Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/2013"

Transcrição

1 Proteção do consumidor no comércio eletrônico e as limitações do Decreto 7.962/ Ivanildo Figueiredo Mestre e Doutorando em Direito (UFPE) Professor de Direito da Informática e Direito Empresarial do Centro de Ciências Jurídicas - Faculdade de Direito do Recife (UFPE) Tabelião Público

2 Plano da apresentação 1) A Internet e a expansão do comércio eletrônico ( ). 2) Déficit normativo na regulação das relações eletrônicas no direito brasileiro. 3) O contrato eletrônico no direito comparado. 4) Problemas e limites à aplicação do Decreto 7.962/2013 nos contratos eletrônicos de consumo.

3 "A Internet é o maior acontecimento no mundo dos negócios desde a Revolução Industrial" (Jack Welch, ex-presidente da General Electric, 1999)

4 Na geografia mental criada pela ferrovia, a humanidade dominou a distância. Na geografia mental do comércio eletrônico, a distância foi eliminada. Existe apenas uma economia e um mercado. (Peter F. Drucker, 2000)

5 Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o comércio eletrônico (Efraim Turban e David King, Comércio Eletrônico, 2001)

6

7 Evolução do comércio eletrônico no Brasil ( )

8 Principais produtos negociados no comércio eletrônico

9 Fonte: American National Retail Federation (2007)

10 Déficit normativo da regulação das relações eletrônicas no direito brasileiro Normas reguladoras das relações informáticas no Brasil Lei 7.232/1984 Definiu a política nacional de informática e criou o Conselho Nacional de Informática CONIN; Lei 7.646/ Regime da proteção da propriedade intelectual de programas de computador; Lei 8.248/ Capacitação e competitividade do setor de informática e automação; Lei 9609/ Regula o vigente regime de proteção da propriedade intelectual de software;

11 Lei 9.800/1999 (Lei do fax) Utilização de sistema de transmissão de dados e imagens tipo fac-símile. Lei /2001 Nova política de capacitação e competitividade do setor de informática e automação; Lei /2001 Origem do processo eletrônico nos Juizados Federais; Medida Provisória 2.200/ Instituiu a Infra Estrutura Brasileira de Chaves Públicas ICP-Brasil, para emissão de certificados digitais para assinatura eletrônica; Lei /2002 Pregão eletrônico. Lei /2006 Regula o processo judicial eletrônico. Lei /2009 Registro público eletrônico.

12 Presunção de legitimidade dos documentos eletrônicos (MP 2.200/2001) Art.10. Consideram-se documentos públicos ou particulares, para todos os fins legais, os documentos eletrônicos de que trata esta Medida Provisória. 1 o As declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela ICP-Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários, na forma do art. 131 do Código Civil. (atual art. 219 do Código Civil de 2002).

13 Equiparação do documento eletrônico ao documento em papel Lei do Processo Judicial Eletrônico (Lei /2006) Art. 11. Os documentos produzidos eletronicamente e juntados aos processos eletrônicos com garantia da origem e de seu signatário, na forma estabelecida nesta Lei, serão considerados originais para todos os efeitos legais.

14 Projeto de Lei 4.906/2001 Princípio da equivalência funcional Art. 3º. Não serão negados efeitos jurídicos, validade e eficácia ao documento eletrônico, pelo simples fato de apresentar-se em forma eletrônica. PL 4906

15 Fluxo do comércio eletrônico on-line

16 Problemas derivados das relações eletrônicas no ciberespaço (A teoria de Lawrence Lessig) As questões-chave: 1) A lei deve ser alterada, para responder às características diferentes do ciberespaço? ou 2) A lei deve tentar mudar as características atuais, para fazê-lo em conformidade com os princípios do direito? ou 3) A lei não deve ser modificada, mas as relações no ciberespaço serão interpretadas a partir dos princípios gerais do direito.

17 O esquema das relações de Lessig no Ciberespaço e na Internet

18 Arquitetura das relações no ciberespaço segundo o esquema de Lawrence Lessig Compreende um código de estruturação dos equipamentos eletrônicos (hardware) e dos sistemas (software) que são programáveis para a realização das operações e negócios digitais, ambos passíveis de disciplinamento e regulação jurídica.

19 Lei Modelo da UNCITRAL United Nations Comission on International Trade Law Resolução 51/1996 da Assembleia Geral da ONU Princípios gerais aplicáveis aos contratos eletrônicos 1) Princípio da equivalência funcional dos atos produzidos por meios eletrônicos diante dos atos jurídicos tradicionais. 2) Princípio da neutralidade tecnológica das disposições reguladoras do comércio eletrônico. 3) Princípio da inalterabilidade do direito existente sobre obrigações e contratos. 4) Princípio da boa-fé. 5) Princípios da autonomia privada e da liberdade de contratar.

20 Normas de regulação dos contratos eletrônicos e certificação digital PAÍS Estados Unidos Comunidade Européia Portugal LEGISLAÇÃO Uniform Electronic Transactions Act UETA (1999); Electronic Signatures in Global and National Commerce Act ESIGN, 2000 Diretiva 2000/31/CE D31 Decreto-Lei 290-D/1999 Espanha Real Decreto-Ley 14/1999 Irlanda Electronic Commerce Act, 2000 República Tcheca Ato 227/2000 Peru Ley , 2000 Colombia Ley 527, 1999 Brasil MP 2.220/2001; PL 4.906/2001

21 Matérias reguladas na legislação de comércio eletrônico Formação e prova dos contratos eletrônicos. Assinatura eletrônica e certificado digital. Proteção do consumidor. Sigilo dos dados e privacidade. Defesa da concorrência. Proteção dos direitos autorais. Responsabilidade do fornecedor. Transferência de dinheiro e pagamentos.

22 Limites normativos do Decreto 7.962/2013 Extrapolação do poder regulamentar: O Decreto tem por objeto regulamentar a Lei n o 8.078/1990 (Código de Defesa do Consumidor - CDC), para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico, mas ultrapassa os limites do poder regulamentar (CF, art. 84, IV), ao criar deveres e obrigações não previstos expressamente na lei (CF, art. 5º, II).

23 Objeto do Decreto 7.962/2013 (art. 1º) 1) Ampliar o nível de informações sobre os produtos, serviços e fornecedores na oferta em meio eletrônico; 2) Atendimento ao consumidor na Internet e suas reclamações; e 3) Direito de arrependimento nos contratos eletrônicos.

24 Informações essenciais dos sítios eletrônicos (art. 2º) A Quanto às empresas ofertantes: 1) nome empresarial e número de inscrição do fornecedor, quando houver, no CPF ou CPMF; 2) endereço físico e endereço eletrônico, e informações necessárias para sua localização e contato.

25 B quanto aos produtos ou serviços: 1) características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e segurança dos consumidores; 2) discriminação, no preço, de quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como entrega (frete) ou seguros; 3) condições integrais da oferta, incluídas modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega do produto; e 4) informações claras e ostensivas sobre quaisquer restrições à fruição da oferta.

26 Principais problemas do consumidor na execução dos contratos eletrônicos 1) Falta ou atraso na entrega do produto ou serviço execução física. 2) Vício ou defeito no produto. 3) Desconformidade com as características ou especificações do produto. 4) Garantia e assistência técnica. 5) Desistência ou arrependimento do consumidor.

27 Informações complementares para os sítios de compras coletivas (art. 3º) 1) quantidade mínima de consumidores para a efetivação do contrato no caso de compras coletivas; 2) prazo para utilização da oferta pelo consumidor; e 3) identificação do fornecedor responsável pelo sítio eletrônico e do fornecedor do produto ou serviço ofertado.

28 Recursos de software na contratação Obrigações adicionais do fornecedor (art. 4º) 1) apresentar sumário prévio do contrato, com as informações necessárias ao exercício do direito de escolha do consumidor, enfatizadas as cláusulas que limitem direitos; 2) fornecer ferramentas eficazes ao consumidor para identificação e correção imediata de erros ocorridos nas etapas anteriores à finalização da contratação;

29 4) disponibilizar o contrato ao consumidor em meio que permita sua conservação e reprodução, imediatamente após a contratação; 5) manter serviço adequado e eficaz de atendimento em meio eletrônico (SAC); 6) confirmar imediatamente o recebimento das demandas pelo mesmo meio empregado pelo consumidor; e 7) utilizar mecanismos de segurança eficazes para pagamento e para tratamento de dados do consumidor.

30 Direito de arrependimento (art. 5º) O fornecedor deve informar, de forma clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor. O consumidor poderá exercer seu direito de arrependimento pela mesma ferramenta utilizada para a contratação, sem prejuízo de outros meios disponibilizados. O exercício do direito de arrependimento implica a rescisão dos contratos acessórios, sem qualquer ônus para o consumidor.

31 O exercício do direito de arrependimento será comunicado imediatamente pelo fornecedor à instituição financeira ou à administradora do cartão de crédito, para que a transação não seja lançada na fatura do consumidor ou seja efetivado o estorno do valor, caso o lançamento na fatura já tenha sido realizado. O fornecedor deve enviar ao consumidor confirmação imediata do recebimento da manifestação de arrependimento. PRAZO PARA ARREPENDIMENTO:?

32 Contrato eletrônico: entre ausentes ou entre presentes Código Civil Art Deixa de ser obrigatória a proposta: I - se, feita sem prazo a pessoa presente, não foi imediatamente aceita. Considera-se também presente a pessoa que contrata por telefone ou por meio de comunicação semelhante; II - se, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente;

33 Lei 8.078/1990 Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.

34 Observância das condições da oferta (art. 6º) As contratações no comércio eletrônico devem observar o cumprimento das condições da oferta, com a entrega dos produtos e serviços contratados, observados prazos, quantidade, qualidade e adequação.

35 Sanção pelo descumprimento (art. 7º) A inobservância das condutas descritas neste Decreto ensejará aplicação das sanções previstas no art. 56 da Lei 8.078/1990. Fornecedor estrangeiro: como aplicar as sanções administrativas?

36 Definição da lei aplicável aos contratos eletrônicos Lei de Introdução ao Código Civil (LICC, 1942) Art. 9 o. Para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país em que se constituírem. Restrição ao princípio da autonomia da vontade

37 Convenção De Roma (1980) Art. 3º. Liberdade de escolha 1. O contrato rege-se pela lei escolhida pelas partes. Esta escolha deve ser expressa ou resultar de modo inequívoco das disposições do contrato ou das circunstâncias da causa. Mediante esta escolha, as partes podem designar a lei aplicável à totalidade ou apenas a uma parte do contrato.

38 Convenção de Roma (União Européia) Artigo 5º - Contratos celebrados por consumidores 1. O presente artigo aplica-se aos contratos que tenham por objeto o fornecimento de bens móveis corpóreos ou de serviços a uma pessoa, o consumidor, para uma finalidade que pode considerar-se estranha à sua atividade profissional, bem como aos contratos destinados ao financiamento desse fornecimento.

39 Convenção de Roma (art. 5º, item 2) 2. Sem prejuízo do disposto no artigo 3º, a escolha pelas partes da lei aplicável não pode ter como conseqüência privar o consumidor da proteção que lhe garantem as disposições imperativas da lei do país em que tenha a sua residência habitual: - se a celebração do contrato tiver sido precedida, nesse país, de uma proposta que lhe foi especialmente dirigida ou de anúncio publicitário, e se o consumidor tiver executado nesse país todos os atos necessários à celebração do contrato.

40 A quem não interessa a regulamentação da Internet e do comércio eletrônico?

41 Em teoria, o consumidor não deve ser prejudicado, seja sob o plano da segurança, da qualidade, da garantia ou do acesso à justiça somente porque adquire produto ou utiliza serviço proveniente de um outro país ou fornecido por empresa com sede no exterior. (Cláudia Lima Marques)

42 O direito virtual ou direito do espaço virtual, ou, ainda, direito da Internet, pode ser concebido como um novo campo de reflexão para o jurista contemporâneo, e definido como o ramo de investigação que se ocupa do impacto da Internet sobre a vida das pessoas, considerada a esfera jurídica em que elas atuam. (Newton de Lucca)

43 Bibliografia e referências ALBERTIN, Alberto Luiz, Comércio Eletrônico, Atlas, DE LUCCA, Newton, Aspectos atuais da proteção aos consumidores no âmbito dos contratos informáticos e telemáticos, Direito & Internet, vol. II, Quartier Latin, FINKELSTEIN, Maria Eugênia, Direito do Comércio Eletrônico, Elsevier Campus, LORENZETTI, Ricardo Luis, Comércio Eletrônico, Revista dos Tribunais, MARQUES, Cláudia Lima, Confiança no comércio eletrônico e a proteção do consumidor, RT, MARTINS, Guilherme Magalhães, Formação dos contratos eletrônicos de consumo via Internet, Forense, SPINDLER, Gerald e BORNER, Fritjof, E-Commerce Law in Europe and the USA, Berlin, Springer, 2002.

44

45 Críticas, sugestões e comentários

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS 2014 Aluizio Barbosa l Direito - UFRJ l MBA Direito de Empresas PUC-RJ l Especialização em Desenvolvimento Gerencial IBMEC-RJ l Sócio do escritório Pellon &

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Escola Nacional de Defesa do Consumidor Oficina Desafios da Sociedade da Informação: comércio eletrônico

Leia mais

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET O Ministério da Justiça divulgou na sexta-feira (20/8), durante a 65ª reunião do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), um documento com as diretrizes

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS O QUE É A BLACK FRIDAY?

ORIENTAÇÕES GERAIS O QUE É A BLACK FRIDAY? BLACK FRIDAY O QUE É A BLACK FRIDAY? É um termo criado nos Estados Unidos para nomear a ação de vendas anual, que acontece sempre na quarta sexta-feira do mês de novembro, após o feriado de Ação de Graças.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

PROGRAMA LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL)

PROGRAMA LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL) PROGRAMA LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL) PERÍODO: DE 17 DE JANEIRO A 28 DE JANEIRO DE 2015 EDITAL PUCPR/2014 O Programa

Leia mais

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede Certificação Digital a forma segura de navegar na rede O que é o Certificado Digital ICP-Brasil? É um certificado emitido em conformidade com as regras e legislações da Infra-estrutura de Chaves Públicas

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20150007

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20150007 TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 20150007 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397,

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO DO EDITAL 20114150

TERMO DE PARTICIPAÇÃO DO EDITAL 20114150 TERMO DE PARTICIPAÇÃO DO EDITAL 20114150 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEDE EMPREENDIMENTOS ONLINE LTDA., com sede na Rua Piauí, nº 477 - Uberaba/MG, inscrita no CNPJ sob o nº 08.601.154/0001-40, daqui por diante denominada "MERCANCIA BRASIL", prestará os serviços doravantes

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

PROGRAMA DO II CURSO LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL)

PROGRAMA DO II CURSO LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL) PROGRAMA DO II CURSO LUSO BRASILEIRO EM DIREITO ELETRÔNICO PARCERIA ENTRE A PUCPR E A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (FDUL) PERÍODO: de 18 a 22 de Janeiro de 2016 EDITAL PUCPR/2015 O Programa

Leia mais

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow Swiss High Security Identity Solutions Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow SWISSCAM (Comitê Jurídico) 8 de maio de 2009 Fatores de segurança jurídica Condicionantes legislativas,

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS. Considerando que a Limppano realiza venda de produtos pela rede mundial de computadores;

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS. Considerando que a Limppano realiza venda de produtos pela rede mundial de computadores; TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS Boa Pratica Comercio Eletrônico de Produtos Ltda, com sede na Rodovia Presidente Dutra, 1338, Rio de Janeiro/RJ, CEP 21535-502, inscrita no CNPJ sob o número:

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004. Fornecedores

180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004. Fornecedores 180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 09 Fornecedores Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A. 181 09/01 Grande número de fornecedores 09/02

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO Copyleft é livre o uso desta apresentação para fins não comerciais, desde que a fonte e a autoria sejam

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARá Conselho de Política e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente - SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARá Conselho de Política e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente - SEMACE ANEXO ÚNICO DO DECRETO N. 28.397, DE 21/09/2006 TERMO N. 20120024. PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos

Leia mais

Termos de Uso - Contrato

Termos de Uso - Contrato Termos de Uso - Contrato 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA COMPRA DE CURSO ONLINE NO SITE WWW.ALEMÃOONLINE.COM.BR 1.1. A contratada (nome fantasia) FCD., inscrita no CNPJ 22.030.123/00001-08, localizada

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME]

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] LOCALIZADO

Leia mais

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO CECÍLIE OLIVEIRA MEDEIROS A compra on line já é uma realidade da qual empresas de todos os segmentos não podem mais fugir. A internet tem sido essencial na

Leia mais

A aplicação do Direito do Consumidor no Comércio Eletrônico

A aplicação do Direito do Consumidor no Comércio Eletrônico PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Direito Direito Eletrônico Profº Fernanda Denardin Walker Aline da Cunha Ana Giulia Andrade Bruna Pinhatti Luiz Felipe Terra Turma 469

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS)

POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS) POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS) Sumário Introdução...2 Nossos produtos e suas redes de relacionamento...2 Principais responsabilidades na realização das operações para o EMPRESTA

Leia mais

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de advogados voltada para os mais variados ramos do direito, com atuação preventiva e contenciosa em todo o território nacional. Sociedade nascida da união de profissionais

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Data da última versão: Fevereiro 2013 1. Dados de registro Quando você se inscreve no Serviço Fon, podemos guardar a informação que lhe pedimos, como seu nome de usuário, senha,

Leia mais

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo.

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo. TERMO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS PELA INTERNET Magazine Luiza S/A, pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de Franca/SP, Rua Voluntários da Franca, nº 1465, inscrita no CNPJ

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING (CORRETORA DE CÂMBIO) O presente Convênio disciplina o uso pela CORRETORA de CÂMBIO do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING CORRETORA

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Contestação de Despesas Desacordo Comercial

Contestação de Despesas Desacordo Comercial Contestação de Despesas Desacordo Comercial Semarc Regional Seminário de Relacionamento com Clientes Fortaleza, 30 de abril de 2013. Abril-13 1 Sobre a Abecs Criada em 1971. Representa o setor de meios

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO CAPACITAÇÃO EM PROCESSO ELETRÔNICO Caros Colegas! Essa é uma apostila eletrônica, utilize apenas em seu computador pessoal. Não recomendamos imprimir, devido ao seu grande volume. Para efetivo funcionamento

Leia mais

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS por Ana Amelia Menna Barreto ÁTOMOS E BITS A civilização está se alterando em sua concepção básica Estamos passando dos átomos para os bits, onde a

Leia mais

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários.

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários. Termos de Uso Este Termo de Uso tem por objetivo informar as responsabilidades, deveres e obrigações que todo Usuário assume ao acessar o Site. O Usuário deve ler com atenção os termos abaixo antes de

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

EDITAL OBJETO: CABO GIGALAN CATEGORIA 6 U/UTP 23AWGX4PARES - VERMELHO EM CAIXA DE 305 METROS, CONFORME ESPECIFICAÇÃO TECNICA Nº 036/2009.

EDITAL OBJETO: CABO GIGALAN CATEGORIA 6 U/UTP 23AWGX4PARES - VERMELHO EM CAIXA DE 305 METROS, CONFORME ESPECIFICAÇÃO TECNICA Nº 036/2009. EDITAL A SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SPTrans, inscrita no CNPJ-MF sob o n.º 60.498.417/0001-58, comunica que se encontra aberta a licitação, EXCLUSIVAMENTE para participação de microempresas e empresas de

Leia mais

INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO

INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397

Leia mais

BOBINA DE PAPEL TERMICO PREÂMBULO

BOBINA DE PAPEL TERMICO PREÂMBULO BOBINA DE PAPEL TERMICO PREÂMBULO Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397 / 21 de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA MSD PREV Sociedade de Previdência Privada CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PRINCÍPIOS ÉTICOS DO SISTEMA FECHADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR... 3 3. CONDUTAS...

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte)

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte) Olá, pessoal! Neste Toque continuaremos a análise da prova aplicada pela FGV em 21/05/2006, que selecionou candidatos ao cargo de Fiscal de Rendas para a Secretaria de Receita e Controle do Estado do Mato

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

* O ÔNIBUS DEVERÁ TER SUSPENSÃO AR CONDICIONADO, BANHEIRO, GELADEIRA ELÉTRICA, POLTRONA SUPER PULLMAN, TV, SOM, VÍDEO, DVD.

* O ÔNIBUS DEVERÁ TER SUSPENSÃO AR CONDICIONADO, BANHEIRO, GELADEIRA ELÉTRICA, POLTRONA SUPER PULLMAN, TV, SOM, VÍDEO, DVD. ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.088 DE 10 DE JANEIRO DE 2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do

Leia mais

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico Conceitos de Segurança da Informação, Certificação Digital e suas Aplicações no TJPE 3ª Edição - Maio/2013 Elaboração Núcleo de Segurança da Informação SETIC Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom

Leia mais

EMBAIXADA DA REPÚBLICA ARGENTINA NA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

EMBAIXADA DA REPÚBLICA ARGENTINA NA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL EDITAL DE BASES E CONDIÇÕES PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO TIPO: Contratação Direta por Trâmite Simplificado Nº 8 / Exercício: 2015 CLASSE: Sem classe MODALIDADE: Sem modalidade PROCESSO: Nº 40/2015 Objetivo

Leia mais

COMPANHIA DE GAS DO CEARA COTAÇÃO DE PREÇOS Nº 20150378 DECRETO Nº 28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006

COMPANHIA DE GAS DO CEARA COTAÇÃO DE PREÇOS Nº 20150378 DECRETO Nº 28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 COMPANHIA DE GAS DO CEARA COTAÇÃO DE PREÇOS Nº 20150378 DECRETO Nº 28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL Pelo presente instrumento, de um lado a CLARO S.A., com sede na Rua Flórida, 1970, São Paulo/SP, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização.

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. TERMOS DE CONDIÇÕES E USO O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. O presente Site destina-se a disponibilizar mais uma forma

Leia mais

Vale aprova Política de Negociação

Vale aprova Política de Negociação Fato Relevante Vale aprova Política de Negociação A Vale S.A. (Vale) informa que o Conselho de Administração aprovou uma nova Política de Negociação de Valores Mobiliários de emissão da Vale em substituição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

Ilustração 1: Secretaria de Desenvolvimento Agrário Centrais de Abastecimento do Ceará S/A CEASA

Ilustração 1: Secretaria de Desenvolvimento Agrário Centrais de Abastecimento do Ceará S/A CEASA PREÂMBULO ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28088, DE 10 /01/ 2006. TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº2011 085 DE 29/09/2011. Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.088 DE 10 DE JANEIRO DE 2006 PREÂMBULO

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.088 DE 10 DE JANEIRO DE 2006 PREÂMBULO ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.088 DE 10 DE JANEIRO DE 2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 4.657, DE 4 DE SETEMBRO DE 1942. Vide Decreto-Lei nº 4.707, de 1942 Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro O PRESIDENTE

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. Dispõe sobre a identificação, o cadastro, o registro, as operações,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta o uso de imagens de unidades de conservação federais, dos bens ambientais nestas incluídos e do seu patrimônio, bem como a elaboração de

Leia mais

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011.

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011. PROMOÇÃO PARA ESCOLHA DO NOME DA BEBIDA ENERGÉTICA DOS REFRIGERANTES QUINARI Indústria e Comércio de Bebidas Quinari LTDA. Estrada Colonial Bairro: Democracia n. 4035 69925-000 Senador Guiomard AC CNPJ/MF

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006 CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE CBIS 2006 Padrões e Certificação em Saúde Florianópolis, 16/10/06 A Certificação SBIS-CFM ROBERTO LUIZ d AVILAd Cardiologista Corregedor do Conselho Federal

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009.

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009. O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

LICENÇA DE SOFTWARE ANTIVIRUS PREÂMBULO

LICENÇA DE SOFTWARE ANTIVIRUS PREÂMBULO LICENÇA DE SOFTWARE ANTIVIRUS PREÂMBULO TERMO DE PARTICIPAÇÃO 20150031 Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA Obrigado por adquirir um produto e/ou serviço da AR PRONOVA. Nossa Política de Garantia foi desenvolvida com objetivo de fornecer produtos e serviços

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 007/2015 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 124/2014

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 007/2015 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 124/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 007/2015 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 124/2014 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

Fórum do comércio eletrônico

Fórum do comércio eletrônico Ata de reunião São Paulo, 22 de abril de 2010 Sumário 1 Introdução...3 2 Discussão e deliberação...4 2.1 Apresentação sobre assinaturas eletrônicas e certificações digitais...4 2.2 Definição de parâmetros

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR NOS CONTRATOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO. Uma análise crítica do decreto federal 7.962 de 15 de março de 2013

A REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR NOS CONTRATOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO. Uma análise crítica do decreto federal 7.962 de 15 de março de 2013 A REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR NOS CONTRATOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO Uma análise crítica do decreto federal 7.962 de 15 de março de 2013 Eduardo de Souza Floriano 1 O Governo Federal publicou,

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO DA COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº0195/2014 PREÂMBULO

TERMO DE PARTICIPAÇÃO DA COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº0195/2014 PREÂMBULO TERMO DE PARTICIPAÇÃO DA COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº0195/2014 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

MANUTENÇÃO DO PÁRA RAIOS PREÂMBULO

MANUTENÇÃO DO PÁRA RAIOS PREÂMBULO MANUTENÇÃO DO PÁRA RAIOS PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397 / 21

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A 1. Introdução e Objetivo A Empresa de Infovias S/A sempre pautou a sua conduta pelo princípio da transparência,

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais