SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA"

Transcrição

1 MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E ISOLADORES 1/19 1. FINALIDADE Fixar os desenhos padrões relativos à fabricação e ao recebimento de isoladores a serem utilizados nas redes aéreas de distribuição de energia elétrica da Celesc Distribuição S.A. - Celesc. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Aplica-se aos órgãos usuários e aos fornecedores dos materiais. 3. ASPECTOS LEGAIS Não há. 4. CONCEITOS BÁSICOS Os termos técnicos utilizados nesta Especificação estão de acordo com as normas de terminologia da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. 5. DISPOSIÇÕES GERAIS 5.1. Exigências Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: a) no desenho padrão; b) na especificação;

2 CÓDIGO: E FL. 2/19 c) nas normas técnicas da ABNT; d) nos relatórios técnicos do Comitê de Distribuição - CODI. Para fins de aquisição dos materiais, deve ser consultada a especificação técnica correspondente, indicada no item 1 - Características Gerais, das notas de cada desenho Padronização Os materiais padronizados nesta Especificação têm como base as Recomendações Técnicas de Distribuição - RTDs do CODI e da ABNT. 6. DISPOSIÇÕES FINAIS Não há. 7. ANEXOS 7.1. Isoladores I-01 Isolador castanha I-02 Isolador Olhal I-03 Isolador roldana I-04 Isolador tipo disco I-05-1 Isolador pilar porcelana I-05-2 Isolador pilar polimérico I-06 Isolador bastão composto polimérico I-07 Isolador pino polimérico para redes compactas

3 CÓDIGO: E FL. 3/19 Item Desenho ABNT Tabela I-01-1: Característcas do isolador castanha. Tensão suportável a 60 Hz, 1 min. (kv) A seco Sob Chuva Resistência mecânica mínima F (dan) Distância de Escoamento (mm) Código CELESC 1 C Nota: Dimensões do desenho em mm.

4 CÓDIGO: E FL. 4/19 I-01 Isolador Castanha 1. Características Gerais Conforme a Especificação E Isoladores de Porcelana. 2. Material Porcelana vidrada. 3. Acabamento Deve ter consistência homogênea, superfície externa lisa e cor marrom escuro. 4. Resistência Mecânica O isolador castanha deve suportar o esforço F de dan, sem sofrer trincas ou ruptura. 5. Identificação Deve ser gravado no corpo do isolador, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação. 6. Acondicionamento Conforme o desenho CP 221 da Especificação E Padrão de Embalagens.

5 CÓDIGO: E FL. 5/19 Tensão disruptiva em freqüência industrial (kv) A Seco Tabela I-02-1: Características do isolador olhal Resistência Resistência Mecânica a Mecânica a Sob Chuva Tração Flexão (dan) (dan) Código CELESC Notas: 1 Dimensões do desenho em mm; 2 Tolerâncias não indicadas, utilizar NBR Conhecido como isolador pimentão.

6 CÓDIGO: E FL. 6/19 I-02 Isolador Olhal 1. Características Gerais Conforme a Especificação E Isoladores de Porcelana. 2. Material Porcelana vidrada. Parafuso, aço 1020 galvanizado a quente, cabeça sextavada rosca soberba 5/16 x Acabamento Deve ter consistência homogênea, superfície externa lisa e cor marrom escuro. 4. Resistência Mecânica O isolador deve suportar os esforços indicados na tabela I-02-1, sem sofrer trincas ou ruptura. 5. Identificação Deve ser gravado no corpo do isolador, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação. 6. Acondicionamento Conforme a Especificação E Padrão de Embalagens.

7 CÓDIGO: E FL. 7/19 Item Desenho Padrão ABNT Tabela I-03-1: Características do isolador roldana. Tensão Suportável Nominal a Resistência Distância de 60Hz, 1 mim (kv) Mecânica Escoamento Sob Chuva Mínima F A Seco (mm) Código Celesc Horizont. Vertical (dan) Porcelana 1 R , R , Nota: Dimensões do desenho em mm.

8 CÓDIGO: E FL. 8/19 I-03 Isolador Roldana 1. Características Gerais Conforme a Especificação E Isoladores de Porcelana, e NBR 5032 Isoladores para linhas aéreas com tensões acima de V Isoladores de porcelana ou vidro para sistemas de corrente alternada. 2. Material Porcelana vidrada ou vidro recozido. 3. Acabamento Deve ter consistência perfeita e superfície externa lisa. O isolador de vidro deve ter uma bucha de polietileno de alta densidade, com espessura mínima de 1,2 mm. A cor do isolador de porcelana deve ser marrom escuro ou cinza claro e o isolador de vidro deve ser transparente. 4. Resistência Mecânica O isolador deve suportar o esforço F tabela I-03-1, sem sofrer qualquer trinca ou ruptura. 5. Identificação Deve ser gravado no corpo do isolador, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação. 6. Acondicionamento Conforme o desenho CP 221 da Especificação E Padrão de Embalagens.

9 CÓDIGO: E FL. 9/19 Item Des. ABNT Tabela I-04-1: características do isolador tipo disco. Tensão Suportável Nominal Tensão de Distância de Resistência Freqüência De Impulso Perfuração Escoamento Mecânica Industrial Atmosférico em Óleo Mínima F Mínima sob chuva Seco (kv) (kv) (mm) (dan) 1 min (kv) Código CELESC Porcelana Vidro 1 D

10 CÓDIGO: E FL. 10/19 I-04 Isolador Tipo Disco 1. Características Gerais Conforme a Especificação E Isoladores de Porcelana, e NBR 5032 Isoladores para linhas aéreas com tensões acima de V Isoladores de porcelana ou vidro para sistemas de corrente alternada. Os isoladores devem ser fornecidos montados com pino e cupilha. 2. Material 2.1. Corpo Porcelana vidrada ou vidro temperado Campânula Ferro fundido maleável ou nodular Pino e Pino-olhal Aço carbono, forjado ou ferro nodular Cupilha Bronze, latão ou aço inoxidável. 3. Acabamento O isolador deve ter consistência homogênea perfeita e superfície externa lisa. O isolador de porcelana deve ter cor marrom escuro e o isolador de vidro deve ser transparente. As peças de ferro ou aço, devem ser zincadas a quente, conforme a NBR Resistência Mecânica O isolador deve suportar o esforço F da tabela I-04-1, sem sofrer qualquer trinca ou ruptura.

11 CÓDIGO: E FL. 11/19 5. Identificação Deve ser gravado, de forma legível e indelével, no mínimo: a) no isolador: nome ou marca do fabricante e ano de fabricação; b) no pino: nome ou marca do fabricante. 6. Acondicionamento Conforme os desenhos EM 250 e EM 270 da Especificação E Padrão de Embalagens.

12 CÓDIGO: E FL. 12/19 I-05-1 ISOLADOR PILAR PORCELANA Item Tensão Nominal (kv) Tabela I : Características do isolador pilar de porcelana. Tensão Suportável Nominal de Impulso Atmosférico a Seco (kv) Tensão suportável em freqüência industrial, sob chuva 1 minuto (kv) Distância de Escoamento (mm) Carga Mínima de Ruptura à Flexão (kn) A ±8% Dimensões (mm) B máx C Rosca da Base Código Celesc 1 13,8 e 23, M20 x 2, , M20 x 2, Nota: Dimensões do desenho em mm.

13 CÓDIGO: E FL. 13/19 I-05-1 Isolador Pilar Porcelana 1. Características Gerais Conforme a Especificação E Isoladores de Porcelana. 2. Material 2.1. Corpo Porcelana vitrificada Base Aço carbono ABNT 1010 a 1020, zincado a quente, conforme a Norma Brasileira Registrada - NBR Acabamento Os isoladores de porcelana devem ter consistência homogênea, superfície externa lisa e cor cinza claro ou marrom. 4. Resistência Mecânica O isolador deve suportar o esforço F de 800 dan, sem apresentar qualquer trinca ou ruptura, quando ensaiado conforme detalhe. 5. Identificação Deve ser gravado no corpo do isolador, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação; c) classe de tensão. 6. Acondicionamento Em embalagens de madeira contendo uma quantidade adequada de peças, que permita o fácil manuseio, e paletização conforme Especificação E Padrão de Embalagens, em paletes de x mm, com carga máxima de 800 kg.

14 CÓDIGO: E FL. 14/19 I-05-2 ISOLADOR PILAR POLIMÉRICO Item Tensão Nominal (kv) Tabela I : Caracterísitcas do isolador pilar polimérico. Tensão Suportável Nominal de Impulso Atmosférico a Seco (kv) Tensão suportável em freqüência industrial, sob chuva 1 minuto (kv) Distância de Escoamento (mm) Carga Mínima de Ruptura à Flexão (kn) A ±8% Dimensões (mm) B máx C Rosca da Base Código Celesc 1 13,8 e 23, M20 x 2, , M20 x 2, Notas: 1) O ensaio de flexão deve ser realizado conforme desenho I ) Dimensões do desenho em mm.

15 CÓDIGO: E FL. 15/19 I-05-2 Isolador Pilar Polimérico 1. Características Gerais Conforme a Especificação vigente de Isoladores Pilar Poliméricos ou composto (consultar a Divisão de Engenharia e Normas DVEN) e NBR Material 2.1. Corpo Composto polimérico com núcleo a base fibras de vidro e resina, revestido de silicone HTV resistente ao intemperismo e ao trilhamento elétrico Cabeça e Base Aço carbono ABNT 1010 a 1020, zincado a quente, conforme a Norma Brasileira Registrada - NBR Acabamento Os isoladores poliméricos devem ser isentos de rebarbas e fissuras. 4. Resistência Mecânica O isolador deve suportar o esforço F de 800 dan, sem apresentar qualquer trinca ou ruptura, quando ensaiado conforme detalhe. 5. Identificação Deve ser gravado no corpo do isolador, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação; c) classe de tensão. 6. Acondicionamento Em caixas de papelão contendo uma quantidade adequada de peças que permita o fácil manuseio, e paletização conforme Especificação E Padrão de Embalagens.

16 CÓDIGO: E FL. 16/19 I-06 - ISOLADOR BASTÃO COMPOSTO POLIMÉRICO Item Tabela I-06-1: Características elétricas do isolador bastão polimérico. Tensão de rádio Tensão suportável (kv) interferência (TRI) 60Hz sob TRI Impulso Aplicada no chuva máxima (pico a seco) ensaio (kv) (1 minuto) (µv) Tensão Nominal (kv) Código CELESC 1 23, < , < Item Tabela I-06-2: Características mecânicas do isolador bastão polimérico. Tesão de Distância de Comprimento ruptura escoamento (mm) máximo L (mm) mínima (dan) Código CELESC Nota: Dimensões do desenho em mm.

17 CÓDIGO: E FL. 17/19 I-06 Isolador Bastão Composto Polimérico 1. Características Gerais Isolador Bastão, próprio para ancoragem de condutores em sistemas de distribuição conforme E Material 2.1. Corpo Material polimérico resistente ao intemperismo e trilhamento elétrico Partes Metálicas Aço inoxidável, liga de alumínio ou aço carbono zincado a quente, conforme NBR 6323, e espessura mínima de 100 micra, em uma única imersão. 3. Acabamento 3.1. Do Corpo isolante O corpo isolante não deve apresentar fissuras, asperezas, estrias ou inclusões que comprometam o desempenho do isolador Das partes metálicas Devem ter superfície contínua e uniforme. 4. Características Elétricas Conforme Tabela I Características Mecânicas Conforme Tabela I Identificação Deve ser gravado de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou a marca do fabricante; b) ano de fabricação; c) classe de tensão. 7. Acondicionamento Em caixas de papelão contendo uma quantidade suficiente que permita o fácil manuseio, e paletização conforme Especificação E Padrão de Embalagens.

18 CÓDIGO: E FL. 18/19 I-07 ISOLADOR PINO POLIMÉRICO PARA REDES COMPACTAS Item Tensão Nominal (kv) Tabela I-07-1: Características Elétricas do Isolador Tensão Suportável de Impulso Atmosférico (kv) ef MÍNIMO Tensão Suportável 60 Hz sob Chuva (kv) ef MÍNIMO Tensão de perfuração sob impulso (kv) Distância Mínima de Escoamento (mm) Código Celesc 1 13, ,1/34, Item Tabela I-07-2: Características Mecânicas do Isolador Massa Comprimento Aproximada máximo L (mm) (kg) Carga Mecânica Mínima (dan) Código Celesc , ,

19 CÓDIGO: E FL. 19/19 I-06 Isolador Pino Polimérico para Redes Compactas 1. Características Gerais Isolador tipo Pino Polimérico, próprio para redes compactas conforme NE-107E. 2. Material 2.1. Corpo Material polimérico resistente ao intemperismo e trilhamento elétrico em PEAD conforme NE- 107E. 3. Acabamento 3.1. Do Corpo isolante O corpo isolante não deve apresentar fissuras, asperezas, estrias ou inclusões que comprometam o desempenho do isolador. 4. Características Elétricas Conforme Tabela I Características Mecânicas Conforme Tabela I Identificação Deve ser gravado de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou a marca do fabricante; b) mês e ano de fabricação; c) classe de tensão. 7. Acondicionamento Em caixas de papelão contendo uma quantidade suficiente que permita o fácil manuseio, e paletização conforme Especificação E Padrão de Embalagens.

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 11 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de engate concha garfo para utilização nas subestações de energia da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 10 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do engate concha olhal 90º para utilização nas Subestações da CEMAR. 2 CAMPO DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 28/06/2005 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para manilhasapatilha utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/ 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para o gancho olhal utilizadas nas Redes de Distribuição Aéreas da Companhia Energética

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para porcaolhal utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do Maranhão

Leia mais

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR.

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 12 / 11 / 2012 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso de cabeça quadrada utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 11 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para Arruela Presilha, utilizados nas Redes de Distribuição da Companhia Energética

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0057 ISOLADORES TIPO PILAR POLIMÉRICOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0007 ACESSÓRIOS E FERRAGENS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO. CABOS DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADOS COLORIDOS (AUTOSSUSTENTÁVEL DE 0,6/1,0 kv)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO. CABOS DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADOS COLORIDOS (AUTOSSUSTENTÁVEL DE 0,6/1,0 kv) EMD - 0.005 1/10 NTD 2.07 CÓDIGO CEB-D ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E TIPO DE CABO FORMAÇÃ O SEÇÃO NOMINAL (mm 2 ) Nº MÍN. DE FIOS TABELA 1 CONDUTOR FASE DIÂMETRO DO ESPES CONDUTOR (mm) SURA DA ISOLAÇ

Leia mais

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS'

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO VISTA LATERAL SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO ILUSTRAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Isoladores de Vidro ou Porcelana Especificação. NTC-73 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Isoladores de Vidro ou Porcelana Especificação. NTC-73 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Isoladores de Vidro ou Porcelana Especificação NTC-73 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4.

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv EMD-.014 1/06 DESENHO MANTA COBERTURA- CLASSE 15 kv Código Tensão Dimensões (mm) CEB (kv) Largura Comprimento 92020176 13,8 140 200 92020174 13,8 200 400 DESENHO MANTA COBERTURA CLASSE 35 kv Código Tensão

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA FRONTAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA 1 - APLICAÇÃO: 1.1 -

Leia mais

Isoladores. Poliméricos para Alta Tensão. Níveis de Poluição. tipo IPB

Isoladores. Poliméricos para Alta Tensão. Níveis de Poluição. tipo IPB Isoladores tipo IPB Para quem busca o melhor serviço e a grande garantia de um fornecimento de energia de forma mais eficaz, o isolador de silicone Balestro, série IPB para Alta Tensão, atenderá às suas

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 600 ISOLADOR POLIMÉRICO TIPO PINO ESP - 600 edição vigência aprovação Agosto/98 DDPP Página 1 1. OBJETIVO Esta Especificação fixa as exigências mínimas

Leia mais

Usuários: Divisão de Engenharia da Distribuição, Gerências Regionais, Divisão de Suprimentos, Fornecedores.

Usuários: Divisão de Engenharia da Distribuição, Gerências Regionais, Divisão de Suprimentos, Fornecedores. PADRONIZAÇÃO P-81.006 Materiais para Redes Aéreas de Distribuição Especiais para Orla Marítima Processo: Expansão Versão: 1.0 Início de Vigência: 19-09-2016 Origem: Divisão de Engenharia de Distribuição

Leia mais

Materiais em Liga de Alumínio para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 04 08/2014 NORMA ND.09

Materiais em Liga de Alumínio para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 04 08/2014 NORMA ND.09 Materiais em Liga de Alumínio para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Padronização 08/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia,

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 16 / 04 / 2013 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de alumínio reforçado CAA utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR/CELPA.

Leia mais

Chave Fusível. Tecnologia com melhor Custo / Benefício!

Chave Fusível. Tecnologia com melhor Custo / Benefício! Chave Tecnologia com melhor Custo / Benefício! Chave Base C Suporte L (1) 264 mm -Polimérica 300A 15kV Normas NBR 8124 (PB 995) IEC 060282-2 ANSI C37-41 Consulte-nos sobre outras normas e tipos. Cartucho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL Código ETD-00.002 Data da emissão 11.01.1984 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4 Condições

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0071 FUSÍVEIS TIPO NH DE BAIXA TENSÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Especificação Sucinta de Caixa Modelo F5 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.198 2ª Folha 1 DE

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0044 ILUMINAÇÃO PÚBLICA 1/24 1.

Leia mais

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2200mm., Largura: 700/900/1100mm., Profundidade: 400/600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 1,90mm.

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÃO PRÉ-FABRICADO Cuiabá Mato Grosso - Brasil 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas

Leia mais

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 Corpo Isolador em Borracha de Silicone Classe Tensão 3,6/6 kv a 8,7/15 kv Ambientes Internos Boletim Técnico Março 2014 Descrição do produto Os conjuntos de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

Número: EMP Rev.: 1 Fl. 1/10

Número: EMP Rev.: 1 Fl. 1/10 Número: EMP-81193 Rev.: 1 Fl. 1/10 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO Emissão inicial, em substituição ao 0 28/10/2015 documento EMP-81193 Rev.34. Alteração do modelo do documento e Sebastião

Leia mais

e) NBR 6936, Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimento;

e) NBR 6936, Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimento; MA NU AL ESP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0055 ISOLADORES SUPORTE PARA

Leia mais

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW)

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) 1- Descrição do produto: O Terminal Contrátil a Frio M MR QTIII 7672-S-8 é um produto que atende os requisitos da norma IEEE 48 classe

Leia mais

1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco

1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco 1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco 4 INTRODUÇÃO Os transformadores de corrente foram desenhados para reduzir as correntes para valores tratáveis e proporcionais às principais originais. Separam

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações e Ancoragens 6.1. Amarrações para Isoladores 6.2. Amarrações para Espaçadores

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

Materiais para Redes Aéreas Isoladas de Distribuição de Energia Elétrica. Revisão 04 Julho/2014 NORMA ND.06

Materiais para Redes Aéreas Isoladas de Distribuição de Energia Elétrica. Revisão 04 Julho/2014 NORMA ND.06 Materiais para Redes Aéreas Isoladas de Distribuição de Energia Elétrica Julho/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações, Planejamento e Operação Rua Ary Antenor de Souza,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 20 / 10 / 2013 1 de 28 1 FINALIDADE Esta especificação padroniza os requisitos mínimos exigíveis a serem satisfeitos por qualquer fornecimento de Chaves Seccionadoras Unipolares (monopolares) a Companhia

Leia mais

Número: EMP Rev.: 3 Fl. 1/11

Número: EMP Rev.: 3 Fl. 1/11 Número: EMP-81650 Rev.: 3 Fl. 1/11 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 11/06/2013 Emissão inicial, em substituição ao documento EMP81650 revisão 62. Felippe Aguiar Tec. De Materiais Álvaro

Leia mais

Avaliação de Redes Aéreas Compactas em Ambientes Agressivos

Avaliação de Redes Aéreas Compactas em Ambientes Agressivos Avaliação de Redes Aéreas Compactas em Ambientes Agressivos D. R. de Mello e R. W. Garcia, CEPEL e C. E. M. Malheiros e R. L. Silva, LIGHT Materiais RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar os resultados

Leia mais

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES PROCESSO CPL N 761/2009 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2010 DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA O FORNECIMENTO DE TACHAS E TACHÕES, A SEREM UTILIZADOS NA SINALIZAÇÃO HORIZONTAL EM VIAS PÚBLICAS NO MUNICIPIO

Leia mais

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios;

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios; MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0084 REATOR ELETRÔNICO PARA LÂMPADA

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4B 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:9.23 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Por meio deste, esclarecemos o que segue:

Por meio deste, esclarecemos o que segue: Esclarecimento nº 01 Tomada de preços nº 15/02067 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Contratação de empresa para a construção de alimentadores da Subestação Tangará na Agência Regional de Videira. Data:

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0016 CABOS DE AÇO 01/15 1. FINALIDADE

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo DESENHO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-21/05/2014 23/05/2014 RODNEY P. MENDERICO JÚNIOR 1. RESUMO Este cumento padroniza as cruzetas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CHAVE FACA UNIPOLAR

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CHAVE FACA UNIPOLAR ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CHAVE FACA UNIPOLAR Código ETD-00.006 Data da emissão 12.06.1986 Data da última revisão 30.09.2010 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EMD -.037 1/19 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD.037 EMD -.037 2/19 1. OBJETIVO Esta EMD padroniza as características mínimas exigíveis para os conjuntos de aterramentos

Leia mais

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS LINHA ASTM A325 TIPO 1 São fixadores específicos de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade.

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0067 TAMPÃO PARA REDES SUBTERRÂNEAS

Leia mais

PLP BRASIL. Seção 1 Fixações de Estais e Cross Rope

PLP BRASIL. Seção 1 Fixações de Estais e Cross Rope Transmissão: Seção PLP BRSIL Seção ixações de Estais e Índice Página Conjunto de ixação de Estais VRI-GRIP VG - Grampo V ssimétrico GRV -4 Conectores de terramento -5-7 Transmissão: Seção PLP BRSIL Seção

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO

MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO MANUAL TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO ÍNDICE FICHA TÉCNICA DAS PLACAS DE SINALIZAÇÃO FIBRALIT SIGNUM ENSAIO DE CIZALHAMENTO - NORMA ASTM 8 ENSAIO DE TRAÇÃO - NORMA ASTM D 8 RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO PREPARAÇÃO

Leia mais

Pinos e cupilhas. Pinos e cavilhas

Pinos e cupilhas. Pinos e cavilhas A U A UL LA Pinos e cupilhas Introdução Até agora você estudou rebites que constituem um dos principais elementos de fixação. Mas existem outros elementos que um mecânico deve conhecer como pinos, cavilhas

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br Francisco Ceará Barbosa, 89 - Amarais - Campinas - SP -.08-00 - fibralit.com.br Fone: 9 000-0800 0 0809 - Fax: 9 - fibralit@fibralit.com.br ORIENTAÇÃO DE COMO PROCEDER NA ESTRUTURAÇÃO E FIXAÇÃO DE PLACAS

Leia mais

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3.

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0016 MEDIDOR ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO PARA MEDIÇÃO INDIRETA PARA CLIENTES DO GRUPO B 1/9 1. FINALIDADE Estabelecer

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT VALIDAÇÃO DE ENSAIOS

Leia mais

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8 ILUSTRAÇÃO Elemento de Sustentação Capa Externa Loose Tube Geléia Fio de Rasgamento (Rip Cord) Elemento de tração Fibra Óptica - Sem escala - Figura Ilustrativa - ELEMENTOS DO CABO Capa de Proteção Externa:

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de corrente MT e de 60 KV Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Setembro

Leia mais

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CARRETEL DE MADEIRA PARA EXPORTAÇÃO FICAP OPTEL CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos Tecnologia Cabos Ópticos Fs Tto GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 1/18

Leia mais

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SUPRIMENTOS SUBSISTEMA PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-141.0001 PADRÃO DE EMBALAGENS 1/20 1. FINALIDADE Estabelecer os padrões básicos para as embalagens utilizadas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD -.038 1/13 Foto meramente ilustrativa EMD -.038 2/13 CÓDIGO CEB D DESCRIÇÃO 32020025 Adaptador de Cabo 600 A 15 kv cabo cobre 95 mm². 35060039 Adaptador de Cabo 600 A.15 kv, cabo de cobre de 185/240

Leia mais

*-- ABERTURA DAS PROPOSTAS --* REGAO ELETRONIC NRO. 146/2012 *** DIA 12/04/2012 AS 08:30 HORAS

*-- ABERTURA DAS PROPOSTAS --* REGAO ELETRONIC NRO. 146/2012 *** DIA 12/04/2012 AS 08:30 HORAS Página 1 de 5 = F I R M A = = C G C / C P F = = E N D E R E C O = = TELEFONE = =RAMAL= = C I D A D E = = UF = = C E P = = E - M A I L = SOLICITAMOS COTAR PRECOS PARA OS MATERIAIS ABAIXO DISCRIMINADOS,

Leia mais

TITECON é utilizado em substratos sólidos (concreto, bloco e tijolo maciço), para a fixação de:

TITECON é utilizado em substratos sólidos (concreto, bloco e tijolo maciço), para a fixação de: Titecon Parafuso para concreto 1. APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição TITECON é um parafuso para aplicações leves e médias em materiais como concreto, blocos e tijolos maciços, de instalação rápida e fácil sem

Leia mais

CTP APL SN ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto. Construção. Descrição. Aplicação

CTP APL SN ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto. Construção. Descrição. Aplicação CTP APL SN Tipo do Produto Construção 10 a 600 pares Cabos Telefônicos Núcleo seco Descrição Cabo telefônico constituído por condutores de cobre eletrolítico maciço e estanhado, isolação em termoplástico,

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente(Material de Construção e Elétrico) 001 1190 Transformador em poste de 11,5 KVA-15KV, 60Hz alta tensão 1, ZKV, baixa tensão 0/17V. LOTE 001 / SETOR

Leia mais

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2) 1 PRODUTO: MESAS PARA SALA DE ESPERA - Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para uso em salas de espera. 2. REQUISITOS GERAIS 2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

Leia mais

(Produto descontinuado) CTP-APL-AS

(Produto descontinuado) CTP-APL-AS (Produto descontinuado) Tipo do Produto Construção 10 até 300 pares Cabos Telefônicos Cóbre Sólido Isolamento Sólido Nucleo seco Capa em Polietileno Instalação Aérea Descrição Cabo telefônico constituído

Leia mais

CABOS DE POTÊNCIA MULTIPLEXADOS AUTO- SUSTENTADOS, COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA DE POLIETILENO TERMOFIXO XLPE, PARA TENSÕES ATÉ 0,6 / 1,0 kv

CABOS DE POTÊNCIA MULTIPLEXADOS AUTO- SUSTENTADOS, COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA DE POLIETILENO TERMOFIXO XLPE, PARA TENSÕES ATÉ 0,6 / 1,0 kv CABOS DE POTÊNCIA MULTIPLEXADOS AUTO- SUSTENTADOS, COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA DE POLIETILENO TERMOFIXO XLPE, PARA TENSÕES ATÉ 0,6 / 1,0 kv INS-ESP-028 DEC-DT 064/95 Vigência: 13.10.95 Índice ITEM ASSUNTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 10 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabos de potência isolado 0,6/1kV utilizados nas Redes de Distribuição da Companhia

Leia mais

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA)

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) Serviço indicado para fabricantes de máquinas e equipamentos, que utilizam peças; de pequenas dimensões (até 10kg) em alumínio fundidas em areia; shell moulding;

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

A parceria com Inter Product disponibiliza a mais completa linha de Pega-Chapas, oferecendo as mais variadas opções de elevação de chapas e perfis.

A parceria com Inter Product disponibiliza a mais completa linha de Pega-Chapas, oferecendo as mais variadas opções de elevação de chapas e perfis. Com o objetivo de oferecer soluções completas, proporcionando os mais altos níveis de segurança e qualidade em movimentação de cargas, protegendo tanto a carga, quanto a equipe de trabalho, a Gunnebo Industries

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CD.DT.PDN MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 07

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CD.DT.PDN MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 07 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.002 07 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DEEE SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. REFERÊNCIAS EXTERNAS...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0051 PÁRA-RAIOS COM RESISTOR NÃO

Leia mais

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos 1/6 Title Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos Registration Nº: (Abstract) 220 Company Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL) Authors of the paper Name Country e-mail Darcy

Leia mais

Aplica-se aos órgãos usuários, empreiteiras e aos fornecedores dos materiais.

Aplica-se aos órgãos usuários, empreiteiras e aos fornecedores dos materiais. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0077 TERMINAIS E EMENDAS PRÉ ISOLADAS

Leia mais

Parafuso Francês com Porca Sextavada

Parafuso Francês com Porca Sextavada PA FR C/PO SX Dimensões: ANSI B. Rosca BSW: BS - Média Rosca UNC: ASME B. - A Parafuso - B Porca Material: Aço Baixo Carbono Fornecido com componentes desmontados - F.P.P. Compr. - Até 6 mín. de rosca

Leia mais

SUMÁRIO. 6.1 Generalidades Desenho do Material... 5

SUMÁRIO. 6.1 Generalidades Desenho do Material... 5 06/10/2014 1 de 17 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 2 4 DEFINIÇÕES... 2 5 REFERÊNCIAS... 4 6 CONDIÇÕES GERAIS... 5 6.1 Generalidades... 5 6.2 Desenho do Material...

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 05/11/2014 1 de 214 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 4 4.2 Aterramento... 4 4.3 Distribuidora...

Leia mais

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIUIÇÃO SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0002 ESTRUTURAS PARA REDES AÉREAS

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais