Des ign de I nter AÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Des ign de I nter AÇÃO"

Transcrição

1 Des ign de I nter face Alex F. T. Primo A inter face Design de inter face Elementos da inter face Background Janelas e painéis Botões e ícones I magens O conceito de inter face aplicado es pecificamente à infor mática " des igna um dispositivo que gar ante a comunicação entr e dois sistemas informáticos distintos ou um sistema infor mático e uma r ede de comunicação. Nesta acepção do ter mo, a inter face efetua es s encialmente oper ações de transcodificação e de adminis tração dos fluxos de infor mação" (Lévy, 1993, p. 176). Já o que s e chama de inter face homem/máquina r efer e- s e aos aparelhos materiais (hardware) e pr ogr amas (software) que fazem a mediação de comunicação entre um sistema infor mático e s eus usuários humanos. Lévy aponta que o conceito de inter face r emete a oper ações mais gerais como tradução e estabelecimento de contato entre meios heterogêneos. Dessa for ma ela manter ia j untas duas dimensões do devir : o movimento e a metamor fos e. Sendo assim, aponta que a inter face trabalha com a pas s agem. Conclui então que a inter face é por tanto " uma s uper fície de contato, de tradução, de ar ticulação entr e dois espaços, duas espécies, duas ordens de r ealidade difer entes : de um código para outr o, do analógico par a o digital, do mecânico par a o humano... Tudo aquilo que é tradução, transformação, passagem, é da or dem da inter face" (p. 181). S egundo Er ic Jus ti n Gould (1995), o design de inter faces precisa es tar em harmonia com o conteúdo. Em um primeiro momento, porém, é pr ecis o s aber com quem se comunica. Ele pr opõe que nos imaginemos como um botão na tela olhando par a for a do monitor. Que s e vê? Que ex pr essão a pessoa do outro lado do monitor tem? Onde es tão (no tr abalho, em casa)? Quanto de s ua atenção ele está dedicando? Ques tões como es s as devem ser levantadas para que o pr oduto s e adeqüe à s ua audiência. Gould ir onicamente lembr a que ex is tem apenas duas indústrias que denominam o s eu público como usuários: a que vende tecnologia e a que vende dr ogas. Devemos tratar nosso público como mer os usuários? Ou como leitor es, espectadores? Ou como par ticipantes? A maneir a como vemos nossa audiência deter minar á a qualidade do pr oduto e condicionar á o tr atamento dado ao título multimídia. É preciso lembr ar também que o pr oduto final terá impacto s obr e o público. Da mes ma for ma como as interações diárias, formais ou informais, nos afetam emocionalmente, determinam a maneir a como nos relacionamos conosco, com os outros e com o mundo, o computador tem um impacto s obr e nós e nosso compor tamento. Portanto, precisamos estudar com profundidade as características que conferimos ao pr oduto multimídia. O es tilo de engaj amento pr opos to pelo pr oduto pode s upor tar a intenção nar r ativa ou antagonizá-la, quebrando a r elação com o pr oduto. Cada meio de comunicação motiva difer entes sentidos, os quais em combinação cr iam um todo perceptivo. Além das tradicionais motivações sensoriais dos meios de comunicação (sons, imagens, etc.) a multimídia acr es centa outr o ingr ediente motivacional à r eceita: a par ticipação da audiência. Mas como essa capacidade de par ticipação ainda é um elemento bas tante r ecente, torna-se o elemento mais imaturo da multimídia. "Não é bem compreendido, não possui uma linguagem de design, e ainda não evoluiu como uma tar efa de comunicação nem artisticamente, nem praticamente" (Gould, 1995, p. 87). O mes mo autor entende que " Em termos grosseiros, interface significa o lugar onde a pes s oa e o sistema s e encontram. É o ponto de contato, o limite e a ponte entr e o conteúdo e o leitor " (p. 87). Em multimídia, segundo ele, isso inclui tudo des de a or ganiz ação do mater ial ao layout da tela, até a maneira como as pessoas usam suas mãos e dedos. Devido a es s a var iedade de elementos, Gould s uger e que o es tudo de inter faces seja dividido em três grandes grupos de des ign: design de infor mação, design de inter face, e des ign de inter ação. Essa divisão pode contr ibuir para a identificação de pr oblemas e ques tões e facilitar a pr odução de soluções. Des ign de I nfor MAÇÃO T rata-s e da or ganiz ação do conteúdo e o s istema de ar quitetur a que o s us tenta. Nessa fas e deve- s e decidir onde e quando as informações, em diversos meios, serão dis poníveis. É preciso es tudar o

2 produto e definir onde o par ticipante es tar á e como a mídia o atingir á. Existem dois modelos básicos de localização do us uár io no pr oduto. No pr imeir o modelo os usuários movem os dados. Como ex emplo pode- s e citar uma inter face onde o us uár io vê na tela uma pas ta de arquivo com diversas folhas e fotos. Nesse cas o, onde o es paço par ece s er menor que o us uár io, ele precisa manus ear os elementos, folheando as informações da pas ta. No s egundo modelo, o pr ópr io usuário move- s e por entre os dados. Nesse cas o, o us uár io é menor que o es paço apr es entado. Por exemplo, uma inter face que pos iciona o us uár io nos corredores de um grande mus eu. É preciso caminhar pelo ambiente em busca de infor mações. Gould s uger e que ao cr iar - s e a es tr utura de navegação o des igner deve pos icionar - s e no lugar do usuário e fazer as seguintes perguntas: "Quem sou eu? Como cheguei aqui? Onde pos s o ir". Logo após, o des igner deve per guntar - s e " como deve es tar sentido minha audiência chegando a es ta s eção do pr oduto? A que es tou convidando-os a pens ar e s entir enquanto es tiver em aqui? O que es per o que eles levem ao s aírem?" (p. 87). Logo, o des ign deve s e bas ear na infor mação que s e pr etende tr ans mitir. Por exemplo, em um CD- ROM s obr e uma cultura em que as relações não s ão hier ár quicas não cabe bem um sistema de navegação hier ár quico. Gould aponta que s er ia mais apropriado um sistema de links entre as telas representativas dos tipos de r elações interpessoais que ex is tem naquela cultura. Des ign de I nterf ACE O des ign de inter faces se r efer e aos aspectos sensórios de " us abilidade". É neste momento que s e encontram o des ign de infor mação e o des ign de inter ação. É o momento de s e definir, entre outras coisas, como o us uár io poder á agir e como ele pode tomar conhecimento disso; que apelos estéticos (visuais e s onor os ) a inter face apr es entar á; como s er á or ganiz ado o compos to de mídia (vídeos, sons, fotos, etc). Uma definição comum de inter face aponta que tr ata- s e da mediação entr e a or ganiz ação do conteúdo e as ações do us uár io. É preciso as s egur ar, porém, que haj a um equilíbrio entr e a es tr utura do conteúdo e a apr es entação es tética. É fácil encontrar produtos multimídia e s ites que pos s uem uma grande quantidade de infor mações, organizadas em uma boa es tr utura funcional, mas que assustam o us uár io por seu aspecto ár ido. Por outro lado, também são comuns as interfaces de bonito apelo estético mas que apr es entam dificuldades de navegação e r ecuper ação de infor mações. Nessas interfaces, o us uár io r econhece a belez a das telas, mas não cons egue " mer gulhar " no conteúdo. Logo, é pr ecis o que haj a uma s iner gia per feita entr e tais elementos. Vale a pena pr oduzir múltiplos designs e tes tá- los com diversos usuários. A obs er vação de s eus usos podem apontar dificuldades impostas pela inter face e s uger ir modificações. Ainda, existem muitos padrões já cons agr ados que valem ser considerados. A quebr a de padr ões é uma das qualidades do ar tis ta, mas como o des igner de inter faces deve s e pr eocupar com a navegabilidade ele deve s e pr eocupar com o que s e chama de " intuitividade" da inter face. Isto é, a interface deve s er auto-explicativa, onde a cur va de apr endizagem de us o do pr oduto deve s er pequena. Parece óbvio que um usuário ao ex per imentar uma nova inter face s air á clicando s obr e os botões. Mas será que ele es tá navegando com rumo ou à der iva? Lembr e- s e, quanto mais fácil e intuitiva é a inter face e quanto menos cliques o us uár io pr ecis a dar para chegar aonde quer melhor é seu design. Des ign de I nter AÇÃO T rata-s e das formas como s e convida o us uár io a inter agir. Nesse es tágio do des ign é pr ecis o questionar-se à r es peito de que tipo de r elação e pr oximidade s e quer ter com o us uár io. Como ele vai se s entir ao navegar pelo s ite ou CD-ROM. É a r elação entre usuário e mídia. Que emoções emergem desse encontro, que tipo de atitude des per tar á a par tir da r elação? Não trata- s e apenas de como ele s ente o pr oduto (do que ele pens a s obr e o s ite ou CD-ROM), mas também de como ele s e sente fr ente ao pr oduto. E lement os de inter face A inter face é um conjunto de elementos que devem formar um conjunto com unidade, harmonia, e coerência. Esse conj unto deve ter unidade para não apr es entar elementos soltos e des conex os (que podem confundir o us uár io, levá-lo a per der - s e no pr oduto, confundir ou ignorar informações). Para alcançar-se es s a unidade a inter face deve s er harmônica. Dessa for ma, a inter face deve s er planejada e dis cutida com antecedência por toda a equipe. O es tilo de des ign deve s er bem definido, e apresentar características de equivalência (uma pers onalidade que s ej a facilmente r econhecida) por todo o pr oduto. De nada adianta des enhar três telas, todas de bonito apelo es tético, se elas não apresentam uma unidade es tilística e mos tram ícones e botões em lugares diferentes e confus os. Decorre daí o fator coerência. Os controles, links e ícones devem ser apresentados com mesmas

3 características no decor r er do título inter ativo. Um botão de avançar página, por exemplo, deve ter a mesma for ma e pos ição em todas as telas em que apar ece. Além disso, um ícone ou botão nunca deve des encadear diferentes ações. Por exemplo, o botão sair não deve em um página levar o usuário de volta par a o menu principal, e em outra encer r ar o software. Um conhecimento impor tante é que tudo é comunicação. Todos os elementos em uma inter face s ão significativos. E esses elementos fazem parte de um todo. Logo, de nada vale um bonito background se ele contradiz o texto expos to. Todo e qualquer elemento deve s er apresentado de for ma cons ciente, estudada e planej ada. Cada botão ou menu tem seu conteúdo. Não s e deve pens ar nesses elementos como itens sem informação. Um CD-ROM ou página da web é s ignificado pur o. É preciso tratar cada elemento como uma mensagem. Não s e deve des pr ezar nenhum item, pois por menor que s ej a o elemento, ele ainda faz parte de um conjunto. Se es s e elemento não tiver uma mens agem importante ou consistente com o restante talvez valha a pena omiti- lo. A s eguir analisar-se-á elementos constitutivos de uma inter face: background, janelas e painéis, botões, ícones, imagens, e tex to. B ackgr ound O background ou fundo é o elemento que mais ocupa es paço na tela (na maior ia das vezes a totalidade da tela). O background estabelece o contexto par a a ação na inter face. Porém, o background não pode s er o elemento de maior apelo. Na ver dade, as informações s obr e o background é que devem captar a atenção do us uár io. Mas isso não quer dizer que o fundo deva s er apenas decorativo. Segundo K r is tof e S atram (1995, p. 96) o background tem dois importantes obj etivos: a) influenciar e deter minar o visual, o equilíbrio e a localiz ação de outr os elementos na tela; b) ao ocupar o es paço vazio na tela, o background não deixa que os outros elementos fiquem flutuando. Como haver ão obj etos sobre o background, esse fundo pr ecisa s er desenvolvido ao lado desses elementos que es tar ão pr es entes na inter face. Essa pr odução em paralelo contribui para a determinação de cor es, formas, disposição e contr as te de todos os elementos. O fundo não deve concorrer pela atenção do us uár io. Para tanto, não deve ter características fortes (como cor es intensas, um emaranhado de detalhes, efeitos de ilus ão ótica, etc.). Isso dificulta a leitura de tex tos e confunde a dir eção do olhar. Se uma imagem é utilizada como fundo, ela deve ter relação com o conteúdo das informações e com o es tilo de outr os elementos como botões de navegação, imagens, etc. Finalmente, o fundo deve contr ibuir para max imiz ar o contras te. Um texto verde não é legível sobre um fundo ver melho, pois causa um efeito de vibr ação. Além disso, um fundo com uma gr ande var iedade de detalhes e cor es também dificulta a leitura e difer enciação de ícones, botões e links. Um recurso bas tante us ado em backgrounds formado por imagens é baix ar a saturação das cores utilizadas, clareando o fundo e pos s ibilitando um melhor contraste. Com a popular iz ação da Wor ld Wide Web (WWW) e com a facilidade de us o de s oftwar es para a produção de páginas e cr iação e manipulação de gr áficos, além da gr ande quantidade de ar quivos de texturas em CD-ROMs e até mes mo na pr ópr ia r ede, parece ter havido uma vulgar iz ação de páginas com fundos extremamente color idos e r epletos de tex tur as impregnadas de detalhes. Pela facilidade de obtenção de tex tur as para backgrounds de sites surge um uso exces s ivo de tais fundos sem que haj a uma r acionaliz ação s obr e essa pr ática. Texturas com muitos detalhes prejudicam a leitura dos textos acima do background e podem cansar a vis ta do us uár io. Além disso, parece ter - s e popularizado entr e os iniciantes em webdesign o us o de uma tex tura difer ente em cada página. Assim, o fundo da pr imeir a página é um gramado, da S egunda s ão balas, da ter ceir a pr egos, e as s im por diante. O que ocorre é que não s e per cebe que a tex tura de fundo também é conteúdo, logo a escolha do background deve obedecer ao es tilo, ao conceito ger al e adequar - s e ao conteúdo do site. S e cada página tem uma tex tur a totalmente difer ente, não s e apr es enta uma consis tência conceitual entre as telas. Enfim, além de es colher um fundo que facilite a legibilidade dos textos (afinal, o que é mais importante, a belez a e a complex idade do fundo ou a legibilidade das informações?) ele deve es tar em harmonia com os fundos das outras seções e coer ente com a finalidade, com o conteúdo e com o conceito ger al do s ite ou CD-ROM. Janelas e painéis Algumas das funções das janelas e painéis são (Kr is tof e S atram, 1995, p. 98): a) delinear numa deter minada r egião da tela par a um fim específico ou para um determinado

4 conteúdo; b) ancorar elementos na tela dentr o de s ua es tr utura par a que não par eçam flutuar; c) integrar mídia em uma es tr utura de envolvimento. As janelas servem para conter elementos, como ícones e tex tos, dentro de s eus limites e carregá-los ao s er em deslocadas. Já os painéis servem para delimitar regiões na tela, organizar elementos soltos e acr es centar contraste e pr ofundidade. Os painéis podem ser opacos ou translúcidos, constar de apenas uma cor, degradé, textura ou imagem, e ter bordas duras ou suaves. Ao delinear e s epar ar certas áreas na inter face, os painéis podem englobar diversos links e botões demonstrando fazer em parte de um mesmo conj unto. Se um background dificulta a legibilidade de tex tos, um painel pode s er colocado entr e o fundo e o texto melhorando o contras te. B ot ões e ícones Os botões dão ao us uár io o contr ole s obr e a inter face. Algumas ações que os botões podem des encadear são: avançar para a pr óx ima página, tocar um som ou vídeo, sair do pr ogr ama, movimentar um texto par a cima ou para baix o, etc. Normalmente, no padr ão Micr os oft Windows os botões se par ecem com botões do mundo r eal. Tem forma r etangular, em relevo, apresentando br ilho e s ombr a nas suas laterais. Além disso, quando o botão é pr essionado o br ilho e s ombr a do botão s e inver tem dando a ilusão que o botão es tá pressionado. Logo, quando o des igner de inter faces utilizar-se da metáfor a botões (tal qual eles ocorrem no mundo r eal) é pr ecis o pr oduzir- s e es s as duas circunstâncias botão s olto e botão pressionado. Quando o us uár io per cebe o des enho do botão pr essionado r ecebe o feedback que s ua ação teve um resultado. Por outro lado, se um botão na tela não possuir a s ituação " pr es s ionado", o usuário pode pens ar que o pr ogr ama tr avou (no cas o da ação a s er executada demor ar a s er carregada). É importante também que os botões sejam facilmente r econhecíveis, mesmo que eles não apresentem graficamente um botão r eal. Os botões do S ys tem 7.5 da platafor ma Macintos h não apresentavam semelhança com um botão r eal (trata-se de um retângulo de bor das arredondadas), porém assim que ele é pr essionado ele é negativado o r etângulo fica pr eto e o texto br anco. Esse uso é consistente em todos os programas nessa platafor ma. Alguns programas utilizam-se de diver s as fotos e ilustrações (ícones) para atuar em como botões. Não existe pr oblema com esse r ecur s o des de que o us uár io não tenha dificuldades em perceber tais imagens como botões. Alguns títulos multimídia, sites e pr ogr amas colocam sombras por baixo dessas imagens para demons tr ar visualmente que possuem uma cer ta altura em relação ao fundo. Assim que s ão pr essionados a imagem parece apr ox imar - s e do background (isso alcança- s e pelo deslocamento da imagem para a later al e/ou pela diminuição de s eu tamanho). Outro r ecur s o us ado par a a demons tr ação do que é um botão é iluminá- lo (aumentar o br ilho da imagem) assim que o ponteir o do mous e pas se por cima dele (o chamado " rollover" ). O CD- ROM " Porto S egur o" faz um pequeno des locamento da imagem usada como botão assim que ocor r e o rollover, indicando que trata- s e de um botão. Alguns jogos de es tilo " adventure" não deixam claro o que é um botão ou controle na tela. Nesses casos, espera-se que o us uár io clique em vários pontos da tela par a des cobr ir o que pode des encadear uma ação. Isso faz parte do j ogo, mas no cas o de um CD de r efer ência isso não s er ia um bom expediente j á que far ia o us uár io per der - s e. Na ver dade, muitos desses jogos usam um expediente comum para a indicação do que é um botão. Assim que s e faça o rollover acima de uma imagem que funcione como um botão (por exemplo, uma porta que clicada leva a outr a s eção do j ogo) o ponteir o do mous e é alter ado par a outra imagem (por exemplo, a tr adicional seta tr ans for ma- s e em uma mão apontando). O us uár io pr ecis a r apidamente des cobr ir como des locar - s e pelo pr ogr ama. O tr abalho do des igner de interfaces é possibilitar a or ientação do us uár io de maneir a intuitiva e imediata. Sendo as s im, as imagens utilizadas como botões devem preferencialmente indicar pictoricamente a ação que produzem. Para que o us uár io possa s e guiar de for ma intuitiva, as imagens utilizadas como s ignos devem pertencer ao s eu "vocabulário", à s ua " bagagem cognitiva. Isto é, o us uár io deve ter a capacidade de entender o s ignificado codificado. Por exemplo, de nada adianta utilizar o s ímbolo " anka" em um CD sobre a fé católica, já que esse s ímbolo místico não faz parte do conj unto de s ignos percebidos por católicos. Portanto, é pr ecis o levar em conta o per fil do público- alvo ao pr oduzir - s e a inter face. Além disso, não deve-se contr ar iar ou deturpar o s ignificado comum de um símbolo. Uma s eta apontando par a o lado

5 direito na cultura ocidental significa avanço j á que nos s a leitura vai da es quer da par a a dir eita. Essa seta então deve s empr e indicar "avanço" (para a pr óx ima página, por exemplo) e nunca " volta". Deve-s e também considerar o conhecimento, a familiaridade do público- alvo com a infor mática e multimídia. Para aqueles que conhecem pouco de títulos interativos uma boa es colha é utilizar-se de botões tradicionais e que mos tram em sua s uper fície uma palavra indicativa de s ua função. É preciso que os botões que des empenham funções equivalentes tenhas uma ligação es tética. Se o botão de avanço é o ícone de uma mão apontando par a a dir eita, o botão de r etr oces s o deve pois ser uma mão apontando par a a es quer da. Não far ia s entido s e es s e último ícone fos s e uma flecha. Isso não s er ia cons is tente e eventualmente caus ar ia confus ão. Certos botões e contr oles precisam sempre ter a mes ma pos ição r elativa entr e eles. Os controles de vídeo devem sempre s er apresentados da mes ma for ma. Se o botão de paus a s itua- s e entr e o botão de r epr odução (à dir eita) e r etroces s o (à es quer da), esse pos icionamento deve s er apresentado consistentemente no decor r er do pr oduto. É possível que haj a a necessidade da movimentação de cer tos controles e botões em diferentes telas. I s so deve s er bem trabalhado par a evitar confusão. No cas o de contr oles de vídeo (como paus a, reproduz, e r etrocede) que apar ecem abaixo da j anela do vídeo podem ser movidos sempre que es s a j anela for transportada par a outr os quadrantes da tela. O impor tante é que es s es controles estejam sempre na mes ma pos ição em relação à j anela do vídeo. Como o conteúdo s imbólico é deter minado ar bitrar iamente, alguns ícones ganharam um conteúdo específico na " cultura infor mática". Por exemplo, o ícone de uma por ta aber ta ganhou o s ignificado de " saída" (de uma s eção ou do pr ogr ama). A ilustração de uma bomba no Macintos h indica er r o fatal no sistema. É importante que o des igner de inter faces tenha um bom conhecimento dos ícones comumente utilizados para não confundir - s e e, posteriormente, confundir o us uár io. Por exemplo, o ícone de uma pas ta entr eaber ta s ignifica abr ir um arquivo. Se tal ícone for utilizado par a fechar um arquivo apenas contribuirá par a guiar mal o us uár io e talvez até fazer com que ele per ca dados impor tante. Um programa infantil que s e utiliza de bonecos caricatos receberia bem botões desenhados "à mão", com formas simples e em estilo " cartoon". Já em um CD corporativo es s es ícones não ter iam o mesmo s uces s o. A gr ande quantidade de botões em uma mes ma tela pode caus ar confusão visual ou até levar o usuário a clicar um botão errado. O des igner de inter faces deve, em seu planejamento, decidir se a inclusão de um grande númer o de botões é s empr e neces s ár io. Se um controle não tem importância em uma deter minada s eção, então s ua apar ição não é neces s ár ia. Se os objetos na tela podem ser movidos seria então necessário que o us uár io clicasse em um botão " move" antes de des locar o obj eto? I s s o cans a o us uár io des necessariamente e tor na a inter ação enfadonha. Deve s e minimizar o esforço do us uár io ao máximo par a que ele possa s e movimentar entre as telas e s eções e des encadear as ações esperadas. Gould (1995) lembra que não adianta colocar uma gr ande quantidade de botões na tela (um para cada opção). Segundo ele, há um limite de quantas opções as pessoas podem ou querem tomar em um determinado momento. Kristof e S atr an (1995) sugerem que quando exis tir em muitos botões na tela eles devem ser agrupados por função. Botões de navegação (menu, avança, volta, sair, etc.) podem ser posicionados dentro de uma painel e a lis ta de links para os diversos tópicos em outro painel ou grupo. Freqüentemente, ícones são us ados como botões. Segundo a s emiótica, ícones estão no lugar de outra cois a com a qual se par ecem. Por outro lado, em informática a palavra ícone tem se r efer ido a qualquer imagem clicável na tela. Segundo aqueles autores um ícone deve s er : a) instantaneamente r econhecido: seu significado é r apidamente per cebido; b) internacional: seu significado é trans cultur al; c) escalonável: funciona bem em vários tamanhos; d) simples: formas pouco complexas funcionam melhor que aquelas detalhadas ou com linhas muito finas. I magens I lustrações, fotos e animações são par te impor tantes em hipermídia. Sendo assim, vale pr es tar atenção na pr odução de tais imagens, bem como s ua integr ação no pr oduto. Primeiramente, é pr ecis o atentar que as imagens em uma inter face não devem ser pensadas da mesma for ma que imagens produzidas para impr es s os. As imagens em hipermídia s er ão visualizadas em um monitor que não tem a mes ma qualidade de uma folha de papel impressa. Enquanto um

6 impresso deve tr abalhar com imagens de no mínimo 300 dpi (pontos por polegada), o monitor do computador atinge apenas 72 dpi. Já s e vê que a qualidade das imagens visualizadas nesse per ifér ico oferecem menos detalhamento visual. Além disso, de nada vale us ar um arquivo de 300 dpi se a resolução do monitor não atinge tanto. É gastar mais espaço em disco e pr ej udicar a tr ansmissão de dados via linha telefônica, o que caus a demor as de car r egamento das imagens. No cas o da Web isso se tor na ainda mais problemático, tendo em vista a pequena lar gura de banda par a a tr ans missão de dados, e as dificuldades e pr oblemas de r ede e linha telefônica (como r uídos e queda da conex ão) enfrentados pelos usuários, principalmente no B r as il. Portanto, imagens para hiper mídia devem ter no máximo 72 dpi. Assim, os arquivos ficam mais enxutos e car r egam mais rápido (tanto na Web quanto a par tir de CD- ROM). Devido às mesmas dificuldades de carregamento e as pequenas dimensões do monitor, as imagens devem ter tamanhos menores. Imagens menores, além de car r egar em mais rápido, permitem que outros elementos sejam usados ao s eu redor. É comum permitir ao us uár io clicar sobre a imagem para que a possa ver em tela cheia. Normalmente, trata-se de dois arquivos (um menor e outr o maior). Se ele não quiser ver a imagem com maior detalhamento, não pr ecis a ficar esperando um tempo adicional por seu carregamento. Mais uma vez, é pr eciso dar o contr ole ao us uár io e não for çálo a es per ar freqüentemente par a que ar quivos sejam "baixados" quando não havia inter es s e em visualizá-los. Bem, se as imagens terão tamanho menor e r es oluções menores, devido a es s as limitações técnicas, é pr ecis o lembr ar que planos mais fechados serão melhor visualizados. Planos abertos de gr andes paisagens podem borrar os detalhes e deix ar informações escondidas. Uma s olução é quebr ar uma única imagem em plano aber to em vários planos fechados. Finalmente, é pr ecis o lembr ar que o númer o de cor es que podem ser mostradas ao mes mo tempo no monitor varia de 16 a milhões de cor es. Portanto, uma foto que pos s a par ecer bonita e color ida em seu computador, pode s er reproduzida em apenas 256 cores no computador de outr o us uár io. Portanto, deve-se cons ider ar essa pr oblemática na pr odução de inter faces. T ext o Como o monitor de output de computador permite hoj e uma r es olução máxima de 72 dpi (em resolução 640X480). Dessa for ma, textos de cor pos 10 e 12 (tamanhos padrão em jornais e r evis tas ) tem aparência pobr e (s errilhada) na tela. Esse mes mo ecr an oferece outr as limitações que prej udicam a leitura. Por ter sua imagem formada por um feixe contínuo de var r edur a, processo similar ao da televis ão, um efeito de flickering (um pisca-pisca da imagem) é ger ado. Esse r uído visual fadiga a vis ão, prejudicando a leitura. Finalmente, a dimens ão do monitor oferece outra limitação à quantidade de infor mações em um mesmo momento. T endo em vista es s as limitações, os textos de CD- ROM e Web precisam ser curtos e quebr ados em links, com a finalidade de não cans ar ainda mais a vis ão do us uár io. Em textos maiores é inter essante posicionar links que facilitem a navegação pelo texto. Convenhamos, é enfadonho ao ler um texto ter que ficar movendo a bar r a de s cr oll. Como é fundamental dar o contr ole ao us uár io e minimizar seu esforço, links e botões que facilitem sua leitura s e tor nam ferramentas importantes em textos longos. Um recurso muito us ado é apr es entar um menu com os diversos subtítulos do texto. Através dele, o usuário pode r apidamente s e des locar ao trecho que lhe inter es s a. Por outro lado, um texto " quebrado demais " pode cans ar o us uár io s e ele tiver que ficar "indo e vindo" entre o menu e itens com um ou poucos e pequenos parágrafos. Outro fator a cons ider ar é em que for mato o texto s er á agr egado à inter face. Existem dois tipos básicos para isso: modo texto ou convertido par a bitmap. No pr imeir o modo, o computador salva o texto como uma s ér ie de códigos que r epr es entam letras, fontes, formatação, etc. A vantagem aqui é que o texto pode s er alterado e r efor matado (se o software em que o texto vai ser visualizado assim permitir). Por outro lado, se o texto for salvo em bitmap ele s er á conver tido em uma figur a. Dessa forma, ele não poder á mais ser alterado. Outra difer ença fundamental entre es s es dois tipos é o tamanho final dos arquivos. Um escrito de 400 palavras gravado em modo texto ocupa 4K, enquanto a mes ma quantidade de tex to s alvo como bitmap poder á aumentar o ar quivo par a 300K. Assim apresentado, parece que não vale a pena s alvar texto em modo bitmap. Porém, a gr ande utilidade des s e último modo é que a for matação es tética do texto (fonte, tamanho, alinhamento, etc.) permanecerá s empr e imutável já que trata- s e de um gráfico. Claro, que us a- s e conver ter apenas pequenos textos para bitmap, como títulos, "olhos", etc. Por outro lado, o texto s alvo como letras terá s eu aspecto visual dependente das configurações do sistema do us uár io. Disso dependem o tamanho das fontes e até o compr imento final do texto (existem variações entre s istemas operacionais e possibilidades de per s onalização do tamanho das

7 fontes, como no Windows, onde existe o modo " fonte gr ande" ). Além disso, o modo texto exige que o usuário final tenha ins talada em seu sistema a fonte em que o texto foi formatado. De outra for ma, na inex is tência daquela fonte, o texto s er á apr es entado com outra fonte difer ente daquela planej ada pelo des igner. Menus A navegação em uma inter face (capacidade do us uár io de conduzir - s e pelas várias telas de um programa) é possibilitada, além de botões, por menus. Na ver dade, os menus foram uma das únicas formas de contr ole de navegação antes do s ur gimento do mouse. Como os botões precisam ser clicados pelo ponteir o contr olado pelo mouse eles ganharam importância com o s ur gimento desse per ifér ico. Os menus podem ter várias formas e es trutur as. Podem se tratar de uma lis ta numer ada de itens. Ao escolher que ação pr etende des encadear o us uár io digita o númer o do item desejado. Em alguns menus como es s e a es colha pode s er feita atr avés de uma s eta que é movida ao lado dos itens através do teclado (como em um menu gopher). Esses menus tem sentido em uma platafor ma baseada em texto, como o DOS. Mas se você es tá des envolvendo par a o Windows e/ou MacOS vale a pena ex plor ar a funcionalidade do mouse. Outro tipo de menu são os chamados "pop-up menus ". Eles ganham esse nome pois se abr em ao clique do mous e. Esse é o tipo de menu tradicionalmente us ado nos sistemas operacionais baseados em janelas (Windows, MacOS, OS/2, etc.). Por outro lado, eles já er am usados ainda mes mo em DOS. A linguagem de pr ogr amação Clipper para DOS já possibilitava a fácil criação do pop-up menus. Normalmente, os pop-up menus apres entam-se como uma faix a ou barra na tela (nor malmente em sua par te s uper ior ou inferior). Horizontalmente na bar r a apr es entam-s e diver s os títulos de menus. Eles podem ser abertos clicando-se s obr e eles ou usando o teclado: uma letr a do nome do menu é sublinhada; para abr i- lo tecla- s e es s a letr a em combinação com uma tecla de função (tecla alt no Windows). No Windows, assim que s e clica s obr e o nome do menu, ele s e abr e e per manece aber to. Já no S ystem 7.x do Macintos h, era pr ecis o manter o botão do mous e pr essionado e des lizar pelos itens do menu. Ao s oltar - s e o botão ele dis par ar ia a função do item abaixo do ponteir o. Alguns pop-up menus tem diversos níveis. Isto é, se um item do menu possuir uma s eta ou reticências ao s eu lado, ele abr ir á um novo pop- up menu ao s eu lado. T radicionalmente, os itens de um menu constituem-se de palavr as. Hoje, vários menus (como o menu iniciar do Windows 95) também apresentam ícones ao lado dos nomes do item de menu. Dessa forma, o item pode s er reconhecido tanto pelo texto como pela imagem. Isso pos s ibilita a cr ianças ainda não alfabetizadas utilizarem esses menus. Sem contar que per cebe- s e o ícone mais rapidamente do que s e lê uma ou mais palavras. A vantagem da utilização de menus é que a tela não necessita ficar demonstrando botões que não serão us ados, e que ficam ocupando es paço des neces s ár io. Tanto is s o é ver dade que o Windows 95 posicionou uma barra na par te infer ior da tela que es tá s empr e vis ível (no modo default). Isso permite que s e possa s empr e acessar o menu principal (isso j á er a possível no MacOS anos antes do Windows 95). Alguns pop-up menus mantém a mes ma função e oper acionalidade mas são apr es entados de for ma mais criativa como as gavetas de um software da F r actal Design. Ao confecci onar menus procure colocar itens de apenas uma palavra (que s ej a altamente s ignificativa e des cr ita da função que des encadear á), já que itens extensos ocupam muito es paço na tela. Não cr ie menus que possuam apenas um item. Seria melhor colocar esse item em outro menu mais genérico. Por outro lado, evite cr iar menus com muitos níveis. Eles consomem mais energia do usuário e podem confundi-lo. S e os menus tiverem um número muito gr ande de itens pode-se colocar uma bar r a de r olagem nesses menus. Esse tipo funciona melhor em menus flutuantes no meio da tela. Outro r ecur s o bas tante us ado é iluminar, negativar, ou colorir a linha ou item do menu em situações do rollover ou assim que o item seja clicado. Isso dá feedback ao us uár io s obr e exatamente qual item o ponteir o es tá. No Macintos h assim que um item é s elecionado, e o botão do mous e é s olto, o item pisca algumas vezes (na ver dade, ele passa da s ituação nor mal para negativado). Lembre-se, é sempre bom oferecer feedback ao us uár io demons trando que s ua es colha foi recebida pelo s oftwar e. Muitos títulos interativos mantém constantemente um menu (às vezes chamado de histórico) cujos itens demonstram o nome das últimas telas ou seções visitadas. Isso é inter es s ante pois permite que o us uár io volte a uma tela ou recupere uma infor mação de maneir a r ápida e ins tantânea. Isso é válido pois muitas vezes queremos voltar a algum lugar ou alguma infor mação e não lembr amos

8 como chegar até lá. Alguns navegadores de WWW guardam os últimos endereços visitados (digitados no campo " location" ). Mesmo que os menus tenham grande funcionalidade, grande par te dos CD-ROMs prefere botões a usar menus. Na Web, menus flutuantes podem ser criados em linguagens como Java e S hockwar e. W ebdesign O des ign de home-pages para a WWW (webdesign) merece uma s ér ie de cons ider ações à r es peito de suas limitações. O código HT ML, usado par a a pr ogr amação e diagr amação de sites é bas tante limitado. É, em verdade, muito fácil de apr ender e es cr ever HTML, o que per mite a qualquer pessoa, com um mínimo de familiaridade com a I nter net, produzir páginas para a I nter net. Porém, diferentemente do des ign de impr es s os, onde tudo deve s er estritamente planej ado e deter minado (cor, fonte, diagramação, etc.), o webdes ign trabalha com possibilidades cuja r ealização dependem de uma s ér ie de var iáveis presentes no computador do us uár io navegando pela I nter net. Como s e s abe, cada usuár io pode além de es colher seu browser de pr efer ência e modificar uma s ér ie de fator es que alter ar ão o r es ultado visual do s ite pr oduzido. Primeiramente, é pr ecis o lembr ar que cada br ows er (como Nets cape e I nter net Explorer) "montam" as páginas, a par tir do código HT ML recebido, de maneir as diferentes. Um mesmo código pode ter uma apar ência em um browser e um visual diferente em outro. E, em alguns casos, certos comandos HTML não s ão nem compreendidos por certos programas de navegação (por exemplo, o comando B LI NK não funciona em I nternet Explorer. Além do que, mesmas funções tem comandos diferentes em diferentes browsers). Outra ques tão é que o br ows er pode colocar certos controles no poder do us uár io que modificam o planej amento visual do webdesigner. Por exemplo, no I nter net Explorer o us uár io pode aumentar ou diminuir o tamanho da fonte, passando por cima da for matação do código es cr ito pelo pr ogr amador. I s so par ece inter es s ante, do ponto de vis ta do us uár io (que pode ter algum tipo de dificuldades de percepção dos textos na tela). Por outro lado, cada alter ação des s as modifica toda a diagr amação e o planej amento vis ual. S e a diagr amação par a impr es s os toma um cuidado es pecial com relação à quantidade de palavr as em cada linha, ao es paçamento entr e letras, palavras e linhas, à altura das colunas, ao tamanho e estilo das fontes, em webdesign muitas dessas determinações são vir tualmente impossíveis. Na Web as páginas não s ão mandadas prontas, diagramadas e fechadas à modificações. O que é transmitido é o código HT ML. A montagem, e, enfim, a diagr amação final é feita no br ows er, e em acordo com as variáveis do s istema do us uár io. O tex to no código HT ML é ins er ido de for ma " corrida". A for matação final, e nor malmente quebr as de linhas, quantidade de car acter es por linha, etc., serão definidas somente no momento que o código for a decodificado pelo br ows er. Um dos recursos usados em webdesign para gar antir a lar gura de colunas e manter a quantidade de tex to por espaço determinado entr e difer entes configurações de s is temas é o us o de tabelas com borda tr ans par ente. Bem, a conclus ão des ta r ápida dis cussão é que o webdesigner, consciente das diferenças entre os browsers e s istemas, deve tes tar seu código HT ML em diversos navegadores e s ob as mais diversas configurações. Ciente das alterações que s ofr eu a página nesses testes, o des igner deve adequar seu código par a eliminar ou minimizar os erros e pr ej uízos ao conteúdo es tético e tex tual do s ite entre as diferentes configurações e entr e os diversos browsers (lembre-se uma bonita página vis ualiz ada no Nets cape pode ter seu conteúdo visual totalmente alter ado em outro br ows er, e vice- ver s a). No s ite " Es pir al Interativa" (http://usr.psico.ufrgs.br/~ aprimo) tive o cuidado de pr oj etar um código que per mitisse que as páginas que fazem uso intens ivo de frames não tives s em sua vis ualiz ação prej udicada em resoluções de 640x480. Nessa r es olução os frames superiores e infer ior es são eliminados, abrindo mais espaço par a o fr ame pr incipal, onde apar ecem os textos. Essa neces s idade surgiu na medida em que o s ite ia s endo pr oduzido e s endo tes tado nas mais deferentes configurações e nos diferentes navegadores. R ef er ências bibliográficas BAI RON, Sérgio. Multimídia. São Paulo: Global, BUS H, Vannevar. As we mau think. T he Atlantic Monthl y. July ERI CKS ON, Thomas D. Working with interface metaphor s. In: BRENDA LAUREL (Ed.) T he ar t of human-computer interface des ign. Menlo Par k, CA, Addis on- Wes ley, GAT ES, Bill. A es trada do futur o. São Paulo: Companhia da Letr as, GOULD, Eric Jus ti n. Empowering the audience: the inter face as a communications medium. I nteractivity. S an Mateo, v. 1 n. 4, p , set./out GYGI, Kathleen. Recognizing the s ymptoms of hpertext...and what to do about it. In: LOUREL, Brenda ( Ed.) T he ar t of human-interface des ign. Reading: Addison-Wesley, P KRI S T OF, Ray e S AT RAN, Amy. Interactivity by design: creating & communicating with new

9 media. Mountain View: Adobe, LAQUEY, Tracy, e RYER, Jeanne C. O manual da I nter net. São Paulo: Campus, LAUREL, Brenda ( Ed.). T he ar t of human-interface des ign. Reading: Addison-Wesley, LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: O futur o do pens amento na er a da infor mática. São Paulo: 34, LÉVY, Pierre. O que é o virtual? S ão Paulo: 34, NEGROPONT E, Nicholas. A vida digital. São Paulo, Companhia das Letras, RANDALL, Neil. Discover the Wor ld Wide Web. Indianapolis: SamNet, ROS ENBORG, Victoria. Guia de multimídia. São Paulo, Berkeley, S NYDER, Joel. Site bom/r uim, feio/bonito. I nternet World. São Paulo, n.12, p , Ago T WAY, Linda. Multimídia par a novos usuários. Rio de Janeir o, Berkeley, VAUGHAN, Tay. Multimedia: Marking it work. Berkeley, CA, Osborne, WAT ERS, Crystal. Web: concepção e des ign. São Paulo: Quark, Alex Primo é pr ofes s or de Comunicação S ocial na Univer s idade Feder al do Rio Gr ande do S ul, Mestre pela B all State Univer s ity e Doutor ando em Informática na Educação pela UFRGS. apr iname. com aprimo

B r ixmas t er. 1. Ger al

B r ixmas t er. 1. Ger al B r ixmas t er 1. Ger al É de impor tância fundamental que as uvas, especialmente as uvas de mes a destinadas à ex por tação, sejam colhidas com o teor de açúcar correto. S e for em colhidas muito cedo,

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Conhecendo o Kit Real

Conhecendo o Kit Real Conhecendo o Kit Real Versão do Kit Botão de Login Botões de Cálculo Pesquisa de Cálculos Botões de Transmissão Manutenção e Relatórios Acompanhamento de propostas transmitidas Versão do Kit: Mostra qual

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

Des pacho Normativo n.º 37/2003

Des pacho Normativo n.º 37/2003 Des pacho Normativo n.º 37/2003 Cons i der ando que o Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, regulou a f or m a de emis s ão de bi lhetes de ingr esso nos recintos de es pectácul os de nat ur ez

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

Introdução. Como adquirir o FrontPage?

Introdução. Como adquirir o FrontPage? Introdução O software FrontPage é muito utilizado para a criação, gerenciamento e publicação de páginas (sites) na Internet. Sendo um produto da Microsoft Corporation, ele apresenta uma interface bastante

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

parte I Apostila Esquematizada de Informática Sumário Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Unidade 1 Navegadores (browser)

parte I Apostila Esquematizada de Informática Sumário Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Unidade 1 Navegadores (browser) Apostila Esquematizada de Informática parte I Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Sumário Unidade 1 Navegadores (browser) Unidade 2 Internet Explorer Explorando a interface e suas funções Unidade

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

Configurações do Windows para Leitores de Tela

Configurações do Windows para Leitores de Tela MÓDULO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL - CEFET BG SIEP (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA) Configurações do Windows para Leitores de Tela Desenvolvido por Celio Marcos Dal Pizzol e

Leia mais

APOSTILA WORD BÁSICO

APOSTILA WORD BÁSICO APOSTILA WORD BÁSICO Apresentação O WORD é um editor de textos, que pertence ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de textos, cartas, memorandos, documentos, mala

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

Janelas e seus elementos

Janelas e seus elementos Janelas e seus elementos As janelas são quadros que são exibidos na tela do monitor. Todos os aplicativos estudados nesse curso serão exibidos dentro de janelas. Nelas você poderá abrir, salvar e fechar

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS CURITIBA 2014 2 Conteúdo Definição:... 2 Detalhando a tela:... 4 BARRA DE FERRAMENTAS DESENHO... 4 PREENCHIMENTOS... 5 RÉGUAS E GUIAS...

Leia mais

Apostila de Word 2013

Apostila de Word 2013 Iniciando o word 2013...01 Regras Básicas para digitação de um texto...02 Salvando um arquivo com senha...02 Salvando um arquivo nas nuvens (OneDrive).... 02 Verificando a ortografia e a gramática do texto...

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: O que é a Internet? 3 O que são Intranets? 3 Sobre o Nestcape Navigator 3 Para iniciar o

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

AMB I Ê NCI A. (2) Característica acús tica dis tinta de um determinado local.

AMB I Ê NCI A. (2) Característica acús tica dis tinta de um determinado local. AMB I Ê NCI A E dilene R ipoli Valmir Perez Def inições : Ambiência: (1) A dis tr ibuição tempor al das reflexões sonoras, cria a s ens ação de ambiência, que é a capacidade de identificação es pacial

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWERPOINT BÁSICO Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWER POINT INICIANDO O POWERPOINT 2000 Para iniciar o PowerPoint 2000. A partir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint Serviço Técnico de Informática Curso Básico de PowerPoint Instrutor: Tiago Souza e Silva de Moura Maio/2005 O Microsoft PowerPoint No Microsoft PowerPoint, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Aula 8 POWER POINT. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a utilizar o Power Point como ferramenta pedagógica nas aulas de Química.

Aula 8 POWER POINT. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a utilizar o Power Point como ferramenta pedagógica nas aulas de Química. Aula 8 POWER POINT META Aprender a utilizar o Power Point como ferramenta pedagógica nas aulas de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Discutir, de forma breve, a utilização deste software

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url:

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url: C e n tro d e C ompetênci a CRIE d o CA PAG Versão Beta 4 E l a b o r a d o p o r : M a r i a d e B a l s a m ã o M e n d e s G u i ã o d e P H P W e b Q u e s t V a m o s C r i a r W e b q u e s t s?

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

Roteiro 3: Apresentações eletrônicas (parte 1)

Roteiro 3: Apresentações eletrônicas (parte 1) Roteiro 3: Apresentações eletrônicas (parte 1) Objetivos Criar apresentações eletrônicas com uso do software libreoffice; Exportar arquivos em formato pdf; Compreender conceitos sobre imagens digitais;

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Sumário Acessando o sistema gerencial... 1 Enviando logomarca, banners e destaques... 1 Logomarca... 1 Destaques... 2 Banners... 3 Cadastrando produtos... 4 Embalagem...

Leia mais

QualiQuantiSoft Versão 1.3c

QualiQuantiSoft Versão 1.3c QualiQuantiSoft Versão 1.3c Qualiquantisoft v1.3c Pág.: 1/15 Índice Apresentação do programa... 3 Funções operacionais do programa... 3 Itens de menu... 6 Teclas de atalho... 6 Instrumento de Análise de

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

Banner Flutuante. Dreamweaver

Banner Flutuante. Dreamweaver Banner Flutuante Dreamweaver Começamos com um arquivo em branco no Dreamweaver MX. Para que o banner apareça sobre a página, precisamos inserir uma camada a mais no arquivo HTML. Selecione o menu Inserir

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web

SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web Não é mais segredo para ninguém: ter um site de sua empresa na Web já se tornou obrigatório. Mas ter um site não basta. Este site deve agregar

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

Informática Básica para o PIBID

Informática Básica para o PIBID Universidade Federal Rural do Semi Árido Programa Institucional de Iniciação à Docência Informática Básica para o PIBID Prof. Dr. Sílvio Fernandes Roteiro O Tamanho e Resolução de imagens O Compactação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Apostila de CmapTools 3.4

Apostila de CmapTools 3.4 Apostila de CmapTools 3.4 Índice Definição do software... 3 Criando um novo mapa... 3 Adicionando um conceito... 3 Alterando a formatação das caixas (Barra de Ferramentas Estilos Paleta Styles)... 7 Guia

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

Explorando a Interface Flash

Explorando a Interface Flash CAPÍTULO UM Explorando a Interface Flash Se essa é sua primeira vez utilizando o Flash, pode levar algum tempo até que você se acostume com a abordagem idiossincrática do programa em relação aos desenhos

Leia mais

Professor Paulo Lorini Najar

Professor Paulo Lorini Najar Microsoft PowerPoint O Microsoft PowerPoint é uma ferramenta ou gerador de apresentações, palestras, workshops, campanhas publicitárias, utilizados por vários profissionais, entre eles executivos, publicitários,

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido Microsoft PowerPoint 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

Apostila de Windows Movie Maker

Apostila de Windows Movie Maker Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva 2 Índice Introdução ao Windows Movie Maker...03 O que é o Windows Movie Maker?...03

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

Prática 3 Microsoft Word

Prática 3 Microsoft Word Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 3 Microsoft Word Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TREINAMENTO EM INFORMÁTICA MÓDULO V MACAPÁ-AP 2013 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais