Piscicultura de Caçador 2 Biologo CRBio D M.Sc Aquicultura/EPAGRI Estação de Piscicultura de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Piscicultura de Caçador 2 Biologo CRBio D M.Sc Aquicultura/EPAGRI Estação de Piscicultura de"

Transcrição

1 0 Volumen Nº - REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN 9-0 Uso de farinha de carne e osso bovina como fonte de proteína para carpas comum (Cyprinus carpio L.) em fase de recria - Use of meat and bone as a protein source for common carp (Cyprinus carpio L.) in the growing phase Álvaro Graeff Raphael de Leão Serafini Médico Veterinário CRMV SC-00 Esp. Nutrição/EPAGRI Estação de Piscicultura de Caçador Biologo CRBio -0D M.Sc Aquicultura/EPAGRI Estação de Piscicultura de Caçador Fone: Caixa Postal 9 CEP Caçador, SC BRASIL Resumo O presente trabalho foi desenvolvido para avaliar o uso de farinha de carne e osso bovina como fonte de proteína para carpas comum (Cyprinus carpio L.) no desempenho zootécnico na fase. Foi realizado na Unidade Experimental de Piscicultura da Epagri de Caçador, utilizando-se um sistema de criação em caixas de cimento amianto de 000 litros, com entrada e saída de água controlada. O experimento teve duração de 0 dias, testando-se quatro introduções de farinha de carne e osso nas dietas experimentais (0,, e % da dieta) com oito repetições. De acordo com os resultados obtidos todas as introduções não tiveram efeito sobre as variáveis estudadas como sobrevivência, peso, comprimento e conversão alimentar. Concluiu-se que se pode utilizar farinha de carne e osso até % das dietas sem prejudicar o desempenho zootécnico da carpa comum na fase. Palavras chave: alimentação, alevino, carpa comum, farinha de carne e osso Abstract This study was designed to evaluate the use of meat and bone beef as a protein source for common carp (Cyprinus carpio L.) on the performance in the growing phase. Was conducted at the Experimental Fish Culture Epagri Hunter, using a system on cement boxes of 000 liters with water inlet and outlet control. The experiment lasted 0 days, testing four issues of meat and bone in the experimental diets (0,, and % of diet) with eight replications.

2 0 Volumen Nº - According to the results of all introductions have had no effect on variables such as survival, weight, length and feed conversion. It was concluded that one can use meat and bone up to % of the diets without affecting growth performance of common carp in the growing phase. Keywords: food, fingerling, common carp, meat and bone Introdução A piscicultura no estado de Santa Catarina encontra-se em franca expansão sendo a Carpa comum (Cyprinus carpio L.) ainda uma das espécies mais cultivada. Apesar de sua carne não ser a melhor em termos culinários, mostra-se ascendente para a comercialização através de seus derivados e embutidos (Graeff et al., 00). Outras espécies promissoras têm sido cultivadas, mas a busca por alternativas melhores de sistemas de criação com espécies com apelos regionais tem sido a procura e foco dos pesquisadores. A aqüicultura se constitui em uma atividade pecuária promissora de grande importância, tanto econômica quanto nutricional. Esta atividade responde hoje em países asiáticos a 8% da produção mundial (em quilos) e a % em valor financeiro (FAO, 999). Uma das principais exigências para qualquer espécie animal é a proteína e energia. Estas são essenciais para a manutenção, crescimento e reprodução. A energia dietária para os peixes provém do uso da proteína, lipídeos e carboidratos, sendo, que o uso de cada classe desses nutrientes varia, normalmente, de acordo com o balanço da dieta, das exigências do peixe e da espécie em questão (Pezzato, 99). Os lipídeos são a melhor fonte de energia para os peixes, seguido pela proteína e carboidratos (Pezzato, 999). A proteína corresponde entre os nutrientes o de maior importância nos aspectos qualitativos e quantitativos, pois são componentes constitutivos do organismo dos peixes em crescimento e entre outras coisas são importantes para formação das enzimas (Steffens, 98). As fontes de proteína utilizada nas dietas de peixes tanto as de origem animal ou vegetal estão condicionadas a fatores que afetam seu requerimento assim como o habito alimentar, tamanho do peixe, fonte de proteína, energia da dieta, temperatura da água, freqüência de alimentação, função fisiológica e espécie (Logato, 999). O balanceamento de nutrientes obtidos pelos peixes em seus ambientes naturais não ocorre quando os mesmos se encontram em ambientes confinados, quer pela ausência ou pela limitação de alimentos (Pezzato, 990).

3 0 Volumen Nº - Em função disto, em cultivo intensivo, os peixes dependem da utilização de rações comerciais que satisfaçam as necessidades de nutrientes essenciais e de proteína para garantir o desenvolvimento e a rentabilidade (Cantelmo, 989). Contudo, as rações balanceadas utilizadas nos sistemas intensivos ainda têm custo relativamente alto, pois nelas são empregados, produtos e subprodutos de origem animais (Graeff, 998). No intuito de reduzir o custo das rações utilizadas em cultivos de peixes, pesquisadores da área de nutrição, têm dirigido suas atenções e trabalhos para a substituição de parte dos ingredientes de origem vegetais tradicionais por ingredientes de origem animal alternativos, não se descuidando do balanço de nutrientes essenciais, tanto pela suplementação com aminoácidos sintéticos quanto por complexos vitamínico-minerais (Cantelmo, 989; Pezzato, 990). Para algumas espécies de água doce, já existem alimentos artificiais capazes de assegurar a sobrevivência e o crescimento de larvas, dispensando o uso de alimentos vivos, como é o caso da carpa (Cyprinus carpio) (Bergot et al., 98 e Radunz Neto, 99) e do próprio jundiá (Rhamdia quelen) (Piaia, 99 e Fontinell, 99). Apesar de Piaia (99) encontrar bons resultados na larvicultura do jundiá sem utilizar lipídios em sua dieta experimental, é importante o uso de fonte energética em rações utilizadas na alimentação de larvas fornecendo muitos ácidos graxos essenciais. O presente trabalho tem por opção o uso de farinha de carne e ossos que depois do farelo de soja, são as fontes protéicas mais difundidas nas indústrias de rações. Os percentuais de proteína bruta destes subprodutos oscilam de 0 a %, sendo os mesmos ricos em cálcio e fósforo. A farinha de carne e ossos é uma fonte de proteína de origem animal, relativamente barata, que vem sendo testada como fonte de proteína para peixes (Wu et al., 998; El Sayed, 998; Kureshy et al., 000; Millamena, 00) sem maiores efeitos adversos aos seus desempenhos. Portanto o objetivo deste experimento foi avaliar o uso de farinha de carne e osso bovina como fonte de proteína para carpas comum (Cyprinus carpio L.) no desempenho zootécnico na fase Material e métodos O experimento foi realizado na Unidade de Piscicultura de Caçador na Estação Experimental da EPAGRI, em aquários de cimento amianto, com capacidade para.000 litros de água, abastecidos individualmente com água proveniente do açude de abastecimento, numa vazão de 0, litros por minuto. O período experimental foi de 0 dias, sendo iniciado em de dezembro de 00 e encerrado em de abril de 008, com sete dias de adaptação dos alevinos em cada parcela experimental. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com quatro tratamentos onde foram avaliados quatro

4 0 Volumen Nº - introduções de farinha de carne e osso e oito repetições, com 0 carpas comum (Cyprinus carpio L.) em cada parcela experimental. A farinha de carne e ossos utilizada no presente estudo apresentou em média,9 ± 0,08 de umidade e a seguinte composição nutricional expressa na base da matéria seca:,0 ± 0 de proteína bruta (%),, ± 0,08 de extrato etéreo (%), 9, ± 0,09 de matéria mineral (%),,9 de cálcio (%). O peso médio inicial dos peixes foi ± 0,0 g e o comprimento inicial de,0 ± 0, cm. As dietas foram formuladas e peletizadas, dentro dos critérios, para a espécie e sistema de produção utilizado, com ingredientes mantendo a proteína bruta e energia estabilizados em,0% e.00 kcal de energia metabolizável/kg de ração respectivamente, sendo oferecidas na quantidade de 0% do peso vivo ao dia em duas vezes, reajustado a cada 0 dias, sendo preservadas em geladeira, conforme o Tabela. Tabela Composição percentual das rações experimentais Ingredientes Tratamento Tratamento Tratamento Tratamento % Farinha de,0,0,0,0 carne e osso Farelo de soja -,0,0,0 Farinha de,,9,, peixe Milho,,0,8, Óleo 9, 8,,, Valores calculados Energia metabolizável Proteína bruta,0,0,0,0 Digestibilidade,, 8,8 80, Extrato Etéreo,0,, 0, Cálcio,,,, Fósforo,,8,, Relação EB/PB 00,0 00,0 00,0 00,0 Amostras da água, que provém de um tanque de abastecimento, foram coletadas e analisadas semanalmente para as variáveis: transparência, com disco de Secchi; ph com peagâmetro marca Corning (PS-0); oxigênio dissolvido, nitrito, amônia total, dureza, alcalinidade, turbidez e gás carbônico no Laboratório de Qualidade de Água/EPAGRI Caçador. As observações da temperatura da água foram realizadas diariamente com termômetro eletrônico - Thies Clima, sempre às 9:00 e às :00 horas,

5 0 Volumen Nº - momento no qual os peixes recebiam a ração. Também se verificou a temperatura ambiente com aparelho de corda, marca Wilh-Lambrech Gmbh Gottingen. As avaliações dos peixes foram realizadas a cada 0 dias utilizando-se 00% dos peixes estocados, tomando-se as medidas de comprimento total através de um ictiômetro e o peso individual em uma balança eletrônica, com precisão de 0,0g, marca Marte. Para a realização destas atividades, os peixes foram sedados com 0,ml de quinaldina para litros de água. Ao final do experimento, foram efetuadas avaliações quantitativas, compreendendo as evoluções de crescimento em peso e comprimento, conversão alimentar aparente, sobrevivência. Resultado e discussão A temperatura da água durante o período experimental manteve-se entre um mínimo de, 0 C e máximo de, 0 C, no período da manhã, ficando a média do período em,9 0 C. No período da tarde oscilou entre um mínimo de, 0 C e um máximo de, 0 C ficando a média em,9 0 C. Note-se que as temperaturas estavam bem próximas às relatadas por Makinouchi (980), que afirmaram haver um melhor crescimento das carpas entre,0 0 e 8,0 0 C. Na avaliação da qualidade da água, os parâmetros ph, oxigênio dissolvido, gás carbônico, dureza total, alcalinidade, amônia total e nitrito estavam dentro do preconizado Boyd (9) e Arana (00), Lewis e Morris (98) citados por Vinatea (99), para a criação de Carpa comum (Cyprinus carpio L.). A transparência permaneceu, durante todo período experimental, entre,0 e,0cm medida com auxilio de um disco de Secchi, indicando razoável densidade de plâncton (Tavares, 99). A turbidez, diretamente correlacionada à transparência, permaneceu entre,0 e,0 NTU. Isto é conseqüência da baixa presença de argilas coloidais, substâncias em solução, matéria orgânica dissolvida no experimento (Tavares, 99). Pela análise estatística dos dados não ocorreu efeito significativo entre os níveis de substituição da farinha de peixe por farinha de carne e osso (Tabela ).

6 0 Volumen Nº - Tabela Peso médio inicial, peso médio final e ganho de peso da Carpa comum (Cyprinus carpio L.) alimentadas com rações contendo diferentes níveis de farinha de carne e ossos Pmf Gp Pmf Gp Pmf Gp Tratamentos Repetições Pm Pmf Gp Pm Pm Pm i i i i 9, 9,,,,8,8,0,,,,,,8,8 9, 8,9,8,, 0,8 9,0 9,9, 0, 9 0,8,8,,9,,8,,,0,9,, 0,0 9, 8,,9, 0, 9 9,88, 8,,0,, 0,,0,,,8,, 8,,,,,, 0, 0, Peso médio/trata mento,8 a ±, a ±,, 0 a ±,, 9 a ±,, a ±,9 0, a ±,9, a ±,, a ±, Médias na linha, seguidas de letras iguais, não diferem significativamente entre si (P<0,0) pelo teste Tukey Pmi = Peso médio inicial (g) Pmf = Peso médio final (g) Gp = Ganho de peso (g), O peso médio final dos peixes submetidos aos diferentes tratamentos demonstra variação pequena e uma tendência de que qualquer inserção do nível de farinha de carne e osso na ração, em substituição ao farelo de soja desde que se preserve a mesma quantidade de farinha de peixe da dieta (Tabela ), corresponde a um desempenho em crescimento do peso semelhante (Tabela ).

7 0 Volumen Nº Peso de carpas comum 0 8 Peso Comprimento 9 8 Comprimento de carpas comum Idade (dias após o início dos experimentos) Figura. Evolução do peso e comprimento de carpas. Média dos níveis de substituição da farinha de peixe por farinha de carne e osso bovina. Barras verticais representam o erro padrão da média. Verificando-se a figura onde se projeta a evolução das carpas comum em peso e comprimento com relação à idade nota-se que nos dois parâmetros houve um desvio padrão mais acentuado no peso, mas que não comprometeu no todo. Uma possibilidade de redução no desempenho em peso e comprimento nos níveis de substituição de farinha de carne e osso praticados neste experimento (Watanabe e Pongmaneerat, 99) foi compensada pela não mudança de quantidade de farinha de peixe levando a uma quantidade em aminoácidos essenciais e não essenciais adequadas. A substituição da proteína da farinha de peixes pela proteína da farinha de carne e ossos foi testada em dietas para tilápias, tendo sido possível uma substituição de até 00% (El-Sayed e Tacon, 99), em até 80% para juvenis de garoupa Epinephelus coioides (Millamena, 00) e em até 0% para peixes marinhos do mediterrâneo (Alexis, 99), sem redução significativa no crescimento desses peixes. Em outro estudo Forster et al. (00), estudando três níveis de substituição da proteína de farinha de peixe (, 0 e %) pela farinha de carne e ossos para dietas de L. vannamei, observou que embora a habilidade da farinha de carne e ossos em substituir a farinha de peixes varie em função da composição da farinha de carne e ossos, pelo menos % da proteína de farinha de peixes poderia ser substituída pela proteína da farinha de carne e ossos sem que tenha sido observado uma redução significativa no crescimento dos juvenis de L. vannamei. O comprimento médio final das repetições dos tratamentos (Tabela ) também demonstra que o incremento de nível de inclusão de farinha de

8 0 Volumen Nº - carne e osso em substituição ao farelo de soja corresponde a uma não interferência no crescimento em comprimento. Da mesma forma que ocorreu com o peso não houve pela análise estatística dos dados efeito significativo entre os níveis de substituição do farelo de soja por farinha de carne e osso (Tabela ). Um aspecto relevante a destacar neste trabalho é o ótimo crescimento em peso dos peixes, chegando ao final do experimento com 0 vezes o seu peso inicial (Tabela ) e o comprimento quase triplicando seu tamanho inicial (Tabela ). Tabela Comprimento médio inicial, comprimento médio final e ganho de comprimento da Carpa comum (Cyprinus carpio L.) alimentadas com rações contendo diferentes níveis de farinha de carne e ossos Tratamentos Repetições Cm Cmf Gc Cm Cmf Gc Cm Cmf Gc Cm i,0,0,0,0,0,0,0 8,0 Compriment o,0 médio/trata mento i 8,,,0 9,0,9,0 9,,,0 8,,,0 9,8,8,0 0,,,0 8,0,00,0 9,0,00,0 9,,0 a a ± 0, ± 0,,0 i 0,,,0 9,0,,0 8,,,0 0,,,0 9,0,9,0 8,,,0 8,8,80,0 8,8,8,0 9,, a a ± 0,89 ± 0,89,0 i,8,,0 8,,,0 9,,0,0 9,0,,0 8,90,8,0 9,0,9,0 9,8,8,0 8,,,0 8,8, a a ± 0,9 ± 0,9,0 Cmf Gc 0,, 0 8,, 0 8,, 9,90,8 8,8, 8,8,8 9,, 9,0,0 0 9,,0 a a ± 0,9 ± Médias na linha, seguidas de letras iguais, não diferem significativamente entre si (P<0,0) pelo teste Tukey Cmi = Comprimento médio inicial (cm) Cmf = Comprimento médio final (cm) Gc = Ganho de comprimento (cm) Não houve diferenças entre os tratamentos de substituição de farinha de soja pela farinha de osso e carne bovina a sobrevivência e conversão 0,9 8

9 0 Volumen Nº - alimentar de carpa comum (Tabela ). Os Altos níveis de ácidos graxos saturados presentes na farinha de carne e osso pode ter reduzido a palatabilidade das dietas levando com isto uma conversão mais alta das dietas (Williams e Barlow, 99). Tan et al. (00) observou em trabalho que a substituição da proteína da farinha de peixe pela proteína da farinha de carne e osso também não afetou a sobrevivência de pós-larvas de L. vannamei, até o nível de 0% de substituição. A não variação da relação PB:EB pode ser a resposta para a conversão alimentar, apesar de alta, não ter variado entre os tratamentos e resultando em um ganho de peso maior (Tabela ). Segundo Kaushik (99), a relação PB:ED ideal para carpas é de a 8 mg de proteína por Kcal de energia digestível, sendo que valores acima de 90mg de PB/Kcal não levam a melhorias significativas no ganho em peso dos peixes. A relação proteína: energia (PB:EB) neste trabalho não variou entre os tratamentos, sendo fixada em :00 em todos os tratamentos. Tabela. Sobrevivência e conversão alimentar de carpa comum em função da porcentagem de farinha de carne e osso em substituição ao farelo de soja Farinha de carne e osso (%) Sobrevivência (%) Conversão aparente (kg/kg) 0 80,0 ns, ns 80,0,0 8,,8 80,,8 Média 8,0,8 alimentar C.V. (%),, ns Não houve diferenças significativas entre tratamentos pelo teste de F a % de probabilidade de erro. C.V. = coeficiente de variação. A taxa de sobrevivência dos referidos tratamentos está dentro da média que ocorre em outros trabalhos na mesma região (Graeff et al.,00). Conclusão Nas condições em que o trabalho foi realizado conclui-se que o desempenho produtivo das carpas comum (Cyprinus carpio L.) não foi alterado em nenhuma das substituições do farelo de soja pela farinha de carne e osso bovina sendo possível recomendar o uso deste insumo enquanto o atrativo comercial justificar. 9

