Plataforma Geradora de Controladores Fuzzy em FPGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plataforma Geradora de Controladores Fuzzy em FPGA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO GIOVANNI GERALDO SZYCHTA PEDRO ANDRIOW Plataforma Geradora de Controladores Fuzzy em FPGA Curitiba, Dezembro de 2011

2 GIOVANNI GERALDO SZYCHTA PEDRO ANDRIOW Plataforma Geradora de Controladores Fuzzy em FPGA Monografia apresentada junto ao Curso de Engenharia da Computação da Universidade Positivo, Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel. Orientador: Prof. Msc. Valfredo Pilla Júnior. Curitiba, Dezembro de 2011

3 GIOVANNI GERALDO SZYCHTA PEDRO ANDRIOW Plataforma Geradora de Controladores Fuzzy em FPGA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Engenharia da Computação, da Universidade Positvo, como requisito à obtenção do título de Bacharel. COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Msc. Ederson Chichaczewski Universidade Positivo Prof. Msc. Gilmar Amilton Macohin Universidade Positivo Prof. Msc. Maristela Regina Weinfurter Universidade Positivo Prof. Msc. Valfredo Pilla Júnior Universidade Positivo iii

4 iv

5 UNIVERSIDADE POSITIVO Reitor: Prof. José Pio Martins Pró-Reitor de Administração: Prof. Arno Antonio Gnoatto Pró-Reitor Acadêmico: Prof.ª Márcia Sabastiani Coordenador do Curso de Engenharia da Computação: Prof. Leandro Henrique de Souza v

6 vi

7 A Deus por tudo que me proporciona na vida. À minha mãe e meu pai, os quais amo muito, pelo exemplo de vida e família. Aos encontros inesperados, por tornarem a vida mais divertida. Giovanni Geraldo Szychta Dedico esse trabalho a todos que estiveram ao meu lado, me ajudando, me apoiando, e me dando toda estrutura que precisei durante todo o curso. Pedro Andriow vii

8 viii

9 AGRADECIMENTOS Durante esse longo período de graduação, muitas pessoas passaram por minha vida. Deixaram muitas lições, muitas alegrias, proporcionaram novos conhecimentos e contribuíram para o meu crescimento. Entre estas pessoas, agradeço aos professores do curso de Engenharia da Computação, que contribuíram partilhando seus conhecimentos. Agradeço ao professor Valfredo Pilla Júnior, que além de professor e amigo, participou deste trabalho como orientador. Agradeço aos meus amigos, em especial os dos corredores e das salas de aula, por estarem presentes nos mais diversos momentos. Agradeço a minha namorada Amanda de Carvalho Nunes, por fazer novamente parte da minha vida, me apoiando e me enchendo de alegria a cada nova etapa deste trabalho. Agradeço finalmente e principalmente à minha família, em especial ao meu pai e minha mãe, por todo seu apoio, dedicação e esforço durante esta caminhada. Giovanni Geraldo Szychta ix

10 x

11 Ao longo de todo o curso de Engenharia da Computação muitas pessoas estiveram presentes, e todas elas contribuíram para o meu conhecimento e crescimento individual, não apenas em relação aos conteúdos vistos durante o curso, mas cada uma influenciando de uma maneira ou outra na minha vida. Antes de todos, gostaria de agradecer à minha família, por ter me dado todos os valores que eu tenho, por ter me apoiado durante a graduação, e por estar sempre ao meu lado, independente da situação. Agradeço à minha namorada, Elisiê Pepino, que acompanhou o processo desse trabalho sempre me apoiando, sendo compreensiva com as minhas ausências devidas a dedicação ao projeto, e sempre com aquele sorriso maravilhoso me dando novas forças a cada nova etapa. Agradeço também aos meus amigos que sempre estiveram presentes e muitas vezes ajudando e disponibilizando tempo sempre que precisei de alguma ajuda, ou mesmo quando precisei desabafar. Agradeço ao meu chefe e à empresa em que trabalho por sempre entender e sempre priorizar meus estudos, me liberando sempre que precisei de tempo para o desenvolvimento desse trabalho. Gostaria também de agradecer a todos os professores, e em especial ao nosso orientador, professor Valfredo Pilla Júnior, que com maestria compartilharam o conhecimento e sempre estiveram disponíveis para sanar minhas dúvidas ou mesmo para conversas, gerando ideias de novos projetos. Pedro Andriow xi

12 xii

13 E quando você pensa que tudo mais pode falhar. Lembre-se, coisas piores acontecem no mar. Confraria da Costa Coisas Piores Acontecem no Mar. xiii

14 xiv

15 RESUMO Resumo: A Lógica Fuzzy tem como principal finalidade o estudo dos princípios formais do raciocínio aproximado e pode ser empregado em inúmeras aplicações práticas tais como controle de temperatura, volume, iluminação, entre outros. Porém o processo de manual de geração das tabelas Fuzzy é um tedioso e sujeito a erros. Buscando facilitar esse processo propomos o desenvolvimento de uma estrutura em hardware que encapsule toda a complexidade da Lógica Fuzzy, deixando ao usuário apenas a tarefa de definir as tabelas de regras Fuzzy utilizando as variáveis linguísticas em formato IF-THEN de cada variável e definições básicas do tipo: valor mínimo de inferência, valor máximo e ponto em que a pertinência é a máxima. O hardware definido para o encapsulamento são as FPGAS, pois possui um maior poder de escalonamento do número de variáveis e paralelismo para a realização dos cálculos Fuzzy. Outra vantagem na utilização das FPGAS é a facilidade na integração com sistemas embarcados. O sistema desenvolvido é constituído por um módulo de processamento no qual o usuário define a tabela de regras, e define os arquivos de memória contendo os valores de pertinências. O sistema se adapta a essas novas diretivas e com esses dados gera a solução Fuzzy já tratada, assim a preocupação do usuário se limita à modelagem do sistema inicial. O sistema Fuzzy projetado é representado em um código VHDL (Very High Speed Integrated Circuits Hardware Description Language). Para validação da ferramenta projetou-se um controlador de temperatura no qual o usuário determina o valor de temperatura ideal e a tabela de regras. Nesta tabela define-se através de variáveis linguísticas qual a saída ideal do projeto teórico de refrigeração em que o sistema estaria funcionando. A busca das pertinências é realizada pelo circuito digital inferido pelo código VHDL de forma transparente ao usuário. O método de inferência Fuzzy utilizado consiste na leitura dos sensores, a partir desses dados realiza a busca da pertinência relativa à leitura na memória da FPGA, aplica a tabela de regras definida em VHDL no padrão IF-THEN e então aplica o método de centro de gravidade para defuzzificação. O usuário deve gerar os arquivos de memória contendo os valores das pertinências, utilizando o software de definição de pertinências, estes arquivos serão utilizados pela FPGA. A saída é feita na forma de uma máquina de estados implementada em VHDL que transmite as variáveis para um micro controlador externo, cuja função é a leitura dos sensores e o acionamento dos atuadores. Palavras-chave: Lógica Fuzzy, FPGA, VHDL xv

16 xvi

17 ABSTRACT Abstract: Fuzzy Logic has as main purpose to study the formal principles of approximate reasoning and can be used in numerous practical applications such as temperature control, volume, lighting, among others. But the manual process of generating fuzzy tables is a tedious and error prone. Seeking to facilitate this process we propose the development of a hardware structure that encapsulates the complexity of Fuzzy Logic, leaving the user only the task of defining the rules tables Fuzzy linguistic variables using IF-THEN format of each variable and the basic definitions type: minimum of inference, maximum and the point where the relevance is the maximum. The hardware package is set to the FPGAs, which has a greater power scaling of the number of variables and parallel to the calculations Fuzzy. Another advantage of using FPGAs is the ease of integration with embedded systems. The developed system consists of a processing module in which the user defines the rules table, and sets the memory files containing the values of relevance. The system adapts to these new policies and these data generates the solution treated as fuzzy, so the user's concern is limited to modeling the initial system. The fuzzy system designed is represented in a code VHDL (Very High Speed Integrated Circuits Hardware Description Language). For validation tool designed to a temperature controller in which the user determines the value of optimal temperature and the rules table.this table is defined by linguistic variables which the output of the ideal theoretical project in which the cooling system was working. The pertinence of the search is performed by the digital circuit inferred by VHDL code transparent to the user. The fuzzy inference method used consists of reading the sensors, from these data makes the search for relevance on the reading in memory of the FPGA, applies the rules table defined in the VHDL standard IF- THEN and then apply the method of center gravity for defuzzification. The user must generate the memory containing the values of relevance, using the software definition of relevance, these files will be used by the FPGA. The output is in the form of a state machine implemented in VHDL variables to which transmits an external microcontroller, whose function is to read the sensors and driving actuators. Key-words: Fuzzy Logic, FPGA, VHDL xvii

18 xviii

19 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - CONTROLADOR FUZZY LÓGICO (LIU ET AL, 2011) FIGURA 2 - GRÁFICOS DE PERTINÊNCIA UTILIZADOS(LIU ET AL, 2011) FIGURA 3 - PERTINÊNCIA FUZZY TRAPEZOIDAL (KHUDHAIR ET AL, 2010) FIGURA 4 - PERTINÊNCIA FUZZY PONTUAL (KHUDHAIR ET AL, 2010) FIGURA 5 - ARQUITETURA GERAL DO SISTEMA FIGURA 6 - LÓGICA DO CÁLCULO FUZZY FIGURA 7- LÓGICA IMPLEMENTADA NO MICRO CONTROLADOR FIGURA 8 - INTERFACE DO SOFTWARE PARA GERAR OS ARQUIVOS DE MEMÓRIA FIGURA 9 - ALGORITMO DE CÁLCULO DE PERTINÊNCIA FIGURA 10 - GRÁFICO DE PERTINÊNCIAS GERADAS PARA O PROJETO FIGURA 11 - CONVERSÃO DA BASE DECIMAL PARA PONTO FIXO FIGURA 12 - RECEBIMENTO DOS DADOS DE FORMA PARALELA NO MICRO CONTROLADOR FIGURA 13 - CONVERSÃO DA BASE DE PONTO FIXO PARA BASE DECIMAL FIGURA 14 - FÓRMULA DE MÉDIA PONDERADA FIGURA 15 - TABELA DE REGRAS IMPLEMENTADA EM VHDL FIGURA 16 - CONTADOR DE MEMÓRIA IMPLEMENTADO EM VHDL FIGURA 17 - TELA DE RESUMO DA COMPILAÇÃO FIGURA 18 - CÁLCULO DO ERRO FIGURA 19 - CÁLCULO DO ERRO MÉDIO xix

20 xx

21 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - TABELA DE REGRAS (LIU ET AL, 2011) TABELA 2 - TABELA DE REGRAS FUZZY TABELA 3 - IDS E DADOS A SEREM TRANSMITIDOS TABELA 4 - TABELA DE REGRAS FUZZY - CONTROLE DE TEMPERATURA TEÓRICO TABELA 5 - PORCENTAGEM DE ATIVAÇÃO REAL DO SISTEMA TABELA 6 - PORCENTAGEM DE ATIVAÇÃO SIMULADA DO SISTEMA TABELA 7 - TABELA COMPARATIVA REAL X SIMULADO TABELA 8 - COMPARAÇÃO DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS COM E SEM A PLATAFORMA xxi

22 xxii

23 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS FPGA Field programmable gate array VHDL VHSIC Hardware Description Language VHSIC Very High Speed Integrated Circuits Waveform Forma de onda resultada da simulação do software Quartus II FLC Fuzzy Logic Controllers ASIC Application Specific Integrated Circuit AGs Algoritmos Genéticos QEE Qualidade de Energia Elétrica PMLSM Permanent-Magnet Linear Synchronous Motor DSP Digital Signal Processor CPU Central Processing Unit PWM Pulse Width Modulation USB Universal Serial Bus LED Light Emitting Diode xxiii

24 xxiv

25 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONTROLE ATRAVÉS DA LÓGICA FUZZY ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO OBJETIVOS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO Requisitos ARQUITETURA Módulo de Processamento Módulo de Comunicação e Avaliação Módulo de Desenvolvimento, Configuração e Debug Uso da Plataforma TESTES DE VALIDAÇÃO DO SISTEMA Testes de validação de conversões do micro controlador Testes de validação da aplicação da lógica Fuzzy PROJETO HARDWARE FUZZY Recebimento dos Dados Busca de Pertinências Aplicação da Tabela de Regras Envio dos Dados Para Defuzzificação Digrama em blocos da FPGA MICRO CONTROLADOR Recebimento do Dado a Ser Tratado Conversão Para Base de Ponto Fixo Envio do Dado Para a FPGA Recebimento do Resultado Conversão do Resultado Para Base Decimal Defuzzificação Retorno do Resultado Em Decimal Para o Usuário RESULTADOS CASO DE TESTE CONFIGURAÇÕES DO PROJETO RESULTADOS DA MODELAGEM VHDL RESULTADOS MÓDULO DE PROCESSAMENTO RESULTADOS SISTEMA COMPLETO xxv

26 5.6 VALIDAÇÕES DOS VALORES CONCLUSÕES CONCLUSÕES GERAIS FUTURAS IMPLEMENTAÇÕES REFERÊNCIAS ANEXOS xxvi

27 27 1 INTRODUÇÃO Pode-se dizer que fatores como incerteza e ambigüidade na definição de parâmetros de um sistema são fatores que aumentam muito a complexidade da modelagem, tornando-a, em muitos casos inviável. Para o tratamento desses fatores foi desenvolvida, baseada na teoria clássica de conjuntos, a lógica Fuzzy. Este tipo de lógica permite que sejam quantificadas variáveis lingüísticas, ou seja, que não possuem valores precisos. Esta quantificação se dá através da teoria de conjuntos Fuzzy, a qual possibilita ter graus de pertinência entre um elemento e os conjuntos ao qual pode pertencer. Constrói-se uma base de regras onde os valores são lingüísticos (imprecisos), dando flexibilidade ao sistema (quanto a estados que este pode assumir) e facilitando a compreensão do problema (DA COSTA et al, 2003). Os sistemas Fuzzy são sistemas baseados em regras que utilizam variáveis lingüísticas difusas (conjuntos difusos) para executar um processo de tomada de decisão (ADILEA, 2003). Pois embora todo o potencial da lógica Fuzzy seja divulgado, na prática, sistemas complexos não são fáceis de implementar (SANTANA et al, 2005). Controladores de lógica Fuzzy (FLC Fuzzy Logic Controllers) oferecem um método simples para controle de sistemas altamente complexos e imprecisos, sem a necessidade de um modelo com precisão matemática detalhada da planta que será controlada. A lógica Fuzzy fornece um processo para lidar com as incertezas desses sistemas complexos usando um método de raciocínio humano, com o uso de variáveis lingüísticas que são avaliadas por um conjunto de regras do tipo IF-THEN. A semelhança entre o funcionamento da lógica Fuzzy, e os fundamentos do processo de pensamento humano, permite ao controlador capturar o conhecimento de especialistas humanos e transformá-lo em regras usadas para controlar o sistema (KHUDHAIR et al, 2010). Já a algum tempo, os controladores Fuzzy têm sido implementados através de métodos de software puros em um microprocessador de propósito geral, com uma arquitetura de hardware reconfigurável acoplado a fim de utilizar a flexibilidade do microprocessador com o desempenho do hardware reconfigurável (TEIXEIRA et al, 1995, ARANGUREN et al, 2002).

28 28 Este tipo de design proporciona uma grande flexibilidade com a definição dos parâmetros Fuzzy (funções de pertinência e regras de inferência), mas a demanda de alta potência, e da área necessária para a arquitetura completa, faz este tipo de projeto inadequado para aplicações nas quais o tamanho do controlador é um fator importante. Isso por si já inviabiliza a utilização em sistemas embarcados que demandam de processadores com uma área pequena, que tenham um consumo reduzido, e que também tenham um custo atraente. Projetos de hardware puro, por outro lado, têm a vantagem de satisfazer a área, potência e desempenho em uma escala de produção suficiente para obter um alto custo benefício (KHUDHAIR et al, 2010). A dificuldade na implementação de um sistema de controle em um ASIC (Application Specific Integrated Circuit), o tempo longo para o mercado, e o fato de que a modificação dos parâmetros de controle não é possível com projetos baseados em ASIC, têm incentivado os pesquisadores a olhar para as FPGAs (Field Programmable Gate Arrays) (KHUDHAIR et al, 2010). A progressão nas tecnologias de silício e microeletrônica permitiu também a redução do tamanho das FPGAs e, portanto, seu custo (SANCHES et al, 2007, WANG et al, 2006, ARANGUREN et al, 2002), permitiu também a disponibilidade de linguagens de nível de design do sistema, que têm simplificado o processo de desenvolvimento significativamente, possibilitando que as FPGAs sejam usadas não apenas como uma tecnologia de prototipagem, mas também como a solução final para os produtos, e, portanto, tem diminuído drasticamente o tempo de mercado para soluções de hardware (WANG et al, 2006). Buscando facilitar a implantação de sistemas baseados em lógica Fuzzy, este projeto trata do desenvolvimento de uma plataforma que possibilita a aplicação de lógica Fuzzy em hardware. A plataforma implementada em FPGA, realiza os cálculos matemáticos responsáveis pela interação da base de regras e a tabela de valores. Como resultado, a plataforma retorna as informações de pertinência, caracterizado por ser um valor entre 0 e 1, representando o resultado final do circuito. A operação realizada em hardware permite que o projetista do sistema Fuzzy foque no desenvolvimento e na modelagem do sistema e não no trabalho de desenvolvimento dos cálculos relativos à lógica Fuzzy.

29 29 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Lidar com fatores como ambigüidade, incerteza e informações vagas na resolução de problemas é uma característica do pensamento humano, que usa o conhecimento adquirido e experiências para lidar com esses fatores (KLIR,1997) (MUKAIDONO, 2001). Nos problemas de difícil solução, em que se faz necessário o auxílio matemático/computacional, modelar tais fatores é extremamente difícil. A modelagem computacional convencional não trabalha com ambigüidades, pois utiliza o conceito de verdadeiro ou falso (MUKAIDONO, 2001). A precisão computacional também é limitada, deixando sempre uma margem, por mínima que seja para a incerteza (KLIR, 1997). A vagueza de informações advinda da linguagem natural agrava ainda mais os fatores citados. Para lidar com isso de forma matemática, foi desenvolvida por Zadeh a Teoria dos Conjuntos Fuzzy (Conjuntos Nebulosos ou Difusos), teoria a qual permitia serem tratados níveis de incerteza e ambigüidade (DA COSTA et al, 2003). Na década de 60, um professor de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação, chamado Lotfi Zadeh (1965) desenvolveu uma variação da tradicional teoria dos conjuntos e lógica booleana para tornar a análise e controle de sistemas complexos de controle mais tratáveis. Zadeh observou que muitas regras que as pessoas usavam para fazer inferências não eram conscientes, ou seja, não podiam ser explicadas pelas pessoas que as usavam. Por exemplo, podemos olhar para uma pessoa e dizer ele parece ter por volta de 35 anos, mas não se está preparado para explicar como sabemos disso (DA COSTA et al, 2003). A idéia de Zadeh levou-o a desenvolver o que é conhecido como lógica Fuzzy (RUSS, 1996). Apesar de ter sido criticada inicialmente, a lógica Fuzzy acabou sendo bem aceita por engenheiros e cientistas da computação, tornando-se comuns as suas aplicações. Do começo da ciência moderna até o fim do século XX a incerteza era geralmente indesejável, uma idéia a ser evitada. Esta atitude foi gradativamente mudada com o surgimento dos mecanismos estatísticos (DA COSTA et al, 2003). Para lidar com grandes complexidades de processos mecânicos no nível

30 30 molecular, mecanismos estatísticos permitiam o uso de médias e a teoria de probabilidade era aplicada com sucesso em várias áreas da ciência. Mesmo assim, a teoria de probabilidade não era capaz de tratar a incerteza em todas as suas manifestações (KLIR, 1997). Em particular é incapaz de tratar a incerteza resultante dos termos da linguagem natural vagos. Um exemplo disso é a palavra meia-idade (MUKAIDONO, 2001). É comum classificar uma pessoa de meia idade ou não, apesar de não se saber exatamente quando começa e termina esse período. Vamos assumir um exemplo de que o período de meia idade vai de 35 a 55 anos. Pela lógica tradicional, um homem de 34 anos só poderia pertencer ao grupo de meia idade depois do dia de seu aniversário de 35 anos. Da mesma forma, um homem de 56 anos não pertenceria mais a esse grupo. Mas não é desejado tamanha precisão em relação a este conceito, dado que o limite de meia idade não pode ser definido precisamente. Na verdade, se tem uma idéia vaga a respeito dos limites de meia idade (DA COSTA et al, 2003). Na teoria clássica de conjuntos são definidos os limites são requeridos para determinar a pertinência de um elemento a um conjunto com toda a certeza (KLIR, 1997). Porém a maioria dos conjuntos e proposições não pode ser caracterizada de maneira tão exata. Um exemplo é o conjunto de pessoas altas é um conjunto onde o limite exato não pode ser precisamente definido. Na lógica Fuzzy, a pertinência de um elemento a um conjunto ocorre gradativamente, expressa através de uma função de pertinência. Cada conjunto Fuzzy, A, é definido em termos de relevância a um conjunto universal, X, por uma função denominada de função de pertinência, associando a cada elemento x um número, A(x), no intervalo fechado [0,1] que caracteriza o grau de pertinência de x em A (KLIR, 1997). Pode-se dizer que os sistemas difusos são sistemas baseados em regras que utilizam variáveis lingüísticas difusas (conjuntos difusos) para executar um processo de tomada de decisão (ADILEA, 2003). Um FLC (Fuzzy Logic Controller) pode ser dividido em três seções: fuzzificação, o motor de inferência Fuzzy, e defuzzificação, como podem ser vistas na Figura 1. Durante a seção de fuzzificação os dados de entrada são convertidos em valores lingüísticos adequados, como grande ou pequeno, com funções de pertinência (LIU et al, 2011). O motor de inferência Fuzzy trabalha com a aplicação

31 31 da tabela de regras, e a defuzzificação trabalha com o resultado de forma a retornar um valor em porcentagem, ou em alguma outra forma que facilite a visualização do resultado (LIU et al, 2011). Figura 1 - Controlador Fuzzy Lógico (LIU et al, 2011) Como exemplo de um controle lógico Fuzzy, é possível citar um controlador Fuzzy para fontes chaveadas baseado em FPGA, que será utilizado abaixo como exemplo de utilização de Fuzzy. Três conjuntos linguísticos, ou seja, positivo (P), zero (Z) e negativo(n), foram escolhidos para as variáveis de entrada e (nt) e v(nt) são Funções de pertinência triangular como mostrado na Figura 2. Da Figura 2, as funções de pertence são igualmente espaçadas ao longo da faixa de operação de cada variável Fuzzy. Para a variável de saída, três valores (L, 0 e L-) são utilizados. De acordo com o conhecimento do sistema, regras de controle Fuzzy podem ser derivadas no motor de inferência Fuzzy da seguinte forma: Tabela 1 - Tabela de regras (LIU et al, 2011) Regra e(nt) v(nt) Saída R(1) en vn On R(2) en vp Oz R(3) ep vn Oz R(4) ep vp Op

32 32 Figura 2 - Gráficos de pertinência utilizados(liu et al, 2011) Neste exemplo, "Saída" é o controle Fuzzy da ação u(nt), "en" significa "erro negativo", "op" significa "saída positiva", etc. Na seção de defuzzificação, o Fuzzy Logic Controller (FLC) processa a saída Fuzzy das regras e gera um valor numérico. Usa o conhecido método de centro de gravidade (realizado através de uma media ponderada) para defuzzificação (LIU et al, 2011). 2.1 CONTROLE ATRAVÉS DA LÓGICA FUZZY O conceito básico fundamental de controle de lógica Fuzzy é descrever uma relação entre as entradas e saídas do sistema em termos de graus de adesão e um conjunto de regras Fuzzy do tipo IF-THEN. Com estes parâmetros de controle o controlador Fuzzy é capaz de estabilizar o sistema controlado. Para executar a operação de controle exigido, o controlador de lógica Fuzzy utiliza um conjunto de operações Fuzzy seguindo os estágios (KHUDHAIR et al, 2010): Interface de fuzzificação: Na lógica Fuzzy, existe uma série de funções de pertinência diferentes, como na (Figura 3) triangular, trapezoidal, sino, e formas pontuais (Figura 4). Estas funções de pertinência definem a pertinência do valor de entrada do sensor (KHUDHAIR et al, 2010).

33 33 Figura 3 - Pertinência Fuzzy Trapezoidal (KHUDHAIR et al, 2010) Figura 4 - Pertinência Fuzzy Pontual (KHUDHAIR et al, 2010) Inferência de regras Fuzzy: No controle de lógica Fuzzy, as regras são consideradas como o conhecimento do especialista. As regras de controle Fuzzy assumem a forma de uma declaração IF-THEN da seguinte forma: IF x is A and y is B THEN z is C (1) A regra vista em (1) descreve uma condição que a planta pode apresentar em um determinado ponto, utilizando variáveis (x e y), e conjuntos Fuzzy (A e B). O operador "E" na regra Fuzzy acima é a operação mínima entre os dois conjuntos Fuzzy. Esta regra é utilizada na fase de inferência de regra do FLC para calcular o grau em que os dados de entrada correspondem à condição de uma determinada regra. Estas regras são na sua maioria extraídas da experiência do projetista, ou o conhecimento da dinâmica das plantas. Vários tipos de técnicas de otimização são geralmente utilizadas para obter essas regras (como algoritmos genéticos (ZHANG et al, 2006, TABOADA et al, 2009), ou redes neurais (BIGARBEGIAN et al, 2008). Estes sistemas são geralmente referidos como sistemas de controle adaptativos Fuzzy (KHUDHAIR et al, 2010).

34 34 Interface de defuzzificação: A saída do estágio de inferência da regra é representada como conclusões com graus de adesão. Antes de a saída ser passada para a planta deve ser convertida para um valor de saída real, sendo necessário o estágio de defuzzificação. Dependendo do tipo de controle, precisão requerida e do tipo da função de pertinência de saída, existem três tipos principais de métodos de defuzzificação: o Metodo de Centro Maximo (COM) o Metodo do Centro de Gravidade (COG) o Metodo da Media Maxima(MOM) (KHUDHAIR et al, 2010) O método COG é um dos métodos de defuzzificação mais populares devido à sua precisão. Uma vez que funciona calculando a área sob as funções relacionadas, entretanto a alta precisão do método está no custo do aumento computacional, no tempo e na complexidade (KHUDHAIR et al, 2010). Recentemente muitos projetos vêm sendo trabalhados com a adição de lógica Fuzzy. Entre os projetos, podemos citar: controle de sistemas, aprendizado, detecção de objetos e padrões, inversores etc. Alguns projetos utilizando lógica Fuzzy também estão presentes na área médica, em que se pode trabalhar com o monitoramento de sinais vitais e também realizar a organização de dados resultantes de pesquisas médicas. Paralelamente temos ainda uma série de projetos que aliam lógica Fuzzy a outros paradigmas de inteligência artificial, como a rede neural e o algoritmo genético. Grande parte desses projetos vem sendo trabalhadas em FPGA. Utilizando FPGA é possível fazer um controle adaptativo Fuzzy para motores lineares síncronos permanentemente magnetizados. O PMLSM (Permanent-Magnet Linear Synchronous Motor) não utiliza engrenagens convencionais ou fusos de esferas, de modo que a carga sobre o motor afeta grandemente o desempenho de posicionamento (LIU et al, 2004). Para lidar com este problema, muitas técnicas de controle avançado (QINGDING et al, 2002, LIN et al, 2007, WAI et al, 2007), tais como o controle Fuzzy, redes neurais, e controle robusto, têm sido desenvolvidos e aplicados para o controle da posição da unidade PMLSM para obter um alto desempenho operacional. No entanto, a execução de uma rede neural ou controlador Fuzzy (FC) requer um alto esforço computacional para a implementação desses algoritmos de controle altamente complexos e dependem de em um PC

35 35 (Personal Computer) na maioria dos estudos (LIU et al, 2004, QINGDING et al, 2002). Nos últimos anos, os processadores de sinais digitais (DSP Digital Signal Processor) e as FPGA s fornecem uma solução possível neste assunto (KUNG, 2008, LIN et al, 2005). Comparando com as FPGA s, as técnicas inteligentes de controle usando DSP, fornecem uma habilidade flexível, em contrapartida sofrem de um longo período de desenvolvimento e esgotam muitos recursos da CPU (Central Processing Unit) (KUNG et al, 2009). Outro trabalho interessante envolvendo Fuzzy e FPGA é o desenvolvimento de um inversor multinível. Normalmente, o controlador e o modulador de inversores são separados. O inversor multinível proposto consiste em um controlador integrado com modulação por largura de pulso (PWM Pulse Width Modulation), ambos implementados em um FPGA. O controlador considera a diferença entre a tensão da linha de referência de energia (V ref ) e a tensão de saída do inversor (V output inverter ). Então, dependendo do estado do inversor, calcula o padrão a ser aplicado. Os parâmetros do controlador de entrada são AV dif f i.e (V output inverter - V ref ), que representa o erro entre a referência e o sinal de saída, e AV ntfilt que está relacionado com a saída do inversor antes do filtro passa-baixa. O projeto de um controlador de lógica fuzzy exige a definição de "funções de pertence" e "regras de inferência". As funções de pertinência escolhidas para os dois parâmetros de entrada, em que os rótulos"nb", "NS", "ZE", "PS" e "PB" significam: "NB" = negativa grande,"ns" = negativo pequeno, "ZE" = zero, e assim por diante (CECATI et al, 2009). Na área médica existem trabalhos que também aplicam Fuzzy em FPGAS para auxilio em Diagnósticos. Sistemas médicos de diagnóstico capazes de tomar decisões sobre o estado fisiopatológico dos pacientes com base em dados passados requerem processadores Fuzzy para fuzzificar adequadamente os dados coletados. Em tempo real, processos que usam uma grande quantidade de informação exigem alta velocidade de processamento Fuzzy. O trabalho tem por objetivo definir uma arquitetura de processador que explora plenamente o paralelismo inerente de inferências Fuzzy. Assim, reduzindo o número de regras processadas e permitindo que o processador também explore o fato de que apenas partes das regras têm um grau positivo de validação. O método reduz consideravelmente a quantidade de memória necessária para armazenar as regras ativas. O processador em questão é implementado em uma matriz de (FPGA). A implementação do processador em uma

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSADOR DIGITAL BASEADO EM LÓGICA FUZZY USANDO UM FPGA

IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSADOR DIGITAL BASEADO EM LÓGICA FUZZY USANDO UM FPGA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSADOR DIGITAL BASEADO EM LÓGICA FUZZY USANDO UM FPGA Leonardo Mesquita Paloma Maria Silva Rocha Rizol mesquita@feg.unesp.br paloma@feg.unesp.br Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Dispositivos Lógicos Programáveis

Dispositivos Lógicos Programáveis PARTE 1 - TEORIA Dispositivos Lógicos Programáveis Os dispositivos lógicos programáveis (PLD Programmable Logic Device) são circuitos integrados programáveis, que possuem um grande número de portas lógicas,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Yegor Gomes de Mello (UFRN, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: yegor_melo@crn.inpe.br

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) ADAPTAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO PROCESSADOR RISCO A UMA ARQUITETURA MULTI-CORE PARA SISTEMAS EMBARCADOS DE PROPOSITO GERAL Laysson Oliveira Luz (Bolsista PIBIC/CNPq), Ivan Saraiva Silva (Orientador, Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Parallel to Serial Shifting IN

Parallel to Serial Shifting IN Parallel to Serial Shifting IN Objectivo: Com o circuito integrado CD4021B Quando num projecto o número de sensores digitais é superior ao número de pinos de entradas digitais disponíveis no microcontrolador

Leia mais

Controle NeuroFuzzy 1) Introdução 3) Plataforma de testes 2) Objetivo

Controle NeuroFuzzy 1) Introdução 3) Plataforma de testes 2) Objetivo Controle NeuroFuzzy Guilherme Rutzen Leonardo Adams Roni Rigoni {guirutzen,leonardoadams,ronirigoni}@gmail.com 1) Introdução Em robótica móvel, robótica industrial, máquinas-ferramenta, elevadores e muitos

Leia mais

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão.

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão. 14 3.2 Projeto da Unidade de Controle (VHDL) 3.2.1 Diagrama ASM (Algorithmic State Machine) ASM é um fluxograma através do qual se representa a seqüência de ações que a unidade de controle de um sistema

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Relatório técnico final

Relatório técnico final Estufa Relatório técnico final Integrantes: Cleiton J. Marcon Jefferson A. A. Parisotto Professor Orientador: Guilherme Nogueira 4º Bimestre Visto: Sumário Sumário... 2 Índice das Figuras... 3 Índice das

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

INTERFACE RECONFIGURÁVEL PARA ARQUITETURA PARALELA BASEADA EM PROCESSADOR EMBARCADO NIOS II

INTERFACE RECONFIGURÁVEL PARA ARQUITETURA PARALELA BASEADA EM PROCESSADOR EMBARCADO NIOS II INTERFACE RECONFIGURÁVEL PARA ARQUITETURA PARALELA BASEADA EM PROCESSADOR EMBARCADO NIOS II Antonio Edson Ceccon Concluinte - Engenharia da Computação - UnicenP/Centro Universitário Positivo cecconae@ig.com.br

Leia mais

FAdC i Frauscher Advanced Counter i

FAdC i Frauscher Advanced Counter i FAdC i Frauscher Advanced Counter i PT FAdC i FRAUSCHER Advanced Counter i Detecção de via livre para requisitos especiais O FAdCi é uma variante especialmente econômica da mais nova geração de contagem

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista EXPERIMENTO 1 INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO A. Introdução O Quartus II é um software utilizado para

Leia mais

FAdC Frauscher Advanced Counter

FAdC Frauscher Advanced Counter FAdC Frauscher Advanced Counter PT FAdC FRAUSCHER Advanced Counter A detecção de via livre do futuro O Frauscher Advanced Counter (FAdC) é a mais nova geração de sistemas de contagem de eixos com base

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Osamu Saotome Professor da Divisão de Engenharia Eletrônica do ITA PhD pelo Tokyo Institute of Technology Orientador deste projeto de mestrado

Osamu Saotome Professor da Divisão de Engenharia Eletrônica do ITA PhD pelo Tokyo Institute of Technology Orientador deste projeto de mestrado ARQUITETURA DE ACESSO DIRETO AO PERIFÉRICO DE INTERFACE OU BARRAMENTO PARALELO DISTANTE João Batista Brandolin Mestrando da área de Dispositivos e Sistemas Eletrônicos do ITA Professor do Instituto Federal

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL 4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa VHDL é uma linguagem para descrever sistemas digitais utilizada universalmente. VHDL é proveniente de VHSIC Hardware

Leia mais

Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11

Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11 Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

Figura 01 Visão Geral da Placa

Figura 01 Visão Geral da Placa 1. Hardware O kit de FPGA é formado por periféricos que possibilitam sua interação com sinais de áudio, display gráfico e alfanumérico, comunicação serial e USB, codec de áudio, chaves para simulação e

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Medidor da temperatura local

Medidor da temperatura local Objectivo: Medidor da temperatura local (Web Server) Disponibilizar numa página da internet a leitura da temperatura local, de forma automática e on-line. O sistema consiste num microprocessador devidamente

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Como funcionam os Conversores A/D

Como funcionam os Conversores A/D Como funcionam os Conversores A/D Escrito por Newton C. Braga Seg, 10 de Maio de 2010 http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/comofunciona/1508conversoresad.html Como converter uma grandeza analógica

Leia mais

Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.

Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba. Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável

Leia mais

Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo

Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo Adelson Siueira Carvalho (IFF Campos) adelsonsc@gmail.com Adriellen Lima de Sousa (IFF

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 8CCENDIPET01 SISTEMA DE CONVERSÃO ANALÓGICO DIGITAL DE 12 BITS Yuri Gonzaga Gonçalves da Costa (1), Eduardo Paz Serafim (2), André Ricardo Ciraulo de Souza (2), José Antônio Gomes de Lima (3). Centro de

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Desafios de engenharia em energia. André Pereira Gerente de Marketing Técnico

Desafios de engenharia em energia. André Pereira Gerente de Marketing Técnico Desafios de engenharia em energia André Pereira Gerente de Marketing Técnico Desafios de engenharia em energia... Geração Transmissão Consumo Tornar a produção de energia renovável eficiente Tornar as

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA. Projeto e simulação de um gerador de frequência

3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA. Projeto e simulação de um gerador de frequência 3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA Prof. Cesar da Costa Projeto e simulação de um gerador de frequência Muitas vezes, várias frequências de clock são necessárias em um circuito

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais 1 Introdução Vimos no Capítulo II que uma desejada função lógica pode ser implementada mediante a combinação de portas lógicas. Esta combinação de portas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações

Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações 2 Agenda PACs Plataforma para Aplicações de Controle Avançado

Leia mais

IE-344B - Tópicos em Comunicações Leitura Complementar Aula 5: FPGA e Fluxo de Projeto

IE-344B - Tópicos em Comunicações Leitura Complementar Aula 5: FPGA e Fluxo de Projeto IE-344B - Tópicos em Comunicações Leitura Complementar Aula 5: FPGA e Fluxo de Projeto 2º Semestre/2007 Fabbryccio A. C. M. Cardoso Marcelo Augusto Costa Fernandes Prof. Responsável: Dalton S. Arantes

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

Apostila Informática Básica. 1.0 Introdução 1/14

Apostila Informática Básica. 1.0 Introdução 1/14 1.0 Introdução 1/14 2.0 O computador hardware: parte física de um sistema computacional, conjunto de componentes eletrônicos, elétricos, mecânicos, como placas, circuitos, fios, etc. software: parte lógica

Leia mais

Composição do MDK-Prog e MDK-Prog Plus

Composição do MDK-Prog e MDK-Prog Plus A Modelix Robotics está lançando no mercado brasileiro dois kits de Robótica aplicada, ideal para quem deseja iniciar o aprendizado de programação de robôs e eletrônica, usando o Software Modelix System

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio Coordenação de Eletrotécnica Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Autor: Prof. Alessandro N. Vargas

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

SIMULAÇÃO DE AMBIENTE DE AUTOMAÇÂO PARA ENSINO CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ATRAVÉS DE HARDWARE BASEADO EM FPGA

SIMULAÇÃO DE AMBIENTE DE AUTOMAÇÂO PARA ENSINO CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ATRAVÉS DE HARDWARE BASEADO EM FPGA SIMULAÇÃO DE AMBIENTE DE AUTOMAÇÂO PARA ENSINO CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ATRAVÉS DE HARDWARE BASEADO EM FPGA Vitor Alexandre Santos vitorsantoss@gmail.com Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 9ª Pratica: Computador de 16 bits Data:17/07/2014 Nome: Adrián Agüero Faraldo RA: 612227

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

SSC 741 - Projeto e Implementação de Sistemas Embarcados I

SSC 741 - Projeto e Implementação de Sistemas Embarcados I INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO ICMC UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP SSC 741 - Projeto e Implementação de Sistemas Embarcados I Projeto Final Responsáveis: Prof. Dr. Eduardo Marques e

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Sistemas Embarcados. 1. Introdução. www.sbajovem.org Este Material é livre e não pode ser comercializado 1

Sistemas Embarcados. 1. Introdução. www.sbajovem.org Este Material é livre e não pode ser comercializado 1 Escrito por: Otavio Chase Em 12/2007 www.sbajovem.org SBAJovem 2010 Sistemas Embarcados 1. Introdução Segundo alguns dados estimados por pesquisas em alta tecnologia, mais de 90% dos microprocessadores

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Tutorial de Computação PWM v2010.08

Tutorial de Computação PWM v2010.08 Tutorial de Computação PWM v2010.08 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1 Introdução

Leia mais

Uma Nova Arquitetura Modular para Circuitos Geradores de Função de Pertinência com uso em Projeto de Microprocessador Difuso

Uma Nova Arquitetura Modular para Circuitos Geradores de Função de Pertinência com uso em Projeto de Microprocessador Difuso Proceedings of the IV Brazilian Conference on Neural Networks - IV Congresso Brasileiro de Redes Neurais pp. 287-291, July 20-22, 1999 - ITA, São José dos Campos - SP - Brazil Uma Nova Arquitetura Modular

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação Introdução à Programação 2006/07 Computadores e Programação Objectivos da Aula Noção de computador. Organização Interna de um Computador Noção de Sistema Operativo. Representação digital de informação

Leia mais

Uma Implementação de Hiper-Realismo Baseada em Sistema Embarcado

Uma Implementação de Hiper-Realismo Baseada em Sistema Embarcado Uma Implementação de Hiper-Realismo Baseada em Sistema Embarcado Yuri G. G. da Costa 1, Alexandre S. G. Vianna 2, José A. G. de Lima 1, Liliane S. Machado 2, Ronei M. Moraes 2 {yuriggc,strapacao}@gmail.com,

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais