Seguro de Responsabilidade Civil Maxime Contrato de Seguro Automóvel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seguro de Responsabilidade Civil Maxime Contrato de Seguro Automóvel"

Transcrição

1 2º Ciclo 1º Semestre 2010/ 2011 Mestrado em Direito Ciências Jurídicas Forenses Direito dos Seguros Seguro de Responsabilidade Civil Maxime Contrato de Seguro Automóvel Inês Lopes Raimundo, 1230 Rita Correia Martins,

2 Índice Introdução..Página 3; Responsabilidade Civil Generalidades...Páginas 4 a 8; Responsabilidade Civil Objectiva em especial, danos causados por veículos..páginas 9 a 18; Contrato de Seguro Breve Síntese. Páginas 16 a 19; Contrato de Seguro de Responsabilidade Civil em especial... Páginas 20 a 28; Seguro de Responsabilidade Civil automóvel - Regime do DL 291/2007, de 21 de Agosto; Parte uniforme das condições gerais da apólice de seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel, Norma Regulamentar do ISP n.º 14/2008 R......Páginas 29 a 34; Exemplo: Contrato de Seguro Automóvel análise...páginas 35 a 37; Bibliografia Página 38. 2

3 Introdução Na vida social os comportamentos adoptados por uma pessoa causam muitas vezes prejuízos a outrem Carlos Alberto da Mota Pinto A actuação jurídica das pessoas pode atingir o interesse de outrem, causando-lhe danos Carvalho Fernandes Nem sempre apenas aos outros acontece. Lançamos este como mote do trabalho que se segue e o qual nos propusemos realizar, acerca do Seguro de Responsabilidade Civil. Muitas são as vezes em que diariamente, milhares de pessoas são assoladas pela ideia de que não há, de facto, uma necessidade real em contratar um seguro para cobrir riscos de eventos que só acontecem aos outros e que as levam a despender bens que poderiam ser utilizados com outros fins tão diversificados. Outras são as vezes em que é reconhecida a importância do seguro mas o mesmo fica adiado para outra altura. Pode também acontecer que não seja celebrado um contrato de seguro por ignorância da obrigatoriedade do mesmo. Pode designar-se Direito dos Seguros o conjunto sistemático de normas jurídicas que disciplinam o regime jurídico da actividade seguradora; é concretizado por um contrato, designado, Contrato de Seguro. O contrato de seguro é o contrato entre o cliente e uma companhia de seguros, através do qual é possível garantir que, em certas ocasiões, o segurado poderá contar com um suporte financeiro complementar, existindo um sem número de situações que, pelos montantes em causa, se tornam agressivas pelo montante que a pessoa teria de envolver, não fosse o contrato. Este texto pretende ser uma contribuição para o estudo do Contrato de Seguro de Responsabilidade Civil, no exemplo do Seguro de Responsabilidade Civil Automóvel, com as respectivas delimitações pelo intitulado Contrato de Seguro no geral, que permitirá uma visão mais completa do tema. 3

4 Regime da Responsabilidade Civil Generalidades Dispõe o art. 483.º do Código Civil que, Aquele que com dolo ou mera culpa violar ilicitamente o direito de outrem ou qualquer disposição legal destinada a proteger interesses alheios, fica obrigado a indemnizar o lesado pelos danos resultantes da violação. Esta disposição versa de uma das modalidades de Responsabilidade Civil previstas no Código Civil, a Responsabilidade Civil Subjectiva, Extracontratual ou delitual, resultante da violação de direitos absolutos, ou da prática de certos actos ilícitos que causem prejuízo a outrem. Não obstante, não é o único modelo existente no nosso ordenamento, conhecendo-se outras modalidades como a Responsabilidade Civil Contratual, proveniente do não cumprimento das obrigações emergentes dos contratos, negócios unilaterais ou Lei. Poder-se-á ainda reconhecer a existência de um modelo de Responsabilidade Civil Objectiva, pelo risco, onde a culpa não é um pressuposto e, a Responsabilidade Civil Pré Contratual, relativa à violação de deveres pré contratuais nas práticas que os envolvam. O Código Civil trata as várias modalidades em lugares distintos, deslocando o regime de Responsabilidade Civil Contratual para o capítulo onde regula, perto do cumprimento, as formas e efeitos do não cumprimento das obrigações. Há todavia, uma série de problemas comuns às modalidades de Responsabilidade Civil, tendo neste caso, o Código, tratado as mesmas conjuntamente, ao fixar o regime próprio da obrigação de indemnizar, art. 562.º e seguintes. Vários pressupostos são condicionantes da obrigação de indemnizar imposta ao lesante, a saber 1) o facto voluntário do agente; 2) que infrinja objectivamente quaisquer das regras disciplinadoras da vida social ilicitude; 3) nexo de imputação do facto ao lesante; 4) que à violação provenha um dano; 5) nexo de causalidade entre o facto praticado pelo agente e os danos sofridos na esfera do lesado. 4

5 Começaremos a nossa análise, que passará pela exposição dos pressupostos que foram indicados, pelo facto voluntário praticado pelo lesante. O elemento básico da responsabilidade é o facto do agente, dominável pela vontade, um comportamento ou forma de conduta humana. Este facto é positivo, supõe a violação de um dever geral de abstenção, do dever de não ingerência da esfera de acção do titular do direito absoluto. Também pode, não obstante, traduzir-se num facto negativo, numa abstenção ou mesmo omissão a omissão não pode, como pura omissão, gerar física ou materialmente o dano sofrido pelo lesado, mas entende-se que, a omissão é causa do dano sempre que haja dever jurídico de praticar um acto que teria impedido a consumação desse dano. Quando se alude a facto voluntário do agente, não se pretende restringir os factos humanos relevantes, em matéria de responsabilidade, aos actos queridos. Há inúmeros casos negligência consciente em que não existe semelhante representação mental e ninguém contesta a obrigação de indemnizar. Não está também inteiramente excluída a responsabilidade das pessoas que, por carência de capacidade de exercício não possuem vontade juridicamente relevante no domínio dos negócios jurídicos conquanto que tenham capacidade natural de entendimento e de acção, como se percebe pelo art. 488.º, n.º1 do Código Civil. Mas o que significa facto voluntário? Facto voluntário significa facto objectivamente controlável ou dominável pela vontade para fundamentar a Responsabilidade Civil basta a possibilidade de controlar o acto ou a omissão. De fora, ficam apenas os danos provocados por causas de força maior ou pela actuação irreversível de circunstâncias fortuitas. Por outro lado, não é bastante que alguém pratique um facto prejudicial aos interesses de outrem para que seja obrigado a compensar o lesado entramos no pressuposto da ilicitude. O Código procurou fixar em termos exactos e precisos o conceito, descrevendo concretamente as duas variantes fundamentais através das quais se pode revelar o carácter anti-jurídico ou ilícito do facto. 5

6 Apela-se a critérios de bom senso e equilíbrio, percebendo-se a intenção do legislador em auxiliar o intérprete na tarefa de delimitar o campo de actuação ilícita perante a zona de comportamentos que muito embora possam causar danos a outrem, são ou não sancionados pelo direito. Duas são as formas de ilicitude, a saber, violação de um direito de outrem e, violação da lei que protege interesses alheios. Ilicitude e violação de um direito de outrem não constituem expressões sinónimas. Precisamente porque reparação constitui uma sanção é que o dever de indemnizar pressupõe em regra a culpa do agente. Só o carácter punitivo da Responsabilidade Civil permite explicar que a indemnização possa variar consoante o grau de culpabilidade, que a repartição da indemnização se faça na medida das respectivas culpas quando solidária e, que a graduação da reparação, quando haja culpa do lesado, se faça com base na gravidade da culpa de ambas as partes. A ilicitude traduz assim a reprovação da culpa do agente, embora no plano geral e abstracto em que a Lei se coloca. Subjacente a requisitos de ilicitude, a função preventiva subordina-se à reparadora, na medida em que só excepcionalmente o montante da indemnização excede o valor do dano. Apesar de tudo, existem condutas ilícitas que se entendem não passíveis de aplicação das regras relativas à Responsabilidade Civil por redundarem em causas de exclusão da ilicitude. O facto, embora prejudicial aos interesses de outrem ou violando direitos alheios, considera-se justificado, e por consequência lícito, sempre que praticado no exercício regular de um direito ou cumprimento de um dever. Entendem-se como causas de exclusão da ilicitude a acção directa, a legítima defesa, o estado de necessidade e, o consentimento do lesado. Entende-se por acção directa o recurso à força para realizar ou assegurar o direito, sendo necessário que o agente que a leva a cabo seja titular de um direito que procura assegurar. O recurso à força terá de ser indispensável pela impossibilidade de recorrer em tempo útil aos meios coercivos normais para evitar 6

7 a inutilização prática do direito desse agente. Por outro lado, de referir que o agente não pode exceder o estritamente necessário para evitar o prejuízo. Se os requisitos se verificarem, não haverá lugar a indemnização pelos danos proferidos. Não se verificando algum requisito será o autor da acção directa obrigado a indemnizar os danos causados, salvo se tiver agido na persuasão errónea da sua verificação e o erro for desculpável. Já acerca da legítima defesa, a mesma traduz-se na reacção destinada a afastar a agressão actual e ilícita da pessoa ou património. Necessário é que os bens lesados por quem se defende sejam do agressor e que se verifique uma situação de agressão, actualidade e ilicitude, necessidade de reacção e adequação. O autor da legítima defesa é isento de compensar os danos por si causados aliás, considera-se o acto de legítima defesa desculpável mesmo com excesso da mesma, provindo o mesmo de perturbação ou medo não culposo o chamado medo invencível. No que ao estado de necessidade toca, o mesmo designa o acto daquele que para remover o perigo actual de um dano manifestamente superior, quer do agente, quer de terceiro, destrói ou danifica coisa alheia. Haverá obrigação de indemnização por parte do autor sempre que a situação de perigo for resultado de sua culpa exclusiva. Finalmente, refere-se o consentimento do lesado como a aquiescência do titular do direito à prática do acto que sem ela constituiria violação desse direito ou a ofensa da norma de interesse tutelada. Ressalva-se, claro está, o caso de o acto autorizado ser contrário a uma proibição legal e constitua crime, não integrando a previsão desta modalidade. Ultrapassando a questão anterior, entramos no pressuposto do nexo de imputação do facto ao lesante. Presente está a necessidade de que o autor aja com culpa para a indemnização proceder, entenda-se, actuar em moldes de a conduta do agente merecer a reprovação pelo direito vigente considerar-se que o autor podia e devia ter agido de outro modo. Desta questão provém a da imputabilidade, sendo imputável aquele com capacidade natural para prever os efeitos e medir o valor dos actos que pratica e para se determinar de harmonia com o juízo que se faça acerca deles. Excepciona-se esta situação com a verificação da previsão do art. 488.º do Código 7

8 Civil, não respondendo pelas consequências de um facto danoso quem no momento em que o facto ocorreu, estava incapacitado de entender ou de o querer. No caso onde não se verifique haver pessoas obrigadas à vigilância do agente ou em que se verifiquem as circunstâncias do art. 491.º do Código civil, a lesão tende a ficar sem reparação, por falta de quem responda por ela. De seguida, é necessário aferir a culpa do agente, quando a mesma se observa. Para que o facto possa ser imputável, é necessário que o autor tenha agido com culpa, exprimindo um juízo de reprovabilidade da conduta do autor face às circunstâncias. A culpa pode ser uma culpa dolosa quando o lesado contribui conscientemente para o dano ou negligente quando existe por parte do autor do dano uma omissão da conduta que se lhe exigia. Por outro lado, cumpre referir que para que se possa legitimar uma conduta nos termos da Responsabilidade Civil, tem de haver dano que o facto ilícito tenha causado prejuízos. Entenda-se como dano a perda in natura que o lesado sofreu em consequência de certo facto, nos interesses que o direito violado ou a norma infringida visavam proteger. Finalmente, resta abordar a temática do nexo de causalidade. Sabe-se que, apenas os danos resultantes do facto relevam a uma responsabilidade do lesante. Por um lado, afirmar em primeiro lugar, que casos existem em que se presume a culpa do autor do dano, art. 491.º e seguintes do Código. Em todos eles, com excepção do exercício de actividades perigosas, se isenta o autor do dano da responsabilidade, se se provar que não houve culpa da sua parte. Havendo, terá então de se mostrar que o dano teria ocorrido ainda que o facto se não tivesse verificado relevância negativa da causa virtual de um determinado dano. É titular do direito à indemnização, aquele que for titular de Direito violado ou do interesse imediatamente lesado com a violação da disposição legal não o é o terceiro só indirectamente prejudicado. 8

9 Responsabilidade Objectiva ou pelo Risco Há sectores da vida ou necessidade sociais que se sobrepõem à justiça. Daqui advém a teoria do risco, nos termos da qual, quem cria um risco deve suportar as consequências prejudiciais já que colhe o benefício que dele advém. A excepcionalidade do regime que se está a analisar não provém somente da responsabilidade, nos seus pressupostos, prescindir da culpa do lesante. Reside em não exigir, ainda, ilicitude. Responsabilidade do Comitente Na sequência do art. 500.º do Código Civil, o comitente responde em determinados moldes independentemente da culpa que tenha, pelos danos que o comissário cause a algum terceiro, desde que o comissário tenha culpa. Percebe-se neste modelo de Responsabilidade que possui um verdadeiro carácter objectivo, independente da culpa, não cessando pelo facto de o comissário ter agido de alguma forma, contra as instruções que lhe deram. Aliás, não adianta provar a não culpa do comitente ou a ocorrência de facto danoso ainda que não houvesse actuação culposa se houver culpa do comitente e do comissário, qualquer um responde solidariamente perante o lesado, repartindo-se a indemnização por estes agentes na proporção da sua culpa. Só havendo culpa do comitente só ele tem de levar a cabo uma indemnização nos termos da responsabilidade por factos ilícitos. Se não houver culpa do comissário, o comitente que houver já pago, poderá exigir o regresso total. Os pressupostos desta modalidade de Responsabilidade Civil assentam, em primeiro lugar, na existência de um vínculo entre o Comissário e o Comitente, havendo comissão. Por outro lado, verificar-se a prática do facto ilícito em exercício de função. O comissário tem ainda de procedes intencionalmente ou contra as instruções do comitente. O Comitente só responde havendo culpa do comissário art. 506.º, n.º 1 e art. 503.º, n.º 3, do Código Civil, podendo ser uma culpa aferida por simples presunção de culpa do Comissário, que ele não consiga ilidir. Havendo responsabilidade do comitente, haverá responsabilidade solidária do comissário, operando-se a repartição do montante da indemnização, nos termos do 9

10 art. 497.º, do Código Civil tem no entanto, o comitente, direito de regresso contra o comissário, nos termos do art. 500.º, n.º 3 do Código Civil. Danos Causados por veículos em especial No caso de danos causados por veículos, vigora o princípio da Responsabilidade pelo Risco. Em primeiro lugar, será responsável o dono do veículo, visto ser o mesmo a aproveitar as vantagens do meio de transporte e que tem de se responsabilizar pelos riscos próprios da utilização do veículo. Não obstante, se há direito de usufruto sobre a viatura ou, tendo o dono emprestado/ alugado o veículo ou ainda, tendo o mesmo sido furtado, ou sido abusivamente usado por motorista ou empregado, já não se justifica a responsabilização do dono. Geralmente, a lei identifica a pessoa responsável através de a) direcção efectiva do veículo; b) utilização deste no próprio interesse. Nos termos do art. 503.º do Código Civil, responde pelos danos que o veículo causar, quem tiver a direcção efectiva do mesmo e o utilizar no seu próprio interesse ainda que por intermédio de comissário tratando-se das pessoas a quem especialmente incumbe tomar providências adequadas para que o veículo funcione. A direcção efectiva do veículo é o poder real sobre o mesmo. Não equivale a ter o volante nas mãos. Tem a direcção efectiva a pessoa que goza ou usufrui das suas vantagens e a quem cabe controlar todo o seu funcionamento o detentor. Responsabilidade do Comissário O condutor não responde provando não haver culpa sua. Havendo culpa sua porque se prova ou não se ilidiu a presunção de culpa, responderão solidariamente perante terceiro, o condutor e o detentor do veículo, tendo este, se pagar, direito de regresso contra aquele nos termos do art. 500.º, n.º 3 do Código Civil. Nos termos do art. 503.º, n.º 3 do Código Civil, quanto a danos causados pelo condutor do veículo por conta de outrem, estabelece-se presunção de culpa. Afasta-se o espectro de limitação do campo de aplicação do preceito legal à hipótese da responsabilidade objectiva do dono do veículo, nas relações deste com o Comissário, 10

11 mediante determinação explícita da aplicabilidade da presunção de culpa às relações entre condutor do veículo e o lesado. Defendeu-se num Assento de 1994 que, a responsabilidade por culpa presumida do Comissário, nos termos do art. 503.º, n.º 3, do Código Civil, é aplicável no caso de colisão de veículos, art. 506.º, do Código Civil. Presume-se que o comissário que conduz o veículo tem culpa no dano pelo perigo sério de desleixo na segurança pelo veículo não lhe pertencer. Além disso, os comissários geralmente serão profissionais, pessoas de quem se pode exigir perícia na condução. Nos casos em que há culpa do condutor no acidente, o detentor ou utente pode ser chamado a responder nos termos da Responsabilidade Civil por um duplo fundamento, a) como detentor do veículo, criador do risco aplicam-se os limites máximos da Responsabilidade fixados no art. 508.º do Código Civil; b) como comitente, garante da obrigação de indemnizar a cargo do comissário a responsabilidade do comitente cobre toda a obrigação de indemnizar do comissário. Se o acidente se verifica quando o comissário utilizou o veículo fora das suas funções, passa o condutor a responder independentemente da culpa, ainda que habitualmente o conduza por conta de outrem, nos termos do art. 503.º, n.º 1 do Código Civil. Diferente é a situação de o veículo que circula contra a vontade da pessoa por quem habitualmente é utilizado não há fundamento para se lhe assacar responsabilidade nos termos do art. supra referido tendo obrigação de indemnizar quem tenha a direcção efectiva do veículo. Mesmo nos casos em que a utilização abusiva tenha sido facilitada por falta de precaução do dono do veículo. Em caso de aluguer de veículos, os mesmos são conduzidos no interesse do locatário e do locador, respondendo ambos solidariamente por qualquer dano que se venha a provocar. Danos Indemnizáveis Os danos que a pessoa responsável é obrigada a indemnizar são os que tiverem como causa o acidente provocado pelo veículo. A responsabilidade objectiva estende-se apenas aos danos provenientes dos riscos próprios do veículo, mesmo que este não se encontre em circulação. 11

