ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO julho 24, São Paulo. ISBN ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO RESUMO Joaquim C. P. dos Santos(1), André Lübeck(2), Fernando A. Hedlund(3) (1) Universidade Federal de Santa Maria UFSM- (2) Universidade Federal de Santa Maria UFSM- (3) Universidade Federal de Santa Maria UFSM- Para a especificação dos materiais constituintes das vedações transparentes de uma edificação, o projetista deve buscar dentro da grande diversidade de produtos presente no mercado um que atenda suas necessidades construtivas, cumpra a função estética e proporcione o maior conforto ambiental possível. Este artigo baseia-se em resultados de uma pesquisa onde foram determinadas, através de ensaios espectrofotométricos, características óticas de materiais transparentes como a Transmitância (T) e a Refletância (R), para diferentes regiões do espectro solar. A partir dos resultados obtidos foi realizada uma análise comparativa entre materiais de mesma coloração, considerando-se o comportamento espectrofotométrico, e a variação do Fator de Calor Solar (FCS) e da Transmitância no Visível (Tv) dos mesmos. Essa análise atende a necessidade dos projetistas de especificarem determinadas colorações de materiais transparentes, buscando, dentro do conjunto de materiais de mesma cor, aquele que melhor se adapte às necessidades do projeto, levando em consideração as condições de conforto térmico e visual da edificação. Dentre os materiais ensaiados estão diferentes tipos de vidro, películas de proteção solar e policarbonato, todos em diferentes tonalidades, mais o acrílico incolor. Palavras-chave: Vedações Transparentes, Fator de Calor Solar, Transmitância. 1. INTRODUÇÃO No processo de especificação das vedações transparentes de um edifício o projetista analisa diversos fatores arquitetônicos, econômicos e de necessidades humanas. Nesse sentido, a consideração de itens como o conforto térmico, o conforto visual e a economia de energia é essencial. Nas últimas décadas, a fabricação dos produtos transparentes para utilização em aberturas teve um grande avanço tecnológico, procurando colocar no mercado produtos que atendessem as novas exigências do mercado consumidor. Esse fato aumentou muito a quantidade de alternativas disponíveis e a responsabilidade do profissional encarregado de especificar esses materiais. Este trabalho reuniu para análise dados de materiais transparentes de mesma cor, por esta ser uma característica importante a ser considerada no processo de especificação, já que está associada ao padrão estético do edifício. Foi analisado o comportamento dos materiais à transmissão da radiação dentro das diferentes faixas do espectro solar, ultravioleta (UV), visível (VIS) e infravermelho (IV), e ainda, os valores dos principais parâmetros que devem ser levados em consideração, relacionados ao conforto térmico e visual, que são o Fator de Calor Solar (FCS) e a Transmitância no visível (Tv). Esse estudo possibilita a escolha, dentro da variedade de materiais existente com a cor especificada, aquele que melhor se adapte às necessidades exigidas pelo projeto, para que se alcancem melhores condições de conforto térmico e visual na edificação.

2 2. METODOLOGIA O estudo foi realizado a partir de resultados de ensaios de Reflexão e Transmissão, de diferentes tipos de materiais transparentes, para ângulos variados de incidência, efetuados em espectrofotômetros, segundo Santos [1]. O intervalo espectral utilizado nas medições foi de 3 a 2 nm, considerando-se 3 a 38 o espectro UV, 38 a 78 nm a faixa visível e 78 a 2 nm o IV. A partir da ponderação da curva espectrofotométrica resultante do ensaio, em relação ao espectro solar padrão utilizado, conforme ASTM-E892-87, e da integração da curva ponderada, foram calculadas a Transmitância (T) e a Refletância (R) dentro das faixas espectrais desejadas. A Absortância (A) foi calculada pela Eq. (1) e o FCS foi calculado pela Eq. (2), sendo Ni a parcela de energia absorvida que vai para o interior da edificação, considerado conforme SANTOS [1]. A = 1 (T + R) (1) FCS = T + Ni. A (2) Na análise do comportamento espectrofotométrico para os materiais de mesma coloração, foi adotado apenas o ângulo de incidência de 6º, em relação a normal a superfície transparente, para caracterizar o material, devido ao comportamento observado para outros ângulos ser semelhante. Os materiais comparados foram: vidros comuns, vidros laminados, vidros refletivos pirolíticos, vidros refletivos a vácuo, películas comuns, películas refletivas, policarbonatos e acrílico incolor. Todos os materiais têm a espessura de 5 mm, com exceção dos laminados, com 6 mm. Existe uma diferenciação na confecção dos laminados, sendo que os números 2, 3, 4, 5 e 6 são compostos de duas lâminas de vidro incolor de 3 mm, com a película interna de butiral colorida, sendo esta a responsável pela coloração do material. Já os laminados 8, 9, 1 e 11 são compostos de duas lâminas de 3 mm de vidro colorido e a película interna incolor. Foram analisadas as cinco cores mais comuns no mercado: incolor, verde, bronze, cinza-fumê e azul. O estudo comparativo foi realizado através de análise do comportamento espectrofotométrico dos ensaios de Transmissão, e dos valores para incidência normal do Fator de Calor Solar (FCS) e da Transmitância do Visível (Tv). 3. RESULTADOS Os gráficos das figuras 1 a 5 apresentam o comportamento espectrofotométrico dos materiais agrupados por diferentes cores, enquanto a tabela 1 apresenta os valores de FCS e Tv para incidência normal. 1 ELEMENTO TRANSPARENTE INCOLOR VIDRO VIDRO LAMINADO PELÍCULA MUSEUM ACRÍLICO Figura 1. Transmissão ao longo do Espectro Padrão para materiais incolores

3 1 ELEMENTO TRANSPARENTE VERDE 8 LAMINADO2 LAMINADO9 PIROLÍTICO VÁCUO GUARDIAN PELÍCULA PELÍC.REFLET Figura 2. Transmissão ao longo do Espectro Padrão para os materiais verdes 1 ELEMENTO TRANSPARENTE CINZA-FUMÊ LAMINADO5 LAMINADO11 PIROLÍTICO VÁCUO PRATA ESC. PELÍCULA PELÍC.REFLET Figura 3. Transmissão ao longo do Espectro Padrão para os materiais cinza-fumê 1 ELEMENTO TRANSPARENTE BRONZE LAMINADO3 LAMINADO4 PIROLÍTICO VÁCUO PELÍCULA PELÍC.REFLET. LAMINADO Figura 4. Transmissão ao longo do Espectro Padrão para os materiais bronze

4 1 8 ELEMENTO TRANSPARENTE AZUL LAMINADO6 LAMINADO11 VÁCUO AZUL MÉD. VÁCUO GUARDIAN PELÍCUL.REFLET Figura 5. Transmissão ao longo do Espectro Padrão para os materiais azuis Tabela 1. FCS e Tv para materiais de diferentes colorações Cor Material FC Tv S (%) (%) Vidro Comum Incolor Laminado Policarbonato Acrílico Vidro Comum Laminado Laminado Pirolítico Verde Guardian Policarbonato Vidro Comum Laminado Laminado Laminado Bronze Pirolítico Vácuo Cinzafumê Policarbonato Vidro Comum Laminado Laminado Pirolítico Vácuo Policarbonato 59 29

5 Azul Vidro Comum Laminado Laminado Vácuo Guardian Policarbonato ANÁLISE DOS RESULTADOS Para todas as cores analisadas, observa-se que os vidros laminados, as películas e os policarbonatos praticamente eliminam a passagem do UV, o que é importante considerando-se o alto poder energético dessa faixa do espectro, que causa deterioração da matéria, como desbotamento, e pode acarretar doenças na pele. No entanto, em algumas situações, a entrada dessa radiação pode ser importante, como em áreas de recuperação em hospitais, pois ela é responsável pela síntese de algumas vitaminas, devendo ser evitado o emprego destes materiais. 4.1 Materiais incolores Todos os materiais transparentes incolores têm comportamentos espectrofotométricos semelhantes entre si. Pode-se observar que o vidro comum e a película comum mantêm o mesmo patamar de valores de transmissão da faixa do visível na região inicial do IV, aumentando a transmissão para o IV longo. O policarbonato e o acrílico têm um aumento de transmissão no IV próximo, e uma queda acentuada no IV longo. O vidro comum e o acrílico apresentam os valores mais elevados para o FCS e a Tv enquanto que o vidro laminado e a película apresentam os menores valores. Os valores de FCS e de Tv para um mesmo material incolor são semelhantes, ou seja, um aumento nos ganhos de luz natural gera um aumento de mesma proporção nos ganhos de calor. A variação entre os materiais incolores é bastante reduzida para o FCS e a Tv, não ultrapassando 1% entre os diferentes materiais, ficando todos os valores entre 8% e 9%, não servindo esses dois parâmetros como diferenciais para uma escolha. 4.2 Materiais verdes Para os materiais verdes foi possível constatar que o vidro comum, e todos os outros que o têm como base, e a película refletiva, apresentam um decréscimo de transmissão no IV em relação ao visível. Já o policarbonato e as películas comuns apresentam um comportamento inverso, um aumento de transmissão na faixa espectral do IV próximo e um decréscimo no IV longo, o que implica em um ganho mais elevado de calor em relação à luz. Na Tv constatam-se diferenças significativas, com o vidro comum, laminados e policarbonato apresentando valores próximos aos 7%, enquanto que a película refletiva apresenta um valor de 1%. No FCS esse comportamento se repete, sendo os maiores valores apresentados pelo policarbonato, vidro comum e laminados, entorno de 75%, e o menor valor pela película refletiva, 26%. Nesses materiais, apenas o vidro comum e o laminado 9 apresentam valores semelhantes de FCS e Tv, os restantes têm valores de FCS superiores à Tv, com as películas comum e refletiva tendo essa característica muito marcante. 4.3 Materiais cinza-fumê Dentre os materiais cinza-fumê, apenas o laminado 11 tem a transmissão no visível maior que no IV, os restantes deixam passar mais a radiação na faixa do IV que no visível. O maior valor do FCS é o do vidro comum, 68%, e o menor valor foi apresentado pelo vidro refletivo a vácuo, 21%. Considerando a Tv, o vidro comum e a película comum apresentaram os maiores valores, 51%, e o vidro refletivo a vácuo e a película refletiva apresentaram os menores, abaixo de 1%.

6 Todos os materiais dessa cor têm valores do FCS bem acima da Tv, demonstrando pouca eficiência energética considerando-se o conforto visual e térmico para o clima quente. Esse fato se repete para os vidros bronze. 4.4 Materiais Bronze Os materiais dessa coloração têm um comportamento espectrofotométrico à transmissão semelhante aos cinza-fumê similares, com transmissão na região do visível inferior ao IV, para todos os materiais analisados. Também os valores de FCS e Tv e a amplitude de variação dos valores desses parâmetros estão muito próximos. A especificação de materiais similares cinza-fumê ou bronze, com exceção da película comum, implica em resultados semelhantes quanto aos ganhos de calor e luz. 4.5 Materiais Azuis Esses materiais têm o comportamento muito variado quanto à transmissão nas diferentes faixas espectrais, formando basicamente dois grupos, um que têm alta transmissão no visível e no IV, composto pelos vidros laminados e policarbonato, e outro com boa transmissão no visível baixando no IV, composto pelo vidro comum, os refletivos e a película refletiva. A variação do FCS é bastante ampla nesses vidros, entre 81%, para o vidro laminado 6, e 28%, para a película refletiva. A Tv tem variação ainda maior, entre 77%, do laminado 6, e 13%, da película refletiva. Todos os materiais dessa cor apresentam valores de FCS superiores à Tv, com diferença menos expressiva nos vidros comum, laminado 6 e a vácuo guardian. 5. CONCLUSÃO O comportamento espectrofotométrico e os valores de FCS e Tv são fatores importantes a serem considerados na especificação de materiais transparentes, pois, quando bem observados, permitem melhorias sensíveis nas condições de conforto térmico e visual de uma edificação. Observa-se que os materiais transparentes ideais para o clima quente seriam os que apresentassem um baixo FCS e alta Tv, ou seja, baixos ganhos de calor e alta transmissão de luz visível. No entanto, para todos os materiais transparentes estudados, a um alto valor de Tv, está sempre associado um alto valor de FCS, sendo o inverso também verdadeiro. A característica de alguns materiais analisados de apresentarem alta transmissão na região do IV permite a conclusão de que os mesmos foram desenvolvidos para países de clima predominante frio, o que é fácil de observar na maioria dos materiais estudados. Os materiais incolores apresentam os maiores valores de FCS e Tv que qualquer outra coloração de materiais transparentes. Ao mesmo tempo eles têm, entre os diferentes tipos, a menor amplitude de variação dos valores de FCS e de Tv. Deve-se, para essa cor, raciocinar-se mais em relação à área e orientação da superfície, e outras características de projeto, do que no tipo a ser empregado. Todos os materiais estudados apresentam o FCS superior à Tv, no entanto essa diferença é mais elevada nos materiais cinza-fumê e bronze, demonstrando mais baixa eficiência energética no conforto visual e térmico para o clima quente. O número de materiais analisados nesse trabalho é reduzido frente a grande variedade existente no mercado, podendo-se concluir que, dentro dos grupos de materiais de uma mesma coloração, existem variadas opções para uma escolha criteriosa, que traga uma solução coerente ao projeto arquitetônico estabelecido. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] J. C. P. dos SANTOS. Avaliação do Desempenho Térmico e Visual de Elementos Transparentes Frente à Radiação Solar. Tese (Doutorado). Ciência e Engenharia de Materiais. Universidade de São Paulo. São Carlos 22.

Influência do ângulo de incidência nos ganhos de calor solar através de materiais transparentes

Influência do ângulo de incidência nos ganhos de calor solar através de materiais transparentes Influência do ângulo de incidência nos ganhos de calor solar através de materiais transparentes The influence of the incidence angle on the heat gains through transparent materials Joaquim Pizzutti dos

Leia mais

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Profa. Dra. Denise Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓTICAS DE VIDROS COMERCIALIZADOS NO BRASIL

CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓTICAS DE VIDROS COMERCIALIZADOS NO BRASIL NIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus niversitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência

Leia mais

MEDIÇÃO DA REFLETÂNCIA E ANÁLISE DE SUA INFLUÊNCIA NOS MATERIAIS CONSTRUTIVOS DA ENVOLTÓRIA DA EDIFICAÇÃO

MEDIÇÃO DA REFLETÂNCIA E ANÁLISE DE SUA INFLUÊNCIA NOS MATERIAIS CONSTRUTIVOS DA ENVOLTÓRIA DA EDIFICAÇÃO MEDIÇÃO DA REFLETÂNCIA E ANÁLISE DE SUA INFLUÊNCIA NOS MATERIAIS CONSTRUTIVOS DA ENVOLTÓRIA DA EDIFICAÇÃO Guilherme Kato Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC guilherme.kr@puccamp.edu.br Claudia

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Capítulo 21 Vidros Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Definição de Vidro Por vidro entende-se um produto fisicamente homogêneo obtido

Leia mais

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa.

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Figura 5 Amostras do teste de Porosidade. A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Tabela 2 Valores medidos

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES Verônica Stefanichen Monteiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC veronica.sm@puccampinas.edu.br Cláudia Cotrim Pezzuto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Francéli Ferreira (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS PARA APLICAÇÃO EM COBERTURAS E FACHADAS 1

O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS PARA APLICAÇÃO EM COBERTURAS E FACHADAS 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

Stricto Sensu em Engenharia do Meio Ambiente, elzaglauce@hotmail.com. Palavras-chave: Vidros. Películas de controle solar. Conforto Térmico.

Stricto Sensu em Engenharia do Meio Ambiente, elzaglauce@hotmail.com. Palavras-chave: Vidros. Películas de controle solar. Conforto Térmico. CARACTERIZAÇÃO ÓTICA DE VIDROS E PELÍCULAS DE PROTEÇÃO SOLAR UTILIZADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA E SUA RELAÇÃO COM O CONFORTO TÉRMICO PEREIRA, Elza Glauce da Silveira Alves 1 ; GOMES,

Leia mais

Catálogo de Produtos 2016

Catálogo de Produtos 2016 Catálogo de Produtos 2016 Navegue usando a barra de rolagem lateral Habitat Float Space Color Impressos Extra Clear Acidado Espelho Espelho Space Glass Laminados Anti Reflexo Ou clicando nas imagens Linha

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/17

Prof. MSc. David Roza José 1/17 1/17 Absorção, Reflexão e Transmissão Vimos que a emissão de uma superfície está associada a uma propriedade chamada de emissividade. Para determinar o fluxo radiativo líquido de uma superfície também

Leia mais

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades:

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: 14 Vidraria Taipas Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: Propriedades Acústicas Propriedades Espectrofotométricas Propriedades Térmicas Propriedades de Segurança Propriedades Decorativas

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Departamento de Engenharia Civil ECV Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Departamento de Engenharia Civil ECV Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Departamento de Engenharia Civil ECV Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Localização Florianópolis

Leia mais

Telefones: (48) /

Telefones: (48) / UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

ISOLAR SOLARLUX. OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel

ISOLAR SOLARLUX. OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel ISOLAR SOLARLUX OFICINA ISOLAR DE INFORMACIÓN TÉCNICA Tel. + 77 566 www.vitrocristalglass.com infocristalglass@vitro.com O SOLARLUX é um vidro com a característica de filtrar a luz solar, reduzindo a quantidade

Leia mais

ANÁLISE DAS MEDIÇÕES DE ABSORTÂNCIA ATRAVÉS DO ESPECTRÔMETRO ALTA II

ANÁLISE DAS MEDIÇÕES DE ABSORTÂNCIA ATRAVÉS DO ESPECTRÔMETRO ALTA II ANÁLISE DAS MEDIÇÕES DE ABSORTÂNCIA ATRAVÉS DO ESPECTRÔMETRO ALTA II Juliana M. Sangoi (1); Greici Ramos (2); Roberto Lamberts (3) (1) Acadêmica de Engenharia Civil, julimaysangoi@hotmail.com (2) Arquiteta,

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Espectrofotometria de Absorção Uma das primeiras características químicas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Prof. Dr. Richarde Marques Satélite Radiação solar refletida Atmosfera

Leia mais

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS, Coimbra, 29/30 Março 2012 PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS S. LUCAS 1, A. L. VELOSA 1, J. B. AGUIAR 2, V. M. FERREIRA 1 1 Universidade

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS Daniel Barp Crema (1), Fernando Pelisser (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) daniel@cremaengenharia.com.br,

Leia mais

Vidros de controle solar

Vidros de controle solar Vidros de controle solar ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal fernandosw@arq.ufsc.br 1 PROPRIEDADES IMPORTANTES FATOR SOLAR E RESISTÊNCIA TÉRMICA

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

Balanço Térmico da Edificação

Balanço Térmico da Edificação Balanço Térmico da Edificação Profa. Dra. Denise Duarte, Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar) Uso: Ocup/

Leia mais

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO Conteúdo 4.1 POR QUE A ATMOSFERA E O OCEANO SE MOVEM CONTINUAMENTE?... 2 4.2 BALANÇO DE CALOR DO OCEANO E ATMOSFERA... 4 4.3 BALANÇO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de orientação, simples e moduladas para sinalização vertical de trânsito,

Leia mais

Resultados de um monitoramento térmico em telhados de fibrocimento

Resultados de um monitoramento térmico em telhados de fibrocimento Hugo Sefrian Peinado 1 ; Douglas Lautenschlager Peres 2 ; Marcela Paula Maria Zanin Meneguetti 3 1 Graduando do Curso de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Maringá. E-mail: hugo.civil@hotmail.

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes:

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes: ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTRAS E VIDROS a) Paredes: 1 de 9cm bloco de concreto 9cm Argamassa interna () Bloco de concreto (9,0 x 19,0 x Argamassa externa () 2,78

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 A Química Analítica A divisão tradicional em química analítica

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz CADERNO 1 Capítulo 4 Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz FENÔMENOS ÓPTICOS No capítulo anterior demos início ao estudo dos fenômenos ópticos. Um fenômeno óptico ocorre quando a luz

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x x = =

A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x x = = 01 A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x 20 92 32 x 20 60 = = 80 20 212 32 60 180 x 20 = 20 x = 40 mm Resposta: B 1 02 A partir dos dados, tem-se:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 Emanuel Cristiano Dallabrida 2, Claudia Maria Gonçalves 3, Tenile Rieger Piovesan 4. 1 Pesquisa desenvolvida

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções.

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. LUZ A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. CORPOS LUMINOSOS São corpos que emitem luz. CORPOS ILUMINADOS São corpos que recebem luz e a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ALVEJANTES ÓTICOS EM PAPÉIS DE IMPRESSÃO. Mortara, B. A.! Cruz, M. D.

AVALIAÇÃO DE ALVEJANTES ÓTICOS EM PAPÉIS DE IMPRESSÃO. Mortara, B. A.! Cruz, M. D. AVALIAÇÃO DE ALVEJANTES ÓTICOS EM PAPÉIS DE IMPRESSÃO Mortara, B. A.! Cruz, M. D. OBJETIVO Investigar a presença de alvejantes óticos (OBA Optical Brightener Addictive) em papéis de impressão offset Diferentes

Leia mais

Dar cor a uma arquitectura exigente. inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente

Dar cor a uma arquitectura exigente. inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente Dar cor a uma arquitectura exigente inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente acrylcolor Flexibilidade para janelas em PVC coloridas O design das fachadas é realçado pelos perfis

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES MARCUS V.S. DA SILVA, DENIS. F.G. DAVID, I. M. PEPE, Laboratório de Propriedades Ópticas-

Leia mais

Dados Técnicos Novembro/ 2011

Dados Técnicos Novembro/ 2011 Window Film FX-ST 20 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios ultravioletas prejudiciais

Leia mais

Absortância solar e desempenho térmico de tintas frias para uso no envelope construtivo

Absortância solar e desempenho térmico de tintas frias para uso no envelope construtivo XII Encontro Nacional e VIII Latinoamericano de Conforto no Ambiente Construído - ENCAC/ELACAC Brasília 2013 Conforto & Projeto: Edifícios paranoá12 Absortância solar e desempenho térmico de tintas frias

Leia mais

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Sumário Vidros Planos e Vidros Low-E Entendendo o Espectro Solar Formas de Propagação de Calor Conceitos Teóricos Luz Visível (Transmitida, Refletida Interior

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

AUT0264 CONFORTO AMBIENTAL IV TÉRMICA. Balanço Térmico

AUT0264 CONFORTO AMBIENTAL IV TÉRMICA. Balanço Térmico Balanço Térmico Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar) Uso: Ocup/ lum/ Eq Orientação: N, NE, E... Materiais: A (m 2 ) Coeficiente: K 2 calcular

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

Tipos de transmissão. Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO

Tipos de transmissão. Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO Tipos de transmissão Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO Transmissão por CONVECÇÃO Transmissão por IRRADIAÇÃO Transmissão

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Curso Profissional de Programação e Gestão de Sistemas Informáticos Física e Química Teste de Avaliação - Módulo F3 11ºAno Turma M Número: Nome: Classificação:

Leia mais

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com O Vidro de Controlo Solar e Design www.vitrochaves.com Polivalente para o uso Eficiente da Energia ISOLAR SOLARLUX proporciona uma temperatura ambiente equilibrada Tanto no verão como no inverno. Isto

Leia mais

1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo

1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo 1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo Questão 1: (PUC-SP) A um aluno foi dada a tarefa de medir a altura do prédio da escola que frequentava. O aluno, então, pensou em utilizar seus conhecimentos

Leia mais

Luz e Visão. Prof. César Bastos

Luz e Visão. Prof. César Bastos Luz e Visão Prof. César Bastos Introdução ao estudo de Luz e Visão Como você explicaria o que é luz? Você seria capaz de explicar a Luz para uma pessoa que não enxerga? Durante muitos anos, desde a Grécia

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

ReefLED - PAR38 15W Lâmpadas PAR38 15W. Copyright 2012 ReefLED Todos os direitos reservados. Versão 1.3

ReefLED - PAR38 15W Lâmpadas PAR38 15W. Copyright 2012 ReefLED Todos os direitos reservados. Versão 1.3 Lâmpadas PAR38 15W 1 Índice Introdução... 3 Vantagens... 3 Caraterísticas... 4 Modelos:... 5 Especificações técnicas / dimensões... 8 Gráficos espetro... 8 Valores PAR (photosynthetically active radiation)...11

Leia mais

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo Apostila 2 Capítulo 9 Página 321 Refração Refração Refração da luz é a passagem da luz de um meio para outro, acompanhada de variação em sua velocidade de propagação. O que caracteriza a refração é a variação

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

Resultados obtidos nas medições.

Resultados obtidos nas medições. Resultados obtidos nas medições. Os dados na sequência representam dois ensaios de aquecimento da água no reservatório de 200 litros de duas formas distintas. No primeiro aquecimento se faz o ensaio do

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

move-nos a criação de soluções sustentáveis e inteligentes Aquecimento Radiante

move-nos a criação de soluções sustentáveis e inteligentes Aquecimento Radiante move-nos a criação de soluções sustentáveis e inteligentes Aquecimento Radiante Toalheiros Elétricos Os Toalheiros Elétricos dreamdomus são fabricados em Vidro Temperado. Apresentam-se com um design apurado

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto ISTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊCIA E TECOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel Refração da Luz Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá:

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

Eficiência energética

Eficiência energética Eficiência energética Consumo de energia elétrica no mundo 1991 a 2004 14000 12000 10000 8000 6000 4000 2000 0 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 kwh / hab EUA Austrália

Leia mais

MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE!

MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE! MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE! Aluminet é uma malha de sombra aluminizada termorrefletora de alta qualidade desenvolvida pela empresa Ginegar Polysack. No verão, diminui a entrada

Leia mais

Temperatura, calor e processos de transmissão de calor

Temperatura, calor e processos de transmissão de calor REVISÃO ENEM Temperatura, calor e processos de transmissão de calor TEMPERATURA Temperatura é a grandeza física escalar que nos permite avaliar o grau de agitação das moléculas. Quanto maior for o grau

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO Conforto térmico conforto térmico de um ambiente pode ser definido como a sensação de bem-estar experimentada por uma e/ou pela maioria das pessoas. Está relacionada

Leia mais

POLICARBONATO COMPACTO

POLICARBONATO COMPACTO POLICARBONATO COMPACTO Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque dos raios ultravioleta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por sua alta transparência, a chapa

Leia mais

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2 Escola Secundária D. Afonso Sanches Energia do Sol para a Terra Graça Meireles Física -10º ano 1 Variação da Temperatura com a Altitude Física -10º ano 2 1 Sistemas Termodinâmicos Propriedades a ter em

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO O que é a cor? ? O que é a cor? O que é a cor? A cor é uma perceção visual provocada pela ação de um feixe de ondas eletromagnéticas sobre células especializadas da retina,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO DUPLO VENEZIANAS LUXVENT SISTEMA DE VENTILAÇÃO NATURAL EXHAUST SISTEMA SKYLUX ESTRUTURADO SISTEMA INTRALUX A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE ENGENHARIA

Leia mais

Catálogo. de Produtos

Catálogo. de Produtos Catálogo de Produtos A Telhas Brasil é uma empresa com mais de 15 anos de experiência no desenvolvimento e fabricação de produtos para coberturas metálicas. São produzidos de acordo com as normas vigentes.

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

Regis de Castro Ferreira. Elza Glauce Pereira da Silva Alves

Regis de Castro Ferreira. Elza Glauce Pereira da Silva Alves DOI: 10.5327/Z2176-947820159114 COMPORTAMENTO ÓPTICO DE VIDROS E PELÍCULAS DE PROTEÇÃO SOLAR E SUA RELAÇÃO COM O CONFORTO AMBIENTAL OPTICAL BEHAVIOR OF GLASSES AND SUN PROTECTION FILMS AND THEIR RELATIONSHIP

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA ESTRUTURA DE UM EDIFÍCIO DE CARÁTER REPETITIVO

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA ESTRUTURA DE UM EDIFÍCIO DE CARÁTER REPETITIVO Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil http://www.ppgec.dacoc.ct.utfpr.edu.br/ www.utfpr.edu.br II MOPP 2010 II Mostra de Pesquisa e Pós-Graduação da UTFPR 30 de agosto a 03 de Setembro de 2010

Leia mais

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica 1.0 Definições Raios de luz Linhas orientadas que representam, graficamente, a direção e o sentido de propagação da luz. Conjunto de raios de luz Feixe

Leia mais

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA Tabela 5.1 - Condutividade térmica de alguns materiais CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA 5.1 CONDUTIVIDADE TÉRMICA Além da transferência de energia por radiação, uma outra forma de calor (transferência de

Leia mais

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a Hoje, a iluminação nas cidades tem sido direcionada no sentido da valorização de seu patrimônio histórico e da criação de ambientes urbanos voltados ao bem estar do cidadão.

Leia mais

FÍSICA 1ª SÉRIE APOIO PEDAGÓGICO LUIZ HENRIQUE DIAS DE FARIA

FÍSICA 1ª SÉRIE APOIO PEDAGÓGICO LUIZ HENRIQUE DIAS DE FARIA 1ª SÉRIE APOIO PEDAGÓGICO (Unicamp 2013) A boa ventilação em ambientes fechados é um fator importante para o conforto térmico em regiões de clima quente. Uma chaminé solar pode ser usada para aumentar

Leia mais

Amazonas. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Amazonas (1991, 2000 e 2010)

Amazonas. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Amazonas (1991, 2000 e 2010) Amazonas Em 21, no estado do Amazonas (AM), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde uma parcela ainda discreta (4,%, 14,4 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 62 municípios, dos quais

Leia mais

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos ÓPTICA O que é luz? Definimos costumeiramente luz como sendo a faixa visível do espectro eletromagnético. A Óptica irá, portanto, estudar o comportamento da luz e os fenômenos que ocorrem com ela em diferentes

Leia mais