METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL"

Transcrição

1 EXÉRCITO BRASILEIRO DIRETORIA DE SERVIÇO GEOGRÁFICO METODOLOGIA DE ATUALIZAÇÃO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS UTILIZANDO-SE IMAGENS DE SATÉLITE DE MÉDIA RESOLUÇÃO ESPACIAL CAP QEM/CART ANTONIO HENRIQUE CORREIA

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

3 1. INTRODUÇÃO Î O espaço geográfico encontra-se em constante modificação Î As imagens geradas a partir de sensores orbitais, face as suas características técnicas, temporalidade e a suas potencialidades, são empregadas como ferramentas de apoio à cartografia Î OBJETIVO DO TRABALHO Apresentar uma metodologia de extração de informações utilizando-se imagens de satélite de média resolução espacial, no contexto da atualização sistemática de cartas topográficas na escala 1: , que envolve desde a conversão da base analógica até a obtenção de arquivos vetoriais atualizados e prontos para serem carregados em Sistemas de Informações Geográficas

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

5 2. FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA DIGITALIZAÇÃO MATRICIAL DOS ORIGINAIS CARTOGRÁFICOS GEORREFERENCIAMENTO DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS DIGITALIZAÇÃO VETORIAL DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS ATUALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS COM BASE NAS IMAGENS DE SATÉLITE PREPARAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS ATUALIZADOS PARA SIG EDIÇÃO VETORIAL

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

7 3. CONVERSÃO DIGITAL DIGITALIZAÇÃO MATRICIAL DOS ORIGINAIS CARTOGRÁFICOS Scanner para Originais Cartográficos GEORREFERENCIAMENTO DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS DIGITALIZAÇÃO VETORIAL DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS ATUALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS COM BASE NAS IMAGENS DE SATÉLITE PREPARAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS ATUALIZADOS PARA SIG EDIÇÃO VETORIAL ATRAVÉS DA TECNOLOGIA ORIENTADA A OBJETO Original Digitalizado

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

9 4. VETORIZAÇÃO É a fase da cartografia automatizada que se destina a transformar os originais cartográficos, obtidos pelo processo da cartografia convencional, em arquivos digitais que serão matéria prima para as outras fases da cartografia automatizada. Original Digitalizado Original Vetorizado

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

11 5. ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS Hidrografia DIGITALIZAÇÃO MATRICIAL DOS ORIGINAIS CARTOGRÁFICOS Planimetria GEORREFERENCIAMENTO DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS IMAGENS DE SATÉLITE TRABALHO DE CAMPO Altimetria DIGITALIZAÇÃO VETORIAL DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS ATUALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS COM BASE NAS IMAGENS DE SATÉLITE

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 5.1 PREPARO PARA A ATUALIZAÇÃO 5.2 ATUALIZAÇÃO DE LINHAS 5.3 ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS 5.4 TRABALHO DE CAMPO 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

13 5.1. PREPARO PARA A ATUALIZAÇÃO EM DISCO Arquivo Digitais da Vetorização NO ENVI PAN + MULTI Exportar TIFF ARMAZENAMENTO FUSÃO IHS GEORREFERENCIAMENTO NO I/RAS C Fusão Georreferenciada EM DISCO Cenas - bandas 10,20,30,40,50,70,80 PREPARO NO I/RAS C Fusão (TIFF) Salva Pontos Controle MOSAICO CRIAÇÃO DAS MOLDURAS NO MICROSTATION Fuso da cena NO MSPM Conversão de Fuso CORTE DAS FOLHAS REAMOSTRAGEM Reamostrar o corte da imagem fusionada para a resolução da imagem multiespectral ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS ATUALIZAÇÃO DE LINHAS SELEÇÃO DAS IMAGENS

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 5.1 PREPARO PARA A ATUALIZAÇÃO 5.2 ATUALIZAÇÃO DE LINHAS 5.3 ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS 5.4 TRABALHO DE CAMPO 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

15 5.2. ATUALIZAÇÃO DE LINHAS Î Atualização das feições lineares, através da interpretação visual da imagem fusionada pelo método IHS: Eliminação das feições que existiam na carta topográfica desatualizada e não estão mais presentes nas imagens de satélites, por exemplo, caminhos; Manutenção de feições que são relevantes para a área que está sendo atualizada, apesar de não ser identificada na imagem, por exemplo, estradas não asfaltadas; Alteração das feições que mudaram de categoria, conforme o que prescreve a TBCD, por exemplo, estrada não asfaltada que passou para asfaltada; Inserção das feições que não existiam na carta topográfica desatualizada e foram construídas posteriormente, por exemplo, uma estrada, aumento da zona urbana, etc; e Verificação e adequação da topologia das feições lineares atualizadas com as feições existentes nos arquivos digitais oriundos da vetorização (Sépia, Azul e Vermelho).

16 5.2. ATUALIZAÇÃO DE LINHAS (Eliminação) Caminhos antigos em cima de uma nova estrutura agrícola ANTES DEPOIS Curvas de nível que estão localizadas dentro de massas d água ANTES DEPOIS

17 5.2. ATUALIZAÇÃO DE LINHAS (Alteração) Estrada não pavimentada que passou para pavimentada ANTES DEPOIS Expansão de área urbana ANTES DEPOIS

18 5.2. ATUALIZAÇÃO DE LINHAS (Inserção) Arruamentos que são de fácil identificação na imagem ANTES DEPOIS Novas estradas construídas ANTES DEPOIS

19 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 5.1 PREPARO PARA A ATUALIZAÇÃO 5.2 ATUALIZAÇÃO DE LINHAS 5.3 ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS 5.4 TRABALHO DE CAMPO 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

20 5.3. ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS Î Atualização de áreas, através de técnicas de classificação digital supervisionada e interpretação visual de imagens: Discriminação de feições vegetais e massas d água, que podem ser identificadas na imagem, por exemplo, cultura e lagoa, respectivamente; Delimitação, manualmente, áreas que são de difícil discriminação por parte dos classificadores digitais de imagens, com por exemplo, área urbana; Eliminação de áreas que não possuam representativa cartográfica, de acordo com a escala de trabalho; Georreferenciamento das classificações; Mosaico das classificações; e Vetorização das áreas atualizadas para o formato vetorial, com as respectivas camadas, a fim de facilitar o trabalho de estruturação e validação desses arquivos.

21 5.3. ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS (SELEÇÃO DE AMOSTRAS) Î Seleção criteriosa das amostras (necessidade de experiência do operador) Î Padronização nas cores das classes (coerência no trabalho de revisão e ligação das feições) Î Classes de interesse (de acordo com Manual T da DSG): Massas d água (lagoas, represas, açudes, etc.); Terrenos sujeitos a inundação; Terreno exposto; Vegetação natural rasteira (campo, pastagem, etc.); Vegetação arbustiva (cerrado, caatinga, etc.); Vegetação arbórea (mata, bosque, etc.); Brejo ou pântano; Reflorestamento (pinus, eucalipto, etc.); Cultura permanente (café, laranja, etc.); e Cultura temporária (milho, trigo, etc).

22 5.3. ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS SELEÇÃO DAS AMOSTRAS BASEADO EM TÉCNICAS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA CLASSIFICAÇÃO FILTRAGEM BASEADO NOS PONTOS DE CONTROLE OBTIDOS SOBRE A IMAGEM FUSÃO SUAVIZAÇÃO DO RESULTADO DE CLASSIFICAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO CORTE DA CLASSIFICAÇÃO COMPROVAÇÃO DE CAMPO EDIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO VETORIZAÇÃO DAS CLASSES BASEADO NAS MOLDURAS CRIADAS NA FASE DE PREPARO

23 5.3. ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS (EDIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO) Î Essa edição tem por objetivo acertar eventuais erros cometidos pelo classificador, contemplando as seguintes etapas: Aplicação de máscaras geradas a partir de dados vetoriais ou matriciais (contorno de mancha urbana e feições geométricas, como é o caso dos pivôs irrigados); Eliminação de áreas que não são representadas na escala de trabalho (de acordo com o Manual T da DSG); Inserção de pequenas áreas que não foram discriminadas pelo classificador; e Redefinição de pixels que não foram atribuídos a sua verdadeira classe. Classificação sem área urbana Máscara da área urbana Classificação com área urbana

24 5.3 ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS (VETORIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO) ÎAo final da fase de edição da classificação, será realizada a vetorização das classes de interesse, que consiste na conversão das classes do formato matricial para o vetorial ÎO processo de atualização de áreas é finalizado com a conversão dos arquivos vetoriais do formato DXF para o formato DGN, alterando-se os atributos das feições existentes, conforme as categorias e os padrões gráficos do Manual Técnico T Classificação sem edição Classificação Editada Classe Vetorizada

25 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 5.1 PREPARO PARA A ATUALIZAÇÃO 5.2 ATUALIZAÇÃO DE LINHAS 5.3 ATUALIZAÇÃO DE ÁREAS 5.4 TRABALHO DE CAMPO 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

26 5.4. TRABALHO DE CAMPO Î Após a atualização de linhas e de áreas, o operador deve preparar os arquivos atualizados em gabinete para esclarecer, em campo, as dúvidas de interpretação, com relação à representação de certas texturas, formas e resposta espectral Î A confirmação de campo na atualização das cartas deve ser considerada tão importante quanto o trabalho de campo e a reambulação na cartografia convencional. Sendo suprimida, deve-se ter ciência de que o produto final gerado poderá conter incorreções de classificação e interpretação Î Concluída a fase de campo, com as dúvidas de interpretação sanadas, deve-se implementar as alterações nos arquivos vetoriais. Terminada esta etapa, os arquivos estão prontos para serem preparados para SIG

27 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

28 6. PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG DIGITALIZAÇÃO MATRICIAL DOS ORIGINAIS CARTOGRÁFICOS GEORREFERENCIAMENTO DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS DIGITALIZAÇÃO VETORIAL DOS ORIGINAIS DIGITALIZADOS Planimetria Hidrografia ATUALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS COM BASE NAS IMAGENS DE SATÉLITE PREPARAÇÃO DOS ARQUIVOS VETORIAIS ATUALIZADOS PARA SIG EDIÇÃO VETORIAL Altimetria Vegetação

29 6. PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 1) Suavização de linhas 2) Separação em 09 categorias original original 3) Simplificação da representação gráfica dos elementos espaciais 4) Definição da quebra de elementos gráficos em pontos de interseção 5) Eliminação de pontos e segmentos livres 6) Eliminação de pontos redundantes 7) Remoção de linhas duplicadas 8) Revisão e correção da toponímia preliminar 9) Geração dos contornos fechados (Shapes) corrigido corrigido corrigido

30 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

31 7. EDIÇÃO VETORIAL É a fase da cartografia automatizada que se destina a preparar os arquivos vetoriais atualizados para a impressão do produto final, por meio da padronização de símbolos e convenções cartográficas regulados pelo Manual T da DSG CARTA EDITADA

32 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 FASES DA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA 3 CONVERSÃO DIGITAL 4 VETORIZAÇÃO 5 ATUALIZAÇÃO POR IMAGENS 6 PREPARAÇÃO DE ARQUIVOS PARA SIG 7 EDIÇÃO VETORIAL 8 CONCLUSÕES

33 8. CONCLUSÕES Î Fase de Atualização de Linhas Fase mais crítica Necessita de Reambulação Î Fase de Atualização de Áreas Melhora significativa nos últimos anos, com a introdução de novas ferramentas, além do trabalho de campo Produz resultados mais confiáveis que a atualização de linhas Î As imagens Landsat 7 fusionadas, com 12,5 metros de resolução espacial, apresentam boas características para a extração de informações lineares, se adequando perfeitamente ao mapeamento na escala 1: Î A metodologia em questão vem sendo empregada no âmbito da DSG, produzindo bons resultados quando comparado com dados de campo

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 4 ATUALIZAÇÃO

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 4 ATUALIZAÇÃO UD 4 ATUALIZAÇÃO Quando se chega à decisão pela elaboração de um documento cartográfico, seja uma carta, um mapa ou um atlas, é porque a obra ainda não existe, ou existe e se encontra esgotada ou desatualizada

Leia mais

Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012

Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012 Ecologia de Paisagem Conceitos e métodos de pesquisa 2012 Bases de sensoriamento remoto Cálculo de métricas com Fragstats Leandro Reverberi Tambosi letambosi@yahoo.com.br Sensoriamento Remoto Conjunto

Leia mais

Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados

Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO (SER - 300) Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados Docente: Antonio Miguel Vieira Monteiro Discente: Andeise Cerqueira Dutra São José dos Campos Maio, 2017

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SIG FORMATOS DE REPRESENTAÇÃO DE DADOS FORMATO VETORIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SIG FORMATOS DE REPRESENTAÇÃO DE DADOS FORMATO VETORIAL FORMATO VETORIAL 1 FORMATO VETORIAL Formato que utiliza como primitivas Pontos, Linhas e Polígonos, baseadas em equações matemáticas para representar imagens na computação gráfica Primitivas: elementos

Leia mais

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Classificação dos filmes aerofotogramétricos Os filmes podem ser: preto e branco ou coloridos.

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

TRATAMENTO DOS DADOS DE SATÉLITES

TRATAMENTO DOS DADOS DE SATÉLITES TRATAMENTO DOS DADOS DE SATÉLITES Fonte de radiação SISTEMA DE COLETA Trajetória ria PRODUTOS INTERAÇÃO SISTEMA TRATAMENTO AÇÕES Produto final Tratamento de imagem Consiste em aplicar determinadas técnicas

Leia mais

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti José Alberto Quintanilha jaquinta@usp.br Mariana Giannotti mariana.giannotti@usp.br Estrutura da Aula Momento Satélite (Apresentação de um novo satélite a cada aula) O que é uma imagem de satélite? O histograma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS I (GEO 01007) AULA 8 ASSUNTO: ANÁLISE DE IMAGENS DE SATÉLITE Objetivos: I. Visualização e interpretação de imagens II. Geração de mapas temáticos com dados de interpretação

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo,

Leia mais

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Sistemas de Informações Geográficas Engenharia de Agrimensura e Cartográfica 7º Período Alunos: Valter Antônio da Silva Thomas Lucas Ricardo Professor: Ângelo

Leia mais

Processamento digital de imagens

Processamento digital de imagens Processamento digital de imagens 1. Empilhamento de bandas Durante o processamento de dados derivados do imageamento orbital é necessário, muitas vezes, unir em um único arquivo diferentes bandas ou canais

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Mapas e suas representações computacionais

Mapas e suas representações computacionais Mapas e suas representações computacionais Tipos de dados: diversos tipos de dados são utilizados em SIG e suas representações computacionais. Mapas temáticos Descrevem de forma qualitativa, a distribuição

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG

ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG Rafael Luís Silva (1) ; Dácio José Cambraia Filho (2), Gustavo Rodrigues Barbosa (3). (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DO SATELITE CBERS-4 E LINGUAGEM PYTHON PARA DETERMINAÇÃO DO ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI

UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DO SATELITE CBERS-4 E LINGUAGEM PYTHON PARA DETERMINAÇÃO DO ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DO SATELITE CBERS-4 E LINGUAGEM PYTHON PARA DETERMINAÇÃO DO ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI Phablo Costa da Nóbrega Benício 1, João Rodrigues Tavares Junior 2, Ana Lúcia Bezerra

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

ANÁLISE VISUAL DE IMAGENS ORBITAIS MULTIESPECTRAIS

ANÁLISE VISUAL DE IMAGENS ORBITAIS MULTIESPECTRAIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Mapas e suas representações computacionais

Mapas e suas representações computacionais Mapas e suas representações computacionais Atributos não espaciais É qualquer informação descritiva relacionada a um único objeto ou um conjunto deles. Os SIGs armazenam estes dados em um Sistema de

Leia mais

Disciplina Geoprocessamento Aplicadoao Planejamento

Disciplina Geoprocessamento Aplicadoao Planejamento Mestradoem Territorial e Desenvolvimento Sócio-Ambiental MPPT Disciplina Geoprocessamento Aplicadoao Prof a. MarianeAlvesDalSanto Prof. Francisco Henrique de Oliveira EMENTA Conceitos e fundamentos do

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EAM433 Cartografia Digital I

Programa Analítico de Disciplina EAM433 Cartografia Digital I 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Civil - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 3 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Fabricio Imamura Isabella Perri Brito Melissa Pegoraro Paola Martinelli AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE MANSO ATRAVÉS DO SENSORIAMENTO REMOTO

Leia mais

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Importância eliminação de distorções sistemáticas estudos multi-temporais integração de dados em SIG

Leia mais

QGIS. Recorte de Shapefile com as ferramentas Corte (Clip) e Diferença: uma abordagem sobre geometrias no QGIS TUTORIAL

QGIS. Recorte de Shapefile com as ferramentas Corte (Clip) e Diferença: uma abordagem sobre geometrias no QGIS TUTORIAL TUTORIAL Recorte de Shapefile com as ferramentas Corte (Clip) e Diferença: uma abordagem sobre geometrias no QGIS QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO

Leia mais

Sensoriamento Remoto II

Sensoriamento Remoto II Sensoriamento Remoto II 3. Fusão de imagens PC HIS BROVEY UFPR Departamento de Geomática Prof. Jorge Centeno 2016 copyright@ centenet Sensoriamento Remoto II Descrição da Ementa: Transformações espectrais:

Leia mais

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados SER300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem e Criação de Banco de Dados Jefferson Gonçalves de Souza Relatório da disciplina de Introdução ao Geoprocessamento (SER-300) do Programa de

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas

Sistemas de Informações Geográficas Sistemas de Informações Geográficas Aula 3 Assuntos: # Revisão em geodésia # Georreferenciamento # Representação do mundo real no computador # Formatos vetorial e matricial # Modelo conceitual de banco

Leia mais

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG)

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) Roberta Monique da Silva SANTOS, Engenheira Florestal 1 ; Lizit

Leia mais

Módulos do SPRING. - Módulos do SPRING. - Modelo de Dados do SPRING. - Procedimentos Iniciais

Módulos do SPRING. - Módulos do SPRING. - Modelo de Dados do SPRING. - Procedimentos Iniciais Módulos do SPRING - Módulos do SPRING - Modelo de Dados do SPRING - Procedimentos Iniciais MÓDULOS DO SPRING Impima - leitura e conversão de imagens Spring - entrada, análise e manipulação dos dados Scarta

Leia mais

Banco de Dados Geográficos

Banco de Dados Geográficos Banco de Dados Geográficos Valéria Gonçalves Soares Professora DIMAp/UFRN Conteúdo Bancos de Dados Geográficos 1. Conceitos e Definições Características Gerais 2. Modelos de Dados Geográficos Modelos de

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SPRING

CURSO BÁSICO DE SPRING UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ CURSO BÁSICO DE SPRING Peterson Ricardo Fiorio Roberto Carlos Filho Piracicaba Outubro/2015 Sumário 01. Criando um Banco de dados...

Leia mais

Mapeamento do uso do solo

Mapeamento do uso do solo Multidisciplinar Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais Allan Arnesen Frederico T. Genofre Marcelo Pedroso Curtarelli CAPÍTULO 4 Técnicas de classificação de imagens e processamento

Leia mais

URBISAmazônia ANEXO N. Convênio URBISAmazônia, Reg. FUNCATE nº: /11

URBISAmazônia ANEXO N. Convênio URBISAmazônia, Reg. FUNCATE nº: /11 URBISAmazônia ANEXO N Convênio URBISAmazônia, Reg. FUNCATE nº: 3.611.000.00/11 RELATÓRIO METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DE FEIÇÕES LINEARES: ESTUDO-TESTE PARA OS MUNICÍPIOS DE PARAUABEBAS E SANTARÉM ESTADO

Leia mais

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites.

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites. REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO Daniel C. Zanotta 09/03/2017 O que é Sensoriamento Remoto? Arte e ciência da obtenção de informações sobre um objeto, através de radiação eletromagnética, sem contato

Leia mais

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol A Agenda 21 Local é um processo participativo de consulta sobre os problemas ambientais,

Leia mais

1. PRODUTOS EM MÍDIA ANALÓGICA. Carta impressa em papel, por processo off set folha 20. Carta impressa em papel, por traçador gráfico folha 40

1. PRODUTOS EM MÍDIA ANALÓGICA. Carta impressa em papel, por processo off set folha 20. Carta impressa em papel, por traçador gráfico folha 40 TABELA DE PREÇOS 1. PRODUTOS EM MÍDIA ANALÓGICA ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR (x R$1,00) Carta impressa em papel, por processo off set folha 20 Carta impressa em papel, por traçador gráfico folha 40 Confecção

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Utilização de imagens do satélite CBERS-2 para atualização da base cartográfica de recursos hídricos do estado do Rio Grande do Norte.

Utilização de imagens do satélite CBERS-2 para atualização da base cartográfica de recursos hídricos do estado do Rio Grande do Norte. Utilização de imagens do satélite CBERS-2 para atualização da base cartográfica de recursos hídricos do estado do Rio Grande do Norte. Thiago Cabral de Azevedo AMBIPETRO Inteligência em Geonegócios Rua

Leia mais

PTR Geoprocessamento

PTR Geoprocessamento PTR 3311-12 Geoprocessamento Aula 1 Introdução: conceitos básicos e aplicações Março de 2017 PROF. JOSÉ ALBERTO QUINTANILHA PROFA. MARIANA A. GIANNOTTI 1. Programa da Disciplina 2. Conceitos básicos em

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

DIFERENTES TÉCNICAS DE CLASSIFICAÇÃO DIGITAL EM IMAGENS LANDSAT 8, PARA O MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS-SP

DIFERENTES TÉCNICAS DE CLASSIFICAÇÃO DIGITAL EM IMAGENS LANDSAT 8, PARA O MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS-SP DIFERENTES TÉCNICAS DE CLASSIFICAÇÃO DIGITAL EM IMAGENS LANDSAT 8, PARA O MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS-SP Temática: Cartografía y tecnologías de la información geográfica Cassiano

Leia mais

COHIDRO PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL

COHIDRO PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL AGEVAP ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL CONTRATO Nº 21/2012 PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL E PLANOS DE RECURSOS

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho 1 Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho A preservação da mata ciliar é importante para a manutenção do equilíbrio natural

Leia mais

Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015

Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015 Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015 Robson Vieira Coelho 1 (IC)*, Silvio Braz de Sousa 2 (PO) 1 - Bolsista de Iniciação

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Juliano Boeck Santos Osmar Delmanto Junior Célia Regina Lopes Zimback Ana Paula

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO. SER-300 Introdução ao Geoprocessamento. Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO. SER-300 Introdução ao Geoprocessamento. Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO SER-300 Introdução ao Geoprocessamento Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA INPE São José dos Campos 2014 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 2 2 DESENVOLVIMENTO...

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW 1 MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW Gilberto Pessanha Ribeiro, gilberto.pessanha@gmail.com Artur Willcox dos Santos, arturwillcox@gmail.com Ubiratan de Souza Dias

Leia mais

Mapas - Papel. Mapas - Papel. Coleta de informações sobre a distribuição geográfica.

Mapas - Papel. Mapas - Papel. Coleta de informações sobre a distribuição geográfica. Introdução Conceitos 1 2 GEORREFERENCIAMENTO Georreferenciar é delimitar e certificar que a área referida tem as características que estão sendo apresentados para o INCRA, órgão público que exige esse

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA

MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA Rafael Damiati Ferreira SER 300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem da Base de Dados Docentes: Dr.

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 7 Parte 1 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como se

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Um dos principais objetivos da cartografia é representar a Terra por meio de mapas e, para isso, a escala e os sistemas de coordenadas são elementos essenciais. A respeito desses

Leia mais

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ Resoluções das Imagens O termo resolução em sensoriamento remoto se desdobra na verdade em três diferentes (e independentes) parâmetros: resolução espacial, resoluçãoo espectral e resolução radiométrica

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 2 Recife, 2014 Imagens Orbitais no Estado de Pernambuco 2 Imagem Ikonos,

Leia mais

CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS. Sistema Cartográfico Nacional

CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS. Sistema Cartográfico Nacional CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS Sistema Cartográfico Nacional IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Mapeamento do território nacional a pequena

Leia mais

Aplicação da metodologia do projeto panamazônia no Pantanal, município de Barão de Melgaço, MT

Aplicação da metodologia do projeto panamazônia no Pantanal, município de Barão de Melgaço, MT Aplicação da metodologia do projeto panamazônia no Pantanal, município de Barão de Melgaço, MT Valdete Duarte 1 Paulo Roberto Martini 1 Yosio Edemir shimabukuro 1 Egidio Arai 1 1 Instituto Nacional de

Leia mais

Geoprocessamento GEOMÁTICA SIG SIG

Geoprocessamento GEOMÁTICA SIG SIG GEOMÁTICA Geomática - Ciência e tecnologia para obtenção, análise, interpretação, distribuição e uso da informação espacial. Abrangência: Geoprocessamento SIG Sensoriamento Remoto GPS Cartografia Automatizada

Leia mais

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ Eduardo Tinoz do Santos

Leia mais

Alfredo Borges de Campos 1 Maria Gonçalves da Silva Barbalho 2 Simone de Almeida Jácomo 3.

Alfredo Borges de Campos 1 Maria Gonçalves da Silva Barbalho 2 Simone de Almeida Jácomo 3. Identificação de Níveis de Terraços em Imagem LANDSAT7-TM através do Emprego de Técnicas de Processamento Digital Alfredo Borges de Campos 1 Maria Gonçalves da Silva Barbalho 2 Simone de Almeida Jácomo

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Relatório de avaliação da qualidade da Cartografia do núcleo urbano das Termas do Cró 2ª verificação. Concelho do Sabugal

Relatório de avaliação da qualidade da Cartografia do núcleo urbano das Termas do Cró 2ª verificação. Concelho do Sabugal Relatório de avaliação da qualidade da Cartografia do núcleo urbano das Termas do Cró 2ª verificação Concelho do Sabugal Escala 1:2 000 Março de 2016 ÍNDICE Página 1 - INTRODUÇÃO 3 2 - CONFORMIDADE DOS

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais

3 Interpretação de imagens de satélite

3 Interpretação de imagens de satélite 23 3 Interpretação de imagens de satélite As imagens de satélite, para gerar informações úteis para a compreensão do espaço geográfico, necessitam ser interpretadas de acordo com diferentes técnicas. A

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Aerotriangulação Digital

Aerotriangulação Digital Aerotriangulação Digital Aerotriangulação é a densificação de Pontos de Controle utilizados na correlação entre as imagens aéreas e o Sistema de Coordenadas do mapeamento, partindo de poucos pontos de

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009.

Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009. Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009. PARA OS MAPAS DOS IMÓVEIS NOS PROCESSOS DE SISLEG A Diretora de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP, do Instituto Ambiental do Paraná

Leia mais

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e 2010. DOMINIQUE PIRES SILVA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: nique_rhcp@hotmail.com

Leia mais

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Mapeamento Costeiro Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO Mosar Faria Botelho PONTOS DE APOIO Objetiva relacionar os objetos contidos na foto aérea com os objetos contidos no terreno. MÉTODOS DE POSICIONAMENTO POR GPS Modo Ponto

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BD convencional Repositório de fatos do mundo real que possuem atributos

Leia mais

António Costa. Paulo Roma Cavalcanti

António Costa. Paulo Roma Cavalcanti Introdução à Computação Gráfica Preâmbulo Adaptação: Autoria: João Paulo Pereira António Costa Claudio Esperança Paulo Roma Cavalcanti Computação Gráfica Modelos Matemáticos Análise (reconhecimento de

Leia mais

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Construção do Mapa de Solos do Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Use of GIS

Leia mais

Extração de reflectância de superfície de imagens Landsat de forma automática

Extração de reflectância de superfície de imagens Landsat de forma automática Extração de reflectância de superfície de imagens Landsat de forma automática Hugo Fagundes Endereço: https://www.ufrgs.br/hge/equipe/mestrandos/hugo-de-oliveira-fagundes/ Porto Alegre, setembro de 2017.

Leia mais

Padrões Dados Geoespaciais na INDE

Padrões Dados Geoespaciais na INDE EXÉRCITO BRASILEIRO Diretoria de Serviço Geográfico DSG Padrões Dados Geoespaciais na INDE Apresentação : Cel Omar A. Lunardi Eng.cart.omar@gmail.com Comissão Nacional de Cartografia Diretoria de Serviço

Leia mais

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO.

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO. TERMO DE REFERENCIA SERVIÇO DE GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO (MDT) DA BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUSSU NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO A. BACKGROUND A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins

Leia mais

A Fotogrametria Digital

A Fotogrametria Digital A Fotogrametria Digital Fotogrametria Digital O que é a fotogrametria Digital? A Fotogrametria Digital é a parte da fotogrametria que trata dos aspectos geométricos do uso de fotografias, com a finalidade

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS.

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS. TUTORIAL Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido

Leia mais

APLICAÇÃO DA GEOTECNOLOGIA NO ESTUDO DA PRESERVAÇÃO/SUPRESSÃO DA MATA CILIAR NA BACIA DO RIO RIACHÃO/MG

APLICAÇÃO DA GEOTECNOLOGIA NO ESTUDO DA PRESERVAÇÃO/SUPRESSÃO DA MATA CILIAR NA BACIA DO RIO RIACHÃO/MG APLICAÇÃO DA GEOTECNOLOGIA NO ESTUDO DA PRESERVAÇÃO/SUPRESSÃO DA MATA CILIAR NA BACIA DO RIO RIACHÃO/MG GABRIEL ALVES VELOSO MARCOS ESDRAS LEITE JEFFERSON WILLIAN LOPES ALMEIDA LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica - Aula 1 (atualizada em 21/10/2015) glaucius@pelotas.ifsul.edu.br Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica Conceito É a área da Ciência da Computação que estuda a geração,

Leia mais

Estruturas de Dados Espaciais: Vetorial X Raster

Estruturas de Dados Espaciais: Vetorial X Raster Geoprocessamento Estruturas de Dados Espaciais: Vetorial X Raster Os slides desta apresentação foram elaborados pelo Eng. Agr. M.Sc. Pedro Otávio Felipe e Eng. Agr. M.Sc. Junior Girotto, quando alunos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Ciências e Tecnologia Campus de Presidente Prudente

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Ciências e Tecnologia Campus de Presidente Prudente UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Ciências e Tecnologia Campus de Presidente Prudente Minicurso de SPRING 5.2 https://sites.google.com/site/arletemeneguettepdf/spring Profa. Adj. Arlete Meneguette

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS

CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS CLASSIFICAÇÃO DIGITAL DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL DE ZONA COSTEIRA EM ARARUAMA (RJ) A PARTIR DE IMAGENS SENSORIAIS GUSTAVO JOSÉ DE AZEVEDO GELELETE GILBERTO PESSANHA RIBEIRO Universidade do Estado

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Geoprocessamento e Tecnologia da Informação Ambiental -

Leia mais

INSTRUÇÕES AO TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA

INSTRUÇÕES AO TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL Sensoriamento Remoto INSTRUÇÕES AO TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA Prof.: André Pires Negrão PASSO 1 Estabelecer

Leia mais

~J',164x" Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA

~J',164x Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA .-...--~'" ) ~J',164x" Marcelo Guimarães Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, para a obtenção de

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 25 14/05/2013. Interpretação de imagens de detecção remota Índices de vegetação

Geomática e SIGDR aula teórica 25 14/05/2013. Interpretação de imagens de detecção remota Índices de vegetação Geomática e SIGDR aula teórica 25 14/05/2013 Interpretação de imagens de detecção remota Índices de vegetação Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2012-2013 14/05/2013 1 / 18

Leia mais

Auxílio Estudantil Fase de análise

Auxílio Estudantil Fase de análise UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ASSESSORIA DE AUXÍLIO ESTUDANTIL PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Auxílio Estudantil Fase de análise

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO URBANO POR MEIO DO PROCESSAMENTO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL

MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO URBANO POR MEIO DO PROCESSAMENTO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO URBANO POR MEIO DO PROCESSAMENTO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL Alzir Felippe Buffara Antunes Universidade Federal do Paraná. felipe@ufpr.br Maria Cecilia Bonato Brandalize

Leia mais