Regulamento Interno Prévoir Vie Groupe Prévoir S.A., REGULAMENTO INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno Prévoir Vie Groupe Prévoir S.A., 2003-10-13 REGULAMENTO INTERNO"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 1/28

2 ÍNDICE GERAL Versão do documento... 1 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO Nº 1 BREVE RESENHA HISTÓRICA... 5 CAPÍTULO Nº 2 DA EMPRESA E DAS PESSOAS Apresentação Acolhimento Atitudes e Comportamentos... 7 CAPÍTULO Nº 3 FORMAÇÃO... 8 CAPÍTULO Nº 4 FÉRIAS... 9 CAPÍTULO Nº 5 FALTAS E REGRAS GERAIS DE DISCIPLINA Assiduidade Regras de Assiduidade e Faltas Controlo de Assiduidade Trabalhador Estudante CAPÍTULO Nº 6 DIREITOS E DEVERES Direitos da Empresa Deveres da Empresa Direitos do Trabalhador Deveres do Trabalhador CAPÍTULO Nº 7 HORÁRIOS DE TRABALHO 7.1. Regime de Funcionamento Duração Normal do Trabalho Modalidades de Horário de Trabalho CAPÍTULO Nº 8 DOSSIER PESSOAL Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 2/28

3 CAPÍTULO Nº 9 REMUNERAÇÕES CAPÍTULO Nº 10 PAGAMENTO DE COMISSÕES CAPÍTULO Nº 11 HIGIENE, SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Higiene Segurança Medicina no Trabalho CAPÍTULO Nº 12 SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES Sistema de Alarme Parque de Extintores Desligar Equipamentos e Fechar Acessos CAPÍTULO Nº 13 UTILIZAÇÃO DOS ESCRITÓRIOS E DO TELEFONE Utilização dos Escritórios Utilização dos Telefones CAPÍTULO Nº 14 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS Normas de Utilização e de Segurança do Sistema Informático Normas Gerais Normas de Software Normas de Serviços de Internet CAPÍTULO Nº 15 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DA EMPRESA Computador Portátil/Videoprojector/Retroprojector/Videoconferência Sala de Formação/Reuniões Equipamentos de Futebol Material Publicitário APÊNDICE LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 3/28

4 Introdução O presente documento pretende ser um instrumento de orientação no relacionamento entre trabalhadores e destes com Clientes, Candidatos e demais interessados, sintetizando, assim, as diferentes regras e ideias que pautam a cultura desta Empresa, de modo a que todos, comerciais, técnicos, administrativos e demais colaboradores, possam mais facilmente desenvolver uma melhor ambientação sócio-profissional e, com isso, ajudar a que o Groupe Prévoir cumpra a sua missão e objectivos. O documento foi produzido pelos trabalhadores desta Empresa que, num esforço pessoal e de grupo, quiseram colocar à disposição a sua experiência e conhecimento adquiridos por forma a que todos possam ter uma melhor e mais facilitada integração. Pretende-se que este Regulamento Interno vise a concretização do conjunto de valores e princípios comuns a toda a comunidade Prévoir, que são os seguintes: Promoção de igualdade de oportunidades; Desenvolvimento de atitudes de respeito e solidariedade; Desenvolvimento de regras de convivência tolerante, justa e autónoma; Consciencialização de todos para a defesa dos bens comuns; Formação de futuros cidadãos informados, conscientes, responsáveis e participativos. O presente Regulamento Interno aplica-se à área administrativa e comercial e não se sobrepõe à legislação em vigor. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 4/28

5 CAPÍTULO Nº 1 BREVE RESENHA HISTÓRICA A PRÉVOIR VIE, cuja designação completa é PRÉVOIR VIE GROUPE PRÉVOIR, S. A., tem a sua sede em Paris França, foi fundada em 1910 e encontra-se em Portugal desde 1996 sob a forma de SUCURSAL. A Companhia tem como centro de sua actividade os seguros de pessoas, é privada e tem uma dimensão média; o capital encontra-se repartido em 70% pelos descendentes das famílias fundadoras e 30% pelos empregados e reformados. O Groupe Prévoir financia o seu próprio desenvolvimento e o seu crescimento, com fundos próprios, tendo uma solvência 6 vezes superior à margem mínima exigida em 2000, o que coloca o Groupe Prévoir entre as primeiras seguradoras Vida europeias pela sua solidez financeira. O objectivo permanente do Groupe Prévoir é a satisfação do Cliente tendo-se, para o efeito, equipado com meios técnicos na assistência à venda, atendimento rápido e eficaz e acompanhamento rápido e personalizado dos Clientes. Em França o canal de distribuição assenta numa rede comercial dinâmica constituída por conselheiros comerciais exclusivos orientados para acções comerciais personalizadas, apoiados em 180 escritórios espalhados por todo o país. Além disso o Groupe Prévoir tem, também em França, ao serviço de seus Clientes 1300 empregados para os quais é desenvolvida uma política de formação ambiciosa com vistas a enriquecimento em permanência das competências destes empregados. Em Portugal, a Companhia é representada por um Director/Mandatário Geral que responde directamente perante a Administração e Direcção para o Estrangeiro da Sede. De início a Companhia instalou-se em Braga onde a Sucursal teve a primeira Sede e onde se manteve até Março de 1999 donde foi transferida para a actual morada devido à expansão e necessidade de localização estratégica. A nossa Sucursal foi a primeira internacionalização da PRÉVOIR, seguindo-se a Polónia em Julho de 2000 e um escritório de representação no Vietname em Fevereiro de Apesar da Sucursal, em Portugal, ainda se encontrar em fase de implantação, actualmente mais de Clientes confiam em nós, perspectivando-se uma implantação a nível de todo o território nacional. A partir da sede da Sucursal no Porto, a Companhia abrange o Norte e Centro do país, intensificando a actividade a partir de um número crescente de escritórios regionais que hoje são 13 e de um quadro de pessoal de que 15 são Técnicos e Administrativos, 16 comerciais; são imprescindíveis ao desenvolvimento do Groupe Prévoir em Portugal a actividade de 350 Agentes e 8 outros Colaboradores. Cabe aqui referir que a Companhia explora a actividade de seguros mas exclusivamente os seguros sobre a vida humana em diferentes modalidades, sendo que esta actividade, Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 5/28

6 principalmente por se tratar de seguros de vida, exige de todos especiais conhecimentos e cuidados de relacionamento com Clientes e demais Pessoas interessadas. É com vistas a facilitar a contribuição de todos que se apresentam a seguir algumas das regras e normas legais cujo cumprimento vai para além da mera exigência que é suposta numa relação de trabalho, já que elas, para além de serem o suporte das relações de trabalho, facilitarão o cumprimento dos objectivos de todos e de cada um. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 6/28

7 CAPÍTULO Nº 2 DA EMPRESA E DAS PESSOAS Preambulo: Somos uma empresa de pessoas (envolvidas) ligadas por princípios éticos e de solidariedade em que cada uma se sente integrada e disponível para a obtenção de resultados comuns. Defendemos a tradição e a imagem de sobriedade, rigor e qualidade da empresa. Assumimos assim que a nossa apresentação e postura deve corresponder a estes valores e tudo faremos para os defender. 2.1 Apresentação Acolhimento Não discriminamos sexo, raça, idade, crença, religião e orientação politica, adoptamos trajes clássicos e comummente aceites na linha conservadora da actividade e socialmente reconhecida. No sentido de ajudar e contribuir para o esclarecimento e/ou apoio a qualquer colaborador, institui-se um comité de Regras de Conduta constituído pelos responsáveis de cada pelouro e em dependência do Director de sucursal, que analisará as situações e proporá a dinamização, formação e comunicação que contribuam para a adequação do comportamento do colaborador. 2.2 Atitudes e Comportamentos Pessoalmente ou através de telefone o nosso interlocutor deve sentir-se acolhido e bem-vindo usando fórmulas de simpatia, disponibilidade e competência que ele possa reconhecer e que o satisfaçam. *vide regras de utilização do telefone. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 7/28

8 CAPÍTULO Nº 3 FORMAÇÃO Dado o grau de complexidade da nossa actividade e a evolução permanente dos produtos, com o intuito de antevisão e de adequação permanente às exigências, para além dos conhecimentos que são pressupostos cada um possuir e do recurso permanente ou esporádico a técnicos de diferentes áreas, há ainda planos de formação. Nos planos de formação são tidas em conta as necessidades da Empresa para o período previsto, de acordo com o projecto de desenvolvimento da Sucursal. Plano de formação: No início de cada ano deve ser elaborado, pelo responsável de cada departamento, um plano anual de formação por departamento e dado a conhecer a cada colaborador. Para a elaboração desse plano os colaboradores devem sugerir aos responsáveis pelos respectivos departamentos acções/cursos que pensem colmatar as suas necessidades de formação. O facto de existir este plano não quer dizer que não possam ser realizadas outras formações que surjam no decorrer do ano. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 8/28

9 CAPÍTULO Nº 4 FÉRIAS Todos os funcionários têm direito a um período de férias remuneradas, em cada ano civil, direito esse que se vence no dia 1 de Janeiro de cada ano, excepto no ano da contratação em que o funcionário tem direito a 2 dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao máximo de 20 dias úteis, após seis meses completos de execução de trabalho. No caso de sobrevir o termo do ano civil antes de decorrido o prazo referido no número anterior ou antes de gozado o direito a férias, pode o funcionário usufrui-lo até 30 de Junho do ano civil subsequente, não podendo daqui resultar o direito ao gozo de um período de férias, no mesmo ano civil, superior a 30 dias úteis. As férias são interrompidas nos seguintes casos: 1. Doença; 2. Maternidade ou Paternidade; 3. Exigências imperiosas do funcionamento da empresa; Deverá ser preenchido pelos funcionários até ao dia 30 de Março de cada ano o respectivo Mapa de Férias, devidamente validado pelos Superiores Hierárquicos, não podendo um dos períodos de férias ser inferior a 10 dias úteis consecutivos. Será atribuído a cada trabalhador, em cada ano, os seguintes dias de licença com retribuição: Idade Antiguidade Dias Licença 50 Anos 15 Anos 3 52 Anos 18 Anos 4 54 Anos 20 Anos 5 O trabalhador que seja admitido com contrato de duração inferior a seis meses, tem direito a gozar dois dias úteis por cada mês completo de duração do contrato, sendo que para determinação do mês completo devem contar-se todos os dias, seguidos ou interpolados, em que foi prestado o trabalho. Nestes contratos, o gozo das férias tem lugar no momento imediatamente anterior ao da cessação, salvo acordo das partes. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 9/28

10 CAPÍTULO Nº 5 FALTAS E REGRAS GERAIS DE DISCIPLINA 5.1 Assiduidade Nos períodos de tempo que decorrem entre as entradas e saídas do serviço, devem os funcionários nele permanecer continuamente, não podendo ausentar-se do mesmo sem a autorização do respectivo superior hierárquico, salvo nos casos do serviço externo ou outro devidamente justificado, sob pena de marcação de falta de acordo com a legislação aplicável. 5.2 Regras de Assiduidade e Faltas Todas as ausências, entradas e saídas, de qualquer dos períodos diários de prestação de serviço, seja qual for o momento em que ocorram, serão registadas no Sistema de Gestão de Ausências (Site Interno). As ausências por motivos de férias devem, depois de devidamente aprovadas pelo Responsável Hierárquico, ser comunicadas ao responsável do Dep. de Contabilidade. Este encarregar-se-á posteriormente de as comunicar ao elemento responsável pela gestão das ausências. Os restantes motivos de ausência devem ser comunicados ao elemento responsável pela Gestão das Ausências. A comunicação das ausências, que não por motivo de férias, poderá ser feita pessoalmente, por telefone ou . Em qualquer uma das situações deverão ser dadas informações precisas, conforme a norma do documento Comunicação Ausências.doc. Para a comunicação de marcação/alteração de férias deverá ser utilizado o impresso «Mapa de Férias» devidamente validado pelos Superiores Hierárquicos. 5.3 Controlo de Assiduidade Compete ao pessoal dirigente e de chefia a verificação da assiduidade e pontualidade dos funcionários a seu cargo, bem como eventuais correcções a efectuar. 5.4 Trabalhador Estudante A empresa reconhece e apoia os trabalhadores estudantes. No início de cada ano lectivo o trabalhador estudante deve apresentar o certificado de matrícula. De acordo com a legislação em vigor, o trabalhador tem direito ao dia de cada exame e ao dia anterior, devendo entregar o comprovativo de presença no Departamento de Contabilidade. As ausências por motivo de exames, à semelhança de todas as ausências, deverão ser comunicadas ao elemento responsável pela gestão de ausências, após comunicação ao Responsável Hierárquico. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 10/28

11 CAPÍTULO Nº 6 DIREITOS E DEVERES 6.1 Direitos da Empresa Constituem direitos da empresa, sem prejuízo de outros referenciados noutros capítulos deste Regulamento Interno, bem como outros existentes na legislação em vigor: Beneficiar dos resultados de trabalho exercido pelos seus funcionários conforme o contrato de trabalho, Definir as actividades e tarefas dos funcionários, não podendo estas irem contra as normas jurídicas e o contrato de trabalho, Definir ordens de serviço e directivas relativas ao trabalho, não podendo estas irem contra as disposições jurídicas e o contrato de trabalho. 6.2 Deveres da Empresa Constituem obrigações da empresa, sem prejuízo de outras referenciadas noutros capítulos deste Regulamento Interno, bem como outros existentes na legislação em vigor: Proporcionar boas condições de trabalho, quer do ponto de vista físico quer moral, Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o trabalhador, Fornecer ao trabalhador a informação e a formação adequadas à prevenção de riscos de acidentes e doença, Contribuir para a elevação do nível de produtividade do trabalhador, Possibilitar o exercício de cargos em organizações representativas dos trabalhadores, Respeitar a autonomia técnica do trabalhador cuja regulamentação profissional o exija. 6.3 Direitos do Trabalhador Constituem direitos do trabalhador, sem prejuízo de outros referenciados noutros capítulos deste Regulamento Interno, bem como outros existentes na legislação em vigor: Receber da empresa a remuneração mensal correspondente à prestação do seu trabalho, Prestação efectiva do trabalho, Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 11/28

12 Exercer os seus direitos, sem que para isso sofra sanções, É proibido ao empregador baixar a categoria do funcionário, salvo nos casos previstos na lei, É proibido ao empregador diminuir a retribuição do funcionário, salvo nos casos previsto no código de trabalho e nos instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho. 6.4 Deveres do Trabalhador Respeitar e tratar com urbanidade e lealdade a entidade, os superiores hierárquicos, os companheiros de trabalho e as demais pessoas que estejam ou entrem em relações com a empresa. Utilizar com cuidado e zelar pela boa conservação dos equipamentos e demais bens que lhe sejam confiados. Comparecer com assiduidade e pontualidade no posto de trabalho e realizar o trabalho com zelo e diligência. Guardar lealdade à organização, nomeadamente não negociando por conta própria ou alheia em concorrência com ela, nem divulgando informações referentes à sua organização, métodos de produção ou negócios. Cumprir as ordens e instruções dos superiores hierárquicos em tudo o que respeite à execução e disciplina do trabalho, salvo na medida em que se mostrem contrária aos seus direitos e garantias. A empresa dentro dos limites fixados em lei, Lei n.º 7/2009, tem poderes disciplinares sobre o trabalhador que se encontre ao seu serviço. A empresa pode aplicar as seguintes sanções disciplinares, independentemente de outras fixadas em convenções colectivas e sem prejuízo dos direitos e garantias gerais dos trabalhadores: A Repreensão; B Repreensão registada; C Sanção pecuniária; D Perda de dias de férias; E Suspensão do trabalho com perda de retribuição e de antiguidade; F Despedimento imediato sem qualquer indemnização ou compensação; A sanção disciplinar não pode ser aplicada sem audiência prévia do trabalhador. O procedimento disciplinar deve exercer-se nos sessenta dias subsequentes àquele em que a entidade patronal, ou o superior hierárquico com competência disciplinar, teve conhecimento da infracção. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 12/28

13 7.1 Regime de Funcionamento CAPÍTULO Nº 7 HORÁRIOS DE TRABALHO A Prévoir-Vie Groupe Prévoir, S.A. (Sucursal) exerce a sua actividade entre as 8h45m e as 16h45m, em dias úteis. O período de atendimento ao público é compreendido entre as 8h45m e as 12h45m e entre as 13h45m e as 16h Duração Normal do Trabalho A duração semanal de trabalho é de trinta e cinco horas. 7.3 Modalidades de Horário de Trabalho Horário normal: é aquele que, exigindo o cumprimento da duração semanal de trabalho, se reparte por dois períodos diários, com horas de entrada e saída fixas, separadas por um intervalo de descanso. Segunda-Feira a Sexta-Feira: 8h45m às 12h45m 13h45m às 16h45m Horário Flexível: é aquele que permite aos funcionários gerir os seus tempos de trabalho, que decorrerão entre as 8h e as 20h, determinando plataformas fixas ou períodos de presença obrigatória, que são os seguintes: Segunda-Feira a Sexta-Feira: 11h00m às 12h00m 14h00m às 16h00m Isenção de Horário Os dirigentes e chefes de secção que gozem de IHT, deverão observar o dever geral de assiduidade e o cumprimento da duração semanal de trabalho, legalmente estabelecida na lei. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 13/28

14 CAPÍTULO Nº 8 DOSSIER PESSOAL A fim de manter-se actualizado o dossier pessoal de cada funcionário, o mesmo deve informar o Dep. Contabilidade, sempre que se verifique alguma alteração nos seguintes dados: - Bilhete de Identidade; - Morada; - Estado civil; - Número de dependentes; - Certificado habilitações; - Formação Profissional; - Número de Identificação Bancária (NIB); Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 14/28

15 CAPÍTULO Nº 9 REMUNERAÇÕES Para efeitos de processamento de vencimentos, o período considerado é sempre de 1 a 31 de cada mês. A transferência dos vencimentos é efectuada no dia 26 de cada mês, excepto quando este ocorrer em fins-de-semana ou feriados, que será antecipada para o dia útil imediatamente anterior. As faltas dadas até ao dia anterior ao processamento de vencimentos serão consideradas no próprio mês, caso contrário, transitarão para o mês seguinte. Todas as despesas suportadas pelos funcionários, que devam ser reembolsadas, deverão ser apresentadas até ao dia útil imediatamente anterior ao processamento de vencimentos. Serão deduzidos do subsídio de refeição os almoços que sejam pagos pela empresa. O subsídio de natal, de valor igual a um mês de retribuição, é processado e pago juntamente com o vencimento do mês de Novembro. No caso de admissão, cessação de contrato e suspensão de contrato de trabalho (excepto por facto respeitante ao empregador), o valor de subsídio de natal é proporcional ao tempo de serviço prestado no ano civil. A retribuição do período de férias, bem como o subsídio de férias, é processada no mês de Junho de cada ano, independentemente do período em que se efectiva o seu gozo. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 15/28

16 CAPÍTULO Nº 10 PAGAMENTO DE COMISSÕES Para o cálculo de comissões, concorrem todas as apólices validadas até ao último dia útil de cada mês. O processo de cálculo das comissões é executado, normalmente, no segundo dia útil do mês seguinte ao fecho das comissões. Após o processamento são emitidos os respectivos resumos de comissões e enviados para as correspondentes agências. Data de pagamento Os recibos devem chegar à sede até dia 12 para que o respectivo pagamento seja efectuado ao dia 13. Todos os recibos que forem recepcionados após o dia 12 só deverão ser pagos no mês seguinte. Modo de pagamento As comissões podem ser pagas por cheque ou por transferência bancária desde que o agente possua conta bancária no Grupo Millennium BCP. Para que possa ser feito o pagamento por transferência bancária, o agente deve enviar para a sede comunicação do seu NIB por escrito. Preenchimento dos recibos Os recibos, modelo n.º 337 Imprensa Nacional-Casa da Moeda, devem ser devidamente preenchidos. Devem apresentar: - Identificação completa do agente: Nome Morada N.º de contribuinte - Identificação do Cliente: Nome: Prévoir Vie Groupe Prévoir, S.A. N.º Contribuinte : Identificação da actividade exercida : Mediação de Seguros - Valores a receber: Montante bruto Retenção na fonte IRS Valor Líquido recebido - a) Regime do Iva: Isento pelo artigo 9º CIVA - b) Retenção na fonte de IRS: À taxa de 20% pelo artigo 101ª, n.º 1, do CIRS. - Quantia recebida por extenso - Data e assinatura Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 16/28

17 CAPÍTULO Nº 11 HIGIENE, SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO 11.1 Higiene Bar A Cª põe à disposição dos seus colaboradores um espaço apetrechado com máquina de café, micro-ondas, frigorífico e máquina de água. Ter atenção às normas de limpeza consideradas normais. Cuidados a ter com a manutenção deste espaço comum: Limpeza do micro-ondas; Não manter produtos deteriorados no frigorífico; Manter a bancada do Café limpa após a sua utilização; Ter atenção às normas de limpeza consideradas normais. Casas de banho A utilização das casas de banho deve respeitar as normas básicas de higiene. Cuidados a ter com a manutenção deste espaço comum: Deixar a casa de banho limpa; Apagar as luzes após a sua utilização; Deixar a banca do lavatório e bidé devidamente limpos. Local de trabalho Cada colaborador deve manter o seu local de trabalho de forma a contribuir para o bom estado do local evitando a deterioração dos meios postos à sua disposição. Nos gabinetes onde haja fumadores é necessário arejar o espaço. A utilização dos recursos que se encontram à disposição dos colaboradores deve ocorrer sem que seja perturbado o trabalho de todos, como por exemplo, a utilização do rádio com o som demasiado alto Segurança Todos os colaboradores devem ser informados sobre as medidas de prevenção e forma de actuar em caso de incêndio. Ver secção Parque de Extintores neste documento. Salvo autorização específica não é permitido o acesso a determinados locais na sucursal por parte de pessoas que não sejam colaboradores da Prévoir nomeadamente acesso à fotocopiadora, cozinha entre outros Medicina no Trabalho Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 17/28

18 Nas instalações da Prévoir existe um Kit de primeiros socorros para qualquer eventualidade de menor gravidade. A responsabilidade dessa manutenção cabe aos Serviços Gerais. Serviços Médicos LABORALIS Os funcionários devem ser inspeccionados, obrigatoriamente: Todos os anos, até aos 18 anos e depois dos 45 anos de idade; De dois em dois anos entre aquelas idades. Este controlo médico é assegurado pela Laboralis situada Rua 5 de Outubro, n.º 319, Porto Informação sobre garantias complementares de saúde Todos os funcionários da Cª estão abrangidos pelos seguintes seguros: Seguradora VICTÓRIA seguros SA MAPFRE Seguros Gerais, SA DB VIDA Cª de seg. de Vida SA Modalidade Doença Grupo Acidentes de trabalho Vida Grupo Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 18/28

19 12.1 Sistema de Alarme Introdução CAPÍTULO Nº 12 SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES A empresa deve nomear um elemento ou departamento responsável pela manutenção de um sistema de alarme das instalações. O responsável por essa tarefa deverá ter em consideração os seguintes aspectos: Solicitar a instalação de sensores de incêndio e de intrusão, do sistema de alarme, nos locais apropriados e em número adequado. Zelar pelo correcto funcionamento de todo o sistema efectuando, por exemplo, testes periódicos ao sistema. Se necessário estabelecer um contrato de manutenção com uma empresa da especialidade, de forma a facilitar todas as tarefas de manutenção e testes. As empresas da especialidades podem fornecer relatórios detalhados das datas e horas em que o sistema foi activado/desactiva (com ou sem sucesso) e por quem. Informar e formar (se necessário) os colegas de trabalho relativamente a novas situações, alterações do funcionamento do sistema e da sua utilização. Atribuir um código individual de activação/desactivação do alarme a cada elemento da empresa. Esclarecer qualquer questão ou dúvida dos colegas de trabalho relativamente ao sistema de alarme. Até ao momento ( ) o Departamento de Informática e a Direcção têm sido os elementos responsáveis por esta tarefa. Regulamento e Normas 1 O alarme deve ser sempre activado pelo último elemento que abandona as instalações quer no intervalo do almoço quer no final do dia. Esta norma está afixada junto da consola de activação/desactivação do alarme. 2 Cada elemento deve activar/desactivar o alarme com o código individual de activação/desactivação que lhe foi atribuído pelo responsável do sistema de alarme. 3 Não é permitida a divulgação ou transmissão do código individual de activação/desactivação do alarme a outros colegas de trabalho ou pessoas Parque de Extintores Introdução Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 19/28

20 A empresa deve nomear um elemento ou departamento responsável pela manutenção do parque de extintores da sede e das agências. O responsável por essa tarefa deverá ter em consideração os seguintes aspectos: Solicitar a instalação de extintores adequados nos locais apropriados e em número suficiente. Zelar pelo estado e tornar bem visível as saídas de emergência. Garantir uma adequada manutenção periódica dos extintores, a qual deverá englobar uma verificação integral de todos os componentes, nomeadamente: o Revisão do estado das válvulas e sua afinação. o Verificação do estado das cargas do agente exterior e sua substituição se necessário. o Verificação das cargas propolentes dos extintores (Azoto ou CO2). o Verificação do estado do corpo do extintor, nomeadamente no respeitante a corrosão e pintura. o Verificação do estado das mangueiras, difusores e demais peças constituintes dos extintores, substituindo-as se necessário, quando as mesma não possam ser objecto de reparação. o Colocação de uma etiqueta de revisão em cada extintor verificado. Se necessário estabelecer um contrato de manutenção com uma empresa da especialidade, de forma a facilitar todas as tarefas de manutenção. Neste caso deverá ser solicitada a essa empresa a seguinte documentação: o Declaração anual comprovativa de que todos os extintores revistos e selados se encontram em bom estado de operacionalidade. o Entrega periódica de um relatório com a indicação do estado em que se encontram os equipamentos no qual deve constar o número de extintores revistos, o estado das saídas de emergência, anomalias detectas e trabalhos efectuados. Informar e formar (se necessário) os colegas de trabalho relativamente a novas situações, alterações no parque de extintores e da sua utilização. Esclarecer qualquer questão ou dúvida dos colegas de trabalho relativamente ao parque de extintores. Até ao momento ( ) o Departamento de Informática e a Direcção têm sido os elementos responsáveis por esta tarefa. Regulamento e Normas 1 Qualquer anomalia detectada no parque de extintores, na sede ou nas agências, deverá ser de imediato comunicado aos responsáveis pelo mesmo. 2 Em caso de utilização de um ou vários extintores em caso de incêndio, deverá de imediato ser comunicado ao responsável pelo parque de extintores, de forma a proceder à substituição ou enchimento dos equipamentos utilizados. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 20/28

21 12.3 Desligar Equipamentos e Fechar Acessos Cada elemento e/ou departamento deverá responsabilizar-se por desligar certos equipamentos de utilização diária assim como fechar portas e janelas (desde de que estes não sejam mais necessários a outros elementos) no momento em que: Abandona o seu local individual de trabalho. Abandona a sua área de trabalho se for o último a sair. Abandona as instalações se for o último a sair. Quer no intervalo do almoço quer no final do dia. Estes são alguns dos equipamentos que devem ser desligados nas condições referidas anteriormente: Luzes em geral. Sistema de aquecimento/arrefecimento. Maquina de café. Fotocopiadoras. Computadores. Impressoras e outros periféricos informáticos. Máquinas de calcular eléctricas. Sistema de videoconferência: Televisão, câmara de vídeo. Videoprojector. Etc. Estes são alguns dos acessos que devem ser fechados nas condições referidas anteriormente: Ligar alarme (ver detalhes na secção Sistema de Alarme). Fechar as janelas do lado frontal do edifício e da parte das traseiras. Fechar a porta de entrada principal das instalações (à saída ou entrada) fora do horário 08h45-12h45 e 13h45-16h45. Esta norma está afixada na porta de entrada principal. Fechar porta da sala de informática (específico para os elementos da informática). Etc. Coordenação Administrativa, Regulamento Interno.doc (V ), Pág. 21/28

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE I. OBJECTIVO O presente documento tem como objectivo divulgar as instruções de utilização das unidades de marcação (UM), adaptar as regras de assiduidade

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), é um Estabelecimento de Ensino Superior Público cujo período de funcionamento, de aulas

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

REGULAMENTO HUB PORTO

REGULAMENTO HUB PORTO REGULAMENTO HUB PORTO Preâmbulo O Hub Porto é uma comunidade global, constituída por pessoas das mais diversas áreas profissionais, técnicas, culturais e/ou sociais, que procuram responder de forma inovadora

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente DESPACHO Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente Face à entrada em vigor da Lei n.º 68/2013 de 29 de agosto e às alterações provocadas no regime da duração

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO, HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO NOTA JUSTIFICATIVA A entrada em vigor da Lei n.º 59/2008, de

Leia mais

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece os períodos de funcionamento do Gabinete

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO SECÇÃO I. Âmbito e princípios gerais. Artigo 1.

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO SECÇÃO I. Âmbito e princípios gerais. Artigo 1. REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO SECÇÃO I Âmbito e princípios gerais Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento é aplicável a todo o pessoal que exerce

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ Reguengos de Monsaraz, 21 de Dezembro de 2008 Apartado

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Regulamento Nota Justificativa O presente regulamento foi elaborado, de acordo com a Lei nº 59/2008 de 11 de Setembro, com a adaptação pelo Acordo Colectivo

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 O presente regulamento aplica-se a todos os candidatos a Monitores de Infantis na Colónia

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. Pág.: 1 / 5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. FALTAS 3 A QUEM INTERESSA ESTE DOCUMENTO Para acção Para informação Colaboradores Elaborado: Director da DAP Aprovado:

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

PARECER N.º 70/CITE/2008

PARECER N.º 70/CITE/2008 PARECER N.º 70/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos

Gestão de Recursos Humanos Gestão de Pessoal Definição A Gestão de Pessoal implica não apenas o tratamento oficial do esquema de remunerações, mas também a manutenção do Cadastro dos Empregados, Higiene e Segurança no Trabalho,

Leia mais

CAPÍTULO I. Artigo 1.º Geral

CAPÍTULO I. Artigo 1.º Geral !!!"! CAPÍTULO I Artigo 1.º Geral 1. Este regulamento aplica-se a todos os trabalhadores da Associação e segue os termos gerais dos Contratos de Trabalho, das Leis do Trabalho e da Convenção Colectiva

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Artigo 1.º Âmbito pessoal Título I Âmbito pessoal, vigência, denúncia e revisão 1. O presente

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho

Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho Aprovadas por Despacho nº 33/2012, de 19 de março do Senhor Presidente da Câmara, Dr. Pinto Moreira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA 1/11 Preâmbulo As últimas alterações legislativas, designadamente a publicação da Lei

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres da Comunidade Académica. Preâmbulo

Carta de Direitos e Deveres da Comunidade Académica. Preâmbulo UNIVERSIDADE DO ALGARVE Carta de Direitos e Deveres da Comunidade Académica Preâmbulo A Universidade do Algarve, adiante designada por Universidade, tem como missão a criação, transmissão e difusão da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

Fundação N ossa Senhora da E sperança L ar João G onçalves Palm eiro N ovo. Ficha de inscrição Banco local de voluntariado

Fundação N ossa Senhora da E sperança L ar João G onçalves Palm eiro N ovo. Ficha de inscrição Banco local de voluntariado Ficha de inscrição Banco local de voluntariado Dados pessoais Nome: Morada: Telefone: Habilitações literárias: Actividade Profissional: Área de formação: Qual a sua disponibilidade para fazer voluntariado?

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Manual Prático MyGiaf. Perguntas Frequentes Glossário

Manual Prático MyGiaf. Perguntas Frequentes Glossário Manual Prático MyGiaf Perguntas Frequentes Glossário PERGUNTAS FREQUENTES (faq s) Como proceder para o registo de assiduidade? a. Aproxime o cartão de colaborador FMUL do teclado numérico do terminal b.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE

REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE A Administração Regional de Saúde do Norte, I. P. é uma pessoa coletiva de direito público integrada

Leia mais

Câmara Municipal de São Pedro do Sul

Câmara Municipal de São Pedro do Sul Regulamento A elaboração do presente regulamento resulta da necessidade de definir regras e harmonizar os procedimentos relacionados com a duração e organização do tempo de trabalho, conforme impõe o definido

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST. Artigo 1º Princípios gerais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST. Artigo 1º Princípios gerais REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST Artigo 1º Princípios gerais 1 O Instituto Superior Técnico (adiante designado IST) adopta várias modalidades de horários previstos na lei.

Leia mais

SERVIÇO DE LAVANDARIA

SERVIÇO DE LAVANDARIA SERVIÇO DE LAVANDARIA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O serviço de lavandaria é administrado pela Associação do Porto de Paralisia Cerebral

Leia mais

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga 1 Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga Preâmbulo As condições, sem adequado controle, em que se processa o acesso à vasta área pedonal da cidade de Braga, impõem a

Leia mais

Instituto Politécnico de Macau Regulamento de Gestão das Residências de Estudantes. Artigo 1.º (Âmbito de aplicação)

Instituto Politécnico de Macau Regulamento de Gestão das Residências de Estudantes. Artigo 1.º (Âmbito de aplicação) (Tradução) N. o 03R/CG/DAAG/2012 Instituto Politécnico de Macau Regulamento de Gestão das Residências de Estudantes Artigo 1.º (Âmbito de aplicação) O presente Regulamento aplica-se a todos os estudantes

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

Código de Conduta. (versão 01)

Código de Conduta. (versão 01) Código de Conduta (versão 01) Índice 1. Introdução 3 1.1 Objecto 3 1.2 Âmbito de aplicação 3 1.3 Aprovação e entrada em vigor 3 2. Os Nossos Valores 4 3. Código de Conduta 5 3.1 Relações Com e entre os

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública e a Administração Central do Sistema de Saúde,

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre o Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Sul e Açores e o Instituto Geográfico Português

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1. JUSTIFICAÇÃO Decorrente da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção, datada de 1 de Julho de 2009, entendeu o Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece o regime de duração e organização do tempo de trabalho do Instituto de

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 6/2011

Acordo colectivo de trabalho n.º 6/2011 Acordo colectivo de trabalho n.º 6/2011 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre o Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. e a Federação Nacional dos Sindicatos da Função

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de excelência e correções

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

organização e a disciplina do trabalho. Os trabalhadores em regime de emprego público regem-se pelo disposto nas atinentes normas de direito público,

organização e a disciplina do trabalho. Os trabalhadores em regime de emprego público regem-se pelo disposto nas atinentes normas de direito público, REGULAMENTO INTERNO APLICÁVEL AO PESSOAL EM REGIME DE CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO DE DIREITO PRIVADO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL (AMRS) O Decreto-Lei nº 209/2009, de 3/9, que adaptou

Leia mais

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª Os RTSST-Montepio, primeira estrutura do género a ser eleita em Portugal ao abrigo da Lei 35/2004, entenderam formular o presente parecer em complemento

Leia mais

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research Regulamento de bolsas da Associação Fraunhofer Portugal Research I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. A Associação Fraunhofer Portugal Research, com o objectivo de

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Pág. 1 de 6 1. Objectivo Definição de princípios e procedimentos que concorram para que a AdC adopte e faça adoptar práticas conformes com a noção abrangente de. 2. Âmbito Este procedimento aplica-se à

Leia mais

Acordo de Voluntariado (minuta)

Acordo de Voluntariado (minuta) Acordo de Voluntariado (minuta) Considerando que: a) O IMC é o organismo do Ministério da Cultura responsável pela definição de uma política museológica nacional e pela concretização de um conjunto de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º - Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Banda de Música de Sanguinhedo Associação Recreativa,

Leia mais

APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO. Regulamento. APPDA-Setúbal

APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO. Regulamento. APPDA-Setúbal APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO Regulamento Interno do Voluntariado da APPDA-Setúbal Avenida 5 de Outubro, Edifício Bocage 148 4º L 2900-309 Setúbal

Leia mais

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO EDITOR Autoridade para as Condições do Trabalho

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro As Mudanças na Maternidade e Paternidade Inês Albuquerque e Castro Nova terminologia Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; Licença por interrupção de gravidez; Licença parental, em qualquer

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL FÉRIAS DIVERTIDAS Página 1 de 13 ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS..4 CAPÍTULO II PROGRAMA..5 CAPÍTULO III INSCRIÇÕES...5 CAPÍTULO IV ENTIDADE PROMOTORA..

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. Jorge Pulido Valente, presidente da Câmara Municipal de Beja, torna público

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais