Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades:"

Transcrição

1 14 Vidraria Taipas Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: Propriedades Acústicas Propriedades Espectrofotométricas Propriedades Térmicas Propriedades de Segurança Propriedades Decorativas Propriedades Económicas Propriedades Ecológicas Controlo de condensações Vidro DUPLO O vidro duplo é formado por dois ou mais vidros separados entre si por uma câmara, geralmente de ar ou de um gás que lhe atribui melhores prestações. Vidro Câmara de ar seco ou mescla de gases pesados Vidro Perfil separador de Alumínio Anodizado 1º Selante Absorvente de humidade 2º Selante

2 Propriedades Acústicas A força de um ruído está caracterizada pela sua intensidade e a sua pressão (medidas respectivamente em Watts por metro quadrado e em Pascal). Geralmente, os níveis de intensidade e pressão medem-se numa escala logarítmica. O ponto de origem é o início da audibilidade. A unidade, o decibel (db), é portanto o logaritmo de uma relação. A intensidade acústica, quando houver mais do que um foco de som, não será a soma das intensidades dos focos produtores. Frequência A frequência é o número de vezes em que um fenómeno periódico adquire o mesmo estado por segundo. Expressa-se em ciclos por segundo, medindo pela unidade do Hertz (Hz). O ouvido humano é sensível para os sons com frequências compreendidas entre 16 e Hz. Valores ponderados Devido à diferença de sensibilidade do ouvido humano aos diferentes tons (graves, médios, agudos), ponderam-se os níveis seguindo uma curva chamada curva A. Os níveis, expressos em decibéis (A), representam melhor o incómodo de um ruído. Os sonómetros permitem a medição directa dos níveis em db ou em db (A). Transmissão do som A transmissão dos sons através das paredes efectua-se simultaneamente de diferentes formas: Filtragem e desvio caso a estanquicidade não seja perfeita. Vibração da parede, que se deforma nos seus deslocamentos, comportando-se como um verdadeiro emissor. Através de uma parede não porosa como o vidro, a transmissão de um som aéreo depende então, essencialmente: Da massa e da sua rigidez, ou seja, da sua espessura. Da sua forma de fixação rígida ou flexível. Quanto mais espessa e pesada, e quando mais separada estiver, menos entrará em vibração e mais isolante será. Isolamento acústico É a diferença de níveis de pressão acústica medidos nas duas faces de uma parede. Este isolamento é o resultado calculado depois de medir in situ os lados sonoros L1 e L2 em ambas as faces de uma parede. Dependerá em grande parte de: Características acústicas dos materiais que constituem a parede. Superfície relativa ocupada por cada tipo diferente de material. Ligação entre os diferentes materiais. Transmissões indirectas pelas outras paredes. Estanquicidade das montagens. Espectros do som. Ângulos de incidência das ondas sonoras.

3 16 Vidraria Taipas Propriedades Espectrofotométricas Transmissão do fluxo luminoso através de um vidro Quando um raio de comprimento de onda conhecido incide sobre um vidro, uma parte do fluxo incidente é reflectida, outra parte absorvida e a restante transmitida para a outra face. Total Energia Solar Reflexão Directa Exterior Absorção interior A relação de cada uma destas três partes com o fluxo incidente define os factores de reflexão, absorção e transmissão de cada comprimento de onda, permitindo desta forma estudar e realizar a curva espectral de transmissão dos raios solares através do vidro. Absorção interior Reflexão Indirecta Interior Transmissão Directa + Transmissão Indirecta = FACTOR SOLAR Características luminosas Sensação luminosa A sensação luminosa é experimentada pela acção de raios de comprimento de onda compreendidos entre 380 e 700 nanómetros. Esta é, de facto, a radiação que, ao incidir no olho com uma eficácia dependente do comprimento de onda, permite o fenómeno fisiológico da visão. A eficácia luminosa de diferentes radiações permite a transformação do fluxo energético emitido por uma fonte de radiação em fluxo luminoso. Factores de transmissão e reflexão luminosa Os factores de transmissão e de reflexão luminosa de um vidro são as relações do fluxo luminoso transmitido ou reflectido relativamente ao fluxo luminoso incidente. Características Energéticas Energia radiada pelo sol A quantidade de energia solar que chega sobre uma parede vertical, com ângulo incidente de 30º, depois de atravessar uma situação atmosférica M=2 (céu limpo), é de 705,25 Watts por metro quadrado. Esta energia é distribuída nos seguintes campos espectrais: Ultravioleta: 17,89 Watts aproximadamente 2,5% Visível: 383,01 Watts aproximadamente 54,3% Infravermelho: 304,35 Watts aproximadamente 43,2% Factores de transmissão, reflexão e absorção energética Os factores de transmissão, reflexão e absorção energética são a relação entre os fluxos energéticos transmitidos, reflectidos ou absorvidos e o fluxo energético incidente. Factor solar O factor solar de um vidro é a relação entre a energia total entrada num local através do vidro e a energia solar incidente. Esta energia total é a soma da energia entrada por transmissão directa e da energia cedida pelos vidros ao ambiente interior como consequência do seu aquecimento por absorção energética.

4 Propriedades Térmicas Propriedades de Segurança Propriedades Decorativas O vidro Duplo protege a sua casa tanto do frio como do calor regulando a sua entrada e/ou perdas. No Verão notará um ambiente agradável e, por entrar menos calor, uma importante poupança na refrigeração. No Inverno há menos fugas de calor, com a consequente poupança em aquecimento, ao mesmo tempo que se evitam as condensações interiores. As composições do nosso Vidro Duplo que incorporam vidros de controlo solar ou de baixa emissividade proporcionam prestações avançadas em matéria de isolamento térmico. O uso de vidros de baixa emissividade no vidro duplo proporciona as seguintes vantagens: Protecção térmica, pois oferece uma retenção superior a 90% da temperatura do recinto. Máxima transparência luminosa, garantindo uma transmissão da luz extremamente alta. Redução da transmissão dos raios UV. As composições do nosso Vidro Duplo que utilizam vidro laminado reduzem ao mínimo as probabilidades de ruptura, queda e cortes. O vidro laminado é formado por dois ou mais vidros unidos entre si através da intercalação de uma ou mais (consoante os casos) lâminas de butiral de PVB ou EVA. A utilização de vidro laminado em composições de vidro duplo destaca-se por: Evitar a queda do vidro em caso de ruptura. Eliminar o risco de queda de pessoas para o exterior. Filtrar quase na totalidade as radiações ultravioletas. Aumentar de forma notável a atenuação acústica. O Vidro Duplo melhora as condições de habitabilidade e ornamentação, já que está disponível numa vasta gama de cores, com aspectos agradáveis, decorativos, opacos e translúcidos.

5 18 Vidraria Taipas Propriedades Económicas Propriedades Ecológicas Controlo de Condensações O Vidro Duplo proporciona-lhe uma importante poupança económica em consumos de energia, já que ao isolar a casa das alterações climáticas permite optimizar a utilização de aquecimento e/ou ar condicionado. A incorporação de vidros de controlo solar ou de baixa emissividade provoca uma maior poupança, já que os primeiros minimizam o impacto das temperaturas exteriores e os segundos impedem a perda de calor ou de frio do interior. Com a composição que melhor se adaptar às suas necessidades, o Vidro Duplo é sem dúvida o melhor investimento. O Vidro Duplo colabora na manutenção e melhoria do meio ambiente, património de todos, reduzindo as emissões contaminantes de CO2 devido à sua poupança em consumos energéticos. A condensação da superfície interior de uma janela costuma ser um caso frequente e em muitos casos pode ser controlada reduzindo a humidade relativa do habitáculo interior. Áreas interiores de elevada humidade como cozinhas, casas de banho e habitações com muitas plantas ornamentais, podem exigir especial atenção na condensação gerada. Reduzir a humidade relativa interior de uma habitação pode ter efeitos positivos sobre a condensação. Contudo, uma humidade relativa excessivamente baixa pode ter efeitos negativos sobre o ambiente confortável que se pretende. Como referência, a Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE) recomenda uma humidade relativa mínima de 30%. Por isso, o sistema mais recomendado para controlar e/ou evitar estas incómodas condensações, é a instalação de vidros duplos isolantes e a incorporação nos mesmos de vidros de controlo solar e de baixa emissividade.

6 Possibilidades de Fabrico Medidas Máximas de Fabrico As unidades de vidro Isolante fabricadas pela Vidraria Taipas, das quais esta oferece uma garantia de 10 Anos, são fabricadas nas variantes de vidro float incolor, vidro float de cor, laminado, laminado acústicos, laminado de segurança, de capa ou silicato sodocálcico e vidro temperado, com 1º selante em Butil e o 2º selante em Polisulfuro, com as espessuras de câmara-de-ar de 6, 8, 10, 12, 14, 16, 18, 20, 22, 24, 27 e 32mm, entre outras. Para verificação das medidas máximas de fabrico e aconselhamento de qualquer tipo, não hesite em contactar o nosso departamento técnico que poderá esclarecer as mais diversas questões bem como disponibilizar as devidas declarações de Conformidade, declaração de marcação CE, certificados de garantia e fichas técnicas das mais variadas composições das unidades de vidro isolante.

A câmara hermética dos vidros duplos ISOLAR GLAS permitem alcançar um nível de isolamento consideravelmente maior que um simples vidro.

A câmara hermética dos vidros duplos ISOLAR GLAS permitem alcançar um nível de isolamento consideravelmente maior que um simples vidro. ISOLAR GLAS Torre Maia (Porto) ISOLAR GLAS é um envidraçado formado por dois ou mais vidros, separados entre si por um perfil de alumínio (intercalar perfil separador) recheio de um tamis molecular que

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.3. Termografia de infra-vermelho. Eduardo S. Júlio 1/22 João Ramos ESTG Leiria

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra:

O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: Remy Dufrayer Carlos Henrique Mattar O Papel do Vidro no Conforto Acústico Palestra: Remy Dufrayer Carlos Henrique Mattar Agenda Conceitos de Acústica Conforto

Leia mais

ISOLAR SOLARLUX. OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel

ISOLAR SOLARLUX. OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel ISOLAR SOLARLUX OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel. + 77 566 www.vitrocristalglass.com infocristalglass@vitro.com O SOLARLUX é um vidro com a característica de filtrar a luz solar, reduzindo a quantidade

Leia mais

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos.

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. ECOGRAFIAS Ecografias Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. Imagens dinâmicas baseadas no efeito de Doppler aplicado ao movimento sanguíneo. ULTRA-SONS, ECOS

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2 Escola Secundária D. Afonso Sanches Energia do Sol para a Terra Graça Meireles Física -10º ano 1 Variação da Temperatura com a Altitude Física -10º ano 2 1 Sistemas Termodinâmicos Propriedades a ter em

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM SOM O som corresponde à vibração de partículas constituintes de um meio material elástico (onda sonora). Para termos uma sensação sonora é necessário que se produzam, pelo menos, vinte vibrações por segundo

Leia mais

LINHA MBI Isolação para coberturas

LINHA MBI Isolação para coberturas LINHA MBI Isolação para coberturas FACEFELT Isolação para coberturas Feltro constituído por lã de vidro aglomerada com resina vegetal e possui características termoacústicas. Revestido em uma das faces

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração Módulo: 3779- Agentes Físicos Formadora: Susana Ricardo Agentes Físicos: Entidade, imaterial ou com um mínimo de matéria, capaz de produzir efeitos adversos no organismo. O dano produz sem que haja um

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 24, São Paulo. ISBN 85-89478-8-4. ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE

Leia mais

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid)

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) ISOLAR NEUTRALUX Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) Vidros Câmara de ar Capa metálica Perfil separador Primeira barreira de selagem (Butil) Tamis molecular (Desidratante) Segunda

Leia mais

FACHADA VENTILADA CERÂMICA

FACHADA VENTILADA CERÂMICA FACHADA VENTILADA CERÂMICA COVER SOLADRILHO Cover é a solução completa de fachada ventilada em cerâmica extrudida com peças alveolares de 18 mm de espessura. O Cover destaca-se pela sua leveza e facilidade

Leia mais

Window Film Night Vision 15

Window Film Night Vision 15 Window Film Night Vision 15 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

Comportamento da Onda Sonora:

Comportamento da Onda Sonora: Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Comportamento Sonoro Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 2- Comunicação de informação a longas distâncias. 2.2- Propriedades das ondas. - Reflexão e refração de ondas. - Leis da reflexão e da refração. - Índice de refração de um meio.

Leia mais

O ISOLAR SUN-FLEX é um vidro duplo em cuja câmara é colocada uma persiana de lâminas de alumínio.

O ISOLAR SUN-FLEX é um vidro duplo em cuja câmara é colocada uma persiana de lâminas de alumínio. ISOLAR SUN-FLEX Vidros Câmara de ar Persiana de lâminas Perfil separador Primeira barreira de selagem (Butil) Tamis molecular (Desidratante) Segunda barreira de selagem (Poliuretano ou silicone) O ISOLAR

Leia mais

NOVIDADE. Protector térmico de segurança. Intensidade absorvida

NOVIDADE. Protector térmico de segurança. Intensidade absorvida EMISSORES COM FLUÍDO Série EMIBLUE A Emissores murais com fluído de alta inércia térmica, analógicos. Estrutura de alumínio injectado. Termóstato de grande precisão e 3 modos de funcionamento: (3,5ºC menos

Leia mais

PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente

PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente TODAS AS VANTAGENS DE DESEMPENHO TÉRMICO E ACÚSTICO Para aplicação no sector residencial e público O sistema de portas e janelas de batente Performance 70

Leia mais

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário,

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário, 26.(TRT-8/CESPE/2013) A respeito de conforto térmico, assinale a opção correta. A) Em climas secos (desérticos ou semidesérticos), em que a temperatura é elevada, o uso de pouca roupa garante condições

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Campos de forças: campos gravítico, magnético e eléctrico... Cargas em movimento e seus efeitos em termos de criação de campos...

Campos de forças: campos gravítico, magnético e eléctrico... Cargas em movimento e seus efeitos em termos de criação de campos... RADIAÇÃO 1 As radiações são ondas electromagnéticas. O que são ondas electromagnéticas? Quais os conceitos fundamentais que os alunos precisam de entender para lhes podermos explicar o que são ondas electromagnéticas?

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Painel Radiante HXB. Características técnicas:

Painel Radiante HXB. Características técnicas: Painel Radiante HXB Calor, Conforto Radiante Como o sol, os painéis radiantes emitem o calor por radiação, transmitindo-o directamente às pessoas, objectos e paredes da habitação, criando um ambiente de

Leia mais

OS PARÀMETROS TÉRMICOS. Alfredo Costa Pereira 1

OS PARÀMETROS TÉRMICOS. Alfredo Costa Pereira 1 OS PAÀMETOS TÉMIOS Alfredo osta Pereira 1 TAXA DE TASNSFEÊNIA DE ALO, FLUXO DE ALO, FLUXO TÉMIO ou TANSMISSÃO DE ALO PO UNIDADE DE TEMPO, através de um determinado material, ( watt) Q & É a quantidade

Leia mais

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000.

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Introdução A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Esta Empresa tem a sua origem na Jomafil, e com os conhecimentos adquiridos ao longo de

Leia mais

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude Constantes Velocidade do som no ar: v som = 344 m /s Velocidade da luz no vácuo c = 3 10 8 m/s 8.1. Considere uma corda de comprimento L e densidade linear µ = m/l, onde m é a massa da corda. Partindo

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz CADERNO 1 Capítulo 4 Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz FENÔMENOS ÓPTICOS No capítulo anterior demos início ao estudo dos fenômenos ópticos. Um fenômeno óptico ocorre quando a luz

Leia mais

METEOROLOGIA GERAL E AGRÍCOLA. aulas práticas. aulas práticas METEOROLOGIA GERAL E AGRÍCOLA

METEOROLOGIA GERAL E AGRÍCOLA. aulas práticas. aulas práticas METEOROLOGIA GERAL E AGRÍCOLA RADIAÇÃO NO LIMITE SUPERIOR DA ATMOSFERA - R a extraterrestrial radiation Também designada de constante solar, é a radiação solar que atinge, na perpendicular, o limite superior da atmosfera. constante

Leia mais

Efeitos da vegetação na acústica urbana

Efeitos da vegetação na acústica urbana Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT0225 - Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Efeitos da vegetação na acústica urbana

Leia mais

Alongamento até a Ruptura ASTM ASTM F : Método Padrão para o Teste de Materiais e Sistemas de Vidros de Segurança Candela

Alongamento até a Ruptura ASTM ASTM F : Método Padrão para o Teste de Materiais e Sistemas de Vidros de Segurança Candela Termos técnicos Alongamento até a Ruptura Aumento percentual no comprimento de uma amostra até o ponto de ruptura quando submetida a testes de resistência. Refere-se à capacidade da película de esticar

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

Caracterização de uma radiação electromagnética

Caracterização de uma radiação electromagnética Caracterização de uma radiação electromagnética Todas as radiações electromagnéticas são caracterizadas pela sua frequência e comprimento de onda. A frequência é o número de vezes que uma onda se repete

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000M

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000M PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000M Refral NASSAU 9000M Combinação de luz e isolamento Com a Refral NASSAU 9000M (Mix), você poderá combinar o melhor das portas 9000F e 9000G. Poderá obter a luz e claridade

Leia mais

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação Lista 7 Propagação de calor 01. Sabe-se que a temperatura do café se mantém razoavelmente constante no interior de uma garrafa térmica perfeitamente vedada. a) Qual o principal fator responsável por esse

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/17

Prof. MSc. David Roza José 1/17 1/17 Absorção, Reflexão e Transmissão Vimos que a emissão de uma superfície está associada a uma propriedade chamada de emissividade. Para determinar o fluxo radiativo líquido de uma superfície também

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista 2016 Interações Energia-Matéria na Atmosfera Energia Radiante Ao contrário

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções.

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. LUZ A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. CORPOS LUMINOSOS São corpos que emitem luz. CORPOS ILUMINADOS São corpos que recebem luz e a

Leia mais

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA Verificação prática de algumas propriedades das ondas electromagnéticas 1. Questão Problema Nas comunicações por telemóvel e via satélite são utilizadas microondas

Leia mais

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000G

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000G PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000G Refral NASSAU 9000G Luz e visão A porta Refral NASSAU 9000G (vidro) com janelas foi especialmente desenhada para edifícios em que é necessária uma quantidade elevada

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO Conteúdo 4.1 POR QUE A ATMOSFERA E O OCEANO SE MOVEM CONTINUAMENTE?... 2 4.2 BALANÇO DE CALOR DO OCEANO E ATMOSFERA... 4 4.3 BALANÇO DE

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS

ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS Uma introdução objetiva dedicada a estudantes interessados em tecnologias de aproveitamento de fontes renováveis de energia. 1. INTRODUÇÃO: 1.1. Um rápido olhar na relação

Leia mais

O fascínio do vidro é compatível com um Habitat energeticamente eficiente? Artur Reynolds Brandão Porto, 9 de Dezembro de 2015

O fascínio do vidro é compatível com um Habitat energeticamente eficiente? Artur Reynolds Brandão Porto, 9 de Dezembro de 2015 O fascínio do vidro é compatível com um Habitat energeticamente eficiente? Artur Reynolds Brandão Porto, 9 de Dezembro de 2015 1.Origem do vidro SAINT-GOBAIN Leader mundial do habitat sustentável..\..\..\..\..\..\comunicação\2014\video

Leia mais

PRODUTOS JARDINS DO FUTURO

PRODUTOS JARDINS DO FUTURO Quem somos A MARCA JARDINS DO FUTURO É ESPECIALIZADA EM JARDINS VERTICAIS, TELHADOS VEGETAIS, quadros vegetais e jardins interiores. O OBJECTIVO DA MARCA JARDINS DO FUTURO É DE PROPORCIONAR SOLUÇÕES AS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Prof. Dr. Richarde Marques Satélite Radiação solar refletida Atmosfera

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

A Atmosfera Terrestre: Parte 1

A Atmosfera Terrestre: Parte 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia FIP10104 - Técnicas Observacionais e Instrumentais A Atmosfera Terrestre: Parte 1 Rogério Riffel Porto Alegre, 24

Leia mais

Janelas para Coberturas Planas

Janelas para Coberturas Planas Janelas para Coberturas Planas 1 UMA REVOLUÇÃO PARA A SUA COBERTURA PLANA Abra a sua cobertura plana à luz natural e ao ar fresco Uma solução com janelas para coberturas planas é a receita perfeita para

Leia mais

Exercícios de Revisão Global 3º Bimestre

Exercícios de Revisão Global 3º Bimestre Exercícios de Revisão Global 3º Bimestre 1. Um aluno está olhando de frente para uma superfície metálica totalmente polida. Explique como o aluno se enxerga e qual o nome deste fenômeno? A explicação está

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Olimpíadas de Física Seleção para as provas internacionais. Prova Experimental B

Olimpíadas de Física Seleção para as provas internacionais. Prova Experimental B SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA Olimpíadas de Física 2014 Seleção para as provas internacionais Prova Experimental B 24/Maio/2014 Olimpíadas de Física 2014 Seleção para as provas internacionais Prova Experimental

Leia mais

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio.

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Ondas Ondas Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Uma onda transmite energia sem o transporte de matéria. Classificação Quanto à natureza Ondas mecânicas:

Leia mais

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012 Catálogo de Lâmpadas de LED V.2012.C06 Iluminação LED O mercado de iluminação está passando por mais uma revolução no que se refere à forma de emissão da luz elétrica, possibilitando novas aplicações e

Leia mais

8W! SILENT. Extractores para quartos de banho. consumo. Obturador anti-retorno. Silent-blocks elásticos. Modelos 3C com bandas de cores permutaveis

8W! SILENT. Extractores para quartos de banho. consumo. Obturador anti-retorno. Silent-blocks elásticos. Modelos 3C com bandas de cores permutaveis -1 Ventiladores helicoidais de baixo nível sonoro, caudal aproximado de 85 m 3 /h, obturador anti-retorno incorporado, luz piloto de funcionamento, motor 23V-5Hz com rolamentos de esferas, montados sobre

Leia mais

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Profa. Dra. Denise Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

Comunicação de informação a longas distâncias

Comunicação de informação a longas distâncias APSA Fenómenos ondulatórios Questão 1: Considere as seguintes superfícies onde incide a luz: espelho, parede, vidro muito polido, folha de papel. Indique em qual predomina a reflexão especular e a reflexão

Leia mais

A fonte Solar de Energia da Terra

A fonte Solar de Energia da Terra A fonte Solar de Energia da Terra A energia solar é criada no núcleo do Sol quando os átomos de hidrogênio sofrem fusão nuclear para hélio. Em cada segundo deste processo nuclear, 700 milhões de toneladas

Leia mais

Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA

Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA + isolamento térmico e acústico + segurança + estética A combinação perfeita entre as exigências de isolamento térmico e acústico e as necessidades

Leia mais

CONDUÇÃO TÉRMICA. Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio.

CONDUÇÃO TÉRMICA. Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio. PROPAGAÇÃO DE CALOR CONDUÇÃO TÉRMICA Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio. FLUXO DE CALOR (Φ) LEI DE FOURIER Q t (θ 1 > θ

Leia mais

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS Maria do Anjo Albuquerque 19.Outubro.2010 Tínhamos visto que as estrelas são muitas vezes classificadas pela cor e, consequentemente, pelas suas temperaturas, usando uma escala

Leia mais

RAV Gama Comercial Controlo vectorial do Inverter O Super Digital Inverter série 4 estabelece um novo limite para o desempenho energético Avançado sis

RAV Gama Comercial Controlo vectorial do Inverter O Super Digital Inverter série 4 estabelece um novo limite para o desempenho energético Avançado sis Super Digital Inverter Digital Inverter Grande Digital Inverter Unidades Exteriores Unidades Interiores RAV-SPxxx4AT - Série 4 RAV-SMxxx3AT - Série 3 RAV-SMxxx4AT - Série 4 Cassete 4Vias RAV-SMxxx UT-E

Leia mais

Rodete equilibrado dinámicamente

Rodete equilibrado dinámicamente EXTRACTORES CENTRIFUGOS DE BAIXA PRESSÃO Série CBM Ventiladores centrífugos de entrada dupla com motor incorporado, fabricados em chapa de aço galvanizado, turbina de alhetas curvadas para a frente, equilibrado

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n, E

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM)

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) J-BOND Os painéis de Alumínio (ACM), são compostos de duas chapas de alumínio unidas por uma camada de polietileno de baixa densidade. São fabricadas em processo contínuo

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR viterm

SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR viterm Bomba de Calor 1 SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR Principio de Funcionamento: A bomba de calor assume, nos dias de hoje, a alternativa energética mais apetecível

Leia mais

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap.

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. 17 17.65) Suponha que a barra da figura seja feita de cobre, tenha 45,0

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos?

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos? Quais são os fatores climáticos? o Latitude A distância a que os lugares se situam do equador determina as suas características climáticas. Por isso, existem climas quentes, temperados e frios. o Proximidade

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VILA FRANCA DO CAMPO CURSO VOCACIONAL ANO LETIVO 2016/2017. Módulo I. Som e Luz MARILIA CARMEN DA SILVA SOARES

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VILA FRANCA DO CAMPO CURSO VOCACIONAL ANO LETIVO 2016/2017. Módulo I. Som e Luz MARILIA CARMEN DA SILVA SOARES ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VILA FRANCA DO CAMPO ANO LETIVO Módulo I Som e Luz MARILIA CARMEN DA SILVA SOARES APONTAMENTOS O SOM O som resulta da vibração dos corpos. Para que possamos ouvir o som produzido

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

Dados Técnicos Novembro/ 2011

Dados Técnicos Novembro/ 2011 Window Film FX-ST 20 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios ultravioletas prejudiciais

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos

O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos Ventiladores de Alto Rendimento para Processos de Ventilação Inteligente O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos Diferentes tipos de ventiladores para usos diferentes. Ao desenhar e planear

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Window Film Neutral 35

Window Film Neutral 35 Window Film Neutral 35 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h)

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h) 6.8 RECUPERADORES DE CALOR UNIREC Recuperadores de calor monozona de elevada eficiência para instalações domésticas Concebidos para a renovação do ar no interior da habitação, minimizando as perdas energéticas,

Leia mais

Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera. Radiação I Primeiro semestre 2016

Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera. Radiação I Primeiro semestre 2016 Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera Radiação I Primeiro semestre 2016 Constituintes gasosos da atmosfera N 2 ~ 78% O 2 ~ 21% ~ 99% da atmosfera seca vapor d água (0 a 4%) Argônio, CO 2, O 3, CH

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

Luz e Visão. Prof. César Bastos

Luz e Visão. Prof. César Bastos Luz e Visão Prof. César Bastos Introdução ao estudo de Luz e Visão Como você explicaria o que é luz? Você seria capaz de explicar a Luz para uma pessoa que não enxerga? Durante muitos anos, desde a Grécia

Leia mais

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Componentes do Ambiente Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Abióticos: Físico Químico Luz Temperatura

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

VETROFLAM 30 Vidro de segurança resistente ao fogo para aplicação no interior

VETROFLAM 30 Vidro de segurança resistente ao fogo para aplicação no interior Vidro de segurança de silicato sodocalcico temperado conforme a norma NP EN 14179 VETROFLAM 30 chamas e gases quentes para o lado contrário ao da exposição ao fogo, controlando a temperatura na face exposta

Leia mais