A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES"

Transcrição

1 A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES Letícia Cotosck Vargas (PUCRS/PIBIC- CNPq 1 ) 1. INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem por objetivo examinar um dos processos de sândi externo verificados no português brasileiro. Trata-se da regra variável de elisão, desencadeada, assim como as regras de ditongação e degeminação, pela rejeição à seqüência imediata de dois núcleos silábicos de vocábulos diferentes (cf. Bisol, 1996, 2, 22). Considerou-se especificamente a elisão da vogal /o/ quando em final de vocábulo seguido de outro vocábulo terminado por vogal de qualidade distinta. São ocorrências de elisão da vogal /o/: Quando ele ([k w a)èdeli]) faleceu não recebemos mais nada... (Entrevista no 18, linha 293) Eu ando até ([a)daète]) doente. (Entrevista no 16, linha 655) Tempo de guerra tudo é ([tuède]) perigo. (Entrevista no 6, linha 86) Tal estudo foi realizado com base nos pressupostos teóricos e metodológicos da Teoria da Variação Lingüística (Labov, 1972, 1994) cujo objeto de estudo é a heterogeneidade lingüística e sua possível sistematização. Desse modo busca-se o vernáculo, ou seja, a língua falada em situação natural de comunicação, presente, em especial, nas narrativas de experiência pessoal ( Tarallo, 1986, p. 88). A amostra utilizada na pesquisa em questão é parte do banco de dados do VARSUL (Variação Lingüística Urbana na Região Sul) e refere-se ao português falado na cidade de Florianópolis-SC. 2. METODOLOGIA As etapas iniciais da pesquisa foram levantamento das ocorrências nas quais havia possibilidade de elisão especificamente da vogal /o/ em fronteira de palavra, considerando-se a amostra referente à cidade de Florianópolis, Santa Catarina e transcrição fonética das ocorrências acima descritas. Após foi realizada a codificação dos dados e a quantificação com o auxílio do pacote de programas Varbrul 2S; análise dos resultados obtidos. Considerando-se a metodologia referente à Teoria da Variação, modelo laboviano, foi identificada a variável dependente da pesquisa como sendo o sândi externo. As variantes que compõem o fenômeno variável em estudo são elisão (EL), ditongação e hiato. Seguem os exemplos: Elisão: Eu mandei convite só para ele participar porque para mim era muito importante ([mujâ tiâporètaâti]), né? (Entrevista no 2, linha 432) Ditongação: E agora já não fazem mais nada como era. ([koèmwerœ]), né? (Entrevista no 8, linha 127) Hiato: Sim, após o quinto ano ([kiâtuèaânu]). (Entrevista no 2, linha 21) As variáveis independentes que compõe o fenômeno variável são as lingüísticas Contexto Precedente, Qualidade da Vogal Seguinte, Acento da Vogal /o/, Acento da Vogal Seguinte e Léxico e as sociais, Faixa Etária, Sexo e Escolaridade. Verificou-se, na amostra analisada, referente à capital Florianópolis, Santa Catarina, um total de 3.38 ocorrências de sândi externo. A elisão surge com aplicação de 2%. A seguir, são apresentados os resultados obtidos para as variáveis Léxico, Faixa Etária, Qualidade da Vogal Seguinte, Acento da Vogal [o] e Sexo, selecionadas como estatisticamente relevantes pelo programa Varb2. 3. RESULTADOS 1 * O presente trabalho foi realizado como apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq Brasil.

2 A variável Léxico foi a primeira variável selecionada pelo programa Varbrul 2S, conforme gráfico a seguir. O fator que apresentou o peso relativo mais alto foi o fator Palavra funcional 2 com acento + Palavra lexical 3, com 9 e o fator que apresentou o peso relativo mais baixo foi o Palavra Lexical + Palavra Funcional sem Acento, com,31. Os fatores Palavra Funcional com Acento + Palavra Funcional com Acento e Palavra Funcional com Acento + Palavra Funcional sem Acento com pesos relativos de 4 e 5, respectivamente, também se encontram acima do ponto neutro (). Gráfico 1 - Elisão da Vogal /o/: Léxico,7,3,2,1 clit - fa clit - lex fa - clit fa - fa fa - lex lex - clit lex - fa lex - lex São exemplos de ocorrências da amostra: - Palavra Funcional com acento + Palavra Lexical: mesmo assim ([ m e s m w a Ès i )j ) ]) (Florianópolis 2, linha 624) - Palavra Funcional com Acento + Palavra Funcional com Acento: aquilo ali ([ a k i l w a Èl i ]) (Florianópolis 24, linha 1126) - Palavra Funcional com Acento + Palavra Funcional sem Acento: tudo as ([ t u d u a s ]) (Florianópolis 1, linha 775) - Palavra Lexical + Palavra Lexical: tempo era ([ te)èpwerœ ]) (Florianópolis 12, linha 931) 2 Palavras funcionais são os morfemas de significação interna. Constituem classes fechadas, tendo número definido e restrito. Segundo a classificação de Cunha e Cintra (21), são elas:artigos, pronomes, numerais, preposições, conjunções, a maioria dos advérbios e as formas indicadoras de número, tempo, gênero, modo ou aspecto verbal. 3 Palavras lexicais são os morfemas de significação externa, extralingüística. Constituem classes abertas, passíveis de serem acrescidas de novos elementos. Segundo a classificação de Cunha e Cintra (21), são elas: substantivos, adjetivos, verbos e advérbios de modo.

3 - Palavra Lexical + Palavra Funcional com Acento: mundo agora ([ m u ) Èd w a g r Œ ]) (Florianópolis 8, linha 286) - Palavra Lexical + Palavra Funcional sem Acento: mesmo e ([ m e j S m u i ]) (Florianópolis 15, linha 94) A hipótese era a de que o melhor contexto para a aplicação da regra de elisão é aquele que envolve uma seqüência de clíticos. Os resultados mostram que os pesos relativos que indicam favorecimento são aqueles que envolvem uma seqüência iniciada por palavras funcionais com acento. A vogal /o/ tende a ser apagada quando parte de uma palavra funcional com acento seguida de uma palavra lexical, fato que não corrobora a hipótese. A variável Faixa Etária foi a segunda variável selecionada pelo programa Varbrul 2S. O fator que apresentou o peso relativo mais alto foi o fator 25-4 anos, com 3, e o fator que apresentou o peso relativo mais baixo foi o fator 41-6 anos, com 3. A faixa referente aos idosos, 61 anos +, encontra-se ao redor do ponto neutro, com peso relativo de 9. O gráfico a seguir apresenta os resultados. Gráfico 2 Elisão da Vogal /o/: Variável Faixa Etária,7,3,2, A hipótese era a de que a elisão caracteriza-se como uma regra em situação de variação estável. No entanto, a faixa mais jovem apresentou favorecimento à produção de elisão, o que parece indicar que, apesar da baixa aplicação, a regra em foco mostra-se crescente no dialeto florianopolitano. A variável Qualidade da Vogal Seguinte foi a terceira variável selecionada pelo programa Varbrul 2S. O gráfico 3 a seguir indica que o fator que apresentou o peso relativo mais alto foi o fator [ u) ], com,89, e o fator que apresentou o peso relativo mais baixo foi o fator [ i, j, iâ, jâ ], com,35.

4 Gráfico 3 Elisão da Vogal /o/: Variável Qualidade da Vogal Seguinte Vogal alta posterior arredondada nasal,9,8,7,3,2,1 Vogal média-baixa anterior não-arredondada Vogais média-alta anterior não-arredondada e média anterior não arredondada nasal Vogaisbaixa nãoarredondada e baixa nãoarredondada nasal Vogais alta anterior nãoarredondada e alta anterior não-arredondada nasal e Glides nasal e não nasal São exemplos de ocorrência da amostra em exame: - Vogal Seguinte [ u) ] (EL) tenho uma ([ t e) ø u) m Œ ]) (Florianópolis 8, linha 196) - Vogal Seguinte [ E ] marido era ([ m a R i Èd w E r Œ ]) (Florianópolis 8, linha 148) - Vogal Seguinte [ e ] como ele ([ k o m w e l I ]) (Florianópolis 2, linha 598) - Vogal Seguinte [ e) ] falando em ([ f a l a) d u e) j )]) (Florianópolis 19, linha 112) - Vogal Seguinte [ a ] combinado assim ([ k o) b i n a d a s iâ jâ ]) (Florianópolis 24, linha 1216) (EL) - Vogal Seguinte [ ã ] dezoito anos ([ d Z i z o j t u a) n u s ]) (Florianópolis 19, linha 1222) - Vogal Seguinte [ i ] lendo isso ([ l e) d u i s u ]) (Florianópolis 1, linha 153)

5 - Vogal Seguinte [ j ] no Estreito ([ n u j s t R e j t u ]) (Florianópolis 19, linha 185) - Vogal Seguinte [ iâ ] pertinho então ([ p E R t S i ø u iâ t a)w) ]) (Florianópolis 1, linha 18) - Vogal Seguinte [ jâ ] lado ainda ([ l a d u jâ d Œ ]) (Florianópolis 24, linha 911) A hipótese era a de que os hiatos formados por vogais que compartilham traços tendem a favorecer a elisão de /o/. Esperava-se que a vogal labial em contexto seguinte favorecesse a elisão. A hipótese foi confirmada, embora a quantidade de dados do fator [ u) ] seja bem menor do que o número total de dados (3/3.379). Também atuam como favorecedoras à regra de elisão da vogal /o/ as vogais coronais [e ] [E ] e [i ], com pesos relativos de 7,,77 e,35, respectivamente. A variável Acento da V1, [ o ], foi a quarta variável selecionada pelo programa Varbrul 2S. O fator que apresentou o peso relativo mais alto foi o fator Átona, com 9. O fator Acento Primário encontra-se abaixo do ponto neutro, apresentando peso relativo de,3. o gráfico 4 a seguir apresenta os resultados obtidos. Gráfico 4 Elisão da Vogal /o/: Acento da Vogal /o/,2 Átono Primário São exemplos dos fatores em questão: - Vogal /o/ átona: pensando ainda ([peâsaâdaèiâdœ]) (Florianópolis 2, linha 1358) (EL) - Vogal /o/ com acento primário: como é ([koème]) (Florianópolis 24, linha 2) (EL)

6 A variável Sexo foi a quinta variável selecionada pelo programa Varbrul 2S. Conforme gráfico 5 nota-se que o fator que apresentou o peso relativo mais alto foi o fator Masculino, com 3. O fator Feminino encontra-se abaixo do ponto neutro, apresentando peso relativo de 7. Gráfico 5 Elisão da Vogal /o/: Variável Sexo Masculino Feminino Sumariando, tem-se que, na pesquisa intitulada A Elisão da Vogal /o/ em Florianópolis-SC, foram encontradas 3.38 ocorrências em que há possibilidade de elisão da vogal /o/. Nessas, a elisão aparece com 2% de aplicação. O programa Varbrul 2S selecionou como condicionadoras lingüísticas as variáveis Léxico, Qualidade da Vogal Seguinte e Acento da Vogal /o/ e como condicionadoras sociais as variáveis Sexo e Faixa Etária. Os fatores que apresentaram pesos relativos mais altos, indicando favorecimento à regra de elisão foram: os lingüisticos Vogal Seguinte [ u) ], (,89); Vogal /o/ Átona, (9); Palavra Funcional com acento + Palavra Lexical, (9); e as extralingüísticas Sexo Masculino, (3) e Faixa Etária de 25 4 anos (3). REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BISOL, Leda. Sândi externo: o processo e a variação. In: Kato, Mary (org.). Gramática do português falado. 3. ed. Campinas : UNICAMP Ed., BISOL, Leda (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 3. ed. Porto Alegre : EDIPUCRS Ed., 21. BISOL, Leda. A degeminação e a elisão no VARSUL. In: BISOL, Leda e BRESCANCINI, Cláudia (org.). Fonologia e variação: recortes do português brasileiro. 1. ed. Porto Alegre : EDIPUCRS Ed., 22. CUNHA, Celso. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. rev. Rio de Janeiro : Nova Fronteira Ed., 21. LABOV, W. The study of language in its social context. Sociolinguistics Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolingüística. 7.ed. São Paulo : Ática Ed., 1986.

7

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO VARIAÇÃO DITONGO/HIATO Viviane Sampaio 1 1 Introdução Este estudo é parte integrante do projeto Epêntese Consonantal Regular e Irregular da prof. Dr. Leda Bisol 2 que trata das consoantes e do glide. Contudo,

Leia mais

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (FAPESP 06/59141-9) Orientadora: Profa. Dra. Luciani Ester Tenani UNESP Câmpus

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM Sumário Apresentação 11 Lista de abreviações 13 Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM O homem, a linguagem e o conhecimento ( 1-6) O processo da comunicação humana ( 7-11) Funções da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo.

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo. A REDUÇÃO DO DITONGO ORAL FINAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA Dúnnia HAMDAN Universidade Federal de Uberlândia hamdan.dunnia@gmail.com RESUMO: O presente projeto visa estudar a variação ocorrente em ditongos

Leia mais

INTRODUÇÃO É fato historicamente documentado na língua portuguesa que as palavras sofrem modificações fonéticas por influência de outras com que estão

INTRODUÇÃO É fato historicamente documentado na língua portuguesa que as palavras sofrem modificações fonéticas por influência de outras com que estão A elisão da vogal média [e] no Sul do país: uma regra variável The elision of the middle vowel [e] in the South of the country: a variable standard Cláudia Soares Barbosa Resumo Este trabalho analisa a

Leia mais

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953)

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953) VARIAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS PRÉ-TÔNICAS NO FALAR DE BELO HORIZONTE: UM ESTUDO EM TEMPO APARENTE Amanda Felicori de Carvalho e Maria do Carmo Viegas Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 4 Semestre:

Leia mais

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG 1 O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG Dayana Rúbia CARNEIRO 1 Universidade Federal de Uberlândia day_carneiro@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho consiste

Leia mais

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15 Capítulo1 Capítulo2 A LÍNGUA E A LINGUAGEM............................................. 9 Linguagem: aptidão inata.............................................. 10 Funções.............................................................

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL THE RISING OF THE MIDDLE UNSTRESSED VOWELS /E/ AND /O/ WITHOUT APPARENT MOTIVATION: A STUDY IN REAL TIME

Leia mais

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ *

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * Rodriana Dias Coelho Costa 1 Christiane Cunha de Oliveira 2 Faculdade de Letras/UFG rodrianacosta@gmail.com christiane.de.oliveira@hotmail.com

Leia mais

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem.

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem. HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS 1ª Série 6LET063 LINGUAGEM COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA Linguagem como manifestação artística, considerando os procedimentos sócio-históricos e culturais.

Leia mais

ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO DE VAGA PARA CANDIDATO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA

ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO DE VAGA PARA CANDIDATO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA 16 ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO DE VAGA PARA CANDIDATO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA O(A) candidato(a), CPF n., candidato(a) ao Concurso para preenchimento de vagas no cargo, regido pelo Edital n. 001/2011

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS Márcio Palácios de Carvalho¹; Elza Sabino da Silva Bueno². ¹Aluno do 4º ano do Curso de Letras Português/Espanhol.

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (UNESP/IBILCE) 1 Resumo: O presente artigo objetiva descrever e analisar o comportamento

Leia mais

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX PERÍODO: 76.1 / 77.2 I Unidade Estrutura e formação dos vocábulos 1.1 Estruturas mórficas 1.2 - Formação do léxico português 1.3 - Processos de formação de palavras II Unidade Funções sintáticas dos termos

Leia mais

Antes de iniciar as respostas, faça uma leitura completa da avaliação. Lembre-se:

Antes de iniciar as respostas, faça uma leitura completa da avaliação. Lembre-se: 9º Rasuras serão consideradas erro! Não use corretivo! Não abrevie palavras! Utilize apenas caneta de tinta azul ou preta! Responda ao que foi solicitado de forma coerente e coesa. Boa Sorte! Dar o conceito

Leia mais

índice geral Prefácio, X/77

índice geral Prefácio, X/77 índice geral Prefácio, X/77 Capítulo I CONCEITOS GERAIS, / Linguagem, língua, discurso, estilo / Língua e sociedade: variação e conservação linguística, 2 Diversidade geográfica da língua: dialecto e falar,

Leia mais

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1.

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1. QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. ¹FaE (FAPERGS)UFPel,luisagrassi@hotmail.com;²PPGE-FaE/UFPel,ramil@ufpel.tc

Leia mais

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana ELYNE GISELLE DE SANTANA LIMA AGUIAR VITÓRIO Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Letras

Leia mais

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS 2177 O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS Juliana Camargo Zani USP Introdução O objetivo do presente trabalho é verificar o papel do morfema no bloqueio e/ou alçamento das vogais

Leia mais

A redução do gerúndio à luz da Fonologia Lexical

A redução do gerúndio à luz da Fonologia Lexical A redução do gerúndio à luz da Fonologia Lexical (The reduction of the gerund by the Lexical Phonology) Jesuelem Salvani Ferreira 1 e Luciani Tenani 2 1, 2 Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20 DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA - 2014 UNIDADES DIDÁTICAS HORAS PÁGINA I. A SELEÇÃO VOCABULAR: CRITÉRIOS E APLICAÇÕES II. GRAMÁTICA DE TEXTO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 10 10-03 05 06 TOTAL 20 Plano de Disciplinas

Leia mais

..AASsrâT" ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA. O Português Arcaico. Uma Aproximação. Vol. I Léxico e morfologia

..AASsrâT ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA. O Português Arcaico. Uma Aproximação. Vol. I Léxico e morfologia ..AASsrâT" ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA O Português Arcaico Uma Aproximação Vol. I Léxico e morfologia Imprensa Nacional-Casa da Moeda Lisboa 2008 ÍNDICE GERAL Abreviaturas, convenções e alfabeto fonético

Leia mais

TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba.

TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba. TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba. ANO DE INÍCIO: 2010 NOME DO BOLSISTA: Thamiris Abrão Borralho.

Leia mais

A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA. Albertina Rossi

A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA. Albertina Rossi A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA LEXICAL NA FALA DE DESCENDENTES ITALIANOS DAS CIDADES SULINAS CHAPECÓ/ SC E FLORES DA CUNHA/ RS Albertina Rossi Introdução Este trabalho se insere

Leia mais

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Variação linguística e práticas pedagógicas nº 51, p. 261-268 261 O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. 132 p. 1 Ivanete Mileski A variação

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

Escrita (expressiva e lúdica) Texto narrativo Texto poético Texto descritivo Texto instrucional

Escrita (expressiva e lúdica) Texto narrativo Texto poético Texto descritivo Texto instrucional Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Língua Portuguesa 6º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO CONTEÚDOS Expressão Oral Exposição oral Texto oral Leitura expressiva Leitura coral Dramatização de

Leia mais

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Cláudia BRESCANCINI (PUCRS) Valéria Neto de Oliveira MONARETTO (UFRGS) Resumo: As pesquisas realizadas com dados de fala do Projeto VARSUL indicam

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ALI. M. S. Dificuldades da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1957.. Gramática secundária da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 1964. AZEREDO, J. C. Fundamentos

Leia mais

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado ARTIGO Letrônica v. 2, n. 2, p. 02-21, dezembro 2009 O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado Carine Haupt 1 André Berri 2 1 Introdução

Leia mais

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44 sumário APRESENTAÇÃO...13 1. O que se entende por língua Estudando a língua portuguesa...17 1.1 O Vocabulário: nascimento e morte das palavras. Consultando um dicionário...20 1.2 A Semântica: o sentido

Leia mais

A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA

A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA 19 A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA Alan Gonçalves MIRANDA (G-UFPA) Celso FRANCÊS JÚNIOR RESUMO Diversos estudos sociolinguísticos já comprovaram

Leia mais

DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA. Emilio Pagotto - USP

DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA. Emilio Pagotto - USP DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA Emilio Pagotto - USP Duas formas de conceber o ensino de gramática Ensino de gramática voltado para o desenvolvimento das competências dos alunos. É preciso ampliar

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A CLASSIFICAÇÃO DE PALAVRAS NA GRAMÁTICA DE CELSO CUNHA & LINDLEY CINTRA: ANÁLISE DOS S ADOTADOS Mônica Gomes da Silva (UFF) monicagomessilva@yahoo.com.br Este trabalho destina-se à análise dos critérios

Leia mais

ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA

ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA Larissa Natiele de Lima 1 RESUMO Essa pesquisa, ancorada nos pressupostos teórico-metodologicos da Sociolinguistica Variacionista,

Leia mais

Português INSS 2015/2016. MARATONA Professora Luciane Sartori

Português INSS 2015/2016. MARATONA Professora Luciane Sartori Português INSS 2015/2016 MARATONA Professora Luciane Sartori Contatos: Email: lucianesartori@bol.com.br Site: www.sartoriprofessores.com.br Facebook: Luciane Sartori III Página do Facebook: Luciane Sartori

Leia mais

Funções gramaticais: Sujeito e predicado. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Funções gramaticais: Sujeito e predicado. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Funções gramaticais: Sujeito e predicado (UFPR) 1 1 Tradição gramatical termos essenciais: São termos essenciais da oração o sujeito e o predicado. [2, p. 119] As orações de estrutura favorita em português

Leia mais

CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA

CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA Solyany Soares Salgado (autora bolsista), Renata Lívia de Araújo Santos (co

Leia mais

Juliana Ludwig-Gayer 1

Juliana Ludwig-Gayer 1 SILVA, Thaïs Cristófaro. Dicionário de fonética e fonologia. Colaboradoras Daniela Oliveira Guimarães e Maria Mendes Cantoni. São Paulo: Contexto, 2011, 239p. Juliana Ludwig-Gayer 1 325 Este dicionário

Leia mais

MÓDULO I/ GREGO KOINÉ I

MÓDULO I/ GREGO KOINÉ I MÓDULO I/ GREGO KOINÉ I O Curso será bem aprofundado e exigirá do aluno muito interesse e dedicação para obter bons frutos e uma sólida formação a fim de dar continuidade aos estudos dos módulos subsequentes

Leia mais

AULA 5 CLASSES DE PALAVRAS I. POLÍCIA CIVIL de São Paulo

AULA 5 CLASSES DE PALAVRAS I. POLÍCIA CIVIL de São Paulo AULA 5 CLASSES DE PALAVRAS I POLÍCIA CIVIL de São Paulo Professor Marlus Geronasso CLASSES GRAMATICAIS São reconhecidas normativamente dez classes gramaticais pela maioria dos gramáticos: substantivo;

Leia mais

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina)

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina) A EXPRESSÃO DO TEMPO FUTURO NA LÌNGUA FALADA DE FLORIANÓPOLIS: VARIAÇÃO (THE EXPRESSION OF FUTURE TIME IN THE SPOKEN LANGUAGE OF FLORIANÓPOLIS: VARIATION) Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa

Leia mais

BOLSÃO 2017 / 6º ANO

BOLSÃO 2017 / 6º ANO Você que se inscreveu no Bolsão do Colégio Futuro Vip para cursar o 6º ano do Ensino Fundamental está BOLSÃO 2017 / 6º ANO Fonética Fonema distinção entre FONEMA e LETRA Sílaba número de sílabas / divisão

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: PROGRAMA DE IDIOMA PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior.

Leia mais

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina Morfologia e Classes Gramaticais Teleaula 1 Prof.ª Me. Margarete T. A. Costa tutorialetras@grupouninter.com.br Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Apresentação da Professora Letras Português

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 324 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 The raising of pre-stressed mid-high vowels in the speech of Coromandel-MG and Monte Carmelo-MG

Leia mais

AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE)

AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE) AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE) Luciani TENANI * (UNESP - SJRP) ABSTRACT: Intonational phonology is the framework used for investigating

Leia mais

Dados pessoais. Nome. Apelido. Morada. Estado Civil

Dados pessoais. Nome. Apelido. Morada. Estado Civil Competências Gerais Competências gerais de comunicação: competência lexical, competência gramatical, competência sociolinguística, competência pragmática, competência discursiva, competência estratégica.

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1. INTERPRETAÇÃO DE TEXTO, 21

SUMÁRIO. Capítulo 1. INTERPRETAÇÃO DE TEXTO, 21 SUMÁRIO Capítulo 1. INTERPRETAÇÃO DE TEXTO, 21 1.1. Tipos de texto, 22 1.2. Gênero de texto, 26 1.3. Tipos de discurso, 27 1.3.1. Discurso direto, 27 1.3.2. Discurso indireto, 28 1.3.3. Discurso indireto

Leia mais

Planificação Anual 4º Ano

Planificação Anual 4º Ano Planificação Anual 4º Ano Ano Letivo 2014 / 2015 Educaç ão literári a Leitura e escrita Geometria e medida Oralidade Números e Operações 1º Período Português Matemática Estudo do Meio Revisões O meu corpo

Leia mais

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 6º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERIODO DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS Apresentação oral (de livros, provérbios, episódios do quotidiano, personagens

Leia mais

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB)

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) III Seminário Internacional de Fonologia 12.04.2007 Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) Maria Bernadete M. Abaurre babaurre@matrix.com.br Flaviane Romani

Leia mais

Extensivo Aula 4 Apostila 1. Classes de Palavras 1: Artigo e Numeral

Extensivo Aula 4 Apostila 1. Classes de Palavras 1: Artigo e Numeral Extensivo Aula 4 Apostila 1 Classes de Palavras 1: Artigo e Numeral As Dez Classes Gramaticais Esquemas 1) Substantivo aula 2 2) Verbo aula 6 Determinantes nominais aula 4 3) Artigo 4) Adjetivo 5) Pronome

Leia mais

Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica

Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica Artigo Original Original Article Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica Carolina Lisbôa Mezzomo 1 Simone Weide Luiz 2 Interference

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1. Leitura e compreensão de diferentes gêneros textuais

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA. do PORTUGUÊS ORAL. de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS:

INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA. do PORTUGUÊS ORAL. de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS: INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PANORAMA do PORTUGUÊS ORAL de MAPUTO VOLUME III ESTRUTURAS GRAMATICAIS DO PORTUGUÊS: PROBLEMAS E APLICAÇÕES Perpétua Gonçalves e Christopher Stroud Cadernos

Leia mais

Disciplina: LLV 9005 Morfologia do Português FLEXÃO NOMINAL E FLEXÃO VERBAL

Disciplina: LLV 9005 Morfologia do Português FLEXÃO NOMINAL E FLEXÃO VERBAL Disciplina: LLV 9005 Morfologia do Português FLEXÃO NOMINAL E FLEXÃO VERBAL Prof. Felício Wessling Margotti Profa. Rita de Cássia Mello Ferreira Margotti Os vocábulos que se submetem aos processos de flexão

Leia mais

Língua Portuguesa. Profª. Fernanda Machado

Língua Portuguesa. Profª. Fernanda Machado Língua Portuguesa Profª. Fernanda Machado Classes de palavras são agrupamentos de palavras que mantêm características comuns. Na Língua Portuguesa existem 10 classes de palavras: Substantivo Adjetivo Artigo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO (1) ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA Cecília de Godoi Fonseca (1) ;Valter Pereira Romano (2) Aluna do 6º Período do curso de Letras do

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II

ENSINO FUNDAMENTAL II CONTEÚDO 6 º ANO 1) Produção de texto: Narração. Foco narrativo: narrador-observador. Estrutura do texto narrativo. Uso do diálogo. Paragrafação. 2) Texto: Leitura e interpretação. 3) Gramática: Letra

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL I

ENSINO FUNDAMENTAL I ENSINO FUNDAMENTAL I CONTEÚDO 3 º ANO Língua Portuguesa 1) Produção de texto. Sequência e coerência de ideias. Criatividade. 2) Texto: Leitura e interpretação. 3) Gramática: Masculino e feminino. Singular

Leia mais

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Língua Portuguesa: - Interpretação de texto; - Revisão Análise morfossintática; - Revisão de período composto por subordinação (subordinadas substantivas); - Período

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

A VISIBILIDADE DE ASPECTOS MORFOSSINTÁTICOS NO PROCESSO DA ELISÃO 1

A VISIBILIDADE DE ASPECTOS MORFOSSINTÁTICOS NO PROCESSO DA ELISÃO 1 A VISIBILIDADE DE ASPECTOS MORFOSSINTÁTICOS NO PROCESSO DA ELISÃO 1 Juliana Ludwig GAYER 2 RESUMO: A elisão é um dos processos de sândi externo que ocorrem para evitar a formação de hiatos entre palavras.

Leia mais

Agrupamento de Escolas João da Silva Correia Plano Anual 3.º Ano Ano Letivo 2016/2017

Agrupamento de Escolas João da Silva Correia Plano Anual 3.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Agrupamento de Escolas João da Silva Correia Plano Anual 3.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Área Período Conteúdos Português 1.º Período ORALIDADE Articulação e entoação Planificação do discurso Literatura oral

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 1º Período Conteúdos Instrumentos Peso SEQUÊNCIA A Histórias de afetos Leitura e análise de textos

Leia mais

ELEMENTAR da LÍNGUA PORTUGUESA

ELEMENTAR da LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA ELEMENTAR da LÍNGUA PORTUGUESA A. Gomes Ferreira J. Nunes de Figueiredo 2. CICLO Oo Introdução I. ONDE SE FALA A LÍNGUA PORTUGUESA II. A PALAVRA. A FRASE. SINTAXE E MORFOLOGIA MATÉRIA DAS UNIDADES

Leia mais

VARIAÇÃO NÓS E A GENTE NA FALA CULTA DA CIDADE DE MACEIÓ/AL

VARIAÇÃO NÓS E A GENTE NA FALA CULTA DA CIDADE DE MACEIÓ/AL VARIAÇÃO NÓS E A GENTE NA FALA CULTA DA CIDADE DE MACEIÓ/AL Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório 1 RESUMO Analisamos a variação nós e a gente na posição de sujeito na fala culta da cidade de Maceió.

Leia mais

EDITAL Nº 20, DE 20 DE MARÇO DE COMISSÃO ESPECIAL CAMPUS DE COXIM CURSO DE LETRAS SELEÇÃO DE CANDIDATOS A PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL Nº 20, DE 20 DE MARÇO DE COMISSÃO ESPECIAL CAMPUS DE COXIM CURSO DE LETRAS SELEÇÃO DE CANDIDATOS A PROFESSOR SUBSTITUTO EDITAL Nº 20, DE 20 DE MARÇO DE 2014. COMISSÃO ESPECIAL CAMPUS DE COXIM CURSO DE LETRAS SELEÇÃO DE CANDIDATOS A PROFESSOR SUBSTITUTO A COMISSÃO ESPECIAL DO CAMPUS DE COXIM, instituída pela Instrução de

Leia mais

Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA

Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA Universidade Federal da Bahia Instituto de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestrado em Letras Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA Maria

Leia mais

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 REAL-TIME STUDY OF THE FALLING DIPHTHONG /ej/ MONOPHTHONGIZATION IN SAMPLE FROM PORTO ALEGRE Eduardo Elisalde

Leia mais

UDESC 2015/2 PORTUGUÊS. Gabarito do departamento de português sem resposta. Comentário

UDESC 2015/2 PORTUGUÊS. Gabarito do departamento de português sem resposta. Comentário PORTUGUÊS Gabarito do departamento de português sem resposta. a) Incorreta. As orações iniciadas pela partícula se são subordinadas substantivas objetivas diretas do verbo discutir. b) Correta. Todas as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GABINETE DO REITOR RETIFICAÇÃO Nº 04

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GABINETE DO REITOR RETIFICAÇÃO Nº 04 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GABINETE DO REITOR RETIFICAÇÃO Nº 04 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA), no uso de suas atribuições estatutárias, tendo em vista o disposto

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II

ENSINO FUNDAMENTAL II ENSINO FUNDAMENTAL II CONTEÚDO 6 º ANO 1) Produção de texto: Narração. Foco narrativo: narrador-observador. Estrutura do texto narrativo. Elementos narrativos. Uso do diálogo. Paragrafação. 2) Texto: Leitura

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS E SOCIAIS NA AUSÊNCIA DE CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS E SOCIAIS NA AUSÊNCIA DE CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL A INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS E SOCIAIS NA AUSÊNCIA DE CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL MIRANDA Lília Soares Universidade Federal de Minas Gerais UFMG liliasoaresmi@gmail.com

Leia mais

A ORDEM DOS CLÍTICOS EM LÉXIAS VERBAIS SIMPLES: UMA ANÁLISE DAS GRAMÁTICAS TRADICIONAIS Cristiane Jardim Fonseca (UERJ)

A ORDEM DOS CLÍTICOS EM LÉXIAS VERBAIS SIMPLES: UMA ANÁLISE DAS GRAMÁTICAS TRADICIONAIS Cristiane Jardim Fonseca (UERJ) A ORDEM DOS CLÍTICOS EM LÉXIAS VERBAIS SIMPLES: UMA ANÁLISE DAS GRAMÁTICAS TRADICIONAIS Cristiane Jardim Fonseca (UERJ) crisffp@yahoo.com.br É comum encontrar certas divergências em relação às regras propostas

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Colégio Saber Construindo o conhecimento QSC 12 Lotes 1 e 3, Taguatinga, Brasília - DF Fone:(61)

Colégio Saber Construindo o conhecimento QSC 12 Lotes 1 e 3, Taguatinga, Brasília - DF Fone:(61) Ensino Fundamental II 6º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Língua Portuguesa PROFESSOR Ana Paula dos Santos Cabral CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO TOTAL SEMANAL 6º A 2017 1.1 Língua: diversidade e unidade

Leia mais

Variações linguísticas: concordância nominal de número

Variações linguísticas: concordância nominal de número Revista Crátilo, 8(2): 13-20, dez. 2015 Centro Universitário de Patos de Minas http://cratilo.unipam.edu.br Variações linguísticas: concordância nominal de número Linguistic variations: nominal number

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas Curriculares de Português 1º CICLO Português- 3º ano TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

DA DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: A CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL

DA DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: A CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL 352 DA DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: A CONCORDÂNCIA NOMINAL NO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL Diversity of brazilian portuguese language: the nominal acceptance in portuguese spoken in Brazil

Leia mais

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq)

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Ditongos derivados: um adendo Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Em artigo precedente (1994), fez-se a distinção entre ditongos verdadeiros que correspondem a duas vogais na subjacência, como reitor e pauta e falsos

Leia mais

Obs: *Predicativo do sujeito Ex.: A situação parece perfeita. * Predicativo do objeto Ex.: Os presos acharam a comida péssima.

Obs: *Predicativo do sujeito Ex.: A situação parece perfeita. * Predicativo do objeto Ex.: Os presos acharam a comida péssima. Obs: *Predicativo do sujeito Ex.: A situação parece perfeita. * Predicativo do objeto Ex.: Os presos acharam a comida péssima. Termos essenciais 1) Sujeito: é o termo a respeito do qual se declara alguma

Leia mais

Aula 7 O sujeito gramatical: tipologia (primeira parte)

Aula 7 O sujeito gramatical: tipologia (primeira parte) Aula 7 O sujeito gramatical: tipologia (primeira parte) Pablo Faria HL220C Prática de análise gramatical IEL/UNICAMP SUMÁRIO O SUJEITO GRAMATICAL: TIPOLOGIA Quantidade de núcleos Colocação Realização e

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Português 4 º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Português 4 º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Português 4 º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERIODO CONTEÚDOS COMPREENSÃO DO ORAL Vocabulário (sinónimos, antónimos, famílias de palavras, instruções, indicações)

Leia mais

CONTEÚDOS DIVERSIFICADOS, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES LINGUISTICAS, CURRICULARES E DE INTEGRAÇÃO DOS ALUNOS.

CONTEÚDOS DIVERSIFICADOS, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES LINGUISTICAS, CURRICULARES E DE INTEGRAÇÃO DOS ALUNOS. COMPETÊNCIAS GERAIS Competências gerais de comunicação: competência lexical, competência gramatical, competência sociolinguística, competência pragmática, competência discursiva, competência estratégica.

Leia mais

O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC

O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC Introdução Lucelene Franceschini - UFPR Este trabalho analisa o uso das formas pronominais de primeira pessoa do plural nós / a gente em Concórdia

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TEREZINHA DO PROGRESSO ESTADO DE SANTA CATARINA PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL 002/2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TEREZINHA DO PROGRESSO ESTADO DE SANTA CATARINA PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL 002/2012. PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL 002/2012. O Prefeito do Município de Santa Terezinha do Progresso, SC, no uso de suas atribuições, torna público o Primeiro Termo de Retificação ao Edital n 002/2011,

Leia mais

Não foram indicadas as obras desses autores nas Referências Bibliográficas, assim como de diversos outros referidos no corpo do artigo.

Não foram indicadas as obras desses autores nas Referências Bibliográficas, assim como de diversos outros referidos no corpo do artigo. DEPARTAMENTO DE LETRAS ALGUNS ASPECTOS DA HETEROGENEIDADE DIALETAL BRASILEIRA: CONSTRUÇÕES SINTÁTICAS A PARTIR DOS PRONOMES SUJEITO E OBJETO Vicente Cerqueira (UFAC) vicente.cerqueira@gmail.com Marcelo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º Período Vocabulário Ideia principal Informação essencial e acessória Informação implícita e explícita Inferências Descrição, diálogo, recriação de lengalengas, entrevista Texto narrativo, poesia criativa

Leia mais