O DANO PESSOAL PROVOCADO POR VEÍCULO AUTOMOTOR DE VIA TERRESTRE QUANTO AO DIREITO DA INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO - DPVAT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DANO PESSOAL PROVOCADO POR VEÍCULO AUTOMOTOR DE VIA TERRESTRE QUANTO AO DIREITO DA INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO - DPVAT"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO O DANO PESSOAL PROVOCADO POR VEÍCULO AUTOMOTOR DE VIA TERRESTRE QUANTO AO DIREITO DA INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO - DPVAT SÉRGIO ROBERTO NEITZEL Itajaí (SC), 29 de maio de 2009

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO O DANO PESSOAL PROVOCADO POR VEÍCULO AUTOMOTOR DE VIA TERRESTRE QUANTO AO DIREITO DA INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO - DPVAT SÉRGIO ROBERTO NEITZEL Monografia submetida à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Professor MSc. Marcos Alberto Carvalho de Freitas Itajaí (SC), 29 de maio de 2009

3 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por ter sido um amigo fiel em todos os momentos desta jornada; à minha esposa e filhos, pela compreensão da ausência; aos meus pais, por terem acreditado na minha vitória; aos meus amigos de sala, que dividiam e compartilhavam diariamente o aprendizado deste magnífico curso, dos quais sentirei falta; aos meus colegas de trabalho que irão se beneficiar com esta pesquisa e por fim e não menos importante, agradeço meu orientador, Prof. Marcos Alberto Carvalho de Freitas, o qual deu direção nesta pesquisa. Muito obrigado a todos.

4 3 DEDICATÓRIA Dedico a presente pesquisa a todos os que tenham afinidade com a matéria, aos meus amigos de sala de aula que compartilharam esta fase do curso; Também dedico este trabalho aos meus 02 (dois) filhos amados e a minha maravilhosa esposa pela compreensão destes últimos 05 (cinco) anos, bem como aos meus queridos pais e irmãos; Por fim dedico esta pesquisa aos meus amigos de trabalho, em especial a minha amiga e sócia Liane Lima, ao meu amigo e sócio Arlei Lima, ao Dr. Eduardo Stoeberl e a Dra. Aline Vasty Machado, pelos quais tenho profunda admiração e carinho, não só pelo dia a dia de trabalho, mas também pela oportunidade da amizade que temos e por saber do orgulho que sentem pela minha trajetória.

5 4 TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro, para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí, a coordenação do Curso de Direito, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do mesmo. Itajaí (SC), 29 de maio de Sérgio Roberto Neitzel Graduando

6 5 PÁGINA DE APROVAÇÃO A presente monografia de conclusão do Curso de Direito da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, elaborada pelo graduando Sérgio Roberto Neitzel, sob o título O Dano Pessoal Provocado por Veículo Automotor de Via Terrestre quanto ao Direito da Indenização do Seguro Obrigatório - DPVAT, foi submetida em 17/06/2009 à banca examinadora composta pelos professores: MSc. Marcos Alberto Carvalho de Freitas (Orientador e Presidente) e MSc. Emanuela Cristina Andrade Lacerda (Membro), e aprovada com a nota ( ). Itajaí, 29 de maio de 2009 Professor MSc. Marcos Alberto Carvalho de Freitas Orientador e Presidente da Banca Professor MSc. Antônio Augusto Lapa Coordenação da Monografia

7 ROL DE ABREVIATURAS E SIGLAS AC ADCT ART Apelação Civil Ato das Disposições Constitucionais Transitórias Artigo CC/2002 Código Civil de 2002 CDC CNSP CPF Código de Defesa do Consumidor Conselho Nacional de Seguros Privados Cadastro de Pessoa Física CRFB Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 CRLV DETRAN DES DJ DPVAT EXMO FENASEG FUNENSEG FNS IML IRB Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos Departamento Nacional de Trânsito Desembargador Diário da Justiça Danos Pessoais Provocados por Veículos Automotores de Vias Terrestres Excelentíssimo Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização Fundação Escola Nacional de Seguros Fundo Nacional de Saúde Instituto Médico Legal Instituto de Resseguro do Brasil J. Julgamento LICC Lei de Introdução ao Código Civil N. Numero OAB/SC P. Pagina Ordem dos Advogados do Brasil Seção de Santa Catarina REL Relator

8 7 RE RG RT SUSEP SR STF STJ T TJSC UNIVALI VOL Recurso Especial Registro Geral Revista dos Tribunais Superintendência de Seguros Privados Senhor Supremo Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça Turma Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina Universidade do Vale do Itajaí Volume Inciso

9 8 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO CAPÍTULO RETROSPECTO HISTÓRICO DO SEGURO O SURGIMENTO DO SEGURO O SURGIMENTO DO SEGURO NO BRASIL O SURGIMENTO DO SEGURO OBRIGATÓRIO O SURGIMENTO DO SEGURO OBRIGATÓRIO NO BRASIL CAPÍTULO SEGURO OBRIGATÓRIO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIAS TERRESTRES NATUREZA JURÍDICA A CULPA NO SEGURO DPVAT A RESPONSABILIDADE SUBJETIVA A RESPONSABILIDADE OBJETIVA O CONTRATO DE SEGURO DPVAT O SEGURADOR E SUAS OBRIGAÇÕES O SEGURADO E SUAS OBRIGAÇÕES OS RISCOS NÃO COBERTOS PELO SEGURO DPVAT A INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DPVAT OS BENEFICIARIOS DO SEGURO DPVAT DA LIQUIDAÇÃO DO SEGURO DPVAT DA LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL DA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL DA LEGITIMIDADE DA PRESCRIÇÃO DA PRECRIÇÃO DO DIREITO À INDENIZAÇÃO DA PRECRIÇÃO PARA OS ACIDENTES OCORRIDOS ANTES DO NOVO CÓDIGO CIVIL/ DA COMPETÊNCIA SUB-ROGAÇÃO DA SEGURADORA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES CAPÍTULO DO PROCEDIMENTO PARA RECEBER O SEGURO DPVAT COMO RECEBER A INDENIZAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO - DPVAT PEDIDO DE INDENIZAÇÃO POR MORTE... 76

10 PEDIDO DE INDENIZAÇÃO POR INVALIDEZ REEMBOLSO DAS DESPESAS MÉDICAS ESTATISTICAS SOBRE O SEGURO DPVAT INDENIZAÇÕES PAGAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE INDENIZAÇÕES PAGAS POR PERFIL INDENIZAÇÕES PAGAS ANALISANDO OS VEÍCULOS ENVOLVIDOS. 85 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIA DAS FONTES CITADAS ANEXOS... 91

11 10 RESUMO A presente pesquisa aborda sobre a indenização do Seguro Obrigatório de Dano Pessoal Provocado por Veículo Automotor de Via Terrestre DPVAT, sob seus vários aspectos administrativos e jurídicos. Para tanto foi necessário um relato histórico do surgimento do contrato de seguro, bem como do contrato de seguro obrigatório. A abordagem do tema compreende desde a natureza jurídica do seguro obrigatório DPVAT, passando pelo contrato propriamente dito, as obrigações do segurado e segurador, os riscos cobertos e não cobertos, os beneficiários da indenização, a legitimidade das seguradoras, a prescrição do direito e a competência. Foi apresentada a visão doutrinária e jurisprudencial atual acerca da cobertura do seguro bem como a amplitude da matéria, demonstrando de maneira clara o direito da indenização. Por fim, discorre sobre o procedimento administrativo para a obtenção da indenização do seguro obrigatório DPVAT, em todas as suas modalidades, bem como os documentos necessários para se requerer a indenização.

12 11 INTRODUÇÃO A presente Monografia tem como objetivo demonstrar o direito das vítimas nas indenizações do Seguro Obrigatório - DPVAT. Para tanto, principia se, no Capítulo 1, tratando do aspecto histórico do surgimento do seguro em uma conceituação de nível mundial e nacional. Da mesma forma, seguindo pelo surgimento do ramo da cobertura do seguro obrigatório, o qual tem sua origem em legislações internacionais, e foi introduzido em nosso ordenamento jurídico como sendo um dos ramos de seguro, denominado de Seguro Obrigatório DPVAT. Denotou-se que referido seguro, prevê cobertura aos danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, bem como o mesmo inovou tal cobertura de seguro no Brasil, sendo enfatizado suas alterações legais e a sua atual legislação. Após o breve relato histórico, o Capítulo 2 trata primordialmente da natureza jurídica do seguro obrigatório DPVAT, bem como seus limites estabelecidos pela Lei, principalmente em relação à responsabilidade civil. Também foi esclarecida a desnecessidade da comprovação de culpa nos sinistros, abrangência do contrato e obrigações das partes. De modo geral, tratou dos principais aspectos referentes ao direito à indenização, prazos e competência. O Capítulo 3 finalizou a presente pesquisa tratando da parte prática, ou seja, qual o procedimento necessário para se pleitear as indenizações de maneira administrativa e jurídica, com a devida ênfase no aspecto do cotidiano. O presente Relatório de Pesquisa se encerra com as Considerações Finais, nas quais são apresentados pontos conclusivos destacados, seguidos da estimulação à continuidade dos estudos e das reflexões sobre o direito da indenização do seguro obrigatório DPVAT.

13 12 Para a presente monografia foram levantadas as seguintes hipóteses: 1- Para que haja o dever de indenizar é desnecessária a comprovação da culpa, bem como a identificação do veículo ou do condutor. 2- O valor da indenização a ser recebido, independe da vontade do proprietário do veículo, bastando a simples ocorrência do dano. 3- As indenizações disponíveis para as vítimas estão subdividias em somente 03(três) coberturas, morte, invalidez e despesas médicas.

14 13 CAPÍTULO 1 RETROSPECTO HISTÓRICO DO SEGURO 1.1 O SURGIMENTO DO SEGURO Objetivando o êxito da pesquisa, importante fazer constar os aspectos históricos acerca do tema, assim base para o entendimento do surgimento de uma das categorias dispostas no direito de contratos, o ramo do seguro, em especial o ramo do Seguro Obrigatório DPVAT Danos Pessoais Provocados por Veículos Automotores de Vias Terrestres. O início da instituição do seguro como fator de proteção das fatalidades da vida é muito antiga. Guimarães [2002, p.15] traz em sua obra que há muito tempo o homem já se preocupava em minimizar os efeitos de um acontecimento imprevisível. De acordo com Oliveira [2002, p.3], a história do seguro se confunde com a própria história da humanidade e, sem duvida, tem como progênie a preocupação do ser humano em resguardar-se e preservar seus bens contra os perigos que o cercam. Portanto, foi necessária a organização em grupos para poder enfrentar tais situações, procurando, assim, minimizar seus prejuízos. Oliveira [2002, p.3] discorre sobre do surgimento do contrato de seguro, onde consta que os primeiros indícios de contratos de seguros estão registrados há milhares de anos, tendo como ponto de partida o seguro no comércio de camelos. Relata também que já na antiga Babilônia, XXIII séculos antes de Cristo, mercadores de camelos cruzavam a imensidão dos desertos com suas caravanas para comercializar seus animais e pactuavam que havendo a morte dos animais durante a viagem, estes seriam pagos pelos

15 14 demais membros do grupo, como forma de minorar o prejuízo, demonstrando assim uma forma de garantia, ou seja, uma maneira de assegurar sua propriedade. Acrescenta Oliveira [2002, p.3] que mecanismo semelhante foi também utilizado no ramo das navegações, sendo adotada uma modalidade de seguro, a qual era praticada entre os hebreus e fenícios. Tal modalidade consistia em um acordo entre os navegadores dos mares Egeu e Mediterrâneo, que expostos aos riscos da viagem, acordavam que quem perdesse uma embarcação, seria compensado com a construção de outra, a qual seria paga pelos demais membros participantes da mesma viagem. Complementa Oliveira [2002, p.3], que desta forma os povos antigos instituíram uma proteção ao seu patrimônio por meio de acordos para cobrir perdas eventualmente ocorridas. No século XII surge uma nova modalidade de seguro, agora já formalizada, o contrato de dinheiro à risco marítimo entre o financiador e o navegador. Caso houvesse um acidente com a embarcação durante a viagem, o dinheiro correspondente ao seu valor não seria devolvido, caso contrário o financiador recebia seu dinheiro de volta acrescido de juros. Complementa Alvim [1986, p.3] que este mecanismo foi bem aceito e difundido nos transportes marítimos, consistindo a operação num empréstimo em dinheiro por um capitalista aos empresários de uma viagem marítima. Se tudo corresse bem e o navio voltasse ao porto de origem, o mutuante devia receber a quantia adiantada, acrescida de uma parcela substancial, a titulo de juros e compensação pelos riscos assumidos. Nenhum reembolso haveria por parte dos mutuários se a expedição fosse mal sucedida com a perda dos bens transportados. Para Oliveira [2002, p.4], esta evolução passou pela cobrança de uma compensação pelos riscos assumidos pelo capitalista, até chegar à desvinculação da cobertura contra o risco do contrato de empréstimo,

16 15 com a promessa de indenização condicionada ao pagamento do prêmio correspondente, caso o risco se concretizasse. Surgia desta forma o contrato de seguro, em meados do século XIII. De acordo com Alvim [1986, p.13]: [...] no século XV surgiram os primeiros dispositivos legais estabelecendo normas a respeito do seguro. Foram criados os institutos do co-seguro, onde vários seguradores dividiam a responsabilidade do risco, e do resseguro, onde um segurador se compromete diretamente com o segurado pela cobertura do risco, transferindo para os demais seguradores a parcela que ele não teria condições de arcar diretamente. Durante muito tempo a atividade seguradora esteve vinculada às operações bancárias. Guimarães [2002, p.16] traz a informação que as primeiras sociedades de seguros mútuos, embrião das seguradoras, davam cobertura para seguros de vida, que sugiram por volta do século XVII, por iniciativa de um banqueiro Italiano de nome Tonti, dando nome às sociedades Tontinas. Guimarães [2002, p. 16] complementa que somente em 1347, na cidade de Gênova, na Itália, o primeiro contrato de seguro foi firmado. Apesar de não ter a figura da seguradora como gerente de riscos, os contratos eram garantidos por bancos. Somente na Inglaterra, durante a revolução industrial, é que se estabeleceu o contrato de seguro como hoje se conhece, quando então, foram criadas as primeiras companhias seguradoras. A mais significante foi a Seguradora Loyd`s, operando no ramo dos seguros marítimos O SURGIMENTO DO SEGURO NO BRASIL A atividade seguradora no Brasil, conforme leciona Alvim [1986, p ], começa a se desenvolver em 1808, com a chegada da família Real Portuguesa no país e a conseqüente abertura dos portos às nações estrangeiras. Neste mesmo ano, foi autorizado o funcionamento das primeiras companhias seguradoras brasileiras, ambas com sede no estado da Bahia. A primeira sociedade de seguros a funcionar no país foi a "Companhia de Seguros Boa-Fé", que tinha por objetivo operar no seguro marítimo.

17 16 Leciona Oliveira [2002, p.5], que neste período a atividade seguradora era regulada pelas Leis Portuguesas, denominada de Regulações da Casa de Seguro de Lisboa, baixadas em 1791 e reformuladas em Somente em 1850, com a promulgação do "Código Comercial Brasileiro", Lei n 556, de 25 de junho de 1850 é que o seguro marítimo foi pela primeira vez estudado e regulado em todos os seus aspectos no país. Aduz Oliveira [2002, p.5] que o Código Comercial Brasileiro, de 1850, em seu artigo 686, II, proíbe o seguro sobre a vida de pessoas livres, admitindo-o, contudo, sobre a vida de escravos, por serem eles tratados como sendo objetos de propriedade. Em 1855 surge a Cia. de Seguros Tranqüilidade, a qual operava tanto nos seguros de pessoas livres como também de escravos. Glitz [2001, p.8] colaciona que com a promulgação do Código Comercial Brasileiro, em 1850, surgiu a primeira lei regulamentadora de seguros, mais especificamente, marítimos. Juntamente com a vigência do Código Comercial, surgiram onze seguradoras nacionais atuando no ramo marítimo. Discorre Glitz [2001, p.8], que após 10 anos de vigência do Código Comercial, o governo imperial começou a exercer certo controle no ramo de seguros, criando dois decretos, um que obrigava as seguradoras a apresentarem seu balanço e outro que o estado aprovasse seu estatuto. Com a criação dos referidos decretos, foi autorizado o funcionamento de companhias estrangeiras em território nacional. Com a autorização da instalação de empresas estrangeiras, e com o início da República, salienta Glitz [2001, p.8] que foi criado o primeiro órgão fiscalizador da atividade de seguros, a Superintendência Geral de Seguros, a fim de se aumentar o controle do mercado e evitar a evasão de divisas para o exterior. Juntamente com o intervencionismo do estado, surge em a obrigação de todas as empresas industriais instituírem o seguro contra acidentes em favor de seus funcionários.

18 17 Salienta ainda que finalmente em 1939, é criado o Instituto de Resseguros do Brasil IRB, que foi grande responsável desenvolvimento da atividade securitária no mercado nacional, que passou por um período de expansão e nacionalização dos seus serviços. Com a vigência do Decreto Lei n.º 73, criou-se o Sistema Nacional de Seguros Privados, composto pelo Conselho Nacional de Seguros Privados CNSP, e pela Superintendência de Seguros Privados SUSEP, pelo Instituto de Resseguros do Brasil IBR e pelas seguradoras e seus corretores. Notadamente, em conseqüência da evolução e da transformação sociais, o contrato de seguro, juntamente com o instituto da Responsabilidade Civil sofreu inúmeras alterações ao longo dos anos. E neste sentido, bem observa Glitz [2001, p.12], ao afirmar que: Essas mudanças sociais influíram não só na nova concepção da responsabilidade civil, mas também na evolução do contrato de seguro. Assim, sempre acompanhando os ensinamentos de Arnoldo Wald, pode-se dizer que a evolução do contrato de seguro seguiu as seguintes tendências: Manutenção do equilíbrio econômico-financeiro: a jurisprudência acena com a necessidade de manutenção das prestações dos contratantes. De um lado deve a indenização, por exemplo, ser corrigida monetariamente (o que não prejudicaria a aleatoriedade do contrato, já que esta é a ocorrência ou não do sinistro), de outro a indenização não pode servir como meio de enriquecimento para qualquer das partes, devendo ser fixada em certas bases; Internacionalização do Mercado: a Constituição Federal de 1988 estabeleceu (art. 192 da CRFB e 52 do ADCT) que somente seria possível o funcionamento das empresas seguradoras estrangeiras no Brasil ou de participação em sociedades nacionais desde que houvesse reciprocidade e interesse nacional (vinculado, portanto, a autorização do Presidente da República). Tal afirmação, trazida pelo autor citado anteriormente [2001, p.12], manteve-se até a promulgação da Emenda Constitucional n.º 13, em 1995, quando foi reconhecido o interesse social na participação do capital

19 18 estrangeiro no mercado nacional de seguros. Com a internacionalização do mercado de seguros brasileiro, houve um aquecimento na competição entre as seguradoras e uma revolução técnica significativa. Diante da evolução histórica e do surgimento do seguro, conceitua Alvim [1986, p.113] que seguro é o contrato pelo qual o segurador, mediante o recebimento de um prêmio, assume perante o segurado a obrigação de pagamento de uma prestação, se ocorrer o risco a que está exposto. prescreve no seu artigo 757 que: Atualmente o Código Civil Brasileiro lei /2002, Art Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo à pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados. Parágrafo único. Somente pode ser parte, no contrato de seguro, como segurador, entidade para tal fim legalmente autorizada. 1.2 O SURGIMENTO DO SEGURO OBRIGATÓRIO Conforme Alvim [1992, p.245] tem-se a origem do seguro obrigatório pela primeira vez no Estado de Massachusets, nos Estados Unidos da América, no ano de Todavia, não tardou para que os países europeus também passassem a regular em suas legislações esta modalidade securitária, caso da Inglaterra (1930), Suíça (1932) e Principado de Luxemburgo (1932). Para Martins [2008, p.22], o seguro obrigatório, por seu turno, é fruto natural da evolução do seguro. É uma de suas modalidades, como já mencionado no início, ao lado de tantas outras existentes, tais como seguro agrícola, seguro de bens, seguro contra danos, seguro de vida, seguro de saúde etc. Leciona Martins [2008, p.22], que seu surgimento está vinculado, em linhas gerais, com a mudança do posicionamento do poder de

20 19 império do Estado em relação aos seus súditos, caminhando de tal ingerência na vida privada (monarquia absolutista, onde o poder estatal confundia-se com a figura do Rei), passando pelo ápice do Estado liberal (a partir da revolução Francesa, em 1789), e convergindo novamente para a ingerência, ainda que parcial e juridicamente controlada (estado de direito), do ente estatal na vida do individuo. Foi neste último momento histórico que eclodiram as primeiras formas de seguro obrigatório, produto da necessidade da intervenção do Estado nas relações privadas no intuito de manter o equilíbrio social, dada a progressiva complexidade das relações intersubjetivas advindas do vigoroso progresso humano. Acrescenta Martins [2008, p.22], que passou o ente público, então, a ditar normas de natureza congênere, fazendo surgir o seguro obrigatório em suas mais diversas formas: seguro obrigatório para cobertura de riscos em transportes marítimos, seguro obrigatório habitacional, seguro obrigatório para transporte pessoal em aeronaves e etc O SURGIMENTO DO SEGURO OBRIGATÓRIO NO BRASIL Traz Martins [2008, p.28] que somente por volta da década de 60, os países europeus começaram a dar maior importância ao seguro obrigatório para proprietários de veículos automotores. A partir da década de 70, a Comunidade Econômica Européia passou a expedir normas diretivas com o intuito de aprimorar as diferentes legislações dos países membros a respeito dos seguros obrigatórios. Pelo exposto do autor acima mencionado, percebe-se que o Brasil acompanhou as tendências mundiais, visto a preocupação de proteger as vítimas de acidentes de trânsito, o que já era comum ocorrer em outros países com desenvolvimento avançado em relação ao nosso. Destaca Oliveira [2002, p.105] que no Brasil, a primeira referência legal ao Seguro Obrigatório aconteceu no decreto lei nº 1.186/39 em seu artigo 36, o qual descrevia que:

21 20 Art. 36. A partir de 1º de julho de 1940 ficam as sociedades comerciais e industriais obrigadas a segurar no Brasil, contra riscos de fogo e de transportes, seus bens moveis e imóveis situados no país, desde que o valor total desses bens seja igual ou superior a quinhentos contos de réis. Acrescenta Oliveira, que foi com o Decreto Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que o seguro obrigatório ganhou corpo e força em nosso país. O governo então editou o referido diploma legal disciplinando o Sistema Nacional de Seguros Privados que, além de providências diversas trazia em seu corpo um elenco de seguros de contratação impositiva, entre eles o seguro obrigatório para veículos automotores, assim dispõe o artigo 20 alínea b. Art.20. Sem prejuízo do dispositivo em leis especiais, são obrigatórios os Seguros de: [...] b) responsabilidade civil dos proprietários de veículos automotores de via terrestre, fluvial, lacustre e marítima, de aeronaves e dos transportadores em geral Segundo Martins [2008, p.28-30] em nosso país, entretanto, apesar de já previsto pela legislação, foi somente com a regulamentação introduzida pelo decreto nº , de 07 de novembro de 1967, em seu artigo 5º, 6º e 7º, que o seguro obrigatório para proprietários de veículos passou a ser efetivamente aplicado. Art.5º. As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, proprietários de quaisquer veículos relacionados com os artigos 52 e 63 da Lei de 21 de setembro de 1966, referente ao código Nacional de trânsito, ficam obrigados a segura-los, quanto à responsabilidade civil decorrente de sua utilização. Art.6º O seguro obrigatório de responsabilidade civil a que se refere o artigo anterior garantirá os danos causados pelo veículo e pela carga transportada, a pessoas transportada, ou não, e a bens não transportados.

22 21 Art.7º O seguro de que trata este Capítulo garantirá, no mínimo: I - Por pessoa vitimada, indenização de 06 (seis) mil cruzeiros novos, no caso de morte; de até 06 (seis) mil cruzeiros novos, no caso de invalidez permanente, e de até 600 (seiscentos) cruzeiros novos, no caso de incapacidade temporária. II - Por danos materiais, indenização de até 05 (cinco) mil cruzeiros novos, acima de 100 (cem) cruzeiros novos, parcela essa que sempre correrá por conta do proprietário do veículo. E acrescenta ainda Martins [2008, p.28-30] em sua obra, que com o inicio da vigência destes dispositivos, aos proprietários de veículos tornou-se obrigatória a contratação de seguro contra acidentes que viessem a ser causados pela sua utilização. Era já então o reconhecimento do risco criado às pessoas pela circulação de automóveis. Aliás, esse risco é disciplinado em praticamente todas as legislações sobre o assunto nos mais diversos países. Cita o mesmo autor, para ilustrar esta assertiva, o que está previsto na legislação espanhola (Ley 30/95), a qual se encontra em conformidade com a disciplina dada por outros países membros da Comunidade Européia: Articulo 1º De La responsabilidad civil 1. El conductor de vehiculos a motor es responsable, en virtud del riesgo creado por La conducción del mismo, de los daños causados a las personas o en los bienes con motivo da circulación. Tradução do Espanhol para o Português: Artigo 1º Da responsabilidade civil 1. O condutor de veículo automotor é responsável, em virtude de risco criado pela condução do mesmo, dos danos causados as pessoas e aos bens pela circulação. E como forma de realmente obrigar os proprietários de veículos a contratar essa modalidade securitária, taxava o artigo 28 do decreto nº 61867, de 07 de novembro de 1967, in verbis: Art. 28. Nenhum veiculo a que se refere o artigo 5º deste decreto poderá ser licenciado, a partir de 1º de Janeiro de

23 , sem que fique comprovada a efetivação do seguro ali previsto. Durante o Governo Militar, através do Decreto-Lei nº 814 de 04 de novembro de 1969, ocorreu profunda alteração no instituto do Seguro Obrigatório de Veículos, visto que até então eram garantidas as coberturas para os danos materiais e pessoais. Com a edição deste Decreto-Lei, somente os danos de natureza pessoal passaram a ter garantia de cobertura, artigo 3º, ou seja, não haveria mais cobertura para os danos materiais oriundos de acidentes de Trânsito. Para se ter uma idéia do quão foi inovador tal posicionamento na legislação, basta citar que na Europa ainda permanece a cobertura para acidentes de trânsito com danos materiais, além das demais coberturas. Assim leciona Martins [2008, p.30]. Art. 3º O Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil dos proprietários de veículos automotores de vias terrestres, realizado nos termos do Art. 5º do Decreto nº de 7 de setembro de 1967, garantirá, a partir de 1º de Outubro de 1969, a reparação dos danos causados por veiculo ou pela carga transportada a pessoas transportadas ou não, excluída a cobertura dos danos materiais. Destaca Martins [2008, p.31] que outras alterações também ocorreram, entre elas, a que foi mais profunda ocorreu em relação aos valores das coberturas, as quais passaram para (dez) mil cruzeiros novos para os casos de morte, até (dez) mil cruzeiros novos para os casos de invalidez permanente e até (dois) mil cruzeiros novos para as despesas médicas e suplementares. Outra alteração importante foi quanto ao acesso à indenização, pois pela nova redação, bastaria à prova do dano, sem qualquer questionamento sobre a culpa pelo evento, para que a pessoa fizesse jus ao valor correspondente ao dano sofrido. Segundo Martins [2008, p.31], a mais importante norma concernente ao Seguro Obrigatório é a Lei nº de 19 de setembro de 1974, a qual revogou expressamente o Decreto-Lei nº 814/69. Com a sua edição, tornou-se ele um seguro de danos simplesmente pessoal, não mais

24 23 tratado como disciplinava a alínea b do Decreto-Lei nº 73/66, mas surgindo uma nova alínea criada especialmente para abordá-la: Art. 2º Fica acrescido ao artigo 20 do Decreto-lei 73/66, a alínea 1 nestes termos: I - Danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres, ou por sua carga, a pessoa transportada ou não. Com esta alteração, para Martins [2008, p.31] descaracterizou-se deliberadamente aquele seguro, que era de responsabilidade civil, passando a ser tratado como seguro obrigatório de danos pessoais. Complementa Martins [2008, p.31] que também se modificou o valor da indenização. O artigo 3º da nova lei fixou em 40 (quarenta) vezes o maior salário mínimo em caso de Morte, em até 40 (quarenta) vezes o maior salário mínimo no caso de invalidez permanente e até 08 (oito) vezes o maior salário mínimo, como reembolso a vitima no caso de despesas de assistência médicas e suplementares comprovadas. Destaca Martins [2008, p.32] que esta alteração no tocante ao quantun, foi motivada pela inflação que corroia nossa moeda, alterando-se os índices de cada uma das indenizações previstas para fixá-las ao salário-mínimo, procurava o poder público mantê-las dentro de patamares aceitáveis. Complementa Martins [2008, p.32] que em 13 de julho de 1992, surge a Lei nº 8.441, a qual sem fazer alterações no cerne da legislação que regulamenta até os dias de hoje o DPVAT fez alterações como: reconhecer a companheira ou companheiro como sendo beneficiaria da indenização do Seguro; dispensar de apresentar a comprovação da quitação do seguro DPVAT anual, exceto para o proprietário/vítima e pagar indenização integral para as vítimas, independente de veículo identificado ou de seguradora identificada, seguro vencido ou não quitado. Ao fazer a presente pesquisa e comparar a legislação anterior com a última alteração mencionada, verificou-se a mudança do que

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974 Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. O PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Apresentamos abaixo um quadro comparando a redação original da Lei nº 6.194/74 (com as modificações da Lei nº 8.441/92) e a situação atual resultante das alterações

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2010.019169-9/001 CAMPINA GRANDE RELATOR : Des. José Ricardo

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. Aprova as Normas Disciplinadoras e os Elementos Mínimos que, obrigatoriamente, devem constar do bilhete do Seguro

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários Carlos Eduardo Patrício Narciso Rio de Janeiro 2012 CARLOS EDUARDO PATRÍCIO NARCISO Responsabilidade

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM:

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: I - O que é DPEM? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPEM? III - Quanto vou receber se for vítima de acidente coberto pelo seguro? IV - É possível

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) Propõe que a Comissão de Finanças e Tributação realize ato de fiscalização e controle, por meio de órgão competente, acerca

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. Aprova as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou

Leia mais

Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS

Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS Art. 1o O registro e as atividades de corretagem de seguros realizadas no país ficam subordinadas às disposições desta Circular. Parágrafo único.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. Altera e consolida as instruções complementares para a operação do Seguro Obrigatório de Danos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial Orientador Empresarial A JURISPRUDÊNCIA DO STJ SOBRE AÇÃO REGRESSIVA

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 Condições Especiais Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 19 1. Objetivo do Seguro Esta Condição Especial integra as Condições Gerais do Plano

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP Circular nº 266 de 25.08.2004 Dispõe sobre instruções complementares para a operação do seguro obrigatório de danos pessoais causados por

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O terceiro no contrato de seguro de responsabilidade civil: a ação direta em face da seguradora Frederico Eduardo Zenedin Glitz* A definição de seguro de responsabilidade civil gira

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA ESTA COBERTURA NÃO PODERÁ SER CONTRATADA ISOLADAMENTE FICANDO CONDICIONADA À COBERTURA DO EQUIPAMENTO ATIVO CADASTRADO

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO 1. DEVO FAZER O BOLETIM DE ACIDENTES DE TRÂNSITO (BAT)? Sim, principalmente se houver terceiros envolvidos e se você for o culpado pelo acidente. 2. QUER DIZER QUE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO (cultura do seguro) www.sindsegsc.org.br A história do seguro remonta a séculos antes de Cristo, quando as caravanas atravessavam os desertos do Oriente para comercializar camelos.

Leia mais

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO DE INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA Este formulário deve ser preenchido exclusivamente com dados do beneficiário da indenização do Seguro

Leia mais

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco.

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Da Responsabilidade Civil Objetiva É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Na doutrina brasileira a matéria vem muito bem elaborada por Caio

Leia mais

APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO

APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO APELAÇÃO CIVEL. INDENIZATÓRIA. CONTRATO DE SEGURO DE VIDA. RECUSA DA SEGURADORA

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE 2011 Acrescenta alínea n ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, para tornar obrigatório o seguro de danos pessoais a empregado de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.346.468 - MT (2010/0153850-4) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : TOKIO MARINE BRASIL SEGURADORA S/A : RENATO C CORRÊA DA SILVA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil na Área de Saúde Privada. Bruno Fortunato Brasil de Carvalho

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil na Área de Saúde Privada. Bruno Fortunato Brasil de Carvalho Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil na Área de Saúde Privada Bruno Fortunato Brasil de Carvalho Rio de Janeiro 2012 BRUNO FORTUNATO BRASIL DE CARVALHO Responsabilidade

Leia mais

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR ACIDENTE DE TRABALHO CONTRA EMPREGADOR

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR ACIDENTE DE TRABALHO CONTRA EMPREGADOR AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR ACIDENTE DE TRABALHO CONTRA EMPREGADOR (Acidente do trabalho, obrigação de indenizar, objeto da indenização devida a empregado, objeto da indenização devida a familiar de empregado

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004.

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL Poder Judiciário da Ufiilo TJDFT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL EDOS TERRITÓRIOS SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA CADERNO DE RELATÓRIO E DOCUMENTOS REFERENTES À PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL N" 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB)

APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB) Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro DECISÃO APELAÇÃO CÍVEL N" 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB) RELATOR:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

O Adicional de Periculosidade

O Adicional de Periculosidade 1 O Adicional de Periculosidade 1 - O Adicional de Periculosidade 1.1 Introdução 1.2 Conceito 1.3 Legislação 1.3.1 - A questão das substancias radioativas e radiação ionizante 1.4 - Da caracterização 1.5

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais