Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas"

Transcrição

1 Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

2 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando dúvidas junto á área responsável da ECT, obter-se-ão as condições necessárias para a instalação adequada da AGF. 2. Orientações para elaboração do Projeto de Instalações 2.1. Apresentação e composição do Projeto de Instalações: A apresentação do Projeto deve obedecer às normas especificadas na NBR 6492 Representação de Projetos de Arquitetura, tendo a largura limite das pranchas do formato A2. O Projeto deve ser composto pelos seguintes documentos: 1- Arquitetura a. Planta baixa do(s) pavimento(s) contendo indicações de cotas, níveis e áreas dos compartimentos, assim como as especificações dos acabamentos. b. Cortes - em número mínimo de 2 (dois). Devem demonstrar pés direitos, escadas, rampas da edificação e tipos de cobertura; c. Fachadas - devem ser apresentadas as fachadas principais, voltadas para os logradouros públicos, detalhando tipo, altura e posicionamento do letreiro externo, além da indicação do material de acabamento. d. Planta de situação - deverá indicar o nome dos logradouros públicos e fluxo do trânsito; e. Planta de leiaute - deverá definir o posicionamento de todo o mobiliário e equipamentos em escala e conter uma relação

3 com a especificação e o quantitativo de todas as peças. 2- Comunicação Visual. As plantas deverão conter as indicações claras da posição dos letreiros externos e placas internas, assim como os desenhos das placas com seus devidos textos. 3- Instalações Planta baixa com a distribuição dos circuitos e locação dos pontos de tomadas, das luminárias e tomadas de rede. 4- Memorial descritivo de arquitetura Deverá descrever as soluções adotadas com relação ao programa de necessidades. 5- Levantamento fotográfico do imóvel com no mínimo 5 fotos, sendo elas: a. uma foto da fachada do imóvel (caso o imóvel possua mais de uma fachada, apresentar uma foto de casa fachada); b. uma foto do futuro hall de atendimento da unidade foto tirada da porta principal do imóvel com vista para o seu interior; c. uma foto do interior do imóvel com vista para a porta principal; d. uma foto da porta dos fundos do imóvel, caso haja foto interna com vista para a porta dos fundos (caso o imóvel possua várias destas portas, deverá ser apresentada uma foto de cada); e. uma foto com a área destinada à retaguarda da agência. A apresentação destes documentos vale tanto para o imóvel principal quanto para o complementar, no caso de agências do modelo A2. Na entrega do Projeto para a análise, a FRANQUEADA deverá encaminhar à ECT uma via impressa da documentação acima requerida, acondicionada em envelope com a identificação da AGF.

4 2.2. Execução do Projeto de Instalação: Para o desenvolvimento do Projeto de Instalações deverão ser consultados os seguintes documentos: a. Guia para Projetos de Agências descreve como funciona uma agência, descreve o fluxograma e a relação de proximidade dos setores de atividades, apresenta a Comunicação Visual e o padrão de acabamentos da ECT. Dá diretrizes de leiautes e indica o mobiliário a ser utilizado em cada setor da agência; b. ANEXO 1 Padrão de Acabamentos dá diretrizes de acabamentos para o atendimento aos padrões da ECT; c. Guia de Comunicação Visual estabelece as cores e marcas institucionais da ECT; d. Guia Projetos Padrões de Letreiros para Agências da ECT fornece o método construtivo e o material a ser utilizado na confecção dos letreiros externos e internos; e. Guia Técnico Rede de cabeamento para Comunicação de Dados e Telefonia em Unidades da ECT - estabelece diretrizes para a elaboração e execução de projetos padrão de Rede de Cabeamento para Comunicação de Dados e Telefonia em Unidades da ECT; f. Guia Instalações Elétricas estabelece diretrizes para a elaboração de projeto padrão de instalações para as unidades de atendimento da ECT; g. Projeto de Iluminação de Edifícios - oferece diretrizes e elementos técnicos para a obtenção dos índices luminotécnicos adequados ao padrão da ECT; h. Especificações Técnicas dos mobiliários definem o método construtivo e o material a ser utilizado na confecção dos mobiliários e equipamentos operacionais.

5 Os guias têm como objetivo orientar o projetista quanto aos padrões utilizados pela ECT no que se refere ao leiaute, mobiliários e equipamentos, materiais de acabamentos, comunicação visual, rede de cabeamento, instalações elétricas e iluminação. Estes documentos foram elaborados para a utilização no âmbito da ECT e estão sendo disponibilizados como referência para as AGFs, que devem considerar, dentro deste conteúdo, os itens obrigatórios definidos neste documento, descritos a seguir, e no Projeto Técnico Material de acabamento: Quanto aos materiais de acabamentos, o guia Anexo 1 Padrão de Acabamentos dá orientações com relação aos padrões utilizados pela ECT. Dos itens previstos neste guia, serão de atendimento obrigatório os seguintes: o Pintura das paredes internas e externas na cor palha; o Pintura do teto na cor branco neve; o Piso cerâmico, em granito ou porcelanato na cor em tom de bege; o Portas, esquadrias e divisórias internas (exceto as em vidro) na cor em tom de bege Comunicação Visual: Com relação à Comunicação Visual, os letreiros externos e placas internas devem obedecer rigorosamente às orientações técnicas contidas no Guia Projetos Padrões Letreiros para Agências da ECT, Guia de Comunicação Visual e no Guia para Projetos de Agências Para a aplicação dos letreiros externos, a legislação do local de instalação deve ser observada e quando houver necessidade de adaptação, a ECT deverá ser consultada Instalações de cabeamento de dados e telefonia: Os projetos de dados e telefonia deverão seguir obrigatoriamente ao que determina o respectivo guia.

6 Instalações de elétrica e luminotécnica: Os projetos de elétrica e luminotécnica deverão seguir obrigatoriamente ao que determinam os respectivos guias Mobiliários e equipamentos: Os mobiliários e equipamentos a serem utilizados, deverão ser os estabelecidos nos Leiautes de Referência e Planilhas Analíticas para cada tipo de agência. Alguns destes mobiliários podem ser substituídos por outros de acordo com a necessidade, dependendo de espaço disponível ou melhor adequação de leiaute, e mediante aprovação da ECT na análise do Projeto. São eles: ALS-01B (Armário Alto Simples) em substituição ao ABS-01B; CCP-01 ERG (Conjunto de Caixas Postais) ou CCP-03 ERG (Conjunto de Caixas Postais) em substituição à CCP-02 ERG; EP-03B (Estante para Pacotes) em substituição à EP- 01B e EP-02B; EST-07B, EST-01B ou MAS-01B em substituição à MMU-03B; PINT-01 em substituição ao PINP-01. A confecção dos mobiliários deve obrigatoriamente seguir às orientações técnicas constantes nas especificações técnicas disponibilizadas. OBS: 1 - Nas agências modelo A2 caso a área operacional seja separada da área de atendimento os Switches deverão estar interligados. Neste caso foram previstos 2 Switches, 2 Racks e 2 cofres para cada agência Acessibilidade:

7 Quanto à acessibilidade, a legislação pertinente deverá ser atendida, especialmente no que se refere à rampas de acesso, sanitários (dimensões e barras de apoio) e piso tátil. 3. Orientações para a implantação do ambiente de TI Para a implantação do ambiente de TI deverão ser consideradas as especificações técnicas do Guia de TI. Este Guia é constituído pelos seguintes módulos: a. Matriz de responsabilidade descreve de forma sintética as principais atribuições da AGF e da ECT, quanto à implantação do ambiente de TI. b. Apêndice 01 - Especificação do Antivírus estabelece as especificações técnicas a serem consideradas pela AGF na aquisição e instalação do antivírus; c. Apêndice 02 - Estações de Atendimento estabelece características técnicas mínimas para a aquisição de estações de trabalho. d. Apêndice 03 Impressora laser estabelece características técnicas mínimas para a aquisição da impressora laser pela AGF. e. Apêndice 04 - Implantação da posição de atendimento e de retarguarda define os requisitos técnicos para o ambiente de TI a ser implantado na AGF, para o funcionamento dos sistemas de atendimento e seus periféricos. f. Apêndice 05 Conexão de rede e segurança da informação define as características técnicas para a implantação e interconexão da rede local da AGF à ECT e aspectos de segurança da informação.

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROJETO FINAL CURRAL DE MANOBRAS 1000 ANIMAIS Trabalho apresentado como parte dos requisitos

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

ANEXO I (ao Edital de Convite nº 004/2001) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ANEXO I (ao Edital de Convite nº 004/2001) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO I (ao Edital de Convite nº 004/2001) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA, ESTRUTURA E INSTALAÇÕES DAS UNIDADES OPERACIONAIS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura Primeira edição válida a partir de:

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

Textos: Prancha com projeto de iluminação: Escala 1/50, marcação de pontos de luz, legenda com simbologia e especificação de luminárias.

Textos: Prancha com projeto de iluminação: Escala 1/50, marcação de pontos de luz, legenda com simbologia e especificação de luminárias. Textos: Perfil do Cliente: Definir o perfil psicológico, as necessidades finconais, gostos, estilos etc. Público Alvo do Ambiente Comercial: Compreender as sensações psicológicas a serem transmitidas a

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ Objetivo A empresa que se habilitar ao projeto de iluminação pública deverá ser especializada na área de Engenharia

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

Trabalho de conclusão da. disciplina PROJETOS DE ILUMINAÇÃO E DESIGN RESIDENCIAL

Trabalho de conclusão da. disciplina PROJETOS DE ILUMINAÇÃO E DESIGN RESIDENCIAL Trabalho de conclusão da disciplina PROJETOS DE ILUMINAÇÃO E DESIGN RESIDENCIAL Elaboração de um projeto luminotécnico executivo de uma residência. Dimensões : de 120 m² à 400 m². O trabalho deverá ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia COMO SOLICITAR UM PROJETO? Para solicitações de projetos de arquitetura e engenharia,

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza AULA 1 A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DE EDIFICIOS Etapas de um Projeto de Edificação A idealização de um projeto parte do princípio que devemos procurar ajuda de um profissional especializado, que irá nos ajudar

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

informações históricas

informações históricas PROJETO INTERPRETATIVO DO CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE: confecção e instalação de painéis e placas com informações históricas ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO... 04 2- EQUIPE TÉCNICA... 06 3- MAPA DE SITUAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Guia Rápido Comunicação Visual para Agências. Elaborado em agosto de 2009. Substitui o Guia Comunicação Visual para Banco Postal.

Guia Rápido Comunicação Visual para Agências. Elaborado em agosto de 2009. Substitui o Guia Comunicação Visual para Banco Postal. Guia Rápido Comunicação Visual para Agências OBJETIVO Este Guia rápido visa auxiliar o projetista na confecção do projeto de comunicação visual para uma agência de Correios. Este documento complementa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS Projeto de Telefonia e Lógica por Cabeamento estruturado MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE TELEFONIA E LÓGICA POR CABEAMENTO ESTRUTURADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS FAZENDA TALHADA,

Leia mais

Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual

Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual v Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual HISTÓRICO 1997 SINDUSCON SP Guia para Redação e Produção do Manual de Operação, Uso e Manutenção de Imóveis 2000 - SECOVI SP Manual de Operação, Uso e

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS Proposta Técnica Norma de Desempenho Adequação de Processos ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR Construção Civil 1 OBJETIVO Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

Sublime max condominium

Sublime max condominium Incorporação e construção: Vendas: Sublime max condominium Estrada Benvindo de Novais, 2.205 Próximo à Recreio Veículos, Recreio dos Bandeirantes Ligue: 3539-5011 3387-9700 pdg.com.br/sublime Todas as

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

Aula 3 : Desenho Arquitetônico

Aula 3 : Desenho Arquitetônico Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IADB79 - Desenho Técnico Aplicado à Engenharia Civil Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 3 : Desenho Arquitetônico Introdução:

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP CADERNO DE ORIENTAÇÕES PARA REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP CADERNO DE ORIENTAÇÕES PARA REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP CADERNO DE ORIENTAÇÕES PARA REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS JANEIRO/2009 Os projetos deverão ser desenvolvidos em programa de computação gráfica, compatíveis com AutoCAD,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO Obra: Construção de um Prédio Residencial Multifamiliar Local: Avenida Maria José Pinheiro Machado x Jorge Calixto nº 570 Planta aprovada nº 174/16 expedida

Leia mais

FOTOGRAFIAS. FOTO N o 1 FOTO N o 2. FOTO N o 3 FOTO N o 4. ENGENHARIA DE PERÍCIAS E AVALIAÇÕES Eng. Ricardo Henrique de Araujo Imamura

FOTOGRAFIAS. FOTO N o 1 FOTO N o 2. FOTO N o 3 FOTO N o 4. ENGENHARIA DE PERÍCIAS E AVALIAÇÕES Eng. Ricardo Henrique de Araujo Imamura FOTOGRAFIAS FOTO N o 1 FOTO N o 2 Vista do Edifício Araqua, situado à Rua Aurora N o 544 Saúde, Capital, sem Garagem, na Diligência de 02/02/2012. Vista do Edifício Araqua na Rua Aurora. FOTO N o 3 FOTO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng. Eletrecista

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Coordenação Modular. Jean Marie Désir

Coordenação Modular. Jean Marie Désir Coordenação Modular Jean Marie Désir http://chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Função Coordenação modular Modulação Horizontal Malha modular Cantos e amarrações Ajustes Modulação Vertical

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

Promocional de Vendas

Promocional de Vendas Stand Promocional de Vendas Estrutura auto portante modular, de montagem e desmontagem rápida dentro das estações Tamanho mínimo: 4 m² Metro Adicional: R$ 1.177,00 m² Stand Promocional de Vendas Investimento:

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria de engenharia para elaboração de laudo técnico de análise de patologias que geraram o desprendimento das pastilhas externas

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE IV - Teoria) Projeto Prevenção de Incêndio TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APLICAÇÃO DE ABRIGOS METÁLICOS E ABRIGOS EM ALVENARIA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-940-CPG-035 1 / 6 ESTA FOLHA

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8.1 Considerações

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FEIRA COBERTA LOCAL: VILA CASA DE TÁBUA MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

Estúdio Ventana. Interiores + Design

Estúdio Ventana. Interiores + Design Estúdio Ventana Interiores + Design Nossos serviços: gerenciamento De obras decor No Projeto Completo, elaboramos soluções personalizadas, atendendo as expectativas de cada pessoa em sua individualidade

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional : Técnica

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 19 PROJETOS DE SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Revisão 00 set/2014

INSTRUÇÃO TÉCNICA 19 PROJETOS DE SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Revisão 00 set/2014 INSTRUÇÃO TÉCNICA 19 PROJETOS DE SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Revisão 00 set/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT

ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT 1 MEMORIAL DESCRITIVO E CADERNO DE ENCARGOS ADEQUAÇÃO DO AUDITÓRIO PARA GABINETE DA SEDE DAS PROMOTORIAS DE RONDONÓPOLIS MT 2 SUMÁRIO (Arquitetura e Civil) 1 OBJETIVO...3 2 GENERALIDADES...3 SERVIÇOS A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Requerimento Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título Do Trabalho INCENTIVO À PESQUISA, REFLEXÃO E DEBATE DE TEMAS AMBIENTAIS: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO E VISUAL DIFERENCIADO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS Instruções de preenchimento: AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE Para preenchimento desta ficha, sugere-se a participação das equipes Comercial, de Manutenção, de TI, de Meio ambiente, de Operações

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR)

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) Curitiba, 18 de Dezembro de 2014. DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 01 TOMADA DE PREÇOS 2014/14641(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, de agência incorporada, Agência

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

OPENHOUSE. KITs de personalização

OPENHOUSE. KITs de personalização KITs de personalização OPTION PARA O SEU IMÓVEL FICAR COMO VOCÊ SEMPRE SONHOU, CONHEÇA E APROVEITE MAIS UM SERVIÇO DA SOLUÇÃO COMPLETA EBM, O PERSONALITY option: MUITO MAIS PRATICIDADE E PERSONALIDADE.

Leia mais

A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local.

A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local. Sinalização Externa A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local. O Sistema de Sinalização Externa é composto por um conjunto de elementos tridimensionais ou

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DEZ/2013

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DEZ/2013 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DEZ/2013 FOTO EQUIPAMENTOS FOTO EQUIPAMENTOS FOTO EQUIPAMENTOS FOTO EQUIPAMENTOS FOTO RETIRADA INSTALAÇÕES E SISTEMAS EXISTENTES FOTO RETIRADA INSTALAÇÕES E SISTEMAS EXISTENTES FOTO

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE

TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE I - GLOSSÁRIO - CLASSIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS CONSIDERAÇÕES INICIAIS: O Projeto de Prefeitura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR. Obra...REFORMA DO CENTRO DE EXPOSIÇÕES E CONGRESSOS EXPOGRAMADO

MEMORIAL DESCRITIVO. Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR. Obra...REFORMA DO CENTRO DE EXPOSIÇÕES E CONGRESSOS EXPOGRAMADO MEMORIAL DESCRITIVO Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR Obra...REFORMA DO CENTRO DE EXPOSIÇÕES E CONGRESSOS EXPOGRAMADO Localização...AV. BORGES DE MEDEIROS, 4111, CENTRO GRAMADO

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1.

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1. DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1 Código da Disciplina CCE0985 Aula 2 e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ 5.00.70 1.00 1.00 1.00 1.00 1.00 1.50 LEGENDA DA DISCIPLINA:

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário INTRODUÇÃO Prezado Cliente, Este Manual do Proprietário foi elaborada com a finalidade de transmitir, no momento da compra de seu imóvel, todas as informações referentes a sua unidade,

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

PROC IBR EDIF /2014

PROC IBR EDIF /2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.011/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES GERAIS FINALIDADE Este manual estabelece os critérios, padrões e procedimentos a serem seguidos na elaboração de projeto e construção de tubulações telefônicas em edifícios. A SERCOMTEL

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação MEC SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROINFÂNCIA DADOS DO PROGAMA : Criado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA 4ª CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA 4ª CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA 4ª CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU CONSIDERAÇÕES GERAIS. Descrições de Projeto. O presente memorial tem por objetivo

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias)

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) AGENDA 1 2 3 Apresentação Palestrante Informações necessárias no projeto Sistemas Prediais: Especialidades 4

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO M.D

MEMORIAL DESCRITIVO M.D DISTRITO CONCEIÇÃO DO MUQUI 1. INTRODUÇÃO. As obras serão realizadas obedecendo rigorosamente aos projetos, detalhes e especificações, bem como as normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas e de Lógica

PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas e de Lógica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 040- CONSELHO SUPERIOR QUE ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO E ADEQUAÇÃO CURRICULAR DOS PLANOS DOS CURSOS

Leia mais

PROINFÂNCIA. Fundo Nacional. da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. de Desenvolvimento

PROINFÂNCIA. Fundo Nacional. da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. de Desenvolvimento Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DADOS DO PROGRAMA : Criado por meio da resolução N 06/2007 do FNDE; Busca prestar APOIO financeiro aos municípios na reestruturação

Leia mais

APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG

APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG O TRABALHO DE CURSO (TC) inclui duas disciplinas - INTRODUÇÃO AO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (ITCC)

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS

PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS CONCURSO O 01/2009 1 ÍNDICE 1. Escopo do Projeto de Arquiteura...03 2. Orientações Complementares...05

Leia mais

Posição solar Posição solar Posição solar DESCRIÇÃO AMBIENTE ESPECIFICAÇÃO Alvenaria Geral Alvenarias com dimensões conforme projeto Cobertura Lajes de forro Laje impermeabilizada ou telhado

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP. PROCESSO Nº 3018399-75.2014.8.26.0021 (85938/14) JOAQUIM VICENTE DE REZENDE LOPES, Engenheiro, Perito Judicial,

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES 1 Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU TERRITÓRIOS CEU PLANILHA DE ESCOPO PROJETO EDIFICAÇÕES Produto 1 Plano de Trabalho e Relatório de Viabilidade

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES 1. INTRODUÇÃO Importância: Para o projetista ou Engenheiro a arte de representar um objeto ou fazer sua leitura através do Desenho Técnico é muito importante,

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Análise dos Critérios de Atendimento à Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Estudo de caso em empresas do programa Inovacon-CE AGRADECIMENTOS Instituições de ensino INOVACON Programa

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas 5 Procedimentos ANEXOS A Planilha de levantamento de dados B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 1 Objetivo Esta Norma Técnica

Leia mais

Em atenção ao questionamento ao Edital Convite nº 17/2013:

Em atenção ao questionamento ao Edital Convite nº 17/2013: Florianópolis, 30 de dezembro de 2013. Em atenção ao questionamento ao Edital Convite nº 17/2013: QUESTIONAMENTO 01: Nossa dúvida consiste no item 17 do Memorial Descritivo Plataforma Elevatória, parte

Leia mais