UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS FRANCISCO ASSIS COSTA JÚNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS FRANCISCO ASSIS COSTA JÚNIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL FRANCISCO ASSIS COSTA JÚNIOR ANÁLISE DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS ASSOCIADAS ÀS IMPERMEABILIZAÇÕES: CAUSAS, CORREÇÕES E PREVENÇÃO. MOSSORÓ-RN 2013

2 FRANCISCO ASSIS COSTA JÚNIOR ANÁLISE DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS ASSOCIADAS ÀS IMPERMEABILIZAÇÕES: CAUSAS, CORREÇÕES E PREVENÇÃO. Monografia apresentada a Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA, Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas para obtenção do título de Engenheiro Civil. Orientador: Prof. M.Sc. João Paulo Matos Xavier MOSSORÓ-RN 2013

3 Ficha catalográfica preparada pelo setor de classificação e catalogação da Biblioteca Orlando Teixeira da UFERSA C837a Costa Júnior, Francisco Assis. Análise de manifestações patológicas associadas às impermeabilizações: causas, correções e prevenção / Francisco Assis Costa Júnior. Mossoró, RN : f. : il. Orientador: Profº. M. Sc. João Paulo Matos Xavier. Monografia (Graduação) Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Graduação em Engenharia Civil, Impermebilização execução. 2. Manta asfaltica. 3. Argamassa polimérica. I. Título. CDD: Bibliotecária: Marilene Santos de Araújo CRB-5/1033

4

5 A toda minha família, pelo amor e o apoio incondicional.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente ao meu pai, Assis, por seu apoio e instruções, que contribuiu muito para meu aprendizado. A minha mãe, Lúcia, pelo amor e paciência de sempre. As minhas irmãs, Isabel e Raquel, por sempre estarem do meu lado. Ao meu orientador, João Paulo, pela orientação desse trabalho. Ao professor e coordenador do curso de Engenharia Civil, Raimundo Amorim, pela dedicação frente a formação da primeira turma de engenharia civil da UFERSA. Aos amigos que me fizeram companhia e parceria.

7 Talvez não tenha conseguido fazer o melhor, mas lutei para que o melhor fosse feito. Não sou o que deveria ser, mas Graças a Deus, não sou o que era antes." Martin Luther King.

8 RESUMO O objetivo desse trabalho é avaliar a importância das impermeabilizações no surgimento de manifestações patológicas nas construções. Será explanado um breve estudo a respeito da impermeabilização, as patologias que podem vir a surgir a execução do sistema impermeável e por seguinte analisar duas situações relacionadas ao tema, no qual se verificou a realização dos serviços se estavam de acordo com normas e procedimentos, desde um projeto inicial até a conclusão da impermeabilização. Neste trabalho foram tomados dois estudos de caso, um relatando sobre o ocorrido com uma piscina que apesar de impermeabilizada apresentou diversos vazamentos e outro um caso especial, duas cisternas que apresentavam vazamentos, em uma situação de difícil definição de qual seria o melhor sistema de impermeabilização a utilizar. Os estudos de caso se desenvolveram através de um roteiro de verificação, onde foi feito uma analise de três pontos principais: Projeto, processo executivo e serviços complementares. Concluiu-se com essa pesquisa que é necessário uma impermeabilização, com o propósito de evitar o surgimento de patologias, que danificam a estrutura e diminuem a durabilidade da edificação, ocasionando custos extras, além da insatisfação do proprietário ou usuário. A impermeabilização necessita de um planejamento prévio, para que possa se escolher o material adequado, com profissionais capacitados e uma execução correta, além de ser preciso uma manutenção preventiva a fim de evitar o surgimento de possíveis manifestações patológicas. Palavras chaves: Impermeabilização, execução, manta asfáltica, argamassa polimérica, projeto.

9 ABSTRACT The aim of this study is to evaluate the importance of waterproofing in the emergence of pathological manifestations in buildings. Will be explained a brief study about the waterproofing, the pathologies that can arise running the waterproof system and analyze the following two situations related to the theme, which revealed the completion of service were up to standards and procedures provided an initial design to completion of waterproofing. In this work were taken two case studies, one reporting on the event with a pool that despite waterproofed presented several leaks and other a special case, two cisterns that had leaks in a situation difficult to define what would be the best waterproofing system use. The case studies were developed through a check script, which was made an analysis of three main points: Design, execution process and additional services. It was concluded from this study that sealing is required, in order to avoid the creation of conditions that damage the structure and reduce the durability of the building, causing extra costs, as well as the owner or user dissatisfaction. The waterproofing requires prior planning, so you can choose the appropriate materials, trained professionals and a correct execution, besides being accurate preventive maintenance in order to avoid the appearance of possible pathologies. Keywords: Waterproofing, execution, manta asphalt, polymeric mortar, project.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 -Cabonatação, alcalinidade da camada de concreto por indicador químico Figura 2 - Corrosão Figura 3 - Degradação do concreto Figura 4 Gesso danificado Figura 5 - Eflorescência Figura 6 - Área regularizada e limpa Figura 7 Cantos e Aresta Figura 8 - Dois componentes da argamassa polimérica Figura 9 - Aplicação de argamassa polimerica Figura 10 - Materiais Figura 11 - Aplicação do prime Figura 12- Detalhe ralos Figura 13 - Detalhe tubo passando pela laje Figura 14 - Detalhe junta de dilatação Figura 15 - Alinhamento e aplicação Figura 16 - Teste de lâmina d'água Figura 17 - Planta baixa do condomínio, com localização da piscina Figura 18 Cerâmica retirada e reboco rachado Figura 19 Rachaduras em toda a manta Figura 20 Rachaduras e colapsos Figura 21 Rachaduras e colapsos Figura 22 Rachaduras e colapsos Figura 23 Rachaduras e colapsos Figura 24 - Projeto de impermeabilização / Área a ser impermeabilizada Figura 25 - Planta das cisternas Figura 26 - Colocação de parafusos Figura 27 - Colocação de parafusos Figura 28 - Colocação de parafusos... 61

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Contratação dos serviços de impermeabilização Tabela 2 Projeto básico e projeto executivo Tabela 3 Roteiro de verificação Tabela 4 Roteiro de piscina do condomínio Tabela 5 Roteiro de verificação das cisternas... 62

12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Pesquisa das principais causas de infiltrações...22

13 LISTA DE SIGLAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas ART - Anotação de Responsabilidade Técnica BWG - Birmingham Wire Gauge (medida de arame de Birminghan) CREA - Conselho Regional de Engenharia Agronomia EPI - Equipamento de Proteção Individual NBR Norma BrasileiraRegulamentadora UFERSA Universidade Federal Rural do Semiárido

14 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos CONCEITOS INERENTES AO TEMA DURABILIDADE, DESEMPENHO E MANUTENÇÃO UMIDADE PATOLOGIAS IMPERMEABILIZAÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO SISTEMAS UTILIZADOS EM IMPERMEABILIZAÇÃO RÍGIDO FLEXÍVEL OS PROCESSOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO CIMENTO IMPERMEABILIZANTE E POLÍMEROS Preparação da superfície: Execução da impermeabilização Proteção Mecânica MANTA ASFÁLTICA COM ARMADURA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO Preparação da superfície: Execução da Impermeabilização Teste de Lâmina de água Camada Separadora Proteção Mecânica Acabada METODOLOGIA ESTUDOS DE CASOS CASO 1 PISCINA CASO 2 - CISTERNA CONCLUSÕES... 65

15 7.1 CASO 1 PISCINA CASO 2 - CISTERNAS CONSIDERAÇÕES FINAIS E SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS. 67 REFERÊNCIAS ANEXO... 70

16 16 1. INTRODUÇÃO Os materiais, as técnicas e os processos de construção de edifícios têm evoluído de forma acentuada nos últimos tempos, requerendo cada vez mais conhecimentos multidisciplinares por parte dos engenheiros, arquitetos, pedreiros, serventes e os construtores em geral. Novos processos têm sido adotados com base em práticas tradicionais da construção resultando, muitas vezes, em insucessos técnicos e econômicos. Isto provoca mudanças de caráter muito mais profundo e radical. (Thomaz, 2002). Atualmente, a construção civil tem um grande avanço na área tecnológica, que reduzem custo e tempo de obra, o que exige um maior controle de execução, uma mão de obra mais qualificada e um maior planejamento prévio. De acordo com Silva (2000), a adoção de novas técnicas, novos materiais e melhoria no processo construtivo têm como efeito menos trabalho realizado no canteiro de obras, aumentando a parcela de tarefas realizadas no escritório e em fábricas de componentes. Uma parte substancial do trabalho artesanal típico da construção civil será substituída pela montagem de componentes, que requer menos esforço físico e novas competências profissionais. E com um pensamento de eficácia é que surge conceitos de durabilidade e desempenho, para que a construção atenda requisitos de qualidade exigidos e surgindo também a necessidade de uma maior manutenção. No item 3.46 da ABNT NBR 9575/10, tem-se Infiltração - penetração indesejável de fluidos nas construções. Já no item 3.39 da mesma NBR, impermeabilização é conjunto de operações e técnicas construtivas (serviços), composto por uma ou mais camadas, que tem por finalidade proteger as construções contra a ação deletéria de fluidos, de vapores e da umidade. Já o IBI (Instituto Brasileiro de Impermeabilização), define impermeabilização como uma técnica que consiste na aplicação de produtos específicos com o objetivo de proteger as diversas áreas de um imóvel contra ação de águas que podem ser de chuva, de lavagem, de banhos ou de outras origens. As infiltrações destroem estruturas, alvenarias e revestimentos, deixa o ambiente insalubre (umidade, fungos e mofo), diminuindo a vida útil da edificação, sem falar no desgaste do proprietário ou usuário que sofre com a má qualidade de vida causada pelos problemas existentes no imóvel. O IBI também relata que: No Brasil, a impermeabilização entendida como item da construção que necessitava de normalização, ganhou especial impulso com as obras do

17 17 Metrô da cidade de São Paulo, que se iniciaram em A partir das reuniões para se criar as primeiras normas brasileiras de impermeabilização na ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, por causa das obras do Metrô, este grupo pioneiro, após a publicação da primeira norma brasileira de impermeabilização em 1975, funda neste mesmo ano o IBI - Instituto Brasileiro de Impermeabilização para prosseguir com os trabalhos de normalização e iniciar um processo de divulgação da importância da impermeabilização que prossegue até os dias de hoje. O trabalho tem em seu corpo informações sobre impermeabilização, importância, execução, escolha do melhor sistema impermeável, as patologias oriundas de infiltrações. Relata que para impermeabilizar é necessário uma análise de como pode surgir umidade na construção e assim combatê-la, utilizando um método eficaz, que solucione o problema com o menor custo possível. 1.1 JUSTIFICATIVA A impermeabilização é um serviço que vem sendo cada vez mais solicitado e reconhecido, devido a alta incidência de manifestações patologias relacionadas a umidade. Desta forma se faz necessário a elaboração de novos estudos, tendo em vista de que se trata de um sistema que exige mão de obra qualificada como também para se avaliar os possíveis erros, seja pela escolha do método de impermeabilização ou de execução. Aliado a isso essa pesquisa faz parte de um conjunto de trabalhos que objetivam o estudo de manifestações patológicas em edificações proposto pelo Curso de Engenharia Civil da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) com ênfase na área de patologia das estruturas. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Este trabalho apresenta como objetivo geral explanar sobre impermeabilização e dois de seus métodos hoje utilizados e normatizados, assim como demonstrar os efeitos de uma má impermeabilização ou a inexistência dela, avaliando as possíveis causas, prevenção e correções de manifestações patológicas associadas as impermeabilizações.

18 Objetivos específicos Nos objetivos específicos pretende-se: Analisar e indicar os aspectos de projeto que visam prevenir o surgimento de manifestações patológicas associadas as impermeabilizações. Analisar os aspectos referentes a execução das impermeabilizações, evitando possíveis danos precoces. Mostrar como analisar casos com a finalidade de saber qual o melhor método a ser aplicado nas diversas situações, como em uma cisterna, caixa d água, laje, fundações, entre outros. Analisar dois estudos de caso: Uma piscina que apesar de impermeabilizada apresentou diversos vazamentos; Duas cisternas que apresentavam sérios vazamentos, em uma situação de difícil definição de qual seria o melhor sistema de impermeabilização a utilizar.

19 19 2. CONCEITOS INERENTES AO TEMA 2.1 DURABILIDADE, DESEMPENHO E MANUTENÇÃO Através do item da ABNT NBR 6118/07 vê-se durabilidade como: Consiste na capacidade da estrutura resistir às influências ambientais previstas e definidas em conjunto pelo autor do projeto estrutural e o contratante, no início dos trabalhos de elaboração do projeto. O item 3.1 da ABNT NBR 5674/99 define desempenho como sendo a capacidade de atendimento das necessidades dos usuários da edificação. Assim é de suma importância que um bem que é dito como durável, como um edifício apresente um planejamento que defina serviços no momento da sua construção que proporcione condições de melhor desempenho, atendendo com eficiência as necessidades do ocupante do edifício. Para que a haja uma maior durabilidade, bom desempenho, também se faz necessário uma séria de ações no decorrer da vida útil do prédio, que vem a ser a manutenção preventiva e corretiva. Na ABNT NBR 5674/99 no item 4 tem-se o escopo da manutenção de edificações, onde: A manutenção de edificações visa preservar ou recuperar as condições ambientais adequadas ao uso previsto para as edificações. A manutenção de edificações inclui todos os serviços realizados para prevenir ou corrigir a perda de desempenho decorrente da deterioração dos seus componentes, ou de atualizações nas necessidades dos seus usuários. A manutenção de edificações não inclui serviços realizados para alterar o uso da edificação. De acordo com o item 3.1 da ABNT NBR 5674/99: Manutenção: Conjunto de atividades a serem realizadas para conservar ou recuperar a capacidade funcional da edificação e de suas partes constituintes de atender as necessidades e segurança dos seus usuários. A impermeabilização quando combate a umidade, previne contra degradações que podem ocorrer devido a esta, contribuindo assim para uma melhor durabilidade e desempenho, além de evitar manutenções corretivas e para isso exige também algumas manutenções preventivas.

20 20 A impermeabilização tem o papel de proteção contra a umidade, evitar o contato direto da água com algumas partes da edificação, prevenindo desconfortos e problemas estruturais que podem vir a ser causados por esta. 2.2 UMIDADE Segundo o dicionário Michaelis umidade é qualidade do que é ou está úmido, quantidade de líquido no organismo. Relento, orvalho, garoa. Klein (1999) relata umidade como sendo qualidade ou estado úmido ou ligeiramente molhado. A água é um forte agente agressivo que com sua ação poderá acarretar fadiga e problemas nos elementos construtivos, segundo Verçoza (1991) a umidade é o fator essencial para o aparecimento de eflorescências, ferrugens, mofo, bolores, perda de pinturas, de rebocos e até a causa de acidentes estruturais. E para combater a umidade tem-se uma difícil tarefa uma vez que ela tem várias formas de surgimento na estrutura, são vários caminhos a serem combatidos. Para Verçoza (1991), a umidade pode surgir nas construções das seguintes maneiras: Trazidas durante a construção; Trazidas por capilaridade; Trazidas por chuva; Resultantes de vazamentos em redes hidráulicas; Condensação. 2.3 PATOLOGIAS Para Granato: Patologia: É a ciência que estuda a origem, os sintomas e a natureza das doenças. Pathos = doença Logos = estudo. E é esse o que tem-se que evitar, na construção civil, vem a ser os defeitos ocasionados pela má execução de serviços, a utilização de materiais impróprios ou a ação agressiva de alguns agentes como vento, água, ambientes corrosivos, calor, entre diversos outros. Segundo Pinto (1996) as patologias de impermeabilização de uma forma geral apresentam-se com características próprias e sistematizadas conforme as descrições a seguir:

21 21 Carbonatação: Redução da alcalinidade com o tempo, nas superfícies expostas das estruturas de concreto, acarretando a despassivação da armadura da estrutura, essa redução ocorre pela ação principalmente do gás carbônico presente na atmosfera. A Figura 1 mostra a carbonatação verificada devido ao indicador químico, a fenolftaleína. Figura 1 - Cabonatação, alcalinidade da camada de concreto por indicador químico Fonte: Corrosão (Figura 2): Ataque de natureza eletroquímica nas barras da estrutura, em que a presença de umidade, conduz a formação de óxidos/hidróxidos de ferro. A corrosão só ocorre nas seguintes condições: Deve existir um eletrólito (representado pela água); Deve existir uma diferença de potencial (obtido pela tração nas barras de aço); Deve existir oxigênio (ar atmosférico).

22 22 Figura 2 - Corrosão Fonte: Degradação do concreto: ocorre devido a ação da água provocando a dissolução de sais e lixiviamento dos mesmos, conforme Figura 3. Figura 3 - Degradação do concreto Fonte:

23 23 Degradação do forro de gesso: Decomposição do revestimento executado em placas de gesso, devido à ação da água, provocando a dissolução de sais e lixiviamento dos mesmos, vindo a manifestar-se na superfície como bolor, descascamento da pintura e desagregamento do revestimento entre outros. Na Figura 4 tem-se a quebra do gesso devido a ação da água. Figura 4 Gesso danificado Fonte: Desagregação da argamassa: A desagregação inicia-se na superfície dos elementos de concretos com uma mudança da coloração, seguida de um aumento de fissuras que surgem pela perda do caráter aglomerante do cimento, devido ao ataque, principalmente de sulfatos e cloretos, deixando os agregados livres da união que lhes proporciona a pasta. Desagregação de tijolos maciços: Formação de pó de coloração avermelhada e na forma de escamas, seguida de camadas alternadamente ao interior da peça, devido ao ataque de sulfatos e exagerada pressão hidrostática interna.

24 24 Eflorescências: Formação de depósitos de sais cristalizados originados pela migração de água, rica em sais, do interior dos componentes de alvenaria e/ou concreto. São identificados por coloração geralmente esbranquiçada (Figura 5). Figura 5 - Eflorescência Fonte: Gotejamento de água: Umidade excessiva que se concentra em um ponto da superfície por tensão superficial, caindo por gravidade ao atingir determinado volume. Mancha de umidade: Uma parte circunscrita da superfície que se apresenta impregnada de água, apresentando cor diferente do restante da mesma. Vegetação: é o crescimento de plantas em determinados pontos da estrutura, geralmente em locais com fissuras e presença de umidade. Vesículas: São as formações de bolhas na pintura, que apresentam em seu interior nas cores branca, preta e vermelha acastanhado. O gráfico 1 mostra uma pesquisa das principais causas de infiltrações em uma edificação. Gráfico 1 Pesquisa das principais causas de infiltrações.

25 25 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Causas Principais Fissuras no rodapé das paredes Infiltrações na periferia de ralos e tubulações Fissuras na estrutura Falta efetiva de impermeabilização Projeção mecânica da impermeabilização Fonte: Antonelli (2002).

26 26 3. IMPERMEABILIZAÇÃO A necessidade da impermeabilização é evidente, entretanto como faz parte do processo construtivo deve ter um planejamento prévio, no qual faz-se uma análise da obra e estuda-se as possíveis formas de ação da umidade neste. Desta forma para um melhor desempenho da impermeabilização deve-se fazer um projeto, assim como o arquitetônico, o estrutural, o elétrico entre outros, no qual descreva detalhadamente os tipos de impermeabilizações a serem usados e sua execução. Esse projeto deve ser feito por um profissional da área legalmente habilitado, devendo conter o que normalmente há em qualquer outro projeto como: estudo preliminar, projeto básico, projeto executivo e serviços complementares necessários. 3.1 PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO Segundo o item IX do Art.6º da seção II da Lei 8.666/93: Projeto - É o conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra, serviço ou aquisição de materiais e deve ser elaborado com base nas indicações de estudos técnicos preliminares. O projeto executivo de impermeabilização deve ser realizado por profissionais legalmente habilitados no CREA, que possam exercer esta atividade. O responsável técnico de execução deve obedecer ao projeto totalmente. Em todos os projetos (básico, executivo e realizado), devem constar os dados do profissional responsável junto ao CREA, bem como a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). O projeto de impermeabilização deve ser desenvolvido em conjunto e interagindo com o projeto geral e os projetos setoriais, prevendose as especificações em termos de dimensões, cargas, cargas de testes e detalhes. Segundo Antunes (2004) a existência de um projeto de impermeabilização minimiza a ocorrência das patologias, já que permite controlar a execução, além de prever detalhes construtivos como arremates. Na Tabela 1 tem-se uma orientação, de acordo com ao situação, como deve ser a contratação dos serviços de impermeabilização, se requer projeto ou não.

27 27 Tabela 1 - Contratação dos serviços de impermeabilização Fonte: IBI O projeto deve ser constituído de: memorial descritivo e justificativo, desenhos e detalhes específicos, além das especificações dos materiais e dos serviços a serem empregados e realizados. Para a elaboração do projeto devemos considerar: A estrutura a ser impermeabilizada - Tipo e finalidade da estrutura, deformações previstas e posicionamento das juntas. As condições externas às estruturas - Solicitações impostas às estruturas pela água, as impermeabilizações, detalhes construtivos, projetos interferentes com a impermeabilização e análise de custos X durabilidade. Segundo Ischakewitsch (1996) a participação do projetista de impermeabilização no projeto da obra deve ser na mesma época em que o arquiteto inicia o primeiro estudo, sendo que alguns conceitos básicos no projeto podem e devem ser adotados logo no inicio dos estudos, tais como: Posicionamento da camada de impermeabilização na configuração do sistema; Previsão de acabamentos e terminações que possibilitem a manutenção futura;

28 28 Vantagens que outros projetos complementares, tais como, os de condicionamento de ar, isolamento térmico, paisagismo e outros, podem aferir do correto dimensionamento e posicionamento da impermeabilização; Vantagem que o projeto de instalações hidro-sanitárias pode aferir devido à distribuição mais racional e compatibilizada de pontos de escoamento e/ou calhas. Segundo Souza e Melhado (1998) o projeto de impermeabilização deve conter as seguintes informações: Os sistemas a serem adotados em cada uma das áreas; A espessura total do sistema de impermeabilização (incluindo-se a regularização); As alturas e espessuras necessárias dos eventuais rebaixos necessários na alvenaria para a execução dos rodapés; Desníveis necessários para a laje; Corte típico de cada sistema a ser empregado, identificando as camadas e suas respectivas espessuras mínimas e declividades; Lista com os pontos críticos dos demais projetos que possam comprometer o sistema de impermeabilização, juntamente com as justificativas e as alterações propostas; A ABNT NBR 9575/10 o item recomenda que o Projeto executivo de impermeabilização deve conter: Plantas de localização e identificação das impermeabilizações, bem como dos locais de detalhamento construtivo; Detalhes específicos e genéricos que descrevam graficamente todas as soluções de impermeabilização; Detalhes construtivos que descrevam graficamente as soluções adotadas no projeto de arquitetura; Memorial descritivo de materiais e camadas de impermeabilização; Memorial descritivo de procedimentos de execução; Planilha de quantitativos de materiais e serviços. A Tabela 2 detalha o projeto básico e o projeto executivo.

29 29 Tabela 2 Projeto básico e projeto executivo Fonte: IBI 3.2 CLASSIFICAÇÃO De acordo com o item 4 da ABNT NBR 9575/10, os tipos de impermeabilização são classificados segundo o material constituinte principal da camada impermeável. Cimentícios: argamassa com aditivo impermeabilizante; argamassa modificada com polímero; argamassa polimérica;

30 30 cimento modificado com polímero. Asfálticos membrana de asfalto modificado sem adição de polímero; membrana de asfalto elastomérico; membrana de emulsão asfáltica; membrana de asfalto elastomérico, em solução; manta asfáltica. Poliméricos membrana elastomérica de policloropreno e polietileno clorossulfonado; membrana elastomérica de poliisobutileno isopreno (I.l.R), em solução; membrana elastomérica de estireno-butadieno-estireno (S.B.S.); membrana elastomérica de estireno-butadieno-eçtireno-ruber (S.B.R.); membrana de poliuretano; membrana de poliuveia; membrana de poliuretano modificado com asfalto; membrana de polímero acrílico com ou sem cimento; membrana acrílica para impermeabilização; membrana epoxídica; manta de acetato de etilvinila (E.V.A.); manta de policloreto de vinila (P.V.G.); manta de polietileno de alta densidade (P.E.A.D.); manta elastomérica de etilenopropilenodieno-monomero (E.P.D.M.); manta elastomérica de poliisobutileno isopreno (1.l.R). Para que seja possível determinar qual dos vários tipos de impermeabilização deve-se usar, primeiramente tem que analisar de que forma a infiltração pode surgir na construção, o item 5 da ABNT NBR 9575/10, cita quatro formas: Água de percolação; Água de condensação; Umidade do solo; Pressão unilateral ou bilateral.

31 31 Enquanto que, em relação à atuação da água, para Cunha e Neumann (1979) é necessário considerar que: Água de percolação é a que atua em terraços, coberturas e fachadas, onde existe livre escoamento, sem exercer pressão sobre os elementos da construção; Água de condensação é a água que atua quando ocorre a condensação do ar atmosférico; Água com pressão é a que atua em subsolos, caixas d'água, piscinas, exercendo força hidrostática sobre a impermeabilização. Pode ser de dois tipos: Água sob pressão negativa: exerce pressão hidrostática de forma inversa à impermeabilização; Água sob pressão positiva: exerce pressão hidrostática de forma direta na impermeabilização. Umidade por capilaridade é a ação da água sobre os elementos das construções que estão em contato com bases alagadas ou solo úmido. Souza e Melhado (1998) afirmam que a seleção do sistema de impermeabilização deve ter como diretrizes: Atender aos requisitos de desempenho; A máxima racionalização construtiva; A máxima construtibilidade; A adequação do sistema de impermeabilização aos demais subsistemas, elementos e componentes do edifício; Custo compatível com o empreendimento; Durabilidade do sistema. 3.3 SISTEMAS UTILIZADOS EM IMPERMEABILIZAÇÃO Conjunto de produtos e medidas adotados, que uma vez aplicados determinam a estanqueidade, a não permeabilidade da área desejada. Pode-se dividir em dois tipos: rígido e flexível.

32 Rígido A ABNT NBR 9575/10 no item 3.44 denomina impermeabilização rígida como conjunto de materiais ou produtos que não apresentam características de flexibilidade compatíveis e aplicáveis às partes construtivas não sujeitas a movimentação do elemento construtivo. Tem um menor custo, mas com restrições de apenas ser indicado para locais não sujeitos à: movimentação; forte exposição solar; variações térmicas e vibração. Como exemplos: Fundações (alicerces), poços de elevadores, subsolos, pisos em contato com o solo, paredes de encosta, muros de arrimo. Principais tipos são argamassa com aditivo impermeabilizante, argamassa polimérica, concreto Impermeável Flexível O item 3.41 a ABNT NBR 9575/10 classifica impermeabilização flexível como conjunto de materiais ou produtos que apresentam características de flexibilidade compatíveis e aplicáveis As partes construtivas sujeitas à movimentação do elemento construtivo. Para ser caracterizada como flexível, a camada impermeável deve ser submetida a ensaio específico. Por apresentar normalmente um custo mais elevado é mais indicado para estruturas sujeitas à movimentação, forte exposição solar, variações térmicas e vibração. Como exemplos: Lajes de cobertura, terraços, calhas de concreto, áreas frias: banheiros, cozinhas, áreas de serviço, abóbadas, reservatórios elevados. O sistema flexível se divide ainda em básicos de sistemas: Sistema flexível moldado no local: membranas asfálticas e acrílicas e argamassas poliméricas. Sistema flexível pré-fabricado: mantas asfálticas.

33 33 4. OS PROCESSOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Optou-se por detalhar dois processos de impermeabilização mais comumente usados: 4.1 CIMENTO IMPERMEABILIZANTE E POLÍMEROS. Normalmente esse processo de impermeabilização exige: Preparação de superfície; Impermeabilização pela face da área a ser impermeabilizada; Proteção mecânica primária e/ou proteção mecânica acabada Preparação da superfície: Para a preparação da base, deverão ser adotados alguns parâmetros básicos, conforme descrito a seguir: Área a ser tratada deverá estar isenta de corpos estranhos (pedaços de madeira, ferro etc) pó, graxa, óleos ou desmoldantes, para tanto, recomenda-se a lavagem da estrutura com escova de aço, Figura 6. Após a remoção das impurezas, deve-se jatear a área com água em abundância, se necessário utilizar detergente para total retirada das sobras destes elementos. Deverão ser fixadas todas as tubulações (hidráulica, esgoto, elétrica) e/ou corpos estranhos pertencente à área (chumbadores, fixações, cantoneiras, etc. conforme Figura 6).

34 34 Figura 6 - Área regularizada e limpa Fonte: Própria autoria Eventuais ninhos e falhas de concretagem ( bicheiras ou ferragem exposta) deverão ser recompostos com argamassa de cimento e areia média, traço 1:3 (proporção em volume), utilizando a água de amassamento composta de 1 parte de emulsão adesiva e 2 partes de água ou preferencialmente argamassa expansiva tipo grout. Quando houver ocorrência de infiltrações ou veios de água com influência de lençol freático, executar tamponamento com a utilização de cimento de pega ultrarrápida. Os cantos e arestas (verticais e horizontais) deverão ser arredondados em meia cana (R=8,0 cm), conforme Figura 7.

35 35 Figura 7 Cantos e Aresta Fonte: Própria autoria Ao longo das fissuras, ao redor das tubulações e/ou interferências que transpassem a área, deverão ser executadas aberturas, à serem tratadas convenientemente, através de calefação com mastique à base de polissulfeto (massa elástica mono componente a base de polissulfetos que vulcaniza-se à temperatura ambiente). Nota: As tubulações deverão ser chumbadas com argamassa expansiva tipo grout Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias: Recipiente para mistura do material; Furadeira; Broca tipo misturador ; Trincha ou vassoura de pelo;

36 36 Tesoura EPI s. Preparo do material: Adicionar aos poucos o componente B (cimento polimérico pó) ao componente A (resina líquido) (Figura 8) e misturar mecanicamente por 3 minutos ou manualmente por 5 minutos, dissolvendo totalmente os grumos que possam vir a formar. Após a mistura dos componentes A + B, o tempo de utilização deste não deverá ultrapassar o período de 40 minutos (Figura 8). Figura 8 - Dois componentes da argamassa polimérica Fonte: Própria autoria Aplicação do sistema: Umedecer previamente toda a superfície a ser impermeabilizada. É importante lembrar que a mesma não deverá estar encharcada.

37 37 Efetuar a aplicação com trincha ou vassoura (Figura 9) de pelo de 3 demãos da mistura (argamassa polimérica) em sentidos cruzados, respeitando intervalos de 2 a 6 horas entre demãos, dependendo da temperatura ambiente esse intervalo pode variar bastante. O importante é observar a secagem da demão anterior. Caso a mesma esteja muito seca, umedecer novamente a superfície antes da nova aplicação. Figura 9 - Aplicação de argamassa polimérica Fonte: IBI Em regiões de grande solicitação, como ao redor de ralos, tubulações, cantos arredondados (meia-cana), chumbadores, juntas de concretagem, etc., reforçar com tela de poliéster ou nylon, logo após a primeira demão. Caso existam fissuras, as mesmas deverão ser tratadas com mastique de polissulfeto, após a secagem completa do sistema. Não aplicar o cimento modificado com polímeros sobre superfície com massa que contenha cal ou hidrófugo.

38 Proteção Mecânica PRIMÁRIA Sobre a impermeabilização aplicar argamassa composta por cimento e areia (traço 1:3), com 1 cm de espessura; Nas verticais, aplicar chapisco prévio com cimento e areia, traço volumétrico 1:3. ACABADA Sobre a impermeabilização aplicar argamassa composta por cimento e areia (traço 1:3), com 2 cm de espessura, desempenada; Execução de juntas perimetrais e quadros de 2 x 2 m, com 1 cm de largura. 4.2 MANTA ASFÁLTICA COM ARMADURA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO. Esta seção inclui: Preparação de superfície. Impermeabilização de lajes descobertas com manta asfáltica 3/4 mm, SBS, aderida com maçarico. Teste de lâmina d água. Camada separadora. Proteção mecânica acabada. Preparação da superfície: Fazer uma limpeza retirando pedaços de madeira, ferro, plástico, pó, graxa ou óleos. Afim de maior celeridade e melhor limpeza deve-se usar jato compressor de água com detergente neutro. Fazer a fixação das tubulações hidráulica, esgoto (ralos), elétrica, caixas elétricas, chumbadores, fixações, cantoneiras, contra marcos, bem como devem-se corrigir eventuais falhas de concretagem com argamassa de traço 1:3 com adesivo na água de amassamento ou "grout". Importante: Observar sempre a condição do entorno da área para restringir interferências ou postergar o início dos serviços de impermeabilização.

39 39 As distâncias entre tubos deve ser suficiente para o perfeito acabamento do sistema e jamais tubos ou ralos devem ficar rentes a paredes. Execução da regularização: Etapa importante para o perfeito funcionamento do sistema impermeabilizante. o Fixar as mestras ajustando sempre nas áreas externas para caimento mínimo de 1,0% e em áreas internas mínimo de 0,5%. A argamassa de regularização não deve possuir aditivos hidrofugantes, sob pena reduzir a aderência do sistema. O seu traço em volume é 1:3 proporção de cimento e areia média peneirada e sem matéria orgânica. A água de amassamento a ser usada é composta de uma parte de emulsão adesiva por duas partes de água. o Fazer um rebaixamento da argamassa de regularização em torno dos ralos com raio de 30 cm, sob pena de reter água, dada à dupla manta ao redor dos mesmos. o Usar apenas desempenadeira de madeira para que fique com boa rugosidade. o Na vertical usar um chapisco de traço 1:2 para melhorar aderência do emboço. É necessário uma cava (3,0 cm) da parede para o perfeito encaixe das mantas. Adotar rodapé de 35 cm de altura. o Os cantos e arestas (verticais e horizontais) deverão ser arredondados em meia cana com raio circular de 5 cm. Evitar chanfros, mísulas, pois apenas reduzem o angulo de 90º para dois de 45º. o Deve ser previsto diferença de cota ± 2 cm entre ambientes internos e externos. Terminar a regularização em ambiente contínuos com relevo de ± 1 cm, restringindo a passagem de água. Execução da Impermeabilização Ferramentas necessárias: Espátula; Jogo de roletes para aderência; Cabo e Rolo de pintura de lã de carneiro; Estilete; Trena; Meada; Vassourão e vassoura de piaçava;

40 40 Vassoura de pelo; Brocas; Furadeira; Chave de fenda; Colher de pedreiro; Maçarico, Figura 10; EPI s. Figura 10 - Materiais Fonte: IBI Aplicação do sistema: A cura mínima da argamassa de regularização é 72 h. É necessário retirar toda a sujeira existente antes da aplicação do primer, inclusive poeira. Aplicar o prime e após a secagem do mesmo alinhar a manta de modo a cobrir toda área (Figura 11). Aguardar a completa secagem do mesmo que é de aproximadamente 4 horas (dependendo das condições climáticas, podendo chegar até 24 horas). No rodapé deve-se parar 5 cm abaixo da cava para permitir uma melhor fixação da argamassa nova com a antiga (ancoragem).

41 41 Figura 11 - Aplicação do prime Fonte: Própria autoria Executar detalhes, tais como ralos, juntas de dilatação, tubos que cortam a laje, entre outros específicos (Figuras 12, 13, 14). Figura 12- Detalhe ralos Fonte: Betumat Química

42 42 Figura 13 - Detalhe tubo passando pela laje Fonte: Betumat Química Figura 14 - Detalhe junta de dilatação Fonte: Betumat Química Fazer o alinhamento (Figura 15) das mantas asfálticas fabricadas com asfalto elastomérico (SBS), na horizontal, conferindo assim, o ponto de saída do sistema (esquadro), obedecendo também como ponto de saída, os pontos de

43 43 escoamento (ponto mais baixo) indo para os pontos mais altos. A sobreposição das mantas deverá obedecer a essa sequência para que ao final, essa sobreposição se assemelhe à sobreposição de telhas, ou seja, sempre seguindo o sentido do escoamento. Obs.: O sentido de aplicação das mantas variará em função da solicitação da estrutura. Figura 15 - Alinhamento e aplicação Fonte: Após o alinhamento da manta, rebobiná-la e iniciar a colocação. A colagem que deverá ser feita através da chama do maçarico devendo-se ter muito cuidado no bizelamento das emendas das mantas, Figura 12. Logo em seguida à colocação da primeira manta, as demais deverão ser sobrepostas em 10 cm, exemplificando na figura. Executar as mantas na posição horizontal, subindo 10 cm para a vertical (rodapés). Nota: No caso das paredes e fundo de reservatório mudar o primer para emulsão e não mais solução asfáltica, a fim de evitar o uso de solventes em ambientes fechados. Uma outra medida de segurança importante é o uso de

44 44 exaustores e ter sempre um membro da equipe de aplicadores de prontidão fora do reservatório para quaisquer eventualidades. Feito estas considerações a sequência do serviço é a seguinte Aplica-se o prime diluído em 30% de água; aguarda a sua cura (em torno de 6-8h) e segue naturalmente a sequência do item 2. Observação: Quando se tratar de impermeabilização de paredes de reservatório ou piscina não se utiliza a camada separadora e deve ser impermeabilizado o teto do reservatório, a fim de evitar uma aceleração da corrosão da armadura, com uso de emulsão asfáltica elastomérica. Teste de Lâmina de água Antes da camada separadora e da proteção mecânica, executar o teste de estanqueidade. Tamponar as saídas (portas, esquadrias com barreiras provisórias executadas com a própria manta) e pontos de escoamento (também com tamponamentos provisórios executados com a própria manta, ou esferas de borracha infláveis). Efetuar o enchimento do ambiente com lâmina de água, de acordo com a figura 13, limpa de aproximadamente 10 a 15 cm (o suficiente para que toda a extensão seja coberta). O teste deverá proceder durante 72 horas no mínimo (atendimento à norma) para que eventuais falhas no sistema sejam detectadas. Contudo para piscinas e grandes vãos deve-se deixar pelo menos cinco dias.

45 45 Figura 16 - Teste de lâmina d'água Fonte: Primer impermeabilizantes Camada Separadora Aplicar sobreposta sobre a camada de impermeabilização uma camada separadora (essencial para evitar a aderência da proteção mecânica na manta e a mesma sofrer os esforços de dilatação e contração da argamassa). Pode ser utilizado como camada separadora: Filme plástico de 24 micras de espessura; Esta etapa é transitória e, por conseguinte a proteção mecânica deve iniciar imediatamente evitando retrabalhos por danos causados ao sistema. Proteção Mecânica Acabada Sobre a impermeabilização aplicar argamassa composta por cimento e areia (traço 1:3), com 3 cm de espessura, desempenada. Execução de juntas perimetrais e quadros de 2 x 2 m, com 2 cm de largura e preenchidas com argamassa betuminosa, de areia e emulsão asfáltica, traço 8:3. ou asfalto elastomérico e em áreas de maior exigência estética usar poliuretano.

46 46 Nas verticais, aplicar chapisco prévio com cimento e areia, traço volumétrico 1:3. Fixar a tela galvanizada fio 24 (BWG), malha ½ com chapisco grosso e sobre este executar a argamassa de cimento e areia com traço volumétrico 1:3.

47 47 5. METODOLOGIA A aplicação da metodologia será realizada em dois estudos de caso. O primeiro é uma análise realizada numa impermeabilização ineficiente, onde foram verificadas as possíveis falhas. Já o segundo estudo de caso está relacionado a elaboração de uma possível solução de um problema de infiltração. Em ambos os estudos foi realizada uma análise comparativa na qual os serviços realizados estão de acordo com o que é normatizado, se a escolha do material foi adequada e se houve um projeto prévio do serviço. Para o acompanhamento dessa analise tem-se o roteiro de verificações a seguir e a Tabela 3: Projeto Existência de projeto; Verificação da área a ser impermeabilizada; Escolha do sistema adequado. Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada; Detalhes executivos. Serviços complementares Preparação da superfície; Proteção mecânica; Teste. Para seguir esse roteiro foram feitas diversas visitas aos locais de serviço, assim como fotos, e comparação com normas.

48 48 Tabela 3 Roteiro de verificação ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO SERVIÇO: SIM NÃO OBSERVAÇÕES Existência de projeto Projeto Verificação da área a ser impermeabilizada Escolha do sistema adequado. Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada Detalhes executivos Preparação da superfície Serviços complementares Proteção mecânica Teste Fonte: Própria autoria

49 49 6. ESTUDOS DE CASOS 6.1 CASO 1 PISCINA O primeiro estudo de caso se trata de uma impermeabilização realizada numa piscina de um condomínio residencial de apartamentos, no bairro de Alto do São Manoel em Mossoró/RN. A piscina está localizada no pavimento térreo, e foi executada pelo método construtivo de estrutura mista de concreto e bloco, e por apresentar um pavimento de subsolo abaixo da mesma, foi considerada como um reservatório elevado. A impermeabilização foi realizada com manta asfáltica seguindo todos os requesitos necessários, que foram relatados no item 4.2 deste trabalho, inclusive o teste de lâmina d água. Na Figura 17 pode-se vê a planta baixa do condomínio e a localização da piscina. Figura 17 - Planta baixa do condomínio, com localização da piscina Fonte: Construtora empreiteira

50 50 Entretanto após um ou dois meses da realização da impermeabilização, quando a obra já estava na fase de acabamentos, ou seja, prestes a ser entregue com a piscina totalmente concluída, foi constatado um vazamento, o que veio a ser um retrabalho pois já havia colocado a cerâmica, o que dificultaria muito para localizar o vazamento e solucionar o problema. Inicialmente com esse intuito retirou-se a cerâmica, Figura 18, e o reboco apenas das proximidades do local onde se apresentava o vazamento. A partir disto, tentou-se fazer um paliativo, fazendo remendos nos locais que apresentavam rachaduras na manta asfaltica. Notase que na retirada da cerâmica já foi constado uma rachadura de tamanho considerável no reboco, já sendo uma evidência que poderia ser um problema da estrutura. Figura 18 Cerâmica retirada e reboco rachado Fonte: Própria Autoria Mas a situação não foi sanada e continuou a aparecer mais vazamentos, logo houve a necessidade de retirar cerâmica e refazer toda a impermeabilização. Porém, quando a cerâmica foi retirada, constatou-se um novo problema, toda a manta apresentava rachaduras Figura 19 e por baixo dela foram encontradas em toda laje da piscina trincas, fissuras e desagregamento do concreto.

51 51 Figura 19 Rachaduras em toda a manta Fonte: Própria Autoria Constatou-se que a estrutura apesar de não ter chegado ao colapso, estava apresentando deslocamentos consideráveis o que favoreceu também para o surgimento dessas trincas e como consequência a ruptura do material impermeabilizante. Esse material apesar de flexível, não teve resistência suficiente para resistir as ações e partiu-se em alguns locais, como verificou-se após a retirada da cerâmica. As Figuras 20, 21, 22 e 23 mostram rachaduras e o rompimento do material impermeabilizante que comprovam o que foi acima explanado.

52 52 Figura 20 Rachaduras e rompimento do material impermeabilizante Fonte: Própria Autoria Figura 21 Rachaduras e rompimento do material impermeabilizante Fonte: Própria Autoria

53 53 Figura 22 Rachaduras e rompimento do material impermeabilizante Fonte: Própria Autoria Figura 23 Rachaduras e rompimento do material impermeabilizante Fonte: Própria Autoria

54 54 O fabricante de impermeabilizantes forneceu duas soluções (conforme Parecer Técnico em anexo), para casos especiais, para que a camada de impermeabilizante torne-se mais flexível, suportando assim uma maior movimentação. Ainda solicitou que para a impermeabilização ser feita, as patologias apresentadas deveriam ser tratadas, conforme orientação do estruturalista. E que também, era necessário promover um teste de carga plena (substrato) de no mínimo 72 horas, conforme consta da Norma (ABNT NBR 9574/08). Para a avaliação da impermeabilização tem-se a Tabela 4.

55 55 Tabela 4 Roteiro de piscina do condomínio SERVIÇO: Piscina de Condomínio ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO SIM NÃO OBSERVAÇÕES Existência de projeto x Projeto Verificação da área a ser impermeabilizada x Escolha do sistema adequado. x Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada Detalhes executivos x x Preparação da superfície x Serviços complementares Proteção mecânica x Teste x Fonte: Própria autoria

56 56 Projeto Existência de projeto; o Foi verificado a existência de um projeto de impermeabilização total do condomínio. A Figura 24 mostra uma parte do projeto que determinava a área térrea que necessita de impermeabilização e na comparação com a planta baixa (Figura17), a área da piscina está demarca como a ser impermeabilizada. Figura 24 - Projeto de impermeabilização / Área a ser impermeabilizada Fonte: Construtora empreiteira Verificação da área a ser impermeabilizada;

57 57 o No projeto as áreas a serem impermeabilizadas foram determinadas corretamente Escolha do sistema adequado. o Foi determinado sistemas diferentes para cada área determinada, adequando-os as necessidades de cada uma. Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada; o A impermeabilização foi feita corretamente, com profissionais especializados e treinados e material adequado de boa qualidade. Detalhes executivos. o Os detalhes executivos como ralos, cantos, emendas, entre outros foram feitos em conformidade. Serviços complementares Preparação da superfície; o A superfície que recebeu a impermeabilização foi devidamente preparada, com a limpeza total e regularização da superfície, também foi feita a fixação da tubulação hidráulica, de esgoto, elétrica, chumbadores, entre outros. Proteção mecânica; o Com a impermeabilização concluída e após o teste foi feita a proteção mecânica corretamente, junto com as juntas perimetrais e na vertical o chapisco prévio com cimento e areia, além da tela galvanizada fio 24 (BWG), malha ½ com chapisco grosso e sobre este executou a argamassa de cimento e areia. Teste. o Executou-se o teste de estanqueidade, tamponou-se as saídas (portas, esquadrias com barreiras provisórias executadas com a própria manta) e pontos de escoamento (também com tamponamentos provisórios executados com a própria manta, ou esferas de borracha infláveis). Efetuou o enchimento da piscina por completo e observou durante alguns dias.

58 CASO 2 - CISTERNA O segundo estudo de caso trata-se duas cisternas (Figura 25) localizadas em uma garagem de uma empresa de transporte e aluguel de máquinas. Essas cisternas são interligadas e apresentavam dimensões 3mx3mx3m e localizavam-se na área onde ocorre a lavagem dos veículos e são utilizadas com essa finalidade. Figura 25 - Planta das cisternas Fonte: Própria Autoria O responsável pela empresa reclamou que as cisternas baixavam o nível de água com frequência, inclusive em dias em que não se usava muita água, o que levava a crê que havia perda de água por infiltrações. Ele informou que já havia usado alguns métodos de impermeabilização, nos quais solucionavam o problema momentaneamente, mas que em alguns meses retornava.

59 59 Na análise das cisternas verificou-se várias trincas e fissuras, e verificou-se que possivelmente eram provenientes do constante movimento de carros grandes e máquinas que passavam sempre próximo as cisternas. Os impermeabilizantes já usados anteriormente eram todos rígidos, que vem a ser um sistema apropriado para reservatórios enterrados, mas não recomendado para locais com movimentações e vibrações. Viu-se então a necessidade de usar o sistema de impermeabilizante flexível, nesse caso a manta asfáltica. E ainda por ser um ambiente de muita movimentação e vibração, optou-se por uma manta de 4mm, mais espessa e resistente. O uso de manta poderia apresentar falha, devido à ser um reservatório enterrado em ambiente de lavagem, onde poderia existir água de fluxo negativo, ou seja, a água vinha de fora pra dentro, e nesse fluxo a água poderia infiltrar na alvenaria e no reboco chegando até a manta asfáltica. Como a manta é impermeável, a água não ultrapassa, ficando entre a manta e o reboco, e assim vai descolando a manta da parede. Com o descolamento, a manta não fica aderida as paredes e vem a cair, destruindo a impermeabilização e a proteção mecânica. Então havia necessidade de assegurar que a manta não iria cair, e a solução encontrada foi que a manta deveria ser parafusada. Ou seja, em diversos locais, com espaçamento aproximado de um metro foi colocado parafusos com grandes arruelas para fixar ainda mais a manta na parede (Figuras 26, 27 e 28). Para que os parafusos não entrem em contato com a água e venham a sofrer oxidação, foram colocados manchões por cima deles, isto é, colou-se um pequeno pedaço de manta sob os parafusos.

60 60 Figura 26 - Colocação de parafusos Fonte: Própria autoria Figura 27 - Colocação de parafusos Fonte: Própria autoria

61 61 Figura 28 - Colocação de parafusos Fonte: Própria autoria Por seguinte foi feito a proteção mecânica, que ganharia mais uma função, a de evitar que a água de fluxo negativo formasse bolsas de água (buchos) na manta. A Tabela 5 relata a verificação.

62 62 Tabela 5 Roteiro de verificação das cisternas ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO SERVIÇO: Cisternas SIM NÃO OBSERVAÇÕES Existência de projeto x Sem necessidade, serviço pequeno Projeto Verificação da área a ser impermeabilizada x Escolha do sistema adequado. x Para ser adequado necessitou de reforço Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada x Detalhes executivos x Novo detalhe, parafusos Preparação da superfície x Serviços complementares Proteção mecânica x Teste x Fonte: Própria autoria

63 63 Projeto Existência de projeto: o Não houve projeto executivo do serviço, pois não havia necessidade devido ao tamanho da impermeabilização, aproximadamente 95 m², duas cisternas. Verificação da área a ser impermeabilizada: o Apesar de não haver projeto, foi feita um estudo do que necessitava impermeabilizar. Escolha do sistema adequado: o O material escolhido esta condizente com as necessidades da obra, mas verificou-se um caso especial que por ser cisternas, há a possibilidade de água no sentido oposto, o que pode vim a descolar a manta e para sanar esse problemas aumentou-se a aderência da manta a parede com parafusos, e caso aconteça o surgimento de água negativa, estes serviram como reforço para segurar a manta. Processo executivo Impermeabilização pela face a ser impermeabilizada: o A impermeabilização foi feita corretamente, com profissionais especializados e treinados e material adequado de boa qualidade. Detalhes executivos: o Os detalhes executivos como ralos, cantos, emendas, entre outros foram feitos em conformidade. Serviços complementares Preparação da superfície: o A superfície que recebeu a impermeabilização foi devidamente preparada, com a limpeza total e regularização da superfície. Também foi feita a fixação da tubulação hidráulica, chumbadores, entre outros. Proteção mecânica: o Com a impermeabilização concluída e após o teste foi feita a proteção mecânica corretamente, junto com as juntas perimetrais e na vertical o chapisco prévio com cimento e areia, além da tela galvanizada fio 24 (BWG), malha ½ com chapisco grosso e sobre este executou a argamassa de cimento e areia.

64 64 Teste: o Executou-se o teste de estanqueidade, tamponou-se as saídas (portas, esquadrias com barreiras provisórias executadas com a própria manta) e pontos de escoamento (também com tamponamentos provisórios executados com a própria manta, ou esferas de borracha infláveis). Efetuou o enchimento das cisternas por completo e observou durante alguns dias.

65 65 7. CONCLUSÕES 7.1 CASO 1 PISCINA Para a realização de toda a impermeabilização do condomínio, a construtora fez um projeto de impermeabilização, que vem a ser a forma apropriada. O sistema de impermeabilização utilizado é correta para esses casos. Sua execução seguiu as orientações das normas, com uma regularização depois da concretagem, deixando a superfície limpa e sem irregularidades pronta para receber a impermeabilização, as tubulações estavam bem fixadas e os cantos arredondados. Feito um teste de estanqueidade, depois da impermeabilização com manta asfáltica e antes da proteção mecânica. A piscina foi cheia totalmente, e assim passou por alguns dias, e não constatou-se nenhum vazamento. O teste ocorreu momentos depois do serviço ser realizado e a manta não havia sido rompida pelo trabalho da laje. A proteção mecânica por fim foi feita adequadamente, com um chapisco prévio, depois fixação de tela galvanizada com chapisco grosso e sobre ela um reboco. A falha, do sistema, se deu exatamente por uma questão estrutural. 7.2 CASO 2 - CISTERNAS Observou-se que por se tratar de apenas cisternas não foi feito um projeto para esta. Ainda assim, foi feita uma analise prévia para saber qual o material deveria ser usado, pois o caso apresentava característica que impediam a utilização de qualquer sistema. E por ser um caso especial pode-se dizer que o material utilizado foi adequado, uma vez que a manta asfáltica pode ser usada para esse tipo de serviço. Com um respaldo para a água de fluxo negativo, que poderia vim a prejudicar a impermeabilização. Quanto aos parafusos que foram usados para dá uma maior fixação na manta, na norma não encontrou nenhuma recomendação quanto a isso, assim como também nenhuma restrição. A impermeabilização foi feita em face correta, assim como todos os detalhes executivos (entrada e saída de água, interligação entre as cisternas, entre outros). Houve uma limpeza e regularização da superfície, antes da impermeabilização, além da fixação da tubulação hidráulica e chumbadores.

66 66 Antes da execução da proteção mecânica também foi feito um teste de estanqueidade, onde as cisternas permaneceram cheias por completo por alguns dias. E por fim foi feita a proteção da impermeabilização.

67 67 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS E SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS O trabalho relatou a grande importância da impermeabilização, que vem a ser o sistema utilizado para barrar as infiltrações, tal sistema é necessário para proporcionar uma maior durabilidade e um melhor desempenho da construção. Logo conclui-se que a impermeabilização tem como objetivo prevenir contra o surgimento de manifestações patológicas devido a umidade, evitando possíveis danos precoces. Por essa razão os sistemas de impermeabilização devem ser mais eficientes, com maiores investimentos que futuramente evitam outros gastos. Para um bom desempenho este serviço requer: Projeto básico com a determinação da área a ser impermeabilizada e a escolha do material adequado, processo executivo com profissionais qualificados para que ocorra tudo nos conformes e a execução também de serviços complementares, como a regularização da superfície, proteção mecânica e teste de estanqueidade, assim como por seguinte a aplicação ter um cuidado para não danificar e realizar manutenções necessárias no decorrer do tempo. Como sugestões tem-se o investimento em novas pesquisas na área de impermeabilização com a finalidade de achar novos sistemas e soluções para os problemas ligados a infiltrações. Para trabalhos futuros estudar a aplicação da Membrana de Polímeros em grandes reservatórios, onde pode ocorrer dilatação. Já existe um sistema onde se dispõe de argamassa polimérica cimentícia e juntamente com um impermeabilizante flexível, a base de polímeros modificados com cimentos que, em composição, resultam em uma película elástica de excelente características de resistência e impermeabilidade, onde tem-se a aplicação de cinco à sete demãos, que funciona com grande eficiência para esses grandes reservatórios.

68 REFERÊNCIAS AIALLA. Patologia da Construção. Disponível em: <http://emconstrucao10.blogspot.com.br/2011/04/patologia-da-construcao.html> Acesso em: 29 de Agosto de ANTONELLI, G.R.; Carasek, H.; Cascudo O. Levantamento das manifestações patológicas de lajes impermeabilizadas em edifícios habitados de Goiânia-Go. IX Encontro Nacional do Ambiente Construído. Foz do Iguaçu ANTUNES, B. Construção estanque. Construção e Mercado, São Paulo, n. 39, p , out ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA NORMAS TÉCNICAS. NBR : Projeto de Impermeabilização. Rio de Janeiro: ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA NORMAS TÉCNICAS. NBR : Execução de Impermeabilização. Rio de Janeiro: ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA NORMAS TÉCNICAS. NBR : Projeto de estruturas de concreto - Procedimentos. ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA NORMAS TÉCNICAS. NBR : Manutenções de Edificações - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. São Paulo: ABNT, BAUER, L. A. Falcão Bauer. Centro Tecnológico de Controle da Qualidades Ltda. Disponível em: <http://www.primer.com.br/manualdoimpermeabilizador.htm> Acesso em : 29 de Agosto BRASIL, BRASÍLIA. Lei n.8.666, de 21 de junho de Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Lex: Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São Paulo, jun., 3. trim Legislação Federal e Marginália CUNHA, A.G.; NEUMANN, W. Manual impermeabilização e isolamento térmico. Rio de Janeiro: Texsa Brasileira, p. GRANATO, José Eduardo - Patologia na Impermeabilização. Disponível em: <http://www.impercia.com.br/tecnologias/tratamento%20de%20fachadas/artig OS%20TECNICOS/IBI%20PATOLOGIAS%20DE%20FACHADAS%20GRANATO.pdf> Acesso em 29 de Agosto IBI - Instituto Brasileiro de Impermeabilização Disponível em: <http://www.ibisp.org.br/> Acesso em 29 de Agosto ISCHAKEWITSCH, G.T. Projeto, Acompanhamento e controle. Caminho da Qualidade. Revista Impermeabilizar, São Paulo, n. 91, p , jan

69 KLEIN, D. L. Apostila do Curso de Patologia das Construções. Porto Alegre, Congresso Brasileiro de Engenharia de Avaliações e Perícias. THOMAZ, E. Tecnologia, Gerenciamento E Qualidade Na Construção. São Paulo: Editora PINI, 1ª Edição, 2ª Tiragem, PINTO, Fernando Manuel Cravo Aguiar. Degradação dos Materiais de Construção por Acção da Água. Disponível em: <http://www.engenhariacivil.com/degradacao-materiaisconstrucao-accao-agua> Acesso em: 29 de Agosto de PINTO, J.A.N. Patologias de impermeabilização. Santa Maria: Multipress, p. SILVA, M. A. C. Necessidades de ações de desenvolvimento tecnológico na produção da construção civil. Brasília, Ministério da Ciência e Tecnologia, set SOUZA, J.C.S.; MELHADO, S.B. Diretrizes para uma metodologia de projeto de impermeabilização de pisos do pavimento tipo de edifícios. In: Congresso Latino Americano Tecnologia e Gestão Na Produção de Edifícios: Soluções Para o Terceiro Milênio, 1998, São Paulo. SPERANZA, Sérgio M. Laudo de Exemplo Pericia de Engenharia Parecer Técnico. Disponível em: <http://www.seutrabalho.com/consultoria/laudo_tec.htm> Acesso em: 29 de Agosto de VERÇOZA, E. J. Patologia das Edificações. Porto Alegre, Editora Sagra, p. WELER, Aldo. Carbonatação do concreto Fenofaleína. Disponível em: <http://aldowerle.blogspot.com.br/2012/09/carbonatacao-do-conreto-fenolftaleina.html> Acesso em: 29 de Agosto de 2013.

70 ANEXO

71 Parecer Técnico nº.: PT. 001/06/2013 Salvador, 25 de Junho 2013 Cliente: Obra: ED. RESIDENCIAL Local: Natal - RN At. Engº Conforme consta da planta de estrutura da, a piscina foi executada pelo método construtivo de estrutura mista de concreto e bloco. Diante das fotos apresentadas abaixo, entendemos que as várias patologias apresentadas (como trincas, fissuras, rachaduras e desagregamento do concreto, deverão ser tratadas conforme orientação do estruturalista. Após tratamento e liberação da estrutura, se faz necessário promover um teste de carga plena (substrato) de no mínimo 72 horas, conforme consta da Norma NBR 9574/2008- Antes da execução de impermeabilização de estrutura de concreto ou alvenaria destinada à contenção e ou armazenamento de água ou efluentes, deve ser efetuado ensaio de carga plena com água limpa/reuso para verificação da estabilidade estrutural. Após conclusão das etapas acima, promover um chapisco composto de cimento e areia, traço 1:2 adicionando aditivo (viafix chapisco- (SBS) na água de amassamento a ser diluído na proporção 1:2 (aditivo: água). Após cura de 24 horas aplicar argamassa composta de cimento e areia traço em volume 1:3 desempolada, espessura mínima 2 cm. Ainda com a argamassa fresca criar meias canas com raio mínimo de 5 cm nas intercessões do piso com paredes e paredes com paredes e aguardar a cura por no mínimo 72 horas. Quanto às tubulações, estas deverão ser chumbadas com argamassa de reparo (Viaplus ST). Após liberação de todo preparo da base, impermeabilizar a piscina, com sistema de Manta Asfáltica Tipo IV-A, 4 mm aderida com Asfalto modificado Tipo II ou III conforme procedimentos de execução de impermeabilização abaixo: Luiz Fuchs Departamento Técnico Viapol

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e vapores Pode conter

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II SISEMAS

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia: Impermeabilização X Umidade Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação.

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Descrição VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, alvenaria e argamassa. VEDAJÁ proporciona impermeabilidade, mesmo com a ocorrência

Leia mais

Sistema de Impermeabilização (Membrana)

Sistema de Impermeabilização (Membrana) Sistema de Impermeabilização (Membrana) MI - Membrana Impermeável Locais de Aplicação: Lajes, piscinas, banheiros, cozinhas, caixas d água, reservatórios, baldrames, calhas, muros de arrimo, alvenaria,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais

lwarflex Manta asfáltica

lwarflex Manta asfáltica 8 lwarflex Manta asfáltica Manta impermeabilizante pré-fabricada à base de asfalto modificado com polímeros estruturada com poliéster pré-estabilizado. É necessário fazer proteção mecânica para proteção

Leia mais

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade.

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. Data da última revisão: 03/2011 DEFINIÇÃO MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. MANTA POLIMÉRICA é fácil

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1 Por quê Impermeabilizar www.mvalin.com.br 1 www.mvalin.com.br 2 www.mvalin.com.br 3 O concreto e as argamassas utilizadas nos revestimentos possuem poros, trincas epequenas fissuras, na maioria das vezes

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO

Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Aula 23:

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Conjunto de produtos e serviços destinados a conferir

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA

PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA 1 PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA Helio Felizardo (1), Prof. Dr. Eng. Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) eng.hf@hotmail.com, (2) fep@unesc.net

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses Produto VEDAPREN é uma manta líquida, de base asfalto e aplicação a frio, pronta para uso e moldada no local. Cobre a estrutura com uma proteção impermeável. Apresenta ótimas características de elasticidade

Leia mais

MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE

MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica Curso de Engenharia Civil Departamento de Construção Civil MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS ETAPA I LIMPEZA DA ÁREA PROCEDER A LIMPEZA DA ÁREA A SER IMPERMEABILIZADA. -RETIRAR MATERIAIS SOLTOS. -FAZER PEQUENOS REPAROS DE FALHAS NO REBOCO SE HOUVER. -FAZER AJUSTES NAS SAÍDAS DOS EQUIPAMENTOS.

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 09

MÉTODO EXECUTIVO ME 09 Objetivo: FOLHA 1 de 7 O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis.

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. Data da última revisão: 01/2010 DEFINIÇÃO MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. MACTRASET resiste às pressões

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Impermeabilização Ministério da Educação 15:02 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Passo a passo: Impermeabilização em drywall

Passo a passo: Impermeabilização em drywall Passo a passo: Impermeabilização em drywall Banheiros de casa em steel frame são fechados com chapas de gesso específicas para esse fim. Veja como impermeabilizar corretamente esses ambientes Casas em

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

MANUAL TÉCNICO BETUMAT I M P E R M E A B I L I Z A N T E S

MANUAL TÉCNICO BETUMAT I M P E R M E A B I L I Z A N T E S MANUAL TÉCNICO BETUMAT Perfil Nossa empresa foi fundada em 1963 como distribuidora de betumes e, em 1968, expandimos nossas atividades e iniciamos a produção de impermeabilizantes. Atuamos na área da

Leia mais

Sika Lâmina Asfáltica Alumínio. Lâmina asfáltica com acabamento em alumínio para sistemas impermeabilizantes multicamadas.

Sika Lâmina Asfáltica Alumínio. Lâmina asfáltica com acabamento em alumínio para sistemas impermeabilizantes multicamadas. Ficha do Produto Edição 29/10/2015 Erro! Fonte de referência não encontrada. Lâmina asfáltica com acabamento em alumínio para sistemas impermeabilizantes multicamadas. Descrição do Produto Usos é um produto

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

Utilize os produtos Ciplak e garanta uma impermeabilização durável e segura.

Utilize os produtos Ciplak e garanta uma impermeabilização durável e segura. A Ciplak Impermeabilizantes é uma divisão da LWART Química, empresa do Grupo Lwart, especializada na fabricação de produtos impermeabilizantes, isolantes termo acústicos e outros produtos para proteção

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1)

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) (1) Responsável Técnico da Citimat Impermeabilizantes Ltda. Citimat Impermeabilizantes

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO DG GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO DG GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: REFORMA NO MURO DE CONTENÇÃO, MURO DE ALVENARIA E ÁREA PARA DEPÓSITO NO ALMOXARIFADO DA CERON ENDEREÇO: ÀS MARGENS DA

Leia mais