Intoxicações por Praguicidas no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Intoxicações por Praguicidas no Brasil"

Transcrição

1 Intoxicações por Praguicidas no Brasil Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX O Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX, coordenado pela FIOCRUZ, tem como principal atribuição gerenciar o processo de coleta, compilação, análise e divulgação dos casos de intoxicação e envenenamento registrados por 31 Centros de Informação e Controle de Intoxicações, localizados em 17 dos 26 Estados brasileiros. Em 1985 foi iniciada a divulgação dos relatórios denominados Estatísticas Anuais de Casos de Intoxicação e Envenenamento no Brasil, contemplando os dados registrados pelos Centros e consolidados pelo SINITOX. A partir dos anos 90 o SINITOX vem introduzindo reformulações no Sistema, decorrentes de estudos e análises realizadas pela equipe, visando o seu aprimoramento como fonte de informação no campo das intoxicações a nível nacional. Em 1992, as estatísticas passam a apresentar novos grupos de idade em relação ao período anterior, adotando, a partir daquele ano, os mesmos grupos etários das Estatísticas de Mortalidade divulgadas pelo Ministério da Saúde. Para o ano de 1993 foram introduzidas duas tabelas, uma que define a zona de ocorrência e a outra que discrimina os óbitos por agente, sexo, faixa etária e causa determinante. Em 1997, uma Comissão composta por representantes da Rede de Centros de Controle de Intoxicações, da Secretaria de Vigilância Sanitária e coordenada pela Fundação

2 Oswaldo Cruz elaborou, a partir dos modelos utilizados pelos Centros, uma Ficha de Notificação e de Atendimento, objetivando buscar uma padronização de critérios e de definições para orientar o processo de coleta de dados em todo o país. Em 1999 essa ficha foi implantada nos Centros que compõem a Rede SINITOX (Anexos 1a e 1b) contemplando quatro novas categorias de agentes tóxicos (produtos veterinários, metais, drogas de abuso, outros animais venenosos); classifica os animais peçonhentos em serpentes, aranhas e escorpiões; a causa determinante que antes era subdividida em acidente, abuso, suicídio, profissional, outras e ignorada passou a ser denominada circunstância, com as seguintes categorias: acidente individual, acidente coletivo, acidente ambiental, ocupacional, uso terapêutico, prescrição médica inadequada, erro de administração, auto-medicação, abstinência, abuso, ingestão de alimento, tentativa de suicídio, tentativa de aborto, violência/homicídio, ignorada e outra; a evolução dos casos que antes era composta de cura, óbito e ignorada, apresenta as seguintes opções: cura, cura não confirmada, seqüela, óbito, óbito outra causa, outra, ignorada. Dessa forma, as sete tabelas usadas anteriormente para a coleta dos dados foram reformuladas e se encontram nos Anexos 2a, 2b, 2c, 2d, 2e, 2f e 2g. A base de dados do SINITOX contempla, para o período de 1985 a 2001, casos e óbitos.

3 Tabela 1. Casos de Intoxicação Humana no Brasil por Ano, distribuídos por Agente Tóxico a 2001 Anos Total Agentes nº % Medicamentos ,4 Animais Peçonhentos ,9 Animais não Peçonhentos ,1 Prod. Químicos Industriais ,6 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,5 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,8 Raticidas ,6 PRAGUICIDAS ,9 Domissanitários ,5 Produtos de Toalete ,8 Plantas ,6 Intox. por Alimentos ,2 Outros Produtos ,5 Não Determinado ,5 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

4 Tabela 2. Óbitos de Intoxicação Humana no Brasil por Ano, distribuídos por Agente Tóxico a 2001 Anos Total Agentes nº % Medicamentos ,6 Animais Peçonhentos ,7 Animais não Peçonhentos ,7 Prod. Químicos Industriais ,1 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,6 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,5 Raticidas ,7 PRAGUICIDAS ,8 Domissanitários ,2 Produtos de Toalete ,0 Plantas ,7 Intox. por Alimentos ,6 Outros Produtos ,7 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

5 Tabela 3. Casos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Faixa Etária a 2001 Agentes < e + Ign nº % Medicamentos ,8 Animais Peçonhentos ,6 Animais não Peçonhentos ,6 Prod. Químicos Industriais ,2 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,4 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,3 Raticidas ,9 PRAGUICIDAS ,6 Domissanitários ,1 Produtos de Toalete ,9 Plantas ,4 Intox. por Alimentos ,1 Outros Produtos ,5 Não Determinado , ,0 Total Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ Anos Total

6 Tabela 4. Óbitos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Faixa Etária a 2001 Agentes < e + Ign nº % Medicamentos ,2 Animais Peçonhentos ,1 Animais não Peçonhentos ,4 Prod. Químicos Industriais ,5 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,5 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,2 Raticidas ,3 PRAGUICIDAS ,0 Domissanitários ,3 Produtos de Toalete ,0 Plantas ,2 Intox. por Alimentos ,6 Outros Produtos ,7 Não Determinado ,1 Anos Total Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

7 Tabela 5. Casos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Sexo a 2001 Sexo Total Agentes Masculino Feminino Ignorado nº % Medicamentos ,8 Animais Peçonhentos ,7 Animais não Peçonhentos ,7 Prod. Químicos Industriais ,3 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,4 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,3 Raticidas ,9 PRAGUICIDAS ,6 Domissanitários ,1 Produtos de Toalete ,9 Plantas ,4 Intox. por Alimentos ,1 Outros Produtos ,3 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ Tabela 6. Óbitos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Sexo a 2001 Sexo Total Agentes Masculino Feminino Ignorado nº % Medicamentos ,2 Animais Peçonhentos ,1 Animais não Peçonhentos ,4 Prod. Químicos Industriais ,5 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,5 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,2 Raticidas ,3 PRAGUICIDAS ,0 Domissanitários ,3 Produtos de Toalete ,0 Plantas ,2 Intox. por Alimentos ,6 Outros Produtos ,7 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

8 Tabela 7. Casos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Causa Determinante a 2001 Causa Total Agentes Acidente Abuso Suicídio Profissional Outras Ignorada nº % Medicamentos ,8 Animais Peçonhentos ,7 Animais não Peçonhentos ,7 Prod. Químicos Industriais ,3 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,4 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,3 Raticidas ,9 PRAGUICIDAS ,6 Domissanitários ,1 Produtos de Toalete ,9 Plantas ,4 Intox. por Alimentos ,1 Outros Produtos ,3 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ Tabela 8. Óbitos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Causa Determinante a 2001 Causa Total Agentes Acidente Abuso Suicídio Profissional Outras Ignorada nº % Medicamentos ,2 Animais Peçonhentos ,1 Animais não Peçonhentos ,4 Prod. Químicos Industriais ,5 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,5 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,2 Raticidas ,3 PRAGUICIDAS ,0 Domissanitários ,3 Produtos de Toalete ,0 Plantas ,2 Intox. por Alimentos ,6 Outros Produtos ,7 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

9 Tabela 9. Casos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Agente Tóxico e Zona de Ocorrência a 2001 Zona de Ocorrência Total Agentes Rural Urbana Ignorada nº % Medicamentos ,8 Animais Peçonhentos ,7 Animais não Peçonhentos ,7 Prod. Químicos Industriais ,3 Agrotóxicos / Uso Agrícola ,4 Agrotóxicos / Uso Doméstico ,3 Raticidas ,9 PRAGUICIDAS ,6 Domissanitários ,1 Produtos de Toalete ,9 Plantas ,4 Intox. por Alimentos ,1 Outros Produtos ,3 Não Determinado ,1 Total ,0 Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

10 Tabela 10. Casos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Circunstância e Tipo de Praguicida a 2001 Agrotóxicos / Uso Agrícola Agrotóxicos / Uso Doméstico Raticidas PRAGUICIDAS Agentes Acidente Individual Acidente Coletivo Acidente Ambiental ACIDENTE Ocupacional Uso Terapêutico Presc. Médica Inadequada Erro de Administração Auto Medicação Abstinência Abuso Ingestão de Alimentos Tentativa de Suicídio Tentativa de Aborto Violência/Homicídio Uso Indevido Ignorada Outra Total Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

11 Tabela 11. Óbitos de Intoxicação Humana no Brasil distribuídos por Circunstância e Tipo de Praguicida a 2001 Agrotóxicos / Uso Agrícola Agrotóxicos / Uso Doméstico Raticidas PRAGUICIDAS Agentes Acidente Individual Acidente Coletivo Acidente Ambiental ACIDENTE Ocupacional Uso Terapêutico Presc. Médica Inadequada Erro de Administração Auto Medicação Abstinência Abuso Ingestão de Alimentos Tentativa de Suicídio Tentativa de Aborto Violência/Homicídio Uso Indevido Ignorada Outra Total Fonte: DECT/CICT/FIOCRUZ

12 Anexo 1a

13 Anexo 1b

14 Anexo 2a Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 1. Casos Registrados de Intoxicação Humana, de Intoxicação Animal e de Solicitação de Informação por Agente Tóxico. Vítima Solicitação de Medicamentos Agente Humana Animal Informação T o t a l Agrotóxicos/Uso Agrícola Agrotóxicos/Uso Doméstico Produtos Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Químicos Industriais Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peçonhentos/Serpentes An. Peçonhentos/Aranhas An. Peçonhentos/Escorpiões Outros animais peç./venenosos Animais não Peçonhentos Desconhecido Outro T o t a l Observações: Preenchido por Data Assinatura

15 Anexo 2b Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 2. Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Circunstância. Circunstância Agente Acidente Acidente Acidente Ocupa- Uso Te- Prescr.Médica Erro de Auto Abstinência Abuso Ingestão de Tentativa Tentativa Violência/ Ignorada Outra T o t a l Individual Coletivo Ambiental cional rapêutico Inadequada Adm. Medicação Alimentos Suicídio Aborto Homicídio Medicamentos Agrot./Uso Agrícola Agrot./Uso Doméstico Prod. Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Quím. Ind. Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peç./Serpentes An. Peç./Aranhas An. Peç./Escorpiões Outros an. Peç./ven. Animais não Peç. Desconhecido Outro T o t a l Observações: Preenchido por Data Assinatura

16 Anexo 2c Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 3. Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Faixa Etária. Faixa Etária Agente < e + Ign. T o t a l Medicamentos Agrot./Uso Agrícola Agrot./Uso Doméstico Prod. Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Quím. Ind. Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peç./Serpentes An. Peç./Aranhas An. Peç./Escorpiões Outros an. Peç./ven. Animais não Peç. Desconhecido Outro T o t a l Observações: Preenchido por Data Assinatura

17 Anexo 2d Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 4. Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Sexo. Sexo Agente Masculino Feminino Ignorado T o t a l Medicamentos Agrotóxicos/Uso Agrícola Agrotóxicos/Uso Doméstico Produtos Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Químicos Industriais Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peçonhentos/Serpentes An. Peçonhentos/Aranhas An. Peçonhentos/Escorpiões Outros animais peç./venenosos Animais não Peçonhentos Desconhecido Outro T o t a l Observações: Preenchido por Data Assinatura

18 Anexo 2e Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 5. Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Zona de Ocorrência. Zona Agente Rural Urbana Ignorada T o t a l Medicamentos Agrotóxicos/Uso Agrícola Agrotóxicos/Uso Doméstico Produtos Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Químicos Industriais Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peçonhentos/Serpentes An. Peçonhentos/Aranhas An. Peçonhentos/Escorpiões Outros animais peç./venenosos Animais não Peçonhentos Desconhecido Outro T o t a l Observações: Preenchido por Data Assinatura

19 Anexo 2f Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 6. Evolução dos Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico. Agente Cura Cura não Confirmada Evolução Seqüela Óbito(*) Óbito outra Circunstância Outra Ignorada T o t a l Medicamentos Agrot./Uso Agrícola Agrot./Uso Doméstico Prod. Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Quím. Ind. Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peç./Serpentes An. Peç./Aranhas An. Peç./Escorpiões Outros an. Peç./ven. Animais não Peç. Desconhecido Outro T o t a l Observações: (*) A Tabela 7 deverá ser preenchida especificando cada caso de óbito por agente envolvido segundo circunstância, faixa etária e sexo Preenchido por Data Assinatura

20 Anexo 2g Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Centro de Informação Científica e Tecnológica Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Centro: Trimestre: Ano: Tabela 7. Óbitos Registrados Segundo Agente Tóxico, Circunstância, Faixa Etária e Sexo. Óbitos Agente Medicamentos Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Circuns -tância Faixa Etária Sexo Agrot./Uso Agrícola Agrot./Uso Doméstico Prod. Veterinários Raticidas Domissanitários Cosméticos Prod. Quím. Ind. Metais Drogas de Abuso Plantas Alimentos An. Peç./Serpentes An. Peç./Aranhas An. Peç./Escorpiões Outros an. peç./vem. Animais não Peç. Desconhecido Outro T o t a l Legenda: Circunstância: AI=Acidente Individual; AC=Acidente Coletivo; AA=Acidente Ambiental; AO=Ocupacional; UT=Uso Terapêutico; PI=Precrição Médica Inadequada; EA=Erro de Administração; AM=Auto Medicação; AS=Abstnência; AB=Abuso; IA=Ingestão de Alimentos; TS=Tentativa de Suicídio; TA=Tentativa de Aborto; VH=Violência/Homicídio; IG=Ignorada e OT=Outra. Faixa Etária: A=<01; B=01-04; C=05-09; D=10-14; E=15-19; F=20-29; G=30-39; H=40-49; I=50-59; J=60-69; K=70-79; L=80E+ e IG=Ignorada. Sexo: M=Masculino; F=Feminino e IG=Ignorada. Nota: Caso a ocorrência de óbitos ultrapasse 7 (sete) casos do mesmo agente, deverá ser utilizada outra tabela idêntica. Observações: Preenchido por Data Assinatura

21 Sistema Nacional de Informação de Agravos de Notificação Ficha de Investigação de INTOXICAÇÃO EXÓGENA - 1

22 Ficha de Investigação de INTOXICAÇÃO EXÓGENA - 2

REDE VITAL PARA O BRASIL

REDE VITAL PARA O BRASIL REDE VITAL PARA O BRASIL REDE NACIONAL DE INFORMAÇÃO, DIÁLOGO E COOPERAÇÃO ACERCA DOS ANIMAIS PEÇONHENTOS Niterói, 16 e 17 de novembro de 2010 Sistemas de Informação que tratam dos acidentes com animais

Leia mais

Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul Centros de Informação sobre Medicamentos

Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul Centros de Informação sobre Medicamentos Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul Centros de Informação sobre Medicamentos Alberto Nicolella Atendimentos: 619% População: 26% Crescimento populacional x Atendimentos Realizados CIT/RS

Leia mais

2 MATERIAIS E MÉTODOS

2 MATERIAIS E MÉTODOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OCORRÊNCIA DE INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ANO DE 2009 EM MARINGÁ PR Patrícia Fernanda Premero 1 ; Tanimaria da Silva Lira Ballani 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

Capacitação em Eventos

Capacitação em Eventos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Capacitação em Eventos VIGILÂNCIA

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS Luciana de Melo Borges 1,3 ; Naiana Kelly Silva Bitencourt 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora

Leia mais

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada Ocupação (N) Acidente de trabalho em crianças e adolescentes com diagnóstico de lesão de traumatismo do punho e da mão (CID, S6-S69), segundo ocupação. Brasil, 27 a 26* 4-7 anos - anos Trabalhador polivalente

Leia mais

Co-Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET - Anápolis - UEG.

Co-Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET - Anápolis - UEG. INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS REGISTRADAS PELO CENTRO DE INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS DE GOIÁS Naiana Kelly Silva Bitencourt 1 ; Luciana de Melo Borges 1 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2 ; Fabiane Hiratsuca

Leia mais

Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos

Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos Secretaria de Programa Estadual de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos Enfª Ivânia da Costa Folster Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos GEZOO/DIVE/SES Secretaria de Histórico da

Leia mais

Vigilância de Causas externas

Vigilância de Causas externas Vigilância de Causas externas Acidentes e Quedas Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva _ UFF Metas nacionais para controle DCNT Reduzir TM prematura (< 70 anos) por DCNT em 2% ao ano.

Leia mais

Acidentes por animais peçonhentos

Acidentes por animais peçonhentos Acidentes por animais peçonhentos Secretaria da Saúde do Estado do Ceará Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde 01 de julho de 2016. Animais Peçonhentos Animais peçonhentos são reconhecidos como

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA.

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA. ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS (COBRAS, ARANHAS E ESCORPIÕES) - AÇÕES EDUCATIVAS E DE ASSISTÊNCIA JUNTO À POPULAÇÃO PARAIBANA. Autor(es) BARBOSA JÚNIOR, J. 1 FENANDES, H.K.S. 1 SALVIANO, G.R. 1 MALHEIRO,

Leia mais

A face oculta do trauma (Avaliação dos acidentes domésticos na infância na comunidade de Vila Nova de Cajá/PB)

A face oculta do trauma (Avaliação dos acidentes domésticos na infância na comunidade de Vila Nova de Cajá/PB) MÁRCIA ABATH AIRES DE BARROS ROBERTA ABATH TARGINO PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO EM TRABALHO DE SAÚDE PITS/MS/CNPq NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA NESC/UFPB Introdução Trauma é uma doença ignorada como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA INTOXICAÇÃO POR PARACETAMOL NO RIO GRANDE DO SUL CLARICE INÊS KUBISZEWSKI

Leia mais

Impacto dos medicamentos nas intoxicações humanas no Brasil. Drug impact on human poisoning in Brazil

Impacto dos medicamentos nas intoxicações humanas no Brasil. Drug impact on human poisoning in Brazil ARTIGO ARTICLE 859 Impacto dos medicamentos nas intoxicações humanas no Brasil Drug impact on human poisoning in Brazil Maria Élide Bortoletto 1 Rosany Bochner 1 1 Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas,

Leia mais

INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SOBRAL-CEARÁ SOB A ÓTICA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA.

INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SOBRAL-CEARÁ SOB A ÓTICA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA. ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA JANILSON DA SILVA FILHO INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SOBRAL-CEARÁ SOB A ÓTICA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA. FORTALEZA

Leia mais

Papel dos medicamentos nas intoxicações causadas por agentes químicos em município da Bahia, no período de 2007 a 2010

Papel dos medicamentos nas intoxicações causadas por agentes químicos em município da Bahia, no período de 2007 a 2010 Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciences ISSN 1808-4532 Papel dos medicamentos nas intoxicações causadas por agentes químicos em município

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA Produção da Informação sobre Segurança Pública Seminário 10 anos do Estatuto do Desarmamento São Paulo, 13 de dezembro de 2013 PRODUÇÃO DA

Leia mais

Informação sobre intoxicações e envenenamentos para a gestão do SUS: um panorama do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX

Informação sobre intoxicações e envenenamentos para a gestão do SUS: um panorama do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX RECIIS R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v.7, n.2, Jun., 2013 [www.reciis.icict.fiocruz.br] e-issn 1981-6278 * Artigo Original Informação sobre intoxicações e envenenamentos para a gestão

Leia mais

PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA 23 PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA Paulo Emilio Feuser 1 RESUMO Os medicamentos estão entre as principias causas de intoxicação no Brasil, ficando atrás apenas dos acidentes

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS POR AGROTÓXICOS EM TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DA BAHIA-BRASIL, DE 2007 A

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS POR AGROTÓXICOS EM TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DA BAHIA-BRASIL, DE 2007 A HYGEIA, ISSN: 1980-1726 Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde - http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS POR AGROTÓXICOS EM TRABALHADORES RURAIS

Leia mais

Capítulo II Apresentação de dados

Capítulo II Apresentação de dados 11 Capítulo II Apresentação de dados (Normas técnicas da Fundação Instituto Brasileiro de Geograia e Estatística IBGE) II.1 Dados em tabelas II.1.1 Componentes de uma tabela Tabela 2.1 Casos de intoxicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS INTOXICAÇÕES NO ESTADO DA BAHIA: UM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO

AVALIAÇÃO DAS INTOXICAÇÕES NO ESTADO DA BAHIA: UM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO 160 Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 1, p. 160-166, março/maio, 2013 AVALIAÇÃO DAS INTOXICAÇÕES NO ESTADO DA BAHIA: UM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO Natália Daniele de Freitas Alcântara 1,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE INTOXICAÇÕES AGUDAS EM CRIANÇAS: ESTUDO EM UM CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA

CARACTERÍSTICAS DE INTOXICAÇÕES AGUDAS EM CRIANÇAS: ESTUDO EM UM CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA Vol.4,n.1,pp.18-22 (Set - Nov 2013) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - CARACTERÍSTICAS DE INTOXICAÇÕES AGUDAS EM CRIANÇAS: ESTUDO EM UM CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA FEATURES OF

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES OFÍDICOS NA CIDADE DE ANÁPOLIS GO. Daniene Pimenta da Silva¹, Cynthia Arossa², Mary Joyce Ribeiro da Cruz³, Rafaela Pereira de Lima¹ ¹Bolsista PBIC/UEG ²Pesquisadora/orientadora

Leia mais

Análises de Acidentes do Trabalho Fatais MTE SEGUR/RS

Análises de Acidentes do Trabalho Fatais MTE SEGUR/RS Análises de Acidentes do Trabalho Fatais Palestra proferida na SRTE em dezembro de 2008 por Môsiris Roberto Giovanini Pereira Membro da Comissão Organizadora do livro Análises de Acidentes do Trabalho

Leia mais

ANÁLISE DOS REGISTROS DE INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS EM GOIÁS, NO PERÍODO DE 2001 A 2004.

ANÁLISE DOS REGISTROS DE INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS EM GOIÁS, NO PERÍODO DE 2001 A 2004. REF REF - ISSN 1808-0804 0804 Vol. IV (2), 194-2001 2001,, 2007 ANÁLISE DOS REGISTROS DE INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS EM GOIÁS, NO PERÍODO DE 2001 A 2004. ANALYSIS OF THE REGISTRATIONS OF INTOXICATION FOR

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS HUMANOS DE INTOXICAÇÕES POR AGROTÓXICOS NO BRASIL, ENTRE 2007 A 2012.

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS HUMANOS DE INTOXICAÇÕES POR AGROTÓXICOS NO BRASIL, ENTRE 2007 A 2012. 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente. Desenvolvimento, Conflitos Territoriais e Saúde. Ciências e Movimentos Sociais para a Justiça ambiental nas Políticas Públicas 19 a 22 de outubro de 2014, Minascentro,

Leia mais

Artigo Original. Caracterización de las intoxicaciones agudas grabadas en São Luís/MA: la importancia de los hospitales como centros notificadores

Artigo Original. Caracterización de las intoxicaciones agudas grabadas en São Luís/MA: la importancia de los hospitales como centros notificadores Artigo Original Alanna Nascimento Delgado Mota 1 Rayanne Rocha Pereira 2 João Gabriel Franck 3 Camila Guimaraes Polisel 4 1 Universidade Federal do Maranhão - Ufma 2. Programa de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n 1. Representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos Para a representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos vamos precisar definir algumas quantidades: n = tamanho da amostra ou frequência

Leia mais

Norma Institucional nº. 006/SCIH/HU

Norma Institucional nº. 006/SCIH/HU UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI DE SÃO THIAGO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Norma Institucional

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015

VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015 1 VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015 RONIELE SANTANA VALENTE¹, LAURA ILARRAZ MASSIA²; RITA DANIELA QUEVEDO LAMADRIL²; ¹ Acadêmica do curso

Leia mais

INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM-PARÁ NOS ANOS DE 2009 A 2013

INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM-PARÁ NOS ANOS DE 2009 A 2013 INTOXICAÇÕES EXÓGENAS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM-PARÁ NOS ANOS DE 2009 A 2013 Karen Cristini Yumi Ogawa MAESTRI 1 Alciene Ferreira da Silva VIANA2 Aline Maria da Cruz LIMA 3 Dione Cristina Gemaque Batista

Leia mais

INSTITUIÇÃO: Área temática: Saúde INTRODUÇÃO

INSTITUIÇÃO: Área temática: Saúde INTRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DA PARAÍBA (CEATOX/PB) NO PROCESSO DE PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES INTOXICADOS POR RATICIDAS: ESTUDO RETROSPECTIVO DOS CASOS OCORRIDOS NO PERÍODO

Leia mais

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA O CEET Talmo Luiz Silva torna público o presente Edital de inscrição de projetos de alunos a serem avaliados e expostos na 3ª Feira de

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS OCORRIDOS NO RIO GRANDE DO SUL,

FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS OCORRIDOS NO RIO GRANDE DO SUL, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Andressa Linhares Dorneles FREQUÊNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais

A importância do centro de informações toxicológicas (cit-go) na comunidade 1

A importância do centro de informações toxicológicas (cit-go) na comunidade 1 A importância do centro de informações toxicológicas (cit-go) na comunidade 1 Marcos Vinicius Jesus Soares 2 ; Carla Rosane Mendanha Cunha 3, Sueza Abadia de Souza Oliveira 4* 1.Trabalho realizado na Faculdade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS GVS XXVII SÃO JOSÉ DOS CAMPOS A missão da Vigilância Sanitária engloba ações relacionadas a quatro áreas fundamentais: controle de bens de consumo que direta ou indiretamente se relacionam à saúde, envolvendo

Leia mais

Vigilância de Causas externas

Vigilância de Causas externas Vigilância de Causas externas Acidentes e Quedas Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva _ UFF Plano de aula 1) Exercícios iniciais DO de causas externas 2)Exercícios finais com prontuário

Leia mais

Intoxicações por medicamentos foram o principal motivo das chamadas para o CIAV em 2010

Intoxicações por medicamentos foram o principal motivo das chamadas para o CIAV em 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE INFORMAÇÃO AOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Intoxicações por medicamentos foram o principal motivo das chamadas para o em 21 Lisboa, 25 de Fevereiro de 211 Entre as mais de 28 mil chamadas

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (0) Sobre o estudo Objetivo: sistematizar conhecimento sobre vitimização por causas violentas na cidade de São Paulo identificando

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas de

Leia mais

IGP Instituto Geral de Perícias Perícia Oficial do Rio Grande do Sul Médico-legal criminal Criminalística Identificação civil e criminal

IGP Instituto Geral de Perícias Perícia Oficial do Rio Grande do Sul Médico-legal criminal Criminalística Identificação civil e criminal SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA RS INSTITUTO GERAL DE PERÍCIAS IGP DEPARTAMENTO MÉDICO LEGAL - DML 1º SEMINÁRIO DE SERVIÇOS FUNERÁRIOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE Junho 2010 IGP Instituto Geral de Perícias

Leia mais

PUBLICADA NO D.O. DE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006.

PUBLICADA NO D.O. DE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006. PUBLICADA NO D.O. DE 02.08.2006 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006. DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE TODOS OS ÓBITOS

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

ALTERA O CADASTRAMENTO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR NO SCNES

ALTERA O CADASTRAMENTO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR NO SCNES Circular 489/2013 São Paulo, 29 de Outubro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ALTERA O CADASTRAMENTO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR NO SCNES Diário Oficial da União Nº 208, Seção

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador - CGST VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES

Leia mais

O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH)

O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) São Luís abril de 215 O extermínio da juventude negra no Maranhão A criação da CPI da Morte e Desaparecimento

Leia mais

ANÁLISE DE INTOXICAÇÕES EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DO ESTADO DO CEARÁ

ANÁLISE DE INTOXICAÇÕES EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DO ESTADO DO CEARÁ Boletim Informativo Geum Informative Geum Bulletin 1 Boletim Informativo Geum, v. 6, n. 1, p. 33-42, jan./mar., 2015 ISSN 2237-7387 (Impresso) ANÁLISE DE INTOXICAÇÕES EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA COM INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA COM INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA COM INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS Maria Alzete de Lima* Eveline Pinheiro Bezerra* Luciene Miranda de Andrade** Joselany Afio Caetano*** Maira Di

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan, que é alimentado

Leia mais

61,6 milhões cobertos (59,6%)

61,6 milhões cobertos (59,6%) Previdência Social Brasil - 2013 População Residente: 201,4 milhões (2016 205,9) Urbana: 170,7 milhões Rural: 30,7 milhões População Economicamente Ativa - PEA: 103,4 milhões População Desocupada: 6,7

Leia mais

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR)

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) CIPATR S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) A CIPATR tem uma grande importância na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais nas atividades

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO DADO PRIMÁRIO, O PRINCÍPIO DE TUDO

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO DADO PRIMÁRIO, O PRINCÍPIO DE TUDO COMUNICAÇÃO ORAL QUALIDADE DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO DADO PRIMÁRIO, O PRINCÍPIO DE TUDO Rosany Bochner, Maria Cristina Soares Guimarães, Rosane Abdala Lins de Santana, Claudio Machado Resumo: A informação

Leia mais

ANEXO II INSCRIÇÃO Nº FUNÇÃO PRETENDIDA

ANEXO II INSCRIÇÃO Nº FUNÇÃO PRETENDIDA ANEXO II SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA SSP PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 001/2013 SSP/BA FICHA DE INSCRIÇÃO PARA TODOS OS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO INSCRIÇÃO Nº FUNÇÃO PRETENDIDA

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

Artigo original. Intoxicação exógena por medicamentos na população jovem do Rio Grande do Sul

Artigo original. Intoxicação exógena por medicamentos na população jovem do Rio Grande do Sul Artigo original Intoxicação exógena por medicamentos na população jovem do Rio Grande do Sul Exogenous drug intoxication among young people of Rio Grande do Sul Elisa Inês Klinger 1, Dionata Cristiano

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXÓGENA. Portaria SVS Nº 1.271/2014. CGVAM/ DSAST Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

INTOXICAÇÃO EXÓGENA. Portaria SVS Nº 1.271/2014. CGVAM/ DSAST Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde INTOXICAÇÃO EXÓGENA Portaria SVS Nº 1.271/2014 CGVAM/ DSAST Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Brasília\DF 02 a 04 de setembro de 2014 Portaria Ministerial nº 1.271, de 6/06/2014 CONCEITOS

Leia mais

Medidas de freqüência

Medidas de freqüência Medidas de freqüência IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena Kale e Antonio José Leal Costa 2009 Ocorrência de doença Medidas

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SÃO PAULO NA PERSPECTIVA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA.

PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SÃO PAULO NA PERSPECTIVA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA. PERFIL DAS INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ESTADO DE SÃO PAULO NA PERSPECTIVA DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA. HEALTH SURVEILLANCE MEDICATION POISONING PROFILE IN THE STATE OF SÃO PAULO Daniel Malingre Vieira Farmacêutico

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde Centro de Ciências da Saúde R E S O L U Ç Ã O Nº 131/2013-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 11/12/13. Aprova a estrutura curricular

Leia mais

número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 09 - agosto/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

Perfil das Vítimas e Agressores das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005)

Perfil das Vítimas e Agressores das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) Ministério da Justiça Perfil das Vítimas e Agressores das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) Agosto/2006 Secretaria Nacional de Segurança Pública Departamento

Leia mais

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Análise espacial dos óbitos por acidentes de trânsito no município do Rio de Janeiro Vanessa dos Reis de Souza Suzana

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE SAUDE ANIMAL: Operacionalidade e Competências

SISTEMA BRASILEIRO DE SAUDE ANIMAL: Operacionalidade e Competências SISTEMA BRASILEIRO DE SAUDE ANIMAL: Operacionalidade e Competências ESTRATÉGIA- CONTROLE Sistema de Defesa Sanitária Animal 1992 ESTRATÉGIA - ERRADICAÇÃO 1. Serviço o disperso e frágil 2. Responsabilidade

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

Oliveira, ET, Cogo, JC

Oliveira, ET, Cogo, JC LEVANTAMENTO PRELIMINAR DOS ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) E CIDADES ADJACENTES, ATEIDOS NO HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2010 Oliveira,

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERENCIA GERAL DE TOXICOLOGIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERENCIA GERAL DE TOXICOLOGIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERENCIA GERAL DE TOXICOLOGIA O REGISTRO DE AGROTÓXICOS E A REDE NACIONAL DE CENTROS DE INFORMAÇÕES E ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA Heloisa Rey Farza Coordenação da

Leia mais

PROTOCOLO DE EVASÃO. Data Versão/Revisões Descrição Autor 12/11/ Proposta inicial DP, AM, DL, MR

PROTOCOLO DE EVASÃO. Data Versão/Revisões Descrição Autor 12/11/ Proposta inicial DP, AM, DL, MR 1 de 9 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial DP, AM, DL, MR 1 Objetivo Resguardar direito do paciente em recusar tratamento

Leia mais

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Dimensão dos acidentes e violências na saúde pública 969.850 internações e 145.093 mortes em 2011 por causas externas (toda causa não natural, como queimadura,

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DO PAPIC- EINSTEIN Nº 02/2016 A Comissão Científica do

Leia mais

Boletim Informativo INFLUENZA

Boletim Informativo INFLUENZA CRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, 22 de Julho de 16. Boletim Informativo INFLUENZA Até a Semana Epidemiológica () 29 (3//16 a *23/7/16) foram investigados 1841 casos suspeitos de Síndrome Respiratória

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT 129 N O M E TOXICOLOGIA DOS ALIMENTOS CARGA HORÁRIA

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE INTOXICAÇÕES POR DOMISSANITÁRIOS NOTIFICADAS PELO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE PB

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE INTOXICAÇÕES POR DOMISSANITÁRIOS NOTIFICADAS PELO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE PB PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE INTOXICAÇÕES POR DOMISSANITÁRIOS NOTIFICADAS PELO CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE PB Anderson Fellyp Avelino Diniz 1 ; Karla Helloyse Gomes Rocha 2 ; Sayonara

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n 3.4. Representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos Para a representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos vamos precisar definir algumas quantidades: n = tamanho da amostra ou frequência

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Livros de ciências Propostas e projetos para o Ensino de física Profª Cristina Leite

Livros de ciências Propostas e projetos para o Ensino de física Profª Cristina Leite Livros de ciências Propostas e projetos para o Ensino de física Profª Cristina Leite Marcos Lara Osvaldo Amorim Priscilla Rabello Rogério da Silva O livro de ciências PROJETO PARA VIVER JUNTOS, Autores:Ana

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. Institui o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna, autoriza a União

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DE RESISTENTES E INFECÇÃO EM UTI

IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DE RESISTENTES E INFECÇÃO EM UTI Grupo Técnico Médico Hospitalar - GTMH Divisão Técnica de Serviços de Saúde - SERSA Centro de Vigilância Sanitária - CVS IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DE MICROORGANISMOS MULTI- RESISTENTES E INFECÇÃO EM UTI

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO 1 ABERTURA A Comissão de Bolsas do Programa de Pós-Graduação em Educação, no exercício de suas atribuições, abre inscrições para os alunos regularmente matriculados no Mestrado Acadêmico, que desejem se

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 18.290, DE 13 DE JULHO DE 2016. Aprova o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Proteção Social atividadesfim, para efeitos legais.

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 17 de outubro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de Belo Horizonte, com o objetivo de consulta à população sobre situação eleitoral

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 3.088/GM/MS,

Leia mais

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOIS RIOS

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOIS RIOS Edital de Convocação do Processo Eleitoral para Composição do Plenário do Comitê de Bacia da Região Hidrográfica Rio Dois Rios Biênio 2017/2018 CBH RIO DOIS RIOS O Plenário do Comitê de Bacia da Região

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO 12 de abril de 2016 Página 1/5 VIGILÂNCIA DA INFLUENZA A vigilância da influenza no Ceará é composta pela vigilância sentinela da SG e vigilância universal da SRAG, além da vigilância de surtos de SG.

Leia mais