Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação"

Transcrição

1 Camada de Enlace Redes Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Delimitação e transmissão de quadros Detecção de erros Controle de Acesso Correção de erros que por ventura ocorram no nível físico (opcional) Controle de fluxo (opcional) Multiplexação (opcional) 1 Prof. Sérgio Colcher 2 OSI x IEEE Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Arquitetura IEEE 82 Transporte Rede Enlace Físico Arquitetura IEEE LLC MAC Físico 3 4

2 Padrões IEEE 82.X Camada de Controle de Enlace Lógico SEGURANÇA 82.1 VISÃO GERAL E ARQUITETURA 82 GERENCIAMENTO PONTES LLC MAC Enlace Físico Logical Link Control (LLC) Medium Access Control (MAC) Physical Layer (PHY) Independência da camada MAC LSAPs Multiplexação Controle de erros e de fluxo Tipos de Operação Classes de Procedimento 5 6 Controle de Erro Controle de Erros Detecção de erro Checksum CRC - Cyclic Redundancy Code Correção de erro recuperação do quadro original retransmissão do quadro com erro Stop-and-Wait ARQ Selective Repeat Go-Back-N 7 8

3 Controle de Erro: Protocolo Stop-and-Wait Intervalos de Timeout Quadro ACK ACK 1 Quadro ACK ACK 1 T Reconhecimento Quadro especial Controle de Erros: bit alternado (stopand-wait) Em enlaces bidirecionais: pode ser transportado de carona em um quadro de informação trafegando no sentido inverso Normalmente a carona é prevista pelo cabeçalho dos quadros normais de informação ACK 1 ACK Reconhecimento Negativo (opcional) Tentativa de melhorar a eficiência do Stop-and-wait No caso de recebimento de quadro com FCS errado, enviar alguma forma de reconhecimento negativo O transmissor não precisará esperar pelo timeout Reconhecimento negativo pode ser o ACK com o número trocado Pouco eficaz para o stop-and-wait É opcional O transmissor deve estar preparado para funcionar somente com o timeout Dessa forma, não é necessário tratar a perda do reconhecimento negativo 11 12

4 E E 3 1 E

5 E E E E

6 A2 1 E E A2 A2 A5 1 E E

7 TIMEOUT TIMEOUT A2 A5 A7 A2 A5 A7 1 E E É comum que protocolos de enlace com quadros especiais de reconhecimento que, ao invés do número do último quadro recebido, carreguem o número do próximo quadro a ser processado. Ao invés de ACK, chamaremos esses quadros de Request Number (RN). Não faz diferença se o protocolo especifica o envio de ACKs ou RNs, já que um ACK i é equivalente a um RN (i + 1). Uso de Reconhecimento Negativo Usando o reconhecimento negativo (NAK), é possível evitar que tantos quadros sejam transmitidos em vão antes que o timeout de um quadro seja atingido Inicio da retransmissão pode ser antecipado É opcional O transmissor deve estar preparado para funcionar somente com o timeout Dessa forma, não é necessário tratar a perda do reconhecimento negativo 27 28

8 Reconhecimentos (positivo e negativo) Quadros especiais Em enlaces bidirecionais podem ser transportados de carona (piggibacking) em quadros de informação trafegando no sentido inverso Normalmente a carona é prevista pelo cabeçalho dos quadros normais de informação E 31 32

9 4 1 E 3 1 E E E

10 E E A8 1 E E

11 A8 A8 1 E E TIMEOUT TIMEOUT A8 A9 A8 A9 1 E E

12 O transmissor funciona, essencialmente, da mesma forma que na retransmissão integral. Já o receptor, ao invés de descartar todos os quadros a partir da recepção de um quadro errado ou fora de ordem, guarda os quadros transmitidos corretamente e envia um ACK (ou RN) de todo o grupo recebido depois que o quadro ausente for retransmitido. Alternativa: Retransmissão Apenas dos Quadros Perdidos Alternativa ao Selective Repeat Básico ao invés de retransmitir todos os quadros a partir do quadro i que provocou o timeout, transmitir apenas o próprio quadro i, retomar a transmissão de quadros novos logo após essa retransmissão. Esse esquema funciona bem caso o erro (ou ausência) aconteça apenas em um único quadro da sequência (no caso, o quadro i). Caso contrário, um novo timeout será necessário para retransmitir cada um dos outros quadros da sequência que sofrerem algum erro, retardando ainda mais a recuperação Uso de Reconhecimento Negativo Usando o reconhecimento negativo (NAK), é possível evitar que tantos quadros sejam transmitidos em vão antes que o timeout de um quadro seja atingido Inicio da retransmissão pode ser antecipado É opcional O transmissor deve estar preparado para funcionar somente com o timeout Dessa forma, não é necessário tratar a perda do reconhecimento negativo Reconhecimentos (positivo e negativo) Quadros especiais Em enlaces bidirecionais podem ser transportados de carona (piggibacking) em quadros de informação trafegando no sentido inverso Normalmente a carona é prevista pelo cabeçalho dos quadros normais de informação 47 48

13 Rejeição Seletiva (Selective Reject) Variação do Selective Repeat Combinação as duas alternativas anteriores Uso de reconhecimento negativo + Retransmissão apenas dos quadro perdidos Ao receber um NAK i (ou atingir o timeout do quadro i), o transmissor retransmite apenas o quadro i e volta a transmitir novos quadros. Caso outro quadro da sequência esteja faltando, outro NAK será enviado, evitando a espera por um novo timeout. Mais uma vez, qualquer perda de NAK é automaticamente tratada pelo timeout. Variação do Selective Reject Envio de uma lista de números (ao invés de um único número) por NAK, correspondendo à confirmação negativa de todos os quadros presentes na lista. Ao receber um NAK j,k,l, por exemplo, Retransmite apenas os quadros presentes na lista (no caso, os quadros j, k e l) Depois retoma a transmissão de quadros novos do ponto em que havia parado antes de iniciar a sequência de retransmissões Controle de Fluxo Protocolo Stop-and-Wait Regula o fluxo de quadros entre transmissor e receptor Resolve o problema de diferença de velocidade de processamento entre transmissor e receptor Quadro ACK Quadro ACK Não permite que uma estação transmissora mais rápida sobrecarregue uma estação receptora ACK 1 ACK 1 T Técnicas: Quadro Quadro Stop-and-Wait ACK ACK Sliding Window ACK 1 ACK

14 Controle de Fluxo Quadro Quadro 2 Quadro 3 ACK 3 Quadro Quadro 2 Quadro 3 ACK 3 Quadro 4 Quadro 4 Quadro Quadro Quadro 2 Quadro 2 T ACK 2 ACK Janela Deslizante (Sliding Window) Estabelece um número de quadros máximo que o transmissor pode enviar sem receber uma liberação do receptor. Determina o que se denomina o tamanho da janela de controle de fluxo. Se a janela estabelecida entre o transmissor e o receptor tem tamanho T, o transmissor poderá transmitir até T quadros sem que o receptor tome qualquer atitude. ao atingir o limite de T quadros, o transmissor será obrigado a parar e esperar por uma liberação de espaço de transmissão pelo receptor. Essa liberação será realizada pelo envio de algum quadro de controle do receptor, avisando estar pronto para receber mais quadros. É possível que protocolos de enlace aproveitem os quadros de reconhecimento como o ACK ou o RN para realizar a liberação (conhecida como deslize) do espaço da janela para novas transmissões, Note, que a janela de controle de fluxo é, a princípio, independente da janela de transmissão do controle de erros. Janela utilizada apenas para o controle do espaço de armazenamento dos quadros pendentes de reconhecimento no transmissor, não tendo, portanto, qualquer relação com o espaço para recebimento de quadros disponível no receptor. Usando o ACK (ou RN) para Deslize Uma das formas simples que um protocolo de enlace dispõe para abrir espaço para novas transmissões é utilizar o reconhecimento positivo (via ACK ou RN) como forma de aviso ao transmissor de que alguns quadros (os reconhecidos) foram consumidos no receptor Avisa que houve liberação de espaço no buffer de recepção e que novas transmissões podem ocorrer. O número de novas transmissões possível é exatamente o número de quadros reconhecidos

15

16 Envia Ack de quatro quadros 63 64

17 Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros

18 Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros Recebe Ack de quatro quadros Envia Ack de quatro quadros Envia Ack de dois quadros Usando ACK para Deslize Recebe Ack de quatro quadros Recebe Ack de dois quadros 1 2 Envia Ack de quatro quadros Envia Ack de dois quadros 4 1 A janela de transmissão é um controle sobre os quadros já transmitidos e a transmitir. O primeiro quadro pertencente à janela é o primeiro dos quadros já transmitidos que ainda não foi reconhecido pelo receptor. Em outras palavras, é o primeiro dos quadros para o qual ainda se mantém uma cópia para retransmissão o primeiro para o qual um timeout pode ocorrer. O transmissor mantém uma variável para controlar o número desse quadro, que chamaremos de Número Pendente ou Pending Number (PN). Uma segunda variável armazena o número do próximo quadro a ser transmitido: Sequence Number (SN). O tamanho da janela é denominado T. O tamanho da janela de transmissão era independente do controle de fluxo, sendo responsável apenas por gerenciar o espaço de armazenamento do transmissor para quadros pendentes. ao sobrecarregar o ACK para fazê-lo indicar também a disponibilidade para receber novos quadros por parte do receptor, o tamanho T deverá ser sempre o menor valor entre o estabelecido para o limite de armazenamento local de quadros pendentes e o valor estabelecido em conjunto com o receptor como controle de fluxo 71 72

19 Usando o ACK para o Deslize Uso do ACK para o Deslize Exemplo para T = 8 Recebimento de um ACK 5 Quadros já reconhecidos Quadros já reconhecidos Janela de Transmissão (T ) PN SN PN + T Quadros enviados mas não reconhecidos (pendentes) (a) Janela de Transmissão (T ) PN SN PN + T Quadros enviados mas não reconhecidos (pendentes) (b) Quadros que ainda pode ser enviados Quadros que ainda pode ser enviados Um ACK i ou RN (i + 1) só pode ser enviado quando todos os quadros até o de número i foram recebidos corretamente e foram entregues ao nível superior, liberando espaço no buffer de recepção. O receptor não poderá enviar um reconhecimento apenas porque recebeu um quadro correto; ele deverá, além disso, esperar que o nível superior receba o quadro e o consuma, quando então, de fato, o buffer de recepção do enlace ganha espaço para receber um novo quadro. Duas funções combinadas Ao invés de ACK, chamaremos de Receiver Ready (RR) Contém o número do próximo quadro a ser processado (da mesma forma que o RN Problemas em usar o ACK para Deslize Há problemas em utilizar a liberação da janela vinculada ao reconhecimento da chegada correta dos quadros nem sempre o reconhecimento a chegada de um quadro válido possibilita, imediatamente, a liberação de espaço no buffer de recepção. No nível de enlace, é muito comum que a detecção de erros seja realizada de forma muito rápida, por um hardware especializado (como é o caso da detecção por CRC). Já a liberação do buffer depende da entrega do quadro ao nível superior, que pode demorar bem mais, já que depende de diversos fatores incluindo a própria disponibilidade da camada superior. Problemas em usar o ACK para Deslize O receptor, mesmo sabendo que alguns dos quadros foram recebidos corretamente, não pode enviar um reconhecimento enquanto de fato ele não entregar esses quadros à camada superior Caso enviasse, significaria, para o transmissor, mais espaço para a transmissão. Por outro lado, a demora demasiada no envio do reconhecimento de um quadro que chegou sem erros fará com que um timeout seja atingido no transmissor quadros (eventualmente sem erros) podem acabar sendo retransmitidos

20 Desvinculando o Reconhecimento do Deslize Uma das formas mais simples para diminuir o vínculo entre o controle de fluxo e o controle de erros é a adotada pelo HDLC e alguns de seus similares (como o LLC e o LAPB). Nesses protocolos, além, da mensagem RR, define-se uma nova mensagem denominada Receiver Not Ready (RNR), também carrega um número i, cujo significado é o de reconhecer a recepção correta de todos os quadros até o de número i 1 sem, contudo, liberar espaço para a transmissão de novos quadros. Ao contrário, o RNR sinaliza para o transmissor que ele deve suspender imediatamente as transmissões até segunda ordem. Apenas com posterior envio de um RR, o transmissor estará novamente habilitado para a transmissão de novos quadros. Multiplexação Multiplexação Formato da Unidade de Dados do Protocolo LLC (PDU LLC) Usuário Usuário Usuário SAP de ENLACE Usuário 1 2 Usuário ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DSAP SSAP Controle Dados ENLACE ENLACE 8 Bits 8 Bits 8 ou 16 Bits N x 8 Bits Físico Físico DSAP: endereço do ponto de acesso ao serviço LLC destino Rede SSAP: endereço do ponto de acesso ao serviço LLC origem 79 8

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Funções dos protocolos. Tipos de Protocolos. Tipos de Protocolos

Funções dos protocolos. Tipos de Protocolos. Tipos de Protocolos Funções dos protocolos Apostila 02 Endereçamento Estabelecimento e término de conexões Confirmação de recebimento Funções básicas: Controle de erro Controle de enquadramento Controle de fluxo OBS: NEM

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 3. Camada de Enlace de Dados DIN/CTC/UEM 2008 Funções Principais Lidar com erros de transmissão Regular o fluxo de dados : Funções Principais Divide informação em quadros: Verifica se quadros chegaram

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Agenda n Recapitulação do modelo OSI n Quais as funcionalidades da camada 2? n Quais as suas características n Endereço MAC n Comunição

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 10 Introdução ao Ethernet Parte 1 Prof. Diego Pereira

Leia mais

4 Agregação de Quadros

4 Agregação de Quadros 4 Agregação de Quadros Foram implementados no padrão 802.11n diversos mecanismos para melhorar a vazão tanto na camada física quanto na camada MAC. Na camada física, o uso principalmente de MIMO, OFDM

Leia mais

CONTROLE DE FLUXO. Redes de Computadores

CONTROLE DE FLUXO. Redes de Computadores CONTROLE DE FLUXO Redes de Computadores Agenda Conceito de Framing Protocolos Para meio físico sem ruído Para meio físico com ruído Conceito de Piggybacking Perguntas Framing Camada física gera sincronização

Leia mais

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR Nível de Rede Funções do nível de rede Multiplexação Endereçamento Mapeamento entre endereços de rede e de enlace Roteamento Estabeleciment/Liberação conexões de rede Controle de Congestionamento 1 Funções

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Protocolos de Transmissão

Protocolos de Transmissão s de Transmissão Stop & wait Send & wait ARQ Automatic Repeat request Idle RQ stop and wait send and wait Continuous RQ - Selective Repeat - Go-back-N NAK n NAK n 3 O emissor (Primário P) só pode ter trama

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais 1 Camada de enlace Responsável pela

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Controle de s Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de Aula 8 É o processo de garantir a entrega confiável dos dados, isto é, sem s, sem duplicação e entregues na ordem

Leia mais

Controle de Erro em Redes de Computadores

Controle de Erro em Redes de Computadores Controle de Erro em Redes de Computadores Prof. S. Motoyama Aula 24 Motoyama: Controle de Erro 1 Enlace de Dados O controle de erro em redes de computadores é feito na camada enlace de dados (ou na camada

Leia mais

Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos de Enlace Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Revisão OSI Revisão OSI Revisão OSI Revisão OSI Implementações Modelo OSI Rede Internet Rede Industrial Camada

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 02 Visão Geral da

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ.

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. 4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 06 Elementos de Interconexões

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

Sistemas de Troca de Mensagens

Sistemas de Troca de Mensagens Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquitetura de Sistemas Paralelos Sistemas de Troca de Mensagens Sistemas de Comunicação O Sistema de Comunicação

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 2

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 2 Roteiro Arquitetura de s de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade Roteiro 1 2 Conceitos Pilha Vantagens 3 Conceitos Gerais Figura 4 5 Roteiro Objetivos Apresentar o conceito

Leia mais

IEEE a, b, g, n

IEEE a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Felipe Martins Athayde Alves Thiago de Lima Vasconcelos Sumário 1. IEEE 802.11 2. Perguntas 1.1 IEEE 802.11 a

Leia mais

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados 3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 1/30 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados

Leia mais

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos Transporte Multimídia em Redes Transporte Multimídia em Redes A transmissão multimídia requer que garantias diversas de Qualidade de Serviço (QoS) sejam estabelecidas e mantidas para que se atendam aos

Leia mais

802.11. Diversos fatores podem impactar na comunicação, tanto cabeado como sem fio, porém os riscos são maiores na sem fio.

802.11. Diversos fatores podem impactar na comunicação, tanto cabeado como sem fio, porém os riscos são maiores na sem fio. Redes Sem Fio O camada envolvida na troca de uma rede cabeada (wired) por uma rede sem fio (wireless) é a camada de enlace. As camadas superiores, (IP e TCP ) não se alteram no caso de LAN ou WLAN. Diversos

Leia mais

Serviços de Comunicações Capítulo 3

Serviços de Comunicações Capítulo 3 Capítulo 3 A Camada de Transporte da Arquitectura TCP/IP 3.1 Portos e Sockets 3.2 O Protocolo UDP 3.3 O Protocolo TCP 1 3.1. Portos e Sockets A Camada de Transporte fornece transferência de dados fim-a-fim

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI

Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI Capítulo 2: O MODELO ISO-OSI PCS 2476 Introdução - 1 O PROBLEMA DA PADRONIZAÇÃO Meados da década de 70: Sucesso das primeiras redes: ARPANET CYCLADES. Surgimento de várias redes comerciais de comutação

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados Modelo de Referência OSI 1 1 - Fornece interface bem definida para a

Leia mais

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes Tecnologias de rede Ethernet e IEEE 802.3 Token ring ATM FDDI Frame relay Ethernet A Ethernet é uma tecnologia de broadcast de meios compartilhados. Entretanto, nem todos os dispositivos da rede processam

Leia mais

Aula 03 Camadas do modelo OSI. 7 - Aplicação. 6 - Apresentação. Prof. Leandro Pykosz

Aula 03 Camadas do modelo OSI. 7 - Aplicação. 6 - Apresentação. Prof. Leandro Pykosz Aula 03 Camadas do modelo OSI Prof. Leandro Pykosz leandro@sulbbs.com.br 7 - Aplicação Faz a interface entre o protocolo e o aplicativo que pediu ou receberá a informação através da rede. 6 - Apresentação

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Figura 23 Formato do Quadro de Dados

Figura 23 Formato do Quadro de Dados O Quadro de Dados (Data Frame) O quadro de dados é usado para viabilizar a transferência de dados entre dois nós da rede. Este tipo de quadro é construído pela camada MAC ao receber um comando Data Request

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Aula 8 Introdução Camadas de protocolos e modelos de serviços Arquitetura de camadas Protocolo Multiplexação Modelo OSI e camadas MAC

Leia mais

Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicação de Dados Redes de Comunicação de Dados PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Camada de Enlace Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Delimitação

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com REDES PONTO-A-PONTO E CLIENTE-SERVIDOR REDES DE COMPUTADORES Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon Disciplina: Redes e Serviços

OSI e TCP/IP. Professor: Leandro Engler Boçon   Disciplina: Redes e Serviços OSI e TCP/IP Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Redes e Serviços 1 Bibliografia Tanembaum. Andrew S. Redes de Computadores. Editora campus 3ª edição. Rio de Janeiro.

Leia mais

Trabalho DESAFIO (OPCIONAL) - ENTREGA 06/05/2015 - IMPRETERIVELMENTE

Trabalho DESAFIO (OPCIONAL) - ENTREGA 06/05/2015 - IMPRETERIVELMENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA Trabalho DESAFIO (OPCIONAL) - ENTREGA 06/05/2015 - IMPRETERIVELMENTE 1. Objetivo Implementar um aplicativo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - CAMADA DE ENLACE DE DADOS 1. INTRODUÇÃO A Camada de Enlace de dados é a camada que lida com quadros, grupo de bits transmitidos pela rede. Ela depende da camada Física para enviar e receber

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO. Arquiteturas de Redes

MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO. Arquiteturas de Redes MODELO OSI CAMADAS FUNCIONAMENTO Arquiteturas de Redes 1 Arquiteturas de Redes Conjunto de regras para interligar equipamentos Grandes fabricantes com soluções proprietárias para a interconexão de seus

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 8 - Aula 15

Sistemas Distribuídos Capítulo 8 - Aula 15 Sistemas Distribuídos Capítulo 8 - Aula 15 Aula de hoje Aula Passada Comunicação Confiável Cliente-Servidor Comunicação Confiável de Grupo Comunicação Confiável de Grupo Multicast Atômico Sincronia Virtual

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Protocolos com paralelismo (pipelining) Pipelining: aumento da utilização

Protocolos com paralelismo (pipelining) Pipelining: aumento da utilização Protocolos com paralelismo (pipelining) Paralelismo: transmissor envia vários pacotes ao mesmo tempo, todos esperando para serem reconhecidos Faixa de números de seqüência deve ser aumentada Armazenamento

Leia mais

Camada de Enlace de Dados. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Serviços Oferecidos à Camada de Rede; Enquadramento; Detecção e Correção de Erros; Correção de Erros Protocolos Elementares

Leia mais

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Jean Nicandros Stragalinos Neto. Prontuário: 1616251. Curso: ADS 2º Módulo. 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada

Leia mais

Camada de Enlace: PPP

Camada de Enlace: PPP IER Protocolo PPP 1 Camada de Enlace: PPP Protocolo de enlace ponto-a-ponto da Internet Características Auto-configuração automática: inicia e termina o enlace (protocolo LCP) Suporta múltiplos protocolos

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Novos Protocolos de Streaming MMTP e SCTP

Novos Protocolos de Streaming MMTP e SCTP Novos Protocolos de Streaming MMTP e SCTP Cesar Henrique Pereira Ribeiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) cesarhpribeiro@yahoo.com.br Roteiro da Apresentação Introdução MMTP (Multimedia

Leia mais

SSC0641 Redes de Computadores

SSC0641 Redes de Computadores SSC0641 Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Transporte Prof. Jó Ueyama Abril/2013 1 Serviços da Camada de Transporte 2 Protocolos e Serviços de Transporte 3 Serviços de Transporte Fornecem comunicação

Leia mais

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1 Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB731 2015/1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Rosa M.M. Leão e Daniel Sadoc Menasché Primeiro Período de 2015 1 Introdução O objetivo deste trabalho

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Organização da disciplina Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Docente e Horário de Atendimento Docente das aulas teóricas: Halestino

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

Redes de Comunicações 2. Redes sem Fio e Mobilidade

Redes de Comunicações 2. Redes sem Fio e Mobilidade Capítulo 1 N O T A S D E A U L A, R E V 2.0 U E R J 2 0 1 5 F L Á V I O A L E N C A R D O R Ê G O B A R R O S Redes de Comunicações 2 Redes sem Fio e Mobilidade Flávio Alencar do Rego Barros Universidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados Objetivos Gerais da Cadeira Compreender a comunicação de dados entre locais remotos através de conceitos e procedimentos envolvidos na conexão de computadores, meios e dispositivos de redes. Objetivos

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE

VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE Loilson Serber Vieira 1 ; Carlos Eduardo Spinassi Elias 2 ; Rafael Scoczynski Ribeiro 3. 1 Centro de Ensino

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Implementação de um Transporte Confiável Slide 1 Transferência Confiável de Dados sobre um Canal Confiável rdt1.0 Uma vez que o canal é confiável, não existe

Leia mais

Padrão IEEE 802 e Ethernet

Padrão IEEE 802 e Ethernet Padrão IEEE 802 e Ethernet UTP - UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Arquitetura de Redes de Computadores II Prof. André Luiz Padrão IEEE 802 802.1 LLC MAC 802.2 802.3 802.4 802.5 802.6 802.1 Padrão IEEE 802

Leia mais

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo Prof. Cristiano da Silveira Colombo Objetivos da Aula Apresentar os conceitos de tecnologias e padrões de redes de computadores. Agenda da Aula Padronização

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores

Tecnologia de Redes de Computadores Tecnologia de Redes de Computadores Prof. Sidney Nicolau Venturi Filho 31. CAMADA DE TRANSPORTE Camada de Transporte Camada de Transporte Funções da camada controle de fluxo fim-a-fim sequênciação detecção

Leia mais

Camada de Enlace de Dados. GIL PINHEIRO Camada de Enlace de Dados 1

Camada de Enlace de Dados. GIL PINHEIRO Camada de Enlace de Dados 1 Camada de Enlace de Dados GIL PINHEIRO Camada de Enlace de Dados 1 Funções da Camada de Enlace Fornecer serviços a Camada de Rede Delimitação de Quadros Controle de Erros Controle de Fluxo Variedade de

Leia mais

Redes de computadores Lista de exercícios # 2

Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ICMC Departamento de Ciências de Computação Capitulo 3 Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1. Suponha que o cliente A inicie uma sessão Telnet com o servidor S. Quase

Leia mais

Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia

Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia 1. Introdução Introdução ao CAN Vitor Amadeu Souza Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br vitor@cerne-tec.com.br O barramento CAN foi desenvolvido pela BOSCH para ser uma interface multimestre. Este barramento

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Comunicação em Rede Arquitecturas e pilhas de protocolos 1 Comutação de pacotes com circuitos virtuais Numa rede de comutação de pacotes, mesmo que os pacotes pertençam

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet 1 Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego na Internet origina-se e termina com conexões Ethernet. A idéia original para Ethernet surgiu de problemas de

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Prof. Emiliano S. Monteiro Aula 4 Protocolo ARP É um protocolo da camada de enlace (link layer) É utilizado para realizar o mapeamento de endereços IPv4 para Ethernet. Não é um protocolo

Leia mais

Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de elecomunicações Departamento de Engenharia de elecomunicações - UFF Disciplina: ipos de Protocolos Protocolos de Acesso Baseados em Contenção Protocolos de de Acesso ao ao Meio

Leia mais

Controller Area Network CAN bus. Introdução

Controller Area Network CAN bus. Introdução Controller Area Network CAN bus Introdução Desenvolvido pela Bosch para automóveis Padronizado pela ISO 11898 Camada física Camada de enlace Comunicação serial até 1Mbps e até 1km. Sinalização diferencial

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 PROTOCOLO ICMP Março de 2016 Lourival da Silva Souza Sergio Dusilekz ICMP (INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL) O protocolo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas

Leia mais