciar aos seus um enterro digno, sendo também um momento em que os negros das irmandades podiam se aproximar dos brancos, propiciando um sepultamento digno a seus membros. A partir do termo de compromisso da irmandade de Campo Grande, podemos perceber explicitamente a preocupação católica com os rituais fúnebres e a relação da Igreja católica com o destino que as almas tomariam após a morte como se pode ler no texto a seguir. Considerando nós, abaixo assinados, que nada deve merecer tanta solicitude, quanto o preparar se cada hum para que sua alma alcance na vida eterna a Bemaventurança, que Jezus Christo Nosso Senhor ha promettido aos que seguirem os preceitos da Santa Religião Catholica Romana. No próprio termo de compromisso dessa irmandade fica explicitada que, para eles, a prática da religião católica garantirá a vida eterna. A partir da análise dos termos de compromisso percebe-se outro papel da Irmandade: o de preparar seus membros para que alcancem um bom lugar na vida eterna, ou seja, à irmandade cabia não somente auxiliar seus membros para a sociedade em que viviam, mas também, prepará-los para o que viria após a morte. As irmandades negras, procuravam se assemelhar às brancas, fazer-se presente e vísivel com a pompa que lhes fosse possível assim como pode ser visto na irmandade do Rosário de Campo Grande na qual tudo deveria ser feito com algumas prestações compativeis com nossa pobrêsa, e posição sugeita. A partir da visão acerca da morte neste período (século XIX) e nesta região (província do Rio Grande do Norte), podemos perceber que a morte também era um momento para manter a hierarquia social, difernciando os membros pela pompa com que seus funerais seriam realizados e até mesmo pelo número de missas que determinada família poderia mandar fazer pelos seus entes. As irmandades seriam uma fator de diferenciação. No caso das irmandades negras, os membros se diferenciariam dos demais irmãos de cor por pertencerem a uma irmandade. Até em uma mesma irmandade haveria diferenciação, ou seja, uma irmandade seria espelho da própria organização social, pois até mesmo nelas, o momento da morte devera ser visto como algo que deveria ser precedido de deveres, no caso os anuais, pois um irmão que ao morrer devesse ao cofre da irmandade teria seu número de missas prejudicado e também de direitos, pois todo irmão ao falecer, teria direito às missas e a tudo que a irmandade pudesse oferecer.

5 i Relatórios de Presidentes da Província, ii A. J.Russel Wood. iii J. J. Reis. FONTES PRIMÁRIAS: COMPROMISSO da Irmandade Nossa Senhora do Rosário da Cidade do Jardim, COMPROMISSO da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da Vila do Príncipe, COMPROMISSO da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Serra Negra, COMPROMISSO da Irmandade do Glorioso São Benedito, COMPROMISSO da Irmandade ou estatutos particulares de Nossa Senhora do Rosário de Campo Grande, Falas e Relatórios dos Presidentes da Província do Rio Grande do Norte. BIBLIOGRAFIA: CASCUDO, Luís da Câmara. História da Cidade do Natal. Natal: IHGRN, REIS, João José. A Morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor. Identidade étnica, religiosa e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII

A RELIGIOSIDADE POPULAR ENTRE O POVO E A OFICIALIDADE: O CASO DA IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DA FREGUESIA SÃO JOSÉ DA BARRA LONGA

A RELIGIOSIDADE POPULAR ENTRE O POVO E A OFICIALIDADE: O CASO DA IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DA FREGUESIA SÃO JOSÉ DA BARRA LONGA Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ A RELIGIOSIDADE POPULAR ENTRE O POVO E A OFICIALIDADE: O CASO DA IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DA FREGUESIA SÃO JOSÉ

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

IRMANDADES NEGRAS: ESPAÇO DE LUTA, RESISTÊNCIA CULTURAL E PROTESTO RACIAL

IRMANDADES NEGRAS: ESPAÇO DE LUTA, RESISTÊNCIA CULTURAL E PROTESTO RACIAL IRMANDADES NEGRAS: ESPAÇO DE LUTA, RESISTÊNCIA CULTURAL E PROTESTO RACIAL Antonia A. Quintão 1 (Mackenzie/SP) Introdução O estudo do universo religioso dos africanos da diáspora, daqueles que foram arrancados

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 4. Igrejas e Irmandades

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 4. Igrejas e Irmandades 4. Igrejas e Irmandades A presença de africanos também pode ser identificada na prática da religião católica. Africanos de diversas procedências converteram-se, fundaram irmandades, participaram de festas

Leia mais

01- Hino de São Benedito - Entrada

01- Hino de São Benedito - Entrada 01- Hino de São Benedito - Entrada D G D Bm G D Ó glorioso padroeiro, ouve o canto, ouve a prece F# Bm E E7 A7 que nossa alma jubilosa, em tom forte te oferece G A7 G A7 D Salve, pois, São Benedito, honra

Leia mais

Os privilégios espirituais das ordens terceiras e o bem morrer : o caso dos mínimos de Vila Rica (1782-1808)

Os privilégios espirituais das ordens terceiras e o bem morrer : o caso dos mínimos de Vila Rica (1782-1808) Os privilégios espirituais das ordens terceiras e o bem morrer : o caso dos mínimos de Vila Rica (1782-1808) DANIEL PRECIOSO * Introdução Os rituais fúnebres ocupavam um lugar privilegiado entre as práticas

Leia mais

Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX. Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos

Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX. Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos Abstract This paper with the secularization of cemeteries in Brazil in the nineteenth century,

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Janeiro 01 Q Solenidade Santa Maria, Mãe de Deus 02 S 03 S 15h00 Reunião de Coordenação da Catequese 04 D Solenidade Epifania do Senhor

Leia mais

O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro

O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro João Victor Gonçalves Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro Jvferreira07@gmail.com Introdução O

Leia mais

ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS DA FESTA DE SÃO BARTOLOMEU EM MARAGOGIPE(1851-1943)

ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS DA FESTA DE SÃO BARTOLOMEU EM MARAGOGIPE(1851-1943) ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS DA FESTA DE SÃO BARTOLOMEU EM MARAGOGIPE(1851-1943) Palavras-chave: Festa, religiosidade, romanização Fernanda Reis dos Santos. Mestranda em História pela Universidade Federal

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes 2

Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes 2 DEVOÇÃO AO ROSÁRIO E FESTAS DE AFRICANOS NA ILHA : EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA DE POVOS AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO NO SÉCULO XIX Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Redes de solidariedade, associativismo e liberdade nas associações beneficentes negras do Rio de Janeiro no século XIX

Redes de solidariedade, associativismo e liberdade nas associações beneficentes negras do Rio de Janeiro no século XIX Redes de solidariedade, associativismo e liberdade nas associações beneficentes negras do Rio de Janeiro no século XIX CAMILA MENEGARDO MENDES * Durante o século XIX, as sociedades beneficentes ou de ajuda

Leia mais

Festas e devoção no período colonial mineiro - irmandades de negros e integração étnica Adriana Alice de Andrade Mesquita 1

Festas e devoção no período colonial mineiro - irmandades de negros e integração étnica Adriana Alice de Andrade Mesquita 1 Festas e devoção no período colonial mineiro - irmandades de negros e integração étnica Adriana Alice de Andrade Mesquita 1 Resumo No Brasil, a influência cultural do africano é bastante notória, razão

Leia mais

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014 Dia Dia da JANEIRO COM MARIA CONSTRUIR A PAZ 31 MISSA NA SÃO MATEUS 20H 01 Quarta SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS, MARIA/ MISSA NA CAPELA SANTO ANTONIO 10H 2 MISSA NA SÃO MATEUS 19H30 3 HORARIO NORMAL

Leia mais

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o 3 - Eucaristia O que é a Eucaristia? É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao seu regresso, confiando

Leia mais

SOBRE O CARÁTER EDUCATIVO DAS IRMANDADES NEGRAS NO BRASIL OITOCENTISTA

SOBRE O CARÁTER EDUCATIVO DAS IRMANDADES NEGRAS NO BRASIL OITOCENTISTA SOBRE O CARÁTER EDUCATIVO DAS IRMANDADES NEGRAS NO BRASIL OITOCENTISTA Itacir Marques da Luz 1 INTRODUÇÃO As diversas formas de organização coletiva empreendidas pela população negra no Brasil durante

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

10.4025/6cih.pphuem.460 Herdeiros de Cristo: reflexões sobre a participação de leigos na Ordem Terceira do Carmo de Minas Gerias.

10.4025/6cih.pphuem.460 Herdeiros de Cristo: reflexões sobre a participação de leigos na Ordem Terceira do Carmo de Minas Gerias. Herdeiros de Cristo: reflexões sobre a participação de leigos na Ordem Terceira do Carmo de Minas Gerias. Nívea Maria Leite Mendonça. Mestranda do PPG História da Universidade Federal de Juiz de Fora/MG

Leia mais

Próximo é uma palavra de amor, e significa que um homem sempre deveria estar perto, disponível, e pronto para ajudar em tempo de necessidade.

Próximo é uma palavra de amor, e significa que um homem sempre deveria estar perto, disponível, e pronto para ajudar em tempo de necessidade. OS PURITANOS E A AÇÃO SOCIAL Próximo é uma palavra de amor, e significa que um homem sempre deveria estar perto, disponível, e pronto para ajudar em tempo de necessidade. William Tyndale Leland Ryken Estudar

Leia mais

ORIGEM E SIGNIFICADO DA MISSA DE SÉTIMO DIA - VOCÊ CONHECE?

ORIGEM E SIGNIFICADO DA MISSA DE SÉTIMO DIA - VOCÊ CONHECE? ORIGEM E SIGNIFICADO DA MISSA DE SÉTIMO DIA - VOCÊ CONHECE? A FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA: A Igreja ensina que se deve rezar pelos mortos, para que se livrem, o quanto antes, das penas do purgatório (Não a culpa,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0702 LINGUAGEM E SOCIEDADE: O CEMITÉRIO DE PAQUETÁ DE SANTOS MARCELO

Leia mais

JESUS O RESSUSCITADOR DE SONHOS 7:11-15

JESUS O RESSUSCITADOR DE SONHOS 7:11-15 1 JESUS O RESSUSCITADOR DE SONHOS 7:11-15 Lucas Toda Judéia ficou sabendo da história sobre o filho da viúva de Naim. Naim, que em hebraico significa a bela, a graciosa, era uma aldeia construída próximo

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

Vilão, um congado de corte

Vilão, um congado de corte QUARTA FEIRA, 1 DE JULHO DE 2015 Vilão, um congado de corte (agradecimentos especiais ao Imperador do Divino José Cláudio Henriques, pelas fotos do grupo de Carmo da Mata gentilmente cedidas para esta

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 Município : Araçaí... Categoria... Tipo... Nome do Evento.: Festa de São Sebastião... Sigla... Local do Evento: Ginásio Poliesportivo Mineirinhos...Sigla...

Leia mais

A reunião de oração junto ao enfermo

A reunião de oração junto ao enfermo 23-25). O Evangelho nos fala como Jesus se compadecia, da comoção interior que sentia diante da dor humana. Jesus se fez famoso pela atenção aos enfermos. Feita a travessia, chegaram a Genesaré e atracaram.

Leia mais

DIA HORÁRIO ACONTECIMENTO

DIA HORÁRIO ACONTECIMENTO JUNHO DIA HORÁRIO ACONTECIMENTO 02 15 h Reunião dos padres da Forania Paróquia Nossa Senhora Medianeira e Santa Luzia 04 19 h Celebração solene de Corpus Christi 06 14 h Festival de pizza crisma 07 7 h

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Escolhendo o lugar mais Alto. " Então, Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

A FESTA DO ROSÁRIO: A ALEGORIA BARROCA E A RECONSTRUÇÃO DAS DIFERENÇAS *

A FESTA DO ROSÁRIO: A ALEGORIA BARROCA E A RECONSTRUÇÃO DAS DIFERENÇAS * A FESTA DO ROSÁRIO: A ALEGORIA BARROCA E A RECONSTRUÇÃO DAS DIFERENÇAS * Célia Maia Borges Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião. Universidade Federal de Juiz de

Leia mais

Revista de História, 4, 2 (2012), p. 165-171

Revista de História, 4, 2 (2012), p. 165-171 http://www.revistahistoria.ufba.br/2012_2/r01.pdf Edilece Souza Couto. Tempos de festas: homenagem a Santa Bárbara, Nossa Senhora da Conceição e Sant Ana em Salvador (1860-1940). Salvador, Edufba, 2010.

Leia mais

PONTUAÇÃO. 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo.

PONTUAÇÃO. 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo. EMPREGA-SE VÍRGULA: PONTUAÇÃO 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo. EX.: A moral legisla para o homem: o direito, para o cidadão. Adalberto estuda francês, e Osmar, Inglês. Uma flor, Quincas

Leia mais

SETE ATOS OFICIAIS QUE DECRETARAM A MARGINALIZAÇÃO DO POVO NO BRASIL Frei David Santos Ofm

SETE ATOS OFICIAIS QUE DECRETARAM A MARGINALIZAÇÃO DO POVO NO BRASIL Frei David Santos Ofm SETE ATOS OFICIAIS QUE DECRETARAM A MARGINALIZAÇÃO DO POVO NO BRASIL Frei David Santos Ofm INTRODUÇÃO A Lei 10.639 de março de 2003 desperta a comunidade negra para cobrar da sociedade brasileira e do

Leia mais

Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana

Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana Resenha HEYWOOD, Linda M.(org.) Diáspora negra no Brasil. (Tradução: Ingrind de Castro Vompean Fregonez, Thaís Crsitina Casson, Vera Lúcia Benedito). São Paulo: Contexto, 2008. Fabiana Schleumer 1 O livro

Leia mais

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a A religião popular na formação da identidade do brasileiro MARIO DE SOUZA MARTINS - UNICENTRO Introdução A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a Igreja Católica

Leia mais

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos TÂNIA SALGADO PIMENTA O objetivo deste trabalho é analisar essas relações ao longo do século XIX, considerando

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

ADMA Manique Bicesse. Projeto pastoral Ano 2014-2015

ADMA Manique Bicesse. Projeto pastoral Ano 2014-2015 ADMA Manique Bicesse Projeto pastoral Ano 2014-2015 Conselho Animador espiritual: Pe. Luciano Miguel Presidente: Mª dos Anjos Branco Vice-presidente: Mª Ana Martins Secretária: Adelaide Martins Tesoureiro:

Leia mais

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses...

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses... TUDO COMEÇOU... Muitas pessoas participaram pra que a igreja São José Operário existisse, no início a irmã Catarina saiu de casa em casa convidando os moradores do bairro pra participar de um culto dominical,

Leia mais

ABRO A PORTA À BONDADE DE DEUS

ABRO A PORTA À BONDADE DE DEUS ABRO A PORTA À BONDADE DE DEUS Caminhada do Advento e Natal 2015 DIOCESE DE AVEIRO INTRODUÇÃO Vivemos o Advento 2015 com o lema "ABRO A PORTA À BONDADE DE DEUS". Esta caminhada tem como pano de fundo a

Leia mais

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 Ao iniciar o novo ano de pastoral paroquial, aceitamos o desafio que nos é feito de continuarmos a nossa caminhada de cristãos atentos aos desafios de Deus e do

Leia mais

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL O 22º CONSINASEFE aprovou a reorganização do GT Gênero e Raça, criado no IX CONSINASEFE realizado em Florianópolis em 1996, agora com o nome de GT Gênero, Raça,

Leia mais

Orando Com... Página1

Orando Com... Página1 Orando Com... Página1 Página2 Conheça outros Livros do mesmo Autor: Nossa Senhora Aparecida Mãe do Céu Morena Fonte de Água Viva Santo Anjo do Senhor Meu Zeloso Guardador Verdades Sobre a Nova Era Conquistando

Leia mais

Centro Espírita Cabana de Oxóssi. Regimento Interno

Centro Espírita Cabana de Oxóssi. Regimento Interno Regimento Interno 1 Objetivos: O presente regimento interno dispõe sobre os objetivos de Organizar e orientar a conduta dos freqüentadores e trabalhadores, do Centro Espírita Cabana de Oxóssi (CECO). Deve

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

A música nas irmandades de Goiás

A música nas irmandades de Goiás A música nas irmandades de Goiás Marshal Gaioso Pinto* Resumo Irmandades desempenharam um papel fundamental no processo de fundação de Goiás. Enquanto na Europa e em outras regiões do Brasil o papel da

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia da Vila do Crato

Santa Casa da Misericórdia da Vila do Crato Regulamento 1. Intenção do concurso Design de um símbolo e/ou logótipo, de um cartaz e de um flyer de divulgação das comemorações dos 495 anos de existência da Instituição,. 2. Destinatários O presente

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II AGENDA O SOL DA LIBERDADE GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA TEU FUTURO ESPELHA ESSA GRANDEZA NOSSOS BOSQUES TÊM MAIS VIDA

ENSINO FUNDAMENTAL II AGENDA O SOL DA LIBERDADE GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA TEU FUTURO ESPELHA ESSA GRANDEZA NOSSOS BOSQUES TÊM MAIS VIDA ENSINO FUNDAMENTAL II AGENDA 2014 O SOL DA LIBERDADE GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA TEU FUTURO ESPELHA ESSA GRANDEZA NOSSOS BOSQUES TÊM MAIS VIDA CALENDÁRIO 2014 JANEIRO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

A ORIGEM BRANCA DA DEVOÇÃO NEGRA DO ROSÁRIO Paulo Henrique Silva Pacheco 1

A ORIGEM BRANCA DA DEVOÇÃO NEGRA DO ROSÁRIO Paulo Henrique Silva Pacheco 1 A ORIGEM BRANCA DA DEVOÇÃO NEGRA DO ROSÁRIO Paulo Henrique Silva Pacheco 1 Resumo: O artigo consiste no diálogo entre vários autores que investiram seus estudos no processo histórico da difusão do culto

Leia mais

A CONGADA EM CAIAPÔNIA: UMA MANIFESTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA

A CONGADA EM CAIAPÔNIA: UMA MANIFESTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA A CONGADA EM CAIAPÔNIA: UMA MANIFESTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA FREITAS, Madalena Dias Silva 1 Mestranda em História PUC/Goiás madalenafreitasf@hotmail.com RESUMO A festa do Congo mistura-se fé católica e

Leia mais

A ELITE DO SANTÍSSIMO DE VILA RICA NA SEGUNDA METADE DO SECÚLO XVIII

A ELITE DO SANTÍSSIMO DE VILA RICA NA SEGUNDA METADE DO SECÚLO XVIII A ELITE DO SANTÍSSIMO DE VILA RICA NA SEGUNDA METADE DO SECÚLO XVIII Monalisa Pavonne Oliveira 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: A Irmandade do Santíssimo Sacramento de Vila Rica era uma associação

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

Cremar ou Não Cremar? Embora adotada desde a antiguidade, a cremação ainda é tema polêmico na sociedade

Cremar ou Não Cremar? Embora adotada desde a antiguidade, a cremação ainda é tema polêmico na sociedade Cremação Cremar ou Não Cremar? Embora adotada desde a antiguidade, a cremação ainda é tema polêmico na sociedade ocidental, defendida por muitos e combatida pela opinião mais conservadora. Cremação é a

Leia mais

INVENTÁRIO DE FONTES DO ACERVO DE SANTO ANTÔNIO DO RIO DAS MORTES PEQUENO RIO DAS MORTES DISTRITO DE SÃO JOÃO DEL REI XVIII XX

INVENTÁRIO DE FONTES DO ACERVO DE SANTO ANTÔNIO DO RIO DAS MORTES PEQUENO RIO DAS MORTES DISTRITO DE SÃO JOÃO DEL REI XVIII XX ARQUIVO ECLESIÁSTICO DA DIOCESE DE SÃO JOÃO DEL REI INVENTÁRIO DE FONTES DO ACERVO DE SANTO ANTÔNIO DO RIO DAS MORTES PEQUENO RIO DAS MORTES DISTRITO DE SÃO JOÃO DEL REI XVIII XX BISPO DIOCESANO Revmo.

Leia mais

A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO E A RELIGIOSIDADE POPULAR EM ARAGUAÍNA TOCANTINS

A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO E A RELIGIOSIDADE POPULAR EM ARAGUAÍNA TOCANTINS A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO E A RELIGIOSIDADE POPULAR EM ARAGUAÍNA TOCANTINS Francisco de Assis Cruz da Silva* RESUMO: Este trabalho tem como objetivo trazer reflexões sobre a religiosidade popular

Leia mais

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto Formação de Acólitos GAPRT Grupo de Acólitos CORES LITÚRGICAS BRANCO VERMELHO VERDE ROXO ROSA AZUL BRANCO n n n n Tempo Pascal e Natal. Festas e memórias do Senhor (excepto no Domingo de Ramos e a Exaltação

Leia mais

Religiões Afro-Brasileiras

Religiões Afro-Brasileiras Religiões Afro-Brasileiras Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento

Leia mais

Pai. Deus. Espírito Santo. Filho

Pai. Deus. Espírito Santo. Filho Pai Deus Filho Espírito Santo Existe um único Deus que subsiste em três pessoas: O Pai, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis; O Filho, que foi concebido por obra do Espírito Santo, e nasceu

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

CALENDÁRIO DIOCESANO DIOCESE DO FUNCHAL

CALENDÁRIO DIOCESANO DIOCESE DO FUNCHAL CALENDÁRIO DIOCESANO DIOCESE DO FUNCHAL ANO PASTORAL 2015 2016 CALENDÁRIO DIOCESANO 2015-2016 SETEMBRO 2015 1 2 3 4 5 6 DOMINGO XXIII 7 8 9 10 11 12 13 DOMINGO XXIV 14 15 2 DIOCESE DO FUNCHAL 16 17 18

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO I SIMPÓSIO DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA

PROGRAMAÇÃO DO I SIMPÓSIO DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS PROGRAMAÇÃO DO I SIMPÓSIO DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA REGISTRO DOS PARTICIPANTES: 8:30/9:00 SAGUÃO

Leia mais

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 Solange Mouzinho Alves 1 Solange P. Rocha 2 Aos seis de abril de mil oitocentos trinta e três nesta Matriz de Nossa Senhora

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

Padre Michael Jarecki Sob o Manto de Nossa Senhora

Padre Michael Jarecki Sob o Manto de Nossa Senhora Padre Michael Jarecki Sob o Manto de Nossa Senhora A 22 de Outubro de 2012, talvez um dos mais leais seguidores de Nossa Senhora foi recebido na sua recompensa eterna, sob o manto da Bem-Aventurada Sempre

Leia mais

CALENDÁRIO PASTORAL 2014-2015

CALENDÁRIO PASTORAL 2014-2015 CALENDÁRIO PASTORAL 2014-2015 Setembro 2014 1 Seg 2 Ter 3 Qua 4 Qui 5 Sex 6 Sáb 7 Dom Domingo XXIII do T. C. 8 Seg 9 Ter 10 Qua 11 Qui 12 Sex 13 Sáb 14 Dom Domingo XXIV do T. C. 15 Seg 16 Ter 17 Qua 18

Leia mais

MÁSCARAS, FLORES E DIVINOS: A CULTURA MATERIAL DA FESTA DO ESPÍRITO SANTO DE PIRENÓPOLIS

MÁSCARAS, FLORES E DIVINOS: A CULTURA MATERIAL DA FESTA DO ESPÍRITO SANTO DE PIRENÓPOLIS MÁSCARAS, FLORES E DIVINOS: A CULTURA MATERIAL DA FESTA DO ESPÍRITO SANTO DE PIRENÓPOLIS AMANDA ALEXANDRE FERREIRA GERALDES A Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis é uma festa religiosa que acontece

Leia mais

Um ritual de passagem: o processo histórico do bem morrer

Um ritual de passagem: o processo histórico do bem morrer 1 Um ritual de passagem: o processo histórico do bem morrer Thiago Rodrigues Tavares * RESUMO: O presente artigo busca compreender as diferentes atitudes diante da morte e as formas de bem morrer no catolicismo

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO O Conselheiro Leonardo Caetano de Araújo, nasceu em Parada de Gatim, Vila Verde (Braga), a 11 de Maio de 1818, quatro anos antes da independência do Brasil, e faleceu com 85

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa)

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa) O coordenador nacional do Ministério de Música e Artes, Juninho Cassimiro, dá continuidade às cartas aos artistas de toda a RCC do Brasil. No artigo anterior, a reflexão foi sobre a humildade Aos moldes

Leia mais

27 de abril de 2014. 29 de abril de 2014. 1 de maio de 2014. 3 de maio de 2014. 4 de maio de 2014. domingo. terça-feira. quinta-feira. sábado.

27 de abril de 2014. 29 de abril de 2014. 1 de maio de 2014. 3 de maio de 2014. 4 de maio de 2014. domingo. terça-feira. quinta-feira. sábado. 27 de abril de 2014 00:00-00:00 Retiro em Preparação a Padroeira -- A definir Santa Rita de Cássia. Local a definir 05:00-23:00 Encontro Preciso de Você -- Escola E.J.C., na escola. 10:30-12:30 Primeira

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

O Culto a Santos Católicos e a Escravidão Africana na Bahia Colonial. Catholic Saints Cult and African Slavery in Colonial Bahia

O Culto a Santos Católicos e a Escravidão Africana na Bahia Colonial. Catholic Saints Cult and African Slavery in Colonial Bahia O Culto a Santos Católicos e a Escravidão Africana na Bahia Colonial Catholic Saints Cult and African Slavery in Colonial Bahia Tânia de Santana UNEB Correio eletrônico: tmpsantana@ig.com.br Resumo: Neste

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

De modo distinto das expressões culturais

De modo distinto das expressões culturais De modo distinto das expressões culturais anteriormente apresentadas, a Congada, ou Congo, particulariza-se por se apresentar como manifestação musical e dramática realizada em louvor a São Benedito, Nossa

Leia mais

Sumário Rosário de Nossa Senhora

Sumário Rosário de Nossa Senhora Sumário PRECES DIÁRIAS DO CRISTÃO... 13 1. Sinal da Cruz... 13 2. Pai-Nosso... 14 3. Ave-Maria... 15 4. Glória ao Pai... 16 5. Creio... 16 6. Invocação ao Espírito Santo... 17 7. Bênção contra a Tristeza...

Leia mais

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba.

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. Maria Aparecida Papali, Maria José Acedo del Olmo e Valéria Zanetti 1 É nas Vilas, sedes dos termos e das comarcas,

Leia mais

Tríduo Pascal - Ano C

Tríduo Pascal - Ano C 1 A celebração da Missa Vespertina da Ceia do Senhor inaugura o Sagrado Tríduo Pascal, o coração do ano litúrgico, no qual celebramos a morte, sepultura e a ressurreição de Jesus Cristo. Trata-se de um

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Calendário Paroquial 2014

Calendário Paroquial 2014 Calendário Paroquial 2014 JANEIRO 01/01 Santa Maria Mãe de Deus Dia Mundial da Paz 03/01 Reunião de avaliação e reflexão (Pastoral da Criança) 06/01 Epifania do Senhor 12/01 Batismo do Senhor 18/ 01 Assembléia

Leia mais

À espera da morte: testamentos e atitudes perante a morte (Santa Maria/1850-1900) *

À espera da morte: testamentos e atitudes perante a morte (Santa Maria/1850-1900) * À espera da morte: testamentos e atitudes perante a morte (Santa Maria/1850-1900) * Ana Paula Marquesini Flores ** Resumo Para uma análise das atitudes perante a morte na Vila de Santa Maria da Boca do

Leia mais

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3)

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) PÁU DA BANDEIRA Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE, Rua Monsenhor Salazar, 1004,

Leia mais

A MORTE É O CENTRO DAS ATENÇÕES: O REGIMENTO DO CEMITÉRIO EXTRAMUROS (1859)

A MORTE É O CENTRO DAS ATENÇÕES: O REGIMENTO DO CEMITÉRIO EXTRAMUROS (1859) A MORTE É O CENTRO DAS ATENÇÕES: O REGIMENTO DO CEMITÉRIO EXTRAMUROS (1859) LUIZ HENRIQUE TORRES * RESUMO Análise do primeiro Regimento do Cemitério Geral a cargo da Santa Casa de Misericórdia do Rio Grande

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

O JULGAMENTO DE CRISTO

O JULGAMENTO DE CRISTO Por Constantino Ferreira O JULGAMENTO DE CRISTO O julgamento de Cristo teve dois aspectos processados em seis partes, três religiosas e três civis, entre a uma e as sete horas. 1. Jesus foi interrogado

Leia mais