INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI."

Transcrição

1 INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A CAPELA DA ESTAÇÃO AMBIENTAL PETI. UHE PETI CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB

2 OBJETO Construção de sistema de tratamento de esgoto sanitário (fossa séptica, filtro anaeróbio e sumidouro) junto à capela da estação ambiental da usina de Peti. 1. FINALIDADE Esta especificação tem por objetivo normalizar os serviços, indicar as normas e processos de trabalho que devem ser observados na execução, apresentando instruções, recomendações, diretrizes e demais exigências. A execução dos serviços tem como finalidade adequar a estação ambiental, obedecendo às legislações ambientais vigentes, bem como promover melhorias nas instalações. 2. LOCALIZAÇÃO A usina hidrelétrica de Peti localiza-se no rio Santa Bárbara, no município de São Gonçalo do Rio Abaixo - MG. O acesso se dá pela BR-262 até o trevo de São Gonçalo do Rio Abaixo, por onde se segue em estrada não-pavimentada por 8km até a usina. A distância a partir de Belo Horizonte é de aproximadamente 100 km. 3. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS 3.1 Construção de Sistema de Tratamento de Esgoto A área para instalação do conjunto fossa séptica, filtro anaeróbio e sumidouro que poderá ser visualizada na Foto 1 -Vista da Capela e na Foto 2 - Localização da caixa de passagem. A instalação será conforme o croqui abaixo.

3 CROQUI SISTEMA DE ESGOTO Foto 1 -Vista da Capela Foto 2 - Localização da caixa de passagem A locação desse sistema será realizada juntamente com a FISCALIZAÇÃO e o pessoal da manutenção e conservação da estação ambiental, após a reunião de integração entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA.

4 3.1.1 Características do conjunto fossa séptica, filtro anaeróbio e sumidouro. A fossa séptica com volume mínimo de litros e o filtro anaeróbio deverão ser fabricados segundo as Normas Técnicas Brasileiras e poderão ser em pré-moldados, em plástico reforçado com fibra de vidro ou em fibra de vidro de alta resistência. O sumidouro poderá ser feito com tijolo maciço ou bloco de concreto ou ainda com anéis pré-moldados de concreto e deverá ter diâmetro mínimo de 1,00 m, profundidade máxima de 3,00 m e volume mínimo de litros. A caixa de inspeção será de 60 cm x 60 cm e 50 cm de profundidade. Deverá ser instalada caixa gradeada de volume mínimo de 30 litros antes do lançamento do esgoto na fossa séptica Passos para instalação do conjunto fossa séptica e filtro anaeróbio. Escavar o buraco onde o conjunto ficará enterrado. O fundo do buraco deve ser compactado, nivelado e coberto com uma camada de 5cm de concreto magro, (1 saco de cimento, 8 latas de areia, 11 latas de brita e 2 latas de água, a lata de medida é de 18 litros). Cuidado: não deixe nenhuma pedra na base. A fossa deverá ser 10 cm mais alta na base/fundo, em relação ao filtro, para haver caimento. Após feito o fundo, colocar a fossa e o filtro, deixando um espaço entre a parede do buraco e a fossa de aproximadamente 10cm. Encaixar os canos da entrada, saída e da junção da fossa e filtro. Testar se a fossa e o filtro não possuem qualquer vazamento, enchendo-os de água e aguardando aproximadamente 1 hora. Com o filtro cheio de água, colocar com cuidado as britas nº 4 (diâmetro máximo de 76 mm) no fundo do filtro, preenchendo até a altura recomendada pelo fabricante. Cuidado: A brita deverá ser colocada com cuidado, para não ocorrer rachaduras no filtro e romper os canos. Ao preencher o filtro com a brita vedar o tampão com Silicone. Preencher as laterais com uma mistura de 10 partes de areia seca para 01 de cimento, somente após a fossa estar cheia. Cuidado: Não preencher o espaço com a fossa vazia, pois poderá ocorrer o rompimento da parede lateral. Acima disso deverá ser feito uma laje ou ser colocado um pré-moldado para sustentar o peso, caso seja colocado terra ou peso sobre a fossa e o filtro. A instalação deverá obedecer rigorosamente às instruções do fabricante, sendo recomendado cuidado especial com os seguintes itens:

5 No transporte e depósito dos equipamentos deverão ser evitados arrastes e impactos de cargas concentradas. As ligações hidráulicas devem ser efetuadas sem esforço das conexões, seguindo o detalhamento do fabricante, observando o caimento e a entrada (mais alta) e saída (mais baixa). Todas as tubulações e conexões serão em PVC, classe A, esgoto série normal, fabricados em conformidade com a NBR5688 de 01/01/1999; É imprescindível a colocação de um suspiro entre as instalações sanitárias e a fossa. Para isso deverá ser instalada na tubulação, de preferência junto à parede da edificação, uma luva de 100mm com saída superior reduzida para 50mm. Nesta saída coloca-se o tubo de 50mm em PVC com altura mínima de 3 metros. A construção do sumidouro começa pela escavação do buraco, a cerca de 3m da fossa séptica e num nível um pouco mais baixo, para facilitar o escoamento dos efluentes por gravidade. A profundidade do buraco deve ser 70 cm maior para permitir a colocação de uma camada de brita n 4 (diâmetro máximo de 76 mm) e de uma camada de terra, de 20cm, sobre a tampa do sumidouro. Os tijolos ou blocos só devem ser assentados com argamassa de cimento e areia nas juntas horizontais. As juntas verticais devem ter espaçamentos (no caso de tijolo maciço de um tijolo e no caso de bloco de 2 cm, sem preenchimento), e se em pré-moldados, eles devem ser apenas colocados uns sobre os outros, sem nenhum rejuntamento, para permitir o escoamento dos efluentes. A laje da tampa do sumidouro deverá ser executada em placas de concreto pré-moldado, no traço 1:3:4 (cimento, areia grossa lavada e brita ou seixo n.º 0) com espessura mínima de 7cm. Devendo ser executada de acordo com as dimensões de projeto, de modo que será prevista uma abertura de acesso, com tampa removível, destinada à manutenção do sumidouro, cuja menor dimensão em seção, será de 0,60m, a mesma deverá ser chumbada à tampa principal através de argamassa de cimento e areia no traço 1:4. Com relação ao ferro da armadura será na bitola 5,0mm tipo CA-60 a cada 10cm, nos dois sentidos. Após a conclusão do sumidouro deverá ser procedido o reaterro dos espaços vazios com o material proveniente da escavação que deverá ser apiloado com a utilização de estacas com diâmetro de 10cm. Após a conclusão dos serviços deverá ser realizada pela CONTRATADA juntamente com a FISCALIZAÇÃO uma inspeção de todo o sistema, que constará na apresentação de funcionamento, manutenção e normas de segurança. Importante Qualquer solução ou método alternativo a ser adotado diferente do projeto deverá ser aprovado previamente pela CEMIG GT e após sua conclusão ser devidamente documentado, através de memória de cálculo, desenhos como construído e outros que se fizerem necessários. Caso os projetos/desenhos referentes a esta especificação sejam revisados, a CONTRATADA deverá inutilizar imediatamente a versão anterior.

6 4. CONDIÇÕES GERAIS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS 4.1 Saúde e Segurança no trabalho Antes do início das atividades, deverá ser realizada uma Reunião de Integração e Segurança entre um representante da CONTRATANTE, o Engenheiro Responsável e o Supervisor de Serviços, ambos da CONTRATADA e os empregados que irão trabalhar na obra. A Reunião visa conhecimento das normas internas e de segurança do trabalho da instalação, adequação durante a execução e a determinação dos locais onde os serviços deverão ser iniciados. A Análise de Risco deverá ser feita com a participação de todos os envolvidos, antes do início do serviço e deverá ser assinada por todos os empregados da CONTRATADA, permanecendo disponível para consulta a qualquer momento. A CONTRATADA deverá manter quadro de horário de trabalho, contendo relação de empregados, função e horário detalhado de trabalho. Elaborar o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) de acordo com o disposto na NR-07. Sinalizar os locais de serviço de acordo com a orientação da Fiscalização da CEMIG GT, delimitando áreas de trabalho, alertando para o trânsito de veículos e pedestres, proteção contra áreas energizadas etc. Fornecer água potável aos empregados, em condições higiênicas, servida por meio de copos individuais, em recipientes hermeticamente fechados e térmicos, de material adequado e construídos de maneira a permitir fácil limpeza. O lixo doméstico deverá ser acondicionado em sacos plásticos descartáveis convenientemente fechados e em perfeitas condições de conservação e higiene. Ao final da obra deverá ser feita a remoção total do canteiro e a limpeza das áreas ocupadas pela CONTRATADA. Não será permitido, sobre hipótese alguma, o alojamento/acampamento de pessoal na área industrial da usina. Equipamentos e ferramentas As máquinas, veículos, equipamentos, ferramentas e materiais utilizados devem ser inspecionados/mantidos de acordo com orientação do fabricante. As máquinas ou equipamentos utilizados em área de risco elétrico devem ter as carcaças aterradas. Para a realização de serviços com equipamentos energizados deverá ser realizada proteção dos circuitos de alimentação com relés de detecção de corrente de fuga e

7 aterramento. Respeitar rigorosamente as distâncias de segurança determinadas para equipamentos energizados. Confirmar ausência de tensão nos pontos desenergizados. Transporte de pessoas e materiais Estabelecer critérios de credenciamento e reciclagem de motoristas que transportam pessoas. O transporte de pessoas deverá ser previamente autorizado pela autoridade competente. Esta autorização deverá ser mantida no veículo durante todo o tempo. Utilizar ônibus, kombi, vans ou caminhões com cabine extra. Não é permitido o uso de toldo. Não é permitido o transporte de pessoas por equipamento de guindar, salvo as condições especiais previstas na NR-11 e NR O operador do equipamento terá sua função anotada em Carteira de Trabalho. Equipamentos e procedimentos de segurança Fornecer gratuitamente uniforme de trabalho aos empregados e executar sua reposição, quando danificada. Fornecer todo ferramental necessário ao desenvolvimento seguro de cada serviço executado. Fornecer gratuitamente aos empregados todos os equipamentos de proteção individual (EPI) e coletiva (EPC) com o respectivo número do certificado de aprovação CA emitido pelo fabricante. A contratada deverá apresentar ficha individual de controle de EPIs ao iniciar o serviço. Esta ficha deve conter o nº de CA e descrição dos EPI s fornecidos, termo de responsabilidade e evidência de treinamento no uso dos EPI s assinada pelos empregados, conforme NR-6. Fica a CONTRATADA obrigada a fiscalizar o uso desses equipamentos de proteção. Utilizar capacete com jugular sempre que o serviço estiver sendo desenvolvido em altura e/ou a céu aberto. Em trabalhos realizados em altura, os trabalhadores deverão fazer uso do conjunto de cinto de segurança tipo pára-quedista e trava-quedas. Todo trabalho que envolver a montagem de andaimes os mesmos deverão ser montados de acordo com os critérios estabelecidos na NR-18 item 18.15, ou seja, montado por profissional habilitado, guarda-corpo, rodapé, etc. Atestar que todos os envolvidos na execução da tarefa estão fisicamente, psicologicamente e tecnicamente aptos. Apresentar o Atestado de Saúde Ocupacional ASO dos empregados envolvidos.

8 Manter um veículo em tempo integral na obra, viabilizando o atendimento a eventuais emergências. Prever kit emergencial de primeiros socorros em cada equipe de campo. Manter no canteiro da obra o formulário CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) e, em caso de acidente, comunicar ao coordenador da área do órgão imediatamente, providenciar o preenchimento da CAT em 4 vias, enviar para o médico que atender o acidentado, providenciar protocolo da CAT junto ao INSS no máximo no primeiro dia subseqüente ao acidente (levar carteira de trabalho do acidentado), enviar CAT protocolada para órgão responsável da CEMIG logo após a mesma ter sido protocolada pelo INSS e enviar cópia da CAT para o Ministério do Trabalho. Durante as execuções das obras descritas nessa especificação, a CONTRATADA deverá obedecer todas as normas de segurança exigidas pela CEMIG-GT. Informamos que a ocorrência de qualquer acidente grave ou fatal com empregados da CONTRATADA implicará em abertura de processos administrativos e caso seja considerado na análise do acidente culpa ou omissão por parte da CONTRATADA pelo descumprimento da legislação relacionada à segurança do trabalho, esta ocorrência será tratada como inadimplemento contratual. 4.2 Meio Ambiente Tomar cuidado especial com a manipulação e armazenagem de produtos químicos, poluentes ou inflamáveis, que deverão ser feitas em local apropriado (local coberto e abrigado, de acesso restrito, com piso impermeabilizado e com sistema de contenção) e aprovado pela Fiscalização da CEMIG GT, a fim de evitar derramamento, danos ao meio ambiente e incêndios. É de responsabilidade da CONTRATADA a retirada de todo o entulho/resíduo de qualquer natureza, gerado durante a execução dos serviços descartando-o em local apropriado aprovado previamente pela Fiscalização da CEMIG GT, conforme a NBR e Resolução 307/2002 do CONAMA. O lixo doméstico gerado durante a execução deverá ser acondicionado em sacos plásticos descartáveis convenientemente fechados e em perfeitas condições de conservação e higiene. Após os términos das obras, deverão ser removidas das áreas de serviços todas as instalações provisórias, inclusive acessos e sobras de materiais, deixando o local em perfeitas condições de utilização e de limpeza. 4.3 Equipe A equipe deverá ser dimensionada de modo que os trabalhos sejam realizados com uma produção uniforme, contínua, com a qualidade requerida e dentro dos prazos estabelecidos. O supervisor dos serviços de campo deverá comprovar experiência em serviços da mesma natureza.

9 Toda frente de trabalho deverá contar com um supervisor de serviço, habilitado e capacitado para a atividade. A Fiscalização poderá solicitar a substituição do supervisor sempre que julgar a incapacidade deste. 4.4 Regime de Trabalho Os serviços deverão ser executados conforme o horário de trabalho da instalação onde o serviço será executado. A prorrogação do horário de trabalho ou trabalho durante os fins de semana e feriados deverá ser aprovado pela Fiscalização da CEMIG GT. Será assegurado a todo empregado um descanso semanal de 24 (vinte e quatro) horas consecutivas, o qual, salvo motivo de conveniência pública ou necessidade imperiosa do serviço, deverá coincidir com o domingo, no todo ou em parte (Art. 67 da CLT). O trabalho em domingo, seja total ou parcial, será sempre subordinado à permissão prévia da autoridade competente em matéria de trabalho (Ministério do Trabalho e Emprego), conforme a Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 4.5 Materiais Todos os materiais necessários à perfeita execução dos serviços, bem como seu transporte e manuseio, deverão ser fornecidos pela CONTRATADA. Os materiais necessários à execução dos serviços deverão estar sempre em conformidade com o especificado e com as normas da ABNT, devendo ainda ser observado que todo e qualquer material necessário para a execução dos serviços serão de responsabilidade da CONTRATADA, e que serão inspecionados e liberados pela Fiscalização da CEMIG GT. A utilização de qualquer produto equivalente aos especificados ficará sujeita à aprovação da Fiscalização da CEMIG GT desde que sejam apresentados dados e/ou documentos técnicos suficientes para a comprovação da equivalência proveniente de empresa/instituição qualificada. Em se tratando de materiais poluentes, cuidados especiais deverão ser tomados para com o meio ambiente e para com os operários (EPIs e EPCs específicos). 4.6 Equipamentos Todos os equipamentos e ferramentas necessários à perfeita execução dos serviços, bem como seu transporte e manuseio, deverão ser fornecidos pela CONTRATADA. Os equipamentos necessários à execução dos serviços deverão estar dentro das normas de fabricação e utilização, devendo ainda ser observado que todo e qualquer equipamento necessário à perfeita execução dos serviços, bem como seus meios de funcionamento, serão de responsabilidade da CONTRATADA. A manutenção deverá estar atualizada conforme especificação do fabricante.

10 Os equipamentos deverão ser operados por pessoa habilitada. Deverão ser utilizados equipamentos em número suficiente para manter uma produção uniforme, contínua e na quantidade requerida para a execução dos serviços nos prazos estabelecidos. Em se tratando de equipamentos poluentes, cuidados especiais deverão ser tomados para com o meio ambiente e para com os operários (EPIs e EPCs específicos). Para utilização de equipamentos que emitam gases poluentes/tóxicos deverão ser previstos sistemas de condução dos gases para o ambiente externo, como exaustores e/ou condutos. Equipamentos que utilizam combustíveis, óleos ou graxas deverão ser dotados de dispositivos de contenção que impeça a contaminação do ambiente em caso de vazamento. Caso ocorra vazamento que não seja contido, a CONTRATADA deverá tomar imediatamente todas as providências para minoração e reparação dos impactos ambientais. 4.7 Normas e regulamentações internas aplicáveis Durante a execução dos serviços descritos nesta especificação a CONTRATADA deverá atender todas as normas técnicas, regulamentadoras e internas da CONTRATANTE, além de toda a legislação pertinente referente à atividade a ser executada. A CONTRATADA deverá obedecer e atender a todos os requisitos necessários do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade, Saúde e Segurança) da CONTRATANTE. Todos os empregados e veículos da CONTRATADA estão sujeitos à revista na entrada e saída das instalações da CONTRATANTE. 5. QUANTITATIVOS E CUSTOS Na ocasião da composição de preços para a execução dos serviços, é desejável que a PROPONENTE faça uma visita ao local dos serviços para pleno conhecimento das condições locais e dos trabalhos a serem executados. Deverá ser apresentada proposta com preço global, incluindo todas as atividades descritas na especificação técnica e desenhos de projeto. Os elementos quantitativos da planilha anexa são meramente informativos e, em conseqüência, não significam obrigação contratual por parte da CEMIG GT. Caberá à PROPONENTE a total responsabilidade pelo levantamento dos quantitativos. O prazo de execução do serviço será contado a partir da data fixada na Autorização de Início de Serviço. A Reunião de Integração e Segurança em campo deverão ser realizadas nesta data, preferencialmente. O PROPONENTE deverá incluir nos preços dos serviços da planilha o fornecimento de materiais, ferramentas, equipamentos, mão-de-obra, encargos, EPIs, EPCs, transporte,

11 alimentação, hospedagem e tudo mais que se fizer necessário à perfeita execução dos serviços. Os valores apresentados na planilha contemplarão todas as despesas envolvidas na manutenção dos equipamentos a serem utilizados nos serviços, incluindo combustíveis, lubrificantes, reparos, peças de reposição, mão-de-obra para manutenção etc. 6. NORMAS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO Item1 da Planilha Mobilização e Instalação de Canteiro O valor desses itens (da planilha de eventos) é a compensação integral de todas as despesas necessárias à instalação do canteiro de obra, execução de melhorias nas estradas de acesso ao local das obras, construção de instalações provisória como coleta de lixo, sistema de iluminação, condições de alojamento e refeição para o pessoal envolvido e transporte de materiais e equipamentos necessários para o início da obra, incluindo materiais, ferramentas, equipamentos, mão-de-obra, encargos, EPIs, EPCs, transporte, alimentação, hospedagem, e tudo mais que se fizer necessário à perfeita execução destes itens. O pagamento desses itens será efetuado 30 dias após sua perfeita execução e conclusão de acordo com a especificação técnica e normas pertinentes, aceite pela Fiscalização e apresentação de todos os documentos e cumprimento de todas as instruções para preenchimento de notas fiscais. Item 2 da Planilha Instalação e fornecimento de fossa séptica, filtro anaeróbio e sumidouro Esse item (da Planilha de eventos) será medido após a perfeita execução e conclusão do evento, de acordo com a especificação técnica e normas pertinentes, aceite pela Fiscalização e apresentação de todos os documentos e cumprimento de todas as instruções para preenchimento de notas fiscais. O valor desse item é a compensação integral de todas as despesas necessárias à sua perfeita execução conforme especificação técnica e normas aplicáveis, e inclui o fornecimento de todos os materiais, ferramentas, equipamentos, mão-de-obra, encargos, EPIs, EPCs, transporte, alimentação, hospedagem e tudo mais que se fizer necessário à execução dos serviços. Item 3 da Planilha - Desmobilização e Limpeza Final O valor desse item (da Planilha de eventos) é a compensação integral de todas as despesas necessárias à remoção do canteiro de obras, recuperação de danos decorrentes das atividades, desmontagem e transporte das instalações provisórias, retirada de sistemas de iluminação e alojamentos, a limpeza das áreas envolvidas na execução dos serviços e retirada dos materiais e equipamentos utilizados, incluindo materiais, ferramentas, equipamentos, mão-de-obra, encargos, EPIs, EPCs, transporte,

12 alimentação, hospedagem, e tudo mais que se fizer necessário à perfeita execução deste item. Os valores correspondentes aos itens limpeza final e desmobilização somente serão pagos após a remoção total do canteiro de obras e limpeza das áreas ocupadas pela CONTRATADA e devidamente aceitas pela CEMIG GT. 7. FORNECIMENTO PELA CEMIG GT Será fornecido pela CEMIG GT pontos de energia e água. 8. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Especificação Técnica Anexos - Instruções para emissão da nota fiscal e apresentação dos documentos - Planilha de Custos - Planilha de Eventos

13 Anexos

14 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EMISSÃO DA NOTA FISCAL ITEM DOCUMENTO DETALHAMENTO SEGURANÇA QUANDO SERÁ EXIGIDO 1 PCMSO - Programa de Controle Médico e de Saúde Ocupacional Ficha de Controle de EPI s e EPC constando o C.A e declaração de treinamento Declaração de responsabilidade Atestado de Saúde Ocupacional Quadro de Horário de Trabalho Habilitação para operação de equipamentos próprios para manejo de carga Registro atualizado de manutenção dos equipamentos Declaração de responsável técnico pelo serviço com o respectivo CREA Declaração contendo o nome do supervisor que irá acompanhar a obra em tempo integral e será responsável pela documentação. Documento original em papel timbrado Deve ser apresentado no início do contrato e renovado anualmente 2 PCMAT - Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Documento original em papel timbrado 3 Relação oficial dos funcionários que irão executar o serviço assinado por representante legal da empresa Documento original em papel timbrado 4 Cópia do contrato de trabalho individual e registro na carteira de trabalho Cópia da guia de recolhimento da Previdência Social Seguro de vida dos empregados Xerox legível 5 Os equipamentos elétricos deverão ser aterrados Todo o transporte, movimentação e armazenamento de material é de responsabilidade da CONTRATADA O veículo da CONTRATADA deverá ser identificado, estar de acordo com as normas de transprote de produtos perigosos (se transportá-los), estar em condições de segurança conforme código de trânsito Vigente 6 Todos os equipamentos, ferramentas e materiais inclusive cintas, devem ser fornecidos pela CONTRATADA e são de sua responsabilidade o manuseio e guarda dos mesmos. 7 Todo serviço fora do horário de trabalho deverá ser precedido da aprovação da contratante e comunicado ao setor de segurança patrimonial. Só serão liberados para a entrada os empregados que apresentarem crachá de identificação e presença do nome na relação de funcionários 8 Toda mão-de-obra para execução do serviço será fornecida pela CONTRATADA 9 Os empregados da CONTRATADA somente executarão serviços indicados pelo supervisor de sua empresa 10 A empresa contratante não fornecerá EPI S, Crachás, uniformes ou quaisquer outros identificadores a CONTRATADA 11 Será vetado à CONTRATADA a contratação de outras subprestadoras de serviço além daquelas negociadas com a contratante 12 CIPA (para empresas com mais de 19 empregados) 13 Comprovante de treinamentos para funcionários ligados diretamente à área de risco elétrico Comprovante de registro da CIPA, formação da CIPA conforme NR 05, calendário de reuniões e atas, comprovante de treinamento de membros da CIPA Em papel timbrado, documento original e xerox descrevendo os cursos realizados para cada empregado 14 Atestado Médico Periódico Xerox legível e documento original conforme prazos estabelecidos no PCMSO

15 INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS ITEM DOCUMENTO DETALHAMENTO 1 Prova do registro do contrato e suas alterações no CREA, (ART carimbada) PESSOAL Uma via original do documento registrado QUANDO SERÁ EXIGIDO 2 Matrícula da obra no INSS (no primeiro faturamento) e Xerox legível CND atualizada no último faturamento Relação oficial dos empregados que irão executar o serviço assinado por representante legal da empresa CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social) - comprovando o registro do empregado Cópia do contrato de trabalho individual dos empregados que irão executar o serviço 6 Apólice do seguro contra acidentes Documento original em papel timbrado Xerox legível da página com a foto do empregado Xerox legível da página com a identificação do empregado Xerox legível da página com o registro do empregado Xerox legível 7 Folha de pagamento (contra-cheque) mês anterior Xerox legível 8 Guia de Previdência Social - GPS - mês anterior Xerox legível Início da vigência do contrato e sempre que houver alterações (admissão/demissão) de empregados Xerox legível da relação da seguradora, em papel timbrado e documento original, com a indicação dos empregados segurados naquele mês, com as seguintes informações: nome completo do segurado, No primeiro faturamento e documento de identificação, valores do capital anualmente segurado e do prêmio mensal de cada um. Xerox legível da guia de recolhimento e documento original 9 Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social GFIP, com a respectiva folha de pagamento, e o comprovante de entrega Xerox legível 10 Comprovante de quitação final, em caso de demissão Xerox legível Guia de recolhimento rescisório do FGTS e informações à Previdência Social GRFP, com o comprovante de entrega Guia de arrecadação, devidamente quitada, comprobatória do recolhimento do ISS relativo à nota fiscal anterior, perante o município da prestação do serviço, ou, retenção na fonte, pela CEMIG GT, observada a legislação municipal específica 13 SEFIP Xerox legível Xerox legível Relação dos trabalhadores constantes no arquivo SEFIP - xerox legível 14 Relatório de Análise de Acidente de Trabalho Xerox legível e documento original 15 Comunicação Acidente do Trabalho (CAT) - carimbada 16 Destacar o ISS Xerox legível e documento original INSTRUÇÕES PARA EMISSÃO DAS NOTAS FISCAIS / FATURAS Junto com a NF/Fatura Após o acidente, se ocorrer Destacar a retenção para Seguridade Social, conforme Instrução Normativa do INSS em vigor.as deduções com material ou outro item deverão ser comprovadas mediante apresentação de documentos. Em se tratando de prestação de serviços em áreas insalubres e perigosas, deverá ser emitida nota fiscal/fatura específica destacando-se a base de cálculo para aplicação do percentual adicional da retenção relativa aos segurados envolvidos, nos termos da Instrução Normativa nº 100, de 18/12/ Indicar o número do contrato e a descrição do evento a que corresponder o pagamento 20 A nota fiscal/fatura deverá ser apresentada, impreterivelmente, até o dia 21 do mês do exercício dos serviços, sob pena de, não o fazendo, o contratado(a) arcar com os ônus decorrentes de multas incidentes pelo não-recolhimento, pela CEMIG, na data aprazada, da retenção para a Seguridade Social

IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS

IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS IMPLANTAÇÃO DE MARCOS GEODÉSICOS GEORREFERENCIADOS UHE Emborcação UHE São Simão UHE Nova Ponte CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS E MANUTENÇÃO CIVIL GA/SM 1. OBJETO Implantar

Leia mais

Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha.

Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha. Construção de Estruturas em Concreto Armado e Instalação de Guias Metálicas para a Comporta de Fundo da Barraginha. UHE SÁ CARVALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO UHE SALTO GRANDE CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Verificação da análise da estabilidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO PREGÃO ELETRÔNICO 010/2010 ITEM 15.1.5 NEXO V DOCUMENTOS SEREM OBRIGTORIMENTE PRESENTDOS PR LIBERÇÃO DOS PGMENTOS NOME D EMPRES CONTRTD: Nº DO CONTRTO: NO Item DOCUMENTOS DETLHMENT O QUNDO EXIGIR DOCUMENTO

Leia mais

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 14595/2012 Folha nº Informações e/ou despachos ERRATA Nº 01/2014 Nº do edital: Pregão Presencial nº 0054/2014 Área Técnica Responsável:

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO

CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURA DE CONTENÇÃO EM CONCRETO ARMADO E RECOMPOSIÇÃO DE ÁREA ERODIDA. UHE ROSAL ROSAL ENERGIA S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Execução de projeto executivo para

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJETO BÁSICO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJETO BÁSICO ANEXO XII PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer as normas e encargos que presidirão o desenvolvimento do trabalho de revisão/execução de aterramento e

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO Versão MMF 05/2014 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO MANUAL DE INSTRUÇÃO MAXFOSSA A Mondialle, tradicional fabricante de banheiras de hidromassagem em fibra

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora do Hospital Regional do Cariri HRC E do Hospital Regional Norte -HRN, está realizando

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO

TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO Padronização da caixa de amostragem industrial e/ou comercial de efluentes. 1. Localização e infra estrutura da caixa de amostragem de efluentes: 1.1 Esta caixa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES info@qualityassociados.com.br Existem documentos e avisos que, por determinação legal, devem obrigatoriamente, permanecerem afixados em local

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora das UAPS Unidades de

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 5 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos de manutenção e uso dos Equipamentos de Proteção Individual para controlar riscos ambientais e ocupacionais. 2- Aplicação:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA DE LIXO HOSPITALAR E COMERCIAL.

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA DE LIXO HOSPITALAR E COMERCIAL. INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA DE LIXO HOSPITALAR E COMERCIAL. O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora das UAPS Unidades de

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM.

INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM. INSTALAÇÃO DE TIRANTES, CONSTRUÇÃO DE MUROS E ESTABILIZAÇÃO DO TALUDE NA MARGEM DIREITA À JUSANTE DA BARRAGEM. UHE BOM JESUS DO GALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais