IMAGENS PSICANALÍTICAS EM A PEDRA DA BRUXA DE LYA LUFT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMAGENS PSICANALÍTICAS EM A PEDRA DA BRUXA DE LYA LUFT"

Transcrição

1 1 IMAGENS PSICANALÍTICAS EM A PEDRA DA BRUXA DE LYA LUFT Leiri Dayana Barbosa Silva Lisboa (FJAV) 1 Maria da Piedade Silva Santana (FJAV) 2 O presente trabalho tem por objetivo fazer uma breve análise das personagens do Conto A Pedra da Bruxa, inserto na obra O Silêncio dos Amantes de Lya Luft. Personagens que conduzem a uma reflexão sobre a condição do ser humano e da sua consciência que aflora como atributo humano paradoxal. Em meio aos conceitos e análise das imagens míticas existentes na história, ressalta-se aqui o mito do ponto de vista psicanalítico ao revelar pontos em comum dos seres humanos que contribuíram para o desenvolvimento individual e colectivo, permitindo uma visão consciente da vida instintiva, gerando, muitas vezes, padrões de comportamento que garantem a evolução psicossocial. Desta forma, tenta-se explanar além da óbvia denúncia da miséria humana, uma possibilidade de reconhecer as causas e os arquétipos de ordem psíquica, responsáveis em primeira instância por essa miséria, com base na fundamentação de C.G. Jung. Em vista dessa explanação, tem-se o intuito de acrescentar sentidos novos ao texto literário a partir das noções psicanalíticas, porque se sabe que o ato imaginário da criação artística está atrelado a 1 Leiri Dayana Barbosa Silva Lisboa graduada em Letras Português/Inglês, Pós-graduanda em Estudos Literários e Lingüísticos aplicados ao ensino da Língua Portuguesa pela Faculdade José Augusto Vieira FJAV. Professora de Língua Portuguesa (ensino médio), em colégios da rede particular de ensino, de Lagarto-SE. 2 Maria da Piedade Silva Santana graduada em Letras Português/Inglês, Pós-graduanda em Estudos Literários e Lingüísticos aplicados ao ensino da Língua Portuguesa pela Faculdade José Augusto Vieira FJAV. Professora de Língua Inglesa nas escolas da mesma instituição.

2 2 uma realidade primordial preexistente nas camadas profundas da psique. Não se olvidando de que há uma essência mítica na gênese do texto literário que alimenta a imaginação poética e que fornece imagens simbólicas, anteriores até mesmo ao mundo dos símbolos, uma vez que na história da humanidade os mitos sempre estiveram presentes e foram preservados e transmitidos de geração a geração. Os mitos podem ser vistos como explicação sobre as origens do homem e do mundo, traduzem por símbolos o modo como um povo ou civilização entende e interpreta a existência. E na obra de Lya Luft nota-se uma produção de imagens em sua dinâmica o imaginário uma associação esquemática do mito e motivações psicológicas, o que oportuniza observar o mito e a condição humana na contemporaneidade. Sua literatura irrompe do inconsciente coletivo e pessoal e se instaura como força demiúrgica da criação, conforme ela mesma declara: escuto o meu interior, onde personagens e narrativas aguardam que eu lhes sopre verossimilhança ou lhes confira realidade. Não falo de literatura apenas, mas da consciência que procura motivo e significado (LUFT, 2000, p.14). Ao mergulhar a alma humana, resultam imagens arquetípicas (arquétipos, mitos e símbolos), fonte da tradição literária onde bebe todo escritor, mesmo que de formas diferentes, com consciência crítica ou em busca de verdades existenciais. A literatura é por excelência uma criação da alma - não se pode negar - sua essência consiste em elevar-se muito acima do aspecto pessoal, ela fala ao espírito e ao coração da humanidade. E ao analisar as personagens do conto, são evidenciadas raízes psíquicas comuns a todos os homens que se adequam às teorias do psicanalítico suíço Jung, referência primordial neste artigo.

3 3 Em análises feitas em seus pacientes, Jung percebeu que além das memórias pessoais, sempre estiveram presentes no inconsciente de cada homem outros tipos de fantasias, existiam as constituintes das possibilidades herdadas da imaginação humana. Estruturas, consideradas por ele inatas e capazes de formar ideias mitológicas, estas denominadas de arquétipos - formas preexistentes, tipos arcaicos, primordiais portanto, imagens eternas e idênticas em todos os seres humanos, padrões de comportamento, existentes desde os tempos mais remotos e presentes em todo tempo e lugar em todo homem. Desse modo, pode-se afirmar que o homem é guiado, queira ou não, por arquétipos, pois todos possuem uma predisposição arquetípica para desempenhar papéis (mãe, pai, filho, irmão, amigo professor, etc.) e, impulsionado por eles, faz escolhas, cria, enfrenta heroicamente ou covardemente as mais diversas situações que passa pela vida. Os arquétipos, sob a ótica empírica, mais caracterizados são aqueles que frequentemente afetam o ego; grande Mãe, Pai, Persona, Sombra, Anima, Animus, Herói e Self (ou si mesmo). Frise-se que todos eles são estruturas bipolares, que apresentam aspectos negativos, positivos e às vezes destruidores. E dentre estes arquétipos salienta-se, a propósito, o arquétipo materno o mais evidenciado no conto em análise. Observa-se em A Pedra da Bruxa uma família bem tradicional e organizada que supostamente demonstra um ambiente, a princípio, propício à saúde psíquica e afetiva com todos os seus componentes. Pai e mãe formam um casal unido, o filho mais velho totalmente equilibrado, que e caminha a passos decididos para a realização social e pessoal. Porém, o filho mais novo não era um bebê tranqüilo (sic). Não parecia contente no meu colo, só dormia quando eu o deixava sozinho no berço. Era uma criança quase sombria, comparando ao irmão mais velho, um menino forte

4 4 e alegre. (LUFT, 2008, p 13 e 14). Percebendo a diferença de seu filho caçula, a mãe, narradora em primeira pessoa da história, passa a se dedicar com maior atenção àquele filho como deixa bem claro o seguinte trecho da narração: Na escola não fazia amigos, batia nos outros e os mordia, ou era objeto de pancada. O pai não tinha a menor paciência, e se dedicava ao outro. Do mais novo eu imaginava ser a melhor amiga. (LUFT, 2008, p 13 e 14). A narrativa relata o todo o crescimento desta criança que se revela de difícil convívio social e que experimenta o aborrecimento do pai e a superproteção da mãe. Os comportamentos distintos e específicos de pai e mãe talvez venham a ser por si sós causas suficientes para o desequilíbrio psíquico, levando o garoto cedo à tragédia. Porém, veremos a partir de Jung, que há também no comportamento desajustado do garoto um viés inconsciente hereditário, não herdado de sua família, mas que vagueia ao longo dos tempos e em todos os lugares coletivamente na natureza humana. O menino cresceu até a adolescência e tinha como maior prazer as viagens da família a uma casa que possuía nas montanhas. Na montanha, ele adorava ficar longo tempo sentado em um platô que ficava à beira de um precipício, no fundo do qual passava um rio de águas profundas. O platô era conhecido nas vizinhanças como A Pedra da Bruxa e foi justamente lá o local onde foi visto pela última vez, de onde provavelmente se lançou no precipício e seu corpo sumiu para sempre nas águas profundas do rio. É interessante frisar que antes de partir para o suposto suicídio, o adolescente primeiro tentou falar com o pai para desabafar, mas o pai alegou ter compromissos inadiáveis, protelando a conversa para outra ocasião. Da mesma maneira, o adolescente também tentou conversar com seu irmão mais velho, mas este, de igual modo, arrumou uma desculpa e não o ouviu. Estranhamente o garoto não procurou a mãe,

5 5 justamente aquela que tinha para com ele toda preocupação e atenção. E é justamente no platô onde havia a imagem de uma Bruxa, diante de um abismo e das profundezas da água, que o garoto cometeu o suposto suicídio, e sobre isto Jung assevera que só quando todas as muletas e arrimos são quebrados e não for evidenciada nenhuma outra proteção, é oferecido ao ser humano vivenciar um arquétipo ocultado diante da falta da anima. É o arquétipo do significado e do sentido, tal como a anima é o arquétipo da vida. (Jung, 2007, p. 42). Assim, é possível afirmar que o filho mais moço desta família sofria do Complexo Materno, cuja origem se situa em imagens primordiais. Porquanto, o arquétipo da Grande Mãe é uma espécie de banco de dados de incontáveis experiências de concepção, gestação, parto e cuidados maternais registrados no inconsciente. Tudo é parte do amplo conjunto de memórias do processo evolutivo humano e como os demais arquétipos este possui aspectos positivos e negativos, como a mãe ameaçadora, dominadora ou sufocadora. Na Idade Média, por exemplo, este aspecto do arquétipo materno estava cristalizado na imagem da velha bruxa. No conto em tela, vê-se uma mãe superprotetora, com cuidados e mimos excessivos, que pode ter despertado o arquétipo materno que jazia nas profundezas do inconsciente de um garoto. Na narrativa, observa-se que o adolescente sofria das perturbações emanadas deste arquétipo desde criança, fato relatado pela mãe e enunciado nos queixumes do menino. Ao se posicionar no alto do platô denominado de A Pedra Bruxa, o garoto se imaginava saltando e alçando vôo para a liberdade. Aqui nesta alusão a uma Bruxa, tem-se outra vez uma correspondência com os arquétipos maternos em Jung: Quando os filhos de uma mãe superprotetora sonham com freqüência (sic) que ela é um animal feroz ou uma bruxa, tal vivência produz uma cisão na alma infantil e conseqüentemente a possibilidade da neurose. (JUNG, 2007, p 95, grifos

6 6 nossos). Então, é provável que o garoto tivesse essa ideia fixa de se atirar do alto da Pedra da Bruxa para alcançar a liberdade, ou seja, fugir para sempre daquela mãe que em seus devaneios se apresentava como uma bruxa perturbadora. Ainda sobre o complexo materno, encontra-se em Jung a referência clara ao desejo de morte por parte do filho afetado pelas imagens arquetípicas dessa natureza: Os efeitos do complexo materno sobre o filho são representados pela ideologia tipo Cibele-Átis: autocastração, loucura e morte prematura. (JUNG, 2007, p. 95). Mas, as possibilidades de ocorrência de uma psique perturbada pelo afloramento de arquétipos do inconsciente na personagem fatídica deste conto não se encerram por aí. Vale enfocar a narração de Jung a respeito de um de seus muitos casos clínicos que revelavam a natureza arquetípica de certas perturbações: Outro teólogo sonhou que avistava uma espécie de Castelo do Graal sobre uma montanha. Ele caminhava por uma estrada que parecia conduzir diretamente ao pé da montanha e à subida. Ao aproximar-se da montanha, porém, descobriu, para seu grande desaponto, que um abismo o separava da montanha, uma garganta profunda e escura onde corria, rumorejando, uma água do submundo. (JUNG, 2007, p 29) Ademais, em A Pedra da Bruxa, o adolescente que se deixa ficar por longo tempo à beira de um precipício em cuja base corre um rio, provavelmente se enquadra na mesma situação indicada por Jung em relação ao teólogo citado, que desejava chegar ao Castelo do Graal no alto da montanha. Aqui também ele almeja alcançar alturas luminosas, mas depara primeiro com a necessidade de mergulhar numa profundeza escura. (JUNG, 2007, p.29). A personagem do conto ora dissecado parece que de fato mergulha nessa profundeza escura, com a esperança de depois alcançar as alturas luminosas, por sofrer o complexo materno, em busca da libertação daquela mãe que lhe parecia opressora, conforme se pode aduzir a partir, outrossim, do seguinte trecho:

7 7 Subiu até o lugar que chamavam a Pedra da Bruxa: uma saliência de rocha, pequeno platô, bem no alto, [...] Era o lugar preferido dele. Eu me preocupava, achava perigoso ficar tão na beiradinha, mas ele ria: Mãe, não se preocupa, se eu cair de lá abro as asas e saio voando! dizia aludindo ao seu desejo de criança, de ser pássaro. Meu menino não voltou. Alguém o viu na beira da pedra e o chamou, mas ele pareceu não escutar. Nunca voltou. Nunca mais apareceu. Ninguém nunca mais soube dele. (LUFT, 2008, p 17). Outra ocorrência ecoada é a correspondência com a teoria do inconsciente coletivo formado por imagens arquetípicas interiores, que pode ser visualizada no fato de o garoto ficar longo tempo no alto do precipício olhando lá para o fundo, olhando lá para o rio que corria na base do platô, provavelmente buscando seu próprio reflexo no espelho d água, num espelho que não lisonjeia, mostrando fielmente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostramos ao mundo, porque encobrimos com a persona, a máscara do ator. (JUNG, 2007, p 30). A este respeito, ou seja, acerca dessa necessidade psíquica que pessoas perturbadas por imagens arquetípicas têm de se auto-conhecer, como uma forma de se auto-encontrar e, por conseguinte, alcançar a paz interior e a paz com o mundo exterior, tem-se na obra de Jung um parágrafo bastante esclarecedor: O encontro consigo mesmo significa, antes de mais nada, o encontro com a própria sombra. A sombra é, no entanto, um desfiladeiro, um portal estreito cuja dolorosa exigüidade não poupa quem quer que desça ao poço profundo. Mas, para sabermos que somos, temos de conhecer-nos a nós mesmos, porque o que se segue à morte é de uma amplitude ilimitada, cheia de incertezas inauditas. (JUNG, 2007, p 31 e 32, grifo nosso). Outro fator visível é a rejeição paterna. Esta pode ser aclarada nesta passagem: - É nosso filho mais é esquisito. Nenhum outro rapaz é assim. Ele parece sempre à margem de tudo. Eu desisto. (LUFT, 2008, p.16). A comparação, com seu irmão mais velho, acentuava sobremaneira o seu jeito anormal. O comportamento do garoto era inaceitável para o pai que tinha as expectativas para

8 8 com o outro filho correspondidas, ele era, ao contrário, a frustração do estereótipo masculino creditado pelo pai. A busca pela perfeição é um anseio antigo que incita o confronto de dois lados, sobrepondo um deles ao outro. O jovem rapaz do conto é claramente abandonado pelo pai que desiste de compreendê-lo com suas diferenças, expressando claramente sua insatisfação. Saliente-se, por oportuno, que o abandono é uma imagem mítica, constatada em ações de épocas remotas que se agruparam no imaginário coletivo, tornando-se modelos a serem imitados através dos tempos. Na Grécia, era comum a eliminação de pessoas com deficiência, geralmente crianças, elas eram abandonadas ou atiradas do aprisco de uma cadeia de montanhas chamada Taygetos. Em Esparta, os deficientes também eram eliminados, já que os costumes espartanos eram voltados para a arte da guerra, só os perfeitos poderiam servir ao exército de Leônidas. De igual modo, Hefesto, da Ilíada de Homero, foi rejeitado pela mãe Hera e expulso do Olímpio por Zeus por ter as pernas atrofiadas. A história do hebreu Moisés, da Bíblia, é, outrossim, outra fonte de história de abandono dentro das proporções. A própria Roma antiga permitia aos pais matarem as crianças nascidas com problemas físicos ou desprezá-las em cestos no rio Tibre ou em outros locais sagrados. A propósito, a esses exemplos de abandono supramencionados soma-se o caso do célebre mito Édipo, servível também para a presente análise. Como Apolo havia predito a Laio, pai de Édipo, que se tivesse um filho este o mataria, ao nascer, Édipo, herdeiro da maldição que assolava os Labdácias, foi abandonado no monte Citerão. Édipo foi rejeitado pelo pai por ser uma ameaça que infringiria além de tudo o desejo de seus genitores, que pais aceitam de seus filhos um ato de reprovação? O filho gerado por Laio e Jocastra iria firmar o

9 9 infortúnio da família. No entanto, a rejeição não evita a tragédia, ao invés disso, viabiliza-a: Édipo mata Laio a caminho de Tebas, decifra o enigma da esfinge e casa-se com a rainha, esposa de Laio, sua própria mãe. O abandono também foi um fator decisivo no tolhimento da estrutura psicológica do garoto deste conto. Esta desestruturação provocada pelo desequilíbrio das emoções a ele dirigidas o excesso de amor materno e a privação da atenção paterna cria o conflito interior que o faz solitário e torna-o prisioneiro de suas carências. Todo esse contexto desperta-o para o desejo de voar, o encontro do equilíbrio propriamente dito, que possibilita o ser descobrir a liberdade. Outra personagem notável no conto se espelha no excerto abaixo: Tempo depois apareceu um velho que morava em uma cabana no fundo do mato. Muitos o consideravam demenciado. Dizia que naquela época em que meu filho desaparecera, vira um rapaz sair voando do alto daquele morro, bem ali, na chamada Pedra da Bruxa. Ninguém voa, disseram, mas ele insistiu. (LUFTY, 2008, p. 20) O velho afirma com ímpeto ter visto o rapaz voar e descreve os instantes antecedentes ao acontecimento até o momento do voo, esclarece, portanto, um fato enigmático causador da incerteza sobre o que realmente poderia ter ocorrido. A informação veio como a revelação de um mistério, e esta prática não é inédita, diferente disso, ela é a repetição de um mito que vem à tona a partir do imaginário coletivo. O mito da revelação mais evidente é o oráculo, caracterizado pela comunicação entre deuses e homens, quando estes têm a necessidade de obter uma resposta geralmente a respeito de uma questão futura. Era de costume o culto oracular ser feito em um lugar específico, através do cumprimento de um rito no qual um intermediário humano, porém sagrado, transmitia a resposta dos deuses. Todavia, é preferível

10 10 para esta análise, que não traz uma revelação sobre o futuro, associar o ato do ancião do conto de Lya Luft à outra considerável personagem mitológica: o vidente, que na Grécia Antiga, detinha o domínio da mancia e era normalmente alguém que respeitava e praticava ritos sagrados, por isso era considerado um mortal inspirado dotado de uma capacidade divina: a adivinhação. Um dos videntes mais famosos da mitologia é Tirésias, um cego que foi levado à Tebas para revelar o segredo do assassinato de Laio, que acaba por trazer a lume a verdadeira história de Édipo. Tirésias foi consultado após o oráculo ter predito que a solução para epidemia, que assolava a região, seria a punição do assassino de Laio. Percebe-se então que o papel do vidente era desvendar um mistério, não necessariamente para uma situação futura, mas que causava consequências no presente. Assim, o velho do conto faz a revelação sobre o que havia acontecido com o garoto uma questão que fugia do conhecimento das pessoas, e só ele tinha a resposta. A demência, a ele atribuída pelas pessoas da região, pode ser, inclusive, associada a outras declarações tidas como absurdas por não terem sido comprovadas, que de certa forma aliviava a dor daquela mãe desesperada, ávida do desejo de reencontrar seu filho amado. Diante da análise deste conto, pode-se vislumbrar que a Literatura conduz o leitor do mundo da leitura à descoberta do mundo, à descoberta de um mundo interior, o que possibilita realçar a visão de Marisa Lajolo quando afirma que: a reflexão teórica, a abordagem histórica e a análise textual constituem trajetos seguros e paisagens sedutoras na tão necessária travessia do mundo da leitura à leitura do mundo. (LAJOLO, 1994, p. 8). Na análise psicanalítica da obra, não é feita certamente uma abordagem histórica, nem mesmo propriamente uma análise textual, mas

11 11 é realizada uma reflexão teórica, e esta por si só já se revela suficiente para promover um trajeto seguro e uma paisagem sedutora para que homens de literatura façam a travessia do mundo da leitura à leitura do mundo, visto que a Literatura é por excelência a maior criação da alma e sua essência consiste em elevar-se muito acima do aspecto pessoal, ela fala ao espírito e ao coração da humanidade e ao mergulhar a alma humana, nascem imagens arquetípicas (arquétipos, mitos e símbolos), fonte da tradição literária onde bebe todo escritor, tão evidenciada na obra de Lya Luft, o que permite se filiar às palavras de Joseph Campbell ao sustentar que os mitos são como metáforas da potencialidade espiritual do ser humano, e os mesmos poderes que animam nossa vida animam a vida do mundo. (1990, p. 24). Destarte, depreende-se que os mitos sobrevivem no inconsciente coletivo da humanidade e reaparecem na criação artística, quando sofrem as metamorfoses necessárias à expressão dos conflitos do homem em cada momento de sua vida, proporcionando-o a harmonia com o universo sem perder de vista o importante papel da contribuição mítica.

12 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPBELL, Joseph. O Poder do Mito. São Paulo, Palas Athena, JUNG, Carl Gustav. Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo. 5. ed. (Tradução Maria Luiza Appy, Dora Mariana R. Ferreira da Silva}. Petrópolis, RJ: Vozes, LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 5. ed. São Paulo: Ática, LUFT, Lya. Histórias do tempo. São Paulo: Mandarim, O silêncio dos Amantes. 4.ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

O uso de máscaras frente às necessidades

O uso de máscaras frente às necessidades Máscaras Os textos apresentados falam sobre a presença das máscaras em diversos contextos e épocas, seja para assumir um caráter religioso, artístico ou social. Tendo como base tais textos e seus conhecimentos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12 O estudo das forças ocultas da natureza presente nos quatro elementos e seus elementais, são comuns a todas as culturas por tratar-se de uma necessidade latente do ser humano. A Iniciação Hermética quase

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES Sheila Carla de Souza 1 (Mackenzie) Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta (C. G. Jung) RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Decida buscar o Senhor

Decida buscar o Senhor Decida buscar o Senhor Textos bíblicos: 2º Reis 22.8, 10-11; 23.1-3 e 24-25: 8. Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do Senhor. Hilquias entregou o livro

Leia mais

CELD - 8 o EEJA. Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis. O cérebro triúno. A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade

CELD - 8 o EEJA. Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis. O cérebro triúno. A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade CELD - 8 o EEJA A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis O cérebro triúno O conceito do cérebro triúno foi proposto pelo médico e cientista Paul MacLean.

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA Ministério de Mulheres Aulas: 1 - Abertura - Tudo começa na Mente 2- Considerações gerais sobre a humildade 3- Manifestações Orgulho 4- Orgulho - personagens bíblicos 5-

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. A Vida de Jacó 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. 2- Gênesis 25:19-26 Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Isaac tinha quarenta

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Tesouro em vaso de barro Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Consagração Enchendo o vaso com o tesouro - parte 2 Jz. 14 Sansão desceu até a cidade de Timna e ali viu uma moça filisteia. Voltou

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Muito além do arco íris

Muito além do arco íris Muito além do arco íris amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Klecius Borges muito Além do arco-íris Amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Copyright 2013 by Klecius Borges Direitos

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos Entender o comportamento do consumidor não é tarefa fácil Consumidor: motivações internas (psiqué/personalidade) e externas (pressões sociais: família,

Leia mais

Os sonhos e o inconsciente

Os sonhos e o inconsciente Os sonhos e o inconsciente Um fato conhecido de todos é que dormimos, em média, um terço de nossa vida. Portanto, quem vive 60 anos, dorme 20 anos e sonha cerca de cinco anos. Os 40 anos que vivemos acordados

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a Oração u m a c o n v e r s a d a a l m a 11 12 O Evangelho relata que por diversas vezes, quando ninguém mais estava precisando de alguma ajuda ou conselho, Jesus se ausentava para ficar sozinho. Natural

Leia mais

Seis dicas para você ser mais feliz

Seis dicas para você ser mais feliz Seis dicas para você ser mais feliz Desenvolva a sua Espiritualidade A parte espiritual é de fundamental importância para o equilíbrio espiritual, emocional e físico do ser humano. Estar em contato com

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

CONTOS DE FADAS: HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS OU METÁFORAS DA VIDA HUMANA?

CONTOS DE FADAS: HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS OU METÁFORAS DA VIDA HUMANA? 1 CONTOS DE FADAS: HISTÓRIAS PARA CRIANÇAS OU METÁFORAS DA VIDA HUMANA? Vera Lúcia Soares Chvatal 1 Contos de fadas, lendas, fábulas, mitos... Temas que fascinam e estimulam a nossa fantasia, mexem com

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 12 Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 2 Jogo da corrida das ovelhas 11 1. Monta-se o presépio (8 de dezembro). 2. Faz-se um caminho para a manjedoura. 3. Cada elemento da família

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor!

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor! 2ª feira, 23 de fevereiro: Empenho missionário de D. Bosco Bom dia! Hoje iremos aprofundar uma das cenas que será representada na cerimónia de abertura dos jogos nacionais salesianos. Vamos falar sobre

Leia mais

Um domingo além da razão

Um domingo além da razão Um domingo além da razão Leon Tolstói Confissão Minha pergunta - aquela que aos 50 anos quase me levou ao suicídio - era a mais simples das perguntas que habitam a alma de qualquer ser humano... uma pergunta

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

A relação de amor entre Deus e a humanidade

A relação de amor entre Deus e a humanidade A relação de amor entre Deus e a humanidade A reflexão acerca do amor de Deus para com a humanidade é um grande desafio, pois falar do amor pressupõe a vivência do mesmo. Não basta falar do amor é preciso

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Edvanio da Silva PINHEIRO 1 PUCPR Vem por aqui dizem-me alguns com olhos doces Estendendo-me os braços e seguros De que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem:

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

Alegoria da Caverna. Platão

Alegoria da Caverna. Platão Alegoria da Caverna Platão Imagina homens que vivem numa espécie de morada subterrânea em forma de caverna, que possui uma entrada que se abre em toda a largura da caverna para a luz; no interior dessa

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO CURSO A PRÁTICA DA FRATERNIDADE NOS CENTROS ESPÍRITAS A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO Vimos na videoaula anterior que nas diversas

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais