O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise."

Transcrição

1 2. METODOLOGIA O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise. 2.1 Objetivos Objetivo geral Este trabalho pretende, à luz da proposta de Harris (1999), sob o aparato teórico da Morfologia Distribuída, analisar e descrever o papel desempenhado pelas vogais átonas finais /o, a, e/, como morfemas de classe formal Objetivos específicos a) Identificar o número de classes formais não-verbais existentes no português brasileiro (PB); b) Investigar a constituição de cada uma das classes formais não-verbais do PB; c) Analisar os itens nominais do português, quanto à sua terminação, de acordo com a proposta de Harris; d) Verificar as diferentes interpretações da vogal átona final /e/ morfema de classe formal ou vogal epentética; e) Discutir o sistema de especificação de gênero, segundo o modelo da Morfologia Distribuída, aplicado aos vocábulos nominais do português; f) Examinar a formação do plural dos membros de classe formal.

2 Hipóteses Hipótese geral As vogais átonas finais /o/ e /a/ são morfemas de classe formal, ao passo que a vogal átona final /e/ se apresenta com dois papéis, morfema de classe formal ou vogal epentética Hipóteses específicas a) O PB possui, minimamente, três classes formais, terminadas em /o/, /a/ e /e/, respectivamente. b) A vogal átona final /e/, em português, como morfema de classe formal, é introduzida no componente morfológico da gramática, como os demais morfemas de classe formal. c) A vogal átona final /e/, como vogal epentética, é inserida no componente fonológico da gramática. d) As vogais /o/ e /a/ são morfemas de classe formal, independentemente de estarem correlacionadas ao gênero. e) O gênero é fator relevante para a atribuição de classe formal em geral. f) A presença do morfema de classe formal é fator indispensável para a boa-formação morfológica da palavra. g) As mudanças fonológicas acontecem através de operações morfológicas intituladas regras de reajustamento.

3 Organização dos dados Os dados a serem discutidos, no presente trabalho, não sofreram tratamento quantitativo, por ser esta tese de caráter estritamente teórico. Salienta-se, contudo, que as fontes consultadas a partir das quais se construíram as listas não-exaustivas de vocábulos nominais do português, subseqüentemente organizadas em diferentes classes formais, seguindo a proposta de Harris não foram poucas, nem pequeno foi o trabalho de checagem do material coletado nas diferentes obras, a fim de serem minimizadas as probabilidades de incorreções quando da constituição das relações de palavras. Essas listas, cujos dados são oriundos de fontes diversas, constituem o corpus ilustrativo da tese. Citam-se abaixo as obras mais utilizadas: a) dicionários eletrônico e convencional, Dicionário Aurélio Eletrônico (AE) - Século XXI, versão 3.0 (novembro de 1999), Minidicionário Luft (2000) e Dicionário Houaiss da língua portuguesa (2001); b) dicionários etimológicos, Antenor Nascentes (1955), José Pedro Machado (1977) e Antônio Geraldo da Cunha (2000); c) gramáticas históricas, Edwin B. Williams (1961), José Joaquim Nunes (1975), Ismael de Lima Coutinho (1976) e M. Said Ali (2001 [1921]). Optou-se, como marco inicial da pesquisa, pelo AE em função de seu mecanismo de busca ser extremamente rápido, permitindo assim a visualização dos dados em sua totalidade em curto espaço de tempo, além de obviamente ser o mais completo dicionário da língua portuguesa, quando do início desta pesquisa. Tal resultado seria inviável através de uma coleta tradicional, ou seja, via pesquisa nos dicionários convencionais da língua portuguesa, em virtude do tempo despendido para ser efetuada. É necessário observar, no entanto, que o material obtido através da busca eletrônica consistia não só dos vocábulos nominais não-derivados do português, portadores de uma das vogais átonas finais solicitadas, /o/, /a/, /e/, bem como os que, possuindo as mesmas terminações, apresentavam-nas tônicas, pois o dicionário não permitia tal seleção.

4 16 Esse fator tornou mais complexa a tarefa de coleta dos dados, em razão do grande número de vocábulos que tiveram de ser descartados. Assim, das listagens fornecidas pelo dicionário eletrônico foram manualmente separados os vocábulos com que se pretendia trabalhar. Desse trabalho, resultaram as primeiras listas de vocábulos nominais do português terminados nas vogais átonas /o, a, e/. Contudo, essas relações de palavras, por serem demasiado extensas, proporcionalmente ao tempo de que se dispunha para a elaboração do presente trabalho, necessitaram passar por reestruturações através do descarte de material, como vocábulos onomatopaicos, antropônimos, topônimos, entre outros, chegando-se desta feita a uma certa delimitação do corpus. Finda essa etapa, mas permanecendo a classificação dos vocábulos terminados na vogal final /e/, em número muito superior àquele com que se pretendia trabalhar, decidiu-se, mais uma vez, restringir o corpus. Este novo enxugamento de dados foi norteado pelo critério origem não-obscura, o qual só poderia ser rigorosamente seguido caso fossem utilizados dicionários etimológicos fidedignos (item b). E esta foi a tarefa empreendida para algumas centenas de vocábulos nominais terminados na vogal átona /e/. A fase seguinte foi marcada por consultas a gramáticas históricas (item c), com o objetivo de buscar mais informações acerca do papel desempenhado pela vogal átona final /e/ nos vocábulos nominais da língua portuguesa. Paralelamente a essa pesquisa, consultaram-se outros materiais em que pudessem constar vocábulos terminados na vogal /e/, os quais tivessem sido recentemente incorporados ao português, e cujo elencamento não integrasse o AE. Encontraram-se palavras que preenchiam os requisitos exigidos ao consultarem-se outros dois dicionários, o Minidicionário Luft (2000) e, com melhores resultados, o Dicionário Houaiss da língua portuguesa (2001) (ambos item a). Como última etapa, procedeu-se a uma checagem no Dicionário Houaiss da língua portuguesa de todo o material retirado do AE. Decidiu-se pela confrontação integral dos dados coletados ou seja, não só dos vocábulos acabados na vogal átona final /e/, mas, da mesma forma, daqueles terminados nas vogais átonas /o/ e /a/ em virtude de terem sido encontradas informações divergentes de uma obra para a outra, as quais eram relevantes para a análise do português brasileiro. Finalmente constituídas as referidas listas (Anexos), pode-se dar início à organização do corpus.

5 17 A figura (32), no capítulo 5, a partir da qual a presente análise se desenvolve, ilustra alguns membros integrados às cinco classes formais do português. A delimitação dos elementos integrantes desses agrupamentos formais decorre das propriedades morfológicas e fonológicas de que são portadores. 2.4 Método de análise Optou-se pela abordagem de Harris, em virtude de a sua descrição dos dados do espanhol ser a mais detalhada que se encontrou acerca do tema deste estudo, o papel desempenhado pelas vogais átonas finais /o, a, e/, nos vocábulos nominais do português do Brasil. Ademais, as contribuições oferecidas, em termos de análise, pelo modelo teórico da Morfologia Distribuída, são ainda inexploradas no que tange ao sistema do português do Brasil, pois não há estudos no campo da lingüística brasileira que possibilitem corroborar ou falsear as hipóteses levantadas por esta teoria.

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX PERÍODO: 76.1 / 77.2 I Unidade Estrutura e formação dos vocábulos 1.1 Estruturas mórficas 1.2 - Formação do léxico português 1.3 - Processos de formação de palavras II Unidade Funções sintáticas dos termos

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas e testes intermédios desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas e testes intermédios desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA PORTUGUÊS Novembro de 2016 Prova 639 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 4 Semestre:

Leia mais

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP Prova de Exame Nacional de Latim A Prova 732 2012 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspeção-Geral

Leia mais

ESTRUTURA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

ESTRUTURA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTRUTURA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O trabalho científico deverá ser organizado de acordo com a estrutura abaixo, NBR 14724/2006: capa; folha de rosto; verso da folha de rosto (ficha catalográfica)

Leia mais

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM Sumário Apresentação 11 Lista de abreviações 13 Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM O homem, a linguagem e o conhecimento ( 1-6) O processo da comunicação humana ( 7-11) Funções da

Leia mais

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia Língua Portuguesa Professoras: Fernanda e Danúzia Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO Espanhol Prova 15 / 2015 3 Ciclo do Ensino Básico INTRODUÇÃO O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER Questão 24 A questão 24 aborda sintaxe. O candidato deve identificar a frase em que o pronome oblíquo de 1ª pessoa me pode ser substituído pelo pronome de terceira pessoa lhe, noutras palavras, a frase

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol Maio de 2015 Prova 15 - Escrita 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) 1. Introdução O presente documento dá a conhecer

Leia mais

Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (nível de continuação) 2017 Prova 367 Escrita -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PORTUGUÊS 2016 Prova 61 I 2016 COMPONENTE ESCRITA ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, Despacho Normativo n.º 24-

Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, Despacho Normativo n.º 24- INFORMAÇÃO DE PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA Português ANO LETIVO 2012/2013 TIPO DE PROVA: Escrita CÓDIGO DA PROVA: 81 ANO: 9º Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de

Leia mais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais Língua Portuguesa Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais assuntos estudados. Quando falamos

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA. Parte I Descrição teórica

Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA. Parte I Descrição teórica Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA Parte I Descrição teórica Derivação e Composição Toda língua possui mecanismos ou processos para formar palavras novas.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física [polo UFRJ_Macaé]

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física [polo UFRJ_Macaé] Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física [polo UFRJ_Macaé] EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 183/2014 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO

Leia mais

Objeto de avaliação. ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

Objeto de avaliação. ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA de FRANCÊS (Equivalência à Frequência) FRANCÊS ABRIL de 2017 Prova 16 2017 ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação relativa à Prova

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 39 UFSC - Florianópolis

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 39 UFSC - Florianópolis Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Físicas e Matemáticas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 39 UFSC - Florianópolis EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-IES

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Português 2016 Prova 139 12.º Ano de escolaridade - Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos cursos de mestrado profissionalizante 2.ª chamada)

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos cursos de mestrado profissionalizante 2.ª chamada) INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA 2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos cursos de mestrado profissionalizante 2.ª chamada) CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO I. Leitura

Leia mais

Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno

Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos Prof. Bruno Moreno bruno.moreno@ifrn.edu.br Engenharia de Requisitos É, talvez, o maior problema da indústria de SW; Está relacionada

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

PORTUGUÊS. Prova 01/ º Ciclo do Ensino Básico

PORTUGUÊS. Prova 01/ º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PORTUGUÊS Prova 01/2016 1.º Ciclo do Ensino Básico O pres ent e docum ent o divulga i nform ação rel at iva à prova de equi val ênci a à frequênci a da di

Leia mais

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 Prova 358 2014 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTUDO DA CRÔNICA SEXA DE LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO Sexa. In: Comédias para se ler na escola. R. Janeiro: Objetiva, pg

ESTUDO DA CRÔNICA SEXA DE LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO Sexa. In: Comédias para se ler na escola. R. Janeiro: Objetiva, pg 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes DLET Curso de Licenciatura em Letras com a Língua Inglesa JOÃO BOSCO DA SILVA ESTUDO DA CRÔNICA SEXA DE LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Hospedagem Proeja FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PORTUGUÊS Objeto de avaliação. 2º Ciclo do Ensino Básico Ao abrigo do Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril

PORTUGUÊS Objeto de avaliação. 2º Ciclo do Ensino Básico Ao abrigo do Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril Agrupamento de Escolas Padre João Coelho Cabanita INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PORTUGUÊS 2016 Prova 61 2º Ciclo do Ensino Básico Ao abrigo do Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: Inglês (CÓDIGO 21) MAIO 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: Inglês (CÓDIGO 21) MAIO 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Escola Básica 2+3 de Santo António Escola Secundária Fernando Lopes Graça INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: Inglês (CÓDIGO 21) MAIO 2016 9.º ANO

Leia mais

ÍNDICE curso CAIXA. Edital Sistematizado CAIXA Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente CRONOGRAMA do Curso...

ÍNDICE curso CAIXA. Edital Sistematizado CAIXA Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente CRONOGRAMA do Curso... ÍNDICE curso CAIXA Edital Sistematizado CAIXA...02 Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente...03 CRONOGRAMA do Curso...03 MÓDULO 1: Acentuação e Ortografia...04 Acentuação...04 Questões...10

Leia mais

Curso de Línguas e Humanidades

Curso de Línguas e Humanidades ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Departamento de Línguas [Românicas e Clássicas] Docente: Luís Pinto Salema Prova Escrita de Latim A 10.º Ano de Escolaridade Curso de Línguas e Humanidades Informação

Leia mais

A pesquisa linguística em textos do português arcaico

A pesquisa linguística em textos do português arcaico A pesquisa linguística em textos do português arcaico Juliana Simões Fonte SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FONTE, JS. Rumores da escrita, vestígios do passado: uma interpretação fonológica

Leia mais

Modelo de formatação ENPEX 2017 (Resumo Expandido e Artigo Completo)

Modelo de formatação ENPEX 2017 (Resumo Expandido e Artigo Completo) Modelo de formatação ENPEX 2017 (Resumo Expandido e Artigo Completo) 1. Introdução O objetivo deste documento, fundamentado na norma de referência: ABNT NBR 14724:2011, é auxiliar os autores sobre o formato

Leia mais

Formatação de trabalhos acadêmicos. Segundo as normas da ABNT

Formatação de trabalhos acadêmicos. Segundo as normas da ABNT Formatação de trabalhos acadêmicos Segundo as normas da ABNT ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT/CB-001 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia ABNT/CB-005 - Comitê Brasileiro Automotivo

Leia mais

Informação n.º Data: (Republicação) Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com 3.

Informação n.º Data: (Republicação) Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com 3. Prova Final de Ciclo de Língua Portuguesa Prova 91 2012 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspeção-Geral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO. Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO. Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português Data: 1ª FASE e 2ª FASE 1º Ciclo - 2015/2016 Prova Escrita e Prova Oral

Leia mais

MATTOSO CÂMARA E AS MARCAS DE GÊNERO Dimar Silva de Deus (UNIPAULISTANA)

MATTOSO CÂMARA E AS MARCAS DE GÊNERO Dimar Silva de Deus (UNIPAULISTANA) MORFOSSINTAXE MATTOSO CÂMARA E AS MARCAS DE GÊNERO Dimar Silva de Deus (UNIPAULISTANA) dimmar@gmail.com INTRODUÇÃO Este estudo tem o objetivo de esboçar a visão que Joaquim Mattoso Câmara Júnior tem sobre

Leia mais

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA Jessé Pantoja SERRÃO (G-UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) 120 Resumo Este artigo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE MATER CHRISTI

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE MATER CHRISTI VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE MATER CHRISTI DATA DO EVENTO: 31 de maio e 01 de junho de 2016 INSCRIÇÕES: Na Central de atendimento de 29 de março a 30 de maio de 2016. INVESTIMENTO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1 Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Ensino Técnico Código: 059 Município: Casa Branca Área Profissional: Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil (aprovado pela CC do MEC em 11 de Março de ) (aprovado pela CCP do DECivil em 7 de Junho de ) Generalidades

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Cargo: M01 - ALUNO SOLDADO DO QUADRO DE PRAÇAS - COMBATENTES - MASCULINO Disciplina: Língua Portuguesa. Conclusão (Deferido ou Indeferido)

Cargo: M01 - ALUNO SOLDADO DO QUADRO DE PRAÇAS - COMBATENTES - MASCULINO Disciplina: Língua Portuguesa. Conclusão (Deferido ou Indeferido) Cargo: M01 - ALUNO SOLDADO DO QUADRO DE PRAÇAS - COMBATENTES - MASCULINO Disciplina: Língua Portuguesa Questão Gabarito por extenso Justificativa 1 2 À banalização do uso da câmera do aparelho celular

Leia mais

Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional do Ensino Secundário

Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional do Ensino Secundário Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional do Ensino Secundário Informação Exame de Espanhol 2017 11º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) NÍVEL DE CONTINUAÇÃO BIENAL

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Prova 368 2016 10.º e 11.º Anos de Escolaridade (Continuação) O presente documento visa divulgar informação relativa à prova de Equivalência à Frequência,

Leia mais

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º ANO DURAÇÃO DO EXAME: 120 minutos TOLERÂNCIA: 30 minutos INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 DISCIPLINA:

Leia mais

DISCIPLINA: PORTUGUÊS CÓDIGO DA PROVA: 61. Ensino Básico: 2.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 6.º

DISCIPLINA: PORTUGUÊS CÓDIGO DA PROVA: 61. Ensino Básico: 2.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 6.º DISCIPLINA: PORTUGUÊS CÓDIGO DA PROVA: 61 Ensino Básico: 2.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 6.º O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2.º Ciclo da disciplina

Leia mais

Português maio de 2017

Português maio de 2017 Agrupamento de Escolas Engº Fernando Pinto de Oliveira INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Português maio de 2017 Prova 61 2017 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de

Leia mais

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP Prova de Exame Nacional de Português (Alunos com deficiência auditiva de grau severo ou profundo) Prova 239 2012 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Para: Direção-Geral de

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 2º Ciclo, apresentam quatro características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 2º Ciclo, apresentam quatro características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS _5º ANO_A Ano Letivo: 20/207. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

PROVA AFERIÇÃO. 8.º Ano. Português

PROVA AFERIÇÃO. 8.º Ano. Português PROVA DE 2017 AFERIÇÃO 8 8.º Ano Português Índice Prova 1 4 Prova 2 12 Prova 3 20 Prova 4 28 Prova 5 36 Prova 6 44 Transcrição dos textos orais 52 Propostas de resolução 59 ISBN 978-989-767-205-7 2 PROVA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 Prova 16 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Português º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 81. Objeto de avaliação. Caracterização da prova

Português º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 81. Objeto de avaliação. Caracterização da prova INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO - A NÍVEL DE ESCOLA Português 2016 Prova 81 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Informação Prova Final a Nível de Escola

Informação Prova Final a Nível de Escola ESCOLA E.B. 2,3 DE MARCO DE CANAVESES Informação Prova Final a Nível de Escola Português - 2º Ciclo 51 1. Introdução Ano Letivo 2014/2015 Prova Escrita abril 2015 O presente documento divulga informação

Leia mais

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo Escola Secundária Poeta António Aleixo CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2016 / 2017 Departamento de Línguas - Grupo 300 Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2017 FRANCÊS Prova 16 3º Ciclo do Ensino Básico / 9º Ano (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova escrita 1. INTRODUÇÃO O presente documento divulga

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Dados de Identificação. Ementa. Objetivos

PLANO DE ENSINO. Dados de Identificação. Ementa. Objetivos PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Campus: Jaguarão Curso: Letras - Português Componente Curricular: JLEAD004 - Estudos Gramaticais I Código: 41094 Pré-requisito(s): Não se aplica Docentes: Denise

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS - Prova escrita e oral 2016 Prova 16. 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2017 FRANCÊS 3º Ciclo do Ensino Básico / 9º Ano (Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) Prova 16- NE Prova escrita 1. INTRODUÇÃO O presente documento divulga

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Português 2017

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Português 2017 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Português 2017 Prova 91 3º Ciclo/ 9º Ano de escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de

Leia mais

Passo a Passo para Julgamento de Pregões Eletrônicos

Passo a Passo para Julgamento de Pregões Eletrônicos Passo a Passo para de Pregões Eletrônicos º O responsável pelo pedido de compras será convocado,via memorando no SEI (Sistema Eletrônico de Informações), para julgar os itens solicitados, e terá o prazo

Leia mais

Informação - Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional

Informação - Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional Informação - Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2016 10º e 11º Anos de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de

Leia mais

Programa de Português 3º Ano

Programa de Português 3º Ano Programa de Português 3º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. AE/ENA com ensino secundário CIREP

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. AE/ENA com ensino secundário CIREP Prova de Exame Nacional de Espanhol Prova 547 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Secretaria

Leia mais

Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades. PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum

Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades. PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum Direção de Serviços da Região Norte Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum 1. Informação O presente documento visa

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês 2015 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova final do 2.º Ciclo da disciplina de Inglês, a realizar em 2015,

Leia mais

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO)

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) 847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) FORMAÇÃO ESPECÍFICA 1ª/2ª FASE 1.INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características do Exame de Espanhol a nível de escola a realizar em

Leia mais

PORTUGUÊS 3º ANO março de 2015

PORTUGUÊS 3º ANO março de 2015 MATRIZ DA PROVA DE AVALIAÇÃO INTERNA PORTUGUÊS 3º ANO março de 2015 5 Páginas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar informação relativa à prova de avaliação interna

Leia mais

ESPANHOL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

ESPANHOL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL Prova 15 2014 Tipo de prova: Escrita / Oral 1ª e 2ª Fases 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO. Departamento de 1º Ciclo. Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO. 4º ANO DISCIPLINA: Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO. Departamento de 1º Ciclo. Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO. 4º ANO DISCIPLINA: Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO Departamento de 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 4º ANO DISCIPLINA: Português PERÍODO 1º *Oralidade Interação discursiva >Princípio de cortesia;

Leia mais

Engenheiros de software (algumas vezes conhecidos no mundo da TI como engenheiros de sistemas ou analistas ) e outros interessados no projeto

Engenheiros de software (algumas vezes conhecidos no mundo da TI como engenheiros de sistemas ou analistas ) e outros interessados no projeto ... definem tarefas que levam a um entendimento de qual ser ao impacto do software sobre o negócio, o que o cliente quer e como os usuários finais irão interagir com o software. (Pressman, 2011) Prof.

Leia mais

Informação - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Informação - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Informação - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (nível de continuação) 2017 Prova 358 Escrita -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS 2177 O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS Juliana Camargo Zani USP Introdução O objetivo do presente trabalho é verificar o papel do morfema no bloqueio e/ou alçamento das vogais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº Informação-Prova Final a Nível de Escola de Português Prova 61 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2.º ciclo do ensino

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2016-2017 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. Capa 2. Índice 3. Introdução teórica 4. Objetivos 5. Material 6. Metodologia 7. Resultados

Leia mais

DISCIPLINA ESPANHOL (CONTINUAÇÃO)

DISCIPLINA ESPANHOL (CONTINUAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR - O - NOVO INFORMAÇÃO PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL DISCIPLINA ESPANHOL (CONTINUAÇÃO) PROVA 847/2016 11º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase Critérios de Classificação 12 Páginas 2016 Prova

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015 Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA. do PORTUGUÊS ORAL. de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS:

INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA. do PORTUGUÊS ORAL. de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS: INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA do PORTUGUÊS ORAL de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS: PROBLEMAS E APLICAÇÕES Perpétua Gonçalves e Christopher Stroud Cadernos

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

2.Objeto de avaliação. Agrupamento de Escolas de Mem Martins. Informação n.º /2014. Prova 721/ 2014 INFORMAÇÃO EXAME FINAL DE ESCOLA:

2.Objeto de avaliação. Agrupamento de Escolas de Mem Martins. Informação n.º /2014. Prova 721/ 2014 INFORMAÇÃO EXAME FINAL DE ESCOLA: Agrupamento de Escolas de Mem Martins Informação n.º /2014 Prova 721/ 2014 INFORMAÇÃO EXAME FINAL DE ESCOLA: ESPANHOL (Iniciação) 11º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento divulga informação

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFAL N O 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

Informação Exame a Nível de Escola

Informação Exame a Nível de Escola Informação Exame a Nível de Escola Disciplina Prova 847 2014 ESPANHOL (CONT) 11ºANO Ensino Secundário Tipo de Prova Duração Escrita 120 minutos +30 minutos O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA )

DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA ) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA ) PROVA 21/2016 9º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, republicado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

Versão 1 COTAÇÕES GRUPO I

Versão 1 COTAÇÕES GRUPO I Teste Intermédio de Língua Portuguesa Versão 1 Teste Intermédio Língua Portuguesa Duração do Teste: 45 minutos 28.01.2010 9.º Ano de Escolaridade Decreto Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro COTAÇÕES GRUPO

Leia mais

INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA

INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA Luísa Nascimento Oliveira José Emílio dos Santos Filho Jouber de Lima Lessa MANUAL DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ORÇAMENTO AOS

Leia mais

Parte A - Caraterização da Infraestrutura de Investigação

Parte A - Caraterização da Infraestrutura de Investigação Formulário de participação no Concurso público para a criação de um Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação de Interesse Estratégico Parte A - Caraterização da Infraestrutura de Investigação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF)

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 342/2016 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

CAPA (elemento obrigatório) Deve conter dados que identifiquem a obra (nome da instituição, autor, título, local, ano).

CAPA (elemento obrigatório) Deve conter dados que identifiquem a obra (nome da instituição, autor, título, local, ano). ESTRUTURA DO PROJETO DE TCC O trabalho científico deverá ser organizado de acordo com a estrutura abaixo, NBR 14724/2006: capa; folha de rosto; verso da folha de rosto (ficha catalográfica) folha de aprovação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Inglês Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5

Leia mais

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE - 2013 2º ANO A Leitura de textos instrucionais; Percepção de que o gênero é organizado em duas partes: lista de materiais e modo de fazer; Reconhecimento da importância

Leia mais