12 Ficam de fora os danos sem conexão com os riscos específicos do veículo e os danos estranhos aos meios de circulação ou transporte terrestre. Beneficiários da Responsabilidade Nos termos do art. 504.º, do Código Civil, tanto podem ser beneficiários terceiros como as pessoas transportadas quanto a pessoas transportadas gratuitamente só serão beneficiárias quanto aos danos causados na sua pessoa, danos pessoais DL 14/96, de 6 de Março. Exclusão de Responsabilidade Nos termos do art. 505.º do Código Civil, exclui-se a responsabilidade do utente do veículo, quando o acidente puder ser imputável ao lesado ou ao terceiro ou, quando resulte de causa de força maior estranha ao veículo. Verificado qualquer dos pressupostos entende-se haver uma ruptura no nexo de causalidade o dano passa a não ser efeito adequado do risco. Também a culpa do lesado, não havendo culpa do agente, exclui a obrigação da reparação do dano. Havendo causa de força maior, concorrendo com a culpa do condutor, mantém-se a responsabilidade deste embora a mesma se verifique atenuada. Acidente imputável ao próprio lesado Acidente devido a facto culposo do lesado, apurando-se quando não devem os danos causados pelo acidente serem considerados um risco próprio do veículo mas, antes como consequência de facto imputável à vítima. Tendo havido culpa simultânea de condutor e vítima lesada, vem o art. 570.º, do código Civil tecer que o Tribunal será encarregado de verificar se a indemnização deve ser excluída, diminuída. Acidente imputável a terceiro Entenda-se como terceiro, outro condutor, peão ou passageiro. A circunstância de o acidente ter como causa o facto de terceiro, exclui a responsabilidade objectiva do detentor do veículo, não se admitindo concorrência de risco e culpa de terceiro apenas se poderá verificar concorrência entre a culpa de terceiro e a do condutor, nos termos do art. 570.º, do Código Civil, que já se referiu. 12

13 Quando se imputa um acidente a uma terceiro que se verifique ser provocado por animal poder-se-á responsabilizar ou, quem o assume no seu interesse, art. 505.º, do Código Civil ou, quem assume o encargo de vigilância, art. 493.º, n.º1, do Código Civil. Caso de força maior estranha ao funcionamento do veículo Neste caso, entende-se como caso de força maior o acontecimento imprevisível cujo efeito danoso é inevitável com as precauções normais exigidas. Se tal acontecimento for causa estranha ao funcionamento do veículo o detentor não responde na verificação de danos. Colisão de veículos No caso em questão, havendo culpa dos dois condutores, cada um vai responder pelos danos do facto que praticou. Só sendo um o culpado, será esse o responsável. No caso de culpa de ambos em que não se possa determinar a medida da culpa respondem em igual proporção. Limites da Responsabilidade Reconhecendo os inconvenientes e dificuldades que as indemnizações, para além de certo montante, podem causar ao detentor do veículo e a violência que podem representar, quando não haja culpa do responsável, a lei estabeleceu limites máximos de indemnização para a responsabilidade objectiva. Havendo dolo ou mera culpa não se estabelece um limite. Se não houver culpa do condutor mas responsabilidade objectiva pelo 503.º, do Código Civil, há limites quantitativos art. 508.º, n.º1 do Código Civil, fixando-se como limite máximo o capital mínimo do seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel. Pluralidade de Responsáveis Pode suceder que várias pessoas sejam responsáveis pelo dano. Se o acidente não envolver culpa do condutor mas o veículo pertencia a duas ou mais pessoas, serão essas as responsáveis pelo dano, salvo verificando-se alguma causa de exclusão da ilicitude. 13

14 Noutra perspectiva, o dano pode ser causado num terceiro, pela colisão de dois outros veículos. Nos termos do art. 507.º, n.º 1, do Código Civil, respondem ambos os detentores dos veículos. Ainda nos termos do art. supra mencionado, em face de terceiros ou pessoas transportadas, sempre que haja vários responsáveis, respondem estes solidariamente. Se apenas um dos intervenientes teve culpa, o que pagou sem culpa terá direito de regresso contra o culpado, nos termos do n.º 2 do mesmo art. e do art. 497.º, n.º2, do Código Civil. Não havendo culpa de nenhum, a indemnização repartir-se-á de harmonia com o interesse de cada detentor na utilização do automóvel e em caso de dúvida considera-se que o interesse de cada um dos responsáveis é igual, aplicando-se o art. 506.º, n.º2, do Código Civil, analogicamente. Concorrência de responsabilidades Neste tema opera o facto de o dano ser provocado por acidente considerando o chamado acidente de trabalho. O mesmo facto integra várias fontes de responsabilidade pela concorrência de normas legais qualificadoras do facto. Se o detentor do veículo e a entidade patronal não forem a mesma pessoa, haverá pluralidade de responsáveis. Não obstante, distingam-se as relações externas das internas. No âmbito das relações externas entre cada um dos responsáveis e o lesado a doutrina e a jurisprudência aceitam que os responsáveis respondam solidariamente pelos danos que o lesado tenha sofrido. O lesado poderá exigir a reparação dos danos da entidade patronal, invocando o facto de ter sido atingido em serviço, e do condutor ou detentor, como responsáveis pelo risco de utilização do veículo. As indemnizações não se somam. No âmbito das relações internas entre os responsáveis pela reparação se é o detentor quem paga a indemnização, nenhum direito lhe competirá em relação à entidade patronal. Pelo contrário, sendo a entidade patronal a responder pelos danos, fica esta subrogada nos direitos do sinistrado. 14

15 Competência, Responsabilidade Civil e Responsabilidade Criminal Os Tribunais Cíveis são competentes em razão da matéria para acções de indemnização propostas contra o condutor ou proprietário do veículo, pelos danos resultantes de acidente de viação quando em acção penal contra os mesmos movida tenha sido proferida condenação para indemnização. A decisão penal constitui caso julgado quanto à indemnização arbitrada entre o condutor e lesado. Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel O contrato de seguro é o negócio jurídico pelo qual uma das partes se obriga a cobrir o risco que certo facto futuro e incerto constitui para a outra parte, mediante prestação certa e periódica que esta efectivará. O sinistro coberto é a obrigação de indemnizar que por virtude do acidente recaia sobre o segurado. O seguro não acompanha o veículo no caso de alienação deste. Nos casos em que o réu é incógnito ou, não possua contrato de seguro, poderse-á accionar o fundo de garantia automóvel para, deste modo, assegurar a cobertura dos danos pelo acidente causados. 15

16 Breve síntese sobre o contrato de seguro A actividade humana é uma actividade de risco, como tal foram criadas as empresas de seguros, que desenvolvem uma actividade de cobertura remunerada de riscos alheios, permitindo assim aos indivíduos e às organizações gerir riscos que resultam das suas acções e omissões; esta gestão do risco será feita mediante a transferência do custo económico ligado a tal risco (para a empresa de seguros), mediante um pagamento de prémio. Nas palavras de Engrácia Antunes: com o seguro as pessoas compram paz de espírito e as organizações compram alguma segurança (podendo desenvolver uma actividade de maneira mais estável e previsível). O mesmo autor define contrato de seguro como o contrato pelo qual uma pessoa singular ou colectiva (tomador de seguro) transfere para outra (uma empresa especialmente habilitada segurador; sob pena de nulidade do contrato art. 16/2 LCS) o risco económico da verificação de um dano, na esfera jurídica própria ou alheia, mediante o pagamento de uma remuneração. O tomador obriga-se a pagar uma determinada contrapartida prémio e o segurador obriga-se a efectuar uma determinada prestação pecuniária em caso de ocorrência do evento aleatório convencionado (sinistro). Assim, para o autor existem obrigações recíprocas das partes contratantes: o segurador tem o dever de realizar a prestação convencionada em casa de verificação dos eventos compreendidos no risco coberto pelo contrato, e o tomador tem o dever de pagar o prémio. Para a professora Margarida Lima Rego seguro é o contrato pelo qual uma parte, mediante retribuição (prémio), suporta o risco económico da outra parte ou de 3.º, obrigando-se a dotar a contraparte ou o 3.º dos meios adequados à supressão ou atenuação de consequências negativas reais ou potenciais da verificação de um determinado facto. Na verdade, para a autora não se pode falar em obrigações constituídas para ambas as partes, com a celebração do contrato; porque a cobertura do risco depende do pagamento do prémio, ou seja, da análise do art.59.º LCS se conclui que até ao pagamento do prémio o contrato tem a sua eficácia suspensa. Logo, o tomador de seguro não está obrigado a pagar o prémio; tem, sim, a opção de pagar ou não, sendo que se não pagar o contrato não produz os seus efeitos. Deste modo, o que existe é 16

17 um contrato celebrado condicionalmente, isto é, a eficácia do contrato depende do preenchimento da condição: pagamento do prémio. Na perspectiva do segurador que vai pagar a indemnização em caso de sinistro, não se pode falar em obrigação de indemnizar, na medida em que o segurador, no contrato, apenas se vincula-se a uma obrigação condicional, ou seja, vincula-se a que seja constituída na sua esfera jurídica uma obrigação mas só na eventualidade de ocorrer um sinistro. Daí a que o contrato de seguro seja sinalagmático, uma vez que existe uma troca entre vinculações (que é a expressão mais correcta do que obrigações). São pressupostos do contrato de seguro: o risco e o interesse. A existência de risco significa a possibilidade de ocorrência de um evento futuro (não se sabe se o evento vai acontecer, nem quando irá acontecer e nem quais as consequências que trará) gerador de perdas no património próprio ou alheio (o contrato é nulo se não existir risco no momento da sua conclusão, e caduca se o risco desaparecer durante a sua vigência). O âmbito do risco coberto deve ser delimitado em concreto pelas partes (é elemento obrigatório em todas as apólices art.37.º/2/d), havendo uma delimitação da cobertura de base, o que significa que, se fixam os factos cuja ocorrência gera o dever de pagar a indemnização pelo segurador; e uma delimitação negativa, enumerando as exclusões e limitações. Por outro lado, o interesse implica uma relação económica entre o sujeito do risco e os bens ou pessoas que beneficiam da cobertura do seguro; tem de haver uma necessidade económica do interessado no seguro (a ausência ou desaparecimento superveniente têm as mesmas consequências da ausência o desaparecimento do risco). Engrácia Antunes, caracteriza o contrato de seguro como um contrato de adesão, uma vez que a regra é que o tomador de seguro apenas pode aderir ou rejeitar em bloco um conjunto de cláusulas contratuais padronizadas elaboradas prévia e unilateralmente pelo segurador. E é também um contrato aleatório na medida em que existe um estado de incerteza relativamente ao significado patrimonial do contrato para os contraentes, pois é impossível saber à partida quais os ganhos ou perdas dele decorrentes para eles. Quanto aos tipos de seguros, a LCS divide-os em seguros de danos (art.123.º a 174.º) e seguros de pessoas (art.175.º a 217.º). Os seguros de danos visam uma cobertura de riscos respeitantes a coisas, bens imateriais, créditos e outros direitos patrimoniais (art.123.º); e a própria lei prevê 17

18 expressamente alguns sub tipos: como o seguro de responsabilidade civil (art.137.º e ss.), seguro de incêndio (149.º), de colheitas e pecuário (152.º), de transporte de coisas (155.º), de crédito (161.º), de caução (162.º), de protecção judiciária (167.º) e de assistência (173.º). Os seguros de pessoas visam a cobertura de riscos relativos à vida, saúde e integridade física de uma pessoa ou grupo de pessoas (art.175.º). Vale a pena referir que paralelamente a estes tipos, existem inúmeras classificações de cariz legal e doutrinal. Além disso, no direito institucional dos seguros desenvolveu-se uma divisão, legalmente estabelecida (art.123.º e 124.º RGES), entre seguros de ramos vida e não vida. Os primeiros correspondem parcialmente ao seguro de pessoas, e abrangem os seguros de vida, natalidade e nupcialidade, de fundos de investimento, de capitalização e gestão de fundos colectivos de reforma. Os segundos abrangem a maioria dos seguros existentes: seguros de acidentes, doença, veículos terrestres, incêndio, responsabilidade civil geral, etc. Voltando, ao regime do contrato de seguro, ao lado dos sujeitos contratuais encontramos terceiros: segurado, pessoa segura, e terceiros beneficiários. O segurado é o sujeito que está coberto pelo seguro, podendo ser o tomador (seguro por conta própria) ou um terceiro determinado ou determinável (seguro por conta de outrem). A pessoa segura, é, nos seguros de pessoas, a pessoa singular cuja vida, saúde, ou integridade física representa o objecto material seguro realizado. Os terceiros beneficiários são as pessoas que têm o direito de exigir a prestação do segurador em caso de liquidação do sinistro. Na fase pré-contratual, quer segurador quer tomador do seguro ou segurado têm amplos deveres de informação. Por um lado, o segurador deve prestar todas as informações e esclarecimentos necessários à compreensão do contrato; devendo também aconselhar acerca das modalidades alternativas de seguro tendo em conta o perfil do tomador (o incumprimento gera responsabilidade civil do segurador e confere ao tomador um direito de resolução do contrato); por outro lado, o tomador de seguro ou o segurado têm o dever de prestar todas as informações necessárias para que o segurador possa fazer uma correcta avaliação do risco, e possa calcular correctamente o prémio devido, e decidir conscientemente se aceita ou recusa a proposta do tomador de seguro. 18

19 Vale a pena referir que, regra geral, no contrato de seguro é proponente o tomador, e aceitante o segurador (a aceitação pode ser expressa ou tácita; o silencio do segurador no prazo de 14 dias após a recepção da proposta é considerado aceitação art.27.º). Por outro lado, a apólice de seguro é, nas palavras de Engrácia Antunes: o documento escrito, físico ou electrónico, que formaliza e titula o contrato de seguro celebrado entre segurador e tomador, de onde constam as respectivas condições gerais, especiais e particulares. As condições gerais são aquelas cláusulas no contrato que são aplicáveis em todos os seguros de um determinado ramo ou modalidade; as condições especiais são cláusulas que concretizam, completam ou delimitam as gerais, dizendo respeito a certa sub modalidade ou tipo de contrato; as condições particulares dizem respeito a cada contrato concreto, permitindo a adaptação do mesmo às características daquele risco ou daquelas pessoas ou coisas seguras. Quanto ao regime do prémio vale a pena referir que o pagamento do prémio é um pressuposto da cobertura de risco: sem prémio não há cobertura (59.º), logo na falta de pagamento do prémio ou fracção inicial existe caducidade do contrato desde a data da sua celebração (art.61.º); se não forem pagas as fracções ulteriores do prémio, os prémios adicionais na data do vencimento, haverá na mesma caducidade a partir de tal data; nos contratos de renovação automática, a falta de pagamento de anuidades subsequentes ou suas fracções iniciais na data do vencimento, impede a prorrogação do contrato. Noutro prisma, podem existir alterações supervenientes do risco coberto, podendo este agravar-se ou atenuar-se. Se existirem circunstâncias que agravem o risco, o segurador tem o direito de propor ao tomador a alteração do contrato, ou a resolução do mesmo (93.º). Caso ocorram circunstâncias que diminuam o risco, o segurador tem o dever de reduzir o montante do prémio, e se o tomador não concordar com o novo valor poderá resolver o contrato (92.º). Por fim, os contratos podem cessar por força de nulidade ou anulabilidade, o que significa que, por ocorrência de eventos contemporâneos a sua formação; mas também por factos ocorridos durante a sua vigência: caducidade (decurso do tempo, desaparecimento do risco coberto), revogação (as partes acordam a cessação), denúncia (feita por qualquer das partes a qualquer momento), e resolução (fundada em justa causa). 19

20 REGIME DO CONTRATO DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL (LCS) Nota Prévia Com o evoluir dos tempos surgiram, por um lado, novos riscos a que está exposto o Homem, e por outro aumentou bastante a probabilidade de uma qualquer pessoa ser civilmente responsável e consequentemente detentora de uma obrigação de indemnizar os danos causados ao terceiro lesado (ou terceiros) vítima. De facto, a partir do momento em que desapareceu o princípio de que não existe responsabilidade sem culpa, surgindo a responsabilidade civil objectiva; e com a utilização cada vez maior de instrumentos perigosos (essenciais muitas vezes ao desenvolvimento), que causavam inúmeros acidentes e lesados, foi incrementada a celebração de seguros de responsabilidade civil. Realmente, a possibilidade de causar danos a outrem pode estar relacionada com qualquer sector da vida de uma pessoa, isto é, os prejuízos causados a terceiros tanto podem surgir nas relações da vida pessoal, como profissional, empresarial ou comercial; na medida em que qualquer actuação é apta para, de algum modo, causar prejuízos a terceiros. Assim, como existe essa obrigação de indemnizar os lesados, decorrente do instituto da responsabilidade civil, e como essa situação pode deixar o autor dos danos numa posição económico-financeira difícil ou mesmo sem capacidade de indemnizar o lesado por falta de meios económicos, foi criado o SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. Alguns autores defendem que o seguro de responsabilidade tem dois objectivos: o primeiro diz respeito à tutela do segurado, de modo a que não sofra um grande prejuízo no seu património, pois a não celebração do contrato de seguro poderia deixá-lo numa situação económica complicada, ou mesmo numa situação de insolvência; e o segundo prende-se com a protecção do lesado, uma vez que garante que este seja ressarcido dos danos que sofreu. Estes autores consideram que o seguro de responsabilidade civil é um instrumento de interesse social, pois protegem interesses da vítima e do segurado, na medida em que existe a figura da acção directa que permite ao terceiro lesado accionar a seguradora directamente, para que esta responda pelos danos causados 20

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO SANOS SORRISO CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO SANOS SORRISO CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO SANOS SORRISO CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador de Seguro mencionado nas Condições Particulares

Leia mais

Cadernos do Banco de Cabo verde. Contrato de Seguros. Banco de Cabo Verde

Cadernos do Banco de Cabo verde. Contrato de Seguros. Banco de Cabo Verde Cadernos do Banco de Cabo verde Contrato de Seguros Banco de Cabo Verde Departamento de Supervisão e Estabilidade do Sistema Financeiro Área de Supervisão do Sector Segurador Contrato de Seguros Banco

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS

RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS ART 1 o OBJECTO DO SEGURO Pela presente Condição Especial fica garantida,

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho A responsabilidade civil e criminal no âmbito da SHST Luís Claudino de Oliveira 22/maio/2014 Casa das Histórias da Paula Rego - Cascais Sumário 1.

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

Apólice N.º AG50001063 SEGURO DE CARTÕES DE DÉBITO PARA NÃO RESIDENTES DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 205

Apólice N.º AG50001063 SEGURO DE CARTÕES DE DÉBITO PARA NÃO RESIDENTES DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 205 ARTIGO PRELIMINAR Entre a FIDELIDADE - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., adiante designada por Segurador, e a Caixa Geral de Depósitos, S.A., adiante designada por Tomador do Seguro, estabelece-se o presente

Leia mais

SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782. 808 29 39 49 fidelidade.

SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782. 808 29 39 49 fidelidade. PROTEÇÃO PESSOAL E FAMILIAR SEGURO DE CARTÕES DE CRÉDITO CAIXA WOMAN DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CONDIÇÕES GERAIS - 221 APÓLICE N.º AG62635782 808 29 39 49 fidelidade.pt Fidelidade - Companhia de Seguros,

Leia mais

Liberty Caução. Condições gerais e especiais. Pela protecção dos valores da vida. 1070327-01.2006

Liberty Caução. Condições gerais e especiais. Pela protecção dos valores da vida. 1070327-01.2006 Condições gerais e especiais 1070327-01.2006 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, nº 6 1069-001 Lisboa Fax 21 355 33 00 Pessoa Colectiva n.º 500 068 658

Leia mais

CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE CIVIL/Geral Condições Gerais e Especiais 3

CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE CIVIL/Geral Condições Gerais e Especiais 3 Sem prejuízo da revisão em curso das presentes Condições Gerais, a CARAVELA, Companhia de Seguros, S.A. dá integral cumprimento ao disposto no Decreto-Lei nº 72/2008, de 16 de Abril. CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 48/78 DE 1 DE JULHO

DECRETO-LEI N.º 48/78 DE 1 DE JULHO DECRETO-LEI N.º 48/78 DE 1 DE JULHO Como reflexo da importância de que se reveste para o nosso desenvolvimento económico e social, o sector dos seguros foi estatizado, tendo sido criado o Instituto de

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) 25032010 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE Seguros Gerais S. A. Sede Social:

Leia mais

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Moto Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE AS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL 3 DEFINIÇÕES DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS

Leia mais

Decreto-Lei nº 239/2003 de 4 de Outubro (Regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias)

Decreto-Lei nº 239/2003 de 4 de Outubro (Regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias) Decreto-Lei nº 239/2003 de 4 de Outubro (Regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias) O Código Comercial de 1888, de Veiga Beirão, fonte exclusiva de todo o direito comercial

Leia mais

CONTRATO DE SEGURO. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

CONTRATO DE SEGURO. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões CONTRATO DE SEGURO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Ficha Técnica Coleção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção

Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção Condições gerais 1070314-05.2010 Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas ou sua Detenção ÍNDICE Condições

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL Lei nº67/2007, de 31 de Dezembro de 2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Entrará em vigor, no próximo dia 30 de Janeiro de 2008 (cfr. artº 6º), o

Leia mais

Condições Gerais Condições Especiais.03 .10 .04 .10 .04 .10 .04 .10 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .07 .07 .07 .07 .07 .07 .08 .08 .08 .

Condições Gerais Condições Especiais.03 .10 .04 .10 .04 .10 .04 .10 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .07 .07 .07 .07 .07 .07 .08 .08 .08 . ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.04 Artigo 2º Objecto do Contrato.04 Artigo 3º Âmbito da Garantia.04 Artigo 4º Exclusões das Garantias.05 Artigo 5º Início e Duração do Contrato.05 Artigo

Leia mais

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento Hugo Tavares e Patrícia Ferreira Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento VERBO jurídico VERBO jurídico Parecer: Direito do trabalho e transmissão de estabelecimento : 2 Parecer: Direito

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Âmbito do Seguro.04 Artigo 3º Produção de Efeitos e Duração do Contrato.04 Artigo 4º Prémio do Seguro.05 Artigo 5º Inexactidão da Declaração

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Page 1 RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Sede: Av. 25 de Setembro, n.º 1230, 2.º Andar, Porta 201, Prédio 33 Andares Assinatura:... Page 2 CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DEFINIÇÕES, OBJECTO DO CONTRATO,

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros

Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros Condições gerais e especiais Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6-11.º 1069-001 Lisboa Telef. 21

Leia mais

Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1

Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1 Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1 Os acidentes de viação constituem um verdadeiro flagelo pelas suas consequências sociais e económicas. Por isso se acentua em todo o mundo a tendência para tornar

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES E D&O INSURANCE PROBLEMAS ESCOLHIDOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES E D&O INSURANCE PROBLEMAS ESCOLHIDOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES E D&O INSURANCE PROBLEMAS ESCOLHIDOS Curso de Mestrado em Direito dos Contratos e da Empresa Escola de Direito da Universidade do Minho 11 de Novembro de 2011

Leia mais

CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Modalidades: Caducidade Revogação (mútuo acordo) Art.º 340.º do CT Por iniciativa do empregador o Despedimento por facto imputável ao trabalhador

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S. A., adiante designada por Tranquilidade, e

Leia mais

ASTELLAS FARMA, LDA. TERMOS E CONDIÇÕES DE AQUISIÇÃO. Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços

ASTELLAS FARMA, LDA. TERMOS E CONDIÇÕES DE AQUISIÇÃO. Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços 1. INTERPRETAÇÃO 1.1 A presente cláusula consagra as definições e regras de interpretação aplicáveis aos presentes termos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho O regime jurídico do pagamento dos prémios dos contratos de seguro consta do Decreto-Lei n.º 105/94, de 23 de Abril, cujo regime tem propiciado crescentes situações

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica)

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica) Gestão de riscos e o Código da Contratação Pública (CCP) Que consequências para o dono de obra, projectista e empreiteiro? Ordem dos Engenheiros 6 de Maio de 2011 Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 239/2003, de 4 de Outubro, estabelece o regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias;

Decreto-Lei n.º 239/2003, de 4 de Outubro, estabelece o regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias; Decreto-Lei n.º 239/2003, de 4 de Outubro, estabelece o regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias; O Código Comercial de 1888, de Veiga Beirão, fonte exclusiva de todo

Leia mais

CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Da lei criminal. CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais

CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Da lei criminal. CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais CÓDIGO PENAL Lei 59/2007, de 4 de Setembro 1 LIVRO I Parte geral TÍTULO I Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais Artigo 1.º Princípio da legalidade 1 Só pode ser punido criminalmente o facto

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE SAÚDE INDIVIDUAL CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE PROTECÇÃO DENTÁRIA ARTIGO PRELIMINAR

APÓLICE DE SEGURO DE SAÚDE INDIVIDUAL CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE PROTECÇÃO DENTÁRIA ARTIGO PRELIMINAR APÓLICE DE SEGURO DE SAÚDE INDIVIDUAL CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE PROTECÇÃO DENTÁRIA ARTIGO PRELIMINAR Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador de Seguro mencionado nas condições particulares,

Leia mais

Responsabilidade Ambiental EnviroPro

Responsabilidade Ambiental EnviroPro Responsabilidade Ambiental EnviroPro Informações Pré- Contratuais Segurador AIG Europe Limited Sucursal em Portugal, entidade legalmente autorizada a exercer a atividade Seguradora e que, mediante o pagamento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS

CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS ARTIGO PRELIMINAR 1. Entre o Segurador, MAPFRE Seguros Gerais, S.A., doravante designado por MAPFRE,

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso Processo n.º 228/2006 Data: 27/Julho/2006 Assuntos: - Direito de regresso SUMÁRIO: Não vindo provado o facto justificativo do direito de regresso, no caso, o abandono do sinistrado, o pedido não pode deixar

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003 1 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Regulamento Administrativo nº 24/2003 Condições da Apólice Uniforme do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil das Embarcações de Recreio O Chefe do Executivo,

Leia mais

Liberty Acidentes de Trabalho Independente

Liberty Acidentes de Trabalho Independente Liberty Acidentes de Trabalho Independente ÍNDICE Condições gerais Cláusula preliminar 3 Capítulo I. Definições, objecto e garantias do contrato 4 Capítulo II. Declaração do risco, inicial e superveniente

Leia mais

Condições Gerais EUROVIDA PROTECÇÃO. Artigo Preliminar

Condições Gerais EUROVIDA PROTECÇÃO. Artigo Preliminar Artigo Preliminar Entre a EUROVIDA, Companhia de Seguros S.A. e o Tomador de Seguro identificado nas Condições Particulares celebra-se o presente contrato de seguro individual que se regula pelas presentes

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1. INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S. A., adiante designada por Tranquilidade, e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*)

O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*) Despedimento Colectivo - 1 O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*) Nota Introdutória: O Gabinete Jurídico do SPLIU tem sido confrontado por muitos associados/as sobre os procedimentos legais que consubstanciam o

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

SEGURO DE SAÚDE. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE SAÚDE. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE SAÚDE ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões 1 SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

Condições Gerais e Especiais

Condições Gerais e Especiais CONDIÇÕES GERAIS Artigo preliminar CAPÍTULO I - Definições, objecto e garantias do contrato Artigo 1º - Definições Artigo 2º - Conceito de acidente de trabalho Artigo 3º - Objecto do contrato Artigo 4º

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE ACIDENTES EM SERVIÇO DOS SUBSCRITORES DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE ACIDENTES EM SERVIÇO DOS SUBSCRITORES DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE ACIDENTES EM SERVIÇO DOS SUBSCRITORES DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Seguradora

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA O seguro que paga a conta do seu cartão emitido pela Unicre nos momentos em que mais precisa, com todo o conforto e segurança. Quando se pergunta porquê ter um plano

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção. Condições Gerais

Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção. Condições Gerais Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção Condições Gerais Cláusula Preliminar Entre a Zurich Insurance PLC Sucursal em Portugal, adiante designada por Zurich,

Leia mais

SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas

SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas SEGURO DE SAÚDE 1 SEGURO DE SAÚDE 2 Como funcionam as garantias? 2 O que está normalmente excluído de um seguro de saúde? 2 As doenças preexistentes estão cobertas pelo seguro de saúde? 2 O que fazer

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL Titulares de Órgãos de Administração e Fiscalização de Sociedades Comerciais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL Titulares de Órgãos de Administração e Fiscalização de Sociedades Comerciais SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL Titulares de Órgãos de Administração e Fiscalização de Sociedades Comerciais O Seguro de Responsabilidade Civil Titulares de Órgãos de Administração e Fiscalização de Sociedades

Leia mais

«Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO

«Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO «Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». No passado dia 16 de Abril foi publicado o Decreto-Lei n.º 72/2008 que consagra a implantação, num único

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128. 808 29 39 49 fidelidade.pt PROTEÇÃO DA ATIVIDADE

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128. 808 29 39 49 fidelidade.pt PROTEÇÃO DA ATIVIDADE PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128 808 29 39 49 fidelidade.pt Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A. NIPC e Matrícula

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º Exclusão da aplicação ao "Contrato de Gestão Discricionária de Valores Mobiliários" da alínea e) do n.º 27 do artigo 9.º

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 56/X Exposição de Motivos O XVII Governo Constitucional assumiu o compromisso de consagrar um novo regime de responsabilidade civil extracontratual das pessoas colectivas públicas,

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES

APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES APÓLICE DE SEGURO OBRIGATÓRIO DE ACIDENTES DE TRABALHO PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES LUSITANIA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. 2/2 Rua de LUSITANIA S. Domingos COMPANHIA à Lapa, 35 1249-130 DE SEGUROS Lisboa

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S. A., adiante designada por Tranquilidade, e o Tomador

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

BBVA FINANZIAMENTO CONDIÇÕES GERAIS. Cardif Assurances Risques Divers e Cardif Assurance Vie

BBVA FINANZIAMENTO CONDIÇÕES GERAIS. Cardif Assurances Risques Divers e Cardif Assurance Vie BBVA FINANZIAMENTO APÓLICE DE SEGURO DE GRUPO VIDA Morte ou Invalidez Absoluta e Definitiva Incapacidade temporária para o trabalho Hospitalização (para trabalhadores por conta própria ou funcionários

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA. CONDIçõES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA. CONDIçõES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA CONDIçõES GERAIS * * * ARTIGO PRELIMINAR Entre a Lusitania, Companhia de Seguros, S.A., adiante designada

Leia mais

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS Void clauses in transport contracts NOTICE OF LOSS DUE TO DELAY DAMAGES obliged to indemnify 1 Nuno

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

Condições Gerais. Seguro Acidentes de Trabalho Para trabalhadores por conta de outrem

Condições Gerais. Seguro Acidentes de Trabalho Para trabalhadores por conta de outrem Condições Gerais Seguro Acidentes de Trabalho Para trabalhadores por conta de outrem CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a NOSSA NOVA SOCIEDADE DE SEGUROS DE ANGOLA, S.A., adiante designada por Seguradora,

Leia mais

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito Responsabilidade Civil Profissional Responsabilidade Civl Profissional dos Advogados Código de Deontologia

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais