NA-4015.R-0 - NORMA PARA CONCESSÃO DO VALE-TRANSPORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NA-4015.R-0 - NORMA PARA CONCESSÃO DO VALE-TRANSPORTE"

Transcrição

1 NA-4015.R-0 - NORMA PARA CONCESSÃO DO VALE-TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer as condições para a concessão do vale-transporte em cumprimento da Lei nº 7418, de dezembro de 1985, alterada pela Lei nº 7619, de 30 de setembro de 1987, regulamentadas pelo Decreto nº , de 17 de novembro de CONDIÇÕES GERAIS 2.1 O vale-transporte constitui benefício que a FEEMA antecipará aos seus servidores e os de outros órgãos colocados à sua disposição, para utilização efetiva em despesas de deslocamentos residência-trabalho e vice versa, através do sistema de transporte coletivo público, urbano ou intermunicipal ou interestadual com características semelhantes aos urbanos, geridos diretamente ou mediante concessão ou permissão de linhas regulares e com tarifas fixadas pela autoridade competente, excluídos os seletivos e os especiais. 2.2 Entende-se como deslocamento a soma dos seguimentos componentes da viagem do beneficiário, por um ou mais modos de transporte, entre sua residência e o local de trabalho. 2.3 A aplicação do benefício dependerá sempre de previsão orçamentária na forma da legislação específica. 2.4 Caso a FEEMA forneça ao servidor transporte próprio ou fretado que não cubra integralmente os deslocamentos deste, o vale-transporte poderá ser aplicado para os seguimentos da viagem não abrangidos pelo referido transporte. 2.5 O vale-transporte não poderá ser substituído por antecipação em dinheiro ou qualquer outra forma de pagamento. 2.6 No caso de falta ou insuficiência de estoques de vales-transporte necessários ao atendimento da demanda ou funcionamento do sistema, o beneficiário será ressarcido pela FEEMA na folha de pagamento imediata, da parcela que a ele couber, quando efetuar, por conta própria, a despesa de seu deslocamento. 2.7 O vale-transporte, no que se refere a contribuição da FEEMA: a) não tem natureza salarial, nem se incorpora à remuneração do servidor para quaisquer efeitos; b) não constitui base de incidência de contribuição previdenciária ou do FGTS; c) não configura rendimento tributável ao beneficiário. 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

2 3.1 Para fazer jus ao vale-transporte o servidor fará por escrito uma declaração contendo: a) o seu endereço residencial; b) os serviços ou modos de transporte que considerar mais adequados ao seu deslocamento residência-trabalho e vice-versa; c) o preço unitário (por viagem) das tarifas cobradas por cada um dos modos de transporte utilizados (ônibus, barca, trem ou metrô); d) o compromisso de utilizar o vale-transporte exclusivamente para o efetivo deslocamento residência-trabalho-residência. e) a ciência, expressamente manifestada, de que o erro nas informações prestadas, ou o uso indevido do vale, constituirá falta grave, ensejando a punição na forma da legislação específica. Esta declaração deverá ser atualizada periodicamente, desde que ocorram mudanças nas informações anteriores, tais como preço das tarifas, do local da residência ou dos meios de transporte. 3.2 Não tem direito ao vale-transporte: a) o servidor que manifestar, por escrito, não desejar usufruir do benefício, em razão de utilizar meio próprio de transporte ou quando o custo de seu transporte for inferior a 6% (seis por cento) do seu salário base; b) o servidor que já tenha adquirido direitos superiores ao vale, já concedidos pela FEEMA, ressalvado o disposto em O vale-transporte será custeado: a) pelo beneficiário, na parcela equivalente a 6% (seis por cento) de seu salário base, excluídos quaisquer adicionais ou vantagens; b) pela FEEMA, no que exceder a parcela do beneficiário. 3.4 O desconto da parcela do beneficiário será feito proporcionalmente ao número de vales-transporte concedidos para o período a que se refere o pagamento do salário e por ocasião deste. 3.5 Nos casos em que a despesa com o deslocamento do beneficiário se situe aquém de 6% (seis por cento) de seu salário base, este poderá optar pelo recebimento antecipado dos vales-transporte, descontando a FEEMA do salário do servidor os valores despendidos com sua aquisição. 3.6 O benefício do vale-transporte cessará:

3 a) por desistência do beneficiário, desde a data da sua manifestação escrita; b) por suspensão ou extinção do contrato de trabalho. 4. PROCEDIMENTOS 4.1 Pela Resolução nº 215, de 15 de outubro de 1987, do Secretário de Estado de Transportes, a Federação das Empresas de Transportes - FETRANSPOR foi credenciada, com exclusividade, para emitir, comercializar e distribuir valestransporte para todos os meios de transporte coletivo de passageiros, em operação no Estado do Rio de Janeiro, sejam ônibus, barcas, trens ou metrô, para linhas municipais ou intermunicipais. 4.2 Para aquisição do vale-transporte, caberá ao Departamento de Administração e Finanças - DAF: a) obter junto ao FETRANSPOR o credenciamento da FEEMA, solicitado em formulário próprio (anexo I); b) colher de todos os servidores as informações necessárias fazendo-os preencher o formulário PEDIDO PARA CONCESSÃO DO VALE-TRANSPORTE, conforme o caso; c) Reunir as informações dos servidores, englobando os pedidos em que o meio de transporte e a tarifa sejam idênticos e preencher o formulário REQUISIÇÃO DE VALES (anexo III), tomando as seguintes cautelas: -para ônibus, barca ou trem, a cada viagem, em um único sentido, corresponderá um vale-transporte; -quanto ao metrô, o vale-transporte será um apenas para o mês todo e será trocado pelo beneficiário, após recebê-lo, em um dos guichês do metrô por um bilhete mensal. -processar a despesa; -designar um servidor para efetuar a compra nos Postos de Credenciamento e Aquisição da FETRANSPOR, com a Requisição de Vales devidamente preenchida, pagando, no ato da compra, com cheque cruzado e nominal à FETRANPOR, o valor total da requisição e recebendo, na mesma oportunidade, em duas vias, um Recibo de Compra de Vales. 4.3 A compra dos vales só poderá ser feita no período de 01 a 15 de cada mês, devendo ser indicado no ato, o Posto de Entrega escolhido, de posse da Credencial e da 3º via do Recibo de Compra de Vales, onde receberá, em envelope lacrado, os vales comprados, dando recibo na 1º via que estará anexa ao envelope. Virá também, um novo formulário de Requisição de Vales para o mês seguinte. 4.4 Entre os dias 22 a 25 seguintes à compra, o servidor designado para esse fim, deverá comparecer ao Posto de Entrega escolhido, de posse da Credencial e da

4 3º via do Recibo de Compra de Vales, onde receberá, em envelope lacrado, os vales comprados, dando recibo na 1º via que estará anexa ao envelope. Virá também, um novo formulário de Requisição de Vales para o mês seguinte. 4.5 No período entre o dia 25 e o último dia de cada mês, o DAF fará a entrega aos servidores dos vales adquiridos, a fim de que possam ser utilizados a partir do dia 1º do mês seguinte. 4.6 Dê um mês para outro o modelo do Vale-Transporte sofrerá modificações, de modo que ele somente poderá ser utilizado no mês para o qual se destina. 4.7 Na hipótese de ocorrer mudança no preço das tarifas de barcas, trens e metrô, entre a data da compra e a da entrega dos vales, haverá uma diferença a ser complementada, visto que eles serão emitidos com os preços vigentes no dia 16 de cada mês. Assim sendo, o pagamento da diferença deverá ser efetuado pela FEEMA na oportunidade do recebimento dos vales. 4.8 A eventual mudança no preço da tarifa dos ônibus nada modifica, já que o servidor poderá utilizar o vale com a tarifa anterior, complementando o pagamento com seu próprio dinheiro, que, se for o caso, lhe será reembolsado pela FEEMA na folha de pagamento imediato. 4.9 O ciclo de procedimentos indicados neste capítulo deverá repetir-se a cada mês, exceto quanto à credencial.

5

6

7

8

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

PORTARIA Nº 590 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1992. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições legais, resolve:

PORTARIA Nº 590 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1992. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições legais, resolve: Ministério Público Federal PORTARIA Nº 590 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1992 Alterada pela:portaria PGR N 869 DE 28 DE DEZEMBRO 1998 O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos ORIENTAÇÃO VALE-TRANSPORTE Normas Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos O benefício do Vale-Transporte foi instituído com a finalidade de amenizar os gastos

Leia mais

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 Autoria: Poder Legislativo Institui e regulamenta o uso do Vale-Transporte no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do Rio Verde,

Leia mais

lei do vale-transporte

lei do vale-transporte www.vb.com.br lei do vale-transporte Esta apresentação é uma iniciativa da VB para você ter acesso de forma simples e prática aos principais pontos da Lei do Vale-transporte. Aqui, você poderá tirar suas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Vale Transporte.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Vale Transporte. Concessão de Vale Transporte. 23/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

ÍNTEGRA DA LEI QUE INSTITUI O VALE-TRANSPORTE LEI Nº 7418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985

ÍNTEGRA DA LEI QUE INSTITUI O VALE-TRANSPORTE LEI Nº 7418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985 ÍNTEGRA DA LEI QUE INSTITUI O VALE-TRANSPORTE LEI Nº 7418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985 O Presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ARTIGO 1º - Fica

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1.354 DE 18 DE OUTUBRO DE 2007

RESOLUÇÃO SMA Nº 1.354 DE 18 DE OUTUBRO DE 2007 RESOLUÇÃO SMA Nº 1.354 DE 18 DE OUTUBRO DE 2007 Dispõe sobre as providências necessárias à concessão de vale-transporte no âmbito da Administração Direta do Município do Rio de Janeiro regulamentada pelo

Leia mais

VALE TRANSPORTE LEI Nº 7.418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985. Institui o Vale-Transporte e dá outras providências.

VALE TRANSPORTE LEI Nº 7.418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985. Institui o Vale-Transporte e dá outras providências. VALE TRANSPORTE LEI Nº 7.418, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1985. Institui o Vale-Transporte e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Instrução n.º 002/012 - DGFPSOB

Instrução n.º 002/012 - DGFPSOB Instrução n.º 002/012 - DGFPSOB Dispõe quanto aos procedimentos a serem adotados para a operacionalização da concessão e pagamento do benefício referente ao Vale-Transporte. A Diretora do Departamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos ORIENTAÇÃO VALE-TRANSPORTE Normas Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos O benefício do Vale-Transporte foi instituído com a finalidade de amenizar os gastos

Leia mais

AUXÍLIO-TRANSPORTE transporte coletivo municipal, intermunicipal ou interestadual 1. Em que momento o servidor pode solicitar o Auxílio-Transporte?

AUXÍLIO-TRANSPORTE transporte coletivo municipal, intermunicipal ou interestadual 1. Em que momento o servidor pode solicitar o Auxílio-Transporte? AUXÍLIO-TRANSPORTE O Auxílio-Transporte é um benefício concedido aos servidores em efetivo exercício. O pagamento deste auxílio é feito em pecúnia, possui natureza jurídica indenizatória e é destinado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE A LEI FEDERAL NÃO SE APLICA AOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI 7418/ 1985 Art. 1º Fica instituído o vale-transporte, (Vetado) que o empregador, pessoa física ou jurídica, antecipará

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 440, DE 30 DE MAIO DE 2005 Dispõe sobre o pagamento de honorários de advogados dativos, peritos, tradutores e intérpretes, em casos de assistência judiciária gratuita e disciplina os procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.761, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONSOLIDADA Nº 01/2013/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Auxílio-Transporte. Referência: Documento nº 05100.007253/2012-41 SUMÁRIO EXECUTIVO

NOTA TÉCNICA CONSOLIDADA Nº 01/2013/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Auxílio-Transporte. Referência: Documento nº 05100.007253/2012-41 SUMÁRIO EXECUTIVO Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

IN- 13-05 RECURSOS HUMANOS ÍNDICE 09/2011 AUXÍLIO-TRANSPORTE GENERALIDADES 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/5 BENEFICIÁRIOS 3 1/1 PAGAMENTO 4 1/3

IN- 13-05 RECURSOS HUMANOS ÍNDICE 09/2011 AUXÍLIO-TRANSPORTE GENERALIDADES 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/5 BENEFICIÁRIOS 3 1/1 PAGAMENTO 4 1/3 0 ÍNDICE 09/0 ASSUNTO GENERALIDADES / NORMAS GERAIS /5 BENEFICIÁRIOS 3 / PAGAMENTO 4 /3 DISPOSIÇÕES FINAIS 5 / ANEXOS 6 /3 GENERALIDADES 09/0 I REFERÊNCIAS 0 Medida Provisória.65-36, de 3 de agosto de

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - VALE TRANSPORTE ROTEIRO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 NOTA: Para todos os efeitos os textos deste artigo são fundamentos na

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 100 II PLANO PU 36/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012 Institui o Programa de Cultura do Trabalhador; cria o vale-cultura; altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 7.713, de 22 de dezembro de 1988,

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02 CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1 CONDIÇÕES GERAIS DO PU114P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PLANO PU114P MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005166/2011-99II

Leia mais

RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013.

RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013. RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Bilhetagem Eletrônica em linhas metropolitanas de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. A Diretoria

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês.

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês. Vale-Transporte Conceito O vale-transporte é um benefício que o Estado antecipa aos servidores para efetiva utilização em despesas de deslocamento residência-trabalho e vice-versa. Caracterização/Particularidades

Leia mais

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço.

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ INSTRUÇÃO Nº 12, DE 21 DE JANEIRO 2008 Cria o Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Departamento de Trânsito do Distrito Federal

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000484/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR040108/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001341/2013-51 DATA DO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 13.122.801/0001-71 APLICAP 026 MODALIDADE: PU POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900500/2014-62

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000679/2015 VALEC ENGENHARIA CONSTRUCOES E FERROVIAS S/A, CNPJ n. 42.150.664/0001-87, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a).

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

www.vt.fetranspor.com.br (21) 2127-4000 Economia para Empresa smo

www.vt.fetranspor.com.br (21) 2127-4000 Economia para Empresa smo Economia para Empresa Redução de Absenteísmo smo 212 empresas filiadas Sobre a Fetranspor A Fetranspor Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro congrega dez sindicatos

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 195 de 11 de dezembro de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Dispõe sobre a concessão de

Leia mais

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias.

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias. B. Passe Livre Lei Complementar do Estado de São Paulo nº 666, de 26/11/1991, regulamentada pelo Decreto Estadual n 34.753, de 01/04/92, e Resolução STM nº 101, de 28 de maio de 1992, que disciplina as

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico em 24/9/2010. RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PU 12/12 T MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Ref.: Processo nº 08008.000216/2014-11 Interessado: DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Objeto: Contratação de empresa especializada na prestação de serviços copeiragem. Brasília, 27 de junho de 2014. RESPOSTA

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA.

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/rfs/mjr/ef AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA. Demonstrado no agravo

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU 15 MESES) - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Região Metropolitana de Campinas

Região Metropolitana de Campinas MA-GRC-001 Versão: 01 Vigência: 2015 Página: 1 / 11 Região Metropolitana de Campinas 1 MA-GRC-001 Versão: 01 Vigência: 2015 Página: 2 / 11 ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Direito de obtenção e utilização...

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado.

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado. RESOLUÇÃO N o 014, de 23 de dezembro de 2009. Regulamenta o Programa de Incentivo à Formação dos Servidores (PROSER) da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada.

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada. CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 178) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES versão 178) - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante ORIENTAÇÕES E PASSO A PASSO Para solicitar o financiamento, o estudante deverá se inscrever pelo sistema informatizado do FIES no endereço eletrônico: http://sisfiesportal.mec.gov.br

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS SINDICATO AUX ADM ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 31.249.428/0001-04, neste ato representado (a) por seu Presidente, Sr(a). ELLES CARNEIRO PEREIRA; E ASSOCIACAO NOBREGA DE EDUCACAO E ASSISTENCIA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076. CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 226 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

SICAP NEWS. Ano 5 - nº 57- Informativo Mensal - Maio - 2013 VALE-TRANSPORTE

SICAP NEWS. Ano 5 - nº 57- Informativo Mensal - Maio - 2013 VALE-TRANSPORTE SICAP NEWS Ano 5 - nº 57- Informativo Mensal - Maio - 2013 VALE-TRANSPORTE Lei 7.418/1985 e Decreto 95.247/1987 O Vale-Transporte constitui benefício que o empregador antecipa ao trabalhador para utilização

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR1_S100_1S_CS0834 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO Segunda Passagem Integrada Grátis 1) Quando será lançada a segunda passagem gratuita? Será lançada no dia 1 de julho. 2) Como funcionará a segunda passagem gratuita? O passageiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

Regulamento Oferta Banda Larga Popular Mais

Regulamento Oferta Banda Larga Popular Mais TELEMAR NORTE LESTE S/A, com sede na cidade e estado do Rio de Janeiro, na Rua do Lavradio, n 71 Centro, inscrita no CNPJ sob o n 33.000.118/0001-79, TELEMAR INTERNET LTDA, com sede na cidade e estado

Leia mais

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro;

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro; Assessoria Jurídica da Asscontas informa sobre as indenizações do pecúlio, seguro coletivo e seguro do cônjuge do Programa Estadual de Assistência ao Pecúlio dos Servidores do Estado de Minas Gerais: Muitos

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. A seguir, você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009)

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 13.757, DE 15 DE JULHO DE 2011. (publicada no DOE nº 137, de 18 de julho de 2011) Dispõe sobre

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.865 VALE-TRANSPORTE É DEVIDO QUANDO A RESIDÊNCIA DO EMPREGADO FOR SERVIDA POR TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO OU INTERMUNICIPAL COM CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE URBANO E, EM SE TRATANDO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano A. Empresa: S/A PLANO ALTERNATIVO LOCAL (Região II exceto os Setores 20, 22 e 25 do PGO) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço Nº 146 C. Identificação para a Anatel: Plano Alternativo de Serviço

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 521/2013

RESOLUÇÃO CFN N 521/2013 Página 1 de 5 RESOLUÇÃO CFN N 521/2013 Dispõe sobre a concessão de diárias, ajudas de custo e outros subsídios no âmbito dos Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas e dá outras providências. O

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. O Presidente do Colegiado de Desenvolvimento de Pessoas em exercício do Instituto Federal de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe

Leia mais