SENTENÇA. Vistos etc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENTENÇA. Vistos etc."

Transcrição

1 SENTENÇA Vistos etc. I Relatório Ministério Público do Trabalho ajuizou ação civil pública na data de 1 de setembro de 2008, em face de Caixa Econômica Federal CEF, qualificada nos autos. Pelos argumentos expendidos na petição inicial, formulou os pedidos elencados à fls , inclusive em sede de antecipação dos efeitos da tutela. Deu à causa o valor de R$ ,00 (quinhentos mil reais). Apresentou documentos. A apreciação do pedido de antecipação da tutela foi postergada para momento posterior à oitiva do réu por meio da contestação (fl. 490). A demandada ofereceu defesa (fls ), na qual erigiu prefaciais de incompetência material, de inépcia da petição inicial, de impossibilidade jurídica do pedido e de ilegitimidade ativa. Ainda em sede preliminar, a ré alegou a inaceitável cumulação dos pedidos de indenização por danos morais coletivos e de multa por descumprimento de obrigação de não fazer. No mérito, a demandada impugnou as alegações aduzidas na petição inicial e propugnou pela improcedência das postulações. Exibiu documentos. Sobreveio manifestação do autor (fls ). Nos termos da decisão das fls , foi concedida, em parte, a antecipação de tutela propugnada. Foram ouvidas 9 (nove) testemunhas, mediante expedição de cartas precatórias (fls , , 846, , e ). Sem outras provas, a instrução processual foi encerrada. Razões finais, remissivas pelo autor e por meio de memoriais pela demandada (fls ). Veio aos autos pedido de habilitação, na condição de assistente da parte autora, formulado por Márcia Silva da Silva, empregada da demandada (fls ). Em razão do pedido de habilitação referido, o julgamento foi convertido em diligência, a fim de dar-se ciência às partes da citada postulação (fl ). Também Kathia Maria Dornelles Koiky, igualmente empregada da demandada, formulou pedido de ingresso no feito como assistente do autor (fl e ss). O Ministério Público do Trabalho manifestou-se, propugnando pela reconsideração do indeferimento de antecipação de tutela no que se refere à imposição de multa diária e alegando resistência da demandada em cumprir o 1

2 determinado em sede de tutela antecipada. Posicionou-se, ademais, contrariamente aos pedidos de habilitação de empregadas da ré na condição de assistentes. Também a demandada apresentou manifestação, sustentado a inocorrência de descumprimento do determinado em sede de antecipação de tutela. A demandada trouxe aos autos cópia da decisão proferida nos autos da ação trabalhista ajuizada pela pretensa assistente Márcia Silva da Silva, na qual indeferida a antecipação de tutela em relação ao pleito de vedação à demandada de promover alterações funcionais, sobretudo no que se refere à remuneração auferida (fls ). Sobreveio manifestação do Ministério Público do Trabalho, reiterando a afirmação de descumprimento do comando proferido em sede de antecipação de tutela (fls ). Vieram os autos conclusos. É o relatório. DECIDO. II Fundamentação Preliminarmente 1) Incompetência Material A demandada sustentou, em sua defesa, que esta Justiça Especializada não detém competência para processar e julgar demanda atinente à indenização por dano moral coletivo. O teor do art. 114 da Constituição Federal não deixa qualquer dúvida acerca da competência desta Justiça Especializada para processar e julgar a indenização por dano moral coletivo pleiteada neste feito. Independentemente da amplitude de destinatários da tutela em questão, resta patente que o dano alegado decorre de conduta dita adotada no âmbito de relação de emprego mantida pela demandada. A despeito da dimensão difusa que veio a assumir o dano decorrente das condutas ditas perpetradas pela demandada, a sua origem reside nas relações de emprego essenciais ao seu funcionamento. Ademais, a lesão alegadamente perpetrada ofende, em tese, a coletividade em relação à legítima expectativa de que os empregados possam exercer de forma livre o direito constitucional de ação. Afasto a prefacial. 2) Inépcia da Petição Inicial 2

3 Diversamente do alegado pela ré em sua defesa, a petição inicial é apta ao fim colimado, inclusive no que se refere ao pleito de indenização por dano moral coletivo. A par da alegada violação de direitos assegurados legal e constitucionalmente, voltados à tutela do empregado no cenário da relação de emprego, a exordial indevidamente reputada inepta discorre sobre os danos vivenciados pela coletividade em razão das mesmas práticas que afirma adotadas pela demandada. Mediante arrazoado suficiente, a petição inicial aponta no que consiste o dano coletivo cuja reparação é vindicada. À toda evidência, a procedência do aduzido pela parte autora em relação à postulação em questão é matéria a ser dirimida à luz do conjunto probatório coligido aos autos. Eventual não acolhimento das alegações autorais impõe o julgamento de improcedência da correspondente postulação, e não a declaração de inépcia da exordial. Por não se confirmar a alegada ausência de fundamentação que ampare o pedido de indenização por dano moral coletivo, não há falar em rejeição da petição inicial in limine. Ainda, a inviabilidade de cumulação dos pedidos de indenização por danos morais coletivos e de imposição de multa por eventual descumprimento de obrigação de não fazer alegada na defesa, ainda que assim não enquadrada pela ré, configuraria, em tese, inépcia da petição inicial, o que não se configura, contudo. Por mais de um elemento, resta patente a possibilidade de cumulação das pretensões aludidas, as quais, inclusive, tutelam diferenças de direitos. Enquanto a indenização por danos morais coletivos funda-se em alegada lesão a toda a coletividade, a multa propugnada tem por escopo garantir a efetividade do provimento jurisdicional pertinente às obrigações de não fazer postuladas pelo autor. Em vista de tudo quanto analisado, rejeito a prefacial. 3) Impossibilidade Jurídica do Pedido. De modo geral, a impossibilidade alegada somente se configura quando o objeto da demanda for inadmissível perante o ordenamento jurídico, por expressa vedação. No caso, a alegação de impossibilidade jurídica é fundada no argumento de que os direitos discutidos na presente lide não se caracterizam como difusos ou coletivos, conforme previsão do art. 1 da Lei n /85, valendo-se a ré do que dispõe o art. 81 do Código de Defesa do Consumidor -CDC em relação à especificação do conteúdo de tais direitos. Também aqui o fundamento invocado à prefacial tangencia o mérito da pretensão dada a conhecer. Isso porque, para amparar a alegação de que o direito em discussão não se refira a grupo de empregados seus, a demandada invocou o teor de depoimentos colhidos pelo autor e transcritos na exordial. 3

4 Quanto às obrigações de não fazer arroladas na exordial, tenho por inequivocamente configurado o exercício da tutela de direito coletivo em sentido estrito, caracterizado pela transindividualidade, indivisibilidade, titularização por grupo de pessoas, ligadas com a parte demandada por uma relação jurídica base, pré-existente em relação à alegada lesão, conforme contornos delineados pelo inciso II do art. 81 do CDC. Independentemente do que vier a ser dirimido em relação à extensão numérica de empregados atingidos pela prática repudiada pelo autor, não resta dúvida de que nada é pedido em proveito de empregado específico, tampouco em atenção a condições peculiares de cada um. Perfeitamente cabível o aviamento das pretensões expostas na exordial pela via processual adotada, não se configurando, portanto, a impossibilidade jurídica alegada. 4) Ilegitimidade Ativa Segundo a demandada, o Ministério Público do Trabalho não detém legitimidade para a propositura da presente demanda, já que os interesses individuais homogêneos somente podem ser tutelados pela via da ação coletiva quando se tratar de direito do consumidor. Apontando o reduzido número de ditos lesados, afirmou que não se configura relevância para a sociedade ou grande dispersão de lesados. Especificamente em relação ao pedido de indenização por danos morais coletivos, também assevera a demandada a configuração de ilegitimidade ativa, ao argumento de que não se trata de tutela de direitos decorrentes da relação de trabalho. Diversamente das alegações da demandada, a legitimidade do Ministério Público do Trabalho para o ajuizamento da presente demanda decorre de previsão legal e, ademais, de comando constitucional. A teor do art. 129, III, da Constituição Federal, são funções institucionais do Ministério Público promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos. No âmbito infraconstitucional, há a atribuição de legitimidade ao Ministério Público para a propositura de ação de responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados, inclusive, a qualquer outro interesse difuso ou coletivo, nos termos dos artigos 1, IV e 5, I, da Lei n /85 (Lei da Ação Civil Pública). Ainda, a Lei Complementar n. 75/93, dispõe que compete ao Ministério Público do Trabalho promover a ação civil pública no âmbito da Justiça do Trabalho, para defesa de interesses coletivos, quando desrespeitados os direitos sociais constitucionalmente garantidos (art. 83, III). Diversamente do alegado em defesa, e assim como definido no item precedente desta decisão, a questão relativa ao exercício do direito de ação 4

5 pelos empregados da demandada ocupantes de cargos gerenciais não configura interesse individual homogêneo, mas direito coletivo em sentido estrito, cuja legitimidade é atribuída ao Ministério Público do Trabalho, nos termos das disposições constitucional e legais antes transcritas. Em relação aos danos morais coletivos, cuja indenização é vindicada, tenho por configurada defesa de direito difuso, consistente em ofensa moral à coletividade, titularizado por pessoas indetermináveis, ligadas por circunstâncias de fato, na esteira do que define o art. 81, I, do CDC. Resta patente a legitimidade ativa para a propositura da demanda em apreço, considerados ambos os direitos cuja tutela é vindicada. Mérito 5) Habilitação de Assistentes Do exame dos pedidos de ingresso de empregadas da demandada como assistentes da parte autora neste feito, destaco, primeiramente, que o art. 19 da Lei n /85, dispõe que se aplica à ação civil pública por ela regrada o Código de Processo Civil, naquilo em que não contrarie suas disposições. CPC dispõe que: Ao dispor sobre o instituto processual da assistência, o Art. 50. Pendendo uma causa entre duas ou mais pessoas, o terceiro, que tiver interesse jurídico em que a sentença seja favorável a uma delas, poderá intervir no processo para assisti-la. Parágrafo único. A assistência tem lugar em qualquer dos tipos de procedimento e em todos os graus da jurisdição; mas o assistente recebe o processo no estado em que se encontra. No caso, não resta dúvida de que as pretensas assistentes, em vista da alegada destituição do exercício de função comissionada, como retaliação pelo ajuizamento de ações judiciais contra a ré, ostentam legítimo interesse jurídico em que o desfecho da presente demanda seja favorável ao autor, nos termos da Súmula n. 82 do C. TST. Ademais, a previsão contida no dispositivo legal acima transcrito não contraria as disposições da Lei n /85, sequer os seus princípios regentes. Ainda, verifico que o ingresso das postulantes a assistentes ao lado do autor do feito não importará tumulto processual, óbice apontado pela doutrina a tanto. Por aplicação do que dispõe art. 54 do CPC, há considerar as intervenientes como assistentes litisconsorciais da parte autora, já que a sentença influirá na relação jurídica entre ela e demandada. 5

6 Sendo assim, com amparo nos dispositivos legais citados, admito Márcia Silva da Silva e Kathia Maria Dornelles Koiky no feito, na condição de assistentes litisconsorciais do Ministério Público do Trabalho. Observe-se a necessidade de ciência das assistentes ora admitidas dos atos processuais doravante praticados. 6) Ajuizamento de Ações Judiciais. Coação e Represália O Ministério Público do Trabalho relatou que, em , recebeu notícia de que dois superintendentes regionais da demandada (das Regiões da Serra Gaúcha e do Vale dos Sinos) estariam ameaçando gerentes de perda da função gratificada e, ou, de não serem promovidos caso ajuizassem ações contra a ré e, ou, não desistissem das ações já propostas, conforme relato do presidente e do vice-presidente da Associação dos Gerentes da Caixa Econômica Federal, do que decorreu a instauração de inquérito civil. O autor seguiu relatando as medidas tomadas durante a instrução do procedimento administrativo aludido, transcrevendo depoimentos colhidos, inclusive dos dois superintendentes regionais antes referidos. Afirmou que propôs a celebração de termo de ajustamento de conduta, o que foi recusado pela demandada. Relatados os fatos, o autor passou a sustentar a violação pela ré do direito fundamental de ação, do princípio-garantia constitucional da inafastabilidade do controle judicial ou da proteção judiciária e, ainda, dos princípios da isonomia e da não discriminação. Em desfecho do exposto, o Ministério Público do Trabalho postulou a condenação da demandada, inclusive em sede liminar, em síntese, a: a) não adotar e não permitir que seja adotado qualquer ato de represália ou discriminatório relativamente a detentores de função de confiança, de chefia e/ou de gerência em razão do ajuizamento de ação judicial, seja em nome próprio ou como substituído processual; b) não permitir que os que desempenham função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam ameaçados, coagidos, pressionados, constrangidos ou que recebam propostas ou sejam induzidos a não ajuizarem ações ou a desistirem de ações ajuizadas em face da ré, como parte ou substituídos; e, c) não permitir que a nomeação, a manutenção e/ou o exercício de função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam condicionados à inexistência de ação judicial em face da demandada, como parte ou substituído processual. Para a hipótese de descumprimento parcial ou integral das obrigações elencadas, propugna o autor pela incidência de multa, no valor de R$ ,00 por trabalhador, em proveito do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, ou outro que venha, eventualmente, a lhe substituir. A demandada, em sua defesa, propugnou pela improcedência da demanda. Alegou, de início, que se encontra em discussão no feito o exercício do direito de livre expressão do pensamento, defendendo que a empresa e seus altos dirigentes podem externar preocupação e contrariedade em relação ao ajuizamento de demandas judiciais pelos seus gerentes. Nessa linha, aduziu que não pode ser vedado o diálogo entre superintendentes e subordinados, o que constituiria mordaça ao empregador e ato de censura inescusável. Analisando alguns dos 6

7 elementos de prova trazidos ao feito, destacou que durante todo este período, dois ou três gerentes perderam a função, cada um por seus motivos (...) e que ninguém foi punido. Asseverou, ainda, que a pretensão do autor traduz ingerência na esfera privada da Administração Pública, que sequer possui obrigação legal de manter algum empregado em função de confiança. Invocou as regras contidas nos artigos 5, II, e 37, II, ambos da Constituição Federal, nos seus normativos internos e no artigo 468, único, da CLT. Invocou, ainda, o ius variandi de que é detentor, argumentando que a perda da confiança extraordinária depositada no empregado é motivo suficiente para a sua destituição de função de confiança, conforme entendimento sedimentado na Súmula n. 372 do C. TST. Passo ao exame da matéria controvertida. Ao confrontar as alegações das partes na petição inicial e defesa, verifico, em primeiro lugar, que não se estabeleceu controvérsia acerca da existência de abordagem pelos dois superintendentes regionais nominados na exordial perante os gerentes da demandada do tema ajuizamento de ações judiciais por estes em face da empregadora comum. A contenda central reside na configuração, ou não, de ameaça, pressão, constrangimento ou, ainda, proposta ou induzimento, capaz de afetar o livre exercício de ação por tais empregados. Cabe definir, nesse cenário, se, como alegou ré, os superintendentes apontados pelo MPT na petição apenas manifestaram a sua opinião sobre o ajuizamento de ações contra a ré por gerentes a eles subordinados ou se, na linha do sustentado na exordial, houve indevida afronta ou ameaça ao direito constitucional de ação. Antes de adentrar no exame da controvérsia delimitada, é de se ter presente que, assim como os demais direitos fundamentais, o direito de expressão, invocado pela demandada não é ilimitado. Mais precisamente, não serve tal direito, a despeito do seu acentuado prestígio no Estado Democrático de Direito, de escudo a que se externem opiniões sem qualquer compromisso com a sua repercussão. A própria Constituição Federal de 1988, no catálogo contido em seu art. 5, fez coexistirem as disposições de que é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato e é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem (incisos IV e V). Conforme construiu a doutrina acerca do tema, na hipótese de colisão entre direito fundamentais, há ponderar os interesses envolvidos no caso concreto, em juízo comparativo, com vista a harmonizá-los. A fim de se aferir o potencial lesivo dos contatos admitidos como mantidos entre os superintendentes regionais com os gerentes da demandada, transcrevo trechos das declarações prestadas pelos referidos superintendentes perante o MPT: (...) que efetivamente o declarante fez contato com os gerentes, sempre comunicando a incompatibilidade da gestão e da ação judicial contra a empresa, bem como sobre a responsabilidade dos gerentes gerais na representação da CEF na unidade (...) em momento algum foi feita pressão, apenas foi ressaltada a incompatibilidade de mover ação contra a Caixa e ao mesmo tempo ser preposto 7

8 desta em ações trabalhistas; que se o gerente-geral entra com ação contra a CEF, é papel do Superintendente conversar com ele; que, entretanto, em nenhum momento fez ameaças, só ressaltou a incompatibilidade de exercer o cargo de gerente-geral, cargo de confiança do superintendente, e de ajuizar ação contra a CEF; que Angela conversou com o declarante e disse, como teria grande futuro dentro da CEF, desistiu da ação, assim como Marilei; (...) que o depoente também poderia ter, em tese, interesse em ajuizar reclamatória contra a CEF, mas não o faz pelo princípio da moralidade, porque se o direito de ajuizar reclamatória é legal, não considera moral o exercício concomitante com função de confiança (...) a posição do Conselho Diretor é que o ajuizamento de ação de preposto é incompatível com a sua função que exige confiança; (...) que o entendimento do Superintendente Nacional é que a ação pode ser ajuizada, desde que o trabalhador não exerça função de confiança (...) que acredita que quem quiser continuar com a ação terá que entregar a função (...) (Plínio Graef fls destaquei) (...) não ameaçou gerentes para que não ajuizassem ou para que desistissem de ações ajuizadas; (...) que se ligou para alguns gerentes foi para falar sobre as ações, sobre as decisões de questionarem a CEF; que como superintendente tem o papel de prezar pelo bom andamento e paz interior e de espírito (...) que a apreensão está instalada; que o superintendente não precisa tocar no assunto para tanto; que os gerentes gerais estão constrangidos por si próprios; que chegou a falar com Renato, gerente geral da agência de Encantado, e com Plínio Balbinot, gerente geral da agência de Caxias do Sul, Paulo César Pierdonat, gerente geral da agência de Serafina Correa, e com Evandro Antônio Ferronato, gerente geral da agência de São Pelegrino, e Sirlene Maino, gerente geral da agência de Imigrante, que Plínio e Renato, ao que lembra, desistiram da ação; (...) que quando conversou com Renato este lhe disse que estava preocupado com a ação; (...) que apenas perguntou para Renato se ele havia pensado bem sobre a ação; que para os demais fez a mesma pergunta; que não pode ligar para cada um, que não tem tempo; (...) que alguns gerente, sem o declarante pedir, quando desistiram das ações ficaram em paz consigo mesmos; que não ameaçou de tirar as funções de confiança; que o ajuizamento das ações causou e causa um constrangimento entre os que entraram com as ações e os que não entraram; que o movimento constrange quem quer sair; que o declarante como superintendente precisa falar sobre a importância dos gerentes gerais a quem passa procuração; (...) que alguns desempenhos caíram após o ajuizamento das ações; que o clima está tenso, que as pessoas estão preocupadas; (...) dentre os habilitados escolheu o atual gerente geral de Vacaria, Sr. Frederico Fonseca Rech; que nessa escolha não usou como condição de desistência de sua ação mas conversou sobre o assunto com ele e isso foi levado em conta entre outros critérios; (...) que os gerentes gerais de sua regional não lhe comunicaram sobre o ajuizamento das ações e o dia de suas audiências; que considera isso uma falha grave (Ruben Valter Grams fls destaquei) Ao exame de não mais que as declarações acima transcritas, tenho que mais do que expressar opinião pessoal acerca da incompatibilidade entre a ocupação de função de confiança no quadro de pessoal da demandada e o ajuizamento de ações contra esta, os superiores hierárquicos apontados 8

9 pelo MPT envidaram esforços no sentido de intimidar os seus subordinados, com vista a induzi-los a não ajuizarem aludidas demandas ou desistirem das já em curso. Vale destacar que as declarações acima transcritas conduzem à conclusão de que a conduta adotada pelos superintendentes da demandada envolvidos nos fatos em comprovação não decorreram de deliberações pessoais, representando, ao contrário, atuação orientada pela cúpula administrativa da demandada. As declarações prestadas por Plínio Graef são textuais nesse sentido e as de Ruben Valter Grams não firmam outro entendimento. Desde a peça defensiva, ademais, verifico que a demandada não alegou que as atitudes dos superintentes contrariassem suas orientações ou expectativas. Prosseguindo o exame do farto conjunto probatório contido nos autos, verifico francamente corroborado o que já tenho por denunciado pelas declarações dos prepostos, antes mencionados. Ainda que alguma testemunha ouvida revele ocupar função de gerência e ser autora de demanda contra até, sem sofrerem pressão ou penalidade, são inúmeras as afirmações da atuação empenhada e contundente dos superintendentes da ré no intuito de impedir o prosseguimento de tal situação, mediante ameaças diretas. Transcrevo, a seguir, passagens de depoimentos testemunhais, colhidos mediante a expedição de cartas precatórias, que assentam a conclusão até aqui encaminhada: (...) atualmente o depoente é gerente geral da agência Capuchinhos; que atualmente o depoente move ação em face da reclamada, (...) que o depoente não foi procurado por nenhum funcionário da reclamada, solicitando que desistisse da ação; que em uma reunião de gerentes gerais, foi realizada pressão sobre os gerentes gerais, efetuada pelo superintendente Ruben Valter Grams; que Ruben disse nessa reunião que pela política da CEF os detentores de cargo de gestão não poderiam impetrar ações contra a empresa; que Ruben fez ameaça de que quem mantivesse ação contra a reclamada perderia o cargo de gestão (...) tem conhecimento de dois gerentes, Neivaldo Della Giustina e Sérgio Quadros,os quais perderam a função em razão de manterem ação em face da reclamada; que tem conhecimento de que os gerentes Plínio Balbinot, Vladimir Betiol e Cirleine Maino desistiram das ações em razão das pressões sofridas e por receio de perderem os cargos (...) o motivo alegado pela reclamada para a retirada da função de Neivaldo e Sérgio foi baixo desempenho, entretanto, na concepção do depoente, a perda da função se deu em razão do ajuizamento das ações, porque coincidiu com a época em que foram distribuídas, sendo que naquele período a relação entre a reclamada e os funcionários detentores de cargo de confiança estava extremamente conturbada; que o depoente somente sabe do nome dos gerentes acima referidos que desistiram das ações, mas tem conhecimento de que vários outros desistiram das ações, mas não tem condições de precisar os nomes deles (...) o superintendente este havia retornado de uma reunião na matriz com o vice-presidente da rede e repassou a posição de que a diretoria da CEF não aceitaria qualquer ação de gestor contra a empresa, sendo que caso fosse ajuizada alguma ação, seriam tomadas as providências necessárias (...) (Carlos Jairo Limberger fls destaquei). 9

10 (...) o depoente não sofreu nenhum tipo de pressão pessoal ou ameaça por ter ingressado com a ação; que houve reunião ocorrida em 24/09/2007, realizada com todos os gerentes gerais, na qual o superintendente geral, Ruben Valter Gran, disse que não seria de bom tom que os gerentes gerais ingressassem com ação contra a CEF e que quem assim procedesse perderia a função; (...) que ocorreu outra reunião no dia 19/12/2007, na qual também foi dito de forma contundente que quem ingressasse com ação perderia função (...) o depoente tem conhecimento de que o gerente Neivaldo e Sérgio, este gerente de Nova Petrópolis, chegaram a perder o cargo de gerente em razão do ajuizamento da ação; que a CEF alegou outro motivo, mas, de fato, o que ensejou a perda da função foi o ajuizamento da ação; (...) tem conhecimento de que o gerente César, gerente de relacionamento da agência Capuchinhos, também desistiu da ação; que atualmente César é gerente geral da agência Imigrantes (...) aqui na região da serra somente tem conhecimento dos 2 colegas já referidos que perderam o cargo em razão do ajuizamento da ação, mas sabe que no estado e também no restante do país outros gerentes perderam a função em decorrência do ajuizamento das ações (...) (Luiz Guilherme Farias Brum fls destaquei). (...) o Sr. Rubens falou, aos gerentes presentes, que aqueles funcionários que possuíam Portaria ou procuração da Caixa Econômica Federal não poderiam ter litigio contra a Caixa Econômica Federal e que eles deveriam optar entre litigar contra a Caixa Econômica Federal ou manter a procuração; que o depoente possuía ação na Justiça Trabalhista contra a Caixa Econômica Federal e manteve a ação, e não sofreu nenhuma represália em razão disso; que o gerentegeral, em Veranópolis, Neivaldo, que teria ação contra a Caixa Econômica Federal e também não desistiu da mesma perdeu a função (...) o depoente conversando com o superintendente Rubens foi pressionado a desistir da Ação Trabalhista, tendo este argumentado que não poderia manter a sua função de gerente e a reclamatória ao mesmo tempo; que posteriormente houve outra reunião onde novamente este assunto entrou em pauta, onde o superintendente Rubens, que havia retornado de uma reunião de Brasília, falou que havia sido ponto de pauta o fato de gerentes possuírem ações contra a Caixa Econômica Federal, reafirmando que isto não poderia ocorrer com os funcionários com cargo de gestão; que na mesma época de Neivaldo, Sergio de Quadros perdeu a função de gerente-geral e o comentário que surgiu entre os funcionários é que teria sido em razão de possuir reclamatória contra a Caixa Econômica Federal; surgiu também comentários que colegas que haviam desistido da Reclamatória Trabalhista foram logo após promovidos (...) seguramente mais de dez gerente desistiram das reclamatórias ajuizadas, entre eles Plínio Balbinot, Evandro Ferronato, Vladimir, Vitor; que não reunião acima mencionada com o superintendente Rubens, o depoente foi pressionado, mas não coagido; que, o fato de os gerentes terem desistido das reclamatórias trabalhistas para integração do CTVA na remuneração, não foi, em razão da FUNCEF ter incluído em seu programa a possibilidade de complementação da aposentadoria, mediante a contribuições sobre a dita parcela, porque esta contribuição, não atingiria o pedido formulado na Reclamatória Trabalhistas, por ser pretérito ao Novo Plano da FUNCEF (...) (Celso José Mielke Lunkes fls verso destaquei). 10

11 (...) em uma reunião gerencial foi falado para os gerentes gerais das agências que, em face do cargo que estes exerciam, deveriam cuidar pela perenidade da empresa e as ações por alguns deles ajuizadas seriam incompatíveis com tal ideologia; que quem falou isso aos gerentes foi o superintendente regional da época, Sr. Rubem Valter Grams; que não houve uma ameaça direta pela perda do cargo, mas deu a entender, deixou no ar ; que este assunto também foi abordado em outras reuniões; que na opinião do depoente os Srs. Neivaldo Carvalho Dela Giustina e Sergio de Quadros, então gerentes de Veranópolis e Nova Petrópolis, respectivamente, perderam os cargos de gerente, em face da demanda que ajuizaram contra a ré, pois é incomum um empregado perder o cargo; (...) que o depoente tem conhecimento de que estão sendo promovidas pessoas que não tenham ação, em detrimento daquelas que possuem tal demanda (...) não ouviu nem viu algum preposto da ré ameaçar quanto a possibilidade de promoção somente se desistisse ou não ajuizasse a ação, mas tem conhecimento de benefícios para pessoas que assim procederam; que conhece o Sr. Vitor Hugo Streich, que quando retirou a ação estava em Bento Gonçalves, tendo sido promovido para gerente geral em Gramado e em menos de doze ou dezoito meses foi promovido para gerente geral da superintendência; que referida pessoa em uma lista de 18/19 pessoas interessadas ocupava a 13ª posição e com a desistência, estranha na opinião do depoente, passou a 12º, posição em que poderia passar a concorrer a cargos/funções mais elevadas, como aquela pretendida, e acabou sendo o escolhido (...) o depoente só possui uma demanda contra a reclamada, mas está pensando seriamente em ajuizar outra, em face do assédio moral sofrido (...) que com o ajuizamento desta ação não foi destituído mas estou de castigo em uma cidade há mais de quatro anos ; que normalmente após dois anos em uma mesma cidade o gerente quer ser transferido para voltar a ganhar o benefício do auxílio moradia; (...) o Sr. Neivaldo, então presidente da associação dos gerentes da CEF, o Sr. Milton Schnack, vice-presidente da mesma associação e o Sr. Sergio de Quadros, perderam os seus cargos (...) em relação ao Sr. Neivaldo e Sr. Sergio, a alegação da reclamada para destituição dos mesmos de seus respectivos cargos foi no sentido de que as agências deles não estavam com um bom desempenho considerando a classificação nesta superintendência; (...) ; que o depoente nunca viu, em outro momento, alguém perder cargo pela agência não estar com um bom desempenho (...) além do Sr. Vitor o depoente tem conhecimento que o Sr. Fernando Feter e o Sr. Carlos Augusto, ou algo parecido, não suportaram a pressão e desistiram da ação (...) (José Angelo Belle fls verso destaquei). (...) em reuniões gerenciais houve citação de exemplos de gerentes que haviam desistido da ação e tiveram promoção; que quem fez tal assertiva foi o superintendente regional da época, Sr. Rubem; que houve ameaça velada de perda do cargo caso não houvesse a desistência da ação (...) depoente tem conhecimento de gerentes que perderam seus cargos em face das demandas ajuizadas, Srs. Neivaldo, Sergio e Milton, este último pertencente a outra superintendência regional; que o depoente tem conhecimento de que vários gerentes desistiram da ação por não suportarem a pressão de perderem o cargo; que entre as pessoas retro referidas, o depoente pode citar a Sra. Ema Rosa, 11

12 Renato Zanela, e outros tantos que assumiram função por ter desistido; que tem conhecimento que o Sr. Vitor Hugo Streich, Frederico, da ag. Vacaria, foram promovidos porque desistiram da ação, sendo que este último, inclusive, foi citado como exemplo em uma reunião gerencial (...) por enquanto o depoente não perdeu a função, mas havia pedido transferência para cinco outros lugares e acabou sendo transferido para uma cidade para a qual não havia pedido (...) o Sr. Neivaldo estava na gerência da ag. de Veranópolis quando perdeu a função; que quando o Sr. Neivaldo perdeu a função a ag. de Veranópolis estava abaixo da média, mas hoje também existe uma porção de agências abaixo da média (...) o depoente tem conhecimento de outras punições aos gerentes que não desistiram da ação, tal como, não adianta se candidatar a processo seletivo para promoções, pois todos os que mantém reclamatória não foram promovidos (...) uma pessoa do colegiado da superintendência chegou a falar diretamente com o depoente, em uma reunião da superintendência, para desistir da ação e quando o depoente lhe falou que não iria desistir, tal pessoa reclinou-se em sua cadeira e a entrevista com o depoente, que estava concorrendo para uma promoção, terminou (...) (Marcos Mazzutti de Castro fls. 860-verso-861 destaquei). (...) na reunião, o superintendente deixou claro aos presentes que não admitia que gerentes da reclamada tivessem ações na Justiça do Trabalho contra a empresa; que o superintendente Rubem igualmente mencionou que faria o possível ou o que estivesse ao seu alcance para substituir os gerentes que mantivessem as ações num período de 02 anos; que acrescenta que no dia da reunião, os funcionários sentiram-se ameaçados em face das declarações do superintendente; que na segunda reunião, Rubem anunciou que estava promovendo um funcionário a gerente-geral, com a condição de que desistisse da ação movida contra a reclamada, o que, de fato, ocorreu; que tem conhecimento por informações de colegas que o superintendente ligou para funcionários pedindo que desistissem das ações (...)tem conhecimento de gerentes que perderam a função depois das reuniões com o superintendente, não tendo como afirmar que esses afastamentos decorreram de cumprimento das ameaças do superintendente regional (...) (Cátia Luci Breda fls verso destaquei). (...) que o depoente ajuizou e deu seguimento à ação em que discutia diferenças da parcela CTVA; que foi afastado da função gerencial por determinação do superintendente regional Rubem Valter Grams; que foi comunicado do afastamento no dia em que estava entrando em férias; que inicialmente o superintendente disse que o afastamento decorria dos resultados da agência; que diante dessa informação, questionou novamente o superintendente sobre o afastamento, dizendo que os resultados eram bons, tendo ele respondido que o afastamento decorreu de uma decisão em conjunto do colegiado da superintendência, composto pelo superintendente e por mais quatro gerentes de mercado (...) participou de reuniões gerenciais nas quais o superintendente regional deixou clara a sua posição de que entendia ser incompatível o exercício de função de gerente com o ajuizamento de ações trabalhistas contra a reclamada; que o depoente foi chamado na superintendência para reunião, na qual o superintendente Rubem solicitou ao depoente que intercedesse junto aos demais gerentes para que desistissem das ações, considerando que o depoente era presidente da associação dos gerentes da reclamada do estado do Rio Grande do Sul; que o depoente mencionou ao superintendente que não intercedeu junto aos 12

13 gerentes para que ajuizassem ações, por isso também não iria interceder para que desistissem; que então o superintendente disse que o depoente tinha duas opções, ou desistir da ação ou perder a função gerencial (...) na região de Caxias do Sul, além do depoente, Sérgio de Quadros perdeu a função de gerente, no mesmo dia (...) (Neivaldo Florisberto Della Giustina Carvalho fls. 872-verso- 873 destaquei). (...) recebeu uma ligação telefônica do sr. Plínio Groeff, superintendente da reclamada, que informava considerar que era incompatível com o cargo desempenhado pelo depoente, a manutenção de demanda contra esta, solicitando que o depoente desistisse da referida ação; que cerca de 15 dias depois o depoente encontrou novamente com o superintendente na localidade de Nova Santa Rita, em uma visita que faziam ao município, quando então conversaram por cerca de uma hora, sendo que o depoente ao perguntar ao superintendente se achava justo o seu pleito apresentado na demanda antes referida, este lhe respondeu afirmativamente, mas acrescentando que deveria ser apresentado apenas após a aposentadoria do depoente; que o superintendente ainda referiu que o depoente deveria verificar dentre os seus subordinados se havia outros autores de ação idêntica; que o depoente se sentiu constrangido e pressionado em virtude desta situação; que o superintendente chegou a pedir diversas vezes ao depoente que entregasse a função, mas não ameaçou de retirá-la; que tem conhecimento de colegas que desistiram da ação em virtude da pressão (...) (Delamar Teixeira Albino fls destaquei). Os numerosos depoimentos citados não deixam qualquer dúvida de que, diversamente do alegado em defesa, as abordagens procedidas pelos superintendentes da demandada não consistiram em mero exercício do direito de expressão, ou de livre manifestação do pensamento. Ao contrário, o que exsuge de forma segura e coerente dos trechos transcritos dos depoimentos colhidos é a ocorrência de efetiva ameaça e, mesmo, implementação de punição pelo ajuizamento de ações em face da ré, em flagrante afronta ao direito constitucional de ação. Também, resta cristalina a prática de conduta discriminatória pela demandada, consistente em promover empregados mediante a condição - ou como recompensa - de desistência de ações judiciais, também em violação ao direito constitucional aludido. Destaco que não altera o até aqui constatado, os trechos de depoimentos invocados em defesa, nos quais empregados da demandada relatam desconforto e arrependimento com o ajuizamento de ações judiciais contra a empregadora (fls ). Longe de amparar a tese da ré, tais relatos evidenciam o estado de ânimo de ditos empregados, em relação aos quais os efeitos da exposição à coação exercida pela empregadora já se instalara em suas consciências, de forma subreptícia. Na mesma linha demonstra a incidência abusiva da demandada, por seus prepostos, sobre os empregados que optaram por buscar no Poder Judiciário a defesa de direitos que se entendiam titulares a menção de um dos superintendentes apontados na exordial a que alguns gerente, sem o declarante pedir, quando desistiram das ações ficaram em paz consigo mesmos, como acima transcrito. Por outro lado, não verifico comprovação, e sequer indício razoável, de que as desistências formalizadas por gerentes de ações judiciais 13

14 decorreram de pouco valor econômico, em face da adesão ao Novo Plano de Previdência da FUNCEF, que passou a permitir a integração do indigitado CTVA no salário-de-contribuição (fl. 530). Algumas das testemunhas ouvidas foram questionadas a esse respeito sem que respaldassem a aludida alegação da ré. Como antevisto na decisão exarada em sede de antecipação dos efeitos da tutela (fls ), as condutas adotadas por prepostos da demandada, com o respaldo desta, violaram o direito de ação, garantido constitucionalmente mesmo em face da lei ao estatuir-se que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito (art. 5º, XXXV, da Constituição Federal). Como já referido na citada decisão, a consagração do direito público subjetivo e autônomo de ação tem o escopo instrumental de alcance de pretensão de direito material por quem se ache seu titular. Maior relevância ostenta a tentativa de óbice ao direto de ação quando dirigida contra empregados, cujos direitos gozam de destacada relevância no sistema jurídico-constitucional. Não é por outra razão que constitui fundamento da República Federativa do Brasil o valor social do trabalho, ao lado da livre iniciativa (art. 1, IV, da Constituição Federal), assim foi erigido a princípio fundante da ordem econômica a valorização do trabalho humano (art. 170 da Constituição Federal). Em cognição exauriente, pois, resta conferir definitividade aos provimentos antecipados para o fim de determinar à demandada que: a) não adote e não permita que seja adotado qualquer ato de represália ou discriminatório relativamente a detentores de função de confiança, de chefia e/ou de gerência em razão do ajuizamento de ação judicial, seja em nome próprio ou como substituído processual; b) não permitia que os exercentes de função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam ameaçados, coagidos, pressionados, constrangidos ou que recebam propostas ou sejam induzidos a não ajuizarem ações ou a desistirem de ações ajuizadas em face da ré, como parte ou substituídos; e, c) não permita que a nomeação, a manutenção e/ou o exercício de função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam condicionados à inexistência de ação judicial em face da demandada, como parte ou substituído processual. A fim de dar-se ao provimento jurisdicional efetividade, ante a relevância dos direitos tutelados e da clara demonstração de sua violação, para a hipótese de descumprimento parcial ou integral das obrigações ora impostas, determino a incidência de multa, no valor de R$ ,00 (vinte mil reais) por trabalhador, por entender mais adequado que o valor pretendido, reversível ao FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador (arts. 11, V, da Lei n /90) e atualizável pelos índices de correção aplicáveis aos créditos trabalhistas. Esclareço que a definição de que a multa imposta reverta em favor do FAT (e não do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, como pretendido na exordial) justifica-se na especificidade do direito posto em causa: exercício do direito de ação por empregado em face de seu empregador. Para que não se cunhe de omisso o presente julgado, esclareço que o desfecho dado à lide levou em consideração, ainda que não mencionados explicitamente, todos os dispositivos legais e constitucionais invocados pelas partes. Sobre o tema, registro que o prequestionamento é construção peculiar aos 14

15 recursos de natureza extraordinária (Extraordinário, Especial, de Revista), de modo que, para a interposição de recurso ordinário, não há necessidade de tal expediente. 7) Dano Moral Coletivo Na linha do referido na petição inicial, configura-se violação de direito difuso, assim considerado o direito transindividual, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato, como definido no art. 81, I, do Código de Defesa do Consumidor (Lei n /90). O desrespeito ao direito constitucional de ação revelado pelas condutas adotadas pela demandada, por seus prepostos, extrapola o âmbito individual de cada um dos empregados coagidos, destituídos das respectivas funções ou preteridos em promoções funcionais a outros concedidas. Não resta dúvida, ainda cuidando do enquadramento das condutas lesivas verificadas à previsão legal aludida, que se revela indivisível o valor ofendido, o qual é tido por um dos pilares do Estado democrático de Direito, conquista de toda a sociedade. Também, o vínculo existente a ligar os titulares do direito aludido decorre de circunstância de fato, consistente na atuação da demandada em afronta a preceito fundamental, não decorrendo de relação jurídica pré-existente. A conjunção desses elementos evidencia a configuração de dano moral coletivo, entendido na atualidade como passível de reparação pecuniária. Maior relevância assume a violação perpetrada ao direito de ação em hipóteses como a dos autos, em que demandada a tutela jurisdicional de direito trabalhista, de marcado cunho público e de acentuada relevância ao equilíbrio dos valores coexistentes na ordem jurídico-constitucional, como já referido. Enfrentando os argumentos defensivos expendidos pela demandada, esclareço que situações como a tratada nestes autos independem da prova de efetivo prejuízo para justificar a reparação. Trata-se de dano in re ipsa. De acordo com posicionamento reiterado na doutrina, o dano moral, deste não diferenciado o de cunho coletivo, só depende da prova de sua existência, mais propriamente o fato que o originou, e não da prova do prejuízo em si. Ainda, não se revela plausível a alegação defensiva de inexistência de dolo ou malícia, sendo as condutas reputadas violadoras do direito constitucional de ação praticadas de forma intencional por empregados componentes de alto escalão da demandada, por certo cientes do conteúdo e extensão da lesividade de suas ações. Na sequência, cumpre fixar o montante indenizatório. O contexto delineado não autoriza a fixação da importância pretendida pelo autor, porquanto, a despeito da notória capacidade econômica privilegiada da ré, deve-se ter em mente a ponderação entre os bens jurídicos passíveis de reparação por ofensa de natureza moral. Por outro lado, a quantia imposta há de atender o binômio reprovação da conduta e desagravo do ofendido, à luz do princípio da razoabilidade. O caráter pedagógico da indenização tem em vista a 15

16 posição da demandada, de empregadora de considerável número de empregados, e da relevância do direito a ser preservado de futuros desrespeitos. Pelo examinado, condeno à ré ao pagamento de indenização por dano moral coletivo, no valor de R$ ,00 (trezentos mil reais), a ser recolhido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. 8) Descumprimento da Tutela Antecipada. Multa Diária As empregadas da demandada admitidas como assistentes da parte autora no feito afirmam o descumprimento da decisão proferida em sede de antecipação de tutela. Primeiramente, constato que a assistente Márcia Silva da Silva não logrou comprovar que a destituição da função de confiança procedida pela demandada foi implementada após a ciência pela ré de ajuizamento de ação judicial pela referida empregada. Ainda que o documento da fl demonstre que a demandante cientificou a ré do ingresso de ação judicial em , os documentos das fls não podem ser admitidos como seguras demonstrações de que a citada empregada ocupou a função de confiança até Em tais documentos, não há menção específica da função desempenhada pela demandante, de sorte a infirmar a presunção de veracidade emergente do documento da fl , pelo qual, na data de , a demandada procedeu à destituição da demandante da função de confiança até então exercida. Sendo assim, ainda que razão não assista à demandada ao alegar que, apenas em restou ciente do ajuizamento de ação por Márcia Silva da Silva, já que tal fato foi notificado pela referida empregada em , esta não demonstrou que permaneceu no exercício da função após a data da formal destituição ( fl ). No mais, em relação à assistente Kathia Maria Dornelles Koiky, verifico que de sua manifestação nos autos (fls e ss) sequer é possível extrair, com certeza, a que demanda se refere ao alegar a ocorrência de retaliação pela demandada. Destaco que a imposição de multa por descumprimento de obrigações de não fazer, como no caso, depende da demonstração cabal da violação do dever de abstenção imposto, o que não tenho por seguramente configurado. Na mesma esteira, não há nos autos elemento seguro de prova quanto à data de emissão da correspondência eletrônica dita enviada pela demandada a empregados, transcrita às fls , pelo que não se afigura seguro concluir que tal medida foi implementada em desrespeito à decisão antecipatória proferida neste feito. Não se verificando de forma segura o descumprimento do comando proferido em sede de antecipação de tutela, não há falar em reconsideração de tal comando no que se refere à imposição de multa. Resta destacar, por derradeiro, a viabilidade de reapreciação da matéria ora em apreço a qualquer momento, mediante exibição pelo autor ou assistentes de outros elementos probatórios. 16

17 9) Da Extensão Territorial da Tutela Jurisdicional Em primeiro lugar, diversamente do alegado pela demandada em sua defesa, os direitos discutidos neste feito classificam-se como direitos coletivos em sentido estrito e direitos difusos, como já assentado. As pretensões referentes a obrigações de não fazer (ou de abstenções) visam tutelar interesse do grupo de empregados da demandada, ao passo que o pleito de indenização por dano moral coletivo tem o escopo de defender direito da coletividade, que abarca sujeitos indetermináveis. Cuida-se, pois, de tutela de direitos transindividuais. O art. 16 da Lei n. 7347/85 (Lei de Ação Civil Pública), ao dispor que a sentença civil, salvo se o pedido for improcedente por insuficiência de provas, fará coisa julgada erga omnes, nos limites da competência territorial do órgão prolator, tem redação questionável -e questionada-, já que confunde limites subjetivos da sentença e competência do Juízo. A competência é uma parcela da função jurisdicional do Estado, instituída com o fito de estabelecer a divisão da prestação dessa função estatal, não para impor limites aos efeitos subjetivos da sentença a um território determinado. O art. 93 da Lei n /90 (CDC) define que: Ressalvada a competência da Justiça Federal, é competente para a causa a justiça local: I - no foro do lugar onde ocorreu ou deva ocorrer o dano, quando de âmbito local; II - no foro da Capital do Estado ou no do Distrito Federal, para os danos de âmbito nacional ou regional, aplicando-se as regras do Código de Processo Civil aos casos de competência concorrente. (destaquei). Consolida-se na jurisprudência, ademais, o entendimento preconizado na Orientação Jurisprudencial n. 130 da SDI-II do C. TST: AÇÃO CIVIL PÚBLICA. COMPETÊNCIA TERRITORIAL. EXTENSÃO DO DANO CAUSADO OU A SER REPARADO. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO ART. 93 DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Para a fixação da competência territorial em sede de ação civil pública, cumpre tomar em conta a extensão do dano causado ou a ser reparado, pautando-se pela incidência analógica do art. 93 do Código de Defesa do Consumidor. Assim, se a extensão do dano a ser reparado limitar-se ao âmbito regional, a competência é de uma das Varas do Trabalho da Capital do Estado; se for de âmbito supra-regional ou nacional, o foro é o do Distrito Federal. No caso, a conduta lesiva perpetrada pela demandada, como constatado acima, excedeu o âmbito de uma cidade, caracterizando-se como dano de âmbito regional, pelo que, adequadamente, a presente demanda foi ajuizada na capital do Estado. A despeito das críticas dirigidas ao dispositivo da Lei de Ação Civil Pública antes citado, adoto o posicionamento em sedimentação no C. TST, 17

18 definindo que os efeitos da tutela conferida neste feito estendem-se ao âmbito de competência do E. TRT desta Região. III Dispositivo Pelos fundamentos expostos, preliminarmente, rejeito as alegações de incompetência material, inépcia da petição inicial, ilegitimidade ativa e impossibilidade jurídica do pedido. No mérito, julgo PROCEDENTES os pedidos veiculados pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO em face de CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CEF, para o fim de: I. Tornando definitiva a tutela antecipada, determinar que a demandada, INDEPENDENTEMENTE DO TRÂNSITO EM JULGADO DESTA DECISÃO: a) não adote e não permita que seja adotado qualquer ato de represália ou discriminatório relativamente a detentores de função de confiança, de chefia e/ou de gerência em razão do ajuizamento de ação judicial, seja em nome próprio ou como substituído processual; b) não permita que os exercentes de função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam ameaçados, coagidos, pressionados, constrangidos ou que recebam propostas ou sejam induzidos a não ajuizarem ações ou a desistirem de ações ajuizadas em face da ré, como parte ou substituídos; c) não permita que a nomeação, a manutenção e/ou o exercício de função de confiança, de chefia e/ou de gerência sejam condicionados à inexistência de ação judicial em face da demandada, como parte ou substituído processual. II. Pague, APÓS O TRÂNSITO EM JULGADO DESTA DECISÃO: a) indenização por dano moral coletivo, no valor de R$ ,00 (trezentos mil reais), a ser recolhido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. Para a hipótese de descumprimento parcial ou integral das obrigações de não fazer ora impostas, determino a incidência de multa, no valor de R$ ,00 (vinte mil reais) por trabalhador, reversível ao FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador (art. 11, V, da Lei n /90) e atualizável pelos índices de correção aplicáveis aos créditos trabalhistas. Custas, pela demandada, no valor de R$ 6.000,00 (seis mil reais), calculadas sobre o valor de R$ ,00 (trezentos mil reis), valor arbitrado à condenação. Intimem-se as partes. Observe-se a necessidade de ciência das assistentes admitidas dos atos processuais doravante praticados. Cumpram-se, independentemente do trânsito em julgado desta decisão, os comandos que contém obrigação de não fazer e, após o seu trânsito em julgado, a condenação referente à indenização por dano moral coletivo. Nada mais. 18

19 JULIETA PINHEIRO NETA Juíza do Trabalho JOSÉ AMÉRICO ILHA DE QUADROS 19

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A Registro nº /2013 Processo nº 0009617-48.2012.403.6109 Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A DECISÃO Cuida-se de ação civil pública ajuizada

Leia mais

A ré manifesta-se (fls. 235-8) e junta documentos (fls. 239-754).

A ré manifesta-se (fls. 235-8) e junta documentos (fls. 239-754). Fl. 1 VISTOS, ETC. Ministério Público do Trabalho ajuíza ação civil pública em face de Viação Noiva do Mar Ltda. em 03/11/2010. Após exposição fática, postula a condenação da ré ao cumprimento do disposto

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

S E N T E N Ç A. Às fls.498/499, foi deferida parcialmente a liminar requerida pelo autor.

S E N T E N Ç A. Às fls.498/499, foi deferida parcialmente a liminar requerida pelo autor. Processo nº 0001025-61-2010-5-15-0129 ACP Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Réu: SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Assistente do autor: ASSOCIAÇÃO DOS CIRURGIÕES DENTISTAS DE CAMPINAS

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO DO TRABALHO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 Pedro ingressou com reclamação trabalhista contra o estado de São Paulo para ver reconhecido o vínculo de emprego entre ambos, ainda que não tenha havido prévia

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO, qualificada nos autos, interpôs embargos declaratórios à sentença de fls. 181/182, que extinguiu

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico,

Leia mais

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA 1 INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA Capítulo I Disposições gerais Art 1 o. Cabimento da

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA 16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA RECLAMANTE: SINDADOS-BA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas.

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/sm RECURSO DE REVISTA. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. REVISTA EM BOLSAS E PERTENCES PESSOAIS DA EMPREGADA. Entendeu a Corte de origem que a revista dos pertences dos empregados

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA

OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA 113 OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA INTRODUÇÃO Márcio Toledo Gonçalves* As presentes linhas cuidam de brevíssimas considerações acerca da anotação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: Interessado(s) 1: Interessado(s) 2: PRT 15ª Região Ribeirão Preto/SP Josiane Baldo Lucia Helena Lamberte Molinar Gazetti Sandra Regina Barbosa Cuba Cortez Município de Franca Assunto(s): Trabalho

Leia mais

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1 3ª VARA DO TRABALHO DE SÃO JOSÉ - SC TERMO DE AUDIÊNCIA RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 Aos 17 dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h57min, na sala de audiências da, por ordem da Exma.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO 4ª VARA DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE SENTENÇA

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO 4ª VARA DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE SENTENÇA PROCESSO: 0000028-66.2013.5.04.0004 RECLAMANTE: Ministério Público do Trabalho 4ª Região RECLAMADA: Drogaria Capilé Ltda. I RELATÓRIO Vistos, etc. SENTENÇA Ministério Público do Trabalho 4ª Região, devidamente

Leia mais

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA RECURSO ORDINÁRIO E TERCEIRIZAÇÃO

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA RECURSO ORDINÁRIO E TERCEIRIZAÇÃO COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA RECURSO ORDINÁRIO E TERCEIRIZAÇÃO ESTRUTURA DO RECURSO ORDINÁRIO 1ª PEÇA: PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO OU PEÇA DE ENCAMINHAMENTO

Leia mais

Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos - SINCOPLAN Interessado 2:

Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos - SINCOPLAN Interessado 2: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL DO TRABALHO GABINETE DA SUBPROCURADORA-GERAL DO TRABALHO IVANA AUXILIADORA MENDONÇA SANTOS Processo PGT/CCR/PP 6105/2014 Origem: PRT 2ª Região Interessado

Leia mais

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.70.00.007411-2/PR SENTENÇA

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.70.00.007411-2/PR SENTENÇA AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.70.00.007411-2/PR AUTOR ADVOGADO RÉU CESAR LOURENCO SOARES NETO CESAR LOURENCO SOARES NETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA SENTENÇA I - RELATÓRIO Trata-se

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000155492 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0065389-49.2011.8.26.0000, da Comarca de Santa Branca,

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

014/1.11.0003651-8 (CNJ:.0007861-53.2011.8.21.0014) Ação de Obrigação de Fazer Unidasul Distribuidora Alimentícia S/A Comercial Rissul Ltda.

014/1.11.0003651-8 (CNJ:.0007861-53.2011.8.21.0014) Ação de Obrigação de Fazer Unidasul Distribuidora Alimentícia S/A Comercial Rissul Ltda. COMARCA DE ESTEIO - 3ª VARA CÍVEL Rua Dom Pedro, 200 Processo nº: Natureza: Autor: 014/1.11.0003651-8 (CNJ:.0007861-53.2011.8.21.0014) Ação de Obrigação de Fazer Unidasul Distribuidora Alimentícia S/A

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM RÉU : FORZA IND/ DE PLASTICOS LTDA/ ADVOGADO : SANDRO

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af RECURSO DE REVISTA. EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. SÚMULA Nº 114 DO TST. Viola o art. 5º, XXXVI, da Constituição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU AÇÃO CIVIL PÚBLICA Autos n. 6066-94.2014 1. Cuida-se de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Paraná em desfavor de José Carlos Neves da Silva e outro e onde se apura a prática

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2

Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2 Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2 TÉCNICO DE FUTEBOL. DIREITO DE IMAGEM. NATUREZA SALARIAL. O pagamento efetuado ao técnico de futebol pelo uso da imagem, quando parcela ajustada para o pagamento do

Leia mais

CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro.

CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro. CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro. Técnico Judiciário RF 4363 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Processo nº

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA

20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA Vistos os autos. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ajuizou ação civil pública em face de PETROBRÁS e PETROBRÁS DISTRIBUIDORA,

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-358-35.2014.5.03.0011. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg

PROCESSO Nº TST-RR-358-35.2014.5.03.0011. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMCP/dpf/klg RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 10.015/2014 NULIDADE DA CITAÇÃO ÔNUS DO DESTINATÁRIO Na forma do art. 841, 1º, da CLT, A notificação será feita

Leia mais

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo 0019828 49.2011.4.05.8300 Classe: 1 AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO ADVOGADO: PAULO HENRIQUE LIMEIRA GORDIANO RÉU: TIM NORDESTE TELECOMUNICACOES S.A. E

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 14ª REGIÃO JI-PARANÁ/RO Órgão Oficiante: DRA. PRISCILA LOPES PONTINHA ROMANELLI Interessado 1: ROBERTO NASCIMENTO DA SILVA Interessado 2: BANCO DO BRASIL S/A (AGÊNCIA DE SERINGUEIRAS) Assunto:

Leia mais

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA ANTES DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. REVELIA. COMPARECIMENTO DO PREPOSTO. AUSÊNCIA DE

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA 1 de 5 17/03/2015 11:04 PODER JUDICIÁRIO INFORMACÕES SOBRE ESTE DOCUMENTO NUM. 27 Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA Data da Inclusão 12/03/201518:44:13 Réu

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 659.830 - DF (2004/0087560-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : EDUARDO AUGUSTO QUADROS E ALMEIDA : MANOEL FAUSTO FILHO E OUTRO : SOCIEDADE DE

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL O Governador do Estado Y, premido da necessidade de reduzir a folha de pagamentos do funcionalismo público estadual, determinou que o teto remuneratório dos Defensores

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Quarta Câmara Cível

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Quarta Câmara Cível APELAÇÃO CÍVEL - Processo APELANTE: EURICO ÂNGELO DE OLIVEIRA MIRANDA APELADO: CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA RELATOR: DES. ANTÔNIO ILOÍZIO BARROS BASTOS APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE REGRESSO. QUESTÕES PRELIMINARES

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 Pag.: 1 Aos 02 dias do mês de outubro de 2015, às 17h44 na sala de audiência desta Vara, por determinação da MMª Juíza do Trabalho

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS NONA VARA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS NONA VARA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS NONA VARA Classe 7100 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Requerente(es) MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Requerido(s) CONFEF CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E OUTRO DECISÃO O MINISTÉRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 1ª Vara do Trabalho de Bagé

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 1ª Vara do Trabalho de Bagé Fl. 1 Reclamante: JURACI SILVA DA PORCIUNCULA Reclamada: LIDERANÇA LIMPEZA E CONSERVAÇÃO LTDA. VISTOS, ETC. JURACI SILVA DA PORCIUNCULA ajuíza ação trabalhista contra LIDERANÇA LIMPEZA E CONSERVAÇÃO LTDA.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli R E L A T Ó R I O A Exmª Des. Federal MARGARIDA CANTARELLI (Relatora): Cuida-se de mandado de segurança impetrado pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra decisão do Juízo da 8ª Vara Federal do Rio Grande

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

Doc.: 2047. Pag.: 1. 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE ATA DE AUDIÊNCIA Processo n. 0000849-72.2014.503.0001

Doc.: 2047. Pag.: 1. 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE ATA DE AUDIÊNCIA Processo n. 0000849-72.2014.503.0001 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE ATA DE AUDIÊNCIA Processo n. 0000849-72.2014.503.0001 Pag.: 1 Aos 17 dias do mês de agosto de 2015, às 17h55, na sala de audiência desta Vara, por determinação da

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE 13^ 2 «-> - 1 - ACÓRDÃO I TRIBUNAL DE'JUSTIÇA DE. 2 Vistos, relatados e discutidos estes autos de ^ APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE VÁRZEA GRANDE 3ª VARA CÍVEL

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE VÁRZEA GRANDE 3ª VARA CÍVEL 1 Autos n 764/2010 Código 255667 Vistos etc., COOPNOROESTE COOPERATIVA AGROPECUÁRIA DO NOROESTE DO LTDA. promove a presente ação ordinária de abstenção de uso de domínio c/c indenização por dano moral

Leia mais

Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055. Termo de Audiência. Rito Ordinário

Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055. Termo de Audiência. Rito Ordinário Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055 Termo de Audiência Rito Ordinário Aos 24 (vinte e quatro) dias do mês de maio de dois mil e doze, às 17h, na sala de audiência da, por ordem do Exmo. Juiz Erno Blume,

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Doc.: 3163 Pag.: 1. 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG. Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1

Doc.: 3163 Pag.: 1. 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG. Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1 Pag.: 1 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1 Aos três dias do mês de agosto de 2011, às 17h31min, na 17ªVara do Trabalho de Belo Horizonte-MG, a Meritíssima

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 11.962 - VA (2014/0121085-1) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO FELIX FISCHER (Relator): Trata-se de pedido de homologação de sentença eclesiástica de anulação do matrimônio

Leia mais

XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001

XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001 XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001 Ação trabalhista ajuizada em 10 de janeiro de 2000. PETIÇÃO INICIAL Carlos da Silva,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Novo Hamburgo

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Novo Hamburgo Fl. 1 Processo: 0000928-90.2011.5.04.0304 Natureza: Reclamatória-Ordinário Origem: Reclamante: Alissandro da Soller Reclamada: Fundação de Saúde Pública de Novo Hamburgo- FSNH VISTOS, ETC. Alissandro da

Leia mais

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) COMARCA IMPETRANTE IMPETRADO ÓRGÃO JULGADOR DESEMBARGADOR RELATOR SUBPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Rio de Janeiro

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Rio de Janeiro 63 4ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS PROCESSO Nº 0000798-11.2011.4.02.5164/01 (2011.51.64.000798-0/01) RECORRENTE: ALEXANDRE ANDERSON DE SOUZA RECORRIDA: UNIAO FEDERAL RELATORA: JUÍZA FEDERAL

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DE SANTA ROSA.

EXMO. SR. DR. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DE SANTA ROSA. EXMO. SR. DR. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DE SANTA ROSA. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO- Procuradoria do Trabalho do Município de Santo Ângelo, CNPJ nº 26.989.715/0035-51, com sede na Antunes Ribas, 1888,

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384 Aos 09 dias do mês de agosto de 2013, às 09:00 horas, na sala de audiências desta Vara do Trabalho, sob a minha presença, Dr. Leonardo Grizagoridis da Silva, Juiz do Trabalho Substituto, foram apregoados

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Santa Cruz do Sul/RS Interessado(s) 1: SINDITAXI Sindicato dos Taxistas de Santa Cruz do Sul Interessado(s) 2: Município de Sobradinho Assunto(s): Liberdade e Organização Sindical

Leia mais

PROCESSO Nº TST-AIRR-1992-87.2010.5.04.0202. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs

PROCESSO Nº TST-AIRR-1992-87.2010.5.04.0202. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA HORAS EXTRAORDINÁRIAS CURSOS ON-LINE DE TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO AUSÊNCIA DE DEMONSTRAÇÃO DE OBRIGATORIEDADE

Leia mais