INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AERÓBICO NA FUNCIONALIDADE E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DIABÉTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AERÓBICO NA FUNCIONALIDADE E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DIABÉTICOS"

Transcrição

1 ARTIGO INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AERÓBICO NA FUNCIONALIDADE E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DIABÉTICOS Anna Carolina Silva Correia 1 Luciane Vieira Ramos Rosário 2 Danilo Lima Carreiro 3 Laura Tatiany Mineiro Coutinho 4 Wagner Luiz Mineiro Coutinho 5 RESUMO Com o aumento da expectativa de vida populacional verifica-se uma maior prevalência de doenças crônico-degenerativas, entre as quais o Diabete Mellitus, na população idosa. É de se esperar que tais doenças associadas ao processo fisiológico de envelhecimento comprometam significativamente a qualidade de vida e a funcionalidade principalmente entre esses indivíduos. No entanto, a prática de exercício físico pode favorecera independência funcional e a qualidade de vida. O presente estudo pretendeu correlacionar a prática de exercícios físicos à funcionalidade e qualidade de vida de idosos diabéticos sedentários e praticantes de exercício físico. Trata-se de uma pesquisa transversal, descritiva e comparativa. A amostra foi constituída por 40 idosos, subdividida em dois grupos, em que G1 (n=20) foi composto por idosos diabéticos sedentários e G2 (n=20) por idosos diabéticos praticantes de exercício físico. Foram utilizados como instrumentos para coleta de dados o Questionário Genérico de Avaliação de Qualidade de Vida SF-36 e a Escala de Lawton para avaliar a funcionalidade. Pôde-se verificar que idosos diabéticos praticantes de exercício físico apresentam escores de qualidade de vida e de 1 Graduada em Fisioterapia - FUNORTE-MG. 2 Mestre em Avaliação das Atividades Físicas e Desportivas - UTAD-Portugal. 3 Acadêmico em Administração FASA-MG. 4 Pós-graduada em Saúde Mental e Atenção Psicossocial - FASI-MG e em Psico-oncologia FCM-MG. Pós-graduanda em Educação a Distância - Unimontes-MG, 5 Pós-graduado em Emergências de Saúde na Educação Inclusiva - FIP MG. Pós-graduando em Saúde Coletiva com Ênfase na Estratégia de Saúde da Família - FIP MG. 46

2 desempenho funcional superiores em relação àqueles que não praticam exercício. Observou-se correlação significativa entre prática de exercício físico, qualidade de vida e funcionalidade. Idosos diabéticos praticantes de exercício físico possuem níveis de qualidade de vida e de capacidade funcional superiores aos dos idosos que não praticam exercício físico, resultando em maior independência na realização das AIVDs e na autonomia funcional. Palavras-chave: diabetes mellitus, exercício físico, atividade instrumental de vida diária. INTRODUÇÃO Gerhardt et al. (2008) referem-se ao envelhecimento como um processo que se inicia no nascimento do sujeito e se encerra com sua morte. Nesse período ocorrem alterações morfológicas, fisiológicas, bioquímicas e psicológicas que tornam o indivíduo vulnerável a doenças e, progressivamente, à morte (CARVALHO et al., 2004; PAPALÉO, 2002; IWAMOTO et al., 2007). Essas alterações, nos domínios biopsicossociais, põem em risco a qualidade de vida do sujeito idoso, por limitarem progressivamente sua capacidade funcional para realizar as suas atividades de vida diária e colocar o seu estado geral de saúde vulnerável (ALVES et al., 2004). Dentre as alterações suscetíveis ao processo de envelhecimento, o organismo passa a ter aumento da resistência à insulina após os 65 anos, determinado pela diminuição da massa magra e acúmulo de massa gorda e por diminuição da capacidade secretora de insulina pelo pâncreas. Esses fatores, associados ao aumento da expectativa de vida, à dieta mais rica em gorduras e ao sedentarismo dos tempos modernos, contribuem para a prevalência cada vez maior de Diabetes Mellitus Tipo 2 -DM2- (HARGREAVES, 2006). A intervenção terapêutica do diabético, sobretudo de diabético idoso, é uma tarefa complexa, já que, além do tratamento medicamentoso, faz-se necessário também o não medicamentoso. Este se embasa em hábitos nutricionais específicos e em programa de exercícios físicos (HARGREAVES, 2006). Franco e Sartorelli (2003) relatam que a prática de exercícios físicos promove aumento do turnover da insulina, por maior captação 47

3 hepática e melhor sensibilidade dos receptores periféricos. Sua prática contínua favorece ainda o aumento da massa e da força muscular, melhora no desempenho das atividades cotidianas, recreacionais, sociais e laborais, aumento da sobrevida e melhora da independência, da autonomia e do nível de qualidade de vida (FARIA; MARINHO, 2004; MORELLI; REBELATTO, 2004; MATSUDO, 2006). Nesse sentido, o presente estudo propôs correlacionar a prática de exercícios físicos à funcionalidade e qualidade de vida de idosos diabéticos sedentários e praticantes de exercício físico. METODOLOGIA O delineamento do presente estudo caracteriza-o como pesquisa de natureza descritiva, de abordagem quantitativa e de corte transversal. População e amostra A população constituiu-se por sujeitos com diagnóstico clínico de diabetes mellitus (DM) residentes no município de Montes Claros MG. Para seleção da amostra, utilizou-se um plano de amostragem probabilístico, selecionado de forma intencional e criteriosa. Vieram a compô-la 40 sujeitos de ambos os gêneros, independentemente da etnia, com faixa etária compreendida entre 65 e 75 anos. O grupo 1 (G1) foi composto por 20 idosos diabéticos não praticantes de exercício físico, adscritos na Unidade de Saúde da Família do Santo Antônio, e o grupo 2 (G2), por 20 idosos diabéticos praticantes de exercício físico, participantes de grupo operacional para idosos na Clínica Escola Amazonas, das Faculdades Unidas do Norte de Minas FUNORTE. Como critério de inclusão para o G2, participaram somente sujeitos que realizavam exercício físico aeróbico ao menos duas vezes por semana, num período mínimo de três meses. Procedimento de coleta de dados Para coleta de dados foram utilizados Formulário de Autorização para Realização da Pesquisa, Termo de Consentimento 48

4 Livre e Esclarecido, Questionário Genérico de Avaliação de Qualidade de Vida SF-36 e Escala de Lawton para avaliar a funcionalidade. A estratégia adotada para obtenção dos dados deuse a partir da seleção da amostra. Uma vez selecionado, e com o devido consentimento para participar na pesquisa, o sujeito respondia aos instrumentos propostos, aplicados por um dos responsáveis pelo estudo. Análise dos dados Os dados foram analisados pelo SPSS 15 (Statistical Package for the Social Sciences), sendo utilizado o teste Mann-Whitney (teste U) para comparação dos grupos, com nível de significância de p 0,05. RESULTADOS A análise dos dados possibilitou observar que 22,5% (n= 9) da amostra era do gênero masculino e 77,5% (n=31) do gênero feminino. A média de idade do grupo de idosos diabéticos não praticantes de exercício físico (GI) foi de 69,85 anos e a do grupo de idosos praticantes (G2), de 73,95 anos. Dos sujeitos que compuseram G2, 70% (n=14) afirmaram praticar exercícios físicos por cerca de cinquenta minutos e 30% (n=6) em média uma hora; 25% praticam duas vezes por semana e 75% (n=15) três vezes semanais. Em relação ao período no qual o sujeito vem praticando exercício físico, 20% (n=4) responderam de 3 a 6 meses, 35% (n=7) de 6 meses a 1 ano e 45% (n=9) acima de 1 ano. A avaliação do nível funcional identificou correlação com médias de 14,7 pontos (±3,24) no G1 e 18,3 pontos (±2,81) no G2, sendo essas diferenças estatisticamente significativas. Vale ressaltar que os escores do instrumento utilizado varia de 8 a 24; quanto menor o valor encontrado, maior a dependência funcional. Entre os idosos diabéticos não praticantes de exercício físico, a análise percentil detectou que 73,95% caracterizaram-se como dependentes parciais, já no grupo de idosos diabéticos praticantes de exercício físico os resultados apontaram para o valor de 69,85% de dependentes parciais. Pode-se constatar, dessa forma, que os sujeitos não praticantes de exercício físico apresentaram maiores limites funcionais quando comparados aos sujeitos praticantes 49

5 de exercício físico, que por sua vez apresentaram melhores desempenhos nas AIVDs. De acordo com os valores expressos em média, os aspectos sociais apresentaram maior pontuação entre os domínios estudados, com média de 52,5 pontos no G1 e 85,6 pontos no G2. A menor pontuação encontrada em ambos os grupos relaciona-se às limitações por aspectos emocionais, com pontuação de 17,54 pontos entre os idosos diabéticos não praticantes e 56,66 pontos entre os praticantes de exercício físico. A avaliação da qualidade de vida (n=40) em relação aos domínios existentes no SF-36 é representada na Tabela 1. Ao se compararem os escores entre os dois grupos, constata-se diferença estatisticamente significativa, com comprometimento da qualidade de vida do G1 em relação ao G2; quanto menor o valor encontrado, maior o comprometimento da qualidade de vida. Tabela 1 - Avaliação de qualidade de vida entre G1 e G2 nos domínios do SF36 Dimensão Grupo Média Desvio Padrão Capacidade Funcional G1 29,75 17,35 G2 66,25 22,29 Limitação por Aspectos Físicos G1 22,50 40,47 G2 70,00 34,02 Dor G1 42,50 22,60 G2 70,00 24,95 Estado Geral de Saúde G1 34,15 18,57 G2 76,80 20,40 Vitalidade G1 46,25 14,40 G2 70,25 13,99 Aspectos Sociais G1 52,50 20,51 G2 85,62 21,56 Limitações por Aspectos Emocionais G1 17,54 28,01 G2 56,66 21,89 Saúde Mental G1 45,40 15,69 G2 70,20 16,59 * diferença significativa; ** p<0,05* Fonte: dados coletados pelos autores. Sig** 0,00 * 0,008* 0,009* DISCUSSÃO No presente estudo observou-se disparidade entre os gêneros dos sujeitos amostrais, com prevalência do gênero feminino, aqui representado por 77,5% da amostra total. Dado similar foi encontrado 50

6 no estudo de Lazzari et al. (2005), que constataram maior prevalência de diabetes entre mulheres, ao observar os usuários do Serviço de Hiperdia, em que constatou que 70,3% dos sujeitos eram do gênero feminino. A percepção de qualidade de vida em idosos diabéticos está relacionada à prática de exercício físico, uma vez que encontraram-se diferenças estatísticas significativas entre os dois grupos. O grupo que praticava exercício físico teve desempenho superior em todos os domínios do SF-36 quando comparado ao grupo não praticante. Outro estudo que se ateve para a relação entre prática de exercício físico e qualidade de vida entre diabéticos com idade média de sessenta anos encontrou diferença significativa nos domínios do SF-36 em relação a capacidade funcional, estado geral de saúde e aspectos emocionais (TORRES et al., n.d.). Em relação à capacidade funcional, observou-se que o grupo de idosos diabéticos praticantes de exercício físico obteve melhores resultados na realização de suas AIVDs. O estudo de Alves et al. (2007) que enfocou a influência das doenças crônicas na capacidade funcional do idoso, com representatividade de 17,5% de diabéticos na amostra, não encontrou associação estatisticamente significativa na capacidade funcional do idoso diabético. Esses dados são semelhantes aos do estudo de Franchi et al. (2008), que também não encontrou diferença significativa ao comparar o nível de capacidade funcional e a prática de atividade física entre idosos diabéticos e não diabéticos; entretanto, foi levantado que 42,8% dos idosos diabéticos e 20,4% dos não diabéticos que praticavam alguma atividade física apresentaram níveis de capacidade moderado e avançado, respectivamente. Algumas limitações do presente estudo devem ser levadas em consideração. Na interpretação dos resultados, as informações derivadas do instrumento de AIVDs são autor-referidas e, portanto, podem sofrer influência das funções cognitivas e da escolaridade. Dessa maneira, erros classificatórios de incapacidade podem ter ocorrido em consequência de tal viés, o que pode ter colaborado para que os resultados encontrados fossem diferentes de outros estudos similares. Outra limitação foi a composição do tamanho amostral, em função do número limitado de sujeitos praticantes de exercício físico. 51

7 CONCLUSÃO Observou-se correlação significativa entre prática de exercício físico, qualidade de vida e funcionalidade. Idosos diabéticos praticantes de exercício físico possuem níveis de qualidade de vida e de capacidade funcional superiores aos dos idosos que não praticam exercício físico, resultando em maior independência na realização das AIVDs e na autonomia funcional, apesar das alterações oriundas do próprio envelhecimento e do DM. Dessa forma, os resultados do presente estudo indicam a necessidade de desenvolver programas de exercícios físicos individuais e coletivos, centrados nos sujeitos diabéticos, de forma a minimizar os agravos do diabetes mellitus na qualidade de vida e na funcionalidade dos acometidos por essa doença. ABSTRACT Influence of Physical Aerobic Exercise in the Functionality and in the Quality of Life of Elderly Diabetics With increasing life expectancy of the population there is a higher prevalence of chronic diseases, including the Diabetes Mellitus in the elderly. It is expected that such diseases associated with physiological aging process significantly compromise the quality of life and functionality especially among these individuals. However, the practice of physical exercise can promote functional independence and quality of life. To correlate the physical exercise the functionality and quality of life of elderly diabetic sedentary and physical exercise. This is a cross-sectional, descriptive and comparative. The sample consisted of 40 subjects, divided into two groups, where G1 (n = 20) consisted of sedentary elderly diabetics and G2 (n = 20) in elderly diabetic-exercising. Were used as instruments for data collection Questionnaire Generic Assessment of Quality of Life SF-36 and the Lawton Scale to assess functionality. It was verified that elderly diabetics-exercising have scores of quality of life and functional performance higher than those who do not practice exercise. We found a significant correlation between physical activity, 52

8 quality of life and functionality. Elderly diabetic-exercising levels have quality of life and functional capacity greater than seniors who do not exercise, resulting in greater independence in performing the IADL and functional autonomy. Keywords: diabetes mellitus, physical activity, disability, instrumental activity of daily living. REFERÊNCIAS ALVES, B. J. G. et al. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 10, n. 1, p , ALVES, L. C. et al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 8, p , CARVALHO, E. M. et al. Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários. Revista Neurociências, v. 12, n. 2, p , FARIA, L.; MARINHO, C. Actividade física, saúde e qualidade de vida na terceira idade. Revista Portuguesa de Psicossomática, v. 6, n. 1, p , FRANCO, L. J.; SARTORELLI, D. S. Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, (sup. 1), p , FRANCHI, K. M. B. et al. Capacidade funcional e atividade física de idosos com diabetes tipo 2. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 13, n. 3, p , GERHARDT, T. E.; MORAIS, E. P.; RODRIGUES, R. A. P. Os idosos mais velhos no meio rural: realidade de vida e saúde de uma população do interior gaúcho. Texto e Contexto Enfermagem, v. 17, n. 2, p ,

9 HARGREAVES, L. H. H. Geriatria. Brasília: Editora Seep, IWAMOTO, H. H. et al. Incapacidade funcional entre idosos residentes em um município do interior de Minas Gerais. Texto e Contexto Enfermagem, v. 16, n. 1, p , LAZZARI, C. A.; SOUZA, L. N. S.; VOUQUIND, G. G. Tratamento de idosos com diabetes em uma unidade básica de saúde. Revista Técnico Científica do Grupo Hospital Conceição, v. 18, n. 2, p , MATSUDO, S. M. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 20, n. 1, p , MORELLI, J. G. S., REBELATTO, J. R. Fisioterapia geriátrica. São Paulo: Manole, PAPALÉO, N. M. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu, TORRES, S. F.; FERREIRA, N. C.; CUSTÓDIO, R. P. Exercício físico e qualidade de vida em diabéticos, n.d. Disponível em:< PUBLICACAO.swf>. Acesso em: 3 fev Endereço: 54

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA

EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA Genilson Cesar Soares Bonfim (UECE) genilson.cesar@uece.br Introdução Os Exercícios Resistidos, tema e foco principal

Leia mais

NÍVEIS DE PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ULBRA DE PORTO VELHO-RO RESUMO

NÍVEIS DE PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ULBRA DE PORTO VELHO-RO RESUMO NÍVEIS DE PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ULBRA DE PORTO VELHO-RO PINHO, Silvia Teixeira de. Professora do Curso de Educação Física da UNIR 1 BARBOSA, Júlio Gonçalves.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO PARA A QUALIDADE DE VIDA DE UM GRUPO DE IDOSAS RESIDENTES NO CONJUNTO PAJUÇARA EM NATAL RN

A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO PARA A QUALIDADE DE VIDA DE UM GRUPO DE IDOSAS RESIDENTES NO CONJUNTO PAJUÇARA EM NATAL RN A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO PARA A QUALIDADE DE VIDA DE UM GRUPO DE IDOSAS RESIDENTES NO CONJUNTO PAJUÇARA EM NATAL RN Manoel Rogério Freire da Silva roger12edufisi@hotmail.com Centro Universitário

Leia mais

Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes. Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal

Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes. Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal Introdução O sedentarismo está associado com um risco aumentado de várias doenças

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: REVISÃO DE LITERATURA

CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: REVISÃO DE LITERATURA CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: REVISÃO DE LITERATURA Marcella Cabral de Oliveira¹, Ramone Rutiele dos Santos², Alice Fernandes de Lemos³, João Paulo de Sá Rodriguez 4, Vanessa

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS Autores: Ana Raquel de Figueiredo Rego 1, Mônica Oliveira da Silva Simões 2, Rômulo Lustosa Pimenteira de Melo 3, Paulo Cesar Dantas da

Leia mais

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo será efectuada a discussão dos resultados apresentados anteriormente. A discussão visa compreender os resultados obtidos, mediante a comparação com estudos

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência Paulo Cardoso do Carmo ESTSP IPP CHTS-UPA, EPE. (Pjq@estsp.ipp.pt) Rui Pimenta ESTSP IPP APNOR (Rep@estsp.ipp.pt)

Leia mais

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS Jéssica Cruz de Almeida¹ Joyce Cristina de S. N. Fernandes¹ Jozilma de Medeiros Gonzaga¹ Maria Goretti da Cunha Lisboa¹ Universidade Estadual da Paraíba¹

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA NA AUTOPERCEPÇÃO DO IDOSO EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA

A INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA NA AUTOPERCEPÇÃO DO IDOSO EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA A INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA NA AUTOPERCEPÇÃO DO IDOSO EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA THE INFLUENCE OF SYSTEMATIZED PHYSICAL ACTIVITY ON THE SELF-PERCEPTION OF THE AGED IN RELATION

Leia mais

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros Introdução O acompanhamento do desenvolvimento infantil consiste em uma das mais importantes estratégias básicas de saúde, demonstrando significante eficácia (SILVA; MAIA; LOPES; CARDOSO, 2013). Nesse

Leia mais

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL Hilderjane Carla da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte / E-mail: hilderjanecarla@hotmail.com

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

Auto-Conceito, Ânimo e Qualidade de Vida dos Seniores: primeira análise

Auto-Conceito, Ânimo e Qualidade de Vida dos Seniores: primeira análise Auto-Conceito, Ânimo e Qualidade de Vida dos Seniores: primeira análise Sónia Ferreira, Ana Veloso, Óscar Mealha Universidade de Aveiro, 12 Julho 2012 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Integrado no projeto SEDUCE

Leia mais

1 de 6. (1) Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, Castelo Branco. (2) Associação Regional de Solidariedade p/ o Progresso do Alto Zêzere, Covilhã

1 de 6. (1) Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, Castelo Branco. (2) Associação Regional de Solidariedade p/ o Progresso do Alto Zêzere, Covilhã Intervenção da Fisioterapia na qualidade de vida de indivíduos em hemodiálise desenvolvimento de um projeto de educação clínica Branco, D. 1,2,3, Clemente, P. 1,4,5, Pinheira, V. 1,6 (1) Escola Superior

Leia mais

EFEITOS DE UM PROGRAMA FISIOTERAPÊUTICO DIRECIONADO A IDOSOS FRÁGEIS INSTITUCIONALIZADOS

EFEITOS DE UM PROGRAMA FISIOTERAPÊUTICO DIRECIONADO A IDOSOS FRÁGEIS INSTITUCIONALIZADOS EFEITOS DE UM PROGRAMA FISIOTERAPÊUTICO DIRECIONADO A IDOSOS FRÁGEIS INSTITUCIONALIZADOS Marciane Mendonça Gonçalves (1); Milene Pontes dos Santos (2); Laura de Sousa Gomes Veloso (3); Daniela de Souza

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS Introdução: Os distúrbios do movimento (DM) englobam doenças agudas e crônicas caracterizadas por movimentos involuntários e/ou perda do controle ou eficiência em movimentos voluntários. DM são diversos

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA. cuidados de saúde

A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA. cuidados de saúde A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA cuidados de saúde Prof. Teresa Tomás Prof. Luísa Pedro Estilos de vida e a Actividade Física Declaração de Alma-Ata (1978) 1º declaração sobre princípios dos cuidados

Leia mais

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS (LOBIONDO- WOOD, HABER, 2001) Experimentais Experimento clássico Experimento apenas depois Quase- Experimentais Grupo

Leia mais

Título do Trabalho: Qualidade de vida de crianças com paralisia cerebral submetidas à reabilitação virtual e fisioterapia tradicional Autores:

Título do Trabalho: Qualidade de vida de crianças com paralisia cerebral submetidas à reabilitação virtual e fisioterapia tradicional Autores: Introdução A paralisia cerebral descreve um grupo de distúrbios permanentes do desenvolvimento, da postura e do movimento, ocasionando limitações nas atividades funcionais 1, podendo limitar a participação

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS SEDENTÁRIAS NA PRÉ-INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA

ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS SEDENTÁRIAS NA PRÉ-INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS SEDENTÁRIAS NA PRÉ-INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA SILVA 1, Michele Alexandre da; OLIVEIRA 2, Eliane Araújo de; BARROS 3, Sandra Emília Benício; MENEZES 4, Saulo Cavalcante

Leia mais

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens:

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens: 1 TEMPLATE - Projeto de pesquisa FORMATAÇÃO Fonte: Texto: Arial ou Times New Roman, tamanho 12. Títulos: Arial ou Times New Roman, tamanho 14, negrito Espaço: duplo Margens: 2,5 cm em todas as margens

Leia mais

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO?

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? É, mas não com a mesma qualidade.. (Mark Twain) AGRADECIMENTOS

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL CATEGORIA:

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERÍCIOS FÍSICOS NO CLUBE DA PESSOA IDOSA EM JOÃO PESSOA PB

CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERÍCIOS FÍSICOS NO CLUBE DA PESSOA IDOSA EM JOÃO PESSOA PB CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERÍCIOS FÍSICOS NO CLUBE DA PESSOA IDOSA EM JOÃO PESSOA PB Nysherdson Fernandes de Barros; Marcia Maria Dantas Gomes; Egídio Oliveira da Cruz Junior; Luiz

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA ~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA Isadora Carneiro Kovalhuk 1 Daniela dos Santos 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Lombalgia é o

Leia mais

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO TEÓRICO 5 1 - O processo de transição à maternidade 5 1.1 - Factores que influenciam a transição para a maternidade 8 1.1.1 - Características Pessoais 8 1.1.2

Leia mais

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale Veronezzi 2 ; Angela

Leia mais

Adultos com Trissomia 21

Adultos com Trissomia 21 Adultos com Trissomia 21 Caraterização e desafios no diagnóstico de demência Mendes, R., Gonçalves, M. J., Silvestre, A., Figueira, M. J., Bispo, R., & Breia, P. Projecto Alterações cognitivas e comportamentais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

DIABETES MELLITUS: PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança Rosângela

Leia mais

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

Leia mais

FERNANDA VIAL COSTA RELIGIOSIDADE E SENTIMENTO DE SOLIDÃO EM IDOSOS. Orientador: Yukio Moriguchi. Co-orientadora: Maria Gabriela Valle Gottlieb

FERNANDA VIAL COSTA RELIGIOSIDADE E SENTIMENTO DE SOLIDÃO EM IDOSOS. Orientador: Yukio Moriguchi. Co-orientadora: Maria Gabriela Valle Gottlieb FERNANDA VIAL COSTA RELIGIOSIDADE E SENTIMENTO DE SOLIDÃO EM IDOSOS Orientador: Yukio Moriguchi Co-orientadora: Maria Gabriela Valle Gottlieb Dissertação de mestrado apresentado ao Instituto de Geriatria

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Dissertação

Leia mais

CURSO BÁSICO DE GERIATRIA Unidade Universitária de Geriatria

CURSO BÁSICO DE GERIATRIA Unidade Universitária de Geriatria CURSO BÁSICO DE GERIATRIA Unidade Universitária de Geriatria Dia 12 de Novembro de 2016 Horário 08h30-18h30 Duração 7 horas Formadores Objectivo Organização: Unidade Universitária de Geriatria Instituto

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PROFESSORES TUTORES NA EVASÃO DOS CURSOS A DISTÂNCIA

INFLUÊNCIA DOS PROFESSORES TUTORES NA EVASÃO DOS CURSOS A DISTÂNCIA INFLUÊNCIA DOS PROFESSORES TUTORES NA EVASÃO DOS CURSOS A DISTÂNCIA Yara Maria Guisso de Andrade Facchini - IFSP yarafacchini@ifsp.edu.br Laura Rezende Franco - UNIFAE laura@fae.br Tipo: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Leia mais

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos Material Suplementar On-line MÉTODOS E PROCESSO A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos National

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE

PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE INTRODUÇÃO JOSÉ MORAIS SOUTO FILHO SESC, Triunfo,Pernambuco, Brasil jmfilho@sescpe.com.br O Brasil vem sofrendo nas

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA RESUMO Sidnéia Mardegan¹ Fabiana Skiavine Moya da Silva² ¹Acadêmica do Curso de Nutrição UNIAMERICA ²Nutricionista docente da Faculdade União das Américas

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PERTENCENTES À ÁREA DE ABRANGÊNCIA DE UMA ESF NO MUNICÍPIO DE CÁCERES MT: ESCALA DE LAWTON E KATZ

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PERTENCENTES À ÁREA DE ABRANGÊNCIA DE UMA ESF NO MUNICÍPIO DE CÁCERES MT: ESCALA DE LAWTON E KATZ AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS PERTENCENTES À ÁREA DE ABRANGÊNCIA DE UMA ESF NO MUNICÍPIO DE CÁCERES MT: ESCALA DE LAWTON E KATZ RODRIGUES, Kainã Jerônimo 1 ; DIAS, Naudia da Silva 2 Palavras-chave:

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE

ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMO DE DIVERSOS TAMANHOS DE CALÇAS COM GANHO DE MASSA CORPORAL DE UMA POPULAÇÃO DE TRABALHADORES Caro Salve 1 1 Departamento Ciências do Esporte Faculdade de Educação

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Matrizes Progressivas Coloridas de Raven (Crianças)

Matrizes Progressivas Coloridas de Raven (Crianças) Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Licenciatura em Psicologia Psicometria Matrizes Progressivas Coloridas de Raven (Crianças) Docente: Sónia Costa Discentes: Bruna Correia, 38835 Joana Geraldes,

Leia mais

Ramone Rutiele dos Santos¹, Marcella Cabral de Oliveira², Alice Fernandes de Lemos 3, João Paulo de Sá Rodriguez 4, Vanessa da Nóbrega Dias 5

Ramone Rutiele dos Santos¹, Marcella Cabral de Oliveira², Alice Fernandes de Lemos 3, João Paulo de Sá Rodriguez 4, Vanessa da Nóbrega Dias 5 PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS COM TONTURA E QUEDAS Ramone Rutiele dos Santos¹, Marcella Cabral de Oliveira², Alice Fernandes de Lemos 3, João Paulo de Sá Rodriguez 4, Vanessa da

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA OFÍCIO 169 2010 CEP Número de Protocolo: 2896/2010 Anápolis, 2 de setembro de 2010. Título do projeto Avaliação

Leia mais

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período INTRODUÇÃO Nos últimos anos temos assistido a um rápido crescimento da população com idade maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período 1975-2025 a Era do Envelhecimento.

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

REF NOÇÕES DE ESTATÍSTICA. Claudio Rocha Telefone:

REF NOÇÕES DE ESTATÍSTICA. Claudio Rocha   Telefone: REF0007 - NOÇÕES DE ESTATÍSTICA Claudio Rocha E-mail: rocha.7@usp.br Telefone: 3602-0348 Objetivos Geral da Disciplina Conhecer, entender e aplicar os conceitos básicos de Estatística Específicos da Disciplina

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional PERFIL NUTRICIONAL DE ADULTOS ATENDIDOS EM UMA AÇÃO EDUCATIVA, EM BELÉM, PARÁ. Rosiane Angelim da Silva 1 Marília de Souza Araújo, Liliane Maria Messias Machado, Irland Barroncas Gonzaga Martens Vanessa

Leia mais

O TRABALHO NOTURNO E O SONO DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

O TRABALHO NOTURNO E O SONO DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O TRABALHO NOTURNO E O SONO DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA ANTES E APÓS ATIVIDADE FÍSICA

COMPARAÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA ANTES E APÓS ATIVIDADE FÍSICA COMPARAÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA ANTES E APÓS ATIVIDADE FÍSICA COMPARISON OF HEART RATE IN STUDENTS OF PHYSICAL THERAPY COURSE BEFORE AND AFTER PHYSICAL ACTIVITY

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007 Presidente

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Michel Lacerda Baitelli. Posicionamento Competitivo dentro dos Grupos Estratégicos da Indústria de Higiene Pessoal e Cosméticos

Michel Lacerda Baitelli. Posicionamento Competitivo dentro dos Grupos Estratégicos da Indústria de Higiene Pessoal e Cosméticos Michel Lacerda Baitelli Posicionamento Competitivo dentro dos Grupos Estratégicos da Indústria de Higiene Pessoal e Cosméticos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse:

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse: Tamanho da Amostra Para calcular o tamanho de amostra da PNS necessário para a estimação de parâmetros de interesse em níveis diferentes de desagregação geográfica, deverão ser considerados os seguintes

Leia mais

DANÇA SÊNIOR E DANÇA DE SALÃO: QUALIDADE DE VIDA NA UNATI- UNISUAM

DANÇA SÊNIOR E DANÇA DE SALÃO: QUALIDADE DE VIDA NA UNATI- UNISUAM DANÇA SÊNIOR E DANÇA DE SALÃO: QUALIDADE DE VIDA NA UNATI- UNISUAM FLAVIA FERNANDES DE OLIVEIRA UNISUAM- RIO DE JANEIRO/RJ-BRASIL tabininha@terra.com.br 1- Introdução: A qualidade de vida está associada

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES Vivian Mendes de Souza /UFGD Aline Rodrigues Guedes da Silva/UFGD Wallisson Lucas dos Santos Farias /UFGD Dra. Josiane Fujisawa Filus de Freitas /UFGD Dr. Gustavo

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE.

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. RESUMO O envelhecimento é um processo biológico que acarreta alterações e mudanças estruturais no corpo. Por ser um processo

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS Marcos Abrantes Moreira. Acadêmico de Fisioterapia da Faculdade Santa Maria. E-mail:markim.abrantes@hotmail.com Luma Soares Lustosa. Acadêmica

Leia mais

PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS

PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS Autores: Thais de Oliveira Fortes (PIBIC/CNPq) 1, Francisco Armando de Azevedo Souza (Orientador) 2, Emília de Paiva Porto 2, Marcia Fornasieri Domingos 3 e-mail:

Leia mais

Incapacidade Funcional em Idosos das Regiões Sul e Nordeste do Brasil

Incapacidade Funcional em Idosos das Regiões Sul e Nordeste do Brasil Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia Departamento de Enfermagem Incapacidade

Leia mais

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Pós-Graduação Saúde A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Gláucio Jorge de Souza glauciojsouza@ig.com.br Ana Lúcia Santana Maria Belém

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais