REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCELO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 3 Protocolos de Comunicação de Dados Prof. Jorge H. B. Casagrande ABRIL 2005

2 SUMÁRIO 3. PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO Conceito Organização de Protocolos de Comunicação em Camadas A Camada de Enlace O problema do acesso ao meio físico Detecção e Correção de Erros na Camada de Enlace Controle de Fluxo na camada de enlace Classificação de Protocolos Quanto ao funcionamento Quanto a formação do quadro Classificação de Protocolos...6 Header ou Cabeçalho... 7 Texto EXEMPLOS DE PROTOCOLOS ORIENTADOS À CARACTER Protocolos Orientados à Bit EXEMPLOS DE PROTOCOLOS ORIENTADOS À BIT...12 I - PROTOCOLO SDLC...12 II - PROTOCOLO HDLC...13

3

4 3. PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3.1Conceito Um protocolo de comunicação é um conjunto de regras e convenções que possibilitam a troca de informações sem erros entre duas ou mais unidades de computação. Os protocolos normalmente se utilizam de uma unidade de informação (quadro, pacote, envelope etc.) 3.2Organização de Protocolos de Comunicação em Camadas Um sistema de comunicação de dados na maioria do casos se mostra como um sistema bastante complexo. Uma das formas de reduzir esta complexidade é estratificar o sistema em camadas de protocolos, onde cada camada em um nível inferior presta um serviço a camada superior. A função de cada camada é resolver um determinado problema específico. Podemos comparar este tipo de divisão à visão da programação modular onde um grande problema a ser resolvido é dividido em vários "sub-problemas" e cada um dos módulos é implementado de modo a resolvê-los. Uma analogia interessante ao sistema de comunicação é imaginar a conversa entre um engenheiro brasileiro e um engenheiro chinês via telefone. A viabilização desta conversa somente seria possível se houvesse camadas adjacentes segundo a Fig Tudo se passa como se os engenheiros conversassem diretamente, mas no entanto existem camadas inferiores prestando serviços às camadas superiores de modo a tornar possível a conversa. A ISO, International Standards Organization, determinou um modelo de referência para sistemas de comunicação abertos onde está previsto a existência de 7 camadas no sistema de comunicação (Fig.3.2). A maior parte delas quando implementadas se apresentarão na forma de programas de computador. Na área de Telecomunicações nos interessará estudar principalmente as três camadas inferiores: a camada de rede, a camada de enlace e a camada física, incluindo nesta última o estudo de alguns DCE's e em particular o MODEM. O protocolo utilizado na camada física diz respeito principalmente a troca de informações entre DTE-MODEM. A camada de enlace é responsável pela integridade física da informação que transita pelo meio físico. Em outras palavras, caberá ao protocolo da camada de enlace garantir a detecção e o recobrimento de erros que aparecem no meio físico. 2

5 Fig Uma Visão em Camadas de uma Comunicação Fig Arquitetura de 7 camadas da OSI/ISO 3

6 3.3A Camada de Enlace Antes de destinarmos uma atenção maior para a camada física, já que é esta que teremos que conhecer com mais detalhes nos próximos capítulos, é importante conhecer sobre os protocolos de comunicação lógicos que acontecem nas camadas superiores para entender melhor esta dinâmica que ocorre na troca de dados entre 2 pontos comunicantes. A camada de enlace do modelo OSI/ISO abrange a transferência de dados entre dispositivos que estão conectados a um mesmo meio físico de transmissão e aí ocorre o primeiro e mais importante controle da comunicação. O exemplo mais simples neste caso é uma comunicação ponto-a-ponto. Um protocolo de enlace assim como outros protocolos, transmite os dados na forma de quadros (pacotes de dados organizados ou frames ) ou blocos, fornecendo funções tais como: delimitação de quadros manutenção da integridade do quadro transparência de dados detecção de erros multiplexação a nível de camada de enlace retransmissão de quadros para cobertura de erro controle de fluxo funções de gerenciamento do enlace acesso ao meio físico O enlace em geral é estruturado em 4 fases: Fase de Estabelecimento do Enlace (conexão) Fase de Transferência de Dados Fase de Encerramento do Enlace (desconexão) Fase de Reinicialização 3.3.1O problema do acesso ao meio físico O acesso ao meio físico é uma função que pode se tornar mais complexa em um sistema multiponto. Protocolos tais como o SDLC suporta esta configuração através do funcionamento na forma de polling. O algoritmo de polling determina quem, dentre várias estações, deve acessar o meio de transmissão. Com o advento das redes locais (LANs), onde vários dispositivos compartilham um mesmo meio, a questão do acesso ficou mais evidentes. A camada de enlace, nos padrões para LANs foi subdividida em duas sub-camadas que serão vistas com mais detalhes posteriormente : a MAC: específica para o acesso ao meio, considerando diferentes tecnologias; 4

7 a LLC: que provê os tradicionais serviços de enlace Detecção e Correção de Erros na Camada de Enlace Um erro na recepção de uma unidade de informação (bloco, quadro etc) pode ser a alteração não desejada de um bit ou um conjunto de bits desta unidade. Neste caso existem técnicas especiais para o tratamento deste tipo de erro e que serão estudadas posteriormente. Outras possíveis ocorrências de erros são: a perda total de uma unidade de informação (bloco, quadro, etc); o recebimento de unidades de informação fora de ordem ou duplicadas. Normalmente nestes casos se utilizam mecanismos de confirmação de recebimento de quadro (unidade de informação) e retransmissão de quadros. Estes mecanismos são baseados no uso de temporizações para limitação do tempo de espera por um quadro e no uso de quadros especiais para confirmação positiva ou negativa. Quando o protocolo não é do tipo para-e-espera tem-se também que utilizar variáveis indicadoras do número do quadro esperado Controle de Fluxo na camada de enlace A necessidade do controle de fluxo em uma comunicação surge devido aos seguintes fatores: diferente velocidades de processamento do emissor e receptor; limitações de tamanho de memória dos sistemas comunicantes; prioridades para o tratamento de mensagens recebidas. Estas situações podem ser tratados no protocolo em duas maneiras: simples perda de quadro e solicitação de retransmissão do(s) mesmo (s); indicação de impossibilidade de recepção através do software ou hardware por parte do receptor ao emissor. Este último bloqueia a transmissão até que uma nova indicação do receptor seja realizada. 3.4.Classificação de Protocolos 3.4.1Quanto ao funcionamento Protocolos Mestre\Escravo: Nestes protocolos uma estação, chamada de primária tem a função de gerenciar todas as outras estações (secundárias). Pode ser utilizada tanto para configurações ponto a ponto como para multi-ponto. 5

8 Protocolos Democráticos ou de Igual-para-Igual (peer-to-peer): Não existe estações primárias ou secundárias permanentes. Todas estações podem ter iniciativa de iniciar uma comunicação Quanto a formação do quadro - Protocolo START-STOP - Comunicação caracter à caracter como visto na comunicação assíncrona, onde o pacote é um único byte. - Protocolo orientado à Byte ou Caracter - Estes protocolos utilizam caracteres de controle pertencentes a códigos (tais como ASCII, EBCDIC ou outros), para realizar as tarefas de controle da comunicação de dados. Estes protocolos podem ser implementados em aplicações ponto-a-ponto, multi-ponto, no modo síncrono ou assíncrono utilizando por sua característica comunicação half-duplex. Nos protocolos orientados a caracter, durante a recepção de um bloco, cada caracter recebido deve ser analisado para que seja verificado se este caracter é de controle ou um caracter normal de informação; - Protocolos orientado á bit - O controle da comunicação é obtido através da interpretação de uma combinação de bits que compõe um campo de controle, localizado em uma posição definida dentro do FRAME. Estes protocolos foram desenvolvidos para contornar as deficiências e limitações próprias dos protocolos orientados à caracter. 3.5Classificação de Protocolos Estes protocolos são formados por BLOCOS que podem conter os seguintes tipos de informação: Controle; Dados; Pergunta; Resposta. Em um mesmo bloco poderá haver mais de um tipo de informação. Definiremos BLOCO como um conjunto de bytes enviados através de uma linha de comunicação, de uma só vez. Conforme definimos, caracteres especiais de um código são incorporados ao bloco, controlando a comunicação. Um formato básico de um bloco completo pode, em geral, ser representado como a estrutura mostrada abaixo: BLOCO PAD SYN SYN SOH Header STX INFORMAÇÃO ETX/ ETB BCC PAD Durante a transmissão, em qualquer bloco transmitido, sempre antecedem a este, dois ou mais caracteres de sincronismo SYN que são necessários para possibilitar o sincronismo de caracter. Ainda, antes do início da transmissão do bloco com os 6

9 caracteres SYN, são inseridos um caracter PAD no início e ao final do bloco, cujo o primeiro é um caracter com 0 e 1 alternados (55 H ) chamado de Leading Pad, cuja função é de retirar a linha de repouso e auxiliar no sincronismo da transmissão. O último caracter PAD, chamado de Trailing Pad que é uma seqüência de 1 (FF H ), tem a função de recolocar a linha em repouso. Header ou Cabeçalho O caracter SOH indica o início de um cabeçalho e um STX termina um cabeçalho. O cabeçalho pode indicar um endereço de terminal se for uma configuração multi-ponto, uma indicação de roteamento, prioridade da mensagem, etc. O tamanho do cabeçalho pode ser variável. Um caracter ENQ pode terminar prematuramente um cabeçalho significando com isto que o bloco deve ser desprezado pelo receptor. Texto O texto (ou mensagem) é iniciado com STX e terminado com ETX. O texto contém a informação do usuário e este pode ser segmentado em vários blocos onde cada bloco é iniciado por STX e terminado com ETB, com a exceção do último bloco onde a indicação de final de texto ETX será utilizada. Em algumas situações, a informação do usuário pode conter uma representação igual ao de um caracter de controle, é utilizado nestes casos o caracter de "escape" DLE antes desta informação, garantindo a sua interpretação. O BCC (Block Caracter Check) é um ou mais caracteres adicionados ao bloco para controle de erro (será visto no próximo capítulo). Um bloco de texto também pode ser terminado prematuramente através de um caracter ENQ EXEMPLOS DE PROTOCOLOS ORIENTADOS À CARACTER Dentre vários existentes, o BSC (Binary Syncronous Comunications), também conhecido como bysinc, é bastante conhecido. Este é um protocolo padrão IBM que opera em sistemas de transmissão síncronos, semi-duplex. Este protocolo admite os códigos ASCII, EBCDIC e Transcode (6 bits). O protocolo opera de forma mestreescravo. O BSC é muito utilizado para o controle de terminais a partir de um mainframe. Foi largamente utilizado por computadores como COBRA, LABO, SID, SISCO e EDISA. O BSC possui basicamente 2 versões: ponto-à-ponto(bsc1) e multi-ponto(bsc 2 e 3). Exemplo de funcionamento do BSC Ponto-a-Ponto (BSC 1) 7

10 A estação que deseja iniciar uma comunicação envia um ENQ. A resposta tanto pode ser um ACK0 (ACKnowledge - respostas positivas aos blocos) ou um NACK No ACKnowledge respostas negativas aos blocos em função de erros ou caso a estação receptora não esteja pronta para a comunicação. Coincidências na fase de transmissão de ENQ são resolvidas pela prioridade da estação mestre (primária) que enviará ENQ's até adquirir a linha. Neste exemplo, o início da seqüência de transmissão dos bytes do bloco segue a direção das setas ao lado de cada pacote. Fig Exemplo BSC 1 Também, para simplificação, não estão representados os caracteres de controle de início e final de cada bloco (PAD e SYN). Ao final da transmissão será enviado um EOT e a estação que terminar somente voltará a fazer uma nova requisição após um certo tempo, dando oportunidade a outra estação de também tomar a iniciativa da comunicação. Exemplo de funcionamento BSC Multi-Ponto (BSC 3) 8

11 Neste caso existe uma estação mestre que seleciona as estações secundárias através dos comandos POLL (pedindo a informação) ou SELECT (para o envio de informação). As estações secundárias não podem ter iniciativa de comunicação. Observe que o que diferencia as duas fases no exemplo abaixo é a identificação dos caracteres maiúsculos e minúsculos no campo de endereço. Em funcionamento multi-ponto a linha pode funcionar em dois modos: controle: aplicada a fase de seleção e polling. Neste modo a comunicação envolve o mestre e várias estações escravas. Um caracter EOT leva a linha a o modo de controle; texto: corresponde a fase de troca de informações entre somente duas estações, o mestre e uma estação escrava. Novamente neste exemplo, o início da seqüência de transmissão dos bytes do bloco segue a direção das setas ao lado de cada pacote. Também, para simplificação, não estão representados os caracteres de controle de início e final de cada bloco (PAD e SYN). Um comando de POLL/SELECT coloca a estação endereçada em estado de escravo enquanto as demais ficarão em um estado passivo. Esta situação se manterá até que um EOT seja enviado. 9

12 ESTAÇÃO A (MESTRE) ESTAÇÃO B ESTAÇÃO C Modo de Controle EOT F A S E P O O L Estação B quer Transmitir?? Estação C quer Transmitir?? Recebi corretamente! SOH END. B ENQ EOT END. C ENQ DESTINO STX INFO ETX BCC ACK Não!! EOT Sim!! Eis a informação... Fim de transmissão. F A S E S E L E C T Estação B quer Receber?? Envio da Informação. BCC Estação C Quer Receber?? end b ENQ ACK ETX ACK end c ENQ Envio da Informação armazenada de outra estação. Sim!! INFO STX BCC Recebi corretamente! ETX ACK INFO STX ACK origem SOH Sim!! Recebi corretamente! Fim de recepção. Retorno ao Modo de Controle EOT Fig Exemplo BSC Multiponto BSC 3 3.6Protocolos Orientados à Bit Em função do visível overhead característicos dos protocolos orientados à caracter, foram desenvolvidos outros protocolos mais eficientes, principalmente para aquelas aplicações quando se deseja conectar main-frames e em altas velocidades. Em sua concepção mais simples, um conjunto de oito bits (campo de controle) situado no QUADRO ou FRAME (equivalente à BLOCO nos protocolos orientados à caracter), realiza o controle total da comunicação. 10

13 Um Frame ou quadro de um protocolo orientado à bit, possui uma seqüência de bit s especial chamada de FLAG ( ) que delimita o início e o final dos quadros ou entre eles. Uma estrutura básica deste protocolo é mostrada a seguir: FLAG (8 bit s) Endereço (8 bit s) Controle (8 bit s) Informação (variável) CRC (16 bit s) FLAG (8 bit s) Na formação de quadros de protocolos orientados à bit, uma técnica chamada de bitstuffing é usada para introduzir zeros à cada seqüência maior ou igual que 5 uns. Isto é feito para que a seqüência de flag nunca possa acidentalmente aparecer dentro das informações do quadro. Na recepção dos bit s, os zeros logo após a seqüência de 5 bit s 1 são ignorados e os dados delimitados pelos flag s são recuperados originalmente. Esta estrutura, também prevê a integridade de transmissão no enlace ( link ). Todos os quadros terminam com os bytes de CRC (Cyclic Redundance Check) que são usados para detectar erros nos dados (finalidade igual ao BCC no caso do protocolo orientado à caracter). O Campo mais importante do quadro de um protocolo orientado à bit é o de Controle. Este campo identifica o tipo de frame e sua função dentre os três abaixo: Informação: transportam os dados através do enlace e podem encapsular as camadas superiores da arquitetura OSI. Supervisão: perfazem o controle de fluxo e as funções de recobrimento de erro. Gerência ou não numerados: fornecem a inicialização e terminação das facilidades do protocolo. Composição básica do campo de controle: bit tipo informação - I 0 N (S) P/F N (R) Supervisão - S 1 0 S P/F N (R) Gerência - U 1 1 M P/F M N(S) - Número seqüencial de informação colocado pelo transmissor identificando o número do frame que está sendo transmitido. N(R) - Número seqüencial de recepção colocado pelo transmissor confirmando o número de frames bem ou mal recebidos até N(R) -1. P/F - 1 neste bit, se na estação principal, indica um polling, se na estação secundária indica que o frame é o último na transmissão, finalizando o pooling. S - Identifica as funções do controle de fluxo e a confirmação ou rejeição de frames. 11

14 M - Especifica até 32 comandos ou respostas para as funções de controle como reset, solicitação de desconexão, frame de comando ou resposta rejeitado, teste, etc... Neste curso, não detalharemos este campo de controle, pois cada tipo de protocolo tem as suas particularidades e isto merece um estudo mais específico. O conceito de janelas deslizantes é utilizado neste tipo protocolo para enviar múltiplos quadros antes de receber confirmação que o primeiro quadro tenha sido recebido corretamente. Isto significa que os dados podem continuar a fluir em situações onde poderia ocorrer grandes atrasos ( delays ) por espera de confirmação. Esta situação ocorre por exemplo em comunicações por satélite. Quadros recebidos corretamente são reconhecidos pelo receptor enquanto os errados são ignorados. Uma janela de até 8 quadros pode ser enviada de qualquer um dos lados sem que o reconhecimento seja requerido imediatamente após sua transmissão. O reconhecimento de quadros recebidos é codificado no campo de controle dos quadros de dados de forma que se o fluxo ocorre em ambas as direções, nenhum quadro adicional é necessário para reconhecimento (reconhecimento por carona). Este protocolo fornece não somente comunicação livre de erros através da detecção e recobrimento de erros, mas também fornece um controle automático de fluxo. Um dos problemas deste protocolo é que o recobrimento de erros trabalha de tal forma que uma rajada de erros na linha pode causar a retransmissão de muitos quadros. Desta forma uma linha com ruído se manifesta através de uma baixa eficiência de transmissão ( throughput ) com longos tempos de resposta EXEMPLOS DE PROTOCOLOS ORIENTADOS À BIT I - PROTOCOLO SDLC Este protocolo foi desenvolvido pela IBM para substituir o BSC em conexões em grandes áreas entre equipamentos IBM utilizando modos de operação ponto-à-ponto ou multiponto, half ou full-duplex. O SDLC é um protocolo mestre-escravo, ao contrário de outros como o HDLC, Frame-Relay e o X.25 que são democráticos (peer-to-peer). Uma rede com protocolo SDLC é composta basicamente por uma estação primária, que controla toda a comunicação e uma ou mais estações secundárias (um sistema multiponto). A estação primária é geralmente um mainframe ou computador central e as estações secundárias são terminais ou controladores que atuam como concentradores para um certo número de terminais. Um mainframe em São Paulo, por exemplo, pode controlar estações localizadas em escritórios em Florianópolis, São José e Blumenau. O campo de endereço nos quadros do SDLC permite distinguir as diferentes conversações entre a estação primária e as diversas estações secundárias. Cada estação 12

15 secundária enxerga todas as transmissões da estação primária mas apenas uma responde aos quadros dirigidos a ela com o seu endereço. O protocolo SDLC é baseado em linhas privativas dedicadas com conexões físicas permanentes. O SDLC é capaz de operação full-duplex, mas quase todas as aplicações práticas são semi-duplex. Isto significa que seja estação primária ou secundária, apenas uma poderá transmitir por vez. O segredo do gerenciamento de uma linha multiponto é que somente uma estação secundária pode transmitir por vez. Se tentarem enviar simultaneamente, ocorre uma interferência mútua e os dados são perdidos. Portanto, a estação secundária somente responde com um quadro quando perguntada pela estação primária. Além disto o número de quadros que ela pode transmitir, até repassar novamente o controle para a estação primária é limitado. As estações secundárias que possuem modems em comunicações mais distantes, são capazes de chavear a onda portadora utilizando os sinais de handshaking na camada física. Neste caso a portadora dos modems são controladas pelo sinal RTS. Isso será visto com mais detalhes nos próximos capítulos. O SDLC é bastante eficiente para um protocolo semi-duplex. Ele faz parte do Sistema de Arquitetura de Rede (SNA) da IBM e tem sido estratégico para redes WANs (redes de longa distância) desde de Devido ao fato de que ele é semi-duplex, ele pode freqüentemente rodar com mais altas velocidades de linha sobre uma plataforma de hardware do que um protocolo full-duplex tal como o HDLC LAPB. II - PROTOCOLO HDLC O HDLC é um protocolo full-duplex, síncrono, sendo responsável pela movimentação de dados livre de erros entre nós de uma rede. Sua estrutura básica de formação de quadro é similar ao SDLC. O papel principal da camada HDLC assim como nos outros protocolos, é assegurar a passagem de dados para a camada superior exatamente da forma como foi transmitido, isto é, sem erros, sem perda de dados e na ordem correta. Outra importante função é o fluxo de controle que assegura que os dados possam ser transmitidos apenas tão rápido quanto o receptor pode receber. Existem duas implementações do HDLC: o NRM (modo de resposta normal) e o LAPB (procedimento de acesso balanceado), este último normalmente referenciado simplesmente por HDLC. O LAPB é um protocolo síncrono orientado a bit que fornece transparência de dados em uma operação ponto-a-ponto. Ele suporta um enlace (link) democrático onde nenhum dos pontos finais do enlace atuam permanentemente como estações mestres. O HDLC NRM é o próprio SDLC, que possui uma estação primária permanente com uma ou mais estações secundárias. 13

16 O LAPB é um protocolo muito eficiente. Um overhead mínimo é requerido para assegurar o controle de fluxo, detecção e cobertura de erro. Se os dados estão fluindo em ambas as direções (full duplex), os próprios quadros de dados carregam toda a informação requerida para assegurar a integridade de dados. O conceito de janelas deslizantes também é utilizado neste protocolo. Deve-se observar que protocolos para enlace tais como o HDLC/LAPB foram construídos para circuitos com taxas de erros elevadas (muitas vezes analógicos). Nestas condições um protocolo confiável e robusto era necessário. Atualmente, a tecnologia de transmissão digital usando em particular a fibra ótica, possui uma baixa taxa de erros. Baseado nesta situação a tecnologia Frame-Relay por exemplo, simplifica o protocolo de acesso a rede, eliminado alguns serviços tradicionais da camada de enlace, tais como cobertura de erro, controle de fluxo e gerenciamento de link. Existe portanto, vários tipos de protocolos específicos para cada aplicação padronizados ou não, cada um com suas particularidades, visando sempre a otimização de uma comunicação. Considerações Finais. De maneira geral a síntese apresentada neste capítulo, enfoca o básico e a justificativa do uso de protocolos em todas as camadas do modelo OSI e em especial a de Enlace. A estrutura de formação dos frames nas camadas superiores seguem uma certa similaridade, porém aplicadas as funções de cada uma delas. Conhecendo esta dinâmica dos protocolos, temos agora subsídios para explorar algumas justificativas da concepção dos protocolos da camada física que é a porta de entrada e saída dos dados de interesse para o mundo externo. Esta camada oferece a interface, inclusive visual, com o instalador de equipamentos de redes de computadores. O estabelecimento adequado da comunicação física a partir desse ponto, precede o sucesso na implantação de qualquer rede. Em anexo neste capítulo, está apresentada a idéia geral de como são utilizados as técnicas de detecção de erros, principalmente a de CRC, amplamente utilizada nos protocolos aqui citados. EXERCÍCIOS 1. Conceitue protocolo. 2. Enumere razões pelas quais se divide a arquitetura de protocolos na forma de camada. 3. Explique as principais razões da existência das camadas física e enlace. 4. Como são classificados os protocolos? 14

17 5. O que significa quadro ou pacote no que se refere a protocolos? 6. Quais os mecanismos existentes nos protocolos para realizar controle e detecção de erro na transmissão? 7. Explique como funciona basicamente o protocolo BSC em modo ponto-a-ponto. 8. Explique como funciona basicamente o protocolo BSC em modo multi-ponto. 9. Qual é o principal uso de protocolos do tipo SDLC e HDLC? 10.O que significa janelas deslizantes usadas nos protocolos orientados à bit? 11.O que significa reconhecimento por carona? 12.Utilizando a técnica de bit stufing, delimite o frame de um protocolo orientado à bit supondo que sua seqüência de bits completa é: Qual o frame enviado por um computador utilizando protocolo orientado à bit se a seqüência de bits recebidas no destino foi: Suponha que a seqüência de caracteres recebidas por um computador com protocolo orientado à bit, seja, em hexadecimal (considere os bits stuffing já retirados): E 0D 23 3A 46 FF B DC 51 6B FA D5 09 8B 7E 00 7E 0E... responda: a) quais são os caracteres de controle? b) quais são os caracteres de endereço? c) quais são os caracteres de informação? d) quais são os caracteres que representam o check do quadro? e) que tipo de frame esta seqüência representa? 15

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 2 Conceitos em Comunicação de Dados

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Funções dos protocolos. Tipos de Protocolos. Tipos de Protocolos

Funções dos protocolos. Tipos de Protocolos. Tipos de Protocolos Funções dos protocolos Apostila 02 Endereçamento Estabelecimento e término de conexões Confirmação de recebimento Funções básicas: Controle de erro Controle de enquadramento Controle de fluxo OBS: NEM

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação A comunicação é um processo de transferência e processamento de informações entre dois pontos por meio

Leia mais

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3º ANO / 2º SEMESTRE 2014 INFORMÁTICA avumo@up.ac.mz Ambrósio Patricio Vumo Computer Networks & Distribution System Group Serviços de Transporte na Internet Arquitectura TCP/IP

Leia mais

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Camada de Enlace Redes Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Delimitação e transmissão de quadros Detecção de erros Controle

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 1 Conceitos básicos de comunicação Sumário Técnicas de transmissão

Leia mais

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Redes Industriais Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Criado na década de 1970 pela Modicon. É um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de CLPs para aquisição de sinais de instrumentos e comandar

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Enlace A comunicação entre dois equipamentos geograficamente separados

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Transporte 2 Camada de Transporte Função: Fornecer comunicação lógica entre processos de aplicação em diferentes hospedeiros. Os protocolos de transporte são

Leia mais

ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I

ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I O QUE É A ARQUITETURA FDDI? FDDI é um padrão designado pela ANSI (National Standards Institute) comité X3T9.5 com a participação de várias empresas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada 4 Camada de Transporte Objetivo Conhecer o funcionamento da camada de transporte; Apresentar os protocolos UDP e TCP; Aprender

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Gerência de Dispositivos Dispositivos de E/S Device Drivers Controladores Subsistema de E/S 2 Gerência de Dispositivos A gerência de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 3. Camada de Enlace de Dados DIN/CTC/UEM 2008 Funções Principais Lidar com erros de transmissão Regular o fluxo de dados : Funções Principais Divide informação em quadros: Verifica se quadros chegaram

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Introdução Acesso ao Subsistema de E/S Subsistema de E/S Device Drivers Controladores Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho,

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz inara.ortiz@ifms.edu.br Aula 1 Plano de Ensino Plano de Ensino Plano de Ensino Média Final: MF = M1 + M2 2 M1 = NA + N1 M2 = NA + N2 Onde: MF = Média

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI

Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI PCS 2476 Introdução - 1 O PROBLEMA DA PADRONIZAÇÃO Meados da década de 70: Sucesso das primeiras redes: ARPANET CYCLADES. Surgimento de várias redes comerciais de comutação

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP. Renê Furtado Felix.

Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP. Renê Furtado Felix. Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP rffelix70@yahoo.com.br Comunicação Serial Como funciona a comunicação serial? Você sabe que a maioria dos PCs têm portas seriais e paralelas. Você também sabe que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 09 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

Funções da Camada de

Funções da Camada de Camada de Transporte Funções da Camada de Transporte Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores,

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

Comunicação de Dados e Teleprocessamento. Estrutura de um Rede de Comunicações. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação

Comunicação de Dados e Teleprocessamento. Estrutura de um Rede de Comunicações. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Comunicação de Dados e Teleprocessamento Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES. Lista de Exercícios AV1-01. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES. Lista de Exercícios AV1-01. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 01 Cite o que motivou a criação das redes de computadores? Questão 01 Resposta Cite o que motivou a criação das redes de computadores? - Diminuição

Leia mais

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet 1 Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego na Internet origina-se e termina com conexões Ethernet. A idéia original para Ethernet surgiu de problemas de

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes Tecnologias de rede Ethernet e IEEE 802.3 Token ring ATM FDDI Frame relay Ethernet A Ethernet é uma tecnologia de broadcast de meios compartilhados. Entretanto, nem todos os dispositivos da rede processam

Leia mais

Transmissão de Informação

Transmissão de Informação Transmissão de Informação 1.Multiplexação e Modulação Sempre que a banda passante de um meio físico for maior ou igual à banda passante necessária para um sinal, podemos utilizar este meio para a transmissão

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN.

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN. Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1 Tecnologias WAN (Dezembro 2009) Autor: José Afonso Esteves Janeiro Resumo- Este relatório

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia. Tecnologias WAN

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia. Tecnologias WAN Instituto Politécnico de Beja Escola Superior De Tecnologia e Gestão Departamento de engenharia Tecnologias WAN [Escrever o subtítulo do documento] Aluno: 2009 Capitulo 3 Hight-Level Data Link Control

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 07 de novembro de 2011 Sumário 1 2 3 4 Durante as últimas

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 06 Elementos de Interconexões

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo Prof. Cristiano da Silveira Colombo Objetivos da Aula Apresentar os conceitos de tecnologias e padrões de redes de computadores. Agenda da Aula Padronização

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com REDES PONTO-A-PONTO E CLIENTE-SERVIDOR REDES DE COMPUTADORES Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência de Dispositivos Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto BARRAMENTO DO SISTEMA Adão de Melo Neto 1 BARRAMENTOS DO SISTEMA O mecanismo mais comum de interconexão dos componentes de um computador (processador, memória principal e módulos de E/S) usa um barramento

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada 4 Camada de Transporte/2 Objetivo Conhecer o funcionamento da camada de transporte; Apresentar os protocolos UDP e TCP; Aprender

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

- Curso: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Redes de Computadores Lista de Exercício I

- Curso: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Redes de Computadores Lista de Exercício I 1- Um dos componentes de um a Rede de Teleprocessamento que tem a função de compatibilizar o sinal digital de dados ao sinal analógico para uso da Rede Pública de Telefonia é: a) UNIDADE CONTROLADORA DE

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 2: MODELO OSI. Professor: LUIZ LEÃO

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 2: MODELO OSI. Professor: LUIZ LEÃO FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Professor: LUIZ LEÃO Conteúdo Desta Aula HISTÓRICO DAS REDES MODELO EM CAMADAS FUNÇÕES DAS CAMADAS OSI 1 2 3 4 5 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES MODELO DE REFERÊNCIA OSI PRÓXIMOS

Leia mais

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR Nível de Rede Funções do nível de rede Multiplexação Endereçamento Mapeamento entre endereços de rede e de enlace Roteamento Estabeleciment/Liberação conexões de rede Controle de Congestionamento 1 Funções

Leia mais

4 Agregação de Quadros

4 Agregação de Quadros 4 Agregação de Quadros Foram implementados no padrão 802.11n diversos mecanismos para melhorar a vazão tanto na camada física quanto na camada MAC. Na camada física, o uso principalmente de MIMO, OFDM

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º. Ementa Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º PLANO DE ENSINO Ementa Código de representação de dados. Modulações utilizadas em comunicação de dados. Codificações utilizadas em comunicação

Leia mais

Tiago Guedes 10º 13ª

Tiago Guedes 10º 13ª Tiago Guedes 10º 13ª Introdução A transmissão de dados ou informação consiste na utilização de um suporte de informação para a transportar entre dois pontos fisicamente distantes. Este trabalho apresenta

Leia mais

Transmissão de dados. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos

Transmissão de dados. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Transmissão de dados Aluno: Bruno Oliveira Turma: 10º 13ª Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Introdução A transmissão

Leia mais

Capítulo 4: Camada de rede

Capítulo 4: Camada de rede Capítulo 4: Camada de Objetivos do capítulo: entender os princípios por trás dos serviços da camada de : modelos de serviço da camada de repasse versus roteamento como funciona um roteador roteamento (seleção

Leia mais

Refere-se à alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos conectados.

Refere-se à alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos conectados. COMUTAÇÃO Comutação Refere-se à alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos conectados. Tipos de Comutação: Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores Objetivos Gerais da Cadeira Apresentar a camada de enlace e suas principais tecnologias de comutação em LAN, MAN, e WAN. Objetivos Específicos da Cadeira Entender os conceitos fundamentais sobre a camada

Leia mais

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados 3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 1/30 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados

Leia mais

ET53C - SISTEMAS DIGITAIS

ET53C - SISTEMAS DIGITAIS ET53C - SISTEMAS DIGITAIS Barramentos de Comunicação Serial UART e I 2 C Prof.: Glauber Brante e Profa. Mariana Furucho gbrante@utfpr.edu.br marianafurucho@utfpr.edu.br UTFPR Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

O NÍVEL DE LIGAÇÃO DE DADOS. Nível de ligação de dados Controle de Fuxo Detecção de erros Controle de Erros

O NÍVEL DE LIGAÇÃO DE DADOS. Nível de ligação de dados Controle de Fuxo Detecção de erros Controle de Erros O NÍVEL DE LIGAÇÃO DE DADOS Nível de ligação de dados Controle de Fuxo Detecção de erros Controle de Erros ORGANIZAÇÃO DOS DADOS -TRAMAS Uma forma mais organizada e estruturada de comunicar consiste em

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

Aula 2 Topologias de rede

Aula 2 Topologias de rede Aula 2 Topologias de rede Redes e Comunicação de Dados Prof. Mayk Choji UniSALESIANO Araçatuba 13 de agosto de 2016 Sumário 1. Topologias de Rede 2. Topologias Físicas Ponto-a-Ponto Barramento BUS Anel

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Capítulo6-7 Redes de Computadores Camada 2 Conceitos

Capítulo6-7 Redes de Computadores Camada 2 Conceitos Há três formas de se calcular o frame check sum: cyclic redundancy check (CRC) - executa cálculos polinomiais sobre os dados paridade bidimensional - adiciona um 8 th oitavo bit que faz uma seqüência de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle PTC3450 - Redes de Comunicação - 1o semestre 2017 Lista de Exercícios Suplementares 1 1) (2014-P1)

Leia mais

Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicação de Dados Redes de Comunicação de Dados 1 - Objetivo O grande objetivo é a formação geral de um especialista capaz de projetar redes de computadores, tanto sob o aspecto de software quanto de hardware, a partir

Leia mais

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes VPN-Virtual Private Network Anderson Gabriel Introdução Crescimento tecnológico, necessidade de segurança VPNs - Virtual Private Network (Redes

Leia mais

FDDI (Fiber Distributed Data Interface)

FDDI (Fiber Distributed Data Interface) FDDI (Fiber Distributed Data Interface) O padrão FDDI (Fiber Distributed Data Interface) foi desenvolvido pelo ASC X3T9.5 da ANSI nos EUA e adotado pela ISO como padrão internacional (ISO 9314/1/2/3) em

Leia mais

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação Modelo OSI Marcelo Assunção 10º13 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Índice Modelo OSI Open System Interconnection (OSI)

Leia mais

Driver Comunicação p/ Protocolo N2

Driver Comunicação p/ Protocolo N2 Descrição do Produto O driver de comunicação permite que os controladores programáveis da Série Ponto PO3X42 e da Série Quark QK801 sejam interligados à redes Metasys e se comuniquem através do protocolo

Leia mais

MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP

MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP Aula 2 MODELOS DE REFERENCIA OSI TCP/IP Curso Técnico em Telecomunicações Convergência de Redes PROGRAMA Modelos de Referência OSI TCP/IP OSI x TCP/IP 2 OSI E A COMUNICAÇÃO POR CARTA 3 HISTÓRIA No Principio

Leia mais

Topologias e Classificação das RC. Prof. Eduardo

Topologias e Classificação das RC. Prof. Eduardo Topologias e Classificação das RC Prof. Eduardo Introdução As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia-a-dia. Estamos tão acostumados a utilizá-las que não nos damos conta da sofisticação

Leia mais

Camada Física. Professor Ivan Pires. Introdução. Licenciatura Plena em Computação

Camada Física. Professor Ivan Pires. Introdução. Licenciatura Plena em Computação Licenciatura Plena em Computação Professor Ivan Pires Introdução Dígitos binários (bits) para representar dados. Fisicamente utilizam: Corrente elétrica, ondas de rádio ou luz 1 Comunicação Assíncrona

Leia mais

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Conteúdo Definição Classificação Aplicações típicas Software de rede Modelos de referências Exemplos de redes Exemplos

Leia mais

Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja par

Acrescenta um bit 1 ou um bit 0 às mensagem para que o número total de bits 1 seja par Detecçã ção o de Erros Paridade Verificação de Paridade Esse tipo de detecção consiste em acrescentar um bit (de paridade) a cada conjunto de bits da mensagem (caractere) de modo a ter as seguintes características:

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 10 Introdução ao Ethernet Parte 1 Prof. Diego Pereira

Leia mais

Barramentos. Tópicos

Barramentos. Tópicos Barramentos Prof. Alexandre Beletti Cap. 2 Tanenbaum Cap. 2 -Stallings Tópicos Estrutura de Barramento Tipos de Barramento Controladora de Barramento Largura de Barramento Transmissão Síncrona e Assíncrona

Leia mais

3. INTERFACE FÍSICA DE ACESSO

3. INTERFACE FÍSICA DE ACESSO 3. INTERFACE FÍSICA DE ACESSO 1 Protocolo de Nível Físico B1 B2 Q.930/1 s p t 3 - Rede B1 B2 LAP-D 2 - Ligação Nível 1 I.430/1 1 Protocolo de Nível Físico Meio Físico (Ligação ) I.430 Interface Básica

Leia mais

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon Disciplina: Redes e Serviços

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon   Disciplina: Redes e Serviços OSI e TCP/IP Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Redes e Serviços 1 Bibliografia Tanembaum. Andrew S. Redes de Computadores. Editora campus 3ª edição. Rio de Janeiro.

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Redes de Computadores REVISÃO - Questões de Redes em Concursos Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Disciplina: Redes de Computadores Professor: Jéfer Benedett Dörr Q234360 Prova: AOCP - 2012 - BRDE -

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda n Parte I n Introdução n Protocolos de Transporte Internet n Multiplexação e n UDP n Parte II n TCP

Leia mais

PROGRAMA. 1. Ementa. 2. Objetivos. 3. Metodologia. 4. Avaliação

PROGRAMA. 1. Ementa. 2. Objetivos. 3. Metodologia. 4. Avaliação Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina : INF363 - Teleprocessamento e Redes Pré-Requesitos : INF-375 - Sistemas Operacionais INF-359 - Pesquisa Operacional Carga

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 4 Camada Física Camada Física - Sinais Funções Características físicas (mecânicas e elétricas) das interfaces e dos meios. Define quais os tipos

Leia mais

Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia

Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia 1. Introdução Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br vitor@cerne-tec.com.br O barramento CAN foi desenvolvido pela BOSCH para ser uma interface multimestre. Este barramento

Leia mais

Manual de Operação e Configuração

Manual de Operação e Configuração Manual de Operação e Configuração LEITOR DE CÓDIGO DE BARRAS BIVISON modelo LZ-1000 Sem fio Tecnologia ZigBee Exclusivo alcance de até 100 metros Versão 321 Dezembro de 2011 4 1 Conteúdo Pg 01 Sobre este

Leia mais

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa INTRODUÇÃO Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA LMI-FCPU IBRACON (IMM)

PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA LMI-FCPU IBRACON (IMM) PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA LMI-FCPU IBRACON (IMM) O LMI-FCPU permite seis tipos de mensagem via rede de dados RS 485 configurada como 1200/9600 baud, sem paridade e 8 bits mais um start bit (1200,N,8,1)/(9600,N,8,1),

Leia mais

Redes de Computadores. Segurança e Auditoria de. Redes de Computadores. Sistemas

Redes de Computadores. Segurança e Auditoria de. Redes de Computadores. Sistemas Redes de Computadores Segurança e Auditoria de Redes de Computadores Sistemas Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada enlace PPP Point-to-Point Protocol Ethernet ARP Kurose Capítulo 5

Leia mais

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Jean Nicandros Stragalinos Neto. Prontuário: 1616251. Curso: ADS 2º Módulo. 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 05 - OSI - O modelo em camadas da ISO. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 05 - OSI - O modelo em camadas da ISO. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 05 - OSI - O modelo em camadas da ISO Objetivo : Nesta aula, vamos conhecer o sistema desenvolvido pela ISO para a interconexão de sistemas

Leia mais

Figura 12 Formato Genérico de uma MAC PDU

Figura 12 Formato Genérico de uma MAC PDU Formato do Quadro 802.15.4 No padrão 802.15.4, a estrutura geral da PDU do nível MAC (MPDU) foi projetada para ser flexível o bastante para acomodar as necessidades de diferentes aplicações e topologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais 1 Camada de enlace Responsável pela

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2009/1 v2-2009.03.11 Histórico Anos 50-60 Computadores Grandes Porte Sistemas Batch Anos 60-70 Time-sharing

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Agenda n Recapitulação do modelo OSI n Quais as funcionalidades da camada 2? n Quais as suas características n Endereço MAC n Comunição

Leia mais