VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015"

Transcrição

1 1 VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015 RONIELE SANTANA VALENTE¹, LAURA ILARRAZ MASSIA²; RITA DANIELA QUEVEDO LAMADRIL²; ¹ Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pampa, Campus Uruguaiana, RS ². Médica Veterinária, Vigilância Ambiental em Saúde de Uruguaiana, RS. Secretaria Municipal de Saúde. RESUMO O presente trabalho teve como objetivo descrever as ações davigilância ambiental de animais peçonhentos no município de Uruguaiana, no período compreendido entre 2006 e Palavras-chaves: Vigilância ambiental, Animais peçonhentos, Saúde pública. ENVIRONMENTAL SURVEILLANCE IN HEALTH AND VENOMOUS ANIMALS ACCIDENTS IN URUGUAIAA - RS FROM 2006 TO 2015 ABSTRACT This study aimed to describe the actions of environmental surveillance in venomous animals in the city of Uruguaiana in the period between 2006 and Key-words: Environmental surveillance, venomous animals, public health. 2082

2 2 INTRODUÇÃO São considerados animais peçonhentos aqueles que possuem glândulas produtoras de veneno ou substâncias tóxicas, além do aparelho especializado por onde o veneno é inoculado. Serpentes, aranhas, escorpiões, lagartas, abelhas e alguns animais aquáticos são exemplos desses animais que têm importância para a saúde pública no Brasil (Brasil, 2009) A Vigilância ambiental de acidentes com animais peçonhentos no Rio Grande do Sul tem como finalidade desenvolver ações de prevenção e/ou de redução da morbi-mortalidade dos acidentes provocados por esses animais (Rio Grande do Sul, 2015). O objetivo deste trabalho foi descrever as espécies de animais peçonhentos recebidos e encaminhados para identificação pela Vigilância Ambiental em Saúde de Uruguaiana (RS), no período compreendido entre janeiro de 2006 e maio de MATERIAL E MÉTODOS O Setor de Vigilância Ambiental em Saúde da Secretaria de Saúde deuruguaiana realiza ações de vigilância, prevenção e controle de acidentes causados por animais peçonhentos e venenosos como: recebimento, acondicionamento e transporte de espécimes para o Centro de Informação Toxicológica - RS com vistas à identificação. A demanda é proveniente da população em geral (zona urbana e rural) e dos estabelecimentos de saúde que devem notificar os acidentes para o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Foram analisados, de maneira retrospectiva, 84registros 2083

3 3 existentesno setor, juntamente com as respectivas fichas de identificação do Centro de Informação Toxicológica - RS, no período compreendido entre janeiro de 2006 e agosto de RESULTADOS E DISCUSSÃO No período estudado, foram identificados 35 exemplares de escorpião, sendo que 34eram da espéciebothriurusbonariensis (escorpião preto) e apenas 01 da espécietitiuscostatus (escorpiãomanchado). Foram identificadas 36 serpentes, 06 aranhas, 04 lagartas. 02 lacraias e 01 lagarto (conhecido popularmente como cobra de vidro). Entre as serpentes, 07 eram peçonhentas(bothropsalternatus- 02;Bothropoidespubescens - 01; e Micrurisaltirostris - 03; Micrurusfrontalis - 01) e 24 não tinham interesse toxicológico. Dessas últimas, as espécies mais encontradas foram Phalotrislemniscatus, conhecida popularmente como cabeça preta pampeana (04 exemplares) e Liophispoecilogyrus, conhecida popularmente como cobra d'água (04 exemplares). Dosanimais recebidos, 05 causaram acidentes (Bothropsalternatus (01), Bothropoidespubescens (01), Thamnodynastessp (01) e Bothriurusbonariensis(02). Os meses de maior ocorrência de identificação de animais peçonhentos estão descritos na Figura 1. Figura 1 - Identificação de animais peçonhentos na Vigilância Ambiental em Saúde - Uruguaiana- RS, 2006 a Nº serpentes Nº escorpiões Nº lagartas Nºlacraias Nºaranhas

4 4 A Vigilância ambiental municipal poderia registrar um número bem maior de identificações de animais peçonhentos, porém ésabido que a subnotificação é elevada, apesar de existirem quatro sistemas nacionais de informação que contemplem esse agravo (Bochner, 2003). Faz-se necessário capacitar os profissionais de saúde e informar a população para que estejam aptos a gerar informações indispensáveis para o conhecimento da verdadeira dimensão do problema. CONCLUSÃO A atuação da Vigilância Ambiental em Saúde é importante para o conhecimento da fauna de animais peçonhentos do município de Uruguaiana e para a divulgação de medidas preventivas e de controle. REFERÊNCIAS BOCHNER, Rosany. Acidentes por animais peçonhentos: aspectos históricos, epidemiológicos, ambientais e socioeconômicos f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde : zoonoses / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília : Ministério da Saúde, p. : il. (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica ; n. 22). RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual de Saúde. Centro Estadual de Vigilância em Saúde. Vigilância Ambiental em Saúde. Vigilância dos acidentes por animais peçonhentos. Disponível em:

5 5 Acesso em: 19/08/

Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos

Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos Secretaria de Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos Enfª Ivânia da Costa Folster Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos GEZOO/DIVE/SES Secretaria de Histórico da

Leia mais

Acidentes por animais peçonhentos

Acidentes por animais peçonhentos Acidentes por animais peçonhentos Secretaria da Saúde do Estado do Ceará Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde 01 de julho de 2016. Animais Peçonhentos Animais peçonhentos são reconhecidos como

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS.

PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS. 1 PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS. A Divisão de Zoonoses e Intoxicações do Departamento de Vigilância Ambiental

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA.

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA. ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA. Autor(es) BARBOSA JÚNIOR, J. 1 FENANDES, H.K.S. 1 SALVIANO, G.R. 1 MALHEIRO,

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE ITAPIPOCA, CEARÁ.

EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE ITAPIPOCA, CEARÁ. EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE ITAPIPOCA, CEARÁ. Juliana Maria Rodrigues Pires¹; Maria Andreza Freitas Rodrigues²; Ana Paula da Silva Oliveira³ ¹Licencianda em Ciências

Leia mais

PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE ANIMAIS PEÇONHENTOS

PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE ANIMAIS PEÇONHENTOS PERCEPÇÃO DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE ANIMAIS PEÇONHENTOS Rosângela Moraes Gonçalves ; Guilherme Alexandre Sestito Dias ; Juliana Martinho Saraiva ; Jonatas Loureiro Maciel ; Rosilda Mara Mussury UFGD/FCA

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES OFÍDICOS NA CIDADE DE ANÁPOLIS GO. Daniene Pimenta da Silva¹, Cynthia Arossa², Mary Joyce Ribeiro da Cruz³, Rafaela Pereira de Lima¹ ¹Bolsista PBIC/UEG ²Pesquisadora/orientadora

Leia mais

RAIVA DOS HERBÍVOROS NO BRASIL

RAIVA DOS HERBÍVOROS NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal RAIVA DOS HERBÍVOROS NO BRASIL 14ª REDIPRA - Reunión de los Directores de los Programas

Leia mais

Capacitação em Eventos

Capacitação em Eventos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Capacitação em Eventos VIGILÂNCIA

Leia mais

Intoxicações por Praguicidas no Brasil

Intoxicações por Praguicidas no Brasil Intoxicações por Praguicidas no Brasil Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX O Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX, coordenado pela FIOCRUZ, tem como

Leia mais

SISTEMA DE DEFESA E VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANIMAL AÇÕES DO GOVERNO FEDERAL E DO GOVERNO DE RONDÔNIA NA PREVENÇÃO DA FEBRE AFTOSA

SISTEMA DE DEFESA E VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANIMAL AÇÕES DO GOVERNO FEDERAL E DO GOVERNO DE RONDÔNIA NA PREVENÇÃO DA FEBRE AFTOSA Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal SISTEMA DE DEFESA E VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANIMAL AÇÕES DO GOVERNO FEDERAL E DO GOVERNO DE RONDÔNIA NA PREVENÇÃO DA FEBRE AFTOSA Brasília, 18

Leia mais

VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO DOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE PALMAS, TOCANTINS, BRASIL 1

VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO DOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE PALMAS, TOCANTINS, BRASIL 1 HYGEIA, ISSN: 1980-1726 Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde - http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO DOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE PALMAS,

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

Oliveira, ET, Cogo, JC

Oliveira, ET, Cogo, JC LEVANTAMENTO PRELIMINAR DOS ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) E CIDADES ADJACENTES, ATEIDOS NO HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2010 Oliveira,

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA Código: UR2024 Semestre letivo e ano em que será ministrada: 2º/2012 I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

A EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA DA ESPÉCIE

A EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA DA ESPÉCIE A EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA DA ESPÉCIE TITYUS SERRULATUS,(ESCORPIÃO AMARELO) NA ÁREA URBANA DE ARARAQUARA E A SENSÍVEL DIMINUIÇÃO DA ESPÉCIE TITYUS BAHIENSIS, (ESCORPIÃO MARROM)* Goberto Luiz Penedo** Marcelo

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada Ocupação (N) Acidente de trabalho em crianças e adolescentes com diagnóstico de lesão de traumatismo do punho e da mão (CID, S6-S69), segundo ocupação. Brasil, 27 a 26* 4-7 anos - anos Trabalhador polivalente

Leia mais

Laboratórios de diagnóstico veterinário: função e desenvolvimento no Brasil

Laboratórios de diagnóstico veterinário: função e desenvolvimento no Brasil Laboratórios de diagnóstico veterinário: função e desenvolvimento no Brasil Claudio Barros Laboratório de Anatomia Patológica (LAP), Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FAMEZ ), Universidade

Leia mais

Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes venenosas no norte do estado de Minas Gerais, Brasil

Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes venenosas no norte do estado de Minas Gerais, Brasil ARTIGO Original Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes venenosas no norte do estado de Minas Gerais, Brasil Epidemiological profile of accidents caused by venomous snakes in the northern

Leia mais

Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná

Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná 2008-2012 Clinical and Epidemiological Evaluation of accidents with venomous

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS Professor: Eng. Alexandre Dezem Bertozzi MAPEAMENTO DE RISCO Percebeu-se, na década de 70, a necessidade de se criar uma nova metodologia que mapeasse os riscos ambientais dos locais de trabalho. Esse

Leia mais

FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS OCORRIDOS NO RIO GRANDE DO SUL,

FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS OCORRIDOS NO RIO GRANDE DO SUL, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Andressa Linhares Dorneles FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS Luciana de Melo Borges 1,3 ; Naiana Kelly Silva Bitencourt 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS ESTADO DO PARANÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE (PGPCD) EM PINHAIS. Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os responsáveis pelos imóveis,

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS FOLHETOS EDUCATIVOS SOBRE HANSENÍASE ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR

IMPORTÂNCIA DOS FOLHETOS EDUCATIVOS SOBRE HANSENÍASE ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR IMPORTÂNCIA DOS FOLHETOS EDUCATIVOS SOBRE HANSENÍASE ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E SUPERIOR Mariluce Gonçalves Fonseca (Faculdades Integradas FAFIBE) Amanda Fernandes Abbes (G- Faculdades

Leia mais

A face oculta do trauma (Avaliação dos acidentes domésticos na infância na comunidade de Vila Nova de Cajá/PB)

A face oculta do trauma (Avaliação dos acidentes domésticos na infância na comunidade de Vila Nova de Cajá/PB) MÁRCIA ABATH AIRES DE BARROS ROBERTA ABATH TARGINO PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO EM TRABALHO DE SAÚDE PITS/MS/CNPq NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA NESC/UFPB Introdução Trauma é uma doença ignorada como

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria de Justiça de Água Boa

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria de Justiça de Água Boa NOTIFICANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO NOTIFICADO: PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA, Sr. MAURO ROSA DA SILVA NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA Nº 03/2016 (Simp nº 002493-005/2013) O MINISTÉRIO

Leia mais

REDE VITAL PARA O BRASIL

REDE VITAL PARA O BRASIL REDE VITAL PARA O BRASIL REDE NACIONAL DE INFORMAÇÃO, DIÁLOGO E COOPERAÇÃO ACERCA DOS ANIMAIS PEÇONHENTOS Niterói, 16 e 17 de novembro de 2010 Sistemas de Informação que tratam dos acidentes com animais

Leia mais

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 1 EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 A Direção Geral da Faculdade Evangélica do Paraná FEPAR, no uso de suas atribuições, comunica a seleção de docentes para o ano letivo de 2010,

Leia mais

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG.

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. PATRÍCIA DUARTE DE OLIVEIRA PAIVA 1 ; PAULO ROBERTO CORRÊA LANDGRAF 2 ; PETTERSON BAPTISTA DA

Leia mais

O USO DE COLEÇÕES ZOOLÓGICAS A PARTIR DA ABORDAGEM DO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO POSSIBILIDADES DE INTEGRAÇÃO DE CONTEÚDOS

O USO DE COLEÇÕES ZOOLÓGICAS A PARTIR DA ABORDAGEM DO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO POSSIBILIDADES DE INTEGRAÇÃO DE CONTEÚDOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) SUBPROJETO - BIOLOGIA SID- Seminário de Iniciação a Docência O USO DE

Leia mais

DATA: 01 / 12 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 7.º ANO/EF

DATA: 01 / 12 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 0 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 7.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz agronomia@veracruz-rs.gov.br dema@veracruz-rs.gov.br 51 37183778 Vera Cruz - RS Distância de Porto

Leia mais

TR A N A N C A I C ONA N L A L DE D E PR P O R DU D Ç U Ã Ç O Ã EM E

TR A N A N C A I C ONA N L A L DE D E PR P O R DU D Ç U Ã Ç O Ã EM E III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA Secretaria da Saúde ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E DE CONTROLE DA ESQUISTOSSOMOSE NO ESTADO DA BAHIA BRASÍLIA - DF, 5 a 8 agosto, 2008 Aécio Meireles de

Leia mais

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia.

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. NOTA INFORMATIVA Nº 01/2015 - DIVEP//SUVISA/SESAB Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. Situação epidemiológica atual Na Bahia, até 1º de dezembro de 2015, foram

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DE ACIDENTES CAUSADOS POR ARANHAS NA REGIÃO DE ITAPEVA/SP NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2007 A ABRIL DE 2012

EPIDEMIOLOGIA DE ACIDENTES CAUSADOS POR ARANHAS NA REGIÃO DE ITAPEVA/SP NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2007 A ABRIL DE 2012 EPIDEMIOLOGIA DE ACIDENTES CAUSADOS POR ARANHAS NA REGIÃO DE ITAPEVA/SP NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2007 A ABRIL DE 2012 SILVA, Weslle Guimarães. Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS

QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS Patrícia Raquel Vidal do Nascimento (1); Dayane de Andrade Lima (2); Leudhony Silva Oliveira (3); Hosineide de Oliveira Rolim (1) Graduanda

Leia mais

Programação Bimestral Ensino Fundamental

Programação Bimestral Ensino Fundamental Programação Bimestral Ensino Fundamental Capítulo 8: Cachecol Texto: O cachecol 5º Ano - Língua Portuguesa Capítulo 9: Sem Palmeira ou sabiá Texto: Sem Palmeira ou sabiá O texto no contexto: Obra de Andy

Leia mais

ACIDENTES COM ARTRÓPODES PEÇONHENTOS NA CIDADE DE GOIÂNIA NO PERÍODO DE 2007 À 2011

ACIDENTES COM ARTRÓPODES PEÇONHENTOS NA CIDADE DE GOIÂNIA NO PERÍODO DE 2007 À 2011 ACIDENTES COM ARTRÓPODES PEÇONHENTOS NA CIDADE DE GOIÂNIA NO PERÍODO DE 2007 À 2011 Israel Vilela Pachêco 1 Hélcio Marques Júnior 2 1 Biólogo (israelvilela2@hotmail.com) Goiânia-Brasil 2 Professor Mestre

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto Multidisciplinar em Saúde Programa de Pós-Graduação em Biociências NORMAS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES

Universidade Federal da Bahia Instituto Multidisciplinar em Saúde Programa de Pós-Graduação em Biociências NORMAS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES Universidade Federal da Bahia Instituto Multidisciplinar em Saúde Programa de Pós-Graduação em Biociências NORMAS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES Vitória da Conquista/BA 2014 Universidade Federal da Bahia

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral de Vigilância e Resposta às

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral de Vigilância e Resposta às Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral de Vigilância e Resposta às Emergências em Saúde Pública Unidade Técnica do SINAN COMPARA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE REPUBLICADA NO DOE DE 04-02-2014 SEÇÃO I PÁG 63-64 RESOLUÇÃO SMA Nº 03, DE 24 DE JANEIRO DE 2014. Estabelece orientações para a instrução de processos de convênios com municípios e entidades da sociedade

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO

PROCEDIMENTOS EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO PROCEDIMENTOS EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO 1- PROVIDENCIAR A ASSISTÊNCIA DE URGÊNCIA / EMERGÊNCIA, ACIONANDO O SAMU OU CORPO DE BOMBEIRO. 2- REALIZAR O PREENCHIMENTO DA FICHA E DEPOIS DE PREENCHIDA

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

Boletim Semanal da Dengue

Boletim Semanal da Dengue Prefeitura de Nova Lima Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde Boletim Semanal da Dengue Semana Epidemiológica 09 Este boletim tem por objetivo apresentar

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil

Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil PESQUISA Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil CHAGAS, Flávia Bernardo * ; D AGOSTII, Fernanda Maurer ** ; BETRAME, Vilma *** Resumo O presente trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 037/RIFB, DE 03 DE OUTUBRO DE 2016 SELEÇÃO 2017/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA (EaD) O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Atividade de Anatomia do Esqueleto do Cavalo. (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR)

Atividade de Anatomia do Esqueleto do Cavalo. (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Atividade de Anatomia do Esqueleto do Cavalo (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Camille Gomes de Carvalho 1, Flávia Pacheco da Silva 1, Simone Tostes de Oliveira Stedile 2 1 Graduandas em Medicina

Leia mais

Unidade III Ser humano e Saúde Aula 16.2 Conteúdo: Artrópodes II

Unidade III Ser humano e Saúde Aula 16.2 Conteúdo: Artrópodes II A A Unidade III Ser humano e Saúde Aula 16.2 Conteúdo: Artrópodes II A A Habilidade: Identificar a diversidade e abundância dos artrópodes. A A Crustáceos Coberto de crosta - exoesqueleto Dois pares de

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA RAIVA O que é? A Raiva é uma enfermidade infecto-contagiosa causada por um RNA vírus, da família Rhabdoviridae e gênero Lyssavirus, que atinge o Sistema Nervoso Central (SNC) de mamíferos provocando encefalomielite

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO 12 de abril de 2016 Página 1/5 VIGILÂNCIA DA INFLUENZA A vigilância da influenza no Ceará é composta pela vigilância sentinela da SG e vigilância universal da SRAG, além da vigilância de surtos de SG.

Leia mais

Este curso possui entrada no 1º e 2º Semestres, sendo 25 vagas para o 1º Semestre e 25 vagas para o 2º Semestre.

Este curso possui entrada no 1º e 2º Semestres, sendo 25 vagas para o 1º Semestre e 25 vagas para o 2º Semestre. INFORMAÇÔES PARA MATRÍCULAS SISU 2014 Local de Oferta: 34381 - CAMPUS URUGUAIANA Nome do curso: AQÜICULTURA Grau: Tecnológico Turno: Vespertino Nome do curso: CIÊNCIAS DA NATUREZA Grau: Licenciatura Turno:

Leia mais

Sistemas de Informação e Vigilância em Saúde do Trabalhador

Sistemas de Informação e Vigilância em Saúde do Trabalhador Sistemas de Informação e Vigilância em Saúde do Trabalhador Limites e Possibilidades nas Políticas de Prevenção Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Junho de

Leia mais

Picadas de escorpião

Picadas de escorpião Semana de 19 a 23 de maio de 2014. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano Leia o texto para fazer as lições de Português da semana. 3º ano A, B e C Sexta-feira

Leia mais

Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar Brasília-DF Tel. (061) NOTA TÉCNICA N.º 161 /2010 DEVEP/SVS/MS

Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar Brasília-DF Tel. (061) NOTA TÉCNICA N.º 161 /2010 DEVEP/SVS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Esplanada dos Ministérios, Edifício Principal, 2º andar 70.304-000 Brasília-DF Tel. (061) 3213-8095 NOTA

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA PARAÍBA

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA PARAÍBA Setembro de 2012 MARCO HISTÓRICO o Desde 1993 a violência contra as mulheres é reconhecida como uma violação aos direitos humanos (Conferência

Leia mais

Aliás, as baleias e golfinhos não são peixes também. Pode não parecer, mas são bastante confundidos como peixes.

Aliás, as baleias e golfinhos não são peixes também. Pode não parecer, mas são bastante confundidos como peixes. Palavra Peixe A palavra Peixe é uma questão que causa confusão para muitas pessoas, diversos animais são chamados de peixes de forma errônea. Além dos peixes que realmente merecem esse título, outros animais

Leia mais

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (MAPA)

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (MAPA) PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ADMINISTRAÇÃO GERAL DE SUPERVISÃO DE QUALIDADE, INSPEÇÃO E QUARENTENA DA REPÚBLICA POPULAR DA

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE.

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. Lúcia Monteiro Dias Gomes 1 ; Maura Regina Ribeiro 2 & Vanuza Salgado Moreira 3 RESUMO Este estudo

Leia mais

Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira

Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira Secretaria de Biodiversidade e Florestas Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira Alessandra S. Rocha Luciana

Leia mais

VI Seminário da RBMA 20 de novembro de 2014 Porto Alegre Um Conselho de Saúde precisa de avaliação?

VI Seminário da RBMA 20 de novembro de 2014 Porto Alegre Um Conselho de Saúde precisa de avaliação? VI Seminário da RBMA 20 de novembro de 2014 Porto Alegre Um Conselho de Saúde precisa de avaliação? Marco Akerman Faculdade de Saúde Pública da USP / GT de PS e DS da ABRASCO / UIPES marco.akerman@gmail.com

Leia mais

número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 037/RIFB, DE 03 DE OUTUBRO DE 2016

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 037/RIFB, DE 03 DE OUTUBRO DE 2016 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 037/RIFB, DE 03 DE OUTUBRO DE 2016 SELEÇÃO 2017/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA (EaD) O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE 1 Do programa e objetivos PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO Edital CGCI nº 015/2007 1.1 O Programa Professor Visitante Estrangeiro, tem como objetivo incentivar a realização de visitas de média ou longa

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

Fenômenos como a industrialização, a urbanização, o LEVANTAMENTO CIENCIOMÉTRICO DA SERPENTE B. MOOJENI PARA A ÁREA DA SAÚDE HUMANA

Fenômenos como a industrialização, a urbanização, o LEVANTAMENTO CIENCIOMÉTRICO DA SERPENTE B. MOOJENI PARA A ÁREA DA SAÚDE HUMANA LEVANTAMENTO CIENCIOMÉTRICO DA SERPENTE B. MOOJENI PARA A ÁREA DA SAÚDE HUMANA NICOLE CRISTINA LOPES DUTRA MARIANA PIRES DE CAMPOS TELLES Resumo: entre as espécies do Cerrado, a Bothrops moojeni é uma

Leia mais

que cursou todo o ensino médio em Escola Pública Histórico Escolar do Ensino Médio, mesmo para candidatos que já tenham curso superior.

que cursou todo o ensino médio em Escola Pública Histórico Escolar do Ensino Médio, mesmo para candidatos que já tenham curso superior. Item 8 do Edital nº 02/2015 1 ANÁLISE DOCUMENTAL (Check-list)/ Processo Seletivo de Ingresso em Cursos de Graduação da UFT por meio do SISU para o 1º semestre de 2015 GRUPO L1:Lei nº 12.711/12; Renda Familiar

Leia mais

Ciências Leda Av. Trimestral 13/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Ciências Leda Av. Trimestral 13/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 7º Ciências Leda Av. Trimestral 13/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova contém

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO COMANDO DE SAÚDE NAS RODOVIAS

PROJETO DE EXTENSÃO COMANDO DE SAÚDE NAS RODOVIAS FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PROJETO DE EXTENSÃO COMANDO DE SAÚDE NAS RODOVIAS Cariacica - ES 2008 2 1 - ENTIDADE/ÓRGÃO PROPONENTE SEST/SENAT Serviço

Leia mais

PRIMEIRA PARTE: EXERCÍCIO PROPOSTO:

PRIMEIRA PARTE: EXERCÍCIO PROPOSTO: EXERCÍCIO PROPOSTO: PRIMEIRA PARTE: 1) Faça um Diagrama de Casos de Uso e sua descrição para um Sistema de Prestação de Cursos de Informática que contemplem as seguintes afirmações: i) O aluno primeiramente

Leia mais

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES Profa. Monyke Lucena CARACTERÍSTICAS GERAIS Os artrópodes, o grupo mais numeroso de animais, reúnem mais de 1 milhão de espécies catalogados.

Leia mais

EXPLANAÇÃO E AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PLANTAS TÓXICAS NAS PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS

EXPLANAÇÃO E AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PLANTAS TÓXICAS NAS PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS EXPLANAÇÃO E AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PLANTAS TÓXICAS NAS PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS Felipe David ALVES 1, Suzane RECALCATI 2, Carlos Arthur LEIMANN JÚNIOR 2, Mário Lettieri TEIXEIRA 3 1 Discente

Leia mais

Cenário atual e perspectivas da pecuária no MS Campo Grande 22/Setembro/2016

Cenário atual e perspectivas da pecuária no MS Campo Grande 22/Setembro/2016 Cenário atual e perspectivas da pecuária no MS Campo Grande 22/Setembro/2016 Introdução Projeções Produção de Carnes (Mil Toneladas) Projeções Consumo de Carnes (Mil Toneladas) Projeções Exportações de

Leia mais

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA REGISTRO, FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE REPRODUÇÃO E COMERCIAIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56/07 Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA Importância

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA Gabinete Vereador Marcos Aurélio Bezerra Gomes INDICAÇÃO N1 EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA:

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA Gabinete Vereador Marcos Aurélio Bezerra Gomes INDICAÇÃO N1 EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA: INDICAÇÃO N1.0 l 81 720^4 "Dispõe sobre a criação e organização do Canil da Guarda Municipal de Fortaleza, na forma que indica e adota outras providências". EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal RESOLUÇÃO PPGCA Nº 10/2014

Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal RESOLUÇÃO PPGCA Nº 10/2014 Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal RESOLUÇÃO PPGCA Nº 10/2014 A coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPGCA) da Universidade Estadual

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA AMBIENTAL EDITAL 2014 BOLSISTA PNPD

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA AMBIENTAL EDITAL 2014 BOLSISTA PNPD EDITAL 2014 BOLSISTA PNPD O Programa de Pós-graduação em Oceanografia Ambiental - PPGOAm da Universidade Federal do Espírito Santo convoca os interessados a se inscreverem no processo seletivo para concessão

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Evento Apícola A abelha e a Laurissilva São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Registo Aprovação Segurança alimentar no mel Maria Médica Veterinária Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Leia mais

Fazem troca do exoesqueleto Simetria Bilateral O nome deriva-se do fato de terem patas articuladas

Fazem troca do exoesqueleto Simetria Bilateral O nome deriva-se do fato de terem patas articuladas Filo Artrópode Filo Artrópode Acredita-se que tenham evoluído dos anelídeos São animais invertebrados de corpo segmentado (metamerizado) Corpo revestido de exoesqueleto feito de quitina Grupo diverso

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Querido(a) aluno(a), Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: Ciências / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 3ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA SAÚDE

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA SAÚDE AMPLIAÇÃO DO PROJETO DE FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR EM MUNICÍPIOS PRIORITÁRIOS NO ESTADO DO TOCANTINS JUSTIFICATIVA O alto índice de crescimento da economia no Brasil tem refletido

Leia mais