INDIC - PGT INSTRUÇÕES PARA ASSINATURAS DE APOIO AO PGT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDIC - PGT INSTRUÇÕES PARA ASSINATURAS DE APOIO AO PGT"

Transcrição

1 INDIC - PGT INSTITUTO CENTRAL DOS DIRIGENTES, COORDENADORES E MILITANTES DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO INSTRUÇÕES PARA ASSINATURAS DE APOIO AO PGT O Partido Geral do Trabalho PGT tem por objetivo da sua ação política estabelecer como fontes do desenvolvimento e coletivização da riqueza, do bem-estar do povo brasileiro e de cada pessoa, o trabalho livre da exploração e a promoção da justiça social. (Estatuto - Art.1 o, 1 o ) ÉTICA DIGNIDADE - LIBERDADE

2 COMPANHEIROS(AS), INTEGRAMOS A LUTA PELA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DE UMA NOVA OPÇÃO PARTIDÁRIA, O PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT, EM DEFESA DO PROGRESSO DA DEMOCRACIA POLÍTICA, ECONÔMICA E SOCIAL, COM ÉTICA E DIGNIDADE, PARA O BEM DE TODO O POVO BRASILEIRO. INICIALMENTE, DESEJAMOS ASSEGURAR QUE ESSA LUTA TEM SIDO CONDUZIDA COM TODA INDEPENDÊNCIA E IDONEIDADE, A FIM DE QUE SE ESTABELEÇA TOTAL TRANSPARÊNCIA PARA GARANTIR PERMANENTE AUTONOMIA E LIBERDADE PARTIDÁRIA. QUANTO A ORGANIZAÇÃO DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT, FORAM OS SEGUINTES OS PROCEDIMENTOS ATÉ ENTÃO IMPLEMENTADOS: > 02 DE AGOSTO DE FUNDAÇÃO DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO, COM A APROVAÇÃO DO PROGRAMA E DO ESTATUTO, ELEIÇÃO E POSSE DA DIREÇÃO NACIONAL PROVISÓRIA. > 17 DE JUNHO DE 2004 FUNDAÇÃO DO INSTITUTO CENTRAL DOS DIRIGENTES, COORDENADORES E MILITANTES DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO INDIC-PGT, ENTIDADE CIVIL SEM FINS LUCRATIVOS, OBJETIVANDO ENFATIZAR A ORGANIZAÇÃO PARTIDÁRIA. > 24 DE AGOSTO DE 2004 EXPEDIÇÃO DO CERTIFICADO DE PERSONALIDADE JURÍDICA DO INDIC-PGT. > 26 DE NOVEMBRO DE 2004 INSTALAÇÃO PÚBLICA DO INDIC-PGT, COM PRESENÇA DE LIDERANÇAS POPULARES, SINDICAIS E POLÍTICAS. > 18 DE MAIO DE 2005 PUBLICAÇÃO DO PROGRAMA E DO ESTATUTO DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, SEÇÃO 3. > 08 DE SETEMBRO DE 2005 CERTIDÃO DO REGISTRO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PELO CARTÓRIO DO 2 O OFICIO DE REGISTRO CIVIL, TÍTULOS E PESSOAS JURÍDICAS DE BRASÍLIA, DF. ASSIM, COM A PUBLICAÇÃO DO PROGRAMA E DO ESTATUTO DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO - PGT NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, E O REGISTRO CIVIL NO CARTÓRIO DAS PESSOAS JURÍDICAS DA CAPITAL FEDERAL, CONFORME A LEGISLAÇÃO VIGENTE, O EMPENHO ATUAL VEM SE DESENVOLVENDO NO SENTIDO DE OBTER OS APOIAMENTOS PARA A CONSTITUIÇÃO DOS DIRETÓRIOS MUNICIPAIS, ESTADUAIS E NACIONAL DEFINITIVOS. DAÍ, TER SIDO ELABORADO O PRESENTE PLANO DE TRABALHO COMO MEIO DE INSTRUIR DEMOCRATICAMENTE O PROCESSO DOS APOIAMENTOS IMPRESCINDÍVEIS PARA A ORGANIZAÇÃO PARTIDÁRIA, O MAIS BREVE POSSÍVEL. AS INSTRUÇÕES VISAM AUXILIAR NO PLANEJAMENTO DAS TAREFAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO PARTIDO NOS MUNICÍPIOS E ESTADOS: 1 DADOS DA COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO PARTIDÁRIA LOCAL 2 PROGRAMAÇÃO DE EXECUÇÃO DOS APOIAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DOS DIRETÓRIOS 3 INFORMAÇÕES GERAIS 4 PROGRAMA E RESUMO DO ESTATUTO DO PGT COM O PROPÓSITO DE RECEBER SUGESTÕES, TIRAR DÚVIDAS ETC., MANTER CONTATO ATRAVÉS DO FONE 0XX OU POR JOSÉ CARLOS NEVES DE ANDRADE PRESIDENTE DA DIREÇÃO NACIONAL PROVISÓRIA DO PGT SECRETÁRIO GERAL DO INDIC-PGT

3 1 - DADOS DA COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO PARTIDÁRIA LOCAL DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO - PGT Município / Estado: 1. Coordenador / Representante: Data: 2. Nome: 3. Nome: 4. Nome: 5. Nome: 6. Nome: ÉTICA DIGNIDADE LIBERDADE

4 2 - PROGRAMAÇÃO DE EXECUÇÃO DOS APOIAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DOS DIRETÓRIOS 2.1 APOIAMENTOS POR ZONA ELEITORAL INICIALMENTE, CONSEGUIR APOIAMENTOS A NÍVEL ESTADUAL NO MÍNIMO COM 0,1% (UM DÉCIMO POR CENTO) DE ASSINATURAS DO TOTAL DE ELEITORES QUE VOTARAM NO ÚLTIMO PLEITO PARA A CÂMARA FEDERAL CORRESPONDENTES A VOTOS VÁLIDOS (SEM CONTAR OS VOTOS EM BRANCO E NULOS). COLETAR APOIAMENTOS POR ZONA ELEITORAL, EM FORMULÁRIO ESPECÍFICO ( MODELOS ANEXOS OPCIONAIS PARA SEREM REPRODUZIDOS ) CONSTANDO O NOME LEGÍVEL, NÚMERO DO TÍTULO DE ELEITOR E ASSINATURA DO MESMO. DEPOIS DE COLETAR A MAIOR QUANTIDADE POSSÍVEL DE ASSINATURAS DE APOIO DOS ELEITORES DE CADA ZONA ELEITORAL, APRESENTAR AS LISTAS AO RESPECTIVO ESCRIVÃO ELEITORAL, O QUAL DARÁ RECIBO E, NO PRAZO DE QUINZE DIAS, APÓS CONFERIR AS ASSINATURAS E OS NÚMEROS DOS TÍTULOS, DARÁ O ATESTADO COM O NÚMERO DE APOIAMENTOS, FICANDO COM CÓPIAS EM PODER DO CARTÓRIO ELEITORAL ( 2 O - ART.10 RES /95 - TSE). OBSERVAÇÕES A) APOIAMENTO NÃO É FILIAÇÃO AO PARTIDO. B) PARA DAR O APOIO, O ELEITOR PODE SER FILIADO, OU NÃO, A QUALQUER OUTRO PARTIDO POLÍTICO. C) O NOME DO APOIADOR EM LETRAS DE FÔRMA E O NÚMERO DO SEU TÍTULO DEVEM ESTAR LEGÍVEIS. D) NA CERTIDÃO FORNECIDA PELO CARTÓRIO ELEITORAL COMPROVANDO TER O PARTIDO OBTIDO OS APOIAMENTOS NA RESPECTIVA ZONA, CONSTARÁ, UNICAMENTE, O NÚMERO DE ELEITORES ATÉ A DATA DA SUA EXPEDIÇÃO. E) QUANTO MAIOR FOR O NÚMERO DE APOIAMENTOS EM CADA ESTADO POR ZONA ELEITORAL, MELHOR SERÁ PARA A TOTALIZAÇÃO A NÍVEL NACIONAL ( 0,5% DO TOTAL DOS VOTOS PARA A CÂMARA DOS DEPUTADOS ), COM A FINALIDADE DE OBTER O REGISTRO NO TSE. SUGESTÃO PARA PLANEJAMENTO E CONTROLE DOS APOIAMENTOS POR ZONA ELEITORAL ZONA BAIRRO CONJ. EDIFÍCIO RUA/AVENIDA APOIAMENTOS ELEITORAL RESIDENCIAL TOTAL ÉTICA DIGNIDADE LIBERDADE

5 PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT APOIO DE ELEITORES PARA REGISTRO DO PGT, CONFORME LEI N O 9.096/95 E RESOLUÇÃO N O /95 DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TSE. NOME NÚMERO DO TÍTULO ASSINATURA AS ASSINATURAS NÃO SÃO VÁLIDAS PARA FILIAÇÕES

6 PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT

7 3 - INFORMAÇÕES GERAIS A) É RECOMENDÁVEL QUE SE ELABORE UM PLANO DE TRABALHO, DETALHADAMENTE, DE MODO A TER CONTROLE ABSOLUTO DOS ENCAMINHAMENTOS E RESULTADOS DAS COLETAS DOS APOIAMENTOS ( RUAS, QUADRAS, CONJUNTOS RESIDENCIAIS OU COMERCIAIS, BLOCOS E PRÉDIOS, COLÉGIOS ETC. ), POR ZONA ELEITORAL, EVITANDO CONTRATEMPOS COMO O APOIAMENTO REPETIDO, DADOS ERRADOS OU INFORMAÇÕES IMPRECISAS, QUANDO APRESENTADOS PARA ANÁLISE DO ESCRIVÃO ELEITORAL. > DEIXAR CLARO QUE O ATO DO APOIO NÃO É DE FILIAÇÃO. > TODA E QUALQUER DOCUMENTAÇÃO DEVE SER ENTREGUE MEDIANTE RECIBO, FICANDO ARQUIVADA CÓPIA EM PASTA ESPECÍFICA. B) OBSERVAR O DISPOSTO NA RESOLUÇÃO NO ( ) INSTRUÇÃO 3 DO TSE, SOBRE APOIAMENTOS E, TAMBÉM, O ESTATUTO DO PGT COM RELAÇÃO ÀS FILIAÇÕES E CONSTITUIÇÃO DOS ORGANISMOS PARTIDÁRIOS. C) APÓS OBTER O APOIAMENTO DE ELEITORES NO ESTADO, SERÁ PROVIDENCIADA A CONSTITUIÇÃO DEFINITIVA DOS DIRETÓRIOS MUNICIPAIS EM, PELO MENOS, 5% DO TOTAL DOS MUNICÍPIOS NO ESTADO (ESTATUTO - CAPÍTULO VI). D) COM A CONSTITUIÇÃO DOS DIRETÓRIOS MUNICIPAIS, SERÁ FORMADO O DIRETÓRIO ESTADUAL, DEFINITIVAMENTE E) EM CASO DE DÚVIDAS, A COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL DEVERÁ CONSULTAR, DIRETAMENTE, A COORDENAÇÃO ESTADUAL. ESTA, POR SUA VEZ, CONSULTAR A COORDENAÇÃO NACIONAL: > Celular: (0xx81) > Correspondências: INSTITUTO CENTRAL DOS DIRIGENTES, COORDENADORES MILITANTES DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO INDIC-PGT. RUA VISCONDE DE GOIANA, 35 - BOA VISTA, RECIFE - PE. CEP (0xx81) OU RUA DA SOLEDADE, 94 BOA VISTA, RECIFE PE CEP E ÉTICA DIGNIDADE LIBERDADE

8 4 - PROGRAMA E ESTATUTO DO PGT, EM 02 DE AGOSTO DE 2003 A ÚLTIMA ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA INDUZ A REPENSAR O RUMO DAS DECISÕES EM TORNO DA POLÍTICA, DA ECONOMIA E DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL DA NAÇÃO. LEGITIMAR O RESULTADO OBTIDO NAS URNAS É TAREFA FUNDAMENTAL, COM O OBJETIVO DE MATERIALIZAR UM NOVO PERFIL DE ESTADO DEMOCRÁTICO, NO QUAL SE COMPLEMENTE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO COM REFORMAS DE CUNHO PARTIDÁRIO, TRIBUTÁRIO, TRABALHISTA E EDUCACIONAL, COMO ESTEIOS DE SUSTENTAÇÃO PARA O AVANÇO DAS TRANSFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS À CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA SOCIEDADE QUE DEVERÁ TER COMO PRINCIPAL CARACTERÍSTICA O FIM DA EXPLORAÇÃO SOBRE O TRABALHO E A GARANTIA DO EQUILÍBRIO E JUSTIÇA SOCIAL. COM A DERROTA DA DITADURA FASCISTA-MILITAR, QUE AMORDAÇOU A INTELIGÊNCIA NACIONAL POR QUASE TRÊS DÉCADAS, NO SÉCULO PASSADO, A LUTA POLÍTICA ASSUMIDA PELA POPULAÇÃO INDUZIU EXPRESSIVAS LIDERANÇAS A ABDICAREM DE PROPOSTAS CONTINUISTAS COM APARÊNCIA MUDANCISTA, CONSTRUINDO MEIOS PARA ALAVANCAR NOVAS RELAÇÕES POLÍTICO- PARTIDÁRIAS. ASSIM, INICIALMENTE, PÔS FIM AO BIPARTIDARISMO E DETERMINOU POR UM COLÉGIO ELEITORAL RESTRITO UM PROGRESSIVO DESMONTE DO PODER CENTRALIZADOR, ELEGENDO EM SEGUIDA UMA ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE PARA ESTABELECER NOVOS PARÂMETROS NAS RELAÇÕES DA VIDA NACIONAL. FEZ, ASSIM, EMERGIR O MAIS ABRANGENTE DEBATE DA HISTÓRIA PRESIDENCIALISTA, POR MEIO DE CANDIDATURAS REPRESENTATIVAS DE VARIADOS SEGMENTOS E PENSAMENTOS IDEOLÓGICOS, NUM MOMENTO EM QUE EM OUTRAS PARTES DO PLANETA, TAMBÉM, SE CONSTATAVAM BUSCAS DE DIFERENTES RUMOS E AJUSTES INSTITUCIONAIS. NO PRINCÍPIO DA ÚLTIMA DÉCADA, A VIGILÂNCIA SISTEMÁTICA EXERCIDA SOBRE AUTORIDADES DE DIVERSAS MATIZES POSSIBILITOU O FORTALECIMENTO DAS INSTITUIÇÕES NACIONAIS, DANDO INÍCIO A UM PROCESSO DE DESAGREGAÇÃO DA CORRUPÇÃO EXISTENTE NAS HOSTES SUPERIORES, EXIGINDO O IMPEDIMENTO DO ENTÃO MANDATÁRIO E PROMOVENDO DENÚNCIAS SOBRE PERSONALIDADES DOS OUTROS PODERES DO ESTADO. PARALELAMENTE, EMPREENDEU SUA PRESENÇA ATRAVÉS DE UMA AMPLA DIVERSIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES, CONSELHOS E OUTRAS INSTÂNCIAS, CONVERTENDO DECISÕES QUE ESTARIAM LIMITADAS A PESSOAS OU GRUPOS RESTRITOS EM AÇÕES OBJETIVAS VOLTADAS PARA OS INTERESSES DAS MAIS DIVERSAS COMUNIDADES. CONCLUINDO UM ESTÁGIO DE ADEQUAÇÃO ÀS LIBERDADES DEMOCRÁTICAS ATRAVÉS DE OPÇÕES PROGRAMÁTICAS APRESENTADAS POR PARTIDOS DE EXPRESSÕES HETEROGÊNEAS NOS CAMPOS DE ESQUERDA, CENTRO E DIREITA, ALÉM DA PROMOÇÃO DE DEBATES POR MEIO DE INSTITUIÇÕES REPRESENTATIVAS DE CARÁTER RACIAL, CORPORATIVO, RELIGIOSO E CULTURAL, OS SEGMENTOS SOCIAIS SE TORNARAM PARTÍCIPES ATIVOS DE UM EXERCÍCIO POLÍTICO DINÂMICO E DECISIVO. EXTERNANDO A EXPECTATIVA DE SUPERAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE MISERABILIDADE, POBREZA, DISPARIDADES E DISTORÇÕES, QUE RETRATAM A DESIGUALDADE SOCIAL DO PAÍS - CONSEQÜÊNCIA DE EXPROPRIAÇÕES DAS RIQUEZAS NATURAIS, DE UTILIZAÇÃO DAS TERRAS PELO LATIFÚNDIO E MINIFÚNDIO IMPRODUTIVOS, DE EXPLORAÇÃO ESCRAVOCRATA SOBRE A MÃO DE OBRA PRODUTIVA, DE GANHOS DO CAPITAL ESPECULATIVO CONCENTRADOR - APÓS DIVERSOS PLEITOS ELEITORAIS, DENTRE OS QUAIS TRÊS PARA O EXECUTIVO NACIONAL, A POPULAÇÃO DOMINOU VÁRIOS ESFORÇOS DAS ELITES CONSERVADORAS ARTICULADAS PARA MANUTENÇÃO DO STATUS QUO. DAÍ, NECESSÁRIO SE FAZ ENFATIZAR O ATUAL MOMENTO DA HISTÓRIA COMO DEMARCADOR DE UMA NOVA FASE PARA A VIDA NACIONAL. NESTE NOVO PERÍODO, RETOMA-SE A DISCUSSÃO DE SER INACEITÁVEL MANTER COMO DEFINIÇÃO DA PROPRIEDADE O QUE EXISTE DE ESPECÍFICO E QUALIFICADO PARA ATENDIMENTO A INTERESSES INDIVIDUALISTAS E LIMITADOS. TODA ELA DEVERÁ, MESMO SOB ÉGIDE DE UM ÚNICO INDIVÍDUO OU DE INDIVÍDUOS QUE FORMAM UM ÚNICO GRUPO, REFLETIR A OPÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA ALCANÇAR CONDIÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA A OUTRAS PESSOAS INDEPENDENTEMENTE DE RAÇA, CRENÇA, CONDUTA OU ATIVIDADE DE SUBSISTÊNCIA. PARA QUE SE EXTINGA SINGULAR REFERÊNCIA DE DESEQUILÍBRIO E DIFERENÇA SOCIAL, É INDISPENSÁVEL A GARANTIA DA DISTRIBUIÇÃO DOS MEIOS PARA UTILIZAÇÃO DA TERRA EM TORNO DAS CARÊNCIAS DE MANUTENÇÃO DA VIDA E DA NATUREZA. ESTE PROPÓSITO DEVERÁ NORTEAR TODOS OS OUTROS FATORES PARA PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS, NOS DIVERSOS SETORES AO ALCANCE DO TRABALHO HUMANO. ENQUANTO IMPRESCINDÍVEL, O ESTADO DEVERÁ CONSTITUIR ATIVO INSTRUMENTO DE DETERMINAÇÃO E CONTROLE DAS ESTRATÉGIAS, ATRIBUIÇÕES E ATIVIDADES CUJO OBJETO TRADUZA O ALCANCE DE SATISFAÇÃO. AO SE APREGOAR A REFORMULAÇÃO NÃO SE DEVE EXTINGUIR ESPAÇOS, MAS, AMPLIAR A AÇÃO AFIRMANDO-LHE O CONTROLE DEMOCRÁTICO EM TODA E QUALQUER SITUAÇÃO. O FORTALECIMENTO DA ATUAÇÃO PERMANENTE E CONSTANTE DO ESTADO DEMOCRÁTICO É O FATOR IMPORTANTE PARA A SUPERAÇÃO DE DESAJUSTES [SOCIAIS], DESEQUILÍBRIOS [FINANCEIROS], DISPARIDADES [REGIONAIS] E FALTA DE OPORTUNIDADES NUM MESMO TECIDO SOCIAL. É SOBRE ESSES ASPECTOS QUE SE ESTABELECEM OS PRINCÍPIOS PROGRAMÁTICOS DO PARTIDO GERAL DO TRABALHO PGT. UM NOVO PARTIDO QUE PRETENDE RESGATAR EM TODOS OS CARACTERES AS LUTAS DE UMA NAÇÃO E QUE SE ESTABELECE, ENQUANTO MEIO, À CONSECUÇÃO DO PODER EMANADO DA VONTADE DOS BRASILEIROS PARA, UNICAMENTE, EM SEU NOME SER EXERCIDO. PARA A DEFESA CONSTANTE E INTRANSIGENTE DOS INTERESSES CONTRA AS FORMAS DE ESPOLIAÇÃO, EXPLORAÇÃO E EXCLUSÃO QUE RECAIAM SOBRE A POPULAÇÃO, O PGT CONCLAMA TRABALHADORES ATIVOS E APOSENTADOS, PENSIONISTAS, PROFISSIONAIS LIBERAIS, EMPREENDEDORES, ESTUDANTES, DONAS DE CASA, INTELECTUAIS, ARTISTAS E TODOS OS SEGMENTOS EM ATIVIDADES, NORTEANDO A AÇÃO POLÍTICA SOBRE OS SEGUINTES TEMAS DEFINIDOS:

9 >PROPRIEDADE PRIVADA EM NENHUM ASPECTO PODE SER OBJETO DE PREJUÍZOS AOS INTERESSES COLETIVOS OU IGNORAR A RESPONSABILIDADE SOCIAL; >EXPLORAÇÃO COLETIVA PREDOMÍNIO PREFERENCIAL EM RELAÇÃO AO USUFRUTO INDIVIDUAL DOS MEIOS DE PRODUÇÃO, ATRAVÉS DE UNIDADES ASSOCIATIVAS ASSISTIDAS TECNICAMENTE PELO ESTADO, CONSIDERANDO-SE AS DIVERSIDADES E ALTERNATIVAS REGIONAIS; >POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTOS FAZ-SE IMPRESCINDÍVEL O EMPENHO EM TORNO DA CONVOCAÇÃO DOS SETORES PRODUTIVOS NO SENTIDO DE ELABORAR E ACOMPANHAR UM PLANEJAMENTO MACRO, COM POLÍTICAS ESPECÍFICAS SETORIAIS, REGIONAIS E DE ABSORÇÃO DOS RECURSOS NACIONAIS MATERIAIS E HUMANOS ATRAVÉS DE PARCERIAS INTERGOVERNAMENTAIS E ENVOLVENDO SETORES PÚBLICOS E PRIVADOS; >COMÉRCIO EXTERIOR O EXCEDENTE DO CONSUMO NACIONAL DEVERÁ SER DIRECIONADO AO MERCADO EXTERNO GARANTINDO TROCAS NECESSÁRIAS PARA O ABASTECIMENTO INTERNO E O IMPLEMENTO DA PRODUÇÃO EM TORNO DAS DEMANDAS DA POPULAÇÃO, COM POLÍTICAS QUE VISEM AO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO; >DIREITO AO TRABALHO GARANTIA DO ESTADO A TODOS OS CIDADÃOS ATRAVÉS DE OPORTUNIDADES PARA ESCOLHA LIVRE DA NATUREZA DA OCUPAÇÃO POR OPÇÃO PESSOAL, GARANTINDO-LHE RECOMPENSA E MEIOS PARA O SUSTENTO PRÓPRIO E DOS DEPENDENTES; >REGIME REPUBLICANO MEIO DE ORGANIZAÇÃO PARA UM ESTADO DEMOCRÁTICO ATRAVÉS DO SUFRÁGIO UNIVERSAL E CONTROLE SOCIAL SOBRE OS PODERES EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO, AUTÔNOMOS E INDEPENDENTES, COM NEUTRALIDADE FRENTE AOS CREDOS RELIGIOSOS E FILOSÓFICOS DEFINIDOS PARA PROTEÇÃO DA PAZ, DA JUSTIÇA E DO DIREITO; >AUTOGESTÃO ESTRUTURAL FORMA PARA PROPAGAÇÃO DAS DEFINIÇÕES DE POLÍTICAS ECONÔMICAS, EDUCACIONAIS, CULTURAIS, SOCIAIS E CIENTÍFICAS COM DIRECIONAMENTOS SOBRE OS MEIOS INDISPENSÁVEIS À PRODUÇÃO E AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS. O PGT, ATRAVÉS DA AÇÃO DOS SEUS FILIADOS, MILITANTES E DOS SEGMENTOS ORGANIZADOS DA SOCIEDADE, PROPUGNA PELO APROFUNDAMENTO DO PROCESSO DE EVOLUÇÃO DOS MÉTODOS DE PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTO PARA RUPTURA DAS ULTRAPASSADAS RELAÇÕES ORGANIZACIONAIS POLÍTICAS, ECONÔMICAS E SOCIAIS, OBJETIVANDO A DISTRIBUIÇÃO DAS RIQUEZAS E O PLENO EMPREGO PARA TODAS AS PESSOAS COM REMUNERAÇÃO PLENA PARA SUBSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO COLETIVO. <><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><> RESUMO DO ESTATUTO DO PGT: CAPÍTULO VI - DAS CONVENÇÕES, DOS DIRETÓRIOS E DAS COMISSÕES EXECUTIVAS... ART AS CONVENÇÕES MUNICIPAIS CONVOCADAS PARA ELEGER OS MEMBROS DO DIRETÓRIO RESPECTIVO SERÃO CONSTITUÍDAS POR TODOS OS ELEITORES FILIADOS AO PARTIDO NO MUNICÍPIO. 1 O - PARA SE CONSTITUIR DIRETÓRIO MUNICIPAL DEVERÃO SER OBSERVADOS OS NÚMEROS MÍNIMOS DE FILIADOS, A SEGUIR: I)MUNICÍPIO COM ATÉ ELEITORES = 18 FILIADOS; II)MUNICÍPIO ENTRE E ELEITORES = 24 FILIADOS; III)MUNICÍPIO ENTRE E ELEITORES = 30 FILIADOS; IV)MUNICÍPIO A PARTIR DE ELEITORES = 42 FILIADOS.... ART COMPETE ÀS CONVENÇÕES: A)ELEGER OS MEMBROS DO RESPECTIVO DIRETÓRIO E SEUS SUPLENTES E, NO CASO DAS CONVENÇÕES MUNICIPAIS E ESTADUAIS, DOIS DELEGADOS E SUPLENTES EM IGUAL NÚMERO À CONVENÇÃO IMEDIATAMENTE SUPERIOR; B)INDICAR CANDIDATOS A CARGOS ELETIVOS, DELIBERAR SOBRE ALIANÇAS, ASSOCIAÇÕES E OUTRAS MATÉRIAS RELATIVAS AO PROCESSO ELEITORAL; C)FAZER CUMPRIR DETERMINAÇÕES DE AÇÃO PARTIDÁRIA EM SUA JURISDIÇÃO; D)POR CONVENÇÃO NACIONAL, MODIFICAR O ESTATUTO, PROGRAMA OU OUTRAS...

10 ART O DIRETÓRIO NACIONAL SERÁ COMPOSTO POR 36 MEMBROS EFETIVOS, OS ESTADUAIS E DISTRITAL POR 27 MEMBROS EFETIVOS E OS MUNICIPAIS POR ATÉ 21 MEMBROS EFETIVOS, INCLUÍDOS OS LÍDERES DAS BANCADAS RESPECTIVAS, ELEITOS PELAS CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS CONVOCADAS PARA ESSA FINALIDADE, NOS TERMOS DESTE ESTATUTO E REGULADAS PELO DIRETÓRIO NACIONAL. 1 O - A QUANTIDADE DE MEMBROS DOS DIRETÓRIOS MUNICIPAIS SERÁ A PARTIR DA METADE DO NÚMERO MÍNIMO DE FILIADOS, CONFORME TRATA O 1 O DO ARTIGO 18, COM LIMITE ESTABELECIDO NO CAPUT DESTE ARTIGO; 2 O - OS DIRETÓRIOS TÊM UM NÚMERO DE SUPLENTES IGUAL A 1/3 (UM TERÇO) DO TOTAL DE SEUS MEMBROS EFETIVOS.... ART COMPETE AOS DIRETÓRIOS: A)ELEGER DENTRE OS MEMBROS DO DIRETÓRIO A RESPECTIVA COMISSÃO EXECUTIVA; B)ELEGER OS MEMBROS DOS ORGANISMOS DE APOIO NO NÍVEL DE SUA JURISDIÇÃO; C)ZELAR PELA OBEDIÊNCIA AO PROGRAMA E A ESTE ESTATUTO, PODENDO DELEGAR ATRIBUIÇÕES AO ÓRGÃO DE EXECUÇÃO; D)SUBMETER O BALANÇO FINANCEIRO À JUSTIÇA ELEITORAL NOS TERMOS DA LEI;... ART AS COMISSÕES EXECUTIVAS TÊM A SEGUINTES COMPOSIÇÕES: I)COMISSÃO EXECUTIVA MUNICIPAL: PRESIDENTE, VICE-PRESIDENTE, SECRETÁRIO, TESOUREIRO, LÍDER DA BANCADA NAS CÂMARAS MUNICIPAIS E PRESIDENTES DOS ORGANISMOS DE APOIO E DE COOPERAÇÃO A NÍVEL LOCAL; II)COMISSÃO EXECUTIVA ESTADUAL: PRESIDENTE, VICE-PRESIDENTE, SECRETÁRIO, TESOUREIRO, LÍDER DA BANCADA NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, PRESIDENTES DOS ORGANISMOS DE APOIO E DE COOPERAÇÃO A NÍVEL ESTADUAL E DOIS VOGAIS; III)COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL: PRESIDENTE, VICE-PRESIDENTE NACIONAL, VICE-PRESIDENTE REGIONAL NORTE, VICE-PRESIDENTE REGIONAL NORDESTE, VICE- PRESIDENTE REGIONAL CENTRO-OESTE, VICE-PRESIDENTE REGIONAL SUDESTE, VICE- PRESIDENTE REGIONAL SUL, SECRETÁRIO, TESOUREIRO, LÍDERES DAS BANCADAS NA CÂMARA DOS DEPUTADOS E NO SENADO, PRESIDENTES DOS ORGANISMOS DE APOIO E DE COOPERAÇÃO A NÍVEL NACIONAL E QUATRO VOGAIS. 1 O - JUNTAMENTE COM OS MEMBROS DA COMISSÃO EXECUTIVA, SERÃO ESCOLHIDOS QUATRO SUPLENTES PARA SUBSTITUIÇÕES NOS CASOS DE IMPEDIMENTOS OU VAGA; 2 O - ENQUANTO NÃO HOUVER REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR NA ÁREA DE JURISDIÇÃO, A VAGA DESTINADA AO LÍDER SERÁ OCUPADA POR UM SUPLENTE; 3 O - AS COMISSÕES EXECUTIVAS DO PGT, EM TODOS OS NÍVEIS, ATRAVÉS DOS MEMBROS: PRESIDENTE, SECRETÁRIO E TESOUREIRO, DOTARÃO O RESPECTIVO DIRETÓRIO DE PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA PROMOVENDO, NA FORMA DA LEI, O REGISTRO NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA - CNPJ, A ABERTURA DE CONTA-CORRENTE EM ESTABELECIMENTO BANCÁRIO E DEMAIS ANOTAÇÕES LEGAIS.... ÉTICA DIGNIDADE LIBERDADE

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara Cria a FRENTE PARLAMENTAR DE APOIO AO COOPERATIVISMO FRENCOOP na Câmara de Vereadores de Victor Graeff. LAIRTON ANDRÉ KOECHE, Presidente da

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Para a efetivação da doação a entidade deverá enquadrar-se como: I. pessoa jurídica de direito público; ou II. instituição de ensino e pesquisa (excetos criados por lei estadual);

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007.

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Altera na integra o texto da Lei nº. 334/2002, de 20 de Dezembro de 2002, que cria o Conselho Municipal de Educação e da outras providencias. Faço saber

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO)

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Goiânia, 23 de março de 2010. Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Apesar da luta pela promoção e efetivação dos Direitos Humanos em nosso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A II Conferência Estadual do Meio Ambiente da Bahia - CEMA, convocada pelo Decreto Estadual nº 10.370, de 05

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA n 01, de 02 de janeiro de 2010, atualizada em 01 de dezembro de 2012. Toda ação da sociedade em relação à transparência

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP I DOCUMENTAÇÃO: Checar se, de acordo com o artigo 5º, da Lei n.º 9.790/99, o requerimento de qualificação como OSCIP (Modelo II) está acompanhado

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA Para a liberação de acesso ao Cadastro NIS pela internet, o empregador deverá entregar na Agência onde será concedida a autorização, cópia e original de documentação

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

Projeto Academia de Liderança. Edição 2014 Turma 1 Novas Lideranças

Projeto Academia de Liderança. Edição 2014 Turma 1 Novas Lideranças Projeto Academia de Liderança Edição 2014 Turma 1 Novas Lideranças APRESENTAÇÃO A Academia de Liderança é realizada pelo Senar-MT e visa levar conhecimentos e informações para as Lideranças Sindicais,

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Dispõe sobre a NBC P 5 sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI PROPOSTA DE PROJETO DE LEI Institui o Conselho Estadual de Comunicação Social e dá outras providências. Art. 1º. É instituído o Conselho Estadual de Comunicação Social, instância pública de caráter independente,

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA No Estado de São Paulo, a Lei Estadual n 2.574 de 4 de dezembro de 1980 estabelece normas para a declaração de utilidade pública. Cabe à Secreta a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB Brina Deponte Leveguen 1 RESUMO: O trabalho tem como objeto de estudo os órgãos de cúpula,

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO Republica por incorreção, o DECRETO Nº 202/13, que circulou no DOM Assomasul nº 0812, no dia 08/04/13, passando a vigorar com a redação abaixo. Aprova o Regimento da 5ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009 MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRL DE 2009 Estabelece os documentos necessários à certificação da situação de regularidade

Leia mais

EDITAL CMS/SMS Nº 001, DE 06 DE OUTUBRO DE 2015.

EDITAL CMS/SMS Nº 001, DE 06 DE OUTUBRO DE 2015. EDITAL CMS/SMS Nº 001, DE 06 DE OUTUBRO DE 2015. CONVOCA AS ENTIDADES PARA PARTICIPAR DO PROCESSO ELEITORAL PARA A COMPOSIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE TERESINA BIÊNIO 2016-2017. O Conselho Municipal

Leia mais

EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES RESOLVE:

EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES RESOLVE: EDITAL 08/2015-DF DE CONVOCAÇÃO DAS ENTIDADES O Doutor Rhamice Ibrahim Ali Ahmad Abdallah - MM. Juiz de Direito e Diretor do Foro da Comarca de Rondonópolis, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos Diretora Escolar e Gerente de Ensino Helena Mercedes Monteiro Supervisora

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 LEGISLAÇÃO E NORMA LEGISLAÇÃO GENERALIDADE PRINCÍPIOS; NORMA ESPECIFICIDADE REGRAS; CONSELHO DE EDUCAÇÃO: - CONTROLE SOBRE O CUMPRIMENTO DA LEI; - NORMATIZADOR

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN Autárquicas 2013 Funchal Situação Política, financeira, económica e social O Concelho do Funchal vive uma situação dramática, a pior desde a implementação da democracia, da autonomia e do poder local democrático.

Leia mais