PROJETO BÁSICO UF: CEP: MG E.A.: Prefeito CONTA CORRENTE: BANCO: AGÊNCIA: PRAÇA DE PAGAMENTO: Extrema NOME DO RESPONSÁVEL:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO BÁSICO UF: CEP: MG 37.640-000. E.A.: Prefeito CONTA CORRENTE: BANCO: AGÊNCIA: PRAÇA DE PAGAMENTO: Extrema NOME DO RESPONSÁVEL:"

Transcrição

1 1 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Título do projeto. PROJETO CONSERVADOR DAS ÁGUAS - PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DE SOLO NA MICRO-BACIA DO RIBEIRÃO DO SALTO NO MUNICÍPIO DE EXTREMA/MG AFLUENTE DO RIO PIRACICABA BACIA PCJ Proponente. ÓRGÃO/ENTIDADE PROPONENTE: Prefeitura Municipal de Extrema MG CNPJ: / ENDEREÇO: Avenida Waldemar Gomes Pinto nº CIDADE: Extrema UF: CEP: MG DDD/TELEFONE: (35) E.A.: Prefeito CONTA CORRENTE: BANCO: AGÊNCIA: PRAÇA DE PAGAMENTO: Extrema NOME DO RESPONSÁVEL: CPF: Prefeito Dr. Luiz Carlos Bergamin R.G./ÓRGÃO EXPEDIDOR: CARGO: FUNÇÃO: MATRÍCULA: SSP SP Prefeito Prefeito ENDEREÇO: CEP: Avenida Waldemar Gomes Pinto nº RESPONSÁVEL PELA INSTITUIÇÃO EXECUTORA: Paulo Henrique Pereira DDD/TELEFONE: (35) RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO: Engenheiro Paulo César de Freitas CREA: / D 1.3. Concedente. ÓRGÃO/ENTIDADE: Agência Nacional de Águas - ANA CNPJ: E.A.: NOME DO RESPONSÁVEL: FUNÇÃO: CPF: CI/ÓRGÃO EXPEDIDOR: CARGO: MATRÍCULA: ENDEREÇO: CIDADE: Brasilia CEP:

2 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS E JUSTIFICATIVAS. A degradação do solo, da água e da floresta é um problema ambiental muito crítico que o Brasil está enfrentando atualmente, refletindo-se diretamente nos segmentos da segurança, do econômico, do social e do político. As soluções destes problemas, como vêm sendo demonstradas, são tecnicamente possíveis, mas os efeitos destas degradações muitas vezes persistem ou se estabelecem novamente devido à falta de consciência e educação ambiental. Na Sub-bacia do Salto um grande volume de água deixa de infiltrar naturalmente nos solos em decorrência da redução da cobertura vegetal e do uso incorreto do solo. O déficit hídrico, aliado à ampliação das demandas de consumo de água, pode provocar um colapso no abastecimento. Outro aspecto é que os sedimentos provenientes da erosão podem ser carregados para corpos de água superficiais, provocando o assoreamento de várzeas, de rios, de lagos e reservatórios. Estes aspectos diminuem a disponibilidade de água para o ecossistema e para o consumo humano. O primeiro passo para a solução do problema, seria a aplicação de um diagnóstico participativo, seguido da implantação de um programa de conscientização e educação ambiental, cujo tema central poderia ser a implantação de práticas conservacionistas em Sub bacias visando à estabilização da erosão hídrica, recarga de água e a biodiversidade local. A partir de este tema construir uma consciência dos danos causados pela degradação do solo, água e floresta, particularmente os que se apresentam na região em questão. Como a implantação desse programa possui caráter permanente, a continuidade das ações, seria conduzida pelos produtores de água certificados e organizações locais que forem capacitadas e articuladas para esse fim com apoio técnico das instituições parceiras. 3. IDENTIFICAÇÃO DO OBJETIVO. Os objetivos deste projeto é a implantação de práticas conservacionistas na Sub bacia visando à estabilização da erosão hídrica, recarga de água e a biodiversidade local, como continuidade das ações do Programa Produtor de água certificados com apoio técnico das instituições parceiras.

3 Objetivo Geral do Projeto. Revitalizar a micro-bacia do Ribeirão do Salto no município de Extrema, Estado de Minas Gerais, visando atender a demanda desta área, aumentar a quantidade e a qualidade de água através de ações de conservação, recuperação e manejo do solo e da água Objetivos específicos: Readequação de 15 km de Estradas Vicinais nas Sub-bacias do Salto; Construir 900 bacias de captação (Barraginha) de águas da chuva e canais de admissão em estradas vicinais nas Sub-bacias do Salto; Construir sistema de terraceamento em 100 ha nas áreas cultivadas, canais escoadouros, canais divergentes nas Sub-bacias do Salto; Correção de Taludes (razão corte 3:1) de taludes de 3,0 metros de altura em 2,1 km de Estradas Vicinais nas Sub-bacias do Salto. 4. METAS / PRODUTOS / RESULTADOS ESPERADOS Readequação de Estradas Vicinais. Os trechos a serem readequados das estradas rurais receberão tratamentos de acordo com o Projeto da Universidade Federal de Lavras. Serão realizadas atividades para readequação de 15 km, como: Levantamento do Leito da Estrada, canaletas de drenagem, direcionamento da água pluvial para barraginhas. Utilização de horas máquinas: Motoniveladoura (1.000) e Escavadeira Hidráulica (400) Construção de Bacias de Captação (Barraginha) de águas da chuva e canais de admissão. As bacias de captação de água devem considerar o máximo escoamento superficial que pode ocorrer na estrada, à capacidade de infiltração de água no

4 4 solo do local que irá receber o escoamento para permitir a captação e o armazenamento e posterior infiltração da água advinda das estradas. Equipamento a ser utilizado: Retroescavadeira - Gasto médio para construção da barraginha e canais (2,1 horas / Barraginha). Tempo médio pra construir uma barraginha com deslocamento 2,1 horas Construção de terraços. O objetivo do terraço é dimensionar a implantação de terraços em áreas agrícolas, pastagens e florestas, visando o controle da erosão hídrica e a recarga de água, na sub-bacia do Salto, no município de Extrema, MG. Equipamento a ser usado: Trator de Esteira Execução dos terraços: Em 100 ha x Gasto na construção do terraço 4,5 horas /ha = 450 horas 4.4. Correção de Taludes. (razão corte 3:1). Correção de 2,1 Km, na razão de 3:1, de taludes de 3,0 metros de altura. Equipamento a ser usado: Trator de Esteira tipo Escavadeira Hidráulica. Observação: Será apresentado um relatório com todas as atividades desenvolvidas no projeto com documentação fotográfica. 5. METODOLOGIA / ESTRATÉGIA DE AÇÃO Práticas Conservacionistas no Município de Extrema. O município de Extrema possui grande experiência em projetos de práticas conservacionistas. Desde os anos 90, o município vem articulando com o

5 5 Ministério do Meio Ambiente na busca de financiamentos que apoiassem a elaboração de um plano de gestão dos recursos hídricos no município. O conceito do projeto Água é Vida, do qual o Conservador das Águas é um desdobramento direto, nasceu em 1999, após a experiência municipal de execução do Projeto de Execução Descentralizada (PED), componente do Plano Nacional de Meio Ambiente (PNMA), direcionado para o manejo de bacias hidrográficas, realizado em 1996 e Na execução desse trabalho, a equipe municipal pode perceber a necessidade de investimentos é um bom diagnóstico, base para os projetos relacionados com o manejo de bacias. Utilizando recursos do MMA somado a recursos municipais desenvolveu-se uma série de estudos, avaliando a situação das 07 sub-bacias da bacia hidrográfica do rio Jaguarí e propondo ações com vistas à proteção do meio ambiente, em especial dos recursos hídricos. A Prefeitura desenvolveu o diagnóstico, utilizando-se de imagens de satélite, um sistema de informações geográficas e um banco de dados digital contendo o cadastro de todas as propriedades rurais e empreendimentos identificados. Com base nesse diagnóstico foi possível, ainda no âmbito do projeto Água é Vida realizar melhorias nas estradas rurais com a construção de sistemas de drenagem e captação de água e iniciar o monitoramento qualiquantitativo dos principais cursos de água do município. Este trabalho, associado com a ativa participação dos representantes municipais no PCJ e a interação com a equipe técnica da ANA que estava desenvolvendo estudos com vistas à implementação do Programa Produtor de Água, constituíram a base do novo projeto. A partir daí, numa ação inédita, a Prefeitura Municipal de Extrema desenvolveu o projeto Conservador das Águas que previa dentre outras ações, a utilização de recursos municipais no pagamento de incentivos aos produtores rurais que se dispusessem a fazer uma adequação ambiental de suas propriedades. Apesar de baseado nos mesmos conceitos do Programa Produtor de Água, o projeto Conservador das Águas tem peculiaridades próprias, notadamente na forma de remuneração dos prestadores de serviços ambientais. Ele considera a adequação ambiental da propriedade e em função disso remunera a propriedade

6 6 como um todo. Já o Programa Produtor de Água avalia e remunera a área que comprovadamente fornece os serviços ambientais. Por se tratar de uma região prioritária para a produção de água, conforme apontado no Plano de Recursos Hídricos da bacia hidrográfica dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí PCJ, os trabalhos de conservação de água e solo na bacia hidrográfica do Jaguarí são de fundamental importância para a sustentabilidade do Sistema Cantareira. Com esse objetivo a Prefeitura Municipal de Extrema desenvolveu o projeto com vistas a criar mecanismos que possibilitassem o desenvolvimento de ações voltadas à melhoria da qualidade da água e a ampliação de sua oferta com permanência ao longo de todos os meses do ano. O projeto Conservador das Águas teve seu início oficial com a promulgação da Lei Municipal nº 2.100, de 21 de dezembro de 2005, essa lei cria o projeto e se torna a primeira lei municipal no Brasil a regulamentar o Pagamento por Serviços Ambientais relacionados com a água. A grande novidade da Lei é o seu artigo 2º que autoriza o Executivo a prestar apoio financeiro aos proprietários rurais que aderirem ao Projeto Conservador das Águas mediante cumprimento das metas estabelecidas. Este apoio será dado a partir do início da implantação das ações e se estenderá por um período mínimo de quatro anos. O caráter inovador do projeto, baseado no Pagamento pelos Serviços Ambientais atraiu diversos parceiros, no âmbito federal a Agência Nacional de Águas que já tinha em curso o Programa Produtor de Água, em nível estadual o Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG), em nível de bacia o Comitê PCJ Federal e da sociedade civil as ONG s focadas em conservação da biodiversidade a TNC e a SOS-Mata Atlântica. Ficou assim definido o papel das diversas entidades parceiras: Agência Nacional de Águas - ANA Prefeitura Municipal de Extrema - Apoio técnico - Monitoramento Água - Conservação de Solo - Pagamento dos Serviços Ambientais - Assistência técnica e extensão rural

7 7 IEF-MG (Pró-Mata) TNC SOS Mata Atlântica Comitê PCJ - Mapeamento das Propriedades - Gerenciamento do Projeto - Insumos (cercas, adubos, calcáreo herbicidas) - Apoio ao processo de comando e controle - averbação da reserva legal das propriedades - Financiamento das ações de Plantio, manutenção e cercamento das áreas ( mão de obra e alguns insumos - Monitoramento Biodiversidade e Comunidade - Fornecimento de mudas - Apoio às ações de conservação de solo A expectativa dos executores e parceiros do projeto Conservador das Águas é de que a adequação ambiental das propriedades rurais e a geração de renda aos proprietários direcionarão o desenvolvimento sustentável da região Atividades / metas a serem executadas no projeto. As metas a serem executadas no projeto Conservador das Águas Práticas conservacionistas de solo na micro-bacia do ribeirão do salto no município de Extrema MG Afluente do rio Piracicaba Bacia PCJ, serão as seguintes: 1. Readequação de Estradas Vicinais. Para a construção destas barragens serão utilizadas as técnicas desenvolvidas pela Universidade Federal de Lavras UFLA. Serão realizadas as adequações das estradas vicinais em 15 km na subbacia do Salto.

8 8 Fazer camalhões ao longo das estradas para quebrar a energia cinética da enxurrada e orientar o escoamento para estruturas receptoras. Na instalação dos camalhões escarificar a faixa de solo onde será locado o camalhão para possibilitar maior aderência no solo, o volume de aterro dos camalhões e de 863 m 3. Quando necessário utilizar estruturas denominadas paliçadas (barreiras de estacas de eucalipto ou bambu) ao longo de lançantes de estradas, espaçadas conforme dimensionamento para locação de bacias de captação. Em situações críticas de solo adotar estruturas de alvenaria como: calhas, tubulações de concreto ou PVC, bueiros e escadas dissipadoras de energia. Em alguns trechos de estradas serão necessários elevação do leito e suavização dos taludes (corte m 3 ). Utilizar pavimentos alternativos no leito da estrada (pedrisco de granito e outros), sendo que o revestimento deve atingir uma espessura de 0,05 m (aterro m 3 ). Os materiais granulados indicados para revestimento devem ser resistentes e ter dimensão superior a 2,5 cm, objetivando a infiltração e drenagem da água para as laterais da estrada. O leito da estrada deve ter o formato convexo com inclinação de 2 a 8% no sentido do centro para as laterais. 2. Construção de bacias de Captação de águas e canais de admissão. Para a construção destas bacias serão utilizadas as técnicas desenvolvidas pela Universidade Federal de Lavras UFLA. O equipamento a ser utilizado será uma retroescavadeira, a mesma será contratada de uma empresa de terraplenagem. O gasto médio de horas para a construção de uma barraginha e canais é de 2h e 10 min. Serão construídas 900 barraginhas a margem das estradas vicinais, em locais estratégicos para aumentar o controle da erosão e ajudar na recuperação de áreas degradadas. Para locar uma bacia de captação de água, devem-se considerar as particularidades de cada trecho da estrada. Porém, de modo geral, tira-se uma perpendicular à linha lateral da estrada dessa traça-se a linha que é a bissetriz do ângulo. Essa bissetriz corresponderá ao canal de admissão à bacia e o diâmetro da bacia. Nessa bissetriz são marcados dois pontos básicos: a distancia da margem da estrada à bacia, que corresponde ao canal de

9 9 admissão, deve ser tal que a declividade fique em torno de 1 a 3%. O segundo ponto será a referencia para locação do raio e da circunferência da bacia. Através de um piquete localizado neste segundo ponto, amarra-se uma linha de comprimento igual ao raio previamente escolhido e loca-se a circunferência da bacia. Após a etapa de locação define-se a profundidade (1,0m) e o raio (3,0 m) da bacia inicia-se o trabalho de perfuração da mesma, o volume de corte está na ordem de m 3, na seqüência inicia-se a construção do canal de admissão que apresenta um volume de corte na ordem de 863 m 3. A melhor época para construção das bacias de captação de água na região estudada é após o período das chuvas que estende de maio a outubro. 3. Construção de terraços e canais. Para a construção destes terraços e canais serão utilizadas as técnicas desenvolvidas pela Universidade Federal de Lavras UFLA. Complementando os trabalhos realizados na micro-bacia do Salto serão implantados terraços e canais em uma área de 100 ha. Será utilizado apenas o trator de esteira, a média estimada de horas para a construção dos terraços será de 450 horas. Os terraços terão o objetivo de melhorar a infiltração da água da chuva no solo, conseqüentemente diminuir o avanço de processos erosivo e melhorar o abastecimento de água na sub-bacia do Salto. Os terraços quanto à função podem ser em nível ou em desnível (gradiente). O primeiro tem o objetivo de reter o deflúvio superficial para posterior infiltração da água no solo, enquanto o último é construído para interceptar e escoar disciplinadamente o excesso de água que escoa na superfície. Neste trabalho, optou-se por fazer o terraço com gradiente constante por se tratar de solos com moderada a baixa capacidade de infiltração de água no solo (Latossolos, Argissolos e Cambissolos). Para tal, serão selecionadas situações representativas ocorrentes nas sub-bacias em estudo. As áreas de Neossolos e algumas áreas com Cambissolos serão destinadas à preservação da biodiversidade e recarga de água.

10 10 Os canais escoadouros devem suportar a vazão do final de cada terraço em gradiente, de modo a conduzir as águas com segurança. Adotaram-se as seguintes medidas para o canal escoadouro, de seção triangular: Largura (L) de 3,0 m e profundidade (p) de 0,80 m. Sugerem-se algumas práticas complementares para atenuar a energia cinética ao longo dos canais divergentes, como a sua revegetação e o uso de paliçadas de bambu em espaçamentos eqüidistantes em 30 m. 4. Correção de taludes. Para a correção dos taludes serão utilizadas as técnicas desenvolvidas pela Universidade Federal de Lavras UFLA. O equipamento a ser utilizado será um trator esteira tipo escavadeira hidráulica, o equipamento será contratado de uma empresa de terraplenagem. Serão realizados 2,1 km de correção de taludes, o gasto médio de horas para a correção dos taludes é de 84h/km, totalizando 176 horas de trabalho. Utilizar a hidrosemeadura em algumas situações crítica de talude, seguindo às recomendações de correção, adubação e uso de espécies vegetais recomendadas para a região. A inclinação dos taludes deve ser na faixa de 2:1 a 3:1 (corte de m 3 ). As leguminosas recomendadas para vegetação de taludes são as seguintes: feijão guandu, crotalária, feijão de porco, amendoim bravo, mucuna preta, soja perene e outras nativas da região. Uso de bordaduras vegetais na borda superior do talude (capim vetiver, grama batatais, capim cidreira e outros). Na ocasião de correções no leito da estrada com o uso de máquinas com lâminas (moto niveladora), evitar o corte da saia do talude. A exposição do horizonte C torna o talude suscetível ao deslocamento ou escorregamento de massa. Quando necessário o estabelecimento de dissipadores de energia da enxurrada. 5. EQUIPE TÉCNICA DO PROJETO.

11 11 A equipe técnica do projeto será composta pelos profissionais listados abaixo, a equipe será responsável pela parte administrativa, operacional e pela contratação das áreas a serem executadas as atividades do projeto. Equipe técnica responsável pelo projeto. Nome Cargo Paulo Henrique Pereira Gestor Ambiental Benedito Arlindo Cortez Coordenador Paulo César de Freitas Engenheiro 6. MANUTENÇÃO E EQUIPAMENTOS. O projeto terá como parceiros a Agencia Nacional das Águas ANA e a Prefeitura Municipal de Extrema. A manutenção do projeto após a sua implantação será realizada pela equipe de funcionários do Projeto Conservador das Águas, onde serão realizadas periodicamente as conservações das estradas, barraginhas, terraços e se necessário às correções de taludes, a manutenção será necessária principalmente para a trafegabilidade no local da sub-bacia. Equipamentos a serem utilizados. Tipo de Máquina Execução Motoniveladoura Empresa contratada Escavadeira Hidráulica Empresa contratada Retroescavadeira Empresa contratada Trator de Esteira Empresa contratada

12 12 7. DETALHAMENTO DOS CUSTOS. Os valores foram baseados na Revista Informador das Construções Maio /2010 e nos processos licitatórios já consumados do município de Extrema. Segue em anexo 3, planilha de valores indicados pala revista Readequação de Estradas Vicinais. (RECURSO DO CONCEDENTE). Utilização de horas máquinas: Motoniveladoura (1.000) e Escavadeira Hidráulica (650). Custo médio hora/máquina alugada: R$ 100,00 Custo por Km.: R$ ,00. Custo Total da Meta 1: R$ , Construção de Bacias de Captação (Barraginha) de águas da chuva e canais de admissão. (RECURSO DO CONCEDENTE). Custo / Barraginha Retroescavadeira - Gasto médio para construção da barraginha e canais (2,1 horas / Barraginha). Tempo médio pra construir uma barraginha com deslocamento 2,1 horas. Custo médio hora/máquina alugada: R$ 100,00 R$ 100,00 x 2,1 horas x 900 barraginhas Custo Total da Meta 2: R$ ,00

13 Construção de terraços. (RECURSO DO CONCEDENTE). Equipamento a ser usado: Trator de Esteira. Execução dos terraços: Em 100 ha x Gasto na construção do terraço 4,5 horas /ha = 450 horas. Hora trator de Esteira R$ 100,00 X 450 = Custo Total de R$ ,00. Custo por hectare: R$ 450,00 Custo total da Meta 3: R$ , Correção de Taludes. (razão corte 3:1) (RECURSOS PARTE DO CONCEDENTE PARTE CONVENENTE). Correção de 2,1 Km, na razão de 3:1, de taludes de 3,0 metros de altura. Equipamento a ser usado: Trator de Esteira tipo Escavadeira Hidráulica. Correção de Taludes: Em 2,1 km x Gasto na correção 84 horas / km = 176 horas. Hora trator de Esteira tipo Escavadeira Hidráulica R$ 100,00 X 176 horas - Custo Total R$ ,00. Custo por quilometro - R$ 8800,00 Custo Total da Atividade 4: R$ ,00. Tabela 1: Planilha de Gastos (Concedente) OSTPJ. Atividade Tipo de maquina Nº de horas / Quantidade Preço por hora Preço total 1 Motoniveladoura , ,00 Escavadeira Hidráulica , ,00 2 Retroescavadeira , ,00 3 Trator de Esteira , ,00 4 Escavadeira Hídráulica 9,36 100,00 936,00 Valor Total ,00

14 14 Tabela 2: Planilha de Gastos (Convenente) Material de Consumo. Atividade Material Nº de horas Preço por hora Preço total 4 Escavadeira Hidráulica 166,64 100, ,00 Valor Total ,00

15 Tabela 3: Planilha demonstrativa das inversões ao longo da implementação do projeto. 14 ESPECIFICAÇÕES ETAPA UNID QUANT. INICIO TÉRMINO V. TOTAL 1ª PARC. (2010) 2ª PARC. (2011) ANA PROPONENTE TOTAL Conservação, recuperação e manejo do solo e da água Readequação de estradas vicinais. 1.1 km 15 11/10 12/ , , , , ,00 Construção de Bacias de Captação de águas e canais de admissão. 1.2 unid /10 12/ , , , ,00 Construção de terraços e canais. 1.3 ha /10 12/ , , , ,00 Correção de taludes (razão corte 3:1). 1.4 km 2,1 11/10 12/ ,00-936,00 936,00 936,00 Contrapartida Correção de taludes (razão corte 3:1) , , ,00 TOTAL , , , , , ,00 Concedente 1ª Parcela R$ ,00 2ª Parcela R$ ,00 Contrapartida LDO 2010 Proponente 1ª Parcela R$ ,00

16 15 8. MEMORIAL DE CÁLCULO / DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA EM ESTRADAS NÃO PAVIMENTADAS NA SUB BACIA DO SALTO, EXTREMA, MINAS GERAIS. Ao dimensionar as bacias de captação de água, deve-se considerar o máximo escoamento superficial que pode ocorrer na estrada, à capacidade de infiltração de água no solo do local que irá receber o escoamento para permitir a captação e o armazenamento e posterior infiltração da água advinda das estradas. Segue memorial de cálculo de acordo com o Projeto da Universidade Federal de Lavras Memorial de Calculo. Utilizaram-se os programas SIG (Sistema de Informação Geográfica) e o Spring (Camara et al, 1996), para vetorização do mapa disponível na extensão pdf (Portable Document Format) fornecido pela Prefeitura Municipal de Extrema, MG. Na Figura 1 observa-se as estradas, a hidrografia e os pontos dos perfis de solo já coletados, analisados e classificados. Figura 1 Delimitações, perfis de solo identificados e áreas executada e não executada, nas Sub-bacias das Posses, Saltos e Pitangueiras.

17 16 Na Figura 2 observa-se o traçado das estradas principais e de acesso às propriedades rurais pertencentes ao programa Produtor de Água. As Sub-bacias do Salto e Pitangueiras apresentam em conjunto uma extensão de 34,5 km ( m) de estradas não pavimentadas, necessitando de implantação de um programa de conservação do solo e da água. Figura 2. Delimitações, áreas executada e não executada e estradas principais e de acesso local, nas Sub-bacias Saltos e Pitangueiras Declividade da estrada. Temos que considerar as declividades médias dos trechos de estradas, que embora não contribua para o aumento do volume da água, determina variações na velocidade da mesma, motivo pelo qual o espaçamento entre as bacias deve sofrer reduções, diminuindo a capacidade erosiva da água e aumentando a segurança do sistema. Por meio dos dados do SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) disponibilizados pela Embrapa através do Centro Nacional de Monitoramento por Satélite (EMBRAPA, 2009) e o programa SIG Spring, gerou-se o mapa de relevo (Figura 3), e a distribuição percentual das classes de relevo (Tabela 4).

18 17 Figura 3. Mapa de classes de relevo das Sub-Bacias do Salto e Pitangueiras. Tabela 4. Tipos de relevo, classe de declividade, área e distribuição para a Sub-Bacia do Salto e Pitangueiras, Extrema, MG. Distribuição Relevo Classes (%) (%) (ha) Plano 0-3 2,15 85,50 Suave Ondulado 3-8 6,50 258,51 Ondulado , ,86 Forte Ondulado , ,52 Montanhoso ,59 341,62 Escarpado > 100 0,05 1,99 Total ,00 Observa-se que 39,7% da área das sub-bacias apresentam declividade inferior a 20% e 60,3% superior a 20%. As bacias de captação de água são recomendadas para estradas com declividade até 20%, acima desse limite sua implantação torna-se dispendiosa, além de comprometer a segurança da estrutura. Nos trechos de estradas superiores a 20% será necessária o a locação

19 18 de calhas, bueiros e escadas hidráulicas objetivando o direcionamento do fluxo de enxurrada, dissipando a energia cinética e evitando a erosão hídrica Intensidade Máxima de Precipitação. São definidas como o conjunto de chuvas originadas de um mesmo evento meteorológica, cuja intensidade ultrapassa certo valor. Esses eventos podem variar de minutos até algumas horas. Ao dimensionar as bacias de captação de água, os terraços e os canais (escoadouros e divergentes), é exigido o uso das precipitações intensas, ocorridas no local de interesse, para definição da chuva de projeto a partir do qual é obtida a vazão e o volume crítico a ser utilizado. Neste projeto consideramos precipitações intensas com períodos de retorno de 10 anos, no qual julgamos que seja uma boa recomendação para conferir segurança e economia à implantação do sistema, conforme equação de intensidade, duração e freqüência da precipitação, conforme representação abaixo (Pruski et al e Pruski et al. 2009). Através do programa PLÚVIO 2.1 (Pruski et al. 2006) calcularam-se os parâmetros da equação para o município de Extrema, sendo K = 1981,278; a = 0,173; b= 19,181 e e = 0,864. Para a região de Extrema (MG), para um período de retorno de 10 anos, calculamos a intensidade máxima média de precipitação (I m ) de 131 mm em 24 horas. I m = K T a /(t + b) c (1) Onde: I m é a intensidade máxima média de precipitação, mm h -1 ; T é a período de retorno, anos; t é a duração da precipitação, min; K, a, b, c são os parâmetros relativos à localidade.

20 19 Tabela 5. Valores de intensidade máxima média de precipitação (I m ), para a região de Extrema (MG), para períodos de retorno de 1, 5, 10, 15 e 20 anos. K a b e t T Im Im 24 min anos mmh -1 mmh ,278 0,173 19,181 0, , ,278 0,173 19,181 0, , ,278 0,173 19,181 0, , ,278 0,173 19,181 0, , ,278 0,173 19,181 0, , Erodibilidade e Uso do Solo. Os solos dominantes nas Sub-bacias dos Saltos e Pitangueiras, no município de Extrema, MG, são Neossolos Litólicos, Cambissolos, Argissolo Vermelho-Amarelo e Latossolo Vermelho-Amarelo (Figura 4 e Tabela 6), estes ambientes apresentam relevo plano a montanhoso (Figura 2 e Tabela 6). Figura 4. Mapa de solos das Sub-Bacias do Salto e Pitangueiras. Nas Sub-bacias observa-se o domínio dos solos rasos e com afloramentos de rochas que dificultam o preparo mecanizado do solo, denominado Neossolos

21 20 Litólicos e os Cambissolos com teores mais elevados de silte e areia em relação à argila, baixa infiltração de água, tendência ao encrostamento, estes aspectos conferem a estes solos valores de erodibilidade elevada, sendo destinado apenas ao pastoreio, com grandes restrições e totalizando 48% da área das Sub-bacias estudadas (Tabela 6). Os Gleissolos e Neossolo Flúvico ocorrem em 7% da área é não apresentam riscos de erosão por ocorrer na cota mais baixa das Subbacias, caracterizando ambientes de deposição. Associados aos solos rasos têm os Argissolos, distribuídos em 19% da área, que são solos relativamente mais profundos e presença de horizontes diagnósticos B textural com moderada resistência á erosão hídrica. Os Latossolos caracterizam pela profundidade, ocorrem em relevo plano a ondulado e apresentam atributos físicos que conferem a estes solos boa resistência a erosão hídrica, assim adotamos para este projeto o valor do fator K moderado e baixa 1,10 e 0,90, respectivamente (Tabela 7). Tabela 6. Distribuição dos solos nas Sub-Bacias do Salto e Pitangueiras. Distribuição Solos ha % NEOSSOLO LITÓLICO 514,05 13 CAMBISSOLO 1.380,23 35 GLEISSOLO + NEOSSOLO FLÚVICO 279,68 7 ARGISSOLO + CAMBISSOLO 738,23 19 LATOSSOLO 1.064,81 27 TOTAL 3.977, Nas cotas mais altas existe a possibilidades de déficit hídrico para as plantas (pastagens e espécies arbóreas), devido à baixa capacidade de armazenamento de água destes solos rasos e o escorrimento superficial, intensificado pela exposição da rede natural de drenagem. Estes aspectos caracterizam estes sistemas como instáveis e existe possibilidade de perda de solos, água, nutrientes e carbono orgânico por erosão hídrica. Na ocasião de implantação das espécies arbóreas, estes solos devem ser cultivados no sistema manual, com covas profundas e adubação, objetivando uma maior proteção destes solos desses ambientes.

22 21 Tabela 7. Grupos de resistência à erosão hídrica para as principais classes de solos é o índice K Cálculo de espaçamento entre bacias. O sistema de bacias será dimensionado considerando-se bacias em série ao longo das estradas. A recomendação do cálculo de espaçamento entre bacias deve considerar a declividade da estrada e a resistência do solo a erosão hídrica (erodibilidade fator K). O espaçamento entre bacias foi determinado empregando a fórmula para espaçamento entre terraços proposta por Bertoni (1959), conforme a equação abaixo. EH = 4518 * K * D -0,42 (2) Onde: EH = espaçamento entre bacias, em m; K= fator de resistência do solo a erosão, adimensional; D = declividade, em % Cálculo do volume de água captado nos trechos de estradas a ser retido pela bacia.

23 22 O volume da enxurrada a ser retido pela bacia, foi calculado pela equação abaixo: VT = EH * L * I (3) Onde: EH = espaçamento entre bacias, em m; L = largura da estrada, em m; I = intensidade da chuva em 24h, em m Cálculo do volume da bacia de captação de água. O volume correspondente a bacias de formatos circulares é definido pela equação abaixo: VB = π * P 2 (R (P/3) (4) Onde: P = profundidade da bacia, em m; R = raio da bacia, em m; O volume total (VT) é igual ao volume da bacia (VB). VT = VB 8.5. Cálculo da profundidade e do raio da bacia da bacia de captação de água. A profundidade e o raio da bacia foram determinados pelas equações 5 e 6, respectivamente; Deduções: Sen (45 ) = 0,707 Cos (45 ) = 0,707 Relação R/P = 0,707/(1-0,707) = 2,41 Maior inclinação do talude = 100% Talude = 1/1 P = (VB/6,52) 1/3 (5) Onde: P = profundidade, em m; VB = volume, em m 3 : R = 2,41 * P (6)

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA PROF. MARX LEANDRO NAVES SILVA

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA PROF. MARX LEANDRO NAVES SILVA PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 8 - DECLIVIDADE DO SOLO. - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DE TERRAÇOS. - CÁLCULO DO ESPAÇAMENTO ENTRE TERRAÇOS. - LOCAÇÃO DE TERRAÇOS. - CONSTRUÇÃO DE TERRAÇOS. PROF.

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

2 Conservação do solo

2 Conservação do solo 2 Conservação do solo 1 2.1 Agentes causadores de erosão A erosão é um processo que se traduz na desagregação, transporte e deposição do solo. Pode ser causada por: - Água: é a mais importante em nossas

Leia mais

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi.

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi. Terraceamento Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi 1 Ricardo Barossi Conceito É uma prática conservacionista de caráter mecânico.

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO DISCIPLINA: GCS 104 PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO 3ª AULA PRÁTICA II SEMESTRE/2010 TERRAÇO: Canal e CAMALHÃO CANAL CAMALHÃO Classificação dos terraços: Quanto a função: Terraço em nível ou de

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA - Escolha dos métodos e práticas de conservação. Práticas Vegetativas Práticas Edáficas Práticas Mecânicas PRÁTICAS VEGETATIVAS -

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Organização e Desenvolvimento Tecnólogico e Institucional Sub-componente: Capacitação Treinamento de técnicos da assistência técnica e extensão rural, beneficiários do programa e outros atores nos estados

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Irrigação por Superfície: Sulcos

Irrigação por Superfície: Sulcos Irrigação por Superfície: Sulcos INTRODUÇÃO Sob a definição de irrigação por superfície está incluída os métodos de irrigação que distribuem a água diretamente sobre a superfície do solo, a partir de uma

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Recuperação de Bacias Hidrográficas

Recuperação de Bacias Hidrográficas Recuperação de Bacias Hidrográficas Professor Marcos Koiti Kondo Unimontes Departamento de Ciências Agrárias Campus Janaúba APPs desmatadas Erosão nas áreas agrícolas, topos de morros e encostas Cultivo

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água contato com a apresentação: gerd@usp.br total de 39 slides 1 Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água...quais Conceitos o Histórico

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo Secretária de Agricultura e Abastecimento Monika Bergamaschi Coordenador da Defesa

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Crise da água: Desafios e Soluções

Crise da água: Desafios e Soluções Núcleo PCJ-Campinas/Piracicaba Crise da água: Desafios e Soluções São Paulo, 3 de junho de 2014. Regramento Legal do Sistema Hídrico Lei Estadual nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991 (Política Estadual

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR AR/SP O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FÁBIO DE SALLES MEIRELLES PRESIDENTE

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Brasília-DF, 03 de março de 2010 Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano OBJETIVO Revitalizar

Leia mais

3. SOLUÇÕES TÉCNICAS DE TERRAPLANAGEM PROPOSTAS PARA O TRECHO:

3. SOLUÇÕES TÉCNICAS DE TERRAPLANAGEM PROPOSTAS PARA O TRECHO: SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO - SEAÂ Anexo 1 RELATÓRIO DE VISTORIA INICIAL - RVI PROJETO DE RECUPERAÇÃO DA TRAFEGABILIDADE DE ESTRADAS RURAI MUNICÍPIO DE ESPIGÃO ALTO DO IGUAÇU-PR

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais