INTELECTUAIS E A EDUCAÇÃO: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE O DEBATE EDUCATIVO NACIONAL NOS DISCURSOS DO DIÁRIO DOS CAMPOS 1 ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTELECTUAIS E A EDUCAÇÃO: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE O DEBATE EDUCATIVO NACIONAL NOS DISCURSOS DO DIÁRIO DOS CAMPOS 1 (1907 1934)"

Transcrição

1 INTELECTUAIS E A EDUCAÇÃO: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE O DEBATE EDUCATIVO NACIONAL NOS DISCURSOS DO DIÁRIO DOS CAMPOS 1 ( ) Resumo SOUZA, Eliezer Felix de - UEPG Área temática: Educação: História e Políticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Este texto é resultado de uma pesquisa que vem sendo desenvolvida 2 no programa de Mestrado em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, linha de pesquisa História e Políticas Educacionais. O objetivo principal do trabalho é analisar a reverberação dos debates nacionais sobre educação nos discursos dos jornais O Progresso e Diário dos Campos de Ponta Grossa. A questão central da pesquisa será entender a participação dos intelectuais pontagrossenses na divulgação, por meio de seus discursos, do debate educativo nacional e paranaense. Em que medida é possível perceber em Ponta Grossa a reflexão dos debates intelectuais a respeito da educação ocorridos na capital brasileira e na capital paranaense? Como os grupos envolvidos nos jornais O Progresso e Diário dos Campos dialogavam com as idéias postuladas pelos intelectuais do Distrito Federal e da capital do Paraná? Nesse sentido, a iniciativa desta pesquisa é desenvolver ou produzir análise histórica à luz das ações dos intelectuais presentes no cenário político e cultural de Ponta Grossa. Nesta investigação dialogamos com o conceito de intelectual discutido por Antonio Gramsci que, considera como intelectuais todos aqueles que participam ativamente da direção e da organização dos projetos culturais, visando intervir sobre os modos de vida e processos de formação humana. Este percurso analítico está circunscrito ao período de 1907 a 1934, cuja análise será feita à luz dos jornais O Progresso e Diário dos Campos. O primeiro período se justifica pelo ato de fundação do Jornal O progresso, ou seja, é o ano de sua criação que estabelece o recorte do início desta pesquisa. O recorte final está circunscrito ao contexto de reverberação das idéias do Manifesto dos Pioneiros da Educação, momento este, que o jornal passa também a enfrentar sérias dificuldades. Palavras-chave: História; Intelectuais; Educação no Paraná. 1 Jornal centenário que tem circulação diária em Ponta Grossa. Foi fundado em 1907, com o nome de O Progresso. Em 1913 passou a se chamar Diário dos Campos, nome que preserva até hoje. 2 Este trabalho esta sendo orientado pelo professor Névio de Campos. Doutor em História da Educação pela Universidade Federal do Paraná, atualmente é professor do Departamento de Educação da UEPG e também do Programa de Mestrado em Educação da mesma instituição.

2 3999 Introdução As pesquisas no campo da história intelectual são recentes. No Brasil e, particularmente no Paraná vem sendo constituídos grupos de investigação nos últimos dez anos. Na história intelectual da educação o processo de constituição de grupos de pesquisas é mais recente ainda e, vem ocorrendo nos programas de pós-graduação em educação das instituições de ensino. No Estado do Paraná merece menção o Grupo de Pesquisa em História Intelectual da Educação, coordenado por Carlos Eduardo Vieira, professor da Universidade Federal do Paraná. A preocupação destes pesquisadores é [...] pensar as idéias, as representações e/ou discursos veiculados no debate intelectual, a partir dos seus contextos de produção, de circulação e de recepção. (VIEIRA, 2007, p. 9). No horizonte teórico da história intelectual um dos debates se refere ao conceito de intelectual discutido por Antonio Gramsci. Em suas análises, esse pensador distingue a intelectualidade tradicional que se considera uma classe ou comunidade à parte e os grupos que as classes produzem organicamente, a partir das suas relações. Essas novas classes exercem funções predominantemente intelectuais e fazem parte de instituições ligadas à atividade cultural. O elemento fundamental oriundo das reflexões de Gramsci consiste em reconhecer que os intelectuais não constituem camadas externas às lutas políticas, sociais e culturais. Ao contrário o intelectual se caracteriza pelo imiscuir-se nas diferentes esferas da vida societária. E uma dessas esferas é o jornalismo que, no mundo moderno, passou a exercer um espaço profícuo no processo de constituição de novos modos de pensar, de agir, de sentir e de ser. É nesse ambiente interpretativo que se a nossa pesquisa, pois a mídia impressa materializa o objeto desse projeto investigativo. No entendimento de Carlos Eduardo VIEIRA (2001, p. 55), Investigamos os intelectuais porque consideramos que as suas idéias e a as suas trajetórias são testemunhos privilegiados dos diversos projetos formativos que demarcam as disputas em torno da direção dos processos de formação de novas gerações. Na esteira dessa afirmação reiteramos que são os intelectuais os principais responsáveis por traduzir em termos teóricos e sobretudo, nos marcos de uma plano de ação política os objetivos almejados pelos diferentes grupos e classes sociais que disputam a hegemonia na sociedade, isto é, as funções de domínio e de direção cultural. Pelo exposto consideramos necessário entender as reflexões sobre a função social dos intelectuais à luz das idéias de Gramsci. A preocupação historicista desse pensador é

3 4000 traduzida com o postulado de que não existe nenhum a priori de formação e/ou posição institucional para definir o intelectual. Para ele: Não há atividade humana da qual se possa excluir toda intervenção intelectual, não se pode separar o homo faber do homo sapiens. Em suma, todo o homem é intelectual, fora de sua profissão, desenvolve uma atividade intelectual qualquer, ou seja, é um filosofo, um artista, um homem de gosto, participa de uma concepção de mundo, possuí uma linha consciente de conduta moral, contribui assim para manter ou para modificar uma concepção de mundo, isto é, para promover novas maneiras de pensar. (GRAMSCI, 2001, p ) A rigor, cabe sempre ao investigador interessado na sua exploração analisar a natureza dos projetos formativos em curso, a ação dos seus protagonistas e, sobretudo, avaliar em contexto as conseqüências sociais desses projetos. (VIEIRA, 2001, p 57). Desse modo, a análise dos intelectuais pontagrossenses será feita a partir dos contextos da educação nacional e paranaense, enfatizando a repercussão desses debates entre os protagonistas dos jornais de Ponta Grossa. Na concepção de Gramsci, os intelectuais se distinguem em dois níveis. De um lado a intelectualidade tradicional, e do outro os grupos pensantes que as classes produzem. Gramsci entende que os intelectuais orgânicos não são apenas grandes intelectuais, mas são também aqueles que difundem a concepção de mundo revolucionária se envolvendo na vida prática das massas. Nessa pesquisa o adjetivo orgânico não é objeto de discussão, pois não temos a pretensão de localizar entre os integrantes dos referidos jornais suas relações com as classes sociais. O que é relevante da discussão de Gramsci é a atribuição dada aos intelectuais, qual seja: de organizadores de visões de mundo e mobilizadores dos indivíduos em prol de projetos políticos, sociais e culturais. Nesse aspecto retemos a noção de que os grupos sociais exigem a presença dessas lideranças 3. Essas questões norteiam nossa análise: Que intelectuais desfilaram nas páginas dos jornais O Progresso e Diário dos Campos? Que papel educativo exerceram nesses? Sobre que grupos sociais suas intervenções impactaram? Por meio das idéias de Gramsci sustentamos que os intelectuais dos jornais pesquisados representam a forma de pensar de importantes segmentos da comunidade local que caracterizava a cidade no início do século. Os jornais apresentam a princípio uma tendência neutra em relação a dois fatores essenciais da vida social: a política e a religião. No campo discursivo, a neutralidade como a 3 Sobre o conceito de intelectuais consultar o volume dois dos Cadernos do Cárcere de Gramsci.

4 4001 explicitada é praticamente impossível. Nesse sentido cabe ao historiador descobrir os poucos fatos importantes e transformá-los em fatos da história e de descartar os muitos fatos significativos como não históricos. (CAAR, 1982, p. 51). E Carr na sua reflexão vai ainda mais longe: os fatos não falam por si, mas apenas quando o historiador os aborda: é ele quem decide quais os fatos que vêm à cena e em que ordem ou contexto (p. 47). Os jornais para o historiador são documentos. E sem documento não se faz história. A respeito do problema do documento Jacques Le Goff afirma que não é qualquer coisa que fica por conta do passado, é um produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que aí detinham o poder. (LE GOFF, 1994, p. 545). Portanto, a analise dos periódicos como documentos será feita avisada do debate teórico da História, pois assim garantimos o sentido da objetividade na pesquisa histórica. João Dutra foi o primeiro redator do jornal O Progresso. Em 1908, o cargo foi transferido para Hugo de Borja Reis 4. Como redator, Reis levantou a tese de mudança editorial do Jornal. Ao mesmo tempo, parece que a anunciada neutralidade identificada no projeto editorial do jornal é descaracterizada. Reis continuou vivenciando e interagindo com as causas nacionais, acompanhando os acontecimentos passo a passo. A Candidatura 5 de Rui Barbosa significava para ele uma real possibilidade de por fim à política do café com leite. (BUCHOLDZ, 2007, p. 32) No dia 01 de janeiro de 1913, O Progresso passou a se chamar Diário dos Campos. Nessa nova fase, ainda sob a editoração de Hugo Reis, o Jornal passou a ampliar sua visibilidade sobre a cidade. O jornal procurou trazer para a cidade as mais diversas inquietações dos pontagrossenses, em forma de crônica, verso ou prosa. Na edição de 02 de setembro de 1921, Hugo dos Reis já não aparecia como diretor do Diário dos Campos. A partir de então o jornal prosseguiu enfrentando muitas dificuldades. Em 1924, a Casa da Memória passou a não mais receber os exemplares para arquivo. De 1932 em diante, o Museu Campos Gerais passou também a preservar a memória desse Jornal. No artigo intitulado História dos, nos e por meio de periódicos Tania Regina de Luca faz alguns apontamentos a respeito de pesquisas com periódicos. De modo geral, fica 4 Chegou em Ponta Grossa em Apesar de ter vindo de São Paulo, Hugo Reis era natural do Rio de Janeiro. Era um leitor contumaz da literatura do seu tempo, descrevia e dialogava com o universo social. Ele transitava entre as correntes literárias do romantismo, do realismo e do simbolismo. Por isso, na redação de O Progresso ele mostrava ser capaz de debater qualquer assunto (BUCHOLDZ, 2007, p. 31). 5 A convenção realizada em 3 de outubro de 1909, no teatro Lírico, na Bahia lançava a candidatura de Rui Barbosa a Presidência da República.

5 4002 perceptível que, até a década de 1970 ainda eram raros os trabalhos que se valiam de jornais e revistas como fonte para o conhecimento da História. Porém, a Escola dos Annales, já havia lançado, em 1930, as bases de novas perspectivas de pesquisa. Hoje, merece destaque a história imediata voltada para o tempo presente. Porém os meios de comunicação impressos devem ser analisados sob suspeição: Quando analisamos um jornal impresso temos que tomar vários cuidados, um deles diz respeito a fonte de informação: sua tiragem, área de difusão, relações com instituições, grupos econômicos e financeiros, aspectos que continuavam negligenciados seja pelos historiadores que recorriam a imprensa, seja pelos que se dedicavam a escrever sua história. (LUCA, 2005, p. 116) Pesquisas em jornais têm se tornado cada vez mais freqüentes. Devemos considerar o texto jornalístico como uma construção, uma versão que envolve múltiplas implicações: visão de mundo do proprietário, do jornalista, a situação de sua produção, entre outras. Nesta pesquisa procuro empregar o jornal como fonte, buscando a partir da análise de seus discursos perceber os reflexos dos debates educativos que estavam presentes no cenário nacional. Foucault, ao discorrer sobre os discursos diz: Quanto as análises discursivas é preciso estar atentos a todos os detalhes analíticos. Suas dependências e reciprocidades. (FOUCAULT, 2004, p 26) Num livro por exemplo, contínua Foucault: além do título, das primeiras linhas e do ponto final, além da sua configuração interna e da forma que lhe dá autonomia, ele está preso a um sistema de remissões a outros livros, outros textos, outras frases. (p. 26). Ou seja, não é possível analisar os discursos em contextos isolados. Devemos sempre estar atentos as suas fundamentações teóricas e em todos os aspectos que envolvem a produção do conteúdo. Ponta Grossa na Voz dos Intelectuais: O Jornal Diário dos Campos no Contexto da Educação Nacional No final do século XIX, o Brasil viveu uma conjuntura de grandes transformações, tanto no aspecto político, como social e cultural, entre os quais destacamos a abolição da escravidão e a criação da República. Em princípio a proclamação da República não alterou o quadro político no Brasil e no Estado do Paraná. Ponta Grossa começou a sentir sensíveis reflexos na estrutura social e econômica apenas no início do século XX. Essa mudança é resultante de dois fatores principais: o primeiro a crise econômica das fazendas de gado (LEANDRO, 1995, apud ZULIAN 1998,

6 4003 p. 40) que obrigou muitos fazendeiros a irem para a cidade. O Segundo, foi a chegada à cidade de uma nova burguesia industrial. Desse modo, no início do século Ponta Grossa respirava um 'clima urbano', havia bandas musicais que disputam o espaço para apresentações, cinema, luz elétrica, associações beneficentes e hospital. (DITZEL, 2007, p. 49). Segundo Rosângela Wosiach Zulian, Essas mudanças foram sentidas de maneira geral por diversos intelectuais e/ou jornalistas paranaenses. Dedicaram-se especialmente a Curitiba, mostrando nos seus escritos o perfil de uma sociedade, em franco processo de urbanização, abrindo-se à cultura moderna, uma camponesa que se torna cidadã. Quando escrevem sobre Ponta Grossa a perspectiva que refletem é semelhante. (ZULIAN, 1998, p. 42) De acordo com Zulian, em crônica escrita para o Jornal Diário dos Campos, Raul Gomes sustentava que: o movimento urbano ultrapassa o tamanho da cidade. Vê-se gente por toda a parte. À noite flana nas ruas, penetra as lojas, enche três cinemas, freqüenta os clubes (ZULIAN, 1998, p. 43). Essas novas visões sobre a cidade visavam construir uma ideologia do progresso que, nos momentos de consolidação do regime republicano, passou a ser veiculada em caráter nacional. Nesse clima de modernização, o que nos interessa particularmente é o debate em torno da renovação cultural. A fundação do Jornal O Progresso é um marco importante para a história da cidade, tendo em sua circulação um importante aliado na formação da opinião pública. Fundado por Jacob Hozlmann 6, número, anunciava sua tendência editorial: em 1907, o referido jornal, no seu primeiro Ao iniciarmos hoje na afanada lide jornalística com esse nosso modesto e despretensioso jornal hedomanário, nesta cidade inquestionavelmente predestinada a um grandioso futuro, se todos quanto a habitam bem compreendem o que a uma pátria legítima ou simplesmente adotiva devem seus dignos filhos, outro escopo não temos que não o cooperar resoluta e crentemente para o elevamento moral e material de Ponta Grossa e para que o Paraná frutifiquem todas as idéias e cometimentos aplausíveis, sem nos envolvermos direta ou indiretamente em questões políticas ou religiosas, as quais irrefutavelmente hão sido em nosso país o mais poderoso fator de palavras e fatos por completo antagônicos ao foros de de nossa civilização. O Progresso, 27 de abril de 1907, órgão dedicado aos interesses do município e do Estado. (BUCHOLDZ, 2007, p. 21) 6 Jacob Holzmann era Russo de nascimento, natural de Saratov. Viera para o Brasil numa leva de imigrantes, em 1877, quando tinha apenas três anos de idade. Comerciante, dono de alfaiataria, Holzmann é o fundador do jornal O Progresso, em 1907.

7 4004 O que fizemos até aqui foi uma tentativa de contextualizar Ponta Grossa no início do século XX, bem como fazer alguns apontamentos em relação a natureza da produção do conhecimento histórico. Buscamos também, definir os principais aspectos relacionados à pesquisa nos periódicos. Agora trataremos da questão central da pesquisa: o debate do projeto educativo nacional, discutindo primeiramente do contexto paranaense. No Paraná, a formação de tendências intelectuais em confrontos na cena pública remonta aos últimos anos do século XIX. O intenso debate entre clericais e anticlericais sobre os rumos da República e, por extensão, da educação pública marcaram a imprensa paranaense e a ambiência cultural de Curitiba nas primeiras décadas do século XX. Nos anos vinte, o marco mais representativo desse processo estava na realização da Primeira Conferência Nacional de Educação, promovida pelo governo do Estado do Paraná em parceria com a ABE, em dezembro de Dario Vellozo, antes mesmo da realização da Conferência Nacional de Educação, já representava um dos principais articuladores do projeto de educação moderna no Estado. Vellozo queria criar um clima propício à transformação dos padrões de comportamento, das formas de pensar e ver o mundo. [...] estimulou a implantação da escola moderna no Estado parananense, pautada em um programa que buscava a laicização, a publicização, a moralização do ensino. (ANDRADE, 2007, p. 199) Assim, nas primeiras décadas do século XX, Curitiba foi sendo reconstruída a partir de uma idéia de cidade marcada pela noção de progresso, reconhecendo-se nela a presença do ideário positivista que circulava no meio intelectual curitibano. A idéia era modernizar a cidade, não apenas física e materialmente, mas também culturalmente. Em O discurso da Modernidade nas conferências educacionais na década de 1920 no Paraná, Aurélio Bona Junior e Carlos Eduardo Vieira (2007, p ), demonstram o discurso que associa educação e modernidade em dois eventos educacionais da década de 20: O Congresso de Ensino Primário e Normal (CEPN 1926) e a Primeira Conferência Nacional de Educação (PCNE 1927). Participaram dessas conferências, representantes nacionais, Fernando de Azevedo e Anísio Teixeira. No Paraná, as figuras de destaque foram César Prieto Martinez e Lysímaco Ferreira da Costa. Um dos objetivos centrais dessas conferências era discutir e propor alternativas aos problemas nacionais que, segundo a crença da época, poderiam ser sanados pela ação educativa. Apesar das discordâncias educacionais, não se percebe nos debates divergências tão acirradas entre católicos e educadores laicos.

8 4005 Jean Carlos Moreno analisa a participação exclusiva de César Prieto Martinez e Lysimaco Ferreira da Costa à frente da instrução pública no Paraná. Esses educadores procuraram empreender e ampliar a estrutura do ensino público no Estado. A idéia era a partir da modernização da escola, modernizar toda a sociedade. (MORENO, 2007, p. 58). Se falava então em racionalidade e produtividade na organização escolar. A modernidade pretendida por esses homens partia do princípio da existência de um povo moldável ao seus desejos, ou seja, semearam um modelo de escolarização, mesmo com resistência e apropriações no Estado do Paraná. Um outro artigo, Intelectuais e a Educação no Paraná nas décadas de 20 e 30, de Névio de Campos (2007, p ), aborda o embate entre católicos e anticlericais. A discussão central do texto diz respeito ao papel dos intelectuais católicos leigos paranaenses no processo de organização do projeto formativo da Igreja Católica. Para cumprir com essa tarefa, a igreja contou com apoio do laicato católico, que eram membros da igreja mas que não faziam parte da hierarquia oficial católica. O grupo laico agiu em duas frentes: através da imprensa e do Círculo de Estudos Bandeirantes. O objetivo dessa iniciativa era ganhar novamente o espaço perdido com a laicização preconizada pelo governo republicano. Por último, o artigo O movimento pela escola nova no Paraná: Trajetória de Erasmo Pilotto, de Carlos Eduardo Vieira, que sustenta que Pilotto teve um papel decisivo na introdução e na disseminação pela escola Nova, enfatizando as bases teóricas da concepção de formação humana que ele produziu a partir de sua interlocução com o movimento renovador (VIEIRA, 2001, p. 54). Na primeira Conferência Nacional de Educação, como já exposto acima, a principal temática foi a causa educacional. A Igreja Católica foi o grupo mais representativo, uma vez que tinha o apoio da esfera estatal, nada menos do que o Governador Caetano Munhoz da Rocha e Lysimaco Ferreira da Costa, Inspetor Geral da Instrução pública no Paraná. Essas discussões presentes no Paraná fazem parte de um contexto mais amplo. As discussões que envolviam a educação nacional se prolongavam desde o século XVIII, quando Portugal foi influenciado pelo Iluminismo. Este período vai até início do século XX quando torna-se forte a influência da Escola Nova. A Pedagogia Nova é, pois uma concepção já inspirada no modelo humanista moderno de educação. É nesse contexto, que em 1924 é fundada a ABE. Em seu interior dois grupos lutavam por projetos diferentes de educação: Um deles, católico, muito próximo ao da formulação de Jackson Figueiredo, enfatizava o

9 4006 papel das elites na construção de um nacionalismo a partir do sentimento patriótico existente na multidão. (CARVALHO, 1998, p. 43). O outro grupo, recusava o catolicismo mas, igualmente, atribuía as elites um papel fundamental na formação da nacionalidade, coincidindo com o nacionalismo católico ao propor a relação povos-elites (p. 43). As discussões da Associação Brasileira de Educação foram desenvolvidas através de Conferências realizadas em vários cantos do Brasil: O grupo católico, participou dos debates até 1932, quando Anísio Teixeira e Carneiro de Leão tinham sido eleitos presidentes (CARVALHO, 1998, p. 71). Desse modo se efetivavam os signatários da Escola Nova na Associação Brasileira de Educação. De acordo com PAGNI (2000, p. 49), a intelectualidade brasileira nascente, durante os anos 1920, viu na educação um modo de formar as novas elites para servir o Estado, e ao mesmo tempo, promover a nacionalidade por meio de uma cultura nacional. Defendia-se a idéia de superação da educação tradicional a partir da consolidação de um saber científico e positivo. Sendo assim se percebe uma diferença dos projetos políticos pedagógicos do início da Republica que tinham como base o Positivismo de Comte e os ideais escolanovistas, modelados acima de tudo por concepções européias e norte-americanas. Diante desse amplo debate, em março de 1932 veio a público o texto original do Manifesto (PAGNI, 2000, p. 87).O Manifesto confere à educação um status de promotora de reformas sociais mais amplas necessárias à formação social e cultural brasileira. No entanto os discursos desses intelectuais preservam seus traços de elitismo e a mesma concepção em relação ao povo (p. 97). Por fim, a partir do Estado Novo, principalmente após 1934, parece que o entusiasmo dos pioneiros sofreu uma forte queda. Apesar de muitos pioneiros, ainda continuarem na base do governo, a supremacia alcançada junto à Associação Brasileira de Educação não consegue em plano nacional concretizar os seus objetivos. De qualquer forma o início do século XX foi palco de debates em torno de questões educacionais. A tarefa dessa pesquisa será discutir em que medida estes debates reverberaram as ações dos intelectuais envolvidos nos periódicos de Ponta Grossa. Estes debates estão presentes nos conteúdos do Jornal Diário dos Campos. Nossa tarefa será explorar nos discursos desse jornal os impactos que tiveram estes debates nos campos gerais. Dito de outra forma, como esses intelectuais pontagrossenses perceberam esse debate?

10 4007 CONCLUSÃO Até a década de 1970, ainda eram raros os trabalhos que usavam periódicos como fonte para o conhecimento da História do Brasil: A preocupação era escrever a História da Imprensa, mas era preciso mobilizá-los para a escrita da história por meio da Imprensa. (LUCA, 2005, p. 111). Todos esses aspectos vêm sendo observados. Porém, no Brasil os historiadores têm enfrentado enormes dificuldades em relação aos arquivos e fontes. Não é diferente a nossa experiência, pois a Casa da Memória, onde realizamos a pesquisa de campo está com boa parte do seu acervo fechado para pesquisas. Nesse sentido, resta ao historiador seguir pistas que o levem até a problemática pesquisada. Uma das alternativas é usar a perspectiva de trabalho apontada pelo historiador Antonio Prost: alterou-se o modo de inquirir os textos, que interessemos menos pelo que eles dizem do que pela maneira como dizem, pelos termos que utilizam, pelos campos semânticos que traçam (PROST Apud LUCA, 2005, p. 114). E poderíamos completar, também pelo interdito, pelas zonas de silêncio que estabelecem. Neste sentido, é preciso adotar nas análises de periódicos uma postura de suspeição, ou seja, suspeitar de tudo, sempre tendo como ferramenta as próprias metodologias históricas de interpretação. Com isso procuraremos desenvolver essa pesquisa, centralizando as atenções no período circunscrito à fundação do Jornal O Progresso, em 1907 e ao processo de constituição do Manifesto dos Pioneiros da Educação, bem como a aprovação da Constituição de A intenção será confrontar os projetos de reformas propostos na época pelos intelectuais de destaque no cenário nacional e paranaense com os discursos dos jornais O Progresso e Diário dos Campos. A hipótese é de que, dentro do conjunto de alterações em âmbito paranaense e nacional os intelectuais de Ponta Grossa não ficaram alheios e sentiram as repercussões principais que movimentaram o pensamento intelectual no início do século XX. Ainda que se manifeste de modo ufanista, fazendo alusão à idéia de progresso, os discursos dos jornais nos dão uma noção da forma que o debate nacional reverberava nesta região do Estado do Paraná. Nesses termos, ao analisar os discursos desses periódicos objetivamos responder a problemática central desta pesquisa: a interpretação feita pelos intelectuais paranaenses a respeito dos debates educativos travados nas principais capitais brasileiras. REFERÊNCIAS

11 4008 ANDRADE, Maria Lucia de. Dario Vellozo e a escola moderna: a renovação do pensamento educacional no Paraná ( ), In: VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Intelectuais, Educação e Modernidade no Paraná ( ). Curitiba: Ed. UFPR, 2007, p BUCHOLDZ, Alessandra Perrinchelli. Diário dos Campos. Ponta Grossa, Editora Uepg, CAMPOS, N. Intelectuais Católicos e a Educação no Paraná nas décadas de1920 e In: VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Intelectuais, Educação e Modernidade no Paraná ( ). Curitiba: Ed. UFPR, 2007, p CAMPOS, N. Laicato Católico: O Papel dos Intelectuais no processo de Organização do Projeto Formativo da Igreja Católica no Paraná; Dissertação UFPR, CARR, E. H. O que è História? São Paulo: Paz e Terra, CARVALHO, M. M. C. Molde Nacional e Forma Cívica( ) Bragança Paulista: Edusf, DE LUCA, T. R. Historia dos, nos e por meio dos periódicos. In: Pinsky, C. B. (org.). Fontes Históricas. São Paulo; Contexto, p DITZEL, Carmencita de Holleben Mello. Imaginário e representações: O integralismo dos Campos Gerais: ( ). Ponta Grossa. Editora Uepg, FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere, vol. 02. Rio de Janeiro, 2001, p JÚNIOR, Aurélio Bona; VIEIRA, Carlos Eduardo. O discurso da modernidade nas conferências educacionais na década de 1920 no Paraná. In: VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Intelectuais, Educação e Modernidade no Paraná ( ). Curitiba: Ed. UFPR, 2007, p LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Unicamp, 1994.(Item documento/doc.) p MOREIRA, C. O F. Entre o Indivíduo e a Sociedade: Um estudo da Filosofia da Educação de J. Dewey. Bragança Paulista: Edusf, MORENO, Jean Carlos. Intelectuais na década de 1920: César Prieto Martinez e Lysímaco Ferreira da Costa à frente da instrução pública no Paraná. In: VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Intelectuais, Educação e Modernidade no Paraná ( ). Curitiba: Ed. UFPR, 2007, p PAGNI, P. A. Do Manifesto de 1932 à Construção de Um Saber pedagógico. Ijuí: Unijui, 2000.

12 4009 VIEIRA, C. E. O Movimento Pela escola Nova no Paraná Trajetória e idéias educativas de Erasmo Pilotto. Educar em Revista. Curitiba, nº 18, p VIEIRA, C. E.; MARACH, C. B. Escola de mestre único e escola serena: realidade e idealidade no pensamento de Erasmo Pilotto. In: VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Intelectuais, Educação e Modernidade no Paraná ( ). Curitiba: Ed. UFPR, 2007, p VIEIRA,C. E. Intelectuais, educação e Modernidade no paraná ( ), p ; e ZULIAN, Rosângela Wosiack. A Victoriosa Rainha dos Campos: Ponta Grossa na Conjuntura Republicana. In: Revista de História Regional, Dep. De História da Uepg. Vol. 03 nº 02, Inverno de 1998.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

1.1 Sobre o I Colóquio

1.1 Sobre o I Colóquio 1.1 Sobre o I Colóquio Em 2004, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) recomendou o Programa de Mestrado em Educação do Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo),

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

I- IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR. Nome: Carlos Alexandre Barros Trubiliano. CPF: 003.805.131-10 Matrícula: 1494709.

I- IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR. Nome: Carlos Alexandre Barros Trubiliano. CPF: 003.805.131-10 Matrícula: 1494709. I- IDENTIFICAÇÃO. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR : Carlos Alexandre Barros Trubiliano CPF: 003.805.3-0 Matrícula: 494709 E-mail: Telefone: (69) 938-6079 Departamento/ Unidade/Campus: Departamento do História/

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA Educação conceito permeado por valores e finalidades Educação e Sociedade:algumas visões no século XX Universidade de Franca Pedagogia EAD Sociologia Geral e da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES Resumo Este estudo analisa de que maneira as fotografias são

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais