UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DANILO GONÇALVES DOS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DANILO GONÇALVES DOS SANTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DANILO GONÇALVES DOS SANTOS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL E PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS TIPO JET CASA PUBLICAÇÃO Nº: ENC. PF /02 ANÁPOLIS / GO 2014

2 ii UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DANILO GONÇALVES DOS SANTOS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL E PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS TIPO JET CASA ANÁPOLIS / GO 2014

3 iii DANILO GONÇALVES DOS SANTOS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL E PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS TIPO JET CASA PUBLICAÇÃO Nº: ENC. PF /02 PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. ORIENTADOR: PROFº. CHRISTIAN MOREIRA, M.Sc ANÁPOLIS / GO: 2014

4 iv FICHA CATALOGRÁFICA SANTOS, DANILO GONÇALVES Estudo Comparativo entre o Sistema Construtivo Tradicional e Painéis Pré-Moldados tipo Jet Casa 30P., 297 mm (ENC/UEG, Bacharel, Engenharia Civil, 2014) Projeto Final - Universidade Estadual de Goiás. Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas. Curso de Engenharia Civil. 1. Orçamento 2. Cronograma Físico-Financeiro 3. Sistemas Construtivos 4. Jet Casa I. ENC/UEG II. Bacharel em Engenharia Civil REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA SANTOS, D. G. Estudo Comparativo entre o Sistema Construtivo Tradicional e Painéis Pré- Moldados tipo Jet Casa. Projeto Final, Publicação ENC. PF /02, Curso de Engenharia Civil, Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, GO, 30p CESSÃO DE DIREITOS NOME DO AUTOR: Danilo Gonçalves dos Santos TÍTULO DA DISSERTAÇÃO DE PROJETO FINAL: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL E PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS TIPO JET CASA. GRAU: Bacharel em Engenharia Civil ANO: 2014 É concedida à Universidade Estadual de Goiás a permissão para reproduzir cópias deste projeto final e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte deste projeto final pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do autor. Danilo Gonçalves dos Santos Avenida Don Emanuel Gomes de Oliveira Nº. 750, Ap. 203, Ed. Viseu CEP: , Jardim Alexandrina - Anápolis/GO Brasil (62)

5 v DANILO GONÇALVES DOS SANTOS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL E PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS TIPO JET CASA PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHAREL. APROVADO POR: CHRITIAN MOREIRA, M.Sc (UEG) (ORIENTADOR) VALMOR DIEMER DE OLIVEIRA (UEG) (EXAMINADOR INTERNO) LUCIANO ANÍSIO RODRIGUES (EXAMINADOR EXTERNO) ANÁPOLIS / GO: 2014

6 vi RESUMO Com a crescente demanda de unidades habitacionais, vivenciado atualmente no país, juntamente com uma exigência maior na proteção ao meio ambiente, houve o surgimento de novas técnicas construtivas que primam pela racionalização, padronização de processo e sistemas reduzindo custos, desperdícios e acelerando o ritmo das obras, levando o conceito de industrialização para estas. Através de uma revisão bibliográfica e dados o presente trabalho faz um comparativo de custo na implantação de um condomínio horizontal, composto por 682 casas, entre o Sistema Construtivo Convencional e o de Painéis Pré-moldados tipo Jet Casa. Este segundo sistema demostrou ser mais vantajoso que o Tradicional por apresentar uma racionalização de processos, rápida execução e baixos índices de perdas, reduzindo o custo da obra em 20,19%. Concluindo que o Sistema Jet Casa apresenta custos menores e uma melhor taxa de retorno. Palavras-chave: Orçamento; Cronograma Físico-Financeiro; Sistemas Construtivos; Jet Casa.

7 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Configuração espacial de uma estrutura de concreto armado para vedação com alvenaria convencional (CORREA, 2009) Figura 2 - Tijolo maciço comum (MILITO, 2004) Figura 3 - Tijolo com furo cilíndrico (MILITO, 2004) Figura 4 - Tijolo com furo prismático (MILITO, 2004)... 5 Figura 5 - Tijolo laminado (MILITO 2004)... 5 Figura 6 - Vista ilustrativa de um painel do sistema construtivo JET CASA Figura 7 - Aplicação da argamassa de revestimento... 8 Figura 8 - Detalhes das armaduras e soldas utilizadas na junção entre painéis (IPT, 2011)... 9 Figura 9 Planta ilustrativa da casa de dois dormitórios. (Fonte: 2013) Figura 10 Planta ilustrativa da casa de três dormitórios. (Fonte: 2013) Figura 11- Total Acumulado Gasto em Semanas nas duas Unidades Habitacionais em ambos Sistemas Construtivos... 23

8 viii LISTA DE TABELAS Tabela 1- Modelo de Diagrama de Gannt Tabela 2- Cálculo do BDI Tabela 3- Orçamento dos sistemas construtivos Tabela 4- Cronograma Físico-Financeiro do Sistema Convencional para casa de 2 dormitórios Tabela 5- Cronograma Físico-Financeiro do Sistema Convencional para casa de 3 dormitórios Tabela 6- Cronograma Físico-Financeiro do Sistema Jet Casa para casa de 2 dormitórios Tabela 7- Cronograma Físico-Financeiro do Sistema Jet Casa para casa de 3 dormitórios Tabela 8- Orçamento detalhado do sistema construtivo convencional para a casa de 2 dormitórios Tabela 9- Orçamento detalhado do sistema construtivo convencional para a casa de 3 dormitórios Tabela 10- Orçamento detalhado do sistema construtivo Jet Casa para a casa de 2 dormitórios Tabela 11- Orçamento detalhado do sistema construtivo Jet Casa para a casa de 3 dormitórios

9 ix SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS OBJETIVOS Geral Específicos ESCOPO DA MONOGRAFIA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SISTEMAS CONSTRUTIVOS Alvenaria Convencional Painéis Pré-moldados pelo sistema JET Casa ESTUDO DA VIABILIDADE ECONOMICA Consumo e Custo de Materiais Perdas da Construção Civil Acompanhamento Físico e Financeiro Acompanhamento Físico Acompanhamento financeiro MATERIAIS E MÉTODOS ORÇAMENTO CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO RESULTADOS E DISCUSSÃO ORÇAMENTOS CRONOGRAMAS FÍSICO-FINANCEIROS VIABILIDADE TÉCNICO-ECONOMICA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE... 27

10 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Quando se considera a construção civil no Brasil, podemos notar que esta presenciou mudanças significativas. Começando nos anos 40 onde era considerada uma das mais avançadas, atingiu seu auge utilizando a tecnologia do concreto armado. Durante a década de 50 foi instalada a forma de trabalho por hierarquia, em que começou a ser definido competência e responsabilidades para os trabalhadores. Em função do regime militar no Brasil, a década de 70 foi predominada por altos financiamentos no setor imobiliário para diminuir o déficit de moradia da época, assim a construção de prédios residenciais teve um aumento expressivo. Nos anos 80 ocorreu o inverso, os financiamentos governamentais começaram a diminuir e as construtoras voltam a comercializar suas unidades diretamente com o cliente. Já na década de 90, os clientes começam a observar melhor a qualidade final do produto oferecido pelas construtoras, fazendo com que fosse necessário melhorar a qualificação de sua mão de obra, assim aumentando o custo da mesma. Dos anos 2000 aos tempos atuais notamos a crescente preocupação com o meio ambiente, pois pelo grande volume de materiais utilizados e quantidade de resíduos gerados a construção civil viu-se obrigada a aderir ao conceito de desenvolvimento sustentável. Assim as grandes universidades começam a estudar de sistemas construtivos e materiais menos impactantes ao meio ambiente, desenvolvendo pesquisas para se obter maiores informações sobre métodos alternativos de construção, racionalização de materiais, reciclagem de entulho de obra e otimização das tarefas. Tornando assim necessário uma gerência efetiva de materiais e de mão de obra, obtendo dados que possibilitem um melhor planejamento da evolução física-financeira das atividades da obra e que sirvam de base para tomadas de decisões, gerando menores custos de produção. Segundo Halpin e Woodhead (2004, p. 348), [...] é vital detectar o mais cedo possível quando qualquer custo real ou em potencial ficar maior do que o previsto [...]. Sendo assim, tornam-se necessários estudos para analisar a eficiência dos métodos construtivos e sua mão de obra, a partir de orçamentos e cronogramas físico-financeiros, visando à diminuição de custos para obra. Os sistemas construtivos industrializados aparecem como possível solução para atender à crescente demanda habitacional no país que atualmente este déficit chega a 7,5 milhões de

11 2 habitações (LEBLON, 2013). Assim, se faz necessários estudos para comprovar a eficácia deste método. 1.2 OBJETIVOS Geral Analisar qual sistema construtivo, entre o convencional e o industrializado pela fabricação de painéis pré-moldados mistos pelo modelo JET CASA, apresenta melhor custo benefício em relação a materiais e mão de obra do ponto de vista técnico econômico na construção de um condomínio residencial composto por 690 casas Específicos a) Orçar os materiais necessários para os dois sistemas construtivos analisados; b) Preparar os cronogramas físico-financeiros dos sistemas construtivos analisados; c) Verificar a viabilidade técnico-econômica dos sistemas construtivos. 1.3 ESCOPO DA MONOGRAFIA Esta monografia de conclusão de curso de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Goiás será dividida em quatro partes: 1) Revisão Bibliográfica, que atentará para os conceitos e características dos métodos construtivos convencional e industrializado no modelo JET CASA; 2) Metodologia do Trabalho, que descreverá o tipo de pesquisa realizada, bem como as formas de coleta e análise dos dados; 3) Apresentação e Análise dos Resultados; 4) Conclusão e referências bibliografias utilizadas.

12 3 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 SISTEMAS CONSTRUTIVOS Atualmente existem inúmeros sistemas construtivos disponíveis para se executar uma obra, cada sistema construtivo pode utilizar como matéria prima principal diferentes insumos, como madeira, bloco cerâmico, concreto, metal, entre outros. Geralmente ocorrem combinações destes insumos para a formulação do método construtivo. Mas para a escolha do sistema construtivo mais vantajoso deve ser estudado diversos fatores como disponibilidade de recursos, custos, prazos, segurança e qualidade dos serviços e materiais. Devendo se atentar para escolha correta dos materiais, equipamentos apropriados, logística, quantidade da mão de obra e rotinas de trabalho. Segundo Sabbatini e Agopyan (1991) A evolução da construção de edifícios passa necessariamente pela criação de novos métodos, processo e sistemas construtivos e pelo aperfeiçoamento dos já existentes. Considerando este princípio, podemos dizer que para haver um desenvolvimento dos sistemas construtivos, são necessárias pesquisas tecnológicas com estudos muito bem fundamentados, pessoal adequadamente estruturado e correta escolha de materiais a serem utilizados no processo construtivo. Ou seja, para um novo sistema construtivo ser implantado é necessário, não apenas a ideia, mas o processo de produção, gerenciamento dos produtos envolvidos, matérias primas a serem utilizadas, organização operacional, pesquisa e desenvolvimento continuo da técnica construtiva. Depois de definido e caracterizado o sistema construtivo, torna-se necessária a existência de uma organização operacional que vise a racionalização do tempo, materiais, serviços e recursos, nos levando ao conceito de industrialização. A industrialização pode ser entendida como um processo para aperfeiçoar o desempenho de uma atividade industrial. Este conceito não tem sido compreendido corretamente na construção civil, pois é confundido com o conceito de pré-fabricação, sendo que este é uma simples manifestação de industrialização, e não um método completo de industrialização. Para Sabbatini (1998, p. 3) A industrialização da construção é um processo evolutivo que, através de ações organizacionais e da implementação de inovações tecnológicas, métodos de trabalho e técnicas de planejamento e controle, objetiva incrementar a produtividade e o nível de produção e aprimorar o desempenho da atividade construtiva. Já Franco (2013, p.15), destaca a metodologia da industrialização como sendo um método:

13 4 Com alto nível organizacional: Gerenciamento dos materiais e métodos construtivos é feito para que nenhum material sobre ou falte em cada fase da obra e que nenhum trabalhador fique ocioso em horário de serviço. Tecnologicamente aprimorado: É necessário treinamento especial dos trabalhadores envolvidos e possível utilização de máquinas para auxiliar o sistema construtivo. Que padroniza os métodos e não os produtos: Os métodos deverão ser padronizados para acelerar o processo construtivo, mas os produtos deverão ser customizáveis para atender a maior faixa de clientes possível. De constante evolução: A cada obra realizada é possível evoluir o sistema construtivo, otimizando o método e o tempo de trabalho Alvenaria Convencional O sistema construtivo Convencional se caracteriza pela a estrutura de concreto armado que lhe sustenta enquanto a alvenaria vem somente para vedar a construção. Correa (2013), define o funcionamento estrutural deste sistema construtivo na seguinte ordem: As lajes apoiam-se nas vigas, que se apoiam nos pilares, e consequentemente, são descarregados nas fundações, que descarregam os carregamentos uniformemente pelo solo, como pode ser visto na Figura 1. Figura 1 - Configuração espacial de uma estrutura de concreto armado para vedação com alvenaria convencional (CORREA, 2009).

14 5 Neste sistema construtivo a alvenaria não tem função estrutural, então é chamada de alvenaria de vedação, mas ainda assim estão sujeitas as seguintes cargas acidentais: recalques da fundação, movimentações térmicas, deformações da estrutura de concreto, etc. É importante que a alvenaria de vedação apresente algumas características técnicas, tais como, resistência mecânica, isolamento térmico e acústico, resistência ao fogo, estanqueidade e durabilidade. De acordo com Milito (2004), entre os elementos que compõe a alvenaria de vedação pode-se citar: Tijolo comum: Blocos de barro comum, moldados com arestas vivas e retilíneas (Figura 2); Figura 2 - Tijolo maciço comum (MILITO, 2004). Tijolo furado: Tijolo cerâmico vazado, moldados com arestas vivas e retilíneas, pode ser com furo cilíndrico (Figura 3) ou com furo prismático (Figura 4); Figura 3 - Tijolo com furo cilíndrico (MILITO, 2004). Figura 4 - Tijolo com furo prismático (MILITO, 2004). Tijolo laminado: Tijolo cerâmico comumente usado para executar paredes de tijolos à vista (Figura 5). Figura 5 - Tijolo laminado (MILITO 2004)

15 6 O sistema construtivo de alvenaria convencional, segundo Nakamura (2008), tem a seguinte ordem construtiva: Esperar 45 dias após a concretagem da laje para que a estrutura se acomode, caso esse tempo não for respeitado, a estrutura poderá sofrer deformações e até fissurar com carga aplicada pela parede; Deverá ser feita a limpeza e lavagem dos pontos que receberão a alvenaria, para remover poeira e resíduos de desmoldante, que impedem uma boa aderência da argamassa; Chapiscar a estrutura que ficará em contato com a alvenaria três dias antes de levantar as paredes; Marcar a alvenaria na laje conforme determinado em projeto, para ter-se um melhor controle do esquadro, use o próprio tijolo ou bloco para demarcar o ponto correto na laje e chapisque toda a superfície da mesma; Para garantir melhor esquadro da alvenaria, começar a assentar a primeira fiada a partir dos blocos das extremidades; Agora já se pode iniciar a elevação das fiadas, mas sempre tendo o cuidado de preencher com argamassa as juntas verticais e horizontais que ficam entre os tijolos ou blocos; Quando se chegar na última fiada, é necessário se fazer o encunhamento/fixação da alvenaria com as lajes e vigas, este preenchimento deve ser feito após toda a alvenaria estiver concluída, para evitar fissuras e demais patologias; Depois de levantada toda a alvenaria, é necessário fazer o rejunte de acabamento de todos os vãos restantes entre blocos Painéis Pré-moldados pelo sistema JET Casa O sistema JET CASA é se baseia na produção industrializada de elementos como paredes, lajes e fundação pré-fabricados. A vedação dos ambientes ocorre na montagem e solda dos painéis pré-fabricados devidamente apoiados sobre fundação projetada e sobre estas paredes são montados também os oitões e as lajes. A escolha do tipo de fundação utilizada depende do estudo geotécnico do subsolo e análise do projeto de terraplenagem do local definitivo da residência, sendo realizado um estudo de sistematização industrializada para execução da fundação. Já foram sistematizados e utilizados os tipos mais comuns de fundações como por exemplo radier, blocos e sapatas. Segundo levantamento realizado pelo IPT (2011), os principais materiais e componentes utilizados nos painéis são:

16 7 Blocos cerâmicos vazados, de 8 furos quadrados, com dimensões de 9cm x 19cm x 19cm e resistência à compressão média de 1,5 Mpa (blocos classe 15, conforme NBR 7171); Concreto de fck = 25 MPa, aos 28 dias, empregado no quadro em todo o perímetro dos painéis, nas nervuras horizontais e verticais, nas vergas e contravergas, e na direção dos pontos de içamento. É empregado também nos painéis de lajes pré-moldados; Argamassa de revestimento para preenchimento das juntas verticais entre blocos; Chapisco para revestimento das nervuras de concreto dos painéis; Argamassa de revestimento com traço composto por areia fina, cimento, cal e aditivo; Argamassa industrializada aplicada no preenchimento das juntas verticais (painel/ painel) e horizontais (painel/ laje); Mastique de base acrílica aplicado externamente nas juntas verticais (painel/ painel); Treliça nervurada de aço (CA-60), com h=6cm e L=5cm em todo o perímetro dos painéis; Barras de aço Ø 8mm (CA-50) empregadas no quadro periférico, complementares às treliças,e nas nervuras verticais dos painéis (barras para içamento); Barras de aço Ø 5mm (CA-60) empregadas nas nervuras horizontais dos painéis; Barras de aço Ø 8mm (CA-50), como reforços tipo L com comprimento de 0,8m, empregadas em cada canto superior e nos encontros das nervuras horizontais com as verticais; Barras de aço Ø 8mm (CA-50), como reforços tipo L com comprimento de 0,5m, empregadas em cada um dos cantos inferiores dos painéis; Chapas metálicas de ligação, dispostas nas laterais dos painéis. Os painéis Jet casa são fabricados em linha de produção horizontal. Para confecção dos painéis são empregados blocos cerâmicos e materiais como concreto, aço e argamassa na conformação das nervuras e juntas. Segundo o IPT (2011), as nervuras verticais têm a finalidade de atender às solicitações quanto ao içamento dos painéis, e as nervuras horizontais funcionam também como vergas e contra-vergas quando há aberturas. As esquadrias e as tubulações elétricas e hidráulicas também são embutidas no painel durante a sua fabricação, bem como as caixas elétricas e conexões (Figura 6).

17 8 Figura 6 - Vista ilustrativa de um painel do sistema construtivo JET CASA. Percebemos que neste sistema os blocos cerâmicos são posicionados com os furos na vertical, oferecendo uma maior resistência do que no sentido horizontal, forma utilizada no sistema tradicional. Concluída a modulação dos materiais na forma, é executado o preenchimento das nervuras com concreto, logo após ocorre o preenchimento, com argamassa, das juntas verticais simultaneamente com a execução do reboco de uma das faces, com o painel ainda na posição horizontal (Figura 7) e após um tempo mínimo de 12 horas ocorre a desforma e içamento dos painéis. Já com o painel na vertical, a outra face é chapiscada e rebocada. O sistema garante a espessura de 1 centímetro do reboco, gerando economia e evitando desperdício de materiais, além de uma textura uniforme e lisa. Figura 7 - Aplicação da argamassa de revestimento

18 9 A ligação mecânica entre os painéis é realizada por meio de solda entre barras e chapas de aço posicionadas para esta finalidade (Figura 8) e protegidas pintura de primer anticorrosivo e posteriormente por argamassa. A proteção final das juntas na parte externa é realizada por meio de selantes flexíveis, de forma a evitar trincas e possíveis infiltrações. Figura 8 - Detalhes das armaduras e soldas utilizadas na junção entre painéis (IPT, 2011) São executados então o grauteamento das extremidades dos painéis das paredes e a colocação da laje. Após é feita a união da laje com as paredes por meio de cantoneiras metálicas embutidas e dispostas para soldagem e então as juntas horizontais entre as paredes e a laje são preenchidas com argamassa. Os oitões são assentados com argamassa sobre as lajes. Externamente, as juntas entre eles recebem o mesmo processo de montagem e acabamento utilizado nas paredes. Segundo análise feita pelo IPT (2011), os painéis de parede laje e oitões são estruturais, chamados autoportantes, não podendo ser demolidos total ou parcialmente pelo usuário. [...] Qualquer modificação, como abertura de vãos e rasgos para instalações hidráulicas e elétricas, deve ser previamente acordada [...] na fase de projeto [...], a qual deve prever os reforços e procedimentos necessários [...].

19 ESTUDO DA VIABILIDADE ECONOMICA Consumo e Custo de Materiais O consumo de materiais na indústria da construção civil é um ponto extremamente importante, pois o investimento em materiais representa aproximadamente 50% do valor final de uma obra. (SOUZA e DEANA, 2007, p. 7) Há consumo de materiais em várias fases da construção civil, e cada uma dessas fases pode haver mais ou menos consumo. Partindo deste ponto de vista, é possível dividir essas fases em três: Concepção é definido o produto a ser produzido: Nesta fase é necessário haver uma pesquisa pelo melhor método construtivo, apesar de não haver consumo de material propriamente dito, esta é a fase em que se devem tomar todas as decisões necessárias para a escolha dos materiais a serem usados. Produção Produção do produto em si: É durante esta fase que todos os materiais serão utilizados, é também nesta fase que se nota o quanto a execução ocorreu de acordo com o projeto, se houve desperdício ou economia de material. Utilização Utilização e reparo do produto até o final de sua vida útil: Durante a utilização que nota-se a vida útil de cada produto utilizado na produção de um determinado produto, levando em conta a qualidade do mesmo e da mão de obra que realizou o serviço, é também nesta fase que ocorrem as manutenções, necessitando assim, um consumo de material superior ao levantamento Perdas da Construção Civil Atualmente tem se discutido muito sobre as perdas na construção civil. Verificamos a importância deste tema, pois as perdas geram uma alta nos custo da obra e consequentemente reduz o lucro. Observamos também que qualquer ineficiência do sistema de produção acarreta em perdas, como por exemplo o transporte, o uso de tecnologias inadequadas e assim segue. De acordo com Alarcon (1997), seguindo as novas filosofias de produção, as perdas podem ser consideradas como todas as atividades que exigem tempo e dinheiro sem agregar valor ao produto e, estas, devem ser eliminadas ou reduzidas ao máximo. As perdas podem ocorrer durante todas as etapas do processo construtivo, desde a concepção do projeto (superdimensionamento), o processo construtivo em si e até na manutenção (reformas e patologias). Segundo Shingo (1981) As perdas geralmente ocorrem e

20 11 podem ser identificadas durante a etapa de produção. Contudo, sua origem pode estar no próprio processo de produção quanto nos processos que o antecedem, como fabricação de materiais, preparação dos recursos humanos, projetos, suprimentos e planejamento. No sistema de construção tradicional o desperdício chega a atingir um índice de 33%, ou seja, com a quantidade de materiais e mão-de-obra desperdiçados em três obras, é possível a construção de outra idêntica (GROHMANN, 1998). Enquanto no sistema industrializado são praticamente nulas, sendo considerado um valor de 5% devido à eventuais problemas que todas obras estão sujeitas (VILLAR, 2006) Acompanhamento Físico e Financeiro Acompanhamento Físico O acompanhamento físico de uma obra de edificação é o confronto entre os dados relativos a início, fim, duração, equipe, produtividade e produção das atividades planejadas com a efetiva realização destas atividades do canteiro de obra. Em muitos momentos a diferença entre o que se executou parcialmente ou integralmente da atividade comparado ao que se planejou é diferente haja visto que as variáveis são diversas. Desta forma, o resultado físico de uma atividade e consequentemente as atividades que são sucessoras podem provocar uma nova projeção final do empreendimento. Quando se planeja a duração de uma atividade, cria-se um item de controle para garantir que ela aconteça no prazo previsto. Este item de controle é a duração e a data de fim da mesma. Para que a data final seja assegurada existe uma variedade de dados tais como data real de início da atividade, equipe alocada, produtividade e produção da equipe alocada que deve ser analisada em conjunto para se ter um projeção da data de fim e que comparada aos dados planejados podem gerar resultados positivos e negativos. A exemplo disso, destaca-se que em muitos casos pode acontecer da equipe proposta se coincidente com a equipe que foi efetivamente alocada na tarefa porém a mesma não pode alcançar a produtividade e produção necessária para o cumprimento do prazo determinado. Assim, o atraso desta atividade, se não houver uma intervenção, acarretará um atraso em atividades que são suas sucessoras e consequentemente se estiver no caminho crítico implicará no atraso do empreendimento como um todo. Para um acompanhamento é necessário ter um retrato pontual da obra e gerar uma visão de futuro da mesma. Para tal é necessário que sejam coletados os dados da execução do canteiro de obra periodicamente. A periodicidade depende do grau de controle que deseja e os dados

21 12 deverão ser processados gerando relatórios sobre o avanço das atividades e da obra como um todo. Assim, o comparativo entre o planejamento e o realizado será o subsidio para que a administração tome as devidas decisões e ações corretivas que podem ser simplesmente mudança do processo de trabalho ou promover um replanejamento Acompanhamento financeiro O acompanhamento financeiro de uma obra é o controle financeiro da estimativa de custo ou do orçamento que se pretende gastar quando definido na fase de elaboração do plano. Para verificar como estão sendo gastos os recursos financeiros é feito um confronto entre o custo planejado e o custo real. O custo planejado de uma atividade em um determinado período pendente do percentual em que ela evoluiu até aquele momento. O percentual de trabalho feito de uma atividade multiplicado pelo custo planejado total desta atividade e o valor que se deveria gastar com ela. A este valor chamamos de valor do trabalho feito (VTF). = Onde: = Valor do trabalho feito; = Percentual de trabalho feito. Se o gasto foi inferior ou igual ao valor encontrado podemos dizer que esta atividade está sendo bem conduzida e sob controlo financeiramente. Caso contrário, a atividade requer avaliações de cuidados. Nota-se que o custo está diretamente relacionado com a quantidade de trabalho ou serviço executado. Um gráfico de custos planejados comparados com os custos realizados sem considerar o valor do trabalho feito pode indicar simplesmente se ouve um gasto superior ou inferior ao planejado mas não pode concluir se o gasto significa lucro ou prejuízo já que não mediu a quantidade de serviço executado.

22 13 3 MATERIAIS E MÉTODOS Para se comparar diferentes sistemas de produção, devemos, além de demostrar suas diferenças, encontrar aspectos favoráveis de um em relação ao outro. Neste estudo o objetivo central é apontar aspectos do sistema construtivo Jet Casa, no que tange os custos de materiais e mão de obra bem como o planejamento e controle de processos dentro de um canteiro de obras, em relação ao sistema tradicional de construção. Para realização deste objetivo, estudou-se o custo de implantação de um condomínio horizontal, o qual está sendo executado pelo sistema Jet Casa, composto por 452 casas de dois dormitórios (figura 9) e 230 casas de três dormitórios (figura 10), totalizando 682 casas. Figura 9 Planta ilustrativa da casa de dois dormitórios. (Fonte: 2013)

23 14 Figura 10 Planta ilustrativa da casa de três dormitórios. (Fonte: 2013) Foram realizados então os orçamentos e cronogramas físico-financeiros de cada casa para os dois sistemas construtivos analisados. Com a análise destes resultados é possível determinar o sistema mais viável para implantação deste condomínio. Será desprezado deste estudo as etapas em comum entre os dois sistemas abordados, entre elas: custos com o canteiro de obra, corte e aterro, telhado, pintura, assentamento de peças cerâmicas, etc. Bem como outras construções deste condomínio como salões de festas, piscinas, quiosques, vestiários, entre outros. 3.1 ORÇAMENTO Segundo Mattos (2009), a técnica de preparar orçamentos requer muita atenção e habilidade técnica do profissional, pois envolve identificação, descrição, quantificação e análise de uma série de itens. Para se realizar um orçamento condizente com o gasto real da obra, é necessário ter conhecimento detalhado de cada serviço, interpretação aprofundada dos desenhos, planos e especificações da obra, assim como da dificuldade de cada serviço e seus custos de execução. Pode-se dizer que um orçamento é determinado pela somatória dos custos diretos (mão de obra, material e equipamento) e indiretos (equipe de supervisão, despesas gerais do canteiro de obras, taxas, entre outros).

24 15 O orçamento para o sistema construtivo tradicional foi realizado de forma detalhada, sendo utilizada o TCPO 13 (Tabela de Composições de Preços para Orçamentos), que é uma grande coletânea de serviços separados em tabelas, onde cada atividade é composta dos insumos necessários para sua respectiva execução. Cada um desses insumos tem um determinado consumo, e é esse consumo que especifica quantos profissionais serão necessários para a realização de cada tarefa, já considerando os custos dos encargos trabalhistas e perdas de materiais. Neste tipo de orçamento é possível visualizar os custos unitários de cada serviço da obra, levando em conta a mão-de-obra, material e equipamento utilizado na sua execução. Já o orçamento para o sistema Jet Casa foi realizado pelo custo real dos materiais, equipamentos e serviços empregados na obra. Esta quantificação sendo realizada para execução da fundação (radier), produção dos painéis, oitões e lajes e, por fim, transporte e montagem dos mesmos para construção dos dois tipos de casas. Para orçar os custos indiretos para ambos sistemas construtivos, foi considerado o cálculo do BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) de acordo com a seguinte formula: 1 = !" 1+# 1 1 Onde: = Impostos e taxas incidentes sobre faturamento; = Despesas Administração Central; = Despesas financeiras e seguros;!" = Riscos e imprevistos; # = Lucro Bruto. A parcela deverá considerar os valores de PIS, COFINS e ISSQN. A provisão para pagamento do IRPJ e CSLL deverá estar embutida no Lucro Bruto, o resultado final é expresso em porcentagem, que deverá ser considerada no custo final do orçamento. 3.2 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO A diferença entre o cronograma físico e o cronograma financeiro é de que o primeiro faz a especificação das atividades, definindo-se assim o prazo de início e término da obra, bem como para cada atividade e quantifica a porcentagem de cada atividade que será executada em cada fase de obra. Já o cronograma financeiro além de especificar as atividades também discrimina o seu respectivo desembolso mês a mês, o valor de cada atividade e da obra no ponto de vista global.

25 16 O principal objetivo do cronograma físico-financeiro é fornecer dados seguros para o controle da obra, indicar coeficientes de consumo, produção, custo e efeitos das mudanças em função dos caminhos críticos, podendo antecipar atrasos e/ou antecipações que possam ocorrer no decorrer da obra. (XAVIER, 2008) O cronograma será montado com base no Diagrama de Gantt (Tabela 1), pois com este método é possível visualizar a escala de tempo necessária para executar cada tarefa em particular, ou uma sequência delas e o seu tempo de duração. Este gráfico é muito útil, pois deixa clara a relação entre as tarefas, mostrando claramente como funciona o ciclo de produção na construção civil. Tabela 1- Modelo de Diagrama de Gannt Depois de definido os cronogramas para execução das diferentes unidades habitacionais em ambos sistemas construtivos. Como se trata de repetições simples o tempo estimado para conclusão da obra será definido pela progressão aritmética simples: $ = % + 1 & Onde: $ = Número de semanas necessárias para a execução da obra; % = Número de semanas necessárias para a execução de uma unidade habitacional; = Número de unidades habitacionais a serem executadas; e & = Razão

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 1 SERVIÇOS GERAIS 1.1 ADMINISTRAÇÃO PROJETOS COMPLEMENTARES e "as

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DATA agosto/2013 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.2 74209/001 Aquisição e assentamento de placas de obra em aço galvanizado. Abrigo Provisorio de madeira executado na obra para m² 6,00 157,35 944,10 1.3 01520.8.1.1

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m²

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m² 01 01 1.1 01.018.0001-0 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TRÊS RIOS Centro - /RJ Marcação de obra sem instrumento topográfico, considerada a projeção horizontal da área envolvente 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO MONTE CARLO SC JULHO DE 2015 Fazem parte deste projeto: - Projeto Arquitetônico e Detalhes. - Memorial Descritivo. - Orçamento, Cronograma.

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244

ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244 ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244 Objetivo O Sistema Casas Olé tem como objetivo apresentar um novo processo para fabricação de habitações, com alta qualidade, através

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES COHAB-MG Versão 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES HISTÓRICO DAS REVISÕES VERSÃO DATA DESCRIÇÃO 01 01/06/07 Emissão inicial SUMÁRIO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 7 1 SERVIÇOS INICIAIS... 12 1.1 Locações... 12 2 FUNDAÇÕES...

Leia mais

Condomínio de casas. Veja os custos detalhados dessa obra com 1.220,70 m². Características

Condomínio de casas. Veja os custos detalhados dessa obra com 1.220,70 m². Características Condomínio de casas Veja os custos detalhados dessa obra com 1.220,70 m² Características Empreendimento > Área construída de 1.220,70 m² > Casas padrão médio com dois pavimentos > Casas localizadas em

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

PISO EM CONCRETO ARMADO COM TELA E JUNTAS DE DILATAÇÃO (ESP=10CM) - FCK=>20MPa

PISO EM CONCRETO ARMADO COM TELA E JUNTAS DE DILATAÇÃO (ESP=10CM) - FCK=>20MPa CPU 01 SINAPI 88245 ARMADOR COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 0,02 15,05 0,30 SINAPI 88309 PEDREIRO COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 0,26 15,05 3,91 SINAPI 88316 SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 1,94 11,25

Leia mais

CONSTRUÇÃO - BLOCO DE PESQUISADORES - PAVIMENTO TÉRREO

CONSTRUÇÃO - BLOCO DE PESQUISADORES - PAVIMENTO TÉRREO ANEXO XII PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PLANILHA DE ORÇAMENTO UNIDADE: Embrapa Algodão Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- Embrapa Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura-CEN/DRM OBRA: AMPLIAÇÃO DOS

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 7.992,27 1.1 74209/001 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE ACO GALVANIZADO m2 3,91 289,92 1.133,59 1.2 73899/002 DEMOLICAO DE ALVENARIA DE TIJOLOS FURADOS S/REAPROVEITAMENTO

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO.

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO. UNID. QUANT. UNITÁRIO TOTAL CÓD. DEOSP 1. SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 1.2 Aquisição e assentamento de placas de obras pronta de 3,00 x 2,00 m, conforme modelo. Barracão de obra em chapa de madeira compensada

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Objeto: CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE 69/13.8KV 5,0/6,25 MVA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ.

Objeto: CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE 69/13.8KV 5,0/6,25 MVA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ. Assunto: NOTA DE ESCLARECIMENTO N.º 07 Processo: CONCORRÊNCIA N.º 001/2004 Objeto: CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE 69/13.8KV 5,0/6,25 MVA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ. Para todos os Licitantes Tornamos

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE PREÇO UNITÁRIO Cliente: Edificações Obra: CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL DO PARI Local: VÁRZEA GRANDE - MT 1 Estaca raiz diâmetro de 200mm M 1 0102015 Ferreiro (sgsp) H 0,847272

Leia mais

Por que utilizarmos paredes de concreto

Por que utilizarmos paredes de concreto Seminário: Por que utilizarmos paredes de concreto Engenheiro Geraldo Antonio Cêsta Diretor Técnico da Rodobens Negócios Imobiliários ÍNDICE GERAL DA PALESTRA 1. NECESSIDADE DO MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

ITEM DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. 1.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.01 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE ACO GALVANIZADO M2 6,00

ITEM DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. 1.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.01 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE ACO GALVANIZADO M2 6,00 MEMORIAL DE CÁLCULO OBRA: AMPLIAÇÃO DA UNIDADE DE ATENDIMENTO NO DISTRITO DE RIO BRANCO LOCAL: ZONA RURAL, DISTRITO DE RIO BRANCO ÁREA: 77,05M² ITEM DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. QUANT. 1.00 SERVIÇOS

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO

TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO Pelo presente termo, em cumprimento ao disposto no art. 38, da Lei Federal 8666/93 Lei das Licitações, DECLARO aberto o Processo Administrativo

Leia mais

Planilha Orçamentária

Planilha Orçamentária Ministério da Educação Obra: Proinfância - Espaço Educativo Infantil Tipo C BDI adotado Município: SALTO DO CÉU-MT 25% Endereço: Avenida Governador Pedro Pedrossian s/n Planilha Orçamentária ITEM DESCRIÇÃO

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

Escola de Educação Infantil

Escola de Educação Infantil Escola de Educação Infantil Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 300 m² A Características Pátio coberto Refeitório Pátio descoberto minimaternal Térreo Cozinha A Pátio coberto Pátio

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO. Planilha Orçamentária ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. QUANT. PR. UNIT.(R$) VALOR (R$)

PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO. Planilha Orçamentária ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS UNID. QUANT. PR. UNIT.(R$) VALOR (R$) 1.0 1.1 Placa de obra em chapa de aço galvanizado m² 1,00 245,51 245,51 1.2 Locação da obra através de gabarito de tábuas corridas pontaletadas m² 52,00 5,80 301,60 1.3 Ligação provisória de energia elétrica

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m². Recepção Esterilização Assepsia. Lixo. Despensa Ambulatório Farmácia Consultório

Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m². Recepção Esterilização Assepsia. Lixo. Despensa Ambulatório Farmácia Consultório Clínica veterinária Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m² Corte AA B Recepção Esterilização Assepsia Sala de curativos Lavanderia Canil Corte BB A Lavagem Sala de espera Jardim

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM RESERVATÓRIO ELEVADO, UM RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO E UMA CASA DE MÁQUINAS LOCAL DA OBRA: UNIDADE DE ENSINO DE JOÃO CÂMARA

OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM RESERVATÓRIO ELEVADO, UM RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO E UMA CASA DE MÁQUINAS LOCAL DA OBRA: UNIDADE DE ENSINO DE JOÃO CÂMARA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DO PROJETO DE EXPANSÃO Av. Sen. Salgado Filho, 1559, Natal/RN. FONE (084) 4005-2612 OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS CONSTRUÇÃO DO VESTIÁRIODE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS CONSTRUÇÃO DO VESTIÁRIODE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS CONSTRUÇÃO DO VESTIÁRIODE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA HC1 VESTIÁRIO DE FUNCIONÁRIOS Marília/SP ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 Limpeza do Canteiro de Obras. 1,00 vb 1.2 Locação da Obra. 236,69 m² 1.3 Licenças e Taxas. 1,00 vb 1.4 Projeto Arquitetônico. 1,00 vb 1.5 Projeto Estrutural. 1,00 vb 1.6 Projeto

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos Guarujá, 30 janeiro de 2014. Condomínio Edifício Tivoli Garden. Av. Atlântica, 490. Enseada Guarujá - SP. At.: Sr. Wanderley Síndico. Ref: Execução de serviços de construção de sacadas na fachada frontal,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

ANEXO V - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 01 - REDES E RAMAIS Item CATEGORIA Descrição Unidade 01 01 SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO, LABORATÓRIO E CAMPO

ANEXO V - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 01 - REDES E RAMAIS Item CATEGORIA Descrição Unidade 01 01 SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO, LABORATÓRIO E CAMPO 01 01 SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO, LABORATÓRIO E CAMPO 1.1 01.018.0001-0 Marcação de obra sem instrumento topográfico, considerada a projeção horizontal da área envolvente 02 03 2.1 03.010.0022-0 2.2 03.016.0005-1

Leia mais

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA REVOLUCIONÁRIO E SIMPLES SISTEMA DE CONSTRUÇÃO 1 Um negócio bem

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Simplicidade. é obter o máximo, com o mínimo. Koichi Kawana

Simplicidade. é obter o máximo, com o mínimo. Koichi Kawana Simplicidade é obter o máximo, com o mínimo Koichi Kawana Simples Poucas peças formam painéis robustos. Painéis que se travam com facilidade. Não requer mão de obra especializada. Instalações são embutidas

Leia mais

Placostil - Wall Paredes

Placostil - Wall Paredes 0 0 Placostil - Wall Paredes Conceitos Sistema Placostil Wall Paredes É um sistema de paredes de vedações internas constituídas por uma estrutura metálica de chapa de aço galvanizado, sobre a qual se aparafusam,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Carmo de Minas. ENDEREÇO: Rua Luiz Gomes, nº. 150, Bairro: Centro, CEP: 37472-000. CNPJ: 18.188.243/0001-60. ENDEREÇO DA OBRA: Rua Euclides

Leia mais