Norma para criação de uma Unidade de Saúde Familiar (USF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma para criação de uma Unidade de Saúde Familiar (USF)"

Transcrição

1 Norma para criação de uma Unidade de Saúde Familiar (USF) 2013

2 Índice 1. Enquadramento e objetivo Âmbito Processo Apresentação de candidatura (Preenchimento de Formulário) e Análise Primária do Formulário de candidatura Decisão de não-aceitação ou de aceitação do formulário Análise da candidatura Decisão de Aceitação / Não Aceitação da Candidatura Procedimentos de implementação Homologação da candidatura Início de atividade Recomendações Documentos de referência Legislação Definições e abreviaturas Anexos Fluxograma detalhado de todo o processo (Anexo 1) Formulário de candidatura (Anexo 2) Parecer Técnico Mod. A (Anexo 3) Ficha de Recursos (Anexo 4) Outras Fichas (Anexo 5) Página 1 de 36

3 1. Enquadramento e objetivo A criação de uma nova unidade funcional de saúde no âmbito dos cuidados de saúde primários deve estar sujeita a um conjunto de regras e procedimentos reconhecidos pela ARSLVT, IP, no quadro das suas competências e atribuições, Decreto-Lei nº 22/2012, de 30 de janeiro. O presente documento tem por objetivo definir os termos por que se deve reger a criação de uma nova unidade de saúde familiar na ARSLVT, contemplando, nomeadamente, a apresentação da candidatura, desenvolvimento das ações necessárias à análise e aprovação (ou não) da mesma, a criação do centro de custo respetivo, a parametrização nos sistemas de informação da ARSLVT e do Ministério da Saúde e entrada em funcionamento no conjunto das unidades funcionais dos ACES da ARSLVT. Esta norma visa, igualmente, proporcionar o controlo e a clarificação das unidades funcionais existentes e a criar, de modo a apoiar e facilitar o trabalho dos serviços intervenientes no processo de criação de novas unidades funcionais e acompanhamento da sua atividade e desempenho assistencial. 2. Âmbito Os procedimentos estabelecidos neste documento aplicam-se à criação de novas unidades de saúde familiares, após avaliação e emissão de parecer técnico da candidatura apresentada por uma equipa de profissionais. Página 2 de 36

4 3. Processo O processo de constituição de uma USF é constituído por diferentes ações a seguir descritas e apresentadas no fluxograma que consta do anexo 1 a este documento e que faz parte integrante da Norma. Nesta fase deve ser definido: a mailing list com todos os intervenientes do processo, responsáveis pela análise e desenvolvimento dos trabalhos de preparação e constituição da USF (NI) um endereço de correio eletrónico institucional da ERA (NI) a preparação do instrumento de trabalho (folha Excel Anexo 4) que agrega e suporta a análise da candidatura da USF na ARSLVT 3.1. Apresentação de candidatura (Preenchimento de Formulário) e Análise Primária do Formulário de candidatura Intervenientes: ACSS, CD ARSLVT, Coordenador USF, DE ACES, ERA, NI O processo de constituição de uma USF começa com o preenchimento, por parte da equipa proponente, do formulário com proposta de candidatura no site da ACSS: dadosdesa%c3%badeprim%c3%a1rios/candidaturas/formul%c3%a1rio/tabid/1016/language/pt-pt/default.aspx Junta-se no Anexo 2 exemplo do Formulário de candidatura. Após submissão do Formulário, é enviada mensagem de correio eletrónico, automática, para o gestor da plataforma (ACSS) que insere alguns dados na mesma e envia mensagem para o Coordenador da USF, Conselho Diretivo da ARS, Diretor Executivo do ACES e para a ERA. A ERA, de seguida, desencadeia as etapas subsequentes de todo o processo de criação de uma USF, que envolvem a Direção Executiva do ACES, o Coordenador da USF proponente e os serviços da ARSLVT. A partir deste momento a equipa proponente da USF tem de enviar no prazo de 2 dias úteis, por correio eletrónico, os seguintes documentos: lista de utentes lista de recursos humanos afetos (nome, bilhete de Identidade/cartão do cidadão, cédula profissional e número mecanográfico de cada profissional) lista de recursos físicos necessários (anexo 4). Após a receção dos documentos a ERA, em parceria com a Direção Executiva do ACES, pronunciase em 2 dias úteis relativamente à aceitação ou não do formulário de candidatura, podendo ser acompanhado de documento com recomendações de melhoria a enviar aos proponentes da candidatura. Página 3 de 36

5 3.2. Decisão de não-aceitação ou de aceitação do formulário Intervenientes: CD ARSLVT, Coordenador USF, DE ACES, DGAG-UGF, DIE, DRH, ERA, NI, UAG a. Decisão de não-aceitação: A decisão de não-aceitação do Formulário de candidatura é proposta pela ERA ao Conselho Diretivo da ARS, que, caso concorde com o proposto, dá conhecimento da decisão tomada pelo CD, por mensagem de correio eletrónico, à Direção Executiva do ACES e ao Coordenador da USF. Nesta situação, o processo termina aqui. b. Decisão de aceitação: A decisão de aceitação do Formulário de candidatura é proposta pela ERA ao Conselho Diretivo da ARS, que, caso concorde com o proposto, dá conhecimento da decisão tomada pelo CD, por mensagem de correio eletrónico, à Direção Executiva do ACES, ao Coordenador da USF e ERA. A ERA dá ainda conhecimento desta decisão aos serviços da ARS: DRH, DIE, UAG, DGAG-UGF e NI. Nesta situação, o processo continua com as fases seguintes Análise da candidatura Intervenientes: Coordenador USF, DE ACES, DGAG-UGF, DIE, DRH, ERA, NI, UAG a. A análise de candidatura inicia-se com uma reunião, na qual devem participar todos os interlocutores no processo (ERA, DIE, UAG, NI, DRH, UGF, Diretor Executivo do ACES e Coordenador da USF candidata), que deve decorrer no prazo de 3 a 5 dias úteis, após conhecimento da decisão de aceitação, para preparação das tarefas e ações a desenvolver pelos diversos departamentos e unidades e marcação de visita ao local proposto para a USF. Deve ser identificado o responsável pelo projeto em cada um dos departamentos/unidades da ARSLVT. Da reunião deve resultar um plano de ações/atividades calendarizadas e elaborada a respetiva ata. b. Nesta fase deve ser realizado trabalho de campo com a participação da ERA, DIE, UAG, NI, DRH, Diretor Executivo do ACES e Coordenador da USF candidata. Das visitas ao local e/ou reuniões efetuadas deve ser elaborado relatório, com análise das condições existentes e as condições/ações que será necessário desenvolver. c. A análise da candidatura compete à: Equipa Regional de Apoio à Reforma dos CSP (ERA): Coordena todo o processo, informando os intervenientes das ações a desenvolver e recolhendo a informação desenvolvida pelos mesmos, indispensável para a elaboração do Parecer Técnico. As informações com solicitação de autorização de mobilidade e regimes contratuais dos profissionais que constituem a equipa da USF seguem para o CD que, após despacho superior, são remetidos para o DRH e incluídos no parecer técnico. Página 4 de 36

6 Unidade de Administração Geral (UAG): A UAG é a unidade funcional da sede da ARS encarregue de levar a cabo o processo aquisitivo necessário ao apetrechamento da futura USF. Para tal, necessita do contributo dos diversos intervenientes no processo na identificação das necessidades, na elaboração dos documentos pré-contratuais, nomeadamente no que se refere às características técnicas dos bens a adquirir e no desenvolvimento dos procedimentos, encontrando-se a sua atividade dependente da informação dos diversos intervenientes internos (ERA, DIE, DRH, ACES). A contratação rege-se pelo disposto no Código da Contratação Pública (CCP) e demais legislação dispersa, o que transformam esta atividade numa função complexa, dependente de inúmeros outputs (pareceres e autorizações) externos à ARS, não sendo por isso totalmente controlável internamente, o espaço de tempo necessário à conclusão do processo de aquisição, especialmente: (i) nos procedimentos que têm que correr obrigatoriamente através de centrais de compra, como a ESPAP (mobiliário de pequenas dimensões e em pequenas quantidades), SPMS (equipamento e serviços informáticos, telecomunicações e software) e UMC (mobiliária) (ii) assim como dos procedimentos que obrigatoriamente têm que ser submetidos a parecer da AMA, do Ministério da Saúde e do Ministério do Estado e das Finanças. Neste âmbito, fatores como a tipologia da aquisição e os montantes em causa podem levar a uma variação processual significativa. As informações com o pedido de autorização para aquisição de bens e serviços, equipamentos ou realização de obras são apresentadas ao Conselho Diretivo que, após despacho, análise e autorização, os remete à UAG, para desenvolvimento do procedimento de contratação e para inclusão no parecer técnico. Departamento de Instalações e Equipamentos (DIE): O DIE é o departamento responsável pelo acompanhamento das obras, manutenção e contratos essenciais ao bom funcionamento das estruturas e instalações das unidades funcionais da ARSLVT. Colige o seguinte conjunto de documentos processuais para desencadear os processos de aquisição das obras necessárias Caderno de encargos Plantas Mapa de quantidades Estimativa de custos Sinalética Página 5 de 36

7 Neste âmbito, é responsável pela elaboração da informação com proposta de aquisição de serviços para realização das obras necessárias à criação da USF, para submissão a autorização do CD da ARS, com toda a documentação essencial ao processo, a incluir no parecer técnico, na qual são expressos os prazos, os critérios de adjudicação, a proposta de empresas a contactar, a composição do júri e o preço-base. Atendendo à diversidade de eventuais obras a realizar neste tipo de unidades, apresenta-se uma estimativa de prazos para elaboração de projetos: Tipo constituição valor prazo A trabalhos só de arquitetura 5.000,00 8 dias B trabalhos só de arquitetura [5.000,00, ,00 [ 15 dias C1 C2 D1 D2 trabalhos de arquitetura e especialidades sem AVAC trabalhos de arquitetura e especialidades com AVAC trabalhos de arquitetura e especialidades sem AVAC trabalhos de arquitetura e especialidades com AVAC [ ,00, ,00 ] 1 mês [ ,00, ,00 ] 2 mês > ,00 2 meses > ,00 3 meses Relativamente aos espaços físicos e equipamentos necessários à criação de uma USF, depois de desenhada e organizada a planta da USF, com a implantação dos equipamentos e a lista do material necessário, deve ser solicitado parecer ao Departamento de Saúde Pública - Área da Saúde Ocupacional e Saúde Ambiental, de modo a garantir que o projeto e o equipamento a adquirir se adequam aos espaços e finalidades propostos (salas de tratamentos, gabinetes médicos, etc.) e que cumpram as normas básicas de higienização e controlo de infeção. Estes pareceres são incluídos no parecer técnico. Para apetrechamento das unidades a listagem de equipamento não médico necessário adquirir deve ser acordado com todos os intervenientes do processo, respeitando as orientações do CD da ARS. Núcleo de Informática (NI): O NI é responsável pela área dos sistemas de informação da ARSLVT. O NI inicia a sua análise através de contacto com os técnicos de informática do ACES para avaliação e validação das necessidades indicadas na candidatura da USF face ao equipamento em utilização no local. Esta validação pode ocorrer no momento da visita (e reunião) ao local da equipa de análise da candidatura. Página 6 de 36

8 Após validação, o NI elabora informação com a lista de equipamento informático, aplicacionais e de comunicação necessários à USF e identifica as intervenções necessárias para a sua instalação (redes, cablagens, circuitos, comunicações, etc.) de acordo com as orientações do CD da ARS. Atualmente e sendo a aquisição de equipamento informático (postos de trabalho) centralizada e negociada pelos SPMS anualmente, o NI estima as necessidades para o ano e envia para os SPMS. Deste modo, em termos de postos de trabalho informático o mais provável será que os profissionais da USF continuem a utilizar os equipamentos que já usam e que têm as características necessárias para o desempenho da sua atividade. Para os equipamentos relacionados com a rede estruturada da Unidade, nomeadamente, bastidor e switches, o NI valida junto do DIE, se os mesmos estão incluídos na obra, caso contrário, assegura os mesmos, através do armazém de informática, se existirem, ou propõe a sua aquisição. Normalmente, e de conforme acordado com o DIE, caso seja incluído no projeto o equipamento de rede, as caraterísticas do mesmo são sempre validadas pelo NI. Apenas os passivos de rede (cablagem, tomadas de rede, réguas, ) são incluídas em projeto/obra do DIE. É validada também a morada onde a USF vai funcionar no sentido de verificar se as instalações da mesma já têm circuito de comunicações que a ligue à RIS, e existindo se o mesmo corresponde às necessidades igual ou superior a 2 Mbps. No caso de estarmos perante instalações que não tenham circuito de ligação à RIS (novas instalações), é elaborado oficio que é assinado pelo CD e enviado ao Presidente do CA dos SPMS,EPE e incluído no parecer técnico, solicitando a instalação de circuito de comunicações. O pedido de instalação de um novo circuito de comunicações deve ser feito com alguma antecedência relativamente à data em que se prevê abrir a USF, uma vez que a sua instalação demora entre 4 a 6 semanas dependendo da localização das instalações, em zona urbana ou rural, respetivamente. No caso de estarmos perante instalações novas ou obras que alteram a infraestrutura de rede da USF há uma articulação entre DIE e o NI, no sentido de se acompanhar a evolução das mesmas e garantir/validar que são cumpridas pelo empreiteiro os requisitos que a infraestrutura deverá ter e que constam do projeto. Departamento de Recursos Humanos (DRH): O DRH é responsável pela dotação e contratação dos recursos humanos dos serviços e unidades da ARSLVT, assim como pelo tratamento dos registos de assiduidade, vencimentos e carreiras dos profissionais. No âmbito desta norma é responsável conjuntamente com a ERA, DE do ACES e Coordenador da USF candidata, pela análise, da situação dos profissionais que constituem a equipa da USF, nomeadamente quanto à mobilidade e regimes contratuais, de acordo com a legislação em vigor e demais orientações sobre a matéria. As USF são equipas multidisciplinares constituídas por profissionais das carreiras especiais médica e de enfermagem e da carreira de assistente técnico. A (re)afetação de pessoal, de acordo com a legislação em vigor é da competência do DE do ACES, ao qual pertence a USF. Página 7 de 36

9 Assim, compete ao Diretor Executivo do ACES, no âmbito das competências de gestão de recursos humanos, alocar os recursos necessários ao cumprimento do plano de ação da USF e proceder à partilha de recursos que, segundo o princípio da economia de meios, devem ser comuns e estar afetos às diversas unidades funcionais do ACES. O n.º 1 da Norma V Mobilidade profissional, prevê que os profissionais que integrem a equipa, fora do seu quadro de origem ou mapa de afetação, são considerados em regime de mobilidade por destacamento. Nos termos da LVCR a mobilidade geral assume o regime de: 1. mobilidade interna - depende do acordo do trabalhador e dos órgãos ou serviços de origem e destino, tem a duração máxima de 18 meses, possível de consolidar definitivamente, desde que se opere na categoria e dentro do mesmo órgão ou serviço, por decisão do respetivo dirigente máximo. A competência para autorizar/indeferir encontra-se delegada no Vogal da Área dos Recursos Humanos do Conselho Diretivo da ARSLVT. No que concerne ao regime jurídico da relação de trabalho é aplicável o regime jurídico das respetivas carreiras, sendo que, poderão ser ainda aplicáveis, com as devidas adaptações, aos profissionais abrangidos pelo regime jurídico do contrato individual de trabalho, como é o caso dos trabalhadores que se encontram nos Hospitais E.P.E. 2. cedência de interesse público (CIP) - A celebração de acordo de CIP pressupõe a concordância escrita do órgão ou serviço, do membro do Governo respetivo, da entidade e do trabalhador e implica, na falta de disposição em contrário, a suspensão do estatuto de origem deste. O referido acordo depende de despacho de concordância do membro do Governo competente na respetiva área, bem como de parecer prévio favorável dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças e da Administração Pública, remetido à ACSS para este efeito. O tempo de análise, informação e submissão a despacho superior dos processos é variável. Há que ter presente a informação/parecer dos serviços, a necessidade de cabimento orçamental, caso o profissional venha de outra Instituição, e, também da própria competência, uma vez que, os processos remetidos à ACSS são morosos, nunca menos de 2 a 3 meses. O volume destes pedidos e de outros também atrasa a evolução do procedimento em causa. A análise dos recursos humanos constituí um documento indispensável ao parecer técnico. Departamento de Gestão e Administração Geral Unidade de Gestão Financeira (DGAG- UGF): O DGAG-UGF é o departamento responsável pela elaboração do Orçamento de funcionamento da ARSLVT, IP, bem como controlar a execução orçamental e, ainda, assegurar a prestação de contas. Página 8 de 36

10 Esta unidade com base nos documentos elaborados pelas outras unidades deve verificar a cabimentação orçamental necessária à implementação da USF, que deve fazer parte integrante do parecer técnico. d. O Coordenador da USF tem de apresentar, no prazo de 20 dias úteis, a seguinte documentação: Plano de ação Candidatura formal e. Após as visitas ao terreno, a ERA, com a colaboração da DE do ACES, elabora um parecer técnico (Anexo 3), com apreciação favorável ou não favorável, que é remetido ao CD da ARS para apreciação superior. No caso de apreciação favorável deverá constar um cronograma de todas as atividades e a data prevista de abertura da USF. O referido parecer tem em conta todas as análises feitas e peças produzidas por todos os intervenientes do processo Decisão de Aceitação / Não Aceitação da Candidatura Intervenientes: CD ARSLVT, Coordenador USF, DE ACES, DGAG-UGF, DIE, DRH, ERA, NI, UAG A decisão do CD da ARS é comunicada por mensagem de correio eletrónico à Direção Executiva do ACES, ao Coordenador da USF e à ERA. Decisão não favorável: No caso de parecer e decisão não favorável à continuidade da Candidatura o processo termina aqui. Decisão favorável: No caso de parecer e decisão favorável de continuidade da Candidatura, a comunicação da decisão é remetida não só à Direção Executiva do ACES, ao Coordenador da USF, e ERA, mas também aos serviços da ARS que intervêm no processo: DRH, DIE, UAG e NI, para implementação e acompanhamento dos procedimentos seguintes Procedimentos de implementação Intervenientes: DIE, DRH, ERA, NI, UAG No caso de aceitação da candidatura dá-se início à fase final do processo de criação da USF, onde: Departamento de Recursos Humanos (DRH): Finaliza o processo de (re)afetação de recursos humanos. O processo finaliza com o competente despacho superior de autorização ou indeferimento da reafectação de profissionais. Posteriormente, a decisão é comunicada aos respetivos serviços a fim de acordarem a data de início de funções do profissional na USF, e de imediato são efetivadas as alterações necessárias no RHV. Departamento de Instalações e Equipamentos (DIE): Acompanha o processo de aquisição, adjudicação e a realização de obras, caso necessário, e a instalação dos equipamentos necessários ao funcionamento da USF. Página 9 de 36

11 Unidade de Administração Geral (UAG): Desenvolve os procedimentos administrativos necessários para a realização de obras e a aquisição de equipamentos. Para a contratação das empreitadas e aquisição de equipamento não médico, o DIE prepara a documentação pré contratual e a UAG desenvolve o procedimento e conduz o restante processo até à assinatura do contrato. Para a aquisição de equipamento médico deverá solicitar-se parecer à Comissão de Harmonização e Escolha de Bens e Equipamentos (CHEBE), nomeada por deliberação do CD na ata nº52 de 06/03/2013, posteriormente a UAG desenvolve o procedimento e conduz o processo. A UAG procede à aquisição de serviços da seguinte forma: Segurança e limpeza - acordo-quadro via ESPAP. As empresas são selecionadas através de um de dois critérios melhor preço ou proposta economicamente mais vantajosa; Comunicações e de equipamento informático - acordo-quadro via SPMS; Energia elétrica - efetuado o procedimento através de acordo-quadro ESPAP; Água as câmaras municipais asseguram o fornecimento da água. Tem que ser adquirida ao fornecedor exclusivo de cada município. Núcleo de Informática (NI): Efetua o acompanhamento da instalação e configuração de equipamentos informáticos, assim como assegura o funcionamento e adequação das comunicações da USF. Quando é indicada pela ERA a data prevista para a abertura da USF, iniciam-se uma série de pontos de situação para verificar se estão reunidas as condições necessárias para o início de atividade da USF, no caso da informática, garantir que naquela data, a Unidade: 1. Tem ligação à RIS para a utilização dos vários sistemas de informação remotos, utilização de e acesso à internet; 2. Tem a infraestrutura de rede (passivos e ativos) bem instalada e de acordo com as normas; 3. Tem os postos de trabalho necessários (pc + impressora); 4. Tem todos os acessos e parametrizações nos vários sistemas informáticos que irão utilizar assegurados. Neste momento, é imperativa a existência/atribuição do código de local de prescrição da USF (1), sem o mesmo, não é possível garantir a criação de acessos, a correta parametrização dos sistemas, nem a realização de procedimentos normalmente associados à criação de novas Unidades (p.e. Migração de Listas de Utentes, atualização do Portal da Saúde, atualização da ficha SIGA após a criação da ficha, ) Serviço de (criar Institucional para a USF, seguindo as orientações preconizadas a Circular Normativa Nº11/CD/2012 da ARS). Página 10 de 36

12 Equipa Regional de Apoio à Reforma dos CSP (ERA): Tem a responsabilidade de marcar uma reunião final de verificação da conclusão dos processos para entrega das instalações. Deverá ser compilado todo o processo e ser entregue à DE do ACES e ao coordenador da USF, onde devem constar as características dos equipamentos instalados, contratos de manutenção, de segurança, limpeza e demais documentos afetos à unidade. Este processo é documentado em ficheiro Excel, partilhado por todos os intervenientes e disponível em pasta partilhada \\Arslvtfsv01\USF_INFO Homologação da candidatura Intervenientes: ACSS, CD ARSLVT, DGAG-UGF, ERA, NI, SPMS No caso de aceitação da candidatura, em simultâneo com a fase anterior, a ERA procede à preparação da documentação para homologação da mesma. Assim que compilada a documentação é enviada ao CD que, após aprovação, comunica à Equipa de Gestão de Locais dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), ACSS, DE do ACES e ao coordenador da USF e restantes intervenientes no processo da ARS, nomeadamente NI e DGAG-UGF, onde deve constar, impreterivelmente, a data de início de atividade. Nesta fase, são criados os seguintes códigos: NI código de local de prescrição UGF código de centro de custo (um dia útil) Neste contexto, é igualmente responsável pela criação e monitorização dos Centros de Custo de acordo com o preconizado na Circular Normativa n.º 5/2009 da ACSS, de 27 de Maio de 2009 e ainda, pela aplicação do estabelecido na Circular Normativa n.º 10/2010, de 11 de Novembro de 2010, na associação de Locais de Prescrição versus Centros de Custos. O conceito de centro de custo usado em controlo de gestão difere significativamente do conceito usado em contabilidade. Em contabilidade, um centro de custo é um acumulador de custos, diretos ou indiretos, associados à atividade, tem como propósito fazer a correta imputação dos custos e proveitos ocorridos com essa atividade, de forma a calcular a sua "valorização". O controlo de gestão usa o centro de custo a partir de outra perspetiva, tem por finalidade acumular os custos decorrentes dos meios ao dispor de um gestor. O propósito é a responsabilização sobre as decisões de gastos, e não a sua imputação. Definidos os objetivos a desempenhar por cada USF, a organização contabilística assume papel fundamental, surgindo a necessidade de criar um centro de custo para a devida monotorização económico-financeira essencial para o respetivo reporte de gestão. Legislação referida: Circular Normativa n.º 5/2009 da ACSS, 27/05/2009 Página 11 de 36

13 Circular Normativa n.º 10/2010 da ACSS, 11/11/2010 Oficio n.º da ACSS, 29/12/2010 Na criação do código de local de prescrição são seguidas as regras preconizadas pela ACSS no documento produzido pela ACSS Regras de Codificação de Locais de Prescrição e cumpridas as orientações dadas na circular normativa nº10/2010 da ACSS, seguindo o circuito indicado em articulação com a DGAG-UGF: preenchimento de formulário excel padronizado e envio do mesmo para o endereço Este procedimento terá repercussões internas na ACSS e SPMS, no sentido de serem informadas as várias equipas responsáveis pela manutenção de Sistemas que USF irá utilizar, e onde será necessário parametrizar o código de local de prescrição, a saber: 1) SINUS Sistema Informático das Unidades de Saúde 2) SAM Sistema de Apoio ao Médico 3) SAPE Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem 4) MARTA Módulo Administrativo de Registo de Taxas e Atos 5) RNU Registo Nacional de Utentes 6) SGTD Sistema de Gestão de Transporte de Doentes 7) CTH (ALERT) Consulta a Tempo e Horas 8) eagenda Agendamento de Consultas através da Internet 9) PDS Plataforma de Dados da Saúde 10) PRVR Portal de Requisição de Vinhetas e Receitas 11) CCF Centro de Conferência de Faturas 12) RNUF Registo Nacional de Unidades Funcionais 13) Módulo de Informação e Monitorização das Unidades Funcionais 14) Portal da Saúde Simultaneamente, na ARSLVT, é garantida também a atualização deste local nos seguintes sistemas: 1) SIARS; 2) SIGA; 3) SAP (em breve também a GLINTT); Após a criação dos códigos, os mesmos devem ser registados num template próprio (Anexo3_Template_local_prescricao.xls) para pedido de criação/alteração de Locais de Prescrição vs. Centros de Custo, a remeter pelo NI para a Equipa de Gestão de Locais dos SPMS, através do seguinte endereço eletrónico: 3.7. Início de atividade Intervenientes: ACSS, Assessoria Comunicação, CD ARSLVT, Coordenador USF, DE ACES, ERA Página 12 de 36

14 O processo termina com a entrada em funcionamento da USF e a inauguração da mesma, que por vezes é realizada em momento posterior. Concluídas as 2 fases anteriores (implementação e homologação) nomeadamente realizada a verificação da conclusão dos processos para entrega das instalações deverá estar já definida data real de início de atividade. Deverá dar-se conhecimento da mesma à ACSS, coordenadores de USF, CD, DE e à assessoria de comunicação. A entrega formal das instalações à equipa da USF deverá ocorrer previamente à data de início de atividade, sendo entregue nesta fase o processo referido anteriormente. Esta fase implica que as aplicações informáticas estejam operacionais, para registo administrativo, de consultas, vacinação, MCDT, taxas moderadoras, SGTD, etc., e posterior elaboração do movimento assistencial (estatística e indicadores de contratualização da USF). 4. Recomendações Sempre que possível, efetuar uma programação anual para a constituição das USF, desta forma os procedimentos administrativos seriam muito mais céleres. Devem ser realizadas visitas ao local de implementação da USF para assegurar a adequação dos procedimentos, em tempo útil, para entrada em funcionamento da USF e verificação do cumprimento das condições necessárias ao seu funcionamento. Destas visitas deve ser sempre elaborado relatório com recomendações. O levantamento realizado deve apresentar a estimativa global de custos associados à criação da USF, para avaliação, pelo CD da ARS, do custo total do investimento e da disponibilidade financeira para a sua realização. 5. Documentos de referência Glossário para as Unidades de Saúde Familiares, Ministério da Saúde, Missão para os Cuidados de Saúde Primários, maio 2006 Guião de apoio à preparação de candidaturas a USF Modelo A, Ministério da Saúde, Cuidados de Saúde Primários, setembro 2010 Metodologia de análise de candidaturas a USF, Ministério da Saúde, Cuidados de Saúde Primários, 22 de maio 2006 Orientações para instalação e equipamentos para USF, DGIES, novembro 2006/Ver. 3 Página 13 de 36

15 6. Legislação Identificam-se a seguir os principais diplomas legais aplicáveis: Gerais (a todos os intervenientes) Lei nº 98/97, de 26 de agosto, DR, 1.ª série, n.º 196, de Decreto-Lei n.º 298/2007, de 22 de agosto, DR, 1.ª série, n.º 161, de Decreto-Lei nº 18/2008, de 29 de janeiro, DR, 1.ª série, n.º 20, de Decreto-Lei nº 124/2011, de 29 de dezembro, DR, 1.ª série, n.º 249, de Decreto-Lei n.º 22/2012, de 30 de janeiro, DR, 1.ª série, n.º 21, de Lei nº 8/2012, de 21 de fevereiro, DR, 1.ª série, n.º 37, de Portaria n.º 161/2012, de 22 de maio, DR, 1.ª série, n.º 99, de Portaria n.º 394-B/2012, de 29 de novembro, DR, 1.ª série, n.º 231, de Lei nº 66-B/2013, de 31 de dezembro, DR, 1.ª série, n.º º Suplemento, de Portaria nº 16/2013 de 17 de janeiro, DR, 1.ª série, n.º 12, de Específicos (de cada interveniente) Unidade de Administração Geral (UAG) Decreto-Lei nº 18/2008, de 29 de janeiro - Código da Contratação Pública Lei nº 8/2012, de 21 de fevereiro Lei de Compromissos e Pagamentos em Atraso; Lei nº 98/97 Lei de Organização e Processo do Tribunal de Contas; Lei nº 66-B/2013, de 13 de janeiro Orçamento de Estado para o ano 2013 (elaborado anualmente); Portaria nº 16/2013 de 17 de janeiro- Obrigatoriedade de Parecer Prévio do MEF para as aquisições de serviços (altera anualmente); Decreto-Lei nº 107/2012 de 18 de Maio AMA. Departamento de Recursos Humanos (DRH) Lei nº 12-A/2008, de 27 de fevereiro (LVCR), com as diversas alterações de que foi objeto; o o artigo 59.º e seguintes mobilidade interna artigo 58.º cedência de interesse público Decreto-Lei n.º 298/2007, de 22 de Agosto regime jurídico da organização e funcionamento das unidades de saúde familiar reafectação de profissionais Página 14 de 36

16 Despacho Normativo n.º 9/2006, de 16 de fevereiro mobilidade profissional Despacho Normativo n.º 10/2007, de 26 de janeiro mobilidade profissional Deliberação (extrato) n.º 247/2012, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 40, de 24 de fevereiro - competência para autorizar/indeferir a mobilidade interna N.º 1 da Norma V Mobilidade profissional, do Despacho Normativo n.º 9/2006, de 16 de fevereiro, com a nova redação dada pelo Despacho Normativo n.º 10/2007, de 26 de janeiro mobilidade por destacamento. Página 15 de 36

17 7. Definições e abreviaturas A ACES Agrupamento de Centro de Saúde ACSS Administração Central do Sistema de Saúde AMA - Agência para a Modernização Administrativa ARSLVT Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, IP C CD Conselho Diretivo CSP Cuidados de Saúde Primários D DE Direção Executiva DGAG - Departamento de Gestão e Administração Geral DIE Departamento de Instalações e Equipamentos DRH - Departamento de Recursos Humanos DSP - Departamento de Saúde Pública E ERA Equipa Regional de Apoio à Reforma dos Cuidados Primários de Saúde ESPAP - Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública N NEP Núcleo de Estudos e Planeamento NI Núcleo de Informática S SPMS Serviços Partilhados do Ministério da Saúde U UAG Unidade de Administração Geral UCSP Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados UGF Unidade de Gestão Financeira UMC Unidade Ministerial de Compras USF Unidade de Saúde Familiar Página 16 de 36

18 8. Anexos 8.1. Fluxograma detalhado de todo o processo (Anexo 1) Página 17 de 36

19 Página 18 de 36

20 8.2. Formulário de candidatura (Anexo 2) Página 19 de 36

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS Índice 1 Introdução... 4 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Organização do Guião... 5 2 Instruções de Utilização Balcão 2020... 6 2.1 Acesso à aplicação Módulos Contratos...

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 20 de fevereiro de 2014 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinadores Bronze Apoios Patrocinadores Globais Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014. Largo da Misericórdia 4490-421 Póvoa de Varzim Telefone: 252 690 600 Fax: 252 611 120 w w w.chpvvc.pt SUMÁRIO 0. ENQUADRAMENTO I. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira

MANUAL DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira 2013- MANUAL DE ARTICULAÇÃO Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira Índice 2 Introdução 3 Recursos Humanos 3 Instalações e equipamentos 3 População

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Relatório intercalar de acompanhamento do Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas

Relatório intercalar de acompanhamento do Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas Relatório intercalar de acompanhamento do Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Junho de 2015 www.arslvt.min-saude.pt 1

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS MAIO DE 2011 SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APROVISIONAMENTO E TRANSPORTES Regulamento para Requisição, Controlo e Fornecimento

Leia mais

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO Educação Especial 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo, desde há vários anos, a prestar particular atenção

Leia mais

Manual de Articulação

Manual de Articulação Minuta Manual de Articulação ACES (CS). USF Janeiro de 2009 INDÍCE I. INTRODUÇÃO.. II. ÂMBITO DO ACORDO. III. ÁREA GEOGRÁFICA DE ACTUAÇÃO DA USF. IV. COORDENADOR / COMPETÊNCIAS / RELAÇÕES INTERINSTITUCIONAIS.

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

A SECRETARIA-GERAL DO ME

A SECRETARIA-GERAL DO ME Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas NOVOS DESAFIOS PARA AS COMPRAS PÚBLICAS A DO ME Mª Ermelinda Carrachás 26 de novembro de 2014 MINISTÉRIO DA ECONOMIA O Ministério da Economia

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais 2015 Enquadramento A recuperação, tratamento e organização de acervos documentais com relevante interesse histórico,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 1. INDICE 1. INDICE 2 2. NOTA INTRODUTÓRIA 3 2.1 Caracterização do Instituto português do Sangue e da Transplantação, IP 3 2.2 Organograma 5 3. RELATÓRIO DE GESTÃO 6 3.1. RECURSOS

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 11 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 Perguntas e Respostas Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 v0 0 ÍNDICE

Leia mais

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho Portaria n.º 242/2011 de 21 de Junho O sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP), regulado pela Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, visa a adopção de um

Leia mais

a) Ter 18 anos de idade completos; b) Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se

a) Ter 18 anos de idade completos; b) Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se Aviso n.º 391/2012 Procedimento concursal comum para preenchimento de seis postos de trabalho na carreira e categoria de Assistente Operacional (Contrato de Trabalho em Funções por Tempo Indeterminado)

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento

EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento EDP Solidária - Inclusão Social 2015 Regulamento Artigo 1.º Do Programa EDP Solidária - Inclusão Social 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas atividades na área da inovação

Leia mais

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS O R D E M D O S E N F E R M E I R O S Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS A questão colocada: A quem competem as funções de gestão, coordenação

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Versão Data 1.0 2013-04-19 FAQ Perguntas Frequentes Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Apoiadas nos seguintes instrumentos jurídicos, administrativos e convencionais:

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo. 1.º Objeto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo. 1.º Objeto PARA GRANDES CAUSAS, GRANDES MISSÕES. REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo A MISSÃO CONTINENTE é a marca agregadora de todas as iniciativas de desenvolvimento sustentável e

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de outubro de 2015. Série. Número 189

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de outubro de 2015. Série. Número 189 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 19 de outubro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Despacho n.º 445/2015 Designa, em regime de substituição,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Acordo colectivo de trabalho n.º 12/2011 Acordo

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

IPBEJA. Manual de Procedimentos

IPBEJA. Manual de Procedimentos IPBEJA SETOR DE APROVISIONAMENTO E PATRIMÓNIO Manual de Procedimentos ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 APRESENTAÇÃO DO SETOR... 4 METODOLOGIA... 5 CAPÍTULO I AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS... 6 1. GLOSSÁRIO...

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Sessão de Capacitação Apoios Financeiros para a área social João Boavida - Maio 2013 Entrou em vigor em Fevereiro de 2009 com os seguintes objetivos: Sistematização

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Regulamento de Inventário de Bens de Consumo da. Administração Regional de Saúde do Algarve, IP

Regulamento de Inventário de Bens de Consumo da. Administração Regional de Saúde do Algarve, IP Regulamento de Inventário de Bens de Consumo da Administração Regional de Saúde do Algarve, IP Preâmbulo Este regulamento tem o objetivo de harmonizar e regulamentar o procedimento e os critérios de realização

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 c) Definição dos serviços a prestar e dos níveis indicativos a assegurar; d) Definição de requisitos e recursos, nomeadamente espaço

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade.

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade. 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as linhas gerais pelas quais se regem os cursos de formação desenvolvidos pelo ISEP FORGLOBE, bem como descrever as atividades e o funcionamento

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 23 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

MUNICIPIO DA SERTÃ AVISO

MUNICIPIO DA SERTÃ AVISO MUNICIPIO DA SERTÃ AVISO Procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo determinado contrato a termo resolutivo certo para 5 postos de trabalho de Assistente

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT 1. O que é a requisição electrónica de MCDT e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de requisições de meios auxiliares

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO 2015 nemaac.net facebook.com/nem.academica geral@nemaac.net Regulamento Projeto de Voluntariado Internacional InMotion 1. Definições Gerais 1.1. Geral 1.1.1. O Departamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Projeto de Decreto -Lei Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Capítulo I Objeto e natureza Artigo 1.º Objeto O presente decreto-lei define

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC Dicionário de termos e conceitos Folha de Controlo Nome do Documento: Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio Evolução do Documento Versão Autor

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE EVENTOS Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinte Apoio Reitoria

REGULAMENTO DE EVENTOS Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinte Apoio Reitoria REGULAMENTO DE EVENTOS Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinte Apoio Reitoria 1.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Página (José João Amoreira)

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

CAPÍTULO I. Objeto e âmbito

CAPÍTULO I. Objeto e âmbito O processo de revisão de carreiras especiais da saúde constitui uma necessidade no quadro mais amplo da reforma da Administração Pública, impondo-se que seja juridicamente enquadrado pelo disposto na Lei

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 19 Ed. Rev. Data 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Internos nas ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. 02 00 fev./2015

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

1182 Diário da República, 1.ª série N.º 38 22 de Fevereiro de 2008

1182 Diário da República, 1.ª série N.º 38 22 de Fevereiro de 2008 1182 Diário da República, 1.ª série N.º 38 22 de Fevereiro de 2008 3.................................... 4 A rotulagem, publicidade e apresentação dos produtos em questão não deve fazer referência à eventual

Leia mais

Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011

Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011 Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011 1 Agenda 1. O Sistema Nacional de Compras Públicas (SNCP) 2. O Papel das Unidades Ministeriais de Compras e da ANCP 3. A Formação de Acordos

Leia mais

DSAJAL/DAAL NG. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012. Empresas locais Integração de trabalhadores no Município. Despesas de Pessoal. novembro.

DSAJAL/DAAL NG. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012. Empresas locais Integração de trabalhadores no Município. Despesas de Pessoal. novembro. Nota Informativa 7/2012 Dezembro 2012 DSAJAL/DAAL NG Empresas locais Integração de trabalhadores no Município Despesas de Pessoal Com esta Nota Informativa pretende-se esclarecer as dúvidas colocadas pelas

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais