CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO E RECOMPOSIÇÃO DE ÁREA ERODIDA. UHE ROSAL ROSAL ENERGIA S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB

2 1. OBJETO Execução de projeto executivo para a construção de estrutura de contenção em concreto armado com área mínima de 70m² e recomposição de área erodida no aterro da esquerda hidráulica da ponte existente à jusante da barragem da UHE Rosal e realização da obra projetada. 2. FINALIDADE Esta especificação tem por objetivo normalizar os serviços, indicar as normas e processos de trabalho que devem ser observados na execução, apresentando instruções, recomendações, diretrizes e demais exigências. A execução dos serviços tem como finalidade proteger o aterro existente na cabeceira da ponte com a construção de uma estrutura em concreto armado e recompor o local da área erodida no encontro da ponte existente à jusante da barragem da UHE Rosal, favorecendo as condições de operação e de segurança das estruturas, bem como promover melhorias nas instalações. 3. LOCALIZAÇÃO O Aproveitamento Hidrelétrico de Rosal localiza-se nos municípios de Guaçuí e São José do Calçado no estado do Espírito Santo e Bom Jesus do Itabapoana no estado do Rio de Janeiro, no rio Itabapoana, distante cerca de 430 km de Belo Horizonte. O acesso a partir de Belo Horizonte faz-se pela BR 262 até a cidade de Manhuaçu. A partir daí segue-se no sentido Manhumirim / Carangola até o trevo para Espera Feliz. Nesse trevo, faz-se conversão à esquerda, seguindo em direção a Guaçuí. Em Guaçuí, segue-se em direção a São José do Calçado, percorrendo-se 18km em estrada pavimentada e 12km em estrada não-pavimentada. 4. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS 4.1 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Deverá ser feita a verificação in loco das condições atuais para determinação da solução mais apropriada para a contenção das erosões e desvio de águas pluviais, levando-se em conta os acessos existentes, os recursos disponíveis na região para propiciar condições de trabalho no local e a viabilidade técnica e econômica. Deverá ser projetada e construída uma estrutura de contenção em concreto armado, de modo a garantir a estabilidade do aterro da cabeceira da ponte e que se apresente com uma área mínima de 70m². Essa área tem altura variando entre 4m e 7m e extensão aproximada de 13m.

3 Ressaltamos a necessidade de garantir que a estrutura projetada não interfira negativamente no fluxo hidráulico do curso d água. O projeto deverá ser executado pela CONTRATADA por engenheiro civil habilitado e deverá ser aprovado previamente pela CONTRATANTE. O produto final será o projeto executivo com as especificações técnicas, planilhas de quantitativos e custos e desenhos detalhados das estruturas apresentados em escala conveniente, memórias de cálculo e estudos executados. Os desenhos deverão ser entregues em papel no formato A3 e em meio magnético (CD). O projeto executivo é composto por documentos elaborados em escala conveniente de todos os elementos da obra, necessários à exata execução técnica e artística das estruturas, tais como: Desenhos Planta de localização geral; Desenhos de forma, estrutural (com detalhes da armação, lista de aço e quadro resumo) e de sistemas de drenagem da estrutura e drenagem pluvial; Cortes, detalhes e vistas das estruturas projetadas em quantidade compatível com a obra; Especificações técnicas detalhadas incluindo planilha de quantitativos e custos, memória de cálculo e projeto executivo; Especificação de todos os materiais. Os desenhos deverão ser apresentados no formato padrão apresentado em anexo. Todos os desenhos deverão seguir a Norma Geral de Desenho Técnico da ABNT Formato e Carimbo O Formato e o Carimbo dos arquivos deverão estar de acordo com o arquivo magnético fornecido pela CONTRATANTE. Deverá constar a logomarca e dados do autor do desenho (nome, responsável técnico, etc) Escala As plantas deverão ser apresentadas na escala 1:50, os cortes em escala 1:25 e os detalhes na escala 1:20. Para a execução desse serviço a CONTRATADA deverá obedecer ao disposto nessa especificação e obedecer a todas as normas inerentes às atividades envolvidas.

4 Níveis e Padrões de Cor O padrão de níveis e cores a ser seguido para todos os desenhos elaborados sejam eles em planta ou em corte deverá ser o padrão do programa utilizado. 4.2 CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO Deverá ser construída a estrutura de contenção em concreto armado com área mínima de 70m² projetada pela CONTRATADA e aprovada previamente pela CONTRATANTE no local mostrado nas Fotos 01 e 02, de modo a garantir a estabilidade do aterro da cabeceira da ponte. Foto 01. Vista geral da área, em destaque local de construção da estrutura de contenção. Foto 02. Detalhe do local de construção da estrutura de contenção em concreto armado

5 A estrutura de proteção em placas de concreto existente no local deverá ser demolida para desimpedir o local da fundação da nova estrutura de contenção. O material proveniente desta demolição poderá ser utilizado no reaterro ou terá que ser transportado para local apropriado sob a responsabilidade da CONTRATADA. Caso a estrutura de contenção fique abaixo do greide da estrada, o terreno deverá ser recomposto para apresentar um talude com inclinação compatível com o material a ser utilizado. Esse talude deverá ser protegido por grama plantada em placas e estaqueadas de modo a se fixarem no terreno. Os itens a seguir apresentam métodos e critérios mínimos exigidos pela CONTRATANTE para a execução de obras civis. Apenas os itens pertinentes aos serviços a serem realizados deverão ser incluídos na especificação técnica da CONTRATADA e nortearão a Fiscalização durante o acompanhamento dos serviços. Demais itens que se fizerem necessários deverão ser acrescentados e/ou melhorados pela CONTRATADA em sua especificação técnica Escavações e Preparo das Fundações Objetivo Esta seção estabelece as diretrizes que deverão ser seguidas na limpeza e escavação para recomposição de zonas erodidas, remoção de sedimentos saturados, além de cavas para implantações de estruturas de fundação e de drenagem superficial. Os trabalhos mencionados na presente seção incluem a execução de todas as operações necessárias às escavações, conforme adiante especificado ou determinado pela CONTRATANTE Limpeza e raspagem A limpeza consistirá na remoção de todo o material de origem orgânica e outros materiais nocivos nas áreas dominadas pelas erosões, ou ainda onde determinado pelo CONTRATANTE. A limpeza incluirá, onde necessário, as operações de capina e raspagem até a profundidade suficiente para a remoção de detritos de origem orgânica e de materiais nocivos, pela escavação de uma camada superficial média de 10 cm do terreno e o transporte dos materiais para locais aprovados, de forma que a superfície resultante se apresente completamente livre de materiais indesejáveis, segundo o critério da CONTRATANTE. Os materiais removidos na operação de limpeza deverão ser transportados e depositados nas áreas de bota-fora aprovadas pela CONTRATANTE Escavação a céu aberto Os trabalhos incluem, mas não se limitam a: escavações de materiais terrosos, em locais de empréstimo, de fundação e de implantação de estruturas de drenagem, de sedimentos saturados e submersos e de blocos de rocha em pilha de estoque, seleção, carga, transporte, descarga e conformação em locais de aterro e/ou de bota-fora.

6 Escavação mecanizada Consiste na remoção de solo, rocha decomposta, pedras e blocos soltos e de qualquer outro material que possa ser escavado por equipamentos convencionais, sem o emprego de explosivos Escavação manual Consiste na escavação e remoção de material solto e outros materiais inaceitáveis em locais onde não for possível a utilização de equipamento mecânico ou em áreas onde o emprego deste venha danificar estruturas existentes Escavação manual de valas e cavas para estruturas de fundação e drenagem Consiste na escavação e remoção de solo ou rocha decomposta, por processo manual, com o auxílio de ferramentas manuais, em valas e cavas de fundação. As paredes das valas e cavas deverão ser eventualmente escoradas e estroncadas durante a execução dos serviços, quando colocar em risco a segurança dos operários, ou quando determinado pela CONTRATANTE Processos de escavação a céu aberto A definição dos processos de escavação, conforme descrito nos itens anteriores, será feita pela CONTRATADA e aprovada pela CONTRATANTE. Caso o material ou as condições de trabalho mude com a profundidade, os processos de escavação poderão mudar durante os serviços, com a aprovação da CONTRATANTE Plano de escavação a céu aberto Antes do início da escavação em qualquer área a CONTRATADA submeterá à CONTRATANTE um plano de escavação e o sistema viário pertinente, devendo, no caso de área de empréstimo, apresentar a indicação da cobertura vegetal existente bem como os métodos de conservação do solo remanescente. A CONTRATANTE terá cinco dias para analisar o plano apresentado para posterior decisão com a CONTRATADA. Qualquer modificação neste plano deverá ser solicitada e justificada por escrito à CONTRATANTE, que julgará sua conveniência. Os limites de escavação poderão ser alterados pela CONTRATANTE, dependendo das condições locais, no caso de os materiais apresentarem características diferentes das previstas nos desenhos. As escavações realizadas por conveniência da CONTRATADA, tais como acesso às áreas de trabalho e outras áreas, deverão ser por ele recompostas Métodos de escavação a céu aberto Os métodos a serem adotados para escavação a céu aberto serão condizentes com as especificações técnicas aqui apresentadas.

7 Os métodos que a CONTRATADA pretender adotar serão previamente submetidos à aprovação da CONTRATANTE. A aprovação da CONTRATANTE não isenta nem reduz a responsabilidade da CONTRATADA. As escavações serão feitas de acordo com os limites, taludes e greides mostrados no desenho ou, em casos particulares, como determinado pela CONTRATANTE. A CONTRATADA será plenamente responsável por quaisquer danos causados às obras, pessoas, propriedades ou meio-ambiente por suas ações, ficando por sua conta qualquer reparo que seja necessário Requisitos de escavação para fundações Toda escavação para as fundações das estruturas de contenção das erosões e muros deverá atingir as camadas nas cotas previstas de modo que seja removido todo o material inadequado para tais fundações, conforme as indicações do desenho ou exigido pela CONTRATANTE. Qualquer escavação além desses limites, resultante da negligência da CONTRATADA, deverá ser por ela recomposta com solo compactado às suas expensas, conforme determinado pela CONTRATANTE. A CONTRATANTE procederá à classificação dos materiais obtidos das escavações, indicando os que possuem características aceitáveis para sua inclusão nos reaterros de recomposição. Os materiais inadequados serão removidos do local das escavações e lançados em áreas de bota-fora aprovadas pela CONTRATANTE Requisitos de escavação em locais de empréstimo e de estoque Serão usados como empréstimo de material terroso para recomposição de áreas erodidas os solos adequados obtidos em retaludamento de cortes existentes nas proximidades das áreas a serem restauradas. Deverão ser observadas as eventuais restrições de caráter estrutural e ambiental. A escavação e o transporte poderão ser executados por qualquer método aprovado e próprio para cumprir o objetivo da obra. A terra vegetal resultante da limpeza da área do retaludamento deverá ser estocada para posterior utilização na recomposição vegetal Áreas de bota-fora Os materiais escavados, considerados inadequados, serão lançados em áreas de botafora apropriadas, sob responsabilidade da CONTRATADA Preparo superficial das fundações Concluída a fase de escavação em determinada área, com a aceitação pela CONTRATANTE das cotas e limites finais, a CONTRATADA iniciará a fase de preparo das fundações para os reaterros e estruturas de contenção e drenagem.

8 Preparo de fundação para o reaterro Antes de serem aplicadas as primeiras camadas do reaterro na área erodida, a superfície de fundação deverá estar bem acabada, regularizada e com drenagem eficiente para permitir a compactação da superfície do reaterro a seco Preparo de fundação para as estruturas de contenção e drenagem Todas as faces, taludes e fundo das cavas deverão ser limpos e isentos de pedras e solo soltos ou materiais instáveis. A remoção será feita manualmente com ferramentas convencionais, tais como picaretas, enxadas, pás, alavancas e outras, de tal maneira que o fundo da cava deverá estar bem acabado, regularizado, compactado e com drenagem eficiente para permitir o lançamento da estrutura pertinente. As fraturas e cavidades eventualmente existentes deverão ser limpas e preenchidas com concreto ou argamassa. Nenhuma concretagem poderá ser feita sem a prévia autorização da CONTRATANTE. 4.3 Aterros Objetivo Esta seção estabelece as diretrizes a serem seguidas na execução de reaterros, proteção e obturação e as características que deverão apresentar os materiais, os equipamentos e os métodos de controle de qualidade a serem utilizados. As atividades de recomposição de erosões incluem, mas não se limitam a: Lançamento, espalhamento, homogeneização e compactação dos materiais terrosos oriundos dos locais de empréstimo. Lançamento, espalhamento e compactação da mistura de solo-cimento. Lançamento e rearranjo dos blocos rochosos no talude de proteção. Lançamento e compactação de brita e areia nas zonas de transição e filtro. Solo Os materiais destinados à obturação de erosões serão explorados nos locais destinados a empréstimo, os quais deverão atender a todos os requisitos desta especificação, sendo de inteira responsabilidade da CONTRATADA a obtenção de solos adequados para tais fins. Os materiais com características insatisfatórias, com raízes, grama ou outros constituintes orgânicos perecíveis ou prejudiciais aos reaterros não serão usados. Materiais não liberados pela CONTRATANTE, quando indevidamente lançados na obturação, deverão ser removidos e substituídos. Os equipamentos de compactação serão constituídos de soquetes mecânicos de operação manual (sapo).

9 A CONTRATADA deverá manter o equipamento em boas condições de operação e tomará as providências necessárias para obter a compactação especificada. Deverão ser removidos, do material lançado, todos detritos ou material estranho ao reaterro e depositados nas áreas de bota-fora indicadas. Toda camada já lançada e compactada deverá ser mantida dentro dos limites de teor de umidade ótima, até o lançamento da camada subseqüente. O controle geral da compactação será feito através do acompanhamento permanente e inspeção visual das diversas operações de escavação, lançamento, espalhamento, umidificação, homogeneização e compactação. 4.4 Concreto Objetivo Essa seção tem por objetivo fixar as condições técnicas mínimas a serem cumpridas pela CONTRATADA na execução das estruturas de concreto armado. Abrange a execução de todos os trabalhos de concreto, armadura e forma para as estruturas previstas, de acordo com o desenho de construção, compreendendo, além disso, materiais e equipamentos para a fabricação, transporte, lançamento, adensamento, acabamento e cura Composição Condições gerais O concreto será composto de cimento Portland ou comum, água, areia, agregado graúdo e aditivos que se revelem necessários para a obtenção de melhor trabalhabilidade ou outras propriedades benéficas já comprovadas, desde que aprovadas pela CONTRATANTE Proporções da mistura A proporção nos quais os vários componentes serão usados na composição da mistura será determinada pela CONTRATADA, por qualquer método de dosagem racional, baseado na pesquisa dos agregados e da granulometria mais adequada e na melhor relação água:cimento, com o fim de assegurar uma mistura plástica e trabalhável segundo as necessidades de utilização e um produto que, após cura apropriada e um adequado período de endurecimento, tenha a durabilidade, impermeabilidade e resistência requeridas, sem o uso excessivo de cimento Classes de concreto As resistências características do concreto à compressão (fck) estão indicadas no desenho para cada tipo de estrutura.

10 4.4.3 Materiais Todos os materiais a serem empregados na obra a que se refere essa especificação deverão ser comprovadamente de boa qualidade e serão fornecidos exclusivamente pela CONTRATADA. Caberá à CONTRATANTE a aceitação de todos os materiais e equipamentos a serem utilizados pela CONTRATADA, podendo recusar os que não julgue satisfatórios para a execução dos serviços. Essa aceitação pela CONTRATANTE não exime a CONTRATADA da total responsabilidade pelo desempenho dos materiais utilizados e da obra construída Dosagem e mistura Generalidades O concreto será dosado de modo a se obter misturas trabalháveis, com conteúdo mínimo de água e que, para cada tipo de estrutura, quando curado, satisfaça as exigências de resistência mecânica e durabilidade prevista no projeto. Se for absolutamente necessário, a critério da CONTRATANTE, deverá ser modificada a proporção dos componentes para manter a qualidade requerida por essa especificação, sem ônus para a CONTRATANTE Traço O traço será determinado em função do tipo de estrutura a ser concretada e das condições de trabalhabilidade, resistência mecânica e durabilidade exigidas. Todas as misturas serão objeto, por parte da CONTRATADA, de cuidadosos estudos de traço. A fabricação do concreto a ser aplicado em qualquer das estruturas só poderá ser iniciada depois que o respectivo traço esteja aprovado pela CONTRATANTE Lançamento Meios de lançamento A CONTRATADA deverá providenciar equipamentos capazes de lançar adequadamente qualquer concreto especificado. Os equipamentos e métodos de lançamento só poderão ser utilizados se aprovados pela CONTRATANTE e deverão ser tais que: Possibilite o lançamento do concreto o mais próximo possível de sua posição definitiva; Evite a segregação dos agregados graúdos na massa de concreto. Se tal acontecer, esses agregados serão espalhados antes que o concreto seja vibrado; Evite queda vertical maior que 1,5 m. Quando a altura da queda for maior que 1,5 m, medidas especiais deverão ser tomadas para evitar segregação, tais como abertura de

11 janelas nas formas, colocação de trombas de chapa, emprego de concreto mais plástico e rico em cimento Lançamento convencional O concreto deverá ser lançado antes de decorridos 30 minutos de seu amassamento. O lançamento deverá ser contínuo e tão rápido quanto possível, em camadas horizontais não superiores a 30 cm. Cada camada deverá ser lançada e adensada antes que a betonada precedente tenha iniciado a pega, a fim de se evitar superfícies de separação entre as duas betonadas. Qualquer concreto que tenha endurecido de tal modo que não possa ser assegurada sua colocação adequada deverá ser refugado. Quando os lançamentos terminarem em superfícies inclinadas, a CONTRATADA adensará o concreto nessas superfícies, quando ainda plástico de maneira que seja obtida uma inclinação uniforme e estável Lançamento sobre solo Para o concreto lançado sobre solo, a superfície em contato com o concreto, depois de preparada, deverá estar limpa, compactada e livre de poças d'água. Antes de qualquer concretagem sobre solo será feito um lastro de concreto magro com espessura de pelo menos 5cm, conforme indicado no desenho de projeto e/ou instruções da CONTRATANTE Adensamento do concreto O concreto deverá ser adensado até a densidade máxima praticável através de processos que provoquem a saída do ar, facilitem o arranjo interno dos agregados e melhorem o contato do concreto com as formas e as armaduras. O adensamento do concreto será feito por meio de vibradores. Qualquer tipo de vibração a ser utilizado deverá ser previamente aprovado pela CONTRATANTE. Os lances adicionais de concreto não serão superpostos até que o concreto lançado anteriormente tenha sido completamente vibrado. Os tubos vibratórios não deverão ser introduzido nas faces das formas para não deformálas e evitar a formação de bolhas e de calda de cimento ao longo dos moldes. Deverão ser evitadas vibrações excessivas que possam causar segregação e exsudação Cura Todas as superfícies de concreto exposto ao ar livre deverão ser mantidas continuamente úmidas durante, pelo menos, três dias após o lançamento do concreto.

12 Nos lugares onde não for possível cobrir o concreto com areia, serragem molhada ou outro material semelhante, as superfícies de concreto deverão ser permanentemente irrigadas Acabamentos As irregularidades causadas por deslocamentos ou má colocação da forma, ou por ligamentos soltos ou madeira defeituosa da forma, bem como nichos de concretagem, serão considerados como irregularidades e deverão ser separados, onde ocorrerem, sem ônus para a CONTRATANTE. 4.5 Formas Generalidades As formas, fixações e colocações das mesmas serão executadas pela CONTRATADA, com materiais aprovados pela CONTRATANTE. As formas terão resistência necessária para suportar a pressão resultante do lançamento e vibração do concreto e serão mantidas rigidamente em posição. Elas serão suficientemente estanques para evitar a perda de argamassa, sendo que toda vedação necessária será feita com materiais aprovados pela CONTRATANTE. Onde necessário, serão feitas aberturas nas formas para facilitar a inspeção, limpeza, lançamento e adensamento do concreto. A qualidade de todas as formas será de responsabilidade da CONTRATADA e estará sujeita à aprovação da CONTRATANTE Fixação Os parafusos maciços de fixação das formas permanecerão embutidos e deverão estender-se, da face do concreto, pelo menos dois diâmetros ou duas vezes sua dimensão mínima. Nas paredes cujas faces serão cobertas pelo aterro, as formas poderão ser fixadas pela utilização de tirantes de arame, que deverão ser cortados rente à superfície do concreto após a retirada das formas Limpeza Por ocasião do lançamento do concreto, as formas deverão estar isentas de incrustações de argamassa ou outros materiais estranhos Remoção das formas A desforma da estrutura deverá ser realizada de acordo com os critérios estabelecidos pela ABNT NBR Execução de Estruturas de Concreto Procedimento.

13 As formas serão cuidadosamente removidas tão logo o concreto tenha endurecido e adquirido suficiente resistência, para facilitar a cura e possibilitar o reparo das imperfeições do concreto. 4.6 Armaduras As telas e fios de aço deverão satisfazer as condições gerais impostas pela especificação da ABNT Execução e montagem da armação Limpeza As barras de aço destinadas à confecção das armaduras deverão, no momento de seu emprego, estar perfeitamente limpas, retirando-se as crostas de barro, manchas de óleo, graxas e qualquer outro material nocivo. No caso de, após a limpeza das barras, se verificado que ocorre redução de seção transversal devido à corrosão, elas serão substituídas, sem ônus para a CONTRATANTE. Corte e Dobramento O corte e dobramento das barras deverão ser executados a frio, de acordo com o detalhe do desenho e as prescrições da ABNT. Para isso a CONTRATADA deverá utilizar a quantidade e tipo de equipamento necessário à execução dos serviços. Emendas As emendas das barras serão sempre por justaposição e deverão ser executadas de acordo com os detalhes do desenho. Montagem e amarração A armadura será montada no interior das formas na posição e espaçamentos indicados no desenho, de tal maneira que suporte, sem deslocamento, as operações de lançamento e vibração do concreto. Com o uso de arame as telas serão amarradas em todas as emendas. A posição correta das armaduras será garantida por espaçadores e suportes, juntamente com as ligações entre armaduras. O controle quanto à execução e montagem da armação será exercido pela CONTRATANTE, que fará a verificação da obediência do desenho. Proteção Antes e durante o lançamento do concreto, as plataformas de serviço deverão estar dispostas de modo a não acarretar deformações às armaduras. A camada de concreto para cobrimento da armadura não poderá ser diferente da especificada nos desenhos de

14 projeto. Ela poderá ser obtida com o emprego de blocos pré-moldados de argamassa ou outros dispositivos aprovados pela CONTRATANTE. 4.7 Ancoragens Objetivo Esta seção condiciona os métodos para execução de ancoragens e os ensaios de controle Condições gerais Na execução das ancoragens, a CONTRATADA deverá realizar as perfurações em solo, rocha e ou em concreto, fornecer as barra de aço, calda de cimento, instalar e, se necessário, ensaiar as ancoragens. Os comprimentos estimados para as ancoragens deverão ser mostrados nos desenhos, mas poderão sofrer variações no ato da perfuração, quando então serão ajustados. Na execução, as ancoragens que apresentarem anomalias durante a instalação deverão ser imediatamente substituídas pela CONTRATADA, sem ônus para a CONTRATANTE Execução A execução da perfuração e o fornecimento e instalação dessas ancoragens obedecerão aos seguintes requisitos: - Perfuração Deverá ser seguida rigorosamente a locação indicada no projeto. Os comprimentos previstos das perfurações são aqueles indicados nos desenhos de projeto e o diâmetro compatível com o aço a ser ancorado. O tipo de equipamento e a metodologia de perfuração deverão ser compatíveis com os materiais a serem perfurados, com o comprimento e diâmetro dos furos. É necessária uma rigorosa limpeza dos furos antes da instalação das ancoragens. - Materiais É vedado o uso de cimento armazenado por mais de noventa dias ou que apresente empedramento mesmo que incipiente. - Água A água a ser utilizada deverá ser limpa e fresca, isenta de óleos, ácidos, graxas ou qualquer outra substância agressiva ao cimento, em quantidades prejudiciais.

15 - Dosagem e mistura O cimento e eventuais aditivos deverão ser medidos em peso. Em princípio, o traço água:cimento a ser utilizado será de, no mínimo 0,5. A mistura deverá ser feita durante três minutos no misturador. Importante Qualquer solução ou método alternativo a ser adotado diferente do projeto deverá ser aprovado previamente pela CONTRATANTE e após sua conclusão ser devidamente documentado, através de memória de cálculo, desenhos como construído e outros que se fizerem necessários. Caso os projetos/desenhos referentes a esta especificação sejam revisados, a CONTRATADA deverá inutilizar imediatamente a versão anterior. 5. CONDIÇÕES GERAIS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS 5.1 Saúde e Segurança no trabalho A CONTRATADA deverá atender a todos os itens abaixo: Antes do início dos serviços, deverá ser realizada uma Reunião de Segurança entre um representante da CONTRATANTE, o preposto da CONTRATADA e os empregados que irão trabalhar na obra para a realização de um treinamento de integração, visando o conhecimento das normas internas e de segurança do trabalho da instalação, adequação durante a execução dos serviços e a determinação dos locais onde os serviços deverão ser iniciados. Esta reunião deverá constar no cronograma de execução da obra. A Análise de Risco deverá ser feita com a participação de todos os envolvidos, antes do início do serviço e deverá ser assinada por todos os empregados da CONTRATADA, permanecendo disponível para consulta a qualquer momento no local de trabalho. Participar de eventos de segurança eventualmente solicitados pela instalação onde o serviço está sendo executado, sem ônus para a CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá manter quadro de horário de trabalho, contendo relação de empregados, função e horário detalhado de trabalho. É obrigatória a comunicação à Delegacia Regional do Trabalho da região onde serão realizados os serviços, da previsão do início e tipo do serviço, informando o endereço, a data de término e o número máximo previsto de trabalhadores, conforme estabelecido na NR-18. Elaborar o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) de acordo com o disposto na NR-07.

16 Sinalizar os locais de serviço de acordo com a orientação da Fiscalização da CONTRATANTE, delimitando áreas de trabalho, alertando para o trânsito de veículos e pedestres, proteção contra áreas energizadas etc. Canteiro de Obras O canteiro de obras deverá ser provido de banheiro químico corretamente dimensionado para o número de pessoas envolvidas nos serviços e toda a infra-estrutura necessária para atender aos requisitos de saúde e segurança dos empregados da obra. O canteiro da obra deverá estar localizado fora de áreas energizadas, boas condições de iluminação e ventilação. A localização deverá ser aprovada pela Fiscalização da CONTRATANTE. Deverá ser apresentado à CONTRATANTE, juntamente com a proposta, o croqui do canteiro, cujas instalações deverão estar concluídas antes do início dos serviços. Locais de armazenamento provisório de tintas e solventes devem estar devidamente sinalizados e possuírem extintores de incêndio. Na análise de risco devem ser considerados os fatores de risco/riscos e aspectos e impactos ambientais decorrentes destes locais. Fornecer água potável aos empregados, em condições higiênicas, servida por meio de copos individuais, em recipientes hermeticamente fechados e térmicos, de material adequado e construídos de maneira a permitir fácil limpeza. O lixo doméstico deverá ser acondicionado em sacos plásticos descartáveis convenientemente fechados e em perfeitas condições de conservação e higiene. Ao final da obra deverá ser feita a remoção total do canteiro e a limpeza das áreas ocupadas pela CONTRATADA. Não será permitido, sobre hipótese alguma, o alojamento/acampamento de pessoal na área industrial da usina. Equipamentos e ferramentas As máquinas, veículos, equipamentos, ferramentas e materiais utilizados devem ser inspecionados/mantidos de acordo com orientação do fabricante. As máquinas ou equipamentos utilizados em área de risco elétrico devem ter as carcaças aterradas. Para a realização de serviços com equipamentos energizados deverá ser realizada proteção dos circuitos de alimentação com relés de detecção de corrente de fuga e aterramento. Respeitar rigorosamente as distâncias de segurança determinadas para equipamentos energizados. Confirmar ausência de tensão nos pontos desenergizados.

17 Transporte de pessoas e materiais Estabelecer critérios de credenciamento e reciclagem de motoristas que transportam pessoas. O transporte de pessoas deverá ser previamente autorizado pela autoridade competente. Esta autorização deverá ser mantida no veículo durante todo o tempo. Utilizar ônibus, kombi, vans ou caminhões com cabine extra. Não é permitido o uso de toldo. Não é permitido o transporte de pessoas por equipamento de guindar, salvo as condições especiais previstas na NR-11 e NR O operador do equipamento terá sua função anotada em Carteira de Trabalho. Equipamentos e procedimentos de segurança Fornecer gratuitamente uniforme de trabalho aos empregados e executar sua reposição, quando danificada. Fornecer todo ferramental necessário ao desenvolvimento seguro de cada serviço executado. Fornecer gratuitamente aos empregados todos os equipamentos de proteção individual (EPI) e coletiva (EPC) com o respectivo número do certificado de aprovação CA emitido pelo fabricante. A contratada deverá apresentar ficha individual de controle de EPIs ao iniciar o serviço. Esta ficha deve conter o nº de CA e descrição dos EPI s fornecidos, termo de responsabilidade e evidência de treinamento no uso dos EPI s assinada pelos empregados, conforme NR-6. Fica a CONTRATADA obrigada a fiscalizar o uso desses equipamentos de proteção. Utilizar capacete com jugular sempre que o serviço estiver sendo desenvolvido em altura e/ou a céu aberto. Em trabalhos realizados em altura, os trabalhadores deverão fazer uso do conjunto de cinto de segurança tipo pára-quedista e trava-quedas. Todo trabalho que envolver a montagem de andaimes os mesmos deverão ser montados de acordo com os critérios estabelecidos na NR-18 item 18.15, ou seja, montado por profissional habilitado, guarda-corpo, rodapé, etc. Atestar que todos os envolvidos na execução da tarefa estão fisicamente, psicologicamente e tecnicamente aptos. Apresentar o Atestado de Saúde Ocupacional ASO dos empregados envolvidos. Manter um veículo em tempo integral na obra, viabilizando o atendimento a eventuais emergências. Prever kit emergencial de primeiros socorros em cada equipe de campo.

18 Manter no canteiro da obra o formulário CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) e, em caso de acidente, comunicar ao coordenador da área do órgão imediatamente, providenciar o preenchimento da CAT em 4 vias, enviar para o médico que atender o acidentado, providenciar protocolo da CAT junto ao INSS no máximo no primeiro dia subseqüente ao acidente (levar carteira de trabalho do acidentado), enviar CAT protocolada para órgão responsável da CEMIG logo após a mesma ter sido protocolada pelo INSS e enviar cópia da CAT para o Ministério do Trabalho. Durante as execuções das obras descritas nessa especificação, a CONTRATADA deverá obedecer todas as normas de segurança exigidas pela CEMIG-GT. Informamos que a ocorrência de qualquer acidente grave ou fatal com empregados da CONTRATADA implicará em abertura de processos administrativos e caso seja considerado na análise do acidente culpa ou omissão por parte da CONTRATADA pelo descumprimento da legislação relacionada à segurança do trabalho, esta ocorrência será tratada como inadimplemento contratual. 5.2 Meio Ambiente Tomar cuidado especial com a manipulação e armazenagem de produtos químicos, poluentes ou inflamáveis, que deverão ser feitas em local apropriado (local coberto e abrigado, de acesso restrito, com piso impermeabilizado e com sistema de contenção) e aprovado pela Fiscalização da CONTRATANTE, a fim de evitar derramamento, danos ao meio ambiente e incêndios. É de responsabilidade da CONTRATADA a retirada de todo o entulho/resíduo de qualquer natureza, gerado durante a execução dos serviços descartando-o em local apropriado aprovado previamente pela Fiscalização da CONTRATANTE, conforme a NBR e Resolução 307/2002 do CONAMA. O lixo doméstico gerado durante a execução deverá ser acondicionado em sacos plásticos descartáveis convenientemente fechados e em perfeitas condições de conservação e higiene. Após os términos das obras, deverão ser removidas das áreas de serviços todas as instalações provisórias, inclusive acessos e sobras de materiais, deixando o local em perfeitas condições de utilização e de limpeza. 5.3 Equipe A equipe deverá ser dimensionada de modo que os trabalhos sejam realizados com uma produção uniforme, contínua, com a qualidade requerida e dentro dos prazos estabelecidos. O supervisor dos serviços de campo deverá comprovar experiência em serviços da mesma natureza.

19 5.4 Regime de Trabalho Os serviços deverão ser executados conforme o horário de trabalho da instalação onde o serviço será executado. A prorrogação do horário de trabalho ou trabalho durante os fins de semana e feriados deverá ser aprovado pela Fiscalização da CONTRATANTE. Será assegurado a todo empregado um descanso semanal de 24 (vinte e quatro) horas consecutivas, o qual, salvo motivo de conveniência pública ou necessidade imperiosa do serviço, deverá coincidir com o domingo, no todo ou em parte (Art. 67 da CLT). O trabalho em domingo, seja total ou parcial, será sempre subordinado à permissão prévia da autoridade competente em matéria de trabalho (Ministério do Trabalho e Emprego), conforme a Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 5.5 Materiais Todos os materiais necessários à perfeita execução dos serviços, bem como seu transporte e manuseio, deverão ser fornecidos pela CONTRATADA. Os materiais necessários à execução dos serviços deverão estar sempre em conformidade com o especificado e com as normas da ABNT, devendo ainda ser observado que todo e qualquer material necessário para a execução dos serviços serão de responsabilidade da CONTRATADA, e que serão inspecionados e liberados pela Fiscalização da CONTRATANTE. A utilização de qualquer produto equivalente aos especificados ficará sujeita à aprovação da Fiscalização da CONTRATANTE desde que sejam apresentados dados e/ou documentos técnicos suficientes para a comprovação da equivalência proveniente de empresa/instituição qualificada. Em se tratando de materiais poluentes, cuidados especiais deverão ser tomados para com o meio ambiente e para com os operários (EPIs e EPCs específicos). 5.6 Equipamentos Todos os equipamentos e ferramentas necessários à perfeita execução dos serviços, bem como seu transporte e manuseio, deverão ser fornecidos pela CONTRATADA. Os equipamentos necessários à execução dos serviços deverão estar dentro das normas de fabricação e utilização, devendo ainda ser observado que todo e qualquer equipamento necessário à perfeita execução dos serviços, bem como seus meios de funcionamento, serão de responsabilidade da CONTRATADA. A manutenção deverá estar atualizada conforme especificação do fabricante. Os equipamentos deverão ser operados por pessoa habilitada.

20 Deverão ser utilizados equipamentos em número suficiente para manter uma produção uniforme, contínua e na quantidade requerida para a execução dos serviços nos prazos estabelecidos. Em se tratando de equipamentos poluentes, cuidados especiais deverão ser tomados para com o meio ambiente e para com os operários (EPIs e EPCs específicos). Para utilização de equipamentos que emitam gases poluentes/tóxicos deverão ser previstos sistemas de condução dos gases para o ambiente externo, como exaustores e/ou condutos. Equipamentos que utilizam combustíveis, óleos ou graxas deverão ser dotados de dispositivos de contenção que impeça a contaminação do ambiente em caso de vazamento. Caso ocorra vazamento que não seja contido, a CONTRATADA deverá tomar imediatamente todas as providências para minoração e reparação dos impactos ambientais. 5.7 Normas e regulamentações internas aplicáveis Durante a execução dos serviços descritos nesta especificação a CONTRATADA deverá todas as normas descritas abaixo: NR 6 Equipamentos de Proteção Individual EPI NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional NR 8 Edificações NR 10 Instalações e Serviços em Eletricidade NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais NR 12 Máquinas e Equipamentos NR 17 Ergonomia NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção NR 24 Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho NR 25 Resíduos industriais NR 26 Sinalização de segurança NBR 7211 Agregado para Concreto Especificação 03/2005 NBR 6118 Projeto de Estruturas de Concreto Procedimento 03/2003 NBR Aglomerantes de Origem Mineral 06/1990 NBR 7480 Barras e Fios de Aço Destinados a Armaduras para Concreto Armado 02/1996 NBR Aditivos para Argamassa e Concretos Ensaios de Uniformidade 01/1990 NBR Verificação de Desempenho de Aditivos para Concreto 01/1992 NBR 7203 Madeira Serrada e Beneficiada 02/1982 NBR 7678 Segurança na Execução de Obras e Serviços de Construção 01/1983 NBR Execução de Estruturas de Concreto - Procedimento 04/2004 Todos os empregados e veículos da CONTRATADA estão sujeitos a revista na entrada e saída das instalações da CONTRATANTE.

Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha.

Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha. Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha. UHE SÁ CARVALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS

IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS UHE Emborcação UHE São Simão UHE Nova Ponte CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS E MANUTENÇÃO CIVIL GA/SM 1. OBJETO Implantar

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI.

INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI. INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI. UHE PETI CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB OBJETO Construção de

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO UHE SALTO GRANDE CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Verificação da análise da estabilidade

Leia mais

INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM.

INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM. INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM. UHE BOM JESUS DO GALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-10/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 8 ÍNDICE 1 SERVIÇOS GERAIS 3 1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS 4 1.2 MÁQUINAS E FERRAMENTAS 4 1.3 LIMPEZA PERMANENTE

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

PROJETO BÁSICO 4. LOCAL OS LOCAIS SÃO OS ESPECIFICADOS EM PLANTA ANEXA NO ITEM 16 DESTE PB;

PROJETO BÁSICO 4. LOCAL OS LOCAIS SÃO OS ESPECIFICADOS EM PLANTA ANEXA NO ITEM 16 DESTE PB; PROJETO BÁSICO Nº 6/12 Data 21/11/2012 UO GECOM Situação Autorizado Objeto USO DE ÁREAS DA TRENSURB PARA ESTACIONAMENTOS NO EVENTO ARENA Texto do Projeto Básico: 1. OBJETO: UTILIZAÇÃO PARA FINS COMERCIAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1- GENERALIDADES 1.1- Trata a presente Licitação na execução

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Revitalização do Canteiro da Avenida Santa Luzia Endereço: Avenida Santa Luzia Saída para Uruaçu. Área de Revitalização: 3820,63 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE GALPÃO EM ESTRUTURA METÁLICA COM COBERTURA LONADA TIPO TÚNEL

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE GALPÃO EM ESTRUTURA METÁLICA COM COBERTURA LONADA TIPO TÚNEL ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE GALPÃO EM ESTRUTURA METÁLICA COM COBERTURA LONADA TIPO TÚNEL 1 MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Construção de um Galpão Lonado Local: Av Dr. Rubião Junior

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO

1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO 1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1 OBJETIVOS 2 MATERIAIS 2.1 Aço 2.2 Concreto 2.2.1 Constituintes 2.2.2 Dosagem 2.2.3 Controle tecnológico 3 FORMAS E ESCORAMENTOS 3.1 Formas 3.2 Escoramentos 3.3 Dispositivos

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos CERCAMENTO DE ÁREAS MUROS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO DESCARRE- GADOR DE NAVIOS DO TGS I NO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico Projeto Básico Pintura e reparos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Carlos José Botelho 1.0 Objeto Trata-se de obra de pintura e correção de reparos no edifício da escola, tombado pelo Patrimônio.

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO ANEXO II CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO RESERVATÓRIO APOIADO 1000 m³ BAIRRO DOM BOSCO 1 I - INTRODUÇÃO O presente documento estabelece o procedimento para o pagamento

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. 1. OBJETIVO Estabelecer orientações e diretrizes para execução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS Manuel Adacio Ramos Paulo Médico do Trabalho Subgerência da Vigilância em Saúde do Trabalhador/GVISAM Coordenação de Vigilância em Saúde/SMS/PMSP LISTA

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB LIMPEZA E DESCONTAMINAÇÃO DE PISO EM CONCRETO, APLICAÇÃO DE MICRO-CONCRETO E PINTURA EPOXÍDICA NAS SALAS DE FILTROS E SALAS DE ACESSO AOS CONES DAS UNIDADES DE 1 A 6 DA UHE SÃO SIMÃO. CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO 1. DOS CONCEITOS: Administração: a Universidade Federal de Lavras, como órgão integrante da Administração Pública Federal; Comissão de Fiscalização: servidores designados pelo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-17/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO & ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E DE MEDIÇÃO PONTE SANTA EMÍLIA

MEMORIAL DESCRITIVO & ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E DE MEDIÇÃO PONTE SANTA EMÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO & ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E DE MEDIÇÃO PONTE SANTA EMÍLIA PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Venâncio Aires OBRA : Ponte em Concreto Armado - seção 11,60mx12,20mx4,60m LOCAL : Estrada

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE À CONSTRUÇÃO DE MURO NA ÁREA DE LIMITE DA TAM - TERMI- NAL DE ÁGUA DE MENINOS E ANTIGA CONTE- NOR NO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR- BA. COORDENAÇÃO

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO FOLHA ET-6000-6520-940-TME-002 ET-65-940-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS LONGITUDINAIS PROFUNDOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC CNPJ 83.891.283/0001-36 CONTATO (48)3321-8155 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição:

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Demolições Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Desligamento das linhas de fornecimento de energia elétrica, água, inflamáveis líquidos e gasosos liquefeitos,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

CAPÍTULO II 1. DA RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA/SERVIÇOS PRELIMINARES

CAPÍTULO II 1. DA RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA/SERVIÇOS PRELIMINARES A presente especificação técnica trata da Obra DEMOLIÇÃO E REMOÇÃO DE ENTULHO DO PRÉDIO SEDE DA ANTIGA RETÍFICA AO LADO DA MATERNIDADE ESCOLA SANTA MÔNICA, LOCALIZADO NA AV. COMENDADOR LEÃO, S/Nº, NO BAIRRO

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 RELAÇÃO DOS DOCUMENTOS PADRONIZADOS...

CANTEIRO DE OBRAS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 RELAÇÃO DOS DOCUMENTOS PADRONIZADOS... CANTEIRO DE OBRAS PÁGINA 1/28 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 01 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0101 CONSTRUÇÃO DO CANTEIRO...

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Instalações Elétricas a) Manter quadros de distribuição trancados e circuitos identificados;

Leia mais