Projeto de Final de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Final de Curso"

Transcrição

1 PROGRAMA EQ-ANP Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural Síntese de Fischer-Tropsch: Processos Industriais e Adsorção de CO em Aglomerados Metálicos Cristiane Nascimento Santana Projeto de Final de Curso Orientadores Prof. Donato A. G. Aranda, D.sc. Rafael Monteiro (INPI), M.sc.

2 Novembro de 2006 ii

3 SÍNTESE DE FISCHER-TROPSCH: PROCESSOS INDUSTRIAIS E ADSORÇÃO DE CO EM AGLOMERADOS METÁLICOS Cristiane Nascimento Santana Projeto de Final de Curso submetido ao Corpo Docente do Programa Escola de Química/Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria de Petróleo e Gás Natural, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Engenharia Química com ênfase na área de Petróleo e Gás Natural Ênfase em Engenharia de Petróleo. Aprovado por: Luciana Camacho (UERJ), D.sc. Suzana Borschiver (DPO/EQ), D.sc. Mariana Mattos (DPI/EQ), D.sc. Orientado por: Donato A. G. Aranda, D.sc. Rafael Monteiro (INPI), M.sc. Rio de Janeiro, RJ - Brasil Novembro de 2006 i

4 Santana, Cristiane Nascimento. Síntese de Fischer-Tropsch: Processos Industriais e Adsorção de CO em Aglomerados Metálicos / Cristiane Nascimento Santana. Rio de Janeiro: UFRJ/EQ, vi, 92 p.; il. (Projeto Final de Curso) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Química, Orientadores: Donato A. G. Aranda e Rafael Monteiro. 1. Fischer-Tropsch. 2. GTL. 3. Catalyst of Fe/Co. 4. Projeto Final de Curso. (Graduação UFRJ/EQ). 5. Donato A. G. Aranda e Rafael Monteiro. I. Título. ii

5 Dedico este trabalho a minha família e a todas as pessoas que acreditaram e confiaram em mim. iii

6 Nada acontece por Acaso iv

7 AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer a Deus. A minha família por todo apoio, carinho e compreensão em todos os momentos, tanto felizes quanto difíceis. Ao André, que é uma pessoa muito especial para mim e está sempre ao meu lado em todos os momentos. A todos que trabalham no laboratório GREENTEC no LADEQ/EQ pelo apoio e grande ajuda, em especial a Márcia Castoldi por todo o suporte. Aos meus orientadores por todo suporte e compreensão durante todo o tempo da confecção do trabalho. Aos meus amigos da Escola de Química pelo companheirismo e amizade. Ao apoio financeiro da Agência Nacional do Petróleo ANP e da Financiadora de Estudos e Projetos FINEP por meio do Programa de Recursos Humanos da ANP para o Setor de Petróleo e Gás PRH-ANP/MCT, em particular ao PRH 13, da Escola de Química - Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural. v

8 Resumo do Projeto Final apresentado à Escola de Química como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Engenheiro Químico com ênfase na área de Petróleo e Gás Natural Engenharia de Petróleo. SÍNTESE DE FISCHER-TROPSCH: PROCESSOS INDUSTRIAIS E ADSORÇÃO DE CO EM AGLOMERADOS METÁLICOS Cristiane Nascimento Santana Novembro, 2006 Orientadores: Prof. Donato Aranda (DEQ/EQ), D.sc. Rafael Monteiro (INPI), M.sc Nome do Grau: Engenheira Química Nome da Ênfase: Engenharia de Petróleo RESUMO A demanda mundial por energia limpa está crescendo. Diversos governos na Europa, África, Ásia e os Estados Unidos estão impondo legislações de ar limpo cada vez mais rigorosos. O aumento de reservas de gás não aproveitáveis com a utilização de tecnologias tradicionais de transporte (gasodutos e gás natural liquefeito GLP) e o desenvolvimento de nichos de mercado para combustíveis sintéticos, em função da legislação ambiental, impulsionaram a renovação do interesse das empresas pela tecnologia GTL. O desenvolvimento da conversão do gás de síntese (CO + H 2 ) pelo processo de Fischer-Tropsch vem sendo promovido pela disponibilidade do gás natural, principalmente daqueles provenientes de regiões remotas ( stranded gas ). Plantas de processos GTL acima de barris/dia são viáveis, mesmo em condições econômicas menos favoráveis, apresentando-se como um investimento de baixo risco. vi

9 No processo de Fischer-Tropsch o gás natural é convertido em hidrocarbonetos e água com a utilização de catalisadores. Este processo é muito exotérmico com o calor de reação de 170 kj/mol. O processo ocorre em três etapas: geração do gás de síntese, síntese de Fischer-Tropsch e hidrotratamento. Os catalisadores clássicos para a hidrogenação de CO são feitos de metais como Fe, Co, Ni, Ru ou Rh suportados em vários óxidos. Entretanto, outros metais como cobre, por exemplo, e outros suportes também são utilizados. Os catalisadores mais utilizados na industria atualmente são os de ferro e de cobalto. O processo de Fischer-Tropsch gera produtos como o diesel, nafta, óleos lubrificantes, querosene e outros, combustíveis estes que são considerados ultra limpos, devido à redução de enxofre, compostos aromáticos e metais. Esses produtos apresentam alta qualidade, com alto número de cetano para o diesel, um alto número de octano para a gasolina, alto poder calorífico, muito baixa toxicidade, boa biodegradabilidade e imiscibilidade em água. A partir das projeções de demanda realizadas, nota-se que num futuro próximo, a demanda nacional de diesel é crescente e já que este é um dos produtos da síntese de Fischer-Tropsch, pode se tornar um dos produtivos investimentos que o Brasil poderá a vir fazer. Percebe-se que a oferta de combustíveis de Fischer-Tropsch está crescendo e diversas novas plantas estão sendo construídas com capacidades cada vez maiores, isto devido à economia de escala que para os processos GTL é um grande fator de diminuição dos custos do produto final. Os resultados da adsorção de CO nos aglomerados metálicos mostram o melhor desempenho observado na Síntese de Fischer-Tropsch para o catalisador de cobalto em comparação com o de ferro, uma vez que este é menos estável em relação ao outro. Porém em ambos os metais existe uma boa mobilidade necessária para a reação com o hidrogênio, não deixando o CO excessivamente agarrado a superfície. vii

10 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. O Gás Natural: Pricipal Matéria-Prima para Síntese de Fischer-Tropsch Características do Gás Natural Definições Composição Usos e Aplicações do Gás Natural Principais Usos e Aplicações do Gás Natural Vantagens do Gás Natural O Transporte de Gás Natural Gasodutos Navios Metaneiros / Navios Criogênicos Como Compostos Derivados Outros Modos Produção e Reservas de Gás Natural Produção Mundial de Gás Natural Produção Nacional de Gás Natural Reservas Mundiais de Gás Natural Reservas Nacionais de Gás Natural O Processo de Fischer-Tropsch O Histórico do Processo de Fischer-Tropsch As Etapas do Processo de Fischer-Tropsch Geração de Gás de Síntese Síntese de Fischer-Tropsch Mecanismo da Reação de Fischer-Tropsch Recuperação do Produto Hidroprocessamento Reatores Utilizados na Síntese de Fischer-Tropsch Reatores de Leito Fluidizado (FBR) Reatores de Lama Slurry (SBCR) Reatores Multitubulares de Leito Fixo (MTFBR) Projetos Alternativos de Reatores Reatores Monolíticos Reator com Recirculação de Gás Catalisadores Utilizados na Síntese de Fischer-Tropsch Catalisadores a base de Ferro Catalisadores a base de Cobalto Os Produtos da Síntese de Fischer-Tropsch Estudo Quântico da Síntese de Fischer-Tropsch Métodos em Química Computacional Métodos de Mecânica Molecular Métodos Quânticos Métodos Semi-empíricos Métodos Ab Initio Métodos da Teoria do Funcional da Densidade 48 i

11 4.2. Adsorção de CO em Aglomerados de Ferro e Cobalto Metodologia Estudo da Demanda e da Oferta de Combustíveis Adsorção de CO em Aglomerados Metálicos Análise Conformacional e Energia de Adsorção de CO em Ferro e Cobalto Distâncias Interatômicas resultados e discussão Estudo da Demanda e da Oferta de Combustíveis Análise da Demanda de Combustíveis Gasolina A Óleo Diesel Análise da Oferta de Combustíveis de Fischer-Tropsch Principais Empresas que Possuem o Processo de Fischer-Tropsch 69 SASOL 70 China 71 Syntroleum 71 Rentech 72 US DOE 73 Shell 73 Exxon Mobil As Principais Plantas GTL e suas Capacidades de Produção Adsorção de CO em Aglomerados de Ferro e Cobalto Análise Conformacional e Energia de Adsorção de CO em Fe e Co Sistema Fe-CO Sistema Co-CO Distâncias Interatômicas Sistema Fe-CO Sistema Co-CO Comparação da Adsorção de CO em Ferro e Cobalto Conclusões Referências Bibliográficas 90 ii

12 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Representação Esquemática de Reservas de Gás Natural. 4 Figura 2 Esquema Simplificado das Aplicações do Gás Natural 9 Figura 3 Rede de Gasodutos na América do Sul 11 Figura 4 Navio Criogênico para Transporte de GNL 12 Figura 5 Queima de Hidratos de Gás Natural (GNH) 13 Figura 6 Produção de Gás Natural em bilhões de m 3 14 Figura 7 Evolução da Produção de Gás Natural no Mundo 15 Figura 8 Evolução da Produção Nacional de Gás Natural 16 Figura 9 Reservas Mundiais de Gás Natural em trilhões de m 3 17 Figura 10 Fluxograma do Processo de Fischer-Tropsch 23 Figura 11 Mecanismo Proposto para a Etapa de Iniciação da Reação de Fischer-Tropsch (Fonte: Maitlis P. M., 2004) 27 Figura 12 Mecanismo Proposto para a Formação do C 2 (ad) 28 Figura 13 Mecanismo Proposto para a Etapa de Propagação da Reação de Fischer-Tropsch (Fonte: Maitlis P. M., 2004) 28 Figura 14 Mecanismo Proposto para a Etapa de Terminação da Reação de Fischer-Tropsch (Fonte: Maitlis P. M., 2004) 29 Figura 15 Mecanismo Proposto de Terminação para Parafinas e Olefinas 29 Figura 16 Reator de Leito Fluidizado (FBR) 31 Figura 17 Reator de Lama (SBCR) 32 Figura 18 Reator Multitubular de Leito Fixo (MTFBR) 33 Figura 19 Algumas Estruturas Monolíticas 34 Figura 20 Reator Monolítico com Recirculação de Líquido 35 Figura 21 Reator com Recirculação de Gás 36 Figura 22 Barril do Refino de Petróleo e Barril de Fischer-Tropsch 40 Figura 23 Classificação dos Métodos de Química Computacional 43 Figura 24 Clusters de Ferro. (a) Com 11 átomos (Fe 11 ), vista superior; (b) Com 11 átomos (Fe 11 ), vista lateral; (c) Com 7 átomos (Fe 7 ) 53 Figura 25 Clusters de Cobalto. (a) Com 10 átomos (Co 10 ), vista superior; (b) Com 10 átomos (Co 10 ), vista lateral; (c) Com 6 átomos (Co 6 ) 53 Figura 26 Procedimento para os Parâmetros Geométricos. (a) Distância C- Superfície, (b) Ângulo entre a Molécula de CO e a Superfície 55 Figura 27 Produção Nacional de Derivados de Petróleo Energéticos em mil m 3 57 Figura 28 Produção Nacional de Derivados do Petróleo Não-Energéticos em mil m 3 57 Figura 29 Produção, Importação e Exportação de Gasolina A no Brasil de em m 3 58 Figura 30 Ajuste dos pontos de Consumo Aparente (m 3 ) x Ano para a Gasolina A 59 Figura 31 Novo Ajuste dos pontos de Consumo Aparente x Ano para a Gasolina A 60 Figura 32 Ajuste Final dos pontos de Consumo Aparente x Ano para a Gasolina A 61 Figura 33 Ajuste dos pontos de Consumo Aparente x PIB per Capita para a Gasolina A 62 iii

13 Figura 34 Novo Ajuste para os pontos de Consumo Ap. x PIB per Capita para a Gasolina A 62 Figura 35 Ajuste Final dos pontos de Consumo Aparente x PIB per Capita para Gasolina A 63 Figura 36 Projeção da Demanda de Gasolina A para ambos os Casos Analisados 64 Figura 37 Produção, Importação e Exportação de Óleo Diesel no Brasil em m 3 65 Figura 38 Ajuste dos pontos de Consumo Aparente x Ano para o Óleo Diesel 66 Figura 39 Ajuste Final dos pontos de Consumo Aparente x Ano para o Óleo Diesel 66 Figura 40 Ajuste dos pontos de Consumo Aparente x PIB per Capita para o Óleo Diesel 67 Figura 41 Ajuste Final dos pontos de Consumo Aparente x PIB per Capita para o Óleo Diesel 68 Figura 42 Projeção da Demanda de Óleo Diesel em ambos os Casos Analisados 68 Figura 43 Estados Eletrônicos dos Aglomerados de Fe Figura 44 Estados Eletrônicos dos Aglomerados de Fe 7 78 Figura 45 Espécies Encontradas na Análise Conformacional para o Cluster de Fe Figura 46 Espécies Encontradas na Análise Conformacional para o Cluster de Fe 7 80 Figura 47 - Estados Eletrônicos dos Aglomerados de Co 6 82 Figura 48 Estados Eletrônicos dos Aglomerados de Co Figura 49 Espécie Encontrada na Análise Conformacional para o Cluster de Co 6 83 Figura 50 Espécies Encontradas na análise Conformacional para o Cluster de Co Figura 51 Espécie mais Estáveis nos Aglomerados de Ferro e Cobalto 87 iv

14 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Composição Típica do Gás Natural em % volumétrica 6 Tabela 2 Especificações do Gás Natural 7 Tabela 3 Produção Nacional de Gás Natural 16 Tabela 4 Reservas Nacionais Totais e Provadas 18 Tabela 5 Propriedades do Diesel Produzido por FTS 41 Tabela 6 Principais Plantas GTL operantes Atualmente 76 Tabela 7 Principais Projetos de Plantas GTL 76 Tabela 8 Energia de Adsorção para as Diferentes Conformações de CO nos Clusters 79 Tabela 9 Energia de Adsorção para as Diferentes Conformações de CO nos Clusters 81 Tabela 10 Energia de Adsorção para a Conformação de CO no Cluster de Co 83 Tabela 11 Energias de Adsorção para a Conformação de CO no Cluster de Co 84 Tabela 12 Distância Fe-C, Distância C-O e Ângulo com a Superfície para as Espécies Estudadas de Fe Tabela 13 - Distância Fe-C, Distância C-O e Ângulo com a Superfície para as Espécies Estudadas de Fe 7 86 Tabela 14 - Distância Co-C, Distância C-O e Ângulo com a Superfície para as Espécies Estudadas de Co 6 e Co Tabela 15 Resumo da Analise Conformacional e Parâmetros 88 v

15 ÍNDICE DE EQUAÇÕES Equação 1 Energia Total de uma Molécula 44 Equação 2 Energia de Estiramento 44 Equação 3 Energia de Deformação 44 Equação 4 Equação de Schrödinger 45 Equação 5 Equação de Schrödinger 45 vi

16 1. INTRODUÇÃO A demanda mundial por energia limpa está crescendo. Diversos governos na Europa, África, Ásia e os Estados Unidos estão impondo legislações de ar limpo cada vez mais rigorosos. A indústria de petróleo está procurando por formas de custo mais efetivas no suprimento, tais como um combustível que viabilize o vasto potencial econômico e energético de bilhões de metros cúbicos de gás encalhados. Devido às políticas de economia de energia, emissões de dióxido de carbono (CO 2 ) que são culpadas pelo aquecimento global e a queima de gás natural por flairs que vem sendo taxada, o processo Gas to Liquids (GTL) ganha grande interesse. [1] O aumento de reservas de gás não aproveitáveis com a utilização de tecnologias tradicionais de transporte (gasodutos e gás natural liquefeito GLP) e o desenvolvimento de nichos de mercado para combustíveis sintéticos, em função da legislação ambiental, impulsionaram a renovação do interesse [2], [3] das empresas pela tecnologia GTL. Essas restrições ambientais impostas à qualidade dos combustíveis são um grande incentivo para esta tecnologia, uma vez que tais exigências representam um aumento de custo para as refinarias tradicionais, que enfrentam uma situação cada vez mais difícil: devem produzir, com uma matéria-prima cada vez pior (óleos mais pesados), produtos cada vez mais limpos. [2] Cabe mencionar ainda que o processo de liberalização da indústria do gás natural e da eletricidade, nos principais mercados mundiais, levou a um aumento da volatilidade nos preços do gás, dificultando sua venda em contratos de longo prazo e, por conseqüência, criando obstáculos para o funcionamento de grandes projetos de gasodutos e de gás natural liquefeito (GNL). [3] 1

17 Apesar da tecnologia GTL ser bem conhecida, existem ainda limitações quanto à seletividade de seus catalisadores, tendo em vista a ampla distribuição de produtos obtidos. Processos catalíticos, em especial os processos envolvendo catálise heterogênea, normalmente ocorrendo em interfaces envolvendo sólidos, são processos que, embora com certo domínio tecnológico, não são, em sua maioria, conhecidos do ponto de vista molecular. Este trabalho busca fornecer uma visão geral do processo de Fischer- Tropsch, indo desde a matéria-prima (o gás natural) até o processo em si mencionando condições, equipamentos e mecanismo. A partir do estudo de simulação da adsorção de CO em clusters metálicos atestar os de maior estabilidade comparando com os utilizados industrialmente e juntamente com um estudo de demanda e oferta nacional de combustíveis, verificar a possibilidade de implementação destes catalisadores em uma planta de produção aqui no Brasil. O trabalho está composto por 7 capítulos. O capítulo 1 traz uma abordagem geral do cenário energético atual voltado para o gás natural e o processo GTL. No capítulo 2 há uma ênfase em relação ao gás natural como principal matéria-prima para o processo de Fischer-Tropsch falando das suas características, usos e aplicações e dados de reserva e produção. O capítulo 3 apresenta o detalhamento do processo de Fischer-Tropsch em si com um histórico, as reações, principais produtos e os catalisadores mais utilizados. No capítulo 4 são apresentados os métodos utilizados na química computacional e uma breve pesquisa bibliográfica sobre a adsorção de CO em aglomerados de ferro (Fe) e cobalto (Co). O capítulo 5 fala da metodologia utilizada no estudo da demanda e da oferta de combustíveis e nas simulações de adsorção de CO em ferro e cobalto para se atestar a estabilidade dos mesmos. No capítulo 6 estão os resultados do estudo da demanda e oferta e das simulações com suas respectivas discussões. No capítulo 7 são apresentadas as conclusões do trabalho. 2

18 2. O GÁS NATURAL: PRICIPAL MATÉRIA-PRIMA PARA SÍNTESE DE FISCHER-TROPSCH O gás natural vinha sendo e em alguns casos ainda é associado à produção de petróleo como um componente a mais. Mas isto está mudando, agora o gás natural vem se tornando uma comodite altamente desejável. Quando usado como combustível, sua queima é relativamente limpa e não há muita dificuldade em se remover gás sulfídrico (H 2 S) dele. [4] 2.1. Características do gás natural [5] Definições O gás natural pode ser proveniente de três fontes: Da degradação da matéria orgânica por bactérias anaeróbias; Da degradação da matéria orgânica e do carvão a temperatura e pressão elevadas; Da alteração térmica dos hidrocarbonetos líquidos. Por outro lado, a matéria orgânica fóssil (querogêneo) pode ser de dois tipos: Seca, quando derivada de matéria vegetal; Gordurosa, quando proveniente de algas e de matéria de origem animal. O querogêneo seco alcançando lentamente maiores profundidades no solo, passa a sofrer um processo gradual de cozimento, sendo então transformado em linhito, carvão negro, xisto carbonífero e metano. O gás natural pode ser gerado tanto através dos processos de decomposição do querogêneo seco quanto do gorduroso. Estima-se, portanto, que as reservas de gás natural existentes sejam maiores que as de petróleo e de carvão, visto que ele pode ser encontrado na natureza na presença destes dois elementos, ou procedentes destes, dependendo de sua origem. 3

19 Constitui-se um reservatório de gás natural quando este é encontrado na natureza acumulado em rochas porosas no subsolo, freqüentemente acompanhado por petróleo. Pode-se generalizar dizendo que, a partir de 6 Km de profundidade, somente gás natural pode ser encontrado. Em certo sentido pode-se considerar o gás natural como o irmão gêmeo do petróleo ou, de outra forma, determiná-lo como petróleo em estado gasoso. Uma definição: gás natural é uma fração de petróleo composta por uma mistura de hidrocarbonetos parafínicos leves, predominantemente metano, contendo etano, propano e outros compostos de maiores pesos moleculares, apresentando normalmente baixos teores de contaminantes (nitrogênio, dióxido de carbono, água e compostos de enxofre) e raras presenças de gases nobres. O gás natural é dividido em duas categorias: o gás associado e o gás nãoassociado. A primeira forma é daquele que, no reservatório está dissolvido no petróleo ou sob forma de capa de gás. Neste caso, a produção é determinada basicamente pela produção de petróleo. Já o gás não-associado é aquele que quando não está livre, a presença de petróleo se dá em quantidades muito pequenas. Nesse caso, só se justifica comercialmente produzir o gás. Figura 1 - Representação Esquemática de Reservas de Gás Natural. (Fonte: ANP, 2005) 4

20 Ainda, do ponto de vista de produção, o gás natural, ao ser extraído dos poços, é denominado rico ou úmido. O gás natural úmido é proveniente dos poços de gás não-associado ou das estações coletoras, quando provém de poços de gás associado. Ele contém, em geral, hidrocarbonetos mais pesados que o metano que devem ser removidos, seja por motivos comerciais, pois possuem alto valor econômico, seja por motivos operacionais, já que devem ser eliminados para tornar o gás apropriado a sua utilização como combustível ou o seu transporte em gasodutos Composição A composição do gás natural pode variar de campo para campo pelo fato de estar associado ou não ao petróleo e também por ter sido processado em unidades industriais. É um gás inodoro, incolor, inflamável e asfixiante quando aspirado em altas concentrações. Geralmente, para facilitar a identificação de vazamentos, compostos à base de enxofre são adicionados ao gás em concentrações suficientes para lhe dar um cheiro marcante, mas sem lhe atribuir características corrosivas, em um processo conhecido como odorização. De maneira equivocada, o gás natural muitas vezes é confundido com outros gases, muito embora cada um deles tenha origem e particularidades próprias. Pode-se destacar: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) Gás de botijão ou gás de cozinha, contém essencialmente propano e butano; Gás de Refinaria Etano; Gás Manufaturado H 2 (36,52%), CH 4 (25,63%), N 2 (20,33%), CO 2, CO e outros fabricado pela CEG (RJ); Gás de Nafta; Gás de Carvão ou Town Gás; Biogás Produzido por bactérias anaeróbias. 5

21 A tabela 1 apresenta a composição típica para o gás natural de alguns países e das regiões de grande produção do Brasil. Nota-se que o percentual de metano na maioria dos casos excede 70%, seguido pelo etano e restando em média 15% de outros hidrocarbonetos e impurezas. Tabela 1 Composição Típica do Gás Natural em % volumétrica (Fonte: GasNet) A tabela 2 apresenta as propriedades físico-químicas mais relevantes para o gás natural, as quais são relacionadas na Portaria nº 41 da ANP. Os valores referenciados representam os limites para que o gás natural, após processamento, seja considerado apto para comercialização, segundo a agência. 6

22 Tabela 2 Especificações do Gás Natural [1] Limites especificados são valores referidos a 20ºC e 101,3 kpa (1 atm), exceto onde indicado. [2] Para as regiões Norte e Nordeste, admite-se o valor de 3,5. [3] Para as regiões Norte e Nordeste, admite-se o valor de 6,0. [4] Para as regiões Norte e Nordeste, admite-se o valor de -3,9. (Fonte: ANP) 2.2. Usos e Aplicações do Gás Natural [5] Principais Usos e Aplicações do gás Natural Uma das principais utilizações para o gás natural é a produção de metanol e a fixação de nitrogênio do ar na produção de fertilizantes. Nesses processos o gás natural é o melhor insumo a ser utilizado, porém eles exigem escala de produção muito grande (centenas de milhares de toneladas por ano). 7

23 Além do preço da matéria-prima reduzido, a produção em larga escala também é uma razão pela qual as plantas produtoras se localizam junto à região onde há grandes jazidas de gás e longe dos mercados consumidores deste produto como combustível. Outro uso importante para o gás natural é como matéria-prima para a indústria petroquímica, visando a produção de eteno, principalmente, e de propeno. A fração do gás natural utilizada neste caso é o etano e hidrocarbonetos mais pesados. A economicidade deste processo induz para que a separação destas frações seja feita junto às unidades de processamento (UPGN s), com as unidades produtoras de eteno localizando-se em suas proximidades, ou em posição alcançável economicamente por dutos que conduzam a mistura etano e hidrocarbonetos mais pesados, em separado do gás seco (gás natural úmido que foi processado nas UPGN s). Normalmente não é econômico transportar o gás seco e fazer esta separação num segundo estágio. O gás natural é utilizado também como matéria-prima para a produção de hidrogênio, produto cada vez mais importante na indústria de refino de petróleo. Estas instalações geralmente são localizadas junto às refinarias, devido ao alto custo do transporte de hidrogênio. Uma utilização do gás natural que vem assumindo uma crescente importância no mundo inteiro é a geração de energia elétrica em grandes usinas próximas aos maiores centros de consumo. Esta alternativa complementa os sistemas existentes (hidrelétricas ou usinas nucleares), com riscos de transporte bem menores ( apagões ) ou riscos ambientais compatíveis com a sua localização junto às metrópoles. Essa alternativa tecnológica permite também a geração de energia elétrica por indústrias médioconsumidoras, sendo econômica até potências de alguns poucos megawatts. 8

24 Em face à baixíssima presença de contaminantes, eliminados no tratamento inicial, a combustão do gás natural é limpa, em comparação com os demais combustíveis usados. A combustão completa do gás natural produz apenas água e dióxido de carbônico, contribuindo de forma significativa para a melhoria da qualidade do ambiente, especialmente nas regiões onde ocorre grande concentração humana e, conseqüentemente, de alta densidade de uso energético. Apesar de eliminar CO 2 (como todos os combustíveis fósseis), não emite particulados nem óxidos de enxofre, dispensando tratamento dos gases de combustão. Nas áreas urbanas, o gás natural é distribuído por redes de tubulações subterrâneas gasodutos para ser utilizado nas residências (para cocção, aquecimento de água e calefação em regiões frias) e em estabelecimentos comerciais (centrais de ar condicionado). O uso do gás natural como combustível em motores de combustão interna é bastante difundido em alguns países, tanto em veículos leves (táxis e particulares) quanto pesados (ônibus e caminhões). Nos veículos automotivos, o gás é armazenado em cilindros à pressão de 194 atm, que são muito pesados e limitam a quantidade armazenável, restringindo um pouco a autonomia do veículo, mas sem prejuízos para a maioria dos seus usos urbanos. A figura 2 mostra de uma maneira resumida as principais aplicações do gás natural. 9

25 Amônia Eletricidade Grade de Distribuição H 2 GNL Olefinas (GTO) Metanol Gás Natural Líquidos de FT (GTL) Outros produtos químicos Combustíveis Alfa-olefinas Ceras Figura 2 Esquema Simplificado das Aplicações do Gás Natural (Fonte: UOP, 2003) Vantagens do Gás Natural Abaixo estão mostradas as vantagens do gás natural: Gás mais leve que o ar, dissipando-se rapidamente na atmosfera (o mesmo não ocorre com o GLP, cuja tendência é se acumular ao nível do solo durante um vazamento); Apresenta combustão completa emitindo somente CO 2 e água; Permite queima direta; Apresenta elevada eficiência térmica em comparação com outros combustíveis no momento da queima; Possui os maiores limites de inflamabilidade em misturas com o ar, garantindo uma maior segurança em relação à explosão; Apresenta grande versatilidade de usos; Substitui qualquer energia convencional; Possibilita controle de vazão e temperatura; Aumenta a disponibilidade de equipamento (estrutural), pois é um combustível mais limpo; 10

26 Não deposita contaminantes no produto; É isento de compostos pesados; As emissões de SO 2 são insignificantes; As emissões de NO x são reduzidas em comparação com todas as demais de combustíveis fósseis O Transporte de Gás Natural [5] No estado gasoso, o transporte do gás natural é feito por meios de dutos ou em casos específicos, em cilindros de alta pressão (como GNC gás natural comprimido). No estado líquido, o gás natural pode ser transportado por meio de navios, barcaças e caminhões criogênicos a -160ºC e seu volume é reduzido em cerca de 600 vezes, facilitando o armazenamento Gasodutos O transporte por gasodutos é a solução mais amplamente utilizada. Gasoduto é um duto (uma tubulação) para conduzir o gás natural, que nele é introduzido sob alta pressão por meio de compressores. Por força do fluxo, há uma perda de energia por atrito e a pressão vai caindo ao longo da tubulação, sendo necessária uma estação de compressão (de distância em distância) para elevar a pressão e permitir a continuidade do fluxo do produto. A operação do gasoduto é modernamente feita a distância, sendo monitorada por instrumentos ao longo da tubulação, seja com a utilização de comunicação de satélite, seja com fibras óticas na faixa de domínio do gasoduto (as quais são também utilizadas para comunicação de interesse geral). Esta instrumentação acompanha a evolução da pressão na tubulação (para identificar a eventual perda de gás para a atmosfera) e também mede o fluxo que passa ao longo dela, inclusive as saídas nos pontos de energia aos distribuidores city-gates para fins de faturamento. 11

27 A figura 3 apresenta a rede de gasodutos que levam o gás natural para o Brasil e para outros países da América do Sul. Nela também estão representados os gasodutos em construção e aqueles que estão sendo planejados. Figura 3 Rede de Gasodutos na América do Sul (Fonte: ANP, 2005) Navios Metaneiros / Navios Criogênicos O transporte de gás natural liquefeito (GNL), à temperatura de -162ºC em navios criogênicos, só costuma ser econômico para grandes volumes e distâncias. É usado onde não há possibilidade de outras alternativas como, por exemplo, nas transferências do Sudeste da Ásia e da Austrália para o Japão, de onde não havia alternativa na época em que os sistemas foram implantados (da Argélia para a França e Espanha). Os navios que levam o GNL das unidades de liquefação aos pontos de refrigeração dispõem de reservatórios isolados, capazes de suportar a temperatura do gás durante o transporte, não havendo refrigeração na viagem. Há uma perda que, mesmo nos navios mais modernos, vai a 0,1% ao dia. Além disto, o GNL é normalmente utilizado como combustível e uma pequena parte volta com o navio para manter os tanques frios. 12

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer A DIFERENÇA ENTRE GASOLINA E DIESEL HISTÓRICO Gasolina e diesel são produtos do refino de petróleo cru, achado no seu estado natural no subsolo em várias partes do mundo. Já o petróleo cru é um fluído

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

2 O setor Gas-to-Liquids (GTL) 2.1. Histórico

2 O setor Gas-to-Liquids (GTL) 2.1. Histórico 2 O setor Gas-to-Liquids (GTL) 2.1. Histórico A tecnologia de conversão do gás natural em líquido tem uma longa história que se inicia na década de 1920, quando os cientistas alemães Franz Fischer e Hans

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS SEMINÁRIO SOBRE GÁS PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS Introdução Consumo Percentual de Energia Primária no Mundo 1974 1998

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE Como pode cair no enem? (ENEM) No mundo contemporâneo, as reservas energéticas tornam-se estratégicas para muitos países no cenário internacional. Os

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Green Synthetic Fuel / Luís Guerra Conteúdos Conceito

Leia mais

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL MESTRADO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Prof. André Luis Dantas Ramos e Prof. Alexandre Ferreira Santos, PEP/NDTR/UNIT 1 Regulamentação

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO

PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO Ricardo Coelho Sousa¹; Lilian Lima Bomfim 2 ; Flávia Regina Góis Lobão 3 ; Antonio Guimarães Santos Júnior 4. ( ¹ ) Professor, Instituto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES Luis Thiago Panage Conelheiro 1, Arquimedes Luciano 2 RESUMO: Uma grande

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades CNI Brasília, 01/10/2009 Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria A Visão da Indústria

Leia mais

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 L. P. MALLMANN 1 e O. W. P. LOPEZ 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014 1 INSTITUCIONAL Versão 2014 Data: Março / 2014 1.1. A COMGÁS... 1.3 1.1.1. A empresa... 1.3 1.1.2. COMGÁS: uma combinação de competências e princípios... 1.3 1.1.3. COMGÁS: área de concessão... 1.3 1.1.3.1.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

GERAÇÃO DE HIDROGÊNIO

GERAÇÃO DE HIDROGÊNIO Capa GERAÇÃO DE HIDROGÊNIO O hidrogênio como combustível e fonte de energia vem sendo objeto de pesquisa em vários países do mundo, constituindo-se numa espécie de terceira geração de combustíveis. Prevê-se

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

GÁS NATURAL, IMPACTOS E BENEFÍCIOS

GÁS NATURAL, IMPACTOS E BENEFÍCIOS GÁS NATURAL, IMPACTOS E BENEFÍCIOS Ana Helena Pereira Acadêmica do curso de administração UNISALESIANO anahelenapereyra@hotmail.com Claudemir Pereira Ferreira Acadêmica do curso de administração UNISALESIANO

Leia mais

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO.

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Thiago Emanoel Pereira da Silva (*), David Oliveira de Carvalho, Michelle Juliana Pereira da Silva,

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS Laís Schiavon Da Rocha ¹ Rozanda Guedes Da Silva Costa ² O desenvolvimento econômico e os altos padrões de vida são processos complexos

Leia mais

Índice. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas. Aluno: n.

Índice. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas. Aluno: n. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas Índice Aluno: n.º: - Turma: 1) Definição de combustíveis 3 2) Classificação 3 2.1) Sólido 3 2.2) Líquido

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DIMENSIONAL DE GASEIFICADORES DO TIPO DOWNDRAFT PARA A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO Orientador(es) FERNANDO

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana 1. O iso-octano é um combustível automotivo. A combustão desse material ocorre na fase gasosa. Dados a massa molar do iso-octano igual a 114g/mol, o volume molar de gás nas "condições ambiente" igual a

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

O futuro do xisto nos Estados Unidos

O futuro do xisto nos Estados Unidos O futuro do xisto nos Estados Unidos Exploração do xisto nos Estados Unidos transforma matriz energética do país A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL

UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL Bruna de Souza Melo 1 ; Lara Caldas Batista Teixeira 2 ; Adriana Cláudia Câmara da Silva 3 1 Discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

5. Conclusões e Sugestões

5. Conclusões e Sugestões 185 5. Conclusões e Sugestões 5.1. Conclusões Os resultados obtidos através das diversas técnicas de caracterização dos suportes HMS (DDA), HMS (TDA) e SBA-15, assim como das diversas amostras de cobalto

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS AVIAÇÃO

BIOCOMBUSTÍVEIS AVIAÇÃO BIOCOMBUSTÍVEIS PARA AVIAÇÃO PONTO DE SITUAÇÃO JORGE LUCAS MAIO 2014 1 O processo de produção de biocombustíveis pode dividir-se em 3 grandes áreas: 1. Matérias-primas; 2. Tecnologias de transformação

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido para Produção de Etanol & Biodiesel

Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido para Produção de Etanol & Biodiesel Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido para Produção de Etanol & Biodiesel para produção de Etanol & Biodiesel Sistemas projetados por Gardner Denver Nash Os Sistemas de vácuo e compressão Gardner

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios Fluidos de Reservatórios Esquematicamente, os fluidos de reservatórios são três: óleo, água e gás. A interação entre os fluidos é estudada em uma célula PVT, equipamento de laboratório onde se pode misturar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais