SE ALUGAR O MARIDO, PEÇA RECIBO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SE ALUGAR O MARIDO, PEÇA RECIBO"

Transcrição

1 SE ALUGAR O MARIDO, PEÇA RECIBO Peça Teatral de ESTAINE ALENCAR

2 SE ALUGAR O MARIDO, PEÇA RECIBO Peça Teatral de Estaine Alencar Rio de Janeiro, Marisa é uma professora de História apaixonada pela figura do Imperador brasileiro D. Pedro II. Ela é casada com Elton, que está desempregado e descrente da vida. Devido a uma dívida com sua amiga Laura, Marisa propõe um estranho trato de aluguel de seu marido, que acaba não saindo do exato jeito em que planejava. 2

3 PERSONAGENS MARISA esposa de Elton, 34 anos ELTON marido de Marisa, 34 anos LAURA amiga de Marisa, 34 anos D. PEDRO II Imperador do Brasil no período de

4 SE ALUGAR O MARIDO, PEÇA RECIBO Autor: Estaine Alencar Ato I (Sala de uma casa simples. Estante cheia de livros. Numa mesa estão cadernos, pastas e muitos papéis. Elton está de pijamas lendo um jornal, quando entra Marisa.) MARISA- (Grita) Elton!!! ELTON- O que foi Marisa? Precisa gritar? MARISA- Olhe o que eu acabei de comprar num antiquário ali no Centro. (Tira da bolsa um livro grande e luxuoso) (Empolgada) Um livro raríssimo, de 1900 e pouco. É uma biografia do D. Pedro II, editado na Áustria, todo escrito em alemão, com pinturas e fotografias da época. Lindo, lindo, lindo! ELTON- Você bebeu o juízo Marisa, quanto custou este livro? MARISA- Setecentos reais. ELTON- (Pula da cadeira) O quê?! Agora você passou dos limites, isto é mais do que o nosso aluguel! O que tem este livro de tão especial? MARISA- Já te falei, é raríssimo, uma biografia do D. Pedro II escrita em alemão... ELTON- Você fala alemão por acaso? MARISA- Não. ELTON- Então para que gastar o nosso dinheiro com estas coisas? MARISA- É uma relíquia. ELTON- Marisa, você não precisa ter esta coleção de livros antigos aqui em casa. Nós ficamos brigando com as traças e as baratas o tempo todo. Você se acha uma pesquisadora, mas você é apenas uma professorinha de História, ponha isto na sua cabeça. MARISA- Ah não! Agora você me ofendeu, eu sou sim, uma pesquisadora. Pesquisadora e professora também. Tanto que eu fui a escolhida para coordenar a Feira de História do Brasil lá da escola. Por isso que eu estou tão louca ultimamente. Esse livro vai me servir muito. ELTON- Você é louca desde que te conheci e este livro não vai servir para nada. 4

5 MARISA- E o quê que tem? Comprei com meu dinheiro. Eu mereço comprar algo que eu goste. ELTON- Está bem, não está mais aqui quem falou. (Volta a ler o jornal) MARISA- Será muito trabalho nesta Feira de História, mesmo assim estou muito entusiasmada. Serão temas relacionados ao Segundo Reinado. D. Pedro II, o velhinho de barba branca, olha aqui no livro. ELTON- Eu sei, lembro dele. MARISA- Sempre gostei de estudar este período. O que você sabe do Brasil Império? ELTON- Eu? Nada, como a maioria das pessoas. E de que me interessa isso agora? MARISA- (Pega o livro) Nossa! Este é grande e grosso. Eu dividi a turma em grupos, cada um falará na Feira sobre um tema. Um sobre o Período Regencial, outro sobre as Revoltas nos Estados, tem a Economia Cafeeira, Imigração, Guerra do Paraguai, Abolição da Escravatura, Movimento Republicano... (Pára de falar e percebe que Elton voltou a ler o jornal. Vai até ele e dá um tapa na folha de jornal assustando-o.) ELTON- Você está doida Marisa?! MARISA- Estou sim Elton. Tenho que ficar. Você não me ouve. ELTON- Ah! Ouço sim, quando você põe os pés em casa, só o que você sabe fazer é falar. Fala de seus alunos bagunceiros, dos inteligentes, dos professores com mau-hálito, dos que se acham o máximo, fala do Município, do Estado... Gente que nunca vi e nem quero ver. Está vendo como eu te ouço. MARISA- Mas não me dá atenção, não participa da minha vida. ELTON- Já dou atenção, ainda quer que eu participe? Acontecem muitas coisas na sua vida. MARISA- O D. Pedro II era educadíssimo, nunca me deixaria falando sozinha. ELTON- Marisa, pelo amor de Deus! Vai, fale aí o que você quer, prestarei a atenção juro. MARISA- Agora não quero mais. Seu chato! (Sai) ELTON- (Fala para si) Chato eu? Fala sem parar um monte de inutilidades e eu que sou chato. (Volta ao jornal) (Grita para a coxia) O governo que você votou Marisa, prometeu 10 milhões de empregos! Eu só estou procurando um e não acho! Só quero um, unzinho. (Telefone toca) MARISA- (Grita da coxia) Eu atendo aqui. 5

6 ELTON- (Volta ao jornal) Corretor, não. Garçom, também não. Acompanhante de idosos, Deus me livre! (Entra Marisa gritando e fingindo chorar) MARISA- Não! Não! ELTON- (Assustado) O que foi Marisa? MARISA- Não! Eu não acredito. Não! ELTON- Fala! Anda! MARISA- Morreu! Ai meu Deus, ele morreu!!! ELTON- Quem morreu Marisa? Alguém da família? Fala, fala!!! MARISA- Ai, ele não podia ter morrido. ELTON- Quem meu Deus? Quem? MARISA- O D. Pedro II. (Ri) Ele morreu no dia 5 de dezembro de 1891 em Paris. (Ri dele) ELTON- (Desapontado) Que palhaçada Marisa! Que palhaçada! Você achou isso engraçado? MARISA- Deixa de ser mal-humorado Elton, uma brincadeirinha destas. ELTON- Minha cabeça, que dor. Está vendo, acabou voltando. Eu aqui cheio de problemas e você vem com esta. MARISA- Que problemas? Sou eu quem trabalha, sou eu quem te sustento. Que problemas? Você está até realizando uma fantasia sexual de muitos homens: dar uma de cafetão, ser sustentado pela mulher. ELTON- Você só fala besteiras mesmo. Quem era? MARISA- Era a Laura, vem aqui daqui a pouco, disse ter um assunto sério para falar comigo. ELTON- A Laura é? Humm. MARISA- Humm o quê? ELTON- Não simpatizo muito com ela. MARISA- Ora, mas por quê? Ela é tão boazinha, a ajuda tanto a gente. 6

7 ELTON- Eu sei disso, mas é solteira! Só fala em carros, noitadas, viagens, praias, coisas caras... Isto é o que ouço, mas com certeza também deve falar em homens. Solteira, ora! Não é legal tê-la como amiga, você sabe: passarinho que anda com morcego, acaba amanhecendo de cabeça para baixo". MARISA- Ela que é o morcego? É bem mais fácil eu ser o morcego e ela o passarinho. ELTON- Ela é do time das solteiras, só isso. Você gosta quando eu ando com meus amigos solteiros? MARISA- Não. Não, porque eu sei como são os homens solteiros, e os casados também, enfim, eu sei como são os homens. ELTON- Então pronto, eu sei como são as mulheres. (Volta ao jornal) Jornal só serve para me deixar deprimido. MARISA- Então largue o jornal. ELTON- Marisa, Marisa... Você não entende nada mesmo, nascemos para sermos derrotados, fracassados. Perceba só: mal acabamos de nascer, segundos depois levamos um tapa e já iniciamos as nossas vidas chorando. MARISA- Que visão triste! ELTON- Não nasci para ganhar dinheiro, para ser líder ou construir impérios. Sempre recebo rasteiras, copiam as minhas idéias, embarreram os meus projetos... MARISA- De novo esta história? ELTON- Sério Marisa, sofro desde pequeno. MARISA- Ai. ELTON- Quando eu era criança morava longe da escola, por isso eu pegava carona com o caminhão da peixaria e sempre chegava fedendo na aula. Me infernizavam todo dia, a adolescência toda me chamaram de Podrinho. Como sofri. MARISA- Que chato. ELTON- Com 17 anos, eu jogava no juvenil do Cabofriense, o técnico, a diretoria, meus companheiros invejosos do meu talento, todos sabiam que eu era craque, eu comia a bola... Mas num jogo contra o São Pedro, um zagueiro, que, aliás, não era um zagueiro, era um cavalo, quebrou minha tíbia... Nunca, nunca mais eu quis jogar futebol. MARISA- Você não teve muita força de vontade para voltar a jogar, não foi? ELTON- Acabaram com o meu sonho de ser jogador de futebol. Acabaram. O resto da tragédia você bem conhece: fiz Administração, meu pai faleceu, conheci você... 7

8 MARISA- Engraçadinho, sua sorte foi ter me conhecido. ELTON- Volta e meia eu me lembro de nós dois e penso: Será que o cupido não estava bêbado quando tentou me ajudar? MARISA- A culpa do seu fracasso sempre são os outros, não é? É de Deus, do chefe, dos colegas, até do cupido? Você não tem nenhuma parcela nisso? Estou cansada de ouvir esta ladainha. Elton vai dar uma volta vai. Sei lá, pense um pouco na vida, vai, anda. ELTON- Sair um pouco de casa? Marisa, você é a única mulher que eu conheço que pede para o marido sair um pouco de casa. Todos os meus amigos reclamam que suas mulheres querem prendê-los dentro de casa, que não podem sair para beber, para irem a um churrasco, ao futebol... MARISA- É porque estes seus amigos são uns safados, por isso que elas não querem que eles saiam de casa. Mas em você eu confio meu amorzinho. (Tira uma nota de dinheiro da carteira) Toma, vá beber um pouco no bar. ELTON- Você acha que eu gosto de pedir dinheiro para você?! Eu fico envergonhado na frente dos meus amigos. Se não saio com eles, eles sabem que é porque estou desempregado; se saio e tenho dinheiro para gastar, eles sabem que você quem me deu. Que vergonha! Prefiro ficar em casa. MARISA- Você é um poço de orgulho. ELTON- Está bem, eu vou lá pro bar do Torresmo que deve estar passando o jogo do Brasil. O Jorge deve estar lá também, só que no caso dele, fugiu da mulher. Até. (Pega o dinheiro e sai) MARISA- Até. (Pega um maço de provas para corrigir) Este Rodrigo não vai passar de ano mesmo, olha só: D. Pedro II, pai de Pedro I, deixou seu filho aqui para ser rei em Portugal... (Ri) Que anta! Só porque nas fotos e quadros Pedro II está com cabelos grisalhos, não significa que ele seja pai do Pedro I. Nestas fotos, o Pedro II não tinha nem 50 anos. Estes alunos... Pior que muita gente adulta se confunde também. (Campainha toca. Entra Laura). MARISA- Laura querida! Tudo bem? LAURA- Mais ou menos. MARISA- Ih! Eu não gosto de gente que diz que a vida está mais ou menos. (Ri) LAURA- Você não vai gostar é do que eu vim falar com você. MARISA- O quê? LAURA- Sabe Marisa, é um assunto delicado... Você é minha amiga desde a época da sexta série, te considero demais. 8

9 MARISA- Vai, fala. LAURA- É difícil falar isso. Poxa, quantas vezes almoçamos juntas no restaurante árabe e paguei a conta? Quantas vezes fomos para Búzios e meu pai bancava tudo: alugava a casa, comprava cerveja, tudo, até a maconha ele comprava. Sempre te considerei uma irmã. MARISA- Isso, joga na cara mesmo. LAURA- Como? MARISA- Fale logo o que é caramba. LAURA- Então vou ser direta. É esta dívida do aluguel que você tem comigo. Já está em quase R$ ,00 reais e eu preciso deste dinheiro para comprar um negócio. MARISA- Um negócio? Que negócio? LAURA- Um negócio aí. MARISA- Que negócio? LAURA- Não te interessa, o dinheiro é meu. Eu preciso comprar um... Um carro novo, pra firma. MARISA- Você não é minha amiga! LAURA- Ah! Com certeza eu sou sua amiga sim, não estou nem cobrando os juros, já são seis anos que você mora aqui sem pagar. Agora é a hora. MARISA- Mas você é rica, tem esse apartamento! Você não precisa deste dinheiro. LAURA- Ora, quem é que não precisa deste dinheiro? MARISA- Mas Laura, você sabe, o Elton está desempregado há quase um ano, eu tenho sustentado a casa sozinha, dou aula em três colégios, dou aula em cursinho, está tudo difícil. Para você ver, estamos cortando garrafa para fazer copo. LAURA- Mentira! Marisa pense bem, vocês nem tem filhos? Se tivessem, eu até compreenderia o desespero. MARISA- Ainda bem que não tive filhos. (Tentando mudar o rumo da conversa) Imagina Laura, se eu tivesse tido filhos? Isto eu tomei bastante cuidado. Eu até imaginava: enjôos, tudo me faria vomitar. Nasce a criança, eu iria ficar sem dormir, teria que dar comida, banho cuidadoso e limpar bunda suja toda hora. LAURA- Cruzes! 9

10 MARISA- Cresceu um pouco iria ficar no meu pé o dia inteiro... Eu não teria tempo para trabalhar e cuidar de mim. Sem falar na adolescência! Eu sei bem como eu era na adolescência... Até esta suposta criança crescer e se virar sozinha, eu já estaria velha e acabada. LAURA- E o extinto materno, o prazer em cuidar de alguém? MARISA- Ser mãe é vocação, não foi toda mulher que nasceu para ser mãe não, isso é machismo puro! Eu não tenho vocação para ser mãe. Já percebeu como toda mãe acha o filho um pequeno gênio? Começam a falar, juntam b com a : ba e elas já acham que a criança é um novo Albert Einstein. Não agüento isso. Deixem eles crescerem que vão logo juntar: b com a : ba, mais b com a : baba, e junta c com a : ca, pronto, babaca é como elas ficam. Nada disso, eu tenho outros sonhos, quero fazer mestrado, doutorado... LAURA- (Se lembrando da conversa anterior) Não me enrole Marisa! Vamos voltar ao assunto capital, a dívida. Como você vai me pagar? MARISA- Assim de repente, você, você me pegou desprevenida. Eu, eu não, eu não posso, eu não posso pagar. LAURA- Marisa, você não está me dando opção, o que você quer que eu faça por você? Eu já tinha jogado umas indiretas meses atrás sobre isso. Eu preciso deste dinheiro, não posso mais fazer caridade. MARISA- Ah! Então era caridade, não era amizade? LAURA- Eram as duas coisas. Eu estou falando sério Marisa, você não vai me enrolar desta vez, se você não começar a se mover para me pagar, eu vou ter que recorrer à Justiça. MARISA- (Nervosa) Á Justiça! Traíra! Traíra! LAURA- Não seja ridícula, vai. MARISA- Caramba Laura, assim, de repente... Deixe-me pensar. LAURA- Este carro velho de vocês? Poderia vendê-lo. MARISA- Este carro não dá nem a metade do dinheiro. LAURA- Somado com estes livros todos. MARISA- Não! Estes livros vão ficar pros meus filhos. LAURA- Mas você disse que não queria ter filhos? MARISA- Foi força de expressão. Toda mulher quer ter filhos. LAURA- O que você tem de valor aí? 10

11 MARISA- Nada. LAURA- E a maçaneta que você roubou naquele museu na Quinta da Boa Vista? MARISA- Opa!!! Roubou? Eu não roubei nada! LAURA- Não lembra? Nós tínhamos uns dez anos, fizemos aquele passeio com o colégio, você aproveitou um desleixo do guarda e pegou a maçaneta. MARISA- Eu não roubei a maçaneta, assim, eu expropriei... Eu só peguei porque vi que alguém mal intencionado poderia pegar, então resolvi guardar comigo num lugar seguro, tenho até hoje. LAURA- Então, deve valer uma fortuna no mercado negro. MARISA- Nem pensar!!! Aquela maçaneta tem o brasão do Império, o D. Pedro II pôs aquelas mãos alvas e delicadas nela milhares de vezes. Ela é minha relíquia! Eu não vendo, não negocio, tem valor inestimável! LAURA- Bem, estou esperando uma proposta melhor. MARISA- Só um minutinho. (Sai) LAURA- Meu Deus, que loucura pelo velhinho. (Grita) Vai demorar muito? (Volta Marisa com a maçaneta) MARISA- Esta é minha relíquia. LAURA- Foi só uma idéia Marisa, fique com sua relíquia, mas me arranje os R$ ,00 reais. MARISA- Só um momento. (Segura a maçaneta, fecha os olhos e começa a pedir) Pedro II, meu amigo, me ajude! Me ajude neste momento de desespero (Pensa) Pronto! Já sei. LAURA- Então. MARISA- Vamos fazer um trato. Você não tem me reclamado que anda solteira? Que está cansada de garotinhos vazios, de maduros complicados e de velhos tarados? LAURA- O quê?! MARISA- Que se sente sozinha em casa, sem ninguém para se quer reclamar do tempo? LAURA- Está maluca? Mas o quê que isto tem haver com a dívida? MARISA- Então, eu te alugo o meu marido por um mês. 11

12 LAURA- Como assim? MARISA- Você pode fazer dele seu escravo, garanto que ele adorará te ouvir, te elogiará todos os dias e fará tudo que você mandar com um sorriso nos lábios. LAURA- Que maluquice é esta Marisa? Você está usando drogas com seus alunos? MARISA- Estou negociando contigo o aluguel de um bem que tenho, garanto que te será muito útil, você fica com meu marido por um mês e quitamos minha dívida. LAURA- Essa é boa, nunca ouvi tamanha loucura. Além do mais, até parece que o Elton vale esta grana toda. R$ num mês? Nem que ele tivesse o pau de ouro! MARISA- Experimente. LAURA- Não, não quero. Pelas coisas que você já me falou dele, não sei não. Comprei minha casa, moro sozinha, o banheiro é só meu, não divido espaço no guarda-roupa, não tem bagunça. Anos para deixar a casa do jeito que eu queria, da cor, do piso, dos móveis que gosto, para um homem vir arranhar e estragar tudo, nem pensar. MARISA- Mas Laura, é um ótimo negócio para você. Não adianta este seu discurso de mulher moderna que não precisa de homem para nada, porque você sempre me reclama da falta de homem, das manias dos homens, da taras dos homens. Você só pensa em homem! Eu te ajudo e você me ajuda. Você não acha o Elton atraente? LAURA- Tirando a parte feia, até que ele é bonitinho. MARISA- Você sabe que beleza não é tudo. LAURA- Tudo bem vamos pensar, o que ele sabe fazer de bom? MARISA- Ele sabe ouvir como ninguém, vai te ouvir falar do que comeu e não devia; das suas amigas invejosas; dos negócios que não conseguiu fechar. Sabe a diferença de cor vermelha pra cereja, de azul anil pra azul turquesa. LAURA- Ih! Homem que sabe diferença de azul anil pra azul turquesa? Não sei se bem homem não hein. MARISA- Deixa eu continuar. Ele só te dirá sim na TPM e irá contigo ao shopping dez vezes no mesmo dia se precisar. LAURA- Nossa! Não sabia que o Elton tinha tantos predicados. Ta ficando bom. Que mais? MARISA- Ele sabe consertar algumas coisas da casa: chuveiro, pia, também lava a louça, faz comida, sabe até fazer uns gatos na fiação elétrica. LAURA- Isto o porteiro e a empregada podem fazer por mim. Que mais? MARISA- Ele sabe mexer no computador. 12

13 LAURA- Não é disto que estou falando. Eu quero é saber se ele chupa bem? MARISA- (Desconcertada) Como? Sim, claro, isto e muito mais. Vai na fé! LAURA- Certeza? MARISA- Absoluta. Uh! De fazer qualquer uma uivar de prazer. LAURA- (Indecisa) Ai, ai. Se ele é tão bom assim, por que quer se desfazer dele? MARISA- Por quê? Ora... (Pensa) Não quero me desfazer dele. Somos um casal moderno e prático. É só um tempo, uma pimenta na relação, sabe? Nós temos nos estranhado muito nestes dias, os gênios que não se batem, entende? Mas não é nada sério, é só um tempo, por isto estou alugando. LAURA- Ai Deus! Eu sou uma mulher corajosa Marisa, você sabe disso, ninguém vai poder dizer que eu não me aventuro nesta vida. (Ansiosa) Conhecer uma pessoa é uma coisa, morar com ela é outra coisa completamente diferente. (Segura) Mas eu sou uma mulher de verdade, enfrento, encaro e experimento. Se não der, não deu. Se der, sugo até a última gota! Vai ser no mínimo divertido. MARISA- Assim que se fala mulher! Você não vai se arrepender. LAURA- Então como fazemos? MARISA- Ele não pode saber que é um negócio, ele pode se sentir usado. Vamos fazer o seguinte, você fica aqui até ele voltar, eu dou uma desculpa e deixo vocês a sós, daí você aproveita e tenta seduzi-lo. LAURA- Seduzi-lo? Aí já é demais. Do que eu devo falar? MARISA- É fácil, fale de como o mundo é injusto com os ingênuos e fale bem mal do governo. Se você focar nestes dois assuntos, ele ficará com uma impressão ótima de você. LAURA- Vou tentar. MARISA- Tentar não, você vai conseguir. É moleza, ele adora também conversar sobre... (Entra Elton) ELTON- Boa noite. LAURA- Boa noite. MARISA- Lembra da Laura? ELTON- Como vou esquecer, ela tem nos ajudado tanto. 13

14 MARISA- Laura veio aqui pegar uns livros emprestados. ELTON- (Para Laura) Livros? Se for sobre D. Pedro II deve ter uns duzentos, pode levar todos. (Ri) LAURA- Que nada, eu odeio História do Brasil. ELTON- Eu também detesto, só têm canalhas! LAURA- Uns safados. MARISA- (Desviando o assunto) Está frio lá fora? ELTON- Está bastante, dentro do bar nem estava frio, mas saí logo, o clima ficou ruim. LAURA- Por quê? ELTON- Eu tava jogando sinuca com o Jorge, quando a Valéria, mulher dele, chegou e deu-lhe uma esculhambação na frente de todo mundo, chamou ele de cachaceiro, mulherengo... Levou ele para casa. O pior era que não havia nenhuma mulher no bar. LAURA- E você não o defendeu? ELTON- Eu? De jeito nenhum, na briga entre o mar e o rochedo, quem se ferra é o marisco". MARISA- Eu é que não faço isso com meu maridinho. ELTON- Estava começando o jogo do Brasil, que pena. MARISA- Assisti aqui ora. ELTON- Aqui não tem graça. O bom é com a rapaziada tomando uma cerveja, gritando palavrão, comendo churrasquinho, falando mal das mulheres, ouvindo um samba... Antes do jogo é claro. Isto é que legal. Sozinho em casa é chato. Você não gosta de futebol. LAURA- Eu adoro futebol. Todo jogo do Brasil eu paro o que estiver fazendo para assistir. ELTON- Sério?! LAURA- Nós estávamos assistindo ainda pouco, desligamos a TV quase agora. O jogo estava duro, muita violência em campo. ELTON- Deve ser mesmo, contra o Uruguai é assim. MARISA- Elton, você pode fazer sala para a Laura, um instante, enquanto vou ao banheiro? É uma emergência. (Sai) 14

15 LAURA- Estava olhando seus CDs, quanta coisa boa você ouve, Altamiro Carrilho, Jacob do Bandolim, Época de Ouro... ELTON- (Surpreso) Nossa! Eu nunca pensei que você conhecesse... Pois é, uma pequena coleção de CDs de chorinho, tenho quase tudo do Pixinguinha também. LAURA- Por mim só ouviria isto. ELTON- (Empolgado) Tenho algumas coisas de samba antigo também: Noel Rosa, Geraldo Pereira, Wilson Batista, algumas gravações raras da década de 30, ao vivo em rádios. LAURA- Eu tenho algumas coisas do Cartola e do Nelson Cavaquinho. Poderíamos um dia, nós três irmos à Lapa e vermos algumas apresentações. Tem vários grupos bons nos fins de semana. ELTON- Claro! Vamos sim. Com maior prazer. Tudo que eu quero fazer é ir à Lapa curtir um samba.você terá que convencer a Marisa, ela só gosta de música barulhenta, mas se você for para assistirmos, já vai ser legal. LAURA- Com certeza. E ao Maracanã, você vai? ELTON- Ah não! Nada de tumulto, só acompanho a Seleção pela televisão mesmo. LAURA- Já percebeu como a nossa Seleção é igual à nossa sociedade? ELTON- Não. Como assim? LAURA- Somos individualistas socialmente, queremos sempre o melhor para gente, não para o grupo. ELTON- Você que dizer: Se a farinha é pouca, o meu pirão primeiro.? LAURA- Sim. O nosso time reflete bem isto, são todos jogadores maravilhosos em suas posições, mas quando se juntam para jogarem em equipe, nem sempre conseguimos fazer uma boa seleção. São todos individualistas, como nós em sociedade somos. ELTON- Interessante. LAURA- Você vê o time da Alemanha, não há nenhum craque excepcional em sua posição, mas no conjunto, no trabalho em equipe, sempre fazem grandes seleções e quase sempre chegam às finais, a Seleção alemã reflete a sociedade alemã, eficiente e organizada socialmente. ELTON- (Surpreso) Laura, você realmente... Se você está certa não sei, mas que você é uma filósofa do futebol, você é. LAURA- O futebol explica o mundo. (Risos) 15

16 MARISA- (Volta) Então, sentiram minha falta? Laura, você vai ficar para jantar não vai? LAURA- Não, não, tenho que ir. ELTON- Fique mais um pouco. LAURA- Tenho uns contratos para estudar ainda hoje. Nos falamos outro dia. Até mais. Boa Noite. (Sai) ELTON- Sabe Marisa, não sabia que a Laura era tão simpática, inteligente, muito menos que gostava de futebol e de samba. MARISA- Futebol e samba? ELTON- Sim, ela elogiou meus CDs de chorinho, falou como o futebol reflete a sociedade. Ela me surpreendeu. MARISA- Nossa! Eu pensei que ela fosse falar mal do governo, de como o mundo é injusto entre outras coisas... Enfim, que bom que você se sentiu bem com ela, gosto que você goste das minhas amigas, principalmente dela. Vou me deitar, você vem? ELTON- Não. Vou comer alguma coisa. MARISA- Então te espero. (Sai) ELTON- Que surpresa agradável foi a visita da Laura hoje. Preciso encontrá-la mais vezes. (Sai) ATO II (Marisa está na sala corrigindo provas. Elton aparece na sala com duas malas.) ELTON- Bem, já arrumei minhas malas. MARISA- Quanto tempo você vai ficar na casa da sua mãe? ELTON- Pretendo ficar umas três semanas, sei lá. Iguaba tem praia, campinhos de futebol, aqui tenho andado muito angustiado. Vou recarregar minhas baterias e quando eu voltar será bem mais fácil arranjar um emprego. MARISA- Claro, não tenho dúvidas de que será muito bom para você. Fique o tempo que quiser, umas quatro semanas, isto, umas quatro semanas. Se divirta, reflita bastante, volte cheio de vontade. ELTON- (Desconfiado) Humm. Você está muito boazinha. MARISA- Como assim? 16

17 ELTON- Sei lá, me deixando à vontade demais. Carne oferecida, ou está podre ou está moída. MARISA- Que nada, eu sou boazinha assim mesmo. ELTON- Beijo. MARISA- Beijo, até! (Se beijam e se despedem)(elton sai) MARISA- (Pega o telefone e disca) Laura, é a Marisa, o Elton já saiu de casa e está indo para aí. (Tempo) Ta tudo certo, ele acha que eu penso que ele vai passar uns dias na casa da mãe dele. (Tempo) Qualquer coisa me liga. Beijinho. (Desliga o telefone) MARISA- Agora sim!!! Este apartamento é todo meu, só meu. Tenho que corrigir provas, silêncio total, sem som de televisão com jogo de futebol, nem filme, nem nada. Ah! Todo mundo merece férias do marido. Posso ouvir minhas músicas sem ninguém dizer que é brega. (Põe uma música e dança sozinha) Não, agora eu quero ver TV, programa de fofoca, programa de culinária, só de pirraça!!! (Desliga o som e liga a TV) Agora eu quero ler em silêncio absoluto (Desliga a TV e pega um livro na estante) Que maravilha!!! Eu faço o que quero aqui. Quem manda aqui sou eu!!! Tem mais, vou lavar a calcinha e deixar dependurada na torneira do box, todos os dias!(gargalha) (Sai) (Casa de Laura. Elton chega com suas malas) LAURA- Estou tão feliz. ELTON- Feliz estou eu agora. LAURA- Fique à vontade, eu vou guardar suas malas. ELTON- Me dê um beijo antes! (Tenta agarrá-la) LAURA- (Se desvencilha dele) Não. Está pensando que minha casa é bagunça? Mala não fica na sala. (Ela pega a mala e leva para dentro.) ELTON- Está bem. (Sai) (Mudas-se a luz. Elton está na sala de pijama lendo um jornal. Laura entra) LAURA- Bom dia. ELTON- Bom dia. LAURA- Alguma coisa boa neste jornal? (Remexe o jornal) Você só lê a parte de esportes e os classificados? ELTON- Sim. LAURA- Não lê sobre a cidade, a Economia e a Política? 17

18 ELTON- Casado com a Marisa eu não precisava ler esta parte do jornal, ela mesma me comunicava. Pra que vou ler sobre Economia, Política... È sempre a mesma história, pra no fundo ser resumido pelo que minha avó sempre dizia: Se merda fosse dinheiro, pobre não teria cu. LAURA- (Ri surpresa) Não acredito que ouvi isto. ELTON- Os classificados sim, leio todos os dias, na luta e esperança de um emprego bom. LAURA- Tem visto algo. ELTON- Não. LAURA- Por que você não tenta conversar com seu antigo chefe? Às vezes ele pode te indicar para uma outra empresa, ou até mesmo, numa situação melhor, recontratá-lo. ELTON- Não, não. LAURA- (Muda de assunto) Você acha que estou bonita? ELTON- Acho. LAURA- (Suspira) Urff. ELTON- O que foi? Eu não disse que estava bonita? LAURA- Mas eu queria que você dissesse maravilhosa. ELTON- Você é maravilhosa. (Muda de assunto) Eu já queria saber o que vamos almoçar? LAURA- Mas ainda nem tomamos café. ELTON- Sim, mas gosto de programar o meu dia inteiro. Eu estava reparando, Laura, não tem carne nesta geladeira? LAURA- Não, eu sou vegetariana. ELTON- O quê?! Você sobrevive como? Ah! Eu não quero passar o dia inteiro com fome! LAURA- Mas Elton, tem pão integral, pasta de berinjela, bolo de cenoura, tudo quanto é fruta e verdura na geladeira... ELTON- Não tem carne mesmo? LAURA- Não. ELTON- E se eu quiser comer um bife no almoço? 18

19 LAURA- Pode se dirigir a um restaurante. ELTON- Caramba. LAURA- Não se cozinha animais aqui, regra da casa. ELTON- (Irritado) Também é regra da casa deixar tufos de cabelo no ralo do box? LAURA- Não, é regra pessoal, a casa é minha. ELTON- Por acaso é regra pessoal sua ser tão escrota? LAURA- E por acaso é regra pessoal sua transar só numa posição, e ao terminar, se virar e dormir? ELTON- (Desconcertado) O quê?! Como? Ora, você está baixando o nível! LAURA- Ai se arrependimento matasse. Sabia que eu iria sair perdendo nesta história. ELTON- Que história? LAURA- Nada não. Esta nossa agora. ELTON- Tem alguma coisa errada? Fala! LAURA- Droga! Droga! A Marisa que me perdoe, mas vou falar logo, isto está me incomodando. Vou abrir logo o jogo. ELTON- A Marisa? O quê que ela tem haver com isso? LAURA- Foi o seguinte: você ficaria um mês aqui em casa comigo e eu perdoaria a dívida do aluguel do apartamento de vocês. Simples. ELTON- O quê?! Isto tudo estava armado? Aquele dia lá em casa, que você falou que gostava de chorinho, falou de futebol, aquilo tudo era armado? LAURA- Saiu de improviso. ELTON- Vocês são duas filhas da puta mesmo! E agora o que faço? LAURA- Continue aqui, podemos conversar mais, sei lá, fique calmo. ELTON- Que sacanagem esta a de vocês! LAURA- Não foi tão sacanagem assim, foi um experimento, eu só queria ver se você conseguia ser diferente do que era com ela. ELTON- Como vocês fizeram isto comigo? 19

20 LAURA- Não fique zangado, foi com a melhor das intenções. Ela disse que foi para apimentar a relação, eu também estava tão carente. ELTON- (Pensa) Sabe Laura, eu posso ser diferente sim, posso provar que não fico só reclamando da vida. Posso provar que sou homem, que sou macho de verdade, que faço todas as funções de um craque. LAURA- Claro que pode. ELTON- Você é sensível, inteligente, muito corajosa para me falar isto, você merece um tratamento melhor, com mais carinho, com mais paciência. Vamos conversar mais sobre isto? Vamos? LAURA- Vamos. (Saem) (Entra Marisa) MARISA- Meu Deus, esta casa está tão vazia, ninguém para falar nada, ninguém nem se quer para reclamar do tempo... Já enjoei, são duas semanas que estou sozinha, angustiada. (Pega a maçaneta imperial e começa a passá-la pelo corpo) D. Pedro II me ajude, me ajude neste momento de solidão. Me ajude! (Ventanias e trovões; portas começam a bater; aparece a figura alta, de barba e cabelos grisalhos, é D. Pedro II) PEDRO II- (Com voz fina) Boa Noite. MARISA- (Grita) Ahhhh! Sai alma penada! PEDRO II- Sou eu, Pedro Alcântara, seu amigo. Não me reconheces? MARISA- É você? D. Pedro II? Você veio me ajudar? Eu sabia que poderia contar contigo, você nunca me abandonaria! PEDRO II- Tranqüiliza-te, estou aqui para ajudá-la. MARISA- (Decepcionada com a voz fina) Pedro, eu pensei que com este corpo avantajado sua voz fosse mais... Deixa para lá. Que bom que está aqui, meu ídolo. PEDRO II- Então caríssima, como posso afagar seu coração? MARISA- Ai Pedrinho, estou muito só, ninguém para me fazer um carinho. PEDRO II- Senhora, eu... MARISA- Senhora? Pedrinho, não me chame de senhora. PEDRO II- Está bem, mas quantas primaveras a senhorita têm? MARISA- Pedrinho?! Não se pergunta a idade para uma mulher!!! 20

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa?

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa? Primeiro eu gostaria de saber.. eh se você tem namorado? Namorado, tenho não. Já tive muito mais agora faz treis meses que eu moro com um rapaz é um argentino qui qui primeiro quando eu conheci estava

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6

WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6 WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6 Cena 1 Casa de Carolina/ Dia/ Interna Os tios de Carolina ainda estão na varanda junto com ela e o marido, o telefone toca e Carolina vai atender Carolina: Alô,

Leia mais

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Meu nome é Carla Karen Quispe Lipa. Sou nascida na Bolívia, na cidade de La Paz e vim para o Brasil com nove anos de idade com os

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos Fragmentos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe

Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe O pôster Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe média, pequeno mas bem decorado. Uma porta aberta à esquerda mostra a cozinha, onde Maria prepara o jantar. Na sala, João está de frente

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados

Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados 1 Personagens: PALHAÇO CABELINHO, o malvado PALHAÇO PINDUCA, o bonzinho SEU ANTÔNIO, o dono do circo MULHER BARBUDA, ingênua e romântica ps.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Mamãe, princesa, papai, jogador

Mamãe, princesa, papai, jogador Capítulo 1 Mamãe, princesa, papai, jogador Com relação aos pais acontece a mesma coisa que com o clima. Não os escolhemos. Gostando ou não, eles estão aí e não faz sentido algum reclamar. Para ser sincero,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração.

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Marcus Vinícius Rodrigues Garcia. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Liège, Belgica. Bom, agora já faz quase três meses que eu estou aqui na Bélgica

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DO AUDIO CAPTADO durante realização da PCC : Atenção: os trechos inaudíveis foram marcados com o seguinte símbolo: (...

TRANSCRIÇÃO DO AUDIO CAPTADO durante realização da PCC : Atenção: os trechos inaudíveis foram marcados com o seguinte símbolo: (... TRANSCRIÇÃO DO AUDIO CAPTADO durante realização da PCC : Atenção: os trechos inaudíveis foram marcados com o seguinte símbolo: (...) Oi, meu nome é C., eu moro em Goiania, eu tenho uma família muito boa,

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais