REENCONTRAR A MEMÓRIA. PERCURSO EPISTEMOLÓGICO E HISTÓRICO *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REENCONTRAR A MEMÓRIA. PERCURSO EPISTEMOLÓGICO E HISTÓRICO *"

Transcrição

1 REENCONTRAR A MEMÓRIA. PERCURSO EPISTEMOLÓGICO E HISTÓRICO Marie-Anne PAVEAU Université de Paris 13 Villetaneuse Dicionarizada, sintetizada, "enciclopedizada" [(DÉTRIE et alii, 2001), (CHARAUDEAU; MAINGUENEAU, 2002), (COLLETA; NUCHÈZE, 2002), (MAINGUENEAU, 1995 e 2005), (MAZIÈRE, 2005)] a Análise do discurso (AD) deve, doravante, em nossa opinião, fazer novas propostas teóricas e práticas para assegurar seu dinamismo, seu interesse e sua qualidade, particularmente na França. As aquisições da cognição social e cultural parecem-nos particularmente aptas a promover essa renovação e nós propomos aqui retrabalhar o conceito de memória discursiva na perspectiva da cognição distribuída, após termos retraçado o percurso histórico e epistemológico da noção de memória em AD. 1. A invenção da memória discursiva O conceito de memória discursiva, em sentido próprio, foi cunhado por J.-J. Courtine, em 1981; essa invenção, como todas as invenções, responde a parâmetros espaciais (o grupo de trabalho em torno de Pêcheux e da revista Langage), temporais (começo da derrocada estruturalista e da terceira época da AD, marcada, segundo M. Pêcheux, pela "desconstrução das maquinarias discursivas" 1 ) e epistemológica, enfim, (o saber histórico encontrando o saber lingüístico, posto que a memória discursiva vem diretamente dos "lugares de memória", de P. Nora, conceito que dá nome à soma dos três volumes coletivos publicada entre 1984 e 1992) Da memória discursiva à memória interdiscursiva Como a maioria dos conceitos oriundos da AD, elaborada em torno de M. Pêcheux entre 1968 e 1983, a noção de memória discursiva foi utilizada, desde então, fora de sua ancoragem teórica e histórica, e, sobretudo, isolada das noções com as quais ela faz sentido, em particular, o interdiscurso e o pré-construído. Esse conceito está de tal modo "em errância" (MALDIDIER, 1990) que o nome de J.-J. Courtine está ausente do Dicionário de Análise do discurso, de D. Maingueneau e P. Charaudeau (2002). A razão disso talvez seja epistemológica; J.-J. Courtine tendo colocado uma questão às ciências da linguagem, domínio científico que a AD parece ter, desde então, de certo modo, desertado: "Como as sociedades lembram? Se aceitamos a idéia [...] de que a linguagem é o tecido da memória, ou seja, sua modalidade de existência histórica essencial, quem não vê que uma tal questão se dirige diretamente às ciências da linguagem? Que essa questão reivindica a análise dos modos de existência materiais, linguageiros da memória coletiva na ordem do discurso?" (COURTINE, 1994, p. 10) Texto inédito em francês e concebido especialmente para a participação da autora no II SEAD. Tradução: Carlos Piovezani Filho ; In: Maldidier 1990, p Concepção a partir de P. Nora, mas, sobretudo e explicitamente, a partir da Arqueologia do saber, de Michel Foucault. Derivação já quase anunciada quando Courtine, no Capítulo II de sua tese, publicada na revue Langage, 62, retoma a noção de enunciado, em Foucault, na sua relação constitutiva com um domínio associado; e ainda mais manifestamente no capítulo III, no item "Memória e tempo histórico". 1

2 A memória discursiva é, com efeito, um conceito que propõe, ao mesmo tempo, um desenvolvimento, um aprofundamento e quase uma alternativa àquela de formação discursiva, e que visa a ancorar a análise do discurso na história, integrando os tempos (curtos, médios ou longos) da memória no estudo da materialidade linguageira. A noção de "domínio de memória", proveniente dos trabalhos de M. Foucault, permite proceder a uma arqueologia dos discursos e de remontar às "formulações-origens" (sendo essa origem secundária, como nós o veremos em M. Halbwachs). É a partir dessa reflexão que S. Moirand, trabalhando sobre corpora midiáticos para os quais a noção de acontecimento é primordial, propõe distinguir a memória das palavras da memória das coisas (reencontrando nisso a antiga distinção retórica entre memoria verborum e memoria rerum), e reservando a designação de memória interdiscursiva à primeira: "[ ] quando há realmente alusão aos dizeres do outro, estaríamos na ordem da memória interdiscursiva, quer esses dizeres sejam realmente ditos ou imaginados, quer as palavras sejam retomadas e transformadas, como em vandalismo liberal ou o desengordurador de mamute ou os organismos midiaticamente modificados. Mas quando a palavra evoca fatos, tais como Tchernobyl, tratar-se-ia, antes, para mim, de conhecimentos, de representações ligadas a saberes e a acontecimentos da história, tais como Pandora e Vândalo, ou mesmo associados às percepções visualizadas, como em bigodudo..." (MOIRAND, 2004, p. 89) A distinção entre a memória das palavras e a memória dos fatos é ela mesma subdivida em memória das palavras e memória dos dizeres, distinção que contribui para instalar a noção de memória interdiscursiva. Com efeito, se "as palavras "empilham", ao longo do tempo, sentidos diferentes, o que lhes dá uma espessura dialógica que escapa parcialmente a seus enunciadores" (MOIRAND, 2004b), elas não são, entretanto, autônomas, mesmo se os sujeitos frequentemente fazem com elas usos à sua revelia. Quando a memória das palavras é aquela do uso que delas fazem outros locutores, então o dialogismo entre em cena e se trata então de uma memória dos dizeres do outro, uma memória interdiscursiva marcada pela mobilidade dos dizeres 3. Se a memória discursiva de J.-J. Courtine é tributária dos trabalhos históricos de M. Foucault e P. Nora, a memória interdiscursiva, tal como ela é proposta por S. Moirand, nutre-se, em parte, dos trabalhos sociológicos de M. Halbwachs (1925 e 1950), foi redescoberta na França nos anos 1990, no momento em que a memória torna-se um dado importante dos comportamentos coletivos franceses (prescrição coletiva do dever de memória em relação aos "Peludos" sacrificados em 1914, aos genocídios judeu e armênio, e às vítimas da guerra da Argélia) Memória no discurso, uma memória coletiva A memória no discurso (a expressão é nossa), sob sua forma discursiva ou interdiscursiva, está, com efeito, estreitamente ligada às condições sócio-históricas e cognitivas de produção dos discursos, aos dados extra-discursivos e, sobretudo, pré-discursivos que participam da elaboração e da circulação das produções verbais de sujeitos social e culturalmente situados. Trata-se de uma memória coletiva, que se organiza segundo "quadros sociais" (HALBWACHS, 1925) no interior dos quais circula e se constitui, ao mesmo tempo, a identidade individual dos locutores. Essa memória não é inata nem depositada como um 3 S. Moirand emprega frequentemente a metáfora da viagem para descrever a circulação memorial das palavras e dos dizeres: as palavras viajam, as palavras carregam ou transportam sentidos, as palavras atravessam comunidades discursivas. N.T.: "Poilus", no original em francês. Referência aos soldados da Primeira Guerra Mundial que eram assim chamados em razão das más condições de vida e higiene às quais esses soldados estavam submetidos. Essas condições de vida evidentemente impossibilitavam que eles se barbeassem; daí, "peludos". 2

3 tesouro no espírito individual, mas depende da experiência e do contexto, o que implica, certamente, que o discurso não se inscreve unicamente na competência individual e intencional dos sujeitos falantes (o que está, como sabemos, no centro da posição marxista). M. Halbwachs elabora a noção de memória coletiva no quadro mais amplo da psicologia coletiva, numa época em que se tratava de opor-se às concepções individualistas da psicologia proposta por C. Blondel. Contra a idéia de que a lembrança é individual, M. Halbwachs mostra que a ilusão de lembrar-se por si mesmo é devida à insensibilidade em relação à influência do meio social. Contra a tese da espontaneidade natural, ele defende aquela do encontro, no indivíduo, de correntes de opinião que têm uma realidade objetiva fora dele. O interesse desse conceito para a AD é, segundo cremos, sua dimensão construtiva. Com efeito, para M. Halbwachs, a memória coletiva reconstrói o passado, com vistas a organizar o presente, e não se contenta com uma simples e idêntica restituição. Esse construtivismo é bastante visível na sua obra, de 1941, sobre a topografia dos Evangelhos em terra santa: "Se, conforme nós o cremos, a memória coletiva é essencialmente uma reconstrução do passado, se ela adapta as imagens dos fatos antigos às crenças e às necessidades espirituais do presente, o conhecimento do que estava na origem é secundário, senão absolutamente inútil, visto que a realidade do passado não está mais ali, como um modelo imóvel, ao qual seria preciso conformar-se" (HALBWACHS, 1971 [1941], p. 7). Que a origem seja declarada "secundária", eis o que interessa aos analistas do discurso que fundamentam sua prática sobre a idéia de que os discursos são tanto imagens da realidade quanto construções dessa mesma realidade, das "maneiras de fazer os mundos", segundo a expressão de N. Goodman Evoluções e enfraquecimentos do conceito de memória em AD O conceito de memória em AD, sem dúvida, sofreu várias evoluções e influências complexas, cujo trajeto é difícil de retraçar precisamente; nós nos contentaremos em pontuar três tipos de evolução: uma desistoricização: para A. Berrendonner e os pragmaticistas dessa corrente, por exemplo, a memória discursiva é o conjunto dos saberes partilhados pelos locutores na troca conversacional, no momento dessa troca; para M. Charolles e os gramáticos do texto (eles dizem discurso...), a memória discursiva é aquela que motiva as anáforas, retomadas, reformulações, todos os procedimentos de lembrança semântica e informacional no fio do texto. Nada de história nessas perspectivas; o próprio tempo histórico parece excluído (como frequentemente acontece nas perspectivas em que a dimensão pragmática é hegemônica). uma psicologização: a memória é um domínio de pesquisa bastante importante em psicologia, em particular cognitiva, e o conceito de memória semântica é aí amplamente utilizado, designando uma espécie de enciclopédia mental; a noção de memória encontra-se, portanto, limitada "à cabeça" dos indivíduos, e as dimensões coletiva, social e histórica encontram-se quase apagadas. uma evolução do próprio objeto discurso e de suas condições de produção, fenômeno que é raramente focalizado pelos analistas: não se produz os mesmos discursos em 1930 e em 1950, e essa evidência também possui implicações epistemológicas. As formas de comunicação favorecem discursos marcados por uma ancoragem imediata e contingente, em detrimento, sem dúvida, da dimensão universalizante e cultural (no sentido de ancorada na longa tradição da cultura de uma comunidade). A democratização da fala acarreta também modificações nas regras de formação e na relação com a história: o discurso "ordinário" é, por definição, menos 3

4 historicizado que o discurso erudito ou especializado, porque ele é menos douto ou, simplesmente, mais preso a uma cultura imediata. Esse fenômeno resta ainda a ser decifrado e há aí um programa de pesquisas para o futuro da AD. O conceito de memória discursiva incontestavelmente foi enfraquecido por essas evoluções, e a dimensão cognitiva, parece-nos, de fato, trazer-lhe uma nova eficiência. 2. Proposta: uma memória cognitivo-discursiva 2.1. Cognição sócio-cultural e Análise do discurso Nós propomos retrabalhar a noção de memória em AD, graças aos resultados de trabalhos no domínio da cognição distribuída. É uma renovação por meio da qual gostaríamos de, ao mesmo tempo, conservar a riqueza conceitual da semântica discursiva e de levar em consideração as formas contemporâneas de produção e circulação dos discursos. Poderia parecer paradoxal articular ciências cognitivas e AD, essa última, na versão que nos interessa, sendo construída sobre o político, o histórico e o psicanalítico, numa palavra e bastante rapidamente, sobre tudo o que foi posto em suspenso pela revolução cognitiva dos anos Mas nós estamos em 2005 e desde o fim dos anos 1980 desenvolveu-se uma corrente sócio-cultural nas ciências cognitivas, sustentada pela etnometodologia, pela ergonomia, pela psicologia das organizações, etc., conforme a descrição de M. Bischofsberger: "Quanto à linha sócio-cultural, ela faz da cognição um fenômeno discursivo, situado nos contextos históricos e sociais. A cognição deixa, poderíamos dizer, a "cabeça" do indivíduo, para tornar-se um fenômeno social e distribuído, que emerge nas condições sociais e culturais contingentes. Essa corrente repousa sobre a convicção de que todo conhecimento humano é produção de um ato interpretativo condicionado pelos pressupostos sociais" (BISCHOFSBERGER, 2002, p. 167) A cognição social desenvolveu-se no contexto anglo-saxão, de acordo com versões sucessivas da cognição situada (Suchman, Roschelle...), partilhada (Resnich, Shegloff...), e, depois, distribuída (Hutchins, Agre...). Sabemos que paralelamente a semântica cognitiva promovida por G. Lakoff e M. Johnson, desde sua obra sobre as metáforas, publicada em 1979, concede uma grande importância ao corpo ("mind is embodied"). Enfim, o estudo das emoções (DAMÁSIO, 2002) e das percepções abre-se cada vez mais ao contexto situacional. É preciso dizer que, na mesma medida, impõe-se uma revisão das crenças tanto dos analistas do discurso quanto dos cognitivistas: a análise do discurso e a cognição social são compatíveis e suas teorias, saberes e métodos podem dialogar (sobre esse ponto, ver Paveau (2004)) A distribuição: uma perspectiva renovada do contexto Adotar o ângulo sócio-cultural, em ciências cognitivas, implica fazer um certo número de escolhas epistemológicas, em particular, sobre a natureza do espírito. De acordo com o neurologista A. Damasio, com numerosos filósofos, começando por C. S. Peirce, e, ainda, com pesquisadores que trabalham sobre práticas sociais e culturais, pensamos que o dualismo cartesiano é "epistemologicamente desesperado" (a expressão é de O. Houdé (1998)), o que nos conduz a afastar o inatismo, o idealismo e um certo racionalismo, para adotar o princípio da exterioridade do espírito. Nós pensamos que existem vários saberes e crenças, em suma, pensamentos e concepções, mas eles estão sempre articulados com o mundo exterior, o meio, os artefatos, e não somente encapsulados nos módulos internos. É uma posição que D. Dennett (2002) qualifica de "realismo leve", oposto ao "realismo de força industrial", de J. Fodor. 4

5 Nós partimos igualmente do princípio de que a produção do discurso apóia-se sobre ferramentas, em particular, ferramentas lingüísticas, às quais S. Auroux chama de "estruturas cognitivas externas": "A hipótese contrária [à cognição neurobiológica] repousa sobre a existência de estruturas cognitivas externas ao indivíduo. Essas estruturas conheceram seu desenvolvimento graças à tecnologia intelectual da escrita; elas dependem igualmente de instrumentos externos (livros, bibliotecas, instrumentos de cálculo e de observação, etc.), assim como estruturas sociais de produção e de acumulação de conhecimentos (enciclopédias, sociedades eruditas, redes culturais de produção e reprodução do saber). O processo cognitivo depende da estruturação social tanto quanto dela depende a produção de riquezas" (AUROUX, 1998, p. 6). A noção de distribuição permite, em nossa opinião, renovar a questão do contexto, singularmente enfraquecida em lingüística do discurso, em particular, por sua sobre-utilização em pragmática (ainda ela...). As ciências da linguagem e, sobretudo, a AD mantêm relações bastante antigas com a noção de contexto, quer seja sob a forma das condições de produção e das posições ideológicas na AD, em torno de M. Pêcheux, ou aquela, mais antiga, de circulação social dos discursos, descrita por Bakhtin, nos anos 1950, ou mesmo do princípio de contextualização, afirmado por E. Sapir, e, sobretudo, J. Firth e B. Malinovski, desde os anos 1920, que inauguram a noção de "campo de interpretação". "As palavras isoladas são ficções lingüísticas", segundo a célebre fórmula de B. Malinovski, em Os argonautas do Pacífico, O contexto, em lingüística, tornou-se progressivamente tudo o que não se inscreve no código, como o assinala M. Prandi, que, nesse sentido, faz uma severa crítica, à qual nós subscrevemos: "Como uma instância composta dos mais surpreendentes ingredientes, a noção de contexto é uma mistura não diferenciada de dados contingentes e estruturas essenciais, que persistem numa informação empírica a priori, a respeito dos seres efêmeros e permanentes" (PRANDI, 2004, p. 52). Nós o seguimos na sua intenção de precisar a noção para torná-la mais operatória, e, se ele opta, no que lhe concerne, por redefinir como o conjunto de "dados extra-gramaticais duradouros e estruturas que participam da constituição dos significados complexos" (2004, p. 39), nós apelamos, de nosso lado, à noção de distribuição. Ela é mais dinâmica que as noções de partilha ou de situação, nas duas versões precedentes da cognição social, e é por essa razão que nós a privilegiamos. Elaborada a partir do estudo princeps do funcionamento humano num cockpit de avião 4, a cognição distribuída está, com efeito, atenta à construção e à transmissão das informações, não mais somente via saberes e competências detidas "na cabeça" dos indivíduos ou no seu meio sócio-cultural ("no mundo"), mas inscritos nas ferramentas cognitivas, ou seja, nos artefatos como o bloco de notas, por exemplo. Nós a definimos, em nossa perspectiva (que amplia os agentes da distribuição aos elementos não-artefaturais como os sentimentos ou os valores), como um processo de transmissão sincrônica e diacrônica de quadros pré-discursivos coletivos, esses últimos (conhecimentos enciclopédicos, crenças, emoções, percepções) sendo distribuídos de maneira colaboradora entre os agentes humanos N. T.: Em inglês no original: "As a concoction made up for the most surprising ingredients, the notion of context is an undifferentiated mix of contingent data and essentiel structures, structures holding on a priori and empirical information about beings, ephemeral and permanent" (PRANDI, 2004, p. 52). N. T.: Em inglês no original: "long-lasting extra-grammatical data and structures which take part in the ideation of complex meanings" (PRANDI, 2004, p. 39). 4 E. Hutchins, estudando a pilotagem de aviões de linha e a navegação marítima, mostra que o tratamento (ou seja, a memorização, a lembrança, e, depois, a utilização) da velocidade do avião é distribuída entre o piloto e seu co-piloto, por um lado, e pelas ferramentas que se encontram no seu meio imediato, o cockpit, por outro. 5

6 e não-humanos graças aos organizadores psíquicos internos, mas igualmente externos (ferramentas discursivas como a lista, o dicionário, o quadro, o memento, o guia de conversação, ou, mais amplamente, semióticos como as cores, as insígnias, as roupas, etc.) Uma memória dinâmica e distribuída Vislumbrar uma memória cognitivo-discursiva é ultrapassar uma concepção estática (memória-stock destinada a ser recuperada, ou memória simplesmente compartilhada que constituiria uma espécie de terreno comum, a partir do qual os interlocutores se abastecem), para adotar uma concepção dinâmica que faz memória um verdadeiro operador pré-discursivo e discursivo. É nessa perspectiva que nós propomos a noção de memória cognitivo-discursiva. Admite-se, portanto, que a memória no discurso não serve somente... à memorização, mas possui uma função (re)construtiva (que poderíamos chamar, sob o ângulo semânticoconceitual, de categorização). Nós insistiremos aqui sobre três dimensões da memória, tal como nós a focalizamos, e que justificam, em nossa opinião, articular o discursivo e o cognitivo. Nós tomamos um exemplo retirado de um corpus de discursos sobre a escola: o genocídio de Khmer, que se inscreve na metáfora político-histórica, é uma comparação das reformas do sistema escolar francês regularmente mencionada, desde uma de suas primeiras ocorrências no célebre panfleto De l'école, de J.-C. Milner (que constitui, em muitos aspectos, um protótipo desse tipo de literatura). Trata-se de enunciados que comportam a forma nominal Khmer rouge : "Os Khmers rouges rua de Grenelle" (LA MARTINIÈRE, 1984, p. 11), "Os aprendizes Khmers rouges perseguem sua obra de des-educação geral" (MASCHINO, 1992, p. 20) ou "Quem quer que seja que jamais tenha tido a idéia de um absurdo criminal de confiar o desenvolvimento da cultura aos Khmers rouges?" (DESOLI, 1997, p. 144) Cognição e recognição Se a memória no discurso não é uma simples restituição, pode-se então falar de recognição: a referência aos Khmers rouges evidentemente não se contenta em trazer uma memória histórica, mas constitui uma ferramenta cognitivo-discursiva que (re)categoriza os empreendimentos reformistas em casos de morte. A metáfora não funciona mais somente sobre o ''simples" modo da analogia, mas organiza o mundo em discurso, conferindo-lhe um sentido, nesse caso, aquele do anti-reformismo. Pode-se então falar, com P. Ricoeur, de reconhecimento, palavra que designa, para esse autor, a face cognitiva da memória, que se inscreve na "denominação psíquica": "[ ] o reconhecimento, que coroa a pesquisa bem-sucedida, [...] designa a face cognitiva da lembrança, enquanto o esforço e o trabalho inscrevem-se no campo prático. [...] Esse desdobramento entre dimensão cognitva e dimensão prática acentua a especificidade da memória entre os fenômenos que se inscrevem na denominação psíquica" (RICŒUR, 2000, p ). Nós tomamos o termo de re-conhecimento, literalmente, retomando, de acordo com a nossa perspectiva, a idéia de M. Halbwachs segundo a qual a origem importa menos que sua N. T.: Khmer ou, antes, os Khmers rouges, no plural, como normalmente eles são referidos, foram uma facção comunista que governou o Camboja entre os anos de 1975 e Numa mistura de maoísmo econômico e estalinismo político, os Khmers rouges ficaram conhecidos pela violência excessiva do regime e foram responsáveis por um dos piores massacres do século XX, a saber, o extermínio de um milhão e meio de pessoas. A maioria de seus líderes e idealizadores eram filhos da burguesia cambogiana e fizeram seus estudos em universidades francesas, enquanto seus compatriotas lutavam pela independência do país, por volta dos anos 50. No ambiente cosmopolita francês, bastante propício à troca de idéias, eles conheceram o ideário socialista. Tão-logo voltaram ao Camboja, eles tentaram desenvolver condições políticas para a formação de um espírito rebelde junto aos seus alunos. 6

7 reconfiguração. O re-conhecimento é um processo cognitivo dinâmico, na medida em que se criam então versões, mas, sobretudo, organizações do mundo: é a razão pela qual a memória cognitivo-discursiva efetiva, em nossa opinião, alguma coisa da ordem da recognição Laços memoriais A construção da memória coletiva, e, por extensão, da memória cognitivo-discursiva, é fundamentalmente inscrita no desdobramento da história, naquilo A. Schutz chama, no Phenomenology of the social world (Fenomenologia do mundo social) "o triplo reino dos predecessores, dos contemporâneos e dos sucessores". O laço memorial é, para nós, um parâmetro fundamental na produção dos discursos, a distribuição dos saberes e crenças que se faz igualmente sobre o eixo diacrônico: os ancestrais são então agentes humanos de distribuição, tal como o conjunto dos "lugares de memória" discursivos ou artefaturais que mantêm a transmissão. No nosso exemplo, o nome próprio Khmer rouge é um desses lugares de memória, que é também "agente de distribuição" 5 : os valores associados ao nome, as evocações icônicas (televisuais, fotográficas ou cinematográficas) que ele não deixa de suscitar, os traços prototípicos, dos quais ele é dotado (o genocídio Khmer e a revolução cultural chinesa tornaram-se protótipos da destruição da cultura em contexto argumentativo ou polêmico), são tanto elementos dessa distribuição quanto passam pelos canais da memória cognitivo-discursiva Memória, discurso, afetos É igualmente convocada, e isso será nosso terceiro ponto, a dimensão afetiva e emocional. A memória retém também estados mentais e afetivos (no nosso exemplo: o escândalo e o sofrimento diante da destruição da cultura), que são re-configurados no processo de recognição. A. Damasio explica claramente os fatores envolvidos nessa reconstrução memorial: "[ ] nós estocamos na memória não somente aspectos da estrutura física de um objeto o que permite potencialmente reconstruir sua forma, sua cor, sua sonoridade, ou seu movimento típico, seu odor, ou tudo o que se queira, mas igualmente aspectos do engajamento motor de nosso organismo no processo de apreensão desses aspectos pertinentes: nossas reações emocionais a um objeto, nosso estado físico e mental ampliados no momento de apreender o objeto" (DAMÁSIO, 2002, p. 238). Essa dimensão, ainda inexplorada pelos analistas do discurso (e finalmente pouco abordada pelos estudos argumentativos que, no entanto, se debruçam sobre a questão, mas sob o ângulo da expressão e não da cognição), é, no nosso sentido, um fator tão preponderante envolvido para a análise do discurso, atualmente, que poderia ocupar uma posição análoga àquela que teve, no quadro da semântica discursiva, a dimensão ideológica para a compreensão dos discursos e de suas circulações sociais. Recognição, laços de memória, emoções: eis aqui rapidamente esboçado o retrato de nossa memória cognitivo-discursiva. Reconhecemos facilmente que essa forma de "reconstrução", longe de ser uma estéril e mecânica aplicação de elementos linguageiros pré-formatados, ou uma re-coleção de lembranças embalsamadas, é um verdadeiro modo de configuração do mundo no discurso. Le corpus dos discursos sobre a escola 5 Sobre esse ponto, ver Paveau (2006; no prelo). 7

8 Esse corpus constitui-se de uma quarentena de ensaios destinados ao grande público sobre a escola na França entre 1984 e Os extratos são retirados das obras citadas abaixo: DESOLI, J. Boulet rouge pour tableau noir. Ce qui ne peut plus durer avec le système éducatif. Paris, Syros, LA MARTINIERE, D. Lettre ouverte à tous les parents qui refusent le massacre de l enseignement. Paris, Albin Michel, MASCHINO, M.-T. L'École, usine à chômeurs, Paris, Robert Laffont, MOLINIER, G. La gestion des stocks lycéens. Idéologies, pratiques scolaires et interdit de penser. Paris, L Harmattan, ROMILLY, J. L'enseignement en détresse dans Écrits sur l'enseignement. Paris, Éditions de Fallois, Bibliographie AUROUX, S. La raison, le langage et les normes. Paris, PUF, BISCHOFSBERGER, M. Quel constructivisme pour la linguistique cognitive?. In: BOUQUET, S.; RASTIER, F. (dir.). Introduction aux sciences de la culture, Paris, PUF, COURTINE J.-J. Quelques problèmes théoriques et méthodologiques en analyse du discours, Langages, numéro 62, "Analyse du discours politique", Paris, Larousse, p , COURTINE J.-J. Le tissu de la mémoire: quelques perspectives de travail historique dans les sciences du langage, Langages, numéro 114, "Mémoire, histoire, langage", Paris, Larousse, p. 5-12, DAMASIO A. R. [1999], Le sentiment même de soi. Corps, émotions, conscience. Tradução: C. Larsonneur; C. Tiercelin. Paris, Odile Jacob, DENNETT D. C. [1991], De l existence des patterns. Tradução: D. Boucher. In: FISETTE; POIRIER (éds.). Philosophie de l esprit. Psychologie du sens commun et sciences de l esprit. Paris, Vrin, 2002 DETRIE, C.; SIBLOT, P.; VERINE, B. Termes et concepts pour l analyse du discours. Paris, Champion, CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. (dir.). Dictionnaire d analyse du discours. Paris, Seuil, HALBWACHS, M. [1941]. La topographie légendaire des Évangiles en terre sainte. Étude de mémoire collective. Paris, PUF, HALBWACHS, M. [1925], Les cadres sociaux de la mémoire. Paris, Albin Michel, HALBWACHS, M. [1950]. La mémoire collective. Paris, Albin Michel, HOUDE, O. et alii (dir.). Vocabulaire des sciences cognitives. Paris, PUF, MAINGUENEAU, D. (dir.). Les analyses du discours en France, Langages, numéro 117, Paris, Larousse, MAINGUENEAU, D. (dir.), Analyse du discours. État de l art et perspectives, Marges linguistiques, numéro 9, na internet no site consultado le MALDIDIER, D. L inquiétude du discours. Textes de M. Pêcheux. Paris, Éditions des cendres, MAZIÈRE, F. L analyse du discours. Paris, PUF, ("Que sais-je?") MOIRAND, S. L impossible clôture des corpus médiatiques. La mise au jour des observables entre contextualisation et catégorisation, Tranel, numéro 40, "Approche critique des discours: constitution des corpus et construction des observables, Université de Neuchâtel, 71-92, 2004a. 8

9 MOIRAND, S. De la médiation à la médiatisation des faits scientifiques et techniques: où en est l analyse du discours?". In: Actes du colloque "Sciences, médias et sociétés", [2004b] ENS-LSH de Lyon, , http ://sciences-medias.ens-lsh.fr, consulté le NORA, P. (dir.). Les lieux de mémoire. (7 tomos) Paris, Gallimard, PAVEAU, M.-A. Les cadres du discours. Tese para orientar pesquisas, Paris, Université de Paris 3, PAVEAU, M.-A. Les prédiscours. Sens, mémoire, cognition. (no prelo) PAVEAU, M.-A.; ROSIER L., Éléments pour une histoire de l analyse du discours. Théories en conflit et ciment phraséologique, colloque L analyse du discours en France et en Allemagne, Créteil : Céditec U. Paris 12, 1-3 juillet, publication en ligne sur http//:www.johannesangermueller.de, 2005ª. PAVEAU, M.-A.; ROSIER L. Grammaire de la liste. Approche syntaxique, anthropologique et cognitive. Comunicação no colóquio Représentations du sens linguistique 3, Bruxelles, ULB, 3-5 novembre, pré-actes. 2005b. PÊCHEUX, M. Analyse de discours. Trois époques [1983]. In: MALDIDIER, D. (prés.). L'inquiètude du discours, Paris, Cendres, 1990, p PRANDI, M. The Buiding Blocks of Meaning. Ideas for a Philosophical Grammar. Amsterdam/Philadelphia, John Benjamins Publishing Company, RICŒUR P. L histoire, la mémoire, l oubli, Paris, Gallimard,

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Estudos da Língua(gem) Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux et l Analyse de Discours Eni P. ORLANDI * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp)

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 Gesualda dos Santos RASIA Universidade federal do Rio Grande do Sul Universidade regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul O diálogo que

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

OS PARADIGMAS E METÁFORAS DA PSICOLOGIA SOCIAL

OS PARADIGMAS E METÁFORAS DA PSICOLOGIA SOCIAL OS PARADIGMAS E METÁFORAS DA PSICOLOGIA SOCIAL A Natureza do Paradigma A noção de paradigma foi, introduzida por Kuhn (1970) em seu livro A Estrutura das Revoluções Científicas, para explicitar natureza

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi)

CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi) Wilton C. L. SILVA CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi) Joel Candau é professor de Antropologia

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

POLIDEZ: COMO APRENDER EM OUTRA LÍNGUA?

POLIDEZ: COMO APRENDER EM OUTRA LÍNGUA? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA POLIDEZ:

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LINGUÍSTICA

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br RESENHA Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br Resenha da obra: Didática: embates contemporâneos Maria Amélia Santoro Franco (org.)

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Jackson Pollock Obs. : Os pontos de vista aqui apresentados são exclusivamente do autor e não representam necessariamente

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

SOBRE LA FRONTIERE ABSENTE (UN BILAN) Maria da Conceição Fonseca SILVA 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

SOBRE LA FRONTIERE ABSENTE (UN BILAN) Maria da Conceição Fonseca SILVA 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia 1 SOBRE LA FRONTIERE ABSENTE (UN BILAN) Maria da Conceição Fonseca SILVA 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Começaremos a nossa reflexão sobre o tema dessa mesa Matérialités Discursives: La frontiere

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA Tudo se reduz ao diálogo, à contraposição dialógica enquanto centro. Tudo é meio, o diálogo é o fim. Uma só voz nada termina, nada resolve. Duas vozes são o mínimo de

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA Mariele Zawierucka Bressan 1 INICIAR É PRECISO... DO CORPO E DA CULTURA: ALGUMAS PONDERAÇÕES Tomamos, em nosso trabalho,

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco Universidade Estadual Paulista ''Júlio de Mesquita Filho'' UNESP Campus Bauru/SP Antropologia Visual Graduação em Artes Visuais Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco ANDREIA

Leia mais

O PAPEL DA MEMÓRIA OU A MEMÓRIA DO PAPEL DE PÊCHEUX PARA OS ESTUDOS LINGÜÍSTICO-DISCURSIVOS

O PAPEL DA MEMÓRIA OU A MEMÓRIA DO PAPEL DE PÊCHEUX PARA OS ESTUDOS LINGÜÍSTICO-DISCURSIVOS O PAPEL DA MEMÓRIA OU A MEMÓRIA DO PAPEL DE PÊCHEUX PARA OS ESTUDOS LINGÜÍSTICO-DISCURSIVOS Amanda E. SCHERER Laboratório CORPUS/Labclin Universidade Federal de Santa Maria Tania R. TASCHETTO Laboratório

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais