PRÓ-REITORIA ACADÊMICA DIRETORIA DE EXTENSÃO, PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÓ-REITORIA ACADÊMICA DIRETORIA DE EXTENSÃO, PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA"

Transcrição

1 1 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA DIRETORIA DE EXTENSÃO, PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA POLÍTICAS E PROGRAMAS DE PESQUISA UNILASALLE CANOAS, 2015.

2 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO ÁREAS DE ATUAÇÃO INSTITUCIONAL ESTRUTURAS E UNIDADES ESTRATÉGICAS E LABORATÓRIOS DE PESQUISA Linhas de Pesquisa Criação e extinção de linhas de pesquisa Grupos de Pesquisa Criação de grupo de pesquisa Composição do Grupo de pesquisa Atribuições do líder e vice-líder do grupo Filiação e desfiliação Acompanhamento e avaliação dos grupos de pesquisa Comissão Científica de Pesquisa CCP Comissão Interna de Seleção e Avaliação de Programas de Bolsas CIB Comitê de Ética em Pesquisa CEP Unidades Estratégicas e Laboratórios de Pesquisa PROGRAMAS DE FOMENTO À PESQUISA Programa Unilasalle de Pesquisa (PROUP) Objetivos do PROUP Gestão do Programa Do projeto de pesquisa Submissão, seleção, avaliação, deliberação e acompanhamento dos projetos de pesquisa Alocação de horas de pesquisa Bolsistas de Iniciação Científica Atribuições do professor pesquisador Processo de acompanhamento e avaliação do projeto Modalidades de Iniciação Científica no Unilasalle Programa de Iniciação Científica (PROIC) Objetivos do PROIC Gestão do Programa Inscrição, seleção e ingresso Responsabilidades do acadêmico de Iniciação Científica Responsabilidades do professor pesquisador Duração da Bolsa Critérios para a distribuição de quotas ABI Programa Unilasalle de fomento à produção científica e tecnológica (PROUFPCT) Objetivos do Programa Modalidade de Incentivo Critérios para a concessão da Bolsa Pesquisa Duração da Bolsa Pesquisa Responsabilidades do Bolsista de Pesquisa Responsabilidades do Professor Orientador Programa de Acompanhamento dos Pesquisadores do UNILASALLE Objetivos do Programa Gestão do Programa Aspectos considerados no acompanhamento do pesquisador Programa de Acompanhamento e Avaliação dos Grupos de Pesquisa (PROAAGP) Objetivos do Programa... 45

3 Gestão do Programa Critérios para a permanência da certificação do grupo pelo Unilasalle Programa de Iniciação Tecnológica (PROIT) Objetivos do PROIT Gestão do Programa Programa de Iniciação Artística e Cultural (PROAIC) Objetivos do Programa Gestão do Programa MECANISMOS DE SOCIALIZAÇÃO E DIFUSÃO DA PESQUISA Semana Científica Unilasalle Periódicos científicos... 49

4 4 1 APRESENTAÇÃO A Missão do Centro Universitário La Salle (Unilasalle) é Promover a formação integral e continuada da pessoa por meio do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência para o desenvolvimento sustentável da sociedade, fundamentada nos princípios cristãos e na tradição Lassalista (PDI ). Tem como princípios norteadores de sua ação (PDI ): 1. Inspiração e vivência cristã-lassalista 2. Indissociabilidade do Ensino, da Pesquisa e da Extensão 3. Educação continuada 4. Valorização das pessoas 5. Gestão sustentável 6. Inovação, criatividade e empreendedorismo. 7. Qualidade de vida no trabalho 8. Trabalho em rede 9. Valorização das parcerias 10. Internacionalização O Unilasalle almeja tornar-se universidade e, desta forma, tem como visão: Ser em 2018, uma universidade reconhecida pela excelência acadêmica e pela internacionalização (PDI ). De mesma forma, os objetivos específicos compreendem a dimensão da pesquisa como parte fundamental desse processo de transformação em Universidade. A concepção de pesquisa da Instituição compreende um conjunto de reflexões e ações sistemáticas para a geração de conhecimento, a fim de estreitar suas relações com o ensino e a extensão, fortalecendo e ampliando a produtividade, com vistas a contribuir para o desenvolvimento da sociedade, especialmente o local e o regional. Na sua relação com a extensão, a pesquisa insere-se com o conhecimento produzido nas diversas áreas, auxiliando na identificação de dificuldades, necessidades e dinâmicas da região, bem como propondo soluções e alternativas aos entraves do desenvolvimento. A prática da pesquisa em instituições de ensino superior é condição imprescindível para a qualificação do ensino que se pratica, da garantia do avanço do conhecimento científico e tecnológico, o que, por sua vez, ganha magnitude na inserção e nos laços que estabelece com a sociedade e com o conjunto de setores que constituem a dinâmica do tecido social. Partindo dessa concepção, as ações de pesquisa unidas à extensão contemplam as necessidades, lacunas e potencialidades da região com o intuito de contribuir para o desenvolvimento da sociedade. No universo do ensino, os projetos de pesquisa, os estágios e práticas, nas diferentes áreas, se configuram como pontes que conectam a universidade com o cenário local e regional.

5 5 Desde 1996, o Unilasalle conta com programas de incentivo à pesquisa: O Programa Unilasalle de Pesquisa (PROUP) e o Programa de Iniciação Científica (PROIC). Existem também um Programa Unilasalle de Fomento à Pesquisa e à Inovação Científica e Tecnológica bem como regularmente outras formas de incentivo são criadas ou fortalecidas. As políticas de pesquisa do Unilasalle estão fundamentadas nos dispositivos legais que normatizam a ação das Instituições de Ensino Superior 1, nos documentos do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs 2 e no Plano de Desenvolvimento Institucional do Centro Universitário La Salle (PDI ). O Projeto Educativo Regional Lassalista Latino-Americano apresenta cinco urgências educativas 3, detectadas na realidade da América Latina e Caribe às quais os lassalistas se sentem desafiados a responder: democratização do conhecimento; novas tecnologias; educação de qualidade; uma educação a partir da promoção do desenvolvimento humano sustentável; uma educação a partir do respeito aos direitos humanos, especialmente da infância e da juventude. Para cada uma destas urgências educativas são apresentados objetivos e linhas de ação os quais são contemplados nos eixos norteadores das políticas de pesquisa do Centro Universitário La Salle para a consolidação de uma cultura de investigação na instituição. Também documentos norteadores da pesquisa no contexto da RELAL/IALU 4 são utilizados na construção deste documento. Parte-se do princípio de que a Instituição de Ensino Superior, enquanto lócus privilegiado para a construção do conhecimento, alicerça seu fazer na pesquisa compreendendo esta dimensão como diferencial para o alcance da excelência educacional e elemento propulsor do desenvolvimento científico e tecnológico. Nessa perspectiva, se elegem os seguintes eixos norteadores das Políticas de Pesquisa do Unilasalle bem como estratégias para a sua implementação: a) Posicionamento do Unilasalle no contexto local e regional como referência em termos de pesquisa Garantir a qualidade da pesquisa tendo em vista contribuir para o desenvolvimento local e regional e qualificar os cursos de graduação e potencializar os programas de pós-graduação stricto sensu. 1 Cf. Constituição Federal de 1988, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n 9.394/96, SINAES, Plano Nacional de Pós-graduação , além de vários outros Decretos, Portarias e Resoluções que versam sobre o tema em pauta. 2 Cf. 45º Capítulo Geral, Projeto Educativo Regional Lassalista Latino-Americano, Proposta Educativa Cf. Projeto Educativo Regional Lassalista Latino-Americano, Versão 2011, p EQUIDAD, CONOCIMIENTO Y DESARROLLO: hacia una política de gestión del conocimiento en la RELAL. Documento aprobado - 29/08/13.

6 6 Assegurar que as linhas de pesquisa institucionais contemplem temáticas emergentes de demandas locais e regionais. Ampliar o número de grupos de pesquisa e consolidar os existentes, incentivando a construção e participação em redes de cooperação nacionais e internacionais. Ampliar o número de pesquisas direcionadas ao desenvolvimento e difusão de tecnologias em diferentes áreas incentivando pesquisas aplicadas na área das tecnologias sociais. Apoiar projetos de pesquisa e desenvolvimento em áreas críticas para o desenvolvimento local e regional incentivando a construção de equipes multidisciplinares envolvendo profissionais da área acadêmico-científica, das instituições públicas e privadas e/ou do governo. Incentivar pesquisas cujos resultados objetivem incidir nos organismos locais, nacionais e internacionais que formulam e executam políticas públicas para a educação, a saúde, o desenvolvimento sustentável e os direitos humanos, especialmente da infância e da juventude. Estender para as dimensões de ensino, extensão e inovação os resultados das pesquisas desenvolvidas pelos pesquisadores do Unilasalle. Propor fóruns internos e externos para discussão e divulgação das pesquisas da Instituição, estimulando a integração com outras instituições de ensino e pesquisa. Incentivar políticas de melhoria das condições de infraestrutura, concernentes às unidades estratégicas e laboratórios de pesquisa, equipamentos e acervos, a fim de proporcionar condições adequadas para o desenvolvimento de pesquisas. Incentivar a interação universidade-empresa-governo através do desenvolvimento de pesquisas que gerem criações inovadoras, produtos, processos e/ou serviços atrelados às demandas mercadológicas atuais apoiando o registro de novas patentes. b) Produtividade científica compatível com os padrões de qualidade requeridos para Programas de Pós-graduação stricto sensu em nível de excelência Incentivar, via reconhecimento de mérito, o pesquisador com produção compatível com os níveis de excelência previstos no Documento de Área e observados os preceitos da Ética em Pesquisa. Incentivar a produção discente, especialmente a dos estudantes da pós-graduação stricto sensu, através da criação e ampliação de espaços de divulgação científica (eventos e publicações). Reforçar a parceria entre as IES da Rede La Salle no âmbito, nacional e internacional, visando a produção, socialização e difusão do conhecimento em parceria.

7 7 c) Formação de Pesquisadores Mobilizar os professores que exercem a docência na graduação para a inserção da pesquisa como elemento norteador de suas práticas educativas. Destinar vagas do Programa Unilasalle de Pesquisa (PROUP) visando contemplar professores da graduação, com perfil de pesquisador, com projetos de investigação em áreas estratégicas com vistas a sua inserção nos cursos de pós-graduação stricto sensu. Contemplar, dentre os critérios de seleção do corpo docente da graduação, competências relativas ao perfil de pesquisador tendo em vista sua inserção em futuros programas de pós-graduação stricto sensu. Estimular os professores da graduação para a orientação da Iniciação Científica, independentemente de fazerem parte do corpo de pesquisadores do Unilasalle. Ampliar o número de alunos de graduação atuando nos projetos de pesquisa via ampliação das bolsas de Iniciação Científica, provenientes das agências de fomento e do Programa de Iniciação Científica do (PROIC) mantido pelo Unilasalle. Incentivar a difusão e socialização das investigações realizadas, no âmbito da Iniciação Científica, em periódicos qualificados e eventos relevantes na área da investigação. d) Internacionalização da pesquisa Estabelecer acordos de cooperação internacional com universidades e demais instituições de pesquisa tendo em vista a internacionalização da pesquisa e a inserção científica no exterior. Incentivar a criação de grupos, redes e projetos de pesquisa tendo como centralidade temáticas investigativas de interesse internacional. Divulgar os resultados das pesquisas e intercâmbios de conhecimento através de redes e sistemas de comunicação internacionais. Criar condições para a mobilidade internacional dos pesquisadores, bem como a recepção de pesquisadores estrangeiros na modalidade de professores visitantes nos programas de pós-graduação stricto sensu. Fortalecer a parceria entre as IES da Rede La Salle no âmbito nacional e internacional, através do alinhamento de linhas, grupos e redes de pesquisa de interesse mútuo. e) Sustentabilidade econômico-financeira Gerar oportunidades internas de fomento e viabilização de pesquisas nas áreas menos privilegiadas pelas agências, em projetos interdisciplinares.

8 8 Estimular os pesquisadores a buscarem fontes alternativas de financiamento para a pesquisa intensificando a captação de recursos junto à agências de fomento; instituições públicas e privadas de desenvolvimento científico, tecnológico, econômico; empresas e entidades ou organizações do Terceiro Setor. Fornecer suporte aos pesquisadores no que se refere à identificação de fontes de financiamento, elaboração, encaminhamento, implantação e acompanhamento desses projetos. f) Aprimoramento do processo de gestão da pesquisa Utilizar um sistema automatizado para registro, acompanhamento e avaliação dos projetos de pesquisa, assim como da produção acumulada e decorrente dos projetos, com vistas a atender aos Programas de Acompanhamento dos Pesquisadores, dos Bolsistas de Iniciação Científica e dos Grupos de pesquisa. Participar do processo de negociação de contratos/convênios sobre pesquisa firmados com organizações diversas, buscando detalhar os recursos previstos e acompanhar todas as etapas do processo.

9 9 2 ÁREAS DE ATUAÇÃO INSTITUCIONAL O Unilasalle, tendo presente sua origem e trajetória, teve na Educação, dentro do escopo das Ciências Humanas, a principal área de atuação durante muitos anos. Este escopo se ampliou e, atualmente, em nível de graduação, a Instituição oferece cursos nas seguintes áreas: Ciências Humanas, Ciências da Saúde, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e da Terra, Engenharias, Informação e Ciências Biológicas, Produção Cultural e Design e Linguística, Letras e Artes. No âmbito da Pós-graduação stricto sensu o Unilasalle assume como prioridade as áreas de Educação, Engenharias, Direito, Saúde e Interdisciplinar. Essas prioridades se materializam nos grupos de pesquisa e nos cursos que compõem os programas de pósgraduação. Em 2015, encontravam-se implantados os seguintes cursos: Mestrado Acadêmico em Educação, Doutorado em Educação, Mestrado Acadêmico em Avaliação de Impactos Ambientais, Mestrado Profissional em Memória Social e Bens Culturais, Doutorado Interdisciplinar em Memória Social e Bens Culturais, Mestrado Profissional em Saúde e Desenvolvimento Humano e Mestrado Acadêmico em Direito.

10 10 3 ESTRUTURAS E UNIDADES ESTRATÉGICAS E LABORATÓRIOS DE PESQUISA O Unilasalle adota a estrutura de linhas e grupos de pesquisa. As linhas de pesquisa aglutinam estudos científicos fundamentados numa certa tradição investigativa, dos quais se originam projetos que guardam afinidade entre si. Os grupos de pesquisa são uma instância acadêmica para o desenvolvimento e para a consolidação da pesquisa institucional, bem como para qualificar o atendimento às demandas dos distintos segmentos da sociedade que envolvam a produção do conhecimento científico e tecnológico. Nos grupos, o trabalho de investigação científica está organizado em torno de linhas de pesquisa as quais se traduzem nos projetos de investigação. As ações efetivadas pelos grupos de pesquisa contribuem para o fortalecimento de áreas específicas do conhecimento e para efetivar a articulação entre distintos saberes disciplinares e interinstitucionais, fazendo avançar a produção científica e tecnológica. No desenvolvimento das suas atividades os grupos de pesquisa pautarão a sua atuação observando os eixos norteadores das Políticas de Pesquisa do Unilasalle. As unidades estratégicas e os laboratórios de pesquisa são espaços institucionais compartilhados entre a graduação e a pós-graduação lato e stricto sensu. Figuram na lista dos espaços selecionados aqueles que, atualmente, têm se constituído em campo empírico e/ou de apoio para as investigações. 3.1 Linhas de Pesquisa As linhas de pesquisa mantidas pelo Unilasalle são: a) Avaliação e Tratamento de Passivos Ambientais (Resolução CONSEPE n. 301/2013) Estuda e avalia passivos ambientais, entendidos como: alterações dos ecossistemas, áreas degradadas, resíduos sólidos, efluentes líquidos e emissões atmosféricas, de forma a intervir no processo gerador do passivo ou promover sua mitigação. Visa aplicar e desenvolver conhecimento para a avaliação e tratamento de passivos ambientais integrando distintos campos do conhecimento: engenharias, ciências da terra e ciências biológicas, contemplando o contexto ambiental do problema, priorizando a possibilidade de uso da área recuperada ou aproveitamento de resíduos (sólido, líquido ou gasoso). A pesquisa está direcionada às

11 11 atividades em empreendimentos de engenharia e sua repercussão sobre os recursos naturais e ecossistemas por eles afetados. b) Conservação e Manejo da Biodiversidade (Resolução CONSEPE n. 301/2013) Estuda a natureza e seus processos funcionais, e as relações de interdependência entre seus componentes, com o objetivo de prever e minimizar impactos à biodiversidade. Gera conhecimentos científicos de caráter básico e aplicado que possam subsidiar ações de manejo da diversidade biológica em áreas de mineração. Busca, com base nas pesquisas, propor alternativas que incluam a participação das organizações e das comunidades locais nos processos de percepção e monitoramento ambiental, e nas iniciativas de manejo, de forma a estabelecer estratégias de recuperação ambiental e critérios de uso sustentável das áreas impactadas. c) Culturas, Linguagens e Tecnologias na Educação (Resolução CONSEPE n. 505/2010) Investiga as tecnologias digitais e virtuais, suas linguagens e seus impactos na educação. Analisa as implicações dessas mudanças sobre as práticas educativas, as novas formas de sociabilidade, mediadas por tais tecnologias e linguagens, além de suas implicações didáticopedagógicas. Estuda a cibercultura no contexto educacional. Pesquisa sob o ponto de vista educacional, variáveis psicológicas, filosóficas, tecnológicas, antropológicas e sociológicas da cultura contemporânea d) Desenvolvimento Humano e Processos Saúde-Doença (Resolução CONSEPE n 291/2013) Estuda processos de saúde-doença ao longo do desenvolvimento humano em diferentes contextos socioambientais. Pesquisa fatores de risco e proteção (físicos, químicos, biológicos, sociais e comportamentais) que interferem na saúde de indivíduos e populações. Busca produzir conhecimentos teórico-práticos que contribuam para o desenvolvimento humano na sua integralidade. e) Educação e Promoção em Saúde (Resolução CONSEPE n. 291/2013) Estuda práticas de educação, promoção e processos de gestão da saúde em diversos contextos. Busca produzir conhecimentos teórico-práticos que contribuam para educação e promoção em

12 12 saúde, numa perspectiva interdisciplinar e intersetorial, visando a qualidade de vida ao longo do ciclo vital. f) Efetividade do Direito na Sociedade (Resolução CONSEPE n. 267/2012) A presente linha está focada na questão da legitimidade do Direito perante a sociedade, ou seja, de que modo o processo de produção estatal das normas jurídicas é recebido, cumprido e observado pela sociedade. Abrange projetos de pesquisa que analisam o distanciamento entre a teoria e prática do Direito, buscando descrever, elencar e analisar as razões (sociais e jurídicas) desse descompasso. g) Estratégias Regionais e Desenvolvimento Sustentável (Resolução CONSEPE n. 317/2014) Estuda políticas, programas, projetos e empreendimentos sob a ótica do desenvolvimento sustentável, empoderamento social e da diversidade de culturas e memórias. Investiga e mapeia arranjos produtivos locais e regionais voltados ao planejamento das cidades, à economia da cultura e à conservação e manejo da biodiversidade. Desenvolve ferramentas conceituais e tecnologias inovadoras que promovam a melhoria das condições de vida dos atores sociais envolvidos, avaliando seus impactos econômicos, culturais, sociais e ambientais. h) Estudos, Modelos e Práticas Organizacionais (Resolução CONSEPE n. 272/2012) Estuda as instituições com uma visão sistêmica/complexa, compreendendo a dinâmica intra e interorganizacional, através de estudos que procuram diagnosticar, analisar, propor e/ou avaliar soluções com estreita vinculação ao aspecto do desenvolvimento da gestão e da inovação em diferentes contextos organizacionais. Analisa modelos, práticas e instrumentos de gestão a partir de demandas locais, regionais e nacionais. i) Formação de Professores, Teorias e Práticas Educativas (Resolução CONSEPE n. 505/2010) Investiga o fenômeno educativo colocando em evidência a análise dos modelos de formação docente inicial e continuada e suas traduções na prática educativa, nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento humano. Procura aprofundar as concepções teóricas que orientam as ações educativas e propõe estratégias de intervenção nos sistema de ensino em suas diferentes modalidades (formal, não-formal, educação básica e ensino superior).

13 13 j) Gestão, Educação e Políticas Públicas Educativas (Resolução CONSEPE n. 505/2010) Investiga a gestão de sistemas de ensino e/ou de instituições educativas, no contexto das políticas públicas sociais, considerando as diferentes concepções teóricas de estado e de cidadania. Focaliza os mecanismos de produção das desigualdades sociais e educacionais, confrontando-as com as políticas públicas sociais. Desenvolve pesquisas para subsidiar diagnósticos, análises, proposições, programas e projetos nas áreas das políticas públicas. k) Identidade, Pedagogia e Educação Lassalista (Resolução CONSEPE n. 240/2010) Caracteriza-se pela investigação de temas relativos à Tradição e Identidade Lassalista nas suas diferentes dimensões, à Associação de Irmãos e Leigos para a Missão, a Pedagogia e Educação Lassalistas, a possíveis diálogos entre a Pedagogia Lassalista e outras vertentes pedagógicas, a formação e acompanhamento de Irmãos e Leigos, a gestão, projetos e práticas educativas em Instituições Lassalistas nos âmbitos nacional e internacional, e a inserção e impactos da ação Lassalista nos contextos em que atua. l) Liderança, Aprendizagem e Mudança Organizacional (Resolução CONSEPE n. 272/2012) Estuda a dinâmica do desenvolvimento de líderes e gestores e suas relações e interações sociais, com os indivíduos e grupos, intra e interorganizacionais, focalizando a mudança, a inovação, a aprendizagem, o conhecimento, as tecnologias (digitais, virtuais, sociais, entre outras). Compreende e propõe políticas, programas, ações e práticas de desenvolvimento e inovação no comportamento organizacional, a partir de demandas locais, regionais e nacionais. m) Memória e Linguagens Culturais (Resolução CONSEPE n. 506/2010) Estuda os produtos representativos da memória em diferentes suportes e linguagens, relacionados aos usos sociais da memória, do patrimônio e da cibercultura. Investiga a pluralidade das linguagens humanas verbal (comunicativa e expressiva), virtual, imagética, pictórica, cinematográfica, arquitetônica em perspectivas inter, multi e trans-disciplinares. Contempla as relações plurais entre memória, linguagem, cultura e construção identitária. Utiliza tecnologias sociais visando à inclusão e ao alargamento da cidadania.

14 14 n) Memória, Cultura e Identidade (Resolução CONSEPE n. 506/2010) Estuda a memória, as identidades culturais, formas de expressão e de recepção das culturas, identidades de grupos humanos, de instituições e de produções culturais em seus aspetos políticos, sociais, lingüísticos, literários, éticos, religiosos e econômicos. Analisa a preservação e o desenvolvimento histórico-social das diversidades culturais. o) Memória e Gestão Cultural (Resolução CONSEPE n. 293/2013) Estuda aspectos relacionados à gestão de organizações culturais, a processos e práticas de trabalho em produção cultural, à adoção de modelos de gestão e à formação e competências do gestor e produtor cultural. Investiga como as instituições e organizações culturais gerenciam seu conhecimento e processos de aprendizagem, constituindo memoriais, centros de memória e projetos de memória institucional e organizacional. Aborda dinâmicas e processos individuais e coletivos relacionados à mudança, à inovação e à criatividade da indústria no âmbito da economia da cultura. p) Planejamento e Gestão Ambiental (Resolução CONSEPE n. 301/2013) Estuda e analisa conhecimentos, procedimentos e processos associados à gestão ambiental de empreendimentos e segmentos produtivos, transversais a atividades de engenharia. Visa produzir conhecimento científico e instrumentalizar procedimentos e processos aplicados à gestão ambiental, entendida em seu conceito mais amplo, abrangendo o compromisso social, a segurança e saúde do trabalhador, a proteção e uso sustentável dos recursos naturais e a promoção da educação ambiental. Busca promover o estudo e a discussão interdisciplinares no âmbito das ciências sociais aplicadas, inerentes às atividades nas engenharias. q) Sociedade e Fragmentação do Direito (Resolução CONSEPE n. 267/2012) A presente linha discute os problemas decorrentes dos avanços sociais e o papel do Direito no processo de juridicização dos referidos avanços. Compreende projetos de pesquisa tendentes a estudar o modo pelo qual o Direito passa a ser produzido e percebido em uma sociedade de redes, plural e sem fronteiras. r) Sistemas Inteligentes (Resolução Reitoria 190/2013) Investiga o desenvolvimento de ferramentas, ambientes, métodos e processos computacionais. Avalia, estuda e desenvolve tecnologias energeticamente eficientes, visando a gestão inteligente dos recursos naturais e o desenvolvimento regional. Objetiva descrever, modelar,

15 15 simular e analisar sistemas inteligentes, promovendo o desenvolvimento e a utilização de tecnologias de informação e de comunicação, como, por exemplo, a Internet, a educação à distância, a computação móvel, as redes sem fio e os sistemas distribuídos. As linhas de pesquisa assumidas pelos programas de pós-graduação stricto sensu são: a) Mestrado Acadêmico em Avaliação de Impactos Ambientais Avaliação e Tratamento de Passivos Ambientais Planejamento e Gestão Ambiental Conservação e Manejo da Biodiversidade b) Mestrado Acadêmico em Direito Efetividade do Direito na Sociedade Sociedade e Fragmentação do Direito c) Mestrado Acadêmico e Doutorado em Educação Culturas, Linguagens e Tecnologias na Educação Formação de Professores, Teorias e Práticas Educativas Gestão, Educação e Políticas Públicas d) Mestrado Profissional e Doutorado em Memória Social e Bens Culturais Memória e Linguagens Culturais Memória, Cultura e Identidade Memória e Gestão Cultural e) Mestrado Profissional em Saúde e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento Humano e Processos Saúde-Doença Educação e Promoção em Saúde Criação e extinção de linhas de pesquisa

16 16 As linhas de pesquisa expressam as prioridades e vocação do Unilasalle no desenvolvimento de atividades de pesquisa estando vinculadas, preferencialmente, aos programas de pós-graduação stricto sensu do Unilasalle. A formulação de proposta de nova linha de pesquisa deve ser encaminhada por no mínimo três professores, dos quais pelo menos um deve possuir título de doutor e os outros dois, no mínimo títulos de mestre, sendo que todos devem comprovar produção científica aderente aos temas da linha proposta. A criação de linhas de pesquisa segue a seguinte tramitação para aprovação: a) encaminhamento, pelos componentes da linha, à DEPP (Diretoria de Extensão, Pósgraduação e Pesquisa) observado o disposto neste Documento e nas instruções constantes na página da pesquisa; b) apreciação da proposta e parecer da CCP; c) submissão, pela DEPP, da proposta com parecer favorável à criação do novo grupo, para deliberação pelo CONSEPE; e d) aprovação do CONSEPE. A extinção de linhas de pesquisa segue a mesma tramitação da criação, porém o pedido de extinção pode ser encaminhado pela DEPP. A aprovação da linha de pesquisa pelo CONSEPE só se realiza caso a proposta não contenha temas inseridos em outra linha de pesquisa institucional já existente. A fim de que a linha de pesquisa tenha continuidade, é necessário que os pesquisadores da Instituição consolidem produção sistemática na mesma. A alteração ou extinção de linhas e grupos de pesquisa segue o mesmo processo previsto para a proposta de criação sendo que tal iniciativa pode ser dos pesquisadores envolvidos, da coordenação de programa stricto sensu ao qual a pesquisa se vincula, da DEPP ou do CONSEPE. 3.2 Grupos de Pesquisa Os Grupos de Pesquisa certificados pelo Unilasalle no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP) do CNPq em 2014 são: Avaliações e Intervenções Interdisciplinares nos Contextos da Saúde e da Doença Caracterização e Tratamento de Águas e Efluentes Cidades Inteligentes Constitucionalismo, Administração Pública e Sociedade

17 17 Criminalização, Direito e Sociedade Criminologia Crítica: Sentidos e Significados Cultura Contemporânea, sociabilidade e práticas educativas Cultura e Linguagens Artísticas Cultura, Currículo e Prática Educativa Direito, Ambiente e Novas Tecnologias Efetividade dos Direitos e Poder Judiciário Estratégias Regionais Gestão da Educação e Políticas Públicas Sociais Gestão do Conhecimento, Mudança e Aprendizagem Gestão Educacional nos diferentes contextos Grupo de Estudos ambientais e nanocompósito Grupo de Pesquisa em Educação Intercultural Mariposas: Gênero, Sexualidades e Feminismos Meio Ambiente e Impacto Antrópico Memória, Cultura e Identidade Mineração, Meio-ambiente e Tecnologias Associadas Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação Práticas educativas e indicadores de qualidade da educação Tecnologia Social, Inovação e Desenvolvimento Temáticas Lassalistas Teorias Sociais do Direito Criação de grupo de pesquisa A criação de um grupo de pesquisa obedece à seguinte tramitação: a) encaminhamento, pelos líderes do grupo, à DEPP observado o disposto neste Documento e nas instruções constantes na página da pesquisa; b) apreciação da proposta e parecer da CCP; c) submissão, pela DEPP, da proposta com parecer favorável à criação do novo grupo, para deliberação pelo CONSEPE; e

18 18 d) aprovação do CONSEPE; e) cadastramento do grupo no Diretório do CNPq pelo líder e certificação pela DEPP. A extinção de grupos de pesquisa segue a mesma tramitação da criação, porém o pedido de extinção pode ser encaminhado pela DEPP ou pelos coordenadores de programas stricto sensu. São requisitos necessários para aprovação da proposta de criação de grupo de pesquisa: a) consistência da justificativa de criação de grupo de pesquisa; b) definição das linhas de pesquisa e dos objetivos do grupo, compatíveis com o trabalho já realizado pelos pesquisadores; c) comprovação da realização de projetos de pesquisa, relacionados às respectivas linhas de pesquisa, desenvolvidos pelo grupo nos últimos três anos; e d) produção científica, tecnológica e artística e técnica dos integrantes do grupo em consonância com as linhas de pesquisa propostas Composição do Grupo de pesquisa O grupo de pesquisa é composto pelos seguintes membros: a) um líder que coordena os trabalhos do mesmo, sendo admitido um vice-líder; b) docentes pesquisadores; c) estudantes 5 de graduação e pós-graduação; d) funcionários do quadro técnico-administrativo do Unilasalle. e) egressos de programas de pós-graduação stricto sensu f) pesquisadores externos com produção aderente às temáticas do grupo O líder do grupo de pesquisa deve estar em efetivo exercício de suas atividades acadêmicas no Unilasalle, possuir título mínimo de doutor e comprovada experiência em pesquisa e produção científica. Podem fazer parte do grupo de pesquisa pesquisadores de outras instituições e egressos de cursos de graduação ou lato sensu, desde que cumpram o designado pelas normas vigentes, restando claro a inexistência de vinculo empregatício. 5 São estudantes (bolsistas ou não) em iniciação científica e em cursos de pós-graduação que participam ativamente das linhas de pesquisa desenvolvidas pelo grupo, como parte de suas atividades discentes, sob a orientação de pesquisadores do grupo.

19 19 Terão a condição de estudante pesquisador os alunos regularmente matriculados no Unilasalle, selecionados pelo docente pesquisador, participantes da equipe de projetos de pesquisa, dos programas de iniciação científica e/ou da pós-graduação, sob a orientação de um docente pesquisador do grupo. Em conformidade com as orientações do CNPq relativas a grupos de pesquisa considerados atípicos é vedada: a) a participação do docente pesquisador em mais de dois grupos de pesquisa certificado pelo Unilasalle; b) a participação do estudante pesquisador em mais de dois grupos de pesquisa; c) a constituição de grupos de pesquisa sem doutores no conjunto de pesquisadores e sem estudantes; d) grupos de pesquisa com mais de dez pesquisadores e, e) a constituição de grupos com mais de 4 linhas de pesquisa. Todos os integrantes do grupo devem possuir currículo cadastrado e atualizado junto à Plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Atribuições do líder e vice-líder do grupo São atribuições do líder do grupo de pesquisa: a) coordenar o grupo de pesquisa, zelando pelo seu bom funcionamento; b) propor novas atividades e áreas de atuação do grupo; c) manter atualizado o cadastro do grupo no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq; d) estimular a atualização do currículo dos integrantes do Grupo junto à Plataforma Lattes do CNPq; e) fornecer informações sobre as atividades do grupo a DEPP quando solicitado; f) representar o grupo quando necessário. g) supervisionar o andamento das atividades de pesquisa do Grupo de Pesquisa; h) convocar os membros do Grupo de Pesquisa e presidir suas reuniões; i) divulgar a programação, incluindo o calendário de encontros, do Grupo de Pesquisa interna e externamente; j) encaminhar a DEPP propostas de parcerias ou convênios de interesse do Grupo de Pesquisa; k) comprometer-se com a captação dos recursos necessários para a realização das atividades do grupo.

20 20 Compete ao vice-líder do grupo de pesquisa: a) auxiliar o líder no desempenho de suas funções; b) substituir o líder nas suas ausências e impedimentos Filiação e desfiliação A filiação de novos membros é decidida pelos docentes pesquisadores do grupo, atendidos os seguintes requisitos: a) sintonia com a proposta de criação do grupo; b) existência de currículo atualizado nos últimos doze (12) meses na Plataforma Lattes do CNPq; e c) apresentação de projeto de pesquisa ou de plano de atividades com vistas à vinculação a um projeto já existente no grupo. A filiação e a desfiliação de membros do grupo devem ser permanentemente atualizadas na página do Grupo de Pesquisa no CNPq. Todas as alterações no âmbito interno de um Grupo de Pesquisa, bem como a inclusão, exclusão, licença ou afastamento integral de membros efetivos ou colaboradores devem ser realizadas pelo Líder do Grupo Acompanhamento e avaliação dos grupos de pesquisa O acompanhamento dos grupos de pesquisa certificados pelo Unilasalle ocorre através do Programa de Acompanhamento e Avaliação dos Grupos de Pesquisa (PROAAGP) detalhado na seção Comissão Científica de Pesquisa CCP A Comissão Científica de Pesquisa (CCP) é coordenada pela Diretoria de Extensão, Pós-graduação e Pesquisa e composta por pesquisadores com título de doutor e/ou com relevante produção científica, representando as diversas áreas do conhecimento vinculadas aos Cursos oferecidos pelo Unilasalle. Os integrantes da CCP são nomeados, através de portaria, pelo Reitor do Unilasalle. Compete à Comissão Científica de Pesquisa: a) apreciar as linhas gerais de orientação das políticas de pesquisa institucionais;

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Os grupos de pesquisa são uma

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso de Gestão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR 1- PREÂMBULO O PROBEXT SERVIDOR é um instrumento que abrange Programas e Projetos de Extensão, com

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE Edital PPGPS Nº 01/2015 para Seleção de Candidatos ao PNPD 2015 PROCESSO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art 1º O presente Regimento disciplina a organização, o funcionamento

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDITAL ANUAL DE BOLSA EXTENSÃO ALOCAÇÃO DE BOLSAS A PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO E SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015

EDITAL ANUAL DE BOLSA EXTENSÃO ALOCAÇÃO DE BOLSAS A PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO E SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015 FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. INSTITUTO TOCANTINENSE PRES. ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 02, Quadra 07, S/Nº, Jardim dos Ipês, Porto Nacional TO, CEP 77500-000 Fone: (63) 3363-9600 - CNPJ

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO PARA OS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAMEC CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais