Evolução Telefonia Móvel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução Telefonia Móvel"

Transcrição

1 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação de dados e voz, mostrando as diferenças entre os tipos de tecnologias CDMA, TDMA, FDMA e GSM. Onde algumas apresentam mais destaques que outras de acordo com a necessidade e da funcionalidade para cada ocasião. 1 INTRODUÇÃO Quando os celulares surgiram pesavam cerca de um quilo, tinham 25 cm de comprimento por 7 cm de largura, com bateria que não ultrapassava o tempo de 20 minutos de conversação, parece até mentira comparando com os aparelhos que existem hoje em dia. O aparelho celular evoluiu tento que à telefonia não é considerada o mais importante na escolha de um aparelho, por incrível que pareça os clientes de hoje se preocupam mais com os opcionais como câmeras fotográficas, dispositivos de armazenamento, filmadoras, internet, músicas, rádios entre outros acessórios que são adicionados constantemente com o avanço das tecnologias. Assim como os aparelhos celulares a tecnologia que permite a comunicação entre os mesmo também evoluiu. Inicialmente eram tecnologias de comunicação analógicas, mas com o passar do tempo com a necessidade de uma melhor recepção e a busca de mais funcionalidades fora a conversação, surgiram as tecnologias digitais. Ainda sim, não era o bastante, havia ainda a busca por mais velocidade na comunicação. Atualmente a 3G é a mais implementada no mercado comum, podendo ser brevemente considerada ultrapassada com a implementação da tecnologia 4G que é consideravelmente mais rápida e mais segura que sua antecessora.

2 2 2 Ligando do Celular. A comunicação por meio de um dispositivo móvel é usada há bastante tempo, porém utilizando sistemas de baixíssima qualidade devido à tecnologia existente até aquele momento. Graças a evolução tecnológica e o desenvolvimento da busca por esse tipo de serviço mais rápido e seguro, desenvolveu-se a Telefonia Móvel Celular com vários tipos de acesso. O sistema de celular utilizam para alcançar melhores resultados o emprego das freqüências de rádio disponíveis, ou seja, aquelas que não são empregadas pelo rádio ou pela TV. As freqüências são reutilizadas a alcances curtos como, por exemplo, no perímetro de uma mesma localidade. A reutilização de freqüências trabalha na forma de colmeia, ou seja, uma área de atendimento é dividida em células de formato hexagonal, sendo que cada uma delas possua um conjunto de freqüências diferentes da área vizinha. Desta forma, as células próximas podem usar uma mesma freqüência sem que haja interferência ou perca o sinal. Uma vez estabelecida a ligação, o usuário pode se deslocar para qualquer ponto que a mudança de uma célula para outra será automática O sistema celular é composto por: Celular ou terminal móvel, o sistema também é com posto por Estações de Rádio Base (ERB) que se tem a responsabilidade de enviar e receber sinais que vêem dos celulares. Cada célula possui uma Estações de Rádio Base que é interligada a uma Central de Comutação e Controle (CCC). Essa central decide os canais de conversação do Sistema Móvel que serão conectados com o sistema de Telefonia Pública, comumente por meio convencionais que supervisionam e controlam todas as chamadas para dentro ou para fora do sistema. A figura abaixo representa a comunicação entre os componentes. 3 A EVOLUÇÃO DOS CELULARES

3 3 Com a minimização dos componentes eletrônicos, fabricação de telas coloridas e de tamanhos maiores e baterias de duração muitos mais longas revolucionaram a telefonia móvel. Inúmeras inovações e modificações foram adicionadas na tecnologia utilizada pelos aparelhos celulares desde que a Motorola apresentou seu protótipo do primeiro telefone celular. Abaixo traçarei uma cronologia com algum aparelhos celulares desde seu primeiro protótipo até os aparelhos dos dias atuais. 4 Evolução das Gerações Na primeira geração, o serviço de telefonia móvel passou a funcionar através da delimitação de um determinado local em pequenas áreas denominadas células, sendo cada uma delas funciona com seu próprio conjunto de rádios transmissores e receptores de baixa potência. À medida em que nos locomovemos na cidade, o sinal do seu telefone celular é transferido automaticamente para outra célula, sem sofrer interrupção do mesmo. Em 1970 foi construído o primeiro sistema telefônico celular de alta capacidade que foi denominado AMPS (Advanced Mobile Phone Service). A principal característica da primeira geração era seu funcionamento analógico, tal sistema utilizava modulação em freqüência para voz e modulação digital FSK (Frequency Shift Keying) para sinalização. O acesso aos canais era obtido através do FDMA (Frequency Division Multiple Access). As células tinham tamanhos entre 500 metros e 10 quilômetros, aceitando o handoff ou handover (transferência automática de ligações de uma célula para outra). Autoriza novamente o roaming (transferência automática de ligações entre sistemas) entre os distintos provedores de serviço, desde que adotem o mesmo sistema. Com o sistema analógico atingido o limite de sua capacidade, necessitou-se iniciar o desenvolvimento de sistemas digitais.surgiram os sistemas: TDMA (Time Division Multiple Access, ou Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo), tal sistema opera dividindo o tempo dos canais, que operam em uma determinada freqüência, em um certo número de partes e designa cada uma das diversas conversas para cada uma dessas partes.

4 4 CDMA (Code Division Multiple Access, ou Acesso Múltiplo por Divisão de Código), utiliza-se uma técnica de espalhamento espectral, originalmente utilizado pelos militares para alastrar o sinal em uma faixa de espectro bem larga, tornando as transmissões difíceis de serem interceptadas e interferidas. GSM (Global System for Mobile Communications, ou Sistema Global para Comunicações Móveis). O sistema GSM proporciona uma ampla combinação de equipamentos mesmo sendo de fabricantes diferentes, resultando uma manutenção mais barata quando necessária. Atualmente o padrão GSM é, o que tem maior popularidade, e também, é mais implementado no mundo. Os serviços de comunicações de segunda geração baseasse em sistemas de desempenho superior aos de primeira geração, alguns com capacidade, no mínimo, três vezes superior à dos sistemas de primeira geração. Em geral, são caracterizados pela utilização de tecnologia digital para transmissão tanto de voz quanto de sinalização. 4.3 Terceira Geração de Sistemas Móveis Por volta do ano 2000, o sistema de terceira geração está sendo batizado UMTS (Universal Mobile Telecommunications System). Baseado em uma arquitetura com células de tamanhos variados; que podem ser aplicadas com dimensionamento apropriado para áreas geográficas específicas e em função das diferentes demandas de tráfego. A evolução das telecomunicações móveis, UMTS, possivelmente, deverá ter embasamento no sistema GSM. É injustificável a criação de um padrão independente do Universal Mobile Telecommunications System, pois ocasionará um grande investimento para viabilizar as redes de telefonia celular já disponíveis. O Universal Mobile Telecommunications System tem como objetivo disponibilizar um padrão mundial de comunicações com qualidade. O UMTS, deverá suportar diversas facilidades: Portadoras realocáveis, banda atribuível sob demanda (por exemplo, 4 Mbps para comunicações em ambientes internos e pelo menos 288 kbps para ambientes externos); variedade de tipos de tráfego compartilhando o mesmo meio; tarifação adequada para aplicações multimídia; serviços personalizados; facilidade de implementação de novos serviços; Wireless Local

5 5 Loop de banda larga. O WLL de banda estreita tem sido empregado como substituto aos fios/cabos de cobre para conectar telefones e outros aparelhos de conversação com a rede de telefonia comutada pública. Quesitos importantes para UMTS: Rádio acesso de banda larga; roaming inteligente; alta capacidade. O padrão GSM, por enquanto, vem atendendo perfeitamente esses quesitos. A interface da terceira geração coliga também elementos das tecnologias TDMA e CDMA, mas a rede tem base no sistema GSM. A tecnologia 3G tem como característica a possibilidade de suportar um grande número de clientes de voz e dados, além de maiores taxas de dados a um custo incremental menor que na segunda geração, além de possibilitar transmissão de 144 kbits/s para sistemas móveis e 2 Megabits/s para sistemas estáticos. Esperase que os usuários possam usufruir de roaming global entre diferentes redes 3G. 4.4 Quarta Geração de Sistemas Móveis Com previsão para 2010 a implementação da tecnologia móvel de 4ª Geração. A quarta geração está em fase de desenvolvimento, tal tecnologia promete a comunicação em voz, vídeo e dados numa escala impossível até agora. A tecnologia 4G permitirá que proprietários de dispositivos Móveis disponham de serviços que apenas computadores pessoais ligados a redes de alta velocidade. As operadoras tendem, aumentar a velocidade das suas redes sem fio para poder oferecer vídeo, imagens, Internet e outros serviços. A rapidez é a característica desta nova geração, sendo uma tecnologia que vai poder transferir dados a 100 megabits por segundo enquanto o utilizador está em movimento e a 1 gigabit por segundo quando está parado. 5 CONCLUSÃO No transcorrer deste trabalho, ao examinar a evolução dos serviços móveis, notamos que o uso do aparelho celular é cada vez mais procurado devido a tendência de implementação de novas gerações. Os usuários da telefonia móvel, não estão mais dispostos a usar simples aparelhos, querem utilizar aparelhos com inúmeras funcionalidades, tais como: SMS; MMS; Jogos em JAVA; Editar e

6 6 visualizar documentos; Utilizar o sistemas de navegação (GPS); Acessar s e redes wi-fi alem de outros serviços. Estas novas aplicações representam a chave para o crescimento da rentabilidade para as operadoras, por isso, estas tendem a investir cada vez mais em novas tecnologias. Foram abordados conceitos importantes sobre células, terminal, estação de rádio base, central de comutação e controle, além de um breve histórico evolutivo dos aparelhos celulares até chegar no assunto principal deste trabalho que distinguir as tecnologias de telefonia móvel. REFERÊNCIAS FERRARI, Antonio Martins.Telecomunicações Evolução e Revolução. 10ª.ed. São Paulo: Érica, JUNIOR, Lealcy. Do tijolo ao iphone. Disponível em: <http://ceticismo.wordpress.com/> YURI, Flávia. A força do GSM. Disponível em: INFO Exame, Ano 18, Nº 203, Fevereiro de WALDMAN, Hélio; YACOUB, Michel Daoud: Telecomunicações - Princípios e Tendências, Editora Érica, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/4g> Disponível em: <http://br.geocities.com/redescefetpi/gifs/telefonia/celulas.gif> Disponível em: <http://www.teleco.com.br/imagens/tutoriais/tutsar1.gif> Disponível em: <http://www.motorola.com/mot/image/7/7475_motimage.jpg> Disponívelem:<http://bp0.blogger.com/_iRN_qqkB1Lg/Rm1ZQ_zS2OI/AAAAAAAAA Aw/RviK1nolnqw/s1600-h/BigPhone.jpg> Disponível em: <http://idg.bg/test/pcw/2007/ bellsouthsimon.jpg> Disponível em: <http://stb.msn.com/i/24/a76151fa92acd7414cf2cddb7b5.jpg>

7 7 Disponível em: <http://pcworld.uol.com.br/idgimages/200705/05.jpg> Disponível em: <http://www.mobilenet.vn/library/images/12/2007/t06/phongsu/lsde/131450/ _kyocera.jpg> Disponível em: <http://pcworld.uol.com.br/idgimages/200705/07.jpg> Disponível em: Disponível em: <http://na.blackberry.com/eng/devices/archived/5810.jpg> Disponível em: <http://ceticismo.files.wordpress.com/2007/06/revcelsanyoscp5300.jpg> Disponível em: <http://www.tdubel.com/n-gage/kuvat/ngage.jpg> Disponível em: <http://pan.fotovista.com/dev/3/2/ /l_ jpg> Disponível em: <http://ceticismo.files.wordpress.com/2007/06/revcelrokr.jpg> Disponível em: <http://www.slipperybrick.com/wp-content/uploads/2007/01/t-mobilewhite-blackberry-pearl.jpg> Disponível em: <http://xicoriasexicoracoes.files.wordpress.com/2007/11/iphone.jpg>

CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código)

CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código) CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código) BRUNNO LEONARDO AZEVEDO DE SOUSA Resumo Este artigo propõe-se a discutir por que a tecnologia CDMA pode ser a melhor opção em relação às outras tecnologias de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 ELIÉZER SPINELLI MELO YGOR COSTA LIMA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR COMUNICAÇÃO SEM FIO A comunicação sem fio se dá pela propagação radio elétrica e esta necessita um espectro de freqüência para propagar-se. O espectro de freqüência no Brasil

Leia mais

TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA

TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CAMPUS CAMPOS CENTRO GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES DANUSA DOS SANTOS RODRIGUES DOUGLAS BENTO FARIA JONATHAN PESSANHA

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Soluções Móveis Corporativas Divisão de Soluções Corporativas

Soluções Móveis Corporativas Divisão de Soluções Corporativas Soluções Móveis Corporativas Divisão de Diretoria de Planejamento e Gestão Data: 09/10/2015 As informações contidas neste documento são proprietárias e para uso público. Propriedade da Vivo. Agenda Institucional

Leia mais

Tendo em vista os questionamentos recebidos na consulta pública informamos que:

Tendo em vista os questionamentos recebidos na consulta pública informamos que: Do processo nº. 2006-0.327.118-5 REFERENTE: CONSULTA PÚBLICA Nº 0019/2006 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA MÓVEL, ACESSO À E-MAIL CORPORATIVO E APLICAÇÕES DEDICADAS UTILIZANDO

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014 DISSERTAÇÃO Espera-se que o candidato redija texto dissertativo acerca da evolução das redes de comunicação e da infraestrutura destinada para a provisão de novos serviços, abordando, necessariamente,

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações LERCI_FT 1: Introdução Professor Victor Barroso vab@isr.ist.utl.pt 1 Introduzindo O tópico A terminologia A tecnologia O conteúdo... LERCI_FT - Lição 1 Fundamentos de Telecomunicações

Leia mais

DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ

DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática CCT Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Brasília/DF Julho/2013 CENÁRIO ATUAL

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

Sistema de Comunicação Digital entre Centro de Operação e Veículos de Manutenção e Emergência

Sistema de Comunicação Digital entre Centro de Operação e Veículos de Manutenção e Emergência 1 Sistema de Comunicação Digital entre Centro de Operação e Veículos de Manutenção e Emergência E. Deschamps, F. L. Perez, J. G. F. Zipf e M. A. Wisinteiner, FURB e J. L. Langer, CELESC Resumo-As agências

Leia mais

36º Encontro Tele.Síntese

36º Encontro Tele.Síntese 36º Encontro Tele.Síntese Evolução tecnológica - terminais 1998 Em poucos anos a evolução dos terminais móveis é surpreendente 2013 2 Evolução tecnológica - uso FALAR CONECTAR COMPARTILHAR VIVER Tecnologia

Leia mais

Internet 3G - VIVO ZAP

Internet 3G - VIVO ZAP O Vivo Zap 3G é a banda larga da Vivo que você acessa no seu computador ou notebook usando o mesmo modem. E você também pode contratar o Vivo Zap 3G para acessar a internet pelo seu smartphone. VANTAGENS

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Este tutorial apresenta o padrão de rádio troncalizado TETRA (Terrestrial Trunked Radio), desenvolvido

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G - EMPRESA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G - EMPRESA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G - EMPRESA 1. Das Partes, das Definições da Promoção: 1.1. 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A., autorizatária do Serviço

Leia mais

FACULDADE UNILASALLE TRABALHO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE DA BANDA LARGA

FACULDADE UNILASALLE TRABALHO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE DA BANDA LARGA FACULDADE UNILASALLE TRABALHO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE DA BANDA LARGA Manaus 2009 Zulivana Lobato da Silva TRABALHO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO: APLICABILIDADE DA BANDA LARGA PROFESSOR: HENRIQUE

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

1 Introdução O avanço da tecnologia viabilizou a implementação de comunicação em faixa larga ( broadband ) que possibilita o tráfego de grandes volumes de informação em altas taxas. Novas tecnologias vêm

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - WPAN: Bluetooth www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Bluetooth (IEEE 802.15.1) O Bluetooth é o nome comercial que faz referência ao Padrão IEEE 802.15.1

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES Alcedir L. Finkler, Darlan R. Fischer Universidade do Noroeste do Rio Grande do Sul

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Trabalho realizado pelo grupo: 1MIEEC06_03 Índice Introdução...1 A importância dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

Departamento. Matéria. Disciplina. Código. Carga Horária (horas-aula) Objetivos. Ementa OP3.2014. Telecomunicações

Departamento. Matéria. Disciplina. Código. Carga Horária (horas-aula) Objetivos. Ementa OP3.2014. Telecomunicações Departamento Curso Formação Profissional Elétrica Engenharia Elétrica Disciplina Código Rádio e Telefonia OP3 Docentes João Bustamante (Professor Responsável). Matéria Telecomunicações Carga Horária (horas-aula)

Leia mais

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G Andrei Ricardo Sganzerla, Lauro Henrique de Aquino Rücker Curso de Sistemas e Segunrança de Redes Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, setembro

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Computação Portátil. Profa. Késsia Marchi

Computação Portátil. Profa. Késsia Marchi Computação Portátil Profa. Késsia Marchi Evolução Tecnologia de Informação + Tecnologia de Comunicação; a partir de conexão com internet ou via celular. Pagamentos de contas, Compras, Reservas, etc. Pesquisas,

Leia mais

INOVAÇÃO NA MÍDIA: O CELULAR COMO OPÇÃO.

INOVAÇÃO NA MÍDIA: O CELULAR COMO OPÇÃO. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA DISCIPLINA: MONOGRAFIA PROFESSOR ORIENTADOR: MANOEL HENRIQUE TAVARES MOREIRA

Leia mais

LG MG 110 Tela colorida. Agenda com 200 posições de memória no TIMChip + 500 registros no aparelho. Jogos. Calculadora, calendário, conversor de moedas, despertador, data e hora e alerta vibratório. TIM

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO O presente Termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Censo Agropecuário e Contagem Populacional - Equipamentos de Coleta de Dados. Convite Público

Censo Agropecuário e Contagem Populacional - Equipamentos de Coleta de Dados. Convite Público 1 Convite Público A Diretoria de Informática do IBGE convida fabricantes e representantes da indústria de dispositivos móveis de telefonia celular para uma reunião a respeito de nosso planejamento para

Leia mais

Virtual VoIP Manager. Comunicação eficaz e acessível.

Virtual VoIP Manager. Comunicação eficaz e acessível. Comunicação eficaz e acessível. é a central telefônica Dígitro (PABX) desenvolvida dentro dos mais avançados conceitos de telefonia IP. Pode ser instalado em computadores comuns ou em uma das seguintes

Leia mais

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Eng. Ângelo Canavitsas Objetivos Introdução Capacidade dos RDS Arquitetura Sumário Tecnologia e propriedades de um RDS operando como rádio

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA O presente termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF sob o nº.

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos...2 Antes da instalação Motorola Phone Tools...3 Instalar Motorola Phone Tools...4 Instalação e configuração do dispositivo móvel...6 Registro

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA

EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA NOTA INTRODUTÓRIA... 2 SISTEMA - INTRODUÇÃO... 3 I LEITURA DO CAUDAL... 3 II AUTÓMATO... 4 III TECNOLOGIA GSM... 5 IV BASE DE DADOS... 6 V SINÓPTICO... 7 Especificação

Leia mais

Internet Móvel. Universidade Católica do Salvador. Curso de Informática. Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail.

Internet Móvel. Universidade Católica do Salvador. Curso de Informática. Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail. Internet Móvel Universidade Católica do Salvador Curso de Informática Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail.com) Disciplina: REDES Professor: Marco Antonio Camara 1. OBJETIVO Este trabalho

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Infinidade de recursos e qualidade, Um gigante ao seu alcance. Sua empresa precisa deste toque! um investimento à frente da própria evolução.

Infinidade de recursos e qualidade, Um gigante ao seu alcance. Sua empresa precisa deste toque! um investimento à frente da própria evolução. Um gigante ao seu alcance. Sua empresa precisa deste toque! Infinidade de recursos e qualidade, um investimento à frente da própria evolução. Facilidade que gera mais produtividade, capacidade para atender

Leia mais

Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base

Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base Autor: Leonardo Mendes de Souza Orientador: Gustavo Menezes Banca: Luis Augusto Mattos Mendes e Wender Magno Cota Departamento

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com 1 PRIMÓRDIOS 1950 Auge da Guerra Fria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos realiza

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PLANOS PÓS PAGO CLARO ONLINE

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PLANOS PÓS PAGO CLARO ONLINE O presente Termo tem a finalidade de registrar as características e a oferta dos novos Planos Pós Pago da e regular as relações entre a S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no

Leia mais

Comunicações Móveis por Satélite

Comunicações Móveis por Satélite Satélite Trabalho realizado por: Marco Costa Pedro Sobral Satélite - História Comunicações por Satélite surgiram após a 2ª Grande Guerra; Em 1957 a União Soviética lança o SPUTNIK, em plena guerra fria;

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Rede Wireless ou rede cabeada?

Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede Cabeada? Página 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Desenvolvimento... 4 2.1. Avaliando seu ambiente... 4 2.2. Custos e necessidades... 5 2.3. Redes mistas...

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Comunicado Técnico 20

Comunicado Técnico 20 Comunicado Técnico 20 ISSN 2177-854X Novembro. 2012 Uberaba - MG Redes PLC Uma nova alternativa para a transmissão de dados Instruções Técnicas Responsável: Thiago Lara dos Reis Graduado no curso de Sistemas

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ SÉRGIO NICOLAU DA SILVA ESTUDO DA PLATAFORMA BREW COM ÊNFASE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO PARA CELULAR

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ SÉRGIO NICOLAU DA SILVA ESTUDO DA PLATAFORMA BREW COM ÊNFASE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO PARA CELULAR UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ SÉRGIO NICOLAU DA SILVA ESTUDO DA PLATAFORMA BREW COM ÊNFASE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO PARA CELULAR São José 2005. SÉRGIO NICOLAU DA SILVA ESTUDO DA PLATAFORMA BREW

Leia mais