25 anos. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "25 anos. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro"

Transcrição

1 25 anos Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro

2 PAINEL 2 - Instrumentos de Gestão e Processo de Implementação e Avaliação

3 ZONA COSTEIRA Pau-Brasil Cana-de-açucar Industrialização/Turismo Pré-Sal

4 ZONA COSTEIRA Concentração de 46 milhões de Habitantes 16 Regiões Metropolitanas MMA, Megacidade 4,3% do Território Polette, ,8% dos Municípios Brasileiros Polette, 2012 Cerca de 73% PIB

5 Brasil Secretaria Especial de Meio Ambiente PR LEI Nº 6.938/1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente SubComissão de Gerenciamento Costeiro CIRM Política Nacional para os Recursos do Mar CIRM Seminário Internacional de Gerenciamento Costeiro CIRM - Rio de Janeiro Polette (2013)

6 Brasil Secretaria Especial de Meio Ambiente PR LEI Nº 6.938/1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente SubComissão de Gerenciamento Costeiro CIRM CIRM BASE PARA A Política Nacional para os Recursos do Mar ESTRUTURAÇÃO LEGAL DO PLANO Seminário Internacional de Gerenciamento Costeiro CIRM - Rio de Janeiro Polette (2013)

7 LEI Nº 7.661/1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. PNGC I Resolução CIRM 01/90 PNGC IBAMA MMA Polette (2013)

8 LEI Nº 7.661/1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. PLANEJAMENTO E MAPEAMENTO PNGC I Resolução CIRM 01/90 TEMÁTICO - ZEEC PNGC IBAMA MMA Polette (2013)

9 Macrodiagnóstico da Zona Costeira na Escala da União Gi-Gerco Portaria do Ministério da Marinha nº 0440/96 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS LEI No 9.605/ RESOLUÇÃO Nº 005/1997 Aprova o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro II SNUC LEI NO 9.985/2000 PEGC Lei nº 6.950/1996 Rio Grande do Norte Lei Federal N o 9.433/1997 POLÍTICA E SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS Elaboração do Plano de Ação Federal para a Zona Costeira PAF no âmbito do GI-GERCO PAF Zona Costeira Resolução CIRM 08/98 LEI N 5.816/98. Institui o PEGC ESPÍRITO SANTO Lei Estadual n º /98 SÃO PAULO POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 9795/ Polette (2013)

10 Macrodiagnóstico da Zona Costeira na Escala da União LEI DE CRIMES AMBIENTAIS LEI No 9.605/ RESOLUÇÃO Nº 005/1997 Aprova o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro II PAF Zona Costeira CONSOLIDAÇÃO E INSTITUCIONALIZAÇÃO Resolução CIRM 08/98 DO PLANO NOS ESTADOS INTEGRAÇÃO COM POLÍTICAS PÚBLICAS Lei Federal N o 9.433/1997 POLÍTICA E SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 9795/1999 SNUC LEI NO 9.985/2000 PEGC Lei nº 6.950/1996 Rio Grande do Norte LEI N 5.816/98. Institui o PEGC ESPÍRITO SANTO Lei Estadual n º /98 SÃO PAULO Polette (2013)

11 ESTATUTO DA CIDADE LEI N o /01. DECRETO Nº 5.300/2004 Política Nacional de Recursos do Mar 5377/05 PEGC SANTA CATARINA Lei /2006 PEGC CEARÁ Lei nº 3.796/2006 Revisão do Plano de Ação Federal PAF PMGC ITAPOÁ - SC Polette (2013)

12 Política Nacional de Recursos do Mar 5377/05 ESTATUTO DA CIDADE LEI N o /01. AVALIAÇÃO CRÍTICA DECRETO Nº 5.300/2004 PEGC SANTA CATARINA Lei /2006 PROJETO ORLA PEGC CEARÁ Lei nº 3.796/2006 PMGC ITAPOÁ - SC Polette (2013)

13 LEI Nº /2010 Institui a Política Estadual de. Gerenciamento Costeiro PERNAMBUCO lei federal Nº /07 Política Federal de Saneamento Básico. Lei nº /10 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) 25 anos do PNGC LEI Nº /2009. Política Nacional de Mudanças Climáticas PPA Plano Mais Brasil Polette (2013)

14 LEI Nº /2010 Institui a Política Estadual de. Gerenciamento Costeiro PERNAMBUCO lei federal Nº /07 Política Federal de Saneamento Básico. PROJETO ORLA ZEEC LEI Nº /2009. Política Nacional de Mudanças Climáticas PLANOS DE GESTÃO Lei nº /10 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Projeto Orla Monitoramento ZEEC Planos de Gestão 25 anos do PNGC PPA Plano Mais Brasil Polette (2013)

15 LEI Nº /2010 Institui a Política Estadual de. Gerenciamento Costeiro PERNAMBUCO lei federal Nº /07 Política Federal de Saneamento Básico. PROJETO ORLA LEI Nº /2009. Política Nacional de Mudanças Climáticas Lei nº /10 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) GOVERNANÇA ZEEC COSTEIRA PLANOS DE GESTÃO Projeto Orla Monitoramento ZEEC Planos de Gestão 25 anos do PNGC PPA Plano Mais Brasil Polette (2013)

16 Análise do Ciclo do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro segundo IZCM 1º Geração 2º Geração 3º Geração 4º Geração 11 anos 10 anos 5 anos 3 anos 1973 Secretaria Especial de Meio Ambiente CIRM 1974 Política Nacional de Recursos do Mar Política Nacional de Meio Ambiente nternacional mento Costeiro Janeiro 84 Brasileiro de s do Mar Janeiro Avaliação da implantação do GERCO CIRM cria a 1988 Constituição Federal Pparágrafo 4o, do art. 225, define a Zona Costeira como ''patrimônio nacional 1988 Lei No 7.661,instituiu o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC) Decreto no /88 Grupo de Coordenação incumbido de elaborar e atualizar o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro - COGERCO 1990 Aprovação do Pano Nacional de Gerenciamento Costeiro Resolução no 1 do Ministério da Marinha 25 Reunião Ordinária do CONAMA. Subcomissão de Gerenciamento Costeiro 1993 Configuração de Metodologia para o Macrozoneamento Costeiro Avaliação da metodologia bem como o modelo institucional de gestão 1985 Adoção do padrão UERJ II Encontro Brasileiro de Gerenciamento Costeiro CIRM - Programa de Gerenciamento Costeiro Estudos de caso: RN, BA, RJ, SP, SC, RS 1985 Proposta da UERJ Programa de Zoneamento costeiro Baía de Sepetiba - RJ 1997 Plano de Ação Federal para a Zona Costeira Resolução CIRM n 05 Aprovação do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC II) LEPLAC - REVIZEE 1996 Macrodiagnóstico da zona costeira do Brasil Escala da União 1997 Elaboração do PNGC II Decreto 5.300/04 que regulamentou a lei 7.661/ Aprovação da Câmara Técnica de Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas, Sistemas Estuarinos e Zona Costeira no CNRH Aplicação do Projeto Orla 53 municípios 2005 Revisão do Plano de Ação Federal PAF Elaboração do Diagnóstico Conceitual dos procedimentos de aplicação do Projeto Orla Elaboração da Estrutura e Funcionamento do Projeto Orla Bases para a Estruturação Legal e Institucional FASE EXECUTADA Planejamento e Mapeamento Temático Avaliação Crítica dos Instrumentos Projeto Orla FASE NÂO COMPLETADA FASE NÃO EXECUTADA Polette (2013)

17 Análise do Ciclo do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro segundo IZCM 5º Geração 8 anos 6º Geração 1997 Plano de Ação Federal para a Zona Costeira 2004 Decreto 5.300/04 que regulamentou a lei Brasil 12 itação o Orla 2010 III Workshop: Diretrizes Técnicas, Políticas e Institucionais para o Gerenciamento Costeiro, realizado em Brasília/DF 1997 Elaboração do PNGC II Avaliação Macrodiagnóstico da zona costeira e Marinha do Brasil Escala da União 1996 Macrodiagnóstico da zona costeira do Brasil Escala da União Revisão do Plano de Ação Federal PAF Governança Costeira FASE EXECUTADA FASE NÂO COMPLETADA FASE NÃO EXECUTADA Polette (2013)

18 1975

19 1990

20 2000

21 2014

22 POLÍTICA PÚBLICA

23 POLÍTICAS PÚBLICAS Polette (2013)

24 POLÍTICAS PÚBLICAS Polette (2013)

25 POLÍTICAS PÚBLICAS Instrumentos de Gestão Territorial Polette (2013)

26 OS INSTRUMENTOS DGESTÃO COSTEIRA Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro - PNGC Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro - PEGC Plano Municipal de Gerenciamento Costeiro - PMGC Sistema de Informações do Gerenciamento Costeiro SIGERCOM Sistema de Monitoramento Ambiental da Zona Costeira SMA-ZC Relatório de Qualidade Ambiental da Zona Costeira RQA-ZC Zoneamento Ecológico Econômico Costeiro ZEEC Plano de Ação Federal da Zona Costeira PAF Macrodiagnóstico da Zona Costeira MMA Polette (2005) (2013)

27 Quais são os principais problemas dos instrumentos de gestão e do processo de implementação e avaliação do Gerenciamento Costeiro no Brasil?

28 Problemas - Falta de vontade política para implementar os instrumentos de gestão; - Falta de Infra-estrutura governamental; - Falta de recursos humanos nos governos (Federal, estadual e municipal); - Falta de divulgação; - Falta de entendimento sobre a integração dos diferentes instrumentos das políticas públicas impossibilitando seus usos combinados; - Falta de definição dos indicadores de gestão costeira; - Falta de regulamentação e padronização dos instrumentos de gestão; - Falta de mecanismo de avaliação eficiente.

29 O que pode ser melhorado ou fortalecido quanto aos instrumentos de gestão e processo de implementação e avaliação do Gerenciamento Costeiro no Brasil?

30 - Regionalização dos instrumentos; Aumentar a participação das universidades no processo de divulgação dos mesmos e a participação da comunidade. - Parâmetros e critérios para avaliação devem ser amplamente discutidos com a academia. - Disponibilização de recursos financeiros e apoio técnico para implantação de indicadores dos instrumentos. - Apoio aos municípios costeiros, capacitação e estruturação de corpo técnico e de parceiros, instituições da sociedade civil e acadêmicas, para implementar e desenvolver os instrumentos de gestão participativa da costa. - Instrumentos operacionais mais simples em âmbito municipal. - Monitorar a eficiência e eficácia dos instrumentos existentes (leis, Instruções normativas e etc...).

31 Quais as principais fortalezas e os principais desafios relacionados ao processo de implementação e avaliação do Gerenciamento Costeiro no Brasil?

32 Fortalezas - Instrumentos técnicos fortes; - Debate amplo e a articulação entre as instituições como MMA/OEMA, SPU/OEMA, SEMMAS/ICMBio; - Reunião de pesquisadores e gestores de elevado nível técnico e qualificação.

33 Desafios - Maior divulgação do programa em todos os níveis; - Impedir a apropriação com interesses próprios especulativos de ocupação de bens da União em detrimento do bem público; - Melhorar as interações técnicas entre IBAMA/OEMA, ICMBio/OEMA e OEMA/SEMMAS; - Capacitação técnica e fortalecimento institucional para as SEMMAS dos municípios costeiros; - Maior envolvimento da sociedade civil organizada no processo de gestão costeira;

34 Qual a estratégia ideal para implementar os instrumentos de monitoramento e avaliação do Gerenciamento Costeiro?

35 Estratégia ideal para implementar os instrumentos - Implementação dos instrumentos nos processos de licenciamento ambiental, - Estudos que apontem os indicadores, análises por grupos especializados, debate das resoluções junto aos conselheiros (atores), publicação e normatização dos padrões e metodologia, revisão e atualização constante das normas. - Regulamentação dos instrumentos. - Maior apoio para elaboração do ZEECs e PMGCs, com o fortalecimento institucional técnico e financeiro para os municípios costeiros, com definição de escalas locais. - Banco de dados integrados e o desenvolvimento de conectividade entre atores (tanto gestores quanto sociedade).

36 Painel 2: INSTRUMENTOS DE GESTÃO E PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Moderador: Prof. Dr. Marcus Polette Estado da Arte do Zoneamento Costeiro Dr. João Luis Nicolodi (FURG): Planos de Gestão Integrada da Orla (PGI) Geog. Cristina Pinto (SPU-SC) Monitoramento e indicadores - Programa Cidades Sustentáveis - Zuleica Goulart (Instituto Nossa São Paulo) Programa Brasil+20 Arquiteta Silmara Vieira da Silva (MMA/SRHU)

37 Marcus Polette Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Laboratório de Conservação e Gestão Costeira

IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março. Pacto das Águas. Antonio Martins da Costa

IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março. Pacto das Águas. Antonio Martins da Costa IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março Pacto das Águas Antonio Martins da Costa O Pacto das Águas foi um processo de articulação social e política com objetivo de: Dotar o Estado,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES 21 de junho 2017 A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES é

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

Laboratório de Conservação, Gestão e Governança Costeira

Laboratório de Conservação, Gestão e Governança Costeira Laboratório de Conservação, Gestão e Governança Costeira O Laboratório de Conservação, Gestão e Governança Costeira atua há mais de 20 anos no litoral desanta Catarina com o objetivo de diagnosticar, planejar

Leia mais

VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Situação da Política Estadual de Resíduos Sólidos Patrícia Gomes Salomão Secretária de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Vitória,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA Alto Jacuí Taquari-Antas Pardo Caí Sinos Vacacaí- Vacacaí Mirim Baixo Jacuí Lago Guaíba Gravataí População:

Leia mais

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL O Processo de Construção do PIUMA-RS Resultados e Consequências Plano Diretor de Irrigação no Contexto

Leia mais

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI MAR O MAIOR E O ÚLTIMO ESPAÇO PÚBLICO DO PLANETA O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI 1 - BREVE HISTÓRICO DOS MOVIMENTOS E AÇÕES AMBIENTAIS NA ORLA MARÍTIMA BRASILEIRA 2 - FONTES

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO E DA MINUTA DO PROJETO DE LEI PARA A POLÍTICA DE GERENCIAMENTO COSTEIRO DO ESTADO DE SERGIPE

ELABORAÇÃO DO PLANO E DA MINUTA DO PROJETO DE LEI PARA A POLÍTICA DE GERENCIAMENTO COSTEIRO DO ESTADO DE SERGIPE ELABORAÇÃO DO PLANO E DA MINUTA DO PROJETO DE LEI PARA A POLÍTICA DE GERENCIAMENTO COSTEIRO DO ESTADO DE SERGIPE PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM SERGIPE (PRODETUR-SE) Sumário 1. Contribuições

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA

DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA 1. Implementação da trilha de longa distância que liga Monte Verde (SP) à Itatiaia (RJ), apelidada trans Mantiqueira. (Ver dissertação de mestrado do gestor Waldir

Leia mais

RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA. III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014.

RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA. III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014. RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014. Eixos de ação do MMA no Gerenciamento Costeiro Diretriz: Visão

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Natal RN, 27 de julho de 2017 Etapas da Agenda 2030 ETAPA DE

Leia mais

AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS

AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS RECURSOS HÍDRICOS, ECOSSISTEMAS COSTEIROS, ENERGIA DE BIOMASSA, BIODIVERSIDADE E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável Prof. Francisco

Leia mais

Centro Integrado de Gestão da Baía de Guanabara CIG BG

Centro Integrado de Gestão da Baía de Guanabara CIG BG A Baía do Amanhã 21/07/2017 Centro Integrado de Gestão da Baía de Guanabara CIG BG Proposta de Modelo de Governança F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E

Leia mais

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE.

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL GERÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL Assunto: Origem: PROJETO

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos

Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos Seminário Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos A Experiência do Estado do Espírito Santo - SiMAPP Brasília, 14 de Fevereiro de 2017 O Brasil não sabe aplicar o dinheiro público porque não avalia

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas DIRETRIZES PARA POLI TICAS PU BLICAS E PRA TICAS EMPRESARIAIS PARA INSTALAC A O E OPERAC A O

Leia mais

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Contexto do Projeto Lei da Mata Atlântica (Lei nº 11.428 de 22/12/2006) e Decreto

Leia mais

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA RODOLFO JOAQUIM PINTO DA LUZ PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Treze Tílias, 10 a 12 de maio de 2017. PAPEL DO ESTADO NA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

Comitê de Bacia Hidrográfica

Comitê de Bacia Hidrográfica Comitê de Bacia Hidrográfica ENCONTROS REGIONAIS PARA RENOVAÇÃO DO CSBH BAIXO JAGUARIBE 2016-2020 O QUE É UM COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA: É o instrumento de participação da sociedade na gestão dos recursos

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 09 Aspectos legais e institucionais Meio Ambiente Profª Heloise G. Knapik 1 Por quê precisamos de legislação ambiental? Controle

Leia mais

A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA. Marcus Polette. Florianópolis SC. UNIVALI CTTMar

A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA. Marcus Polette. Florianópolis SC. UNIVALI CTTMar A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA Marcus Polette UNIVALI CTTMar Florianópolis SC 2008 ZONA COSTEIRA BRASILEIRA DECRETO FEDERAL 5.300/04 FAIXA TERRESTRE: LIMITES DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

ÜÍFERO GUARANI. MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE

ÜÍFERO GUARANI. MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE PROJETO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SISTEMA AQÜÍ ÜÍFERO GUARANI MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE Júlio Thadeu da S. Kettelhut

Leia mais

Projetos para os municípios Motivação

Projetos para os municípios Motivação PROJETOS Projetos para os municípios Motivação A FNP é referência na interlocução com os municípios, envolvendo diretamente os prefeitos e prefeitas na coordenação política dos projetos. Por isso, é constantemente

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS. no Estado do Paraná

ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS. no Estado do Paraná ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS no Estado do Paraná Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à Prática Curitiba, 13 de julho de 2015 geóg. Carlos Augusto STORER Analista de Desenvolvimento

Leia mais

Sena Madureira e Manoel Urbano

Sena Madureira e Manoel Urbano Plano de Manejo Sena Madureira e Manoel Urbano Contexto - entorno PM1 Conselho Deliberativo PM2 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 PM1 12 meses PM2 16 meses (aprovação do CD) Diagnóstico 2003 (jun a out)

Leia mais

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009 GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA São Paulo, 23 de março de 2009 1200 DISPONIBILIDADE E DEMANDA DE ÁGUA - 2007 Vazão (m 3 /s) 1000 SUBTERRÂNEA 800 600 400 SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA

Leia mais

Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil

Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil Palestrante: Rafael F. Tozzi Belém, 10 de agosto de 2017 1 Contexto Geral A seca e escassez no Sudeste, as inundações

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH. Brasília, 24 de abril de 2017.

De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH. Brasília, 24 de abril de 2017. De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH Brasília, 24 de abril de 2017. Objetivo Criar espaços de articulação para a implantação de ações integradas, com

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

Estratégias para o enfrentamento das violações dos direitos da população em situação de rua

Estratégias para o enfrentamento das violações dos direitos da população em situação de rua Estratégias para o enfrentamento das violações dos direitos da população em situação de rua UM NOVO OLHAR Primeiros movimentos: Entidades que reconhecem o protagonismo e defendem direitos Organização da

Leia mais

Estatuto da Metrópole e a Região Metropolitana de Belo Horizonte

Estatuto da Metrópole e a Região Metropolitana de Belo Horizonte Estatuto da Metrópole e a Região Metropolitana de Belo Horizonte Agência RMBH 10 de agosto de 2016 Região Metropolitana de Belo Horizonte - RMBH RMBH 34 municípios 4,8 milhões habitantes Colar Metropolitano

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

Planos de recursos hídricos. SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI

Planos de recursos hídricos. SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI Planos de recursos hídricos SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI Planos de recursos hídricos x Políticas setoriais Planos de recursos hídricos: base legal Lei n.º 9.433/97...são planos diretores que visam

Leia mais

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Luiz Eduardo de S. Moraes Chefe do Serviço de Gerenciamento Costeiro Gerência de Instrumentos e Gestão do Território Instituto Estadual

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento

APLs como Estratégia de Desenvolvimento APLs como Estratégia de Desenvolvimento Os Núcleos Estaduais de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais: Estrutura, Parceiros e Compromissos com o Desenvolvimento Fabiany Made e Vellasco Coordenação Geral

Leia mais

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013)

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 145, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 (Publicada no D.O.U de 26/02/2013) Estabelece diretrizes para a elaboração de Planos

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos Novembro de 2016 ESTRUTURA DO SINGREH FORMULAÇÃO DA

Leia mais

Programa Mosaicos e Corredores Ecológicos da Mata Atlântica. CORREDORES ECOLÓGICOS NA MATA ATÂNTICA 22 de maio de 2009 Museu Afro Brasil

Programa Mosaicos e Corredores Ecológicos da Mata Atlântica. CORREDORES ECOLÓGICOS NA MATA ATÂNTICA 22 de maio de 2009 Museu Afro Brasil Semana 2009 SEMINÁRIO ÁREAS PROTEGIDAS, MOSAICOS E CORREDORES ECOLÓGICOS NA MATA ATÂNTICA 22 de maio de 2009 Museu Afro Brasil Corredor Central Mata Atlântica Mosaico Jacupiranga Corredor Serra do Mar

Leia mais

Diretrizes Estratégicas da Governança a Ambiental em Minas Gerais

Diretrizes Estratégicas da Governança a Ambiental em Minas Gerais Diretrizes Estratégicas da Governança a Ambiental em Minas Gerais I Dimensão ambiental incluída no Planejamento Estratégico do Estado Marco conceitual protagônico: Tratar as questões econômicas, sociais

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS AILTON FRANCISCO DA ROCHA Superintendente de Recursos Hídricos Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe 09 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (LEI Nº 9.433/1997):

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO MEDIO JAGUARIBE CARACTERÍSTICAS GERAIS

SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO MEDIO JAGUARIBE CARACTERÍSTICAS GERAIS SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO MEDIO JAGUARIBE CARACTERÍSTICAS GERAIS GERENCIAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO MÉDIO E BAIXO JAGUARIBE GERENCIA REGIONAL DE LIMOEIRO DO NORTE O que é Bacia Hidrográfica? Segundo

Leia mais

não governamental, Engenharia Sanitária e Meio Ambiente conservação e melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida

não governamental, Engenharia Sanitária e Meio Ambiente conservação e melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida A ABES é......uma organização não governamental, fundada em 1966, para desenvolver e aperfeiçoar atividades relacionadas com Engenharia Sanitária e Meio Ambiente, fomentando a consciência social e as ações

Leia mais

Planejamento Ambiental

Planejamento Ambiental Universidade de São Paulo PHD2344 Manejo de recursos Naturais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Planejamento Ambiental Aula 2 Prof. Dr. Arisvaldo V. Méllo Júnior Enga. Carla Voltarelli da

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Saúde do Trabalhador

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PMMA DE ITAPOÁ/SC

PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PMMA DE ITAPOÁ/SC PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ/SC E O FORTALECIMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL Ricardo Ribeiro Haponiuk - Secretário

Leia mais

Modelar a Metrópole Gov o e v r e no n o d o d o E s E t s ad a o d d o R i R o o d e d e Ja J n a e n i e ro

Modelar a Metrópole Gov o e v r e no n o d o d o E s E t s ad a o d d o R i R o o d e d e Ja J n a e n i e ro Modelar a Metrópole Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano Integrado Governo do Estado do Rio de Janeiro Contexto Histórico Criada em 1974 após a fusão dos antigos Estados do Rio de Janeiro e da Guanabara,

Leia mais

Projeto Governança Metropolitana no Brasil ARRANJO DE GOVERNANÇA METROPOLITANA E PDUI NA RM DE PORTO ALEGRE

Projeto Governança Metropolitana no Brasil ARRANJO DE GOVERNANÇA METROPOLITANA E PDUI NA RM DE PORTO ALEGRE Projeto Governança Metropolitana no Brasil ARRANJO DE GOVERNANÇA METROPOLITANA E PDUI NA RM DE PORTO ALEGRE Cristina M. R. Martins (Economista) Oficina: Adequação dos arranjos de governança metropolitana

Leia mais

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS NOTA TÉCNICA 01 2012 INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS 1 INTRODUÇÃO Esta Nota Técnica visa apresentar uma análise da Portaria/GM 2.979 de 15/12/11 que dispõe sobre a transferência

Leia mais

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07 Quadro/Tabela Q/T PMA.3 Estância de Atibaia POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DIRETRIZES/PROPOSIÇÕES Campo Diretrizes/ P Cód. Título Cód. - D/PIN - Institucional D/P 01 - D/PPL - Planejamento D/P 02 D/P 03 D/P

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil + Governança Metropolitana no Brasil Contribuições para as discussões em torno da RM Sul da Bahia Marco Aurélio Costa 1. Introdução Aspectos conceituais O que é uma região? Região vem do latim regere de

Leia mais

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE

Leia mais

Fórum Nacional de Entidades Metropolitanas. Luiz José Pedretti. Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA. São Paulo, Março 2012

Fórum Nacional de Entidades Metropolitanas. Luiz José Pedretti. Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA. São Paulo, Março 2012 Fórum Nacional de Entidades Metropolitanas Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA Luiz José Pedretti São Paulo, Março 2012 Problemática / FNEM O Brasil é, há 40 anos, um país de características

Leia mais

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Prof. Msc. Pedro Luís Prado Franco Legislação Ambiental e de Recursos Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) Instrumentos: Padrões

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

AMQ é um projeto inserido no contexto da institucionalização da avaliação da Atenção Básica

AMQ é um projeto inserido no contexto da institucionalização da avaliação da Atenção Básica O QUE É AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE? AMQ é um projeto inserido no contexto da institucionalização da avaliação da Atenção Básica Está dirigido ao âmbito municipal e oferece instrumentos para Avaliação

Leia mais

Intermunicipal Lagos São João (CILSJ)

Intermunicipal Lagos São João (CILSJ) Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ) Audiência PúblicaP Revisão Quinquenal Prolagos e Águas de Juturnaíba 10 e 11 de dezembro de 2009 CENÁRIO Baixada Litorânea: Patrimônio natural de beleza

Leia mais

Política Nacional de Recursos Hídricos

Política Nacional de Recursos Hídricos Política Nacional de Recursos Hídricos João Bosco Senra Diretor de Recursos Hídricos SRHU/MMA Workshop Sobre Contas de Água, Energia, Terra e Ecossistemas Rio de Janeiro, 23 a 25 de setembro de 2009 BRASIL

Leia mais

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Histórico 1981 Lei 6938/81 Política do Meio Ambiente, criação do SISNAMA e do SINIMA como

Leia mais

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos 34 ESTADUAL - SANTA CATARINA Lei 407, de 2009 Dispõe sobre a coleta dos resíduos sólidos inorgânicos nas áreas rurais. Lei 11.347, de 17/01/2000 Dispõe sobre a coleta, o recolhimento e o destino final

Leia mais

Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico. Alexandre Brandão. 30 de junho. Diretoria de estudos urbanos e ambientais

Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico. Alexandre Brandão. 30 de junho. Diretoria de estudos urbanos e ambientais Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico Alexandre Brandão 30 de junho SUMARIO 1. Trabalhos recentes sobre indicadores 2. Questões que permanecem 3. Análise do mapa estratégico

Leia mais

O PAPEL DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA POLÍTICA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS.

O PAPEL DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA POLÍTICA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. O PAPEL DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA POLÍTICA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Autores: João Bosco Senra 1 ; Roseli Santos Souza 2 & Marcio Benedito Baptista 3 Resumo -

Leia mais

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL*

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Ricardo Henriques Seminário Internacional: Determinantes sociais da saúde, intersetorialidade e equidade social na América Latina

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO O MCIDADES deve coordenar a elaboração dos Planos de RIDE Lei 11.445/07: Art. 52. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério das Cidades: I ( ); II - planos

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 181, DE 7 DE DEZEMBRO DE (PUBLICADA NO D.O.U EM 23/01/2017)

RESOLUÇÃO Nº 181, DE 7 DE DEZEMBRO DE (PUBLICADA NO D.O.U EM 23/01/2017) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO Nº 181, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2016. (PUBLICADA NO D.O.U EM 23/01/2017) Aprova as Prioridades, Ações e Metas do Plano Nacional

Leia mais

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL.

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. Luis Roberto Santos Moraes Maria das Graças de Castro Reis Viviana

Leia mais

PLANO DE APLICAÇÃO RECEITAS DESCRIÇÃO VALORES PERCENTUAIS ESCLARECIMENTOS DESPESAS

PLANO DE APLICAÇÃO RECEITAS DESCRIÇÃO VALORES PERCENTUAIS ESCLARECIMENTOS DESPESAS PLANO DE APLICAÇÃO - 2011 RECEITAS DESCRIÇÃO VALORES PERCENTUAIS ESCLARECIMENTOS 1- Valor do repasse do Contrato de Gestão IGAM 2010 R$ 8.000.000,00 100% R$ 8.000.000,00 100% Instrumento Legal: Contrato

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, 2011 Plano Diretor Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado CONCEITO: O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico

Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico Seminário Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia - 2015 Maria Consuelo Bomfim Brandão Funasa/Suest-BA Saneamento básico -controle social

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

Política Nacional de Florestas Plantadas

Política Nacional de Florestas Plantadas Política Nacional de Florestas Plantadas TOCANTIS FLORESTAL Novembro 2013 PORQUE DE UMA POLÍTICA: Existe política, ainda desarticulada Necessidade de se complementar a família de políticas florestais UNIDADES

Leia mais

Realizaçã Parceria: Apoio: o:

Realizaçã Parceria: Apoio: o: I Oficina Técnica: Mosaicos de Áreas Protegidas Programa Mosaicos e Corredores Ecológicos no Panorama Nacional Realizaçã Parceria: Apoio: o: São Paulo SP 06 e 07 de agosto de 2009 Corredor Central Mata

Leia mais

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Assembleia Ordinária CONSEA-Rio 12 de julho de 2016 Juliana Casemiro Nutricionista Sanitarista Professora Adjunta DNS/INU/UERJ

Leia mais

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s 23.04.2008 Decio Michellis Jr. Leis Decretos Resoluções Portarias Instruções Normativas Normas Convenções TOTAL 1. Água e efluentes

Leia mais