MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS BRENO FURTADO LIMA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 1 Bolsista de iniciação científica FAPEMIG do curso de Geografia Unifal-MG 2 Professor do curso de Geografia Unifal-MG Palavras-chave: Mapeamento urbano, expansão urbana, geoprocessamento, sensoriamento remoto. Introdução O município de Alfenas apresentou um crescimento muito grande em sua área urbana do ano de 1987 para o ano de Realidade que pode ser constatada previamente a partir da observação de material cartográfico do município da década de 70 e nas imagens de satélite do período de 1987 e Portanto, verifica-se a necessidade de analisar e quantificar este crescimento, mapeando as áreas de expansão e identificando os principais vetores de crescimento. Assim como, identificar e classificar o uso do solo urbano, mapeando as classes residencial, comercial, industrial, para que assim se possa concluir em que sentido foi esse crescimento, se ele ocorreu de forma ordenada ou se foi de forma desordenada e analisar a ocorrência ou não de problemas para a região devido à expansão urbana. Fundamentação Teórica As imagens de satélite como ferramenta para monitoramento do uso do solo mostram-se como uma alternativa viável e de custo relativamente baixo. Os sensores dos satélites são capazes de captar as imagens da Terra, sem a necessidade de programação prévia, abrangendo extensas áreas e fornecendo informações atualizadas, que são extraídas através de técnicas de análise visual e de processamento digital das imagens (IWAI, 2004). Durante os últimos 40 anos, pesquisas, estudos e outros projetos têm mostrado, com sucesso, que dados de sensores remotos são úteis para o mapeamento e inventário do uso e cobertura da terra. Esses levantamentos têm contribuído para a confiança de 1

2 que pesquisas sobre o uso e cobertura da terra de áreas maiores são possíveis por meio de dados de sensores remotos. (ANDERSON, 1976 p. 5). Metodologia Denomina- se Processamento Digital de Imagens PDI ao conjunto de técnicas para manipulação de imagens digitais no sentido de facilitar a extração de informações. (IBGE, 2001). Foram realizados procedimentos de processamento digital e interpretação visual de imagens. Os procedimentos de processamento realizados incluíram as fases de pré-processamento e realce. Já a interpretação foi realizada visualmente, por meio das chaves de interpretação, utilizando o software IDRISI. As técnicas de pré-processamento utilizadas foram o recorte da imagem, a correção geométrica e a análise do histograma para efetuar o aumento de contraste e em seguida, a geração de composições coloridas. A interpretação visual dos dados de uso da terra é importante na definição de chaves de interpretação que caracterizam os diferentes usos a serem levantados. As chaves de interpretação são descrições da imagem definida pela interação de vários elementos de reconhecimento: tonalidade, cor, tamanho, forma, textura, padrão, altura, sombreamento, localização e contexto (IWAI, 2004). Dados do dos censos de 1980, 1991 e 2000 e a estimativa populacional de 2008 realizados pelo IBGE foram considerados. Resultados Finais A figura 1 representa a expansão urbana do município de Alfenas entre os anos de 1987 e A área mais escura do mapa representa a área urbana no ano de 1987 e a parte em tons de cinza representa as áreas de expansão urbana. As áreas de expansão estão em tons de cinza para que possa ser realizada a identificação das classes de uso e ocupação do solo urbano nestas áreas de expansão no período estudado. 2

3 Figura 2: Mapa da expansão urbana de Alfenas/MG no período: Fonte: INPE 2008 VISTA GRANDE DISTRITO INDUSTRIAL PINHEIRINHO JARDIM AEROPORTO VILA FORMOSA VILA TEIXEIRA Figura 2: Mapa de Uso do Solo Urbano de Alfenas em Fonte: INPE

4 A figura 2 mostra as classes de uso solo de Alfenas em Assim é possível identificar quais são os usos das áreas de expansão. Ao norte, no Jd. Vista Grande observamos áreas residenciais de baixo padrão. À oeste de Alfenas temos usos residenciais de médio e alto padrão e áreas industriais. Já ao sul temos áreas residenciais de alto padrão, como na Vila Teixeira. A figura 3 mostra o crescimento populacional de Alfenas entre 1980 e 2008 com base dos censos demográficos e estimativas populacionais do IBGE. Crescimento Populacional de Alfenas entre 1980 e Figura 3: Crescimento populacional de Alfenas entre 1980 e 2008 Fonte: IBGE 2010 (Censos de 1980, 1991 e 2000 e estimativa populacional de 2008) Nesses 28 anos Alfenas teve um crescimento populacional de aproximadamente 95%, sendo que o maior crescimento observado foi de 37,7% entre 1980 e Deste modo, os dados demográficos do IBGE reforçam os resultados obtidos pelo mapeamento realizado nesta pesquisa. Conclusões Com base nas informações adquiridas na realização deste projeto, nos mapas confeccionados e na análise temporal de 1987 a 2008, fica claro que a expansão urbana do município de Alfenas se deu de após a instalação do Distrito Industrial. Com sua instalação, as fábricas, as empresas que para Alfenas vieram, chamaram a atenção de populações vizinhas que migraram para Alfenas no intuito de conseguir emprego nas 4

5 empresas. Essa população acabou aumentando áreas residenciais de baixo e alto padrão principalmente. Este projeto junto ao Plano Diretor municipal pode ser utilizado para uma análise do crescimento urbano de Alfenas nos últimos anos e ser base para uma futura proposta de Planejamento Urbano e Ambiental. E a partir desta proposta, a Gestão Urbana é que tomará as decisões sobre o futuro municipal, baseado no Planejamento e em conformidade com as decisões da população, já que esta deve ser a maior beneficiada com o planejamento. Bibliografia ANDERSON, J. R. et al. A Land Use And Land Cover Classification System For Use With Remote Sensor Data. Washington, CRÓSTA, A. P Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto. Campinas, Instituto de Geociências da Universidade de Campinas, 170p. IBGE (Brasil). Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico. <http://www.ibge.gov.br>, Acessado dia 30/10/2008. IBGE, Introdução ao Processamento Digital de Imagens. geociênciais, Rio de Janeiro, n. 9, p Manual técnico em INPE (Brasil). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. <http://www.inpe.br>, Acessado dia 15/09/2008. IWAI, Olga Kazuko. Mapeamento do uso do solo urbano do município de São Bernardo do Campo, através de imagens de satélites. São Paulo, p. Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 5

DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI.

DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI. DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI. CHRISTIANY MATTIOLI SARMIENTO 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 chrislavras@yahoo.com.br, rubiagm@gmail.com 1 Discente do curso de Geografia

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ Metodologia De Interpretação Visual Da Banda 6 (Infra Vermelha Termal) Das Imagens Do Satélite Landsat 7 Para Identificação Das Dinamicas De Chuvas De Verão Em Duque De Caxias - RJ Wilson Leal Boiça Wilson

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO 970 GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO 80 HORAS (40h teóricas e 40h práticas) 4º QUARTA-FEIRA 19:00-20:40 e 20:50 22:30

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

Cartografia Digital e Geoprocessamento

Cartografia Digital e Geoprocessamento Cartografia Digital e Geoprocessamento Processo/ Fenômeno Dado Espacial/ Geodado Espaço Geográfico Redução de Dimensionalidade Espaço (Representado) Mapas Representações Computacionais De ALGUMAS Dimensões

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG 151 Introdução ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG Viviane Valéria Silva¹, Laura Rafaele S. Silva 1, Júlio Cezar Costa¹, Bruna Cardoso de Faria¹,

Leia mais

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais.

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. GEOPROCESSAMENTO O QUE É SIG? Sistema de Informações Geográficas Sistema de informações

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Apresentação da disciplina Prof. Luiz Henrique S. Rotta POR QUE UTILIZAR GEOPROCESSAMENTO? A informação ambiental é espacial por natureza. O padrão de distribuição: de um poluente sobre

Leia mais

Metodologias de identificação e caracterização de assentamentos precários

Metodologias de identificação e caracterização de assentamentos precários Metodologias de identificação e caracterização de assentamentos precários Eduardo Marques CEM e DCP/USP www.centrodametropole.org.br São várias as alternativas de método desenvolvidas recentemente para

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BD convencional Repositório de fatos do mundo real que possuem atributos

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas

Sistemas de Informações Geográficas Sistemas de Informações Geográficas Aula 2 Assuntos: # Revisão em estatística # Revisão em informática # Revisão em sensoriamento remoto # # Histórico do SIG Geotecnologias Sensoriamento Remoto Geoprocessamento

Leia mais

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Humberto Mesquita Chefe do Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Introdução Objetivos do Projeto de Monitoramento do Desmatamento

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de MNT Num passado não muito distante: Digitalizava-se as curvas de nível para então gerar imagem sintética

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - POSGRAP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - NPGEO 30 ANOS DE CONTRIBUIÇÃO À GEOGRAFIA São Cristóvão, 29 e 30 de Agosto

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

INPE/OBT. Monitoramento de Floresta Amazônica por Satélite PRODES

INPE/OBT. Monitoramento de Floresta Amazônica por Satélite PRODES INPE/OBT Monitoramento de Floresta Amazônica por Satélite PRODES PRODES - Monitoramento do desmatamento das formações florestais na Amazônia Legal Levantamento sistemático feito desde 1988 Estima a taxa

Leia mais

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Geoprocessamento e Tecnologia da Informação Ambiental -

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 193 Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica Engenheiro Agrimensor

Leia mais

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo,

Leia mais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Seminário Nacional com as Instituições Responsáveis por Limites Político-Administrativos Brasília - DF, 1 de Julho de 2008 Sumário Gestão Pública e

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) PLANO DE AULA I. I. Plano

Leia mais

USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA USO E COBERTURA DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA Alexandre C. Coutinho Embrapa Informática Agropecuária Workshop: Geointeligência em Agricultura e Meio Ambiente MundoGEO#Connect 2014 08 de maio de 2014

Leia mais

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Discente: Carlos Antonio da Silva Junior Engenheiro-Agrônomo Docentes: Dr. Antonio Miguel Vieira Monteiro Dr. Claudio Barbosa São José dos Campos

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA - 2011 REVISÃO DE CONTEÚDO Prof. Marckleuber -Diferença: Imagem de satélite X fotografia aérea -Satélite X Sensor X Radar

Leia mais

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO 182 CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO Neste trabalho foi proposta uma metodologia para a automação da resseção espacial de imagens digitais baseada no uso hipóteses

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DIFERENTES NÍVEIS DE REALISMO DERIVADOS DE IMAGEM DE SATÉLITE NA REALIDADE VIRTUAL Juliana Moulin Fosse - jumoulin@ufpr.br Mosar

Leia mais

- Banco de Dados Inglês Técnico 40

- Banco de Dados Inglês Técnico 40 Curso Técnico Subsequente em Meteorologia CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR 1 o Semestre Carga horária total: 400h Unidade Curricular C/H Semestral PréRequisito Meteorologia Fundamental 60 Física

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

9º Encontro Técnico DER-PR

9º Encontro Técnico DER-PR Técnicas de Sensoriamento Remoto aplicadas a rodovias. 9º Encontro Técnico DER-PR Sensoriamento Remoto É definido como, o conjunto de técnicas e equipamentos, utilizados para obter informações sobre um

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. CRÉDITOS Obrigatórios: 254 Optativos: 16.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. CRÉDITOS Obrigatórios: 254 Optativos: 16. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:19:05 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI.

¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI. Evolução Multitemporal do Uso e Cobertura do Solo no Município de Baixa Grande do Ribeiro PI Hernandes Brito Costa¹, Felipe Ramos Dantas¹, Adriel Rodrigues do Sousa¹ ¹ Graduandos em Geoprocessamento IFPI.

Leia mais

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG)

ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) ANÁLISE DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE A COBERTURA VEGETAL DA ÁREA VERDE DO CAMPUS DA UFAM UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) Roberta Monique da Silva SANTOS, Engenheira Florestal 1 ; Lizit

Leia mais

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES Renata Maciel Ribeiro Contextualização do Problema O estado do Pará é um dos estados mais populosos da região norte e o segundo

Leia mais

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal Análise de imagens processadas pelo sistema DETEX e PRODES para detecção de desmatamento e da intervenção seletiva nas Unidades de Manejo

Leia mais

Horários das linhas 4:50 5:15 5:45-6:35-7:35-8:35-9:35-10:35-11:35-12:35-13:35-14:35-15:35 16:35-17:35-18:35-19:35-20:35-21:35-22:35-23:30

Horários das linhas 4:50 5:15 5:45-6:35-7:35-8:35-9:35-10:35-11:35-12:35-13:35-14:35-15:35 16:35-17:35-18:35-19:35-20:35-21:35-22:35-23:30 Horários das linhas LINHA JARDIM BOA ESPERANÇA Rodoviária para Jardim Boa Esperança: 4:50 5:15 5:45-6:35-7:35-8:35-9:35-10:35-11:35-12:35-13:35-14:35-15:35 16:35-17:35-18:35-19:35-20:35-21:35-22:35-23:30

Leia mais

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil)

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Carla Bernadete Madureira Cruz Simone R. Freitas Vinicius Seabra Rafael Barros Departamento de. Geografia Universidade

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

Bacharelado em Ciências Matemáticas e da Terra. Anexo B. Habilitações. Habilitação: Analista de Suporte à Decisão... B-2

Bacharelado em Ciências Matemáticas e da Terra. Anexo B. Habilitações. Habilitação: Analista de Suporte à Decisão... B-2 UFRJ Bacharelado em Ciências Matemáticas e da Terra Anexo B Habilitações Habilitação: Analista de Suporte à Decisão... B-2 Habilitação: Ciências da Terra e Patrimônio Natural... B-5 Habilitação: Sensoriamento

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Humanas / Geografía Professor(a): MARCO POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1ª 02 COMPETÊNCIA GERAL:

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa 110 ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Moisés Ferreira Costa moises@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 111 Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica Engenheiro

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES

IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES RAFAEL COLL DELGADO 1 ; GILBERTO CHOHAKU SEDIYAMA 2 ; EVALDO DE PAIVA LIMA 3, RICARDO GUIMARÃES ANDRADE 4

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento UFBA Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento IPF Institut für Photogrammetrie und Fernerkundung Mauro Alixandrini Universität Karlsruhe (TH) www.kit.edu 04.08 Noções de Sensoriamento Remoto Aula 2 Comportamento

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA ALAN B. A. BISSO¹, CAMILA B. CARPENEDO², ELIANA L. DA FONSECA³, FRANCISCO E. AQUINO 4 1 Geógrafo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL ANÁLISE TEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL E DO SOLO DA ÁREA DO ECOMUSEU DO CERRADO (GOIÁS) ATRAVÉS DE IMAGENS MODIS E CBERS

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG)

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) LYNEKER PEREIRA DA SILVEIRA¹ e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO² Palavras chaves: Sensoriamento Remoto; Café; Cana-de-açúcar;

Leia mais

Noções de Amostragem

Noções de Amostragem Noções de Amostragem AMOSTRAGEM Amostragem: é a área da estatística que estuda técnicas e procedimentos para retirar e analisar uma amostra com o objetivo de fazer inferência a respeito da população de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Liliany

Leia mais

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados

SER300 Introdução ao Geoprocessamento. Laboratório 1. Modelagem e Criação de Banco de Dados SER300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem e Criação de Banco de Dados Jefferson Gonçalves de Souza Relatório da disciplina de Introdução ao Geoprocessamento (SER-300) do Programa de

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2007. A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA

10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA 10ª ELEITA A STARTUP MAIS ATRAENTE DO MERCADO LISTA COMPLETA Segundo a EMBRAPA, a agropecuária brasileira construiu uma história de sucesso nos últimos 40 anos. Até os anos 1970, o crescimento da agropecuária

Leia mais

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS.

TUTORIAL. Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS. TUTORIAL Imagens CBERS-4 5m: conheça este sensor e aprenda a realizar o download dessas imagens no site do INPE QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

Manual Técnico de Pedologia

Manual Técnico de Pedologia Manual Técnico de Pedologia 3 a Edição - 2015 Equipe de Pedologia - Fundação IBGE Gerencia de Levantamento de Recursos Naturais Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais Diretoria de Geociências

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Hawick Arnaud do Nascimento Lopes Universidade Federal da Paraíba hawickarnaud@hotmail.com Rafael de Mendonça Arruda Prefeitura Municipal de Sapé rafaelmend@ymail.com ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS

Leia mais

Realce de Imagens. Realce de Imagens

Realce de Imagens. Realce de Imagens T Objetivo: Melhorar a qualidade visual da imagem. g 1 g 2 Contraste entre dois objetos pode ser definido como a diferença entre os níveis de cinza médios dos objetos. Observando as imagens g 1 e g 2 é

Leia mais

Técnicas de interpretação de espectros de reflectância. Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Técnicas de interpretação de espectros de reflectância. Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Técnicas de interpretação de espectros de reflectância Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Análise estatística entre dados espectrais Em estudos

Leia mais

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL)

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) Cláudio Henrique Reis Departamento

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos VISÃO COMPUTACIONAL Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com São Paulo SP, Agosto/2013 INTRODUÇÃO Processamento de imagens é um processo onde a entrada do sistema é uma imagem e a saída é

Leia mais

2 Trabalhos Anteriores

2 Trabalhos Anteriores 2 Trabalhos Anteriores Este capítulo apresenta algumas aplicações recentes do mapeamento temático de uso e cobertura do solo e alguns dos principais trabalhos anteriores abordando metodologias de interpretação

Leia mais

AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO :Autoras: Marina Sória Castellano nina_soria@yahoo.com.br Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br

Leia mais

PMI Pesquisa do Mercado Imobiliário - RMSP

PMI Pesquisa do Mercado Imobiliário - RMSP PMI Pesquisa do Mercado Imobiliário - RMSP Fevereiro 2016 A Pesquisa do Mercado Imobiliário (PMI) é realizada mensalmente pelo departamento de economia e estatística do Secovi-SP com o objetivo de analisar

Leia mais

7. Color Image Processing

7. Color Image Processing Transformação de níveis de cinza para cor a idéia por trás desta técnica é executar 3 transformações independentes sobre níveis de cinza dos pixels de uma imagem de entrada. Cada cor é transformada independentemente

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais

INTRODUçÃO ÀS. UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota

INTRODUçÃO ÀS. UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota INTRODUçÃO ÀS UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota Raquel Diogo, 38961 2011/2012 O que é o RGB? RGB abreviatura do sistema de cores aditivas: vermelho, r, verde, g e azul, b. As

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA DAS COORDENADAS OBTIDAS NO GOOGLE EARTH PARA O MUNICÍPIO DE INCONFIDENTES - MG

AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA DAS COORDENADAS OBTIDAS NO GOOGLE EARTH PARA O MUNICÍPIO DE INCONFIDENTES - MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA DAS COORDENADAS OBTIDAS NO GOOGLE EARTH PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À OCORRÊNCIA DA LEISHMANIOSE VISCERAL NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE/MS

FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À OCORRÊNCIA DA LEISHMANIOSE VISCERAL NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE/MS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À OCORRÊNCIA DA LEISHMANIOSE VISCERAL NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE/MS Ana Paula Silva Teles Engenheira Sanita r ista e Ambiental M estre em Ciências Ambienta

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA DOS CURSOS DE ENGENHARIA NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARACAJU 2012 NÚCLEO

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Nota metodológica sobre o cálculo de indicadores demográficos do Brasil Apesar dos avanços na qualidade das estatísticas vitais no Brasil, eles ocorreram de forma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG)

UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) 1. INTRODUÇÃO Desde os primórdios, a informação sempre foi algo de grande

Leia mais

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista

Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Correção geométrica de imagens de sensoriamento remoto REGISTRO Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Importância eliminação de distorções sistemáticas estudos multi-temporais integração de dados em SIG

Leia mais

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Construção do Mapa de Solos do Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Use of GIS

Leia mais

SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 1 - Introdução. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 1 - Introdução. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens Aula 1 - Introdução Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP PROCESSAMENTO DE IMAGENS O QUE É? Processar uma imagem significa

Leia mais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais 1 Introdução A Estatística Espacial é uma área da Estatística relativamente recente, que engloba o estudo dos fenômenos em que a

Leia mais

SOFTWARES LIVRES E PLANEJAMENTO URBANO: ESTUDO E APLICAÇÃO DE UMA PLATAFORMA WEB GIS NO MUNICÍPIO DE ALFENAS

SOFTWARES LIVRES E PLANEJAMENTO URBANO: ESTUDO E APLICAÇÃO DE UMA PLATAFORMA WEB GIS NO MUNICÍPIO DE ALFENAS SOFTWARES LIVRES E PLANEJAMENTO URBANO: ESTUDO E APLICAÇÃO DE UMA PLATAFORMA WEB GIS NO MUNICÍPIO DE ALFENAS Isabela Santos 1 Cezar Bononi ² INTRODUÇÃO A necessidade do mapeamento para entender os processos

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

6º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica - CIIC a 15 de agosto de 2012 Jaguariúna, SP

6º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica - CIIC a 15 de agosto de 2012 Jaguariúna, SP METODOLOGIA PARA A ATUALIZAÇÃO DA REDE DE DRENAGENS DA BACIA DO RIO APA, MS ANA CLÁUDIA O. SENTURIÃO 1 ; JÚLIO CÉSAR D. M. ESQUERDO 2 Nº 12615 RESUMO No âmbito do Projeto GeoMS, executado pela Embrapa

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica - Aula 1 (atualizada em 21/10/2015) glaucius@pelotas.ifsul.edu.br Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica Conceito É a área da Ciência da Computação que estuda a geração,

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS.

NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS. NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO A DISTÂNCIA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS UTILIZANDO O SPRING E IMAGENS CBERS http://www.dpi.inpe.br/ead/intro_sr Utilizam-se softwares e imagens disponíveis na rede, com acesso

Leia mais

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. Retrato da Leitura no Brasil

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. Retrato da Leitura no Brasil Retrato da Leitura no Brasil 1549 1 l Introdução: Metodologia 1549 2 Objetivo DESCRIÇÃO DO DO PROJETO Principal: Identificar a penetração da leitura de livros no Brasil e o acesso a livros Secundários:

Leia mais

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Taiana Evangelista dos Reis, Mestranda em Geografia, Universidade

Leia mais

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Brasília, 2014 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem

Leia mais

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS EMENTAS Níveis Básico e Avançado CURSOS DE GEOPROCESSAMENTO COM O SOFTWARE LIVRE QGIS O QGIS é um dos mais robustos softwares gratuitos para Sistemas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de 14- Simbolização Cartográfica Manifestações Ordenadas Além das manifestações qualitativas, Símbolos Cartográficos Ordenados quantitativas e dinâmicas, alguns fenômenos espaciais, como os fatores climáticos

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA Cristina HENRIQUES Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Universidade

Leia mais