10 0 Volumen Nº - Referências bibliográficas ALEXIS, M.N. Fish meal and fish oil replacers in Mediterranean marine fish diets. In: TACON,A. et al. Feeding Tomorrow s Fish Proceedings Workshop of the CIHEAM Network on Technology of Aquaculture in the Mediterranean. June --, 99, Mazarron, Spain, v., p.8-0, 99 ARANA, L.V. Princípios químicos de qualidade da água em aqüicultura: uma revisão para peixes e camarões. a Ed. Florianópolis: UFSC. p. 00 BERGOT, P.; CHARLON, N.; DURANTE, H. The effect of compound diets feeding on growth and survival of coregonid larvae. Arch Hidrobiol Beich :-, 98 BOYD, C.E. Lime requirements and application in fishponds. In: Aq/conf, /E, KYOTO. 9. p. CANTELMO, O.A. Nutrição de peixe e aqüicultura. In: HERNANDEZ, A. (Ed.) Cultivo de colossoma. Bogotá: Guadalupe, 989. p.8-9 EL-SAIED, A.F.M.; TACON, A.G.J. Fish meal replacers for Tilapia: a review. Spain: [s.n.], 99. (Paper presented at the TECAM Fish Nutrition Workshop Feeding Tomorrow s Fish held in Mazarron) EL-SAYED, A.F.M. Total replacement of fish meal with animal protein sources in Nile tilapia Oreochromis niloticus (L.) feeds. Aquaculture Research, v.9, p.-80, 998 FAO. Aquaculture production statistics FAO Fisheries Circular. N. 8, rev. Roma. 0p. 999 FONTINELLI, E. Efeitos do uso do concentrado protéico de soja, com e sem suplementação de aminoácidos, sobre o crescimento e sobrevivência das larvas de jundiá (Rhamdia quelen). Santa Maria, RS, 99. 8p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) Curso de Pósgraduação em Zootecnia Universidade Federal de Santa Maria, 99. FORSTER, I.P.; DOMINY, W.; OBALDO, L.; TACON, A.G.F. Rendered meat and bone meals as ingredients of diets for shrimp Litopenaeus vannamei (Boone, 9). Aquaculture, v.9, p.-0, 00 GRAEFF, A. Efeito da substituição da proteína vegetal pelo uso de colágeno na alimentação de carpas (Cyprinus carpio L.). In: SIMPOSIO BRASILEIRO DE AQUICULTURA, 0.,998, Recife/PB. Anais: Recife/PB: ABRAQ, 998, p.9-9 GRAEFF, A.; TOMAZELLI, A. Fontes e níveis de óleos na alimentação de carpa comum (cyprinus carpio l.) na fase de crescimento. Rev. Ciência e Agrotecnologia, : -, 00 KAUSHIK, S.J. Nutrient requirements, supply and utilization in the context carp culture. Aquaculture, Amsterdam, 9: -, 99 KURESHY, N.; DAVIS, D.A.; ARNOLD, C.R. Partial replacement of fish meal whit meat-and-bone meal, flash-dried poultry by product meal in 0

11 0 Volumen Nº - practical diets for juvenile red drum. Noth American Journal of Aquaculture, v., n., p.-, 000 LOGATO, P.V.R. Nutrição e alimentação de peixes de água doce. Lavras: UFLA/FAEPE, 999 p. MAKINOUCHI, S. Criação de carpas em água parada. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, ():0-, 980. MILLAMENA, O.M. Replacement of fish meal by animal product meals in practical diet for grow-out culture of grouper Epinephelus coioides. Aquaculture, v.0, n., p.-8, 00 PEZZATO, L.E. Alimentação de peixes relação custo beneficio. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA,, 999, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre. 999, p.0-8 PEZZATO, L.E. Alimentos mais utilizados para peixes. In: CASTAGNOLLI, N. (Ed.) Piscicultura. Jaboticabal: FUNEP, 990. p.8-99 PEZZATO, L.E. O estabelecimento das exigências nutricionais das espécies de peixes cultivadas. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO E NUTRIÇÃO DE PEIXES,, 99, Piracicaba. Anais... Piracicaba, 99, p.- PIAIA, R. Efeito do uso de diferentes fontes protéicas e diferentes níveis de proteina sobre o crescimento e sobrevivência de larvas de jundiá (Rhamdia quelen). Santa Maria, RS, 99. 8p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) Curso de Pós-graduação em Zootecnia Universidade Federal de Santa Maria, 99. RADÜNZ NETO, J. Determination des besoins nutritionnels em acides grãs essentiels chez lês larves de carpe (Cyprinus capio). Bordeaux, França, 99. p. Tese (Doctorat em Sciences des Aliments) Ecole Doctorale des Sciences Biologiques et Medicales, Université de Bordeaux I, 99 STEFFENS, W. Principios fundamentales de la alimentación de los peces. Ed. Acribia Zaragoza. p. 98 TAN, B.P.; MAI, K.S.; ZHENG, S.X.; ZHOU, Q.C.; LIU, L.H.; YU, Y. Replacement of fish meal by meat bone meal in practical diets for the white shrimp Litopenaeus vannamei (Boone). Aquaculture Research, v., n., p.9-, 00 TAVARES, L.H.S. Limnologia aplicada a aquicultura. Jaboticabal: FUNEP, 99. 0p. VINATEA ARANA, L. Princípios químicos de qualidade da água em aquicultura: uma revisão para peixes e camarões. Florianópolis: UFSC. 99. p. WATANABE, T. & PONGMANEERAT, J. Quality evaluation of animal protein sources for rainbow trout Oncorhynchus mykiss. Nippon Suisan Gakkaishi, v., p. 9-0, 99

12 0 Volumen Nº - WILLIAMS, K.C. & BARLOW, C.G. Nutritional research in Australia to improve pelleted diets for grow-out, Z. barramundi. In: Kongkeo, H., Cabanban. A.S. Eds. Aquaculture of Coral Fishes and Sustentainable Reef Fisheries. NACA and Pacific, Bangkok, Thailand, 99. WU, Y.V.; TUDOR, K.W.; BROWN, P.B.; ROSATI, R.R. Substitution of plant proteins or meat and bone meal for fish meal in diets of Nile tilapia. Noth American Journal of Aquaculture, v., n., p.8-, 998 REDVET: 0, Vol. Nº Recibido / Ref. prov. AGO_REDVET / Aceptado 8..0 / Ref. def. 00_REDVET / Publicado: Este artículo está disponible en concretamente en REDVET Revista Electrónica de Veterinaria está editada por Veterinaria Organización. Se autoriza la difusión y reenvío siempre que enlace con Veterinaria.org y con REDVET

Palavras chave: alimentação, Jundiá, lipídios, óleo, Rhamdia quelen

Palavras chave: alimentação, Jundiá, lipídios, óleo, Rhamdia quelen REDVET. Revista electrónica de Veterinaria 695-754 2 Volumen Número REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet -http://revista.veterinaria.org Vol., Nº Noviembre/2 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n.html

Leia mais

Palavras chave: carpa comum, chlorella,dejeto orgânico, ração, recria

Palavras chave: carpa comum, chlorella,dejeto orgânico, ração, recria REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN 1695-7504 Cultivo de carpa comum (Cyprinus carpio L.) em recria com oferta de alimentos naturais como Chlorella minutissima em comparação com dejetos

Leia mais

Efeito da substituição do milho (Zea mays) pelo uso de farelo de aveia (Avena sativa) na alimentação de carpas comum (Cyprinus carpio l.

Efeito da substituição do milho (Zea mays) pelo uso de farelo de aveia (Avena sativa) na alimentação de carpas comum (Cyprinus carpio l. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal (Arch. Latinoam. Prod. Anim.). ISSN 1022-1301. Asociación Latinoamericana de Producción Animal. Vol 15, número 2: 39-44. 2007. www.alpa.org.ve/ojs.index/php

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

REVISTA CAATINGA ISSN 0100-316X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pro-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

REVISTA CAATINGA ISSN 0100-316X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pro-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 22 FARINHA DE CARNE E OSSOS COMO SUBSTITUTO DA FARINHA DE PEIXE EM DIETAS DE CAMARÃO Bruno Rodrigo Simão Engenheiro Agrônomo, Mestrando em Ciência Animal, Prefeitura Municipal de Areia Branca / PMAB, Secretaria

Leia mais

Desenvolvimento corporal de Jundiás (Rhamdia quelen) alimentados com dietas completas contendo diferentes níveis de energia na fase de engorda

Desenvolvimento corporal de Jundiás (Rhamdia quelen) alimentados com dietas completas contendo diferentes níveis de energia na fase de engorda Comunicación Científica - CIVA 2006 (http://www.civa2006.org), 56-61 Desenvolvimento corporal de Jundiás (Rhamdia quelen) alimentados com dietas completas contendo diferentes níveis de energia na fase

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Palavras chave: pós-larva, alevino, jundiá, nutrição, rhamdia quelen

Palavras chave: pós-larva, alevino, jundiá, nutrição, rhamdia quelen REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet - http://revista.veterinaria.org Vol. 10, Nº 4, Abril/2009 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n040409.html Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO DA MATÉRIA SECA DE SILAGENS DE CAPIM-ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM SCHUM.) PRODUZIDAS COM FARELO DE BATATA DIVERSA Ronaldo Francisco de Lima (1), Adauto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Leide Karla Ribeiro Loureiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 ; 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

Substituição de fígado bovino por glúten de milho, glúten de trigo e farelo de soja em rações para pós-larvas de piavas (Leporinus obtusidens) 1

Substituição de fígado bovino por glúten de milho, glúten de trigo e farelo de soja em rações para pós-larvas de piavas (Leporinus obtusidens) 1 192 Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.1, p.192-197, jan-fev, 2005Filipetto et al. ISSN 0103-8478 Substituição de fígado bovino por glúten de milho, glúten de trigo e farelo de soja em rações para pós-larvas

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet -http://revista.veterinaria.org Vol., Nº 07, Julio/200 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n07070.html Efeito da substituição

Leia mais

Sistemas de Produção de peixe. Eduardo Gianini Abimorad Centro Avançado do Pescado Continental Instituto de Pesca

Sistemas de Produção de peixe. Eduardo Gianini Abimorad Centro Avançado do Pescado Continental Instituto de Pesca Sistemas de Produção de peixe Eduardo Gianini Abimorad Centro Avançado do Pescado Continental Instituto de Pesca Extensivo Produção: Até 2000 kg/ha/ano Técnicas e insumos usados * Sem uso de fertilizante

Leia mais

Piscicultura. Piscicultura

Piscicultura. Piscicultura 1 de 5 10/17/aaaa 08:38 Nome Produto Informação Tecnológica Data Maio - 2000 Preço - Linha Informações resumidas Resenha sobre a Criação de Peixes José Eduardo Aracena Rasguido Med Vet Autor(es) João Ricardo

Leia mais

Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado.

Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado. Rede: Conservação e Manejo de Espécies de Peixes de Água Doce da Amazônia. Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado. Instituição:

Leia mais

Glicerol na alimentação animal. Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS

Glicerol na alimentação animal. Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS Glicerol na alimentação animal Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS Produção de BIODIESEL Produção autorizada de 21.155,79 m³/dia. BRASIL : 1º de janeiro de 2010 5% de biodiesel

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

Avaliação do desempenho de alevinos de piavuçú (Leporinus macrocephalus) alimentados com dietas contendo diferentes níveis de energia e proteína

Avaliação do desempenho de alevinos de piavuçú (Leporinus macrocephalus) alimentados com dietas contendo diferentes níveis de energia e proteína Avaliação do desempenho de alevinos de piavuçú (Leporinus macrocephalus) alimentados com dietas contendo diferentes níveis de energia e proteína Wilson Rogério Boscolo 1, Aldi Feiden 2, Jakeline Marcela

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Uliana, Oclecio; Souza da Silva, José Henrique; Radünz Neto, João DIFERENTES FONTES DE LIPÍDIOS TESTADAS

Leia mais

Aquicultura na Amazônia Ocidental

Aquicultura na Amazônia Ocidental INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA Nome do GP Aquicultura na Amazônia Ocidental Nome do Líder Elizabeth Gusmão Affonso (2015) Membros do GP Lígia Uribe Gonçalves, Dra. Pesquisadora (2013-2043).

Leia mais

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta?

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta? Producote Feed O que é? Producote Feed é um aditivo nutricional de liberação controlada, indicado para a suplementação proteica segura de ruminantes, com alta concentração de nitrogênio não proteico de

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura. Z ootec. M S c. Daniel M ontagner

Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura. Z ootec. M S c. Daniel M ontagner Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura Z ootec. M S c. Daniel M ontagner Principais f atores determinantes Planejamento: ações e etapas de implantação do empreendimento. Avaliação e seleção das

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL Código da Disciplina: VET214 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 Faculdade responsável: Faculdade de Medicina

Leia mais

Resumo. Álvaro Graeff * Adriano Gonçalves Vianna ** Denise Tonetta *** Evaldo Nazareno Pruner ****

Resumo. Álvaro Graeff * Adriano Gonçalves Vianna ** Denise Tonetta *** Evaldo Nazareno Pruner **** Avaliação do potencial nutritivo da Macrófita aquática Lemna minor, por meio da análise da composição química e por sua utilização em ração para carpa comum (Cyprinus carpio L.) na fase de recria 1 Álvaro

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia META-ANÁLISE DA RELAÇÃO DA LEVEDURA DESIDRATADA COM DESEMPENHO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO Bruno Neutzling Fraga 1*, Cheila Roberta Lehnen 1, Ines Andretta 1, Eloiza Lanferdini 2, Tais Regina Taffarel 2 1*

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

2 Objetivo Avaliação da suplementação de dieta prática orgânica com óleo essencial de orégano

2 Objetivo Avaliação da suplementação de dieta prática orgânica com óleo essencial de orégano CRESCIMENTO E SOBREVIVÊNCIA DE PÓS-LARVAS DE JUNDIÁ (RHAMDIA sp) SUPLEMENTADAS COM ÓLEO ESSENCIAL DE ORÉGANO EDER JOSÉ DE OLIVEIRA 1, DARA CRISTINA PIRES 1, IGOR MOISÉS ANDRADE GONÇALVES 1, NAIRA MELO

Leia mais

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro.

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro. Modelos de superfície de resposta aplicados na formulação não linear de ração para frangos de corte Camila Angelica Gonçalves 1 Max José de Araujo Faria Júnior 2 Sílvia Helena Venturoli Perri 2,3 Manoel

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU:

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: OPORTUNIDADES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARTIN HALVERSON DIRETOR TECNOLÓGICO: PROJETO PACU AQUICULTURA TEMAS GERAIS Estado da Tecnologia Oportunidades Problemas

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

Comunicado Técnico 07

Comunicado Técnico 07 Comunicado Técnico 07 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Produção de Tilápias em Tanques-Rede Instruções Técnicas Responsáveis: Gisele Cristina Fávero E-mail: giselefav82@yahoo.com.br Mestre em Zootecnia;

Leia mais

Estação de Piscicultura de Caçador 2 Biologo CRBio D M.Sc Aqüicultura/EPAGRI Estação

Estação de Piscicultura de Caçador   2 Biologo CRBio D M.Sc Aqüicultura/EPAGRI Estação REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN 1695-7504 Desenvolvimento da Carpa capim (Ctenopharingodon idella) alimentadas com rações completas peletizadas a base de capim elefante (Pennisetum purpureum)

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

Torelli et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 5(3): 1-15, 2010 Artigo

Torelli et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 5(3): 1-15, 2010 Artigo USO DE RESÍDUOS AGRO-INDUSTRIAIS NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES EM SISTEMA DE POLICULTIVO Jane Enisa Ribeiro TORELLI 1* ; Elenise Gonçalves de OLIVEIRA 2 ; Maria de Lourdes F. HIPÓLITO 3 & Leonardo L. RIBEIRO

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

ESTUDANDO OS NUTRIENTES

ESTUDANDO OS NUTRIENTES E.M.E.F. JEAN PIAGET DISCIPLINA DE CIÊNCIAS TURMA: T6 ESTUDANDO OS NUTRIENTES ALUNOS: ANA PAULA SILVANO MARÌLIA VARGAS PROF.: ANELISE VOLKWEISS PORTO ALEGRE, 27 DE OUTUBRO DE 2010 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO...3pg

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DA FARINHA DE PEIXE POR FARINHA DE VÍSCERAS DE AVES NA ALIMENTAÇÃO DO PIAVUÇU Leporinus macrocephalus

SUBSTITUIÇÃO DA FARINHA DE PEIXE POR FARINHA DE VÍSCERAS DE AVES NA ALIMENTAÇÃO DO PIAVUÇU Leporinus macrocephalus DOI: 10.5216/cab.v14i3.18945 SUBSTITUIÇÃO DA FARINHA DE PEIXE POR FARINHA DE VÍSCERAS DE AVES NA ALIMENTAÇÃO DO PIAVUÇU Leporinus macrocephalus VOLNEI SCHWERTNER 1, ODAIR DIEMER 2, LETICIA HAYASHI HIGUCHI

Leia mais

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS Clarice Bechara Meurer (1), José Reinaldo Mendes Ruas (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, claricebechara@yahoo.com.br;

Leia mais

Zootecnista, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Registro, SP - Brasil, [e]

Zootecnista, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Registro, SP - Brasil,   [e] ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons QUALIDADE DA ÁGUA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE JUVENIS DE TILÁPIA-DO-NILO EM VIVEIROS, UTILIZANDO-SE TRÊS SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO TÍTULO Water quality

Leia mais

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA Cláudia Santos Silva (1), Américo Iorio Ciociola Júnor (2), José Mauro Valente Paes (2),

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

CULTIVO EM MASSA DE PLÂNCTON DE ÁGUA DOCE UTILIZADO NA ALIMENTAÇÃO DE LARVAS DE PEIXES: CUSTO/BENEFÍCIO E DIFICULDADES DE MANUTENÇÃO

CULTIVO EM MASSA DE PLÂNCTON DE ÁGUA DOCE UTILIZADO NA ALIMENTAÇÃO DE LARVAS DE PEIXES: CUSTO/BENEFÍCIO E DIFICULDADES DE MANUTENÇÃO CULTIVO EM MASSA DE PLÂNCTON DE ÁGUA DOCE UTILIZADO NA ALIMENTAÇÃO DE LARVAS DE PEIXES: CUSTO/BENEFÍCIO E DIFICULDADES DE MANUTENÇÃO Lúcia Helena Sipaúba Tavares 1 No Brasil, alguns estudos têm enfatizado

Leia mais

Palavras-chaves: Alimento artificial, larva, Leporinus, larvicultura

Palavras-chaves: Alimento artificial, larva, Leporinus, larvicultura SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DE LEVEDURA DE CANA POR FARELO DE SOJA NA ALIMENTAÇÃO DE LARVAS DE PIAVUÇU Leporinus macrocephalus JOÃO RADÜNZ NETO', JOSÉ FERNANDO BIBIANO MELO', CARLOS GUILHERME TROMBETTA 3 e TANISE

Leia mais

de Piscicultura de Caçador

de Piscicultura de Caçador REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN 1695-7504 Desenvolvimento da Carpa capim (Ctenopharyngodon idella) alimentadas com rações completas peletizadas a base de azevém (Lolium multiflorum)

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE PROTEÍNA BRUTA E DE ENERGIA DIGESTÍVEL NA DIETA SOBRE O DESEMPENHO DE ALEVINOS DE PEIXE-REI

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE PROTEÍNA BRUTA E DE ENERGIA DIGESTÍVEL NA DIETA SOBRE O DESEMPENHO DE ALEVINOS DE PEIXE-REI EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE PROTEÍNA BRUTA E DE ENERGIA DIGESTÍVEL NA DIETA SOBRE O DESEMPENHO DE ALEVINOS DE PEIXE-REI EFFECTS OF DIFFERENT DIETARY LEVELS OF CRUDE PROTEIN AND DIGESTIBLE ENERGY ON

Leia mais

Biorremediação de efluentes agroindustriais mediada por microalgas

Biorremediação de efluentes agroindustriais mediada por microalgas Biorremediação de efluentes agroindustriais mediada por microalgas Catarina Viegas (1), Margarida Gonçalves (1), Luísa Gouveia (2), Benilde Mendes (1) (1) METRICS, FCT-UNL Mechanical Engineering and Resources

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE JUVENIS DE CAMARÃO MACROBRACHIUM ROSENBERGII UTILIZANDO DIFERENTES INCLUSÕES DE ALHO ALLIUM SATIVUM NA ALIMENTAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE JUVENIS DE CAMARÃO MACROBRACHIUM ROSENBERGII UTILIZANDO DIFERENTES INCLUSÕES DE ALHO ALLIUM SATIVUM NA ALIMENTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE JUVENIS DE CAMARÃO MACROBRACHIUM ROSENBERGII UTILIZANDO DIFERENTES INCLUSÕES DE ALHO ALLIUM SATIVUM NA ALIMENTAÇÃO RUBENS ADRIANO DRZINDZIK¹*, MARILIA PASSARIN 1, SILVIA ROMÃO², LUIZA

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Energia digestível para alevinos de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) em baixa temperatura

Energia digestível para alevinos de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) em baixa temperatura 36 ISSN: 2316-4093 Energia digestível para alevinos de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) em baixa temperatura Edvaldo Geraldo Junior 1, Fábio Meurer 1, Laura Trevisan 2, Lilian Carolina Rosa da Silva

Leia mais

AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA

AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA Dr ASCÂNIO DE FARIA Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Campos do Jordão SP PARA SE CRIAR TRUTA ARCO-ÍRIS é fundamental

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS

FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS VISITA TÉCNICA 01: Fazendas de cultivo de camarão L. vannamei em águas oligohalinas. Data: 14 de novembro de 2014. Saída: 06h00min - Centro de Eventos do Ceará.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

DENSIDADE DE ESTOCAGEM E CRESCIMENTO DE ALEVINOS DE JUNDIÁ Rhamdia quelen (QUOY & GAIMARD, 1824)

DENSIDADE DE ESTOCAGEM E CRESCIMENTO DE ALEVINOS DE JUNDIÁ Rhamdia quelen (QUOY & GAIMARD, 1824) Ciência Rural, Santa Maria, v. 30, n. 3, p. 509-513, 2000 ISSN 0103-8478 509 DENSIDADE DE ESTOCAGEM E CRESCIMENTO DE ALEVINOS DE JUNDIÁ Rhamdia quelen (QUOY & GAIMARD, 1824) STOCKING DENSITY AND GROWTH

Leia mais

Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho

Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho jdscorvo@sp.gov.br A aqüicultura, em franco desenvolvimento, vem se impondo como atividade pecuária, embora ainda seja considerada

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Jeffersson Lecznieski Gerente Técnico DSM Produtos Nutricionais Brasil Introdução Devido aos altos e crescentes custos das matérias

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO - PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO - (RO) Licitação: (Ano: 2013/ PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO / Nº Processo:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte

Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte Viviane Murer Fruchi¹, Isabelle Bossolani Fernandez² e Ricardo de Albuquerque³ ¹Mestranda em Nutrição e Produção Animal,

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SILAGENS DE SOJA ENRIQUECIDAS COM MELAÇO DE CANA E MILHO TRITURADO

AVALIAÇÃO DE SILAGENS DE SOJA ENRIQUECIDAS COM MELAÇO DE CANA E MILHO TRITURADO AVALIAÇÃO DE SILAGENS DE SOJA ENRIQUECIDAS COM MELAÇO DE CANA E MILHO TRITURADO Sara Cajango Fávero 1, Jesuíno Avelino Pinto 2, Josimar Balbino de Rezende 2, Maria Luzia de Rezende 2, Romário Schenkel

Leia mais

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: Veterinaria Organización España

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: Veterinaria Organización España REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España Graeff, Alvaro; Tomazelli, Amador; De Leão Serafini, Raphael Influência da densidade

Leia mais

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias CHICARELI, L.S 1 ; OLIVEIRA, M.C.N. de 2 ; POLIZEL, A 3 ; NEPOMUCENO, A.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU. Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização

CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU. Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização CARACTERÍSTICAS DA ESPÉCIE RUSTICIDADE CARNE DE ALTA QUALIDADE COM BAIXO ÍNDICE DE GORDURA ATINGE 10 A 16 KG/ANO RESPIRAÇÃO

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012 INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS Alexandre de Mello Kessler Depto. Zootecnia UFRGS Cães e gatos Dietas com alto nível de PB e EE Têm baixa capacidade fermentativa

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

Nova Zelândia variedade branca

Nova Zelândia variedade branca Nova Zelândia variedade branca White New Zealand rabbits Artur Canella Avelar [a], Walter Motta Ferreira [b] doi: 10.7213/academica.7693 ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons Resumo

Leia mais

Avaliação econômica da produção de tilápia (Oreochromis niloticus) em sistema raceway

Avaliação econômica da produção de tilápia (Oreochromis niloticus) em sistema raceway Avaliação econômica da produção de tilápia (Oreochromis niloticus) em sistema raceway Paulo César Silva 1 *, Sérgio do Nascimento Kronka 2, Lúcia Helena Sipaúba Tavares 3, Renato Pinto da Silva Júnior

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche.

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase

Leia mais

IV Miriam Cleide Brasil 1

IV Miriam Cleide Brasil 1 IV Miriam Cleide Brasil 1 ASPECTOS LIMNOLÓGICOS DO AMBIENTE AQUÁTICO DE VIVEIROS DE PISCICULTURA UTILIZANDO EFLUENTES DA DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA SALOBRA NO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO. Miriam Cleide C de Amorim

Leia mais

Fator de Conversão Alimentar 29,3% 29,3%

Fator de Conversão Alimentar 29,3% 29,3% NOÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DE TABELAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CAMARÕES MARINHOS Alberto J. P. Nunes, Ph.D. LABOMAR - Instituto de Ciências do Mar Universidade Federal do Ceará Avenida da Abolição, 3207 - Meireles

Leia mais

Biodisponibilidade de fósforo em fosfatos determinados em rações para suínos de alto potencial genético para deposição de carne, dos 15 aos 30 kg

Biodisponibilidade de fósforo em fosfatos determinados em rações para suínos de alto potencial genético para deposição de carne, dos 15 aos 30 kg Biodisponibilidade de fósforo em fosfatos determinados em rações para suínos de alto potencial genético para deposição de carne, dos 15 aos 30 kg Cinthia Maria Carlos Pereira (1), Francisco Carlos de Oliveira

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA CARVALHO, MYCHELLE 1 ; VALLONE, HAROLDO SILVA 2 ; DIAS, FÁBIO PEREIRA

Leia mais

O gráfico abaixo mostra a distribuição do custo das matérias-primas num alimento

O gráfico abaixo mostra a distribuição do custo das matérias-primas num alimento A lactose em alimentos de iniciação para leitões Samuel Eon (Product Manager de Suínos da INVIVO A International Premix & Specialties) Adaptação de Carla Aguiar (Directora Técnica da INVIVOA Portugal)

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

Campus de Toledo, Rua da Faculdade, 2550, Cep , C. P. l 520, Toledo-Pr,

Campus de Toledo, Rua da Faculdade, 2550, Cep , C. P. l 520, Toledo-Pr, Fertilização artificial de ovócitos e qualidade das larvas de Jundiá Cinza (Rhamdia quelen) (Quoy & Gaimardm, 1824) provenientes de reprodutores alimentados com diferentes níveis de energia digestível

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina Disciplina: Patologia e Parasitologia de Organismos Aquáticos Carga horária: 60 horas / Créditos: 03 Professor (a): Rodrigo Yudi Fujimoto Número mínimo de alunos: 3 Número máximo de alunos: 15 Condições

Leia mais

Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos

Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos Elizângela Roberta de Assis

Leia mais

CULTIVO DA TILÁPIA DO NILO EM TANQUES-REDE CIRCULARES E QUADRANGULARES EM DUAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM

CULTIVO DA TILÁPIA DO NILO EM TANQUES-REDE CIRCULARES E QUADRANGULARES EM DUAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM Original Article 805 CULTIVO DA TILÁPIA DO NILO EM TANQUES-REDE CIRCULARES E QUADRANGULARES EM DUAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM CULTURE OF NILE TILAPIA IN CIRCULARS AND SQUARES NET CAGES IN TWO STOCKING DENSITIES

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais