ELE Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELE 2614 - Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso"

Transcrição

1 ELE Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso Capítulo 1 - Introdução Luiz A. R. da Silva Mello CETUC-PUC/Rio Agenda! Um pouco da história das comunicações sem fio! Sistemas celulares! WWANs, WMANs, WLANs e WPANs! Sistemas de acesso sem fio de banda larga! Sistemas celulares de 3a. geração! WiFi! WiMAX! Convergência e transparência CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 2

2 Comunicações sem fio na antiguidade (1) King Darius I of Persia was responsible for the first post messenger service in the World, along the course ofthe famous Royal Road Also, during his rule ( BC), he was able to send news from the capital to the provinces by means of a line of shouting men positioned on heights. This is known as acoustical telegraphy. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 3 Comunicações sem fio na antiguidade (2) A flaming torch gave the start signal for both sender and receiver to allow the water to run out of identically sized vessels in which corks were floating, with rods attached. As the water went down, so would the rods, each marked with a series of possible messages. The first recorded telegraph was built by a Greek military named Aeneas around 350 BC. When the desired message aligned with the rim of the jar, the sender would signal again with the torch, and the other station to replace the bung. The receiver would then read off the message shown on the rod. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 4

3 Telegrafia Óptica In the late 18th century, the Chappe brothers in France did much to develop the visual telegraph. In 1793, Chappe demonstrated his ultimate 'tachygraphe' - a system of semaphore arms that could quickly be manipulated to form different shapes. The Chappe semaphore system was used to set up a telegraph network that spanned the whole of Napoleon's empire, and was still in use by the French military as late as the Crimean War - nearly 20 years after the electric telegraph had arrived. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 5 Rede de Telegrafia Ótica - França sec. XVIII CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 6

4 Marconi e a invenção do rádio In 1894 Marconi read that Heinrich Hertz, by inducing an electric spark to jump across a gap, had produced invisible waves that travel through space. Marconi realized that the waves might be used to send wireless messages similar to the dot-and-dash messages sent by telegraphs. He began experimenting and within a year was sending messages over distances of more than a mile (1.6 km). Widespread use of radio was assured on December 12, 1901, when assistants in England sent the first transatlantic signals to Marconi in Newfoundland, a distance of some 4800 km (3,000 miles). CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 7 Marconi, Popov e a invenção do rádio Alexander Popov invented a wireless communications system at about the same time as Marconi. Popov was a scientist without the business ambitions of Marconi, and wasn't as interested in selling his invention. Popov studied maths and physics in St Petersburg, then started teaching physics and researching at the naval warfare institute. Popov was trying to detect thunderstorms in advance by picking up static electrical signals, which led him to experiment with wireless. In May 1895 he transmitted a signal a modest 600 yards, and within two years his wireless system had been installed on Russian naval vessels and land stations. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 8

5 Os primórdios das microondas Up to 1900 the focus of invention had been on sending and receiving communication signals. But some scientists were going the other way, looking at the properties of very short wavelengths. One of the pioneers was J.C. Bose in India. In 1895 he gave his first public demonstration of very short wavelengths, ranging from 2.5cm down to 5mm - equivalent to a frequency of 60 Gigahertz (GHz). He used these transmissions to ring a bell remotely and to explode a charge of gunpowder. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 9 Os primórdios das microondas Microwave links first came into practical use during the 1930s. In 1931 Britain's Standard Telephone & Cable Ltd (STC) demonstrated its 'Micro-Ray' microwave communications link across the Channel between Dover and Calais. The following year, Britain's first ultra short wave radio telephone link was set up by The Post Office across the Bristol Channel, spanning a distance of 13 miles CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 10

6 As origens dos sistemas celulares The basic concept of cellular phones started in the late 1940s. Researchers looked at existing police mobile (radio) car phones and realised that by restricting the range or 'service area' of transmitters, they could re-use the same radio frequencies again and again. However, the computer technology to achieve this just didn't exist at that time. In 1947 AT&T proposed that the Federal Communications Commission (FCC) allocate a large number of radio-spectrum frequencies to allow mobile telephone services to become a reality. But the FCC decided to limit the amount of frequencies available. This effectively killed the potential market and mobile phone research was set back 20 years. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 11 As origens dos sistemas celulares It took America's FCC more than two decades to realise it had made a mistake in restrictng the frequency allocation for mobile phones. In 1968 it reconsidered its position and AT&T and Bell Labs quickly proposed a cellular system of many small, low-powered, broadcast towers, each covering a 'cell' a few miles in radius. By 1977 AT&T and Bell Labs had constructed a prototype cellular system. A year later, public trials of the new system started in Chicago with over 2,000 test customers. By 1982 the slow-moving FCC finally authorised commercial cellular services in the USA. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 12

7 O Conceito Celular! Para aumentar o número de canais disponíveis evitando interferências:! Reuso de freqüências em áreas geográficas suficientemente distantes para evitar (limitar) a interferência co-canal.! Idéia simples e antiga (Bell ) antes limitada pela complexidade do sistema de controle, hoje viabilizada pelo uso de computadores nos terminais (móveis ou fixos) CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 13 Características dos sistemas celulares! Sistemas móveis convencionais! Baixa densidade de usuários! Não reutilizam freqüências! Alta potência de transmissão! Antenas elevadas! Grande área de cobertura! Sem expansão modular! Sistemas móveis celulares! Alta densidade de usuários! Fazem reuso de freqüências! Baixa potência de transmissão! Antenas pouco elevadas! Área de cobertura dividida em pequenas células! Expansão modular ilimitada (teoricamente) CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 14

8 A evolução dos sistemas celulares de comunicações! Os sistemas celulares de 1a. Geração (analógicos) utilizam modulação FM, técnica de acesso FDMA e oferecem apenas serviços de voz, com baixa capacidade! Os sistemas celulares de 2a. Geração (digitais) foram desenvolvidos para prover maior capacidade, utilizando técnicas de modulação mais avançadas, técnicas de acesso TDMA e CDMA, oferecendo principalmente serviços de voz mas também de dados a baixas taxas (10 Kbits/s). CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 15 Sistemas móveis celulares de 3a. geração! A World Administrative Radio Conference (WARC) de 1992 alocou uma nova faixa de frequências em torno de 2GHz para implementação de sistemas móveis de banda larga.! O ITU-R foi encarregado da coordenação do trabalho de padronização dos novos sistemas, denominados International Mobile Telecommunications 2000 (IMT2000) CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 16

9 O Conceito 3G! Altas taxas de transmissão! Até 2 Mbits/s em redes locais com baixa mobilidade e comutação por pacotes! Até 384 Kbits/s em áreas amplas com alta mobilidade e comutação por circuitos! Múltiplos serviços com diferentes classes de Qualidade de Serviço (QoS)! Cobertura mundial! Compatilibidade e interoperabilidade entre padrões CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 17 Evolução dos padrões de telefonia celular menos de 20 anos CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 18

10 Tecnologias de acesso sem fio CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 19 Padrões para WPAN! Bluetooth! Ad hoc networks! Frequency-hopping spread-spectrum (FHSS)! 2.4 GHz ISM band - FHSS! Taxas de dados de até 1 Mbps! P WPAN/Bluetooth! Padrão WPAN baseado em Bluetooth (PHY and MAC layers)! P High rate WPAN! Taxas de dados acima de 20 Mbps! 2.4 GHz ISM band! Aplicações em geração de imagens e multimídia portátil! P Low rate WPAN! Tempos de bateria de múltiplos anos! Taxas de dados abaixo de 200 Kbps CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 20

11 Piconets Um elemento pode ser escravo em uma piconet e mestre em outra. 21 CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão WLANs - Wireless Local Area Networks CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 22

12 Wi-Fi Alliance! Apesar do estabelecimento do padrão IEEE , a existência de diferentes tecnologias de transmissão criava problemas de interoperabilidade dos dispositivos! Em 1997 um grupo de fabricantes uniu-se para garantir a interoperabilidade entre seus produtos e formou a WECA (Wireless Ethernet Compatibility Alliance).! A ratificação do padrão IEEE b foi concretizada em setembro de 1999 e a WECA começou a testar e certificar os equipamentos de seus associados, com o selo Wireless Fidelity e surgiu o acrônimo Wi-Fi.! A WECA, posteriormente, mudou seu nome para Wi-Fi Alliance. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 23 Wi-Fi Estágio atual! Preços muito acessíveis: O mercado já assimilou a tecnologia e o número de usuários cresce rapidamente;! Segurança: Passou por acelerada evolução. Já é possível a implementação de redes tão seguras quanto as redes cabeadas;! Hotspots: a expansão de hotspots é o foco do momento, agregando valor a pequenos estabelecimentos e a locais com alta densidade de executivos, como aeroportos, hotéis, centros de convenção, etc. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 24

13 Os padrões IEEE Padrão a b g Data de publicação Banda total disponível Julho de 1997 Setembro de 1999 Setembro de 1999 Julho de ,5 MHz 300 MHz 83,5 MHz 83,5 MHz Banda de frequências 2,4-2,4835 GHz 5,15-5,35 GHz 5,725-5,825 GHz 2,4-2,4835 GHz 2,4-2,4835GHz Técnica de acesso Taxa de transmissão DSSS, FHSS OFDM DSSS DSSS, OFDM 1 a 2 Mbps 6 a 54 Mbps 1 a 11 Mbps 1 a 54 Mbps CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 25 Padrões IEEE WiMAX! Tecnologia proposta, inicialmente, para prover acesso nomádico em WMANs, com desempenho igual ou superior aos tradicionais DSL, cabo ou linhas T1/E1! Faixas de freqüências:! 2 a 11 GHz: baixas freqüências permitindo operação sem linha de visada (NLOS);! 10 a 66 GHz: operação em visada (LOS), com alta capacidade;! 2 a 6 GHz: operação sem visada (NLOS) com mobilidade restrita.! A padronização envolve não apenas hardware, mas também padronização de software de gerência e de testes.! WiMAX - Worldwide Interoperability for Microwave Access.! Interoperabilidade está sendo muito bem definida através da associação dos grandes players no WiMAX Forum. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 26

14 WiMax - Aplicações! Internet banda larga residencial e SOHO, especialmente em locais com baixa qualidade dos acessos cabeados e em ambientes rurais.! Modelos de negócio indicam que aplicações de WiMax podem ser bem sucedidas mesmo em cenários de baixa concentração demográfica.! Backbone para redes de telefonia celular.! Backbone para hotspots Wi-Fi: atualmente, uma limitação à proliferação de hotspots é a falta de soluções de baixo custo para sua interligação. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 27 O padrão IEEE ! O padrão especifica a interface aérea de sistemas de acesso fixo sem fio pontomultiponto faixa larga para provimento de múltiplos serviços, incluindo a camada MAC (Medium Access Control) e a camada física (PHY).! A camada MAC está estruturada para suportar múltiplas especificacões de camada PHY otimizadas de acordo com a faixa de freqüências e com a aplicação/serviço. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 28

15 Tecnologias similares! HIPERMAN: padrão Europeu equivalente ao IEEE O WiMAX Forum está trabalhando para garantir a interoperabilidade entre os dois padrões.! WiBro: padrão desenvolvido pela indústria Coreana. Em fins de 2004 a Intel e a LG Electronics estabeleceram um acordo para garantir a interoperabilidade entre o WiBro e o WiMAX móvel. A implantação de sistemas WiBro, iniciada no primeiro semestre de 2006 é um excelente estudo de caso, pois ocorre num mercado saturado e em competição com os sistemas 3G e redes fixas de banda larga. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 29 Tecnologias competidoras! EV-DO: padrão celular 3G Americano, otimizado para transmissão de dados (EVolution Data Optimized).! UMTS: padrão celular 3G Europeu, cuja versão HSDPA (High Speed Downlink Packet Access) permite taxas de até 14.4 Mbit/s no enlace ERB-usuário e otimização para transmissão de voz e vídeo. Em Julho de 2005 a alocação de freqüências para o WiMAX foi bloqueada na França e Finlândia, onde houve grandes investimentos em UMTS.! LTE: o grupo 3GPP, que desenvolve o padrão UMTS, optou por utilizar técnicas MIMO-OFDM, em lugar de CDMA, para a evolução do sistema, denominada 3G Long Term Evolution (LTE). Enquanto o padrão WiMAX utiliza OFDMA tanto no uplink como no downlink, o padrão LTE utilizará SC-OFDM no uplink permitindo maior alcance ainda que com menor largura ce banda.! Wi-Fi: é considerado muito mais complementar do que competidor do WiMAX.! MBWA: a tecnologia Mobile Broadband Wireless Access, em desenvolvimento também pelo IEEE (padrão IEEE ), com características completas de sistema 4G. Em Junho de 2006 o IEEE anunciou uma pausa no desenvolvimento desta tecnologia. CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 30

16 Status do WiMAX no Brasil! Grande interesse na área corporativa e de Governo:! Campus Network (comunicação e monitoração nas instalações), Building to Building Connection (comunicação entre instalações), Backhaul para redes Wi-Fi e VoIP, Segurança;! Governos Federal, Estadual e Municipal para aplicações em e- government e inclusão digital (pilotos realizados pelo MEC, Prefeitura de Mangaratiba e PRODAM/SP, entre outros).! Operadoras de Telefonia Fixa fazendo testes e elaborando projetos piloto, entre elas a Brasil Telecom, a Telefônica e a TELEMAR/Oi.! Panorama regulatório confuso! Um primeiro leilão da faixa de 3.5 GHz foi realizado em 2003, quando ainda não se sabia ao certo que esta faixa seria utilizada para aplicações WiMAX. Entre as grandes operadoras adquiriram licenças a EMBRATEL (licença nacional) e a Brasil Telecom (algumas cidades).! O segundo leilão, em 2006, foi suspenso pelo TCU em função de conflitos entre os interesses das grandes operadoras, provedores de acesso e do próprio governo) Fonte: Notícias na Web e Revista de WiMAX (Eduardo Prado) CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 31 Convergência e transparência CETUC-PUC/Rio ELE Capítulo 1 - Introducão 32

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga Luiz A. R. da Silva Mello smello@cetuc.puc-rio.br Centro de Estudos em Telecomunicações CETUC-PUC/Rio Agenda A evolução das comunicações sem fio WWANs - Sistemas celulares 1G, 2G e 3G WPANs Bluetooth,

Leia mais

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

1 Introdução O avanço da tecnologia viabilizou a implementação de comunicação em faixa larga ( broadband ) que possibilita o tráfego de grandes volumes de informação em altas taxas. Novas tecnologias vêm

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Redes Wireless para o Cidadão do Interior do Estado

Redes Wireless para o Cidadão do Interior do Estado Governo do Estado do Pará Empresa de Processamento de Dados do Estado do Pará Redes Wireless para o Cidadão do Interior do Estado Marcelo Barretto /TTC - Assessor da Presidência Professor do Curso de Engenharia

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3.1. Introdução A tecnologia wireless interliga dispositivos sem o uso de fios ou cabos para transmitir diversos tipos de informações

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP WiMAX no Brasil Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP 2008 INTRODUÇÃO WiMAX é acrônimo para Worldwide Interoperability for Microwave Access, sendo este uma definição de protocolo para

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - WPAN: Bluetooth www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Bluetooth (IEEE 802.15.1) O Bluetooth é o nome comercial que faz referência ao Padrão IEEE 802.15.1

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX. Fabrício Lira Figueiredo - CPqD

O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX. Fabrício Lira Figueiredo - CPqD O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX Fabrício Lira Figueiredo - CPqD Abril/2004 PARTE I: Wi-Fi 2 PARTE I: Wi-Fi Evoluçã ção Conceitos Aspectos de Segurança Diferenciais Aplicaçõ ções e Serviços

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Aplicativo Transmissão de Vídeo Monitoramento Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Desde o ocorrido em 11 de Setembro, a necessidade de projetos de segurança com vídeo

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos)

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos EUA.

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

Alliance. Seminário de Redes. Roteiro 18/3/2004. O que é Wi-Fi? The Wi-Fi Alliance Wi-Fi Zone Configurações Recomendadas Wi-Fi Zone Finder Referências

Alliance. Seminário de Redes. Roteiro 18/3/2004. O que é Wi-Fi? The Wi-Fi Alliance Wi-Fi Zone Configurações Recomendadas Wi-Fi Zone Finder Referências Seminário de Redes The Wi-Fi Alliance Leonardo de Paula Gomes Filho Roteiro O que é Wi-Fi? The Wi-Fi Alliance Wi-Fi Zone Configurações Recomendadas Wi-Fi Zone Finder Referências Eduardo Gusmão de Gouveia

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22

Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22 Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22 Hermano Pereira 1, Roberson Araujo 2 1 Companhia de Informática do Paraná - CELEPAR 80.530-010 Curitiba PR Brasil 2 Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR 81.350-101

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Ailton Akira Shinoda 1 1 Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Ilha Solteira, SP, shinoda@dee.feis.unesp.br

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Controle

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES CARLOS RAFAEL GUERBER SUMÁRIO 1 AMBIENTE SEM FIO...3 1.1 CATEGORIAS, ALCANCE E APLICAÇÕES...3 1.1.1 Padrões IEEE...5

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

3G UMTS a força de um projeto global

3G UMTS a força de um projeto global 3G UMTS a força de um projeto global Mario Baumgarten Vice Chairman UMTS Forum Latin America Sobre o UMTS Forum O que é Fórum internacional intersetorial composto de operadores, fabricantes, reguladores,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES DANIEL RICARDO FERREIRA NIKOLOFSKI

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES DANIEL RICARDO FERREIRA NIKOLOFSKI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES DANIEL RICARDO FERREIRA NIKOLOFSKI A QUARTA GERAÇÃO DAS REDES SEM FIO: BENEFÍCIOS E EVOLUÇÃO

Leia mais

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Exemplo São Paulo, 19 de novembro de 2008 Copyright 2008 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. Agenda 1 2 3 4 Oportunidade de negócio Análise Técnico-econômica

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

Redes de Computadores Carga horária: 80 horas Aula 20 Wireless - Desafios

Redes de Computadores Carga horária: 80 horas Aula 20 Wireless - Desafios Redes de Computadores Carga horária: 80 horas Aula 20 Wireless - Desafios Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 WIRELESS O MUNDO WIRELESS (redes de

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX

Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX Ricardo Rodrigues Barcelar UNIR União de Escolas Superiores de Rondonópolis Rondonópolis MT ricardobarcelar@email.com.br Abstract. This article shows an

Leia mais

RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE. RADWIN 5000 HPMP brochura do produto. Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS

RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE. RADWIN 5000 HPMP brochura do produto. Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS RADWIN 5000 HPMP brochura do produto RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS A solução RADWIN 5000 Ponto-Multi-Ponto de alta capacidade (HPMP) A

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Redes Sem Fio

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Redes Sem Fio Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Redes Sem Fio Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Além da WLAN WPAN IEEE 802.15 Bluetooth IEEE 802.15.1 Zigbee IEEE 802.15.4 (low rate) UWB

Leia mais

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G Andrei Ricardo Sganzerla, Lauro Henrique de Aquino Rücker Curso de Sistemas e Segunrança de Redes Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, setembro

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

The Battle for the Home. Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil

The Battle for the Home. Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil The Battle for the Home Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil 1 The Interconnected World Telecom Industry Broadband Services Wi-Fi (Home, Public, Enterprise) Wireless Internet The Interconnected World

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais