Apresentação. Versão preliminar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação. Versão preliminar"

Transcrição

1

2 Apresentação Versão preliminar O presente Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia foi instituído pelo Decreto Nº5773/06, em seus artigos 42 a 44. A experiência nacional acumulada nos últimos anos com a implantação dos Cursos Superiores de Tecnologia CST permitiu ao MEC, fundamentado em requerimentos qualificados da sociedade brasileira, na experiência internacional e no Parecer CNE/CP n.º 29/2003, estabelecer um referencial comum às denominações desses cursos de graduação tecnológica. Trata-se de uma iniciativa pioneira no País, que visa orientar estudantes, instituições ofertantes, sistemas de ensino e público em geral sobre as graduações tecnológicas, contribuindo para seu processo de regulação e para o reconhecimento público e social desses cursos, tão necessários ao desenvolvimento tecnológico do país. A edição deste Catálogo justifica-se pela necessidade identificada pelo art. 15 da Resolução n.º 03/2002, de se avaliar as políticas públicas de implementação dos Cursos Superiores de Tecnologia. Este é um dos instrumentos para essa avaliação, que resultará na consolidação desses cursos pela afirmação de sua identidade e caracterização de sua alteridade em relação às demais ofertas de cursos de graduação e de educação profissional. Com o propósito de sistematizar as denominações existentes, valorizando as especificidades que caracterizam os CST, adotaramse os seguintes procedimentos: 1. Discussões com especialistas das áreas profissionais; 2. Estudos da legislação pertinente; 3. Interlocução com entidades representativas das áreas; 4. Análise de catálogos congêneres adotados em outros países; e 5. Debates realizados na I Jornada da Produção Científica da Educação Profissional e Tecnológica. Disso resultou a identificação das nomenclaturas utilizadas e constantes do Cadastro de Educação Superior organizado pelo MEC. Por meio de um processo de depuração e de identificação das possibilidades de, chegou-se a um rol de denominações mais representativas e que guardam maior coerência com as finalidades e objetivos dos Cursos Superiores de Tecnologia. Para tanto foram adotados como critérios referenciais a densidade tecnológica requerida pela formação, a natureza do curso, o perfil profissional de conclusão proposto e as demandas do mundo do trabalho.

3 A premissa adotada contempla duas ordens de consideração: a importância da contextualização setorial, local ou regional do curso e a necessidade de se identificar uma denominação unitária que contemple a dialética entre o específico e o universal. As especificidades próprias dessa graduação devem ser identificadas nas peculiaridades do projeto pedagógico do curso, no desenvolvimento curricular e nas inter-relações cotidianas com a sociedade, o mundo do trabalho e a estrutura sócio-ocupacional e tecnológica. O Catálogo está estruturado por área profissional, conforme estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Educação. Apresenta as denominações de cursos que passam a integrar cada área, descrevendo as sinteticamente e apresentando as possibilidades de. Essas novas denominações deverão ser referência, doravante, para a criação e a reconhecimento de CST. Para facilitar a compreensão/ utilização deste Catálogo, foi elaborado um conjunto de perguntas e respostas que contempla as dúvidas que poderão surgir com mais freqüência. Esta versão tem caráter preliminar e representa um esforço inicial de sistematização para os ajustes necessários nas denominações dos CST. O Catálogo está aberto à consulta pública pelo prazo de 30 (trinta) dias, contados a partir da publicação do Decreto n.º 5773/ 06, para receber as críticas e sugestões de todos os interessados com vistas ao enriquecimento do processo de construção coletiva. O MEC almeja que a versão final do documento decorra da contribuição de todos.

4 Perguntas Frequüentes O que é um Curso Superior de Tecnologia? É um curso de graduação, que abrange métodos e teorias orientadas a investigações, avaliações e aperfeiçoamentos tecnológicos com foco nas aplicações dos conhecimentos a processos, produtos e serviços. Desenvolve competências profissionais, fundamentadas na ciência, na tecnologia, na cultura, na ética e estética, tendo em vista ao desempenho profissional responsável, consciente, criativo e crítico. É aberto, como todo curso superior, a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo. Os graduados nos Cursos Superiores de Tecnologia denominamse tecnólogos e são profissionais de nível superior com formação para a produção e a inovação científico-tecnológica e para a gestão de processos de produção de bens e serviços. O que é o Catálogo? Trata-se de uma iniciativa inédita no País, que visa consolidar denominações e instituir referenciais unitários sobre cursos superiores de tecnologia capazes de balizar os processos administrativos de regulação e as políticas e procedimentos de avaliação desses cursos. Desta forma, é instrumento orientador para alunos, instituições de ensino superior, sistemas de ensino e público em geral. Contribui, ainda, para conferir maior visibilidade e o reconhecimento público e social dessas graduações. Contém, além das denominações consolidadas, descrições sobre o perfil do egresso, carga horária, dentre outras informações. Como será a atualização do Catálogo? O Catálogo deverá ter atualização permanente, uma vez que, os CST devem acompanhar o desenvolvimento e a inovação tecnológica. Outras denominações não constantes da sua versão original poderão surgir. Caberá à SETEC manter o Catálogo atualizado, a partir das solicitações de inclusão de CST com denominações inéditas por instituições ofertantes.

5 Na versão preliminar, quais informações estarão disponíveis no Catálogo? Apenas denominações consolidadas de CST acompanhadas de breves textos descritivos e da indicação das possibilidades de entre as denominações concorrentes. O que significa a expressão Denominações existentes com possibilidades de, encontrada na versão preliminar do Catálogo? Trata-se do rol das denominações de cursos superiores de tecnologia em utilização no país, que podem encontrar abrigo numa determinada denominação unitária. O que é um CST experimental? Curso com denominação e/ou currículo inovador, não previsto no catálogo, organizado e desenvolvido com base no disposto no art. 81 da LDB, art. 14 da Resolução CNE/CP nº 03/2002 e art. 44 do Decreto nº 5773/06. Cursos experimentais são desejáveis? Sim, desde que reflitam e respondam com pioneirismo e pertinência estímulos advindos das inovações científicas e tecnológicas e/ou de demandas regionais específicas para o atendimento aos arranjos produtivos, culturais e sociais. Perguntas Freqüentes Das Instituições Ofertantes Uma IES poderá modificar a denominação de um CST em funcionamento para uma das denominações presentes no Catálogo? Sim. A adequação da denominação de um CST para uma das constantes no Catálogo está prevista no artigo 71 do Decreto 5773/2006. Com base nas suas disposições regimentais e nas possibilidades de mencionadas no catálogo, a IES poderá proceder à alteração da denominação do curso para as próximas turmas.

6 É possível alterar a denominação de um Curso Superior de Tecnologia inclusive para as turmas em andamento? Sim, desde que alguns cuidados sejam adotados, tais como: concordância de todos os alunos matriculados e transferência, com aproveitamento de créditos, dos alunos para o novo curso. No entanto, especialmente nos casos em que há impactos na carga horária do curso, é aconselhável que a IES opte por fazer alterações, decorrentes do Catálogo, somente para as novas turmas. Não concordo com a apresentada pelo Catálogo para a denominação do CST que oferto. Posso me valer de outra possibilidade de presente no Catálogo? Sim. É fundamental, porém, que haja uma análise acurada por parte da IES sobre a pertinência da conversão pretendida. A denominação de um CST que oferto está presente no Catálogo, porém classificada numa área profissional distinta cuja carga horária mínima é superior. Isso significa que deverei aumentar a carga horária de meu curso? Sim. Quando do reconhecimento ou da renovação de reconhecimento deste curso, poderá ser solicitada a adequação de sua carga horária. Com o catálogo, o que muda na autorização dos Cursos Superiores de Tecnologia? O processo de autorização de Cursos Superiores de Tecnologia seguirá o mesmo trâmite das outras graduações. No entanto, quando da finalização do processo de autorização, a SETEC disporá de um valioso instrumento para decidir sobre as denominações de cursos propostas. Quais as possibilidades para o reconhecimento de um Curso Superior de Tecnologia cuja denominação não conste no Catálogo? São quatro as possibilidades: (i) O CST pode ser reconhecido concomitantemente à inclusão de sua denominação no Catálogo;

7 (ii) O CST poderá ser reconhecido como experimental; (iii) O CST poderá ser reconhecido unicamente para fins de registro e expedição de diplomas dos alunos matriculados; ou (iv) O CST poderá não ser reconhecido.estas últimas duas possibilidades serão utilizadas em casos de ausência de densidade tecnológica na definição do currículo ou de insuficiência das condições de oferta. Perguntas Freqüentes Dos Estudantes Sou aluno(a) de um Curso Superior de Tecnologia cuja denominação não é constante no catálogo. Meu curso é irregular? O que define a regularidade de um CST não é a presença de sua denominação no catálogo e sim a validade dos atos legais (de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento) que o regulam. Portanto, um curso poderá ter sua denominação ausente do Catálogo e ser regular. Devo continuar freqüentado um curso que não conste no catálogo? Sim, se seu curso está regularizado. Como dito antes, a ausência de uma denominação no catálogo não implica na irregularidade de um curso. O Curso Superior de Tecnologia que consta de meu diploma possui denominação ausente do Catálogo. Isso é irregular? Não. A validade de um diploma de CST não está relacionada com a presença da denominação do curso no Catálogo. Posso fazer pós-graduação após a conclusão de um CST? Mesmo que a denominação deste curso não conste do Catálogo? Sim, se o curso concluído estava regularizado. Os Cursos Superiores de Tecnologia são cursos de graduação e, portanto, conferem a condição primeira para cursar uma pós-graduação. No entanto, usualmente, os cursos de pós-graduação estabelecem critérios adicionais, geralmente relacionados às suas linhas de pesquisa. Tais critérios deverão ser atendidos por todos os candidatos, sejam eles egressos de um CST ou de qualquer outro curso de graduação.

8 Agroindústria Agropecuária Atividades relacionadas ao planejamento, execução e controle das etapas do processo agroindustrial, contemplando a obtenção, processamento e comercialização de matérias-primas de diversas origens, insumos e produtos finais, constituem o principal foco de atuação do egresso do Agroindústria. O profissional atua em empresas do setor agroindustrial e agricultura familiar, colaborando em estudos de implantação e desenvolvimento de projetos economicamente viáveis, ocupando-se, ainda, com a gestão de atividades referentes ao manejo adequado de equipamentos agroindustriais, em pesquisas e desenvolvimento de tecnologias alternativas para aproveitamento de produtos e subprodutos agropecuários, entre outras, sempre contemplando o aspecto ambiental. Agroindustrial; Agropecuária: Agroindústria; Agropecuária: Sistemas de Produção. Agronegócio O tecnólogo egresso do Agronegócio planeja, acompanha e controla as atividades do setor agropecuário, a partir do conhecimento dos processos de gerenciamento e das cadeias produtivas do setor. O processo produtivo, o beneficiamento, a logística e a comercialização de produtos agropecuários são atividades gerenciadas por esse profissional. O profissional do agronegócio está sempre atento às novas tecnologias pensadas para a modernização do setor rural, preocupado com a qualidade e produtividade do negócio, definindo os investimentos, insumos e serviços necessários, visando à otimização da produção e ao uso racional dos recursos naturais, bem como à preservação do meio ambiente. Administração Rural; Gestão de Agronegócio.

9 Irrigação e Drenagem O tecnólogo do Irrigação e Drenagem elabora, executa e supervisiona projetos de irrigação e drenagem. Para isso é necessário avaliar a aptidão de solos, executar o planejamento topográfico, selecionar equipamentos e analisar os impactos ambientais. Esse profissional é responsável, ainda, por orientar o manejo adequado de sistemas de irrigação e drenagem, objetivando a sustentabilidade ambiental e a otimização do uso dos recursos físicos e hídricos. A aplicação de produtos químicos, a gerência de perímetros irrigados e a orientação de quando, quanto e como irrigar ou drenar o solo constituem a base para a atuação desse profissional. Recursos Hídricos; Recursos Hídricos e Irrigação. Silvicultura O tecnólogo egresso do Silvicultura é o profissional que viabiliza soluções tecnológicas competitivas para o desenvolvimento do agronegócio em silvicultura e reflorestamento, identificando a organização e os processos da cadeia produtiva regional voltados para o setor. Nessa ocupação, o tecnólogo irá planejar, orientar, dirigir e supervisionar trabalhos voltados para o melhoramento, manejo, produção de espécies arbóreas, estabelecimento de viveiros e comercialização de mudas de espécies florestais, conhecendo ainda de forma apurada a legislação ambiental vigente. Produção de Grãos Esse tecnólogo ocupa-se do gerenciamento de projetos relacionados aos sistemas de produção de grãos, conhecendo desde aspectos relacionados à fertilidade, manejo e conservação do solo, até aspectos relacionados ao maquinário empregado, armazenamento, beneficiamento e comercialização de grãos.

10 A partir desses conhecimentos é possível, ainda, participar de pesquisas tecnológicas para melhoramento genético e produção de plantas. Faz parte da rotina desse profissional a emissão de pareceres sobre a produção de grãos, abrangendo temas como: controle de qualidade, otimização dos processos, impacto ambiental, novas tecnologias de produção, classificação, armazenamento e beneficiamento de grãos. Cafeicultura Esse profissional atua na cadeia do agronegócio cafeeiro, trabalhando em grandes empresas e cooperativas ou acompanhando pequenos cafeicultores. Elaborar e executar projetos agrícolas compreendendo o cultivo, a produção, o armazenamento, o beneficiamento e a comercialização do café são algumas das atividades desse profissional. Desta forma, ele conhece aspectos pontuais da produção cafeeira como espécies e variedades, exigências climáticas requeridas, manejo de mudas, condução da lavoura e colheita, infra-estrutura de beneficiamento, além de aspectos fitossanitários da cultura do café. Também são comuns a esse profissional atividades como fiscalização, elaboração de relatórios e pareceres sobre o controle de qualidade, classificação e certificação de cafés diferenciados. Denominação existente com possibilidade de Cafeicultura empresarial.

11 Conservação e Restauro Artes A preservação da memória nacional e a proteção do patrimônio artístico e cultural, por meio da conservação e restauração de obras e monumentos, é o foco da atividade do tecnólogo em Conservação e Restauro. Esse tecnólogo integra equipes multidisciplinares, planejando e executando tarefas de restauro e conservação do patrimônio móvel, integrado e edificado, notadamente na pintura, escultura, metal, papel, mobiliário e têxtil. Ele estuda e documenta aspectos do material que compõe o acervo a ser restaurado e utiliza metodologia de intervenção que esteja de acordo com a realidade brasileira. Esse tecnólogo pode comportar-se como profissional autônomo ou optar por trabalhar diretamente na prestação de serviços para entidades públicas e particulares. Conservação e iluminação; Conservação e Restauração de museus, teatros, igrejas; Restauração; Restauração de bens culturais. Direção e Produção Cênica O tecnólogo em Direção e Produção Cênica atua na produção e direção de espetáculos cênicos, que envolvem música, dança, cinema, vídeo e teatro. Esse profissional empreende novas tecnologias, linguagens e propostas estéticas. Ele conduz atividades de criação de cenários e de ambientes, execução de eventos e elaboração de obras didáticas ou de dramaturgia. O conhecimento histórico-interpretativo das artes cênicas, domínio teórico-prático de códigos, convenções e técnicas de linguagens próprias são características desse tecnólogo. Artes cênicas e direção; Produção teatral.

12 Ilustração Digital O tecnólogo em Ilustração Digital atua nas áreas de artes, comunicação e design, criando desenhos gráficos e digitais, desenvolvendo ilustrações em meio digital ou híbrido para projetos gráficos editoriais, multimídia e virtuais. Sua produção inclui desde charges a infográficos com animações 3D, podendo trabalhar em empresas jornalísticas, cinematográficas e agências de publicidade e propaganda, além de escritórios de design. Comunicação digital: desenho técnico; Comunicação digital: desenho gráfico; Comunicação e ilustração digital; Comunicação em computação gráfica; Criação e produção gráfica; Criação e Produção Gráfica Digital; Desenho de Animação; Desenho Gráfico Digital: Desenho Técnico; Design Digital; Design Gráfico Digital; Editoração Eletrônica; Produção Gráfica; Produção Gráfica Digital. (Vide denominações correlatas nas áreas profissionais de Design e Informática) Produção Fonográfica Trabalhando em produtoras, gravadoras, estúdios de gravação e sonorização e produção de shows, o tecnólogo em Produção Fonográfica pode envolver-se em todas as etapas do processo de produção fonográfica, da escolha de repertório, pré-produção, gravação, edição, mixagem e masterização à divulgação e distribuição do produto final. Para tal, ele domina tecnologias de gravação e produção de discos e CDs, opera estúdios de áudio, busca a qualidade do som e edita obras musicais. Denominação existente com possibilidade de Gravação e produção fonográfica.

13 Comércio Exterior Comércio Esse tecnólogo possui visão técnica sobre gerenciamento de operações em comércio exterior, tais como transações cambiais, despacho e legislação aduaneira, exportação, importação, contratos e logística internacional. Ele pesquisa o perfil de mercado, define seu plano de ação, negocia e coordena operações legais, tributárias e cambiais inerentes ao processo de exportação e importação. Além disso controla fluxos de embarque e desembarque de produtos, providenciando documentos, contratando pessoal e identificando os melhores meios de transporte, de forma a otimizar os recursos financeiros e humanos para o comércio exterior. Conhecimentos específicos de gestão, tendências de mercado, comercialização, contratos de financiamento, cotações de moeda, organização alfandegária, logística entre outros, são, assim, habilidades imprescindíveis a esse profissional. Exportação e Importação; Gerência de Comércio Exterior; Gestão de Comércio Exterior; Gestão de Negócios e Relações Internacionais; Gestão de Negócios Internacionais; Gestão de Serviços e Negócios Internacionais; Gestão em Comércio Internacional; Marketing Internacional. Gestão Comercial Focado nas transações comerciais, o tecnólogo em Gestão Comercial presta-se à organização comercial atendendo as diversas formas de intervenção (varejo, atacado, representação etc.) de qualquer setor. Como conhecedor das condições de viabilidade econômico-financeiro-tributária, dos instrumentos de relacionamento com o cliente, ele atua no planejamento, operação, implementação e atualização de sistemas de informações comerciais que proporcionem maior rentabilidade e flexibilidade ao processo de comercialização. Atua no fluxo de informações com os clientes, proporcionando maior visibilidade institucional da empresa, definindo estratégias de venda de serviços e produtos, gerenciando a relação custo e preço final e buscando a garantia da qualidade para os clientes internos e externos.

14 Comércio e Serviços; Gestão de Comércio Atacadista e Distribuidor; Gestão de Comércio e Serviços; Gestão de Comércio Eletrônico; Gestão de Comércio Varejista; Gestão de Concessionárias e Franquias; Gestão de Marketing de Varejo; Gestão de Negócios em Comércio e Serviços; Gestão de Negócios No Varejo; Gestão de Representações Comerciais; Gestão de Supermercados; Gestão de Varejo; Gestão do Varejo de Moda; Gestão Empresarial ênfase em Marketing e Vendas; Gestão Empresarial p/ Varejo de Material de Construção; Gestão Estratégica Comercial; Marketing de Varejo, Produto e Serviço; Representação Comercial; Vendas de Varejo; Vendas e Estratégia Comercial. Gestão de Negócios Imobiliários Indústria de construção civil, empresas imobiliárias, administradoras de imóveis, condomínios, escritórios de corretagem e de advocacia, além de incorporadoras, são algumas das possibilidades profissionais de atuação do tecnólogo em Negócios Imobiliários. A partir do estudo das condições mercadológicas do setor, cria oportunidades comerciais para o crescimento regional, desenvolve atividades de planejamento, operação e controle da comercialização de bens imóveis, podendo desempenhar também funções de venda e pósvenda de imóveis em nível nacional e internacional. Comércio Imobiliário; Ciências Imobiliárias; Gerência de Negócios Imobiliários; Gestão Imobiliária; Negócios Imobiliários Logística O tecnólogo em Logística é um profissional do setor de Comércio, especializado em armazenagem, distribuição e transporte. Atuando na área logística de uma empresa, planeja e coordena a movimentação física e de informações sobre as operações, visando proporcionar fluxo otimizado e de qualidade para peças, matériasprimas e produtos.

15 Ele gerencia, assim, redes de distribuição e unidades logísticas, estabelecendo processos de compras, identificando fornecedores, negociando e estabelecendo padrões de recebimento, armazenamento, movimentação e embalagem de materiais, podendo ainda ocupar-se com o inventário de estoques, sistemas de abastecimento, programação e monitoramento de fluxos de pedidos. Gestão de Logística; Gestão de logística de transportes e distribuição; Gestão de Operações Logísticas; Gestão em Logística Empresarial; Logística Comercial; Logística de Armazenamento e Distribuição; Logística ênfase em transportes; Logística e Distribuição; Logística Empresarial; Sistema de Logística Empresarial. (Vide denominações correlatas na área profissional de transportes) Marketing Atuando em praticamente todos os ramos de negócios, o tecnólogo em Marketing é o profissional responsável pela elaboração de estratégias de vendas que atraiam e mantenham clientes rentáveis. Ele estuda o mercado e seu ambiente socioeconômico para criar e inovar produtos ou serviços, promovendo-os, solidificando sua marca no mercado e definindo, por exemplo, estratégias, público-alvo e preços a serem estabelecidos. Atento às constantes mudanças, esse profissional comunica e cria relacionamentos com consumidores, antecipa tendências, aproveita oportunidades de mercado e analisa riscos. Aspectos da legislação que regula as atividades de comercialização, tais como direitos do consumidor, contratos comerciais, normas de higiene e segurança, questões tributárias e fiscais, estão diretamente ligados aos atributos desse profissional. Estratégias de Vendas; Gerência de Vendas; Gestão da Informação e Marketing Estratégico; Gestão de Marketing; Gestão de Marketing Competitivo; Gestão de Marketing de Varejo; Gestão de Marketing e Vendas; Gestão de Marketing em Turismo; Gestão de Marketing Estratégico; Gestão de Marketing Hoteleiro; Gestão de Planejamento

16 e Marketing e Vendas; Gestão de Vendas; Gestão e Marketing Hospitalar; Gestão e Promoção de Vendas; Gestão Empresarial ênfase em Marketing e Vendas; Gestão Estratégica de Vendas; Gestão Mercadológica; Gestão Tecnológica em Marketing Gerencial; Marketing de Negócios; Marketing de Produto, Serviços e Varejo; Marketing de Relacionamento; Marketing de Turismo; Marketing de Varejo; Marketing de Vendas; Marketing e Propaganda; Marketing Estratégico; Marketing Estratégico de Varejo; Marketing Hoteleiro; Negociação e Relacionamento Comercial; Produção e Marketing Cultural; Propaganda e Marketing; Vendas de Varejo; Vendas e Representações.

17 Comunicação Assistiva Comunicação O tecnólogo em Comunicação Assistiva atua na tradução e interpretação da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e da grafia Braille para a Língua Portuguesa, exercendo suas atividades em instituições que lidam com pessoas portadoras de necessidades especiais, sobretudo auditiva e visual, nos setores público e privado. Com a crescente inserção desse público no mercado de trabalho e o advento de novas tecnologias de informação e comunicação, a área demanda profissionais tecnicamente preparados. Além de empregar equipamentos e técnicas de produção de material já existentes para essa comunicação especial, o tecnólogo em Comunicação Assistiva envolve-se também com estudos e pesquisas para o desenvolvimento de novas estratégias de inclusão, incentivo à redução das desigualdades e minimização das barreiras na comunicação. Interpretação de Sinais para Surdos; Tradução e Interpretação de Língua Brasileira de Sinais. Comunicação Institucional Esse tecnólogo planeja, implementa, gerencia e promove o uso de técnicas e tecnologias para a comunicação institucional interna e externa. Sensível a aspectos estéticos, formais e sociais de uma organização, esse profissional ocupa-se basicamente em definir os objetivos de comunicação da instituição, avaliar os resultados da política de comunicação, interagir com o público interno e externo, desenvolver projetos de comunicação em diferentes mídias, além de atuar, em equipes multidisciplinares, na promoção de eventos utilizando estratégias de gestão e marketing. Assessoria de comunicação; Comunicação; Comunicação corporativa; Comunicação empresarial e institucional; Comunicação jurídica; Gerência da Comunicação organizacional e relações

18 públicas; Gerência de comunicação empresarial; Publicidade e comunicação empresarial. Curso Superior de Tecnologia de Criação em Jogos Digitais O tecnólogo de Criação em Jogos Digitais atua no segmento de entretenimento digital, trabalhando como autônomo ou em empresas produtoras de jogos digitais, canais de comunicação via web, produtoras de websites, agências de publicidade e veículos de comunicação. Desde a elaboração de estratégias, personagens e cenários de games até o desenvolvimento de roteiros e modelagem de personagens virtuais estão as possibilidades de atuação deste profissional. Esse tecnólogo lida com ferramentas e plataformas para criação de jogos digitais e insere-se num setor muito valorizado e em franca expansão. Design de jogos digitais;games; Jogos eletrônicos. (Vide denominações correlatas na área profissional de Informática) Fotografia Esse profissional trabalha na produção fotográfica, em setores de mercado como o de propaganda e marketing, moda e decoração, segmento técnico-científico, fotografia documental e editorial. Ele pode atuar em empresas jornalísticas, cinematográficas, laboratórios especializados, comércio de equipamentos fotográficos, centros de pesquisas, estúdios e escritórios de decoração, moda e arquitetura. Conhecimentos históricos e artísticos, sensibilidade e densidade crítica no trato das imagens são traços marcantes do tecnólogo em Fotografia. Captura e trabalho de imagens: fotografia; Comunicação digital: fotografia digital; Fotografia digital; Fotografia e imagem.

19 Produção Audiovisual Esse profissional atua na produção audiovisual, desde a filmagem, gravação, iluminação, fotografia, sonorização, edição até a gerência de setores técnicos e administrativos, utilizando recursos tecnológicos, equipamentos e ferramentas eletrônicas atualizados e empregando técnicas de direção, de pré e pós-produção. Estúdios de cinema, agências de publicidade, empresas de marketing, agências de comunicação integrada, emissoras de rádio ou televisão são possibilidades de atuação desse tecnólogo. Cinema e Televisão; Cinema, TV e Mídia Digital; Comunicação Audiovisual; Comunicação Digital: Vídeo Digital; Direção e Produção em Rádio e Televisão; Gestão de Produção de Rádio e TV; Gestão de Rádio e TV; Produção Audiovisual: Cinema e Vídeo; Produção de Multimídia: Rádio e Televisão; Produção Televisiva; Rádio; Vídeo Digital. Produção Multimídia O tecnólogo em Produção Multimídia pode atuar em empresas de comunicação e propaganda, em provedores de acesso e portais de informação. Utilizando diferentes tipos de ferramentas digitais de mídias na comunicação, esse profissional cria, implanta e gerencia recursos de texto, imagem, som e animação na mídia eletrônica, desenvolvendo ambientes hipermídios interativos. Comunicação Digital: Design Multimídia; Comunicação Digital - Web Design; Comunicação Digital e Hipermídia; Comunicação para Web; Comunicação para Web Design; Criação Multimídia; Criação e Desenvolvimento de Web Sites; Design de Multimídia; Marketing e Mídia; Multimídia; Produção de Multimídia - Rádio e Televisão; Produção Editorial Multimídia; Publicidade e Mídia; Web Design; Web Design e Comércio Eletrônico. (Vide denominações correlatas nas áreas profissionais de Design e Informática).

20 Construção de Edifícios Construção Civil O tecnólogo em Construção de Edifícios atua no gerenciamento, planejamento e execução de obras de edifícios. Ele é o profissional que orienta, fiscaliza e acompanha o desenvolvimento de todas as etapas desse processo, incluindo desde o planejamento e acompanhamento de cronogramas físico-financeiros, até o gerenciamento de resíduos sólidos oriundos das obras, objetivando, em todas estas etapas, segurança, otimização de recursos e respeito ao meio ambiente. Construção Civil ênfase em Planejamento; Construção Civil modalidade Edifícios; Gerência de Obras de Edificações; Gerenciamento da Qualidade em Edificações; Gerenciamento das Obras de Edificações; Gestão de Construção Civil; Gestão de Obras; Planejamento e Construção de Edifícios; Planejamento e Gerenciamento de Obras; Planejamento e Gestão de Empreendimentos na Construção Civil; Produção Civil; Produção da Construção Civil. Controle de Obras O tecnólogo em Controle de Obras é o profissional habilitado para fiscalizar, acompanhar e monitorar a qualidade das obras pela verificação dos padrões tecnológicos especificados em projetos e normas técnicas. Esse profissional atua em canteiros de obras ou em laboratórios de materiais de construção, solos, asfalto, cerâmica, executando, criando e adaptando ensaios, bem como lidando com o instrumental e maquinário associado. Domínio sobre aspectos de segurança, instalação laboratorial, calibragem de equipamentos e avaliação de resultados são indispensáveis ao tecnólogo em Controle de Obras. Denominação existente com possibilidade de Controle Tecnológico de Obras.

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

REGISTRO PROFISSIONAL

REGISTRO PROFISSIONAL REGISTRO PROFISSIONAL 19/11/2009 Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ (fonte: CFA) Nos últimos anos

Leia mais

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ 19/11/2009 Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ (fonte: CFA) Nos últimos anos cresceu significativamente

Leia mais

(*) Súmula Complementar à publicada no Diário Oficial da União de 28/12/2006, Seção 1, pp. 49-50. ANEXO AO PARECER CNE/CES Nº 277/2006

(*) Súmula Complementar à publicada no Diário Oficial da União de 28/12/2006, Seção 1, pp. 49-50. ANEXO AO PARECER CNE/CES Nº 277/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SÚMULA DE PARECERES(*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Processo: 23001.000137/2006-53 Parecer: CES 277/2006 Relator: Luiz Bevilacqua

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE CATÁLOGO DE AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Novembro/2015 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE 2006. Aprova em extrato o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/09/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Guia de cursos ifma2012

Guia de cursos ifma2012 20 12 a ifm sos cur Guia de Prezado(a) candidato(a), O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) preparou um guia dos cursos técnicos que serão oferecidos pela instituição em 2012. A escolha da carreira profissional

Leia mais

Relação de Cursos ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO. Código Curso Tipo 17/01/14 16:09:53 SISGESC

Relação de Cursos ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO. Código Curso Tipo 17/01/14 16:09:53 SISGESC 1 INTERCULTURAL INDIGENA EM LINGUAS, ARTES E LIT. 2 ADMINISTRAÇÃO LEGISLATIVA 3 ALIMENTOS 4 ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 5 ARQUITETURA E URBANISMO 6 ARTE EDUCAÇÃO 7 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 8 CERÂMICA

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Capítulo III Da Educação Profissional, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico Código Área Nome Área 1 Educação 2 Humanidades e Artes TABELA DE CURSO DE FORMAÇÃO SUPERIOR Código OCDE Nome do Curso - Grau Grau 142C01 Ciência da educação - 142P01 Pedagogia - Licenciatura Licenciatura

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

Como fazer o seu primeiro MBA?

Como fazer o seu primeiro MBA? GRADE CURRICULAR Como fazer o seu primeiro MBA? Escolha o MBA desejado no seu escritório virtual e confira a Grade Curricular do curso. Faça um a um, todos os módulos referentes ao MBA escolhido baseando-se

Leia mais

Dispõe sobre a concessão do Incentivo de Titulação aos servidores integrantes do Ambiente de Especialidade Gestão Pública.

Dispõe sobre a concessão do Incentivo de Titulação aos servidores integrantes do Ambiente de Especialidade Gestão Pública. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 01, 26 de maio de 2008. Dispõe sobre a concessão do Incentivo de Titulação aos servidores integrantes do Ambiente de Especialidade Gestão. O SECRETÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia Dezembro 2006 Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio)

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) 1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) Administração Administração (EII) Administração - Habilitação em Administração de Empresas Administração - Habilitação em Administração

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo Plano Educação LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO 1 Administração Comércio, Vendas e Negociações Administração de Mercado Exterior Administração Comércio, Vendas e Negociações Atendimento ao cliente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS CARGO Administrador Analista de Tecnologia da Informação Assistente Social Bibliotecário- Documentarista Contador Engenheiro Civil Engenheiro Agrônomo DESCRIÇÃO DOS CARGOS Planejar, organizar, controlar

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Administração 345A01 Administração ENADE 2006

Administração 345A01 Administração ENADE 2006 ENADE 2006 Relação das ÁREAS que serão avaliadas pelo ENADE 2006, em 12 de novembro de 2006, por determinação da Portaria nº 603, de 07 de março de 2006, e os respectivos cursos/habilitações conforme classificação

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Comércio

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Comércio Habilitação: Comércio Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Comércio de Compras (EII) - Habilitação

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 1. Biologia (Base Nacional Comum Ensino Médio; Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio) Biologia (LP) Ciências Biológicas (LP) Ciências

Leia mais

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA 20 DE FEVEREIRO DE 2008

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA 20 DE FEVEREIRO DE 2008 ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA 20 DE FEVEREIRO DE 2008 Em cumprimento ao disposto no art. 2 o da Portaria Normativo MEC n o 1, de 29 de janeiro de 2009, divulga-se abaixo

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO 1 QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO DISCIPLINAS Artes (Base Nacional Comum) Biologia (Ensino Médio) Matemática (Base Nacional Comum)

Leia mais

Administração Central

Administração Central São Paulo, 06 de Março de 2012. OFÍCIO Nº 01/2012-CESU/CETEC Ref.: Projeto de Intercâmbio Cultural do CEETEPS Seleção de Professores de áreas técnicas e tecnológicas das ETECs e FATECs Senhor(a) Diretor(a),

Leia mais

Cursos Integrados. Apresentação. Cursos Integrados

Cursos Integrados. Apresentação. Cursos Integrados Guia de cursos 2013 Apresentação Cursos Integrados Prezado(a) candidato(a), O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) preparou um guia dos cursos técnicos que serão oferecidos pela instituição em 2013. A

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014

CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Diretoria de Políticas de Educação Profissional e Tecnológica CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014 Ministério da Educação,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Site: WWW.fontecursos.com Tel. (68) 9977-1474 A cultura forma sábios; a educação, homens.

Site: WWW.fontecursos.com Tel. (68) 9977-1474 A cultura forma sábios; a educação, homens. Operador de Computador / Informática Os módulos que compõem o pacote Operador de Computador têm como objetivo desenvolver no aluno o conhecimento da informática para aplicação no mercado de trabalho, utilizando-se

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

MENSALIDADES CAMPUS PARALELA

MENSALIDADES CAMPUS PARALELA 1 MENSALIDADES CAMPUS PARALELA Bacharelados Campus Paralela 10% 15% Administração R$ 834,92 R$ 789,00 R$ 705,51 R$ 663,76 Arquitetura e Urbanismo R$ 951,32 R$ 899,00 R$ 803,87 R$ 756,30 Ciências Contábeis

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA Em cumprimento ao disposto no art. 2o da Portaria Normativo MEC no 1, de 29 de janeiro de 2009, divulga-se abaixo a relação das áreas e cursos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

GERED - ARARANGUÁ DISCIPLINA PARA INSCRIÇÃO PROVA HABILITAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA

GERED - ARARANGUÁ DISCIPLINA PARA INSCRIÇÃO PROVA HABILITAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA GERED - ARARANGUÁ PROVA DISCIPLINA PARA INSCRIÇÃO CÓDIGO CONTABILIDADE CONTABILIDADE 433 DIREITO DIREITO E LEGISLAÇÃO 453 AGRONEGÓCIO ASSOCIATIVISMO E COOPERATIVISMO SISTEMAS AGROALIMENTARES GESTAO III-

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Ref.: Projeto de Intercâmbio Cultural do CEETEPS Seleção de Professores de áreas diversas das ETECs e FATECs

Ref.: Projeto de Intercâmbio Cultural do CEETEPS Seleção de Professores de áreas diversas das ETECs e FATECs OFÍCIO CIRCULAR Nº 010/2013 - GDS São Paulo, 28 de março de 2013. Ref.: Projeto de Intercâmbio Cultural do CEETEPS Seleção de Professores de áreas diversas das ETECs e FATECs Senhor(a) Diretor(a), Estamos

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS EIXOS TECNOLÓGICOS EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE SAÚDE

DESCRIÇÃO DOS EIXOS TECNOLÓGICOS EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE SAÚDE DESCRIÇÃO DOS EIXOS TECNOLÓGICOS EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE SAÚDE Curso Técnico em Análises Clínicas Atua auxiliando e executando atividades padronizadas de laboratório - automatizadas ou técnicas clássicas

Leia mais

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA ENADE 2009 RELAÇÃO DE ÁREAS E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA Em cumprimento ao disposto no art. 2 o da Portaria Normativo MEC n o 1, de 29 de janeiro de 2009, divulga-se abaixo a relação das áreas e cursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DISCIPLINAS/EIXO TECNOLÓGICO POR GERED

ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DISCIPLINAS/EIXO TECNOLÓGICO POR GERED ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL /EIXO POR GERED DISCIPLINA/EIXO GERED ARARANGUÁ em Economia ou Administração ou Contabilidade ou Ciências Contábeis com Curso Emergencial de Complementação Pedagógica; ou,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: ASSISTENTE DE TI (Cód. 119060) Área de atuação: Assistente de TI, responsável pela

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Para todos os ambientes organizacionais para todos os servidores, independentemente do ambiente organizacional: Administração pública Estado,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, no uso das

Leia mais