Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF."

Transcrição

1 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo, Alex de Souza (1) (1) Bolsistas do CNPq e alunos da Universidade de Brasília e (2) (2) Professora Associada da Universidade de Brasília. Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária. Campus Universitário Darcy Ribeiro Asa Norte, Brasília DF. Apoio: UnB, CNPq e FINATEC. Termos para indexação: geotecnologia, sustentabilidade agrícola, Núcleo Rural Taquara, DF, uso da terra, solo Introdução A degradação de uma área ocorre quando a vegetação nativa e a fauna são destruídas, removidas ou extintas, a camada fértil do solo for perdida, removida ou enterrada e a qualidade e regime de vazão do sistema hídrico forem alterados. De uma maneira geral, as atividades humanas afetam todos os componentes do ambiente, já que os fatores ambientais são interligados e os limites de ação desses fatores são bastante difusos. (Bertoni & Neto, 1990). Áreas agrícolas em ascensão são as que podem possuir a maior quantidade de problemas ambientais, uma vez que dão mais ênfase à produção e não à preservação. Logo, os principais núcleos rurais do Distrito Federal, como o Rio Preto e Taquara, podem estar desrespeitando os limites ambientais e devem possuir um forte monitoramento. Esses núcleos rurais são os dois maiores produtores de grãos do Distrito Federal e possuem propriedades rurais de grandes dimensões, com adoção de alto nível tecnológico, ao contrário das regiões olerículas do DF. Assim, este trabalho teve como objetivo avaliar o uso e ocupação das terras e qualidade dos solos no núcleo rural Taquara, Distrito Federal, por meio de geotecnologias, a fim de gerar subsídios para estudos de sustentabilidade do uso agrícola das áreas rurais do Distrito Federal. Material e Métodos

2 2 Foi gerado um banco de dados digitais no software ArcGis 9.1, com implementação de imagens de satélite, mapas disponíveis de solos e aptidão agrícola das terras do Distrito Federal (Embrapa, 1978), em escala 1: , além de curvas de nível, pontos cotados e hidrografia extraídos das cartas planialtimétricas do Distrito Federal, em escala 1: (IBGE, 1984). Para a elaboração do mapa para avaliação do uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara, utilizou-se uma imagem do satélite HVR/SPOT 4, com composição das bandas 2, 1 e 3 em RGB, com resolução espacial de 10m, com correção espacial pela banda pancromática (0,51 a 0,73 µm), obtida em setembro de Foi utilizado a imagem SPOT 4, pois entre os satélites orbitais como CBERS e Landsat, o SPOT 4 apresenta o melhor conjunto de resoluções. A área de estudo foi delimitada por intermédio do mapa de regiões administrativas Distrito Federal, também denominado de mapa de distribuição de núcleos rurais pela EMATER-DF, por meio do software ArcGis 9.1. O arquivo digital obtido representativo do núcleo rural em questão foi utilizado para recortar a imagem HVR/SPOT 4, por meio do software ENVI 4.3. Posteriormente foram realizados os procedimentos de interpretação de imagem, classificação e pós-classificação, todos eles realizados no software ENVI 4.3. Para a classificação automatizada do uso e ocupação das terras do recorte da imagem correspondente ao núcleo rural selecionado para o estudo, utilizou-se o classificador supervisionado MAXVER, devido a melhor desempenho detalhamento espectral deste classificador na imagem em estudo. Inicialmente separou-se seis regiões de interesse (ROIs), designadas de classes, de acordo com seu uso e ocupação. Assim, a área foi dividida em 6 classes de uso e ocupação, com base na semelhança espectral das regiões de interesse. Porém, devido a grande variedade espectral encontrada na imagem da área estudada, várias regiões não foram classificadas e outras foram associadas em classes divergentes. Assim, foi necessária a realização da pós-classificação, por meio do ENVI 4.3, para corrigir esses problemas e gerar o mapa de uso e ocupação das terras o mais fidedigno possível, em conformidade com as observações de campo. O mapa uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara foi gerado com as seguintes classes: mata ciliar, olericultura, solos preparados para o cultivo, vegetação de alto vigor (maior cobertura), vegetação de baixo vigor (menor cobertura) e vegetação nativa.

3 3 Com a geração do mapa de uso e ocupação das terras foi feita a quantificação do número de pixels pertencentes a cada classe de uso. Esse procedimento de quantificação foi feito pelo software ENVI 4.3, que agrupa pixels de tonalidades semelhantes àquelas estipuladas pelas ROIs. Assim foi feita a relação entre o número de pixels de cada classes de uso dos solos com o número de pixels totais da área para quantificar em porcentagem a área total de cada uma. Por meio de campanhas de campanhas de campo foi realizada a checagem do mapa gerado de uso e ocupação das terra do núcleo rural em estudo, por meio de georreferenciamento de pontos no campo de classes de uso, utilizando-se GPS de navegação GARMIN. Para verificar a adequação do uso das terras da área de estudo, realizou-se, por meio do software ArcGis 9.1, uma operação de cruzamento entre o mapa gerado de uso e ocupação atual das terras desse núcleo rural com o mapa de aptidão agrícola da mesma área (Embrapa, 1978). Por intermédio desse cruzamento, foi gerado o mapa de adequação do uso e ocupação das terras da área de estudo, com o estabelecimento das seguintes classes: 1. uso das terras abaixo do potencial agrícola, 2. uso das terras acima do potencial agrícola e 3. uso adequado das terras e sustentável para a agricultura, em relação ao potencial agrícola. Esse mapa permite subsidiar informações sobre a sustentabilidade da agricultura da região estudada. Resultados e Discussão O mapa de uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara, elaborado por meio de geotecnologias, checado e validado em campanhas de campo, mostrou boa correspondência com a realidade terrestre. O mapa gerado de adequação do uso e ocupação das terras do núcleo do Rural Taquara (figura 1) permitiu a quantificação das classes de adequação de uso, onde 63,56% da área do núcleo rural apresentam uso das terras abaixo do potencial agrícola, seguido de 1,11% da área com uso acima do potencial agrícola e 35,33% da área do núcleo rural Taquara apresenta uso adequado em relação à aptidão agrícola das terras (Tabela 1) É importante salientar que o uso das terras abaixo do potencial agrícola não significa que o uso agrícola deve ser mais intensivo, pois esta é uma situação de conservação das terras Além disso, esse alto índice de uso agrícola abaixo do potencial é devido à época do ano em que a imagem de satélite foi obtida. Em setembro, normalmente, o estádio fenológico da cultura ainda

4 4 está baixo, uma vez que seu plantio acabou de ser feito ou ainda não foi realizado. Esse fato proporciona equívocos na classificação automatizada de imagens de satélite, que se baseia na resposta espectral dos alvos, nesse caso da cobertura vegetal, que em função do baixo vigor vegetativo, as culturas podem ser confundidas com vegetações nativas de baixo porte (como campo, por exemplo). Isso é comum em cultivos de grãos na região. No decorrer do ano, esses valores oscilam muito. Logo, as áreas de maior vigor vegetativo estão localizadas nos campos de Olericultura e também em áreas com sistema de irrigação, que são pouco representativas nesse núcleo rural, no entanto, foi constatada a ocorrência de algumas áreas que apresentam uso agrícola acima do potencial agrícola, que apesar de constituíram somente 1,11 % da área total do núcleo estudado, merece atenção, pois indica condição potencial de degradação ambiental. Como o trabalho foi realizado em escala 1: , ou seja, com pouco detalhamento, estas áreas merecem estudo em escala localizada. Conclusões O mapa gerado de uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara, DF, mostrou-se condizente com a realidade terrestre, podendo ser utilizado para vários estudos agrícolas e ambientais. A adequação do uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara, DF, mostrou que a maioria da área estudada apresenta uso ou ocupação das terras adequadas, em relação à aptidão agrícola das mesmas, onde 98,89% do uso das terras da área estão adequados ou abaixo de seu potencial de uso agrícola.

5 5 Figura 1. Mapa de Adequação de uso e ocupação das terras do núcleo rural Taquara. Tabela 1 Distribuição das classes de Adequação de Uso e Ocupação das Terras do núcleo rural Taquara. Classes de Adequação de uso e ocupação das terras % Abaixo do Potencial Agrícola 63,56% Acima do Potencial Agrícola 1,11% Uso Agrícola Adequado 35,33% Total 100% Referências BERTONI, J. & NETO, F. L. Conservação do solo. 3ª ed. São Paulo, SP, Editora Ícone, p.

ANALISE DE DADOS AMBIENTAIS POR MEIO DO USO DE IMAGENS DE SATÉLITE

ANALISE DE DADOS AMBIENTAIS POR MEIO DO USO DE IMAGENS DE SATÉLITE ANALISE DE DADOS AMBIENTAIS POR MEIO DO USO DE IMAGENS DE SATÉLITE MAURICIO MARTORELLI GALERA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UEL INTRODUÇÃO A evolução tecnológica dos sistemas de imageamento remoto

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

MAPEAMENTO DAS CLASSES DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) EM MUNICÍPIOS DO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA

MAPEAMENTO DAS CLASSES DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) EM MUNICÍPIOS DO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA MAPEAMENTO DAS CLASSES DO CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) EM MUNICÍPIOS DO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA Emanuelle Brugnara ¹; Bruno Diego Cardoso dos Santos ¹; Sara Cristina Carvalho de Sousa ¹; Weslei

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ Eduardo Tinoz do Santos

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PIXEL A PIXEL SUPERVISIONADA EM IMAGEM DE SATÉLITE SÃO SEBASTIÃO DO PARAISO (MG)

CLASSIFICAÇÃO PIXEL A PIXEL SUPERVISIONADA EM IMAGEM DE SATÉLITE SÃO SEBASTIÃO DO PARAISO (MG) CLASSIFICAÇÃO PIXEL A PIXEL SUPERVISIONADA EM IMAGEM DE SATÉLITE SÃO SEBASTIÃO DO PARAISO (MG) Rennan de Freitas Bezerra Marujo Universidade Federal de Lavras rennan@computacao.ufla.br Margarete Marin

Leia mais

METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL

METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL EXÉRCITO BRASILEIRO DIRETORIA DE SERVIÇO GEOGRÁFICO METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL CAP QEM/CART ANTONIO HENRIQUE CORREIA

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS.

ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS. ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS. Maycon Damasceno Mestrando em Geografia pela UFRGS mayconx@gmail.com Dejanira Luderitz Saldanha

Leia mais

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DE CERRADO NO MUNICIPIO DE ANÁPOLIS: MAPEAMENTO E ANALISE DA COBERTURA DA TERRA Roberto Prado de Morais 1 Nislaine Caetano Silva 2 Adriana Sousa do Nascimento 3 RESUMO Anápolis

Leia mais

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS.

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS. TUTORIAL Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. APTIDÃO AGRÍCOLA COMO SUBSÍDIO AO USO AGROECOLÓGICO DAS TERRAS Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. RESUMO: O principal objetivo deste

Leia mais

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Fabricio Imamura Isabella Perri Brito Melissa Pegoraro Paola Martinelli AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE MANSO ATRAVÉS DO SENSORIAMENTO REMOTO

Leia mais

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG)

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) Roberta Monique da Silva SANTOS, Engenheira Florestal 1 ; Lizit

Leia mais

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município.

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município. Anexo metodológico A base de dados utilizada para o cálculo da área de reserva legal foi o Sistema Nacional de Cadastro Rural - SNCR. Essa base, gerenciada pelo INCRA, é a mais adequada para calcular a

Leia mais

Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS).

Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS). Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS). Daniela Cappellesso Mangoni, Marianne da Silva Santos,

Leia mais

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Construção do Mapa de Solos do Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Use of GIS

Leia mais

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO Objetivos: - QUANTIFICAR OS ERROS COMETIDOS NA CLASSIFICAÇÃO - MEDIR A QUALIDADE DO TRABALHO FINAL - AVALIAR A APLICABILIDADE OPERACIONAL DA CLASSIFICAÇÃO Fontes de erro das classificações temáticas Os

Leia mais

PAISAGEM HISTORICA DO PRATIGI; TRANSFORMAÇÕES AMBIENTAIS EM MAPAS E IMAGENS.

PAISAGEM HISTORICA DO PRATIGI; TRANSFORMAÇÕES AMBIENTAIS EM MAPAS E IMAGENS. PAISAGEM HISTORICA DO PRATIGI; TRANSFORMAÇÕES AMBIENTAIS EM MAPAS E IMAGENS. Luis Eduardo Cunha Silva¹, Marjorie Csebrko Nolasco², Rafaela de Sousa Gonçalves³, 1-Bolsista PIBIC-FAPESB. Licenciando em Geografia.

Leia mais

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural. Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. Desafios e limitações

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural. Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. Desafios e limitações CEFIR Março.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE Contexto até 2011 Múltiplos deslocamentos do cidadão ao órgão ambiental; Atendimento presencial; Desafios e limitações Dificuldades de comunicação;

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ Metodologia De Interpretação Visual Da Banda 6 (Infra Vermelha Termal) Das Imagens Do Satélite Landsat 7 Para Identificação Das Dinamicas De Chuvas De Verão Em Duque De Caxias - RJ Wilson Leal Boiça Wilson

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG 151 Introdução ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG Viviane Valéria Silva¹, Laura Rafaele S. Silva 1, Júlio Cezar Costa¹, Bruna Cardoso de Faria¹,

Leia mais

¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI.

¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI. Evolução Multitemporal do Uso e Cobertura do Solo no Município de Baixa Grande do Ribeiro PI Hernandes Brito Costa¹, Felipe Ramos Dantas¹, Adriel Rodrigues do Sousa¹ ¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI.

Leia mais

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE 3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE A Figura 1 ilustra o espectro eletromagnético e as respectivas bandas espectrais do sensor TM e ETM do satélite Landsat. O Quadro 1 indica os intervalos espectrais

Leia mais

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2007. A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal

Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal Dorothee Luisa Polzer¹ Giampaolo Queiroz Pellegrino² O Painel Intergovernamental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA CAMPUS: São Mateus CURSO: Agronomia DEPARTAMENTO: Departamento de Ciências da Saúde, Biológicas e Agrárias PROFESSOR: Fábio Ribeiro Pires CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO

Leia mais

9º Encontro Técnico DER-PR

9º Encontro Técnico DER-PR Técnicas de Sensoriamento Remoto aplicadas a rodovias. 9º Encontro Técnico DER-PR Sensoriamento Remoto É definido como, o conjunto de técnicas e equipamentos, utilizados para obter informações sobre um

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

Manejo Florestal. Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP

Manejo Florestal. Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP Manejo Florestal Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP Manejo florestal é um sistema de colheita que minimiza ambientalmente

Leia mais

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Mapeamento Costeiro Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Discente: Carlos Antonio da Silva Junior Engenheiro-Agrônomo Docentes: Dr. Antonio Miguel Vieira Monteiro Dr. Claudio Barbosa São José dos Campos

Leia mais

Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais

Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais 1/55 Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais Prática Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/55 Conteúdo programático: Capitulo 1: Conceitos

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO

USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior- ABEAS - v.22, n.2,p.36-41, 2007 USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO 1 Pedro Roberto de Azambuja

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA - 2011 REVISÃO DE CONTEÚDO Prof. Marckleuber -Diferença: Imagem de satélite X fotografia aérea -Satélite X Sensor X Radar

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Milton Satoshi Matsushita Instituto Emater e Facsul Curitiba Paraná Brasil

Leia mais

10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA

10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA 10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA Segundo a EMBRAPA, a agropecuária brasileira construiu uma história de sucesso nos últimos 40 anos. Até os anos 1970, o crescimento da agropecuária

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

SANTOS, Cezar Clemente Pires (Discentes do Curso de Biologia do UNIVAG). MORAES, Rodrigo Ferreira de (Docente do Curso de Biologia do UNIVAG).

SANTOS, Cezar Clemente Pires (Discentes do Curso de Biologia do UNIVAG). MORAES, Rodrigo Ferreira de (Docente do Curso de Biologia do UNIVAG). O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO PARA LEVANTAMENTO E CLASSIFICAÇÃO VEGETACIONAL NA FAZENDA JOÃO DE BARRO LOCALIZADA NA DIVISA TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES MT E SAN MATIAS BOLÍVIA. SANTOS, Cezar Clemente

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO NA CAATINGA

ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO NA CAATINGA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO NA CAATINGA Pedro Guilherme de A. Vasconcelos 1,2, Marina Salgado Fontenele 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani Piana 1,2,Daniel

Leia mais

Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2

Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2 Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2 Renato Alves Moreira 1 Mário Barroso Ramos Neto 2 Cynthia Pinheiro Machado

Leia mais

Departamento de Ecologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo SP. RESUMO

Departamento de Ecologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo SP. RESUMO ANÁLISE DA PAISAGEM PARA O PLANEJAMENTO ESPACIAL DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO DE ALTA FLORESTA - MT VISANDO A CONSTITUIÇÃO DE CORREDORES ECOLÓGICOS

Leia mais

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso? Ambientalização da universidade é a inserção

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas

Sistemas de Informações Geográficas Sistemas de Informações Geográficas Aula 2 Assuntos: # Revisão em estatística # Revisão em informática # Revisão em sensoriamento remoto # # Histórico do SIG Geotecnologias Sensoriamento Remoto Geoprocessamento

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Humberto Mesquita Chefe do Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Introdução Objetivos do Projeto de Monitoramento do Desmatamento

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril.

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril. Informação Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2016 Escola Básica de Porto Alto Escola Básica Prof. João Fernandes Pratas Prova de Equivalência à Frequência de Geografia (18) 3º Ciclo - 9.º Ano de

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE PASTAGENS DEGRADADAS EM MICROBACIAS DA REGIÃO DE GUARARAPES-SP

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE PASTAGENS DEGRADADAS EM MICROBACIAS DA REGIÃO DE GUARARAPES-SP CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE PASTAGENS DEGRADADAS EM MICROBACIAS DA REGIÃO DE GUARARAPES-SP Ricardo Guimarães Andrade 1 Ieda Del Arco Sanches 2 Cristina Aparecida Gonçalves Rodrigues 3 Fábio Enrique Torresan

Leia mais

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil)

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Carla Bernadete Madureira Cruz Simone R. Freitas Vinicius Seabra Rafael Barros Departamento de. Geografia Universidade

Leia mais

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de MNT Num passado não muito distante: Digitalizava-se as curvas de nível para então gerar imagem sintética

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Mapas de Solos e de Aptidão Agrícola das Áreas Alteradas do Pará

Mapas de Solos e de Aptidão Agrícola das Áreas Alteradas do Pará Mapas de Solos e de Aptidão Agrícola das Áreas Alteradas do Pará São produtos tecnológicos elaborados pela Embrapa Amazônia Oriental e Embrapa Solos que oferecem a análise técnica das diferentes classes

Leia mais

DesertWatch Extension to Portuguese Partners

DesertWatch Extension to Portuguese Partners DesertWatch Extension to Portuguese Partners 2009 Critical Software S.A. Ocupação do Solo Resumo Objectivos Ocupação do Solo Áreas de Estudo Nomenclatura DW-E Dados de Observação da Terra Comparação dos

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA 1. INTRODUÇÃO Danielli Batistella Saquet Geógrafa e Mestre em Geomática pela UFSM E-mail: danisaquet@hotmail.com José Américo de Mello

Leia mais

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL Foto: Ganem, S. Apresentação A qualidade de vida passa, necessariamente, pelo uso sustentável e equilibrado

Leia mais

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 LUCÍLIA G. S MORAES Engenheira Sanitarista e Ambiental Gerente de Meio Ambiente Secretaria de Obras, Serviços Urbanos e Meio Ambiente Timóteo -MG PROCEDIMENTOS

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: Sensoriamento Remoto e suas Aplicações para Recursos Naturais Autora: TANIA MARIA SAUSEN Coordenadoria de Ensino, Documentação e Programa Especiais Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São

Leia mais

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO Renata Soares Pinto (*), Carlos Fernando Lemos Universidade Federal de Santa Maria- renatasoares261@gmail.com

Leia mais

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados SER300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem e Criação de Banco de Dados Jefferson Gonçalves de Souza Relatório da disciplina de Introdução ao Geoprocessamento (SER-300) do Programa de

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Apresentação da disciplina Prof. Luiz Henrique S. Rotta POR QUE UTILIZAR GEOPROCESSAMENTO? A informação ambiental é espacial por natureza. O padrão de distribuição: de um poluente sobre

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO 970 GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO 80 HORAS (40h teóricas e 40h práticas) 4º QUARTA-FEIRA 19:00-20:40 e 20:50 22:30

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE Ângela Barbosa, Dora Roque, Ana Maria Fonseca e Jorge Rocha Problemática Classificação

Leia mais

DETER JANEIRO de 2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

DETER JANEIRO de 2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Os objetivos da qualificação dos dados do DETER são: DETER JANEIRO de 2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO A) Qualificar o alerta emitido pelo DETER em relação aos processos de alteração na cobertura florestal,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL ANÁLISE TEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL E DO SOLO DA ÁREA DO ECOMUSEU DO CERRADO (GOIÁS) ATRAVÉS DE IMAGENS MODIS E CBERS

Leia mais

Manejo Florestal na Chapada do Araripe: Uma Técnica de Combate à Desertificação

Manejo Florestal na Chapada do Araripe: Uma Técnica de Combate à Desertificação Manejo Florestal na Chapada do Araripe: Uma Técnica de Combate à Desertificação Iêdo Bezerra Sá 1 ; Marcos Antonio Drumond¹; Tony Jarbas Ferreira Cunha 2 ; Tatiana Aiako Taura 3 Resumo O presente trabalho

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS.

NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS. NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS http://www.dpi.inpe.br/ead/intro_sr Utilizam-se softwares e imagens disponíveis na rede, com acesso

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8 ASSUNTO: ANÁLISE DE IMAGENS DE SATÉLITE Objetivos: I. Visualização e interpretação de imagens II. Geração de mapas temáticos com dados de interpretação

Leia mais

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo SOLO CONSERVAÇÃO Erosão Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo Assoreamento: Depósito de acúmulo de sedimentos nos cursos d água, geralmente provocada, principalmente, pela

Leia mais

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO O conceito de Plano de Manejo, segundo a definição da Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000 (institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza),

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - POSGRAP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - NPGEO 30 ANOS DE CONTRIBUIÇÃO À GEOGRAFIA São Cristóvão, 29 e 30 de Agosto

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério do Meio Ambiente O Projeto TerraClass é resultado da integração de esforços entre o MAPA, o MCTI

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE Daniel de Almeida Papa1, Virgínia de Souza Álvares2 e Daniela Popim Miqueloni3 1Eng. Florestal,

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Seminário Nacional com as Instituições Responsáveis por Limites Político-Administrativos Brasília - DF, 1 de Julho de 2008 Sumário Gestão Pública e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG Prof. Dr. Cristiano Zerbato Prof. Dr. David L. Rosalen Agricultura de Precisão CONCEITOS AGRICULTURA DE PRECISÃO (AP) PRECISION AGRICULTURE or PRECISION FARM (PRECISION

Leia mais

2 Trabalhos Anteriores

2 Trabalhos Anteriores 2 Trabalhos Anteriores Este capítulo apresenta algumas aplicações recentes do mapeamento temático de uso e cobertura do solo e alguns dos principais trabalhos anteriores abordando metodologias de interpretação

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuário Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Estudo socioeconômico e ambiental do município de Bambuí por meio de técnicas de geoprocessamento em decorrência da implantação de uma usina sucroalcooleira Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Luciana MENDONÇA

Leia mais

Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia

Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia Como Fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR) Marcos de Lara Maia O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, disponibilizado

Leia mais

MAPA DO USO DO SOLO DA BACIA DO RESERVATÓRIO DE MANSO PARA O ANO DE 2007

MAPA DO USO DO SOLO DA BACIA DO RESERVATÓRIO DE MANSO PARA O ANO DE 2007 MAPA DO USO DO SOLO DA BACIA DO RESERVATÓRIO DE MANSO PARA O ANO DE 2007 Aline de Matos Valério 1, Gustavo Bayma Siqueira da Silva 1, Milton Kampel 1, José Luiz Stech 1, Arcilan Trevenzoli Assireu¹ ( 1

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA Alexandre C. Coutinho Embrapa Informática Agropecuária Workshop: Geointeligência em Agricultura e Meio Ambiente MundoGEO#Connect 2014 08 de maio de 2014

Leia mais

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina,

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96 PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE, e o DIRETOR GERAL DA FUNDAÇÃO DO MEIO AMBIENTE FATMA, com fundamento nas

Leia mais

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS EMENTAS Níveis Básico e Avançado CURSOS DE GEOPROCESSAMENTO COM O SOFTWARE LIVRE QGIS O QGIS é um dos mais robustos softwares gratuitos para Sistemas

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma.

A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma. A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma. Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle CMA Senado Federal Audiência

Leia mais