Aula 05. Capítulo II Das respostas do réu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 05. Capítulo II Das respostas do réu"

Transcrição

1 Aula 05 Capítulo II Das respostas do réu No módulo anterior (aula 04), foram tecidas considerações relativas aos aspectos teóricos e práticos relativos às exceções rituais (de incompetência, de impedimento e de suspeição), com a inserção de casos práticos para elaboração. É chegado o momento do estudo das demais modalidades de respostas do réu, a começar pela reconvenção. Ao trabalho! 4 Da reconvenção (artigos 315 a 318, CPC) Seguindo o raciocínio da existência de múltiplos instrumentos de resposta à disposição do réu e superado o tratamento da contestação e das exceções (incompetência, impedimento e suspeição), faz-se necessária a abordagem da reconvenção, importante modalidade de resposta do réu prevista pelos artigos 315 a 318 do Código de Processo Civil. Seguindo a didática adotada por esta obra, serão abordados os aspectos teóricos e práticos a respeito do tema. 4.1 Conceito de reconvenção De forma sucinta, a reconvenção é a demanda do réu contra o autor no mesmo processo em que está sendo demandado. É o contra-ataque do réu no mesmo processo movido pelo demandante. Perceba tratar-se de instrumento por meio do qual o réu não busca a improcedência dos pedidos do autor. Isso ocorre por meio da contestação, mas manifesta uma pretensão ligada à causa de pedir da ação ajuizada pelo demandante. Na reconvenção, o demandado pede, manifesta uma pretensão sua. Por isso é vulgarmente conhecida como o contra-ataque do réu.

2 4.2 Fundamento da reconvenção Levando-se em consideração que a reconvenção é o instrumento adequado para a manifestação de pretensão do réu no mesmo processo em que foi demandado, o grande fundamento para sua criação pelo legislador é a economia processual, isso porque acaba evitando que o réu ajuíze outra demanda para acionar o autor, permitindo que ambas as pretensões sejam deduzidas num mesmo processo. Mas deve-se ressaltar que a dedução de pretensão do réu por meio da reconvenção é mera faculdade a ele atribuída, podendo, caso prefira, ajuizar ação autônoma com tal finalidade. Assim, a economia processual é o fundamento para a criação do instrumento chamado reconvenção, que pode ser ou não utilizado pelo réu, que, por sua vez, não terá o seu direito de ação prejudicado. 4.3 Requisitos da reconvenção Para que haja a possibilidade de apresentação de reconvenção pelo réu, deverão estar presentes alguns requisitos básicos, quais sejam: Existência de demanda em andamento; Deve ser apresentada em petição autônoma; Deve, assim como a petição inicial, haver a observância dos requisitos previstos pelo artigo 282, CPC; Não pode ter ocorrido a preclusão do prazo para resposta; A pretensão aduzida na reconvenção deve ser conexa com os fundamentos da ação principal; O juiz da ação principal deve ser competente para o julgamento da reconvenção; Deve haver compatibilidade de procedimentos entre a ação principal e a reconvenção; O reconvinte deve possuir interesse processual. Cada um dos requisitos será observado isoladamente a partir deste momento.

3 4.3.1 Existência de demanda em andamento Por ser uma modalidade de resposta do réu, não pode se falar em reconvenção sem que exista uma demanda em andamento em face do demandado Petição autônoma A reconvenção deve ser apresentada em petição autônoma. Esta é a forma tecnicamente correta. 1 Todavia, em homenagem ao princípio da instrumentalidade das formas, o Superior Tribunal de Justiça entende que a apresentação de contestação e reconvenção em peça única, desde que estejam devidamente separadas no corpo desta mesma petição, constitui mera irregularidade, não ensejando a nulidade. 2 Perceba: o correto é a apresentação da reconvenção em peça autônoma, mas, em função da instrumentalidade das formas, admite-se a apresentação na mesma peça que a contestação Observância ao artigo 282, CPC Na verdade, a reconvenção é uma ação do réu em face do autor no curso do mesmo processo, motivo pelo qual a petição da reconvenção deverá observar todos os requisitos das petições iniciais, estabelecidos pelo artigo 282 do Código de Processo Civil Não preclusão do prazo para resposta A reconvenção deve ser apresentada antes que ocorra a preclusão do prazo para apresentação de resposta. Se o réu quiser contestar e reconvir, deverá fazê-lo concomitantemente, sob pena de preclusão para a apresentação de uma das duas modalidades. Deve-se ressaltar que os prazos especiais de defesa aplicam-se à reconvenção. 1 Art. 299, CPC. A contestação e a reconvenção serão oferecidas simultaneamente, em peças autônomas; a exceção será processada em apenso aos autos principais. 2 REsp /PE; Rel. Min. Felix Fischer; data do julgamento: 23/03/2004; STJ.

4 4.3.5 Conexão com a ação principal A ação reconvencional deve ser conexa com a ação principal ou com os fundamentos da defesa. 3 A conexão é tratada pelo artigo 103 do Código de Processo Civil e ocorre quando há similaridade entre a causa de pedir ou o pedido da ação. Na verdade, para que a reconvenção seja admitida, ela deve guardar afinidade/proximidade de questões com a inicial; não há na jurisprudência o rigor da exigência de exata semelhança entre causa de pedir e pedido. São exemplos de possibilidade de reconvenção: Ação de reparação por danos morais: o réu reconvém sob o argumento de que foi ele quem sofreu os danos. Perceba a conexão, a causa de pedir é a mesma. Ação de cobrança: o réu é demandado para quitar um débito no valor de R$8.000,00 (oito mil reais), mas afirma que o autor lhe deve dez mil. A compensação neste caso é um fundamento de defesa, e o réu poderá reconvir para pleitear os R$2.000,00 (dois mil reais) que ultrapassam o valor pleiteado pelo demandante na inicial. Ação de despejo: o autor pleiteia o despejo do réu, que poderá contestar para afirmar que já pagou os valores pleiteados. Poderá também reconvir, afirmando que pagou a mais e exigir a repetição do indébito. Entre diversos outros exemplos Competência do juiz O juiz da ação principal deve ser materialmente competente para apreciação da reconvenção. Caso contrário, o réu deverá ajuizar ação autônoma para deduzir a sua pretensão. 3 Art. 315, CPC. O réu pode reconvir ao autor no mesmo processo, toda vez que a reconvenção seja conexa com a ação principal ou com o fundamento da defesa.

5 4.3.7 Compatibilidade de procedimento O procedimento da demanda reconvencional deve ser compatível com o da ação principal, uma vez que ambas são processadas conjuntamente. Dessa forma, não pode a ação principal tramitar pelo procedimento ordinário e a reconvencional pelo sumário. Em relação aos procedimentos especiais, desde que o rito se converta em ordinário, após a resposta do réu poderá haver reconvenção, como na ação monitória, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça. 4 Aplica-se aqui, por analogia, a regra do artigo 292 do Código de Processo Civil, que trata dos requisitos para a cumulação de pedidos Interesse processual O réu somente poderá reconvir quando o efeito prático almejado não puder ser obtido por meio de mera contestação. Ou seja, a reconvenção não presta para a formulação de pretensão de improcedência do pedido. Ou, ainda, quando houver a possibilidade de realização de pedido contraposto no bojo da própria contestação, como ocorre no procedimento sumário (artigo 278, 1º, CPC 5 ) e nos Juizados Especiais (artigo 31, Lei 9.099/95 6 ). 4.4 Legitimidade para a reconvenção A legitimidade ativa e passiva para a reconvenção pode ser facilmente extraída da redação do artigo 315 do Código de Processo Civil vigente, cuja redação segue abaixo para fins didáticos: Art. 315, CPC. O réu pode reconvir ao autor no mesmo processo, toda vez que a reconvenção seja conexa com a ação principal ou com o fundamento da defesa. 4 Súmula 292, STJ. A reconvenção é cabível na ação monitória, após a conversão do procedimento em ordinário. 5 Art. 278, 1º, CPC. É lícito ao réu, na contestação, formular pedido em seu favor, desde que fundado nos mesmos fatos referidos na inicial. 6 Art. 31, Lei 9.099/95. Não se admitirá a reconvenção. É lícito ao réu, na contestação, formular pedido em seu favor, nos limites do art. 3º desta Lei, desde que fundado nos mesmos fatos que constituem objeto da controvérsia.

6 Perceba, deste modo, que o réu é a parte legítima para preencher o polo ativo da reconvenção, enquanto o autor da ação principal figurará no polo passivo da demanda reconvencional. O polo ativo da reconvenção é preenchido pelo réu-reconvinte, enquanto no polo passivo figura o autor-reconvindo. Sobre a legitimidade, existem algumas breves considerações a serem feitas. Antes de tudo, vale mencionar que a doutrina e a jurisprudência são unânimes em admitir, em caso de litisconsórcio ativo, que o réu apresente reconvenção em face de apenas um dos autores, quando haverá uma diminuição subjetiva em relação à ação principal. Há também a possibilidade de ampliação subjetiva, que consiste no oferecimento de reconvenção em face de sujeito que não integra o polo ativo da ação principal, a maior parte da doutrina e da jurisprudência entende pela impossibilidade. Isso sob o argumento da economia processual, uma vez que o ingresso de pessoa não inserida na ação principal acabaria por tornar o processo mais complexo. Ocorre que há julgado no STJ e doutrina minoritária 7 que admite o ingresso na reconvenção de terceiro não integrante do polo ativo da ação principal quando houver a necessidade de formação de litisconsórcio com o autor desta e se tratar de demanda conexa. Isso porque seria inútil não permitir a reconvenção, uma vez que a ação autônoma acabaria sendo reunida com a ação em que poderia ter sido promovida a reconvenção. 8 Deve ainda ser comentado o parágrafo único do artigo 315, CPC, que trata da substituição processual. A redação do aludido dispositivo é a seguinte: Art. 315, Parágrafo único, CPC. Não pode o réu, em seu próprio nome, reconvir ao autor, quando este demandar em nome de outrem. A proibição contida no dispositivo supratranscrito é que o réu reconvenha em face do substituto processual de alguém, isso porque quem substitui alguém não é detentor do direito discutido. 7 NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. 4ª ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, REsp /SP; Rel. Min. Cesar Asfor Rocha; Data do julgamento: 18/12/1997; STJ.

7 É o exemplo do condômino que demanda em nome do condomínio. Ele não poderá sofrer reconvenção em nome próprio. 4.5 Prazo para a reconvenção Conforme já tratado no tópico 4.3.4, o prazo para apresentação da reconvenção é o de resposta do réu, devendo ser apresentada concomitantemente 9 com a contestação, sob pena de preclusão. Vale a pena ressaltar também a aplicabilidade à reconvenção dos prazos especiais de resposta, como o prazo em quádruplo para a Fazenda pública 10 e procedimentos especiais. 4.6 Procedimento da reconvenção Não existem muitas especificidades em relação ao procedimento da reconvenção, que segue basicamente a seguinte ordem: 1º: oferecimento da reconvenção; 2º: intimação do réu, na pessoa do seu procurador, para contestá-la no prazo de 15 (quinze) dias; 11 3º: a partir da intimação do autor-reconvindo para apresentação de resposta, a reconvenção seguirá o mesmo procedimento da ação principal; 4º: ação principal e reconvenção deverão ser julgadas na mesma sentença. 12 Vale mencionar ainda que, após sua apresentação, a reconvenção passa a ser autônoma em relação à ação principal, ou seja, a desistência desta, ou a existência de qualquer causa que a extinga, não obsta o prosseguimento da reconvenção Art. 299, CPC. A contestação e a reconvenção serão oferecidas simultaneamente, em peças autônomas; a exceção será processada em apenso aos autos principais. 10 Art. 188, CPC. Computar-se-á em quádruplo o prazo para contestar e em dobro para recorrer quando a parte for a Fazenda Pública ou o Ministério Público. 11 Art. 316, CPC. Oferecida a reconvenção, o autor reconvindo será intimado, na pessoa do seu procurador, para contestá-la no prazo de 15 (quinze) dias. 12 Art. 318, CPC. Julgar-se-ão na mesma sentença a ação e a reconvenção. 13 Art. 317, CPC. A desistência da ação, ou a existência de qualquer causa que a extinga, não obsta ao prosseguimento da reconvenção.

8 4.7 Situações de inadmissão da reconvenção São basicamente duas as hipóteses que ensejarão a inadmissão da reconvenção, quando não houver interesse de agir ou quando couber pedido contraposto. Em relação ao interesse de agir, este somente existirá quando por meio da reconvenção o autor puder conseguir tutela que não conseguiria com o mero oferecimento de contestação. Em outras palavras, não haverá interesse de agir se o autor utilizar a reconvenção para buscar tutela que conseguiria com a mera apresentação de contestação (por exemplo: improcedência do pedido, extinção do processo sem resolução do mérito, entre outros...). Também não haverá interesse de agir para a reconvenção quando se tratar de ações dúplices, 14 uma vez que a mera improcedência do pedido do autor terá o condão de satisfazer eventual pretensão do réu, como nas ações declaratórias 15 (paternidade, validade de cláusula contratual, entre outras...). Por ser a reconvenção um instrumento típico do procedimento comum ordinário, também não será admitida se a lei admitir expressamente a possibilidade de elaboração de pedido contraposto no bojo da própria contestação. Tal situação ocorre nos seguintes procedimentos: Procedimento dos juizados especiais (artigo 31 da Lei 9.099/95); Procedimento comum sumário (artigo 278, 1º, CPC); Procedimento das ações possessórias (artigo 922, CPC); Entre outros Considerações práticas: passo a passo para a elaboração da reconvenção A partir deste momento, será trabalhado um roteiro para elaboração da petição de reconvenção. Ao trabalho! 14 Ação dúplice é aquela em que a mera improcedência do pedido do autor já satisfaz a pretensão de direito material do réu, como nas ações declaratórias. 15 Em relação às ações declaratórias é importante a análise da Súmula 258 do STF, cuja redação é a seguinte: É admissível a reconvenção em ação declaratória. A interpretação é de que cabe, sim, reconvenção em ações declaratórias, desde que ela não trate do pedido de declaração, mas de outra questão qualquer, como o pleito pelo réu de danos morais em ação de investigação de paternidade em função dos constrangimentos sofridos pela afirmação da representante do autor de que é o pai do suposto filho em lugar público.

9 4.8.1 Primeiro passo: endereçamento A reconvenção deverá ser endereçada ao juiz no qual tramita a demanda, assim como a contestação, motivo pelo qual não há a necessidade de maiores observações neste momento Segundo passo: indicação do processo Assim como na peça de contestação, deverá haver a indicação do processo ao qual a reconvenção se refere Terceiro passo: preâmbulo da reconvenção (qualificação do réu-reconvinte + qualificação e endereço do advogado + identificação da peça (reconvenção) + referência à ação e ao autor-reconvindo) Aqui, apenas algumas breves considerações. Conforme já foi dito de forma exaustiva, o autor da reconvenção será o réu da ação principal e será chamado de réu-reconvinte, enquanto o réu da reconvenção será o autor da demanda principal, e a nomenclatura adequada é autor-reconvindo. Não existem neste ponto mais peculiaridades dignas de tratamento. Desse modo, para tornar mais didático o estudo, segue exemplo de redação do preâmbulo da reconvenção. (...) NOME DO RECONVINTE (que será o réu na ação principal), nacionalidade..., estado civil..., profissão..., naturalidade.../uf, data de nascimento..., filiação..., portador da cédula de identidade número..., expedida, inscrito no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do Ministério da Fazenda sob o número..., residente e domiciliado na rua..., número..., bairro..., em cidade/uf..., CEP..., por meio do seu Advogado..., OAB número..., mandato incluso, com escritório profissional situado na rua..., número..., bairro..., em cidade/uf..., CEP..., onde deverá receber as intimações, vem, respeitosamente perante este juízo, apresentar: RECONVENÇÃO

10 À ação de cobrança ajuizada por NOME DO RECONVINDO (autor da demanda principal), já devidamente qualificado, com base nos fatos e fundamentos jurídicos expostos em seguida. (...) Quarto passo: breve síntese da inicial Assim como na peça de contestação, é adequado que o réu-reconvinte abra um tópico próprio na reconvenção para a exposição resumida da pretensão do autor exposta na petição inicial. Não há qualquer peculiaridade digna de nota. A síntese da inicial deve ser feita de forma semelhante à da contestação Quinto passo: exposição fática (Dos fatos) Nesse momento, o réu-reconvinte passará a tratar do substrato fático que dá suporte ao direito pleiteado em sede de reconvenção. A exposição fática deverá ocorrer da forma como é feita na petição inicial, podendo seguir a lógica Relação Evento Conclusão, já abordada no tópico deste trabalho. Deve-se ressaltar que, durante a construção da exposição fática, o réu-reconvinte deverá buscar demonstrar a existência de conexão entre o pleito reconvencional e a ação principal. Para melhor compreensão do tema, segue exemplo de exposição fática em uma peça de reconvenção. (...) 2 Dos fatos 2.1 O autor-reconvindo afirma na inicial ser credor do réu-reconvinte de uma dívida no valor de R$ 8.000,00 (oito mil reais), motivo pelo qual em 01 de março de 2014 ajuizou a presente ação de cobrança em apreço. (Relação)

11 2.2 Entretanto, não obstante exista a dívida, o réu-reconvinte é credor do autorreconvindo de uma dívida no valor de R$ ,00 (dez mil reais), em função de serviços prestados em favor deste, conforme notas de prestação de serviços assinadas pelo demandante da ação principal que seguem anexas a esta petição. (Evento) Deve-se ressaltar que a dívida no valor de R$ ,00 (dez mil reais) supramencionada encontra-se vencida e não quitada, sendo, portanto, exigível. (Evento) 2.3 Assim, pode-se perceber que o réu no procedimento principal, ora reconvinte, possui na verdade um saldo de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para receber do autorreconvindo, resultante da compensação entre os valores devidos por um ao outro. (Evento) 2.4 Desta forma, vem o reconvinte pleitear a condenação do autor-reconvindo ao pagamento da quantia de R$ 2.000,00 (dois mil reais), decorrentes do saldo resultante da compensação realizada entre reconvinte e reconvindo. (Conclusão) (...) Sexto passo: fundamentação jurídica Neste momento, deverá o réu-reconvinte apresentar os fundamentos jurídicos e legais que darão suporte aos fatos articulados. Ao expor os fundamentos jurídicos da reconvenção, o réu-reconvinte deverá guardar especial atenção a duas situações distintas, quais sejam: A demonstração da existência de conexão entre a reconvenção e a ação principal ou com os fundamentos da defesa (requisitos do artigo 315, CPC); e, A demonstração dos fundamentos jurídicos do pleito realizado em sede reconvencional. Neste ponto, aplicam-se todas as disposições atinentes à fundamentação jurídica e legal tratada no tópico deste trabalho. Sempre buscando a melhor didática do ensino, segue o exemplo de fundamentação jurídica do exemplo fático tratado no tópico anterior.

12 (...) 3 Da fundamentação jurídica A pretensão do réu-reconvinte encontra pleno respaldo no ordenamento jurídico pátrio, especialmente nas normas de direito material constantes no Código Civil de 2002 e nas normas processuais do Código de Processo Civil. 3.1 Do cabimento de reconvenção O artigo 315 estabelece a existência de conexão da reconvenção com a ação principal ou com os fundamentos da defesa como requisitos para seu cabimento. A contestação apresentada na ação principal aborda a compensação como forma de defesa indireta do réu, uma vez que, no caso, é fato extintivo do direito do autorreconvindo. E como a presente reconvenção busca a condenação do autor-reconvindo ao pagamento da quantia de R$ 2.000,00 (dois mil reais) em favor do réu-reconvinte, decorrentes da diferença existente dívidas líquidas e vencidas a serem compensadas entre as partes, percebe-se a existência de clara conexão entre a reconvenção e a ação principal em razão dos fundamentos da defesa. 3.2 Da condenação do réu (Neste momento deverão ser expostos os fundamentos jurídicos e legais que dão suporte à pretensão de recebimento da dívida pelo réu-reconvinte. No caso exemplificativo deste modelo, o ideal seria a exposição das normas relativas ao instituto da compensação, quais sejam: artigos 368 a 380, CC/02) (...) Sétimo passo: dos pedidos e requerimentos Da mesma forma como ocorre na petição inicial e na contestação, após a exposição da fundamentação jurídica deverão ser realizados os pedidos e requerimentos pertinentes ao caso concreto. Cabem os seguintes pedidos em sede de reconvenção:

13 Pedido de procedência da pretensão do réu-reconvinte. É a tutela pretendida e que não poderia ser alcançada em sede de contestação. Pedido de condenação do autor-reconvindo ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios a título de sucumbência. Deve haver os seguintes requerimentos em sede de reconvenção: Requerimento de intimação do autor-reconvindo, na pessoa do seu procurador, para que, querendo, apresente resposta no prazo legal. Requerimento para a produção de provas. Requerimento de justiça gratuita, se houver necessidade. Para melhor esclarecimento, segue breve exemplo de disposição dos pedidos e requerimentos em sede de reconvenção. (...) 4 Dos pedidos e requerimentos 4.1 Pedido de procedência da pretensão do réu-reconvinte; 4.2 Pedido de condenação do réu às custas e honorários de sucumbência; 4.3 Requerimento de intimação do autor-reconvindo, na pessoa do seu procurador, para que, querendo, apresente resposta no prazo legal; 4.4 Requerimento para a produção de provas; 4.5 Requerimento de justiça gratuita, se houver necessidade. (...) Oitavo passo: do valor da causa Por haver a dedução de pretensão, à reconvenção deverá haver a atribuição de valor da causa. A valoração deverá ocorrer respeitando-se os mesmos critérios abordados no tópico deste trabalho. Dada a simplicidade, dispensa-se a utilização de exemplo.

14 4.8.9 Nono passo: encerramento Após todos os passos expostos, a reconvenção deverá ser encerrada da mesma forma como a petição inicial e a contestação. 5 Ação declaratória incidental A partir deste momento, serão tratadas as principais peculiaridades referentes à ação declaratória incidental. 5.1 Questão prejudicial Antes de tudo, para que haja a devida compreensão da ação declaratória incidental, deve-se entender o que é uma questão prejudicial, uma vez que estão diretamente relacionadas. O Professor José Cretella Neto explica o tema com as seguintes palavras, ipsis litteris: Questão relevante de direito material ou de fato, arguida antes da decisão sobre a questão principal (de mérito), e de cuja solução depende a decisão sobre a lide. A questão prejudicial é antecedente lógico da sentença (isto é, deve ser resolvida antes), podendo ser proposta por meio de ação autônoma. A decisão sobre a questão prejudicial pode levar à ineficácia da solução da principal, ou torná-la desnecessária, por serem juridicamente antagônicas. 16 Dessa forma, como se pode notar, a questão prejudicial deve obrigatoriamente ser resolvida no curso da demanda, servindo como fundamento da decisão a ser proferida. Não há alternativa ao juiz em razão da impossibilidade lógica de decidir o pedido do autor sem decidir anteriormente a questão prejudicial. 17 Para facilitar a compreensão do leitor, seguem alguns exemplos de questões prejudiciais: 16 CRETELLA NETO, José. Dicionário de Processo Civil. 3ª ed. São Paulo: Millenium Editora, NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. 4ª ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2012.

15 A validade de um contrato pode ser questão prejudicial numa demanda em que o credor exija o adimplemento de algumas parcelas vencidas. Ora, se o contrato for nulo, não há que se falar em pagamento das aludidas parcelas. A existência do vínculo de parentesco pode ser questão prejudicial numa ação de alimentos. Ora, se não existe o vínculo de parentesco, não há a obrigação do pagamento dos alimentos. A existência de união estável é questão prejudicial no pleito sucessório do suposto companheiro sobrevivente. Se não tiver existido a união estável, não haverá o direito à sucessão. Entre diversos outros exemplos. Prosseguindo na análise das questões prejudiciais, é fundamental ressaltar que, não obstante sua análise seja fundamental para a apreciação do pedido do autor, via de regra são abordadas como fundamento da sentença (não no dispositivo), uma vez que se encontram na causa de pedir. E por serem tratadas como fundamento da sentença, não são abrangidas pela coisa julgada material, conforme a redação do artigo 469 do Código de Processo Civil, abaixo transcrito: Art Não fazem coisa julgada: I os motivos, ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença; Il a verdade dos fatos, estabelecida como fundamento da sentença; III a apreciação da questão prejudicial, decidida incidentemente no processo. Assim, não obstante a questão prejudicial seja abordada no curso de uma demanda para possibilitar a análise do mérito, ela não estará acobertada pela manta da coisa julgada material, de modo que outras questões relativas a ela poderão ser objeto de novas demandas, o que afronta diretamente o princípio da economia processual. Superada esta breve abordagem sobre as questões prejudiciais, já existem subsídios necessários para a análise da ação declaratória incidental. Ao trabalho!

16 5.2 Ação declaratória incidental Trata-se de modalidade peculiar de resposta do réu, cujo objetivo é ampliar o objeto da demanda, fazendo com que o juiz julgue a questão prejudicial no dispositivo da sentença, com a finalidade de que a coisa julgada material também incida sobre ela. O grande fundamento do legislador para a criação da ação declaratória incidental é o princípio da economia processual, uma vez que, havendo a incidência da coisa julgada material sobre a questão prejudicial, não haverá a necessidade de ajuizamento de outra demanda para discuti-la. Isto porque, via de regra, de acordo com o artigo 469 do Código de Processo Civil, somente faz coisa julgada material aquilo que constar do dispositivo da sentença. Dessa forma, permite-se ao réu, ou até mesmo ao autor, o ajuizamento da ação declaratória incidental para que a questão prejudicial seja abordada no dispositivo da sentença, com a clara finalidade de fazer incidir sobre ela também a coisa julgada material, evitando-se assim o ajuizamento de outras demandas relativas ao tema. Há, então, com a ação declaratória incidental uma ampliação objetiva da demanda. 5.3 Fundamento legal da ação declaratória incidental A ação declaratória incidental encontra fundamento nos artigos 5º, 325, 469 e 470, todos do Código de Processo Civil. Com a finalidade unicamente didática, segue a transcrição dos aludidos dispositivos legais: Art. 5º, CPC. Se, no curso do processo, se tornar litigiosa relação jurídica de cuja existência ou inexistência depender o julgamento da lide, qualquer das partes poderá requerer que o juiz a declare por sentença. Art. 325, CPC. Contestando o réu o direito que constitui fundamento do pedido, o autor poderá requerer, no prazo de 10 (dez) dias, que sobre ele o juiz profira sentença incidente, se da declaração da existência ou da inexistência do direito depender, no todo ou em parte, o julgamento da lide (art. 5º). Art. 469, CPC. Não fazem coisa julgada: I os motivos, ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença; Il a verdade dos fatos, estabelecida como fundamento da sentença;

17 III a apreciação da questão prejudicial, decidida incidentemente no processo. Art. 470, CPC. Faz, todavia, coisa julgada a resolução da questão prejudicial, se a parte o requerer (arts. 5º e 325), o juiz for competente em razão da matéria e constituir pressuposto necessário para o julgamento da lide. 5.4 Características da ação declaratória incidental Seguem as principais características da ação declaratória incidental: Legitimidade: pode ser proposta pelo autor ou pelo réu da ação principal. Prazo: o prazo para seu ajuizamento é o de resposta para o réu, devendo ser apresentada concomitantemente com a contestação, e de 10 (dez) dias para o autor, contados da juntada aos autos da intimação da contestação apresentada pelo demandado, conforme o já trabalhado artigo 325 do Código de Processo Civil. Necessidade de contestação: o réu deverá contestar a inicial, pois é a contestação que faz surgir a controvérsia geradora da questão prejudicial. Pedido de declaração: a ação declaratória incidental, como o próprio nome diz, é adequada para a pretensão de declaração. A condenação e a constituição são típicas da reconvenção. Ampliação objetiva da demanda: a ação declaratória incidental amplia o objeto da demanda, fazendo com que a questão prejudicial seja analisada também no dispositivo da sentença. Dependência da ação principal: ao contrário da reconvenção, a ação declaratória incidental é acessória à ação principal, não possuindo autonomia. 5.5 Petição inicial da ação declaratória incidental A ação declaratória incidental é uma verdadeira ação judicial, por isso deverá observar todos os requisitos já abordados para a elaboração das petições iniciais previstos pelo artigo 282, CPC.

18 A única observação é que a ação declaratória incidental dependerá da ação principal, motivo pelo qual deverá haver a completa indicação do juízo ao qual é distribuída e do processo ao qual é dependente. Dessa forma, a petição inicial da ação declaratória incidental deverá ser redigida com a plena observância dos artigos 282 e 283 do Código de Processo Civil, admitindo, até mesmo, a determinação de emenda, nos termos do artigo 284 do mesmo código. 6 Da impugnação ao valor da causa Seguindo o raciocínio da existência de diversos instrumentos de defesa disponíveis ao réu, a depender da matéria a ser impugnada, a partir deste momento será abordada a impugnação ao valor da causa. 6.1 Noções gerais e conceito O artigo 258 do Código de Processo Civil estabelece que a toda demanda deverá ser atribuído um valor certo. E neste mesmo trabalho, no tópico 1.1.5, foi estudado que o valor da causa tem o condão de produzir diversos efeitos, tanto de natureza processual quanto fiscal. Pode acontecer, todavia, de o autor atribuir valor indevido à causa, seja a maior ou a menor, o que, obviamente, produzirá consequências, dados os efeitos decorrentes da valoração da demanda. Para os casos de atribuição de valor indevido à causa, o ordenamento jurídico pátrio coloca à disposição do réu o instrumento denominado impugnação ao valor da causa, por meio do qual se buscará atribuição de valor correto. Tal instrumento é previsto pelo artigo 261 do Código de Processo Civil, cuja redação segue transcrita: Art O réu poderá impugnar, no prazo da contestação, o valor atribuído à causa pelo autor. A impugnação será autuada em apenso, ouvindo-se o autor no prazo de 5 (cinco) dias. Em seguida o juiz, sem suspender o processo, servindo-se, quando necessário, do auxílio de perito, determinará, no prazo de 10 (dez) dias, o valor da causa.

19 Parágrafo único. Não havendo impugnação, presume-se aceito o valor atribuído à causa na petição inicial. Assim, conceitualmente, a impugnação do valor da causa é o instrumento adequado para se combater a atribuição de valor indevido à demanda pelo autor. 6.2 Legitimidade A legitimidade para a utilização do instrumento ora estudado é do réu, uma vez que cabe ao autor a atribuição de valor à demanda. 6.3 Prazo Conforme determinação do artigo 261, CPC, o prazo para a apresentação da impugnação ao valor da causa é o de resposta do réu, devendo ser apresentado juntamente com a contestação. É importante observar que a apresentação da impugnação ora estudada não possui o condão de suspender o processo. Dessa forma, a ação principal continuará tramitando normalmente e a impugnação será autuada em apenso. 6.4 Forma e conteúdo Conforme se pode extrair da redação do artigo 261, CPC, a impugnação ao valor da causa deverá ser apresentada por meio de petição autônoma, que será autuada em apenso à ação principal. Tal petição não é dotada de maior complexidade e deverá expor os motivos pelos quais o réu discorda da atribuição do valor atribuída pelo autor, além, é claro, de indicar qual a correta valoração da demanda, com os devidos fundamentos legais. 6.5 Procedimento O procedimento da impugnação ao valor da causa segue basicamente a seguinte ordem: 1º: apresentação da impugnação; 2º: autuação em apenso;

20 3º: intimação do autor para se manifestar no prazo de 05 (cinco) dias; 4º: realização de perícia, se o juiz entender necessária; 5º: determinação do valor da causa pelo juiz em 10 (dez) dias. 6.6 Considerações práticas: passo a passo da petição da impugnação ao valor da causa A petição não é dotada de maior complexidade. Segue abaixo um breve roteiro Primeiro passo: endereçamento A petição deverá ser endereçada para o juízo no qual tramita a demanda, sem qualquer peculiaridade, especialmente porque tramitará em apenso aos autos principais Segundo passo: indicação do processo Assim como na contestação e nas demais peças posteriores ao ajuizamento da demanda, deverá haver a indicação do processo ao qual a impugnação de refere Terceiro passo: preâmbulo (qualificação do impugnante + qualificação e endereço do advogado + identificação da peça (impugnação ao valor da causa) + referência ao impugnado) A qualificação segue a mesma didática tanto da contestação quanto da petição inicial, sem peculiaridades merecedoras de destaque Quarto passo: elaboração de síntese da inicial A elaboração de síntese da inicial mostra-se adequada para fins de organização da petição. Nesse momento, deverá ser informado o objeto da demanda ajuizada (pedido do autor) e o valor atribuído.

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO CIVIL PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 Sílvia, residente em São Paulo SP, foi citada, no foro de sua residência, em ação de separação judicial litigiosa proposta por seu marido, Hamilton, que, em sede

Leia mais

Aula 04. Capítulo II Das respostas do réu

Aula 04. Capítulo II Das respostas do réu Aula 04 Capítulo II Das respostas do réu Prof. Diego Fillipe No módulo anterior (aula 03), foram tecidas considerações relativas aos aspectos práticos da peça de contestação, com a inserção de questões

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

Art 275 - Observar-se-á o procedimento sumário: (Alterado pela L-009.245-1995)

Art 275 - Observar-se-á o procedimento sumário: (Alterado pela L-009.245-1995) AULA 04 Petição Inicial pelo Rito Sumário Art275, II do CPC Art 275 - Observar-se-á o procedimento sumário: (Alterado pela L-009.245-1995) II - nas causas, qualquer que seja o valor: (Alterado pela L-009.245-1995)

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial.

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial. Petição Inicial A Petição inicial é a peça por meio da qual o autor provoca a atuação jurisdicional do Estado. A sua redação deverá obedecer a determinados requisitos estabelecidos no artigo 282 do CPC.

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM RÉU : FORZA IND/ DE PLASTICOS LTDA/ ADVOGADO : SANDRO

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO 1. Procedimento Sumário e Sumaríssimo 1.1 Generalidades I. Processo de Conhecimento (artigo 272 Livro I): b) Comum: a.1) Ordinário (regra geral) a.2) Sumário (275) b)especiais

Leia mais

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 )

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 ) Modelos práticos 1. Petição inicial rito ordinário MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 1 DA VARA CÍVEL 2 DO FORO DA COMARCA DE CAMPINAS 3 NO ESTADO DE

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO PROCESSO E PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO COMUM Art. 271. Aplica-se a todas as causas o procedimento comum, salvo disposição em contrário deste Código

Leia mais

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9).

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9). AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5029780-43.2013.404.7000/PR AUTOR : ETEVALDO VAZ DA SILVA ADVOGADO : LEONILDA ZANARDINI DEZEVECKI RÉU : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

eduardocambi@hotmail.com

eduardocambi@hotmail.com eduardocambi@hotmail.com - Sociedade tecnológica e de consumo: transforma tudo rapidamente. - Direito - influenciado pela cultura: é resultado das idéias, valores e normas compartilhadas em um grupo social.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

ASPECTOS POLÊMICOS DA RECONVENÇÃO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1

ASPECTOS POLÊMICOS DA RECONVENÇÃO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1 ASPECTOS POLÊMICOS DA RECONVENÇÃO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO Mauro Schiavi 1 Conceito e requisitos de admissibilidade Em certa fase da evolução do Direito romano, eram as partes que convencionavam

Leia mais

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA AÇÃO MONITÓRIA A está regulada nos artigos 1102-A a 1102-C, CPC. Eles são fruto da Lei 9.079/95. Essa ação é um grande exemplo de sincretismo processual em nosso ordenamento. é processo sincrético que

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL Poder Judiciário da Ufiilo TJDFT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL EDOS TERRITÓRIOS SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA CADERNO DE RELATÓRIO E DOCUMENTOS REFERENTES À PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

Leia mais

Petição inicial de ação ordinária

Petição inicial de ação ordinária Capítulo I Petição inicial de ação ordinária SUMÀRIO: 1. Considerações gerais 2. Elementos da ação: 2.1. Partes; 2.2. Causa de pedir; 2.3. Pedido (terceiro elemento da ação) 3. Requisitos da petição inicial

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

Peça prático-profissional

Peça prático-profissional Peça prático-profissional Marilza assinou 5 notas promissórias, no valor de R$ 1.000,00 cada uma, para garantir o pagamento de um empréstimo tomado de uma factoring chamada GBO Ltda. Recebeu na data de

Leia mais

DA RESPOSTA DO RÉU. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA RESPOSTA DO RÉU. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA RESPOSTA DO RÉU Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO RESPOSTA DO RÉU CITADO, o réu pode oferecer contestação, exceções processuais e reconvenção, no prazo de 15 dias ( artigo 297, do CPC). Pode, ainda,

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0132.07.009709-3/001 Númeração 0097093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Batista de Abreu Des.(a) Batista de Abreu 27/11/2014 10/12/2014 EMENTA:

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Registro n' SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Vistos. Trata-se de ação ordinária, visando

Leia mais

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 20 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles PROCEDIMENTO Conceito Corrente clássica: é uma forma material com que

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

PROCESSO DE CONHECIMENTO DO TRABALHO. 6) Processo de Conhecimento. 6.5 Classificação do Pedido

PROCESSO DE CONHECIMENTO DO TRABALHO. 6) Processo de Conhecimento. 6.5 Classificação do Pedido 6.5 Classificação do Pedido o Principal e acessório Pagamento do salário do último mês e juros de mora o Implícito Não expresso: divergência quanto a validade - Exemplo: pedido de recebimento de verbas

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 04 h/aula 06 h/aula. 08 h/aula. h/aula Total Acumulado 06 16 24 32 38 40

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 04 h/aula 06 h/aula. 08 h/aula. h/aula Total Acumulado 06 16 24 32 38 40 Identificação Plano de Ensino Curso: DIREITO Disciplina: Prática Jurídica III Ano/semestre: 2012/1 Carga horária: Total: 40 horas Semanal: 02 horas Professor: Vânia Cristina da Silva Carvalho Período/turno:

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1 3ª VARA DO TRABALHO DE SÃO JOSÉ - SC TERMO DE AUDIÊNCIA RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 Aos 17 dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h57min, na sala de audiências da, por ordem da Exma.

Leia mais

Prática civil Aula I

Prática civil Aula I Prática civil Aula I Sandro Gilbert Martins* Processo Classificação dos processos O Código de Processo Civil (CPC) prevê e regula três tipos de processos: de conhecimento (Livro I arts. 10 a 565), de execução

Leia mais

41,14'1 ti. tha. ojlnt. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça ACÓRDÃO

41,14'1 ti. tha. ojlnt. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça ACÓRDÃO . - - 41,14'1 ti tha ojlnt Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2007.792.417-9/001 João Pessoa RELATOR: Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz de Direito Convocado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO Questão 1 MÁRIO ROBERTO possui terreno limítrofe entre as zonas urbana e rural do município de Pedra Grande. No ano de 2009, ele recebeu o carnê do IPTU, emitido pela Secretaria de Fazenda de Pedra Grande,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000250943 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0080413-48.2010.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante

Leia mais

VOTO. ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAI[BA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA

VOTO. ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAI[BA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAI[BA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 018.2010.000261-9/001 ORIGEM : zr Vara da Comarca de Guarabira. RELATOR

Leia mais

RELAÇÃO CAMBIAL C/C INEXIGIBILIDADE DE COBRANÇA. RECONVENÇÃO. ÔNUS DA PROVA DA EMPRESA RÉ ACERCA DA EXISTÊNCIA

RELAÇÃO CAMBIAL C/C INEXIGIBILIDADE DE COBRANÇA. RECONVENÇÃO. ÔNUS DA PROVA DA EMPRESA RÉ ACERCA DA EXISTÊNCIA Apelação Cível nº 1034291-7, da Comarca de Paraíso do Norte, Vara Única. Apelante : Equagril S/A Equipamentos Agrícolas. Apelado : Rubens Antonio Primão. Relator : Desembargador Paulo Cezar Bellio. AÇÃO

Leia mais

Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul - AJURIS Réu:

Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul - AJURIS Réu: COMARCA DE PORTO ALEGRE 6ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DO FORO CENTRAL Rua Manoelito de Ornellas, 50 Processo nº: 001/1.13.0059055-7 (CNJ:.0065642-04.2013.8.21.0001) Natureza: Ordinária - Outros Autor: Associação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 SENTENÇA Processo Digital nº: 1013078-84.2013.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Sumário - Indenização por Dano Moral Requerente: Francisco Antônio Almeida Martines Requerido: Francisco de

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.273016-1/001 Númeração 2730161- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 11/02/2015 23/02/2015 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS Reclamante: Joaquim Ferreira Reclamados: Parque dos Brinquedos Ltda Autos nº 0001524-15.2011.5.04.0035 PARQUE DOS BRINQUEDOS

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

O Procedimento Comum Ordinário

O Procedimento Comum Ordinário PROCESSO CIVIL 07 O Procedimento Comum Ordinário Introdução Noções Gerais Noções Iniciais: No processo de conhecimento o procedimento pode ser comum ou especial. É comum quando não houver disposição especial.

Leia mais

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS 1.1. TUTELA DEFINITIVA: SATISFATIVA E CAUTELAR TUTELA DEFINITIVA Obtida com base na cognição do exauriente, profundo debate acerca do objeto da decisão, garantindo o devido

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 659.830 - DF (2004/0087560-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : EDUARDO AUGUSTO QUADROS E ALMEIDA : MANOEL FAUSTO FILHO E OUTRO : SOCIEDADE DE

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IMPETRADO: BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO DECISÃO REGISTRADA SOB Nº /2015 A impetrante

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014.

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. Estabelece procedimento para conversão de multas simples em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, e dá

Leia mais

SENTENÇA. Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame Incorporadora Ltda. e outros

SENTENÇA. Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame Incorporadora Ltda. e outros fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0128134-22.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Compromisso Requerente: Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de...

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de... CONTESTAÇÃO Fundamento: Oportunidade: Requisitos: Finalidade: Espécies: Art. 297 do CPC. Oferecimento no prazo de quinze (15) dias contados na forma do art. 241 do CPC. Na contestação o réu deve alegar

Leia mais

DPRCIV3 Direito Processual Civil III Plano de Ensino - 2. Do pedido. Modalidades de pedido. Cumulação de pedidos. (arts.

DPRCIV3 Direito Processual Civil III Plano de Ensino - 2. Do pedido. Modalidades de pedido. Cumulação de pedidos. (arts. Questões para Fixação da Aula - Do pedido. (arts. 286 a 294) 1. O art. 286 do CPC estabelece que o pedido deve ser certo ou determinado. Essa regra se aplica a uma ação de petição de herança, quando o

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL AASP / IBDP - 2015. Daniel Brajal Veiga

PETIÇÃO INICIAL AASP / IBDP - 2015. Daniel Brajal Veiga PETIÇÃO INICIAL AASP / IBDP - 2015 Daniel Brajal Veiga Introdução Algumas novidades que devem ser mencionadas antes do tema: Princípio da Cooperação: Todos os sujeitos do processo devem cooperar entre

Leia mais

MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA

MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA Modelos práticos 1. Mandato MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA NOME DO OUTORGANTE, (nacionalidade), (estado civil), (profissão), portador do documento de identidade RG. n.º (número do documento)

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e COMPARATIVO ENTRE A RESOLUÇÃO N. 9 E A EMENDA REGIMENTAL N. 18 DO STJ EMENDA REGIMENTAL N. 18 (2014) RESOLUÇÃO N. 9 (2005) Art. 1º O Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça passa a vigorar acrescido

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

Nº 70047907696 COMARCA DE PORTO ALEGRE MILÃO TURIS HOTEL LTDA. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos.

Nº 70047907696 COMARCA DE PORTO ALEGRE MILÃO TURIS HOTEL LTDA. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos. Apelação cível. Propriedade industrial e intelectual. Ação declaratória de nulidade. Desnecessidade de prova pericial. O magistrado é o destinatário da prova e está autorizado a indeferir a realização

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais